Vous êtes sur la page 1sur 132

Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL

ESTADO-MAIOR GENERAL

PDC 0-02-00

SINAIS CONVENCIONAIS MILITARES

PARA AS FORÇAS ARMADAS DE DEFESA DE MOÇAMBIQUE

(SCMFADM)

MAPUTO 2016
1
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL

ESTADO-MAIOR GENERAL

PDC 0-02-00

SINAIS CONVENCIONAIS MILITARES

PARA AS FORÇAS ARMADAS DE DEFESA DE MOÇAMBIQUE

(SCMFADM)

MAPUTO 2016

2
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO

3
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

DESPACHO

No uso das atribuições que me são conferidas pela alínea h), do n.º 3 do artigo 8o da Estrutura
Orgânica das Forças Armadas, aprovada pelo Decreto n.º 41/2011, de 2 de Setembro:

1. Aprovo para utilização nas Forças Armadas de Defesa de Moçambique, a PDC 0-02-00
SINAIS CONVENCIONAIS MILITARES.

2. A PDC 0-02-00 SINAIS CONVENCIONAIS MILITARES é uma publicação


classificada.

3. Podem ser feitos extractos desta publicação com autorização da entidade promulgadora.

4. A PDC 0-02-00 SINAIS CONVENCIONAIS MILITARES entra em vigor na data da sua


publicação.

Maputo, de Fevereiro de 2016

O CHEFE DO ESTADO MAIOR GENERAL DAS FADM

GRAÇA TOMÁS CHONGO

(GENERAL DE EXÉRCITO)

4
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO

5
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

REGISTO DE MODIFICAÇÕES

IDENTIFICAÇÃO DA PÁGINAS RÚBRICA DO


N/O ENTRA EM VIGOR
ALTERAÇÃO AFECTADAS
RESPONSÁVEL

6
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO

7
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

ÍNDICE

PREÂMBULO................................................................................................................. 9

CAPÍTULO I - GENERALIDADES ........................................................................... 10

1. Finalidade .................................................................................................................. 10

2. Referências bibliográficas ........................................................................................ 10

CAPÍTULO II - INTRODUÇÃO ................................................................................ 11

1. Aplicação .................................................................................................................... 11

2. Apresentação ............................................................................................................. 11

3. Actualização............................................................................................................... 11

CAPÍTULO III - SINAIS CONVENCIONAIS MILITARES .................................. 12

1. Generalidades ............................................................................................................ 12

a. Conceitos .................................................................................................................... 12

b. Dimensões e cores............................................................................................................................... 12
c. Regras para representação dos sinais convencionais no mapa de trabalho ........ 13

d. Representação das Nossas Forças ........................................................................... 14

e. Regime de trabalho (dentro do sinal ou em baixo indica – se o tipo de meio).... 59

17. SINAIS DE IDENTIFICAÇÃO DOS MEIOS DE COMBATE ......................... 65

8
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

PREÂMBULO

O embasamento doutrinário das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM) é


constituído pelos seguintes elementos: as tradições militares dos reinos e Estados pré-coloniais,
as experiências das lutas de resistência dos nossos antepassados contra a dominação colonial, a
epopeia da Luta Armada de Libertação Nacional, as experiências acumuladas na defesa da
Independência e da soberania nacionais e as experiências doutrinárias das Forças Armadas de
outros países.

As diferentes fases da nossa história permitiram a aquisição, acumulação e consolidação do


património cultural militar que constitui a Doutrina das Forças Armadas de Defesa de
Moçambique.

Assim, visando dotar as Forças Armadas de Defesa de Moçambique de um instrumento


normativo, se elaborou o presente Manual de Sinais Convencionais Militares como parte
integrante da Doutrina Militar Nacional.

Como simples símbolos convencionais, estes sinais são apenas facilitadores da comunicação e
informação codificadas para o uso exclusivo das FADM em missões conjuntas.

Estes Sinais Convencionais devem ser objecto de treinamento nas Unidades e Sub-unidades e de
leccionação nos estabelecimentos de ensino militar.

9
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

CAPÍTULO I - GENERALIDADES

1. Finalidade

Este Manual tem por finalidade apresentar os sinais convencionais militares, a fim de
simplificar as acções de âmbito operacional, que, pela natureza e destinação, devem ser assim
redigidos.

2. Referências bibliográficas
Os documentos consultados para a elaboração deste Manual foram:

a. Decreto n.º 41/2011, de 2 de Setembro, Estrutura Orgânica das Forças Armadas de


Defesa de Moçambique;
b. Directiva N.º 1/CEMGFADM/2014, Directiva Principal das FADM para o ano 2014;
c. Documentação da Planificação e Organização da Comunicação, Maputo, 1987;
d. Manual da Escola Prática de Infantaria, Direcção de Estudos e Instrução - Sinais
Convencionais Militares (Adaptação do APP-6A), MAFRA, 24 de Janeiro, 2002;
e. Manual “RC 259-50 Sinais Convencionais Militares”, Exército Português, 1988;
f. Manual da Escola Superior de Guerra, Angola, s/d;
g. Manual de Abreviaturas, Siglas, Símbolos e Convenções Cartográficas das Forças
Armadas de Brasil – MD33-M-02 (3ª Edição/2008);
h. Regulamento de Combate para Las Tropas Terrestres (Batalhão - Companhia), Ministério
de Las Fuerzas Armadas Revolucionárias, Cuba, s/d.

10
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

CAPÍTULO II - INTRODUÇÃO

1. Aplicação
Estes Sinais serão de utilização obrigatória nas Forças Armadas de Defesa de Moçambique.

2. Apresentação
A edição PDC 0-02-00 é indicada pelo seu código de identificação, ano de emissão, ou
revisão se aplicável e a edição.

3. Actualização
a. Com o objectivo de aperfeiçoar o presente manual, os usuários podem apresentar, sempre
que necessário, sugestões para modificações, correcções ou inclusão de outros Sinais
Convencionais.

b. As sugestões recebidas serão analisadas, visando à inclusão por meio de modificação neste
Manual conforme o anexo A.

c. As propostas de alterações poderão ser enviadas para o Estado-Maior General, no seguinte


endereço:

ESTADO - MAIOR GENERAL

DEPARTAMENTO DE DOUTRINA

Correio Electrónico/e-mail: doutrinaemg@gmail.com.

Doutrina.emg@gmail.com

11
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

CAPÍTULO III - SINAIS CONVENCIONAIS MILITARES

1. Generalidades

a. Conceitos
(1) Sinal - Termo que deriva do latim signālis. Trata-se de uma marca, um aviso ou qualquer
meio que informa ou adverte algo. Ele, geralmente, responde às convenções da sociedade
ou em grupos, por isso são facilmente compreendidas e interpretadas por quase todos.

(2) O termo sinal se refere a um símbolo, gesto ou outro tipo de signo cuja função é a de
avisar ou informar sobre alguma questão. Entretanto, o sinal substitui a palavra escrita ou
oral, conforme corresponda.

(3) Sinal convencional militar - o sinal é convencional quando obedece a certas


características para que possa ser reconhecido pelos militares.

(4) Os sinais constantes neste Manual são convenções (desenhos, números, letras, abreviaturas
ou siglas e cores) empregues para identificar graficamente em cartas, decalques,
esquemas, plantas, croquis, elementos constituintes das Forças Armadas ou a elas
relacionados e poderão ser usados isoladamente ou combinados entre si.

b. Dimensões e cores

(1) Dimensões
O desenho dos sinais deve guardar, tanto quanto possível, as devidas proporções entre o
valor dos elementos representados e a escala da carta de modo a indicar a área
aproximada que eles ocupam no terreno ou no mar, no caso de forças navais.

(2) Cores

(a) Os sinais convencionais militares que representam nossas tropas, órgãos e instalações são
desenhados a vermelho excepto artilharia, as tropas de engenharia e defesa química,
radiotécnica e de comunicações, por linhas pretas simples.

12
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

(b) Os sinais convencionais militares que representam tropas, órgãos e instalações inimigas
são desenhados a azul.

(c) A numeração e a denominação das unidades e sub-unidades, assim como as inscrições;


no que se refere às nossas tropas, a preto e às do inimigo a azul.

(d) Os sinais de campos de minas, demolições, barricadas de estradas e outros obstáculos


de engenharia são desenhados a preto.

(e) Os sinais de áreas batidas com fogos das nossas tropas, mesmo quando localizadas na
região ocupada pelo inimigo, são desenhados a vermelho.

(f) Os sinais de áreas contaminadas por agentes químicos, biológicos ou nucleares são
desenhados, tanto na região das nossas tropas como na do inimigo, em amarelo.

c. Regras para representação dos sinais convencionais no mapa de trabalho

(1) Os sinais das nossas tropas, meios de fogo e técnica de combate, se representam de acordo
com a localização real no terreno e se colocam para a direcção das acções ou da
realização de fogo;

(2) Para representar as tropas inimigas se empregará os mesmos símbolos convencionais que
se usam para as nossas tropas, mas em azul, fazendo as inscrições necessárias;

(3) Os dados da situação se representarão com os símbolos convencionais estabelecidos, com


as linhas finas, sem ocultar a base topográfica do mapa e as inscrições deste;

(4) As fontes de obtenção dos dados sobre o inimigo se representam com a cor preta, com a
letra inicial de denominação da fonte;

(5) A data e hora de obtenção de dados sobre o inimigo se escrevem debaixo da letra que
representa a fonte de dados ou na mesma linha;

(6) Os dados que requerem comprovação se assinalam com um sinal de interrogação;

(7) As acções reais das nossas tropas e sua localização se representam com os símbolos
convencionais estabelecidos com traços contínuos, enquanto, as acções previstas

13
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

(prováveis) ou planificadas, os caminhos, aeródromos e outras edificações em construção


se representam com traços descontínuos. As regiões e as posições de reserva se
representarão com traços descontínuos, mas com a letra “R” dentro do símbolo ou ao lado
dele; as regiões, alvos e obras falsas se representarão com traços descontínuos mas com a
letra “F”;

(8) Ao representar no mapa (esquema), várias situações das tropas referentes a distintas horas,
se permitirá reforçar os símbolos convencionais com traços, linhas descontínuas e outras
cores;

(9) Para que o mapa seja mais demonstrativo se pode relevar: rios, com a cor azul; pântanos,
com traços azuis, paralelos ao bordo inferior do mapa; os bosques, prados, com cor verde;
as alturas com cor castanha; (em cima se sombreia e se ressalta a curva de nível principal);
os caminhos, com cor castanha; as vias férreas, com cor preta; os povoados, incluindo as
estações ferroviárias, com o sombreado; os pontos de referência se encerram com um
círculo de cor preta ou se sublinham.

No mapa de trabalho não se pode utilizar adornos, papéis colados, nem textos detalhados.
Os dados complementares não se representam no mapa mas sim, no verso do mesmo ou
em cadernos de trabalho.

d. Representação das Nossas Forças


(1) Composição dos sinais;

(a) Sinal básico;

(b) Sinal de identificação do escalão é dispensável quando o escalão considerado for


superior a Companhia;

(c) Designação numérica ou nominal, designação de emprego específico do elemento


considerado ou, ainda, ambas as designações (grandes comandos, grandes unidades,
unidades, instalações ou órgãos);

(d) Subordinação do elemento representado (dispensável quando a própria designação do


elemento considerado possibilita a perfeita identificação da subordinação);

14
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

(e) Tipo da Arma.

Exemplos:

a. 1ª Companhia do 2º Batalhão da 3ª Brigada de Infantaria Motorizada.


b. 1º Batalhão da 2ª Brigada da 3ª Divisão de Infantaria Motorizada.

a
b
a
d c

1 2/3BrIMot
c
2/3 DIMot
1

e b d
a.
Legenda: b. Legenda:

a - Sinal Básico (SB) a – Sinal Básico (SB)

b -Escalão considerado b -Designação


c -Designação c- Subordinação
d- Subordinação d -Tipo da Arma
e -Tipo da Arma

15
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

2. POSTOS DE COMANDO

Posto de Comando do Estado- Maior General.


