Vous êtes sur la page 1sur 231

A CRIAÇÃO DA CIVILIZAÇÃO

A Criação da Civilização

MEISHU SAMA

SUMÁRIO

A CRIAÇÃO DA CIVILIZAÇÃO...................................................................................................1
MEISHU SAMA.........................................................................................................................2
SUMÁRIO.................................................................................................................................2
PREFÁCIO...................................................................................................................................7
VOLUME I....................................................................................................................................9
CAPÍTULO 1..............................................................................................................................10
OS ERROS DA CULTURA ESTABELECIDA...........................................................................10
CAPÍTULO 2..............................................................................................................................13
CONSTRUÇÃO DO REINO DOS CÉUS E EXPULSÃO DO MAL............................................13
CAPÍTULO 3..............................................................................................................................18
O MAL E OS ESPÍRITOS PROTETORES.................................................................................18
CAPÍTULO 4..............................................................................................................................24
O SURGIMENTO DO MAL E AS DOENÇAS............................................................................24
CAPÍTULO 5..............................................................................................................................27
SAÚDE E LONGEVIDADE........................................................................................................27
CAPÍTULO 6..............................................................................................................................30
SALVADOR E REDENTOR.......................................................................................................30
CAPÍTULO 7..............................................................................................................................33
O REINO DOS CÉUS NA TERRA.............................................................................................33
VOLUME II.................................................................................................................................34
CAPÍTULO 8..............................................................................................................................35

2
A Criação da Civilização

DOENÇAS.................................................................................................................................35
CAPÍTULO 9..............................................................................................................................39
AS DOENÇAS E A CIÊNCIA MÉDICA......................................................................................39
CAPÍTULO 10............................................................................................................................42
AUTÓPSIA DA MEDICINA........................................................................................................42
CAPÍTULO 11............................................................................................................................46
GRIPE........................................................................................................................................46
CAPÍTULO 12............................................................................................................................50
PNEUMONIA E TUBERCULOSE..............................................................................................50
CAPÍTULO 13............................................................................................................................55
DOENÇAS PULMONARES E SUAS TOXINAS........................................................................55
CAPÍTULO 14............................................................................................................................58
O ASPECTO PSICOLÓGICO DA TUBERCULOSE .................................................................58
CAPÍTULO 15............................................................................................................................62
RESPEITE A NATUREZA.........................................................................................................62
CAPÍTULO 16............................................................................................................................65
A DOENÇA E A EFICÁCIA DOS REMÉDIOS...........................................................................65
CAPÍTULO 17............................................................................................................................66
NUTRIÇÃO................................................................................................................................66
CAPÍTULO 18............................................................................................................................73
O HOMEM E AS DOENÇAS......................................................................................................73
CAPÍTULO 19............................................................................................................................76
O MUNDO IMATERIAL..............................................................................................................76
CAPÍTULO 20............................................................................................................................78
A PRIMAZIA DO ESPÍRITO SOBRE A MATÉRIA....................................................................78
CAPÍTULO 21............................................................................................................................82
OS DANOS CAUSADOS PELAS TOXINAS DOS REMÉDIOS................................................82
CAPÍTULO 22............................................................................................................................87
O CORAÇÃO.............................................................................................................................87
CAPÍTULO 23............................................................................................................................89
DOENÇAS DO ESTÔMAGO.....................................................................................................89
CAPÍTULO 24............................................................................................................................93
AS PRINCIPAIS DOENÇAS .....................................................................................................93
1) DOENÇAS RENAIS E CORRELATAS..................................................................................................93
a) Meningite.........................................................................................................................................94
b) Encefalite Japonesa.........................................................................................................................95
c) Meningo-encefalite..........................................................................................................................95
2) DOENÇAS DOS OLHOS................................................................................................................96
3) DOENÇAS DO NARIZ E OUVIDOS....................................................................................................97
4) AMIDALITE..............................................................................................................................97
5) GENGIVITE (ODONTITE).............................................................................................................98
6) OUTRAS DOENÇAS....................................................................................................................98
7) PLEURITE (PLEURISIA)...............................................................................................................99

3
A Criação da Civilização

8) PERITONITE...........................................................................................................................100
9) ASMA..................................................................................................................................102
10) CÁLCULO DO FÍGADO, BILIAR E DA BEXIGA...................................................................................103
11) NEVRALGIA.........................................................................................................................105
12) REUMATISMO.......................................................................................................................106
CAPÍTULO 25..........................................................................................................................107
DOENÇAS DA PARTE SUPERIOR DO CORPO....................................................................107
1) APOPLEXIA...........................................................................................................................107
2) ANEMIA CEREBRAL..................................................................................................................110
3) DEPRESSÃO .........................................................................................................................111
4) INSÔNIA...............................................................................................................................112
5) ZUMBIDO NO OUVIDO...............................................................................................................112
6) OUTRAS ENFERMIDADES...........................................................................................................113
7) DENTES...............................................................................................................................113
8) AMIDALITE............................................................................................................................113
CAPÍTULO 26..........................................................................................................................115
AS DOENÇAS DA BOCA........................................................................................................115
1) CÁRIES DENTÁRIAS.................................................................................................................115
2) FERIDAS DA LÍNGUA E OUTRAS DOENÇAS......................................................................................116
CAPÍTULO 27..........................................................................................................................117
INALAÇÃO..............................................................................................................................117
CAPÍTULO 28..........................................................................................................................118
COLÍRIOS................................................................................................................................118
CAPÍTULO 29..........................................................................................................................119
PRODUTOS DE BELEZAS.....................................................................................................119
CAPÍTULO 30..........................................................................................................................120
DOENÇAS DA PARTE INFERIOR DO CORPO - HEMORRÓIDAS.......................................120
CAPÍTULO 31..........................................................................................................................123
DOENÇAS DE MULHERES....................................................................................................123
1) MENSTRUAÇÃO......................................................................................................................123
2) GRAVIDEZ.............................................................................................................................124
3) DOENÇAS DO ÚTERO...............................................................................................................126
a) Câncer uterino...............................................................................................................................127
b) Mioma uterino...............................................................................................................................128
4) DOENÇAS DO OVÁRIO..............................................................................................................128
a) Corrimento....................................................................................................................................130
b) Frigidez.........................................................................................................................................130
CAPÍTULO 32..........................................................................................................................132
DOENÇAS INFANTIS..............................................................................................................132
1) FEZES ANORMAIS....................................................................................................................132
2) VÔMITOS DE SANGUE...............................................................................................................133
3) TOSSE COMPRIDA...................................................................................................................133
4) DIFTERIA .............................................................................................................................133
5) MENINGITE...........................................................................................................................134
6) SARAMPO.............................................................................................................................135
7) ENCEFALITE JAPONESA.............................................................................................................136
8) ESCARLATINA........................................................................................................................137
9) DISENTERIA..........................................................................................................................137
10) PARALISIA INFANTIL ..............................................................................................................137
11) FALTA DE LEITE....................................................................................................................139

4
A Criação da Civilização

12) AMAMENTAÇÃO....................................................................................................................139
13) EVACUAÇÃO ANORMAL ..........................................................................................................140
14) OUTRAS.............................................................................................................................140
CAPÍTULO 33 .........................................................................................................................141
CONSIDERAÇÕES GERAIS...................................................................................................141
CIRURGIA............................................................................................................................141
CAPÍTULO 34..........................................................................................................................149
OS DIVERSOS ASPECTOS DOS TÓXICOS DOS REMÉDIOS.............................................149
CAPÍTULO 35..........................................................................................................................156
MEDICINA DE BONECOS.......................................................................................................156
CAPÍTULO 36..........................................................................................................................161
A SAÚDE FALSA E A SAÚDE VERDADEIRA.......................................................................161
CAPÍTULO 37..........................................................................................................................166
VACINA....................................................................................................................................166
A VARÍOLA................................................................................................................................166
VOLUME III..............................................................................................................................169
CAPÍTULO 38..........................................................................................................................170
................................................................................................................................................170
JUÍZO FINAL...........................................................................................................................170
CAPÍTULO 39..........................................................................................................................172
DOENÇAS ESPIRITUAIS........................................................................................................172
1) CÂNCER...............................................................................................................................172
2) TUBERCULOSE E ENCOSTO........................................................................................................174
3) DOENÇAS PSÍQUICAS ..............................................................................................................176
4) EPILEPSIA.............................................................................................................................183
5) PARALISIA INFANTIL.................................................................................................................184
CAPÍTULO 40..........................................................................................................................185
OS TRÊS ESPÍRITOS DO HOMEM.........................................................................................185
CAPÍTULO 41..........................................................................................................................187
MEDICINA MATERIAL E MEDICINA RELIGIOSA.................................................................187
CAPÍTULO 42..........................................................................................................................191
A TRANSIÇÃO DA NOITE PARA O DIA NO MUNDO ESPIRITUAL.....................................191
CAPÍTULO 43..........................................................................................................................195
A EXTINÇÃO DO BUDISMO E O MUNDO DE MIROKU........................................................195
CAPÍTULO 44..........................................................................................................................198
AS ORIGENS DO BUDISMO...................................................................................................198
CAPÍTULO 45..........................................................................................................................201
O DEUS IZUNOME-NO-KAMI.................................................................................................201
CAPÍTULO 46..........................................................................................................................204
O DEUS KANZEON BOSSATSU............................................................................................204
CAPÍTULO 47..........................................................................................................................209
A TRÍPLICE REVELAÇÃO DE MIROKU.................................................................................209

5
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 48..........................................................................................................................212
DAIJO E SHOJO NO BUDISMO.............................................................................................212
CAPÍTULO 49..........................................................................................................................215
O CRISTIANISMO...................................................................................................................215
1) O CRISTIANISMO E O NASCIMENTO DO BEM E DO MAL....................................................................215
2) O ATRITO ENTRE O BEM E O MAL..............................................................................................216
3) CRISTO, O PROTAGONISTA PRINCIPAL DO CONTROLE SOBRE O MAL.....................................................217
4) FORMAÇÃO DA TERRA.............................................................................................................219
5) SELEÇÃO NATURAL..................................................................................................................219
CAPÍTULO 50..........................................................................................................................221
VERTICAL E HORIZONTAL....................................................................................................221
VOLUME IV..............................................................................................................................224
CAPÍTULO 51..........................................................................................................................225
REINO DOS CÉUS..................................................................................................................225
CAPÍTULO 52..........................................................................................................................227
O VERDADEIRO ASPECTO DO MUNDO DE MIROKU.........................................................227
ADENDO..................................................................................................................................229
KOBUKURIN (0,99) E ITCHIRIN (0,01)...................................................................................230

6
A Criação da Civilização

PREFÁCIO

Este livro é uma obra como nunca houve na História. Em síntese,


expõe o Plano concernente ao mundo da Nova Civilização. Ao mesmo
tempo, é o Evangelho do Céu, a Bíblia do Século XX. A atual não é uma
civilização genuína, mas apenas temporária, até surgir a Nova Civilização.
Os trechos da Bíblia referentes ao fim do mundo aludem ao fim dessa
civilização temporária. A difusão deste livro também está prevista: “E será
pregado este Evangelho do Reino1 por todo o mundo, para testemunho a
todas as nações. Então virá o fim2,3 ".

Os ensinamentos de Jesus Cristo estão no Novo Testamento. Neste


livro está a revelação direta de Jeová, a quem Jesus se referiu
repetidamente, chamando-O de Pai do Céu. Jesus disse: "Arrependei-vos,
porque está próximo o Reino dos Céus". Eu não digo que o Reino dos Céus
está próximo, porque o tempo de sua concretização já chegou. A
preparação das bases para o estabelecimento do reino já começou. A
semente, por ora, ainda é muito pequenina, mas expande-se com prodigiosa
rapidez, cercada de uma sucessão de milagres que maravilham os homens.
Mostrando, assim, que foi tudo cuidadosa e minuciosamente preparado por
Deus há muitos milênios, sem nada deixar escapar. A preparação consiste,
basicamente, em liquidar a velha civilização e esboçar a nova. Com esse
propósito, está exaustivamente exposta, neste livro, uma tese baseada na
realidade.

O primeiro fato importante a assinalar, na velha civilização, é o


poder dominante do Mal e o poder extremamente fraco do Bem. Mas,
1
Evangelho significa “boa nova” ou “boa mensagem”. O “Reino” no conceito cristão
subentende-se por “Reino do Céu”
2
Mateus 24:14
3
Aqui Mateus está se referindo à conversa no Monte das Oliveiras, onde Jesus esclarecia a
intenção de deixar o Mundo Material, embora pretendesse voltar para completar o trabalho. Foi
com essa missão que nasceu Meishu Sama, ou seja, de dar continuidade ao trabalho de Jesus
e, finalmente, estabelecer o Reino do Céu na Terra.
Tem-se a impressão que a frase, quando lida fora de contexto, trata do Novo Testamento,
aquele pregado por Jesus. No entanto, quando lida no Evangelho, refere-se a situações do
futuro, como guerras e atribulações, ou seja, somente após o “princípio das dores” (Mateus
24:8) vem a passagem (Mateus 24:14) “E será pregado este Evangelho do Reino por todo o
mundo, para testemunho a todas as nações. Então, virá o fim.” Portanto, pode-se perceber que
Jesus se referiu a um evangelho futuro e não o pregado na época; enfim, ao que seria escrito
para completar o trabalho de Jesus, ou seja, o escrito pelo Messias para a salvação do mundo
no fim dos tempos.

7
A Criação da Civilização

tendo finalmente chegado o tempo, inverte-se a situação. O mundo ingressa


na fase do estabelecimento dos Céus na Terra. A velha civilização terá de
ser infalivelmente liquidada. As máculas e os pecados, resultantes da
acumulação do Mal durante longo tempo, terão de ser eliminados. Isto
acarretará um grave problema, pois significará uma vasta ação purificadora,
de âmbito mundial. Nesse processo purificador, o número de vítimas será
inumerável. Certamente, não haverá alternativa, pois se trata do Juízo
Final. Deus, porém, com Seu grande amor, escolheu-me para a grande
tarefa, da qual este livro constitui um prelúdio. Desejaria, pois, que o
lessem guardando essas coisas no coração.

Terminado o Juízo Final, terá início a construção do Novo Mundo.


Mas nesse período de transição, a transformação e renovação de toda a
cultura representarão uma catástrofe sem precedentes, de proporções
inimagináveis. Em primeiro lugar, este livro aponta o lado bom e o lado
mau dos erros da velha civilização e oferece as diretrizes da Nova
Civilização. Isto será pormenorizadamente exposto. Quem ler estas
palavras e a elas se agarrar como uma tábua de salvação, será salvo. Os que
deixarem para depois o arrependimento, talvez o façam tarde demais.
Quem tiver muitos pecados será destruído. Os que tiverem pecados mais
leves serão salvos e habitarão o futuro Reino dos Céus na Terra. Faltam
palavras para descrever a maravilha e magnificência desse Plano. Mas,
quando chegar o tempo, os homens compreenderão claramente o quanto foi
bárbara e medíocre a atual civilização. E a humanidade, exultante, se
rejubilará.

8
A Criação da Civilização

VOLUME I

9
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 1

OS ERROS DA CULTURA ESTABELECIDA

Como sugere o prefácio, pode-se dizer que este livro terá o efeito de
uma bomba atômica para a civilização contemporânea. Lançando um olhar
crítico e penetrante sobre a religião, o pensamento, a filosofia, a educação,
a ciência e a arte, que constituem as bases da civilização estabelecida, este
livro investiga exaustivamente cada um desses campos e os desnuda. Quem
o ler, não deixará de trocar as velhas roupagens pelas novas. Quando esta
obra abrir os olhos dos homens, despertando-os, causará tal impacto, que a
civilização sofrerá, inevitavelmente, uma transformação de 180 graus.

Depois que este livro for completado, será distribuído, pelos meios
adequados, em todas as partes do mundo, nos círculos religiosos e
universitários, entre as pessoas insignes e a imprensa. Infelizmente, sendo a
maioria dessas pessoas autoridades em ciência materialista, poderão, de
início, encontrar dificuldades para compreendê-lo. Entretanto, como os
princípios fundamentais da ciência aqui estão claramente expostos e
constituem a Verdade imperecível, penso que, se esta obra for atentamente
analisada, não será impossível compreendê-la. Nesse contexto, o aspecto
mais importante a considerar é o que concerne às mentalidades eruditas
que, até hoje, encaram religião e ciência como coisas distintas. Há um
grande erro nesse modo de pensar e o objetivo deste livro é elucidar
fundamentalmente a questão.

Todas as coisas no globo terrestre se compõem de dualidades


opostas: yang e yin, luz e sombra, verso e reverso, espírito e matéria. Mas a
ciência, até agora, só aceitou o lado material, ignorando totalmente o lado
espiritual. Como o espírito é invisível e não pode ser mensurado por meio
de aparelhos, os cientistas, em suas pesquisas, reconheceram somente a
existência do ar e da eletricidade, na parte externa do globo. Mas eu

10
A Criação da Civilização

descobri o reiki4,5, cuja existência é igualmente certa. Primeiramente,


descreverei o estado real do espaço que circunda o globo terrestre. Dois
elementos básicos, reiki (fogo) e ar6 (água), unificados num corpo fluido,
circundam a massa da Terra, que é um corpo sólido. Esses três elementos
básicos, unificados, situam-se no centro do cosmos. Tal é o estado do
mundo em que vivemos. A ciência, não admitindo a existência do espírito,
progrediu tomando como objeto de estudo apenas dois dos elementos
básicos: ar e terra. Pode-se dizer, portanto, que é uma ciência de dois terços
e não a ciência total. Devido a essa deficiência fundamental, a ciência está
fora da verdade da trindade. Por isso, a despeito de todo o seu progresso e
desenvolvimento, sempre surgem contradições entre as teorias científicas e
os fatos reais. Enquanto essa lacuna não for descoberta e corrigida, não
poderá nascer o verdadeiro mundo civilizado.

Examinemos a relação entre esses três elementos. Verticalmente,


estão dispostos na ordem espírito-ku7-terra. Essa ordem é representada pela
posição do Sol, da Lua e da Terra. Horizontalmente, isto é, em nível plano,
não há distância em absoluto entre esses três elementos, que ficam juntos e
entrelaçados, formando um todo harmonioso a flutuar no espaço. Assim é o
globo terrestre. Evidentemente, cada um desses três elementos tem as suas
4
Reiki: rei = espírito; ki = ar, sopro, respiração, vento, essência vital
O macrocosmos (aquele que enxergamos) é reflexo do arranjo das partículas macroscópicas
(ex.: um corpo sólido é aquele que tem suas moléculas altamente adensadas). Da mesma
forma, o microcosmos (aquele formado de partículas microscópicas) é reflexo do mundo
espiritual (ou imaterial). Da mesma forma em que somos circundados pelo ar (elemento do
microcosmos), o microcosmos é circundado pelo reiki. Ou seja, o reiki é um corpo fluido
altamente rarefeito (naturalmente mais rarefeito do que o ar) composto primariamente pelo
elemento fogo que circunda o micro e macrocosmos.
Sendo o reiki composto pelo elemento fogo, é fácil perceber quão rarefeito é esse estado, uma
vez que o fogo não pertence ao microcosmos, pois ele trata-se apenas de uma energia
térmica / luminosa, ou seja, não possui molécula, embora sua força seja percebida nos três
mundos. Segundo Feynman, ainda não sabemos que energia é essa; no entanto, sabemos que
ela está presente em tudo.
5
Quando Meishu Sama afirma ter descoberto o reiki, Ele não está se referindo meramente à
técnica de canalização da energia desse elemento (um elemento que, para melhor
entendimento, pode ser comparado à eletricidade). O reiki divulgado pelo Dr. Mikao Ussui a
partir dos textos budistas é apenas a forma de se ligar e passar a canalizar a energia desse
elemento (semelhante à ligação de um fio elétrico no poste de luz, gerando uma corrente
elétrica, a qual é produzida pelo deslocamento de elétrons através de um condutor). Dessa
forma, a eletricidade seria o reiki explicado por Meishu Sama, e o modo de se iniciar a corrente
elétrica e passar a utilizá-la seria o reiki divulgado pelo Dr. Mikao Ussui.
6
O ar, por se tratar de um corpo material, tem como o seu elemento básico a água, que pode
ser representada pela umidade, que consiste em vapor de água, e representa o microcosmos
(detectado por aparelhos). Embora, desde a Antigüidade, sejam considerados 5 os elementos
básicos do mundo (éter, fogo, água, ar e terra), Meishu Sama diz que são 3: fogo, água e terra,
onde o éter, que seria o reiki , é formado pelo fogo, e o ar pela água.
7
Ku = céu, espaço, vácuo, vazio (também traduzido como mundo atmosférico).

11
A Criação da Civilização

faculdades e movimentos específicos. O fogo queima verticalmente, a água


flui horizontalmente e a terra é imóvel. Essa imobilidade, porém, não é
absoluta, pois o corpo imóvel contém um corpo que é móvel pelo
movimento respiratório. Verticalidade e horizontalidade entrelaçam-se
formando correntes ondulantes de partículas ultradiminutas que fluem e
penetram no centro do globo. Como essas correntes são rarefeitas a ponto
de parecerem nada ou vácuo, não podem ser percebidas no atual nível da
ciência. Surpreendentemente, esse corpo fluido é a verdadeira fonte de toda
energia. É impossível imaginar sua essência, profundamente sutil e
misteriosa.

O kakusha8 é aquele que conheceu uma parte desse mistério. O


homem que conheceu mais do que uma parte é chamado daikakusha9. E o
daikakusha que se aprofundou ainda mais, atingiu o nível de kenshinjitsu10.

Ao examinar com olhos de kenshinjitsu essa cultura que enfatizou


excessivamente a matéria, notamos algo surpreendente: foi precisamente o
materialismo que possibilitou o surgimento e o progresso de uma cultura
tão brilhante. Essa contradição constitui o maior dos mistérios e não está
excluída do insondável Plano de Deus. Em síntese, a civilização até agora
foi bem sucedida na parte material, mas malogrou na parte espiritual. Por
que não criou Deus uma civilização perfeita e sem falhas desde o
princípio? Essa dúvida poderá ser claramente elucidada à medida que a
leitura deste livro despertar a compreensão.

8
Kakusha: “iluminado”, no budismo.
9
Daikakusha: “grandemente iluminado”.
10
Kenshinjitsu: o homem que alcançou o cume da pirâmide, enxergando o passado, o presente
e o futuro. Para ele não há mais mistérios.

12
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 2

CONSTRUÇÃO DO REINO DOS CÉUS E EXPULSÃO DO MAL

Para que o Reino dos Céus se estabeleça neste mundo, há uma


condição fundamental: a expulsão do Mal, armazenado no fundo do
coração da maioria dos homens, hoje em dia. De modo geral, as pessoas
dotadas de bom senso desaprovam o Mal e evitam o seu contato. Sistemas
éticos e morais foram criados para condená-lo. Esta é também a principal
meta da educação, enquanto as religiões aconselham a praticar o Bem e a
rejeitar o Mal. Em todas as camadas sociais, admoestações contra o Mal
são feitas de pais para filhos, entre os cônjuges e entre superiores e
subalternos. Inexplicavelmente, porém, a despeito de todos esses esforços,
há no mundo muito mais homens maus do que bons. Em cada dez pessoas,
pode-se dizer que nove são más, em maior ou menor escala. Em rigor, a
proporção dos bons não chega a perfazer um décimo da humanidade.

Há vários tipos e graus de homens maus. O primeiro tipo, por


exemplo, é o dos que são perversos do fundo do coração, causando o mal
deliberadamente. O segundo é o dos que o fazem inconscientemente. O
terceiro é o que o comete por ignorância. E o quarto é o dos que incidem no
Mal acreditando tratar-se de um bem. Não há necessidade de explicar o
primeiro tipo. O segundo é o mais comum. No terceiro inserem-se os povos
etnicamente bárbaros e, individualmente, os dementes, débeis mentais,
crianças etc., razão por que não chega a constituir um problema. O quarto
tipo é o mais nocivo, devido à firmeza e ao fervor com que se comete o
Mal, persuadido de estar praticando o Bem. Mais adiante11 estender-me-ei
sobre esse ponto. Por ora, examinemos o mundo do Mal visto pela
perspectiva do Bem.

Bastaria lançar um olhar abrangente ao mundo de hoje para deduzir


que se trata de um mundo totalmente dominado pelo Mal. Desde a
Antigüidade, muitos têm sido os exemplos de homens bons atormentados
pelos maus. Jamais ouvi dizer, porém, que homens maus tenham sido
maltratados por homens bons. Os maus sempre contam com muitos aliados,
ao passo que os bons, normalmente, têm poucos aliados. Os maus são
11
Na terceira parte do livro.

13
A Criação da Civilização

geralmente poderosos, desprezam as leis e caminham despreocupados pelo


mundo. Os bons, ao contrário, vivem oprimidos ou atemorizados. Tal é a
imagem da sociedade. Os bons, por serem fracos, sempre foram oprimidos
pelos maus, que são fortes. Como contestação a esse contra-senso, nasceu,
espontaneamente, a democracia. No Japão, devido à mentalidade feudal
predominante, prevaleceu, durante longos anos, uma sociedade em que os
fortes dominavam os fracos. Felizmente, graças a uma potência estrangeira,
instituiu-se a democracia. No Japão, portanto, a democracia não surgiu
espontaneamente; foi antes um efeito natural. Não sou o único, entretanto,
a pensar que a democracia ainda não criou raízes firmes. Muitos resquícios
de feudalismo ainda persistem em muitas camadas da sociedade japonesa.

Vejamos, porém, a relação entre o Mal e a cultura. O surgimento da


cultura deveu-se, basicamente, ao conflito entre o Bem e o Mal. A História
nos mostra claramente que, nas eras primitivas e selvagens, os fortes,
inicialmente, atormentaram os fracos, privando-os de sua liberdade,
matando, saqueando e torturando-os arbitrariamente. Em conseqüência, os
fracos tiveram de inventar toda sorte de medidas defensivas. Produziram
armas, levantaram cercas, desenvolveram os meios de transporte.
Individual e coletivamente, dedicaram-se a todos os tipos de invenções, o
que contribuiu enormemente para o desenvolvimento da cultura. Assim,
pouco a pouco, desenvolveu-se a intelectualidade, surgiram métodos de
escrita e estabeleceram-se os primeiros acordos entre grupos, dos quais se
originaram os atuais tratados internacionais. Para refrear o Mal, a sociedade
criou leis e sanções punitivas, cuja formulação deu origem às legislações
atuais. Mas, em verdade, não é fácil eliminar o Mal do ser humano. O
desenvolvimento do intelecto propiciou ao Mal meios ainda mais
engenhosos. Assim, desde as épocas mais primitivas da humanidade,
prosseguiu ininterruptamente o conflito, com os bons defendendo-se da
devastação provocada pelos maus. Em conseqüência, sabe-se o quanto
progrediu a inteligência e o quanto se desenvolveu a cultura. Esse processo
envolveu um grande número de vítimas, mas pode-se dizer que isto foi
inevitável. De qualquer modo, a era da luta entre o Bem e o Mal prossegue
até hoje.

14
A Criação da Civilização

Foi precisamente para aliviar o sofrimento dos bons que surgiram,


de tempos em tempos, os grandes religiosos. Em seus ensinamentos,
procuraram limitar os desejos materiais, colocaram em primeiro lugar as
idéias baseadas na resignação e ensinaram a obediência. Ao mesmo tempo,
para infundir esperanças no futuro, profetizaram o advento de um mundo
ideal, o Reino dos Céus na Terra, o Mundo de Miroku. Por outro lado,
empenharam-se ao máximo para pregar a Lei de Causa e Efeito e
procuraram induzir os perversos a se arrependerem o mais rapidamente
possível. Mas para difundir os seus ensinamentos, sofreram sucessivos
martírios e tiveram de suportar perseguições tirânicas e sangrentas. Esses
homens obtiveram notáveis resultados, mas nada puderam fazer contra a
tendência geral. Os ateus, por outro lado, elaboraram a ciência e
esforçaram-se para, através de meios materiais, proteger a humanidade das
desgraças resultantes do Mal. Em conseqüência, a ciência progrediu e a
cultura produziu frutos muito superiores a qualquer expectativa. Surgiram,
porém, dificuldades inesperadas, pois o lado mal também começou a
utilizar-se dos progressos da ciência. Podemos notar claramente que,
quanto mais potentes se tornam os armamentos, maior é a escalada das
guerras. O resultado é a bomba atômica, cristalização de um horror jamais
imaginado. Ao saber de sua descoberta, muitos se alegraram, pensando que
as guerras haviam chegado ao fim. Mas não tardou a surgir o perigo de sua
utilização pelo lado do Mal, agravando-se ainda mais a intranqüilidade.
Não obstante, é certo que se aproxima o tempo em que se tornará
impossível deflagrar uma guerra. Quando meditamos profundamente sobre
essas coisas, notamos um fato curioso: o mesmo Mal que criou a guerra
será o Mal que porá fim á guerra. Podemos perceber assim que tanto o Bem
como o Mal fazem parte integrante do Plano Divino.

Tanto as pessoas que estão do lado da cultura espiritualista como as


que estão do lado da cultura materialista, excetuando-se as que são más do
fundo do coração, anseiam por um mundo ideal de paz e felicidade. A
questão é saber se tal mundo é realmente possível e, em caso afirmativo,
quando chegará o tempo de sua realização. Como, no momento, não existe
nenhuma perspectiva nesse sentido, agrava-se cada vez mais o sofrimento
da humanidade. Muitas pessoas bem intencionadas, mas cercadas pelas
nuvens da dúvida, não conseguem enxergar uma saída para os seus

15
A Criação da Civilização

problemas. Algumas a procuram na religião, enquanto outras a buscam na


filosofia. A maioria procura promover o progresso da ciência, por acreditar
que somente esta poderá trazer a solução. Mas a ciência tampouco parece
oferecer muitas esperanças e os seres humanos se sentem num beco sem
saída. Enquanto isso, a humanidade continua afligida por três grandes
calamidades: doença, pobreza e guerra, continuamente, sem alternativas.

Eu soube, por Revelação Divina, a razão de todas essas coisas, que


exporei nesta obra a fim de serem corrigidos os erros de toda a cultura.

Voltemos, porém, à questão inicial: se é do Mal que provém a


infelicidade do ser humano, por que permite Deus a existência do Mal? Até
hoje, nem as religiões nem a ciência tocaram nessa questão, renunciando à
tentativa de elucidá-la. É impossível, para o intelecto humano, perscrutar
esse problema altamente complexo e inescrutável. Mas, enquanto essa
questão não for esclarecida, será impossível estabelecer uma verdadeira
civilização. Por isso, revelarei agora a significação fundamental do Mal.
Em verdade, a existência do Mal na Terra foi necessária até agora e
constituiu, até hoje, o mistério do mundo.
De todos os males, os mais ameaçadores para a humanidade são as
duas grandes calamidades: guerra e doença, porque afetam a vida humana.
A guerra, evidentemente, é a maior das tragédias, porque ceifa grande
número de vidas. Para escapar a essa calamidade, os homens envidaram o
máximo de seus esforços e de sua inteligência, o que impulsionou
extraordinariamente o progresso da cultura. Veja-se o magnífico
desenvolvimento alcançado por todos os países, sem exceção - vitoriosos
ou derrotados - no período do pós-guerra. Sem guerras, a cultura,
provavelmente, teria permanecido até hoje em seu estado primitivo,
apresentando, quando muito, algum pequeno progresso. Assim como dois
fios, torcidos um com o outro, formam um cordão, foi através das
vicissitudes da guerra e da paz que evoluiu, gradativamente, a cultura.
Curiosamente, a mesma verdade se aplica à sociedade e ao destino do
próprio homem. É claro, portanto, que os conflitos entre o Bem e o Mal
nada mais são do que degraus para o progresso. Podemos ver, assim, que o
Mal vem desempenhando um grande papel. Sua duração, porém, não será
eterna, mas limitada. Tal é a vontade do Supremo Deus que governa o

16
A Criação da Civilização

mundo. Em termos filosóficos, é o Ser Absoluto, a Vontade Cósmica. Em


outras palavras, trata-se do Fim do Mundo profetizado por Jesus e o
subseqüente advento do Reino dos Céus, tão ansiosamente aguardado pela
humanidade: um mundo de Verdade, Virtude e Beleza, isento de doenças,
pobreza e conflitos, o Mundo de Miroku, etc. Os nomes diferem, mas o
significado é o mesmo. Em síntese, é o mundo onde o Bem terá triunfado
sobre o Mal.

Mas, para a criação de um mundo tão maravilhoso, é necessária


uma preparação adequada. Todos os requisitos, tanto espirituais como
materiais, deverão estar preenchidos. Na ordem da preparação, Deus
antecipou a da parte material, porque a elevação da parte espiritual pode ser
instantânea, ao contrário da parte material, que é mais difícil e requer um
longo período de elaboração. Ao mesmo tempo, foi preciso que o homem,
antes de tudo, descurasse a existência de Deus. Em conseqüência, a mente
humana inclinou-se, naturalmente, para a parte material. Assim nasceu o
ateísmo. O pensamento ateísta foi necessário para a criação do Mal. E
assim nasceu o Mal que, gradativamente, se fortaleceu, afligindo o Bem,
insuflando lutas e atritos, mergulhando a humanidade nos abismos do
sofrimento. Os seres humanos, debatendo-se em agonia, empenharam-se ao
máximo para escapar de tão penosa situação. Isto foi indubitavelmente
trágico, mas imprescindível, pois impulsionou o desenvolvimento da
cultura.

Assim terão compreendido, de modo geral, o sentido básico do


Bem e do Mal. Agora é finalmente chegado o tempo da expulsão do Mal.
Encontramo-nos na linha divisória a partir da qual o Bem trocará de lugar
com o Mal, cuja situação já não é tão fácil. Não se trata de mera suposição,
esperança ou conjetura minha, mas do despontar do programa de Deus no
Plano mundial. Acreditem ou não, este é o destino decisivo da humanidade.
A roda do Mal será sustada. A cultura, até agora livremente manipulada
pelo Mal, voltará para as mãos do Bem. Assim, ingressamos na fase do
estabelecimento do Reino dos Céus na Terra.

17
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 3

O MAL E OS ESPÍRITOS PROTETORES

Como vimos no capítulo anterior, embora o Mal, até agora


necessário, se tenha tornado desnecessário, não é fácil expulsá-lo. No Plano
de Deus concernente a esse ponto, há algo de muito sutil e delicado. Isto
será pouco a pouco explicado. Antes, porém, é preciso conhecer a
constituição do cosmos.

No centro do Universo há três massas flutuantes: Sol, Lua e Terra.


Examinemos os elementos básicos dessas três massas. O elemento do Sol é
kasso (espírito do fogo); o da Lua é suisso (espírito da água) e o da Terra é
dosso (espírito da terra). Cada um desses três elementos tem as suas
peculiaridades e manifesta os seus instintos. Duas energias - as de kasso e
suisso - unem-se para formar a atmosfera que circunda o globo terrestre,
mantendo o nascimento e crescimento de todas as coisas.

Tudo o que está sobre o globo terrestre dividi-se em yang e yin. O


espírito do fogo é yang. O espírito da água é yin. O fogo queima
verticalmente e a água flui horizontalmente. Essas correntes verticais e
horizontais entretecem-se quais fios de uma urdidura em movimento.
Assim entrecruzados, os raios, constituídos de partículas ultradiminutas,
elevam-se até certa altura sobre o globo terrestre, formando as camadas de
ar e a atmosfera. A essência de yang e de yin materializa-se sob forma de
fogo e água, calor e frio, dia e noite, claridade e trevas, espírito e corpo,
homem e mulher, etc. Divididos em Bem e Mal, yang é espírito e Bem; yin
é corpo e Mal. Nesse sentido, o Bem e o Mal estão em contraposição. Tal é
o aspecto básico da Grande Natureza.

Esse princípio pode ser compreendido observando-se o ser humano,


que é estruturalmente composto de dois elementos: corpo físico visível e
espírito invisível. A relação entre o físico e o espírito é uma união
inseparável. A vida humana é sustentada pela energia vital nascida da união
de ambos. Isto, contudo, obedece a uma lei claramente demonstrada pelos
fatos: o espírito é primário e a matéria é secundária. Quando surge uma

18
A Criação da Civilização

vontade na mente, que é o centro do espírito do ser humano, ela ordena ao


corpo que passe à ação. O espírito, portanto, é a essência do homem e o seu
regente.

