Vous êtes sur la page 1sur 4

FERIDAS QUE MARCAM – Pv 27.

O ES nos diz em Pv 27.6 “Fiéis são as feridas do amigo”. E para que você
não pense que o pregador é quem faz a ferida leiam Jó 5.17,18. Percebam que
não é o servo quem faz a ferida, mas o próprio Senhor. Percebamos nesta noite
feliz neste santo lugar, sua casa sendo Casa de Deus, as três feridas fiéis de
um amigo.

Juliana de Norwich, viveu entre 1342-1416, Ela escreveu Revelações do Amor


Divino, uma senhora humilde que viveu antes da reforma. Ela viveu, amou,
orou e cantou na Inglaterra. Mesmo com a pequena luz que possuía, ela andou
com Deus em intimidade e de forma tao marcante que emanava a fragância de
uma flor. Em seu livro ela faz uma oração e é nela que vamos refletir sobre as
feridas fiéis do amigo.

Ela orou: “Ó Deus, por favor, conceda-me três feridas: a ferida da contrição; a
ferida da compaixão; e a ferida do anseio por Deus. Isso eu peço sem qualquer
condição”.

Ela não barganhou com Deus. E o que ela queria, as três coisas eram para a
glória de Deus. “faça o que te peço e depois me mande a conta. Não importa o
preço. Para mim está tudo bem”.

Amados, todos os grandes cristãos foram almas feridas. É estranho o que uma
ferida pode fazer a nós. Imagine um soldado que está na batalha, num dia ele
conta piadas, se alegra, mostra sua força. Num outro dia é atingido e vai
chorando, abatido e derrotado. De repente seu mundo inteiro desmorona a seu
redor e este homem, ao invés de ser o rapaz poderoso, forte, que pensava ser,
se torna novamente um menino chorão. E, sabemos que em alguns cados sob
pressão alguns chamam pela mãe no campo de batalha. Não há nada melhor
que uma ferida para tirar a nossa estrutura egocêntrica, e nos transportar à
infância e nos tornar impotentes aos nossos próprios olhos.

No AT, temos muitos homens feridos; feridos por Deus, afligidos da mesma
maneira que Jesus. Por exemplo Jacó, foi duas vezes afligido por Deus; duas
vezes ele encontrou Deus e em cada vez foi como uma ferida. Numa delas
houve uma ferida física onde ele ficou manco o resto da vida. E Elias? Um
teólogo, um doutrinador. Foi um homem ferido; ele foi ferido com a espada de
Deus e não passava de mais um humano atuando a partir de seu ego.. Ele teve
um encontro com Deus, onde foi confrontado, derrotado e quebrado diante do
Senhor. E Isaías que viu o Senhor em um alto e sublime trono. E Ezequiel? Que
foi abatido diante do Senhor e se tornou uma criança novamente. O homem
ferido, é um homem derrotado onde o homem-Adão, antes forte, egocêntrico
deixa de resistir. Ele entrega sua espada e se rende e a ferida acaba com ele.

Vejamos as feridas:

1 – A FERIDA DA CONTRIÇÃO

Sabemos que arrependimento é uma mudança de mente. Só que não podemos


simplesmente reduzir o arrependimento à mudança de mente. Paulo, nos
convoca a irmos para além disso em Rm 12.1,2. Embora seja uma atitude
mental, o arrependimento não nos fará bem se não deixar uma marca, uma
ferida dentro de nosso espírito. Pelos contatos com pessoas confusas e dúbias,
que tenho tido, percebo que nenhum ser humano se arrepende
verdadeiramente se a partir da ferida provocada pelo pecado ele não morrer
em seu Ego e se permita ser quebrado, vencido e deixando de lutar veja a si
mesmo como alguém que pregou seu Salvador na Cruz do calvário.

Não sei a seu respeito, mas a única maneira de eu me ver de maneira correta
diante de Deus é me mantendo contrito, em solitude e conservando um
sentimento de contrição em meu espírito. Agora, existem outras maneiras
fáceis e que não custam nada para você se livrar do seu pecado e jogar fora o
seu arrependimento.

