Vous êtes sur la page 1sur 41

Introdução a Redes,

Modelo OSI e Órgãos


Padronizadores
Prof. Fernando Dias

Introdução a Redes

n O que é uma rede?


q É uma infra-estrutura de hardware e software usada para
transferir informação entre duas ou mais entidades.

q A interconexão de redes pode ser feita através de qualquer


meio físico que pode transmitir informação:
n Cabeamento de Cobre (UTP, STP);
n Fibra ótica, Lasers;
n Microondas e Satélites
n Radio, Infra-Vermelho (WLANs).

1
PDF created with FinePrint pdfFactory Pro trial version http://www.fineprint.com
Por que se ligar em Rede?

n É um meio de comunicação (comunicação


Humana);
n Compartilhamento de recursos com alta
confiabilidade;
n Economia (Ex. Viagens - Vídeo Conferência, Email -
Telefones, Memorando, etc);
n Facilidades (Informação ajustada sob demanda,
entretenimento);
n A geração e a transferência de informação é ponto
crítico dos negócios de hoje.

Por que se estudar Redes?

n Praticamente todos os sistemas de TI


apresentam algum tipo de facilidade de rede;

n Está se tornando parte na nossa sociedade


(TVs, Telefones, Rádios);

n Está em todos os lugares (Carros, Escola,


Shoppings,etc)

2
PDF created with FinePrint pdfFactory Pro trial version http://www.fineprint.com
Benefícios da Utilização de uma Rede

n Acesso a informação a qualquer hora;


n Comunicação pessoal e em grupo (chats,
MSN, email, ORKUT, GAZZAG, etc);
n Tudo pode ser encontrado na Internet (a
maior de todas as redes) – Tudo de bom e
de ruim – ainda não há censura;
n Era Internet - Revolução da informação
(antes e pós Internet)

Redes

n Tudo está voltado a redes, hoje em dia:


q Banco (Caixa Eletrônico)
n Redes
n Segurança
n Imaginem um banco sem interligação via rede (caos)
q Empresas ou Instituições
n Ex. Central de Transplantes, Central de Medicamentos
n Passagem de Avião
q Serviços dentro de uma Empresa
n Impressão
n Email
n Serviços de Mensagem (ICQ, MSN...)

3
PDF created with FinePrint pdfFactory Pro trial version http://www.fineprint.com
Comunicação Digital

n A informação é codificada num conjunto de


símbolos;
n Estes símbolos em comunicação de dados
são representados pelos dígitos binários (0
ou 1);
n Ou seja, as redes só se preocupam em
transmitir estas informações neste formato
sem se preocupar com que realmente
significam.

Tópicos Importantes em Redes

n Projeto da Rede;
q Lógico e
q Físico
n Gerência da Rede;
n Segurança da Rede;
n Serviços que irão ser disponibilizados
q Voz, Imagem, Vídeo, Dados

4
PDF created with FinePrint pdfFactory Pro trial version http://www.fineprint.com
Modos de Transmissão
n Existem três modos de transmitir a
informação:
q Simplex: os dados fluem em um único sentido.
Ex rádio AM/FM ou canal de TV
A B
q Half-Duplex: os dados fluem em ambos os
sentidos, mas não simultaneamente
A B A B
q Full-Duplex: os dados fluem am ambos os
sentidos simultaneamente.
A B

Endereços em Redes

n Todo dispositivo de rede é identificado por


um endereço de rede.
n Existem três tipos de endereços de rede:
q Unicast;
q Multicast;
q Broadcast.

5
PDF created with FinePrint pdfFactory Pro trial version http://www.fineprint.com
Tipos de Comutação
n Existem dois tipos de comutação utilizados nas
redes:
q Comutação por Circuitos
n Estabelece um circuito físico dedicado a conversação
n Necessita, antes de enviar os dados, de negociar e fechar a
conexão.
n Quando não houver mais troca de dados, o circuito é desfeito
liberando todos os recursos alocados.
q Comutação por Pacotes
n As mensagens da sua aplicação são divididas em estruturas
chamadas “pacotes”;
n Cada pacote é enviado de forma independente;
n Não define um circuito físico dedicado;
n Os pacotes chegam até o destino através da rota, mesmo que
esses pacotes vão por caminhos diferentes.

