Vous êtes sur la page 1sur 8

Carga e descarga de capacitores

Ana Paula Kaucz; Camila Fernanda Padilha; Guilherme Lemos Kosteczka; João Marcos Lenhardt
Silva; Leonardo Viana das Chagas Lima.
Departamento de Física – Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Curitiba – Av. Sete de Setembro, 3165 Rebouças – 80230-901 – Curitiba – PR - Brasil
e-mail: quimica1.2009utfpr@gmail.com

Capacitores são equipamentos que armazenam energia num campo elétrico. Na


presente prática montou-se um circuito RC e calculou-se seu valor através de três métodos
distintos e os comparou com o valor de referência que é 86,02 s. O primeiro valor foi
medido com o auxilio de um gráfico que mostrava a tensão do capacitor e a tensão do
resistor ao longo do tempo. O segundo valor foi obtido através da linearização do gráfico de
tensão do capacitor por tempo e o último foi pela linearização do gráfico de tensão do
resistor por tempo. Os valores encontrados, na respectiva ordem foram: 92,65 s, 107,1 s e
102,6 s. Esses resultados se distanciam do valor esperado, possivelmente devido a erros
do aparelho bem como desgastes dos componentes do circuito RC.

Introdução o capacitor começa a ser carregado


através da corrente i, que circula pela
O capacitor é constituído de duas resistência R, com a fonte previamente
placas condutoras separadas por um ajustada a um valor de tensão .
isolante (dielétrico), e tem a propriedade de Figura 1 – Circuito
armazenar energia elétrica. No Sistema
Internacional de Unidades (S.I.), a unidade
de capacitância é o Farad (F) [1] . Ao ser
aplicada a diferença de potencial de um
Volt em um capacitor de um Farad, a carga
elétrica acumulada entre as placas é de
um Coulomb:

C= (1) Durante o processo de carga do


capacitor, as seguintes equações
descrevem os fenômenos, em função do
A capacitância depende apenas da tempo t:
geometria do capacitor e do material usado
entre as placas. [2]
Uma das características mais (2)
interessantes do capacitor, que possibilita
inúmeras aplicações tecnológicas, é o seu Sendo ε a diferença de potencial da
tempo de carga e descarga. Em um fonte de tensão, R a resistência do resistor,
experimento de carga de capacitor, o i a corrente elétrica que circula no circuito,
circuito é formado de uma associação em Q a carga elétrica acumulada no capacitor,
série do capacitor (C) com uma resistência C a capacitância do capacitor, Q/C a
elétrica (R), alimentado por uma fonte de tensão entre as placas do capacitor devido
tensão de corrente contínua (bateria). O o acúmulo de carga, e R..i a queda de
circuito é mostrado na Figura 1. No potencial provocada pelo resistor.
instante em que a chave S for ligada em a,
Considerando a definição de corrente 
i= =- (9)
elétrica,

i= (3)
Tanto Q quanto i diminuem
exponencialmente com o início do
e efetuando algumas substituições, processo de descarga.
chegamos à equação:
Procedimento experimental
Q = C.  (1 - ) (4)
Materiais
Reescrevendo a equação anterior e
aplicando novamente a definição de - Fios condutores;
capacitância, a diferença de potencial entre - 2 Multímetros Minipa® ET 2040;
as armaduras do capacitor no processo de - 1 Resistor (39100 Ω);
carga é escrita na forma: - 1 Capacitor (2200 μF);
- 1 placa de circuito RC;
- 1 Fonte Dawer® FCC-3005D.
V= =  (1- ) (5)
Procedimento
O aumento do potencial entre as
placas do capacitor acompanha o aumento Montou-se um circuito RC contando
da carga elétrica. com um capacitor de 2200 μF, um resistor
Para a descarga do capacitor, após (39100 Ω) e uma fonte Dawer® FCC-
ser carregado, temos a situação em que a 3005D ligados em série respectivamente
chave S volta à posição b, em um instante em C-D, em E-F e em A-B como ilustrado
t=0. A partir deste instante, a carga elétrica na figura 1.
acumulada no capacitor flui na forma de
corrente elétrica i através do circuito,
passando pelo resistor R, até a descarga
completa do capacitor. Como não há
tensão neste momento, consideramos que
 = o, e substituindo isso na equação (2),
considerando novamente que i=dQ/dt,
obtemos:
Figura 1 – Circuito RC.
Fonte: Autoria Própria.
(6)
Em paralelo, ligou-se dois multímetros
Por integração direta chega-se à Minipa® ET 2040 ao capacitor e ao
expressão que descreve a variação da resistor.
carga durante a descarga do capacitor, Ligou-se a fonte em 15 V iniciando-se
o processo de carga do capacitor, mediu-
se de 30 em 30 segundo a tensão no
Q = C.  . (7)
capacitor e no resistor até o tempo de 570
segundos.
Assim:
Em seguida, desligou-se o circuito da
fonte ligando-se com um fio os extremos A
V(t) = =. (8) e B, provocando a descarga do capacitor.
Mediu-se então a tensão no capacitor e no Ponto de Intersecção do gráfico de tensão
resistor de 30 em 30 segundos até o tempo do capacitor e tensão do resistor por tempo
de 570 segundos.
Tensão no capacitor e no resistor
Resultados e Discussão Considerando-se um circuito como o
mostrado na figura 1, com um capacitor
Determinação do valor de referência da (C), uma fonte (ε), um resistor (R) e um
constante RC switch (S):

