Vous êtes sur la page 1sur 4

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

Faculdade de Comunicação - Curso Comunicação Organizacional

ATIVIDADE DISCIPLINAR DE LINGUAGENS DA COMUNICAÇÃO: RÁDIO E TV

¹Danilo Farias, ¹Denise Santos, ¹Gabriel Martins, ¹Natália Oliveira , ¹Mônica Nubiato.
¹Alunos do 1ª Semestre de Comunicação Organizacional
Profª Ellis Regina

Imediatismo e Instantaneidade

1.INTRODUÇÃO

O seguinte estudo tem lugar no campo das linguagens de comunicação aplicadas ao Rádio e à
Televisão. Analisa-se os conceitos de imediatismo e instantaneidade, como são utilizados nos sistemas
de radiodifusão, dentro dos princípios de informação e entretenimento utilizados. A velocidade dos
acontecimentos e a abordagem, enquadramento e modelos utilizados para disseminar os fatos são de
grande relevância no dia-a-dia dos receptores da informação. Estes modelos geram emoções, conceitos,
e formulam novas ideias para os ouvintes/telespectadores.

2. IMEDIATISMO TELEVISIVO

A Televisão é composta por diversas características e possui uma vasta riqueza simbólica. No
Brasil, quando Assis Chateaubriand mostrou à população a nova obra da modernidade, a TV, as
pessoas perceberam que o Brasil logo não seria o mesmo. A televisão brasileira nasceu ao vivo. O
motivo: ainda não existia o vídeo tape por aqui.
A televisão faz parte do gosto popular por ser um veículo que alcança grande número de
pessoas. Segundo pesquisas, atualmente, 95% dos lares brasileiros possuem uma televisão. Algumas
causas da TV ser um veículo de comunicação tão visado são sua presença audiovisual, universalidade e
utilização de uma linguagem simples, que não depende de um conhecimento formal, já que o Brasil
ainda possui em torno de 15 milhões de analfabetos. Além de sublinhar emoções e compor sentidos.
É mágico assitir pela TV a reprodução da realidade distante, que não foi possível vivenciar em
virtude da distância geográfica, especialmente no Brasil, um país com extenso território. Talvez seja por
isso que a televisão seja o meio mais utilizado no país.
Há cerca de 80 milhões de televisores no Brasil. Esses números mostram o crescimento e a
consolidação da televisão como um meio de comunicação, que se destaca no meio dos outros veículos
por reproduzir a realidade através da imagem, sua principal característica. [ALDÉ: 2006].
Outra característica importante da TV é o imediatismo. A televisão herdou essa característica
do rádio. O imediatismo se caracteriza pela transmissão da informação através de imagens no exato
momento em que ocorre um fato. Ele traduz os conhecidos termos “ao vivo” e “tempo real”.
O imediatismo televisivo tem crescido em virtude da mobilidade estabelecida e impulsionada
pelos dispositivos móveis advindos do avanço tecnológico. Como exemplo, desenvolve-se cada vez mais
a capacidade editorial de celulares, estes que incluem câmeras fotográficas, GPS, editores de arquivos
(texto, áudio e vídeo), navegadores etc. Devido a simplificação do grande aparato técnico necessário, a
transmissão “ao vivo” fica cada vez mais fácil. Com o imediatismo, a televisão se impõe com imagem em
ação, dando mais credibilidade à reportagem no jornalismo, reforçando a veracidade do acontecimento.
As unidades móveis de transmissão facilitam o deslocamento das emissoras para o palco do
acontecimento. [ROSA GARCIA: 2010].
Apesar de todo o show midiático que o imediatismo oferece ao telespectador, a transmissão
imediata tende a inibir explicações e análises mais demoradas, ou seja, faz com que o contato entre o
emissor e o receptor seja mais direto e menos mediado. A empresa, ou emissora tem menos
possibilidade e tempo para fazer um controle ou revisão do conteúdo que será emitido.
O telespectador tende a questionar a imparcialidade da TV quando assiste algo em tempo real. É
factível que quando um programa mostra um acontecimento no momento exato em que ocorre, o
apresentador possui mais chances de demonstrar suas emoções, opiniões, de passar informações
erradas ao espectador e assim ser imparcial.
Um bom exemplo do impacto imediatista é a transmissão de copas do mundo e olimpíadas em
todo o mundo. Milhões de pessoas ficam integradas em uma transmissão em um mesmo momento. Na
Copa ocorrida na Alemanha, em 2006, aproximadamente 3 bilhões de telespectadores de 200 países
acompanharam as partidas em tempo real. O produto futebol “ao vivo”, incorporado há tempos pela
UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA
Faculdade de Comunicação - Curso Comunicação Organizacional

