Vous êtes sur la page 1sur 48

ESTIMATIVA DE CUSTO

Um projeto aceitável de uma empresa deve apresentar um processo operacional


que esteja sob condição que renderão um lucro. Para que lucros líquidos sejam obtidos
iguais ao rendimento total, menos todos os gastos, é essencial que o engenheiro químico
esteja consciente dos vários tipos diferentes dos custos envolvidos nos processos de
fabricação. O capital deve ser alocado por gastos direto da empresa, tais como aqueles
por matéria-prima, mão-de-obra e equipamentos. Além dos gastos diretos, muitos outros
gastos indiretos são feitos= e estes devem ser inclusos se uma analise completa do custo
total está para ser obtida. Alguns exemplos destes gastos indiretos são salários
administrativos, custos da distribuição do produto e custos com divulgação.
Um investimento de capital é requisitado por qualquer processo empresarial e
uma determinação do investimento necessário é uma parte importante do projeto da
construção da empresa. O investimento total para qualquer processo consiste do
investimento do capital fixo para quais equipamentos físicos e instalações na empresa
mais o capital de funcionamento, o qual deve estar disponível para pagar os salários,
manter a matéria-prima e produtos à disposição e manusear outros itens especiais
requisitando uma despesa com dinheiro direto. Assim, em uma análise de custos em
processos industriais, custos de investimento do capital, custos de fabricação e gastos
gerais incluindo que impostos de renda têm que ser levados em consideração.

FLUXO DE DINHEIRO PARA AS OPERAÇÕES INDUSTRIAIS

A Figura 6-1 mostra que o conceito do fluxo de dinheiro para uma operação total
industrial baseado em um sistema de apoio servindo como uma fonte de capital ou um
coletor de recibos. Contribuição para o coletor de capital pode ser em forma de
empréstimos, liberações de títulos e outras fontes de fundos incluindo o retorno do fluxo
de dinheiro líquido, para a coleta de capital de cada projeto. Produção da fonte de capital
é a forma de investimento do capital total para cada operação industrial da empresa,
dividendo aos acionistas, reembolsa de débitos e outros investimentos.
O conceito de crescimento, como mostra na figura 6-1, descreve uma produção
importante para começar a operação designada como o investimento do capital total. Este
investimento de capital total inclui todos os fundos necessários para manter o projeto em
andamento. Isto envolve o investimento de capital fixo da fabricação normal e o
investimento do capital de funcionamento juntamente com o investimento requisitados
por todos os auxílios e instalações não manufaturadas. O fluxo de dinheiro para o
investimento pode ser geralmente considerado como uma soma paga toda de uma vez ou
parcelada, tais como para a compra de terreno com um pagamento todo de uma vez ou
fornecimento do capital de funcionamento, como uma quantia total no início da operação
da empresa completa. Capital fixo para equipamentos de preferência pode ser
considerado de pouco prazo para cada peça de equipamento embora os pagamentos, é
claro, podem ser espalhados pelo período de construção interior quando levando em
consideração o investimento de capital fixo para toda a empresa. Por causa dos
rendimentos das vendas e operações necessárias, custos podem ocorrer a qualquer
momento, um constante acumulo de reserva deve ser mantida à disposição para fazer o
uso quando necessário ou adicionar.
A caixa retangular na figura 6-1 representa as operações totais para o projeto
completo com fundos do capital de funcionamento sendo usado quando necessário mas
mantendo fundo contínuo. Fluxo de dinheiro dentro da caixa de operações com renda
total em dólar de todas as vendas enquanto na verdade custos para as operações, tais
como para a matéria-prima e mão-de-obra, são mostradas como custos de movimentação.
Estes fluxos de dinheiro para rendimentos e gastos de operação podem ser considerados
como contínuo e representam taxas de fluxo sendo usados no mesmo período, tais como
dólares por dia ou por ano. A diferença entre a renda e custos operacionais representa
lucros brutos diante da depreciação e taxas de imposto e é representada pela linha
vertical.
A depreciação, é claro, deve ser reconhecida como um custo antes que os
encargos dos impostos sejam feitos e antes que o lucro líquido seja comunicado aos
acionistas.
Conseqüentemente, mudança da depreciação no diagrama do fluxo de dinheiro
quando um encargo contra o lucro consumado no topo.

FATORES AFETANDO O INVESTIMENTO E CUSTOS DE PRODUÇÃO

Quando um engenheiro químico determina custos para qualquer tipo de processo


comercial, estes custos deveriam ser de precisão suficiente para fornecer decisões
confiáveis. Para realizar isto, o engenheiro tem que ter um entendimento completo de
muitos fatores que poder afetar custos. Por exemplo, muitas empresas têm acordo
recíproco com outros interesses pelos quais certas matérias primas ou tipos de
equipamentos podem ser comprados a preços menores do que os preços predominantes
de mercado. Portanto, se um engenheiro químico baseia-se no custo de matéria prima
para o processo nos mercados normais, o resultado pode ser que o processo não seja
econômico. Se o engenheiro baseou-se que a estimativa dos preços exatos, a empresa
teria que pagar matéria prima, o quadro econômico teria que ser alterado completamente.
Assim o engenheiro deve manter em dia as variações de preço, apólices das empresas,
normas governamentais e outros fatores que alteram os custos.

FONTES DE EQUIPAMENTOS

Um dos custos principais envolvidos em qualquer processo químico é de


equipamentos. Em muitos casos, tipos padrão de tanques, reatores ou outros
equipamentos são usados, e uma redução substancial no custo pode ser feita equipamento
parado na empresa ou pela compra de equipamentos usados. Se novos equipamentos
devem ser comprados, muitos orçamentos deveriam ser obtidos de diferentes fabricantes.
Quando as especificações são passadas aos fabricantes, as chances de uma estimativa de
baixo custo são aumentadas se o engenheiro não colocar limitações muito rigorosas no
projeto.

VARIAÇÃO DE PREÇO

Na nossa moderna sociedade econômica, preços podem variar extremamente de


um período à outro, e este fator deve ser considerado quando os custos para um processo
industrial são determinados. Obviamente seria ridículo assumir que operadores ou
supervisores da empresa poderiam ser contratados hoje com a mesma taxa salarial de
1975. A mesma declaração aplica-se aos preços comparados de equipamentos comprados
em épocas diferentes. O engenheiro químico, portanto, deve manter atuais o preço e
variedades de salários. Uma das fontes mais completas da informação sobre condições de
preços existentes é a Revisão Trabalhista Mensal, publicada pelas estatísticas trabalhistas
de Bureau, Estados Unidos. Esta publicação traz informações sobre preços e salários
atuais para diferentes tipos de indústrias.

Page 155

APÓLICES EMPRESARIAIS

Apólices de empresas particulares têm um efeito direto nos custos. Por exemplo,
alguns interesses têm particularmente normas de seguranças rigorosas e estas devem ser
encontradas em todos os detalhes. Procedimentos contábeis e métodos para determinados
custos de depreciação variam entre várias empresas. As apólices empresariais, com
referência às uniões trabalhistas, deveriam ser consideradas porque estas afetarão a carga
do trabalho extra e o tipo de trabalho que os operadores e supervisores podem fazer. As
apólices da união trabalhista podem até mesmo ditar a quantia de fiação e tubulação que
pode ser feita em um equipamento antes que este seja trazido para a empresa, e assim ter
um contato direto com o custo total do equipamento instalado.

TEMPO OPERACIONAL E TAXA DE PRODUÇÃO

Um dos fatores que tem um efeito importante nos custos é a fração de tempo total
disponível durante o qual o processo está em operação. Quando o equipamento fica
parado durante um período de tempo prolongado, os custos com a mão-de-obra são
geralmente baixos, porém outros custos, tais como aqueles com manutenção, proteção e
depreciação continuam mesmo que o equipamento não esteja em uso.
Tempo operacional, taxa de produção e demanda de vendas estão minuciosamente
ligados. A empresa ideal deveria operar em um prazo inferior, o qual dá a taxa de
produção máxima enquanto mantém os métodos operacionais econômicos. Desta forma,
o custo total por unidade de produção é mantido quase que mínimo porque os preços
fixos são utilizados completamente. Este método ideal de operação é baseado na
pretensão de que as demandas de vendas sejam o suficiente para absorver toda a matéria-
prima produzida. Se a capacidade de produção do processo for maior do que a demanda
de vendas, a operação pode ser realizada na capacidade reduzida ou periodicamente na
capacidade total.
A figura 6-3 dá uma analise gráfica do efeito em custos e lucros quando a taxa de
produção varia. Como indicado nesta figura, os custos fixos continuam inalteráveis e o
custo total do produto aumenta quando a taxa de produção aumenta. O ponto onde o
custo total do produto iguala ao rendimento total é conhecido como ponto neutro (sem
lucro, nem perda). Com condições baixas mostradas na figura 6-3, uma taxa de produção
ideal para o processo químico desta empresa seria de aproximadamente 450.000 Kg por
mês, porque isto representa o ponto máximo do lucro líquido.
Os efeitos da taxa de produção e tempo operacional nos custos deveriam ser
reconhecidos. Considerando que com as demandas de vendas juntamente com a
capacidade e características operacionais do equipamento, o engenheiro pode recomendar
a taxa de produção e as tabelas operacionais que darão os melhores resultados
econômicos.