6
PDF created with FinePrint pdfFactory Pro trial version http://www.fineprint.com
7
PDF created with FinePrint pdfFactory Pro trial version http://www.fineprint.com
Comutação
Circuito x Pacotes

Circuitos Virtuais

n São uma emulação de um circuito real (permanente


ou não) sobre uma rede de pacotes.

8
PDF created with FinePrint pdfFactory Pro trial version http://www.fineprint.com
9
PDF created with FinePrint pdfFactory Pro trial version http://www.fineprint.com
Organização das Redes

n Para atender as estações localmente, fazendo a


conexão com as demais estações numa mesma
organização (prédio, sala, campus) são usadas as
Redes Locais (LANs)

n Para fazer interconexão destas redes locais com


outras separadas geograficamente (bairros, cidades
ou países diferentes) são usadas as Redes de
Longa Distância (WANs)

Organização das Redes

n As operadoras de telecomunicações fornecem serviços como os


de comunicação de dados, telefonia e acesso a internet através
de suas extensas redes para usuários residenciais, corporativos
e grandes empresas.

n As chamadas redes de acesso são redes usadas para conectar


o usuário de determinado serviço com os equipamentos da
operadora. (Ex. rede telefônica, ADSL, rede de tv a cabo, etc)

n Backbone são as tecnologias de rede que fazem a conexão de


alta velocidade central dentro da rede, interconectando todos os
equipamentos da rede.

10
PDF created with FinePrint pdfFactory Pro trial version http://www.fineprint.com
LANs (Local Area Network)

n Para solucionar alguns daqueles problemas,


foi criada as LANs.
q As LANs conectam:
n Estações de trabalho, equipamentos, periféricos,
terminais, impressoras em um único edifício.
q Com as LANs foi possível:
n Compartilhar arquivos e impressoras de modo eficiente
n Usar o correio eletrônico (email)

LANs (Local Area Network)

n As LANs destinam-se a:
q Operar dentro de uma área geograficamente
limitada;
q Permitir multiacesso ao meio com muita largura
de banda;
q Controlar de forma privada redes sob
administração local;
q Fornecer conectividade em tempo integral com os
serviços locais;
q Conectar fisicamente dispositivos adjacentes.

11
PDF created with FinePrint pdfFactory Pro trial version http://www.fineprint.com
Topologias

n Topologia define a estrutura da rede

q Topologia Física (layout do meio):


n Barramento, Anel, Estrela, Estrela Estendida, Rede

q Topologia Lógica (é a forma como os hosts se


comunicam através dos meios). Existem dois
tipos:
n Broadcast (Ex. Ethernet)
n Passagem de token (Ex. Token Ring)

WANs (Wide Area Network)

n A medida que o uso dos PCs cresceram:


q Aumentou a necessidade de uma rede de longa distância
q As LANs eram limitadas a redes locais
n Ex. Empresa Nacional (Ilha Eletrônica)
q Necessidade de passar informações de uma empresa a
outra de forma rápida e eficiente
n As WANs são LANs interconectadas
q Permitiu acessar a Internet
q Possibilitou compartilhar informações em qualquer lugar do
mundo

12
PDF created with FinePrint pdfFactory Pro trial version http://www.fineprint.com
WANs (Wide Area Network)

n As WANs destinam-se a:
q Operar em grandes áreas geográficas;
q Permitir acesso a interfaces seriais em baixa
velocidade;
q Fornecer conectividade em tempo integral e
tempo parcial;
q Conectar dispositivos separados por áreas
amplas, até mesmo globais;
n Tecnologias comum a WANs:
q Frame-Relay, ATM, modems, ISDN ...

Exemplo de LANs e WANs

13
PDF created with FinePrint pdfFactory Pro trial version http://www.fineprint.com
Redes Wireless

n Utilizam como meio de transmissão o espaço


aberto, sem fios ou cabos
n Presentes em vários tipos de redes (celular, LANs,
Links remotos, etc)
n Podem ter alcances longos ou limitados
dependendo da aplicação
n Podem atender a vários tipos de demandas de
serviço
n As redes Wireless utilizam para propagação da
informação (radio, laser, infra-vermelho)

Órgão Padronizador da Internet


IAB

n IAB (Internet Architecture Board)


n Desde 1970 este comitê guia a evolução da Internet
n O IAB supervisiona o processo de desenvolvimento dos
protocolos da Internet
n Centraliza esforços nas áreas de interesse e necessidade
n Decide quando um protocolo está pronto para se tornar um
padrão da Internet

