Vous êtes sur la page 1sur 19

POLÍTICAS SOCIAIS E POBREZA

NO BRASIL

Amélia Cohn*

Resumo

O presente texto procura apresentar algumas das


principais questões que norteiam o debate
brasileiro atual sobre políticas sociais e pobreza.
Ao percorrer essa trajetória são recuperados alguns
programas e políticas sociais com o objetivo de
exemplificar o padrão histórico de atuação do
Estado no setor.
É defendida a tese da urgência de se superar a
concepção antinômica, que ainda parece
prevalecer no país, entre políticas econômicas e
sociais, e de se definir uma nova articulação entre
desenvolvimento econômico e desenvolvimento
social.

* Socióloga, docente do Departamento de Medicina Preventiva da FMUSP e


pesquisadora do Centro de Estudos de Cultura Contemporânea — CEDEC. Foi a
relatora geral do Relatório Nacional Brasileiro para a Cúpula Mundial de
Desenvolvimento Social, realizada em Copenhague, em março de 1995.
PLANEJAMENTO E
POLÍTICAS PÚBLICAS
Nº 12 - JUN/DEZ debate acerca das políticas sociais no Brasil vem

O
DE 1995 ganhando destaque nesse período mais recente,
suscitado tanto pelos brutais indicadores que
traduzem uma sociedade marcada por profundas
desigualdades sociais, condenando à pobreza largas
parcelas da nossa população, quanto pela candente questão da
reforma do Estado, identificado como historicamente ineficiente.

Sob esses principais eixos temáticos, articula-se uma imbricada


rede de questões que traz à tona a relação Estado/sociedade e
Estado/mercado, em um contexto em que predominam, de um
lado, políticas econômicas voltadas para a estabilização da
moeda e o ajuste estrutural da economia e, de outro, a complexa
relação entre democracia política e democracia social.

Dessa forma, ao se discutir as políticas sociais na atual


conjuntura brasileira, a questão da lógica do seu financiamento e
da prestação de benefícios e serviços, e, neste caso, da sua
produção, ocupa lugar central no debate atual, e que se desdobra
em termos da compatibilidade entre os objetivos propostos por
cada política setorial — e dos respectivos programas aí presentes
— da área social; da disponibilidade, origem e constância dos
recursos disponíveis e previstos para sua efetivação; e da sua
eficiência quanto a atingir os objetivos e o público-alvo
previamente definidos. E se não é novidade que as políticas e
programas sociais no Brasil não preenchem esses quesitos,
entender sua lógica e buscar elementos que permitam imprimir-
lhes outra racionalidade torna-se tarefa das mais urgentes para a
construção de uma sociedade mais igualitária, vale dizer, mais
democrática.

No entanto, imprimir uma nova orientação às políticas sociais no


sentido de torná-las mais equânimes, e portanto capazes de
contemplar a diversidade das necessidades dos diferentes
segmentos sociais, confronta-se com a herança de um sistema
de proteção social no país, caracterizado por: um alto grau de
centralização, com definição de prioridades e diretrizes ditada
pelo nível federal; oneroso, pela superposição de programas,
clientelas e serviços intra e entre as esferas federal, estadual e
municipal; acentuadamente privatizado, com parcela significativa

2
dos serviços sendo prestada pelo setor privado — lucrativo e/ou POLÍTICAS SOCIAIS
filantrópico; discriminatório e injusto, porque nível de renda e/ou E PROBREZA NO
BRASIL
inserção no mercado de trabalho acabam por se transformarem,
na prática, no principal critério de acesso aos benefícios e
serviços prestados; com fontes instáveis de financiamento,
provenientes de recursos fiscais e tributários complementados
por outros de variada natureza, compondo um conjunto
desarticulado e fragmentado, além de variável quanto à sua
vinculação ou não a gastos específicos; entre outros.

Somadas essas características, configura-se um sistema de


proteção social composto por inúmeros programas e políticas
setoriais apostos uns aos outros, de baixa eficiência e eficácia, de
vida efêmera, e impermeável ao controle público. Em resumo,
herda-se no presente um enorme aparato institucional voltado
para ações na área social e que, tomado em seu conjunto, na
prática acabam por reproduzir as desigualddes sociais ao invés
de se traduzirem em políticas sociais compensatórias das
desigualdades originadas no mercado.

Reverter, portanto, essa lógica que vem imperando na área social,


na atual conjuntura, implica a redefinição da articulação entre
desenvolvimento econômico e desenvolvimento social. Isso
significa, em primeiro lugar, reconhecer que, ao contrário do que
postulava a concepção desenvolvimentista dos anos 50 e 60, o
desenvolvimento social não decorre automaticamente do
desenvolvimento econômico, mas que, no atual contexto de
globalização das economias e dos mercados, e no decorrente
processo de ajuste estrutural que vêm experimentando economias
do Terceiro Mundo, a tendência atual é de o crescimento
econômico vir acompanhado de um decréscimo da capacidade de
criação de novos empregos, e, no caso particular de nossas
economias, do volume de postos de trabalho já existentes
associado a uma crescente deterioração da qualidade do emprego;
e que esse processo traz consigo uma crescente seletividade, seja
da força de trabalho empregada, seja dos setores econômicos com
capacidade de competitividade no mercado externo. Em segundo
lugar, e em decorrência, que reverter essa lógica significa que a
nova articulação entre política econômica e política social implica o
reconhecimento de que aquela contém uma forte dimensão social
(pelo que pode representar enquanto aumento do poder aquisitivo