01

EX
Posto de Comando do Ramo de Exército.
02 EX

FA
03 Posto de Comando do Ramo da Força Aérea.

EX

MG
04
Posto de Comando Ramo da Marinha de Guerra.

EX

CEX
Posto de Comando do Corpo do Exército.
05

EX

Posto de Comando de Divisão.


06

16
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Posto de Comando do Estabelecimento Militar de Ensino


(IB – Instrução Básica; FE – Forças Especiais; FS –
07
Formação de Sargentos; AM – Academia Militar).

08 Área de Administração Militar.

09 Posto de Comando (Estado Maior) da Brigada.

BA
Posto de Comando (Estado Maior) da Base Aérea.
10

BN
Posto de Comando (Estado Maior) da Base Naval.
11

12 Posto de Comando (Estado Maior) do Regimento.

13 Posto de Comando e Observação (Estado Maior) do


Batalhão.

17
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Fz Posto de Comando e Observação (Estado Maior) do


14 z Batalhão de Fuzileiros Navais.

Posto de Comando e Observação (Estado Maior) do Grupo


15
de Artilharia.

Posto de Comando e Observação da Companhia (Pelotão


um guião)
NB: Os Postos de Comando de Reserva e da Retaguarda, se
16
representam com os mesmos símbolos dos Postos de
Comando mas, colocando ao lado do símbolo
correspondente a sigla. Ex: PCR, PCDir. A cor dos Postos
de Comando de acordo com a arma.

Posto de Comando e Observação da Companhia de


17 Fuzileiros Navais (Pelotão um guião)
Fz

Posto de Observação (com a letra Q - Posto de Observação


Química, E - Posto de Observação de Engenharia, T - Posto
18 de Observação Técnica, Fz – de Fuzileiro, a cor do símbolo
de acordo com o tipo de tropas).

19 Observador.

18
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

3. MOVIMENTO DE UNIDADES, RECONHECIMENTO E SEGURANÇA DAS TROPAS

Coluna de marcha do Batalhão de infantaria simples.


01
(Companhia – com dois guiões, pelotão com um guião)

02 Coluna de marcha do Batalhão de Infantaria Motorizada.

03 Coluna de marcha do Batalhão de Tanques.

04 Coluna de marcha de artilharia terrestre.

05 Coluna de marcha de artilharia anti-aérea.

06 Coluna de marcha de foguetes anti-aéreos.

Coluna de marcha de unidades de tanques com tropas de


07
desembarque.

Destacamento avançado (vanguarda, retaguarda, de flanco


na composição de um batalhão de infantaria motorizada
08
reforçada com tanques e artilharia.)

Destacamento de asseguramento do trânsito em composição


09 de uma Companhia (com as letras DMO, destacamento
móvel de obstáculos).

10 Grupo de reconhecimento de profundidade.

19
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Grupo de reconhecimento (com as letras PR - patrulha de


reconhecimento, PRC - patrulha de reconhecimento
combativa, PRE - patrulha de reconhecimento de
11 engenharia, PRQ - patrulha de reconhecimento químico. As
letras dentro do símbolo significam: T - tanques; B - em
carros blindados, C - carros de combate de infantaria; CT -
em carros de transporte; P - a pé).

12 Coluna de marcha de unidades da retaguarda.

13 Coluna de tropas por linha férrea.

4. LOCALIZAÇÃO E ACÇÕES DAS PEQUENAS UNIDADES

01 Região ocupada por unidades de infantaria. (Simbolo geral)

02 BI
bb Região ocupada por batalhão de infantaria.
bB
BIB
1II

03 Região ocupada por unidades de tanques. (BTq)

3 GA
04 Região ocupada por Subunidades de artilharia.

20
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Região designada para o lançamento de desembarque


05 aéreo. (nos helicópteros com o símbolo correspondente).

06 Lugar de lançamento de carga em pára-quedas.

07 Posicionamento das subunidades na defensiva.

08 Sector de roptura na ofensiva.

09 Retirada das tropas no combate nas linhas ocupadas.

Retirada das tropas nas linhas anteriormente ocupadas


10 para as novas linhas do combate.

11 Direcção de golpe.

12 Direcção da ofensiva.

13 Linha designada para ser ocupada pelas tropas.


1 BTq
10.00.2.3

21
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Missão de combate do batalhão de infantaria simples na


14
ofensiva (companhia com dois guiões, pelotão com um
guião).

1 BI
H +2

15 Missão de combate do Batalhão de Tanques na ofensiva.


(Companhia com dois guiões, pelotão com um guião).

3 BTq
H +4

16 Missão imediata do Batalhão de Infantaria Motorizada na


ofensiva (Companhia - com dois guiões).
5 BIMot
H +2

17 Missão posterior do Batalhão de Infantaria na ofensiva.

6 BI
H+4

18 Situação das tropas a distintas horas (podem empregar-se


diferentes cores).

12:00 14:00 16:00.6.8

19 Ponto de partida (de regulação).


PP (R)
H+-

22
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Linha de partida (de regulação).


20 LP (R)
H+-

21 Linha de desdobramento em coluna de Batalhão


(Companhia - dois guiões, de Pelotão - com um guião).
LD
H+-

22 Linha de ataque (linha de introdução em combate).


LA
H+-

23 Linha de desembarque das tropas dos carros (transporte).

24 Linha de fogo da Reserva Anti-tanque.


N0. 1
2GA
T

Linha de fogo das pequenas unidades de projécteis


25 reactivos dirigidos anti-tanques.
N0.3
GAR

26 Linha de fogo das unidades de tanques.

N0.1
BTq

Linha de fogo do grupo blindado com a indicação do


26 número da linha; para outra técnica – com o respectivo
N0.3
GB.CIA
sinal.

23
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Linha de desdobramento de pelotão anti – tanques, com


27 indicação do nº de lança granadas. Com outras armas – com
respectivo sinal.
N0.3
PAT

Linha de passagem ao ataque com sub – unidades de


infantaria motorizada com maquinas de combate/ carros
28 blindados. Para outra técnica e sub – unidades, representa –
se com o sinal respectivo.

29 Linha minada do Destacamento Móvel de Obstáculos.

30 Linha divisória entre Divisões.

31 Linha divisória entre Brigadas ou Regimentos.

32 Linha divisória entre Batalhões.

33 Linha de encontro e segurança entre sub-unidades.

34 Zona de encontro.

35 Zona limite de fogo compacto.

36 Fogo concentrado de infantaria.

24
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

37 Zona de fogo anti-tanque (limite).

38 Zona provável de encontro com o inimigo.

39 Emboscada.

40 Emboscada de tanques.

Lugar onde foi capturado um prisioneiro de guerra,


Inh. 2/4 Bt 5 Brig
41 indicando a unidade a que pertence, hora e data de
4.00. 15.8
captura.

4. ARMAS DE INFANTARIA

01 Metralhadora ligeira.

02 Metralhadora média.

03 Metralhadora pesada.

04 Lança granadas anti – tanque (roquetes).

25
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

05 Lança granadas anti-tanque ligeiro.

07 Lança granadas anti – tanque pesado.

a. Carros de Combate
(1) Carros de Combate (Blindados)

L
01 Tanque ligeiro (T-55)

M
02 Tanque médio.

03 P Tanque pesado (T-72)

04 Tanque anfíbio.

05 Automotriz (autopropulsado).

06 Tanque draga-minas (equipado com meios de desminagem).

07 Tanque com equipamento Bulldozer.

Tanque de comando.
08

b. Carros de Combate

09 Carro de combate de Infantaria (BMP-2).

26
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

10 Carro de combate de infantaria (BTR 60 PB)

Carro com atrelado.


11

12 Carro de comando.

13 Automóvel pesado.

14 Transportador blindado anfíbio.

Carro de transporte (a cor do símbolo de acordo com o tipo


15
da Arma).

16 Rebocador de carros a roda.

17 Rebocador de carros de grandes atrelados.

Rebocador de Blindados.
18

19 Rebocador de Tanques.

Motociclo (Motorizada).
20

Ponto de recolha de carros avariados. A letra na parte


21 superior indica unidade. Ex. R-Regimento. Na parte inferior
indica o tipo do meio. Ex: T- tanques (C-carros).

27
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

5. ARMAS DE ARTILHARIA TERRESTRE

Sinal geral de artilharia.

a. Canhões

01 Canhão anti-tanque sem retrocesso (sem recuo).

02 Canhão anti-tanque de calibre até 85 mm.

03 Canhão anti-tanque de calibre até 100 mm.

04 Canhão anti-tanque de calibre superior a 100 mm.

Canhão de calibre até 100 mm.


05

Canhão de calibre até 152 mm.


06

07 Canhão de calibre superior a 152 mm.

b. Obuses

01 Sinal geral.

02 Obus de calibre até 122 mm.

03 Obus de calibre até 155 mm.

04 Obus de calibre superior de 155 mm.

05 Obus autopropulsado de calibre inferior a 122 mm.

28
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

06 Obus autopropulsado de calibre até 122 mm.

07 Obus autopropulsado de calibre até 155 mm.

08 Obus autopropulsado de calibre superior a 155 mm.

c. Morteiros

01 Sinal geral de morteiro.

02 Morteiro de calibre 60 mm.

03 Morteiro de calibre até 82 mm.

04 Morteiro de calibre superior a 120 mm.

05 Morteiro automático.

06
Morteiro Autopropulsado.

d. Lança Foguetes

01 Carro de combate Antitanque com projécteis reactivos


dirigidos (Piturs).

02 Lança foguetes de calibre médio (BM-21).

03 Lança foguetes de calibre pesado (BM-24).

29
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

04 Lança foguetes GRAD-I-P. (B-11).

05 Foguete teleguiado Anti- tanque portátil.

06 Foguete teleguiado Anti- tanque Autopropulsado.

07 Lança fogo ligeiro.

08 Lança fogo pesado.

09 Lança fogo autopropulsado.

Bateria de canhões de calibre até100 mm na posição de


10
fogo (outras baterias com o símbolo correspondente).

Bateria de morteiro de calibre 82 mm na posição de fogo


11
(Pelotão - com um guião).

Região das posições de fogo do Grupo de artilharia,


12
indicando-se o lugar de deslocação das baterias.

13 Região das posições de fogo do Grupo de artilharia.

Fogo Concentrado (FC) de artilharia. Indica-se o número de


14 área (as dimensões de área se representam à escala no
mapa.

30
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Fogo Concentrado (FC) de artilharia Reactiva. Indica-se o


15 número da área.

Concentração Sucessiva do Fogo (CSF). À linha se dá o nome


16
de animais ferozes e cada área se enumera.

LEAO1

Fogo Maciço (FM) “MAPUTO” com as áreas 1, 2, 3 3 e 4. (até


17 Divisão, nome de cidades; Exército, Corpo de Exército e
superior, nome de planetas).

Onda de Fogo (OF). Os sectores de fogo estão


18 compreendidos entre dois traços. Cada número corresponde
a um sector de fogo de um Grupo de Artilharia.

Fogo de Barragem Fixa (FBF) do sector A. A longitude do


19 sector se representa a escala no mapa. As diferentes
barragens se indicarão com letras maiúsculas.

TUBARÃO
1
2 Fogo de Barragem Móvel (FBM). A longitude e salto dos
3 sectores se representam à escala no mapa (recebem nomes
20
de animais marinhos).
4

Limite do sector (zona) principal de fogo (sector de tiro). A


21 cor segundo o tipo de tropas.

O limite do sector secundário de fogo. A cor segundo o tipo


22
de tropas.

31
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

23 Bateria de artilharia da costa em posição de combate.

6. ARMAS DE ARTILHARIA ANTI – AÉREA

01 Foguete anti-aéreo portátil (strelá).

02 Canhão AZP - 37mm.


Foguete anti-aéreo portátil (strelá).

03 Canhão AZP - 57mm.

04 Canhão de artilharia anti - aérea até 100 mm.

05 Metralhadora anti – aérea 14.5mm (zgu –1, dsk).

Instalação autopropulsada anti - aérea (com símbolo


06 correspondente).