APÓLICES GOVERNAMENTAIS

O governo nacional tem muitos regulamentos e restrições, os quais têm efeito


direto nos custos industriais. Alguns exemplos dos mesmos são regulamentos de tarifa de
importação e exportação, restrições, taxas de depreciação admissível, regras de imposto
de renda e regulamentos do ambiente.
Antes de 1951, os Estados Unidos tinham regulamentos governamentais contra a
rápida baixa contábil para equipamentos industriais. Estas restrições aumentaram a tarifa
de impostos para novas empresas durante seus primeiros anos de existência e tendiam a
desencorajar os novos empreendimentos. Portanto, durante a guerra Coreana, uma rápida
apólice de amortização para as instalações de certas defesas foi autorizada. Esta apólice
permitiu que pelo menos uma parte do valor da instalação fosse excluído em 5 anos,
comparada a uma média de 10 à 15 anos segundo as antigas leis. Em 1954, uma nova lei
foi passada permitindo que aproximadamente dois terços do investimento total de
qualquer processo fossem excluídos como depreciações durante a primeira metade da
existência útil da empresa. Uma rápida baixa contábil deste tipo pode ser muito desejável
fará alguns interesses porque ele pode reduzir os impostos durante os anos iniciais de
existência da empresa.
Em 1971 e novamente em 1981 e 1986, ocorreram mudanças importantes nos
regulamentos de imposto de renda federal relacionado ao método aceitável determinada
baixas contábeis de depreciação. Outras mudanças foram de tempo em tempo adotadas
pelo congresso, e o coordenador de custos deve estar em dia com estas mudanças.
Apólices governamentais com referência ao lucro e impostos bruto do salário
deveriam ser compreendidos quando os custos são determinados. Suponha-se que um
interesse decida vender alguns equipamentos valiosos antes que seu prazo de validade
acabe. O equipamento tem certa qualidade ou um valor não amortizável, mas o preço
oferecido pode ser mais do que o valor não amortizável. Este lucro à cima do valor não
amortizável deveria ser tributável quando o lucro a longo prazo atinge de
28 à 30 por cento se ele tivesse sido mantido durante nove meses em 1977, um ano a
partir de 1978 a metade de 1984, e seis meses a partir da metade de 1984 até 1987.
Iniciando em 1988, o período de lucro a longo prazo foi de um ano e uma taxa de
imposto em ambos lucros, o de longo prazo e o de curto prazo, foi o mesmo do que
aquele da renda normal. Portanto, no exemplo referido a cima onde o lucro de longo
prazo seria percebido vendendo os equipamentos, o lucro teria sido bem maior se um
método de depreciação tivesse sido usado pela empresa. Antes de 1988, este lucro
provavelmente teria sido taxado com uma taxa baixa (talvez tão baixa quanto 28 por
cento) enquanto a quantia economizada através da rápida depreciação permitida poderia
ter alcançado um taxa de imposto de quase 50%. Porém, depois de 1987, as novas regras
de impostos do governo federal foram realizadas as quais puderam transformar as taxas
de lucro iguais aos impostos de renda com uma renda normal de aproximadamente 34 por
cento.
Os exemplos precedentes ilustram porque o engenheiro químico deveria entender
os efeitos dos regulamentos governamentais nos custos. Cada empresa tem seu próprio
método para conhecer esses regulamentos, mas mudanças nas leis e alterações na
situação econômica da empresa e nacional requerem constante vigilância se condições de
custos ideais estão para serem mantidos.

INVESTIMENTO DE CAPITAL

Antes que uma empresa industrial pode ser colocada em operação, uma grande
quantia de dinheiro dever ser provido para comprar e instalar os maquinários e
equipamentos necessários. Terreno e serviço de manutenção devem ser obtidos, e a
empresa deve ser erguida completamente com todas as tubulações, controles e serviços.
Além disto, é necessário ter dinheiro disponível para o pagamento de despesas envolvidas
na operação da empresa.
O capital necessitado para prover o fornecimento necessário e instalação da
empresa é chamado de investimento de capital fixo, enquanto que necessário para a
operação da empresa é considerado como capital de funcionamento. A quantia de
investimento de capital fixo e o capital de funcionamento e conhecida como investimento
do capital total. A porção de capital fixo pode ser também subdividida em investimento
de capital fixo manufaturado e investimento de capital fixo não manufaturado.

INVESTIMENTO DE CAPITAL FIXO

Investimento de capital fixo manufaturado representa o capital necessário para o


processo de instalação de equipamentos com todos os auxiliares necessários para o
processo completo de operação. Despesas com tubulação, instrumentos, isolamento,
fundações e a preparação do local são exemplos típicos de custos incluídos no
investimento de capital fixo manufaturado.
O capital fixo requisitado para a construção aérea (fios, cabos) e para todos os
componentes que não estão diretamente relacionados com a operação do processo está
designado como investimento de capital fixo não manufaturado. Estes componentes da
empresa incluem o terreno, processo de construção, administrativo, e outros escritórios,
armazém, laboratórios, transportes, instalações recebidas, utilidade e instalações de
esgoto= e outras partes permanentes da empresa. O custo com a construção aérea consiste
do espaço do escritório e despesas da supervisão, despesa com repouso-escritório,
despesa com engenharia, custos variados da construção, taxas do contrato e
contingências.

CAPITAL DE FUNCIONAMENTO

O capital de funcionamento de uma empresa industrial consiste de uma quantia


total de dinheiro investido em (1) matéria-prima e materiais colocados no stock, (2)
produtos de acabamento em stock e produtos semi - acabados no processo de ser
manufaturado, (3) escritório de contabilidade, (4) dinheiro reservado para o pagamento
mensal de despesas operacionais, tais como salários, ordenados, compras de matéria-
prima, (5) contas a pagar, (6) taxas a pagar..
O inventário da matéria-prima incluído no capital de funcionamento geralmente chega a
materiais de 1 mês das matérias-primas avaliadas com preços de entrega. O produto
acabado e o semi-acabado têm um valor aproximadamente igual ao custo total de
manufaturado durante a produção de um mês. Porque os termos de crédito dado ao
cliente são geralmente baseados em um prazo de pagamento permissível de 30 dias, o
capital de funcionamento requisitado é recebido para o custo de produção durante um
mês de operação.
A relação do capital de funcionamento com o capital total de investimento varia
entre diferentes empresas, mas a maioria das empresas químicas usam uma quantia de
capital de funcionamento inicial de 10 à 20 por cento do investimento do capital total.
Esta porcentagem pode aumentar para mais de 50 por cento ou mais para produtos
produzidos por empresas de demanda temporal por causa dos grandes inventários os
quais devem ser mantidos durante períodos de tempo apreciável.

ESTIMATIVA DO INVESTIMENTO DE CAPITAL

Dos muitos fatores que contribuem as estimativas baixas dos investimentos de


capital, o mais significante é geralmente rastreado para omissões consideráveis de
equipamentos, serviços ou instalações mais do que para os erros brutos nos custos. Uma
lista de checagem de itens incluindo uma nova instalação é um auxílio inestimável em
fazer uma estimativa completa de investimentos de capital fixo.

TIPOS DE ESTIMATIVAS DE CUSTO DO CAPITAL

Uma estimativa do investimento do capital para um processo pode variar a partir


de uma estimativa de um pré projeto baseado em poucas informações, exceto o tamanho
do projeto proposto a estimativa detalhada preparada com desenhos e especificações
completos. Entre estes dois extremos as estimativas de investimento de capital, podem
haver outra numerosas estimativas as quais variam em precisão dependendo do estagio do
desenvolvimento do projeto. Estas estimativas são chamadas de vários nomes, mas as
cinco seguintes categorias representam a escala de precisão e designações normalmente
usadas para finalidades do projeto:

1-p Ordem de magnitude ( estimativa de relação) baseada em informações de custos


anteriores semelhantes; previsões de estimativas + de 30 por cento.
2-p Estimativa de estudo baseada no conhecimento de itens principais dos
equipamentos; previsões de estimativas + de 30 por cento.
3-p Estimativa preliminar baseada na informação suficiente para permitir que a
estimativa tenha um orçamento; previsões de estimativas dentro de 20 por cento.
4-p Estimativas definitivas baseadas na informação quase completa mas antes da
conclusão de desenhos e especificações; previsões de estimativas dentro de 10 por
cento.
5-p Estimativas detalhadas baseadas na engenharia completa com desenhos,
especificações, e lugares de pesquisas; previsões de estimativas dentro de 5 por
cento.