Mas por que o espírito excita maus pensamentos? Como este é o


ponto focal, será minuciosamente examinado. A explanação, porém, terá de
ser necessariamente religiosa e é com essa intenção que deve ser lida,
porque o problema do Bem e do Mal é um problema da mente12.

Chegamos, assim, ao ponto essencial. Sendo o ser humano


constituído de espírito e matéria, a ciência que toma como objeto de estudo
apenas o corpo físico é uma ciência claudicante, por maiores que sejam os
seus progressos. E é claro que, assim, não poderá nascer uma verdadeira
ciência. O nosso lado, ao contrário, formou-se com base na relação entre
ambos, espírito e matéria. E o que é isto se não a verdadeira ciência? Como
já vimos, o Bem e o Mal têm sua causa na mente, isto é, no espírito. Se a
explanação aqui desenvolvida for cuidadosamente examinada, isto poderá
ser compreendido desde o princípio, contanto que se aceite como verdade a
Lei da Precedência do Espírito sobre a Matéria.

A concepção, como se sabe, é a gênese do ser humano. Sob o ponto


de vista material, é um espermatozóide masculino que salta para um óvulo
feminino e o fecunda. Em termos espirituais, é uma partícula divina que se
instala, tornando-se uma alma. Quando, completadas as luas, esta alma
nasce, outras duas almas se aproximam, estabelecendo-se assim uma
ligação entre as três. Uma destas duas almas é o chamado espírito
secundário. Trata-se de um espírito animal, que geralmente penetra na
criança aos dois ou três anos de idade. A outra é o chamado espírito
guardião, que não se encosta diretamente, mas sempre acompanha o
indivíduo de perto, com a função de protegê-lo. Esses dois espíritos não se
afastarão durante todo o curso da existência. Pode-se dizer, portanto, que o
ser humano é um corpo resultante da cooperação de três.

A primeira alma a instalar-se, o chamado espírito primário, é


intrinsecamente divino e é a consciência. Eis por que se dizia, na
12
Kokoro no original, que significa mente, coração, espírito.

19
A Criação da Civilização

Antigüidade, que o homem é bom por natureza. O espírito secundário, ao


contrário, é intrinsecamente mau e combate incessantemente o bem do
espírito primário. Eis um fato que qualquer pessoa pode saber, se olhar para
dentro de si mesma. O terceiro espírito, ou seja, o guardião13, foi escolhido
entre as almas dos antepassados. Sempre acompanhando o indivíduo de
perto, sua missão é protegê-lo de tudo o que possa conduzi-lo à
infelicidade: acidentes, perigos, doenças, má conduta, preguiça,
depravação, etc. A ele também se devem os pressentimentos, sonhos
premonitórios, impedimentos, desencontros e atrasos. Como, por exemplo,
quando, pelo fato de perder um trem, uma pessoa escapa de um perigo. Ou
quando algum incidente a impede de entrar em contato com algo nocivo.

Entre o espírito primário e o espírito secundário trava-se uma


constante batalha. Quando triunfa o primeiro, o Bem é praticado. Quando
triunfa o segundo, o Mal é cometido. O ser humano está entre Deus e o
animal. Quando se eleva, torna-se divino; quando decai, assemelha-se a um
animal. Disto o mundo nos oferece claros exemplos.

Que espécie de espírito se torna um espírito secundário? Nos


homens japoneses, são principalmente os espíritos desencarnados de
serpentes, texugos, cavalos, cachorros e aves, além de outros. Nas mulheres
japonesas, são geralmente os espíritos desencarnados de raposas, cobras,
gatos, aves e outros. Além do espírito secundário, outros espíritos podem
encostar-se temporariamente. O homem moderno não acredita em tais
coisas, que lhe parecem ridículas. Trata-se, contudo, da pura verdade e ele
só não consegue aceitá-la por causa da superstição materialista. Eliminada
a superstição, compreenderia imediatamente. O ser humano expressa,
sobretudo, as características do espírito animal que o acompanha. Basta um
olhar atento para percebê-lo. Os espíritos que se encostam temporariamente
também são, quase sempre, de animais. Algumas vezes, entretanto, o
indivíduo é possuído pelo espírito desencarnado de outro ser humano e,
mais raramente, pelo espírito de uma pessoa viva.

13
No original japonês, os três espíritos são chamados de guardiões por Meishu Sama, que a
eles se refere como espírito guardião primário, espírito guardião secundário e espírito guardião
principal. Para simplificar e evitar confusões, preferimos, nesta tradução, chamar de guardião
somente ao espírito protetor propriamente dito, que corresponderia ao anjo da guarda, no
cristianismo.

20
A Criação da Civilização

Mas por que esses espíritos se encostam temporariamente? Isto se


deve à impureza do espírito da própria pessoa. Quanto mais densas as suas
nuvens, mais facilmente ela fica sujeita ao encosto. O espírito secundário
torna-se então mais forte e o indivíduo, infalivelmente, passa a praticar o
Mal. Hoje em dia, como a maioria das pessoas está carregada de nuvens
espirituais, os espíritos malignos encontram muita facilidade para encostar-
se e atuar, o que aumenta a incidência de crimes. O homem de fé em Deus,
ao contrário, tem poucas nuvens. Quem gosta de praticar o Bem tem a alma
pura e é mais forte para dominar o espírito maligno. Vemos, assim, a
importância da fé. Aquele que não tem fé, ainda que pareça ser boa pessoa,
está normalmente sujeito, a qualquer momento, à possessão por um espírito
maligno. Por isso, pode-se dizer que, até certo ponto, é um indivíduo
perigoso. Conseqüentemente, para criar uma sociedade melhor, não há
outro meio se não aumentar o número dos possuidores de almas puras.

Originalmente, a alma é uma espécie de corpo luminoso cuja luz é


muito temida pelos espíritos animais. Hoje em dia, porém, quase todas as
pessoas têm a alma nublada, o que facilita a penetração do espírito animal
visitante. Como o ser humano é imediatamente manipulado por esses
espíritos, é natural que, no estado social vigente, os demônios andem à
solta. As autoridades, cegas para estas coisas, procuram cercear o Mal
somente por meio de leis e sanções penais. Como essas medidas estão
totalmente desviadas do ponto focal, não podem ser eficazes, pois não
passam de meros paliativos. No Congresso Nacional do Japão, entretanto,
persiste-se nessa lamentável insensatez, pois quase todos os projetos de lei
apresentados não passam de emendas e complementos a leis já vigorantes.
Mas, uma vez compreendido o sentido geral do Mal, torna-se claro que não
há outra maneira de solucionar radicalmente a questão, a não ser por meio
da fé.

Não basta, contudo, simplesmente ter fé. As divindades cultuadas


pelas várias religiões dividem-se em três classes - superior, média e inferior
- num total de 181 graus. Ao mesmo tempo, há divindades justas e
divindades malignas, sendo muito difícil distinguir entre umas e outras. Há
pessoas que, a despeito de sua ardente fé e devoção, não recebem graças.
Suas enfermidades não são curadas e sua conduta não é muito

21
A Criação da Civilização

recomendável. Isto porque o poder da divindade que adoram é muito fraco


para impedir a atuação das divindades malignas. O problema é que o
mundo, ao observar estes casos, rotula tais crenças de baixa superstição e
julga que todas as religiões, mesmo as justas, são iguais às outras.

Na Antigüidade, os homens, de modo geral, consideravam sublimes


todos os deuses, sem saber que existem diferenças entre eles. Isto foi muito
perigoso. Até agora, as divindades, mesmo quando justas, foram de nível
secundário. Seu poder era fraco na luta entre o justo e o injusto, razão por
que o Mal temporariamente triunfava. E os homens, ao observarem esse
triunfo, adoraram o Mal e tentaram imitá-lo. Esta tem sido especialmente a
tendência dos mais ambiciosos e capacitados. A História registrou a
passagem de muitos desses heróis e grandes homens. Temporariamente,
foram bem sucedidos, mas todos, sem exceção, acabaram malogrando.
Observando-os sob o ponto de vista espiritual, vemos que foram todos
possuídos por uma grande entidade do reino demoníaco. O interessante é
que, de início, tudo lhes corre bem, mas, a um certo ponto, infalivelmente
malogram. O espírito encostado então se afasta imediatamente. O Kaiser,
Mussolini e Hitler constituem exemplos relevantes. Após o malogro,
ficaram como que abobalhados, parecendo outra pessoa. Isto sempre
acontece após o afastamento de um grande espírito diabólico.

Por incrível que pareça, o chefe do reino diabólico elaborou, há


mais de dois mil anos, planos terrivelmente minuciosos e duradouros para
dominar o mundo, e até hoje prossegue com suas manobras secretas. Mas
tem sido combatido pelas divindades da linha de Cristo, Sakyamuni,
Maomé e Kunitokotati-no-Mikoto14.

O Supremo Deus fez progredir a cultura mediante o confronto entre


as divindades justas e os jashin15. Em conseqüência, os jashin chegaram a
dominar até 99 por cento (kobukurin) do mundo. Agora, manifestando
finalmente o poder do itchirin (0,01), o Supremo Deus inverterá de uma
vez o grande plano dos jashin. Esta é a luta entre o kobukurin e o itchirin16,

14
Kunitokotachi no Mikoto: considerado o Criador do mundo no xintoísmo.
15
Jashin: divindade maligna, demônio, diabo, falso deus.
16
Consulte o Adendo para uma explicação sobre kobukurin e itchirin.

22
A Criação da Civilização

da qual estamos a apenas um passo. Quem compreender esta verdade, não


deixará de despertar plenamente.

23
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 4

O SURGIMENTO DO MAL E AS DOENÇAS

Como já vimos no capítulo anterior, tendo surgido o itchirin (0,01)


do Bem a brandir o Absoluto Poder Divino contra o kobukurin (0,99) do
Mal, toda a cultura instituída será corrigida, estabelecendo-se, ao mesmo
tempo, uma nova cultura. Em síntese, haverá uma inversão. Este é o cerne
do Plano de Deus. Um plano sem precedentes, além da imaginação, com o
qual está relacionado o episódio do fruto proibido mencionado no Livro da
Gênesis do Antigo Testamento. Trata-se, evidentemente, de uma metáfora,
pois a história de Adão e Eva no Jardim do Éden oculta um profundo
mistério. Este será pouco a pouco esclarecido. Antes, porém, é preciso que
o leitor faça de sua mente uma tabula rasa, pois, caso contrário, não poderá
entender.

O Mal, como se sabe, surgiu ao ser comido o fruto da árvore. O


fruto proibido são os remédios. Através dos remédios criaram-se as
doenças. E através das doenças nasceu o Mal. Ao saber que o fruto
proibido é uma alusão aos remédios, não haverá quem não se espante, pois,
muito antes da Era Cristã, a humanidade começou a usar remédios com o
fim de curar enfermidades. A razão disto, que está além da imaginação, terá
de ser exaustivamente explicada, por meio da teoria e de fatos concretos.
Leia-a, portanto, com os olhos bem abertos.

Como já vimos, o ser humano é constituído de espírito e de corpo.


Já expliquei o princípio segundo o qual o espírito é o principal e o corpo é
secundário. A causa do aparecimento do Mal são as nuvens surgidas no
espírito. Por intermédio dessas nuvens, o espírito animal presente desde o
início e o espírito animal que se encostou posteriormente, induzem o ser
humano a praticar atos animalescos. Tal é a atuação do Mal. Em síntese, as
nuvens do espírito são nada mais nada menos do que o Mal. Claro está,
portanto, que para erradicar o Mal é preciso dissolver as nuvens do corpo
espiritual. O grande problema é que as nuvens foram causadas pelos
medicamentos. As nuvens do corpo espiritual constituem um reflexo da
impureza do sangue. O sangue impuro foi criado pelos remédios. Se o ser

24
A Criação da Civilização

humano não usasse remédios, o Mal não teria surgido. Compreendido isto,
pode-se saber que o fruto proibido, ou seja, o remédio, é a base para o
surgimento do Mal.

Há mais um ponto importante. Os medicamentos que produziram o


Mal para impulsionar o progresso da cultura vieram desempenhar outro
grande papel, como veremos a seguir. A ação purificadora natural elimina
as impurezas do sangue, pois a acumulação de nuvens afeta a saúde,
perturbando as atividades instintivas do ser humano. Devido ao insuficiente
desenvolvimento de sua inteligência, o homem interpretou, como sendo
negativas, as dores decorrentes da ação purificadora, e começou a utilizar
remédios para escapar dos padecimentos que acompanham as doenças. A
paralisação da ação purificadora debilita o corpo. O enfraquecimento do
corpo, por sua vez, torna mais fraca a ação purificadora e ameniza a dor.
Confundindo este processo com a cura de sua doença, o homem iludiu-se.
Este equívoco é a causa fundamental do mundo infernal em que hoje
vivemos, repleto de sofrimentos. Os remédios só aliviam a dor por causa de
seus venenos e, além de não terem nenhum poder de cura, são, ademais,
causadores de enfermidades. Como expressar tamanha ignorância? Mas
nesta cegueira em relação às doenças há, na verdade, uma profunda e
prodigiosa intenção divina, que aqui exporei minuciosamente.

Havia dois meios para desenvolver a cultura. O primeiro, como já


expliquei, criando o Mal para combater o Bem; e o segundo debilitando a
saúde do ser humano. Examinando a história da humanidade desde os
tempos primitivos, compreendemos que o homem, inicialmente, levava
uma vida natural. Suas roupas, alimentação e morada eram quase iguais às
dos animais, bem como sua saúde e vitalidade física. Ele escalava
montanhas e corria pelos campos, lutava com animais ferozes e cobras
venenosas. Pode-se dizer que essas atividades, naqueles tempos, absorviam
a totalidade de sua vida. Pouco a pouco, essa agressividade animalesca foi-
se tornando desnecessária, e os homens começaram a lutar entre si.
Mediante à intensificação desses conflitos, desenvolveu-se enormemente a
sua inteligência e, ao longo dos séculos, criou-se finalmente a cultura.
Pode-se imaginar que, se o homem continuasse a levar uma existência
tranqüila e sem conflitos, sua inteligência pouco se teria desenvolvido e ele

25
A Criação da Civilização

se contentaria com seu estado primitivo. Mas, ao comer do fruto proibido,


criaram-se as doenças e gerou-se o Mal. Como isto não foi até hoje
percebido, a humanidade caiu na superstição extremada dos medicamentos,
persistindo cada vez mais no erro.

À medida que conquistava os animais ferozes e cercava sua


existência de maior segurança, o homem, que nos tempos primitivos
gozava de uma saúde perfeita, começou a perder sua vitalidade física. Ao
mesmo tempo, desenvolveu sua inteligência: começou a abrir estradas e a
locomover-se sobre carros puxados por cavalos e bois, em lugar de viajar a
pé. Isto no Japão. Em outras partes, inventou o trem que corre sobre trilhos,
queimando carvão. Novos progressos o levaram a criar maravilhosos meios
de transporte, como o automóvel e o avião, bem como aparelhos elétricos,
rádios, etc. No esforço de reduzir a infelicidade do ser humano,
desenvolveram-se as ciências e grandes progressos foram alcançados em
todos os campos da cultura. Organizaram-se instituições sociais, políticas,
econômicas, educacionais, morais, artísticas, etc., de cujo progresso e
desenvolvimento surgiu a atual sociedade civilizada. Tudo isto nada mais
foi do que uma preparação para o estabelecimento do Reino dos Céus na
Terra, que se aproxima.

A medicina teve como princípio introduzir o Mal no ser humano e


debilitar sua saúde. Assim, o mundo, como estava previsto, chegou ao que
é hoje. Mas, se a medicina avançar ainda mais, a humanidade, ao contrário,
corre o risco de ser destruída. Para sustar novos avanços, Deus revelou-me
a Verdade, a fim de que se processe a grande transição da civilização, e o
Mal seja, até certo ponto, controlado. Chegou a hora do estabelecimento da
Nova Civilização, na qual o Bem terá precedência sobre o Mal.

26
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 5

SAÚDE E LONGEVIDADE

Farei aqui uma exaustiva análise crítica da medicina. Antes, porém,


devo escrever sobre a saúde e a longevidade. Se a medicina contemporânea
fosse uma autêntica arte de curar, deveria, logicamente, reduzir a cada ano
o número de doentes e prolongar paulatinamente a vida. Bastariam algumas
centenas de anos para que a tuberculose17 e as epidemias, consideradas os
problemas mais difíceis da atualidade, fossem exterminadas, e para que os
sofrimentos decorrentes das enfermidades se tornassem uma lenda do
passado. A realidade, entretanto, nos mostra exatamente o contrário,
deixando claro que não se trata de uma autêntica medicina.

Quando o Criador criou o ser humano, determinou claramente a


duração de sua vida. Esta, como me foi mostrado por Deus, deveria ser de
120 anos no mínimo, com possibilidades de se chegar até aos 600 anos. Se
os homens, portanto, não incorressem em erro, poderiam atingir
normalmente a idade de 120 anos, e sua existência seria então repleta de
esperanças. Além de uma vida longa, gozariam sempre uma saúde vigorosa
sem jamais se preocuparem com doenças. E a Terra se tornaria realmente
um Paraíso.

Mas em que consiste o erro? A causa, por incrível que pareça, é


precisamente a medicina. Ilustrarei a tese dos 120 anos com uma alegoria,
dividindo a vida humana em quatro estações: primavera, verão, outono e
inverno. Janeiro, fevereiro e março são os três meses da primavera18.
Considerando como Ano Novo o dia do nascimento, em janeiro temos o
período da infância. Fevereiro, quando as ameixeiras se cobrem de flores,
corresponde ao período da adolescência. E, na época em que começam a
florir as cerejeiras, o homem tornou-se independente, lançando-se no
mundo. Segue-se o mês de abril, quando a floração das cerejeiras atinge o
seu clímax. Nesse período, que se estende até os 40 anos, o homem, de
coração alegre e despreocupado, está no auge de suas atividades.

17
Na época em que Meishu Sama escreveu estas palavras, a tuberculose vitimava grande
número de pessoas, no Japão.
18
No Japão a primavera começa efetivamente em janeiro.

27
A Criação da Civilização

Dizem que aos 42 anos o homem atinge uma idade crítica.


Poderíamos compará-la ao período em que desabam as tempestades,
despetalando as flores da noite para o dia. Nos meses de maio, junho e
julho, que correspondem à estação do verão, novas e luxuriantes folhagens
verdes começam a brotar, até que os galhos fiquem pesadamente
carregados de frutos. Passada essa estação, a temperatura começa a declinar
e chega finalmente o outono, época de sazonamento e do início das
colheitas. Assim também é com o ser humano, que vê amadurecerem, nessa
época, os frutos de seu árduo labor de longos anos. Concluída uma fase de
seu trabalho, ele adquire respeitabilidade e, enquanto vê os seus netos se
multiplicarem, ingressa no ditoso período final de sua vida. Fazendo uso de
suas diversas experiências e da confiança que granjeou, dedica-se a ajudar
os outros e a beneficiar o mundo, na medida de suas possibilidades. Ao fim
desse decênio, tendo atingido os 90 anos, começa a estação invernal, e o
homem pode passar o resto de seus dias apreciando a Natureza. A menos
que prefira prosseguir com suas atividades, pois tem condições de trabalhar
até o fim de sua existência.

Pelo exemplo citado, vemos que a duração da vida coincide


perfeitamente com as quatro estações. Esse ponto de vista é o mais
apropriado para substanciar a tese dos 120 anos. Quando as terapêuticas
medicinais tiverem desaparecido, viver até os 120 anos não será algo
prodigioso.

Vários são os métodos de tratamento médico existentes, mas, até o


século XX, os mais empregados foram os medicamentos. Utilizados
durante séculos, produziram muitas enfermidades. Como as doenças foram
criadas pelos remédios e como se tenta curá-las por meio de remédios, é
natural que as moléstias se agravem e que diminua, ao mesmo tempo, a
duração da vida humana. A melhor prova do que foi dito é que as
variedades de moléstias não diminuíram, como deveria ocorrer, com os
progressos da medicina. Ao contrário, o seu número aumenta em proporção
ao surgimento de novas espécies de medicamentos.

28
A Criação da Civilização

Há outro fato importante, geralmente negligenciado. Se a medicina


pudesse verdadeiramente curar enfermidades, a saúde dos médicos e de
seus familiares deveria ser muito superior à dos demais indivíduos, e não
inferior, como é na realidade. Entre os doutores, são os médicos, como se
sabe, os que têm a vida mais curta, e os membros de suas famílias são mais
fracos. Excetuando-se os óbitos devidos a desastres ou acidentes, quase
todas as mortes, hoje em dia, são causadas por enfermidades. E a agonia é
geralmente tão penosa que muitos doentes chegam a implorar que os
matem de uma vez, para não terem de suportar tantos sofrimentos.

Qual a razão de tais padecimentos? É que as pessoas morrem antes


de haver chegado a sua hora, como galhos que são partidos à força. Quando
as folhas das árvores secam e caem, quando a grama murcha ou quando os
cereais são colhidos depois de amadurecidos, o seu ciclo de vida concluiu-
se de modo natural. Mas se uma folha é arrancada enquanto ainda está
verde ou se uma espiga de arroz é colhida antes de amadurecer, trata-se de
um processo antinatural. A morte deve ser sempre natural. Contudo, a
vitalidade do homem moderno está de tal modo debilitada, que mesmo
quando morre de morte natural, geralmente não chega além dos 90 ou 100
anos de idade. Deus deu ao ser humano pelo menos 120 anos de vida e
criou-o para que possa trabalhar sem sofrer enfermidades. Mas os homens,
em sua estultice, incorreram no erro, criaram os sofrimentos decorrentes
das doenças e encurtaram a vida. Faltam-me palavras para expressar tão
dolorosa ignorância.

29
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 6

SALVADOR E REDENTOR

Já vimos que o Mal foi fundamentalmente necessário para o


progresso e o desenvolvimento da cultura, mas há outro importante ponto a
assinalar. A História registrou o surgimento de muitas religiões. Todas, sem
exceção, encorajaram o Bem e condenaram drasticamente o Mal. A missão
das religiões consistiu precisamente em evitar o Mal. Algumas pessoas,
porém, costumavam formular-me perguntas do seguinte teor: "Por que,
sendo Deus a encarnação do amor e Buda a da misericórdia, criaram
homens maus? Para induzi-los a cometer pecados e depois puni-los? Não
haverá nisso uma grande contradição? Se o Mal não tivesse sido criado
desde o princípio, não haveria necessidade de punições. Será esse o
verdadeiro Amor de Deus?" A pergunta, evidentemente, tem fundamento e,
para dizer a verdade, também me intrigava, de modo que eu
invariavelmente respondia: "Sim, com efeito. Mas não fui eu quem criou o
Mal e por isso não posso explicá-lo. Deus criou o Mal por alguma razão
que, tenho certeza, algum dia nos será mostrada. Só nos resta, portanto,
esperar até lá".

Esse dia finalmente chegou. A razão, para minha grande alegria, me


foi cabalmente revelada por Deus. Qual uma lâmpada acesa na noite
escura, a explanação poderá abrir os olhos de muitas pessoas que,
certamente, também nutrem as mesmas dúvidas.

Por que todos os fundadores de religiões até agora condenaram


irrestritamente o Mal? Como já expliquei, Deus Supremo não mostrou
antes o seu significado mais profundo, porque o Mal foi necessário durante
um certo período. Nem mesmo as divindades justas o souberam e tentaram
criar o mundo do Reino dos Céus unicamente por meio da justiça, enquanto
os jashin, ao contrário, procuraram concretizar as suas ambições através do
Mal, sem olhar os meios. Mas, tendo finalmente chegado ao fim o tempo
da duração do Mal, Deus Supremo manifesta diretamente o Seu poder,
revelando o significado fundamental do Bem e do Mal.

30
A Criação da Civilização

Até hoje, nem os grande fundadores de religiões puderam dispor do


supremo poder. Jesus Cristo chamou-se o Redentor, mas não disse ser o
Salvador. Redentor, como a própria palavra o indica, é o Senhor que
redime pecados. Ou seja, aquele que em seu corpo absorve os pecados de
milhões de pessoas, com a missão de por eles pedir perdão ao Supremo
Deus. Por isso, para redimir os pecados de milhões de indivíduos, foi
crucificado.

Sakyamuni, por outro lado, devotou-se de corpo e alma á pregação


dos sutras, com o fim de criar, através do budismo, um mundo paradisíaco.
Este, porém, não evoluiu do modo como ele a princípio previra. Diz um
sutra que Sakyamuni alcançou o estado de kenshinjitsu aos 72 anos de
idade, quando conheceu verdadeiramente o seu destino e a sua missão.
Despertou então para o seu erro e, compreendendo que a concretização do
mundo paradisíaco ainda estava muito distante no futuro, confessou haver
algumas falhas nos sutras que anteriormente pregara e que o que ensinaria a
seguir seria a verdade. Passou então a ensinar o que chamou de a
verdadeira doutrina, exposta nos três sutras: Hoometsujin-kyo (o sutra sobre
a extinção do budismo), Miroku-shutsugen-jooju-kyo (o sutra sobre o
advento e a realização de Maitreya) e nos vinte e oito volumes do
Sadharma-pundarika-sutra (O sutra do Lótus). Em síntese, Sakyamuni
soube que o budismo fatalmente desapareceria, após o que viria o mundo
de Maitreya-Boddhisattva, isto é, o Paraíso na Terra. Esta profecia é
amplamente conhecida.

Quero chamar atenção para o tempo previsto por Sakyamuni para o


advento do mundo de Maitreya: dali a 5 bilhões 670 milhões de anos.
Pensando bem, é absurdo pensar que a profecia possa dizer respeito a um
futuro tão distante. Primeiramente, porque tal previsão careceria de
significado; é impossível imaginar o que será do mundo e da humanidade
num futuro tão distante. Foi-me revelado que a profecia indica os números
5, 6 e 7, que encerram uma profunda significação oculta: 5 é Sol (fogo), 6 é
Lua (água) e 7 é Terra. Esta é a ordem correta. Até hoje, porém, prevaleceu
a ordem incorreta: 6, 7 e 5. Mais adiante19, estender-me-ei sobre esse ponto.
Em todo caso, nem mesmo os grandes mestres puderam expor a Verdade.
19
Na terceira parte do livro.

31
A Criação da Civilização

Nos sutras e na Bíblia falta clareza, tornando quase impossível a captação


da Verdade. O tempo, evidentemente, ainda não era chegado. Mas aqui,
Deus Supremo finalmente revela a Verdade profunda. O que se explica
neste livro é bem claro, sem deixar margem a dúvidas, para que qualquer
pessoa possa perceber a Verdade.

As poderosas forças do Mal já conquistaram o kobukurin20 (0,99 do


mundo). Mas quando tentarem conquistar o 0,01 restante, surgirá
inesperadamente o poder do itchirin, invertendo de uma vez o malicioso
estratagema das divindades malignas. Isto significa que este mundo, em
que o Mal prevaleceu sobre o Bem, se tornará um mundo em que o Bem
prevalecerá sobre o Mal. Em termos concretos, o mal do kobukurin é a
medicina materialista. Como eu já disse, também este foi um mal
necessário e até agora foi bom assim. Mas, em conseqüência, dominou
completamente a vida, que é o bem mais precioso do ser humano. Se a
medicina, portanto, está errada, pode-se dizer que a vida corre um perigo
inexprimível. Mas corrigir esta medicina em que a humanidade acredita
com tão sólida convicção não é uma tarefa fácil.

20
Veja explicação no Adendo.

32
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 7

O REINO DOS CÉUS NA TERRA

Reino dos Céus na Terra é uma expressão bíblica. As escrituras do


budismo referem-se ao mundo de Miroku. No Ocidente, fala-se em Utopia.
A criação desse mundo ideal, como eu já disse, é desígnio de Deus e o
curso até hoje seguido pela História nada mais foi se não uma trajetória em
direção a essa meta. Gradualmente, após muitas vicissitudes, a humanidade
se encontra agora a apenas um passo do Reino dos Céus. Que, em síntese, é
um mundo isento de doenças, pobreza e conflitos. Desses três grandes
infortúnios, porém, é a doença que detém a primazia, pois, resolvido o
problema das doenças, a pobreza e os conflitos também serão
automaticamente eliminados21. Por isso, esclarecerei e analisarei,
exaustivamente, a causa fundamental das doenças.

Ao contrário do que ocorre com a ciência médica, esta não é uma


teoria científica nascida do intelecto humano. É a verdade fundamentada na
revelação de Deus e confirmada pela experiência, razão por que não pode
conter a mínima parcela de erro. Por experiência, refiro-me à prodigiosa
percentagem de curas alcançada por meus adeptos no tratamento diário de
milhares de doentes - cem para cada cura registrada pela medicina - e não
se trata de mera força de expressão. Mas, a despeito da prodigiosa realidade
dessas curas, a humanidade continua a confiar, erroneamente, na ciência
médica, que não tem poder curativo, que aflige os homens com dolorosas
enfermidades e encurta vidas que poderiam ser prolongadas. Ante essa
deplorável situação criada pela ignorância, não me é mais possível
permanecer calado.

Naturalmente, Deus não poderia permitir que perdurasse essa


trágica situação, pois poderia representar o fim da humanidade. Por isto, e
também para criar homens saudáveis que habitem o mundo ideal vindouro,
torno públicos os erros da ciência médica.

21
A relação entre pobreza, doença e conflito é explicada na terceira parte do livro

33
A Criação da Civilização

VOLUME II

34
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 8

DOENÇAS

Passaremos agora a falar sobre doenças. O que é a doença? Em


síntese, é o processo de eliminação das impurezas que não devem
permanecer no organismo. O indivíduo livre de impurezas tem uma boa
circulação e uma saúde vigorosa, podendo gozar uma vida sempre ativa
durante toda a sua existência. E o que são essas impurezas? São produtos
químicos introduzidos no organismo sob a forma de medicamentos que,
com o passar do tempo, sofrem uma alteração em sua estrutura,
degenerando, envenenando o sangue e transformando-se em pus. Mas por
que começou o homem a fazer uso de medicamentos que produzem
enfermidades?

Nas eras primitivas, à medida que a população aumentava, os


alimentos, pouco a pouco, começaram a escassear. E o homem começou a
procurar alimentos em toda parte, comendo tudo o que encontrava nas
montanhas, vales e rios: castanhas, frutos silvestres, insetos, moluscos e
pequenos peixes. Por serem os seus métodos de pesca e agricultura muito
primitivos e por não dispor de uma técnica para distinguir entre os bons e
os maus alimentos, o homem, preocupado apenas em saciar o seu apetite,
freqüentemente se intoxicava. E ao sofrimento decorrente chamou doença.
Procurando um meio de livrar-se das dores, experimentou raízes de plantas
e cascas de árvores. Ao descobrir, por acaso, que algumas atenuavam o
sofrimento, o homem, agradecido, as chamou remédios. As dores e o mal-
estar decorrentes da intoxicação alimentar faziam parte do processo de
purificação. Os remédios aliviavam as dores porque interrompiam o
processo de eliminação das toxinas. Desde aqueles tempos, entretanto,
começou-se a pensar que a paralisação da purificação fosse o meio de curar
as doenças. E essa ilusão persiste há mais de dois mil anos.

Na China, a descoberta dos remédios é atribuída a Nanko-shi, um


imperador da dinastia Han22. Também conhecido com o nome de Shen
Nung, foi ele quem introduziu o Kan-po23. No Ocidente, extraíram-se
22
Por volta do terceiro milênio a.C.
23
Kan-po: medicina chinesa à base de plantas medicinais.

35
A Criação da Civilização

remédios não só de plantas e cascas de árvores, mas de todas as outras


coisas. Parece incrível que, sob esse aspecto, a inteligência do homem não
tenha evoluído desde as eras primitivas e que ainda hoje persista a idéia
segundo a qual os remédios curam as enfermidades.

Para melhor explicar as doenças, tomarei como exemplo a gripe,


uma afecção que todo ser humano já experimentou. O primeiro sintoma da
gripe é a elevação da temperatura do corpo. A seguir, surgem dores de
cabeça, tosse, catarro, suores, dores nas juntas e torpor. Alguns desses
sintomas são constantes, na gripe. Mas todos são causados pelo fenômeno
da purificação, ou seja, o processo de que se serve o organismo para
eliminar as impurezas ou toxinas. Por desconhecimento desse fato, a
medicina procura tolher a eliminação, cometendo, assim, um grande erro.
As toxinas impedem a boa atividade do organismo. Por isso, quando a sua
acumulação ultrapassa um certo limite, a própria Natureza provoca a sua
eliminação. Nesse processo, as toxinas são dissolvidas pela febre e
expulsas do corpo sob a forma de catarro, coriza, suor, urina, diarréia, etc.
Se o indivíduo suportar pacientemente a dor e o desconforto durante um
curto período, a ação purificadora poderá processar-se normalmente,
reduzindo as toxinas e aumentando, proporcionalmente, a saúde. A ciência
médica, entretanto, interpreta tudo isso ao contrário, vendo nas dores e no
sofrimento um fenômeno prejudicial ao organismo. Conseqüentemente, faz
o possível para suprimí-los, o que constitui um erro terrível.

Basicamente, a purificação pode ocorrer com mais facilidade


quando a vitalidade do corpo é elevada. O único meio de impedir a
purificação é baixar a vitalidade. É precisamente o que fazem os
tratamentos médicos. O meio mais eficaz de debilitar o organismo são os
venenos chamados remédios. Como os sintomas diminuem à medida que o
organismo se debilita, é compreensível que tenha surgido esse equívoco
que, no fundo, não passa de ignorância.

O corpo humano dissolve as toxinas por meio da febre e procura


eliminá-las sob forma líquida. Mas isto irrita os nervos, causando dor e
sofrimento. Não se sabe quando nem como, esse sofrimento passou a ser
erroneamente interpretado como algo prejudicial. Conseqüentemente,

36
A Criação da Civilização

procura-se, por meio de bolsas de gelo, cataplasmas, antipiréticos, etc.,


conservar as toxinas em seu estado sólido, impedindo que se dissolvam.
Assim, em lugar de curar a doença, impede-se a sua cura. Mas o alívio
temporário da dor é erroneamente interpretado como um processo de cura.
No entanto, são os próprios métodos empregados para amenizar as dores
que criam as doenças, de modo que o problema é bastante grave. Essa
graça denominada doença, dada pelo Céu para aumentar a saúde, foi
interpretada ao contrário e faz-se o possível para impedi-la por meio da
ciência médica. A expressão "combater a doença", muito ouvida nos
últimos tempos, nasceu dessa idéia errônea.

Quando uma pessoa apanha um resfriado e tenta impedir o seu livre


curso, impede a expulsão das toxinas que deveriam ser eliminadas, às quais
se acrescentam as novas toxinas dos remédios. Como as toxinas voltam a
ser temporariamente solidificadas, desaparecem as dores e o desconforto, e
o indivíduo, estultamente, pensa estar curado. Muito ao contrário, pois,
além de impedir a eliminação das toxinas, estas ainda foram acrescidas de
novas toxinas. Em conseqüência, é natural que surja, mais tarde, uma
purificação bem mais severa. A prova é que os resfriados medicados nunca
se curam de uma só vez. Com a mudança de clima, a maioria das pessoas
apanha resfriados e, para muitas, a gripe se torna uma afecção crônica. Ao
lerem estas palavras, poderão convencer-se da verdade.

Há um conceito muito antigo, segundo o qual a gripe é considerada


a base de todas as doenças. Nada mais falso. Para o ser humano não existe
um processo de limpeza interior do corpo mais simples, mais salutar e
benéfico do que a gripe. A grande incidência de casos de tuberculose,
registrada nos últimos tempos, é uma conseqüência do combate aos
resfriados, pois a supressão da gripe solidifica as toxinas, em lugar de
permitir a sua eliminação. Portanto, o melhor meio de prevenir a
tuberculose é incentivar as pessoas a contraírem gripes. Assim, o problema
da tuberculose seria facilmente solucionado. Como esse fato é ignorado e
como se faz justamente o contrário, é natural que o número de casos
aumente cada vez mais.