3
PLANEJAMENTO E real dos segmentos sociais de mais baixa renda e de criação de
POLÍTICAS PÚBLICAS novas oportunidades de geração de renda por meio de políticas
Nº 12 - JUN/DEZ
DE 1995 específicas) e que, reciprocamente, esta contém uma forte
dimensão econômica, até pelo que representa enquanto
oportunidade de criação de novos empregos e de demanda para o
setor produtivo.

Conseqüentemente, talvez o maior desafio que se apresenta hoje


para a reversão da lógica que vem regendo as políticas sociais no
país resida em superar o raciocínio contábil — de "caixa" — como
critério exclusivo de formulação e implementação de políticas
sociais e, portanto, de extensão dos direitos sociais e do acesso
dos setores mais pobres da sociedade a benefícios e serviços
sociais básicos. Em resumo, o desafio presente consiste em
romper os grilhões do que vem sendo denominado de ditadura
dos economistas (vale dizer, de um modelo econômico específico
de acumulação), buscando compatibilizar desenvolvimento e
crescimento econômico com democracia social.

É diante desse quadro que se apresentam as principais questões


que animam o debate atual na área sobre a relação
Estado/mercado, público/privado, universalização/focalização,
centralização/descentralização, alimentado pela voga dos
preceitos neoliberais que propugnam uma reforma do Estado
tendo como pressuposto a lógica do mercado imprimindo
dinamismo e racionalidade às sociedades modernas.

Cabem, portanto, alguns assinalamentos sobre esses temas, tendo


sempre por referência a realidade brasileira. No que respeita à
relação Estado/mercado, como assinala Lechner (1993, p. 237-
248), uma vez que o desafio dos países latino-americanos consiste
em compatibilizar a integração na economia mundial com a
integração social interna, enfrentando uma sociedade fragmentada,
reflexo da precariedade do processo de modernização econômica,
essa dupla integração requer tanto medidas de fomento não
rentáveis para o setor privado (infra-estruturais e sociais, como
educação, por exemplo) quanto medidas de regulação, ambas
dependentes da iniciativa estatal. Trata-se, neste caso, de se
repensar o próprio conceito de Estado, não mais pautado como um
jogo de "soma zero" na relação Estado/mercado, "mas de um
estado democrático, que integre efetivamente todos os cidadãos"

4
(op. cit.). Em decorrência, a complexa relação entre democracia POLÍTICAS SOCIAIS
política e democracia social traduz-se na indagação de fundo, E PROBREZA NO
BRASIL
identificada pelo próprio Lechner como atualmente presente em
toda a América Latina, de "como compatibilizar democracia e
desenvolvimento" (op. cit.,237), uma vez que não só o
desenvolvimento desigual é resultado inevitável do livre mercado
como, quando não existe escassez mas sim miséria, não só as leis
do mercado tornam-se inoperantes como a sua própria
racionalidade supõe a igualdade de oportunidades para competir,
sendo que ele mesmo não gera esse pressuposto. Daí a conclusão
de que "a própria dinâmica do mercado exige corretivos externos
para evitar que a iniquidade se petrifique e tenha efeitos
intergeracionais (educação)" (op. cit., p. 244). 1

A tradução imediata da questão Estado/mercado é a relação


setor público/setor privado na produção — e freqüentemente
provisão — dos serviços e benefícios sociais. Em resumo, traduz-
se na defesa da privatização da área social, uma vez que o
esgotamento nos anos 70 do modelo de industrialização com
base na substituição de importações, que evidencia a crise do
Estado desenvolvimentista — ou do Estado como solução, nas
palavras de Evans (1993) — desencadeia a crítica do Estado,
identificado agora como intrinsecamente ineficiente e ineficaz, em
particular na área social. Fenômeno esse agravado pelo fato de
que não só a recente redefinição do modelo de desenvolvimento
privilegia a oferta produtiva em detrimento das demandas sociais
como, e em decorrência, ocorre uma redução significativa da
oferta dos serviços públicos, vendo-se o Estado freqüentemente
restringido a medidas pontuais de assistência aos mais pobres,
não enfrentando, portanto, de forma sistemática a crescente
desintegração e fragmentação sociais geradas pelo próprio
avanço do mercado na nova ordem econômica, o que se dá com
particular ênfase nos países latino-americanos. Essa nova
realidade, portanto, demanda que a questão da relação
público/privado seja redefinida no sentido de se superarem os
termos antinômicos que, no geral, permeiam esse debate,
atribuindo inclusive maior precisão ao conteúdo do que hoje vem
sendo com freqüência postulado como a necessidade de busca

1 A respeito da questão do Estado, agora não mais referida especificamente à


realidade latino-americana, ver também Evans (1993, p. 107-156).

