Vous êtes sur la page 1sur 22

LEANDRO RONDADO DE SOUSA

JULIANA QUIRINO
MÔNICA CRISTINA LEMOS
MURILO RANDI
NAIARA LEMOS MOREIRA
PAULO ALBERTO
ROBISON MENDONÇA DE ARRUDA

GUIA REDUZIDO
PYTHON

FRANCA
2007
LEANDRO RONDADO DE SOUSA
JULIANA QUIRINO
MÔNICA CRISTINA LEMOS
MURILO RANDI
NAIARA LEMOS MOREIRA
PAULO ALBERTO
ROBISON MENDONÇA DE ARRUDA

GUIA REDUZIDO
PYTHON

Trabalho apresentado como exigência


parcial para conclusão de bimestre
referente à disciplina de tecnologias web
do curso de Ciência da Computação da
Universidade Franca, sob a orientação
da professor Fernando Ewald.

FRANCA
2007
LISTA DE ILUSTRAÇÕES

Figura 1 - Tela inicial para instalação da IDE python 6


Figura 2 - Localização das variáveis de ambiente 7
(Windows 2000)
Figura 3 - Localização do Path para configuração 7
Figura 4 - Configuração do path da variável de 8
ambiente
Figura 5 - IDE Python 8
Figura 6 - Exemplo de código python (endentação, 9
interações e declarações)
Figura 7 - Exemplo de lista 11
Figura 8 - Exemplo de tupla 12
Figura 9 - Exemplo de dicionário 12
Figura 10 - Exemplo de operações com Strings 14
Figura 11 - Utilização de expressões regulares 15
Figura 12 - Exemplo de uso de exceções 16
Figura 13 - Integração HTML e Python 18
Figura 14 - Resultado da integração 19
SUMÁRIO

INSTALAÇÃO................................................................................................................7
SINTAXE DA LINGUAGEM.........................................................................................10
LISTAS, TUPLAS E DICIONÁRIOS............................................................................12
STRINGS, EXPRESSÕES REGULARES E EXCEÇÕES..........................................15
INTEGRAÇÃO HTML E PYTHON...............................................................................18
CONCLUSÃO..............................................................................................................21
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS............................................................................22
INTRODUÇÃO

O objetivo desse guia é mostrar de maneira prática e simples a

natureza da linguagem interpretada python, bem como suas principais

características, e ainda alguns exemplos de código-fonte para ilustrar a portabilidade

da linguagem.

A linguagem python foi criada por Guido Van Rossum através da

combinação de elementos de sintaxe clara de diversas linguagens, possui código-

fonte aberto, fato principal por torná-la multiplataforma, outra característica

importante é a orientação a objetos, diferencial entre as linguagens interpretadas.

Python tem seu uso vinculado em produção de scripts de administração,

mecanismos de busca, e aplicativos GUI.


INSTALAÇÃO

Para execução dos códigos fonte contida nesse guia foi utilizada a
versão 2.5.1 for Windows do python, que pode encontrada no seguinte endereço
eletrônico: http://baixaki.ig.com.br/download/Python.html. A instalação é simples e na
maioria dos casos é recomendado apenas avançar (next) em cada tela da
instalação. Veja abaixo a figura que representa uma das telas de instalação da IDE
Python.

Figura 1 – Tela inicial para instalação da IDE python.


Fonte própria.

Apesar da instalação da IDE python ser simples, é preciso atentar para


um detalhe de configuração do Windows. Por se tratar de uma linguagem
intepretada, é necessário configurar o caminho (path) da variável de ambiente do

7
Windows para que os exemplos de código fontes contidos nesse manual funcionem
normalmente. A configuração da variável de ambiente é mostra na figura abaixo:

Figura 2 – Localização das variáveis de ambiente (Windows 2000)


Fonte própria

Figura 3 – Localização do Path para configuração.


Fonte própria

8
Para fazer a devida configuração basta apenas clicar em editar (figura
3) e adicionar a localização do interpretador python, conforme a figura abaixo:

Figura 4 – Configuração do path da variável de ambiente.


Fonte própria

Com estas configurações já é possível a utilização da IDE Python para


escrever os códigos fontes para isso basta abra a IDE que está localizada na pasta
programas, clicar em File new Window, desta forma será aberto uma espécie de
editor de texto o qual está preparado para identificar as sintaxes da linguagem.
Depois do código implementado basta apenas pressionar F5 para que o
interpretador mostre o resultado na tela.