07 Canhão ZCU – 57mm.

Pelotão de artilharia anti - aérea (com símbolo


08 correspondente).

32
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Bateria de artilharia anti - aérea (com símbolo


09
correspondente).

10 Complexo de foguetes portáteis (estrelá).

7. ENGENHARIA E DEFESA QUÍMICA


a. Obras e Meios de Engenharia

01 Semeiador de Minas.

02 Tanque sobre Ponte universal

03 Ponte mecanizada sobre carro de rodas.

04 Transportador anfíbio a rodas.

05 Transportador anfíbio a lagarta (PTS).

06 Balsa Autopropulsado a lagarta (GSP).

07 Parque de pontes de pontões (PMP).

08 Trincheira ocupada por uma Secção de Infantaria.

09 Trincheira com abrigo coberto e via de comunicação.

33
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Trincheira ocupada por uma peça de artilharia (para outras


10 armas com símbolo correspondente).

Campo de Minas Anti - tanques (o numerador indica o


N0 4
11 800 número de campo (CMAT) e o denominador indica a
quantidade de minas).

N0 2 Campo de Minas Contra Desembarque (o numerador


12 500
indica o número de campo (CMCD).

eCampo
o denominador indica
de Minas a quantidade
Anti-Pessoais (o de minas). indica o
numerador
13 N0 5 número de campo (CMAP) e o denominador indica a
700
quantidades de minas).

Campo de minas (representação em cartas de


14 pequena escala).

Mina de fogaça. - Em cor amarela - química; em cor preta


- mina explosiva de acção retardadora. Pode ser: anti
15
carro, contra qualquer tipo de alvos.

Nó de obstáculos de engenharia (o numerador indica o


N0 10
número de nós e o denominador indica a quantidade de
16 300 munições ou minas a empregar).

N0 8 Passagem nos campos de minas. O numerador indica o


17 20 número de passagem, e o denominador indica a largura de
passagem em metros.

Abrigo para carros de transporte (para outras armas com o


18 símbolo correspondente).

19 Abrigo coberto.

coberto

20 Abrigo ligeiro coberto

coberto

34
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Abrigo reforçado (Blindagem).


21
coberto
Refúgio com protecção ligeira (refúgio de grande protecção,
22 recarregado a cor preta).

Escarpa /contra escarpa.


23 ;

24 Fosso antitanque.

25 Abatizes minados (árvores abatidas e minas).

26 Ponte destruída (alvo).

Ponte preparada para destruição (alvo).


27

Troço de caminho destruído.


28

29 Parte da Estrada destruída.

30 Caminho de tropas.

31 Rota de coluna de marcha.

35
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Troço do caminho inundado com uma profundidade de


32 0.8
0,8m.

33 ZCS Zona ocupada pela Companhia de sapadores.

G.R.E
34 Grupo de Reconhecimento da Engenharia.

35 Posto de observação da Engenharia.


E

Ponto de abastecimento de água (P- poço tubular, M-


M8
36 manancial, 8-o número da produtividade em metros cúbicos
por hora).

37 Troço de caminho camuflado.

Reflectores angulares.
38

39 Redes de camuflagem contra meios de radiolocalização.

F
40 Região falsa de localização de tropas. F- indica falso; e o
BTq
denominador - indica o tipo de Unidade.

BTq

36
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Passagem em meios de desembarque (indicando a


quantidade e tipos de meios).

Travessia a vau para tanques (o numerador indica: 3- a


profundidade, 20- largura do rio, 50-largura do traçado em
3-20-50
A -0.8 metros. O denominador indica o carácter do fundo, A-areia,
0.8-velocidade da corrente em m/seg.)
3-50 Passagem construída com pontões (o numerador indica: 3-
PMP
quantidade de pontões, 50-capacidade suportante em
toneladas, o denominador indica o tipo de pontão).
41 120-4
Ponte sobre apoios rígidos (o numerador indica: 120- largura,
60
4-altura em metros. O denominador, 60-capacidade
suportante em toneladas).
Pontes sobre pontões flutuantes (as letras ao lado do símbolo
120
PMP 60 representam: PMP-tipo de parque, o numerador indica, 120-
largura da ponte. O denominador indica 60- capacidade
suportante em tonelada).
0.8 – 120
Local de travessia a vau (o numerador indica: 0.8-
D - 05
profundidade, 120 largura de passagem em metros; o
denominador indica o carácter do fundo, D- duro, 05-
velocidade da corrente em m/seg).

8. ARMAS QUÍMICAS E BACTERIOLÓGICAS E DEFESA CONTRA ELAS


Carros de tratamento especial (no interior se assinala o tipo
01 de carro especial).

Linha de segurança.
02

Linha de emissão de fumos.


03

04 Linha de emissão de fumos com carros.

37
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

05 Linha para uso de meios individuais de protecção.

5-A Região de destruição e derrube como resultado de um golpe


06 18.00. 7.2 ..
nuclear do inimigo.

5-A
Região de Explosão nuclear (no numerador: a cifra indica a
10.00. 15.1
07 potência em kTon, A- aérea).

RTE Nº15
08 Região planificada para o tratamento especial.

Oficina fixa de reparação dos meios químicos (os de órgãos


09 Q civis vem a vermelho)

10 Ponto de medição do nível de contaminação de cada soldado.

Ponto de direcção e processamento da Companhia de


11 1 control especial.

Linha de desdobramento de pequenas unidades de lança-


12
chamas ligeiras.

Linha de desdobramento de pequenas unidades de lança-


13
chamas pesadas.

C
Prognóstico da zona contaminada com substâncias
A B
14 radioactivas. A- zona de fraca contaminação, B- zona de média
10-T contaminação, C- zona de forte contaminação.
8.00.10.1

Potência da dose dada pela explosão radioactiva no ponto


15 5 R/H determinado do terreno. No numerador - o nível de radiação
8.00. 15. 6
em rotação por horas, no denominador a hora e data de
medição.

38
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

16 Mina nuclear.

Sector (região) contaminado pelo inimigo com meios


17
biológicos. (cor castanha).

Área contaminada com substâncias tóxicas pela artilharia (as


18 flechas indicam a direcção de propagação dos vapores de
substancias tóxicas).

Área contaminada de substâncias tóxicas pela aviação


19 empregando a rega de aerossóis.

20 Área contaminada com substâncias tóxicas por foguetes.

Área contaminada por substâncias tóxicas pela artilharia


reactiva. A linha contínua determina a zona afectada,
21 incluindo a descontínua, a zona de contaminação (só no caso
dos V- gazes).

Área contaminada com substâncias tóxicas pelos ataques da


22 aviação com bombas.

Sector contaminado com substâncias tóxicas, limitado pelo


2 P DQ
reconhecimento radioactivo e químico (o numerador indica a
7.00.10.3 subunidade de reconhecimento radioactivo e químico, no
23
denominador - a hora e data em que realiza a delimitação do
sector).

Zona de contaminação radioactiva representada por dados


24
prognósticos pelo método de sectores.

39
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Zonas de contaminação radioactiva representada por dados


25 diagnósticos.

Zona de incêndios (prognosticadas).


26

NAPALM- 5 AV Ataque com meios incendiários (o numerador indica a


substância incendiária e o meio de emprego e o denominador,
27 700.8.3
a hora e data.)

5000.30.3
Direcção e velocidade do vento nas camadas baixas,
5 indicando a nebulosidade, temperatura do ar, data e hora (5-
6 velocidade do vento em m/Seg.; 6 – nebulosidade;
28 Ar 25º
Terreno 26º 25 – Temperatura do ar; 26 – temperatura do terreno, a
flecha indica a direcção do vento).

400.30.3
30

Direcção e velocidade do vento médio por altura, indicando


12
29 o tempo no qual foram determinadas. Altura em km; 30 –
90º
velocidade do vento em km/H; 90 – direcção do vento

em graus.

Estação de intersecção de explosões nucleares.


30

31 ECA Estações (grupo) de cálculos e análises (GLA).

40
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Companhia de control especial na posição de guarda


32 combativa (com a capacidade de desviar mísseis).

Patrulha de exploração química e radioactiva em composição


P C
33 de uma secção a pé ou de carro.

Lança chamas.
34

35 OQ Laboratório químico de campanha.

36 Laboratório químico estacionário.

37 PTE Ponto de Tratamento Especial, com letra PD – Ponto de


desgasificação.

38 Ponto de colecção e procedimento dos dados do batalhão de


PRPD control especial.

39 PA Ponto de abastecimento com soluções desactivadoras.

R Ponto de recolecção do vestuário, equipamento e meios


40 individuais de protecção.

Ponto de recolecção de meios contaminados (nível que


41 DIM representa).

42 PCD Ponto de control decimétrico.

43 PD Ponto de desgasificação.

Ponto estacionário de control radioactiva (onde o “2’’indica


44 2
o código de identificação).

41
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Posto de informação química na composição duma secção de


exploração radioactiva e química, a vermelho para as
45 pequenas unidades não orgânicas.
P.I.Q.
.

Região de Tratamento Especial (ATE – Área de Tratamento


46 RTE Especial).

Região de terreno contaminado representado por dados de


47 reconhecimento.

48 Região de camuflagem fumígena com carros especiais.

49 Região de camuflagem com botes fumígenos.

C
C C

50 Região reconhecida.
C C
C

51
Limites da zona de propagação dos incêndios.

52 Limites de zona de intersecção das explosões nucleares.

53 Passagem desgaseificada.

42
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Itinerário de realização do reconhecimento radioactivo e


54
químico em carro.

DLC
55
Destacamento de liquidação das consequências.

10. ARMAS DA FORÇA AÉREA

01 Avião de caça.

02 Avião Caça- bombardeiro.

Bombardeiro médio.
03

04 Avião ligeiro de assalto.

05 Avião pesado de assalto.

06 Avião ligeiro de transporte.

43
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

07 Avião médio de transporte.

08 Avião pesado de transporte.

09 Avião de reconhecimento.

10 Avião de busca e salvamento.

11 Drone.

12 Helicóptero.

13 Helicóptero ligeiro de transporte.

14 Helicóptero de combate.

15 Helicóptero de busca e salvamento.

16 Helicóptero de saúde.

44
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

17 Plataforma de aterragem.

H-6000

18 Corredor aéreo, determinando a altura e a direcção do voo


6 MIG-21 H-9000 de aviação.
1600 - 30.3

Combate aéreo, indicando-se a quantidade e tipo de aviões,


19
altura, data e horas.

4 EDRON
900 - 30.3 Golpes de aviação inimiga com meios convencionais de
20 destruição.

21 Complexo de mísseis anti- aéreos de curto alcance.

Complexo de mísseis anti- aéreos de médio alcance.


22

23 Complexo de mísseis anti- aéreos de longo alcance.

24 Complexo de mísseis balísticos anti- aéreos.

Máquina de combate com complexos de mísseis anti-


aéreos de curto alcance. Pode se representar de acordo
25
com o tipo de complexo e o meio de auto – propulsão.

26 AO Aparelho de observação.

45
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

27 Bateria de artilharia anti - aérea na posição de fogo.

28
Grupo de artilharia anti - aérea na posição de fogo.

a. Meios Raditécnicos
Estação de Rádio localização (símbolo geral) ao lado do
01 símbolo indica-se o tipo e a designação da Estação.

02 Estação de Rádio localização estacionária.

Estação de Rádio localização protegida.


03

Complexo de Rádio localização de diapasão altimétrica


04
(Estação).

05 Rádio Altímetro (Radar medidor de Alturas).

06 Estação de Rádio localização na posição de montada.

Estação de Rádio localização passiva (propagação


07
infravermelha).

46
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

08 Estação de Rádio localização longínqua.

09 Estação de Rádio localização automática.

10
Estação de Rádio navegação proxima.

11 Nº (do grupo) do complexo de dispositivos técnicos de


controle.

12 Transmissor de interferências lançavél (com menção de sua


distinção c- comunicação).