A figura 6-4 mostra a relação entre a previsão provável e quantidade e qualidade


da informação disponível para a preparação destes cinco níveis de estimativas. Os limites
aproximados de erros nesta lista são traçados e mostram um envelope de variabilidade.
Tem uma grande probabilidade que os custos atuais serão mais do que o custo estimado
onde a informação é incompleta com o tempo tenha um aumento de custo com
tendências. Para tais estimativas, a propagação positiva é bem provável de ser maior do
que a negativa, por exemplo, + 40 e ± 20 por cento para a estimativa do estudo.
Estimativas de custos pré projetadas requerem bem menos detalhes das
estimativas firmes tais como a estimativa definitiva e a detalhada. Porém, estas
estimativas são muito importantes por determinar se um projeto proposto deveria ser
levado em consideração e para comparar projetos alternativos. Por esta razão, a maioria
das informações apresentadas neste capítulo é devota a estimativa pré projetada, embora
isto devesse ser compreendido que a distinção entre estimativas pré projetadas e firmes
gradualmente desaparecem quando mais e mais detalhes são inclusos.
Deveria ser notado que estimativas pré projetadas podem ser usadas para
providenciar uma base para a solicitação e obtenção de uma apropriação de capital do
gerenciamento de uma empresa. As estimativas mais recentes, feitas durante o processo
de trabalho, podem identificar que o projeto custará mais ou menos a quantia apropriada.
É pedido em seguida que o gerenciamento aprove a discordância que pode ser positiva ou
negativa.

ÍNDICES DE CUSTOS

A maior parte dos dados de custos que estão disponíveis para uma pré-estimativa
são baseados em condições de algum tempo no passado. Porque os preços podem mudar
consideravelmente com o tempo, devido uma mudança nas condições econômicas, assim
algum método precisa ser utilizado para aplicar a atualização de dados de custos do
passado. Isto pode ser feito usando-se os índices de custo.
Um índice de custo é simplesmente um índice de valor para um dado ponto,
mostrando o custo em um tempo. Se o custo para algum tempo no passado é conhecido, o
custo equivalente ao tempo no presente pode ser determinado através da multiplicação do
custo original através da proporção do valor do índice do presente para o valor do índice,
aplicável quando o custo original for obtido.

Custo no presente = custo original x (índice do valor no presente / índice do valor no


tempo em que o custo original for obtido)

Índices de custos podem ser usados para dar uma estimativa geral, mas não
podem... Os índices comuns permitem estimativas razoavelmente exatas se o período de
tempo envolvido for menor que 10 anos.
Muitos tipos de índices de custos são publicados regularmente, porém somente
alguns podem ser utilizados para estimar os custos de equipamentos; outros
especificamente aplicados para trabalho, construção, materiais ou outros campos
especializados.
Os mais importantes índices são: o Marshall e Swift... Tabela 3.

MARSHALL E SWIFT ÍNDICES DE CUSTOS DE EQUIPAMENTOS

É normalmente dividido em duas categorias. O índice de equipamentos all-


industry é simplesmente a média aritmética dos índices individuais para 47 diferentes
tipos de equipamentos industriais, comerciais e residenciais. O índice de equipamentos
process-industry é o peso médio para oito destes, com o peso baseado no valor do
produto total de vários processos industriais. As porcentagens usadas para o peso em um
ano típico são as seguintes:

Cimento ĺ 2
Químicos ĺ 48
Produtos de argila (cerâmicos) ĺ 2
Vidros ĺ 3
Tinta ĺ 5
Papel ĺ 10
Petróleo ĺ 22
Borracha ĺ 8

O índice Marshall e Swift baseia-se nos índices de valor de 100 para o ano de
1926. Estes índices levam em consideração os custos com maquinaria e custos para
instalação, equipamentos, ferramentas, mobílias de escritório e outros equipamentos
menores. Todos os custos deste texto estão baseados em índices de Marshall e Swift all-
industry de 904...

ENGINEERING NEWS-RECORD CONSTRUCTION (CONSTRUÇÃO) COST


INDEX (ÍNDICE DE CUSTOS)

Custos relativos à construção podem ser estimados através do uso do índice de


construção Engineering News-Record. Este índice mostra a variação entre taxas de
trabalho (mão-de-obra) e custos de materiais para a construção industrial. Isto emprega
um custo de composição de 2500 lbm de estrutura de aço, 1088 lbm de trastes velhos
(madeira), 2256 lbm de concreto e 200 h de trabalho comum. O índice é usualmente
relatado sob três bases: um valor de índice de 100 em 1913, 100 em 1949 ou 100 em
1967.

NELSON-FARRAR REFINERY CONSTRUCTION COST INDEX ÍNDICES DE


CUSTO DE CONSTRUÇÃO DE REFINARIA N-F

Custos de construção na indústria de petróleo são a base do índice de construção


de Nelson-Farrar. A porcentagem de índice total dos pesos é a seguinte:
Trabalho habilidoso ĺ 30
Trabalho comum ĺ 30
Ferro e aço ĺ 20
Materiais de construção ĺ 8
Equipamentos diversos ĺ 12

Os valores dos índices de 100 são usados com base no ano de 1946.

CHEMICAL ENGINEERING PLANT COST INDEX ÍNDICE DE CUSTOS DA


PLANTA C-E

Os quatro maiores componentes para estes índices são pesados através da


porcentagem da seguinte maneira:

Equipamentos, máquinas e suportes ĺ 61


Trabalho de instalação ĺ 22
Construção, materiais e trabalho (ndo) ĺ 7
Trabalho de supervisão e engenharia ĺ 10

O maior componente, o equipamento, é subdividido e pesado como segue:

Fabricação do equipamento ĺ 37
Processo de maquinaria ĺ 14
Tubulação, válvulas e instalações ĺ 20
Processo de controle ĺ 7
Bombas e compressores ĺ 7
Equipamentos e materiais elétricos ĺ 5

Todos os índices de componentes são baseados em 1957-1959 = 100.

OTHER INDEXES AND ANALYSIS OUTROS ÍNDICES E ANÁLISES

Há outros numerosos índices presentes na literatura que podem ser usados para
propósitos específicos. Por exemplo, índices de custo para materiais e trabalho para
vários tipos de indústrias são publicados mensalmente pela U.S. Bureau of labor Statistics
no Monthly labor Reviero. Estes índices podem ser usuais para materiais específicos e
não usuais para condições de trabalho.
Infelizmente, o índice de custo total é uma taxa artificial; dois índices cobrem o
mesmo tipo de projeto podendo dar resultados com diferentes considerações. Um dos
índices pode...

K        


O investimento capital, como definido anteriormente, é a quantidade
total de dinheiro que se necessita para fornecer as facilidades necessárias da
planta e de produção, mais a quantidade de dinheiro requerida como o
capital de funcionamento para a operação das facilidades. Consideramos
agora os custos proporcionais de cada componente principal do investimento
fixo-capital como demonstrado previamente na tabela 1 deste trabalho. Os
fatores de custo apresentados aqui são baseados em um estudo cuidadoso de
Bauman et al, mais dados adicionais e em interpretações de outras fontes
mais recentes baseadas na experiência industrial moderna.
Na tabela 4 se demonstra a variação típica dos custos componentes
como porcentagens do investimento fixo-capital, para plantas de multi
processos ou adições de limites de produção.

Uma planta de multi processos é definida como uma planta completa que
será instalada em um local novo. O investimento inclui todos os custos da
terra, do desenvolvimento de local, das facilidades de energia, e de
facilidades auxiliares. Definir o local geográfico limite de instalação e a
cobertura de um projeto específico é um limite da energia. Geralmente isto
abrange a área de produção de uma planta proposta ou de adição, incluindo
todo o processo, equipamentos, das utilidades, de edifícios administrativos,
ou de facilidades auxiliares a menos que já especificados. Normalmente isto
exclui a preparação de local e, pode conseqüentemente ser aplicado à
extensão de uma planta existente.
Exemplo 1: Estimativa do investimento fixo-capital usando escalas da
planta do processo com os custos dos equipamentos. Fazer um estudo sobre
a estimativa do investimento fixo-capital para se processar a planta se o
custo do componente/equipamento for $100.000. Usar as escalas do custo
componente planta do processo esboçado na tabela 4 para uma planta de
processo que trabalha com sólidos e líqüidos com um grau elevado de
controles automáticos e essencialmente de operação ao ar livre.
Solução

   


O custo do equipamento comprado é a base de diversos métodos para
estimar o investimento capital. As fontes de preços do equipamento, os
métodos de ajustar preços dos equipamento para a capacidade, e os métodos
de estimar os equipamentos que vão auxiliar no processo são
conseqüentemente essenciais ao engenheiro, para se fazer estimativas de
custo com alta confiabilidade.
Os vários tipos de equipamento podem ser divididos
convenientemente em 1) equipamento de processo, 2) equipamentos de
estocagem de materia prima/insumos, e 3) equipamentos de finalização dos
produtosf e armazenamento do mesmo. O custo dos equipamentos auxiliares
e dos materiais, tais como isolantes, dutos e tubulações, também devem ser
incluídos.
O método mais exato para se determinar os custos dos equipamentos
de processo, é o de se obter os valores diretamente das empresas
fornecedoras/construtoras. Freqüentemente, os construtores podem fornecer
estimativas rápidas que serão muito perto do preço de oferta e não
envolvendo longos períodos de tempo. Outro método de confiabilidade é a
obtenção dos custos em orçamentos já realizados. Mais nesse caso. para se
fixar o preço do equipamento novo, esses valores devem ser corrigidos ao
índice do custo atual. A informação limitada dos custos dos equipamento de
processos pode ser obtida em vários jornais da engenharia.
       

