Vous êtes sur la page 1sur 11

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TELECOMUNICAÇÕES ICA 102-14 REDES TELEFÔNICAS TF-2, TF-3 E ENLACES

TELECOMUNICAÇÕES

ICA 102-14

REDES TELEFÔNICAS TF-2, TF-3

E

ENLACES TF-1

2007

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO

DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO TELECOMUNICAÇÕES ICA 102-14 REDES TELEFÔNICAS TF-2,

TELECOMUNICAÇÕES

ICA 102-14

REDES TELEFÔNICAS TF-2, TF-3

E

ENLACES TF-1

2007

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO PORTARIA DECEA Nº

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO

PORTARIA DECEA Nº 22/SDOP, DE 26 DE JUNHO DE 2007.

Aprova a edição da Instrução que trata das Redes Telefônicas TF-2, TF-3 e Enlaces

TF-1.

O CHEFE DO SUBDEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES DO DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO (SDOP), no uso das atribuições que lhe confere o art. 1º, inciso III, alínea “g” da Portaria N o 34-T/DGCEA, de 15 de março de 2007, resolve:

Art. 1º Aprovar a edição da ICA 102-14 “Redes Telefônicas TF-2, TF-3 e Enlaces TF-1”, que com esta baixa.

Art. 2º Esta Instrução entra em vigor na data de sua publicação.

Art. 3º Revoga-se a IMA 102-14, de 30 de novembro de 1995, aprovada pelo Boletim Interno da DEPV 208, de 7 de novembro de 1995.

Brig Ar JOSÉ ROBERTO MACHADO E SILVA Chefe do SDOP

(Publicada no BCA nº 138,de 19 de julho de 2007)

ICA 102-14/2007

SUMÁRIO

PREFÁCIO

 

7

1

DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 9

1.1

FINALIDADE 9

1.2

CONCEITUAÇÃO

9

1.3

COMPETÊNCIA

9

1.4

ÂMBITO

9

2

REDES TELEFÔNICAS TF-2, TF-3, E ENLACES TF-1

10

2.1

COMPOSIÇÃO

10

2.2

CARACTERÍSTICAS TÉCNICO-OPERACIONAIS

10

2.3

MANUTENÇÃO

10

3

CRITÉRIOS PARA INSTALAÇÃO DE RAMAIS E ENLACES

11

3.1

CLASSIFICAÇÃO DE ÓRGÃOS DE CONTROLE DE TRÁFEGO AÉREO

11

3.2

OS ENLACES TF-1 SERÃO INSTALADOS

12

3.3

SERÃO ASSINANTES DA REDE TELEFÔNICA TF-2

12

3.4

SERÃO ASSINANTES DA REDE TELEFÔNICA TF-3

12

4

DISPOSIÇÕES

GERAIS

13

5

DISPOSIÇÕES

FINAIS

14

ICA 102-14/2007

PREFÁCIO

A edição desta Instrução tem por objetivo padronizar os critérios para instalação de terminais de assinantes das Redes Telefônicas TF-2, TF-3 e Enlaces TF-1. As listas atualizadas contendo os assinantes das redes TF-2 e TF-3, estão disponíveis na página D-CNS, no sítio do DECEA, na INTRAER.

ICA 102-14/2007

1

DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

1.1

FINALIDADE

A presente Instrução tem por objetivo estabelecer os critérios para instalação

de terminais de assinantes das Redes Telefônicas TF-2, TF-3 e dos Enlaces TF-1, bem como

os procedimentos para sua utilização.

1.2

CONCEITUAÇÃO

1.2.1

ENLACE TELEFÔNICO TF-1

Enlace Telefônico, não comutado, de alta prioridade, que permite ligações instantâneas entre órgãos operacionais, para fins de coordenação e controle do tráfego aéreo e operações aéreas militares.

1.2.2 REDE TELEFÔNICA TF-2

A rede telefônica TF-2 destina-se às comunicações orais, relacionadas,

exclusivamente, com as de coordenação e controle do tráfego aéreo e operações aéreas

militares.