13
Região proibida para colocação de meios Rádio.
.electrónico.

Interferências não premeditadas entre os meios Rádio


14 electrónicos.

15 Espaço da rota de voo onde se coloca interferências activas.

16 Espaço da rota de voo onde se coloca interferências


passivas.

17 Estação da Rádio independente móvel (isolada).


1
1
4
18 Estação da Rádio independente portátil (isolada).

47
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

19 Centro de transmissão e recepção de comunicação.

20 Estação de Rádio pendurável.


1
4

21 Rede de Rádio.
1 1 1
1 1 4
4 4
22 Radio estação de aproximação.
1
4

23 Radiogoniómetro.

1
4

24 Aeródromo.

Aeródromo da 3ª classe com pista de aterragem de 1200-


25 1700 metros de comprimento.

Aeródromo da 2ª classe com pista de aterragem de 1800-


26 2400 metros de comprimento.

27 Aeródromo da 1ª classe com pista de aterragem de 2500-


3000 metros de comprimento.

28 Pista de aterragem de terra batida.

48
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

9. MARINHA DE GUERRA
a. Componente Naval

BN Base Naval.
01

02
Sub - Base Naval.

03 Pista de aterragem.

04 Aerodromo.

05 Porta aviões.

06 Porta - helicópteros.

07 Submarino atómico. (SA)

08 Submarino atómico porta mísseis.

09 Submarino à diesel. (SD)

10 Submarino grande à diesel.

11 Submarino médio.

12 Submarino pequeno.

13 Submarino super pequeno.

49
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

14 Submarino na posição de submersão.

15 Cruzador grande.

16 Cruzador médio.

17 Cruzador pequeno.

18 Cruzador lança mísseis.

19 Navio Destruidor (Destroier).

20 Navio destruidor de foguetes.

21 Navio patrulheiro.

22 Navio guarda costeira.

23 Navio anti -submarino grande.

24
comunicação
Navio anti-submarino pequeno.

comunicação
25 Navio de comunicação.

Navio grande lança mísseis.


26

27 Navio pequeno lança mísseis.

50
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

28 Navio de desembarque.

Navio draga-minas. (Com letras B-base; M-maritimo;


29 C-canal).

30 Navio tanque.

31 Navio auxiliar.

32 Navio Hospital.

33 TR Navio de Transporte.

34 Navio pesqueiro.

35 Rebocador.

Lancha submarino.
36

Lancha lança foguetes.


37

38 Lancha pequena lança torpedo.

39 Lancha grande lança torpedo.

40 Lancha media lança torpedo.

41 Lancha de artilharia.

42 Lancha de desembarque.

43 Lancha grande lança mísseis.

51
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

44 Lancha pequena lança mísseis.

Linha de vigilância.
Lancha de fiscalização (patrulheiro).
45

Avião ambulância.
46

Avião de abastecimento de combustível.


47

48 Helicóptero.

49 Helicóptero pesado.

Helicóptero naval.
50

51 Avião caça – submarina de longo alcance.

52 Avião caça submarino de curto alcance.

52
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Avião caça submarino com mísseis.


53

Helicóptero anti – submarino.


54

55 Avião porta – mísseis.

56 Avião lança - torpedo.

57 Linha de vigilância.

58 Linha divisória entre navios de superfície e submarinos.

Linha divisória entre zonas de acção dos navios


59
independentes.

Sector de realização do desembarque naval (os pontos


60
indicam o lugar de desembarque).

b. Fuzileiros Navais

01 Unidade anfíbia.

Unidade anfíbia mecanizada (rodas).


02

53
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

03 Unidade anfíbia mecanizada de recuperação.

04 Unidade anfíbia mecanizada (rodas) de recuperação.

.
05 Unidade anfíbia de morteiros.

06 Unidade anfíbia de artilharia.

07 Unidade de combate naval.

08 Batalhão de fuzileiros.

09 Unidade anfíbia de reconhecimento.

10 Unidade anfíbia de infantaria mecanizada.

11 UOEN Unidade de operações especiais naval (UOEN).

12 Unidade de operações especiais terrestres.

UOE
13 Unidade de operações especiais (UOE).

14 Unidade de operações especiais - Op psicológicas (Ops).

15 cA Unidade de operações especiais - assuntos civis.

54
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

16 Unidade de operações especiais de helicóptero.

17 Ø Equipa/Tripulação

18 • Esquadra

19 •• Secção

12. COMUNICAÇÕES

a. Centro de comunicações e seus elementos

Centros das comunicações dos postos de comando (no centro


01 indica se posto de comando).

Centro das comunicações fixas do Ministério da Defesa


02 Nacional.

03 Centro de comunicações fixo da rede estatal.

CC – Centro de comunicações, CCAp – Centro de comunicação


04 de Apoio, CCAv – Centro de comunicação Avançado e CCR –
Centro de Comunicações de Reserva.

05 Centro de comunicações no avião.

06 Centro de Comunicações no helicóptero.

55
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Centro de comunicações no blindado (dentro do sinal indica se


07
o tipo de meio de comunicação).

08 Carro de comando no esquema da comunicação por radio


(dentro do sinal indica - se o tipo do carro).

Centro de comunicações na viatura (dentro do sinal indica - se


09 o tipo do meio de comunicação).

Central telefónica – CTF. Central Telegráfica – CTG (em baixo


do sinal indica-se os tipos e quantidade dos meios de
10 comunicação).

11 PRC – Posto de Rádio Controlo.

Reserva dos efectivos e meio de comunicação (em baixo do


12 sinal indica –se o número de comunicação da reserva).

c. Meios de comunicação por Rádio


(Dentro do sinal indica-se o tipo da Estação de Rádio, Receptor e Emissor).

01 Estação de radio móvel.

02 Estação de Rádio portátil.

03 Estação de Rádio no tanque.

04 Estação de rádio na viatura.

56
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

05 Estação de rádio no blindado.

06 Estação de rádio no avião.

Receptor de Rádio fixo (dentro de sinal indica-se a


07 sensibilidade).

Receptor de Rádio (dentro de sinal indica-se o tipo do


08
receptor).

09 Grupo de Estação de Rádio.

Centro emissor (em baixo do sinal indica-se a quantidade e


10 tipos dos emissores).

Centro receptor (em baixo do sinal indica-se a quantidade e os


11 tipos dos receptores).

12 Posto de retransmissão na viatura.

13 Posto de retransmissão no helicóptero.

57
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

14 Rádio Direcção.

15 Rede de Rádio.

16 Estação de Rádio com amplificador.

d. Meios de Comunicação por Micro – ondas (dentro do sinal indica – se o tipo da


Estação)

01 Centro de transmissão e recepção de comunicação cósmica.

02 Estação de Micro – ondas móvel.

03 Estação de Micro – ondas fixa.

04 Estação de Micro – ondas direcional.

05 Estação de Micro – ondas omnidirecional.

06 Linha de Comunicação por Micro – ondas.

58
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

07 Telefone inteligente / sem fio.

08 Grupo de Telefones inteligente / sem fio.

e. Regime de trabalho (dentro do sinal ou em baixo indica – se o tipo de meio)

01 Comunicação telegráfica.

02 Comunicação telefônica.

03 Comunicação de voz.

04 Comunicação Intercomunicador.

05 Comunicação de dados, voz e imagem.

f. Linhas de Comunicação

01 Linha (aérea e permanente) de cabos (quantidade dos fios no


espaço da interrupção da linha).

02 Linha de campanha dos dois fios (quantidade dos fios no


espaço da interrupção da linha).

03 PD - Ponto de distribuição.

04 Cabo de fibra Óptica.

59
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

05 Distribuidor de três entradas.

06 Poste Telefônico com apoios.

07 Poste Telefônico com ganchos.

08 AD - Armário de distribuição.

09 CDTS - Caixa de distribuição telefônica subterrânea.

10 Posto de amplificação do sinal telefônico e manutenção.

11
Posto de amplificação do sinal telefônico a chegada.

12 Roteador de canais (indica – se a quantidade dos canais).

g. Comunicação por correio militar

01 Estação central de correios militares (dentro do sinal indica-se


o número da caixa postal).

60
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Posto postal dos correios militares (dentro do sinal Indica-se o


02
número da caixa postal).

Posto de troca da Comunicação por estafeta (dentro do Sinal


03
indica-se o número do posto de troca correspondência).

04 Posto da comunicação de Correios de Moçambique.

h. Comunicação por meios móveis

01 Estafeta.

Motocicleta.
02

03 Carro postal.

04 Viatura.

05 Blindado.

06 Navio de comunicação.

07 Avião de comunicação.

08 Helicóptero de comunicação.

61
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

i. Meios de guerra electrônica

Meio da GE móvel (Indica-se o tipo de meio no centro do sinal).


01

02
Meio da GE fixo.

03 Avião da GE.

Grupo dos meios da GE na posição.


04

05 Zona Limite provável das interferências de Rádio do inimigo.

Zona limite provável da intercepção e radiolocalização dos


06 nossos meios electrônicos e da parte do inimigo.

j. Armazéns e oficinas das Comunicações

Armazém Central de Comunicações(a direita do sinal indica-se


01 o número do armazém).

02 Armazém das comunicações do Ramo.

03 Oficina Central das comunicações


OCC

62
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

04 Oficina das Comunicações do Ramo.


ORC

05 Oficina móvel.

k. Meios informáticos

01 Computador.

02 Grupo de Computadores.

03 Rede de computadores.

13. LOGÍSTICA

01 C Armazém de combustível da Brigada/Regimento (MU –


munições).

02 Serviços de Manutenção Oficinal (SMO).

03 AMU Armazém de munições do batalhão (C – combustível).

04 Serviços de Intendência.

05 Carro cisterna.

63
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

06 Tenda auxiliar de combustíveis.

14. FINANÇAS

01 Serviços de finanças

15. SAÚDE

01 Hospital

02 Centro Nacional de Abastecimento de Medicamentos e


Material.

03 Destacamento de Medicina Preventiva.

04 Posto médico da Brigada (Regimento).

05 Posto médico do Batalhão ou U.I.

06 Secção sanitária da Companhia

07 Abrigo de feridos.

08 Ponto de recolha de prisioneiros (com a letra B - de Brigada).

64
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

09 Ferido. [com dois diagonais ou cruz indica morto].

10 Helicóptero sanitário.

11
Carro sanitário.

16. SINAIS CONVENCIONAIS DIVERSOS.

Comandante (com letra R - de Região, I - de Itinerário, A -


01 Área).
R
r

02 R Posto de Regulação de Trânsito ou Regulador (com a letra CD-


Posto de controlo de documentos, C - Posto de comando).

03 Indicador de Caminhos.

04 Posto de Regulação Especial.


PRE

17. SINAIS DE IDENTIFICAÇÃO DOS MEIOS DE COMBATE

No combate, existem normas para identificar os carros de combate:

1. O Sinal de identificação de grande unidade é estabelecido pelo comandante superior e muda-se


periodicamente;

2. O número convencional é também estabelecido pelo comandante de grande unidade e


representa-se por três algarismos;

65
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

3. Para cada unidade, o comandante designa cem números para a composição de números
convencionais;

4. Os sinais de identificação e os números convencionais são pintados a branco:

 Nos tanques – sobre a torre, atrás e nos laterais;


 Nas automotrizes – sobre as pranchas laterais e traseiras do compartimento de combate;
 Nos transportadores blindados - sobre as pranchas laterais superiores e sobre a prancha traseira
do corpo.
 Nos Helicópteros – na parte lateral da cauda fica o número; na barriga, o emblema/bandeira;
 Nos caças – nos laterais o número de identificação, enquanto na ponta da cauda, fica o
emblema/bandeira;
 Nos Navios de guerra – nos laterais.
 Dimensões do sinal de identificação:
 Altura - 25-30 centímetros;
 O comprimento - se estabelece em proporção com altura.

 Dimensões dos algarismos:


 Altura 30-40 cm,
 O comprimento do algarismo constitui 2/3 da altura e o comprimento das linhas igual a 1/6 da
altura.