14
PDF created with FinePrint pdfFactory Pro trial version http://www.fineprint.com
Padronização da Internet
n IETF - Internet Engineering Task Force -
Realiza realmente o trabalho de pesquisa e
testes dos novos protocolos
n É composto de pesquisadores, modeladores,
gente com experiência operacional e
engenheiros de fabricantes organizados em
grupos de trabalho (workgroups)
n A coordenação do IETF é realizada pelo IESG
(Internet Engineering Steering Group)

Padronização da Internet

n RFC’s - Request for Comments - Série


de documentos numerados que
padronizam os protocolos Internet
n Existem RFC’s que descrevem os mais
diversos assuntos
n Uma RFC candidata a padrão deve
seguir um processo que culminará com a
sua adoção pelo IAB como documento
padronizador

15
PDF created with FinePrint pdfFactory Pro trial version http://www.fineprint.com
Caminho dos documentos até a padronização
Entrada Experimental Informational

Proposed

Draft
Standard

Standard Historical

ITU-T
International Telecommunication Union

n Antes conhecido como CCIT;


n Função: Padronizar as tecnologias envolvidas em
Telecomunicações;
n Componentes: representantes de países,
operadoras de telecomunicações privadas,
organizações regionais, fabricantes, comunidades
científicas e outros;
n Esses padrões são chamados “recomendações”

16
PDF created with FinePrint pdfFactory Pro trial version http://www.fineprint.com
Padronização ISO (International
Organization for Standardization)

n ISO - Órgão internacional que promove progresso


cooperativo nas áreas de ciência e tecnologia
n OSI (Open Systems Interconnect) - Grupos de
trabalho dentro da ISO que são muito influentes
no mundo da comunicação de dados.
n O modelo OSI é familiar a todos envolvidos em
comunicação
n Muitos protocolos foram padronizados sob a
bandeira OSI

17
PDF created with FinePrint pdfFactory Pro trial version http://www.fineprint.com
Criação do Modelo OSI pela ISO

n Justificativa:
q Devido ao grande aumento na quantidade e no tamanho das
redes (a 2 décadas atrás);
q Na época criou-se várias redes com padrões proprietárias,
ocasionado:
n Uma rede proprietária não se comunicava com a outra (caos);
n Redes incompatíveis entre si;
q Necessidade das redes serem compatíveis (interoperabilidade)
q Em 1984, a ISO criou o Modelo OSI
n Permite você visualizar as funções de rede em cada camada
n Permite entender como as informações trafegam nas camadas

Modelo de Referência OSI

q A comunicação em rede é muito complexa;


q Os modelos criam um entendimento melhor dos problemas
de redes;
q Para isso, utilizam um modelo de camadas e hierarquias de
protocolos para dividir as várias funcionalidades desejadas
numa rede;
q É uma abordagem com separação das operações – cada
camada implementa um serviço
n Pode-se ter diferentes fabricantes oferecendo produtos para
diferentes camadas (Ex. roteadores, servidores Web)
n Teste e manutenção facilitado
n Facilidade ao se mudar uma implementação usada numa
camada por outra

18
PDF created with FinePrint pdfFactory Pro trial version http://www.fineprint.com
Hierarquia de Camadas e Protocolos

n O uso de camadas esconde a complexidade de


todo o sistema
n Cada camada utiliza serviços oferecidos pela
camada de baixo
n Cada camada precisa de um protocolo próprio
para se comunicar com sua correspondente do
outro lado
n Para oferecer serviços,as camadas especificam
uma interface para a camada de cima.

Modelo de Referência OSI

19
PDF created with FinePrint pdfFactory Pro trial version http://www.fineprint.com
Modelo OSI - Aplicação

n Camada 7 - Aplicação
q É a camada mais próxima do usuário
q Diferencia das outras por não oferecer serviços a nenhuma
outra camada OSI
q Oferece apenas a aplicativos
n Programas de Planilhas, Processadores de Texto, Terminais
de Banco, etc
q A camada de aplicação estabelece a disponibilidade dos
parceiros de comunicação pretendidos, sincroniza e
estabelece o acordo sobre os procedimentos para a
recuperação de erros e o controle da integridade dos
dados.