Figura 5 – IDE Python.


Fonte própria

9
SINTAXE DA LINGUAGEM

A linguagem python possui uma sintaxe clara, objetiva e voltada para


orientação a objetos, e ainda possui 28 palavras reservadas nativas, ou seja, que
não necessitam de nenhuma importação de módulos:
São elas: And, assert, break, class, continue, def, del, elif, else, except,
exec, finally, for, of, global, if, import, in, is, lambda, not, or, pass, print, raise, return,
try, while.
A declaração de variáveis pode ocorrer em qualquer ponto do código
fonte, porém é importante ressaltar que python é case sensitive, ou seja, faz
diferenciação entre maiúsculas e minúsculas.
Um fator importante é sobre a endentação. Python não possui o
recurso { } para especificar blocos de comandos, e sim um poderoso sistema de
endentação. Portanto uma tabulação implementada de maneira equivoca pode
ocasionar erros de interpretação do código ou até mesmo desvios de lógica. Na
figura abaixo retirada do livro Internet & World Wide Web (DEITEL 2003) mostra
uma pequeno fonte que calcula o máximo divisor comum entre 2 números inteiros,
interage com o usuário através de comparação de cores inseridas com as cores
armazenadas em variáveis String.

Figura 6 – Exemplo de código python (endentação, interações e declarações)


Fonte: DEITEL 2003, Internet & WWW: como programar.

10
Na figura 6 é possível notar a endentação através das setas como se
declarara às funções usando a palavra reservada def, além do fato de incluir no
início do arquivo a linha # -*- coding: cp1252 -*- que é uma biblioteca para a
interpretação do código.
Depois de digitado o código acima e feito os devidos testes é possível
usá-lo em outros sistemas operacionais, para isso basta salvá-lo com outra
extensão. No Windows a extensão é. pyw, já em outros sistemas (linux e Unix, por
exemplo) a extensão é .py, portanto basta essa pequena modificação para que se
confirme a fácil portabilidade da linguagem python.

11
LISTAS, TUPLAS E DICIONÁRIOS

Assim como outras linguagens, python também possui o tipo String,


que é considerado um dado de maior complexidade para armazenamento e
tratamento. Então, python utiliza 3 estruturas de dados para trabalhar com tipos de
dados Strings.
São elas: listas, tuplas e dicionários
A lista é apenas uma seqüência de dados relacionados, já as tuplas
são estruturas que armazenam elementos que não podem ser modificados, o
dicionário possui uma complexidade maior; ele é tipo especial de lista que associa
um dado armazenado com uma chave (índice) correspondente.
A figura 7, 8 e 9 mostram de maneira objetiva a implementação dessas
3 estruturas, bem como os devidos comentários para melhor compreensão.

Figura 7 – Exemplo de lista


Fonte: DEITEL 2003, Internet & WWW: como programar.

12
Figura 8 – Exemplo de tupla
Fonte: DEITEL 2003, Internet & WWW: como programar.

Figura 9 – Exemplo de dicionário


Fonte: DEITEL 2003, Internet & WWW: como programar.

É importante salientar que o no comando print pode ser utilizado


parâmetros de tabulação como:\n, \r, \t, \’, \”, \b, \\
Em um estudo mais aprofundado sobre listas e dicionários (que não é
foco deste guia) é possível verificar alguns métodos de manipulação. Como os
listados abaixo.
Métodos referentes a listas:
Append (item) – insere item no final da lista
Count (item) – retorna o número de ocorrências do item na lista
Extend (novaLista) – insere novaLista no fim da lista
Index (item) – Retorna o índice da primeira ocorrência de item na lista
Insert (índice, item) – Insere o item na posição índice
Pop (índice) – remove o ultimo elemento da lista
Remove (item) – remove a primeira ocorrência de item na lista
Reverse() – inverte o itens da lista
13
Sort (função) – classifica os itens da lista de acordo com a função
definida pelo usuário
Os métodos referentes a dicionários são:
Clear() – exclui todos os itens do dicionário
Copy() – cria a cópia de um dicionário
Get (chave, [valorFalso]) – Retorna valor associado com a chave
hasKey(chave) – retorna 1 se a chave for encontrada
items() – retorna uma lista de tuplas
setdefault(chave,[valorFalso]) – Comporta-se de maneira semelhante
ao get
update(outrodicionário) – Adiciona todos os pares de chave-valor de
outro dicionário ao dicionário atual
values() – Retorna uma lista de valores do dicionário