37
A Criação da Civilização

As enfermidades são causadas por toxinas solidificadas. Há dois


tipos de toxinas: as constitucionais e as adquiridas. As primeiras são
toxinas medicinais hereditárias; as segundas são adquiridas após o
nascimento. Esses venenos se aglutinam e solidificam nas áreas onde os
nervos são mais ativos. Os nervos mais usados pelo homem são os da parte
superior do corpo: especialmente o cérebro e as áreas circundantes - olhos,
ouvidos, nariz e boca. Antes de se concentrarem nesses pontos, as toxinas,
numa primeira etapa, solidificam-se ao redor do pescoço. Mediante uma
pressão com os dedos, pode-se sentir as partes endurecidas no pescoço e
perto dos ombros. Poucas são as pessoas que não têm toxinas solidificadas
nessas áreas.

Nesses pontos, a temperatura é sempre mais elevada que a das áreas


adjacentes, provocada por uma ligeira purificação. A cefaléia, cabeça
pesada, endurecimento do pescoço e dos ombros, zumbidos nos ouvidos,
lacrimejamento, coriza, catarro, piorréia, etc., são causados por essa
purificação. Quando a quantidade de toxinas solidificadas ultrapassa um
certo limite, produz-se uma purificação natural. Esta também pode surgir
quando a vitalidade do corpo é elevada por meio de exercícios físicos. Uma
brusca mudança de clima pode igualmente provocar uma ação purificadora,
para que o corpo se adapte à Natureza. Essas são as diversas causas da
gripe, sempre prenunciadas por um endurecimento dos ombros. A tosse é
uma bomba para expelir as toxinas liquefeitas. Por esse processo, são
eliminadas não só as toxinas aglutinadas nas proximidades do pescoço, mas
também as de outras áreas. O espirro é outra bomba que expele as toxinas
liquefeitas de trás do nariz e do bulbo.

A gripe é um poderoso meio de purificar a parte superior do corpo,


que tem o seu centro no cérebro. Portanto, é preciso deixar que siga
tranqüilamente o seu curso natural. Assim, o interior do corpo se torna mais
limpo e a cura se processa normalmente e com rapidez. O mero
conhecimento desses fatos poderia tornar o homem muito mais feliz.

38
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 9

AS DOENÇAS E A CIÊNCIA MÉDICA

Já falei sobre os dois grandes sofrimentos, guerra e doença, como


causas da anticivilização. Há ainda um terceiro, que é a pobreza. Esta,
porém, será solucionada naturalmente, quando forem resolvidos os
problemas da guerra e da doença. Por isso, não me estenderei a respeito.

Explicarei, inicialmente, a causa das guerras. Estas são geradas por


uma falha espiritual, isto é, por mentes doentias. As guerras poderão ser
solucionadas quando o problema das doenças físicas tiver sido resolvido,
pois tanto a doença, como a guerra e a pobreza, têm sua origem na mesma
causa. Portanto, a solução está em criar homens genuinamente sãos, isto é,
perfeitos de espírito e corpo. Isto não é tão fácil como possa parecer, mas
eu afirmo que não é impossível. Deus revelou-me o meio infalível de
solucionar esses problemas. Tal é a minha missão e este livro representa
um passo em direção a essa meta.

Comecemos por examinar as doenças. Como eu já disse, é preciso


ver os dois lados das enfermidades: o do corpo e o do espírito. Hoje em dia
as pessoas, de um modo geral, pensam que as doenças só se manifestam no
corpo. É aqui que reside o erro. A guerra é causada por indivíduos de
espírito enfermiço. Por isso, enquanto os homens não se tornarem física e
espiritualmente sãos, nem é preciso dizer que não surgirá o mundo
verdadeiramente civilizado. Mas como pode esse mundo tornar-se
realidade? Antes de mais nada, é preciso compreender o seu princípio
fundamental e descobrir o meio que possibilite a sua concretização. Eu
descobri esse princípio e encontrei o meio pelo qual se chegará à solução
absoluta. Isto será minuciosamente examinado. Antes, porém, descreverei o
jisso24 do planeta que habitamos.

Até agora, a ciência só admite a existência da matéria, julgando que


nada existe além dela. Esta maneira de pensar é grandemente errônea, pois
nesse "nada" certamente existe o que há de mais importante para a
humanidade. Mas por que, pode-se perguntar, isto não foi até hoje
24
Jisso: no budismo, o Estado Real, o contrário da ilusão.

39
A Criação da Civilização

compreendido? Porque o homem depende exclusivamente da ciência


materialista. E as teorias científicas materialistas determinam que as coisas
que não podem ser detectadas não existem. Por isso, embora a ciência
materialista tenha progredido tanto, não chegou a perceber esse aspecto.
Essa idéia dogmática sepultou nas sombras da negação tudo o que não pode
ser conhecido por meio da ciência materialista. Isto nos mostra como é
obstinado e cheio de preconceitos o cérebro dos cientistas. De qualquer
modo, o fato é que a felicidade humana não acompanha o progresso da
cultura. Tudo isto será gradativamente explicado.

Como já mencionei, a verdadeira ciência médica deve criar homens


perfeitos de espírito e de corpo. Estará a atual ciência médica progredindo
nesse sentido? Muito ao contrário, graves erros são cometidos e, sem
exagero, pode-se dizer que contribui para criar doenças e aumentar o
número de enfermos.

Examinemos detidamente o ponto de vista da ciência médica. Não


compreendendo a causa das enfermidades, a medicina interpreta tudo ao
contrário. E nem poderia ser de outra forma, porque evoluiu tomando por
base apenas as teorias materialistas. Em conseqüência, a medicina se
dedica a aliviar somente os sofrimentos que se manifestam na parte
exterior. O progresso da medicina não passa, pois, de um progresso dos
métodos de amenizar temporariamente os sofrimentos. Mediante a
aplicação dos mais variados meios materiais - medicamentos, máquinas,
radioatividade, etc. - obtém-se o alívio dos sofrimentos. E isto é
erroneamente tomado como prova de que a doença foi curada. Na
realidade, entretanto, há uma diferença fundamental entre a amenização do
sofrimento e a cura de doenças. A primeira é temporária, e a segunda é
definitiva. Além disso, os próprios métodos destinados a aliviar o
sofrimento criam doenças ou provocam o seu agravamento. Por isso, trata-
se de um problema sério.

Sendo a medicina puramente materialista, trata o corpo humano


como se não passasse de simples matéria, colocando o homem em plano de
igualdade com os outros animais. Por isso, no esforço de descobrir a
origem das moléstias, toma animais como objetos de estudo e, quando

40
A Criação da Civilização

obtém algum resultado com as suas experiências, imediatamente os aplica


aos seres humanos. Isto também constitui um grande erro, pois o homem é
completamente diferente dos outros animais em sua forma, essência e
conteúdo. Por causa dessa diferença, as moléstias do homem devem ser
estudadas no próprio homem. Caso contrário, será impossível o
estabelecimento de uma medicina que o cure.

Há outro ponto a assinalar. No ser humano, a psique exerce uma


influência incalculável sobre a doença, o que não ocorre com os animais.
Quando um homem, por exemplo, é declarado tuberculoso, sofre um
grande impacto psicológico e fica visivelmente abalado, como é do
conhecimento dos médicos em geral.

Assim, pode-se concluir que as principais falhas da medicina atual


são as seguintes: 1) trata o homem, que é composto de espírito e corpo
físico, como se tivesse apenas corpo, negligenciando o espírito; 2)
classifica o homem na categoria dos outros animais.

41
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 10

AUTÓPSIA DA MEDICINA

Nos capítulos anteriores, escrevi sobre os erros da medicina em


geral. Agora farei uma autópsia com uma faca bem afiada. Não é minha
intenção difamar a medicina, mas simplesmente apontar os seus erros. Por
isso, peço que me leiam com a mente bem aberta e despida de preconceitos.

Começaremos citando alguns fatos. O médico, por exemplo, não


pode dizer com segurança qual será a evolução de uma doença. Ele pode
achar que a moléstia é curável, que tais casos têm sido curados pela
medicina, que determinada terapia costuma ser eficaz ou que não se
conhece outro tipo de tratamento. Pode dizer ainda que a melhora
dependerá de um bom regime, ou que se trata de uma enfermidade muito
rara, ou, ainda que o paciente terá de ser hospitalizado, embora não possa
assegurar que a hospitalização irá curá-lo. É de conhecimento médico que
muitos casos evoluem de modo totalmente contrário aos prognósticos.

O exame médico inclui percussão, ausculta, medidas dos volumes


respiratórios, da pressão sanguínea e de temperatura, bem como exames de
sangue, radiografias, testes laboratoriais e microscópicos, etc., com a mais
diversificada aparelhagem. Se a ciência médica fosse verdadeiramente
científica, os médicos deveriam ser capazes de dizer com precisão, após
todos esses exames, qual é o estado de um paciente. O médico, ademais,
pesquisa a história da moléstia atual, bem como os antecedentes mórbidos
que teve, assim como de seus genitores e familiares. Tudo isto,
provavelmente, para assegurar a infalibilidade do diagnóstico. Na grande
maioria dos casos, entretanto, as curas não se processam de acordo com as
previsões. Seja porque houve um erro diagnóstico, seja porque a terapia foi
inadequada ou por ambas as razões. A percentagem de curas autênticas
dificilmente chega a dez por cento. Porque, ainda que o indivíduo pareça
curado, a recuperação foi apenas temporária, trazendo-lhe constante
preocupação, pois os sintomas quase sempre retornam ou aparecem sob
forma de outra enfermidade. Baseado nisto é que cabe levantar dúvidas -

42
A Criação da Civilização

com plena ciência também dos médicos - sobre a grande maioria das assim
chamadas curas radicais.

Para exemplificar o que foi dito, consideremos o significado da


expressão "o meu médico". No caso de uma cura autêntica e definitiva pelo
médico, as pessoas não precisariam consultá-lo regularmente. Se a
medicina curasse verdadeiramente as enfermidades, o número de doentes
decresceria gradualmente, ocasionando desemprego dos médicos e o
esvaziamento dos hospitais, que teriam de fechar as portas. O que se vê,
entretanto, é precisamente o contrário, A cada ano faltam mais leitos nos
hospitais, enquanto o governo e instituições privadas gastam enormes
somas com programas de saúde.

Obviamente, deve haver um grande erro em alguma parte da


medicina atual, e causa espécie que esse erro ainda não tenha sido
descoberto. É que as pessoas estão de tal modo presas à ciência
materialista, que se recusam a ver outra coisa.

O próprio caráter científico dos diagnósticos é altamente duvidoso.


Quando vários médicos, por exemplo, fazem o diagnóstico de um paciente,
suas opiniões freqüentemente divergem. Se houvesse um padrão científico,
isto não deveria ocorrer. A eficácia da medicina deveria fazer sentir-se,
antes de mais nada, nas famílias dos médicos, onde deveria haver menos
pessoas doentes e cujos membros deveriam ter mais saúde do que os
outros. Os próprios médicos, ademais, deveriam ter maior longevidade. E,
no entanto, as famílias dos médicos não são mais saudáveis. Muitas vezes,
ao contrário, são ainda mais doentes. Compreende-se que um paciente
possa ser desenganado por um médico por tê-lo procurado tardiamente.
Mas como compreender que isto também ocorra com um membro da
família do próprio médico, o qual, naturalmente, possui todos os elementos
diagnósticos e terapêuticos para evitá-lo? Acrescente-se que, pelo bom
senso, quando alguém da família de um médico adoece, ele mesmo, na
qualidade de pai ou marido da paciente, deveria incumbir-se diretamente do
diagnóstico e do tratamento, em lugar de confiá-la aos seus colegas. A esse
respeito, muitas vezes ouço dizer que, quando se trata de seus próprios
familiares, o médico fica tolhido pelo envolvimento afetivo, dificultando-

43
A Criação da Civilização

lhe o diagnóstico. Isto significa que o diagnóstico não tem base científica,
em muito contribuindo as pressuposições e conjeturas.

Um médico contou-me certa vez que é muito difícil saber


acertadamente qual o mal de um paciente. Nos grandes hospitais -
acrescentou - os resultados das autópsias, em muitos casos, divergem do
diagnóstico. A terapêutica medicamentosa por ele prescrita, ademais, nem
sempre tinha o efeito previsto. Em lugar de produzir a cura, freqüentemente
agravava o estado do paciente, às vezes colocando sua vida em risco.
"Nesses casos - confessou-me - muitas vezes perco o sono, pensando como
vou explicar a situação ao paciente e aos seus familiares. Este é um dos
nossos tormentos".

O fato é que, a despeito dos grandes progressos da medicina, em


muitos casos ainda se verificam discrepâncias entre os diagnósticos e os
resultados. Por isso, alguns médicos, especialmente os mais maduros e
experimentados, não confiam muito nesses tratamentos e recorrem à
psicoterapia. O Dr. Tatsukichi Irisawa, que foi médico do imperador,
escreveu um poema waka em seu leito de morte:

Não creio que esta droga


eficácia possa ter.
Julgo-me, contudo, no dever de tomar
o que a outros prescrevi.

Há um médico, íntimo amigo meu, que muitas vezes me procura


quando ele mesmo adoece ou quando não consegue curar algum de seus
familiares. E ficam contentes, porque eu os curo imediatamente.

Certa vez, tratei de um persistente caso de nevralgia. O paciente,


além de médico renomado, era professor de medicina. Curei-o e também à
sua filha, que tinha tuberculose, em pouco tempo. Sua esposa ficou tão
impressionada, que insistiu para que ele abandonasse a medicina e adotasse
o nosso método terapêutico. Mas, devido à sua posição social, prestígio
profissional e por razões econômicas, ele não se decidiu a fazê-lo e
continua a exercer a medicina.

44
A Criação da Civilização

Há outro caso interessante. Há cerca de dez anos, pediram-me que


tratasse da esposa de um grande industrial. Ela sofrera uma paralisia facial,
ficando com o rosto tão desfigurado, que causava repulsa a quem a olhasse.
Aconselhei-a a não fazer nenhuma espécie de tratamento médico. Mas,
devido à insistência de sua família, encaminharam-na a um grande hospital.
O médico-chefe, que era seu íntimo amigo, disse-lhe durante a consulta:
"Em dois anos, a sua moléstia terá uma cura natural. Por isso, não faça
eletroterapia nem qualquer outro tratamento do gênero, mesmo que isto
lhe seja recomendado neste hospital". "Com efeito recomendaram, mas eu
recusei", respondeu ela. "Fez muito bem", disse o médico. Ao ouvir essa
história, tomei-me de admiração por aquele facultativo, que deve ser um
grande terapeuta. Essa mulher foi completamente curada por mim em dois
meses.

Finalmente, passarei a falar sobre os erros da medicina.

45
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 11

GRIPE

A medicina desenvolveu uma terapêutica materialista, vendo o


corpo humano exclusivamente como matéria. Pela ordem, vou assinalar os
pontos em que residem os seus maiores erros, tomando como exemplo uma
doença. A gripe é a mais comum das afecções, mas suas causas
permanecem obscuras para a medicina. Há alguns anos, passou a ser
atribuída ao contágio de vírus transmissíveis pelo ar ou à alergia. Do nosso
ponto de vista, trata-se de uma tese pueril que não toca a raiz do problema e
que, num futuro próximo, deixará de ter qualquer validade.

O corpo humano tem várias toxinas hereditárias, algumas


reconhecidas pela medicina oriental - como as que causam varicela,
sarampo, coqueluche, etc. - e outras que essa medicina desconhece. O
corpo procura expelir essas toxinas por meio de ações fisiológicas naturais.
A esse processo, damos o nome de ação purificadora. As toxinas se
acumulam em várias partes do corpo, mas tendem a concentrar-se nas áreas
onde os nervos são mais ativos. Os nervos mais utilizados são os da parte
superior do corpo, especialmente os mais próximos do cérebro. Quando o
homem está acordado, ainda que os seus braços e pernas estejam em
repouso, os seus olhos, ouvidos, nariz, boca e cérebro não descansam
nunca. Por isso, os ombros, pescoço, gânglios linfáticos, nuca, glândulas
salivares e, principalmente, o cérebro, incluindo o bulbo, são as áreas de
maior acumulação de toxinas. Aos poucos, as toxinas, que durante o dia se
acumularam nesses pontos, vão se solidificando. E, quando a acumulação
atinge um certo limite, inicia-se o processo de sua eliminação.

Nesta ação eliminadora devemos ver uma dádiva da Natureza,


porque as toxinas solidificadas obstróem a circulação e endurecem os
ombros e o pescoço, causando cefaléia, cabeça pesada, redução da acuidade
visual, auditiva e olfativa, entupimento nasal, piorréia, dentes fracos, falta
de ar, fraqueza nos braços e pernas, dores nas cadeiras, edemas, etc. Isto
reduz a capacidade do homem de exercer as suas atividades, impedindo-o

46
A Criação da Civilização

de cumprir a sua missão. Por isso, o Criador criou a maravilhosa ação


purificadora a que chamam doença.

O que o homem identifica como doença são os sofrimentos


decorrentes do ato de eliminação das toxinas. Mas, na verdade, a doença é
imprescindível para a saúde, pois é uma ação que purifica o sangue. Por
isso, podemos dizer que é a maior das Graças Divinas. Se as doenças
fossem completamente suprimidas, a humanidade definharia cada vez mais
e finalmente se extinguiria. Isto pode parecer contraditório, pois eu falo na
criação de um mundo isento de doenças. A diferença fundamental é que,
quando o homem ficar livre de toxinas, a ação purificadora deixará de ser
necessária, pois as doenças terão desaparecido.

Chamei de ação purificadora ao processo de eliminação das toxinas


solidificadas. Quando se contrai uma gripe, o primeiro sinal é a febre. A
Natureza serve-se da febre para dissolver e liquefazer as toxinas, a fim de
facilitar a sua excreção. Essas toxinas liquefeitas infiltram-se
imediatamente nos pulmões, de um modo verdadeiramente misterioso. Isto
se torna mais evidente quando ministramos Johrei. Dissolvidas pelo Johrei,
as toxinas se infiltram imediatamente nos pulmões, atravessando até
mesmo músculos e ossos. Se a gripe dissolver as toxinas solidificadas de
uma ou duas áreas do organismo, os sintomas serão leves. Mas, quanto
maior o número de áreas, mais pesada será a purificação. É assim que um
resfriado inicialmente leve pode transformar-se numa gripe muito forte.

Depois de liquefeitas, as toxinas mais delgadas podem ser


eliminadas imediatamente dos pulmões. As mais grossas ali estacionam
temporariamente, aguardando o bombeamento mais enérgico da tosse, para
serem expelidas. A tosse expele o catarro da mesma maneira como o
espirro expele muco nasal. De modo análogo, as dores de cabeça, de
garganta, a otite, amigdalite, dores nas juntas dos pés e das mãos, nas
virilhas, etc. são sintomas de que as toxinas que estavam solidificadas
nessas áreas se dissolveram e começaram a movimentar-se procurando uma
saída, irritando, conseqüentemente, o sistema nervoso. Também aqui as
toxinas liquefeitas podem ser grossas ou delgadas. As grossas se

47
A Criação da Civilização

transformam em catarro, muco, diarréia, etc; as mais delgadas são


eliminadas sob forma de suor ou urina.

Assim, a ação purificadora se processa de maneira lógica e natural.


Admirável técnica do Criador! Não é possível que Deus, tendo criado o
homem, lhe dê sofrimentos que o atormentem e impeçam as suas
atividades. O ser humano foi criado para ter sempre saúde. Com suas idéias
errôneas, porém, o homem criou toxinas e as acumulou. Por isso, surgiu a
necessidade de eliminá-las, ou seja, a doença. Quando se permite que a
gripe siga o seu curso natural sem opor-lhe nenhum tratamento, a
purificação é perfeita e a recuperação é normal, aumentando a saúde do
indivíduo. Portanto, o homem deve contrair gripes com a maior freqüência
possível, porque assim poderá cortar pela raiz moléstias contagiosas, como
a pneumonia ou a tuberculose. Mas, estranhamente, não se sabe por que
nem quando, a humanidade interpretou a purificação ao contrário e, desde
então, quando contrai uma doença, faz tudo o que pode para tolher a
purificação.

Encarar os sofrimentos decorrentes da purificação como indício de


piora constitui um erro terrível. Temendo a febre, o homem procura baixá-
la. E, ao baixar a febre, interrompe a dissolução das toxinas solidificadas. A
tosse e todos os outros sintomas diminuem e a doença parece ter sido
curada. Mas, ao contrário, o que o tratamento médico fez foi simplesmente
tentar resolidificar as toxinas que já haviam começado a dissolver-se. Esse
é o efeito das bolsas de gelo, cataplasmas, medicações, injeções, etc. Com a
total solidificação das toxinas, desaparecem os sintomas e o homem se
alegra, julgando estar curado. Mal sabe ele que esses métodos supressivos
ataram a mão que iria efetuar a limpeza. Isto é comprovado pelos fatos.
Freqüentemente ouvimos dizer que uma gripe se complicou. Isto se deve às
tentativas feitas pelo homem para impedir que o organismo se purifique. O
atrito entre a purificação e a contra-purificação prolonga o processo. E,
mesmo quando advém a cura, a gripe não tarda a voltar.

Os resultados indicam que os tratamentos médicos não são meios


para curar doenças. São um meio de não curá-las e prolongá-las. A
verdadeira cura consiste na eliminação das toxinas e na limpeza do

48
A Criação da Civilização

organismo, a fim de livrá-lo das causas das enfermidades. A verdadeira


medicina é a que ajuda o organismo, quando surge uma purificação, a
dissolver rapidamente a maior quantidade possível de toxinas. Esta é a
única terapêutica genuína.

Suprimir a purificação é como protelar uma dívida. Suponhamos


que, ao ser instado pelo credor, o indivíduo, em lugar de saldá-la com um
pouco de sacrifício, prefira pagá-la com dinheiro emprestado a juros.
Temporariamente sente-se aliviado. Mas, ao vencer o prazo de pagamento,
torna a endividar-se, protelando o problema por mais algum tempo.
Enquanto isso, os juros se acumulam, aumentando o saldo devedor. Os
pedidos de pagamento são cada vez mais insistentes, mas, ante o montante
da dívida, torna-se quase impossível resgatá-la. Os credores, insatisfeitos,
movem uma ação judicial pedindo o embargo de seus bens. Por fim,
incapaz de resgatar suas dívidas, o indivíduo abre falência.

O mesmo ocorre com a gripe. Se ele tivesse saldado a dívida, ainda


que com dificuldades, ao receber a primeira intimação, o problema estaria
solucionado. Mas, quando recorre aos tratamentos médicos, que se baseiam
principalmente nos remédios, ele apenas encontra um alívio temporário,
pois sua dívida se avulta. A cada nova protelação mais aumentam as
toxinas, até que, finalmente, a cobrança é feita de uma vez. É o caso da
pneumonia.

Por outro lado, o credor pode levar em consideração a solvência do


devedor, cobrando a dívida gradualmente. É o caso da tuberculose.

49
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 12

PNEUMONIA E TUBERCULOSE

Pneumonia e tuberculose são as doenças mais estreitamente


vinculadas à gripe. Essas duas moléstias têm causado muitas vítimas,
especialmente no Japão. Necessária se torna, portanto, uma explanação
adequada.

Tanto a pneumonia quanto a tuberculose têm sua causa inicial na


gripe. Já vimos que os tratamentos médicos se esforçam ao máximo para
tolher a ação purificadora da gripe, recorrendo aos mais diversos métodos.
Destes, os piores são os medicamentos e as bolsas de gelo. Por natureza,
todos os remédios são venenos. Por que então se utilizam venenos como
remédio? Porque, como já vimos, são mais eficazes para tolher a ação
purificadora. Substancialmente, a ação purificadora é um poder curativo
natural de que todo ser humano é dotado desde o nascimento para eliminar
as toxinas do interior do corpo. Dependendo da força de seu poder curativo
natural, a capacidade purificadora de cada pessoa será mais forte ou mais
fraca. Há muitos tuberculosos entre os jovens porque neles é mais intensa a
força purificadora, que diminui na meia idade e na velhice. Eis porque as
doenças contagiosas atingem mais os jovens e as crianças.

Quando surge uma doença, isto é, uma purificação, a medicina


esforça-se ao máximo para tolhê-la. Para tolher uma purificação é preciso,
antes de mais nada, enfraquecer o vigor físico. A única maneira de
enfraquecer o vigor físico é introduzir veneno no corpo. Debilitando o
vigor físico, enfraquece-se a purificação, aliviando também os sintomas da
enfermidade.

As bolsas de gelo tampouco são recomendáveis, porque baixam a


febre que dissolve as toxinas. Enfraquecendo-se a purificação, as toxinas
voltam a solidificar-se, com o conseqüente alívio do sofrimento. O mesmo
se aplica aos emplastros, embora estes atuem de outra maneira. O corpo
humano transpira incessantemente pelos poros. O emplastro bloqueia os

50
A Criação da Civilização

poros, interrompendo a purificação da parte afetada. Por isso, verifica-se


um alívio dos sintomas.

Ultimamente, as injeções entraram em moda, porque os remédios


que contêm um forte veneno podem causar intoxicação, quando ingeridos.
Por isso, esses mesmos remédios passaram a ser injetados.

Quando a purificação da gripe é interrompida por meio de drogas e


outros métodos, apenas uma parte das toxinas é eliminada. A maioria
permanece e volta a solidificar-se, agora acrescida de novas toxinas. Assim,
a cada gripe aumentam as toxinas e, quando estas atingem um certo grau,
ocorre uma atividade purificadora drástica, que é a pneumonia. O
indivíduo, como já vimos no capítulo anterior, terá de resgatar sua dívida
de uma só vez.

A característica especial da pneumonia é a acumulação de grande


quantidade de catarro nos pulmões, que produz roncos e sibilos. Roncos e
sibilos que traduzem o atrito do catarro nos bronquíolos pulmonares. O
catarro também dificulta a respiração, porque sua presença em grandes
quantidades reduz a capacidade dos pulmões, obrigando o doente a inalar
com mais freqüência, a fim de receber a necessária quantidade de ar. Se
nenhum tratamento médico for ministrado, deixando-se a pneumonia seguir
o seu próprio curso, o doente se recuperará normalmente depois de
removida a necessária quantidade de catarro.

O tratamento médico, porém, procura tolher a purificação por todos


os meios. Remédios especialmente fortes, contendo venenos igualmente
fortes, são usados contra a pneumonia, por causa de sua maior
potencialidade para tolher a purificação. Entre a forte purificação e a forte
tentativa de tolhê-la, cria-se um atrito, cujo resultado é um forte sofrimento.
A falta de apetite e a febre elevada solapam a vitalidade, e a fraqueza
resultante pode culminar com a morte.

A pneumonia é uma purificação violenta que só pode ocorrer nos


organismos de constituição vigorosa. Já nos organismos mais fracos,
produz-se uma purificação lenta, que é a tuberculose. Numa consulta

51
A Criação da Civilização

médica inicial, o método mais decisivo para se constatar a existência de


tuberculose são os raios X, porque revelam a existência de manchas e
cavidades nos pulmões. A medicina, porém, ignora a sua causa. Passarei a
descrevê-la.

A causa das manchas e cavidades são os métodos utilizados para


tolher a purificação da gripe, impedindo que as toxinas liquefeitas,
infiltradas no pulmão, sejam excretadas. Em conseqüência, o catarro, em
lugar de ser eliminado, permanece no pulmão, onde, ao fim de algum
tempo, se solidifica. Isto aparece nas radiografias sob forma de manchas.
Portanto, foram inteira e artificialmente produzidas pelo homem. Quando
os corpos líquidos recém-penetraram no pulmão, este não apresentava
nenhuma anormalidade. Quando o catarro se solidifica em pontos situados
na parte relativamente superior do pulmão, produz-se a chamada
pneumonia catarral ou então a adenite tuberculosa hilar.

A amiloidose pulmonar é uma moléstia semelhante às anteriores.


Nesta aparecem ligeiros sintomas de irritação do diafragma. Neste caso,
foram toxinas solidificadas localizadas na região das costelas que, ao serem
dissolvidas pela purificação, se infiltraram no pulmão com o fim de
estimularem a formação de catarro, para junto a este serem expelidas.
Também nesse caso a doença não se cura facilmente com o tratamento
médico que tenta resolidificar as toxinas. Mas todos esses casos serão
normalmente curados se a purificação não for interrompida.

Uma vez diagnosticada a tuberculose, o tratamento médico faz o


possível para tolher a purificação, como ocorre com a gripe comum. E o
repouso é enfaticamente recomendado. O repouso, entretanto, é perigoso.
Se até mesmo um homem saudável, guardando repouso durante um mês,
perde o apetite e parte de sua vitalidade por falta de exercício,
empalidecendo e enfraquecendo visivelmente e sentindo falta de ar ao
menor esforço, quanto mais uma pessoa doente. Além disso, a introdução
de toxinas medicamentosas no corpo e uma alimentação rica em proteínas
animais, sob a alegação de ser mais nutritiva, contribuem para acentuar o
enfraquecimento. Tal tratamento debilitaria até mesmo quem não fosse
tuberculoso.

52
A Criação da Civilização

Em conseqüência desses métodos que debilitam o organismo,


ocorre uma considerável diminuição da força da purificação. Os sintomas
diminuem até o doente ficar sem febre e sem tosse, cessando a
expectoração. E todos se alegram, julgando que está restabelecido. Na
verdade, porém, ele apenas retornou ao estado anterior à purificação. Pior
ainda, suas toxinas aumentaram e seu vigor físico se debilitou. A moléstia
adquiriu um caráter passivo, pois, não estando ele realmente curado, houve
apenas um adiamento temporário. A qualquer momento, porém, o seu
estado pode reativar-se com uma piora repentina, e a doença, agora bem
mais grave, atinge um ponto crítico, podendo resultar em morte. Essa
evolução das moléstias é de pleno conhecimento médico.

Curiosamente, os médicos japoneses usam a expressão "endurecer"


e não "curar", no que diz respeito à tuberculose. Durante o tratamento, após
qualquer esforço físico, sobrevém uma febre. Imediatamente vem a
advertência do médico, recomendando o repouso. É que o exercício estava
provocando a reativação da purificação, que se havia acalmado. Portanto, o
exercício é, na verdade, bom. Freqüentemente ouvimos falar de pessoas
que, depois de se submeterem a um longo período de tratamento, são
consideradas curadas. Elas retornam tranquilamente às suas atividades
normais, mas a doença logo ressurge. É que as toxinas solidificadas no
curso de muitos anos, de repente, começaram a dissolver-se.

Penso ter deixado claro, assim, que os tratamentos médicos da


atualidade estão errados em sua essência. E posso dizer sem receio que a
exacerbação dos sintomas da tuberculose é produto do próprio tratamento
médico instituído.

Falemos agora sobre o bacilo da tuberculose, que a medicina


considera transmissível. Há casos de tuberculose adquirida por contágio,
mas, na maioria das vezes, o bacilo da tuberculose surge naturalmente.
Quando o tratamento impede que as toxinas infiltradas no pulmão sejam
expelidas sob a forma de catarro, elas se solidificam. Com o correr do
tempo, as toxinas se deterioram, dando origem às bactérias, que são os
bacilos da tuberculose. Esse catarro é malcheiroso e muito viscoso. Pense

53
A Criação da Civilização

bem. Qualquer matéria apodrece, ao envelhecer. Com a decomposição,


aparecem bactérias. Esta é a regra geral da matéria. Para isso, contribui
uma condição favorável, que é a temperatura do corpo.

Pode-se compreender assim, que, se um indivíduo, ao contrair uma


gripe, eliminasse a maior quantidade possível de catarro dos pulmões, nada
disto ocorreria. Mas os esforços para impedir a sua eliminação provocam a
decomposição do catarro, no qual surgem os bacilos, os quais, digerindo o
tecido pulmonar, provocam o aparecimento da caverna pulmonar. Portanto,
pode-se dizer que os esforços visando a impedir a eliminação do catarro,
embora bem intencionados, tornam-se prejudiciais. Enquanto esse erro não
for compreendido, continuará a aumentar o número de vítimas.

54
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 13

DOENÇAS PULMONARES E SUAS TOXINAS

Um dos métodos mais eficazes de tratamento da tuberculose, hoje


em dia, é o pneumotórax. Através de uma imobilização dos alvéolos
pulmonares, este método tem por finalidade enfraquecer a atividade da
moléstia, proporcionando um descanso para os pulmões, quando nestes já
se produziram as cavernas. Em conseqüência, solidifica-se o catarro denso,
que foi o causador das cavernas. Comprimidas as cavidades, consegue-se,
temporariamente, uma saúde aparente. Mas, quando o indivíduo volta a
exercer as suas atividades, estas provocam a repurificação, e a moléstia
retorna ao seu estado original. Portanto, tampouco o pneumotórax traz a
cura definitiva.

Vou falar sobre outras moléstias pulmonares. Na gangrena


pulmonar surgem feridas entre o pulmão e a pleura. Deixando-se a moléstia
evoluir até o fim, surge uma abertura na ferida, por onde são eliminadas
grandes quantidades de sangue e pus, e a cura é total. Também isto é uma
espécie de purificação. A cura desses casos é muito difícil pela medicina,
que malogra porque impede a purificação.

Na tuberculose miliar surgem pequenas pústulas nos alvéolos,


semelhantes às bolhas do eczema. Trata-se igualmente de uma espécie de
purificação. Quando se deixa a doença evoluir naturalmente, as pústulas
segregam o pus e a moléstia se cura por si mesma.

O câncer pulmonar é causado pela ingestão de grandes quantidades


de carne. A carne contém uma espécie de toxina que introduz impurezas no
sangue. Essas impurezas se acumulam pouco a pouco nos pulmões e, numa
primeira etapa, formam tumores muito duros. Posteriormente, por meio da
ação purificadora, são aos poucos eliminadas sob a forma de catarro. Essa
enfermidade, porém, é renitente e requer um longo período de tempo para
ser plenamente curada. É causada pela escassez de vegetais na alimentação
e só pode ser curada mediante a ingestão de grande quantidade de
alimentos vegetais. Isto é corroborado pela maior freqüência da moléstia

55
A Criação da Civilização

entre os povos ocidentais que se alimentam de grandes quantidades de


carne.

O sarampo é freqüentemente acompanhado de pneumonia, mas isto


não deve causar preocupação. O paciente se assusta porque sua respiração
fica mais rápida devido à redução da capacidade pulmonar, em
conseqüência da atuação da moléstia nos alvéolos. Sem qualquer
medicação, ele ficará curado em poucos dias.

A tuberculose da laringe aparece na etapa final da moléstia. Os seus


sintomas principais são rouquidão e dor de garganta, dificultando a
deglutição. Isto é causado pela passagem de um catarro especialmente
tóxico. Esse catarro, por conter toxinas mais antigas e no mais avançado
estado de decomposição, provoca edema, rubor e calor na sua passagem,
causando a inflamação das membranas mucosas da garganta. Quando o
paciente expele esse tipo de catarro, é porque já está de tal modo debilitado,
que a cura se torna muito difícil. Por isso, quando o médico se depara com
um caso de tuberculose da laringe, o paciente é desenganado.

Falarei agora sobre tuberculose intestinal. Nesta doença


encontramos inúmeros nódulos espalhados pelo abdômen e
circunscrevendo mais a cicatriz umbilical. A doença é sempre
acompanhada de febre no abdômen e responde com dor à compressão dos
nódulos. A febre dissolve os nódulos e as toxinas assim dissolvidas podem
agora ser excretadas sob a forma de diarréia. Como os nódulos contêm as
toxinas solidificadas, o paciente não se recuperará, a menos que pare de
tomar medicamentos. Os médicos temem pela vida desses pacientes,
porque ficam muito debilitados pelas contínuas diarréias.

