Vous êtes sur la page 1sur 2

1

Uma publicação eletrônica da EDITORA SUPERVIRTUAL LTDA.


Colaborando com a preservação do Patrimônio Intelectual da Humanidade.

WebSite: http://www.supervirtual.com.br
E-Mail: supervirtual@supervirtual.com.br
(reprodução permitida para fins não-comerciais)

Buraco Negro

A imprensa divulgou e continua divulgando, com insistência


tendenciosa, que a onda de violência e criminalidade que grassa sem peias
em nosso país é decorrente da venda de armas portáteis. Só aqueles que não
querem ver o óbvio é que aceitam ser a criminalidade e a violência
decorrentes do comércio controlado de armas, como hoje é feito. Entretanto,
sabe-se que quase todas as armas que os bandidos portam são obtidas no
contrabando, no roubo e em outros descaminhos.
Preparado o terreno pela mídia, o governo lançou a campanha do
desarmamento civil, que não constitui fato isolado, comandado pelo
próprio presidente, por ele inserido no rol de medidas prioritárias a serem
aprovadas pelo congresso federal ! Ela é parte de uma estratégia
maquiavélica, ditada de fora, decorrente de acordos, promessas...etc, que
visa, em última instância, a destruição do ESTADO NACIONAL
SOBERANO. Este é o desejo dos círculos oligárquicos comandados pelos
anglo-americanos... O desarmamento civil, como quer o Sr. Presidente,
desarma os homens de bem e deixa armada a bandidagem .
É inteiramente válida a pergunta : a que organização ou governo
interessaria a proibição da fabricação, do porte, comercialização e
exportação de armas? A resposta é simples e direta: ao Establishment anglo-
americano. Estas uniões incestuosas entre parentes muito próximos se
combinam e se completam inteiramente. De um lado os americanos
preconceituosos e racistas de nascença, matadores de índios e negros, agora
fervorosos e preocupadíssimos defensores dos índios brasileiros; do outro
lado, como parceiro, os ingleses, flegmáticos bebedores de chá, piratas
rapinadores de origem, inventores das ONGs e dos sistemas de meio

1
2
ambiente, que ignoram fronteiras, criando também o ambientalismo!
Ambos, americanos e ingleses, juntaram às suas bandeiras os direitos
humanos e congêneres, como também as célebres ONGs, das quais são os
patrocinadores, com régias verbas de muitos milhões de dólares!!! (
Segundo a revista Veja, de fevereiro de 94, já existiam na época 5.000
ONGs atuando no Brasil, com orçamento anual de 700 milhões de dólares,
dos quais 80% provinham de doações do exterior. Nelas trabalhavam cerca
de 80 mil profissionais, dos quais 60 mil em tempo integral. A maioria com
curso superior).
Estamos vivendo uma situação em que estão se juntando, sub-
repticiamente, todas as pré-condições para a desestabilização e o caos. Não
consideramos nosso aspecto financeiro, que é gravíssimo, com dívida
externa de muitos bilhões de dólares. Vamos apenas examinar muito
sucintamente, na área econômica, o setor da produção, onde existe quase
completa destruição com o sucateamento de nosso parque industrial e o
abandono criminoso de nossa agricultura. Agora é a indústria de armas
portáteis a proibida de concorrer com as fábricas das nações do primeiro
mundo. Amanhã seremos proibidos de produzir canhões, carros de combate,
munições, explosivos, aviões, submarinos ! Como conseqüência direta de tal
conduta observamos o calamitoso índice de desemprego, que é,
seguramente, um dos principais geradores da violência e da criminalidade.
A população desarmada não pode oferecer resistência a bandidos ou
a usurpadores! O cidadão armado pode enfrentar o bandido e defender sua
vida e seu patrimônio! Não é submisso, tem como enfrentar a tirania de
regimes exóticos ou alienígenas! Será que o desarmamento é uma medida
contra–revolucionária ou é também para amparar a introdução do controle
social e industrial ?
O desarmamento civil indiscriminado, como quer o governo,
materializa um dos itens que facilitarão a criação das condições
necessárias para a consolidação da “insanidade utópica de um governo
mundial oligárquico.”
Estamos sendo, implacavelmente, arrastados para o buraco
negro!!!

Gen. José Apolônio da F.R.Neto