Vous êtes sur la page 1sur 3

Crueldade colonial

A pena capital chegou ao Brasil pouco depois de Cabral. Naquela época não existiam
julgamentos: as execuções, geralmente, eram sumárias. Em 1530, ano da chegada da
primeira expedição de ocupação vinda de Portugal, liderada por Martim Afonso de
Souza, começaram os assassinatos feitos em nome do Estado. Um dos primeiros
ocorreu por causa do fidalgo português Pero Lopes Souza. Irmão de Martim Afonso, ele
estava alojado numa fortaleza em Pernambuco que foi atingida por duas flechas. Ele
não se feriu, mas, desconfiado dos franceses que habitavam a região, mandou que todos
eles fossem presos e enforcados. A execução coletiva só parou quando dois dos
estrangeiros assumiram a culpa.

No início do século 16, quem recebia sentenças de morte eram principalmente índios,
piratas, traficantes, hereges e invasores franceses – naquela época, a maioria da
população podia ser encaixada em (pelo menos) uma dessas categorias. Ainda no ano de
sua fundação, em 1549, Salvador foi palco de uma execução exemplar, ordenada pelo
seu governador e fundador, Tomé de Souza. Um índio matou um português e, como
punição, foi amarrado à boca de um canhão. Quando o projétil foi disparado, o
condenado se despedaçou no ar, na frente de uma platéia composta por colonos e
nativos. Em 1551, também em Salvador, mais dois nativos receberam essa punição.
Eram velhos índios que morreram no lugar dos sobrinhos, que haviam fugido após ser
acusados de devorar quatro comerciantes.

Os colonos portugueses não estavam imunes à pena capital, embora ter uma boa posição
social ajudasse bastante. Nos assassinatos, por exemplo, se o acusado fosse um fidalgo,
as Ordenações Filipinas diziam que o caso devia ser bem analisado antes de se optar
pela pena de morte. Mesmo assim, se tornaram comuns as execuções de “homens
bons”. Como o coronel Fernão Bezerra Barbalho, dono de engenho em Pernambuco
que, por suspeitar de infidelidade, assassinou a esposa e as três filhas. Já estávamos na
segunda metade do século 17, quando já existiam julgamentos organizados. Condenado,
o coronel foi degolado em 1687.

Ter o pescoço cortado era o principal método usado para executar nobres e membros da
elite. Morrer na forca era algo vergonhoso, destinado à ralé. Mas a violência das leis
nem sempre era aplicada na prática. Os condenados podiam apelar ao rei – que, com seu
“direito de graça”, muitas vezes os perdoava. “Essa estratégia mantinha toda a força da
autoridade, mas, ao mesmo tempo, permitia ao soberano ser magnânimo”, diz Arno
Wehling, presidente do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro.

Para dar o exemplo

Com o avanço da colonização, a partir do século 17, consolidou-se a escravidão de


africanos, trazidos ao Brasil para cuidar de engenhos e de toda sorte de trabalhos
braçais. Apesar de viver humilhados, durante boa parte do período colonial os escravos
dificilmente eram condenados e executados. Isso porque muitos morriam no tronco, sob
o jugo de seus proprietários. “Era no próprio engenho, longe dos olhos do Estado, que
eles eram mortos, e ficava tudo por isso mesmo”, diz o historiador Ilmar Rohloff de
Mattos, diretor do Departamento de História da Pontifícia Universidade Católica do Rio
de Janeiro.
A partir do século 18, Portugal começou a intervir mais na política da colônia. O
principal foco de fiscalização era Minas Gerais, por causa dos metais preciosos
descobertos por lá. O crescimento da opressão levou a revoltas, quase sempre punidas
exemplarmente. Em casos como o do mineiro Tiradentes, não bastava para as
autoridades que o réu fosse enforcado e esquartejado. A sentença do inconfidente foi a
de “morte para sempre”, o que significava matar também sua memória: derrubar sua
casa, salgar o terreno para que nada mais crescesse por lá e declarar infames todos os
seus descendentes.

Após a Independência, em 1822, a tortura do réu e a mutilação do cadáver passaram a


ser vistas como barbárie. Em 1830, surgiu o Código Criminal do Império. O texto
manteve a pena de morte, mas o fez apenas para homicídios e revoltas escravas. Todas
as mortes tinham que ser pela forca. Foram banidas a tortura, o esquartejamento e a
exposição de corpos.