Mas, os grandes homens de Deus, dentro e fora da Bíblia, vivendo na Palavra,


tem sido os que foram feridos com um sentimento de contrição de maneira tal
que nunca conseguiram se livrar do pensamento e sentimento de que
verdadeiramente crucificaram a Jesus. Muitos homens de Deus todos os dias
choram diante do Senhor por causa de seus pecados. E isso é o segredo da
grandeza desses servos.

Tenhamos cuidado com o arrependimento banal e apressado e acima de tudo


tenhamos cuidado para não nos permitir nos arrepender. Somos pecadores,
pessoas pecaminosas. Precisamos entender que inda que tenhamos todo
conhecimento e consciência de quem somos e de quem Deus é, isso não é
suficiente. Precisamos que isso nos marque nos fira. Você pode conhecer sobre
arrependimento e pecado, mas sem se permitir ser ferido a ponto de entender
a dimensão, da contrição plena. O arrependimento é uma ferida e eu oro para
que você possa sentir isso.

2 – A FERIDA DA COMPAIXÃO

A compaixão é uma identificação emocional e Jesus tinha isso de forma plena.


O homem que possui a ferida da compaixão é um ser que sofre junto a outras
pessoas. Jesus nosso Senhor não pode mais sofrer para nos salvar. Isso Ele fez
uma única vez quando se entregou sem pecado através do ES ao Pai na cruz
do Calvário. Ele não pode sofrer para nos salvar, isso Ele já fez, mas ainda
precisa sofrer para nos ter perto dele. Ele não convida seu povo para o
sofrimento redentor. Isso é impossível e não poderia ser feito. A redenção é
uma obra consumada. Mas ele nos chama para que sintamos junto com Ele e
com os que se alegram e com os que sofrem, Ele nos chama para sermos Nele
uma espécie de corpo terreno no qual Ele possa chorar novamente, sofrer
novamente e amar novamente.

Jesus tem dois corpos: Um é o corpo que Ele levou ao madeiro no calvário; foi
nesse corpo que Ele sofreu para nos redimir. Mas Ele tem outro corpo na terra
agora, que é composto por nós os batizados Nele pelo ES na nossa conversão.
Paulo disse que se alegrava por poder sofrer pelos Colossenses e preencher o
que restava das aflições de Cristo em seu corpo por amor à Igreja.

Amados, o homem ferido nunca é alguém que busca felicidade. Existe uma
procura doentia e irresponsável por felicidade, em nossas igrejas, estimulada
por seus líderes. Muitos tem preferido ser felizes a sentir as feridas dos
sofrimentos das outras pessoas.

A vontade de Deus não é que busquemos ser felizes, mas sim, ser santos e
úteis. O homem santo será o homem útil e assim, feliz também; mas, se você
busca a felicidade e esquece da santidade e viver de maneria útil, é um
homem carnal. Eu não quero participar ou convocar a uma alegria religiosa
carnal. Longe de mim. Algumas vezes é pecaminoso ser feliz. Perceba que
quando Jesus está no madeiro suando sangue ou antes, no Getsemani, Ele não
poderia ser feliz. Ele era o “Homem de Dores e experimentado nas
aflições”. E os grandes servos, que conquistam e capturam parte do mundo
para Jesus, quando estão em dores, não são felizes. A mulher que está dando a
luz não é feliz no momento das suas dores de parto, mas assim que a criança
nasce ela se torna feliz pois um filho lhe nasceu. Precisamos dar a luz por e
para Jesus e isso exige sofrer, amar e se compadecer.