Veremos, agora, por que é mais difícil curar a tuberculose do que


outras doenças. Uma vez diagnosticada a tuberculose, vários tipos de
medicamentos são introduzidos no organismo. Estes retardam o processo
de cura, irritando o paciente que, no seu desespero, recorre repetidamente a
novas drogas. Cria-se, assim, um círculo vicioso pela acumulação cada vez
maior de toxinas no corpo. Essas toxinas vão corroendo o organismo até

56
A Criação da Civilização

que a moléstia não tem mais cura. Agora, até o seu catarro tem cheiro de
remédio. Que lamentável imperícia!

Portanto, pode-se dizer que a tuberculose, no seu estágio mais


avançado, é produto da intoxicação dos próprios medicamentos
administrados na intenção de curá-la. Muitas vezes tratei desse tipo de
doentes. Só é possível curá-los mediante à eliminação das toxinas
medicamentosas. À medida que as toxinas são eliminadas, o paciente
pouco a pouco se restabelece. O método de eliminar essas toxinas é o
Johrei, descoberto por mim.

57
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 14

O ASPECTO PSICOLÓGICO DA TUBERCULOSE

O lado psicológico da tuberculose, embora poucos lhe dêem a


devida atenção, é o aspecto mais relevante da moléstia. Quando uma pessoa
é declarada tuberculosa, sofre um grande choque emocional. Perde a
esperança no futuro e o mundo fica negro à sua volta. É como se tivesse
recebido uma declaração de pena de morte, faltando apenas determinar o
dia da execução. Para evitar essa reação, os médicos, ultimamente, vêm
difundindo que a tuberculose é curável, mediante certos tratamentos e
dietas. Mas os doentes, geralmente, não se tranqüilizam, pois muito poucos
têm saído dos sanatórios verdadeiramente curados. Em sua grande maioria,
depois de receberem alta, sofrem recaídas e voltam ao hospital ou recebem
tratamento domiciliar até morrerem. É natural, portanto, que a maioria das
pessoas não acredite na propaganda segundo a qual a tuberculose é curável.
Por isso, ao saber que está tuberculoso, o indivíduo é tomado pelo
desânimo; perde a esperança, o apetite e a vitalidade e não consegue afastar
a idéia de morte. Um triste quadro!

Compreendo muito bem esse estado psicológico porque eu também,


aos 17 anos, fui declarado tuberculoso pelo renomado Dr. Irisawa. Não é
bom, portanto, declarar a uma pessoa que ela está tuberculosa. Mas, como a
terapia atual exige, além de repouso, tratamentos específicos, é impossível
que ela ignore o seu mal. Os testes de tuberculina e os raios X são hoje
considerados os meios mais precisos para o diagnóstico. Na minha opinião,
é melhor não fazê-los. Quando uma pessoa que não tem nenhum sintoma
perceptível e que se julga sadia ouve dizer que está tuberculosa, sofre um
choque, tal qual um relâmpago num céu claro. O repouso instituído
contribuirá para enfraquecê-la e, ao fim de alguns meses, será visível o seu
emagrecimento.

Há tempos, conheci um homem forte e de compleição robusta, faixa


preta de kendo25. Os resultados de um exame médico ao qual se submeteu
revelaram uma tuberculose latente. Foi-lhe prescrito o repouso. O fato de
ficar confinado ao leito, coisa que lhe parecia uma tolice, o impacientava e
25
Kendo: arte marcial com espadas.

58
A Criação da Civilização

ele bufava, dizendo não suportar ficar deitado, uma vez que não sentia
nenhum sintoma consciente. Seis meses mais tarde, entretanto, já estava
pálido e tinha as faces encovadas. Seu rosto era o de um tuberculoso. Soube
que ele morreu no ano seguinte. Fiquei penalizado. Se ele não tivesse feito
aquele exame médico, penso que ainda estaria com plena vitalidade. Deve
haver muitos casos semelhantes.

Nos achados de necrópsias, 90 entre 100 cadáveres apresentam


sinais de terem adquirido a moléstia alguma vez, da qual se curaram. Esse
fato é demonstrado estatisticamente, como é de pleno conhecimento
médico. Eu sempre penso que, se não se fizessem exames médicos, o
número de pacientes de tuberculose diminuiria bastante. Os médicos,
porém, argumentarão que a tuberculose é uma moléstia contagiosa e
excessivamente perigosa. Por isso, por medida profilática, é preciso
descobri-la a tempo, mesmo porque o tratamento é mais eficaz quando
instituído no início da moléstia.

Não me estenderei a respeito do diagnóstico precoce além do que já


comentei acima. Falarei agora sobre um grande erro que se comete no
tocante ao aspecto contagioso da doença. Eu asseguro que o bacilo da
tuberculose não é contagioso. Sempre que eu faço essa afirmação, sou
perseguido pelas autoridades, porque ainda se desconhece a etiologia da
tuberculose.

Durante a Segunda Guerra Mundial, devido à existência de muitos


soldados tuberculosos na Marinha, fui solicitado por esse Ministério a
colaborar na solução do problema. Assim, enviei um dos meus discípulos à
base aérea de Kasumigaura. Lá chegando, ele disse que a tuberculose não
era contagiosa e enfureceu a tal ponto os médicos militares, que estes o
dispensaram imediatamente, alegando que, se o conceito fosse adotado pela
Marinha, a tuberculose não tardaria a espalhar-se por entre todos os
militares. Entretanto, continuo a defender essa teoria, da qual tenho
absoluta certeza. Primeiramente porque entre os meus adeptos - e são
dezenas de milhares - não surgiu até hoje um único caso de contágio por
tuberculose. Acrescente-se que durante vários anos mantive em minha casa
um ou dois pacientes tuberculosos, a título de experiência. Nesse período,

59
A Criação da Civilização

eu tinha seis filhos entre os cinco e os vinte anos de idade. Prossegui com a
experiência durante mais de dez anos, sem que ninguém se contagiasse.
Ainda hoje, os seis gozam de perfeita saúde. É claro que durante todo esse
tempo não dispensei nenhum tratamento especial aos pacientes hospedados,
sendo que, além de não empregar nenhum método de assepsia, não os
segreguei do convívio dos meus familiares.

Há tempos, ouvi falar de uma viúva tuberculosa de cerca de 40 anos


que, após o falecimento do marido, não tinha para onde ir, porque os seus
parentes e amigos temiam o contágio. Tive pena e a acolhi sob o meu teto.
É claro que ninguém se contagiou. Com o passar do tempo, ela readquiriu a
saúde normal e continua a trabalhar até hoje em minha casa, onde ninguém
se preocupa com tuberculose, pois sabem que, ainda que se contaminassem,
seriam facilmente curados. Só o fato de acreditar que a tuberculose não é
contagiosa proporciona aos meus adeptos uma grande tranqüilidade. No
mundo, porém, as pessoas estão sempre em estado de alerta e o temor do
contágio tem gerado inúmeras tragédias. A vida familiar se desmorona pela
segregação do paciente, ao qual são destinados pratos, talheres, roupa de
cama e objetos de uso pessoal separados. Esposos, pais e irmãos são
impedidos de se falarem de perto. Mas, a darmos crédito no que diz a
medicina, não se pode agir de outra maneira.

Citarei outro caso interessante. Certa vez, uma moça de 16 ou 17


anos que vivia numa comunidade agrícola foi declarada tuberculosa e
passou a viver segregada, pois construíram-lhe uma casa separada. A casa
ficava à beira da estrada e as pessoas passavam correndo, cobrindo a boca.
Ao ouvir essa história contada pela própria moça, lembro-me de ter dado
boas risadas. É uma história tragicômica, mas havia uma lógica na atitude
das pessoas, uma vez que temiam o contágio pelo ar.

Quando há um tuberculoso numa família, os seus parentes não


conseguem livrar-se da preocupação do contágio a qualquer momento.
Tomam o máximo cuidado para não se resfriarem mas, quando, por acaso,
apanham uma gripe, pensam que finalmente se contagiaram. Aflitos,
recorrem ao auxílio do médico e dos remédios. O medo, aliado às toxinas
dos medicamentos e à paralisação da purificação, acaba gerando a

60
A Criação da Civilização

tuberculose. Eis por que ainda perdura a tese do contágio. Para provar o
contrário, seria interessante escolher entre os meus adeptos um número de
indivíduos - que poderia chegar a 10 ou 20 mil - para uma experiência
definitiva.

Outra causa da tuberculose é de ordem espiritual. O espírito de uma


pessoa que morreu de tuberculose pode encostar-se em algum dos
genitores, irmãos, parentes, amigos íntimos ou na pessoa com a qual
manteve uma ligação amorosa. Esta manifestará, então, os mesmos
sintomas do falecido, dando a impressão de ter havido contágio. Isto será
melhor compreendido nos capítulos subseqüentes, quando tratarei mais
extensamente do problema da possessão.

Ultimamente, têm-se registrado alguns surtos de tuberculose nas


escolas primárias. Nesses casos, as pesquisas sempre revelam a presença de
um ou dois professores portadores de tuberculose ativa. Surge então o
clamor, responsabilizando-se esses indivíduos como tendo dado origem à
contaminação. Na realidade, isto não é uma exceção, pois a regra é
encontrarmos sempre, após um exame rigoroso, a existência de duas ou três
pessoas com tuberculose ativa em qualquer escola, e não somente naquelas
nas quais se verificaram os surtos. Portanto, não se pode dar muita
credibilidade à teoria da contaminação.

61
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 15

RESPEITE A NATUREZA

Um dos erros da medicina consiste em considerar o repouso muito


importante para os tuberculosos. Na verdade, o melhor é deixar a moléstia
seguir o seu curso natural. Isto significa agir espontaneamente, sem
restringir o corpo físico nem forçá-lo. Se o paciente, por exemplo, se sentir
febril e cansado e achar que o seu corpo está pedindo repouso, é melhor
repousar. Mas se não quiser ficar confinado ao leito e achar que o seu corpo
está pedindo movimento, é melhor levantar-se. Ele deve andar quando tiver
vontade de andar, correr quando tiver vontade de correr, cantar quando
sentir ímpetos de cantar e trabalhar quando sentir disposição para trabalhar.
O certo é obedecer aos comandos da mente e nada fazer contrariado. Em
suma, o doente deve agir com espontaneidade.

Este princípio é verdadeiro não somente no que diz respeito à


tuberculose, mas também a qualquer outra enfermidade, aplicando-se
igualmente à alimentação. Se o paciente sentir apetite, deve comer, na
quantidade que lhe aprouver. Não é bom tomar remédios, mas também não
é bom o paciente forçar-se a comer alimentos de que não gosta,
simplesmente por achar que são mais nutritivos ou que terão um efeito
terapêutico. Quando um alimento é necessário para o corpo humano, a
pessoa terá vontade de comê-lo; se não tiver vontade, é porque aquele
alimento não lhe é necessário.

O consumo de muita proteína animal é especialmente prejudicial


para um paciente tuberculoso. Um pouco de proteínas animais não causa
dano, mas é preferível a ingestão da maior quantidade possível de
alimentos vegetais. A medicina, hoje em dia, recomenda a ingestão de
carne de peixes, aves e animais, por considerá-la mais nutritiva, mas isto
constitui um grande erro. A carne aumenta temporariamente a vitalidade,
mas o seu consumo prolongado produz uma progressiva fraqueza. Os
alimentos vegetais são essencialmente mais nutritivos. Uma dieta restrita a
peixes, aves e carnes durante um longo período de tempo provoca o
envenenamento do sangue e pode ter conseqüências fatais. Uma

62
A Criação da Civilização

prolongada alimentação vegetariana, ao contrário, não provoca


enfermidades e, além de tornar a pessoa mais sadia, prolonga a sua vida.

Eu mesmo passei por essa experiência. Em minha juventude fui


tuberculoso e cheguei a ser desenganado. Por determinada razão,
entretanto, tomei consciência do mal que me causava a ingestão de grandes
quantidades de alimentos de origem animal e mudei para uma alimentação
vegetariana. Percebendo que a medicina estava equivocada, abandonei os
remédios e, durante três meses, alimentei-me exclusivamente de produtos
vegetais. Assim, minha moléstia foi totalmente curada e meu corpo se
tornou mais saudável do que era antes da doença. Posteriormente, sofri
outras enfermidades, mas nunca mais tive tuberculose. Se eu não tivesse
despertado para esse ponto naquela época, já teria partido para o outro
mundo.

Para um paciente que vomita sangue, nada é mais indicado do que


uma alimentação vegetariana. Certa vez, tratei de um caso em que isto se
tornou bastante evidente. Todas as vezes que esse paciente comia carne,
vomitava sangue no dia seguinte. Mas quando se alimentava apenas de
vegetais, os vômitos cessavam imediatamente. Ficou claro, assim, o efeito
benéfico da alimentação vegetariana.

Outro erro cometido pelos médicos consiste em considerar


prejudicial a fadiga e de afirmar que dormir pouco não é bom para a saúde.
É porque desconhecem a causa da fadiga. O cansaço é uma conseqüência
natural do exercício físico. Quando uma pessoa faz exercícios
movimentando as pernas e coxas, isto provoca uma ação purificadora nos
pontos onde há toxinas acumuladas. Nesses pontos pode-se notar um
ligeiro aumento de temperatura. Esse aumento de temperatura (febre)
traduz-se por um torpor que é a fadiga. Trata-se, porém, de algo benéfico,
porque reduz as toxinas. Quem faz muita ginástica ou sempre pratica
exercícios que produzem um estado de fadiga é uma pessoa sadia. Se um
indivíduo fatigado tocar suas pernas e coxas com as mãos, verificará que
estão ligeiramente febris. Isto indica que algumas toxinas estão sendo
dissolvidas.

63
A Criação da Civilização

Dormir pouco também não exerce nenhuma influência sobre a


tuberculose. Pelo contrário, faz até bem, como é claramente demonstrado
pelos fatos. Entre as pessoas que dormem pouco por exercerem um
trabalho noturno - empregados de hotéis, por exemplo - são muito
reduzidos os casos de tuberculose, segundo pesquisas médicas. Quando
uma pessoa dorme pouco e dedica um maior número de horas às suas
atividades, fica mais suscetível à uma purificação, e por isso se sente mais
cansada, embora a medicina interprete tudo ao contrário, considerando
prejudicial poucas horas de sono.

Isto pode ser ilustrado pelo seguinte fato: mesmo no caso de


pacientes confinados ao leito, a temperatura, geralmente, é mais baixa na
parte da manhã, subindo por volta das 3 ou 4 horas da tarde. É que o uso
dos sentidos também provoca uma ação purificadora.

64
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 16

A DOENÇA E A EFICÁCIA DOS REMÉDIOS

Continuamente, surgem no mercado novos remédios para todas as


doenças. O incessante lançamento de novos medicamentos deve-se ao fato
de produzirem mais efeito do que os anteriormente existentes. Já vimos que
os remédios só têm efeito por causa de seu veneno. Quanto mais forte for o
veneno, maior é a sua capacidade de paralisar a dissolução das toxinas e,
portanto, de aliviar os sintomas da doença. É esse o caso dos medicamentos
de indicação específica. Mais cedo ou mais tarde, porém, surgirá uma ação
purificadora para eliminar as toxinas introduzidas por esses remédios.
Quanto mais forte for o veneno, mais severa será também a purificação.
Conseqüentemente, o método utilizado para escapar do primeiro sofrimento
criará um segundo sofrimento bem mais sério. E isto é considerado um
progresso da farmacologia. O problema, portanto, é muito grave.

Na verdade, são os erros da medicina que fazem aumentar o número


de doentes. O progresso, portanto, é apenas dos laboratórios farmacêuticos
e dos veículos de propaganda, que recebem vultosas somas para propagar
os seus produtos. Pobre sociedade civilizada a nossa!

O fato de me ter sido revelado um assunto de tal importância indica


ter finalmente chegado o tempo em que um raio de Luz Divina começa a
penetrar neste Mundo de Trevas. Indício de que está bem próxima a
realização do Reino dos Céus na Terra.

65
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 17

NUTRIÇÃO

Nas páginas precedentes, discorri sobre os terríveis efeitos dos


medicamentos e penso que isto já ficou claro, mas tampouco devemos
perder de vista os grandes erros cometidos no campo da alimentação. Já
escrevi sobre a inconveniência das proteínas animais nos capítulos sobre a
tuberculose. Não se limitam a isto, porém, os erros em que caiu a dietética
moderna em geral. O seu pior erro consiste no fato de se ocupar somente
com as variedades de alimentação, esquecendo-se da importância das
funções orgânicas que intervêm na nutrição, como veremos a seguir.

Com as vitaminas, por exemplo, que são divididas em grupos - A,


B, C, D, etc. - procura-se suprir a sua carência no organismo. Isto é
absurdo, porque significa ignorar totalmente a faculdade natural das
funções orgânicas. Estas produzem suficientes vitaminas, carboidratos,
proteínas, aminoácidos, glicogênio, gorduras e quaisquer outras substâncias
para nutrir plenamente o organismo. Ainda que um alimento não contenha
nenhuma vitamina, será elaborado e transformado na necessária quantidade
de vitaminas por uma atividade mágica dos órgãos nutrientes. Por isso, as
dietas balanceadas com uma superalimentação produzem no corpo um
efeito contrário, pois quanto mais abundante a nutrição, mais o corpo se
debilitará. De modo análogo, quanto maior a quantidade de vitaminas, tanto
mais carente de vitaminas ficará o indivíduo. Isto não é de estranhar,
porque, quanto mais elementos nutrientes são introduzidos no organismo,
mais regride a função natural dos órgãos produtores desses elementos
nutrientes, uma vez que o desuso faz cessar a sua atividade.

O homem hoje tende cada vez mais a ingerir esses elementos


nutrientes artificialmente elaborados, ou seja, sob forma dos chamados
alimentos completos. Ora, por princípio, a força vital do ser humano é
gerada pela atividade das funções orgânicas. Destas, pode-se dizer que a
função digestiva é a principal geradora da força vital. Isto significa que a
força vital depende da atividade das funções digestivas. Em outras
palavras, o laborioso e complicado processo mediante o qual o organismo

66
A Criação da Civilização

transforma os alimentos incompletos em alimentos completos é que dá


origem à força vital. Tanto é que nos sentimos enfraquecidos quando temos
o estômago vazio, porque cessou o laborioso processo de transformação
dos alimentos. E, assim que ingerimos algum alimento, o nosso corpo
imediatamente se revitaliza. Como todos os órgãos do corpo estão inter-
relacionados, é natural que, quando enfraquece o principal, que é o órgão
digestivo, os demais também enfraqueçam.

O exercício físico é uma atividade necessária para a saúde do ser


humano. A sua ação principal se exerce num aumento do metabolismo,
através duma ativação da circulação periférica ou muscular. Na parte
interna ou visceral do organismo, a ação do exercício muscular também é
benéfica, mas secundária ou suplementar. A condição fundamental para
melhorar a saúde é, portanto, fortalecer a atividade dos órgãos digestivos.
Os alimentos facilmente digeríveis enfraquecem os órgãos. Os alimentos
naturais são geralmente melhores. Podemos ver, assim, que a medicina erra
ao recomendar os alimentos de fácil digestão, aconselhando, ademais, que
se exerça uma boa e demorada mastigação sobre os alimentos. Isto também
não é bom, porque enfraquece o estômago. O relaxamento dos tecidos do
estômago (gastroptose) é uma doença totalmente criada pelo homem.
Quando uma pessoa só come alimentos facilmente digeríveis, mastigando-
os demoradamente e, além disso, tomando continuamente medicamentos
conhecidos como digestivos, o seu estômago se enfraquece paulatinamente,
perdendo o tônus natural. O resultado é o relaxamento dos tecidos.
Portanto, uma rematada tolice.

Vou relatar um fato de minha própria experiência. Nos anos 20, o


fletcherismo26 estava muito em voga nos Estados Unidos. Fletcher afirmava
que era muito importante para a saúde mastigar bem os alimentos.
Experimentei e, como a princípio me senti bem, decidi continuar. Um mês
mais tarde, entretanto, percebi que estava enfraquecendo paulatinamente e
perdendo as forças. Voltei então a mastigar como fazia antes e recuperei a
saúde. Podemos ver, assim, que quase todas as teorias científicas relativas à

26
Fletcherismo: de Horace Fletcher, um nutricionista americano, o qual ensinava que é preciso
mastigar os alimentos o máximo possível.

67
A Criação da Civilização

nutrição contrariam a realidade, não sendo, portanto, benéficas para a


saúde.

Tomemos outro exemplo. As mães lactantes que têm pouco leite


são aconselhadas a tomar leite de vaca. Isto é ridículo. É natural que o
recém-nascido seja infalivelmente acompanhado da lactação que o
alimentará. Se o leite é escasso, é porque há algo errado em algum ponto. É
preciso, portanto, descobrir onde está o erro e corrigi-lo. A ciência médica,
porém, não percebe o erro. E, mesmo que o perceba, nada pode fazer. Por
isso, os médicos japoneses recomendam às mães que tomem leite de vaca.
Será que eles pensam que o leite de vaca passa diretamente da boca para o
bico do seio? Quando a mãe toma leite de vaca, produz, ao contrário,
menos leite. Porque, com a introdução de leite externo, a função do órgão
responsável se atrofia.

Há doentes que, espantosamente, tomam sangue de animais como


nutrição. Isto, muitas vezes, produz um efeito momentâneo. Mas, na
verdade, enfraquece os órgãos que produzem sangue no organismo e a
conseqüência, ao contrário, é a anemia. Pense bem: o ser humano,
alimentando-se de pão e arroz brancos, vegetais verdes e cereais amarelos,
produz sangue que é vermelho. Que maravilhosa máquina produtora é o
corpo humano produzindo sangue a partir de elementos que não contém um
pingo de sangue! Mas o que acontece se uma pessoa ingerir sangue animal?
É evidente que não produzirá sangue. Até a vaca, que se alimenta de capim,
produz um excelente leite. Por que não poderia fazê-lo o ser humano?
Podemos ver, assim, que a causa dos erros da ciência da nutrição reside no
fato de se ignorar totalmente a Natureza, inclinando-se exclusivamente para
a teoria.

Os alimentos que mais contêm os elementos essenciais para a


perfeita nutrição do ser humano são os vegetais. Os monges zen-budistas
normalmente chegam a uma idade mais avançada do que as outras pessoas
porque se alimentam com simplicidade. O escritor inglês Bernard Shaw,
que faleceu aos 94 anos, foi um vegetariano notório.

68
A Criação da Civilização

Um dia, quando eu viajava de trem pelo Norte do Japão, vi sentar-


se ao meu lado um camponês de cerca de 50 anos de idade, corado e de
aparência muito saudável. De vez em quando, ele tirava algumas folhas
verdes de pinheiro do bolso do paletó e as comia com evidente prazer.
Expressei-lhe a minha estranheza e ele me respondeu orgulhosamente que
há mais de dez anos só se alimentava de folhas verdes de pinheiro.
Acrescentou que anteriormente fora um homem muito fraco e que
começara a comer folhas verdes de pinheiro porque ouvira dizer que eram
boas para a saúde. A princípio, o paladar não lhe agradara. Mas, com o
tempo, foi-se habituando e adquiriu uma excelente saúde. E, desabotoando
o paletó, mostrou-me a musculatura de seu braço.

Há algum tempo, um jornal publicou a história de um rapaz que se


alimentava exclusivamente de folhas de chá usadas. A história é verdadeira
e foi relatada pelo próprio jovem.

Certa vez, quando escalei o Yarigadake, nos Alpes japoneses,


espantei-me ao ver que a marmita de meu guia continha apenas arroz
branco, que ele dizia estar saboroso. Ofereci-lhe alguns mantimentos
enlatados, mas ele os recusou terminantemente. Mesmo assim, ele subia e
descia a montanha diariamente, percorrendo um trajeto de cerca de 40
quilômetros com um fardo de mais de 40 quilos nas costas.
Vejamos um exemplo mais antigo. Hakuseki Arai, um eminente
confucionista27 que viveu em fins do shogunato28 Tokugawa, morou,
durante algum tempo, em sua juventude, num quartinho sobre uma loja de
tofu29. Durante dois anos, ele se alimentou exclusivamente de bagaço de
soja.

Já mencionei nas páginas anteriores que eu mesmo, para curar-me


da tuberculose, alimentei-me durante três meses exclusivamente de
vegetais. Fiquei completamente curado com essa dieta, na qual não inclui
sequer peixes secos e tampouco remédios. Quando uma pessoa chega aos
90 anos de idade, deveria ater-se a uma dieta vegetariana e alimentar-se
frugalmente, para rejuvenescer. A alimentação tosca, rude e sem
27
Confucionista: especialista em Confúcio e nos textos clássicos chineses.
28
Shogum: título dos governadores militares japoneses anteriores à revolução de 1867.
29
Tofu: queijo de soja.

69
A Criação da Civilização

refinamentos é preferível aos alimentos industrializados ou refinados,


porque obriga os órgãos digestivos a trabalharem mais energicamente, para
produzir todos os elementos que integram a nutrição. Essa ativação dos
órgãos digestivos é que provoca o rejuvenescimento da pessoa, dando-lhe,
ao mesmo tempo, saúde e longevidade.

A saúde dos trabalhadores da Manchúria é considerada tão


extraordinária, que alguns cientistas ocidentais, segundo ouvi dizer, para lá
se dirigiram a fim de estudar o caso. E, no entanto, a alimentação desses
trabalhadores restringe-se a apenas três grandes pães de koaliang30 por dia,
um em cada refeição. O que dirão disto os cientistas, do ponto de vista
nutritivo?

Por esses exemplos, vemos que a ciência da nutrição erra ao


recomendar a mistura de várias categorias de alimentos em cada refeição. É
preferível que esta seja a menos variada possível. Quando uma pessoa
ingere continuamente o mesmo alimento, a atividade da função orgânica
que produz nutrição se fortalece. Tal qual uma pessoa que, ao dedicar-se a
um único trabalho, se especializa, adquirindo maior destreza.
Outro fato inusitado é que as pessoas que fazem uma dieta
vegetariana sentem mais calor. É verdade que quem come carne sente um
calor imediato. Mas, ao fim de algumas horas, passa a sentir mais frio.
Compreende-se, assim, que os desenvolvidos sistemas de aquecimento na
Europa e nos Estados Unidos se devam a uma alimentação
predominantemente carnívora, o que torna as pessoas mais sensíveis ao
frio. Os antigos japoneses, que não comiam carne, suportavam o frio com
maior facilidade. Por isso, construíam suas casas sem pensar muito em
protegê-las do inverno. Os trabalhadores andavam com as pernas
descobertas dos joelhos para baixo, mesmo em pleno inverno. As mulheres
usavam uma ou duas anáguas de algodão debaixo da saia e geralmente nem
vestiam meias. As mulheres de hoje cobrem-se com várias malhas de lã e
ainda tremem de frio.

Há outros pontos importantes a observar. Hoje em dia, costuma-se


dizer que os homens do campo são subnutridos e recomenda-se que comam
30
Koaliang: um cereal silvestre.

70
A Criação da Civilização

mais carne de peixes, aves e animais. Isto também é um erro. A nutrição


proveniente da alimentação vegetariana aumenta fundamentalmente a
resistência, permitindo exercer um trabalho pesado durante longas horas,
sem que advenha cansaço. Foi por isso que, desde a Antigüidade, os
lavradores japoneses, homens e mulheres, puderam trabalhar desde o
alvorecer até o escurecer. Se agora passarem a comer muitos alimentos de
origem animal, a sua produtividade cairá. Um dos fatores que
influenciaram o surgimento da mecanização da agricultura, nos Estados
Unidos, foi a necessidade de compensar a falta de resistência física dos
lavradores com a inteligência. Portanto, se os lavradores passarem a comer
mais alimentos de origem animal, o seu trabalho terá de ser acompanhado
pela força das máquinas.

A alimentação vegetariana, portanto, é a mais indicada para o


corpo. Mas há outros fatores a considerar. Se os vegetais constituem a
melhor alimentação para o lavrador, já para o homem da cidade, que
trabalha mais com a mente do que com o corpo, por exemplo, é necessária
uma nutrição adequada para o exercício de um trabalho mental ou
competitivo. No caso do Japão, esta é suprida pelas carnes de peixes e aves,
que têm prioridade sobre a carne de animais, o que é natural, sendo o Japão
uma ilha. Essencialmente, a carne de peixes e aves é uma boa nutrição para
o cérebro, tornando-o mais vigoroso e inteligente. As carnes animais
estimulam a vontade de competir, que pode transformar-se em vontade de
lutar. Isto é claramente observável na história das raças brancas. Graças ao
espírito competitivo foi que a raça branca desenvolveu a cultura que hoje
conhecemos. Por outro lado, entretanto, o espírito de luta tem dado margem
a guerras intermináveis. Tem havido muito mais guerras entre os países
civilizados do Ocidente do que entre os países do Oriente.

Em síntese, posso dizer que o ser humano deve alimentar-se


naturalmente, sempre que tiver vontade de comer, e sem se preocupar
muito com nutrição. Para o habitante das cidades, é preferível uma
alimentação constituída em proporções iguais de produtos vegetais e
animais. Para os lavradores e doentes, é mais adequada uma alimentação
constituída de 70 a 80 por cento de produtos vegetais e 30 por cento de
animais. Com esse tipo de dieta e desde que não se tomem medicamentos,

71
A Criação da Civilização

não surgirão doenças. Portanto, as atuais teorias sobre higiene e saúde não
condizem com a realidade. Além de representar uma perda de tempo,
trazem maus resultados. Pobre homem civilizado!

72
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 18

O HOMEM E AS DOENÇAS

A medicina atual atribui a causa de quase todas as doenças às


bactérias. Segundo esse princípio, portanto, quem consegue proteger-se
contra a contaminação de vírus e bactérias não contrai doenças. Esse
princípio é muito vulnerável. É preciso, a todo custo, deixar clara a origem
das bactérias.

As bactérias surgiram de algum lugar, por alguma razão. E


nenhuma teoria será válida, a menos que se compreenda o princípio de sua
origem. No atual nível da ciência, isto é impossível, ficando, portanto, fora
de cogitação o estabelecimento da genuína ciência médica.

Evidentemente, as minúsculas bactérias não surgiram de repente


nem por acaso. Esse princípio será pormenorizadamente explicado. Sendo
as bactérias a causa das doenças e se o seu contágio produz sofrimentos aos
seres humanos, devemos perguntar-nos por que existem no mundo e para
que são necessárias. Porque todas as coisas no Universo são necessárias
para o ser humano, nada havendo na Criação que seja supérfluo. A História
nos mostra claramente que quando uma espécie se torna desnecessária,
sofre uma extinção natural. No campo antropológico, temos vários
exemplos de monstros pré-históricos - mamutes, dinossauros, etc. - que
sobreviveram somente durante o tempo necessário. Assim sendo, também
as bactérias, enquanto existirem, devem ter algum papel a desempenhar.
Este papel, porém, ainda não foi compreendido pela ciência, razão por que
as bactérias são cegamente temidas.

Encaradas sob esse prisma, por que razão Deus Criador fez
bactérias que torturam a humanidade e colocam em risco a vida humana?
Na verdade, elas têm um importante significado. O problema é que os
homens não tinham manifestado interesse em questionar esse ponto. É que
a ciência ainda não chegou até lá. Nesse contexto, penso que este livro
despertará a consciência do homem da civilização atual, elevando sua
mente ao mais alto nível.

73
A Criação da Civilização

Antes, devo escrever sobre outro ponto importante. Por que Deus
Supremo criou o Universo e o ser humano? Talvez não exista uma questão
de importância mais fundamental. A resposta é procurada por todos, mas
até agora ninguém deu uma explicação satisfatória.

O propósito de Deus Supremo é fazer da Terra um Mundo Ideal,


pleno de Verdade, Virtude e Beleza, a progredir e desenvolver-se
infinitamente. Esta é uma verdade eterna e imorredoura. Portanto, a
humanidade tem um futuro brilhante, além da imaginação da inteligência
humana. Os homens devem dedicar-se com alegria a essa missão divina,
enchendo o seu peito de Luz para percorrer esse caminho. O ser humano
foi criado para desempenhar uma missão no propósito de Deus Supremo.
Por isso, deve conscientizar-se dessa missão, trabalhando sem se afastar
dessa meta enquanto tiver vida. Mas, para isto, é preciso, em primeiro
lugar, ter saúde. E como está a saúde do homem? Como todos sabem, ele
facilmente contrai enfermidades e sua saúde muitas vezes se deteriora. Para
mantê-lo sempre são, Deus o dotou de uma ação natural que protege a
saúde do organismo. E qual é essa ação? Surpreendentemente, por mais
ilógico que possa parecer, é o que se costuma chamar de doença.

Antes de mais nada, quando um homem procura desempenhar o seu


papel humano, sempre acumula, inevitavelmente, impurezas em todas as
partes de seu corpo. Mais adiante, isto será pormenorizadamente explicado.
Em síntese, as impurezas, no Plano Espiritual, são as nuvens. No corpo
físico é o sangue impuro.

Quando a acumulação de impurezas ultrapassa um certo limite,


perturba e dificulta as atividades do ser humano. Já vimos que, para
eliminar as impurezas, produz-se uma ação natural, isto é, uma ação
purificadora. Mas como esse processo causa dor e desconforto, a ação
purificadora tem sido interpretada até agora como doença e como algo
prejudicial. Por isso, as pessoas se preocupam quando se vêem afetadas por
uma doença, pois pensando que ela, ao contrário, prejudica a saúde, temem
que sua vida esteja correndo perigo. O tratamento médico tem sido

74
A Criação da Civilização

empregado como recurso para tentar suprimir ou aliviar a dor e o


desconforto. E isto, como podemos ver, tem sido um erro.

Assim, a doença é uma suprema dádiva de Deus para preservar a


saúde dos homens. Portanto, pode-se dizer que a medicina constituída com
base nesta verdade é uma medicina genuína.

75
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 19

O MUNDO IMATERIAL

Passo agora a escrever sobre o princípio e a ordem do surgimento


das bactérias. Os mais avançados microscópios eletrônicos da atualidade
limitam-se a ampliar dezenas de milhares de vezes os organismos
chamados bactérias. Pode-se prever, entretanto, que algum dia serão
desenvolvidos microscópios que nos permitirão enxergar também os ultra
microorganismos. Isto, porém, ainda poderá tardar muito. A ciência atual
alcançou o ponto máximo da visão materialista, encontrando-se a um passo
do Reino Imaterial, que é o segundo reino. E agora se defronta com uma
enorme parede. Esta parede terá de ser rompida, o que não será fácil.
Porque, além dela, vem um mundo quase igual a nada, que não pode ser
detectado pela ciência materialista.

O físico nuclear Hideki Yukawa, laureado com o prêmio Nobel, foi


o primeiro a anunciar a existência teórica do méson. Essa teoria foi
confirmada experimentalmente por acaso, quando outros cientistas, ao
fotografarem os raios cósmicos, encontraram gravadas na chapa algumas
partículas elementares que se constatou serem mésons. Assim, a teoria de
Yukawa foi comprovada pela física experimental.

O que eu estou pregando é a existência teórica de uma Ciência


Divina. Mas, ao mesmo tempo, com a aplicação dessa teoria, estamos
obtendo prodigiosos efeitos na cura de enfermidades. A comprovação,
portanto, completa a teoria, tornando-a uma ciência divina experimental.
Assim sendo, trata-se também de uma descoberta científica.

O ponto máximo a que chegou a ciência materialista foi a ciência


nuclear que hoje conhecemos. Por conseguinte, pode-se dizer que a
descoberta de um reino próximo a este, isto é, o Reino Imaterial, representa
um progresso extraordinário mesmo sob o ponto de vista científico. Esse
Reino representa um elo entre a Ciência e o Espírito Divino. O que
significa que este Ensinamento preenche o espaço intermediário entre o
Mundo Científico e o Mundo Divino.

76
A Criação da Civilização

Esse misterioso espaço intermediário tem sido um enigma


indecifrável a desafiar cientistas, filósofos e religiosos. Aqui, desvenda-se
finalmente o próprio alvo visado pelos intelectuais que buscavam a
Verdade e que a tinham no fundo dos próprios corações. Assim, concretiza-
se o ideal longamente sonhado. Muitos devem ter previsto que, com o
progresso da civilização, um dia se chegaria a essa região de mistério. A
maioria, porém, naturalmente pensava que ela seria alcançada pelo
progresso da ciência materialista. Surpreendentemente, enganaram-se na
previsão. A descoberta foi feita por um religioso. O importante, porém, é
aplicá-la e utilizá-la para beneficio de toda a humanidade, sem o que essa
descoberta não teria significado. E isto não está fora da realidade, pois
cerca de 90 por cento dos doentes, além de terem sido perfeitamente
curados, tiveram a sua vida prolongada.