É freqüentemente necessário estimar os custos de uma parte dos
equipamentos quando nenhum dados de custo estão disponíveis para o
tamanho particular da capacidade operacional envolvida. Resultados bons
podem ser obtidos usando gráficos logarítmicos como a tábua do ³six-
tenths-fator´, sendo a parte nova de equipamento similar a uma de
capacidade pré estabelecida, para que os dados de custo estejam disponíveis.
De acordo com a figura, se o custo de uma unidade dada (capacidade) é
sabido, e o custo de uma unidade similar com X tempos de capacidade é
primeiramente aproximado por (X)^0.6 do custo da unidade inicial, ou seja:
Custo do equip. A = Custo do equipamento B*
(1)

A equação precedente indica que plotando um gráfico da capacidade contra


o custo do equipamento para um tipo dado de equipamento devemos ter uma
linha reta com uma inclinação igual a 0.6. Figura 6-5 apresenta um exemplo
deste método para trocadores de calor casco e tubo. Entretanto, a aplicação
desse fator de inclinação de 0.6 pode ser apenas uma simplificação para a
maioria dos equipamento comprado, já que em valores reais estes custos
podem variar de 0.2 á 1.0 como mostrado na tabela 5. Assim, devemos usar
o fator de 0.6 somente ausência de outras informações. No geral, o conceito
do custo-capacidade não deve ser usado além de uma escala de dez vezes da
capacidade, e um cuidado deve ser tomado para assegurar que as duas partes
dos equipamentos são similares no que diz respeito ao tipo da construção,
materiais utilizados para operação, da temperatura e da pressão, entre outras
variáveis pertinentes.
Exemplo 2: Estimando o custo do equipamento usando fatores de escalas e
índice do custo.
O custo para compra de 50 galões de vidro, reator de jaqueta (sem
movimentação) era $8350 em 1981. Estimar o custo para a compra de 300
galões similares, reator de vidro e jaqueta (sem movimentação) em 1986.
Usando o Marshall médio anual e o índice rápido de equipamento-custo
(toda a indústria) para atualizar o custo de compra do reator.
Solução. Pesquisando no Marshall e índice rápido de equipamento-custo
(toda a indústria) achamos o seguintes dados:
” Da tabela 3 em 1981: 721
” Da tabela 3 em 1986: 798
” Da tabela 5, a reta do equipamento contra a capacidade , encontramos o
expoente que é 0.54:
”Assim, o custo do reator em 1986 é =

sendo o valor final obtido de $24,300


A Compra de equipamento custa para transportes, tanques, e equipamentos
do processo e de materiais de manipulação pode frequentemente ser
estimado na base do peso. O fato de uma variedade grande de tipos de
equipamentos ter o custo mais ou menos idêntico e proporcional ao seu peso
de unidade é completamente útil, particularmente quando outros dados de
custo não estão disponíveis. Geralmente, os dados de custo gerados por este
método são suficientemente confiáveis para permitir estimativas de grande
magnitude.

Ê
     
A instalação de equipamentos envolve custos para o trabalho, as
fundações, as sustentações, as plataformas, as despesas de construção, e
outros fatores relacionados diretamente a alocação na planta do equipamento
comprado. A tabela 6 apresenta uma escala geral de custos de instalação
como uma porcentagem do valor de compra do equipamento para vários
tipos de equipamentos.
Essa estimativa de custo da instalação em função do tamanho
do equipamento mostra largas variações quando estimativas antes da
instalação. A tabela 7 mostra os alguns expoentes que variam 0.0 a 1.56 para
algumas partes selecionadas de equipamentos.
Os trocadores de calor tubulares parecem ter expoentes zero,
implicando aquele que o custo direto é independente do tamanho. Isto reflete
o fato que tal equipamento está ajustado com guindastes e hoists, que,
quando feito sob medida adequadamente para a tarefa, não reconhece
nenhuma diferença apreciável no tamanho do peso do equipamento. O
expoente mais elevado é o para instalar torres do aço de carbono, pois os
mesmos apresentam complexidade crescente nas partes internas da torre
(bandejas por exemplo) assim como aumentos do diâmetro da mesma.
As análises dos custos totais para a instalação dos equipamentos em
um número de plantas químicas típicas indicam que o custo do equipamento
comprado varia 65 a 80% do custo de instalação, dependendo acima de tudo
da complexidade do equipamento e do tipo de planta em que o equipamento
é instalado. Os custos estimados de instalação para o equipamento,
conseqüentemente, pode variar de 25 a 55% do custo do compra do
equipamento.

  

Quando estão envolvidos no processos temperaturas elevadas ou
muito baixas, os fatores de isolamento tornar-se importantes, e pode ser
necessário estimar custos da isolação tomando-se muito cuidado. As
despesas para a isolação do equipamento são freqüentemente incluídas nos
de custos da instalação do equipamento.
O custo total para o trabalho ,os materiais requeridos para o
equipamento e o encanamento de isolantes em plantas químicas ordinárias é
de aproximadamente 8 a 9 por cento do custo de compra do equipamento.
Isto equivalente a aproximadamente 2 por cento do investimento capital
total.

Ê  

Custos de instrumentos, custos de instalação dos mesmos, despesas
com equipamentos auxiliares e os materiais constituem a parcela principal
do investimento capital requerido para a instrumentação. Esta parte do
investimento capital é combinada às vezes com os grupos de equipamentos
gerais. O custo total da instrumentação depende da quantidade de
controladores requeridos e pode atingir 6 a 30 por cento do custo de compra
de todo o equipamento. Os computadores geralmente são usados juntamente
com os controladores, e têm o efeito de aumentar o custo associado aos
controles.
Para uma planta de processamento químico que trabalha com vazões
contínuas de líquidos, um valor de 13 por cento do equipamento comprado é
usado normalmente para estimar o custo total da instrumentação. Este custo
representa aproximadamente 3% do capital total para investimento.
Dependendo da complexidade dos instrumentos e do serviço, as cargas
adicionais para a instalação e os acessórios podem atingir 50 a 70 por cento
do custo de compra, com as cargas da instalação que são aproximadamente
iguais ao custo para acessórios.



  
Estão incluídos aqui os custos para as tampas do encanamento,
válvulas, encaixes, tubulação, sustentações, e outros artigos envolvidos na
construção completa de todo o encanamento usado diretamente no processo.
Isto inclui tubulações para as matérias primas intermediários do produto, o
próprio produto, vapor, água, ar, e o outros encanamentos do processo. Para
que o encanamento da planta do processo funcione com alto rendimento, os
custos estimados são de 80% do custo de compra dos equipamentos ou 20%
do custo. É compreensível que a exatidão de uma estimativa pode ser
seriamente afetada pela aplicação imprópria de técnicas de estimação para
um dado componente.
Os métodos para estimar os custos das tubulações envolvem um
estudo detalhado nas plantas e desenhos do processo (desenho dos fluxos) ou
ainda deve-se utilizar uma técnica auxiliar, quando esses projetos não estão
disponíveis. Estimar esses custos através de porcentagens do custos de
equipamentos ou custo do capital deve ser baseado puramente na
experiência. A tabela 8 apresenta uma estimativa áspera dos custos para
vários tipos de processos químicos. O trabalho para a instalação e o
acoplamento pode ser estimado em aproximadamente 40 a 50% do custo de
instalação total das tubulações. Geralmente essa estimativa de custos é
baseada na temperatura que o fluidos irão ser operados nos processos
podendo variar de 15 á 20% do total da instalação.

Ê
 
 
O custo das instalações elétricas consiste primeiramente no trabalho e
nos materiais da instalação para a potência e as ligações de luz, sendo essa
já incluídas no processo de construção dos edifícios. Em plantas químicas
ordinárias, as instalações elétricas custaram quantidades a 10 a 15% do valor
de todo o equipamento comprado. Entretanto, isto pode variar tão altamente
quanto 40% de o que o equipamento custou para uma planta de processo
específica. As instalações elétricas possui pouco relacionamento entre a %
do custo total e a % do custo do equipamento, porem há um relacionamento
melhor ao investimento fixo-Capital. Assim, o custo elétrico da instalação é
estimado geralmente entre 3 e 10% do investimento fixo-capital
A instalação elétrica consiste em quatro componentes principais, a
saber, fiação de potência, luz, a transformação e os serviços, e os
instrumentos e a fiação de controle. A tabela 9 mostra os custos dos
componentes como relações do custo elétrico total.

