Vous êtes sur la page 1sur 6

HARMÔNICAS NAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS:

CAUSAS, EFEITOS E SOLUÇÕES

Bruno Carlos Oliveira

Disciplina: Seminário
Professor: Wilson C. P. de Aragão Filho
Departamento de Engenharia Elétrica - Universidade Federal do Espírito Santo
Cx. Postal 01-9011 – Vitória/ES – 29060-970 – BRASIL
bcoliveira@email.com

Resumo – As harmônicas estão cada vez mais


presentes nas instalações elétricas,
principalmente nos ambientes industriais.
Fontes chaveadas, inversores de freqüência,
retificadores trifásicos entre outras cargas não
lineares são os grandes geradores desse
fenômeno. A própria NBR5410 desde 1997 já
contempla os efeitos das harmônicas,
aumentando a seção transversal do fio neutro.
Tabela 1 – Valores para os sinais 1, 5 e T da figura 1.
Neste artigo procura-se explorar o que são as
harmônicas, suas causas, efeitos, e algumas Dessa forma, podemos dizer que um sinal
soluções práticas que já se mostraram eficazes periódico contém harmônicas quando a forma
em campo. de onda desse sinal não é senoidal ou, dito de
I – INTRODUÇÃO outro modo, um sinal contém harmônicas
quando ele é deformado em relação a um sinal
Uma tensão ou corrente harmônica pode senoidal.
ser definida como um sinal senoidal cuja
freqüência é múltiplo inteiro da freqüência II – ESPECTRO HARMÔNICO
fundamental do sinal de alimentação [1].
A forma de onda de tensão ou de corrente em O chamado “espectro harmônico”
um dado ponto de uma instalação pode ter o permite decompor um sinal em suas
aspecto do sinal T que está mostrado na figura 1 componentes harmônicas e representa-lo na
(onda deformada). forma de um gráfico de barras, onde cada barra
Observando essa situação, vemos que o sinal T representa uma harmônica com sua freqüência,
é a soma ponto a ponto dos sinais 1 e 5 valor eficaz e defasagem.
formados por senóides perfeitas de amplitudes e O espectro harmônico é uma
freqüências diferentes, chamadas de representação da forma de onda no domínio da
harmônicas. Com efeito, é possível construir o freqüência. Teoricamente, o espectro harmônico
sinal T a partir dos valores dos sinais 1 e 5 de um sinal deformado qualquer chegaria ao
indicados na tabela 1. infinito. Na prática, geralmente limita-se o
número de harmônicas a serem medidas e
analisadas por volta da ordem número 40, uma
vez que, raramente, os sinais acima dessa ordem
são significativos a ponto de poderem perturbar
o funcionamento de uma instalação. A figura 2
mostra a forma de onda e o espectro harmônico
de um sinal praticamente senoidal, enquanto
que a figura 3 apresenta uma forma de onda
bastante distorcida, repleta de harmônicas,
Figura 1 – Onda deformada e suas componentes harmônicas. sobretudo as de ordem 3, 5, 7 e 9. Em uma
instalação elétrica onde haja a presença par são encontradas nas instalações com sinais
predominante de sinais em corrente alternada, o deformados em corrente contínua.
espectro apresenta apenas harmônicas de ordem
ímpar, enquanto que as harmônicas de ordem

Figura 2 – Forma de onda e espectro de um sinal praticamente senoidal.

Figura 3 – Forma de onda e espectro de um sinal fortemente distorcido.

