Vous êtes sur la page 1sur 22

JOÃO PAULO GOMES RICOTTA / BRUNO CARDOSO - LED UFRJ

"É lindo ser católico!"


NORMATIZAÇÕES E ABERTURAS NA CONSTITUIÇÃO DE UMA IDENTIDADE RELIGIOSA ONLINE
Apresentação
O presente trabalho tem por objetivo
apresentar os resultados parciais obtidos
de pesquisa realizada acerca da atuação
do Padre Paulo Ricardo na internet.

A pesquisa, sob orientação do professor


Bruno Cardoso, busca investigar as
diferentes articulações pelas quais a
Igreja Católica se faz presente neste
ambiente, e suas implicações na relação
instituição-fiel.
INDIVIDUALIZAÇÃO DA FÉ E
MERCADO RELIGIOSO
Hervieu-Leger (2008), Moniz (2017).

TRANSIÇÃO RELIGIOSA NO
BRASIL Quadro conceitual
Steil; Toniol (2013), Sofiati; Moreira
(2018)

ANTROPOLOGIA DIGITAL E
TEORIA ATOR-REDE
Miller; Horst(2013), Latour (2012)
Quem é Padre Paulo Ricardo?
Clérigo na Arquidiocese de Cuiabá desde 1992, Paulo Ricardo possui intensa atividade
institucional, tendo exercido diversos ofícios eclesiásticos. Já lecionou em instituições
católicas de ensino superior, atuando na formação de seminaristas. Na TV, possui
programa semanal na Rede Canção Nova, com a qual mantém relação de cooperação,
participando esporadicamente de missas e demais programas**.

Desde 2010 mantém uma rede de produção e difusão de conteúdo doutrinário na internet,
centralizada em um portal que carrega seu próprio nome. Atualmente Vigário Paroquial da
Paróquia Cristo Rei (Várzea Grande – MT), Paulo Ricardo é reconhecido na internet a partir
de seu trabalho de evangelização, sendo alçado à posição de influenciador digital religioso
e político.

**Informações obtidas da descrição disponibilizada na página do Padre no Facebook:


https://www.facebook.com/pg/padrepaulo/about/?ref=page_internal
Set/ 2013
Out/ 2017 Out/ 2017
Set/ 2019
Out/ 2017 Set/ 2019
Metodologia

1. Levantamento Bibliográfico e revisão de literatura.

2. Descrição do site e análise do conteúdo disponibilizado online (via


Telegram). O levantamente e observação destes dados ocorreu entre os dias
26/08 e 16/10.
Site
Site de formação que oferece a "tradição
bimilenar da Igreja Católica".

Há centralização de conteúdo no site: Blog,


Podcast, Vídeos ao vivo, Homilias diárias e
dominicais. Entre os conteúdos gratuitos, há
a possibilidade de fazer download do
material (audio do vídeo).

Há também os cursos exclusivos - é


necessário aderir a uma assinatura (mensal,
trimestral, semestral, anual). A manutenção
da assinatura só se justifica mediante a
constante atualização no catálogo de
cursos.
Telegram
20k inscritos no canal de transmissão da plataforma
(disparo de atualizações sobre conteúdos novos). Todas as
mensagens possuíam algum link externo.

141 mensagens recebidas ao longo do período observado.

"Delay interativo": número de visualizações das


mensagens enviadas no canal aumenta ao longo dos dias.

Automatização no envio de algumas mensganes: links


para conteúdos publicados no YouTube - IFTTT
(discriminação de dois difusores: IFTTT e Equipe pe. Paulo
Ricardo).
Curso "Os temperamentos"
Divulgado a partir do dia 02/09.

Mobilização de toda infraestrutura: vídeo ao vivo,


publicação no blog, publicações nas mídias sociais.

A partir da divulgação do curso curso toda uma


dinâmica de sorteios, códigos de desconto e convites
à assinatura foi instituída / retomada.
Sorteio Instagram

Contagem regressiva
Perfil de cada temperamento

Os santos de cada temperamento


(São Tomás de Aquino)
O que é e o que não é
temperamento:
1. Temperamento não é horóscopo.

2. Temperamento não é moda.

3. Temperamento é "para ser transformado".


Discussão
Iniciativas como a encabeçada pelo Padre Paulo Ricardo, no atual cenário vivenciado
pela Igreja Católica no Brasil, propiciam um reordenamento discursivo acerca do "ser
católico".

Diferença da experiência oferecida pelo Padre na internet em comparação com outras


experiências já observadas. Não se trata de uma experiência com o sagrado
(Sbardelotto, 2010), ou de uma comunicação mais imediata com a institucionalidade
(Bressani, 2013), mas de conteúdo eminentemente doutrinário, que normatiza uma
"conduta católica".

Ao normatizar um "ser católico", normatiza-se também um "ser Igreja" (fortalecimento


institucional atravessado por disputas entre diferentes vertentes doutrinárias do
catolicismo).
Esse movimento se materializa mediante a mobilização de uma infraestrutura digital
constituída por banda larga móvel (2G 4G), Web 2.0 e Redes Domésticas, atrelada a
dispositivos digitais de uso massivo, como YouTube, Facebook, Twitter e Instagram
(integração do discurso religioso às novas plataformas comunicacionais).

Nesse sentido, é impossível apreender a atuação online do padre Paulo Ricardo sem
recorrer ao conceito de Polymedia (Miller; Horst, 2013).
BRESSANI, Valdecir. O papa no twitter e os desafios da Igreja Católica junto às Redes Sociais digitais.
Disponível em: <http://www.abciber.org.br/simposio2013/anais/>. Acesso: 24/11/2018.

HERVIEU-LÉGER, Danièle. O peregrino e o convertido: a religião em movimento. Petrópolis: Vozes, 2008.

LATOUR, B. (2012). Reagregando o Social. Bauru, SP: EDUSC/ Salvador, BA: EDUFBA.

MILLER, Daniel; HORST, Heather A. The Digital and the Human: A Prospectus for Digital Anthropology.

MONIZ, Jorge Botelho. Teorias da secularização e o modelo da economia religiosa: uma análise
comparativa. Ciencias Sociales y Religión/ciências Sociais e Religião, [s.l.], v. 19, n. 26, p.52-74, 14 set. 2017.
Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

SBARDELOTTO, Moisés. E o verbo se fez bit: a comunicação e a experiência religiosas na Internet.


Aparecida: Editora Santuário, 2012

SOFIATI, Flávio Munhoz; MOREIRA, Alberto da Silva. Catolicismo brasileiro: um painel da literatura
contemporânea. Relig. soc.,  Rio de Janeiro ,  v. 38,  n. 2,  p. 277-301,  ago.  2018 .   Disponível em
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-85872018000200277&lng=pt&nrm=iso>.

STEIL, Carlos Alberto; TONIOL, Rodrigo. O Catolicismo e a Igreja Católica no Brasil à luz dos dados sobre
religião no Censo de 2010. Disponível em: http://hdl.handle.net/10183/103475 Acesso em 17/06/2018. Acesso
em 15/11/2018