Vous êtes sur la page 1sur 5

c 


      
  



O clima nesta região varia de acordo com o relevo. Na Baixada Litorânea e na encosta
leste da Borborema predomina o clima tropical úmido, com chuvas de outono-inverno e
estação seca durante o verão. As chuvas no litoral atingem índices de 1.700mm anuais e
temperaturas na casa dos 24°C. Seguindo para o interior as chuvas diminuem (800mm -
encosta leste da Borborema), voltando a aumentar o índice pluviométrico no topo do
planalto para 1.400mm.

Dominando o planalto da Borborema, exceto a encosta leste, está o clima semi-árido


quente; o índice pluviométrico nesta região pode ser considerado baixo chegando a 500-
600mm anuais.

O menor índice pluviométrico anual do Brasil é registrado no município de Cabaceiras,


279mm.

Uma terceira tipologia climática ocorre a oeste do Estado, no planalto do rio Piranhas.
Clima tropical úmido caracterizado por apresentar chuvas de verão e inverno seco, as
temperaturas médias anuais são elevadas, marcando 26°C; o índice pluviométrico é de
600 a 800 mm/ano. A leste da Borborema as chuvas são irregulares, o que resulta em
secas prolongadas.

  

A maior parte do território paraibano é constituída por rochas resistentes, e bastantes


antigas, que remontam a era pré-cambriana com mais de 2,5 bilhões de anos.

Elas formam um complexo cristalino que favorecem a ocorrência de minerais metálicos,


não metálicos e gemas. Os sítios arqueológicos e paleontológicos, também resultam da
idade geológica desses terenos.

 No litoral temos a Planície Litorânea que é formada pelas praias e terras arenosas.
 Na região da mata, temos os tabuleiros que são fomados por acúmulos de terras
que descem de lugares altos.
 No Agreste, temos algumas depressões que ficam entre os tabuleiros e o Planalto
da Borborema, onde apresenta muitas serras, como a Serra de Teixeira, etc.
 No sertão, temos uma depressão sertaneja que se estende do município de Patos
até após a Serra da Viração.
  

O Planalto da Borborema é o mais marcante do relevo do Nordeste. Na Paraíba ele tem


um papel fundamental no conjunto do relevo, rede hidrográfica e nos climas. As serras e
chapadas atingem altitudes que variam de 300 a 800 metros de altitude.

A Serra de Teixeira é uma das mais conhecidas, com uma altitude média de 700 metros,
onde se encontra o ponto culminante da Paraíba, a saliência do Pico do Jabre, que tem
uma altitude de 1.197 metros acima do nível do mar, e fica localizado no município de
Maturéia.

O Planalto da Borborema, também conhecido como Serra das Ruças, e denominado


antigamente como Serra da Copaoba, é uma região montanhosa brasileira no interior do
Nordeste. Situa-se nos estados da Paraíba, de Pernambuco, do Rio Grande do Norte e de
Alagoas.

Seu rebordo oriental, escarpado, domina a baixada litorânea com um desnível de 300m, o
que lhe confere ao topo uma altitude de 500m. Para o interior, o planalto ainda se alteia
mais e alcança média de 800m em seu centro, donde passa a baixar até atingir 600m
junto ao rebordo ocidental. Diferem consideravelmente as topografias da porção oriental e
da porção ocidental.

A leste, erguem-se sobre a superfície do planalto cristas de leste para oeste, separadas
por vales, que configuram parcos relevos de 300m. Aproximadamente no centro-sul do
planalto eleva-se o maciço dômico de Garanhuns, que supera a altitude de 1.000m.

Com altitude média de 400 metros, podendo chegar a mais de 1.000 metros (como é o
caso do Pico do Jabre, de 1.197 m e do Pico do Papagaio, de 1.260 m) em seus pontos
extremos (serras), o planalto está encrustado no agreste do Nordeste Oriental,
espalhando-se de norte a sul e tendo como fronteira natural as planícies do litoral (região
úmida) e a depressão sertaneja (região semi-árida). Constitui uma área de transição entre
a mata atlântica e a caatinga, possuindo vegetação variada que vai desde a caatinga
propriamente dita até resquícios de mata atlântica (matas de brejo) nos pontos mais altos
das serras, como ocorre na Unidade de Conservação Estadual Mata de Goiamunduba, na
Paraíba.

