Vous êtes sur la page 1sur 3

SXMostrando postagens mais recentes com o marcador Valores.

Mostrar postagens mais


antigas
Mostrando postagens mais recentes com o marcador Valores. Mostrar postagens mais
antigas

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Um retrato de família
Nessas últimas décadas, precisamos entender como as mudanças sociais, morais e
econômicas, pelas quais o mundo tem passado, afetaram profundamente a imagem da
família.
http://4.bp.blogspot.com/_867DwHEWqvo/SkzFaH6sc4I/AAAAAAAAAHI/sn
dcCq2PySo/s1600/filhos-brincadeiras-100308.jpg

O sociólogo e historiador Carle Zimmerman em seu livro FAMÍLIA E


CIVILIZAÇÃO (1947) publicou suas profundas observações sobre a relação existente
entre a desintegração de várias culturas, paralelamente ao declínio da vida familiar
das mesmas. Sete características específicas no comportamento doméstico
determinam a queda de cada cultura estudada por ele:
* Casamentos que perdem sua qualidade de “sagrado” freqüentemente terminam em
divórcio.
* O significado tradicional da cerimônia do casamento é perdido.
* O desrespeito público aos pais e autoridades em geral.
* O aumento da delinqüência juvenil, promiscuidade e rebelião.
* Relutância e, até mesmo, recusa em aceitar os padrões tradicionais para o casamento e a
responsabilidade familiar.
* Crescente desejo de aceitação do adultério.
* Interesse, sempre maior, por perversões sexuais. Aumento dos crimes relativos à sexo.
Parece que esse homem publicou suas profundas observações sobre a família, não em 1947,
mas no início deste milênio.
Quando perguntam minha opinião sobre a atual situação da decadência social e moral
da família afirmo que a principal causa é espiritual. Caso você tenha alguma dúvida
sobre isso, dê uma olhada nas seguintes estatísticas:
* Até o final do século XX, um em cada dois casamentos terminou em divórcio.
* Hoje à noite, mais de dois milhões de meninas praticarão prostituição para sustentar
alguma criança gerada fora do casamento, ou, algum vício.
* Mais de 50% dos adolescentes e jovens brasileiros evangélicos são sexualmente ativos.
* 89% dos jovens brasileiros, em geral, se casarão sem ser virgens (de acordo com uma
pesquisa da Revista VEJA).
* Cinco milhões de abortos são praticados anualmente, dos quais, a grande maioria é feita
clandestinamente.
* Uma criança que assiste duas horas de televisão por dia, até atingir a maioridade, terá
contato com 15.184 piadas sobre sexo, 96.798 cenas de nudez e mais de 163.000 tiros, além
de ter presenciado mais de 130.000 assassinatos.
Quais são alguns fatores que têm contribuído para este retrato da família no Brasil?
1- Ausência de Deus na educação e no estilo de vida da família.
2- Ausência dos pais no lar.
3- Falta de diálogo aberto entre pais e filhos.
4- A presença de vários programas oferecidos pelos diversos veículos de comunicação que
propagam falsos valores e incentivam o consumismo e a prática da imoralidade.
Essas coisas têm contribuído para o desenvolvimento de um comportamento social e moral
influenciado pelo Humanismo (o homem é o centro da vida) e o Secularismo (negação da
existência de Deus). Tornamo-nos uma sociedade onde pais e filhos buscam
obsessivamente a auto-realização por meio do Hedonismo (busca pelo prazer) e do
Materialismo (a aquisição de bens).
Em decorrência disso quantas vezes temos ouvido frases como esta:
“Não sinto mais nada por minha esposa. Vou procurar outra pessoa que me complete
emocional e fisicamente!”

Se o homem é o centro de sua vida, então voltará somente para si suas atenções,
considerando-se o mais importante de tudo. Então, se o cônjuge deixa de satisfazê-lo,
simplesmente troca por outro!
Portanto, vejo que o problema fundamental da família, hoje, é a falta de espiritualidade, que
por sua vez gera a exacerbação do egoísmo, motivado pela realização pessoal, busca dos
prazeres e obsessão pelo material, intensificados pelos conceitos humanistas que
influenciam profundamente a sociedade em que vivemos.
À luz dessa triste situação chegamos à conclusão de que a família, em nossa cultura,
encontra-se seriamente abalada. Nós precisamos cuidar, com urgência, de nossas famílias.
As Escrituras ensinam que a família é essencial na existência de uma sociedade e, como
parte dela, pais e filhos devem conhecer o propósito de Deus e aprender a se relacionar
suprindo mutuamente, por amor, suas necessidades.
Por isso, invista em sua família para que ela seja:
Uma fonte de suprimento
Observando a proposta divina para o relacionamento familiar vemos, claramente, que o
ideal é que no lar cada um deve procurar suprir as necessidades do outro. Suprindo não
somente às necessidades básicas, mas, também, as emocionais e sociais. As mais variadas
agências governamentais e particulares que existem, como asilos, casas para mães solteiras,
orfanatos, etc..., têm o objetivo de fazer o papel que a família, por incapacidade ou
desinteresse, não assume. O apóstolo Paulo afirma: “Ora, se alguém não tem cuidado dos
seus e especialmente dos de sua própria casa, tem negado a fé...” – I Timóteo 5:8.
Um centro de convivência saudável
A família deve ser um centro de convivência saudável onde devemos aprender a nos
relacionar em cada esfera da vida. Essa proposta está muito clara em I Timóteo 5.12: “Não
repreendas ao homem idoso, antes exorta-o como a pai; aos moços, como a irmãos; às
mulheres idosas como a mães; às moças, como a irmãs, com toda pureza.” Se, como
adultos, temos dificuldades em nossos relacionamentos interpessoais, provavelmente não
aprendemos no lar o que deveríamos ter aprendido.
Quando Deus instituiu a família, afirmou: “Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei
uma auxiliadora que lhe seja idônea.” – Gênesis 2:18. Dessa forma Ele estabeleceu a
relação conjugal com o propósito de suprir às necessidades do ser humano no contexto
familiar, pois, nos tornamos melhores e mais realizados quando suprimos nossas
necessidades por meio do que recebemos de nossos cônjuges, filhos, pais, etc.
Jaime Kemp
Teólogo
Postado por By Descubra Esse Poder às 17:30
Enviar por e-mail BlogThis! Compartilhar no Twitter Compartilhar no Facebook
Compartilhar no Google Buzz
0 comentários Marcadores: Lições Para Nosso Tempo, Relacionamentos, Sociedade