14
STRINGS, EXPRESSÕES REGULARES E EXCEÇÕES

Para utilizar python para validação de dados em scripts CGI de


administração, são necessários aliar três métodos computacionais eficientes:
1. Strings – para padronizar entradas de usuários e definir maneiras de
como os dados serão comparados.
2.Expressões regulares – utilizar esse métodos da teoria da
computação para fazer as devidas comparações
3.Exceções – para gerenciar os possíveis erros e incoerências dos 2
primeiros itens
Nas figuras 10,11 e 12 exemplifica o uso desses 3 métodos, dos quais
serão utilizados no próximo capítulos para mostrar a integração de python com
HTML.

Figura 10 – Exemplo de operações com Strings


Fonte: DEITEL 2003, Internet & WWW: como programar.

15
Figura 11 – Utilização de expressões regulares
Fonte: DEITEL 2003, Internet & WWW: como programar.

Na figura 11 é utilizado o módulo re, esse módulo é responsável por possuir


métodos eficientes de análise da string (compile) e busca (findall(searchString))

16
Figura 12 – Exemplo de uso de exceções
Fonte: DEITEL 2003, Internet & WWW: como programar.

O tratamento de exceções ocorre como na maioria das linguagens, o


bloco try capta o erro, e o bloco except trata-o mostrando as devidas mensagens na
tela.

17
INTEGRAÇÃO HTML E PYTHON

Com as informações anteriormente dispostas já é possível mostrar


como python interage com outras linguagens interpretadas, no caso desse guia o
HTML.
Segundo DEITEL (2003). Python tem muitas utilizações ma Web.
Módulos CGI para cesso de formulários, manipulação de mensagens STMP,
manipulação de dados na web dentre outras.
Para aplicarmos os exemplo de integração com HTML é necessário
que servidor apache esteja devidamente instalado e configurado, mesmo que com
suas configurações mais simples, isto se faz necessário, pois precisamos dos
módulos CGI do apache para fazer a interpretação dos módulos importados pelo
python, lembrando que o arquivo criado no exemplo a seguir deve ser colocado
dentro da pasta cgi-bin do servidor apache para que o mesmo funcione
corretamente.
Depois de tudo pronto é possível verificara a interpretação pelo
browser apenas digitando na barra de endereço http://localhost/cgi-bin/arquivo.pyw
Outro detalhe importante é que a variável de ambiente do python
mencionada no início desse guia deve estar devidamente configurada para que o
exemplo funcione.
Como será mostrado a seguir, a primeira linha de código-fonte é #!
C:\Python\python.exe, ou seja utilizamos o #! (she bang) para mostrar o caminho de
nosso interpretador, por isso a necessidade do path da variável de ambiente estar
configurada.
A figura 13 mostra o exemplo de integração com HTML, no exemplo a
seguir a linguagem python capta todas as variáveis de ambiente pelo módulo os, e
cria uma amostragem em html usando o módulo cgi do python interligado com o
apache. O Resultado será algo parecido com a figura 14.

18
Figura 13 – Integração HTML e Python
Fonte: DEITEL 2003, Internet & WWW: como programar.

19
Figura 14 – Resultado da integração
Fonte: DEITEL 2003, Internet & WWW: como programar.

20
CONCLUSÃO

Com foi visto a linguagem python é poderosa, versátil e atual, contudo


carece de mais estudos, pois atualmente são grandes centros de pesquisas que a
utiliza, e devido a variedades de linguagens interpretadas (PHP, ASP dentre outras),
python ainda é pouco disseminada, e possui pouco material disponível,
principalmente em língua portuguesa.
Seu código aberto e a clareza de sua sintaxe são os responsáveis por
tornar a linguagem uma das mais produtivas se comparadas com outras linguagens
interpretadas.
Apesar de sua natureza voltada a orientação a objetos, é possível
estudá-la de maneira mais simples usando o paradigma procedural, portanto é um
assunto muito extenso, esse pequeno guia ofereceu apenas uma breve amostragem
do que é a linguagem python e do que ela é capaz, assim é possível aproveitá-lo
para evoluir em um estudo mais aprofundado e entender mais razões do
crescimento dessa linguagem no meio acadêmico, comercial e de pesquisa.

21
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

DEITEL, HM. Internet & World Wide Web: Como programar: Editora Bookman, 2003.

22