harmônicas (h2, h3,..., hn = 0), a THD é igual a


III – TAXA DE DISTORÇÃO HARMÔNICA TOTAL zero. Dessa forma, deve-se buscar nas
(THD) instalações elétricas os valores de THD mais
próximos de zero possíveis.
A THD é definida em conseqüência da No Brasil, não há ainda valores
necessidade de se determinar numericamente as normalizados para THDf nas instalações
harmônicas presentes em um dado ponto da elétricas. Nesse caso, uma sugestão é adotar,
instalação. Há duas formas de se quantificar a por exemplo, os valores máximos expressos na
THD: norma IEEE 519-2 [2].
São definidos dois valores para THD,
(h2 ) 2 + (h3 ) 2 + (h4 ) 2 + ... + (hn ) 2 sendo um para tensão (THDU) e outro para
THD f = × 100% corrente (THDI), os quais indicam,
h1
respectivamente, o grau de distorção das ondas
de tensão e corrente, quando comparadas com
(h2 )2 + (h3 ) 2 + (h4 )2 + ... + (hn ) 2 as senóides puras. É importante lembrar que a
THDr = ×100 %
(h1 ) 2 + (h2 )2 + (h3 ) 2 + ... + (hn )2 distorção de corrente, indicada pela THDI, é
provocada pela carga, ao passo que a distorção
de tensão (THDU) é produzida pela fonte
Onde h1, h2,..., hn representam o valor eficaz das
geradora como conseqüência da circulação de
harmônicas de ordem 1, 2, ..., n.
correntes distorcidas pela instalação. Isso
A THDr representa o grau de distorção
provoca uma espécie de “efeito bola de neve”
harmônica total em relação ao sinal total,
uma vez que, se a tensão é deformada, as
enquanto que a THDf indica a distorção
correntes nas cargas também se deformam e, se
harmônica total em relação à componente
as correntes se deformam, as tensões se
fundamental. Em ambas equações, é possível
deformam mais ainda e assim por diante [1].
verificar que, na ausência de componentes
IV – FATOR DE POTÊNCIA E COS ϕ Os instrumentos usuais de medição de
tensão e corrente são projetados e construídos
Normalmente, utilizam-se os termos fator para uma adequada leitura de sinais
de potência e cosϕ como sinônimos, o que perfeitamente senoidais (que estão cada vez
somente é apropriado no caso de não existirem mais raros de serem encontrados). No caso da
harmônicas no circuito, ou seja, se os sinais presença de harmônicas, as leituras desses
forem senoidais puros. O fator de potência (fp) aparelhos podem apresentar erros grosseiros que
é a relação entre a potência ativa e a potência levam o profissional a tirar conclusões erradas
aparente definido para um sinal periódico não sobre o circuito analisado, pois quando o sinal
senoidal. não é senoidal, o resultado da medição pode ser
P (W ) muito diferente do valor eficaz real da tensão ou
fp =
S (VA ) corrente que se está medindo.
O cosϕ é a relação entre a potência ativa Os instrumentos de valor eficaz
e a potência aparente definido para cada uma verdadeiro, também chamados de TRUE RMS,
das componentes harmônicas (senoidais): surgiram como conseqüência da necessidade de
P (W ) se medir o valor eficaz de sinais que não são
cos ϕ n = hn senoidais, ou seja, que contém harmônicas.
S hn (VA )
Geralmente, mede-se o cosϕ da V – GERAÇÃO DE HARMÔNICAS
componente fundamental e o fator de potência
do sinal deformado (total). Neste caso, em Em um sistema de potência ideal, limpo
circuitos que apresentam valores de fator de de harmônicas, as formas de onda da corrente e
potência e cosϕ muito diferentes entre si da tensão são senoidais puras. Na prática, se
possuem uma forte quantidade de harmônicas produzem correntes não senoidais quando a
tanto de corrente quanto de tensão. Isso pode corrente que circula pela carga não tem uma
causar aquecimentos excessivos generalizados relação linear com a tensão aplicada. Em um
na instalação e, sobretudo, sérias avarias em circuito simples que possua apenas cargas
bancos de capacitores. Ao contrário, valores lineares resistivas, indutivas e capacitivas, a
muito próximos de fator de potência e cosϕ corrente que circula é proporcional à tensão
indicam a pequena presença de harmônicas nos aplicada para uma freqüência determinada. Se
circuitos. A figura 4 mostra as formas de onda uma tensão senoidal é aplicada a este sistema,
de tensão e corrente verificadas em um dado se produz uma corrente senoidal, como ilustrado
ponto de uma instalação, onde pode-se observar na Figura 5.
na indicação do instrumento os valores de fp =
0,70 e cosϕ = 0,87. Nota-se que a forma de
onda da corrente é bastante distorcida (repleta
de harmônicas).

Figura 5 – Forma de onda de uma carga linear.