Essa descoberta trará incalculáveis benefícios à humanidade.


Depois que tiver sido amplamente divulgada, provocará uma grande
transformação na civilização atual e marcará um novo início, sem
precedentes, na História humana. Eu afirmo sem hesitação que, ao chegar a
esse ponto, não haverá mais nem Ciência e nem Religião, mas Ciência e
Religião ao mesmo tempo. Será a época de uma Verdadeira Civilização,
jamais experimentada ou sequer imaginada pela Humanidade.

Passarei agora a examinar a relação entre o Mundo Imaterial e o


Mundo Material.

77
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 20

A PRIMAZIA DO ESPÍRITO SOBRE A MATÉRIA

No capítulo anterior, vimos a relação entre o Mundo Imaterial e as


doenças humanas. Chamamos esse Mundo Imaterial de Mundo Espiritual.
Agora examinaremos a relação entre o Mundo Espiritual e o ser humano.

O homem é constituído de dois principais elementos,


inseparavelmente unidos: corpo e espírito. O corpo é visível por ser
material. Mas o espírito, por ser invisível, não tem sido geralmente
compreendido. Sua existência, porém, é igualmente certa. Trata-se de uma
espécie de corpo etéreo e existem meios para percebê-lo. Assim como o
corpo físico está dentro do ar, o espírito do homem está dentro do Mundo
Espiritual. O Mundo Espiritual é um corpo transparente muito mais
rarefeito do que o ar, com o qual não pode ser comparado. Por isso, é
compreensível que tenha sido considerado como nada. E, no entanto, esse
mundo é antes a fonte de onde se originam todas as coisas. Nele está
armazenada uma energia absoluta e infinita que gera e desenvolve tudo o
que existe.

A essência do Mundo Espiritual é formada por uma fusão


perfeitamente integrada dos espíritos (sei) do Sol, da Lua e da Terra. É um
mundo misterioso, que está além da imaginação. A questão é que o ser
humano, quando desempenha as suas funções individuais, acumula nuvens
no espírito da mesma maneira como acumula sujidades no corpo físico.
Assim como o banho lava as sujidades acumuladas no corpo físico, uma
ação purificadora natural surgirá para limpar as impurezas do corpo
espiritual. Isto ocorre não somente com o homem, mas também com todas
as outras coisas do Céu e da Terra. Quando, por exemplo, impurezas se
acumulam no corpo espiritual da Terra, a Natureza as concentra num
determinado lugar para limpá-las mediante a baixa pressão atmosférica,
que é uma atividade purificadora.

As tempestades, enchentes e incêndios, seja os deflagrados por


raios ou provocados pelo homem, também constituem atividades

78
A Criação da Civilização

purificadoras. De modo análogo, processa-se ação purificadora no ser


humano. As impurezas que se acumulam no espírito do homem são uma
espécie de nuvens. Essas nuvens formam a parte opaca do espírito que,
originalmente, é um corpo transparente.

As nuvens são criadas de duas maneiras: 1) podem surgir no


próprio espírito; 2) podem refletir-se do corpo para o espírito.

Explicarei, primeiramente, a parte espiritual. Verticalmente, o


homem é constituído de três níveis concêntricos. Horizontalmente, temos
três camadas concêntricas, que podem ser imaginadas desta forma:

ALMA

MENTE

CORPO ESPIRITUAL

A alma, naturalmente, é o centro do círculo. Pela Lei da Natureza,


quando um ser humano é concebido neste mundo, a alma, procedente do
homem, é instalada no ventre da mulher. A alma em si, como se sabe, é um
pontinho infinitesimal. Cada alma tem a sua individualidade e exerce
absoluto controle sobre o indivíduo enquanto este tiver vida.

A alma é envolta e protegida pela mente. A mente é envolta pelo


espírito. O espírito enche o corpo inteiro e por isso tem a mesma forma do
corpo físico. Como o espírito e o corpo estão unidos, o estado da alma
reflete no espírito através da mente. Ao mesmo tempo, o estado do espírito
também reflete na alma através da mente. A alma, a mente e o espírito
estão inter-relacionados, podendo ser considerados uma trindade.

O homem, durante a sua existência, pratica tanto o Bem quanto o


Mal. Quando o Mal é maior do que o Bem praticado, transforma-se em
pecados e máculas que anuviam a alma. Estas nuvens toldam a mente e, a
seguir, também o espírito. Quando a acumulação de nuvens ultrapassa um

79
A Criação da Civilização

certo limite, surge uma ação purificadora espontânea para dissolvê-las e


eliminá-las. Antes de iniciar-se esse processo, as nuvens esparsas se
acumulam pouco a pouco em um ou mais pontos, onde se adensam e
diminuem de volume, até se solidificarem.

O interessante é que as áreas onde ocorre a condensação


correspondem ao pecado cometido. Assim, por exemplo, as nuvens se
condensarão nos olhos de quem pecou com os olhos, na cabeça ou no peito
de quem pecou com a cabeça ou com o peito.

Esclarecerei, agora, a segunda parte. Aqui, ao contrário do que


ocorre na primeira, as nuvens refletem do corpo para o espírito. Neste caso
surgem, inicialmente, impurezas no sangue, ou seja, sangue impuro. Isto
reflete no espírito sob forma de nuvens. Como no caso anterior, também
estas se concentram em um ou mais pontos, onde se adensam.

O sangue é a materialização do espírito e o espírito é a


espiritualização do sangue. Pode-se dizer, portanto, que o espírito é igual
ao corpo. Só que, pela Lei, o espírito é o principal e o corpo é secundário.
De qualquer maneira, por essa razão, há uma incessante acumulação e
solidificação de toxinas no corpo físico. Estas são dissolvidas pela ação
purificadora e eliminadas sob forma liquefeita por uma parte qualquer do
corpo. A dor e o desconforto decorrentes desse processo é que são
considerados doenças.

Mas o que produz sangue impuro no organismo? Por mais


surpreendente que possa parecer, são os próprios medicamentos, que
ocupam o lugar de honra nos tratamentos médicos. Contudo, não existe
neste mundo algo a que se possa chamar de remédio. Tudo o que é hoje
considerado como remédio, é na verdade um veneno. Isto é bem
comprovado pelos fatos. Quando um doente começa a receber tratamento
médico, os próprios remédios prolongam ou agravam a enfermidade,
muitas vezes produzindo complicações. O sangue impuro produzido pelos
remédios reflete no espírito sob forma de nuvens, que passam a ser a causa
das doenças. Conseqüentemente, são os próprios métodos de cura
empregados pela medicina atual que geram enfermidades.

80
A Criação da Civilização

Já vimos que, pela Lei Universal, o espírito é o principal e o corpo é


secundário. Conseqüentemente, quando as nuvens do espírito são
eliminadas, o sangue impuro se torna puro e as enfermidades são
perfeitamente curadas.

O meu método de cura consiste na aplicação deste princípio.


Chama-se Johrei e tem por objetivo purificar o espírito. Por isso, cura
radicalmente as doenças. Mas a medicina progrediu ignorando totalmente o
espírito e tendo somente o corpo por objeto. Em última análise, resultou
num método de cura temporária. Os tratamentos médicos, na verdade, não
produzem uma cura radical.

Um paciente que se submeteu a uma cirurgia pode parecer


plenamente curado. Contudo, ainda que não haja recorrência da
enfermidade original, uma outra moléstia surgirá inevitavelmente. A
apendicite, por exemplo, não ressurge depois que se remove a parte
afetada. Mas o paciente estará facilmente propenso a uma adenite ou a
alguma outra moléstia, nos rins ou nas áreas adjacentes. Isto porque, a
despeito da remoção do apêndice, as nuvens permaneceram. Além do mais,
a introdução de novos medicamentos aumenta as impurezas do sangue,
produzindo novas nuvens. Estas, acrescentadas às nuvens anteriormente
existentes, mudam de lugar, ocasionando doenças em outras áreas.

Vejamos, agora, as alterações sofridas pelo sangue impuro. Por


meio da purificação incessante, o sangue impuro se torna cada vez mais
denso, até produzir-se uma alteração nas células sanguíneas que, ao se
transformarem em células brancas, darão origem ao pus. Quando há uma
mistura de pus e sangue, ainda estamos a meio caminho do processo de
transformação. Numa etapa mais avançada, elas já se terão convertido
totalmente em pus. Por isso, o catarro do tuberculoso, por exemplo, vem
freqüentemente misturado com sangue. A este processo a medicina chamou
de fagocitose.

81
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 21

OS DANOS CAUSADOS PELAS TOXINAS DOS REMÉDIOS

Como expliquei no item anterior, as ações errôneas sujam a alma


espiritual; isso vai, através da alma, transformar-se em máculas do espírito.
Considerando-se que a doença não é senão o processo de purificação dessas
máculas, é extremamente lógico que, além de eliminar essas máculas, não
há nenhum outro processo capaz de erradicar a doença.

Entretanto, Hipócrates (no Ocidente) e Shinno (no Oriente),


descobriram que, ministrando drogas e ervas medicinais às pessoas
doentes, a dor era temporariamente aliviada; como isso foi considerado
bom, eles se tornaram os “pais da medicina”, razão porque vemos que o
erro nasceu já naquele tempo.

É claro que, como ao usar remédios a dor é temporariamente


aliviada, eles simplesmente pensaram que esse era o método correto para a
erradicação da doença; esse pensamento era perfeitamente justificável para
o nível de sabedoria do homem daquela época. Como esse pensamento veio
se mantendo até os nossos dias, não posso deixar de pensar que é muito
estranha a ilusão em que o homem viveu até agora. Entretanto, com meu
nascimento, a doença, que é a principal causa da infelicidade do homem,
irá ser solucionada, o que significa a chegada de uma era auspiciosa. Sendo
assim, a cultura sofrerá uma transformação de 180 graus, e será
concretizado o Mundo Ideal.

Conforme o que disse anteriormente, a humanidade veio, desde a


Antigüidade, ingerindo drogas; todo homem contemporâneo sofre de
intoxicação pelos remédios. Como já mencionei há pouco, os remédios são
substâncias venenosas; além disso, permanecendo dentro do corpo, se
tornam causas de doenças. Apesar disso, a medicina acredita que eles são
naturalmente eliminados, mas isso é um terrível engano. Na verdade,
enquanto a pessoa tiver vida, eles não desaparecerão.

82
A Criação da Civilização

Tentarei escrever sobre minhas experiências com relação a esse


fato: há 36 anos atrás, extraí os dentes para poder colocar dentaduras; ao
colocar remédio desinfetante na cavidade aberta, comecei a sentir muitas
dores. Para aliviá-las, tomei novos remédios, mas elas iam aumentando
gradualmente. Recorri, então, a dentistas famosos, uns após outros, mas a
dor não passava de maneira alguma. Finalmente, vi-me num beco sem
saída.

Como até àquela altura eu já havia extraído 4 dentes, podem


imaginar o quanto a dor era violenta. Eu não tinha melhora alguma, e, além
disso, como os remédios atacaram inclusive minha cabeça, no final não
sabia se meu destino me arrastaria para a loucura ou para o suicídio.
Entretanto, compreendi que tudo tinha sido causado pelos remédios, sendo
também uma forma de jogar fora o meu “eu” de até aquele momento.
Depois de compreender isso, abandonei os dentistas, e a dor foi passando
gradativamente. É impressionante, mas mesmo hoje ainda sinto dores, se
bem que muito poucas. Partindo do ponto de vista de que eu me auto-
ministro Johrei diariamente, talvez possam compreender que, mesmo
passando-se dezenas de anos, as toxinas dos remédios não desaparecem.

Como se pode compreender pelo exposto acima, os remédios


jamais desaparecem. Vou explicar porque: o Criador, ao mesmo tempo em
que criou o homem, criou também os alimentos e todas as coisas
necessárias para a sua subsistência. Para isso, atribuiu ao solo, ao mar e aos
rios a força e capacidade para produzi-los; a começar pelos vegetais e
minerais, também o ar, o sol, a lua, as estrelas e tudo o mais foi criado com
esse objetivo. Além disso, mesmo falando-se simplesmente “alimentos”, há
uma qualificação definida, ou seja, eles estão divididos em duas classes: os
que devem e os que não devem ser consumidos. Sendo assim, como há a
necessidade dessa divisão, foi concedido ao homem o paladar, e aos
alimentos, o sabor. Além disso, há grande variedade de tipos de alimentos,
todos criados de forma a se adequarem à saúde e ao ambiente do homem.

Por exemplo: quando o sal se faz necessário, o homem sente


vontade de comer coisas salgadas; quando há necessidade de açúcar, ele
desejará comer coisas doces; quando necessitar ingerir líquidos, a garganta

83
A Criação da Civilização

ficará seca; assim, a natureza foi criada de modo que, de acordo com a
necessidade, surja o desejo. Ao mesmo tempo, o aparelho digestivo
também é constituído de forma a adaptar-se a certas condições definidas:
em outras palavras, todos os alimentos que devem ser consumidos são
digeridos, mas aqueles que não devem ser ingeridos não são assimilados,
permanecendo no organismo. Por isso, como os remédios são substâncias
estranhas ao organismo, não são digeridos nem assimilados e, ao
envelhecerem dentro dele, transformam-se em toxinas. Como a doença é
um processo de expulsão dessas toxinas, sua causa são os remédios; o
catarro, a coriza, o suor, o pus, sangue com toxinas, etc., são formas
transformadas desses tóxicos, donde concluímos que não há, no mundo,
nada tão terrível quanto os remédios. Como a humanidade desconhece esse
fato, veio, ao pretender curar as doenças, criando outras novas.

Acredito que todos podem perceber a gravidade do erro que veio


sendo cometido. Na verdade, no mundo não há nada tão absurdo. Sendo
assim, acredito que não há necessidade de ser redundante, e dizer que, se
levarmos ao conhecimento da humanidade apenas esse único fato, isso
constituirá numa grande salvação. Antes de mais nada, seria bom que,
acreditando nas minhas explicações, vocês especialistas fizessem uma
pesquisa e as comparassem com as doenças; verão, assim, que na minha
teoria não há um mínimo de erro.

Conforme pode ser compreendido pelo exposto acima, a


humanidade foi prejudicada pela interpretação errônea com relação às
doenças; ao invés de erradicá-las, veio até hoje, pelo contrário, criando
enfermidades e contribuindo para que o número de tipos aumentasse. Além
disso, como esse erro tem sido também a causa da miséria e da guerra,
antes de mais nada, é preciso conscientizar o homem a esse respeito; de
outro modo, não haverá condições para o surgimento da verdadeira
civilização.

Com relação a isso, se compararmos o homem hodierno com aquele


que vivia na era primitiva, quando não havia remédios, veremos que a
fraqueza de sua saúde não tem termo de comparação; era comum ao

84
A Criação da Civilização

homem daquela época viver mais de 100 anos; isso fica claro se olharmos
os vários tipos de documentos daquela época.

Eu não achava que a famosa estória de que o Sr. Takeuti tivesse


vivido 306 anos fosse verdadeira, mas, ao pesquisar a árvore genealógica
daquela família, verifiquei que era verdade. Dentro da família Takeuti, a
pessoa de maior longevidade viveu 349 anos; depois, houve uma que viveu
320 e poucos anos, seguida de uma outra que viveu quase 320 anos.
Recordo com certeza que o Sr. Takeuti era o quarto, em termos de
longevidade, dentro da família.

Não há dúvida de que esse período se situa entre 2000 até 1600
anos atrás, antes da chegada da medicina chinesa. Também é evidente pelos
registros que, até mil e tantos anos depois, a partir do Imperador Jinmu, a
longevidade dos imperadores era, quase que na sua totalidade, de mais de
100 anos. Atualmente, diz-se que a longevidade dos americanos e mesmo
dos japoneses aumentou um pouco, razão pela qual estão todos contentes,
mas isso não se deve ao desenvolvimento da medicina. Há outra razão,
sobre a qual escreverei posteriormente.

Resumindo, se compreenderem que as causas de todas as doenças


são os remédios, isso será suficiente.

As dores causadas pelas doenças, coceiras, febres, indisposições,


etc., todos os sofrimentos, sem exceção, são causados pelas toxinas dos
remédios. Afirmo isso sem medo de errar, pois me baseio em minhas
incontáveis experiências. É claro que as toxinas hereditárias também são
causadas pelos remédios. Com certeza, sendo homem moderno, talvez não
haja, dentre 10 pessoas, uma só que não seja portadora de doença alguma.
Todos têm algum tipo de enfermidade. Numa família de muitos membros,
está ficando muito raro encontrar uma casa onde não haja nenhuma pessoa
doente; quase não há lares que, no intervalo de um ano, não tenham tido
um ou dois de seus membros internados. Ao mesmo tempo, é raro vermos
uma pessoa que, durante o ano, não tomou uma gota sequer de remédio.

85
A Criação da Civilização

Assim, como o homem contemporâneo está enfraquecido


fisicamente, tem extremo temor à doença. A influência que as despesas, a
insegurança e o esforço utilizado para essas coisas acarreta também não é
nada pequena. Se lançarmos todos os remédios no fundo do mar, a partir
desse dia a doença irá diminuindo gradualmente, e daqui a algumas
dezenas de anos, poder-se-ia afirmar que se concretizaria o mundo isento
de doenças.

A seguir, explicarei sobre as principais doenças. Tendo por base


que as funções vitais do corpo humano são exercidas pelo coração, pelos
pulmões e pelo estômago, continuarei minhas explicações.

86
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 22

O CORAÇÃO

Dentre os órgãos vitais do corpo humano, o mais importante é o


coração, e poderia ser chamado de “rei”. Sendo assim, a menos que se
conheça, basicamente, a essência das funções do coração, não será possível
estabelecer a causa das doenças. Concordaremos com isso ao observar que,
na medicina, mesmo podendo fazer operações (intervenções cirúrgicas) nos
outros órgãos, no coração é impossível. Porém, uma função vital tão
importante quanto a do coração ainda não é compreendida com exatidão
pela medicina. Ela parece conhecer, apenas, que o oxigênio é mandado
pelos pulmões, e que é no coração que se processa a purificação do sangue,
o que é um pensamento muito restrito. Por isso, vou explicar
detalhadamente qual o verdadeiro trabalho do coração.

Esse órgão tem a mais íntima relação com o Mundo Espiritual; ou


seja, como já expliquei anteriormente, o que é preciso saber, antes de tudo,
são os elementos básicos da constituição do Globo Terrestre. Como falei
antes, ele está constituído em três níveis, quais sejam: Mundo Espiritual,
Mundo Atmosférico e Mundo Material. Resumindo, a essência do primeiro
é o elemento fogo, a do segundo é o elemento água e a do terceiro, o
elemento solo. É claro que o primeiro é o espírito do Sol; o segundo, o da
Lua e o terceiro, o Solo. Através da energia desses três elementos básicos,
são criadas e desenvolvidas todas as coisas; além disso, até a vida dos
homens é mantida por eles. Os órgãos vitais que devem absorver esses três
elementos são o coração, os pulmões e o estômago. Ou seja, o coração
absorve, do Mundo Espiritual, o elemento fogo; os pulmões absorvem, do
Mundo Atmosférico, o elemento água, e o estômago absorve, do Mundo
Material, o elemento solo.

Assim, tendo esse princípio como base, será fácil compreender a


constituição do corpo humano. Entretanto, até agora só se sabia que os
pulmões absorviam o ar, e que o estômago absorvia os alimentos. Não
tinham a menor idéia de que o coração absorvia o elemento fogo.

87
A Criação da Civilização

Vou explicar porque isso acontecia. A razão é a seguinte.

Tanto o ar como os alimentos podem ser apreendidos pela ciência,


mas isso era impossível só com relação à função do coração. Isso acontecia
em virtude de se considerar que o Mundo Espiritual não existia; como ele
não podia ser apreendido através de máquinas, era, portanto, justificável.
Em poucas palavras, a ciência só sabia da existência de dois elementos,
desconhecendo totalmente o primeiro. Entretanto, ele é mais importante
que os outros dois; sem essa compreensão, não poderá surgir uma medicina
perfeita. Não é preciso salientar que os conceitos científicos de até hoje
eram deficientes.

Como foi explicado acima, o coração é o órgão incumbido de


absorver o elemento fogo; os pulmões absorvem o elemento água e o
estômago, o elemento solo. É através desse trabalho que o homem vive.

Voltando ao que já expliquei anteriormente, como a doença é o


processo de eliminação de toxinas, a febre se faz necessária para dissolver
as toxinas solidificadas. O coração é o órgão que tem a função de absorver
o calor; para tanto, como se faz necessária uma quantidade do elemento
fogo maior do que o normal, o coração precisa intensificar sua atividade
nessa proporção. É por isso que, na ocasião do aparecimento da febre, as
batidas do coração são mais intensas. Os calafrios que se sente nessas
ocasiões devem-se ao fato de que a temperatura do corpo é absorvida pelo
coração e, por isso, torna-se insuficiente. Nessa hora, a respiração fica mais
rápida para ajudar a atividade do coração. O pulmão precisa fornecer ao
coração grande quantidade de água, pois, à medida que este a vai
recebendo, sua força vai aumentando. Além disso, como a energia gasta
para se digerir os alimentos também é consumida pelo coração, há a perda
de apetite. Terminada assim a dissolução das toxinas solidificadas, não
haverá mais necessidade da febre, e por isso ela cede.

Creio que com isso puderam entender a natureza do coração.

88
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 23

DOENÇAS DO ESTÔMAGO

Agora, explicar sobre os pulmões seria a ordem certa, mas como já


falei exaustivamente sobre eles, passarei a falar sobre o estômago. Como
vim explicando até agora, quase todas as causas das doenças são os tóxicos
dos remédios, e isso é mais evidente principalmente no caso das doenças do
estômago. Pode-se dizer que todas elas são causadas por esses tóxicos.

Escreverei detalhadamente sobre isso: é comum todas as pessoas,


de vez em quando, comerem exageradamente, sentirem-se mal com alguma
comida, terem azia, etc. Nesse casos acreditam que apenas tomando
remédios poderão curar um problema que, se deixado de lado, se resolveria
por si mesmo. Então, ingerem-nos imediatamente. Como há melhora
momentânea, acreditam que o remédio resolveu tudo rapidamente.
Entretanto, sem que se dêem conta, apenas uma dose desses remédios pode,
no futuro, tirar-lhes a vida. Esse é o problema.

Resumindo, tomar apenas uma dose de remédio significa estar


plantando a semente da doença. Isto porque, passado algum tempo,
novamente o estado do estômago infalivelmente piorará. Então será
necessária nova dose do remédio, e isso acabará se tornando um vício. É
exatamente como nos casos dos viciados por drogas; depois de algum
tempo, já não se consegue viver sem elas. Nesse estágio, já não há mais
solução, pois a pessoa já se tornou viciada em remédios para o estômago.
Assim, ao fazer exame médico, é diagnosticada fraqueza do estômago,
gastrite, indigestão, acidez do estômago; então, não se pode comer isso ou
aquilo, é preciso tomar esse ou aquele remédio, é preciso seguir as
recomendações médicas, etc. Agindo conforme as recomendações, mesmo
que a princípio haja melhora, a cura não será alcançada, e logo a situação
voltará a ser crítica como antes. Azia, vômitos, dor, declínio de apetite, etc
– vários sintomas aparecem, uns após outros; como não há outra solução, e
tomando remédio há alívio momentâneo, todos acreditam que são curados
por ele. Assim, cada vez mais são incapazes de abandoná-los. Entretanto, o
remédio que no começo fazia efeito vai, aos poucos, tornando-se ineficaz;

89
A Criação da Civilização

assim, vai-se mudando e experimentando vários remédios, mas apenas na


ocasião em que se toma o novo remédio ele é eficaz. Com o uso contínuo,
tudo voltará a ser como antes, e a pessoa se tornará portadora de
intoxicação estomacal, provocada pelos remédios. Esse procedimento
também faz com que a pessoa passe a vomitar sangue. Então ela se assusta
e, ao ser examinada pelo médico, ele lhe diz: “Você está com úlcera
estomacal; se não tomar cuidados extremos com a saúde, poderá ser fatal”.
Aí a pessoa não poderá comer comida sólida, apenas dieta líquida;
precisará de repouso absoluto, etc, passando a ser tratada como portadora
de doença de maior gravidade.

Até agora, descrevi o processo mais freqüente desde seu começo,


mas, na verdade, atualmente o número de pessoas que se enquadra nessa
descrição não é pequeno. Se refletirmos bem sobre tudo, desde o começo,
veremos que, quando o estômago começou a apresentar problemas, tudo se
resolveria naturalmente se não fosse tomada providência alguma. Mas o
homem contemporâneo, que está mergulhado na superstição da medicina,
acredita que, se não tomar remédios, não ficará curado, e que se não tomar
providências, sua situação irá piorando pouco a pouco. Com essa
preocupação, obstinado, procura rapidamente um médico e usa remédio e
outras drogas. Por essa razão, através dos remédios vai criando cada vez
mais sérias doenças do estômago, o que é algo que deve ser temido, além
de não deixar de ser estúpido.

Geralmente os remédios para o estômago são, naturalmente,


aceleradores da digestão, e são compostos que tem como base o
bicarbonato de sódio. Como todos sabem, o bicarbonato de sódio tem o
poder de amolecer as substâncias, e é muito usado para cozidos. Entretanto,
com essa teoria, se os remédios para a digestão forem ingeridos
continuamente, as paredes do estômago também irão amolecendo; com
esse amolecimento, ao comer alimentos sólidos, eles atingem a mucosa das
paredes do estômago, que se tornaram moles, causando feridas, de onde sai
sangue.

Quando o sangue é expelido com uma cor clara, ele é novo e, de


acordo com as proporções do dano no local afetado, grandes quantidades

90
A Criação da Civilização

de sangue podem ser expelidas. Entretanto, de acordo com a pessoa, há


casos em que ele se torna um líquido cor de café; além disso, observa-se
alguns grãos escuros. É o sangue velho, que mudou de cor, e os grãos
escuros são sangue coagulado. Também acontece de, junto com as fezes,
serem expelidos pedaços coagulados de sangue escuro; é um sangue velho,
que saiu da ferida no estômago e que nele se acumulou, e que, ao ser
dissolvido, é expulso. Entretanto, há pacientes que, uma ou duas vezes por
dia, vomitam sangue velho, da cor de café, em grandes quantidades.
Mesmo nesses casos, nós acreditamos que isso é curado com relativa
facilidade. Todavia, essa doença é considerada muito difícil de ser curada
pela medicina; considerando que sua causa real são os remédios, não há
dúvida que isso é muito incômodo para os médicos. De qualquer forma,
como se trata de uma doença cuja cura depende de se abandonar os
remédios, tenho vontade de dizer que, se a pessoa parar de tomá-los e tiver
paciência, é certo que ficará curada. O método é o seguinte: no começo,
enquanto ainda houver eliminação de sangue, mesmo em quantidade
pequena, é bom ingerir apenas alimentos líquidos. Quando a eliminação
cessar, gradualmente poderão ir sendo ingeridos alimentos sólidos.

A seguir falarei sobre as outras doenças do estômago.

A atonia gástrica (acidez no estômago) é uma doença muito mais


freqüente; é causada pelo excesso de acidez. Entretanto, como é lógico que
o ácido é uma transformação dos remédios, a cura depende da sua não
ingestão.
A seguir, falarei sobre a gastralgia; a mais dolorosa é o
gastropasmo. É uma dor violenta, quase insuportável. O tratamento médico
é feito através de remédios cuja base é a morfina; esses remédios dão alívio
momentâneo, através da anestesia, mas, logo a seguir, a dor reaparece. Por
isso é fácil criar dependência. É claro que também essa doença é causada
pelos tóxicos dos remédios; vou explicar seu processo de evolução.

Ao tomar remédios, eles vão para o estômago. Como expliquei


anteriormente, os remédios não são digeridos e acumulam-se no estômago.
Como o homem se deita, os tóxicos dos remédios atravessam o estômago, e
descem e vão se solidificar nas costas. Eles são dissolvidos através da

91
A Criação da Civilização

purificação e retornam ao estômago; só que, nessa ocasião, já estão


transformados em toxinas. O estômago, então, tenta expulsá-las para fora.
Como a dor violenta funciona como um estímulo para essa expulsão, no
caso dos gastropasmos, se não se fizer nada, tiver paciência e suportar a
dor, sobrevirá uma diarréia; através dela as toxinas serão expulsas, e haverá
a cura. Entretanto, até que as toxinas sejam completamente eliminadas, essa
diarréia acontecerá inúmeras vezes, mas não há outra solução. Isso é
inevitável. Porém, a cada eliminação, o processo irá se tornando cada vez
mais suave, terminando pela cura total.

A seguir, vem o câncer no estômago, mas nesse caso há dois tipos:


o câncer verdadeiro e o câncer falso. Na realidade, o câncer falso acontece
com muita freqüência. A causa do câncer verdadeiro é espiritual, o que se
inclui na esfera religiosa. Por isso, explicarei apenas sobre o câncer falso;
logicamente, sua causa também são os remédios. Conforme expliquei
anteriormente, depois que eles se solidificam nas costas, voltam novamente
ao estômago. O resultado da interrupção desse processo através do
tratamento médico é que as toxinas novamente se solidificam. Só que dessa
vez, não é uma solidificação simples, e sim, de caráter maligno. Isso
porque as substâncias venenosas novamente se solidificam; isso é o câncer.
Entretanto, como isso também tem relação com a natureza dos remédios
ingeridos, não se pode afirmar que todos os remédios conduzem a esse
resultado.

Também nesse caso, mesmo deixando a doença seguir seu curso, é


possível que leve bastante tempo, mas a cura é certa.

92
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 24

AS PRINCIPAIS DOENÇAS

Escrevi, de maneira bastante genérica, sobre os três mais


importantes órgãos do corpo humano; agora passarei a explicar sobre as
principais doenças.

1) Doenças renais e correlatas

Depois dos três órgãos principais, os rins exercem o papel mais


importante no organismo. Como a própria medicina revela, esse órgão
recolhe um importante hormônio do sangue concentrado no seu interior e
remove para a bexiga a urina, que é o líquido residual a ser expelido. Se os
rins estivessem funcionando perfeitamente, tudo transcorreria de acordo
com essa explicação. Entretanto, na realidade, conforme o avanço da idade
– de criança para adolescente, de adolescente para jovem e, mais tarde, para
a senilidade – é muito normal a debilitação gradativa do seu
funcionamento; a causa consiste no atrofiamento dos rins.

Qual o motivo desse atrofiamento? Conforme foi dito


anteriormente, quando os rins procedem à separação das substâncias úteis e
não úteis, há casos em que a elas se mistura um corpo muito estranho. Nem
é preciso dizer que esse corpo estranho é a toxina dos remédios. Como ela é
eliminada? A toxina não se transforma nem em hormônio e nem em urina.
Por isso, ela se infiltra nas paredes dos rins e, ao penetrar na parte dorsal,
vai se acumulando aos poucos. Quando essas toxinas vão se solidificando e
começam a pressionar os rins, estes vão se atrofiando gradativamente,
acarretando a diminuição da produção de hormônios (na maioria dos casos
essa é a causa da frigidez); ao mesmo tempo, a eliminação da urina também
vai se tornando difícil. Como um pouco da urina extravasa e adiciona-se à
toxina do remédio, o volume do nódulo de toxina aumentará
significativamente, passando a se acumular em cada lado da coluna
vertebral. Isso vai se estendendo para cima até alcançar as proximidades do
pescoço e dos ombros. É esta a causa do enrijecimento dos ombros e
pescoço.

93
A Criação da Civilização

Um fato interessante é que podemos distinguir os dois tipos de


toxinas solidificadas. Isto é, se apertarmos com o dedo a parte afetada,
veremos que as solidificações originadas pelo medicamento são duras, têm
dor e são persistentes, ao passo que o nódulo formado pela urina é
maleável, quase indolor. Como as toxinas vão penetrando até alcançar o
interior do cérebro, conseqüentemente ocorrerá a purificação. Essas
purificações são: peso na cabeça, dores de cabeça, meningite, a encefalite
japonesa, meningite cérebro-espinhal, hemorragia cerebral e outros tipos de
doenças cerebrais.

É muito simples descobrirmos a existência de toxinas na cabeça,


pois basta tocá-la com as mãos. Se ela tiver um mínimo de febre, será sinal
de que existem toxinas; quanto maior for a intensidade do calor, maior é a
quantidade de toxinas. Hoje em dia, provavelmente inexiste pessoa sem
febre.

a) Meningite

Meningite é uma purificação intensa e abrupta das toxinas que se


solidificaram na parte frontal da cabeça; essa doença é mais freqüente entre
as crianças, porque nelas a força purificadora é mais intensa. Em outras
palavras, essa doença, juntamente com a febre alta, apresenta uma outra
característica: dores violentas na parte frontal da cabeça e incapacidade de
abrir os olhos devido à tontura e ofuscamento. Entretanto, se deixarmos a
doença seguir seu curso normal, sem fazer nada, o nódulo de toxinas se
dissolverá e será expelido em forma de lágrimas e mucos, e haverá cura
completa. A lucidez da mente será maior do que a da fase anterior à doença
e as crianças, por exemplo, terão um excelente aproveitamento escolar, o
que espantará até os próprios médicos e as pessoas em geral. Entretanto,
como o tratamento médico consiste em solidificar essas toxinas com bolsas
de gelo e outros meios, embora pareça que a febre tenha desaparecido e
aparentemente advenha a cura, esse nódulo prejudicará o trabalho do órgão,
e manifestará enfermidades, como, por exemplo, a demência e inúmeros
outros sintomas lesantes.

94
A Criação da Civilização

b) Encefalite Japonesa

Como um dos exemplos de sintomas lesantes, temos a encefalite


japonesa, que, segundo a estatística, é encontrada em maior número entre
as pessoas de faixa etária de cinco a dez anos de idade, aproximadamente.
Como podemos perceber através disto, ao brincar sob o sol de pleno verão
sem o uso de chapéu, o cérebro recebe diretamente fortes raios solares, e as
toxinas localizadas na parte dorsal e ombros, dissolvendo-se, subirão em
direção ao cérebro e ali passarão a concentrar-se. Nessa ocasião, as toxinas
ficarão concentradas nas proximidades do bulbo raquiano por um certo
período e, se tocarmos com a mão nessa região, percebemos a formação de
um nódulo de formato oblongo; como isso penetra no interior da cabeça
após a dissolução, através de febre alta sentir-se-á muito sono. Entretanto,
no tratamento médico esse nódulo é solidificado através de aplicações de
bolsa de gelo, causando, posteriormente, inúmeros sintomas lesantes iguais
aos da meningite. Se deixarmos sem fazer nada, as toxinas que penetraram
na parte posterior da cabeça ultrapassarão o cérebro e, transformados em
sangue misturado com pus, serão eliminadas através dos olhos, nariz e boca
e, quando forem expelidas totalmente, a recuperação será completa. Com a
sua cura, no caso de crianças, o aproveitamento escolar será bem melhor,
como acontece no caso da meningite. Além disso, embora não haja
absolutamente nenhum risco de vida, a morte por essa enfermidade ocorre
justamente pelo uso de métodos incorretos, como, por exemplo, a aplicação
de bolsa de gelo.

A encefalite japonesa manifesta-se durante a temporada de verão,


ao passo que a meninge-encefalite ocorre durante o inverno.

c) Meningo-encefalite

Da mesma forma que na encefalite japonesa, no caso da meningo-


encefalite as toxinas se solidificam em forma oblonga nas proximidades do
bulbo raquiano, mas, diferentemente do que acontece no verão, por não
haver exposição à luz solar, elas estacionam no meio do curso. A
característica dessa doença é a impossibilidade de mexer o pescoço para
frente e para trás, devido à formação da toxina em formato oblongo. Ela

95
A Criação da Civilização

possui exatamente o formato de um toro e é, por isso, facilmente


identificável. Como ela é semelhante à encefalite japonesa, não há
necessidade de maiores explicações.