1.2.3 REDE TELEFÔNICA TF-3

A rede telefônica TF-3 destina-se às comunicações orais, para fins

operacionais, técnicos e administrativos, relacionadas com o Sistema de Controle do Espaço Aéreo Brasileiro.

1.3 COMPETÊNCIA

Compete ao Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), a ação técnica e operacional sobre as redes telefônicas TF-2, TF-3 e os enlaces TF-1.

1.4

ÂMBITO

A

presente Instrução, de observância obrigatória, aplica-se a todos os usuários

das redes TF-2, TF-3 e dos enlaces TF-1.

10

ICA 102-14/2007

2

REDES TELEFÔNICAS TF-2, TF-3 E ENLACES TF-1

2.1

COMPOSIÇÃO

2.1.1

ENLACES TELEFÔNICOS TF-1

Os enlaces telefônicos TF-1 são constituídos de circuitos ponto-a-ponto, interligando os órgãos operacionais.

2.1.2 REDE TELEFÔNICA TF-2

A rede telefônica TF-2 é constituída de centrais telefônicas digitais ou IP sem

comunicação com a central telefônica da operadora pública, e são instaladas em locais onde

o número de assinantes justifique sua implantação.

2.1.3 REDE TELEFÔNICA TF-3

A rede telefônica TF-3 é constituída de centrais telefônicas digitais ou IP sem

comunicação com da central telefônica da operadora pública, e são instaladas em locais onde

o número de assinantes justifique sua implantação.

2.1.4 A princípio, os órgãos situados em localidades não providas de centrais telefônicas

TF-2 ou TF-3, serão assinantes remotos da central mais próxima ou com maior viabilidade técnica.

2.1.5 O número de assinantes das redes telefônicas TF-2 e TF-3 deverá ser definido

conforme as necessidades dos órgãos do SISCEAB e a reserva técnica de 10% da sua capacidade final.

2.1.6 Caberá ao Subdepartamento de Operações do DECEA, a compatibilização dos

requisitos operacionais estabelecidos na presente instrução.

2.2

CARACTERÍSTICAS TÉCNICO-OPERACIONAIS

2.2.1

ENLACES TELEFÔNICOS TF-1

Os enlaces telefônicos TF-1 devem proporcionar comunicações de alta confiabilidade aos seus usuários, proporcionando uma conexão instantânea entre os mesmos.

2.2.2 REDE TELEFÔNICA TF-2 e TF-3

As redes telefônicas TF-2 e TF-3 deverão ser capazes de proporcionar comunicações entre seus assinantes com um grau de serviço adequado, possibilitando uma conexão entre os usuários em um tempo estimado de, no máximo, 15 segundos.

2.3 MANUTENÇÃO

A manutenção das redes telefônicas TF-2, TF-3 e dos enlaces TF-1 é da

responsabilidade do órgão regional do DECEA, em cuja área de jurisdição estiver localizada

a respectiva central ou enlace.

ICA 102-14/2007

11

3

CRITÉRIOS PARA INSTALAÇÃO DE RAMAIS E ENLACES

3.1

CLASSIFICAÇÃO DE ÓRGÃOS DE CONTROLE DE TRÁFEGO AÉREO

Os órgãos de controle de tráfego aéreo são classificados em função do movimento de tráfego aéreo no espaço aéreo considerado, exceto as Torres de Controle de Aeródromo. Estas, terão sua classificação definida de acordo com o movimento total anual de tráfego aéreo (MTA) e com o tipo de operação para o qual o aeródromo é homologado (IFR ou VFR).

3.1.1

CLASSES DE TORRE DE CONTROLE DE AERÓDROMO (TWR)

3.1.1.1

TWR de Aeródromo Homologado para Operações IFR

CLASSE

Movimento Total Anual de Tráfego Aéreo (MTA)

A

 

MTA > 100.000

B

60.000

< MTA < 100.000

C

40.000

< MTA < 60.000

D

 

MTA < 40.000

3.1.1.2 TWR de Aeródromo Homologado Somente para Operações VFR

CLASSE

Movimento Total Anual de Tráfego Aéreo (MTA)

B

 

MTA > 40.000

C

15.000

< MTA < 40.000

D

 

MTA < 15.000

NOTA: O Movimento Total Anual de Tráfego Aéreo (MTA), em aeródromo, expressa o número total de operações de pouso, decolagens e toque e arremetida de aeronaves no aeródromo considerado, no período de um ano.