A constante RC é chamada de
constante de tempo, representa o tempo
necessário para que a carga decresça por
um fator e-1 (TIPLER; MOSCA, 2009).
Com os valores da capacitância (C) do
capacitor e a resistência (R) do resistor
utilizado no circuito é possível fazer a Figura 1 – Circuito RC
determinação teórica do valor da constante Fonte: Autoria Própria.
RC, ou seja, a determinação do valor
utilizado como referência. Em (a) o circuito não está fechado e
A capacitância (C) era de 2200 µF e a assim o capacitor não possui carga. Em (b)
resistência (R) era de 39100 Ω, assim com o fechamento do circuito surge uma
obtém-se: corrente e a queda de potencial no resistor
e o aumento de potencial no capacitor.
RC = (2200.10-6 F).(39100 Ω) (1) Após o início da passagem da corrente o
RC = 86,02 FΩ capacitor passou a ser carregado
adquirindo uma carga Q. Utilizando-se a lei
Segundo Tipler e Mosca (2009), a das malhas de Kirchhoff:
unidade de capacitância farad e a unidade
de resistência ohm são equivalentes a: ε – IR – QC-1 = 0 (5)

1 F = 1 C.V-1 = 1 A.s.V-1 (2) Considerando-se que se a corrente é


positiva a carga Q estava aumentando
1 Ω = 1 V.A-1 (3) temos:

Dessa forma tem-se: I = dQ/dt (6)

RC = 86,02 s (4) Substituindo (6) em (5):

Determinação prática do valor da ε – R(dQ/dt) – QC-1 = 0 (7)


constante RC
Resolvendo a equação para Q,
Com os dados coletados durante o obteve-se:
experimento de carga e descarga do
capacitor, pôde-se determinar a constante Q = Cε[1 – e-t/RC] (8)
RC por 3 métodos distintos, mostrados nos
procedimentos a seguir. Segundo Tipler e Mosca (2009):

Q/C = Vcapacitor (9)


Assim Obteve-se:

Vcapacitor = ε[1 – e-t/RC] (10)

Lembrando-se que:

ε = Vcapacitor + Vresistor (11)

ε = ε[1 – e-t/RC] + Vresistor

Vresistor = ε[e-t/RC] (12)

Gráfico 1 – Tensão por tempo (Carga).


Determinação
Fonte: Autoria Própria.
A tensão na fonte utilizada era de
15,0 V, assim a soma das tensões no Considerando-se o ponto de
capacitor e no resistor deve ser igual a intersecção das duas curvas:
tensão na fonte, como mostrado na
equação (11). A tabela 1 traz os valores Vc =Vr
obtidos durante a carga do capacitor:
ε[1 – e-t/RC] = ε[e-t/RC]
Tabela 1 – Tensão capacitor e resistor durante a
carga.
t (s) Vc (V) Vr (V) Vc + Vr (V) RC = t / ln 2 (13)
30 4,12 10,60 14,72
60 7,09 7,65 14,74 O ponto em que as duas curvas se
90 9,01 5,70 14,71
encontram se tem t = 64,22 s, assim:
120 10,31 4,41 14,72
150 11,24 3,47 14,71
180 11,93 2,79 14,72 RC = 92,65 s
210 12,47 2,25 14,72
240 12,87 1,85 14,72
270 13,19 1,53 14,72
Comparando-se o valor obtido com a
300 13,44 1,28 14,72 referência (4) obtêm-se o erro relativo:
330 13,64 1,08 14,72
360 13,80 0,92 14,72 %e = 12,36%
390 13,93 0,79 14,72
420 14,03 0,69 14,72
450 14,12 0,60 14,72 Linearização do gráfico de tensão do
480 14,19 0,53 14,72 capacitor por tempo
510 14,25 0,47 14,72
540 14,30 0,43 14,73
570 14,31 0,00 14,31 Construiu-se os gráficos, para carga e
Fonte: Autoria Própria. descarga, das tensões do capacitor ao
longo do tempo:
A soma das tensões do capacitor e do
resistor não é igual à tensão da fonte em
todas as medições devido a imprecisões
dos aparelhos (multímetros) bem como
imprecisões resultantes da coleta de dado
pelos analistas.
Utilizando-se os dados da tabela 1
criou-se um gráfico de tensão por tempo:
Tabela 2 – Linearização capacitor durante a carga.
Tempo (s) -ln(1-Vc / Vfonte)
30 0,3284
60 0,6559
90 0,9481
120 1,205
150 1,444
180 1,663
210 1,878
240 2,074
270 2,264
300 2,442
330 2,612
360 2,773
Gráfico 2 – Carga Capacitor. 390 2,925
Fonte: Autoria Própria. 420 3,060
450 3,200
480 3,324
510 3,444
540 3,534
Fonte: Autoria Própria.