5
PLANEJAMENTO E de novas parcerias e novas formas de solidariedade social, e que
POLÍTICAS PÚBLICAS essencialmente diz respeito à relação Estado/sociedade.
Nº 12 - JUN/DEZ
DE 1995
Já em relação à discussão sobre centralização/descentralização
das políticas e programas sociais, talvez esta seja uma das
questões menos provocadora de debates acirrados. No geral existe
consenso em torno da relação positiva entre descentralização e
maior eficiência e eficácia das ações na área social, ocorrendo
dissenso apenas quanto à forma de sua implementação e ao que
ela implica em termos dos pactos federativos existentes. Não
obstante, como alerta Lobo (1994, p. 296-301)2 deve-se ter cuidado
para não se "mistificar o processo de descentralização e assumi-lo
como a solução mágica para males muito além da centralização.
Atenção aos fatores determinantes, tais como o custo do processo
e a garantia de cumprimentos de princípios básicos de eqüidade,
eficiência alocativa e political accountability não deve ser
descurada" (op. cit., p. 300).

Finalmente, quanto ao debate, ora tão em voga, sobre a


universalização ou focalização das políticas sociais, pautado pela
escassez — absoluta ou relativa — de recursos públicos para
fazer frente às funções progressivamente assumidas pelo Estado
na área social, perde conteúdo substantivo, desnudando sua
dimensão ideológica, uma vez que não é esta a questão central.
De fato, em uma sociedade marcada por tão profundas
desigualdades de toda ordem — a começar pela distribuição de
renda — e distribuída de forma tão heterogênea pelo território
nacional, enfrentar a questão da pobreza significa formular
programas e políticas sociais que contemplem a distinção entre
aqueles voltados para o alívio da pobreza e para a superação da
pobreza [República Federativa do Brasil (1995)].3

No primeiro caso — o de alívio da pobreza — "o que está em jogo


são políticas de caráter mais imediato, assistencialista, e, na sua

2 Sobre o processo de descentralização das políticas sociais da perspectiva da


relação entre os níveis de poder após a Constituição de 1988, ver Almeida (1995,
p. 88-108).
3 A autora deste artigo foi a relatora geral do referido documento, que foi
publicado na Revista Estudos Avançados, IEA/USP, vol.9, n. 24, São Paulo,
mai/ago 1995, p. 9-74.

6
grande maioria, focalizadas sobre os grupos mais vulneráveis. POLÍTICAS SOCIAIS
Em outras palavras, políticas que tendem a assumir a forma de E PROBREZA NO
BRASIL
programas emergenciais. Já no segundo caso — o da superação
da pobreza — trata-se de políticas, já num primeiro momento,
embora com horizonte a médio e longo prazos, balizadas pela
construção de um novo modelo de desenvolvimento sustentado,
que priorize o crescimento econômico com eqüidade social e no
qual as políticas econômicas asssumam também a dimensão de
políticas sociais" (op.cit., p. 19)]

Claro está que ao se deslocar o eixo da discussão, tal como


proposto, as ações públicas na área social passam a ter de
buscar a articulação entre aquelas de curto prazo, de caráter
mais imediatista, focalizadas naqueles grupos identificados como
os mais despossuídos, e aquelas de longo prazo, de caráter
permanente, universalizantes, voltadas para a eqüidade do
acesso dos cidadãos aos direitos sociais, independentemente do
nível de renda e da inserção no mercado de trabalho. Além disso,
impõe-se a identificação daqueles programas e daquelas políticas
sociais — no geral de médio e longo prazos em termos de retorno
de seus resultados — que promovam as condições para que
esses segmentos mais pobres superem sua situação de pobreza.

A título de exemplo e conforme citado no documento referido,


para um brasileiro que nasça em uma família chefiada por uma
mulher, negra, com baixo nível de escolaridade, com grande
número de crianças menores de dez anos, e que viva no
Nordeste, a probabilidade de ser pobre é de 95%; retirada a
variável "residência no Nordeste", esta probabilidade cai para
87%; mas somente a variável "maior nível de escolaridade "reduz
essa probabilidade para 86%. Isso significa que, da perspectiva
da superação da pobreza, a universalização do acesso e a
implementação de uma política educacional adequada e de
qualidade traduzem-se em fatores estratégicos, dado o peso que
o nível de escolaridade assume perante as demais variáveis.

Esse conjunto de reflexões tem origem, de um lado, na produção


altamente diversificada de estudos e análises sobre programas
sociais voltados para a população mais pobre, e, de outro, nos
impasses que programas atuais, como o Programa Comunidade
Solidária, por exemplo, vêm enfrentando, dada a dificuldade do

7
PLANEJAMENTO E atual governo para mudar o perfil tradicional de intervenção do
POLÍTICAS PÚBLICAS Estado na área social.
Nº 12 - JUN/DEZ
DE 1995
E como se verá a seguir, esse perfil tradicional de intervenção
estatal caracteriza-se pela descontinuidade dos programas e
políticas sociais de cunho compensatório das desigualdades
sociais, pela sua diversidade e superposição, pela instabilidade
de suas fontes de receita, mas sobretudo pelo fato de, no geral,
serem exatamente os menos pobres, dentre os pobres, aqueles
que, proporcionalmente, mais se apropriam dos serviços e
benefícios prestados, fazendo com que esse conjunto de ações
acabe por reproduzir, quando não por vezes aprofundar, as
desigualdades sociais.