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL

ESTADO-MAIOR GENERAL

PDC 0-02-00

66
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

SINAIS CONVENCIONAIS MILITARES

PARA AS FORÇAS ARMADAS DE DEFESA DE MOÇAMBIQUE

(SCMFADM)

MAPUTO 2016

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL

ESTADO-MAIOR GENERAL

67
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

PDC 0-02-00

SINAIS CONVENCIONAIS MILITARES

PARA AS FORÇAS ARMADAS DE DEFESA DE MOÇAMBIQUE

(SCMFADM)

MAPUTO 2016

PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO


68
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

DESPACHO

No uso das atribuições que me são conferidas pela alínea h), do n.º 3 do artigo 8o da Estrutura
Orgânica das Forças Armadas, aprovada pelo Decreto n.º 41/2011, de 2 de Setembro:

5. Aprovo para utilização nas Forças Armadas de Defesa de Moçambique, a PDC 0-02-00
SINAIS CONVENCIONAIS MILITARES.

6. A PDC 0-02-00 SINAIS CONVENCIONAIS MILITARES é uma publicação


classificada.

69
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

7. Podem ser feitos extractos desta publicação com autorização da entidade promulgadora.

8. A PDC 0-02-00 SINAIS CONVENCIONAIS MILITARES entra em vigor na data da sua


publicação.

Maputo, de Fevereiro de 2016

O CHEFE DO ESTADO MAIOR GENERAL DAS FADM

GRAÇA TOMÁS CHONGO

(GENERAL DE EXÉRCITO)

70
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO

REGISTO DE MODIFICAÇÕES

IDENTIFICAÇÃO DA PÁGINAS RÚBRICA DO


N/O ENTRA EM VIGOR
ALTERAÇÃO AFECTADAS
RESPONSÁVEL

71
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

72
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO

ÍNDICE

PREÂMBULO................................................................................................................. 9

CAPÍTULO I - GENERALIDADES ........................................................................... 10

73
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

1. Finalidade .................................................................................................................. 10

2. Referências bibliográficas ........................................................................................ 10

CAPÍTULO II - INTRODUÇÃO ................................................................................ 11

1. Aplicação .................................................................................................................... 11

2. Apresentação ............................................................................................................. 11

3. Actualização............................................................................................................... 11

CAPÍTULO III - SINAIS CONVENCIONAIS MILITARES .................................. 12

1. Generalidades ............................................................................................................ 12

a. Conceitos .................................................................................................................... 12

b. Dimensões e cores............................................................................................................................... 12
c. Regras para representação dos sinais convencionais no mapa de trabalho ........ 13

d. Representação das Nossas Forças ........................................................................... 14

e. Regime de trabalho (dentro do sinal ou em baixo indica – se o tipo de meio).... 59

17. SINAIS DE IDENTIFICAÇÃO DOS MEIOS DE COMBATE ......................... 65

PREÂMBULO

O embasamento doutrinário das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM) é


constituído pelos seguintes elementos: as tradições militares dos reinos e Estados pré-coloniais,
as experiências das lutas de resistência dos nossos antepassados contra a dominação colonial, a
epopeia da Luta Armada de Libertação Nacional, as experiências acumuladas na defesa da

74
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Independência e da soberania nacionais e as experiências doutrinárias das Forças Armadas de


outros países.

As diferentes fases da nossa história permitiram a aquisição, acumulação e consolidação do


património cultural militar que constitui a Doutrina das Forças Armadas de Defesa de
Moçambique.

Assim, visando dotar as Forças Armadas de Defesa de Moçambique de um instrumento


normativo, se elaborou o presente Manual de Sinais Convencionais Militares como parte
integrante da Doutrina Militar Nacional.

Como simples símbolos convencionais, estes sinais são apenas facilitadores da comunicação e
informação codificadas para o uso exclusivo das FADM em missões conjuntas.

Estes Sinais Convencionais devem ser objecto de treinamento nas Unidades e Sub-unidades e de
leccionação nos estabelecimentos de ensino militar.

CAPÍTULO I - GENERALIDADES

1. Finalidade

75
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Este Manual tem por finalidade apresentar os sinais convencionais militares, a fim de
simplificar as acções de âmbito operacional, que, pela natureza e destinação, devem ser assim
redigidos.

2. Referências bibliográficas
Os documentos consultados para a elaboração deste Manual foram:

i. Decreto n.º 41/2011, de 2 de Setembro, Estrutura Orgânica das Forças Armadas de


Defesa de Moçambique;
j. Directiva N.º 1/CEMGFADM/2014, Directiva Principal das FADM para o ano 2014;
k. Documentação da Planificação e Organização da Comunicação, Maputo, 1987;
l. Manual da Escola Prática de Infantaria, Direcção de Estudos e Instrução - Sinais
Convencionais Militares (Adaptação do APP-6A), MAFRA, 24 de Janeiro, 2002;
m. Manual “RC 259-50 Sinais Convencionais Militares”, Exército Português, 1988;
n. Manual da Escola Superior de Guerra, Angola, s/d;
o. Manual de Abreviaturas, Siglas, Símbolos e Convenções Cartográficas das Forças
Armadas de Brasil – MD33-M-02 (3ª Edição/2008);
p. Regulamento de Combate para Las Tropas Terrestres (Batalhão - Companhia), Ministério
de Las Fuerzas Armadas Revolucionárias, Cuba, s/d.

CAPÍTULO II - INTRODUÇÃO

1. Aplicação
Estes Sinais serão de utilização obrigatória nas Forças Armadas de Defesa de Moçambique.

76
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

2. Apresentação
A edição PDC 0-02-00 é indicada pelo seu código de identificação, ano de emissão, ou
revisão se aplicável e a edição.

3. Actualização
a. Com o objectivo de aperfeiçoar o presente manual, os usuários podem apresentar, sempre
que necessário, sugestões para modificações, correcções ou inclusão de outros Sinais
Convencionais.

b. As sugestões recebidas serão analisadas, visando à inclusão por meio de modificação neste
Manual conforme o anexo A.

c. As propostas de alterações poderão ser enviadas para o Estado-Maior General, no seguinte


endereço:

ESTADO - MAIOR GENERAL

DEPARTAMENTO DE DOUTRINA

Correio Electrónico/e-mail: doutrinaemg@gmail.com.

Doutrina.emg@gmail.com

CAPÍTULO III - SINAIS CONVENCIONAIS MILITARES

77
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

1. Generalidades

a. Conceitos
(1) Sinal - Termo que deriva do latim signālis. Trata-se de uma marca, um aviso ou qualquer
meio que informa ou adverte algo. Ele, geralmente, responde às convenções da sociedade
ou em grupos, por isso são facilmente compreendidas e interpretadas por quase todos.

(2) O termo sinal se refere a um símbolo, gesto ou outro tipo de signo cuja função é a de
avisar ou informar sobre alguma questão. Entretanto, o sinal substitui a palavra escrita ou
oral, conforme corresponda.

(3) Sinal convencional militar - o sinal é convencional quando obedece a certas


características para que possa ser reconhecido pelos militares.

(4) Os sinais constantes neste Manual são convenções (desenhos, números, letras, abreviaturas
ou siglas e cores) empregues para identificar graficamente em cartas, decalques,
esquemas, plantas, croquis, elementos constituintes das Forças Armadas ou a elas
relacionados e poderão ser usados isoladamente ou combinados entre si.

b. Dimensões e cores

(2) Dimensões
O desenho dos sinais deve guardar, tanto quanto possível, as devidas proporções entre o
valor dos elementos representados e a escala da carta de modo a indicar a área
aproximada que eles ocupam no terreno ou no mar, no caso de forças navais.

(2) Cores

(a) Os sinais convencionais militares que representam nossas tropas, órgãos e instalações são
desenhados a vermelho excepto artilharia, as tropas de engenharia e defesa química,
radiotécnica e de comunicações, por linhas pretas simples.

(b) Os sinais convencionais militares que representam tropas, órgãos e instalações inimigas
são desenhados a azul.

78
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

(c) A numeração e a denominação das unidades e sub-unidades, assim como as inscrições;


no que se refere às nossas tropas, a preto e às do inimigo a azul.

(d) Os sinais de campos de minas, demolições, barricadas de estradas e outros obstáculos


de engenharia são desenhados a preto.

(e) Os sinais de áreas batidas com fogos das nossas tropas, mesmo quando localizadas na
região ocupada pelo inimigo, são desenhados a vermelho.

(f) Os sinais de áreas contaminadas por agentes químicos, biológicos ou nucleares são
desenhados, tanto na região das nossas tropas como na do inimigo, em amarelo.

c. Regras para representação dos sinais convencionais no mapa de trabalho

(1) Os sinais das nossas tropas, meios de fogo e técnica de combate, se representam de acordo
com a localização real no terreno e se colocam para a direcção das acções ou da
realização de fogo;

(2) Para representar as tropas inimigas se empregará os mesmos símbolos convencionais que
se usam para as nossas tropas, mas em azul, fazendo as inscrições necessárias;

(3) Os dados da situação se representarão com os símbolos convencionais estabelecidos, com


as linhas finas, sem ocultar a base topográfica do mapa e as inscrições deste;

(4) As fontes de obtenção dos dados sobre o inimigo se representam com a cor preta, com a
letra inicial de denominação da fonte;

(5) A data e hora de obtenção de dados sobre o inimigo se escrevem debaixo da letra que
representa a fonte de dados ou na mesma linha;

(6) Os dados que requerem comprovação se assinalam com um sinal de interrogação;

(7) As acções reais das nossas tropas e sua localização se representam com os símbolos
convencionais estabelecidos com traços contínuos, enquanto, as acções previstas
(prováveis) ou planificadas, os caminhos, aeródromos e outras edificações em construção
se representam com traços descontínuos. As regiões e as posições de reserva se

79
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

representarão com traços descontínuos, mas com a letra “R” dentro do símbolo ou ao lado
dele; as regiões, alvos e obras falsas se representarão com traços descontínuos mas com a
letra “F”;

(8) Ao representar no mapa (esquema), várias situações das tropas referentes a distintas horas,
se permitirá reforçar os símbolos convencionais com traços, linhas descontínuas e outras
cores;

(9) Para que o mapa seja mais demonstrativo se pode relevar: rios, com a cor azul; pântanos,
com traços azuis, paralelos ao bordo inferior do mapa; os bosques, prados, com cor verde;
as alturas com cor castanha; (em cima se sombreia e se ressalta a curva de nível principal);
os caminhos, com cor castanha; as vias férreas, com cor preta; os povoados, incluindo as
estações ferroviárias, com o sombreado; os pontos de referência se encerram com um
círculo de cor preta ou se sublinham.

No mapa de trabalho não se pode utilizar adornos, papéis colados, nem textos detalhados.
Os dados complementares não se representam no mapa mas sim, no verso do mesmo ou
em cadernos de trabalho.

d. Representação das Nossas Forças


(1) Composição dos sinais;

(a) Sinal básico;

(b) Sinal de identificação do escalão é dispensável quando o escalão considerado for


superior a Companhia;

(c) Designação numérica ou nominal, designação de emprego específico do elemento


considerado ou, ainda, ambas as designações (grandes comandos, grandes unidades,
unidades, instalações ou órgãos);

(d) Subordinação do elemento representado (dispensável quando a própria designação do


elemento considerado possibilita a perfeita identificação da subordinação);

(e) Tipo da Arma.

80
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Exemplos:

c. 1ª Companhia do 2º Batalhão da 3ª Brigada de Infantaria Motorizada.


d. 1º Batalhão da 2ª Brigada da 3ª Divisão de Infantaria Motorizada.

a
b a
d c

1 2/3BrIMot
c
2/3 DIMot
1

e b d
a.
Legenda: b. Legenda:

a - Sinal Básico (SB) a – Sinal Básico (SB)

b -Escalão considerado b -Designação


c -Designação c- Subordinação
d- Subordinação d -Tipo da Arma
e -Tipo da Arma

2. POSTOS DE COMANDO

81
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Posto de Comando do Estado- Maior General.