  
  
O custo para contrução dos edifícios (instalações físicas) incluindo
serviços, consiste em despesas com os trabalhadores, materiais, e as fontes
envolvidas na edificação de todos os edifícios conectados com a planta.
Custos para o encanamento, o calor, o energia elétrica, a ventilação, e os
edifícios auxiliares e os serviços são incluídos. O custo dos edifícios
incluindo serviços para tipos diferentes de plantas de processo, é mostrado
nas tabelas 10 e 11 como uma porcentagem do custo de compra do
equipamento e do investimento capital.

 
Os custos para cercar, classificar, estradas, caminhos laterais, tapumes
da estrada de ferro, ajardinar, e artigos similares constituem a parcela do
investimento capital incluído nas chamadas melhorias. O custo melhorias
para plantas químicas aproxima 10 a 20% do custo de compra dos
equipamentos. Isto é equivalente a aproximadamente 2 a 5% do
investimento fixo-capital. A tabela 12 mostra a escala de variação para
vários componentes de melhorias nos termos do investimento fixo capital.
‘   
 
Os suprimentos de vapor, água, potência, ar comprimido, e
combustível são parte dos serviços de facilidade de uma planta industrial. A
eliminação dos resíduos, a proteção de fogo, e os artigos dos serviços
variados, tais como escritórios, primeiros socorros, e o equipamento e as
facilidades de alimentação, requerem os investimentos importantes que são
incluídos sob o título geral do custo dos serviços de facilidades.
O custo total para facilidades de serviço em plantas químicas varia
geralmente de 30 a 80% do valor de compra dos equipamento que custam
cerca de 55% em média para uma planta de processamento contínuo de
líquidos.. Para um único-produto, de pequeno porte, na planta de processo
contínuo, o custo é provável estar na parte mais inferiores da escala. Para um
grande planta de multiprocessoos em uma posição nova, os custos estarão
perto do limite superior da escala. O custo de facilidades do serviço, nos
termos do investimento capital, varia geralmente de 8 a 20% com 13% como
um valor médio. A tabela 13 lista as variações típicas nas % de investimento
fixo-capital que podem ser encontradas para vários componentes de
facilidades do serviço. À exceção das facilidades inteiramente novas, é
improvável que todas as facilidades do serviço estarão requeridas em todas
as plantas de processo. Isto explica a grande extensão da escala e variação
larga atribuída a cada componente na tabela 13. A escala reflete também o
grau a que as utilidades que dependem de calor em contrapeso são usados
no processo. As facilidades do serviço pela maior parte são funções do
tamanho físico da planta e estarão atuais a algum grau na maioria das
plantas. Entretanto, não é sempre que haverá uma necessidade para cada
componente de um serviço de facilidade. A omissão destas utilidades
tenderia a aumentar as porcentagens relativas das outras facilidades do
serviço usadas realmente na planta. O estudo deste fato, acoplado com uma
análise cuidadosa a respeito da extensão que presta serviços de manutenção
facilidades é usado na planta, deve resultar em selecionar da tabela 13 uma
relação razoável do custo aplicável a um projeto de um processo específico.



O custo do local (compra da terra) depende da posição da propriedade,
e pode variar de uma maneira muito grande, pois um metro quadrado em um
distrito rural custa muito menos que um metro quadrado em um distrito
industrializado.
De uma forma geral, a terra custa para uma planta industrial cerca de 4
a 8% ou 1 á 2% em reação ao comprimento de cada equipamento do
investimento capital toral. Como o valor da terra geralmente não diminui
com o tempo, este custo não deve ser inclouido no investimento fixo capital
ao se estimar determiandos custos de operação anual, tais como deprecisção.

     
Os custos para o projeto da construção e engenharia, esboços,
compras, da contabilidade, da construção e do custo, curso, reproduções,
comunicações, e a despesa de escritório são incluídas nas despesas gerais e
constituiem o capital de investimento para a engenharia e a supervisão. Este
custo, não pode diretamente ser carregado ao equipamento, aos materiais, ou
ao trabalho, e é considerado normalmente um custo indireto no investimento
fixo-capital, sendo aproximadamente 30% do custo dos equipamentos
comprado ou 8% dos custos diretos totais da planta de processo. As
variações nas porcentagem típicas do investimento Capital para vários
componentes da engenharia e da supervisão são dadas na tabela 14.

?    
Uma outra despesa que deve ser incluída sob o custo indireto da planta
é a da despesa da construção ou do campo e inclui a construção e operação
provisória, ferramentas da construção dentre outras, pessoal do escritório
situado no local de construção, folha de pagamento da construção, curso e
vida, impostos e seguro, e a outra construção aérea. Esta despesa é
ocasionalmente ocasionada pela instalação de equipamento já incluída, ou
mais freqüentemente sob a engenharia, a supervisão, e a construção.

Se as despesas da construção ou do campo devem ser estimadas


separadamente, então a tabela 15 será útil em estabelecer a variação de
porcentagens do investimento fixo-capital para este custo indireto. Para o
produtos do processo ordinário da planta as despesas de construção são
calculadas na média de aproximadamente 10% do total direto dos custos
para a planta.
    
As taxas de contratos varia para situações diferentes, mas pode-se
estimar para ser aproximadamente 2 a 8% de todos os custos ou 1.5 a 6%
dos custos diretos da planta de investimento fixo-capital.

  
O fator da contingência é incluído geralmente em uma estimativa do
investimento capital a compensar eventos imprevisíveis, tais como
tempestades, inundações, batidas, mudanças do preço, mudanças pequenas
do projeto, erros nas estimativas, e outras despesas adicionais, que devem
ser estimadas por um histórico dos fenômenos naturais que afetam akela
região de contrução do projeto. Os fatores de contingência variam de 5 a
15% dos custos diretos e indiretos da planta e são usados geralmente, 8%
como um valor médio.

?      


Depois que a construção de planta foi terminada, devemos fazer
alguns ajustes no processo para que esse possa ser operado nas
circunstâncias máxima como prescrito no projeto, ou seja, o limites
superiores e inferiores de operação da planta. Estas mudanças envolvem
despesas com materiais e equipamentos e resultam na perda de renda quando
a planta for fechada ou operada somente na capacidade parcial. O capital
para estas mudanças de inicio de processo deve ser parte de toda a
apropriação capital porque são essenciais ao sucesso, e se isso não for
realizado, o risco destas despesas podem ser tão elevados quanto 12% do
investimento fixo-capital. No geral, entretanto, uma permissão de 8 a 10%
desse valor já é satisfatório.
As despesas decorrentes do inicio de operação da planta para ajustes
do processo não é necessariamente incluída como parte do investimento
requerido; não é apresentada assim porque um componente na tabela 26
para investimento capital será apresentado no fim desse trabalho. Na análise
do custo total, a despesa de partida pode ser representada como uma despesa
de um tempo, somente no primeiro ano em que a operação da planta ou
como parte do investimento capital total dependendo das políticas da
companhia.

        

São vários os métodos que podem ser empregados para se estiamar o


investimento capital. A escolha de um método depende da quantidade de
informação detalhada disponível e da exatidão desejada. Sete métodos são
esboçados nesse trabalho, e cada método requer progressivamente menos
informação detalhada e menos tempo da preparação. Conseqüentemente, o
grau de exatidão diminui com cada método que se sucede. Uma exatidão
máxima dentro de aproximadamente mais ou menos 5% do investimento
capital real pode ser obtida com o método A.

”Método A de estimativa detalhada:


Uma estimativa detalhada requer a determinação cuidadosa de cada
parte individual mostrada na tabela 1. Equipamentos e as necessidades
materiais são determinadas nos projetos terminados e das especificações, e
são fixados os preços dos dados de custo atual ou preferivelmente da
empresa fornecedora. As estimativas de custos da instalação são
determinadas pelas taxas de trabalho, das eficiências, e dos cálculos exatos
de empregado-hora. As estimativas exatas da engenharia, esboçando, as
empregado-horas da supervisão do campo, e as despesas de campo devem
ser detalhado na mesma maneira. Os exames do local e os dados completos
do solo devem estar disponíveies para minimizar erros nas estimativas de
custo do desenvolvimento e da construção de local. De fato, neste tipo de
estimativa, uma tentativa é feita pela empresa acima tanto quanto for
possível da obtendo citações dos vendedores e dos fornecedores. Por causa
dos dados extensivos necessários e das quantidades grandes de tempo de
engenharia requeridas para preparar tal estimativa e detalhamento, este tipo
de estimativa é quase exclusivamente preparado somente pelos contratantes
que oferecem o trabalho de soma de protuberância de projetos terminados e
especificações.
MÉTODO B: Estimativa do custo unitário.

O método do custo unitário resulta em uma boa e precisa estimativa para o


investimento de capital fixo. Esse método é freqüentemente utilizado para preparar
estimativas definitivas ou preliminares, também requer os preços detalhados dos
equipamentos a serem comprados. O trabalho para a instalação dos equipamentos é
avaliado como uma fração do custo do equipamento entregue. Custos do concreto, aço,
canos, etc. são obtidos depois a partir do desenvolvimento e aplicando os custos unitários
ao material e ao trabalho necessário. O método do custo unitário serve também para
calcular o custo das horas de trabalho dos engenheiros, número de desenhos e algumas
especificações.