Dessa perspectiva, é interessante resgatar a análise de Lobo


(1994, p. 297-298), em que a autora chama atenção para o fato
de que historicamente o que denomina de "lado atrasado do
Estado brasileiro" sempre se localizou na área social, enquanto a
busca constante da modernidade se localizou — e ainda se
localiza — no aparato do Estado voltado para a dotação de infra-
estrutura econômica e/ou para a intervenção em setores
estratégicos, não tendo sido, portanto, considerada prioridade a
modernização dos setores do Estado voltados para a área social.
Quanto a estes, foram deixados "entregues à voracidade
daqueles que sempre se aproveitaram dos espaços vazios e/ou
obsoletos, abrindo campo fértil ao clientelismo, à corrupção, à
alienação dos interesses coletivos, ou pelo menos dos excluídos
..." (op. cit., p. 298). Daí não dever causar estranheza a
negligência pelas políticas sociais, e portanto pelo combate à
pobreza, que se verifica nas numerosas tentativas de ajuste
macroeconômico até então encaminhadas pelo governo federal,
em que "políticas compensatórias tímidas ... não chegaram a se
conformar em adequada safety net que pudesse proteger, ou pelo
menos mitigar, os efeitos nocivos das intervenções econômicas
para exatamente os historicamente desprotegidos" (op. cit.). E
cita como ilustração o Fundo Social de Emergência (atualmente
Fundo de Estabilização Fiscal), concebido fundamentalmente
para atuar sobre problemas conjunturais de déficit público.

Em que pese, no entanto, o fato histórico de o Brasil nunca ter


experimentado uma estratégia claramente definida de combate à

8
pobreza, com espaços bem delimitados para programas dirigidos POLÍTICAS SOCIAIS
especialmente para a população pobre [NEPP/UNICAMP (1994)], é E PROBREZA NO
BRASIL
consenso que o país não gasta pouco — em termos absolutos —
na área social, mas gasta muito mal. Segundo cálculos aí
presentes, a participação do gasto social federal nesses
programas, no período 1982-1992, é em média de 9,6% da
despesa líquida do Tesouro, sendo que, para o período 1986-1989,
ela atinge 27%. E mais: agrupando-se o gasto federal com
programas de alimentação e nutrição, habitação e benefícios
assistenciais da previdência social, a despesa consolidada com
esse conjunto de ações manteve-se em aproximadamente 6,4% do
gasto social total entre 1982 e 1988, equivalendo a 1% do PIB.
Quando somados a esse volume de recursos os gastos estaduais e
municipais, calculados entre um terço e metade do gasto total com
programas focalizados na população pobre, estima-se que "o gasto
social público dos três níveis de governo com programas
focalizados variou, nos anos 80, entre 1,3% e 1,5% do PIB"( op. cit.,
p. 19). E se a esse montante de recursos forem associadas
estimativas do Banco Mundial segundo as quais parte significativa
do gasto nas áreas de saúde e educação (60% e 80%,
respectivamente) é apropriada pela população pobre com renda
familiar de até dois salários-mínimos, pode-se concluir que "o gasto
social dirigido à população de baixa renda pode ter representado,
na década de 80, em média, algo como 5,5% do PIB, sendo 2,6%
com saúde, 1,4% com educação e 1,5% com programas de
alimentação e nutrição, habitação e assistência social" (op. cit.,
p.20).

Mas, por outro lado, cálculos também do Banco Mundial para


meados dessa década estimam que, para o conjunto da área
social, somente 10% dos recursos empregados em programas
sociais no nível central atingiam seu público-alvo, demonstração
da ineficiência do setor. As análises realizadas por Lopes (1995),
com base nas informações da Pesquisa Nacional de Saúde e
Nutrição, do INAN/IBGE/IPEA, de 1989, dão conta exatamente desta
dimensão — quais os segmentos sociais que proporcionalmente
mais se apropriam desses benefícios e serviços, constituindo-se
assim no público-alvo preferencial desses programas, mesmo
quando não previamente definidos como tal.

9
PLANEJAMENTO E Analisando as informações sobre a cobertura de alguns
POLÍTICAS PÚBLICAS programas sociais — alimentação e nutrição materno-infantil;
Nº 12 - JUN/DEZ
DE 1995 acesso do grupo etário de sete a 14 anos à escola de primeiro
grau e à merenda escolar; e pensão e aposentadoria para idosos
de 60 e mais anos — o autor chega às seguintes conclusões:

 Os programas de atenção pré-natal apresentam uma cobertura


de 29,6% e os programas de suplementação alimentar, de 20,3%
das gestantes em situação de indigência das regiões Norte,
Nordeste e Centro-Oeste, sendo que para as regiões Sul e
Sudeste eles atingem 51,0% e 2,3%, respectivamente. O autor
chama atenção para o fato de que a acentuada proximidade dos
percentuais apresentados pelos dois programas entre as
gestantes mais pobres das regiões mais pobres do país sugere
forte associação entre ações de saúde e nutrição nessas áreas
pelo atrativo da alimentação.