01

EX
Posto de Comando do Ramo de Exército.
02 EX

FA
03 Posto de Comando do Ramo da Força Aérea.

EX

MG
04
Posto de Comando Ramo da Marinha de Guerra.

EX

CEX
Posto de Comando do Corpo do Exército.
05

EX

Posto de Comando de Divisão.


06

82
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Posto de Comando do Estabelecimento Militar de Ensino


(IB – Instrução Básica; FE – Forças Especiais; FS –
07
Formação de Sargentos; AM – Academia Militar).

08 Área de Administração Militar.

09 Posto de Comando (Estado Maior) da Brigada.

BA
Posto de Comando (Estado Maior) da Base Aérea.
10

BN
Posto de Comando (Estado Maior) da Base Naval.
11

12 Posto de Comando (Estado Maior) do Regimento.

13 Posto de Comando e Observação (Estado Maior) do


Batalhão.

83
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Fz Posto de Comando e Observação (Estado Maior) do


14 z Batalhão de Fuzileiros Navais.

Posto de Comando e Observação (Estado Maior) do Grupo


15
de Artilharia.

Posto de Comando e Observação da Companhia (Pelotão


um guião)
NB: Os Postos de Comando de Reserva e da Retaguarda, se
16
representam com os mesmos símbolos dos Postos de
Comando mas, colocando ao lado do símbolo
correspondente a sigla. Ex: PCR, PCDir. A cor dos Postos
de Comando de acordo com a arma.

Posto de Comando e Observação da Companhia de


17 Fuzileiros Navais (Pelotão um guião)
Fz

Posto de Observação (com a letra Q - Posto de Observação


Química, E - Posto de Observação de Engenharia, T - Posto
18 de Observação Técnica, Fz – de Fuzileiro, a cor do símbolo
de acordo com o tipo de tropas).

19 Observador.

84
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

3. MOVIMENTO DE UNIDADES, RECONHECIMENTO E SEGURANÇA DAS TROPAS

Coluna de marcha do Batalhão de infantaria simples.


01
(Companhia – com dois guiões, pelotão com um guião)

02 Coluna de marcha do Batalhão de Infantaria Motorizada.

03 Coluna de marcha do Batalhão de Tanques.

04 Coluna de marcha de artilharia terrestre.

05 Coluna de marcha de artilharia anti-aérea.

06 Coluna de marcha de foguetes anti-aéreos.

Coluna de marcha de unidades de tanques com tropas de


07
desembarque.

Destacamento avançado (vanguarda, retaguarda, de flanco


na composição de um batalhão de infantaria motorizada
08
reforçada com tanques e artilharia.)

Destacamento de asseguramento do trânsito em composição


09 de uma Companhia (com as letras DMO, destacamento
móvel de obstáculos).

10 Grupo de reconhecimento de profundidade.

85
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Grupo de reconhecimento (com as letras PR - patrulha de


reconhecimento, PRC - patrulha de reconhecimento
combativa, PRE - patrulha de reconhecimento de
11 engenharia, PRQ - patrulha de reconhecimento químico. As
letras dentro do símbolo significam: T - tanques; B - em
carros blindados, C - carros de combate de infantaria; CT -
em carros de transporte; P - a pé).

12 Coluna de marcha de unidades da retaguarda.

13 Coluna de tropas por linha férrea.

4. LOCALIZAÇÃO E ACÇÕES DAS PEQUENAS UNIDADES

01 Região ocupada por unidades de infantaria. (Simbolo geral)

02 BI
bb Região ocupada por batalhão de infantaria.
bB
BIB
1II

03 Região ocupada por unidades de tanques. (BTq)

3 GA
04 Região ocupada por Subunidades de artilharia.

86
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Região designada para o lançamento de desembarque


05 aéreo. (nos helicópteros com o símbolo correspondente).

06 Lugar de lançamento de carga em pára-quedas.

07 Posicionamento das subunidades na defensiva.

08 Sector de roptura na ofensiva.

09 Retirada das tropas no combate nas linhas ocupadas.

Retirada das tropas nas linhas anteriormente ocupadas


10 para as novas linhas do combate.

11 Direcção de golpe.

12 Direcção da ofensiva.

13 Linha designada para ser ocupada pelas tropas.


1 BTq
10.00.2.3

87
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Missão de combate do batalhão de infantaria simples na


14
ofensiva (companhia com dois guiões, pelotão com um
guião).

1 BI
H +2

15 Missão de combate do Batalhão de Tanques na ofensiva.


(Companhia com dois guiões, pelotão com um guião).

3 BTq
H +4

16 Missão imediata do Batalhão de Infantaria Motorizada na


ofensiva (Companhia - com dois guiões).
5 BIMot
H +2

17 Missão posterior do Batalhão de Infantaria na ofensiva.

6 BI
H+4

18 Situação das tropas a distintas horas (podem empregar-se


diferentes cores).

12:00 14:00 16:00.6.8

19 Ponto de partida (de regulação).


PP (R)
H+-

88
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Linha de partida (de regulação).


20 LP (R)
H+-

21 Linha de desdobramento em coluna de Batalhão


(Companhia - dois guiões, de Pelotão - com um guião).
LD
H+-

22 Linha de ataque (linha de introdução em combate).


LA
H+-

23 Linha de desembarque das tropas dos carros (transporte).

24 Linha de fogo da Reserva Anti-tanque.


N0. 1
2GA
T

Linha de fogo das pequenas unidades de projécteis


25 reactivos dirigidos anti-tanques.
N0.3
GAR

26 Linha de fogo das unidades de tanques.

N0.1
BTq

Linha de fogo do grupo blindado com a indicação do


26 número da linha; para outra técnica – com o respectivo
N0.3
GB.CIA
sinal.

89
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Linha de desdobramento de pelotão anti – tanques, com


27 indicação do nº de lança granadas. Com outras armas – com
respectivo sinal.
N0.3
PAT

Linha de passagem ao ataque com sub – unidades de


infantaria motorizada com maquinas de combate/ carros
28 blindados. Para outra técnica e sub – unidades, representa –
se com o sinal respectivo.

29 Linha minada do Destacamento Móvel de Obstáculos.

30 Linha divisória entre Divisões.

31 Linha divisória entre Brigadas ou Regimentos.

32 Linha divisória entre Batalhões.

33 Linha de encontro e segurança entre sub-unidades.

34 Zona de encontro.

35 Zona limite de fogo compacto.

36 Fogo concentrado de infantaria.

90
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

37 Zona de fogo anti-tanque (limite).

38 Zona provável de encontro com o inimigo.

39 Emboscada.

40 Emboscada de tanques.

Lugar onde foi capturado um prisioneiro de guerra,


Inh. 2/4 Bt 5 Brig
41 indicando a unidade a que pertence, hora e data de
4.00. 15.8
captura.

10. ARMAS DE INFANTARIA

01 Metralhadora ligeira.

02 Metralhadora média.

03 Metralhadora pesada.

04 Lança granadas anti – tanque (roquetes).

91
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

05 Lança granadas anti-tanque ligeiro.

07 Lança granadas anti – tanque pesado.

c. Carros de Combate
(2) Carros de Combate (Blindados)

L
01 Tanque ligeiro (T-55)

M
02 Tanque médio.

03 P Tanque pesado (T-72)

04 Tanque anfíbio.

05 Automotriz (autopropulsado).

06 Tanque draga-minas (equipado com meios de desminagem).

07 Tanque com equipamento Bulldozer.

Tanque de comando.
08

d. Carros de Combate

09 Carro de combate de Infantaria (BMP-2).

92
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

10 Carro de combate de infantaria (BTR 60 PB)

Carro com atrelado.


11

12 Carro de comando.

13 Automóvel pesado.

14 Transportador blindado anfíbio.

Carro de transporte (a cor do símbolo de acordo com o tipo


15
da Arma).

16 Rebocador de carros a roda.

17 Rebocador de carros de grandes atrelados.

Rebocador de Blindados.
18

19 Rebocador de Tanques.

Motociclo (Motorizada).
20

Ponto de recolha de carros avariados. A letra na parte


21 superior indica unidade. Ex. R-Regimento. Na parte inferior
indica o tipo do meio. Ex: T- tanques (C-carros).

93
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

11. ARMAS DE ARTILHARIA TERRESTRE

Sinal geral de artilharia.

e. Canhões

01 Canhão anti-tanque sem retrocesso (sem recuo).

02 Canhão anti-tanque de calibre até 85 mm.

03 Canhão anti-tanque de calibre até 100 mm.

04 Canhão anti-tanque de calibre superior a 100 mm.

Canhão de calibre até 100 mm.


05

Canhão de calibre até 152 mm.


06

07 Canhão de calibre superior a 152 mm.

f. Obuses

01 Sinal geral.

02 Obus de calibre até 122 mm.

03 Obus de calibre até 155 mm.

04 Obus de calibre superior de 155 mm.

05 Obus autopropulsado de calibre inferior a 122 mm.

94
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

06 Obus autopropulsado de calibre até 122 mm.

07 Obus autopropulsado de calibre até 155 mm.

08 Obus autopropulsado de calibre superior a 155 mm.

g. Morteiros

01 Sinal geral de morteiro.

02 Morteiro de calibre 60 mm.

03 Morteiro de calibre até 82 mm.

04 Morteiro de calibre superior a 120 mm.

05 Morteiro automático.

06
Morteiro Autopropulsado.

h. Lança Foguetes

01 Carro de combate Antitanque com projécteis reactivos


dirigidos (Piturs).

02 Lança foguetes de calibre médio (BM-21).

03 Lança foguetes de calibre pesado (BM-24).

95
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

04 Lança foguetes GRAD-I-P. (B-11).

05 Foguete teleguiado Anti- tanque portátil.

06 Foguete teleguiado Anti- tanque Autopropulsado.

07 Lança fogo ligeiro.

08 Lança fogo pesado.

09 Lança fogo autopropulsado.

Bateria de canhões de calibre até100 mm na posição de


10
fogo (outras baterias com o símbolo correspondente).

Bateria de morteiro de calibre 82 mm na posição de fogo


11
(Pelotão - com um guião).

Região das posições de fogo do Grupo de artilharia,


12
indicando-se o lugar de deslocação das baterias.

13 Região das posições de fogo do Grupo de artilharia.

Fogo Concentrado (FC) de artilharia. Indica-se o número de


14 área (as dimensões de área se representam à escala no
mapa.

96
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Fogo Concentrado (FC) de artilharia Reactiva. Indica-se o


15 número da área.

Concentração Sucessiva do Fogo (CSF). À linha se dá o nome


16
de animais ferozes e cada área se enumera.

LEAO1

Fogo Maciço (FM) “MAPUTO” com as áreas 1, 2, 3 3 e 4. (até


17 Divisão, nome de cidades; Exército, Corpo de Exército e
superior, nome de planetas).

Onda de Fogo (OF). Os sectores de fogo estão


18 compreendidos entre dois traços. Cada número corresponde
a um sector de fogo de um Grupo de Artilharia.

Fogo de Barragem Fixa (FBF) do sector A. A longitude do


19 sector se representa a escala no mapa. As diferentes
barragens se indicarão com letras maiúsculas.

TUBARÃO
1
2 Fogo de Barragem Móvel (FBM). A longitude e salto dos
3 sectores se representam à escala no mapa (recebem nomes
20
de animais marinhos).
4

Limite do sector (zona) principal de fogo (sector de tiro). A


21 cor segundo o tipo de tropas.

O limite do sector secundário de fogo. A cor segundo o tipo


22
de tropas.

97
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

23 Bateria de artilharia da costa em posição de combate.

12. ARMAS DE ARTILHARIA ANTI – AÉREA

01 Foguete anti-aéreo portátil (strelá).

02 Canhão AZP - 37mm.


Foguete anti-aéreo portátil (strelá).

03 Canhão AZP - 57mm.

04 Canhão de artilharia anti - aérea até 100 mm.

05 Metralhadora anti – aérea 14.5mm (zgu –1, dsk).

Instalação autopropulsada anti - aérea (com símbolo


06 correspondente).