3 – A FERIDA DO ANSEIO POR DEUS

Juliana, nossa irmã, que queria “ter anseio por Deus mesmo que esse anseio se
tornasse uma dor no seu coração”. Ela queria nada menos que estar doente de
amor. Na verdade, ela orou: “´Ó Deus, que eu possa querer a Ti de tal forma
que venha a ser uma ferida no meu coração e que eu nunca me livre dela”.
Hoje, está na moda “aceitar Jesus”, e esse é o ponto final. O evangelismo
conduz a ganhar multidões para Cristo e ali um ponto e colocado. Gasta-se
tempo contando de novo, sobre os tesouros que temos em Cristo, mas não se
avança além do ponto, onde tudo que é Cristo penetre no convertido. Ele tem
nos abençoado com todas as bençãos espirituais nos lugares celestiais em
Cristo. Agora entenda uma coisa, assim como você não pode comprar comida
com o dinheiro de sua conta no banco, se não estiver com o cheque, da mesma
maneira, você não pode viver dos tesouros que estão em Cristo a menos que
Ele e seus tesouros estejam em você na sua experiência espiritual.

Hoje, temos mutias conferências, retiros, congressos, um diz “vou pro


congresso” outro “vou comprar um livro” outro “vou fazer um curso”.
Não precisamos somente de instrução e mais instrução; já fomos instruídos até
a morte. Não estou dizendo que isso é ruim me entendam. Mas se
simplesmente anotarmos a luz que nos foi dada nestes eventos e leituras, e
não a vivermos. Não passamos de fracos e fracassados, sem alegria em nós
mesmos. Vivemos, viciados em eventos e leituras sem mudança.

O que devemos ter e querer é a Ferida Fiel do Fiel amigo: Ser alegremente
esquecido e ainda ser ferido e me lembrar da dor; desfrutar da paz que o
sacrifício de Cristo me legou e desejar sofrer pelo outro; encontrar Deus e
continuar buscando a Ele.

Amados, quando Moisés viu a glória de Deus, ele suplicou para ver mais.
Quando Deus lhe revelou que ele havia achado graça, ele quis mais graça.

Não esqueça disso: Quem tem mais de Deus, busca de maneira mais ardente
para ter mais de Deus.
Jesus falava de uma sede sem fim e de um desejo sagrado e contínuo, e é isso
que eu quero para o meu coração. Não sei você. Não quero ser cristão de
plástico.

Nos nossos dias de cristãos descartáveis, o que se quer ouvir é sobre a morte
de Jesus onde Jesus sofre sozinho e nós queremos ser felizes. É tempo de
buscar a experiência e o significado do que Jesus diz em Jo 12.24: “se o grão
de trigo cair na terra e não morrer, ele fica só; mas se morrer produz
muito fruto.”

Façamos algo mais que ouvir, desejemos ir a Deus e façamos também como
nossa irmã Juliana, ousemos pedir a Ele que nos conceda uma ferida fiel e
paternal; ou até mesmo três feridas. E que Ele possa nos ferir com o
sentimento da nossa própria indignidade pecaminosa, do qual não venhamos
mais nos livrar; que Ele possa nos ferir com os sentimentos e as aflições da
igreja; e nos ferir também com um anseio por Deus, com uma sede e anseio
que nos leve em direção à perfeição.

Esses dias, falei sobre sentimento e desejo em uma dimensão na qual o


sentido é contrário a esse que trago agora, em relação a Deus: “A ausência
de desejo é o mal dos males; muitos milhares têm trilhado o caminho
escuro. O bálsamo, o vinho das vontades predestinadas, é um anelo e
anseio exultante por Deus”. Perceba o ANELO E ANSEIO EXULTANTE POR
DEUS.

Ore todos os dias para que isso seja real em sua vida e também na vida das
igrejas do Senhor. O anseio por Deus sumiu da igreja.

Que tenhamos um anseio por Ele que nos torne doentes de amor, que se torne
uma ferida em nosso espírito, para que assim nos movamos em Sua direção
sempre. Sempre achando e sempre buscando, sempre tendo e sempre
desejando. Dessa maneira a terra será menos valiosa e o céu mais próximo
quando nos movemos em Deus e para cima em Cristo Jesus.

Curve-se na presença de Deus e enxergue quem, você tem sido e seja honesto
em sua oração.

Se você ousar fazer uma oração honesta e sincera diante Dele, esse poderá ser
o momento mais decisivo em sua vida. Pode ser a abertura de uma porta de
vitória para você.

Que Nosso Deus permita que assim seja.