 Os programas de distribuição gratuita de alimentos para


crianças de zero a sete anos atingem 12,7% dos indigentes,
20,3% dos pobres não indigentes, 20,1% dos pobres recentes
(famílias que se encontram abaixo da linha de pobreza, mas que
ainda mantêm necessidades básicas satisfeitas) e 14,3% dos
pobres estruturais.

 No caso do acesso à escola com merenda escolar para


crianças indigentes entre sete e 14 anos, enquanto as regiões Sul
e Sudeste apresentam uma cobertura de 75,8%, nas demais
regiões do país ela é de apenas 43,2%, sendo que neste caso a
cobertura das crianças não pobres é bastante próxima àquela das
crianças indigentes: 39,9%.

 Quanto aos programas de creche e escolas maternais voltados


para crianças de zero a seis anos, a cobertura entre as pobres é
de apenas 11,7%, e a das não-pobres é de 24,3%.

 O acesso de pessoas com mais de 60 anos a pensões e


aposentadorias do sistema público de seguridade social é de
65,1% e 70,2% nos níveis de indigência e pobreza,
respectivamente, embora com forte desigualdade regional na sua
distribuição, a favor das regiões Sul e Sudeste, em detrimento
das demais regiões e da população em nível de indigência que aí

10
reside — no caso do nível de indigência essa diferença é de 8,3 POLÍTICAS SOCIAIS
pontos percentuais, e no caso do nível de pobreza, de 3,7. E PROBREZA NO
BRASIL

Esses resultados apontam para algumas evidências: primeiro,


que os programas diferenciam-se entre si quanto ao grau de
focalização nos estratos e nas regiões mais pobres; segundo,
programas que pressupõem maior disponibilidade de
equipamentos tendem a ser mais seletivos, apresentando menor
cobertura às pessoas e regiões mais pobres. Terceiro, destacam
a importância de políticas setoriais articuladas entre si, uma vez
que, por exemplo, mais de um terço das crianças pobres que
tiveram acesso a alimentos gratuitos receberam também algum
tipo de atendimento de saúde, aumentando assim a eficiência e
eficácia desses programas.

Mas essas análises sobretudo reafirmam, como ressalta Lopes


(1995), que o acesso a esses programas é, na maioria das vezes,
proporcionalmente menor para os mais pobres dentre os pobres
do que para os não-pobres. Isso vem ao encontro, uma vez mais,
de estimativas do Banco Mundial (realizadas com base em
estimativas de renda e de perfis de benefícios combinadas com
dados de surveys de domicílios), segundo as quais no Brasil os
mais pobres — quase um quinto da população — recebem
apenas 7% do total de benefícios, enquanto os de maior renda —
4% da população — apropriam-se de aproximadamente 18%
daquele total.

Deve-se ressaltar, a propósito, que estudos e balanços dessa


natureza no geral trabalham com estimativas, uma vez que
buscar analisar de modo consistente, mesmo ex-post, esse
conjunto de programas e políticas acaba por esbarrar no
obstáculo intransponível da ausência de registro de informações,
que quando existente é realizado de forma tão assistemática,
heterogênea e precária que impossibilita qualquer
compatibilidade na consolidação dos dados. E um dos principais
fatores que contribui para essa dificuldade é exatamente a
ausência de sistemas e mecanismos de acompanhamento,
monitoramento e avaliação, na quase totalidade desses

11
PLANEJAMENTO E programas de caráter emergencial, focalizados nos segmentos
POLÍTICAS PÚBLICAS sociais mais pobres e voltados para o alívio da pobreza.4
Nº 12 - JUN/DEZ
DE 1995
Mas vale tomar como exemplo paradigmático do padrão histórico
de atuação do Estado no combate à pobreza os programas de
alimentação e nutrição, uma vez que, dentre os programas
sociais voltados para os segmentos mais pobres da população,
são eles que, no geral, mais ganham destaque.

Em que pesem seus antecedentes históricos, um conjunto de


programas tem início na década de 70, sofrendo posteriormente
drástica redução, sendo vários deles mesmo extintos no início
dos anos 90. Datam de 1972 a criação do Instituto Nacional de
Alimentação e Nutrição (INAN) e a instituição do I Programa
Nacional de Alimentação e Nutrição (PRONAN), sendo que o II
PRONAN vigorou de 1976 a 1984.