07 Canhão ZCU – 57mm.

Pelotão de artilharia anti - aérea (com símbolo


08 correspondente).

98
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Bateria de artilharia anti - aérea (com símbolo


09
correspondente).

10 Complexo de foguetes portáteis (estrelá).

13. ENGENHARIA E DEFESA QUÍMICA


b. Obras e Meios de Engenharia

01 Semeiador de Minas.

02 Tanque sobre Ponte universal

03 Ponte mecanizada sobre carro de rodas.

04 Transportador anfíbio a rodas.

05 Transportador anfíbio a lagarta (PTS).

06 Balsa Autopropulsado a lagarta (GSP).

07 Parque de pontes de pontões (PMP).

08 Trincheira ocupada por uma Secção de Infantaria.

09 Trincheira com abrigo coberto e via de comunicação.

99
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Trincheira ocupada por uma peça de artilharia (para outras


10 armas com símbolo correspondente).

Campo de Minas Anti - tanques (o numerador indica o


N0 4
11 800 número de campo (CMAT) e o denominador indica a
quantidade de minas).

N0 2 Campo de Minas Contra Desembarque (o numerador


12 500
indica o número de campo (CMCD).

eCampo
o denominador indica
de Minas a quantidade
Anti-Pessoais (o de minas). indica o
numerador
13 N0 5 número de campo (CMAP) e o denominador indica a
700
quantidades de minas).

Campo de minas (representação em cartas de


14 pequena escala).

Mina de fogaça. - Em cor amarela - química; em cor preta


- mina explosiva de acção retardadora. Pode ser: anti
15
carro, contra qualquer tipo de alvos.

Nó de obstáculos de engenharia (o numerador indica o


N0 10
número de nós e o denominador indica a quantidade de
16 300 munições ou minas a empregar).

N0 8 Passagem nos campos de minas. O numerador indica o


17 20 número de passagem, e o denominador indica a largura de
passagem em metros.

Abrigo para carros de transporte (para outras armas com o


18 símbolo correspondente).

19 Abrigo coberto.

coberto

20 Abrigo ligeiro coberto

coberto

100
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Abrigo reforçado (Blindagem).


21
coberto
Refúgio com protecção ligeira (refúgio de grande protecção,
22 recarregado a cor preta).

Escarpa /contra escarpa.


23 ;

24 Fosso antitanque.

25 Abatizes minados (árvores abatidas e minas).

26 Ponte destruída (alvo).

Ponte preparada para destruição (alvo).


27

Troço de caminho destruído.


28

29 Parte da Estrada destruída.

30 Caminho de tropas.

31 Rota de coluna de marcha.

101
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Troço do caminho inundado com uma profundidade de


32 0.8
0,8m.

33 ZCS Zona ocupada pela Companhia de sapadores.

G.R.E
34 Grupo de Reconhecimento da Engenharia.

35 Posto de observação da Engenharia.


E

Ponto de abastecimento de água (P- poço tubular, M-


M8
36 manancial, 8-o número da produtividade em metros cúbicos
por hora).

37 Troço de caminho camuflado.

Reflectores angulares.
38

39 Redes de camuflagem contra meios de radiolocalização.

F
40 Região falsa de localização de tropas. F- indica falso; e o
BTq
denominador - indica o tipo de Unidade.

BTq

102
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Passagem em meios de desembarque (indicando a


quantidade e tipos de meios).

Travessia a vau para tanques (o numerador indica: 3- a


profundidade, 20- largura do rio, 50-largura do traçado em
3-20-50
A -0.8 metros. O denominador indica o carácter do fundo, A-areia,
0.8-velocidade da corrente em m/seg.)
3-50 Passagem construída com pontões (o numerador indica: 3-
PMP
quantidade de pontões, 50-capacidade suportante em
toneladas, o denominador indica o tipo de pontão).
41 120-4
Ponte sobre apoios rígidos (o numerador indica: 120- largura,
60
4-altura em metros. O denominador, 60-capacidade
suportante em toneladas).
Pontes sobre pontões flutuantes (as letras ao lado do símbolo
120
PMP 60 representam: PMP-tipo de parque, o numerador indica, 120-
largura da ponte. O denominador indica 60- capacidade
suportante em tonelada).
0.8 – 120
Local de travessia a vau (o numerador indica: 0.8-
D - 05
profundidade, 120 largura de passagem em metros; o
denominador indica o carácter do fundo, D- duro, 05-
velocidade da corrente em m/seg).

14. ARMAS QUÍMICAS E BACTERIOLÓGICAS E DEFESA CONTRA ELAS


Carros de tratamento especial (no interior se assinala o tipo
01 de carro especial).

Linha de segurança.
02

Linha de emissão de fumos.


03

04 Linha de emissão de fumos com carros.

103
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

05 Linha para uso de meios individuais de protecção.

5-A Região de destruição e derrube como resultado de um golpe


06 18.00. 7.2 ..
nuclear do inimigo.

5-A
Região de Explosão nuclear (no numerador: a cifra indica a
10.00. 15.1
07 potência em kTon, A- aérea).

RTE Nº15
08 Região planificada para o tratamento especial.

Oficina fixa de reparação dos meios químicos (os de órgãos


09 Q civis vem a vermelho)

10 Ponto de medição do nível de contaminação de cada soldado.

Ponto de direcção e processamento da Companhia de


11 1 control especial.

Linha de desdobramento de pequenas unidades de lança-


12
chamas ligeiras.

Linha de desdobramento de pequenas unidades de lança-


13
chamas pesadas.

C
Prognóstico da zona contaminada com substâncias
A B
14 radioactivas. A- zona de fraca contaminação, B- zona de média
10-T contaminação, C- zona de forte contaminação.
8.00.10.1

Potência da dose dada pela explosão radioactiva no ponto


15 5 R/H determinado do terreno. No numerador - o nível de radiação
8.00. 15. 6
em rotação por horas, no denominador a hora e data de
medição.

104
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

16 Mina nuclear.

Sector (região) contaminado pelo inimigo com meios


17
biológicos. (cor castanha).

Área contaminada com substâncias tóxicas pela artilharia (as


18 flechas indicam a direcção de propagação dos vapores de
substancias tóxicas).

Área contaminada de substâncias tóxicas pela aviação


19 empregando a rega de aerossóis.

20 Área contaminada com substâncias tóxicas por foguetes.

Área contaminada por substâncias tóxicas pela artilharia


reactiva. A linha contínua determina a zona afectada,
21 incluindo a descontínua, a zona de contaminação (só no caso
dos V- gazes).

Área contaminada com substâncias tóxicas pelos ataques da


22 aviação com bombas.

Sector contaminado com substâncias tóxicas, limitado pelo


2 P DQ
reconhecimento radioactivo e químico (o numerador indica a
7.00.10.3 subunidade de reconhecimento radioactivo e químico, no
23
denominador - a hora e data em que realiza a delimitação do
sector).

Zona de contaminação radioactiva representada por dados


24
prognósticos pelo método de sectores.

105
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Zonas de contaminação radioactiva representada por dados


25 diagnósticos.

Zona de incêndios (prognosticadas).


26

NAPALM- 5 AV Ataque com meios incendiários (o numerador indica a


substância incendiária e o meio de emprego e o denominador,
27 700.8.3
a hora e data.)

5000.30.3
Direcção e velocidade do vento nas camadas baixas,
5 indicando a nebulosidade, temperatura do ar, data e hora (5-
6 velocidade do vento em m/Seg.; 6 – nebulosidade;
28 Ar 25º
Terreno 26º 25 – Temperatura do ar; 26 – temperatura do terreno, a
flecha indica a direcção do vento).

400.30.3
30

Direcção e velocidade do vento médio por altura, indicando


12
29 o tempo no qual foram determinadas. Altura em km; 30 –
90º
velocidade do vento em km/H; 90 – direcção do vento

em graus.

Estação de intersecção de explosões nucleares.


30

31 ECA Estações (grupo) de cálculos e análises (GLA).

106
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Companhia de control especial na posição de guarda


32 combativa (com a capacidade de desviar mísseis).

Patrulha de exploração química e radioactiva em composição


P C
33 de uma secção a pé ou de carro.

Lança chamas.
34

35 OQ Laboratório químico de campanha.

36 Laboratório químico estacionário.

37 PTE Ponto de Tratamento Especial, com letra PD – Ponto de


desgasificação.

38 Ponto de colecção e procedimento dos dados do batalhão de


PRPD control especial.

39 PA Ponto de abastecimento com soluções desactivadoras.

R Ponto de recolecção do vestuário, equipamento e meios


40 individuais de protecção.

Ponto de recolecção de meios contaminados (nível que


41 DIM representa).

42 PCD Ponto de control decimétrico.

43 PD Ponto de desgasificação.

Ponto estacionário de control radioactiva (onde o “2’’indica


44 2
o código de identificação).

107
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Posto de informação química na composição duma secção de


exploração radioactiva e química, a vermelho para as
45 pequenas unidades não orgânicas.
P.I.Q.
.

Região de Tratamento Especial (ATE – Área de Tratamento


46 RTE Especial).

Região de terreno contaminado representado por dados de


47 reconhecimento.

48 Região de camuflagem fumígena com carros especiais.

49 Região de camuflagem com botes fumígenos.

C
C C

50 Região reconhecida.
C C
C

51
Limites da zona de propagação dos incêndios.

52 Limites de zona de intersecção das explosões nucleares.

53 Passagem desgaseificada.

108
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Itinerário de realização do reconhecimento radioactivo e


54
químico em carro.

DLC
55
Destacamento de liquidação das consequências.

10. ARMAS DA FORÇA AÉREA

01 Avião de caça.

02 Avião Caça- bombardeiro.

Bombardeiro médio.
03

04 Avião ligeiro de assalto.

05 Avião pesado de assalto.

06 Avião ligeiro de transporte.

109
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

07 Avião médio de transporte.

08 Avião pesado de transporte.

09 Avião de reconhecimento.

10 Avião de busca e salvamento.

11 Drone.

12 Helicóptero.

13 Helicóptero ligeiro de transporte.

14 Helicóptero de combate.

15 Helicóptero de busca e salvamento.

16 Helicóptero de saúde.

110
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

17 Plataforma de aterragem.

H-6000

18 Corredor aéreo, determinando a altura e a direcção do voo


6 MIG-21 H-9000 de aviação.
1600 - 30.3

Combate aéreo, indicando-se a quantidade e tipo de aviões,


19
altura, data e horas.

4 EDRON
900 - 30.3 Golpes de aviação inimiga com meios convencionais de
20 destruição.

21 Complexo de mísseis anti- aéreos de curto alcance.

Complexo de mísseis anti- aéreos de médio alcance.


22

23 Complexo de mísseis anti- aéreos de longo alcance.

24 Complexo de mísseis balísticos anti- aéreos.

Máquina de combate com complexos de mísseis anti-


aéreos de curto alcance. Pode se representar de acordo
25
com o tipo de complexo e o meio de auto – propulsão.

26 AO Aparelho de observação.

111
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

27 Bateria de artilharia anti - aérea na posição de fogo.

28
Grupo de artilharia anti - aérea na posição de fogo.

h. Meios Raditécnicos
Estação de Rádio localização (símbolo geral) ao lado do
01 símbolo indica-se o tipo e a designação da Estação.

02 Estação de Rádio localização estacionária.

Estação de Rádio localização protegida.


03

Complexo de Rádio localização de diapasão altimétrica


04
(Estação).

05 Rádio Altímetro (Radar medidor de Alturas).

06 Estação de Rádio localização na posição de montada.

Estação de Rádio localização passiva (propagação


07
infravermelha).

112
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

08 Estação de Rádio localização longínqua.

09 Estação de Rádio localização automática.

10
Estação de Rádio navegação proxima.

11 Nº (do grupo) do complexo de dispositivos técnicos de


controle.

12 Transmissor de interferências lançavél (com menção de sua


distinção c- comunicação).

