Vous êtes sur la page 1sur 4

CENTRO UNIVERSITÁRIO SÃO CAMILO

Curso de Nutrição

Adrieli P.B.S da Paixão

Marcelle Regina de Oliveira

Nathália Ramalho de Souza

Taíris Regina da Silva Lunas

Tamires Soares de Souza

Vanessa Gonçalves Lemos

Nutrição Humana
e
Fisiologia Humana II

São Paulo

2010
Adrieli P.B.S da Paixão RA 220353

Marcelle Regina de Oliveira RA 219094

Nathália Ramalho de Souza RA 219704

Taíris Regina da Silva Lunas 218417

Tamires Soares de Sousa 73225

Vanessa Gonçalves Lemos 219549

Nutrição Humana
e
Fisiologia Humana II

Resumo dos artigos sobre a


intervenção do sódio e potássio
na hipertensão arterial
apresentado às Professoras
Roseli Espíndola e Roberta de
Medeiros.

São Paulo

2010
Revisão da literatura

A Intervenção do sódio e potássio na hipertensão arterial

ADRIELI PAIXÃO, MARCELLE OLIVEIRA, NATHÁLIA RAMALHO, TAÍRIS


LUNAS, TAMIRES SOARES, VANESSA GONÇALVES

Contexto: A hipertensão é um importante problema mundial de saúde pública


devido à sua alta prevalência e o aumento concomitante dos riscos de doenças
cardiovasculares. A intervenção dietética pode ser aliada ao controle da
pressão arterial, estudos indicam que a redução da ingestão de sódio o
aumento do consumo de potássio podem ajudar a regular os níveis de pressão
sanguínea. Objetivo: Verificar se o potássio pode ajudar no controle dos níveis
da pressão arterial. Método: foi realizada uma análise dos estudos da
intervenção do consumo de sódio e potássio com a hipertensão arterial com
base em publicações indexadas pelo Medline e LILACS, de base populacional,
a partir de 2004. A partir do levantamento desses artigos foi realizada a
presente revisão. Resumo: Diversos estudos têm relatado que o consumo de
sódio na dieta está positivamente e o consumo de potássio estão inversamente
associados à pressão sanguínea. Examinou-se essa relação com chineses
maiores de 16 anos que foram submetidos à intervenção dietética, também foi
realizado um estudo da população, com pessoas de 18 a 60 anos para
identificar potenciais probandos e suas famílias para estudos e os resultados
indicam que existe uma moderada correlação entre esses fatores, entretanto,
respostas da PA ao sódio e potássio variam consideravelmente entre
indivíduos. Em adição, respostas da PA foram maiores entre indivíduos mais
velhos, com sobrepeso, com histórico familiar de hipertensão, ou entre
africano-americanos descendentes. Estes achados sugerem que o efeito anti-
hipertensivo da suplementação de potássio é significativamente maior entre os
indivíduos que são mais sensíveis à ingestão de sódio na dieta. Também foram
avaliados os efeitos da suplementação de potássio via sal de cozinha sobre a
pressão arterial, e a resistência à insulina em pacientes obesos hipertensos em
uso de diuréticos e constatou que a perda de peso por meio de uma dieta
hipocalórica, diminui a resistência à insulina, e a pressão sangüínea, reduzindo
o risco cardiovascular e que a perda de peso e o incentivo à pratica de
exercícios físicos tiveram um efeito benéfico em pacientes hipertensos com
excesso de peso, em uso de medicação anti-hipertensiva, resultando na
redução da pressão arterial.. A suplementação de potássio a partir do sal de
cozinha contendo cloreto de potássio, em pacientes hipertensos obesos em
uso de diurético, se mostrou insuficiente para impedir a queda dos níveis
séricos de potássio e não resultou em nenhum efeito aditivo àquele obtido pela
perda de peso sobre a redução da pressão arterial e metabolismo dos
carboidratos. Os resultados do presente estudo mostraram os benefícios no
controle da pressão arterial obtidos com a redução do peso corporal,mas não
confirmaram os benefícios da suplementação de potássio a partir da utilização
do sal de cozinha para pacientes em uso de diuréticos, conforme sugerido em
estudos anteriores. Conclusão: Conclui-se que a intervenção dietética auxilia
no controle da hiperntensão arterial, a baixa ingestão de sódio e o aumento da
ingestão de potássio resulta em efeito benéfico, porém as respostas da
pressão arterial variam consideravelmente entre indivíduos, sendo mais
eficiente em indivíduos sensíveis à ingestão de sódio. Estudos mostram que a
suplementação de potássio através da ingestão de sal de cozinha não foi
suficiente para baixar os níveis pressão arterial. Os níveis de potassio nas
nutrizes normotensas e hipertensas, não mudam, sendo apenas considerado
as variações clinicas, de idade e paridade sendo assim relacionado a condição
da hipertesão. A pratica do aleitamento materno por nutrizes hipertensas
provavelmente não aumenta o risco de seus filhos terem na vida adulta
hipertensão arterial, sendo assim a hipertensão sistemica crônica
provalvelmente não se dá através do aleitamento materno precoce.

Palavras-chave: Sódio e potássio, controlde da hipertensão arterial,


suplementação, aleitamento.