Modelo OSI - Aplicação

20
PDF created with FinePrint pdfFactory Pro trial version http://www.fineprint.com
Modelo OSI - Apresentação

n Camada 6 - Apresentação
q Assegura que a informação emitida pela camada
de aplicação de um sistema seja legível para a
camada de aplicação de outro sistema.

q Se necessário, a camada de apresentação faz a


conversão de vários formatos de dados usando
um formato comum.

Modelo OSI - Apresentação

21
PDF created with FinePrint pdfFactory Pro trial version http://www.fineprint.com
Modelo OSI - Apresentação

n Camada 6 - Apresentação
q É responsável por apresentar os dados de uma forma que
o dispositivo receptor possa entender.
q Analogia: duas pessoas falando idiomas diferentes. A
única maneira de uma entender a outra é através de um
intérprete. Esta camada serve como intérprete para os
dispositivos que necessitem se comunicar pela rede.

q Fornece três funções principais:


n Formatação de dados (ASCII, EBCDIC)
n Criptografia de dados
n Compactação de dados

Modelo OSI - Sessão

n Camada 5 - Sessão
q Estabelece, gerencia e termina sessões entre dois hosts
q Fornece seus serviços para a camada de apresentação.
q Sincroniza o diálogo entre as camadas de apresentação
dos dois hosts e gerencia a troca de dados entre eles.
q Oferece recursos para transferência eficiente de dados,
classe de serviço e relatórios de exceção sobre a camada
de sessão, a camada de apresentação e a camada de
aplicação.

22
PDF created with FinePrint pdfFactory Pro trial version http://www.fineprint.com
Modelo OSI - Sessão

Modelo OSI - Transporte

n Camada 4 - Transporte
q Segmenta os dados do host que está enviando e monta os
dados novamente em uma seqüência de dados no host
que está recebendo.
q Realiza transporte seguro entre dois hosts.
q Fornece serviços de comunicação, estabelece, mantém e
termina corretamente circuitos virtuais.
q Fornece serviço confiável, são usados o controle do fluxo
de informações e a detecção e recuperação de erros de
transporte.
q Para definir em poucas palavras a camada 4, pense em
qualidade de serviços e confiabilidade.

23
PDF created with FinePrint pdfFactory Pro trial version http://www.fineprint.com
Modelo OSI - Transporte

Modelo OSI - Rede

n Camada 3 - Rede
q Fornece conectividade e seleção de caminhos
entre dois hosts que podem estar localizados em
redes geograficamente separadas.
q Para lembrar da camada 3, pense em seleção de
caminhos, roteamento e endereçamento.

24
PDF created with FinePrint pdfFactory Pro trial version http://www.fineprint.com
Modelo OSI - Rede

Modelo OSI - Rede

nCamada 3 - Rede
qDispositivos
nRoteadores

qOs roteadores usam um


esquema de
endereçamento da
camada 3 para tomar
decisões de
encaminhamento.

25
PDF created with FinePrint pdfFactory Pro trial version http://www.fineprint.com
Modelo OSI - Enlace

n Camada 2 - Enlace
q Fornece trânsito seguro de dados através de um
link físico.
q Trata do endereçamento físico (em oposição ao
endereçamento lógico), da topologia de rede, do
acesso à rede, da notificação de erro, da entrega
ordenada de quadros e do controle de fluxo.
q Para lembrar da camada 2, pense em quadros e
controle de acesso ao meio.

Modelo OSI - Enlace

26
PDF created with FinePrint pdfFactory Pro trial version http://www.fineprint.com
Modelo OSI - Enlace

nCamada 2 - Enlace
qDispositivos
nSwitch

nPlacas de Rede

nBridges

qDiferença entre hub e o

switch é que os switches


tomam as decisões com
base nos endereços MAC
e os hubs não tomam
nenhuma decisão.

Modelo OSI - Enlace

n Camada 2 – Enlace
q Endereçamento MAC
(Media Access Control)
n Todo computador tem um
endereço físico (MAC).
n Nunca são iguais
n Localizado na placa de
rede
n Estes endereços são
gravados usando-se
números hexadecimais
(base 16).
q Ex. 0000.0c12.3456
q 00-00-0c-12-34-56.

27
PDF created with FinePrint pdfFactory Pro trial version http://www.fineprint.com
Modelo OSI - Física

n Camada 1 - Física
q Define as especificações elétricas, mecânicas, funcionais e
de procedimentos para ativar, manter e desativar o link
físico entre sistemas finais.
q Características como níveis de voltagem, temporização de
alterações de voltagem, taxas de dados físicos, distâncias
máximas de transmissão, conectores físicos e outros
atributos similares são definidas pelas especificações da
camada física.
q Para definir em poucas palavras a camada 1, pense em
sinais e meios.