A curva de carga é a relação entre a


Figura 4 – Forma de onda com diferença significativa entre fator tensão aplicada e a corrente que circula pela
de potência e cosϕ . carga, tal como mostrado na Figura 5
correspondente a uma carga linear. Note-se que
IV – MEDIÇÕES DE HARMÔNICAS se está presente um elemento reativo, haverá
uma defasagem entre as formas de onda da As correntes harmônicas geradas pela
tensão e da corrente, e o fator de potência se carga circulam pelo circuito através da
reduz, mas o circuito continua sendo linear [3]. impedância da fonte e por todos os outros
A Figura 6 mostra a situação em que a caminhos em paralelo. Como conseqüência,
carga é constituída por um retificador de onda aparecem tensões harmônicas através da
completa e um capacitor, como na entrada de impedância da fonte e estão presentes em toda a
uma fonte chaveada típica. Neste caso, a instalação. Os geradores de harmônicas são
corrente circula apenas quando a tensão de considerados às vezes como geradores de
alimentação ultrapassa a que está armazenada tensão, embora se assim fosse a impedância da
no capacitor, isto é, próximo ao valor de pico da fonte não teria nenhuma influência sobre a
onda senoidal de tensão, como mostra a forma amplitude da tensão harmônica através da fonte.
da curva de carga. Na realidade, a amplitude desta tensão é
proporcional, até certo limite, ao valor da
impedância da fonte, o que indica que o gerador
se comporta como uma fonte de corrente. Como
a impedância da fonte geralmente é baixa, a
tensão harmônica resultante de uma corrente
harmônica também é baixa, e freqüentemente
muito inferior aos valores da corrente que
circula na rede. Isto pode induzir a erro, porque
dá a impressão de que não existem problemas
produzidos pelas harmônicas, quando na
realidade estão presentes correntes harmônicas
consideráveis. Esta é uma situação similar à
tentativa de medir uma corrente de terra com
um voltímetro. Sempre que há suspeitas da
Figura 6 – Forma de onda de uma carga não linear. existência de harmônicas, ou quando se tenta
verificar a sua ausência, deve-se medir a
Na prática, a curva de carga e a forma de corrente.
onda da corrente serão provavelmente muito
mais complexas que as mostradas neste VI – TIPOS DE EQUIPAMENTOS QUE GERAM
exemplo, podendo apresentar certas assimetrias
e histereses, e os pontos de inflexão e as HARMÔNICAS
inclinações podem variar com a evolução da Todas as cargas não lineares geram
carga. Todas as ondas cíclicas podem ser correntes harmônicas. Entre elas incluem-se:
decompostas em uma onda senoidal na
freqüência fundamental mais uma série de Cargas monofásicas, por exemplo:
senóides para as freqüências harmônicas. → Fontes chaveadas, de baixo custo, que
Portanto, a forma de onda distorcida integram computadores pessoais,
representada na Figura 6 pode ser decomposta fotocopiadoras, impressoras, aparelhos de
em uma onda fundamental, mais uma fax e secretárias eletrônicas, centrais
percentagem da segunda harmônica, mais uma telefônicas, etc;
percentagem da terceira harmônica, e assim
→ Reatores eletrônicos para iluminação
sucessivamente, possivelmente até a décima
fluorescente;
terceira harmônica. Para as ondas simétricas,
isto é, aquelas em que os ciclos positivo e → Pequenas unidades de alimentação
negativo têm a mesma forma e amplitude, todas ininterrupta (UPS’s).
as harmônicas pares são iguais a zero. As
harmônicas pares são, atualmente, relativamente Cargas trifásicas, por exemplo:
raras, mas eram muito comuns quando se → Variadores de velocidade (inversores de
utilizavam os antigos retificadores de meia onda freqüência) para acionamento de motores;
[3]. Grandes unidades UPS’s;
Máquinas de soldar.
VII – PROBLEMAS CAUSADOS PELAS HARMÔNICAS caso isso não seja possível, sua presença deve
ser considerada na seleção e dimensionamento
As correntes harmônicas causam
dos equipamentos e dispositivos que serão
problemas tanto no sistema de distribuição de
submetidos aos seus efeitos. No primeiro caso,
energia como na instalação. Os efeitos e as
instalam-se junto às cargas poluidoras ou dentro
soluções são muito diferentes em cada caso e
delas, os chamados filtros de harmônicas, que
devem ser tratados separadamente. É possível
podem ser, genericamente, de dois tipos: filtros
que medidas adequadas para controlar os efeitos
passivos ou filtros ativos (compensadores