3.1.2 CLASSES DE CONTROLE DE APROXIMAÇÃO (APP)

CLASSE

Movimento Total Anual de Tráfego Aéreo (MTA)

A

 

MTA > 200.000

B

70.000

< MTA < 200.000

C

25.000

< MTA < 70.000

D

 

MTA < 25.000

12

ICA 102-14/2007

3.2

OS ENLACES TF-1 SERÃO INSTALADOS

 

a) entre ACC adjacentes;

b) entre ACC e APP em transferência radar de responsabilidade deste ACC;

c) entre ACC e COPM que proporcionem serviços dentro de uma mesma área de jurisdição;

d) entre os APP adjacentes com transferência radar, a critério do DECEA;

e) entre COPM e APP em transferência radar de responsabilidade deste COPM;

f) entre COPM adjacentes;

g) entre APP Classe A, B e C e TWR Classe A e B de responsabilidade deste APP;

 

NOTA: As TWR Classe C poderão, a critério do DECEA, possuir enlace TF-1 com o APP correspondente.

 

h) entre COPM e SCOAM, sediadas nas Bases Aéreas que possuem unidade de Defesa;

i) entre o CODA e os COPM; e

j) outros assinantes julgados convenientes pelo DECEA.

3.3

SERÃO ASSINANTES DA REDE TELEFÔNICA TF-2

 

a)

ACC;

b)

APP;

c)

TWR;

d)

CODA;

e)

COPM;

f)

RCC;

g)

estações aeronáuticas que prestam serviço de informação de vôo;

h)

CCOA;

i)

COA;

j)

GCC (em sede ou em manobras); e

l)

outros assinantes julgados convenientes pelo DECEA.

3.4

SERÃO ASSINANTES DA REDE TELEFÔNICA TF-3

a) as unidades e os órgãos Administrativos, Técnicos e Operacionais do Sistema de Controle do Espaço Aéreo do COMAER considerados prioritárias;

b) as seções de operações dos comandos operacionais;

c) as seções de operações dos comandos aéreos regionais e das unidades aéreas; e

d) outros assinantes julgados convenientes pelo DECEA.

ICA 102-14/2007

13

4

DISPOSIÇÕES GERAIS

4.1

Não é permitida a conexão de ramais TF-2 e TF-3 com outros ramais de uso

exclusivamente administrativo, bem como entre eles.

4.2 Uma central poderá ser usada de modo compartilhado para atender assinantes das

redes TF-2 e TF-3, desde que mantenham a composição e características previstas no Capítulo 2.

4.3 O detentor de ramal ou enlace TF que perder a condição operacional de órgão ou

serviço, citado no capítulo 3, terá o ramal TF correspondente desativado.

4.4 As alterações nas composições das Redes TF-2, TF-3 (ativação e desativação) e dos

enlaces TF-1, somente poderão ser feitas com prévia autorização DECEA.

4.5 A confecção e atualização das listas telefônicas TF-2 e TF-3 é da competência do

Subdepartamento de Operações do DECEA e estão disponíveis na página da D-CNS, no sítio do DECEA, na INTRAER.

14

ICA 102-14/2007

5

DISPOSIÇÕES FINAIS

5.1

Esta Instrução substitui o IMA 102-14, de 30 de novembro de 1995, aprovada pelo

Boletim Interno da DEPV n o 208, de 07 de novembro de 1995.

5.2 Os casos não previstos nesta Instrução serão submetidos ao Exmo Sr Chefe do

Subdepartamento de Operações (SDOP) do Departamento de Controle do Espaço Aéreo, por

meio da cadeia de comando.