Modelo OSI - Física

28
PDF created with FinePrint pdfFactory Pro trial version http://www.fineprint.com
Modelo OSI - Física
nCamada 1 - Física
qDispositivos
nHUB

nRepetidores

nCabos

nConectores

nPatch Panel

Hubs e Repetidores

n Estende fisicamente a rede interconectando


múltiplos segmentos de rede

n Simplesmente regeneram o sinal e o repetem o


sinal para todas as redes nas quais ele está
conectado

n Baixo custo (só operam na camada física)

n Podem conectar diferentes cabeamentos, mas não


diferentes protocolos de nível superior

29
PDF created with FinePrint pdfFactory Pro trial version http://www.fineprint.com
Encapsulamento

q Para que os pacotes de dados trafeguem da


origem para o destino, cada camada do modelo
OSI na origem deve se comunicar com sua
camada par no destino. Esta forma de
comunicação é chamada de Comunicação ponto
a ponto.

q Durante esse processo, o protocolo de cada


camada troca informações, chamadas protocol
data units (PDUs), entre camadas pares.

30
PDF created with FinePrint pdfFactory Pro trial version http://www.fineprint.com
Encapsulamento

31
PDF created with FinePrint pdfFactory Pro trial version http://www.fineprint.com
Encapsulamento

TCP/IP

n Histórico
q Embora o modelo de referência OSI seja universalmente
reconhecido, o padrão aberto técnico e histórico da Internet é o
Transmission Control Protocol\Internet Protocol (TCP\IP).
q O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD)
desenvolveu o modelo de referência TCP\IP porque queria uma
rede que pudesse sobreviver a qualquer condição, mesmo a
uma guerra nuclear.
n Ex. Imagine um mundo em guerra, entrecruzado por diferentes tipos
de conexões: cabos, microondas, fibras óticas e links de satélites.
Imagine, então, que você precise que informações\dados (na forma
de pacotes) trafeguem, independentemente da condição de qualquer
nó ou rede particular na internetwork
q O DoD quer que seus pacotes cheguem, todas as vezes, em
qualquer condição, de um ponto a qualquer outro.

32
PDF created with FinePrint pdfFactory Pro trial version http://www.fineprint.com
Modelos OSI e Internet (TCP/IP)

Comparação TCP/IP x Modelo OSI

n Semelhanças
q ambos têm camadas
q ambos têm camadas de aplicação, embora
incluam serviços muito diferentes
q ambos têm camadas de transporte e de rede
comparáveis
q a tecnologia de comutação de pacotes (e não
comutação de circuitos) é presumida por ambos
q os profissionais da rede precisam conhecer
ambos

33
PDF created with FinePrint pdfFactory Pro trial version http://www.fineprint.com
Comparação TCP/IP x Modelo OSI

n Diferenças
q o TCP\IP combina os aspectos das camadas de
apresentação e de sessão dentro da sua camada de
aplicação
q o TCP\IP combina as camadas física e de enlace do OSI
em uma camada
q o TCP\IP parece ser mais simples por ter menos camadas
q os protocolos do TCP\IP são os padrões em torno dos
quais a Internet se desenvolveu, portanto o modelo TCP\IP
ganha credibilidade apenas por causa dos seus protocolos.
Em contraste, nenhuma rede foi criada em torno de
protocolos específicos relacionados ao OSI, embora todos
usem o modelo OSI para guiar seu raciocínio.

Camada OSI e seus


respectivos Protocolos

34
PDF created with FinePrint pdfFactory Pro trial version http://www.fineprint.com
Equipamentos e suas
Respectivas Camadas

Protocolos TCP/IP

35
PDF created with FinePrint pdfFactory Pro trial version http://www.fineprint.com
O que é a Tecnologia Internet

n É uma rede de redes interconectadas que utiliza a


tecnologia TCP/IP
n Premissas:
q Escalabilidade: mecanismos e protocolos devem funcionar
com vários tipos de redes e tamanhos
q Inserção gradual de novos protocolos: facilidade de
agregar novidades
q Heterogeneidade: diferentes tecnologias coexistindo
q Algumas funções somente são implementadas nos hosts
(não na própria rede). Ex. Serviços WWW

Nascimento da Internet
q 1958 – Criação da ARPA (Advanced Research Projects
Agency) do DoD (Department of Defense) para alavancar o
desenvolvimento de tecnologias em resposta ao
lançamento do Sputnik pela antiga URSS.

q 1969 – O DoD cria uma rede de computadores para a


ARPA (ARPANET) para ajudar os cientistas do governo a
se comunicarem e trocarem informações.

q Originalmente a idéia era permitir que os pesquisadores se


logassem e rodassem programas remotamente, mas logo
se transformou numa ferramenta de troca de informações
através de troca de arquivos, correio eletrônico e listas de
discussão.