Onde: Cn = Novo Capital de Investimento


E = Custo do Equipamento
El = Custo do Trabalho de Montagem do equipamento
fx = Custo Unitário do Material Específico. Por exemplo: custo unitário do tubo
Mx = Quantidade de Materiais Específicos
fy = Custo por hora do Trabalho sobre o material específico
Ml = Tempo de trabalho sobre o material específicos
fe = Preço Unitário do Engenheiro
He = Horas do engenheiro trabalhadas
fd = Custo por Desenho ou Especificações
dn = Número de Desenhos ou Especificações
fF = Construção ou Fator de Campo de Despesa

Correções aproximadas para o custo completo do equipamento são feitas quando


esses trabalham sobre estremas condições de temperatura e pressão. Essas correções são
mostradas na Tabela 16.

MÉTODO C: Porcentagem do custo do equipamento entregue.

Esse método é utilizado para a estimativa tanto do capital fixo quanto do capital
total necessário e requer o custo do equipamento entregue. O custo dos outros itens
incluídos na planta são estimados como uma porcentagem do custo do equipamento
entregue. Os componentes adicionais do capital de investimento são baseados em
porcentagens médias do custo total da planta. Esse método está representado na seguinte
equação:

onde: f1,f2,... = fatores de multiplicação dos tubos, materiais elétricos, instrumentos....


fi = Fator Indireto de Custos
As porcentagens para fazer a estimativa são determinadas de acordo com o tipo de
processo envolvido, complexidade da planta, materiais requeridos na construção,
localização da planta, e outros itens dependentes de condições particulares. Valores
médios de várias porcentagens já foram determinados para algumas plantas químicas
típicas e esses valores estão demonstrados na Tabela 17.
A estimativa por porcentagem do custo do equipamento entregue é comumente
utilizada para estudos preliminares e de estimativas iniciais. E tem grande precisão
quando aplicado à plantas semelhantes porém de diferentes capacidades.

MÉTODO D: Fatores Lang para aproximação do capital de investimento.

Essa técnica é usada freqüentemente para obter a magnitude da estimativa do


custo, reconhece que o custo da planta pode ser obtido multiplicando o custo básico do
equipamento por algum fator para aproximar o capital de investimento. Esse fator varia
dependendo do tipo de planta a ser considerado. As porcentagens mostradas na Tabela 17
são aproximações para cada planta indicada e esses fatores podem ser combinados para
dar os fatores da multiplicação de Lang que podem ser usados para estimar o custo total
da planta. Fatores para estimar o capital fixo ou o ou o capital total são dados na Tabela
18. E pode perceber que esses fatores incluem custos para terra e taxas de contrato.

Esse método é bastante preciso e pode ser utilizado não apenas com um mas com
vários fatores combinados. Uma modo é utilizar diferentes fatores para diferentes
equipamentos. Outro modo é utilizar diferentes fatores para equipamento, fundação,
tubos, etc.
Quando as tabelas não forem convenientes para as cálculos de computador é
melhor combinar os fatores na equação abaixo.

Onde 3 os fatores para o custo de instalação são:


onde: E = Preço do Equipamento
fI = Fator de Custo Indireto
fF = Fator de Custo por Campo de Trabalho
fP = Fator de Custo para Materiais de Tubulações
fm = Fator de Custos para Itens em Geral
Ei = Custo do Equipamento Instalado
A = Incremento do Custo Devido a Materiais Anti corrosivos
e = Custo de Trocador de Calor
fv = Custo dos Campos
p = Custo de Bombeamento
t = Custos das Torres

MÉTODO E: Fator exponencial aplicada à razão de capacidades

Esse método é para estudar a estimativa da ordem da magnitude relacionando o


capital fixo de um novo processo com o capital fixo de uma planta similar através de uma
razão exponencial. Então, para processos similares, o capital fixo da nova planta (Cn) é
igual ao capital fixo da planta já construída (C), multiplicado pela razão R, definida como
a capacidade da nova planta dividida pela capacidade da planta antiga, elevado a potência
x.

Na Tabela 19 são encontradas diversas potências para vários tipos de plantas.


Uma aproximação mais fechada para essa relação envolve custos diretos e
indiretos da planta é proposta abaixo:

onde f é o índice de custo relativo à instalação antiga, D é o custo direto e I é o custo


indireto da planta instalada.
O fator de índice de custos f é um produto do custo de trabalho geográfico e custo
do material e equipamento. A Tabela 20 apresenta a taxa média do custo do trabalhoem
diferentes áreas dos EUA
MÉTODO F: Custo de investimento por unidade de capacidade

Muitos dados vem sendo publicados dando o capital fixo requerido por ano para
várias plantas com diversas capacidades como as mostradas na tabela 19. Através desses
valores pode se chegar ao valor de plantas individuais, é possível determinar o custo da
planta aplicando condições médias. A estimativa da magnitude do investimento do capital
fixo para um processo dado pode ser obtido multiplicando o custo por unidade de
capacidade pela produção anual necessária. A correção necessária para a mudança dos
custos com o tempo pode ser feita com o auxílio do índice de custos.

MÉTODO G: Razão de retorno


É um método de avaliação rápido e apropriado para a estimativa da magnitude.
Razão de retorno é definida como a razão de vendas brutas com o capital fixo (Equação
12). Para as indústria químicas a razão fica muito próxima de 1.

ORGANIZAÇÃO PARA ESTMAR O CAPITAL E INVESTIMENTO POR


ESTRUTURAÇÃO.

Os métodos para estimar o investimento necessário apresentado anteriormente


representam uma aproximação inicial que pode ser usada. Entretanto, a aplicação direta
desses métodos pode ser feita de maneira mais precisa se considerar o capital fixo
requerido por partes da planta. Nesse método cada parte é separada e obtém-se o valor
total necessário para a sua implementação. Várias formas de estruturação podem ser
propostas tais como: estimativa modular, estimativa das operações unitárias, estimativa
das unidades funcionais e estimativa do custo unitário médio.
O mesmo principio usado na estimativa unitária pode ser utilizada na estimativa
das quatro blocos. Para a estimativa modular, é interessante considerar módulos
individuais, consistindo de grupos com itens similares. Por exemplo, todos os trocadores
de calor podem ser incluídos em um módulo enquanto que as fornalhas em outros, etc. A
estimativa do custo total é dada sob 6 grupos principais:
1) Processo Químico
2) Sólidos de Manipulação
3) Espaço de Desenvolvimento
4) Construção Industrial
5) Espaço Livre
6) Projeto Indireto

Como por exemplo, o custo do modulo dos trocadores de calor, o custo do


módulo incluí o custo do transporte das peças do equipamento com fatores similares aos
fatores de Lang e outros itens como tubos, insumos, pintura trabalho, custos indiretos,
etc.
A Figura 6.6 mostra dois módulos típicos de aproximação, a Figura 6.6a
representa um módulo que utiliza um fator global de Lang, e a Figura 6.6b representa um
módulo que analisa um fator para cada grupo de equipamento.
Veja abaixo as comparações:

Fator Lang módulo planta inteira........ 3482


Fator Lang módulo parte.................... 2452

Os módulos também podem ser variados em combinações de equipamentos que


envolvem operações e seus auxiliares. Um exemplo disso pode ser a operação de
destilação que precisa de uma coluna de destilação e auxiliares como reboiler,
condensador, bombas, etc. E esse tipo de estruturação é chamado de estimativa de
operações unitárias. De forma similar a estimativa funcional unitária é baseada em unir
equipamentos de de semelhante função como a destilação ou a filtração e inclui as partes
fundamentais dos equipamentos como fatores iniciais para dar a estimativa final do
capital necessário.

ESTIMATIVA DO CUSTO TOTAL DO PRODUTO

A determinação do capital inicial é uma parte da estimativa total dos custos. Outra
parte importante dessa estimativa é a estimar os custos de operação bem como os preços
de venda dos produtos.
A precisão é muito importante nas estimativas de custos. Os maiores erros na
estimativa do custo total do produto se deram devido à desconsideração à alguns
elementos de custo. Uma forma padrão é muito utilizada para estimar o custo total do
produto, justamente para evitar a omissão de algum fator. A Figura 6.7 mostra uma lista
custos comuns para uma planta de processos químicos.
O custo total do produto geralmente é calculado sobre uma de três bases:
1) Diariamente
2) Anualmente
3) Custo por Unidade
O custo anual é, provavelmente a melhor escolha porque:
1) O efeito da variações sazonais pode ser negligenciado
2) Operação do equipamento é considerada
3) Permite cáculos mais rápidos dos custos de operação antes da capacidade
máxima
4) é conveniente quando há ocorrências não f requentes mas de grande impacto,
como variação de preços anuais nas refinarias.
A melhor fonte de informação para uso na estimativa do custo total do produto é
dado a partir de um idêntico ou igual projeto, pois muitas companhias possuem registros
das suas operações. Métodos para a estimativa do custo total do produto será discutida
nas próximas seções.
CUSTOS DE MANUFATURA

Todos os custos diretamente ligados com a manufatura ou os equipamentos físicos


da planta são incluídos nos custo de manufatura. Essas despesas são divididas em 3
classes:
1) Custos de produção direta
2) Cargas fixas
3) Custos de suporte da planta
O custos de produção direta incluem gastos diretamente associados com a
operação tais como: transporte de materiais, processamento, custo o trabalho de operação,
profissionais de supervisão ligados à produção, etc.
As cargas fixas são custos praticamente constantes ao longo dos anos e não
variam significativamente com mudanças na taxa de produção. Entre essas cargas
podemos citar: depreciação, taxas de propriedade, aluguel, etc.
Os custos de suporte da planta são por exemplo: serviço médico-hospitalar,
restaurante, recreação, férias, laboratórios de controle de qualidade,etc. Assim como as
cargas fixas esse tipo de custo não varia significativamente com um acréscimo na
produção.