televisão é um show de imagens, sons e efeitos especiais, enquadramentos e narrações que constrói um
elo entre o espetáculo de futebol e imaginário da torcida. [FIRMINO: 2008].
Diariamente, ao ligarmos a TV, os noticiários locais mostram cenas e acontecimentos ao vivo.
Ocorrem vários plantões de emissoras, notícias de última hora, geralmente abordadas com urgência,
que pegam o espectador desprevenido, mas satisfazem os seus anseios e exigências. O flash da
televisão faz com que haja interação entre receptor e emissor, convida o espectador a participar do fato,
pois ele acompanha todo o desenrolar do acontecimento por meios das imagens transmitidas. O
telespectador se sente parte do que vê.
Uma condição para que o imediatismo ocorra plenamente é a urgência de contemporaneidade,
que exige a exaltação do momento mais atual quanto for possível. “Para isso, não basta que o fato seja
atual, ocorrido, por exemplo, ontem, mas tem de ser ‘atualíssimo”, ocorrido neste mesmo segundo. Pois
o imediatismo televisivo diz respeito à defasagem temporal entre o acontecimento e sua divulgação. A
mensagem precisa ser recebida, transmitida e compreendida ao mesmo tempo. Isso gera um
dinamismo, e amplia a confiança de quem recebe a mensagem.
Porém, essa conseqüência boa muitas vezes não se repete. Voltando à questão da
imparcialidade, podem ocorrer encenações em relatos telejornalísticos na tentativa de um jornalista
naturalizar um acontecimento. Por exemplo, um programa que acompanha perseguições policiais em
tempo real corre o risco de perder a credibilidade. Muitos telespectadores acreditam que quando
começar um tiroteio em uma sequencia mais intensa, os repórteres terão que ir embora e as imagens
não serão verdadeiramente mostradas.
Esse tipo de programa reduz a paciência do telespectador por parecer incoerente e colocar em
risco a vida de pessoas. O imediatismo supervaloriza a imagem chocante, sensacional, o que
aumentará a visibilidade do acontecimento. A emoção ao contextualizar um fato através desse tipo de
imagem é a principal atriz da cena. É ai que mora o perigo de se fazer um jornalismo com aparência de
show e fazer com que o telespectador se sinta lesado.

3. INSTANTANEIDADE

Qualidade de instantâneo; diz-se de algo que só dura um instante; um momento ou um ponto


determinado no tempo; momento e ocasião indeterminada no qual algo ocorre. [WIKCIONÁRIO].

A instantaneidade é uma conquista do rádio e da TV. Imagine se alguém, por exemplo, perdeu a
hora de sua novela favorita sem deixar programado algum meio de gravação daquele capítulo? Assim,
define-se a instantaneidade, ou seja, a mensagem da TV e do rádio só existe no instante em que é
veiculada, depois desaparece “no ar”.
Durante a cobertura de fatos ao vivo, o rádio e a TV ainda possuem uma agilidade maior que
outras mídias. Segundo Bruno Rodrigues, autor do livro Webwritting: pensando o texto para mídia digital
(publicado em 2003), a informação televisiva e radiofônica são voláteis, característica que bem define a
instantaneidade. “A noticia da TV, do rádio ou impresso são voláteis, se esvaem no ar. Você viu e ouviu
– mas passou, ou então virou embrulho de pão”.
“Fica claro, então, que a instantaneidade é uma característica também da web, mas, nesse
ambiente, a sua graça está no fato de ela, além de veicular a notícia com praticamente a mesma rapidez
do rádio e da TV, vir acompanhada de uma série de informações e recursos adicionais que
complementam essa instantaneidade”. [COSTA BISNETO: 2008]

