Vous êtes sur la page 1sur 10

Centro de Ensino Sesi Taguatinga

Reflexão das ondas


Refração das ondas
Interferência de
ondas

18 de Novembro de 2010

Alunas:
Mayana Cardoso
Stephane Cristina
Thamir Maciel
Professor: Felipe
Turma/Série: 2º ano “A”

1
Índice

1 – Introdução ................................................................................... 4
2 - Reflexão das ondas …....................................................................5
3 - Refração das ondas ..................................................................... 8
4 - Interferência de ondas ................................................................. 9
5 – Conclusão .................................................................................. 10
6 - Bibliografia ................................................................................ 11

2
Introdução
Diariamente estamos em contato com ondas mesmo que ainda
sim não a percebamos. Elas são um meio importante na
comunicação assim como as ondas sonoras e também
relativamente essências para a sobrevivência na terra assim como
as ondas de luz. Deste modo, podemos vê-las e ouvi-las. Mesmo
que não possamos, elas não deixam, por isso, de existir e reagir
na natureza.
Apesar de serem vários tipos de ondas todas elas tem algo em
comum, todas são energias que se propagam por um meio que
não é transportado nessa propagação. O estudo das mesmas
funciona como enorme base para criações tecnológicas como na
comunicação, por exemplo. Ou até mesmo para o conhecimento
do mundo ao nosso redor.
Por isso é de suma importância que conheçamos os conceitos
sobre a mecânica ondulatória. Com o aparecimento da mecânica
quântica, descobriu-se os átomos e suas vibrações, e que tudo na
natureza vibra. Isso deu uma enorme importância aos estudos
oscilatório como grande importância ao entendimento do
Universo.

3
Reflexão das ondas

Quando se emite um som nas proximidades de um


obstáculo como, por exemplo, uma caverna, as ondas
sonoras sofrem reflexão nas paredes da caverna e voltam
na direção oposta e, quando elas chegam ao nosso
ouvido, nós ouvimos o eco. Portanto a existência do eco se
deve unicamente à propriedade de reflexão das ondas
sonoras. Da mesma forma, as cores dos objetos são
devida à reflexões de alguns comprimentos de ondas pela
luz incidente sobre eles. Assim, quando olhamos para um
objeto opaco, vemos somente a parcela não absorvida da
luz que chegou até ele.

Um mesmo objeto pode adquirir tons diferentes de acordo com


o tipo de luz que chega até ele. Por exemplo, uma flor vermelha na
luz branca , pode tornar-se negra se retirarmos a luz branca e
incidirmos sobre ela apenas luz monocromática verde. Isto acontece
porque somente os comprimentos de ondas correspondentes aos
tons avermelhados é que são efetivamente refletidos pela flor, sendo
os outros absorvidos. Como o verde pertence à faixa do espectro que
é absorvida, a flor não refletirá luz nenhuma, tornando-se negra. Já as
folhas continuam verdes, pois toda a luz que chega até elas acaba
sendo refletida

Podemos presumir que um objeto é branco quando


reflete todas as cores. Da mesma forma, um objeto é

4
negro quando absorve todas as cores. E por fim, um
objeto pode tornar-se negro se a luz que incide nele não
possuir a faixa de comprimentos por ele refletida. A luz ou
qualquer outra onda, ao incidir numa superfície polida,
seguem uma regra simples, conhecida como lei de
reflexão, a qual nos diz que o ângulo no qual o raio de luz
atinge a superfície é o mesmo que será refletido, ou seja,
o ângulo de incidência "I" é igual ao de reflexão "R".

Ondas
É o fenômeno que ocorre quando uma onda incide sobre um
obstáculo e retorna ao meio de propagação, mantendo as
características da onda incidente. Independente do tipo de onda, o
módulo da sua velocidade permanece inalterado após a reflexão, já
que ela continua propagando-se no mesmo meio.
Reflexão em ondas unidimensionais
Esta análise deve ser dividida oscilações com extremidade
fixa e com extremidade livre:
Com extremidade fixa:
Quando um pulso é gerado, faz cada ponto da corda subir e
depois voltar a posição original, no entanto, ao atingir uma
extremidade fixa, como uma parede, a força aplicada nela, pelo
princípio da ação e reação, reage sobre a corda, causando um
movimento na direção da aplicação do pulso, com um sentido
inverso, gerando um pulso refletido. Assim como mostra a figura
abaixo:

5
Para este caso costuma-se dizer que há inversão de fase já que
o pulso refletido executa o movimento contrário ao do pulso
incidente.
Com extremidade livre:
Considerando uma corda presa por um anel a uma haste
idealizada, portanto sem atrito.
Ao atingir o anel, o movimento é continuado, embora não haja
deslocamento no sentido do pulso, apenas no sentido perpendicular a
este. Então o pulso é refletido em direção da aplicação, mas com
sentido inverso. Como mostra a figura:

6
Refração das ondas
A refração será sempre a mudança de velocidade na
passagem de um meio para o outro, podendo haver ou não um
desvio, pode ser também refração inúmeros efeitos interessantes,
como o arco-íris, a cor do céu no pôr-do-Sol, o uso de lentes nos
óculos e instrumentos astronômicos, etc. Qualquer que seja o tipo de
onda envolvida na refração, sua freqüência não se altera.
Independente de cada onda, sua frequência não é alterada na
refração, no entanto, a velocidade e o comprimento de onda podem
se modificar.
A lei básica que regulamenta a refração é a chamada "LEI DE
SNELL-DECARTES", onde relaciona os ângulos de incidência "i" e
penetração "r" com os índices de refração relativo entre os meios em
questão (por índice de refração relativo, podemos entender como a
divisão entre as velocidades dos dois meios).

A onda refratada sempre está em concordância de fase com


relação à onda incidente. Já com relação à onda refletida, podemos
afirmar que se o meio no qual ela penetrou for mais denso do que o
meio do qual ela veio, as ondas refletida e refratada estão em
oposição de fase.
Como exemplos da refração, podem ser usadas ondas
propagando-se na superfície de um líquido e passando por duas
regiões distintas.

7
Interferência de ondas
A interferência de ondas ocorre com o cruzamento entre dois pulsos em
sentido oposto em determinado momento. Assim, poderá ocorrer uma
interferência construtiva ou desconstrutiva De acordo com a forma inicial
dos pulsos. Se os pulsos encontram-se ao mesmo lado na corda forma-se
uma interferência construtiva e a amplitude dos pulsos será somada. Caso
eles estejam em lado contrário um ao outro ocorre uma interferência
desconstrutiva e a amplitude dos pulsos será subtraída. Os dois pulsos
idênticos cancelam entre si.

"Estas interferências se resultam de acordo com o princípio da


superposição de ondas, que infere que a forma da função de onda
resultante é igual à soma algébrica das funções de ondas individuais.

Ou seja, O princípio de superposição de onda nada mais é do que a


soma das mesmas, caso uma delas seja negativa, elas subtraem-se.

Este fenômeno responsabiliza-se pelo tráfego de informações, Certos


tipos de modulação possuem a propriedade muito importante de minimizar
o ruído, como a interferência de um sistema de comunicação. Entretanto
esta supressão é conseguida à custa de uma banda de transmissão com um
range de freqüências consideravelmente maiores do que a banda do sinal
original ("redução de ruído em banda larga"). Esta banda representa a
largura do espectro do sinal, sendo que uma transmissão de grandes
quantidades de informação em diminutos intervalos de tempo, necessitam
de sistemas emissores de sinais de banda larga para acomodar os sinais (A
largura de faixa representa uma limitação em sistemas de comunicação. Se
a banda for insuficiente, é preciso diminuir a velocidade de sinalização e
conseqüentemente aumentar o tempo de transmissão). Um esquema
eficiente conta com uma minimização do tempo de transmissão, e o envio
de uma quantidade máxima de informação num menor tempo possível.

Essas interferências podem ser vistas quando em algum liquido como


óleo ou bolha de sabão, observa-se os feixes de luz se cruzando. As
interferências podem ser unidimensionais, bidimensionais ou
tridimensionais.
As interferências bidimensionais são os encontros entre dois diapasões
ou duas outras fontes de ondas puntiformes, emitindo ondas com
freqüências "f1" e "f2" simultaneamente. Quando ocorre o encontro entre
duas cristas de ondas, temos a interferência construtiva; já se o cruzamento
ocorrer entre uma crista e uma depressão temos a interferência destrutiva.

8
Conclusão

A reflexão de uma onda


ocorre após incidir num meio de características diferentes e retornar
a se propagar no meio inicial, porém o módulo de sua velocidade não se altera.
Isto decorre do fato de que a onda continua a se propagar no mesmo meio. Como
vimos a refração será sempre a mudança de velocidade na
passagem de um meio para o outro e dependendo de cada onda a
sua freqüência não altera em nada na refração, mais o comprimento
de onde pode se modificar. A Interferência de ondas é o encontro
entre duas ondas num mesmo ponto. Podem ser Construtivas,
quando além de se encontrarem no mesmo ponto, estão do mesmo
lado e somam-se umas as outras. Ou descontrutivas, quando
encontram em lados opostos e subtraem-se umas as outras, Suas
Interferências podem ser unidimensionais ou bidimensionais,
dependendo da quantidade da fonte de ondas.

9
Bibliografia
http://guitaredis.blogspot.com/2007/11/o-que-reflexo-
refrao-e-difrao-de-uma.html
http://www.algosobre.com.br/fisica/ondas.html
http://www.cdcc.usp.br/ondulatoria/refrac.html

10