2) Doenças dos olhos

A seguir, abordarei detalhadamente vários outros sintomas, além da


enfermidade do cérebro.

Como foi dito anteriormente, devido ao atrofiamento dos rins, as


toxinas que se deslocam em direção ao cérebro solidificam-se também nas
proximidades do bulbo raquiano, de modo que a veia que transporta o
sangue para o globo ocular fica comprimida e os olhos ficam com anemia.
Quer dizer, devido à insuficiência nutritiva dos olhos, a visão se
enfraquecerá e faltará poder de visão à longa distância. Essa é a causa da
miopia. Isso é evidente pelo fato de que a cura total da miopia se dá
conforme a dissolução desse nódulo de toxinas.

O astigmatismo também tem a mesma causa. Porém, nesse caso,


devido à purificação, dependendo da pessoa, a forma do nódulo de toxinas
treme incessantemente e, como comprime a veia irregularmente, a visão
também sofre tremulações.

No caso da catarata, a impossibilidade da visão se deve à agregação


de toxinas no fundo dos olhos, as quais interceptam o nervo óptico. Na
catarata e no glaucoma, as toxinas se solidificam no próprio globo ocular e,
por isso, se as deixarmos sem fazer nada, elas se dissolverão naturalmente e
haverá uma cura completa. Entretanto, como o tratamento médico
recomenda o uso de colírios, aplicações de injeções nos globos oculares,
etc, essas toxinas se solidificam, devido ao tóxico dos medicamentos, e a
doença dos olhos, que teria possibilidade de cura, conseqüentemente
passará a ser incurável.

Desse modo, o que ocorre em todas as doenças dos olhos é que as


toxinas concentradas no cérebro, procurando uma saída, tentam ser
expelidas pelos globos oculares; então, concentram-se periodicamente

96
A Criação da Civilização

neles, dissolvem-se novamente e saem em forma de pus, remelas e


lágrimas. Portanto, embora seja um pouco demorado, se as deixarmos sair
livremente, a cura é certa.

Quanto ao tracoma, a sua cura se processa de uma maneira bastante


natural e simples, pois as toxinas no cérebro, tentando sair pela membrana
mucosa da parte posterior das pálpebras, transformam-se numa erupção e
são eliminadas em forma de pus.

3) Doenças do nariz e ouvidos

A seguir, falaremos sobre as doenças referentes ao nariz; no pólipo


nasal, na rinite hiperplástica, na coriza e em todas as outras, as toxinas do
cérebro se concentram periodicamente em ambos os lados do nariz, no
fundo do nariz, na entrada do nariz, etc, e são expelidas. Como a medicina
aplica tratamentos contrários, essas doenças, que seriam curadas
naturalmente, passam a ser incuráveis.

Na timpanite, as dores são causadas pela dissolução das toxinas


encontradas nas proximidades da parótida e das glândulas linfáticas que,
por causa da febre alta, atravessam o osso, entram nos tímpanos e,
rompendo a membrana dos tímpanos, são expelidas. Ela é curada sem
nenhuma dificuldade, se deixarmos que siga seu curso natural por dois ou
três dias.
4) Amidalite

A seguir, tratarei da amidalite; também nesse caso, à medida que,


com o transcorrer dos dias, as toxinas localizadas nas proximidades das
glândulas linfáticas se solidificam nas amídalas, são dissolvidas pela febre
alta e são expelidas, obstruindo a membrana mucosa, sendo, pois, uma ação
purificadora bastante simples e boa. A medicina, entretanto, através do uso
de emplastros tais como Solução Lugol, atrapalha o processo purificador e,
ao mesmo tempo que o distorce, provoca uma inflamação; aí já não há
outro remédio senão recorrer à operação. Por essa razão, senhores leitores,
quando contraírem essa doença, experimentem não fazer tratamento algum
e deixar que ela siga o seu curso natural, pois verão que não só ficarão

97
A Criação da Civilização

curados da doença sem maiores dificuldades, e dentro de poucos dias, mas


também que, no caso de ressurgimento, cada vez mais ela se tornará leve,
até que seja curada totalmente. Poderão ter certeza disso através da minha
própria experiência de ter curado uma amidalite crônica, e também pelo
fato de, tendo ensinado esse método a inúmeras pessoas, terem todas elas,
sem exceção, obtido a cura completa.

5) Gengivite (Odontite)

Existe um fato muito interessante. Não posso afirmar que seja uma
doença de grande incidência, mas ela é um tanto incômoda; é a doença
chamada odontite. Trata-se de uma espécie de purificação em que as
toxinas das proximidades das glândulas linfáticas se concentram
principalmente nas gengivas, e são expelidas em forma de pus misturado
com sangue; por essa razão, digo que não há nada mais sujo, pois,
originariamente, é a urina envelhecida que sai pela boca. Seu tratamento
não requer muito trabalho. Basta esfregar as gengivas com uma escova
dura, pois, com isso, sairá pus misturado com sangue; depois de ele ser
completamente expelido, a pessoa estará curada.

Com base no que foi dito, fica claro que todas as toxinas
mencionadas inicialmente, que são causas da gripe e se solidificam na parte
do ombro para cima, têm sua origem nos rins. Sendo assim, creio que
perceberam que a gripe, a tuberculose, a pneumonia, enfim, quase todas as
doenças, são causadas pelo atrofiamento dos rins.

6) Outras doenças

Entretanto, não são apenas essas doenças: a pleurisia, a peritonite, o


reumatismo, a nevralgia, as doenças de senhoras, etc, também são causadas
pelo atrofiamento dos rins, assim como a cárie, doenças do fígado, icterícia,
diabete, cálculo renal, biliar e da bexiga, asma, apoplexia, paralisia infantil
e as doenças mentais. Sendo assim, evitar o atrofiamento dos rins é a
condição número um para preservar a saúde. Explicarei ordenadamente
sobre essas doenças e, ao lerem as explicações, os senhores compreenderão
melhor. Tendo esse princípio como base, o essencial é fazer com que os

98
A Criação da Civilização

rins trabalhem cem por cento, mas, para tanto, é necessário dissolver e
eliminar os nódulos de toxinas e tentar evitar ao máximo a sua formação.
Entretanto, isso é impossível, mesmo por meio dos vários tipos de
tratamentos existentes atualmente; pelo Johrei da nossa Igreja, porém, isso
é possível. Portanto, através desse fato, verifica-se que não é um erro
esperarmos por um mundo desprovido de doenças.

7) Pleurite (pleurisia)

A pleurisia, como a Medicina fala, se dá quando se acumula água


entre as membranas que envolvem o pulmão. Nesse caso, ela é chamada
pleurisia exsudada; quando há o acúmulo de pus, é chamada pleuropiose;
quando não há acúmulo de nada, mas surge um espaço vazio entre as
membranas, sente-se dores por causa do contato entre uma membrana e
outra, é chamada pleurisia seca.

A causa da pleurisia exsudada é, sem dúvida, a aplicação de força,


como quando se é golpeado fortemente no peito ou quando se alça os
braços colocando muita força, ao fazer ginástica olímpica. Mas existem
casos em que a doença surge sem qualquer motivo aparente, e mesmo sem
se ter empregado força nenhuma.

Esse acúmulo de água entre as membranas é, sem dúvida, a urina;


nos tratamentos médicos, essa água é retirada através de punção, e o
resultado é razoável. Entretanto, isso se torna vício e a doença pode,
eventualmente, se tornar crônica. Nessa etapa, a água se transforma em pus,
e a doença passa a ser chamada pleuropiose.

Existe outro tipo de pleurisia, e nesse se dá o acúmulo de pus desde


o início, mas todas elas possuem a tendência de se tornarem crônicas e, na
maioria das vezes, faz-se sair o pus pelo orifício da punção. Quando se
atinge esse estado, a recuperação será difícil. Ela se torna grave e, na
maioria das vezes, é fatal. Esse tipo de pleurisia obviamente é mais
encontrado nas pessoas com grande quantidade de toxinas de remédios. No
caso da pleurisia exsudada, no início, quanto mais a pessoa respirar fundo –
devido à febre alta e às dores no peito -, mais dores sentirá, mas quando a

99
A Criação da Civilização

água se acumula em grande quantidade, se tornará indolor, e isso é causado


pelo desaparecimento do contato das membranas. Também diminuirá a
saída de urina e as características dessa doença são o sono e o suor noturno.
Este último é muito bom, pois significa que a água que se acumulou está
saindo, através da pele; é melhor deixar sair à vontade, pois quando
terminar a eliminação, advirá a cura.

Percebe-se, então, o quanto é grande o erro na medicina, que, por


desconhecimento desse fator, tenta parar o suor noturno, considerando-o
prejudicial; isso torna a doença incurável.

Na pleuropiose, o pus infiltra-se no pulmão e é expelido através da


tosse. Portanto, basta deixar sair naturalmente.
A pleurisia seca (pneumotoráxica) é uma doença que não existe em
grande número. Parece que os diagnósticos médicos freqüentemente a
confundem com a neuragia intercostal, mas esta também é uma doença que
pode ser facilmente curada.

Existem muitas pessoas que, de pleurisia, passam a ter tuberculose


pulmonar, e isso é causado pela infiltração do pus ou da água da pleurisia
no pulmão, os quais, devido à aplicação de tratamentos errôneos como o
repouso, passam a se solidificar dentro do pulmão. Portanto, se tivessem
deixado atuar livremente, desde o início, sem qualquer tratamento, não
teriam contraído tuberculose.

8) Peritonite

No caso da peritonite (barriga-d´água), da mesma forma que na


pleurisia, ocorre o acúmulo de água entre a membrana peritoneal e uma
outra membrana, criando-se um grande volume. Na medicina, para retirar
essa água, aplica-se o método de punção, o que é bastante ruim, pois a
punção terá apenas efeito periódico, e a água tornará a se acumular. Então,
tornam a retirá-la, criando um círculo vicioso. O pior é que o período desse
processo vai se encurtando e a quantidade de água vai aumentando
gradativamente. Se isso se repetir por muitas vezes, o volume da barriga
aumentará ainda mais, crescendo a ponto de chegar a ficar maior que a

100
A Criação da Civilização

barriga de uma gestante no seu último mês de gravidez. Quando se atinge


esse ponto, não há mais salvação. Como a causa disso é o atrofiamento dos
rins, é claro que, enquanto este não for curado, jamais advirá a cura
completa.

No caso da peritonite purulenta, as toxinas transformam-se em pus,


e acumulam-se nas circunjacências do umbigo; por isso, não cria volume,
como no caso da barriga-d´água; muito pelo contrário, a parte abdominal
chega a ficar mais baixa do que o normal. Poderão distinguí-la, pois,
apalpando a região, sentirão que existem vários pontos endurecidos, os
quais causam dores sufocantes. Já no estado crônico da doença, sente-se
dor leve, acompanhada de diarréia, que perdurará por longo tempo; existem
pessoas que levam muitos anos para alcançar a cura. Entretanto, como a
medicina, procurando curá-la através do uso de medicamentos, faz com que
se tome remédios, na realidade, ocorre um adicionamento de tóxicos. Por
isso, a cura, que seria perfeitamente possível, acaba por tornar-se
impossível.

O que existe de mais terrível é a peritonite aguda. Essa enfermidade


é acompanhada de febre alta repentina e dores violentas, quase
insuportáveis, o que faz com que os portadores dessa doença se contorçam
de dor, como um camarão. Na medicina, como tratamento, realizam
incisões cirúrgicas, mas como isso acarreta um péssimo resultado, parece
que atualmente ela não tem sido realizada com muita freqüência. Através
do Johrei, essa doença pode ser curada completamente no período de uma a
duas semanas. Por ela ser uma purificação muito forte, não há a menor
dúvida de que é muito comum entre os jovens. Essa doença é chamada
peritonite purulenta, e apresenta diferença de gravidade, conforme a
pessoa; podemos dizer, entretanto, que não existe pessoa que
absolutamente não a possua.

Devo chamar a atenção para o fato de que as pessoas que fazem


força na região do abdome – na prática de respirações abdominais ou do
Zen, por exemplo – precisam tomar cuidado, pois, como as toxinas se
acumulam nessa parte, elas tornam-se suscetíveis à contração de peritonite.

101
A Criação da Civilização

9) Asma

A medicina nada entende sobre a asma; isto porque a explicação


dada pela medicina sobre a asma está completamente fora de questão. É um
tanto engraçado, pois dizem que a sua causa se relaciona com a alergia,
tensão do nervo pneumogástrico, hipersensibilidade, e chegam até mesmo a
dizer que existe relação com os alimentos, com o terreno, e há ainda outros
que afirmam a existência de relação com o quarto e até com a cor das
paredes. Por isso gostaria de explicar minuciosamente.

Como dizem na medicina, existem, genericamente, dois tipos de


asma: a asma bronquial e a cardíaca (esta última é também chamada
atualmente de asma alérgica). Primeiramente, começarei a escrever sobre a
asma cardíaca: neste caso, as toxinas formam, no início, um nódulo na
parte exterior do diafragma. Quando ocorre a purificação, esse nódulo se
dissolve através de pequena febre, passa para o estado líquido e infiltra-se
no pulmão, para sair em forma de catarro. Como existe uma certa distância
entre o diafragma e o pulmão, o líquido não consegue se infiltrar. E
também, quando a pessoa possui uma membrana pulmonar mais delgada,
mesmo que o nódulo de toxinas das costelas se transforme em líquido
através da purificação, será difícil a sua infiltração. Por isso, o pulmão se
alargará, na tentativa de absorvê-lo. Estas são as suas duas causas.

Assim, devido a violentas atividades desse tipo, o pulmão reduz a


sua capacidade de absorção do ar, que é a primordial, ficando num estado
de asfixia. Dizem que, quando as toxinas liquefeitas que penetraram no
pulmão são expulsas juntamente com a tosse em forma de escarro, o ataque
torna-se ameno por um período e, ao se contrair pneumonia, sente-se
melhora momentânea. Isso ocorre pela dissolução do nódulo por causa da
febre alta, e por sua saída em forma de catarro. Para comprovar a realidade
do princípio acima, basta, antes de mais nada, apalpar com os dedos a
região do diafragma do portador de asma cardíaca, pois aí encontraremos o
nódulo.

A seguir, tratarei da asma bronquial. Como as toxinas que se


acumulam nas proximidades da costela se dissolvem pouco a pouco por

102
A Criação da Civilização

causa da purificação, o pulmão tenta absorvê-las, fazendo um violento


exercício de bombeamento. Isso é a tosse, e através dela o escarro será
expelido, o que causa, por alguns momentos, uma sensação de melhora.
Quanto maior a quantidade de catarro expelido, mais rápida será a cura; por
desconhecer esse fato, a medicina usa o método de solidificar esse nódulo o
máximo possível. Dessa maneira, não só diminui aos poucos a eliminação
do catarro, mas estar-se-á adicionando, também, mais tóxicos, dificultando
assim a cura, e tornando a doença crônica. Por isso, é como se estivessem
pegando água com peneira. Aí está a razão das pessoas sofrerem dezenas
de anos sem obter cura.

Quando penso nisso, sinto muita pena, tanto dos pacientes como
dos médicos, mas tenho o constante desejo de conscientizá-los de alguma
forma.

10) Cálculo do fígado, biliar e da bexiga

A doença do fígado, freqüentemente diagnosticada pela medicina,


na verdade não passa de um engano, pois o fígado em si não apresenta
nenhuma anomalia, sendo, pois, confundida com a toxina que se solidifica
na parte externa do fígado. É uma doença complicada, pois essa toxina
pressiona o fígado, e não só causa muitas dores, mas também pode tornar-
se a causa da icterícia. Uma vez que o fígado é pressionado pela toxina, a
vesícula biliar, situada na parte posterior do fígado, também será
pressionada e passará, então, a expelir a bile que circulará pelo corpo
inteiro – isso é a icterícia. Entretanto, a icterícia não só é uma doença que
modifica a cor da pele, mas também impede as atividades do estômago.
Isto porque a bile é enviada incessantemente para o estômago através do
duto biliar, para ajudar a digestão; devido ao processo mencionado
anteriormente, o seu fornecimento é reduzido.

Portanto, para se curar verdadeiramente essa doença, não há outro


meio senão dissolver e eliminar o nódulo de toxina da parte externa do
fígado, que é a sua origem. Como isso é impossível para a medicina, ela
emprega, como única saída, o método que proporciona alívio momentâneo,
para obter uma pequena melhora.

103
A Criação da Civilização

Agora, passarei a escrever sobre o cálculo; o mais comum é o


cálculo biliar, que se forma dentro da vesícula biliar. Quando esse cálculo
tenta movimentar-se em direção ao estômago juntamente com a bile,
provoca uma dor violenta, quase insuportável, devido à dificuldade para
passar pelo duto biliar. Por conseguinte, mesmo os médicos consideram
essa doença difícil de curar. Ouvi dizer que, ultimamente, inventaram um
instrumento de fio metálico. Os cálculos são extraídos introduzindo-se esse
aparelho pela garganta e estômago, mas parece que os resultados não são
favoráveis. Entretanto, quando a pedra é pequena, ela desce até os rins e o
seu tamanho aumenta com a uréia, que adere à ela, transformando-se em
cálculo renal. Aí é problemático, pois, devido às atividades dos rins, as
pedras ferem as suas paredes e ocorrerá hemorragia juntamente com a dor
forte causada pela permeação da urina. A medicina chama a isso de
tuberculose renal.

A pedra vai crescendo gradativamente, e será fatal se ela crescer


muito. Nesses casos, a medicina extrai um dos rins, através de cirurgia.
Nessa fase a pedra estará bem solidificada e tenho visto até anéis e
abotoaduras, feitos de tais pedras; elas apresentam bastante brilho e até
parecem uma pedra preciosa. Se essa pedra chegar na bexiga, crescerá da
mesma forma que nos rins, e a isso é denominado cálculo da bexiga.
Entretanto, o que causa maior problema nesse tipo de doença é quando a
pedra enrosca-se na entrada da bexiga; mesmo que ela consiga passar ficará
encalhada, desta vez no canal da uretra.

Em ambos os casos, é impedida a saída da urina, que se acumula


gradativamente na parte inferior do abdome, intumescendo-a; para isso, os
médicos introduzem supositórios, mas isso é eficiente quando se trata
somente de obliteração do canal da uretra; no caso da pedra ter entrado no
canal da bexiga, isso se torna muito difícil e coloca a vida em risco.

Passarei a descrever a origem do cálculo biliar, mencionado no


início. Conforme foi dito anteriormente, as toxinas que são expelidas dos
rins, enquanto vão para a parte superior, infiltram-se no interior da
vesícula, passando pela parte dorsal desse órgão. A junção dessas toxinas

104
A Criação da Civilização

com a bile transforma-se em cálculo. Logo, para alcançar a cura, deve-se


dissolver a toxina acumulada na parte dorsal dos rins, que é a sua causa, e
fazer ativar os rins para que não produzam urina em excesso, pois não
existe outro método mais eficaz do que esse.

Portanto, através do nosso Johrei, as pedras são decompostas com


razoável facilidade e, em forma de areia, serão expelidas juntamente com a
urina; assim, estará efetivada a cura, em curto espaço de tempo.

11) Nevralgia

Mesmo em se tratando de reumatismo, há vários tipos, e estes


dependem do local onde surgem; entretanto, geralmente ocorrem nos
braços e pernas e, em muitos casos, em ambos os lados da parte intercostal,
ao mesmo tempo. Esta doença causa dor apenas nos nervos externos, não
afetando o organismo. Porém, há exceções. No caso de osteomielite, sente-
se dor interna. A sua causa está na purificação do tóxico de remédio,
impregnado nos ossos.

A denominação “nevralgia intercostal”, dada pela medicina, não é


correta, pois na realidade é nevralgia das costelas. A sua causa está na
impregnação de tóxico de remédio nas costelas. Eles se dissolvem através
da purificação e, transformados em catarro, penetram nos pulmões. Nessa
ocasião, tocam os nervos, o que gera a dor. Quando a eliminação da toxina
é intensa, sente-se muitas dores. Em certos casos, elas chegam até mesmo a
dificultar a respiração. Entretanto, o restabelecimento é muito rápido.

Também há casos em que a nevralgia surge em conseqüência da


gonorréia. Ela ocorre geralmente nas articulações dos braços; porém a sua
cura não é tão difícil.
As nevralgias comuns têm como causa a toxina originada por
injeções. Se deixar a purificação atuar naturalmente, suportando as dores,
haverá completo restabelecimento.

As toxinas acumulam-se gradualmente num determinado local e,


inchando como se fosse um tumor, saem em forma de pus.

105
A Criação da Civilização

Existe também a intoxicação pela injeção que causa dor na pele do


corpo todo. Também essa enfermidade pode ser curada facilmente, se
deixar-se a purificação atuar de forma natural; porém, o emprego de vários
tipos de injeções, na medicina, complica a sua cura.

12) Reumatismo

Agora, veremos o reumatismo. Como todos sabem, esta é uma


enfermidade que incha e causa muita dor nas juntas dos dedos, braços,
pernas, etc., tomando coloração avermelhada. A sua causa está,
logicamente, na acumulação de toxinas nas juntas. Muitas vezes o paciente
chega a gritar pela insuportável dor e elas são eliminadas através do tumor.
Porém, no seu tratamento, os médicos imobilizam a parte afetada. Isso
cessa a dor, mas as juntas ficam enrijecidas e imóveis. Então o paciente
passará a andar mancando pelo resto da vida, como se fosse um deficiente.
É uma doença terrível.

Observando esses pontos, verificamos que a medicina não cura, e


sim, tira apenas a dor, muitas vezes deixando as pessoas aleijadas.
Entretanto, através do nosso método de Johrei, pode-se obter, de forma
totalmente simples e em curto espaço de tempo, a completa cura das
doenças. O uso de bolsa de gelo, injeções, aplicações de pomadas e outros
remédios dificulta e prolonga a cura das doenças.

As pessoas, além de gastarem muito dinheiro, tornam-se ainda


aleijadas. Realmente é um mundo complicado.
Qualquer pessoa poderá se restabelecer totalmente desta
enfermidade, em menos de uma semana, se receber desde o início somente
Johrei, sem se submeter a outros tipos de tratamentos.

106
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 25

DOENÇAS DA PARTE SUPERIOR DO CORPO

1) Apoplexia

Já escrevi, de forma geral, sobre as doenças que ocorrem na parte


superior do corpo, mas, como ainda há algumas às quais não me referi,
pretendo fazê-lo aqui. Vou esclarecê-los, em primeiro lugar, sobre a
apoplexia, pois é a doença que atualmente causa maior medo.

Hoje já existe uma cotação de doenças: as pessoas idosas sofrem de


apoplexia e os jovens de tuberculose. Realmente é isso mesmo. À medida
que vão envelhecendo, todas as pessoas começam a se interessar pela
apoplexia. Ela se origina do derrame cerebral. A medicina ainda não
conseguiu descobrir a sua causa, mas, mesmo que a descubra, não
conseguirá solucioná-la.

Começarei a descrever o derrame cerebral. A sua causa está na


solidificação da toxina no pescoço. O sangue com tóxicos se acumula,
através de longos meses e anos, na parte direita ou esquerda do bulbo. É
fácil descobrir se há ou não a formação de derrame cerebral. Se apalpar
com o dedo na parte direita do bulbo, descobre-se se há ou não uma
solidificação. Geralmente há uma saliência no lado esquerdo ou direito e no
apalpar sente-se uma leve dor. Essa solidificação começa a dissolver-se
com a purificação e, ao obstruir as veias, ocorre a hemorragia cerebral.
Nessa hemorragia, o sangue passa pelo cérebro e vai imediatamente para o
lado oposto, descendo até as pontas dos pés e das mãos; assim, a pessoa
torna-se hemiplégica, pela sua rápida solidificação. Isso inutiliza tanto o
braço como a perna.

Nos casos mais graves, tanto a mão como o braço ficam repuxados.
O braço fica torcido para dentro e até mesmo os dedos ficam tortos e
perdem os movimentos. O mais afetado será o polegar, e os outros quatro
ficam sobre este, como se o estivessem apertando. Porém, o interessante é
que a perna não fica torcida para dentro; continua esticada, mas o tornozelo
fica totalmente solto. Em casos mais graves, a língua e a fala ficam presas e

107
A Criação da Civilização

a pessoa toma aparência de um apático ou demente com os olhos parados; a


capacidade de visão do lado mais afetado enfraquece a ponto de, em
determinados casos, desaparecer.

Esses são os sintomas principais que ocorrem nessa enfermidade.


Realmente, a pessoa torna-se como um cadáver vivo.

O ponto mais falho da medicina está no esfriamento da cabeça com


bolsa de gelo, imediatamente após ocorrer o derrame cerebral; isso é
realmente condenável. Através desse método, a medicina procura contrair
rapidamente a veia – origem da hemorragia. Mas aí está o grande erro,
pois, na realidade, a hemorragia, que dura apenas alguns minutos, pára
imediatamente quando termina de sair o sangue com toxinas. Por isso, não
há necessidade de se fazer hemóstase. Além disso, a bolsa de gelo
solidifica o sangue com toxina, que permanece no cérebro após a
hemorragia. Assim, paralisa o funcionamento do cérebro e, desde então, a
pessoa torna-se como um demente. A medicina, que desconhece isso, usa a
bolsa de gelo por vários dias consecutivos e, em conseqüência, o cérebro
fica congelado.

Numa análise, chega-se à conclusão de que jamais uma pessoa


consegue sobreviver se tiver congelada a parte principal do funcionamento
do corpo humano. Há muitas pessoas que perdem a vida por esse motivo.
Realmente é como se, tentando endireitar o chifre de um boi, acabássemos
por matá-lo. Isso não é morrer por causa da doença, mas sim, morrer
tentando curar a doença. Que horrível ilusão! Dificilmente uma pessoa
morre por causa do derrame cerebral; essa é uma evidente realidade que
comprovei ao longo dos anos, através de várias experiências.

Enumerarei aqui os vários pontos que se relacionam com o derrame


cerebral. Na medicina dizem sempre que, quando se leva um tombo, há
maior possibilidade de se ter derrame cerebral, mas é justamente o
contrário; a pessoa leva o tombo por causa do derrame cerebral. Portanto, o
derrame ocorre primeiro, e depois a pessoa leva o tombo. Muitas vezes,
certas pessoas caem nas escadas, ou levam tombos. Isto ocorre por causa da
hemorragia, que escurece a vista. Mesmo que as pessoas consigam andar

108
A Criação da Civilização

restabelecendo-se parcialmente do primeiro derrame, os médicos previnem


para tomar o máximo cuidado para não levar tombos. Isto porque eles
desconhecem o princípio acima. E também, a medicina faz exame de
prevenção contra o derrame, quando alguém diz sentir peso na cabeça,
zumbido no ouvido, hemorragia ocular, paralisia parcial, etc. Essa
enfermidade é tal qual a medicina cita, mas o método de prevenção é
realmente ridículo. Com a tentativa de enfraquecer o corpo físico, é
recomendado fazer regime, restrição de exercícios, etc, mas isso nada mais
é do que um meio para evitar a purificação.

O mesmo se diz em relação ao meio de prevenção contra a recaída.


Esses meios servem apenas para prolongar um pouco mais o surgimento da
doença. Mais cedo ou mais tarde, inevitavelmente, ela surgirá, e também
será impossível livrar-se da recaída.

Ultimamente, logo após o surgimento dessa enfermidade, como um


meio positivo, extraem sangue, mas isso também não é correto, pois o
sangue com tóxico da hemorragia aloja-se e solidifica-se imediatamente em
vários pontos do corpo. Esse método retira o sangue da parte que não tem
nenhuma relação com essa enfermidade; portanto, causa anemia no
paciente que, geralmente, acaba morrendo alguns minutos depois. Parece-
me que esses casos são freqüentes ultimamente.

Aqui, pretendo chamar atenção para um fato: dizem que a causa do


derrame cerebral é a pressão alta, mas isso também é um grande erro.
Indiretamente, há uma certa relação, mas, diretamente, não há nenhuma
relação. Exemplificando através da minha própria experiência, explicarei o
porquê. Certo dia, cuidei de um paciente de mais ou menos 60 anos de
idade, que naquela ocasião trabalhava há 30 anos como copista na Editora
Kodansha. Ele dizia que 6 anos antes havia medido a sua pressão sangüínea
e havia acusado 30 mm de mercúrio. Portanto, tanto ele como o médico
ficaram pasmados. Ele achou que a sua pressão havia ultrapassado os 30
mesmo porque o ponto máximo de um pulsímetro é 30. O médico
recomendara que repousasse bem, mas, segundo ele, se parasse de
trabalhar, faltaria o pão de cada dia e, como não sabia o estado real da sua
própria enfermidade, continuava trabalhando normalmente, todos os dias. E

109
A Criação da Civilização

disse ainda que, mesmo assim, não sentia nada de estranho. Isso me deixou
surpreso.

Observando bem, em ambos os lados do seu queixo, principalmente


sob as gengivas do lado direito, havia uma solidificação de toxinas do
tamanho de um ovo de galinha. Então pensei comigo mesmo: “Ah, aí está a
causa”. Isto porque o nervo desse local está ligado ao braço; por isso,
quando ele mediu a pressão, o pulsímetro acusou uma pressão altíssima.
Como disse anteriormente, a causa real do derrame cerebral é a toxina
solidificada, a solidificação do sangue impuro no bulbo; portanto, não
ocorre por causa da pressão alta.

Entretanto, devemos saber que, mesmo em se tratando da


apoplexia, existem os seguintes sintomas diferentes: quando há toxina
solidificada na parte direita ou esquerda da glândula linfática e ocorre a sua
dissolução através da purificação, ao contrário do derrame cerebral, a
toxina desce no mesmo lado em que ocorre a purificação. Essa enfermidade
mostra os sintomas da apoplexia; porém, como não há nenhuma relação
com o cérebro e por ser um tipo de doença leve, o médico fica inseguro.

A medicina não consegue curar também essa enfermidade. A


doença se agrava em conseqüência do tratamento adverso, e o doente torna-
se inválido ou acaba morrendo. Denominamos a esta enfermidade
“apoplexia oposta.”
2) Anemia cerebral

A seguir, escreverei sobre a anemia cerebral. Essa, ao contrário do


derrame cerebral, que aumenta a quantidade de sangue no cérebro pela
penetração de sangue com toxinas, é uma enfermidade que surge devido à
diminuição de sangue no cérebro. Por que motivo diminui? No corpo
humano, o sangue é bombeado ininterruptamente para o cérebro. E não
haveria nenhum problema se a sua quantidade fosse sempre igual, mas,
quando essa quantidade diminui, a atividade de funcionamento do cérebro
torna-se lenta, e isso é o que se chama anemia cerebral.

110
A Criação da Civilização

A diminuição da quantidade de sangue é causada pela pressão


exercida na veia que envia o sangue para o cérebro pelo sangue com
toxinas que há na região do pescoço. Enquanto essa toxina solidificada não
for dissolvida, é lógico que não será solucionado o problema. Entretanto, a
medicina é incapaz de fazê-lo, e não há outro meio senão recorrer a uma
medida provisória e temporária.

Pelo motivo acima, muitas vezes sente-se, nessa enfermidade,


ânsias de vômitos e pressão, peso e dor de cabeça, tontura, etc. Há ocasiões
em que a pessoa vomita realmente. Há também aquelas que, apenas
ouvindo o barulho de trem, carro, etc., sentem tonturas ou ânsia de vômito.
Entretanto, como a própria medicina diz, essa é uma enfermidade não
muito séria e, por isso, não há necessidade de preocupação.

É muito fácil descobrir essa enfermidade. No início, sente-se uma


sensação de vômito e tontura, e surge a transpiração na testa. Nessa
ocasião, ao tocá-la, verifica-se que ela está com temperatura um pouco
abaixo do normal. Apalpando a região do pescoço, encontra-se geralmente
uma solidificação de toxina. A dissolução dessa toxina através da
ministração do Johrei levará ao breve restabelecimento dessa enfermidade.
Também, no início dessa doença, é bom dormir sem travesseiro, pois isso
melhora a circulação para o cérebro e obtém-se um resultado mais positivo.

Está claro que a causa do alto índice de neurastenia da atualidade


está na anemia cerebral.

3) Depressão

A depressão também é chamada de doença da cultura, sendo muito


freqüente nos últimos tempos. Seus sintomas são os mais diversos: insônia,
angústia, cansaço, cabeça pesada, visão reduzida, preguiça, tontura,
fraqueza cerebral, etc.

A causa da depressão são nódulos de pus acumulados ao redor da


região cervical, os quais provocam falta de sangue no cérebro. À medida
que se dissolvem esses nódulos, a pessoa melhora. Pelo nosso tratamento, é

111
A Criação da Civilização

uma doença relativamente fácil de curar. Os sintomas leves melhoram por


completo com duas ou três aplicações, e os graves, em cerca de um mês.

4) Insônia

Fala-se muito em insônia, mas ela é o efeito; o correto é dizer


dificuldade para dormir. Não podemos classificá-la como doença, mas,
muitas vezes, há a grande possibilidade de ela tornar-se a causa de uma
doença; por isso, não podemos menosprezá-la. A insônia é justamente a
causa de um dos tipos de anemia cerebral. A toxina solidifica-se no bulbo e
pressiona a veia, causando a anemia cerebral, que dificulta o sono.
Geralmente, essa solidificação de toxina ocorre com mais freqüência no
lado direito. A solução certa dessa enfermidade é a sua dissolução.

No entanto, a anemia cerebral, causa da dificuldade de dormir,


limita-se à parte frontal da cabeça. Por que motivo ela se torna a causa da
dificuldade de dormir? É porque o espírito encosta nesta parte da cabeça.
Sobre esse assunto falarei no final, na parte que se refere aos espíritos.
Porém, o que causa medo nessa doença é que geralmente ela se torna a
causa das doenças psíquicas; por isso, há necessidade de curar o mais
rápido possível.

A medicina ainda desconhece a causa das doenças psíquicas, mas,


no início dessa doença, geralmente as pessoas sentem falta de sono por
longo tempo. Entretanto, percebe-se a sua cura com a volta do sono ao
estado normal.

5) Zumbido no ouvido

Essa enfermidade também é muito freqüente, mas a medicina não


consegue solucionar. Por se tratar de uma doença que não leva ao risco de
vida, geralmente as pessoas não fazem tratamentos, mas de certa forma é
algo incômodo. A sua causa também está na toxina solidificada na região
do bulbo. O zumbido é o som da dissolução fraca e constante dessa toxina,
que se reflete no ouvido. A toxina solidificada dessa região se dissolve,
tornando-se líquida, e sai naturalmente em forma de coriza e espirro.

112
A Criação da Civilização

Excepcionalmente essa doença ocorre também devido à purificação das


toxinas solidificadas na região da glândula ou sob os ouvidos.

6) Outras enfermidades

A doença de que trato a seguir não é muito freqüente, mas é uma


enfermidade que tem a causa no coração e que se reflete no cérebro. Esta
enfermidade ocorre geralmente nas pessoas que têm problemas na válvula
do coração. Por uma coisa à toa, ocorre, juntamente com a aceleração dos
batimentos cardíacos, a tontura. A sua causa é o acúmulo de toxinas na
região do coração, isto é, no peito, no dorso lateral e na omoplata. A
purificação dessa toxina através da febre baixa excita o coração, e isso se
reflete no cérebro.

7) Dentes

A doença seguinte se relaciona com os dentes. Origina-se do uso de


remédios para dentes, que se infiltram e sobem para a cabeça. Os remédios
empregados para otite, os desinfetantes na cirurgia de amídalas e glândulas
linfáticas, o colírio para as vistas, injeções, etc., afetam o cérebro. Esses
remédios causam dor de cabeça crônica e, também, o seguinte problema: o
desinfetante usado na ocasião da cirurgia do tumor do peito ou das costas
penetra até o cérebro e se solidifica. Essa cirurgia, pela relação frente-trás,
provoca dor na parte frontal da cabeça ou na nuca. Enfim, o essencial é
saber que a causa da doença do cérebro está nos desinfetantes empregados
na ocasião das operações feitas na parte superior do corpo.