36
PDF created with FinePrint pdfFactory Pro trial version http://www.fineprint.com
Nascimento da Internet
q 1970 – ARPA se tornou DARPA (Defense Advanced
Research Projects Agency) e a ARPANET se tornou a
DARPANET

q 1980 – a DARPANET cresceu e outras redes não-ARPA


foram interconectadas. Surgiu a necessidade de novos
protocolos que suportem a nova infra-estrutura. Isto levou
ao desenvolvimento do TCP/IP

q 1983 – a DARPANET é dividida em DARPANET e MILNET


(Military Network)

q A Internet surge ao se definir que todos os hosts nestas


redes utilizem o TCP/IP

Evolução da Internet

n 1986 – a NFS (National Science Foundation) se junta à Internet


através de sua rede NSFNET que liga vários centros nacionais
de supercomputação para dar suporte a pesquisa.

n O backbone NSFNET agregou várias redes que conectam


WAN’s ligando universidades, governo e instituições de pesquisa
em todo mundo.

n 1990 – a ARPANET foi desmontada e a NSFNET e a MILNET se


tornam o backbone da Internet mundial que cada vez mais tem
outras redes conectadas.

37
PDF created with FinePrint pdfFactory Pro trial version http://www.fineprint.com
Evolução da Internet
q Idéia principal: uma rede que suportasse a perda de um ou mais
pontos.

q Crescimento exponencial: aceitação rápida pelas facilidades


tecnológicas e depois pelas oportunidades comerciais e de
negócios on-line.

q Aplicações possíveis: navegação WEB, e-mails, terminais


remotos, troca de arquivos, chat, etc.

q A Internet foi uma implementação do TCP/IP para a versão BSD


do sistema UNIX muito usado pelas universidades na época

q Operadoras e provedoras podem cobrar taxas relacionadas com


instalação e uso de linhas de comunicação.

38
PDF created with FinePrint pdfFactory Pro trial version http://www.fineprint.com
Internet

n Usuários
q Todos que estão ligados
q Utilizações diversas – trabalho, lazer, etc

n Provedores de Serviço
q Administram e vendem o acesso a Internet

n Provedores de Conteúdo – Empresas


q Empresas e serviços disponibilizados através da Internet

n Operadoras de Telecomunicações
q Montam e oferecem os serviços de telecomunicações
necessários a comunicação com a rede Internet

39
PDF created with FinePrint pdfFactory Pro trial version http://www.fineprint.com
Conexão com a Internet

n Usuários finais se conectam através dos


serviços de um provedor de acesso (acesso
discado, ADSL, etc).

n Empresas normalmente tem contratos de


acesso a Internet para suas redes com
grandes provedores/operadoras (circuitos
dedicados).

Exemplo de Aplicações Internet

n Correio Eletrônico
n Terminal Remoto (Telnet, SSH)
n Transferência de Arquivos (FTP, SFTP, TFTP)
n Newsgroups
n Compartilhamento de Arquivos (NETBIOS)
n Distribuição de Recursos
n WWW – World Wide Web (HTTP)
n Vídeo Conferência
n Jogos Online

40
PDF created with FinePrint pdfFactory Pro trial version http://www.fineprint.com
Intranets e Extranets

n Intranets
q Redes proprietárias que utilizam tecnologia TCP/IP em
arquiteturas cliente-servidor para disponibilizar aplicações
e conteúdo para usuários internos.
q Muito usadas em ambientes corporativos.

n Extranets
q São similares às Intranets mas provendo acesso a um
número controlado de usuários externos à corporação
(fabricantes, clientes, parceiros, etc).

n Ambas aproveitam todas as facilidades do mundo


TCP/IP.

41
PDF created with FinePrint pdfFactory Pro trial version http://www.fineprint.com