Vous êtes sur la page 1sur 3

Entendendo e vencendo a WEP - Windows

Thinker
19 de julho de 2006

A criptografia mais usada no Wireless/Wi-Fi é a WEP, neste tutorial busco elucidar seu funcionamento, suas falhas, como fazer proveito delas no
ambiente Windows e possíveis soluções.
Primeiramente você irá precisar de uma placa em modo monitor, para tal leia o tutorial “Modo monitor no Windows p/ Aircrack”. Existe no fórum um tópico
que traz uma lista de placas que suportam tal modo no windows.

Parte I: A WEP

A Wired Equivalent Privay é parte integrante do protocolo IEEE 802.11 (Wireless/Wi-Fi), como esse tipo de protocolo faz broadcast usando ondas de radio
ele é suscetível ao eavesdropping (leia tutorial “Fenômeno Eavesdropping”), o WEP foi pensado para fornecer segurança similar ao de redes cabeadas,
protegendo a rede e não os usuários dela uns dos outros. Vários criptoanalistas encontraram problemas no WEP, o que tornava os dados transmitidos
veneráveis a incursões externas. Em 2003 o WEP foi sobrepujado pelo WPA (Wi-Fi Protected Access) e pelo novo protocolo IEEE 802.11i (chamado de
WPA2), fora suas falhas o WEP fornece uma segurança intermediaria aos dados transmitidos.

Parte II: A estrutura do WEP.

O WEP utiliza uma cifra de fluxo RC4 para criptografar e o CRC-32 para verificar a integridade dos pacotes.
O WEP 64-bit usa uma chave de 40-bits, a qual é acrescentada 24-bits de vetor inicial (sigla IV em inglês, initialization vector) para formar a chave RC4 de
64-bits, o WEP 128-bits usa uma chave de 104-bits, formada por caracteres de base hexadecimal (0-9 e A-F), sendo a chave composta por 26 caracteres,
adiciona-se os 24-bits de IV, e forma-se a chave 128-bits, a mesma lógica é aplicada ao WEP 256-bits, na qual são 232-bits para 58 caracteres
hexadecimais e 24-bits para o IV.
Veja este diagrama explicativo:

Parte III: Falhas do WEP.

Devido a cifra RC4 a mesma chave de trafego (aquela efetiva no instante da rede) nunca deve ser usada duas vezes, o propósito do IV é prevenir
qualquer repetição da chave de trafego, porem o IV é transmitido como plain-text, ou seja, como texto “limpo” normal, essa forma de transmissão do IV
abre uma brecha para ataques do tipo chave-relacionada (“Ataque related-key”). Os 24-bits do IV não são suficientes para evitar a repetição em uma rede
com trafego elevado, o que abre possibilidades de colisão de pacotes e pacotes alterados, tornando possíveis ataques do tipo fluxo-cifra (“Ataque stream-
cipher”).
Em agosto de 2001, Scott Fluhrer, Itzik Mantin, e Adi Shamir publicaram uma analise para quebra criptográfica do WEP que explora a forma como o RC4
e os IV são usados no WEP, o resultado foi o ataque passivo que usaremos na parte IV desse tutorial, o ataque consiste em capturar pacotes usando o
modo RFMON (modo monitor) e aproveitar-se das falhas dos IVs.
Disponibilizarei para download um material pdf com maiores explicações sobre o WEP e suas falhas, a intenção nestas três primeiras partes era oferecer
uma visão geral do método criptográfico, porque e como ele é quebrado.

Parte IV: Mãos na massa, quebrando a WEP no Windows.

Bom, após ter instalado o driver para modo monitor (RFMON), caso não o tenha feito leia o tutorial “Modo monitor no Windows p/ aircrack” você precisará
fazer download do pacote Aircrack & Airodump, disponível na seção downloads.
Agora abra o Airodump, ele primeiro lhe perguntará qual placa deverá usar, indique o numero correspondente que aparece na frente do nome da placa,
após isso lhe perguntara o tipo de chipset, no meu caso um Hermes I (Compaq WL110) que corresponde a letra “o”, após isso perguntará o canal, caso
queira quebrar a criptografia de um provedor em especifico coloque o canal dele aqui, caso não digite 0 (zero), agora o nome do arquivo que será gravado
com os pacotes, no ex: projeto, em seguida se você deseja que ele grave apenas os IVs, como queremos apenas obter a chave criptográfica vamos
marcar “y”.

1
Agora o Airodump deverá estar captando os pacotes, repare em três coisas interessantes que o Airodump nos fornece, o BSSID (endereço MAC do
provedor) o ESSID (nome da rede para conexão) e o # Data, que representa o numero de pacotes pegos, no nosso caso o numero de IVs. O numero
necessário varia de 300mil até 1,5milhão, dependendo de quantos bits tem a chave, como o aircrack pode usar vários arquivos ao mesmo tempo,
aconselho você tentar primeiro com 300mil, depois com 700mil e por ultimo com 1,5milhão. Para parar de capturar aperte “Ctrl + C”.

Após isso você precisará usar o aircrack, para tal abra o cmd (digite cmd.exe no executar), entre na pasta em que o aircrack se encontra, use o comando
“cd..” para voltar uma pasta e cd para entrar numa pasta. Após estar na pasta digite:
aircrack-ng –n64/128/256 NomeDoArquivo.ivs NomeDoArquivo2.ivs

Onde NomeDoArquivo é o nome do arquivo escolhido no Airodump, na opção “–n” você deve especificar quantos bits a criptografia tem, teste primeiro “-
n64” se não obtiver sucesso “-n128” e se não conseguir mais uma vez “-n256”.
É importante lembrar que o Aircrack pode ser usado simultaneamente com o Airodump, ou seja.. você pode ainda estar capturando pacotes e usar o
Aircrack da mesma forma.

2
O programa começará a rodar, espere algum tempo (cerca de 3 minutos) se o programa não encontrar a chave, tente mudar o valor do “-n” ou pegar mais
pacotes IVs. O resultado final deve ser uma tela como essa:

A chave será apresentada de duas formas, Hexadecimal (0-9 A-F) e ASCII.

Parte V: Possiveis soluções.

Uma possível solução para dificultar a quebra da criptografia de redes seria o uso de chaves dinâmicas e o tunelamento via VPN. É isso ae! Keep
Chalking.