Vous êtes sur la page 1sur 5

LCD, LED ou Plasma: qual tecnologia

escolher na hora de comprar a sua nova TV


Full HD?
Eduardo Moreira Para o TechTudo

imprimir

Estamos no final do ano, e um dos produtos mais cobiçados nas listas de compras natalinas é
a televisão. Ver programas, filmes, shows e eventos esportivos em uma TV nova, de tela
plana e alta definição, é mais do que um desejo de consumo, mas também um investimento –
já que ele (é) será o centro das atenções da sua sala de estar por alguns anos.

Só que na hora de escolher um modelo, algumas pessoas ainda se sentem perdidas com as
últimas novidades da tecnologia no setor, não entendendo a real diferença entre LCD, LED e
Plasma. Por isso o TechTudo fez um guia para você entender as principais diferenças entre as
três tecnologias, e para qual tipo de telespectador elas são mais indicadas.

Antes de mais nada, é fundamental esclarecer a diferença entre as imagens em Full HD e no


padrão standard:

Durante anos, canais de TV, produtoras de filmes e eventos ao vivo eram obrigadas a manter
suas imagens na resolução padrão 640 x 480 pxels (tudo por causa das ‘antigas’ televisões de
tubo). Mas com a chegada das novas tecnologias, como as telas de cristal líquido (LCD), de
LEDs e de plasma, os aparelhos passaram a ser capazes de mostrar imagens com pixels
menores, criando vídeos com um nível de detalhe muito mais minucioso.

Entendendo essa nova realidade, vamos ao que interessa:


TV LED 40’ Philips 40PFL6605D_001 (Foto: Divulgação)

Termos importantes que você precisa conhecer antes de comprar

O crescimento e o desenvolvimento das novas televisões trouxe consigo um novo dicionário


de termos e expressões sobre a tecnologia empregada, estabelecendo alguns parâmetros e
diferencias entre os produtos que vão além do número de “polegadas” que o televisor tem.
Vale a pena você conhecer alguns deles:

Contrast Ratio (relação de contraste): Ë uma escala entre 1:1 e 10.000:1 (exemplo) que ilustra
a diferença existente entre o branco mais brilhante e o preto mais escuro das imagens
projetadas na tela. Quanto maior o valor, melhor será o contraste.

Refresh Rate (taxa de atualização): Ë a quantidade de quadros por segundo que uma tela pode
reproduzir. Sua escala é medida em Hz (exemplo: 60 Hz). Quanto maior a taxa de atualização,
melhor é a fluidez dos quadros em cenas de movimentos. Cabe ressaltar, neste caso, que a
fonte da imagem (videogame, Blu-ray ou televisão) também deve ter mais quadros para
reproduzir. Não adiantará nada em um videocassete.

Pixel Response Time (tempo de resposta do pixel): É parecido com a taxa de atualização.
Neste caso, ele determina o quão rápido um píxel demora, individualmente, para atualizar
uma imagens. Ou seja, para mudar sua cor, seja ela do preto para o branco, ou do vermelho
para o preto. A velocidade é medida em milissegundos, e quanto menor o tempo, melhor.
Uma boa resposta do pixel deixará a imagem com menos “borrões” na tela, principalmente
nas imagens de muito movimento.

CRT: Acrônimo para Cathode Ray Tube (tubo de raios catódicos). São as TVs de tubo
tradicionais, quase inexistentes no mercado atual. Usuários mais avançados já abandonaram
este modelo, pelas próprias necessidades atuais dos produtos e de suas características.
LCD: Acrônimo para Liquid Crystal Display (tela de cristal líquido). São os modelos de TVs
mais comuns do mercado, e muito encontrado em notebooks e netbooks, painéis de aparelhos
de micro-ondas e rádio-relógios. Comparado aos televisores de CRT, ele é bem mais
econômico em termos de consumo de energia.

Plasma: Utiliza a mesma tecnologia das lâmpadas fluorescentes, mas ajustada para as TVs.
As telas de plasma foram consideradas top de linha até a chegada dos modelos de LED.

LED: Acrônimo de Light Emitting Diode (diodo de emissão de luz). Sua tela é composta,
basicamente, por um circuito elétrico com várias micro lâmpadas enfileiradas.