Tomemos o período mais recente. O II PRONAN congregava os


seguintes programas de distribuição de alimentos: o Programa
Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), destinado a escolares
do ensino de 1o grau e pré-escolares, com o objetivo de distribuir
merenda escolar, vinculado portanto à Fundação de Assistência
ao Estudante (FAE), do Ministério da Educação; o Programa de
Nutrição em Saúde (PNS), voltado para gestantes, nutrizes e
crianças de seis a 60 meses de famílias com renda mensal de até
dois salários-mínimos, com o objetivo de distribuir alimentos in
natura, vinculado ao INAN, do Ministério da Saúde; o Programa de
Complementação Alimentar (PCA), voltado para gestantes,
nutrizes e crianças de seis a 36 meses, com o objetivo de
distribuir alimentos associado a ações de saúde, vinculado à

4 Mesmo programas de porte apoiados pelo Banco Mundial, como o Programa


de Desenvolvimento de Áreas Integradas do Nordeste — o POLONORDESTE — e o
Programa de Apoio ao Pequeno Produtor Rural — PAPP, seu sucessor, carecem
de avaliações mais acuradas. Albuquerque, ao analisar o precário desempenho
dos programas sociais, afirma que: “Não existe análise abrangente e atualizada do
impacto econômico-social dos projetos de desenvolvimento rural do Nordeste”,
constituindo um fato que, “... a despeito do meritório esforço representado pelo
POLONORDESTE, pelo PAPP e seus desdobramentos, a pobreza rural daquela
região, que se reduziria de 13,2 milhões (88% da população) em 1970 para 11
milhões (66% da população) em 1980, ... elevou-se para 12,6 milhões (69% da
população) em 1990. E não há, infelizmente, como aferir o quanto pior teria sido
essa involução na ausência daqueles programas” [Albuquerque (1994, p. 119)].

12
Legião Brasileira de Assistência, do Ministério da Previdência e POLÍTICAS SOCIAIS
Assistência Social. Em 1981, ao fundir-se com o Programa de E PROBREZA NO
BRASIL
Promoção Nutricional, o PCA dá origem ao Programa de Apoio
Nutricional (PAN), voltado para a mesma população-alvo, tão
somente acrescentando aos alimentos formulados alimentos in
natura; e o Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT),
voltado para os trabalhadores de baixa renda do mercado formal
de trabalho, com o objetivo de fornecer tíquetes-refeição,
vinculado à Secretaria de Promoção Social, do Ministério do
Trabalho.

Em 1986 é criado o Programa Nacional do Leite para Crianças


Carentes (PNLCC), conhecido como programa do tíquete do leite,
voltado para crianças de até sete anos de idade de famílias com
renda mensal de até dois salários-mínimos, tendo como objetivo
a distribuição de um litro de leite por família, que recebia tíquetes
com os quais comprava o produto no comércio varejista, e era
vinculado, entre outras secretarias, à Secretaria Especial de Ação
Comunitária, que por sua vez era vinculada diretamente à
Presidência da República. Esse programa foi extinto em 1991.
Para além dos vários problemas que esse programa apresentou,
entre eles a transformação do tíquete em moeda corrente, a
pressão do comerciante que vinculava a troca do tíquete por leite
à compra de outros produtos, entre outros, ele competia com as
mesmas clientelas do PNS/PSA e do PCA/PAN, sobrepondo-se
inclusive ao PNAE. Apesar disso tudo, apresentou um ritmo
acelerado de crescimento, absorvendo grande quantidade de
recursos.5

Embora esse conjunto de programas arrolados esteja longe de


esgotar as iniciativas federais das últimas décadas nessa área,6
ele compõe um perfil bem delineado da política nacional de
nutrição, ao mesmo tempo em que representa o padrão brasileiro
de atuação estatal na área social voltada para a população mais
carente — multiplicidade de programas pulverizados por distintas

5 No ano de 1993, são delineados dois outros programas na área de nutrição: o


Programa Assistencial do Leite, voltado para a atenção ao desnutrido e à unidade
familiar "vulnerada", e o Leite é Saúde, ambos desenvolvidos pelo Ministério da
Saúde.
6 Consultar a respeito NEPP/UNICAMP (1994).

13
PLANEJAMENTO E instituições; fusões de programas dando origem a um
POLÍTICAS PÚBLICAS emaranhado de siglas que se sucedem no tempo; superposição
Nº 12 - JUN/DEZ
DE 1995 de clientelas; expansão da cobertura, em geral às custas da
quantidade e qualidade dos alimentos distribuídos; centralização
no nível federal da compra de alimentos; e, finalmente, no caso
da distribuição dos produtos formulados, total inadequação aos
hábitos alimentares da população, significando que ao aumento
do custo do programa associam-se elevado índice de evasão da
clientela atendida e dificuldades de captação de novos
beneficiários.

No caso do PAT, criado em 1972, financiado com recursos do


trabalhador, da empresa e do governo, apesar do seu acelerado
ritmo de crescimento, até 1992 — portanto após 16 anos de
vigência —, havia atingido somente 34% dos trabalhadores do
mercado formal de trabalho, e não mais do que 44,0% entre eles
que percebiam até cinco salários-mínimos. Quanto à distribuição,
por faixa salarial, dos trabalhadores beneficiados pelo programa,
dados relativos ao ano de 1990 mostram que 55,6% entre eles
correspondiam à faixa entre dois e quatro salários-mínimos,
expressivos 25,3% à faixa de seis a mais salários-mínimos, e
18,1% à faixa de quatro a seis salários-mínimos [IPEA/Secretaria
de Segurança e Saúde no Trabalho (1993)].