8) Amidalite

Na sociedade, tornou-se senso comum a extração das amídalas para


exterminar totalmente a amidalite. Entretanto, a teoria da atualidade
começa a considerar a amídala algo importante, e evita a sua extração.
Conscientizaram-se de que a sua eliminação causa problema em outras
partes do corpo. Isso me deixa realmente feliz, pois a tese que vinha
propondo há anos finalmente está sendo reconhecida. Portanto, vou expor a
causa da amidalite a partir do significado do funcionamento das amídalas.

113
A Criação da Civilização

Em todos os homens, a toxina da parte superior do corpo acumula-


se facilmente na região do pescoço, mais propriamente nas glândulas
linfáticas. Aí forma-se um caroço, pelo acúmulo de toxinas. A maioria
possui esse tipo de caroço, seja ele grande ou pequeno. Essa toxina,
dissolvendo-se aos poucos, procura uma saída e, antes de sair, solidifica-se
e aloja-se nas amídalas. Quando atinge certo grau, com a atuação de febre
alta, essa toxina dissolve-se e sai naturalmente pelo orifício que se abre nas
amídalas nessa ocasião. Portanto, podemos dizer que as amídalas são
aparelhos de eliminação de toxinas que se acumulam na parte superior do
corpo. Se porventura não existissem as amídalas, as toxinas se
acumulariam de qualquer forma, em outras partes do corpo. Essas toxinas
são as causas das doenças no nariz, as dores de dentes, a otite, de
debilitação dos nervos cerebrais, etc. Conseqüentemente, extrair as
amídalas significa exterminar o pequeno inseto para salvar o grande.

Após a extração das amídalas a pessoa não contrai gripe por alguns
anos; portanto, muitos pensam que o resultado foi positivo. Entretanto, à
medida que vai passando o tempo, surgem várias doenças; por desconhecer
que elas surgiram devido à extração das amídalas, médicos atribuem a
causa a outros fatores.

114
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 26

AS DOENÇAS DA BOCA

1) Cáries dentárias

Vou expor aqui sobre as doenças da boca. Primeiramente vamos ver


sobre os dentes. A causa de dentes fortes ou fracos se relaciona à boa ou
má saúde da pessoa. O motivo das pessoas da atualidade possuírem dentes
fracos está na falta de saúde. A sua causa, logicamente, se relaciona com as
toxinas acumuladas no corpo. Como a causa diversa, temos o dano causado
pelo uso de desinfetantes, na ocasião de colocar dentaduras, e de remédios
para o tratamento de cáries. Também há algo que não podemos
menosprezar. Por exemplo: na ocasião do tratamento, o dentista usa
desinfetante antes de fechar os dentes, mas isso resulta em grave problema.
Isto porque, à medida que o tempo passa, o desinfetante deteriora e cria
micróbios. Assim sendo, a purificação natural atua para eliminá-los. Em
casos mais simples a eliminação é feita pelas gengivas, portanto não é nada
sério, mas geralmente é mais grave e sente-se muita dor. Essa dor se
origina na raiz dos dentes, quando os micróbios perfuram o osso. Como
todos sabem, o alívio surge somente quando, através desses minúsculos
orifícios, começa a ser eliminado o pus.

No meu caso, na ocasião de fechar os canais, peço ao dentista para


não usar remédios; então, mesmo com o passar do tempo, não sinto dores.
Isso está mais do que claro, pelo fato de que, quando se sente dores após o
fechamento dos canais com a massa, o alívio vem depois de retirar o
remédio. Nesse caso, os dentistas acham que isso ocorre pela falta da
desinfetação, mas isso se deve ao fato deles estarem vivendo em meio à
medicina supersticiosa. Também são mais aconselháveis as pastas dentais
que não contém droga. Ultimamente, não tenho usado pasta de dentes e
nem sal para escovar os dentes, e sim, apenas esfregando com a ponta dos
dedos. Assim sendo, quem deseja fortalecer os seus dentes é necessário
tornar saudável o seu corpo. E, para isso, basta deixar de lado os remédios.
Mesmo assim, para as pessoas que têm dentes fracos, cariados ou para as
pessoas idosas, é difícil deixá-los imediatamente, portanto devem, de
acordo com a possibilidade, usar dentaduras para melhorar a aparência.

115
A Criação da Civilização

2) Feridas da língua e outras doenças

A seguir, vamos ver sobre as pessoas que ficam com feridas na


língua, dor na garganta, erupções na membrana mucosa da boca e sentem-
na arder. A causa está na penetração dos remédios de gargarejo e dos que
são mantidos por alguns instantes na boca, na membrana mucosa. Com o
passar do tempo, eles tornam-se toxinas e são eliminados naturalmente,
sem qualquer tratamento. A maioria dos casos de câncer na língua resulta
disso, mas, se for deixado assim, sem qualquer tratamento, há uma
possibilidade de cura de 99%. Entretanto, mesmo que a enfermidade pareça
câncer, sem se preocupar com a sua cura, empregam profissionalmente o
método de receitar medicamentos e realizam tratamentos através de
remédios. Isso agrava ainda mais a doença, a ponto de muitas vezes torná-
la em câncer propriamente dito.

Com o desejo de levar ao conhecimento de todos, abordarei a seguir


o raro e autêntico câncer da língua, isto é, aquele incurável. A sua causa é
espiritual. O portador dessa enfermidade está pagando o pecado cometido
de dirigir mentiras malignas ou por ter ferido o próximo através das
palavras. Enquanto não se arrepender, reconhecendo isso e ingressar numa
fé correta, jamais conseguirá curar-se.

116
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 27

INALAÇÃO

O uso da inalação para cortar a tosse é algo totalmente absurdo e


não traz nenhum resultado positivo. Pensem bem; a tosse sai da via
respiratória e a maioria dos remédios de inalação entra pelo esôfago;
portanto, está longe do alvo. Porém, como disse no início, a tosse tem a
função de bomba para eliminar o catarro. Quanto mais eliminar melhor.
Creio que compreenderam a razão de porquê ser um erro evitar a tosse.

Uma outra coisa absurda é tentar desinfetar a boca através de


remédios de gargarejo, pois eles têm o efeito contrário. Originariamente
não existe desinfetante tão eficiente como a saliva do homem. Por
exemplo; quando cuspimos sobre um inseto, geralmente ele enfraquece ou
morre. Por isso, na realidade a força dos micróbios da boca debilita-se
somente enquanto fazemos o gargarejo.

117
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 28

COLÍRIOS

O mesmo acontece com os olhos. Freqüentemente vejo pessoas que


lavam os seus olhos. Realmente é engraçado, pois os olhos possuem um
maravilhoso desinfetante denominado lágrimas. A membrana mucosa
existente atrás das pálpebras é macia e ideal; portanto é errado lavar os
olhos com pano, água ou ácido bórico.

118
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 29

PRODUTOS DE BELEZAS

Existem, também, algo que muitas pessoas deixam passar


despercebido. É a dor que se sente na pelo do rosto. Encontra-se
freqüentemente mulheres que sentem repuxamento, coceira, dores leves ou
febre no rosto. Isto acontece porque elas usam, de forma excessiva,
produtos de beleza que contêm drogas. Essas drogas, após penetrarem
imperceptivelmente na pele, tornam-se toxinas e a sua eliminação pelos
poros faz sentir esses sintomas; por isso, devem tomar o máximo cuidado.

119
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 30

DOENÇAS DA PARTE INFERIOR DO CORPO - HEMORRÓIDAS

Já escrevi sobre doenças da parte superior do corpo, portanto,


passarei agora para as doenças da parte inferior. A doença mais comum
nessa região é a hemorróida. A sua causa é muito simples. As toxinas
acumuladas em várias partes do corpo começam a se dissolver aos poucos,
e procuram sair pelo ânus. O ânus é, ao mesmo tempo, o local de
eliminação de excrementos e de demais impurezas. Realmente Deus fez as
coisas de forma perfeita!

Mesmo entre as hemorróidas, o tipo mais comum é o prolapso do


ânus, enfermidade essa que faz saltar para fora algo parecido com a
gordura. No início, se empurrar para dentro, essa parte saliente entra com
facilidade, mas, com o passar do tempo, ela cresce e torna-se difícil colocar
para dentro. Chegando a esse ponto, a pessoa sente algo muito
desagradável e procura vários meios de tratamento, mas tudo em vão; por
isso, há muitas pessoas no mundo que vivem atormentadas por esse
sofrimento. Também essa enfermidade ocorre em muitas mulheres que, na
ocasião do parto, fazem muita força. Geralmente quem sofre dessa
enfermidade mantém sigilo por ela se localizar num local um tanto
desagradável; por isso, sofrem muito mais.

A causa da hemorróida está, originariamente, na mistura de dois ou


três tipos de toxinas; a toxina congênita, a toxina da urina e a toxina
adquirida. Essas toxinas descem e se acumulam na região do ânus,
causando o prolapso anal, que pode ser de dois tipos: o dolorido e o
indolor. O dolorido é causado pela toxina adquirida. Essa doença é
considerada mais comum entre os japoneses. A sua causa está totalmente
na má estruturação dos sanitários que eles usam. Há muitas pessoas que
lêem no sanitário. Isso não é bom porque, geralmente, quando começam a
ler demoram mais tempo. As pessoas que têm problemas de hemorróidas
devem refletir bem sobre esse ponto.
Quando eu era jovem, sofri muito com essa enfermidade, mas, após
descobrir a causa acima, decidi fazer minhas necessidades fisiológicas em

120
A Criação da Civilização

menos de cinco minutos, mesmo que não tivesse terminado totalmente. A


partir daí a doença começou a melhorar naturalmente.

Vamos ver um outro tipo de hemorróida, o jirô, que forma verrugas


em volta do ânus. Existem dois tipos; um que surge na parte interna e o
outro na parte externa. No primeiro caso é porque o paciente é gordo, e no
segundo, porque é magro. Se forem deixadas naturalmente, elas crescerão
enchendo-se de toxinas e, após estourar, haverá o restabelecimento.

Também há a hemorragia da hemorróida. Ela ocorre devido à


existência de sangue com toxinas, que procura sair pelo ânus. Então, surge,
em determinada parte da pele, uma rachadura por onde o sangue é
eliminado constantemente. Geralmente as pessoas se preocupam e ficam
horrorizadas, mas, na realidade, isso é muito bom, porque, além de ser uma
purificação para eliminação de sangue com toxinas, favorece a saúde. Após
a hemorragia, geralmente as pessoas melhoram dos problemas de
enrijecimento dos ombros, do pescoço e da cabeça. Isso também é muito
bom para a prevenção de derrame cerebral.

Entre as hemorróidas, a mais problemática é a fístula anal. Ela é


causada por uma toxina muito forte. No início, ela se solidifica em
determinada parte do ânus. Entretanto, como dói muito, as pessoas vão ao
médico que, geralmente, faz a cirurgia. Por algum tempo melhora, mas,
sem falta, surge novamente, próximo ao local anterior; então, fazem nova
cirurgia, e assim subseqüentemente. Por fim, ficam cheios de buracos,
como um favo de abelhas, e com dores insuportáveis. Isto acontece porque
a cada cirurgia é aplicado novo tipo de medicamento. Com o aumento da
quantidade de material que causa dor, torna-se difícil suportá-la.
Entretanto, se deixar atuar sem nenhum tratamento, desde o início, o pus
sairá naturalmente e haverá uma cura completa.
Dizem que quem se cura da fístula anal contrai com maior
facilidade as doenças do pulmão. Pelo êxito da cirurgia da fístula anal,
cessa a eliminação do pus por aquele local. A toxina não tem por onde sair,
então, dirige-se para o pulmão. Também, como um dos tipos de tratamento
de sífilis, tem sido desenvolvido, desde antigamente, o método de injetar
mercúrio por meio de injeção na região da coxa. Isso provoca, muitas

121
A Criação da Civilização

vezes, enfermidade semelhante à hemorróida, após dezenas de anos.


Forma-se uma protuberância aguda de forma circular e grande, com dores
realmente insuportáveis. Também nesse caso, se deixar atuar naturalmente,
alcança-se a cura em apenas duas ou três semanas, mas, se for feita
cirurgia, ela se torna fístula crônica.

Um dos casos mais problemáticos é a coceira no ânus. A sua causa


está, logicamente, na toxina da varíola ou de remédios. Se deixar atuar
naturalmente, leva dezenas de anos para curar; mesmo com o Johrei
demora alguns anos.

122
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 31

DOENÇAS DE MULHERES

Não é simples dizer o que seja, em uma palavra, doença de mulher,


pois, como a maioria deve saber, há vários tipos, e creio que a principal
seja a doença do útero.

1) Menstruação

O útero tem duas funções: menstruar e engravidar. Em relação à


doença do fluxo menstrual, temos as dores menstruais e a sua
irregularidade. O primeiro, no período da menstruação, causa dores desde o
primeiro dia até a alguns posteriores. O motivo disso é que, como a
abertura das trompas é estreita, ela precisa ser dilatada quando o fluxo
sangüíneo tenta passar por elas, o que provoca as dores.

A abertura das trompas é estreita porque nas partes do abdômen


existem toxinas que ficam pressionando-as. Isso melhora com facilidade,
dissolvendo-as e eliminando-as. Sem dúvida, nada pode ser feito pela
medicina e há muitas mulheres que sofrem durante longos anos. Só posso
dizer que são realmente coitadas.

Fala-se simplesmente em menstruação irregular; existem aquelas


que atrasam, que não vêm regularmente, e aquelas que têm bastante ou
pouco fluxo sangüíneo. A maioria das causas se deve à anemia e sangue
impuro. Adquirindo uma saúde verdadeira, ela volta à normalidade.

É imprescindível saber sobre a menstruação anormal das


tuberculosas. Isso porque, enquanto tem-se a menstruação, normalmente é
sinal de que a doença é leve, e não é preciso se preocupar. À medida que a
doença progride, porém, a pessoa torna-se anêmica e, em seguida, diminui
a quantidade do fluxo sangüíneo e a menstruação geralmente atrasa.
Quando a doença chega ao último estágio, todas, sem nenhum exceção,
ficam sem menstruação. Por isso, para saber a gravidade da tuberculose de
uma paciente, o meio mais preciso é através da menstruação.

123
A Criação da Civilização

Outra coisa que está relacionada é que a doença, quando se torna


grave e a menstruação chega e fica escassa, ocasiona até queda dos cabelos
do púbis; há pessoas que, no final, ficam sem pêlos.

2) Gravidez

A seguir, tratarei sobre a gravidez que, para as mulheres, não é uma


doença; ao contrário, é uma prova de saúde. Hoje em dia, a maioria das
mulheres, ao engravidar, ao invés de se alegrar, fica com medo ou
preocupada, e por um lado isso é normal. Isto porque, durante a gravidez,
há mais facilidade de surgirem vários problemas e doenças, sendo que a
maioria das pessoas, naturalmente, sofre de enjôos. Para aquelas que têm
tuberculose, doenças de Basedow e outras, é considerado perigoso
engravidar, e os médicos as fazem abortar. Algumas pessoas chegam a dar
à luz, mas podem ter um parto difícil. Podemos dizer que não há uma
pessoa que possa realmente ficar tranqüila. O que se deve pensar, em
relação a esses casos, é que vários problemas como esses são realmente
anormais. Talvez, antigamente, as senhoras não tivessem muitos problemas
desse tipo, pois não há nada registrado. Se for assim, isso mostra um efeito
contrário ao progresso da medicina. É um assunto fora da lógica. Mas este
é o ponto em que a medicina é cega. O efeito contrário é, totalmente,
devido aos remédios; quanto mais remédio uma pessoa tomou, pior é o
resultado. Isso não somente influencia a própria pessoa, mas traz
conseqüência ao bebê, causando parto prematuro, natimortos, etc, sendo
que este é o motivo de, atualmente, existirem muitos bebês fracos e mal
desenvolvidos.

Em verdade, engravidar e dar à luz uma criança é uma magnífica


função atribuída à mulher, e por isso é natural que a gravidez transcorra
normalmente e não haja problemas no parto. Não há motivos para surgirem
problemas e, se eles aparecem, é porque há algum ponto errado; é só
perceber, nesse meio tempo, o ponto que está errado e repará-lo. Escreverei
detalhadamente sobre isso agora.

No caso da gravidez, a preocupação maior são os enjôos. Este é um


sintoma que não precisa ser explicado porque todos sabem, mas quando é

124
A Criação da Civilização

grave, até a vida corre perigo, não podendo haver descuidos. A sua causa
também é desconhecida pela medicina, mas o motivo é simples demais.
Isto é, quando o útero tenta dilatar-se, alguma coisa atrapalha. São as
toxinas acumuladas na parte do umbigo até o estômago que, com a
dilatação, entram em processo de eliminação. Isso são os enjôos. Através
de vômitos intensos, estas toxinas vão sendo eliminadas.

Essas toxinas são hereditárias, e causadas por remédios, mas,


saindo tudo que tiver, melhora completamente. A medicina não sabe a
causa dos enjôos, mas mesmo que soubesse, ela não teria uma maneira de
fazer sair essas toxinas; por isso, toma uma medida apenas paliativa ou, em
casos extremos, aconselha o aborto.

Dentre várias outras, há a doença dos rins, na gravidez, e sem


dúvida, os sintomas são edemas; isso é causado – como dizem na medicina
- por distúrbios dos rins, isto é, atrofiamento dos rins. A causa disso, como
escrevi antes, é que normalmente existem toxinas na parte de trás dos rins;
essa pressão aumenta por causa da gravidez, com a pressão que vem
também pela frente. O rim fica prensado e se atrofia, não conseguindo
expelir toda a urina, que sai em forma de edemas. Dissolvendo as toxinas
da parte da espinha dorsal com o Johrei, a pressão nos rins alivia e é natural
que melhore.

E como pela medicina nada se pode fazer, no caso de sintomas


graves, provoca-se o aborto, pois não se pode trocar pela vida da mãe.
Realmente é uma pena, pois se sacrifica o valioso bebê, que se conseguiu
com tanto custo. Isso acontece geralmente no período de 8 a 9 meses e,
sendo assim, a mãe sente uma tristeza maior.

Agora, tentarei escrever o modo de pensar da medicina acerca da


gravidez.

Como disse anteriormente, está completamente errado provocar o


aborto de mulheres que tenham tuberculose e a doença de Basedow, por as
considerarem perigosas para a gravidez.

125
A Criação da Civilização

Seja como for, engravidar significa que a pessoa tem condições de


saúde e a resistência física necessárias para dar à luz sem problemas. Isto é,
possui a qualificação para ser mãe. Não sendo assim, não haveria porque se
engravidar. Tudo isso acontece porque o modo de pensar da medicina está
voltado somente para o lado material e, ignorando a espiritualidade
originária do homem, comete o erro de tratá-lo como um animal.

Isto não é um argumento. Até agora, por causa desses motivos,


disse às senhoras grávidas que não importava a doença que tivessem.
Somente com o Johrei fiz com que tivessem um parto normal, sem
nenhuma exceção.

Acredito que, apenas por esse fato, o modo de pensar da medicina


deveria mudar em muito. Em seguida, escreverei sobre cada uma das
doenças de mulheres.

3) Doenças do útero

Indiscutivelmente, a doença do útero é a que ocupa o primeiro


lugar. Primeiro, trataremos da inflamação da membrana interna do útero.
Forma-se uma inflamação em sua parede interna, isto é, a toxina desce e
tenta ser eliminada da parede interna do útero em forma de um líquen.
Outro caso é a toxina que desce e se aloja na membrana mucosa da parede
interna e provoca a inflamação. Sem dúvida, com paciência, os dois casos
se resolvem.

O engraçado é que nesses casos fazem curetagem, mas isso não dá


resultado porque tem efeito temporário e, enquanto houver toxinas, ficará
sujo constantemente. Com relação a isso, eu digo sempre que a curetagem é
o mesmo que palitar os dentes, pois é só comer que logo fica sujo, e seria
bom se ela fosse fácil como escovar os dentes, mas como mexem com o
dedo a parte mais íntima da mulher, é absolutamente melhor não se
submeter a isso. E, também, a inflamação do útero é causada pela toxina
que se acumula ao seu redor, ocasionando a purificação com febre, dores
leves e más sensações, mas isso também, com paciência, melhora; se
receber Johrei, sara completamente em curto espaço de tempo.

126
A Criação da Civilização

Geralmente, no caso de não engravidar, recomenda-se fazer a


operação de retroflexão ou anteflexão; realmente, nesse caso, o útero está
em posição incorreta, não havendo capacidade de engravidar, devido ao
afastamento da boca do útero. Essa é a mesma teoria da medicina.

Então, a causa da ante-retroflexão é que a toxina acumulada é


pressionada pela frente ou por trás do útero, sendo que através da operação
essas toxinas são retiradas e, por um tempo, o útero volta ao normal; com o
passar dos dias, porém, essas toxinas se acumulam novamente, e o
problema reaparece. Por isso, fazer uma cirurgia grande sem resultado é
bobagem.

Quero que reflitam sobre diagnósticos médicos que afirmaram que


uma mulher, que estava incapacitada de engravidar devido à retroflexão,
conseguiu ficar grávida, sem precisar operar. Muito se ouve falar disso.

Uma vez, no Hospital Universitário, ouvi sobre isso de uma senhora


que conseguiu conceber três filhos. Esses enganos acontecem porque as
pesquisas da medicina ainda são insuficientes e, uma vez que causam
problemas a inúmeras pessoas, acho uma atitude conscienciosa não dizer
nada, enquanto não se tem convicção suficiente.

a) Câncer uterino

Em seguida falarei sobre o câncer do útero. Os autênticos são raros


e, mesmo no caso de pessoas que foram diagnosticadas pelo médico como
portadoras de câncer no útero, geralmente não se trata de câncer. É um
caroço de sangue impuro acumulado na parte externa do útero. Na
medicina, dizem para desconfiar de que é câncer no caso de hemorragia
após a menopausa, mas, pela minha experiência, essa teoria é falsa. Isso
porque, até hoje, ministrei Johrei em vários pacientes, cuja doença foi
diagnosticada como câncer, e logo em seguida tiveram uma grande
hemorragia; o coágulo, que se podia sentir com a mão, tido como câncer,
foi desmanchado.

127
A Criação da Civilização

No há erro em pensar que a maioria das pessoas, cujo diagnóstico


acusava câncer do útero, tinham coágulo de sangue antigo. E não há dúvida
de que chegará uma época em que tudo isso será compreendido pela
medicina, quando esta alcançar um progresso maior.

b) Mioma uterino

Em seguida, vejamos sobre o mioma do útero. Ao invés de dizer


que os nervos laterais que sustentam o útero se inflamam, como diz o
próprio nome, forma-se um caroço em um dos lados, que provoca a dor,
devido à purificação. Pelo tratamento médico, esse caroço é retirado
através da operação, e felizmente há casos de cura, mas na maioria deles o
caroço volta a se formar nesse mesmo lugar. Essa doença também, através
do Johrei, é curada completamente, mas leva um bom tempo.
4) Doenças do ovário

Em seguida, falarei sobre a doença do ovário. A maioria é abscesso


e hidropisia, sendo que os sintomas são parecidos. Apenas é duro ou mole,
e a gravidade da doença difere muito de pessoa para pessoa. Sendo assim,
se for maligno ou tratado pela medicina, torna-se enorme, havendo casos
em que a barriga fica bem maior do que à época de conceber.

Pelo tratamento médico, através da operação, há casos em que


facilmente pode ser retirado, mas é problemático porque se cura apenas a
doença do ovário, mas influencia-se outros órgãos. A pior das
conseqüências é a mudança da personalidade. Se retirar apenas um não é
tanto assim, mas se os dois forem retirados, na maioria dos casos ocorre
uma modificação para o masculino, e, ao mesmo tempo, não é preciso dizer
que nunca mais a pessoa poderá engravidar. Além disso, podem ocorrer
distúrbios nos olhos, e há pessoas que ficam cegas.

Também o corpo todo enfraquece sem motivo, e a pessoa muda até


mesmo a concepção da vida. Torna-se uma pessoa melancólica e
desesperada. Na medicina, atualmente, não há outro meio a não ser a
operação, por isso não tem jeito; mas isso também é completamente curado
através do Johrei. As causas são tóxicos dos remédios e o atrofiamento dos

128
A Criação da Civilização

rins, que provém do acúmulo de restos de urina; o primeiro origina o


abscesso e o segundo, a hidropsia. Obtém-se a cura acelerando a atividade
dos rins. Escreverei, agora, sobre as causas básicas das doenças de
mulheres. Originariamente, todas elas são causadas pelas toxinas existentes
no corpo, as quais descem e acumulam-se no abdômen, causando distúrbio
no útero, ovário, trompas e outros, e, mais abaixo, doenças do tipo
hemorróidas, e, em geral, da vagina. Referente a elas, explicarei quando
escrever sobre as causas da frigidez.

129
A Criação da Civilização

a) Corrimento

Aqui, escreverei apenas sobre o corrimento, muito comum nas


mulheres; basicamente, é numeroso, sendo que há algumas pessoas que se
preocupam demasiadamente. Na realidade, isso é muito bom, porque várias
toxinas se transformam em líquido e são expelidas. Quanto mais saem,
aliviam muito a dor do abdômen. Os médicos e as pessoas que não sabem
disso se preocupam e tentam estancar; mas isto é prejudicial e é preciso
tomar cuidado, pois pode, ao contrário, manter a doença.

b) Frigidez

Em seguida, há a frigidez, que hoje em dia é muito comentada; a


medicina também nada sabe sobre ela. Como para as mulheres é um
assunto de muita importância, que pode afetar o seu destino futuro, vou
escrever detalhadamente. Como as pessoas sabem, depois de se casar, o
mais importante é receber o amor do marido e, não conseguindo bom
relacionamento, torna-se fácil ocorrer a separação.

Além disso, o marido pode arrumar uma amante ou acabar ficando


estéril e, conseqüentemente, é grande o número de mulheres que têm um
destino infeliz. Sendo assim, é preciso se curar de qualquer maneira, mas o
problema é que não se pode contar a ninguém sobre isso, e, mesmo com o
tratamento médico, não se obtém a cura, não conseguindo, assim, construir
um lar satisfatório, restando apenas ficar só. Parece não ser pequeno o
número de mulheres que levam uma vida solitária, o que nos faz sentir
muita pena.

Entretanto, com o Johrei, consegue-se, indubitavelmente, a cura;


por isso, para as mulheres, não há outra notícia melhor que essa.
Primeiramente, vou escrever sobre sua causa e outras coisas. Uma das
primeiras, nem é preciso dizer, é o atrofiamento dos rins. Os rins, como
dizem na medicina, são a base da produção dos hormônios; portanto, se os
rins se atrofiam, as atividades tornam-se lentas e há falta de hormônios.
Como escrevi antes, a causa são os caroços na parte das costas dos rins;
dissolvendo-os, obtém-se a cura.

130
A Criação da Civilização

Mais uma das causas são as toxinas que sempre descem e se


acumulam aos arredores da vagina. Por causa disso, se elas se acumularem
no abdômen, causam, como disse anteriormente, distúrbios do útero e
vários outros. Se descer ainda mais, causarão hemorróidas, contração
vaginal, coceira, irritação da membrana mucosa, distúrbio da uretra, feridas
e putrefações, dores, odores, mal-estar e outros.

Principalmente se houver inflamação na pelve ou nascer algum


caroço, formará à direita ou à esquerda dos pequenos ou grandes lábios, e
isso se espalha até as virilhas, impedindo o movimento das pernas. O
distúrbio da pelve é muito mais prejudicial, mas todos esses diagnósticos
podem ser percebidos com o toque de mão da própria pessoa, pois há
sempre dor ou uma protuberância calosa. Mas, como é um lugar íntimo, a
própria pessoa pode ministrar Johrei ou pedir para o marido. Apenas com
isso já se consegue a cura.

Porém, leva muito tempo; por isso, com essa intenção, sendo
perseverante, aos poucos ir-se-á se sentindo melhor e, ao mesmo tempo,
surgir-se-á esperança e conseguir-se-á a cura completa.

Qual não será a alegria de todas as mulheres, quando souberem


disso? Creio que não há outra salvação tão maravilhosa como esta.

131
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 32

DOENÇAS INFANTIS

É do conhecimento de todos que há muitos tipos dessa doença, e é


grande o número delas que aparecem repentinamente. Como os bebês ainda
não possuem discernimento, só fazem chorar; não entendendo nada, as
mães só se preocupam.

1) Fezes anormais

Escreverei primeiro sobre isso. A doença mais comum nas crianças


recém-nascidas é a má digestão, que as faz evacuar verde ou mole. Ao
invés de dizer que é má digestão, devemos dizer que é a toxina da mãe que
sai misturada no leite, isto é, a toxina da mãe está sendo eliminada através
do filho e, na verdade, isso é ótimo.

De princípio, tendo paciência, sai tudo que deve ser expelido, e,


sem dúvida, ocorre uma melhora, mas o tratamento médico, que
desconhece esse fato, diz se tratar de beribéri infantil e, como utiliza
remédios, a criança fica fraca e não tem bom crescimento.

No futuro, isso será a causa de uma saúde precária e raquitismo, e


na adolescência haverá facilidade de se ficar tuberculoso. O aumento do
número de tuberculosos, atualmente, deve-se a esse erro. E, também, a
criança, logo depois que nasce, toma vacinas, várias injeções preventivas
ou de vitaminas. Isso é muito prejudicial, pois o corpo ainda não está
formado e as injeções são coisas forçadas. Muitas delas constituem a causa
de um mau crescimento e, na maioria dos casos, mesmo depois de
completar um mau ano, o pescoço não se afirma, demora para andar, tem
baixo nível de inteligência; tudo está relacionado a isso. Gostaria que a
medicina fizesse mais pesquisas nesse sentido.

132
A Criação da Civilização

2) Vômitos de sangue

De vez em quando, há casos também de crianças que, com um ou


dois meses, vomitam sangue; o diagnóstico médico acusa gastrite, mas isso
é engraçado. A gastrite é conseqüência do uso contínuo de remédios para a
digestão. A causa verdadeira é que, antes ou após o parto, o bebê ingeriu o
sangue velho da mãe e é isso que ele vomita, sendo que depois disso o seu
apetite aumenta. Crescendo mais um pouco, as crianças têm facilidade de
pegar a tosse de 100 dias (tosse comprida), difteria, meningite, sarampo,
encefalite, escarlatina, disenteria, paralisia infantil e outras doenças.

3) Tosse comprida

Escreverei sobre elas, começando pela tosse comprida. A causa dela


é, sem dúvida, ter ingerido o líquido da mãe na ocasião do parto. Uma vez
ingerido, foi conservado e, com o passar do tempo, é expelido através da
purificação. Nessa doença, juntamente com a terrível tosse, é expelido o
catarro. A característica da tosse comprida é que, ao tossir, sempre se
escuta o barulho da puxada do ar. Isto é, até conseguir expelir todo o
catarro, leva mais ou menos 100 dias, por isso a doença tem esse nome.
Com o Johrei, leva mais ou menos 3 semanas; se estiver no auge dela,
melhora completamente em apenas uma semana.

Podemos ver como pontos vitais: o peito em primeiro, o meio da


espinha dorsal em segundo, e a parte do estômago em terceiro. Isto é,
nessas regiões é que o catarro está solidificado. Essa doença tem facilidade
de causar a pneumonia, porque, tentando-se parar a tosse e o catarro que
estavam sendo dissolvidos, estes entram provisoriamente no pulmão, sendo
que a ordem é sair através da tosse. Mas como se faz parar a tosse, o
catarro não sai e se acumula dentro do pulmão. Para dissolvê-lo, tem-se
febre alta e isso é a pneumonia. Quer dizer, a doença poderia estacionar
apenas como tosse de 100 dias, mas por um método errado de tratamento,
se transforma em pneumonia.
4) Difteria
Em seguida, vejamos a difteria. Nasce uma irritação na garganta,
que inflama, dificultando a respiração, chegando até a sufocar. É uma

133
A Criação da Civilização

doença terrível. A medicina aplica injeções clínicas e preventivas, mas isso


pára temporariamente a purificação, e até que dá resultado, mas essa
injeção é venenosa, e fica fácil de surgir uma doença maligna, que é
também difícil de curar, havendo até casos de perigo de vida.

Entretanto, para nós, principalmente essa doença é fácil de curar.


Ministrando Johrei, pode melhorar rapidamente em 10 minutos e, em casos
mais demorados, leva 30 a 40 minutos para curar completamente. É
realmente milagroso. Isso porque, como não há efeitos secundários de
remédios, não há preocupação.

Sobre as causas da difteria, como há muitas que são espirituais,


deixarei para depois.

5) Meningite

Em seguida, falarei sobre a meningite. Ao pegar essa doença, os


sintomas são uma febre alta, como se houvesse fogo na parte frontal da
cabeça, e uma terrível dor, de rachar a cabeça. O doente não consegue nem
abrir os olhos, pois tem tonturas; apenas com isso, já é possível saber que
se trata de meningite.

A causa disso é que, à medida que uma criança que tem muitas
toxinas toma conhecimento das coisas e começa a usar o cérebro, isso faz
com que as toxinas se concentrem na parte frontal da cabeça. E, quando
entra para a escola, utiliza ainda mais o cérebro, razão porque nessa época
há maior facilidade de se contrair a doença. No entanto, há um problema
que não pode ser esquecido; isto é, fazem o possível para baixar a febre,
colocam bolsa de gelo e, dessa maneira, solidificam a toxina, que com
muito custo havia começado a se dissolver, prejudicando a atividade
cerebral. Por isso, mesmo melhorando, a pessoa pode ficar débil mental ou
inválida, que são as coisas mais temidas.

Entretanto, com o Johrei, as toxinas se dissolvem e são eliminadas


em forma de pus e sangue, através dos olhos e nariz, e saem em grande
quantidade, fazendo, assim, a limpeza da cabeça, com que melhora a

134
A Criação da Civilização

atividade cerebral. Sem exceção, o aproveitamento escolar da criança


torna-se excelente. Portanto, tomando consciência disso, devem, pelo
menos, parar de usar a bolsa de gelo; sempre penso como isso seria de
grande ajuda.

6) Sarampo

O sarampo é, como a maioria sabe, uma doença que toda pessoa


pega depois que nasce, e é uma doença muito comum. A sua causa é a
eliminação do sangue com toxinas recebidas da mãe. Por isso, é realmente
gratificante, sendo quase impossível dizer que é uma doença. Como não
sabem disso, as pessoas ficam atemorizadas sem motivo, e também a
Secretaria da Saúde está se esforçando para a sua prevenção, o que é uma
completa idiotice.

O sarampo não precisa de nenhum tratamento. É só ter paciência,


que tudo volta ao normal. Fazer coisas que não são necessárias não leva à
cura, e pode haver até perigo de vida. Nessa doença, principalmente
quando estiver no início, ao sair de casa deve-se prevenir para não tomar
vento, pois a toxina do sarampo, que tenta sair pela pele, é impedida. Desde
antigamente, dizem para não tomar vento, usar um cobertor e ficar deitado.
É uma frase perfeita. Isso porque o vento atrapalha a doença e sobram
toxinas, devendo-se tomar cuidado para não haver recaídas e contrair outras
doenças.

Como todos sabem, o sarampo causa facilmente a pneumonia,


devido ao tratamento errado da bolsa de gelo, que impede a saída das
toxinas, diminuindo o catarro, mas prejudicando a parte interna, causando
distúrbios nos brônquios, diminuindo-lhe a quantidade, ficando com uma
respiração ofegante. Não é preciso ter nenhuma preocupação com a
pneumonia; com paciência, ela melhora em 2 ou 3 dias.

Mesmo que o sarampo sare, acontece muitas vezes de se ficar com


timpanite ou com os olhos ruins devido às toxinas que sobraram e tentam
sair através deles, ficando algum tempo acumulados neles. Como se

135
A Criação da Civilização

dissolvem com a febre alta, é só deixar, pois leva algum tempo, mas
indubitavelmente é curado.

7) Encefalite japonesa

A próxima é a encefalite, e a causa dela é simples. No verão as


crianças ficam expostas ao sol forte e o cérebro é atingido pelos raios
solares, sendo que as toxinas existentes na medula espinhal se dirigem para
a região occipital, onde se concentram.