Em entrevista para o website Radio Agência, o publicitário Washington Olivetto declara que
mesmo com a presença das mídias digitais, o rádio permanece com seu caráter inédito. O trecho a
seguir, foi redigido pelo jornalista Enio Martins.

RA - O Grupo de Profissionais do Rádio (GPR) defende uma tese interessante que diz o
seguinte: há 20 anos o Jornal Nacional era um programa quase que obrigatório para a
maioria das famílias brasileiras para se informar. Você viu no Jornal Nacional? Ah, não
vi. Então você perdeu!. Hoje em dia, isso está diferente, principalmente nos grandes
centros. O horário nobre, na verdade, acontece no Rádio, entre 19 e 20 horas. O próprio
horário do Jornal Nacional mudou, a novela começa mais tarde, porque as pessoas
chegam mais tarde em casa. Então, o GPR briga para que as agências de propaganda
percebam melhor este fenômeno que acontece.
UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA
Faculdade de Comunicação - Curso Comunicação Organizacional
W - Eu acho que tem um bom componente de raciocínio conseqüente nisso. Sem dúvida
nenhuma, eu vejo por mim, por exemplo: o meu momento de locomoção coincide muito
com o horário do Jornal Nacional e é um momento em que eu estou ouvindo Rádio. Tem
um outro detalhe: com a presença da Internet, o Rádio ainda consegue ter um "inédito"
muito forte. Coisa que o outro veículo, até por características de produção mais
complicadas e pela menor instantaneidade não consegue. Então, à medida em que a
Internet começou a competir, sobre o ponto de vista audiovisual ou visual, com a
Televisão, eu acho que o Rádio recebeu uma injeção de ânimo aí nessa parada.
[MARTINS: 2003].

4. MODELOS DE INSTANTANEIDADE E IMEDIATISMO APLICADOS


A - Perseguição policial no bairro do Pacaembú, em São Paulo/SP, veiculada no Programa Brasil
Urgente, pela emissora Band.

Uma perseguição a bandidos causou tiroteio e deixou policiais feridos na região do Pacaembu,
em São Paulo. Imagens do ‘Brasil Urgente’ mostram o momento em que motos da Rocam (Rondas
Ostensivas com Apoio de Motocicletas) tentam parar o carro em que os bandidos estavam e acabam
sendo atropeladas por eles.

Frames [YOUTUBE]

Análise: Neste caso em que um programa mostra perseguições policiais não existe uma roteirização,
portanto um cenário mais propenso ao imediatismo, onde as imagens, transmitidas ao vivo por
intermédio de um helicóptero, são acompanhadas da locução improvisada do apresentador.

B - O caso dos Mineiros presos em Mina no Chile, veiculado no Programa Plantão Record,
transmitido pela Rede Record de televisão.

Mineiros presos em uma mina no Chile começam a ser resgatados. As imagens do ‘Plantão
Record’ mostram a chegada do primeiro mineiro à superfície e a emoção da família.

Frames [YOUTUBE]

Análise: Milhares de pessoas assistem à cena. O resgate dos mineiros parou a população de países em
todo o mundo. As pessoas se comovem com a perseverança e força dos mineiros em resistir por volta

de dois meses dentro de uma mina. Centenas de repórteres ao redor da mina mostrando, a cada
segundo, novas imagens ao telespectador.
UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA
Faculdade de Comunicação - Curso Comunicação Organizacional
Portanto, há rastros de imediatismo nas chamadas ao vivo, ocorridas no período iminente ao
resgate. Quanto à instantaneidade, o telespectador tem a chance única de acompanhar o desenrolar do
acontecimento. Apesar de a internet ser um meio que cresce como um banco ilimitado de informações e
imagens, a televisão tem a possibilidade de transmitir um fato com exclusividade.