A contraposição entre programas voltados para a população pobre


e um programa voltado para o trabalhador do mercado formal de
trabalho evidencia que, se em ambos os casos a focalização não
ocorre sobre os grupos de mais baixa renda (ou salário), são os
programas focalizados na população carente que apresentam
maior distorção entre os objetivos iniciais e os resultados de sua
implementação, que mais apresentam justaposições de toda
ordem, descontinuidades, falta de controle público e
governamental, e que mais são passíveis de uso clientelistico e
eleitoreiro. Nesses exemplos, impressiona ainda como a vida e
sobrevida dos programas são datadas pelos períodos dos
mandatos — no primeiro caso, os programas são extintos; e, no
segundo, sofrem reformulações, na maior parte das vezes mais de
forma e sigla ao que de conteúdo e concepção.

Dessa forma, embora os programas de combate à pobreza


obedeçam a uma mesma estratégia básica de ação no setor, eles

14
obedecem sobretudo aos mandatos governamentais, sendo POLÍTICAS SOCIAIS
portanto identificados com a gestão — ou o gestor — que os E PROBREZA NO
BRASIL
implantou, cada vez envolvendo distintos ministérios ou
secretarias no interior dos ministérios.

Mas se esse é o legado dos anos 80, a década de 90 assiste à


dimensão da pobreza em nossa sociedade, da sua
heterogeneidade e complexidade, e da formulação de estratégias
de iniciativa governamental e provenientes da própria sociedade
para combatê-la assumirem um lugar de destaque no debate
público. Associa-se a isso outro legado da década anterior —
distintas experiências de descentralização das políticas sociais
federais, com distintos graus de êxito e ritmos setoriais.

Dessa forma, embora atualmente continue prevalecendo a


restrição de recursos para a área social, assiste-se a uma
multiplicidade de experiências na resolução dos históricos
impasses que marcam a atuação nessa área. E talvez uma das
principais evidências que essas experiências registram resida no
fato de ressaltar que a especificidade de cada política setorial de
corte social — quanto à complexidade, custo, ritmo, dificuldade
de se adaptar às reais necessidades e demandas dos distintos
setores da sociedade — longe de impedir, exige uma articulação
entre elas. Nesse sentido, talvez o passo mais difícil a ser dado
seja exatamente o de articular políticas econômicas e políticas
sociais.

Não obstante ainda estar longe, pelo que as evidências estão a


indicar, essa articulação entre desenvolvimento econômico e
desenvolvimento social — ainda em larga medida pensada em
termos dicotômicos —, há sinais de progressiva superação de
várias outras dicotomias que vêm permeando o debate (e o
embate) em torno das políticas sociais, tais como público versus
privado, Estado versus mercado, centralização versus
descentralização, universalização versus focalização, Estado
versus sociedade.

De fato, a diversidade dos rumos que vêm tomando as distintas


políticas sociais neste período mais recente sinaliza que, em um
país com tamanho grau de desigualdade social, não se coloca a
questão Estado versus mercado, uma vez que aquele assume

15
PLANEJAMENTO E papel central na garantia de acesso a serviços e benefícios
POLÍTICAS PÚBLICAS sociais básicos, fator fundamental para a superação da pobreza,
Nº 12 - JUN/DEZ
DE 1995 como já assinalado; que público não se restringe ao estatal, mas
que se trata do controle público e da obediência à res publica na
prestação daqueles serviços e benefícios; em conseqüência, que
não se trata de substituir progressivamente o Estado pela
sociedade, mas, ao contrário, tornar o Estado mais permeável à
sociedade; que a focalização dos programas sociais não exclui,
ao contrário, deve partir da concepção universalista dos direitos
sociais como direitos de cidadania; e, finalmente, que a
descentralização das políticas sociais favorece, mas não garante
de modo automático, a democratização, a maior eficiência e a
maior eficácia dessas políticas, tal como estão a demonstrar
experiências recentes de descentralização na área de saúde, por
exemplo, setor que mais vem avançando nesse processo.7

Por fim, dois programas recentes apontam para novas formas de


articulação entre Estado e sociedade: o Programa de Combate à
Fome, à Miséria e pela Vida, com origem na sociedade civil, mas
absorvido pelo governo federal em 1993, e que associou ações
governamentais e iniciativas de organização social — os comitês
locais; e o recentemente instituído Programa Comunidade
Solidária, que vem enfrentando sérios problemas na sua
efetivação, derivados não só das restrições orçamentárias e da
falta de agilidade dos aparatos institucionais governamentais,
mas sobretudo da falta de definição clara e precisa do papel que
cabe ao nível central e do lugar que o próprio programa ocupa no
conjunto das políticas sociais do atual governo.