das harmônicas dentro da instalação não
ativos). Quando se recorre ao emprego desses
reduzam necessariamente a distorção produzida
filtros, o objetivo é fazer com que as correntes
na alimentação e vice-versa. Nesta seção, serão
harmônicas circulem apenas entre a carga
citados alguns dos problemas produzidos pelas
poluidora e o filtro, livrando o restante da
harmônicas no nível da instalação.
instalação dos efeitos indesejados da circulação
Há vários efeitos provocados pelas
das harmônicas. Os filtros passivos são
harmônicas, sendo que alguns podem ser
relativamente simples em termos de construção,
notados visualmente, outros podem ser ouvidos,
porém podem ter uma aplicação limitada no
outros são registrados por medidores de
caso da presença de muitas harmônicas ou em
temperatura e ainda há os casos em que se
instalações que sofrem constantes alterações de
necessitam utilizar equipamentos especiais para
equipamentos. Nessas ocasiões, os filtros ativos
detecta-los [4].
são tecnicamente mais recomendados, embora
Os principais efeitos observados em
possam ser mais dispendiosos [4].
instalações e componentes submetidos à
Uma outra forma de impedir a
presença de harmônicas são:
propagação generalizada das harmônicas
consiste na utilização de transformadores de
• Problemas causados pelas correntes separação, cuja função é segregar determinadas
harmônicas: ordens de harmônicas no secundário do
→ Sobreaquecimento dos condutores transformador, não as propagando, dessa forma,
neutros; no trecho a montante do mesmo. Assim, por
→ Sobreaquecimento dos transformadores; exemplo, transformadores com ligação
→ Disparos intempestivos dos dispositivos triângulo-estrela impedem que as terceiras
automáticos de proteção; harmônicas circulem a montante do primário.
→ Sobrecarga dos capacitores para Essa solução pode ser empregada, por exemplo,
correção do fator de potência; para alimentar quadros de distribuição que
→ Efeito pelicular nos condutores. alimentam exclusivamente circuitos de
iluminação com lâmpadas fluorescentes. Dessa
• Problemas causados pelas tensões forma, as terceiras harmônicas geradas pelos
harmônicas: reatores estarão presentes apenas entre o
Distorção transformador e as cargas, não afetando o
da tensão; adequado funcionamento das demais cargas
Motores presentes na instalação.
de indução; No caso de trechos de uma instalação
Ruído na elétrica onde não houver nenhuma filtragem ou
passagem por zero. confinamento das harmônicas, então se faz
necessário dimensionar os componentes para
• Problemas causados quando as correntes que suportem os efeitos produzidos pelas
harmônicas chegam à fonte de alimentação. harmônicas. Particularmente, os condutores
elétricos e os transformadores devem ser
escolhidos considerando-se o aquecimento
VIII – SOLUÇÕES produzido pelas harmônicas, o que resulta, via
de regra, em maiores seções de condutores de
As harmônicas devem ser impedidas de fase e de neutro a serem utilizados, assim como
circular pelos componentes da instalação ou, transformadores de maior potência ou com
componentes internos mais reforçados
(transformadores com fator K).
CONCLUSÃO
REFERÊNCIAS
As instalações elétricas que utilizam
largamente aparelhos e dispositivos eletrônicos [1] PROCOBRE, Instituto Brasileiro do Cobre,
em geral não podem mais ser tratadas como V. 2005. Causas, efeitos e soluções nas
antigamente, sob o risco de ter seus Instalações Elétricas, págs. 11-33.
componentes sofrendo aquecimentos [2] IEEE 519-2, 1992. Norma para limites de
excessivos, danos irreparáveis, perdas de distorção de corrente em instalações genéricas.
informações, etc. A presença de correntes e [3] DAVID CHAPMAN, 2004. Guia de
tensões harmônicas nesses locais merece uma Aplicação de Qualidade de Energia. Copper
atenção toda especial, seja no correto Development Association, págs. 3-8.
dimensionamento dos equipamentos de modo [4] RTA Rede de Tecnologia Avançada, 2005.
que eles suportem adequadamente os efeitos das Catálogo FilterON Equipamentos, págs 1-2.
harmônicas, seja instalando meios, como filtros
e transformadores, que isolam as harmônicas e,
conseqüentemente seus efeitos, em setores
muito restritos da instalação.
As ferramentas adequadas para lidar
com a presença das harmônicas nas instalações
elétricas estão disponíveis e cabe aos
profissionais usá-las de maneira eficiente.