DESPESAS GERAIS

Além dos custos industriais, outras despesas gerais estão envolvidas dentro das
operações de qualquer companhia. Estas despesas gerais podem ser classificadas como
(1) despesas administrativas, (2) despesas de distribuição e comercialização, (3) despesas
de pesquisa e de desenvolvimento, (4) despesas financeiras e (5) despesas totais de
salários.
Despesas administrativas incluem custos para o executivo e salários clericais,
materiais de escritório, engenharia e despesas legais, manutenção em edifícios
comerciais, e comunicações gerais.
Distribuição e comercialização despesas são custos envolvidos no processo de
venda e distribuição dos vários produtos. Estes custos incluem despesas de controle
materiais, recipientes, transportes, escritórios de vendas, vendedores, técnicos, consertos
e anúncios.
Pesquisas e despesas de desenvolvimento estão envolvidas em qualquer
preocupação progressiva que deseja permanecer em uma posição industrial competitiva.
Estes custos são para salários, equipamentos especiais, instalações de pesquisa, e taxas de
consultoria que se relacionam para desenvolver idéias novas ou melhoraria dos processos.
Despesas de financiamento incluem os custos extras envolvidos na obtenção do
dinheiro necessário para o investimento de capital. Despesas financiadas normalmente
são limitadas empréstimo de dinheiro.
Despesas totais de salários estão baseadas em leis de imposto e renda. Estas
despesas são uma função direta das receitas brutas, em uma empresa particular. Porque
estes custos dependem do tamanho da empresa, esses não são incluídos freqüentemente
em predesign ou custo-estimação preliminares para uma única planta, e os lucros
prováveis são informados como o total de salários alcançáveis com o determinado design
de planta. Porém, ao considerar os lucros líquidos, as despesas devido aos impostos de
renda são extremamente importantes, e isto vale ser incluído como um tipo especial de
despesa geral.

CUSTOS DIRETOS DE PRODUÇÃO

  
Na indústria química, um dos custos principais na operação de produção é o da
matérias-primas que envolve o processo. A quantidade de matérias-primas que deve ser
alimentado por unidade de tempo ou por unidade de produto pode ser determinado por
um balanço de materiais no processo. Em muitos casos, certos materiais funcionam como
agente de produção e podem ser até certo ponto recuperados. Então, o custo deveria estar
de fato baseado na quantidade de matérias-primas consumida como determinado nos
balanços globais.
Cotações de preço diretas de representantes são preferíveis na analise de custo
mercado. Para análises de custo preliminares, preços de mercado são freqüentemente
usados para calcular custos de material não processado.
Deveriam ser incluídos fretes e custos de transporte no material não processado, e
os custos estão baseados na forma em que as matérias-primas serão compradas para uso
na planta final. Embora remessas de maior tamanho são mais baratas que remessas de
pequeno porte, estas requerem maiores instalações de armazenamento.
A relação do custo da matéria-prima para tornar a planta valida obviamente
variará consideravelmente para os diferentes tipos de plantas. Em plantas de substâncias
químicas, os custos do material não processado normalmente estão na faixa de 10 a 50 %
do custo de produto total.



  

Em geral, o trabalho operacional pode ser dividido em trabalho qualificado e não


qualificado. Para processos químicos, o trabalho operacional normalmente pode chega a
aproximadamente 15 % do custo total do produto.
Em análises preliminares, a quantidade de trabalho operacional pode ser
freqüentemente calculada pela experiência da companhia com processos semelhantes ou
de informação publicada sobre processos semelhantes. Porque a relação entre trabalho e
as taxas de produção exigidas nem sempre são lineares, aproximadamente 0.2 a 0.25 da
capacidade é usada, quando a capacidade da planta é aumentada ou diminuída
freqüentemente, de acordo com o gráfico abaixo relacionado.
Se um fluxograma ou as plantas do processo estão disponíveis, o trabalho
operacional pode ser calculado através de uma análise do trabalho ser feito. Devem ser
dadas consideração como o tipo e arranjo de equipamento, multiplicidade de unidades,
quantidade de instrumentos de controle de processo, e a política da companhia
estabelecendo exigências de trabalho. Conforme a tabela 21 que indica algumas
exigências de trabalho típicas para vários tipos de equipamento de processo. Outro
método de calcular exigências de trabalho como uma função da capacidade da planta está
baseado em somar os vários processos principais contidas no fluxograma. Neste método,
um passo de processo é definido como qualquer operação de unidade, ou seja, a
combinação do que acontece em uma ou mais unidades do equipamento integrado em um
ciclo repetitivo e continuo, por exemplo, reação, destilação, evaporação, secagem,
filtração, etc. Uma vez que a capacidade da planta é fixa, o número de empregados-horas
por tonelada de produto por passo é obtido de Fig. 8 e multiplicando-se pelo número de
passos de processo para dar o número de horas de empregados totais por tonelada de
produção. Variações nas exigências de trabalho é um processo altamente automatizado, e
as operações de grupo são provido através da seleção da curva apropriada na figura 8.

Tabela 21 - Exigências típicas de trabalho para equipamento de processo


Figura 8 - Exigências de trabalho operacionais para indústrias de processo de
substância química.

Por causa do desenvolvimento de novas tecnologias que incluem controles


computadorizados e arranjos de controle interurbanos, a prática de relacionar as
exigências de empregados-hora diretamente para quantidades de produção para um
determinado produto possa dar resultados inexatos, a menos que dados muito recentes
sejam usados. As exigências de trabalho para uma planta de processamento de fluidos,
como uma planta de óxido de etileno ou outros como mostrado em tabela 22, estariam na
faixa baixa de 5 a 2 empregados-hora por tonelada de produto; para uma planta de
processamento sólido-fluidos, como uma planta de produção de polietileno, a exigência
de trabalho estaria em uma faixa intermediária de 2 a 4 empregados-hora por tonelada de
produto; para plantas de processamento de sólidos como um briquetting de carvão, a
grande quantidade de materiais a serem controlados, seriam consideráveis nas exigências
de trabalho mais alto que para outro tipos de plantas com uma faixa de 4 a 8 empregados-
hora por tonelada de produto ser produzido. Os dados mostrados na figura 8 e tabela 22,
onde a capacidade da planta, e o tipo específico de processo são levados em conta.
Determinados os custos de trabalho, deve-se levar em conta o tipo de trabalhador
requerido, o local geográfico da planta, o salário prevalecente, taxas, e produtividades de
cada trabalhador. A tabela 20 apresenta dados que podem ser usados como guia para as
taxas de trabalho medianas relativas e produtividade.
Tabela 22 - Trabalho operacional, combustível, vapor e exigências de água para vários
processos

‘ 
     
Uma determinada quantidade de supervisores diretos e trabalho clerical é sempre
requerida para uma operação industrial. A quantidade necessária deste tipo de trabalho é
de relacionada ao total de trabalho operacional, complexidade da operação, e padrões de
qualidade de produto. O custo para supervisão direta e trabalho clerical médios são de
aproximadamente 15% do custo para trabalho operacional. Para capacidades reduzidas , a
supervisão normalmente permanece fixa à uma percentagem da capacidade.

m
 
O custo para as utilidades, como vapor, eletricidade, processo de refrigeração da
água, ar comprimido, gás natural e óleo combustível, variam, dependendo amplamente da
quantidade de consumo local da planta, e fonte. Por exemplo, custos para algumas são
determinadas na tabela 23. As utilidades exigidas às vezes podem ser calculadas em
análises de custo preliminares de informação disponíveis sobre operações semelhantes
como mostrado na tabela 22. Se tal informação é indisponível, as utilidades devem ser
calculadas em um design preliminar. A utilidade pode ser comprada a taxas
predeterminadas de uma fonte fora, ou o serviço pode estar dentro e disponível na própria
companhia. Se o serviço é utilizado para a produção de vários produtos diferentes, o
custo de serviço é repartido entre os diferentes produtos a uma taxa baseada na
quantidade de consumo individual.
Tabela 23 - Tabulação de custo para utilidades selecionadas e trabalho

Exigências de vapor incluem a quantidade consumida no processo de fabricação


mais o que é necessário para trabalhos auxiliares. Uma analise das perdas por radiação
nas linhas também deve ser feita.