As normas do Código, entretanto, não foram seguidas instantaneamente em todos os


recantos do país. Em 1831, os escravos Narciso e Elesbão mataram seu senhor, Luiz
José de Oliveira, a facadas e foiçadas em Jundiaí, São Paulo. Os dois confessaram o
crime e ainda admitiram ter bebido o sangue do morto. Narciso foi julgado e enforcado.
Já Elesbão, depois da confissão, passou a negar ter participado do crime. Seu
julgamento durou quatro anos. No fim, o juiz municipal José Mendes Ferraz resolveu
ignorar o Código e se ater às antigas Ordenações. Ele exigiu que, depois que a sentença
de morte fosse executada, as mãos e a cabeça do escravo fossem cortadas e penduradas
em postes. Ao expor as mãos em Campinas e a cabeça em Jundiaí, o juiz pretendia
intimidar o público. No caso de Elesbão, isso não funcionou muito bem. Depois de
algum tempo penduradas, as mãos negras da vítima teriam ficado brancas. Isso foi
interpretado como um sinal da inocência do escravo (posteriormente, moradores de
Campinas passaram a atribuir milagres à sua alma).

O imperador clemente

Seis meses antes de Elesbão ser executado, havia entrado em vigor a lei de 10 de junho
de 1835. Ela estabelecia que os escravos homicidas não deveriam ser julgados segundo
os princípios liberais do Código Criminal. Se ficasse provado que o escravo tinha
matado ou ferido gravemente seu senhor ou alguém da família dele, a única pena
possível era a de morte. Essa rigidez decorria do medo gerado por uma série de revoltas
escravas acontecidas entre 1807 e 1835, cujos ápices foram a Insurreição de Carrancas,
de 1833, em Minas (que acabou com o enforcamento de 12 escravos), e a Rebelião dos
Malês, de 1835, na Bahia (que resultou no fuzilamento de quatro negros). Se até os
últimos anos do Brasil Colônia os escravos foram minoria entre os executados em nome
da lei, eles passaram a ser maioria durante o Império.

A sentença de morte para os cativos era tão certa que eles já a conheciam de antemão.
Como José Crioulo, que assassinou seu senhor, José Augusto Cisneiros, em 1851, no
Rio de Janeiro, com uma estocada de compasso no peito. Crioulo alegou que estava
sendo espancado pelo dono quando reagiu e o matou, mas sabia que isso nada lhe
adiantaria – legítima defesa não valia para escravos. No interrogatório, reconheceu que
nada que ele dissesse poderia mudar seu destino. E, falando ao juiz, fez uma sábia
comparação: “Vossa Excelência bem sabe, no meio das galinhas, as baratas não têm
razão”. Morreu enforcado em 1852.
No mesmo ano em que José Crioulo foi executado, um homicídio chocou a cidade de
Macaé, no Rio de Janeiro. Manoel da Motta Coqueiro, um rico fazendeiro local, foi
acusado de ter mandado assassinar uma família inteira de colonos que vivia em sua
propriedade. Morreram Francisco Benedito, a mulher dele e seis filhos (incluindo três
crianças), todos abatidos a pauladas e retalhados a golpes de foice. Só uma filha
escapou, Francisca. Ela, que desapareceu, foi tida como o pivô de tudo: estava grávida
de Motta Coqueiro. O povo queria vingança. O fazendeiro foi condenado com base em
depoimentos controversos de alguns de seus escravos – que, por lei, nem poderiam
testemunhar contra ele.

Motta Coqueiro foi enforcado em 1855. Pouco depois, surgiu a versão de que a
mandante do crime teria sido, na verdade, Úrsula das Virgens, a mulher do réu – que
acabou enlouquecendo durante o julgamento. “Se naquele tempo até pessoas ricas e
poderosas podiam ser condenadas à morte sem provas ou certezas, quantos miseráveis e
inocentes teriam sido estupidamente pendurados numa corda antes que a pena de morte
acabasse?”, questiona o jornalista Carlos Marchi em Fera de Macabu, livro em que
conta a história de Motta Coqueiro e afirma que a suposta inocência do fazendeiro
influenciou o imperador Pedro II, que assumira em 1840, a seguir em frente com sua
campanha pessoal para acabar com a pena capital no Brasil.

O caso de Motta Coqueiro ocorreu na época em que a aversão do imperador às


execuções começava a dar frutos. “A partir de 1854, por determinação de Pedro II, em
todas as sentenças de morte a última palavra sobre a execução caberia a ele”, diz
Ribeiro. O monarca, então, se habituou a reverter penas, incluindo as de escravos,
transformando-as em prisão perpétua. Enquanto entre 1833 e 1853 pelo menos 130
escravos foram executados, entre 1854 e 1876 o número baixou para 50. A última
execução de homem livre aconteceu em 1861, quando Antônio José das Virgens foi
enforcado na Paraíba. Embora legalmente a pena capital continuasse existindo, ela foi
desaparecendo na prática.

De 1876 até a Proclamação da República, o imperador impediu todas as execuções,


fazendo do Brasil um dos primeiros países a abolir a pena capital, ainda que não
oficialmente. O fim formal veio com a primeira Constituição republicana, de 1891. A
partir daí, as forcas, guilhotinas, fogueiras, cadeiras elétricas, injeções letais,
fuzilamentos e outras formas de execução não teriam mais vez no Brasil. Ao menos
amparadas por lei. Por aqui, a pena de morte está prevista no Código Penal Militar e na
Constituição, em caso de guerra