Conexões que você precisa conhecer

Cabo Vídeo Composto: O tradicional cabo amarelo, usado para transmissão do sinal de
vídeo, muito utilizado nas televisões analógicas. Não é o melhor tipo de conexão para
reprodução de conteúdos em alta definição.

Cabo Vídeo Componente: É uma conexão que divide o sinal de vídeo em três sinais, dando
uma folga no sinal e, consequentemente, aumentando a qualidade. É um padrão mais
adaptado ao sinal de alta definição.

Cabo HDMI: É o padrão mais utilizado para transmissão de sistemas digitais. Por possuir
vários conectores internos, o HDMI consegue transmitir as imagens com uma definição bem
alta.

DVI: Conexão similar à HDMI, porém mais utilizada em PCs.

Cabo componente (Foto: stock.xchng)


As tecnologias e suas principais características

Agora que conhecemos os termos e sabemos o que cada um deles significa, podemos falar
especificamente do que cada tecnologia poderá te oferecer, e qual é a melhor escolha para
reprodução de imagens em Full HD.

TV LCD: As telas de LCD são capazes de produzir belas imagens, mas contam com um
detalhe que pode fazer toda a diferença: Como as telas de LCD não emitem nenhum tipo de
luz, ela precisa utilizar recursos eletrônicos para produzir cores brilhantes. O resultado disso
acaba sendo o de imagens menos naturais que as vistas nas outras tecnologias. Um número
bem grande de televisores LCD, no mercado, são compatíveis com o novo sinal de TV
Digital, mas justamente pela alta definição, algumas imperfeições podem aparecer,
principalmente em imagens com muita movimentação de câmeras.

TV LED: As telas LED estão caindo no gosto do consumidor, mas isso não quer dizer que
tecnicamente elas são revolucionárias, como muitos segmentos do mercado vendem hoje. As
telas de LED de hoje são, basicamente, telas de LCD com diodos de luz na parte traseira da
tela. Elas oferecem mais vantagens na qualidade de imagem e no consumo de energia, porém
acabam sendo mais caras, principalmente por ser uma tecnologia mais nova que as anteriores.
Comparadas às telas de LCD, possuem um melhor contraste e taxa de atualização, e são muito
mais adequadas para reprodução de imagens em Full HD.

TV Plasma: As telas de plasma produzem as melhores imagens que você pode encontrar no
mercado. Normalmente são vendidas em modelos de telas grandes, que oferecem a melhor
relação de contraste, exibição de cores, e uma resposta mais rápida das imagens (por causa do
tempo de resposta dos pixels, consideravelmente menor que nos modelos de LCD e LED).
Em compensação, elas consomem mais energia do que as outras, além de serem muito mais
sujeitas a problemas de super-aquecimento. Sem contar que, dos três modelos, ela é a que
geralmente tem os preços mais elevados.
TV LED Samsung 55” UN55B6000 (Foto: Divulgação)

Conclusão

Cada usuário tem a sua necessidade e seu objetivo em particular, e essa preferência deve
refletir no momento da compra. Usamos a televisão para assistir filmes, shows, jogar
videogames, e até para conectar no computador. Por isso, cabe ao usuário fazer uma pesquisa
pessoal sobre quais serão os principais usos da TV.

Os modelos de LCD costumam ser mais baratos e consumir muito menos energia que aos
outros, e se você não tiver um olho bem treinado, nem conseguirá perceber muita diferença
em relação às outras tecnologias.

Mas se você deseja assistir um filme com ‘aquela’ qualidade, em Blu-ray, ou praticamente se
sentir dentro de um estádio de futebol (vale para outros eventos esportivos), certamente as
TVs de Plasma são as mais adequadas, por conta da sua taxa de contraste e das cores mais
nítidas.

O meio termo entre estas tecnologias são as tela LED. No geral, a taxa de atualização costuma
ser mais rápida nesses modelos, colocando-as como as mais indicadas para os videogames de
última geração.

Uma vez definida a tecnologia, é hora de você conferir o modelo que mais atende as suas
expectativas. O TechTudo possui uma série de reviews com vários modelos e diversas
marcas de TVs, e grande parte delas podem ser achadas nas grandes lojas de eletrônicos.
Quem sabe você não encontra a sua próxima TV aqui?