Com amplitude térmica acentuada, que vai dos 35ºC durante o dia e 18ºC/20ºC à noite,
chegando a cair, no inverno, para 20ºC/25ºC dia e 8ºC/12ºC noite, vem se constituindo
em uma região de forte atração turística, principalmente para os habitantes da área
litorânea. O ecoturismo também vem pouco a pouco se desenvolvendo, como é o que
vem ocorrendo no Parque Estadual Pedra da Boca, recentemente criado.
No Planalto da Borborema localizam-se importantes cidades, como Campina Grande
(Paraíba), Caruaru e Garanhuns (Pernambuco) e Arapiraca (Alagoas).



Na hidrografia da Paraíba, os rios fazem parte de dois setores, Rios Litorâneos e Rios
Sertanejos.

 ! 

São rios que nascem na Serra da Borborema e vão em busca do litoral paraibano, para
desaguar no Oceano Atlântico. Entre estes tipos de rios podemos destacar: o Rio
Paraíba, que nasce no alto da Serra de Jabitacá, no município de Monteiro, com uma
extensão de 360 km de curso d'água e o maior rio do estado. Também podemos destacar
outros rios, como o Rio Curimataú e o Rio Mamanguape.

"  #

São rios que vão em direçao ao norte em busca de terras


baixas e desaguando no litoral do Rio Grande do Norte. O
rio mais importante deste grupo é o Rio Piranhas, que
nasce na Serra de Bongá, perto da divisa com o estado do
Ceará. Esse rio é muito importante para Sertão da Paraíba,
pois através desse rio é feita a irrigação de grandes
extensões de terras no sertão. Tem ainda outros rios, como o Rio do Peixe, Rio Piancó e
o Rio Espinhara, todos afluentes do Rio Piranhas. Os rios da Paraíba estão inseridos na
Bacia do Atlântico Nordeste Oriental e apenas os rios que nascem na Serra da
Borborema e na Planície Litorânea são perenes. Os outros rios são temporários e correm
em direção ao norte, desaguando no litoral do Rio Grande do Norte.

  

A vegetação litorânea do estado da Paraíba apresenta, matas, manguezais e cerrados,


que recebem a denominação de "tabuleiro", formado por gramíneias e arbustos tortuosos,
predominantemente representados, entre outras espécies por batiputás e mangabeiras.
Formadas por floresta Atlântica, as matas registram a presença de árvores altas, sempre
verdes, como a peroba e a sucupira. Localizados nos estuários, os manguezais
apresentam árvores com raízes de suporte, adaptadas à sobrevivência neste tipo de
ambiente natural.

A vegetação nativa do planalto da Borborema e do Sertão caracteriza-se pela presença


da caatinga, devido ao clima quente e seco característico da região. A caatinga pode ser
do tipo arbóreo, com espécies como a baraúna, ou arbustivo representado, entre outras
espécies pelo xique-xique e o mandacaru.

c  
    
 
m  

        m       
  !"#$%&& '  ()      
  
* 
  * *   *    ' (+
     * ' %&      & 
  
 ,    - & . *  /  *  %&  *  *   
*   0m  12 3 
$' 4 5  m      *  /   
    (
1 4 3   * *    &     *   /   & 
* %  & *    * *   
%4*  
    
5  m  * 3 ,3 #6    3- 
 7(8
   
- **   2 3
 1     * &9:  4
    
   *  3   
 (
     
+*    &     -4  4  *
    
 *        *  
 4* (   -
 *      -  -      4  4  
         
* 
 4. *4* 6 * * 
               ;#   7(+
   
 *   - *  &  & <  4  *
* &         *  *    =   
m  *     * &   * < < 4* (=
  3 *            
>    (
+  4   
  & %*    $   - *  
&%* 
 0*   &  
  ? 6    "
   
7* * *       4  *  &% 
 *  >     *    6    :#7 
 * . *  -  &&  *   
 *   
 *   
  $   +   (
           *  <   

   * *            (5% *4'    
  (

  *     m@+A6m  @*  +  A * 7 
9#   &     *#
 :;# 6#
     <&7(@  & 
       ( 
/       &    * *    & 0
          *    & 
 . *   &        B
    
%   . *  **     * 
  &    *    (
C  0m@+A6            * 7(
&  A 
%4*
 *       & * % 
m   #
  # D  # 1
 

"EE" ("(" " (:(" ;" "("E( :E

"EE; (:(;"; " (;"(E9; ;9 "((; ";

 (;(!"9 " ("(; !" EE:(9: E

+         *  * *    


*  *   *  
      (
> 
8   m *:;(:9(;FG %   
 
   * (
%   3     
 @    (
? E9#   ,     m 
  *(
C' 0
@  01   @  
0m  * 
>  08*  +H * 
8  0 %
=  
 0
=* 
 0
= * 0