13
Região proibida para colocação de meios Rádio.
.electrónico.

Interferências não premeditadas entre os meios Rádio


14 electrónicos.

15 Espaço da rota de voo onde se coloca interferências activas.

16 Espaço da rota de voo onde se coloca interferências


passivas.

17 Estação da Rádio independente móvel (isolada).


1
1
4
18 Estação da Rádio independente portátil (isolada).

113
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

19 Centro de transmissão e recepção de comunicação.

20 Estação de Rádio pendurável.


1
4

21 Rede de Rádio.
1 1 1
1 1 4
4 4
22 Radio estação de aproximação.
1
4

23 Radiogoniómetro.

1
4

24 Aeródromo.

Aeródromo da 3ª classe com pista de aterragem de 1200-


25 1700 metros de comprimento.

Aeródromo da 2ª classe com pista de aterragem de 1800-


26 2400 metros de comprimento.

27 Aeródromo da 1ª classe com pista de aterragem de 2500-


3000 metros de comprimento.

28 Pista de aterragem de terra batida.

114
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

15. MARINHA DE GUERRA


b. Componente Naval

BN Base Naval.
01

02
Sub - Base Naval.

03 Pista de aterragem.

04 Aerodromo.

05 Porta aviões.

06 Porta - helicópteros.

07 Submarino atómico. (SA)

08 Submarino atómico porta mísseis.

09 Submarino à diesel. (SD)

10 Submarino grande à diesel.

11 Submarino médio.

12 Submarino pequeno.

13 Submarino super pequeno.

115
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

14 Submarino na posição de submersão.

15 Cruzador grande.

16 Cruzador médio.

17 Cruzador pequeno.

18 Cruzador lança mísseis.

19 Navio Destruidor (Destroier).

20 Navio destruidor de foguetes.

21 Navio patrulheiro.

22 Navio guarda costeira.

23 Navio anti -submarino grande.

24
comunicação
Navio anti-submarino pequeno.

comunicação
25 Navio de comunicação.

Navio grande lança mísseis.


26

27 Navio pequeno lança mísseis.

116
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

28 Navio de desembarque.

Navio draga-minas. (Com letras B-base; M-maritimo;


29 C-canal).

30 Navio tanque.

31 Navio auxiliar.

32 Navio Hospital.

33 TR Navio de Transporte.

34 Navio pesqueiro.

35 Rebocador.

Lancha submarino.
36

Lancha lança foguetes.


37

38 Lancha pequena lança torpedo.

39 Lancha grande lança torpedo.

40 Lancha media lança torpedo.

41 Lancha de artilharia.

42 Lancha de desembarque.

43 Lancha grande lança mísseis.

117
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

44 Lancha pequena lança mísseis.

Linha de vigilância.
Lancha de fiscalização (patrulheiro).
45

Avião ambulância.
46

Avião de abastecimento de combustível.


47

48 Helicóptero.

49 Helicóptero pesado.

Helicóptero naval.
50

51 Avião caça – submarina de longo alcance.

52 Avião caça submarino de curto alcance.

118
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Avião caça submarino com mísseis.


53

Helicóptero anti – submarino.


54

55 Avião porta – mísseis.

56 Avião lança - torpedo.

57 Linha de vigilância.

58 Linha divisória entre navios de superfície e submarinos.

Linha divisória entre zonas de acção dos navios


59
independentes.

Sector de realização do desembarque naval (os pontos


60
indicam o lugar de desembarque).

i. Fuzileiros Navais

01 Unidade anfíbia.

Unidade anfíbia mecanizada (rodas).


02

119
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

03 Unidade anfíbia mecanizada de recuperação.

04 Unidade anfíbia mecanizada (rodas) de recuperação.

.
05 Unidade anfíbia de morteiros.

06 Unidade anfíbia de artilharia.

07 Unidade de combate naval.

08 Batalhão de fuzileiros.

09 Unidade anfíbia de reconhecimento.

10 Unidade anfíbia de infantaria mecanizada.

11 UOEN Unidade de operações especiais naval (UOEN).

12 Unidade de operações especiais terrestres.

UOE
13 Unidade de operações especiais (UOE).

14 Unidade de operações especiais - Op psicológicas (Ops).

15 cA Unidade de operações especiais - assuntos civis.

120
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

16 Unidade de operações especiais de helicóptero.

17 Ø Equipa/Tripulação

18 • Esquadra

19 •• Secção

12. COMUNICAÇÕES

a. Centro de comunicações e seus elementos

Centros das comunicações dos postos de comando (no centro


01 indica se posto de comando).

Centro das comunicações fixas do Ministério da Defesa


02 Nacional.

03 Centro de comunicações fixo da rede estatal.

CC – Centro de comunicações, CCAp – Centro de comunicação


04 de Apoio, CCAv – Centro de comunicação Avançado e CCR –
Centro de Comunicações de Reserva.

05 Centro de comunicações no avião.

06 Centro de Comunicações no helicóptero.

121
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Centro de comunicações no blindado (dentro do sinal indica se


07
o tipo de meio de comunicação).

08 Carro de comando no esquema da comunicação por radio


(dentro do sinal indica - se o tipo do carro).

Centro de comunicações na viatura (dentro do sinal indica - se


09 o tipo do meio de comunicação).

Central telefónica – CTF. Central Telegráfica – CTG (em baixo


do sinal indica-se os tipos e quantidade dos meios de
10 comunicação).

11 PRC – Posto de Rádio Controlo.

Reserva dos efectivos e meio de comunicação (em baixo do


12 sinal indica –se o número de comunicação da reserva).

j. Meios de comunicação por Rádio


(Dentro do sinal indica-se o tipo da Estação de Rádio, Receptor e Emissor).

01 Estação de radio móvel.

02 Estação de Rádio portátil.

03 Estação de Rádio no tanque.

04 Estação de rádio na viatura.

122
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

05 Estação de rádio no blindado.

06 Estação de rádio no avião.

Receptor de Rádio fixo (dentro de sinal indica-se a


07 sensibilidade).

Receptor de Rádio (dentro de sinal indica-se o tipo do


08
receptor).

09 Grupo de Estação de Rádio.

Centro emissor (em baixo do sinal indica-se a quantidade e


10 tipos dos emissores).

Centro receptor (em baixo do sinal indica-se a quantidade e os


11 tipos dos receptores).

12 Posto de retransmissão na viatura.

13 Posto de retransmissão no helicóptero.

123
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

14 Rádio Direcção.

15 Rede de Rádio.

16 Estação de Rádio com amplificador.

k. Meios de Comunicação por Micro – ondas (dentro do sinal indica – se o tipo da


Estação)

01 Centro de transmissão e recepção de comunicação cósmica.

02 Estação de Micro – ondas móvel.

03 Estação de Micro – ondas fixa.

04 Estação de Micro – ondas direcional.

05 Estação de Micro – ondas omnidirecional.

06 Linha de Comunicação por Micro – ondas.

124
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

07 Telefone inteligente / sem fio.

08 Grupo de Telefones inteligente / sem fio.

l. Regime de trabalho (dentro do sinal ou em baixo indica – se o tipo de meio)

01 Comunicação telegráfica.

02 Comunicação telefônica.

03 Comunicação de voz.

04 Comunicação Intercomunicador.

05 Comunicação de dados, voz e imagem.

m. Linhas de Comunicação

01 Linha (aérea e permanente) de cabos (quantidade dos fios no


espaço da interrupção da linha).

02 Linha de campanha dos dois fios (quantidade dos fios no


espaço da interrupção da linha).

03 PD - Ponto de distribuição.

04 Cabo de fibra Óptica.

125
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

05 Distribuidor de três entradas.

06 Poste Telefônico com apoios.

07 Poste Telefônico com ganchos.

08 AD - Armário de distribuição.

09 CDTS - Caixa de distribuição telefônica subterrânea.

10 Posto de amplificação do sinal telefônico e manutenção.

11
Posto de amplificação do sinal telefônico a chegada.

12 Roteador de canais (indica – se a quantidade dos canais).

n. Comunicação por correio militar

01 Estação central de correios militares (dentro do sinal indica-se


o número da caixa postal).

126
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

Posto postal dos correios militares (dentro do sinal Indica-se o


02
número da caixa postal).

Posto de troca da Comunicação por estafeta (dentro do Sinal


03
indica-se o número do posto de troca correspondência).

04 Posto da comunicação de Correios de Moçambique.

h. Comunicação por meios móveis

01 Estafeta.

Motocicleta.
02

03 Carro postal.

04 Viatura.

05 Blindado.

06 Navio de comunicação.

07 Avião de comunicação.

08 Helicóptero de comunicação.

127
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

i. Meios de guerra electrônica

Meio da GE móvel (Indica-se o tipo de meio no centro do sinal).


01

02
Meio da GE fixo.

03 Avião da GE.

Grupo dos meios da GE na posição.


04

05 Zona Limite provável das interferências de Rádio do inimigo.

Zona limite provável da intercepção e radiolocalização dos


06 nossos meios electrônicos e da parte do inimigo.

j. Armazéns e oficinas das Comunicações

Armazém Central de Comunicações(a direita do sinal indica-se


01 o número do armazém).

02 Armazém das comunicações do Ramo.

03 Oficina Central das comunicações


OCC

128
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

04 Oficina das Comunicações do Ramo.


ORC

05 Oficina móvel.

l. Meios informáticos

01 Computador.

02 Grupo de Computadores.

03 Rede de computadores.

13. LOGÍSTICA

01 C Armazém de combustível da Brigada/Regimento (MU –


munições).

02 Serviços de Manutenção Oficinal (SMO).

03 AMU Armazém de munições do batalhão (C – combustível).

04 Serviços de Intendência.

05 Carro cisterna.

129
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

06 Tenda auxiliar de combustíveis.

14. FINANÇAS

01 Serviços de finanças

15. SAÚDE

01 Hospital

02 Centro Nacional de Abastecimento de Medicamentos e


Material.

03 Destacamento de Medicina Preventiva.

04 Posto médico da Brigada (Regimento).

05 Posto médico do Batalhão ou U.I.

06 Secção sanitária da Companhia

07 Abrigo de feridos.

08 Ponto de recolha de prisioneiros (com a letra B - de Brigada).

130
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

09 Ferido. [com dois diagonais ou cruz indica morto].

10 Helicóptero sanitário.

11
Carro sanitário.

16. SINAIS CONVENCIONAIS DIVERSOS.

Comandante (com letra R - de Região, I - de Itinerário, A -


01 Área).
R
r

02 R Posto de Regulação de Trânsito ou Regulador (com a letra CD-


Posto de controlo de documentos, C - Posto de comando).

03 Indicador de Caminhos.

04 Posto de Regulação Especial.


PRE

17. SINAIS DE IDENTIFICAÇÃO DOS MEIOS DE COMBATE

No combate, existem normas para identificar os carros de combate:

5. O Sinal de identificação de grande unidade é estabelecido pelo comandante superior e muda-se


periodicamente;

6. O número convencional é também estabelecido pelo comandante de grande unidade e


representa-se por três algarismos;

131
Sinais Convencionais Militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)

7. Para cada unidade, o comandante designa cem números para a composição de números
convencionais;

8. Os sinais de identificação e os números convencionais são pintados a branco:

 Nos tanques – sobre a torre, atrás e nos laterais;


 Nas automotrizes – sobre as pranchas laterais e traseiras do compartimento de combate;
 Nos transportadores blindados - sobre as pranchas laterais superiores e sobre a prancha traseira
do corpo.
 Nos Helicópteros – na parte lateral da cauda fica o número; na barriga, o emblema/bandeira;
 Nos caças – nos laterais o número de identificação, enquanto na ponta da cauda, fica o
emblema/bandeira;
 Nos Navios de guerra – nos laterais.
 Dimensões do sinal de identificação:
 Altura - 25-30 centímetros;
 O comprimento - se estabelece em proporção com altura.

 Dimensões dos algarismos:


 Altura 30-40 cm,
 O comprimento do algarismo constitui 2/3 da altura e o comprimento das linhas igual a 1/6 da
altura.

132