Com os dados da tabela 2, criou-se


um gráfico da linearização.

Gráfico 3 – Descarga capacitor.


Fonte: Autoria Própria.

Escolheu-se trabalhar com o gráfico


de carga, linearizou-se o gráfico através do
seguinte procedimento, considerando a
equação (10):
Gráfico 4 – Linearização capacitor.
Fonte: Autoria Própria.
Vcapacitor = ε[1 – e-t/RC]
Desconsiderou-se os dados a partir do
1 - (Vc/ε) = e-t/RC tempo 120 s por apresentarem
incoerências significativas em alguns
t/RC = - ln [1 - (Vc/ε)] (14) dados (não lineares).

A tabela 2 relaciona os dados


linearizados para a tensão do capacitor na
carga do mesmo:
Gráfico 5 – Linearização capacitor II. Gráfico 6 – (Carga Capacitor) Resistor.
Fonte: Autoria Própria. Fonte: Autoria Própria.

Os parâmetros da equação da reta


obtida foram relacionados na tabela 3,
comparando-se a equação y = Bx + A
obtida com a equação (14), observa-se
que o coeficiente angular da reta equivale
a 1/RC.

Tabela 3 – Parâmetros da reta (Capacitor).


Parâmetros valor erro
A 0,05978 0,03214
-4
B 0,00934 3,91138.10
R 0,99825 -
SD 0,02624 - Gráfico 7 – (Descarga capacitor) Resistor.
N 4 - Fonte: Autoria Própria.
P 0,00175 -
Fonte: Autoria Própria. Escolheu-se trabalhar com o gráfico
de carga, linearizou-se o gráfico através do
1/RC = 0,00934 seguinte procedimento, considerando a
equação (12):
RC = 107,1 s
Vresistor = ε[e-t/RC]
Comparando-se o valor obtido com a
referência (4) obtêm-se o erro relativo: (Vr/ε) = e-t/RC

%e = 24,51 % t/RC = - ln (Vr/ε) (15)

Linearização do gráfico de tensão do A tabela 4 relaciona os dados


resistor por tempo linearizados para a tensão do capacitor na
carga do mesmo:
Construiu-se os gráficos, para carga e
descarga do capacitor, das tensões do
resistor ao longo do tempo:
Tabela 4 – Linearização resistor durante a carga.
Tempo (s) -ln(Vr / Vfonte)
30 0,3284
60 0,6559
90 0,9481
120 1,205
150 1,444
180 1,663
210 1,878
240 2,074
270 2,264
300 2,442
330 2,612
360 2,773
390 2,925 Gráfico 9 – Linearização resistor II.
420 3,060 Fonte: Autoria Própria.
450 3,200
480 3,324 Os parâmetros da equação da reta
510 3,444 obtida foram relacionados na tabela 5,
540 3,534
comparando-se a equação y = Bx + A
Fonte: Autoria Própria.
obtida com a equação (15), observa-se
que o coeficiente angular da reta equivale
Com os dados da tabela 4, criou-se
a 1/RC.
um gráfico da linearização.
Tabela 5 – Parâmetros da reta (Resistor).
Parâmetros valor erro
A 0,07178 0,03014
-4
B 0,00975 3,66846.10
R 0,99859 -
SD 0,02461 -
N 4 -
P 0,00141 -
Fonte: Autoria Própria.

1/RC = 0,00975

RC = 102,6 s
Gráfico 8 – Linearização resistor.
Fonte: Autoria Própria.
Comparando-se o valor obtido com a
referência (4) obtêm-se o erro relativo:
Desconsiderou-se novamente os
dados a partir do tempo 120 s por e % = 19,27 %
apresentarem incoerências significativas
em alguns dados.
Conclusões

No presente experimento foi possível


verificar que a carga e a descarga do
capacitor se dão de forma exponencial.
Observou-se também que quando o
capacitor está se carregando a tensão
tende a diminuir, e então cai para zero
quando o capacitor se carrega
completamente.
O resultado experimental não foi o que
se esperava, uma das causas pode ser
sido devido aos erros ocasionados durante
o experimento, como problemas nos
multímetros.

Referências

[1] TIPLER, Paul Allen. - Física: para cientistas


e engenheiros – volume 3, 3. ed. Rio de
Janeiro: LTC,1995.

[2] HALLIDAY, D., RESNICK, R., Walker, J. -


“Fundamentos de Física 3: eletromagnetismo”
– volume 3. Rio de Janeiro : LTC,2009.