5. CONCLUSÃO

Poder assistir um acordo de paz firmado entre duas nações inimigas, a abertura dos jogos
Olímpicos ou acompanhar um ataque aéreo a um país em tempo real eram situações impensáveis antes
do advento da televisão. Logo, com a chegada desse meio de comunicação e o seu aprimoramento ao
longo dos anos, a possibilidade de assistir a um fato ao vivo e ter acesso a informação no instante do
fato tornou-se possível.
Nesse contexto, duas características importantes da televisão são o imediatismo e a
instantaneidade, promotores da informação sem intermediários, em tempo real. Essa possibilidade de ter
acesso a informação em tempo real é atrativa ao telespectador, pois ele tem o fato disponível
exatamente no instante em que ocorre, ocasionando mais veracidade .
Contudo, mesmo sendo transmitida em tempo real a informação não deve ser isenta de análise
crítica, pois, dependendo do observador e das suas intenções e propósitos, a realidade é transmitida sob
difententes perspectivas. Logo, nem sempre aquilo que vemos em tempo real representa,
necessariamente a verdade de fato,mas sim, uma verdade fatiada de um todo que está inserido em
determinado contexto.

6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

[CARAUTA: 2009] CARAUTA, Alexandre. Propostas para conciliar profundidade,


contextualização e velocidade na formação jornalística à luz da convergência de mídia- Sociedade
Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação- XIV Congresso de Ciências da Comunicação
na Região Sudeste, Intercom, de 7 a 9 de maio de 2009. Autor: Alexandre Carauta2
Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro- pag. 1 e 8. Disponível em
www.intercom.org.br/papers/regionais/.../R14-0420-1.pdf. 26 de novembro às 15h28.

[ROSA GARCIA: 2010] ROSA GARCIA, Letícia Afonso. O processo de construção da


mensagem telejornalística em sala de aula. Disponível em www.fnpj.org.br/grupos. 26 de novembro às
15h30.

[FIRMINO: 2008] FIRMINO, Fernando. Jornalismo live streaming: tempo real, mobilidade e
espaço urbano. Universidade Metodista de São Paulo – novembro de 2008. Disponível em http://
treinamentomovel.files.wordpress.com/.../fernando-firmino-da-silva-sbpjor-artigo-jornalismo-live-
streaming.pdf. 26 de novembro às 15h40.

[ALDÉ: 2006] ALDÉ, Alessandra. A construção da Política. Democracia, Cidadania e Meios de


Comunicação de Massa. Disponível em http://books.google.com.br. 26 de novembro às 14h30.

[COSTA BISNETO:2008] COSTA BISNETO, MS. Pedro Luiz de Oliveira. Internet, Jornalismo e
Weblog: A Nova Mensagem: Estudos Contemporâneos de Novas Tendências Comunicacionais Digitais.
Disponível em http://pbisneto.sites.uol.com.br/mestrado/dissertacao/cap2_1.htm , 25 de novembro às
15h53.

[MARTINS: 2003] MARTINS, Enio. Entrevista Washington Olivetto: “A palavra que define o
Rádio é : fascinante” em 22 de setembro de 2003. Disponível em
http://www.radioagencia.com.br/noticia.php?noticia=1103&categoria=2 . 25 de novembro de 2010 às
15h45.

[WIKCIONÁRIO] Esta página foi modificada pela última vez às 07h40 de 1 de abril de 2010.
Disponível em http://pt.wiktionary.org/wiki/instante , 25 de novembro de 2010 às 16h42

[YOUTUBE] frames disponíveis em Vídeos http://www.youtube.com/watch?v=DTIIeDnYHVk