Em síntese, retomando as observações anteriores, esses dois


programas expressam, independentemente da análise do impacto
do primeiro e de projeções de possíveis impactos do segundo no
enfrentamento da pobreza, dois movimentos em sentido oposto: o
Programa de Combate à Fome,8 partindo da sociedade para o
Estado, e o Programa Comunidade Solidária percorrendo o
caminho inverso. Ambos, no entanto, sofrendo do mal crônico das

7 Ver Almeida (1995);Cohn (1994, 1995a, 1995b, 1995c, 1995d), que tratam do
processo de descentralização em quatro municípios paulistas.
8 O CEDEC está concluindo uma pesquisa sobre este programa, analisando
cinco experiências em regiões metropolitanas.

16
políticas e programas sociais no Brasil: insuficiência e POLÍTICAS SOCIAIS
instabilidade de recursos disponíveis, uma vez que continuam a E PROBREZA NO
BRASIL
prevalecer os ditames econômicos sobre os sociais. Enquanto for
assim, os programas e as políticas de combate à pobreza, por
mais que pensadas como políticas compensatórias das
desigualdades geradas pelo mercado, estarão condenados a uma
reduzida efetividade, quando não à reprodução da desigualdade
que se propõem combater.

Talvez não seja, portanto, fruto do acaso a freqüência com que a


expressão resgate da dívida social continua presente nos textos
atuais, quando a questão central que se apresenta hoje é alçar à
condição de cidadãos — o que não se restringe ao acesso a
serviços e benefícios sociais básicos — o enorme contingente de
pobres de nossa sociedade. Mas isso implica deslocar o enfoque
das políticas sociais do eixo da necessidade para o da cidadania.

17
PLANEJAMENTO E Bibliografia
POLÍTICAS PÚBLICAS
Nº 12 - JUN/DEZ
DE 1995
ALBUQUERQUE, R. C. Da condição de pobre à de não-pobre:
modelos de ação pública ante pobreza no Brasil. In:
VELLOSO, J. P. R. e ALBUQUERQUE, R. C. (orgs.)
Modernidade e pobreza.1994. p. 113-162.

ALMEIDA, M. H. T. de. Federalismo e políticas sociais. Revista


Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo: ANPOCS, ano 10, n.
28, p. 88-108, jun. 1995.

CEPAL. Transformación productiva con equidad. — Santiago,


Chile: 1990. 115 p. mimeo

COHN, A. Descentralização, saúde e cidadania. Lua Nova, São


Paulo: CEDEC, n. 32, p. 5-16, 1994.

________ (coord.) Descentralização, saúde e democracia. O


caso do município de Itu (1989-1992). 1995a. 71 p.
(Cadernos CEDEC, n. 38)

________. Descentralização, saúde e democracia. O caso do


município de Botucatu (1989-1992). 1995b. 75 p. (Cadernos
CEDEC, n. 41)

________. Descentralização, saúde e democracia. O caso da


cidade de Santo André (1989-1992). 1995c. 71 p. (Cadernos
CEDEC, n. 42)

________. Descentralização, saúde e democracia. O caso do


município de São Paulo (1989-1992). 1995d. 104 p.
(Cadernos CEDEC, n. 44)

EVANS, P. O Estado como problema e como solução. Lua Nova,


São Paulo: CEDEC, n. 28/29, p. 107-156, 1993.

IPEA e SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO


TRABALHO. Revisão e ampliação do Programa de
Alimentação do Trabalhador — PAT. — Brasília: mar. 1993.
17 p. mimeo

18
LECHNER, N. Estado, mercado e desenvolvimento na América POLÍTICAS SOCIAIS
Latina. Lua Nova, São Paulo: CEDEC, n. 28/29, p. 237-248, E PROBREZA NO
BRASIL
1993.

LOBO, T. Exclusão social e transição para a modernidade. In:


VELLOSO, J.P.R. e ALBUQUERQUE, R.C. (orgs.)
Modernidade e pobreza. — São Paulo: Livraria Nobel SA,
1994. p. 296-301.

LOPES, J. R. B. Política social: subsídios estatísticos sobre a


pobreza e acesso a programas sociais no Brasil. Revista
Estudos Avançados, São Paulo: IEA/USP, v. 9, n. 24, p. 141-
156, mai./ago. 1995.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Programa Assistencial do


Leite. — Brasília: 1993. 13 p. mimeo

________. Leite é saúde. — Brasília: 1993. 10 p. mimeo

NEPP/UNICAMP. Estratégias para combater a pobreza no Brasil:


programas, instituições e recursos. Relatório final. —
Campinas: mai. 1994. 92 p. mimeo

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. Relatório Nacional


Brasileiro — Cúpula Mundial para o Desenvolvimento Social,
fev. 1995. Estudos Avançados, São Paulo: IEA/USP, v. 9, n.
24, p. 9-74, mai./ago. 1995.

________.________. — Brasília: Ministério das Relações


Exteriores, dez. 1995.

VELLOSO, J. P. R. e ALBUQUERQUE, R. C. (orgs.) Modernidade


e pobreza. — São Paulo: Nobel, 1994.

________. Governabilidade & reformas. — Rio de Janeiro: José


Olympio, 1995.

WORLD BANK. Brazil: public spending on social programs: is-


sues and options. —Washington, v. 1, May 27, p. 11-25,
1988.

19