Manutenção e Consertos
Uma quantidade considerável de despesas é necessária para manutenção e
consertos se uma planta for mantida em condição operacionais eficientes. Estas despesas
incluem o custo do trabalho operacional, materiais, e supervisão.
Os custos anuais para manutenção dos equipamentos e consertos estão a cerca de
2%, do equipamento valido se as demandas de serviço estão claras a 20% para casos no
qual há demandas operacionais severas. Nas indústrias de processo, a planta total valeu
por ano para manutenção e consertos são asperamente igual a uma média de 6% do
investimento fixo de capital. A tabela 25 possui um guia para estimação da manutenção e
custos de conserto como uma função das condições de processo.
Tabela 25 - Estimação de custos para manutenção e consertos

Materiais operacionais
Em qualquer operação industrial, a mistura de vários é necessária para que o
processo mantenha sua eficiência. Artigos como quadros, lubrificantes, teste, substâncias
químicas, previsão do custo diário, e materiais semelhantes não podem ser considerados
como materiais não processados ou manutenção e materiais de conserto, e é classificado
como materiais em operação. O custo anual para este tipo de materiais é
aproximadamente 15% do custo total para manutenção e consertos.

Testes de laboratório
O custo de testes de laboratório para controle de operações e para controle de
qualidade de produtos está coberto neste custo industrial. Esta despesa geralmente é
calculada, calculando-se as despesas empregados-hora envolvidos e multiplicando isto
pela taxa apropriada. Para estimativas rápidas, este custo pode ser levado em conta como
10 a 20% do trabalho operacional.

 
Muitos processos industriais estão cobertos através de patentes, e pode ser
necessário pagar uma quantia fixa por direitos de patente baseado na quantidade de
material produzido. Embora a companhia envolvesse na operação obtida a patente
original, uma certa quantidade da despesa total envolveu dentro o desenvolvimento e
obtenção dos direitos da patente e deveriam ser cobertas pela planta como uma despesa
operacional. Em casos deste tipo, são amortizados normalmente estes custos em cima da
vida legalmente protegida da patente. Embora uma aproximação áspera da patente vale
para processos patenteados é 0 a 6% do total do produto, o engenheiro tem que usar
julgamento porque as patentes variam com fatores como o tipo de produto e a indústria.

Catalisadores e Solventes
Custos para catalisadores e solventes podem ser significantes e podem depender
da especificidade do processo industrial escolhido.
   
Certas despesas sempre estão presentes em uma planta industrial se o processo
industrial esta ou não em operação. Custos que são invariantes com a quantidade de
produção é designado como custos fixos ou taxas fixas. Estes estão incluídos na
depreciação, impostos de propriedade locais, seguro, e aluguel. Despesas deste tipo são
uma função direta do investimento de capital. Como uma aproximação áspera, estas taxas
chegam a aproximadamente 10 a 20% do custo total do produto.

? 
Equipamentos, edifícios, e outros materiais fabricados na planta requerem um
investimento inicial que deve ser incluídos fora das despesas fabricação. Para destituir
este custo, é assumida uma diminuição em valor para retornar ao longo da vida útil dos
materiais. Esta diminuição em valor é designado como depreciação.
Sendo que taxas de depreciação são muito importantes na determinação e quantia
de imposto de renda, o fisco estabeleceu depreciação permissível das taxas baseado na
vida útil provável de vários tipos de equipamento e outros artigos fixos envolvidos em
operações industriais. Enquanto várias alternativas podem ser usadas como métodos para
determinação da taxa de depreciação, um método de linha direta é normalmente é usado
por engenheiros para criar projetos. Aplicando este método, são assumidos período de
útil-vida e um valor de salvamento ao término da vida útil, com consideração devida que
são dadas as possibilidades de obsolescência e mudanças econômicas. A diferença entre
custo inicial e o valor de salvamento divididos pelo anos totais de vida útil dão o custo
anual devido a depreciação. A taxa de depreciação anual para maquinaria e equipamento
é aproximadamente 10% do investimento de total capital, enquanto edifícios
normalmente são depreciados a uma taxa anual de cerca de 3 % do custo inicial.

Ê    
A magnitude dos impostos de propriedade locais dependem da localidade
particular da planta e das leis regionais. As taxas de propriedades anuais para plantas
estão na faixa de 2 a 4 % do investimento fixo-capital. Em áreas menos povoadas,
impostos de propriedade locais são aproximadamente 1 a 2% do investimento de capital.

Seguro
As taxas de seguro dependem do tipo de processo que é levado a cabo na
operação industrial e na extensão de instalações de proteção disponíveis. Em uma base
anual, estas taxas chegam a aproximadamente 1% do fixo-capital do investimento.

Aluguel
Os custos anuais para terrenos alugados e edifícios chegam a aproximadamente 8
a 12% de o valor da propriedade alugada.

Custos envolvidos na planta


Os custos de produção estão diretamente relacionados com a operação de
produção. Porém, muitas outras despesas estão sempre envolvidas se a planta completa
for funcionar como uma unidade eficiente. A maquinaria, equipamento, e edifícios são
necessárias para muitos dos serviços da planta em geral, taxas fixas e custos diretos para
estes artigos são parte dos custos envolvidos na planta. Despesas conectadas com o
seguinte incluem o tamanho das taxas para planta em cima;

6p Hospital e serviços médicos


6p Engenharia em geral
6p Serviços de segurança
6p Lanchonete e instalações de recreação
6p Manutenção da planta em geral
6p Folha de pagamento, inclusive benefícios de empregado
6p Controle dos laboratórios
6p Empacotamento
6p Proteção da planta
6p Escritórios de emprego
6p Distribuição de utilidades
6p Lojas
6p Iluminação
6p Comunicações e transporte
6p Armazéns
6p Transporte e instalações receptoras

Estas taxas são relacionadas diretamente aos custos de todo o trabalho conectados
com a operação de produção. O custos da planta é de aproximadamente 50 a 70% da
despesa total para trabalho operacional, supervisão e manutenção.

Custos administrativos
As despesas conectadas com a administração ou atividades administrativas não
podem ser carregados diretamente a custos industriais; porém, é necessário que se inclua
o setor administrativo na análise econômica. Salários para administradores, secretários,
contadores, trabalhadores semelhantes são parte das despesas administrativas, junto com
os custos para os materiais de escritório e equipamentos. Os custos administrativos
podem ser aproximadamente como 20 a 30 % do custo do trabalho operacional.

Pesquisas e custo de desenvolvimento


Constantemente estão sendo desenvolvidos métodos novos e produtos nas
indústrias químicas. Estas realizações são provocadas por ênfase em pesquisa e
desenvolvimento. Pesquisa e custos de desenvolvimento incluem salários para todo o
pessoal diretamente conectado com este tipo de trabalho. Nas industrias químicas estes
custos chegam a aproximadamente 2 a 5%.

FINANCIAMENTO

É considerado capital emprestado a uma taxa fixa de interesse, e estabelecida na


ocasião do empréstimo do capital, este capital será usado para fazer o investimento de
interesse na planta industrial. É preferível separar o financiamento de outras taxas fixas e
listadas como uma despesa de administração ou financiando custo. Taxas de juros anuais
chegam de 5 a 10% do valor total do capital emprestado.

CONTINGÊNCIAS

Eventos imprevistos, como greves, tempestades, inundações, variações de preço, e


outras contingências, pode ter um efeito nos custos para uma operação industrial. Quando
o engenheiro químico predisser custos totais, é aconselhável levar estes fatores em conta.
Isto pode ser realizado incluindo um fator de contingência equivalente a 1 a 5% do custo
de produto total.

RESUMO

Porém, deveria se lembrar daquele predesign ou estimativas que são


freqüentemente baseadas em porcentagens aproximadas ou fatores que são aplicáveis a
uma planta particular ou processo em determinadas de condições. As tabelas 26 e 27
resumem as estimativas de predesign para custos de investimento de capital e total do
produto, respectivamente. As porcentagens indicadas em ambas as tabelas dão faixas
encontradas em plantas de industrias químicas típicas. Por causa das variações largas em
tipos diferentes de plantas, só deveriam ser usados os fatores apresentados quando mais
dados precisos não estão disponíveis. Estimação de custo de investimento de capital
(mostrando componentes individuais). Na tabela 26 as porcentagens indicaram no
seguinte resumo dos vários custos que constituem o capital investido e são aproximações
aplicáveis para plantas de processo de industrias química ordinárias. Deve-se perceber
que os valores dados podem variar, enquanto dependendo de muitos fatores, como local
de planta, tipo de processo, complexidade de instrumentos e equipamentos.
Tabela 26
Estimação de produto total (mostrando componentes individuais). As
porcentagens indicaram um resumo dos vários custos envolvido dentro de um completo
processo de operação de plantas industriais são aproximações aplicáveis para processo de
industrias químicas. Deve-se perceber que os valores dados podem variar, enquanto
dependendo de muitos fatores, como local da planta, tipo de processo, e políticas da
companhia. São expressadas porcentagens em uma base anual.
Tabela 27