Seguindo um processo, as toxinas se reúnem primeiro na medula;


depois é dissolvida por febre alta, e transforma-se em toxina líquida, que
chega à região occipital. Com isso, tem-se sono e vários outros sintomas,
mas essa toxina líquida, como no caso da meningite, sai dos olhos e nariz
em forma de pus e sangue, com que advém a melhora.

Quando a doença é contraída, nasce um caroço comprido no bulbo


e, mesmo dissolvendo-o, ele pode voltar a se formar várias vezes; no caso
do Johrei, deve-se ministrá-lo com perseverança, deixando um intervalo de
20 a 30 minutos, ministrando por várias vezes.

Ultrapassando o auge da doença, começa a sair pus e sangue pelos


olhos e nariz, e chegando a um passo da cura, impressionantemente, sai
uma grande quantidade de pus e sangue; em seguida, sara. Isso é questão de
alguns dias. Vendo por esse lado, não é preciso se preocupar com essa
doença. Entretanto, a medicina desconhece a causa e não tem um método
para eliminar as toxinas; por isso, por falta de conhecimento, tem medo do
contágio. Como acontece com a meningite, a bolsa de gelo é a mais
prejudicial e, por causa disso, a doença se prolonga, coloca a vida em
perigo e, mesmo sarando, a pessoa pode ficar inválida.

Atualmente, na medicina, dizem que ela é causada por transmissão


de mosquitos, mas isso é duvidoso. Entretanto, de nosso lado, é curada
facilmente, por isso não interessa qual seja o motivo.

136
A Criação da Civilização

8) Escarlatina

A escarlatina é também uma doença simples e a causa está na


toxina inata armazenada, que tenta sair através da pele, deixando-a
vermelha por um tempo; saem pequeninos eczemas e, quando é grave,
passa pelo corpo todo, mas geralmente é só numa parte ou na metade do
corpo. Tendo paciência, essa doença também melhora. No entanto, o
tratamento médico usa de recursos como bolsa de gelo e outros,
prolongando assim a doença, que se torna perigosa. Quando essa doença
começa a melhorar, saem toxinas pelos vasos capilares, que secam e
formam uma crosta. Isto é considerado contagioso, sendo muito temido,
mas com o Johrei sara completamente entre 2 ou 3 dias até uma semana,
por isso não é nenhum problema.

9) Disenteria

A disenteria é uma das doenças mais freqüentes e também é grande


a porcentagem de mortos, sendo a mais temida, mas, no início, o sintoma
característico é o freqüente bocejar, falta total de apetite, cansaço e
desânimo, vontade de dormir e outros. Se houver esses sintomas, com
certeza, trata-se de disenteria.

A causa são as toxinas existentes na parte de cima do corpo que,


com a purificação, se reúnem no estômago e refletem no cérebro, tendo
facilidade de dar doenças dos miolos, o que os médicos temem. Entretanto,
com o Johrei, realmente o paciente melhora com facilidade, ficando
completamente curado em apenas um ou dois dias.

10) Paralisia Infantil

Atualmente, parece-me que a paralisia infantil tem aumentado e a


Secretaria da Saúde até a registrou legalmente como doença contagiosa.
Entretanto, essa doença é mais numerosa nos Estados Unidos do que no
Japão, e isso todos devem saber. A causa dessa doença é espiritual ou
material, sendo que a espiritual é muito rara. A paralisia infantil comum,
em geral, tem causa material, ou seja, ela é falsa e, sem dúvida, é curável.

137
A Criação da Civilização

Os sintomas são as pernas que não se movem satisfatoriamente, ou uma das


mãos que não pode ser utilizada, os quadris que não se mechem e outros, e
a mais numerosa parece ser a das pernas.

As causas são tóxicos medicinais hereditários e toxinas ingeridas


após o nascimento. Em qualquer uma das duas, as toxinas se solidificam
em uma parte da perna, dando pontadas e causando dor ao se mover,
principalmente na sola do pé. É fácil diagnosticá-la: apertando o pé e a mão
por inteiro, haverá sempre um lugar que dói. Ministrando-se Johrei nesse
local, aos poucos a doença irá melhorando.

No entanto, o tratamento médico não consegue eliminar nem um


pouco de toxina; por isso, fazem vários tratamentos dolorosos, que servem
apenas como consolo, pois não há uma pessoa que tenha realmente se
curado, de modo que ela é temida mundialmente.

As paralisias verdadeiras são espirituais, e têm um significado


muito profundo. Com referência a isso, deixarei para escrever mais
detalhadamente no item referente ao espírito.

138
A Criação da Civilização

11) Falta de leite

Devem fazer o possível para que a criança tome o leite materno; no


caso da falta deste, pode-se usar leite de vaca, mas se a mãe não tem leite é
porque há um distúrbio em algum lugar. É a toxina que está pressionando
as glândulas mamárias, ou as toxinas do estômago que o estão
pressionando, deixando-o encolhido.

Por isso, a mãe só come a sua parte da alimentação, não comendo a


do filho. As causas são essas duas, e qualquer uma delas melhora
rapidamente com o Johrei.

E também, como já havia escrito sobre a prisão de ventre do bebê, a


mãe, por causa da vaidade, pára de dar o peito, mas isso é um erro, pois as
toxinas dela saem misturadas no leite, sendo, ao contrário, muito bom. Em
seguida, ocorre muita febre leve, que dizem ser febre da inteligência, ou
por causa do nascer dos dentes, mas não é nada disso. Sem dúvida, é a
purificação em forma de febre por causa das toxinas, não havendo
nenhuma relação.

12) Amamentação

Dar de mamar até o primeiro ano é o bastante. Há mães que dão de


mamar mesmo após o primeiro ano e é preciso tomar cuidado, pois crianças
assim são fracas. Ficam facilmente resfriadas e, por causa das amídalas,
têm sempre febre, mas isso é bom, porque também é purificação e, com
isso, aumenta-se a saúde.

Depois, têm medo do “esfriar” enquanto dormem, e esta é uma


palavra muito engraçada. Mesmo no caso de disenteria, acho que foi um
nome dado por não se saber a causa verdadeira.

Tenho seis filhos, mas desde que nasceram nunca lhes coloquei
protetor de barriga, e hoje, já passados mais de 10 anos, não há um que
tenha algum distúrbio; eu também, há 30 anos que não coloco protetor de
barriga e até hoje não tenho nada.

139
A Criação da Civilização

13) Evacuação anormal


Quanto à evacuação anormal, os médicos dizem à mãe da criança
que ela está com beribéri infantil e recomendam-lhe que suspenda a
amamentação. Mas cometem um erro, pois as toxinas da mãe são
eliminadas misturadas no leite; portanto isso é muito bom.

14) Outras

Quando o bebê fica com uma febre leve, dizem ser febre da
inteligência, ou febre motivada pelo nascimento dos dentes. Mas não é
nada disso; também é purificação das toxinas, não havendo nenhuma
relação com a inteligência ou com os dentes.

Há crianças que se resfriam facilmente e, por causa da amidalite,


têm sempre febre. Isso é bom, porque também é purificação, e a criança
torna-se mais saudável.

Creio que escrevi tudo sobre as doenças relacionadas às crianças,


mas, como complemento, escreverei dois ou três pontos que devemos
tomar cuidado. Em primeiro lugar, quando do nascimento da criança e para
prevenir contra a paralisia, aplicam-se nos olhos a injeção de mercúrio que,
desde antigamente, contém macnin; sendo um corpo estranho, é melhor não
aplicá-la.

140
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 33

CONSIDERAÇÕES GERAIS

Até agora, vim dando explicações diretas, de forma detalhada, sobre


a doença. Por isso, já devem ter entendido a sua verdadeira causa, e
também o quanto a medicina acadêmica está errada. Entretanto, como
ainda existem diversos pontos que devem ser conhecidos, quero, agora,
analisar e dissecar, sob diversos ângulos, a verdadeira figura da medicina.

CIRURGIA

Embora se fale que ultimamente a medicina progrediu e que o


avanço da cirurgia, em especial, é motivo de grande orgulho, pelo meu
ponto de vista, não há engano maior. Não é necessária maior reflexão para
se ver que o progresso da cirurgia significa, na realidade, a derrocada da
medicina. Poderão achar isso estranho, mas, obviamente, a cirurgia é um
método de extrair o órgão afetado pela doença, e não um método de extrair
a doença em si.

Em termos mais compreensíveis, a doença e o órgão doente têm


uma relação íntima e inseparável, mas são diferentes na essência.
Conseqüentemente, a verdadeira cirurgia deve extrair somente a doença, e
conservar o órgão intacto. Entretanto, por mais que se fale que a medicina
tem progredido, como é impossível extrair unicamente a doença, ela,
inevitavelmente, como meio secundário, a extrai juntamente com o órgão.
Só através desse único fato, poderão entender que o avanço da cirurgia não
representa outra coisa senão a incapacidade da medicina. Se os médicos
não conseguiram perceber isso, é porque até hoje estavam mergulhados
numa terrível superstição. Conseqüentemente, é preciso, de qualquer jeito,
que despertem completamente, e não há outro meio senão recomeçar tudo
de novo. Ou seja, é necessário o reinício da medicina. Entretanto, como até
hoje ninguém havia descoberto isso, ela veio seguindo cegamente esse
caminho errado. Por isso, mesmo passados tantos anos, a humanidade não
se libertou do sofrimento da doença. Isso evidencia o erro.

141
A Criação da Civilização

Quando pensarem baseados no que foi dito, poderão entender que o


avanço da cirurgia não é um progresso da medicina, e sim da técnica.

Uma coisa sobre a qual gostaria que pensassem mais


profundamente é que, sendo o homem a melhor e a mais perfeita obra
criada por Deus, não haveria motivo para que, na hora de criar o corpo
humano, Ele tivesse criado algo que não fosse útil: os cinco órgãos, os seis
sentidos, os ossos, os músculos, a pele, e tudo o mais. Isso pode ser
entendido até pelo senso comum. Entretanto, para grande espanto,
chegamos ao século XX e, embora com forma humana, surgiu um ser
superior a Deus. Esse ser diz que no corpo humano há coisas
desnecessárias: apêndice, um dos rins, ovário, amídalas, etc., por isso, é
melhor que sejam cortadas e jogadas fora. Com isso, as doenças a elas
relacionadas desaparecerão. Não será assim que nos sentiremos mais
tranqüilos? Assim falando, pensam que estão ganhando; enfiam o bisturi,
cortam e jogam fora! Que magnífica existência sobre-humana, supra-
divina!

Entretanto, por incrível que pareça, os homens contemporâneos são


mais do que passivos a essa extrema violência e chegam a chorar de
alegria. O povo e até o governo de cada país sentem gratidão por isso,
achando que esse é um grandioso avanço da cultura. Ficam entorpecidos e
estão até ajudando e incentivando. Por isso, não tenho palavras para
expressar essa falta de inteligência e ignorância.

Portanto, presumimos que o Grande Criador, vendo essa situação,


esteja abismado. Mas, qual é esse ser supra-divino? É o ser humano
chamado médico contemporâneo. Desse modo, os olhos deles estão
completamente míopes para ver o ser humano. Só enxergam o tesouro que
está mais adiante. Entretanto, eu não censuro a ciência material. Os seres
humanos, através dela, receberam os maiores benefícios e não se sabe
quantos ainda receberão. Por mais que a elogiemos, ainda será insuficiente.
No entanto, é precipitado demais pensar que isso é válido em todos os seus
aspectos.

142
A Criação da Civilização

A ciência material também tem, por si mesma, vários campos, e


possui um limite que não pode ultrapassar. E qual é ele? A concepção
simplória de ver o orgânico igual ao inorgânico. Ou seja, a ciência
materialista se engana ao misturar os homens e os animais, que são seres
animados, e os minerais e vegetais, que são inanimados. Isto porque, como,
na verdade, os animais não são seres inanimados, não se pode colocá-los no
campo da ciência material. Esse erro é fundamental. E uma vez que a
medicina veio progredindo fundamentada nesse erro, é até muito natural
que ela empregue um método chamado cirurgia, que considera o corpo
humano ao nível do ser inanimado.

Não podemos deixar passar despercebido este ponto – o princípio


da supremacia científica que, devido ao magnífico progresso da ciência
material, crê na possibilidade de solucionar todas as coisas por meio dela.
Entretanto, na realidade, isso não se aplica aos seres animados. De fato,
momentaneamente, há um efeito positivo através da medicina, mas, uma
vez que o fundamento está errado, não se consegue o efeito verdadeiro.
Apesar disso, os homens nada percebem a esse respeito, e continuam
avançando pelo caminho errado.

Vim escrevendo, em termos gerais, sobre a natureza dos seres


animados e dos seres inanimados. Aprofundando mais um pouco, entre os
seres animados, não se pode considerar os seres humanos iguais aos outros
animais. Não é fundamental, mas há uma diferença muito grande nisto. Se
falarmos, por exemplo, a uma pessoa que ela está tuberculosa,
imediatamente seu sistema nervoso é abalado, seu estado piora e até a
morte é apressada. Mas, mesmo que falemos a um boi que ele está
tuberculoso, isso em nada o influencia. Conseqüentemente, fazendo
pesquisas com cobaias e ratos e aplicando-as no homem, jamais se pode
atingir bons resultados.

Retrocedendo, escreverei novamente sobre a cirurgia. Mesmo que


através da cirurgia haja uma cura momentânea, como ela não é verdadeira,
depois de certo tempo, inevitavelmente surge alguma doença. A medicina,
porém, não percebe qual é a sua causa. Por isso, não se interessa muito pelo
que acontece depois da operação. Entretanto, pensem bem: se extrairmos

143
A Criação da Civilização

um órgão precioso do corpo humano, isso significa que a pessoa tornou-se


deficiente física interna. Portanto, não há motivos para que isso não exerça
nenhuma influência.

Tomemos por exemplo um deficiente físico externo, que não tem


uma das pernas ou uma das mãos, ou até um dedo ou a ponta de um dedo; o
incômodo que isso lhe causa é motivo de sofrimento para a vida inteira.
Nem é preciso dizer que o mesmo acontece com um deficiente físico
interno. Além do mais, as deficiências físicas externas não têm muita
relação com a vida, mas é claro que as internas têm, e muito. Por exemplo,
se numa operação de apêndice perder-se esse órgão, o que acontece?
Originariamente, o apêndice tem uma função muito importante. As toxinas
acumuladas em toda a parte das costas do ser humano vão, de uma só vez,
para o rim direito e se solidificam. Depois, aos poucos, vão se
transportando para o apêndice e se solidificando. Quando atingem um certo
grau, ocorre uma repentina purificação, com febre, dores, etc., e as toxinas
dissolvidas são eliminadas através da diarréia. Com isso advém a cura. É
realmente muito bem feito. Entretanto, o engraçado é que, nessa hora, os
médicos falam em operar o quanto antes, para que não seja tarde demais.
Jamais há esse perigo. Ao invés de ser tarde demais, as possibilidades de se
melhorar são maiores. Isso não é pretexto. Procedi assim no caso de várias
pessoas e não houve um só caso que falhasse.

Em contraposição, às vezes ouço dizer que, com a operação, a


pessoa encontra um destino infeliz. Não é muito difícil saber se a
apendicite é crônica. Como se fala também na medicina, basta apertar a
região três a seis centímetros um pouco abaixo à direita do umbigo. Logo
se saberá, pois haverá dor. Entretanto, como a causa está num lugar mais
profundo, a dor não cessa por completo, se ministrarmos Johrei apenas na
região do apêndice. Em caso de apendicite, se procurarmos com os dedos,
encontraremos uma solidificação no rim direito e, apertando-o, haverá dor.
Ministrando-se Johrei nesse lugar, a dor cessará, e haverá uma cura por
completo. Quando rápida, ela cessará em dez a vinte minutos, e, no mais
tardar, em trinta a quarenta minutos. Logo haverá diarréia, e com isso o
processo estará terminado. Jamais haverá uma recaída.

144
A Criação da Civilização

Se isso é verdade, este não é um maravilhoso método de cura?


Entretanto, através da medicina, não são nada pequenos os sofrimentos
com a operação e os gastos para tanto. Além disso, a pessoa fica deficiente,
e os mais infelizes não conseguem ter uma cicatrização fácil; em alguns
casos, isso chega a levar anos. Vez por outra, alguns chegam até a perder a
vida com a operação. Por isso, comparando-a com o nosso Johrei, podemos
dizer que a diferença é bem maior que a existente entre a vida selvagem e a
civilização. Mesmo que a apendicite melhore com a operação, a coisa não
termina aí. Como já disse, a função do apêndice é a de órgão eliminador
das toxinas de toda a região das costas. Por isso, quando ele não existe, as
toxinas não têm por onde sair. Então, a maior parte delas se acumula no
peritônio e a solidificação existente na região dos rins aumenta de tamanho.
Ela pressiona os rins e acelera a ocorrência de peritonite. Essa é a principal
influência maléfica, mas, além das toxinas se acumularem também em
outras regiões, após a operação a força abdominal e a força de segurar as
coisas enfraquece, a pessoa fica com pouca resistência física e
perseverança, e o apetite sexual também diminui. Creio que tudo isso é
comprovado pelos que já passaram por essa experiência.

Em seguida, vejamos a extração dos rins. Essa operação é feita no


caso de tuberculose renal. Como há muita dor e a urina sai misturada com
sangue, acaba-se definindo que é tuberculose e faz-se a extração.
Entretanto, o resultado disso não é muito bom. Geralmente, sempre
acontece alguma complicação; a maior delas é que, como o rim que sobrou
é forçado a fazer o trabalho de dois, ele fica doente com facilidade. Além
disso, como não se pode extraí-lo, muitas pessoas ficam sofrendo sem saber
o que fazer. O rim adoece mais facilmente porque, como todos sabem,
possuem grande quantidade de toxinas preservadas; elas se acumulam todas
no rim que sobrou. Além disso, o físico todo fica mais fraco, havendo
dificuldade até para caminhar. Existem pessoas que não podem nem torcer
o quadril e nem se sentar à moda japonesa. Em princípio, elas são meio
deficientes. Entretanto, se tivessem recorrido ao Johrei desde o início, elas
sarariam completamente e com grande facilidade, sem que precisassem
fazer mais nada.

145
A Criação da Civilização

Vejamos a seguir a operação de câncer estomacal. Esse também é


um problema complicado. O que me deixa decepcionado a esse respeito é
que muitas vezes se ouve falar no erro de abrir o estômago e não encontrar
o câncer; o paciente é prejudicado. Mesmo que felizmente o câncer seja
extraído conforme havia sido programado, na maioria das vezes, com o
passar do tempo, o mínimo de câncer que restou vai se expandindo e, com
isso, faz-se necessária uma nova operação. A terceira operação já é
impossível, e, então, o câncer é fatal. Além disso, mesmo que a operação
tenha êxito, o estômago diminuído gruda-se ao intestino. Por isso, a
alimentação deve ser ingerida aos poucos, em várias vezes. Além disso,
pelos dados da medicina, a longevidade após a operação é, em média, de
dois anos e meio. A esse respeito, assim diz a medicina: “Se uma pessoa
que deve morrer daqui a meio ano ou um ano puder ter a vida prolongada,
mesmo que seja por apenas um ou dois anos, não é vantagem?” De fato, se
assim suceder, está ótimo, mas, na realidade, caso se deixe como está, a
pessoa vive três ou cinco anos, enquanto que, devido à operação, sua vida é
encurtada. Já vi esses exemplos através de várias pessoas. A medicina, para
curar o câncer, utiliza aplicações de rádio. Com isso, ao contrário, a
situação piora, porque o rádio destrói o câncer, mas também a constituição
do órgão.

A explicação acima foi sobre o câncer estomacal genuíno. Mas, na


verdade, os genuínos são poucos. A maioria se trata de câncer estomacal
falso e, obviamente, a sua causa é o tóxico do remédio. Isso também
depende muito das propriedades do remédio. Uma vez ingerido, com o
passar do tempo ele se transforma em toxina, vai para o estômago e se
solidifica. Isso é o que se considera câncer. Por isso, por meio do Johrei,
não estando o órgão extremamente enfraquecido, ele é curado.

Além do que já foi dito, existem vários tipos de cirurgia: extração


de ovário, operação de seio canceroso, timpanite, feridas, olhos, pleurisia,
diabete, hepatite, testículos, unheira do pé e da mão, cirurgia plástica, etc.;
estas são mais ou menos parecidas. Por isso, não escreverei a respeito. Só
me aterei a duas ou três coisas que faltam, ou seja, sobre os diversos tipos
de quistos. Se não se operá-los e deixá-los normalmente, eles crescerão o
quanto for preciso e, naturalmente, surgirá um orifício de onde sairá pus e

146
A Criação da Civilização

sangue e, assim, sarar-se-á por completo. Entretanto, como os pacientes


não conseguem suportar a dor, recorrem ao tratamento médico e à cirurgia,
para sarar mais rapidamente, mas esse é um grande erro. Isto porque há
uma época certa para se fazer a operação. Se ela for feita depois que o
quisto crescer o suficiente, não há problema. Mas, se for feita antes que
isso aconteça, o pus, que até então estava se acumulando num só lugar,
interrompe esse movimento e começa a sair em outro lugar, mais perto.
Para que isso ocorra, nem é preciso que seja feita uma operação. Basta um
furo de agulha para que a concentração também pare. Por isso, é uma coisa
muito importante de se saber.

Darei um exemplo a esse respeito. Há algum tempo, a pedido,


visitei um hospital. O paciente era um senhor de mais ou menos quarenta
anos e, ao perguntar-lhe o que havia acontecido, ele disse que primeiro
havia nascido um quisto do tamanho de um ovo de galinha no pescoço, na
região das glândulas linfáticas. Imediatamente ele foi procurar o médico,
que abriu um buraco para que o pus saísse. Pouco tempo depois, do lado
surgiu um quisto semelhante. Furando-o novamente, surgiu outro, e assim
foi indo até que surgiu do lado oposto e assim por diante. Foram durando
esses quistos seguidamente, até que chegou uma hora em que ele não saiu
mais e começou a crescer para dentro, o que causou um alvoroço. Então
resolveram me chamar. Dessa forma, como acabaram todos os lugares onde
o quisto podia crescer na parte externa, ele acabou crescendo para dentro.
Como cheguei bem na hora em que isso havia acontecido, eu também nada
podia fazer e, por isso, recusei-me e fui embora. Depois de alguns dias, fui
avisado de que seu pescoço havia inchado e se fechado, e o homem
morrera sufocado. Essa é realmente uma vítima da cirurgia. Isso porque, se
deixassem o quisto quieto quando ele apareceu pela primeira vez, ele iria
crescer e provavelmente teria ficado do tamanho da cabeça de uma criança,
mas, se mesmo assim não mexessem, no final ele ficaria vermelho e todo
mole, abriria um buraco e sairia grande quantidade de sangue e pus; assim,
o quisto melhoraria sem deixar vestígios.

Ultimamente, alguns médicos fazem operações do cérebro, em


casos de epilepsia, distúrbio cerebral, etc., mas isso não produz nenhum
efeito, pois estes não são males dos órgãos do cérebro, mas de origem

147
A Criação da Civilização

espiritual. Tratarei mais tarde, detalhadamente, a respeito do item referente


ao espírito.

A seguir, falarei sobre a cura da tuberculose pela cirurgia, muito na


moda ultimamente. Extrai-se a costela; nos pacientes que possuem um
buraco, coloca-se uma bola de resina sintética, opera-se o diafragma, etc.
Tais tratamentos surtem um efeito momentâneo, mas depois é pior. Em
suma, como sempre digo, a cirurgia é uma coisa muito prejudicial. Quando
a medicina progredir mais, entenderá essa verdade. Por isso, gostaria que
exterminassem de vez o método selvagem que é a cirurgia.

148
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 34

OS DIVERSOS ASPECTOS DOS TÓXICOS DOS REMÉDIOS

Creio que puderam compreender que todas as causas da doença


estão nos tóxicos dos remédios, mas, em se tratando deles, existem diversos
tipos; por isso, os sintomas causados por eles são inúmeros. Escreverei
detalhadamente a respeito.

Em primeiro lugar, falarei sobre os remédios ocidentais. Eles são


vários: de via oral, injeções, desinfetantes, linimentos endérmicos, etc.
Falarei primeiro sobre os de via oral, que são os mais usados desde os
tempos antigos, e sua variedade também é enorme, incontável. Se
pensarmos bem, veremos que isto é engraçado, pois toda e qualquer doença
tem uma única causa, e de acordo com o local em que ela aparece, recebe
diversos nomes. Na verdade, se o remédio fosse eficaz, um só bastaria.
Entretanto, eles são tão numerosos porque não há um que faça verdadeiro
efeito. O remédio via oral, sendo muito forte, deixa a boca áspera ou
intoxicada. Por isso, embora se fale que eles agora são mais fracos, se for
preciso tomá-los várias vezes por dia durante dezenas ou centenas de vezes,
por menos que seja a porcentagem tóxica, no total dá uma grande soma. É
engraçado que os sofrimentos causados pelos remédios ocidentais são:
dores agudas, coceiras, febre, paralisia, etc, todas elas bastante intensas,
enquanto que no caso dos remédios chineses, a dor é amena, de pouca
duração, de febre baixa, sendo mais leve.

O rícino para a diarréia, o remédio para prisão de ventre e os outros


tipos de novos remédios, de fato, momentaneamente surtem efeito, mas, no
final das contas, piora. Os laxantes enfraquecem a função de eliminar as
fezes e, por isso, fica-se com maior prisão de ventre. Por isso, seu uso
contínuo pode provocar prisão de ventre crônica. Além disso, uma vez que
os tóxicos desses remédios vão se acumulando, mesmo que aos poucos,
transformam-se na causa de outra doença. As doenças nesses casos são, em
sua maioria, dos rins. Outra coisa: fala-se para tomar laxantes para
desintoxicar os intestinos, mas isso também é uma verdadeira tolice, pois a
limpeza é feita de modo adequado pelo próprio intestino. Por isso, não há

149
A Criação da Civilização

nada o que retrucar, já que, fazendo coisas desnecessárias, estamos, na


verdade, atrapalhando. Nem é preciso dizer que, quando se acumulam
impurezas e coisas desnecessárias, os intestinos as transformam em diarréia
e fazem com que sejam expelidas. No caso de diarréia infantil também,
pela minha longa experiência, os resultados são melhores quando não se
faz com que as crianças tomem rícino.

Gostaria de advertir também sobre a lavagem intestinal; ela, como o


laxante, também é muito ruim, pois faz com que a atividade do intestino se
atrofie. Pensem bem: quando as impurezas chamadas fezes se acumulam,
elas saem naturalmente pelo ânus. Assim está feito. Entretanto, que atitude
anti-natural é tirá-las, puxando-as de fora! Nem é preciso pensar melhor
para ver que isso não é bom. Muitas vezes se faz lavagem intestinal como
meio para se abaixar a febre; fazem isso porque ignoram que a febre não
tem nada a ver com as fezes.

Já cuidei de um doente com esse problema. Era um menino de três


anos e sua barriga parecia um tambor. Perguntei o que acontecera e fiquei
sabendo que, desde pouco tempos depois que ele nasceu, vinha sendo
submetido à lavagem intestinal, e isso foi se tornando um hábito, de modo
que, sem ela, as fezes não saíam. Mesmo sabendo que isso era prejudicial,
tiveram que continuar a fazê-lo, pois a criança sofria demais. Eu fiquei
abismado com a ignorância da medicina.

Outra coisa: a medicina fala que, quando se tem prisão de ventre,


ocorre uma auto-intoxicação, mas isso também não faz nenhum sentido.
Com certeza a medicina pensa que, quando as fezes se acumulam, seu
tóxico percorre o corpo, mas isso é realmente engraçado. Por mais que as
fezes se acumulem, elas não passam para fora do intestino. Quanto mais
elas se acumulam, vão ficando cada vez mais duras; por isso, por mais que
se acumulem, não há nenhum outro prejuízo para a saúde. Pela minha
experiência, posso dizer que existem várias pessoas que não evacuam
durante um ou dois meses e, nos piores casos, por meio ano, e nada sentem
de anormal. Há algum tempo, li numa revista feminina que havia uma
pessoa que não evacuava há dois anos, mas que nada sentia de anormal. Por
tudo isso, não há motivos para a preocupação com a prisão de ventre.

150
A Criação da Civilização

Já falei a respeito dos remédios para gripe, tuberculose, estômago,


intestino, etc. Além desses, existem calmantes para o cérebro, colírio,
remédios para gripe, para tosse, para dor, etc, e todos os remédios podem se
tornar a causa do aumento e agravamento da doença, mas nenhum é capaz
de curá-la. Darei diversos exemplos a esse respeito.

Em primeiro lugar, vejamos os remédios para dores de cabeça: por


um momento, eles se mostram eficazes, mas, no final, tornam-se hábito e,
sem que se perceba, essa toxina se acumula e se transforma em diversas
doenças. O colírio é o mais impróprio, pois, como chega a solidificar o
terçol, fica mais difícil ainda de sarar. As pessoas não sabem, mas o colírio
também é causa do tracoma. Por isso, requer muito cuidado. Isto também
depende do colírio, mas, na verdade, os tóxicos dos remédios penetram na
mucosa das pálpebras e, com o passar do tempo, começam a sair sob a
forma de terçol (erupções). Há pessoas que, embora não estejam chorando,
estão sempre com lágrimas escorrendo; isso ocorre porque, com o passar
do tempo, o colírio se transformou em lágrimas. Por isso, quanto mais sair,
mais rápido sarar-se-á, naturalmente. Entretanto, a medicina fala que isso
se deve a algum distúrbio das glândulas lacrimais. É um engano terrível. A
secreção ocular é a toxina expelida da parte frontal da cabeça ou do fundo
dos olhos, de modo que é uma coisa muito boa. Qualquer doença dos olhos
não deixará de sarar quando começar a sair secreção ocular.

Vejamos agora os remédios para o nariz. Dentre eles, o mais


temível é a intoxicação pela cocaína. Existem muitas pessoas viciadas em
cocaína. Como é uma sensação agradável no momento em que se aspira,
não se consegue mais parar. A longo prazo, ela prejudica o cérebro e não
são poucas as pessoas que morrem jovens por esse motivo, especialmente
na classe dos artistas.

A seguir, vejamos os remédios para gargarejo. Esse tóxico é


extremamente raro, mas, quando utilizado com freqüência, penetra na
mucosa da boca e, na hora de ser expelido como toxina, irrita a mucosa,
provoca catarro, a língua fica áspera, surgem pequenas feridas e, por isso, é
melhor evitá-los. São prejudiciais principalmente aos artistas que usam a

151
A Criação da Civilização

garganta. O mesmo se pode dizer de todos os remédios líquidos. Com o


passar do tempo, o tóxico que penetrou na mucosa provoca as mesmas
coisas citadas acima e, por ser um remédio forte, é maligno. Outra coisa
inesperada é que essa é também a causa do câncer na língua. Entretanto,
como a medicina tenta curá-la através de remédios, só aumenta a doença.
Os cremes dentais que contêm remédios também são terríveis para
enfraquecer os dentes.

Os linimentos endérmicos também não são de se brincar. Muitas


vezes, o tóxico dos linimentos endérmicos penetra pela pele e se transforma
na causa de diversos tipos de doença. Tempos atrás, havia um doente
assim. No início, surgiram eczemas numa parte de seu corpo. O médico,
considerando-os de caráter maligno, passou um forte linimento endérmico.
O eczema foi se espalhando cada vez mais e, em dois ou três dias, atingiu o
corpo inteiro. Até então, ele estava em tratamento num hospital muito
conceituado, mas, como lhe disseram que não havia mais esperanças, ele
me procurou. O que me deixou espantado, só de vê-lo de relance, é que
todo o seu corpo, sem uma brecha sequer, estava arroxeado e, em alguns
lugares, o eczema estava rachado, e daí escorria líquido. Ao invés de
coceira, a dor para fazer a coceira parar era maior e ele não conseguia
sequer dormir direito. Eu também vi que realmente não havia mais
esperanças e recusei-me a cuidar de seu caso. Ouvi dizer que um ou dois
meses depois ele veio a falecer.

Houve também outro caso engraçado. O doente tinha muito


enrijecimento nos ombros e nas costas. Por isso, constantemente colocava
um emplastro famoso. Depois de muitos anos dessa prática, ficaram
vestígios desse emplastro incutido por toda a região das costas, como um
desenho geométrico e, por mais que se lavasse, ele não saía. Isso aconteceu
porque o tóxico do remédio do emplastro penetrou na pele, como que
tingindo-a. Além do mais, como ele tinha dores fortes e constantes, eu tive
grande trabalho. Vi que era um tóxico muito forte, pois ele melhorou mais
ou menos em um ano. Geralmente, pensa-se que é um simples emplastro,
mas, com isso, fiquei sabendo que ele também não é de se brincar.

152
A Criação da Civilização

Ainda há outra coisa que as pessoas não fazem a mínima idéia; é


sobre o tão conhecido Jintan. O tóxico dele também é muito forte e fiquei
sabendo, através de inúmeros casos de pessoas que usavam-no com
freqüência, que seus órgãos de purificação enfraqueciam, a cor de sua face
não era boa e facilmente ficavam doentes. Esse é um tipo leve dentre as
intoxicações que têm se tornado problema nesses dias.

Escreverei agora sobre um dos campeões dos tóxicos de remédios.


É o salvarsan. Sua matéria prima é o arsênico, e ele é um tóxico trágico,
mortal em dose mínima. Por isso, ele tem forte poder de parar a
purificação, sendo muito eficaz para combater erupções de sífilis.
Naturalmente, essa erupção surge na pele devido à purificação; quando se
injeta o salvarsan, o sintoma se contrai para o interior, e por um momento a
pele fica limpa, mas não definitivamente. É o mesmo que diz a medicina: o
salvarsan é de efeito momentâneo, e por isso deve ser usado juntamente
com os outros métodos de tratamento que já estavam sendo utilizados para
esse fim. Fiz uma grande descoberta a esse respeito: o tóxico do salvarsan
sobe facilmente para o cérebro e, muitas vezes, causa doenças mentais.
Quando isso acontece, o laudo médico diz que a sífilis foi para a cabeça;
mas que ignorância! Na verdade, foi o salvarsan que prejudicou o cérebro.
Os especialistas que, cientes dessa teoria, pesquisarem o fato
suficientemente, poderão entendê-la.

A seguir, falarei dos enganos sobre todos os tipos de injeções. Elas


também são freios de purificação e seus efeitos também são por algumas
horas; se não provocarem efeitos colaterais, está ótimo. Entretanto, como
os restos desse tóxico se transformam em causa de outras doenças, é muito
problemático. Ultimamente tem-se realizado com grande afinco vacinações
preventivas para as doenças transmissíveis, mas infelizmente a sua causa
fundamental é completamente desconhecida. Não há nem meios para sua
cura. Por isso, é difícil se conseguir os resultados esperados. Entretanto,
pelo método do nosso Johrei, a sífilis e as doenças transmissíveis saram de
forma muito fácil. Quando isso for conhecido por todas as pessoas, não
haverá necessidade alguma das vacinas preventivas, o que será uma grande
salvação.

153
A Criação da Civilização

Escreverei agora sobre os danos causados pela vacina preventiva. A


má influência do tóxico da vacina preventiva aparece mais claramente no
fato de aparecer uma pequena ferida na parte abaixo do joelho. Se a
deixarmos ao natural, inchará até certo ponto, até que surja um orifício por
onde sairá a vacina, em forma de pus. Entretanto, ignorando esse fato, a
medicina utiliza linimentos endérmicos, abre a ferida, e isso faz com que
ela seja prolongada. Dependendo da vacina, ela se torna a causa de
unheiras dos pés ou das mãos e, às vezes, chega-se a amputar os dedos.
Além disso, os que não têm muita sorte podem muitas vezes perder a vida
por causa disso.

Há algum tempo, cuidei de uma pessoa assim. Era uma senhora de


mais ou menos quarenta anos; o tóxico da vacina havia descido para o
tornozelo e se transformou em ferida. O tratamento médico foi cortar a
ferida e ela nunca melhorava. Foi piorando cada vez mais, e a dor também
era intensa e estava se espalhando. O médico dissera que não havia outro
jeito senão amputar entre o tornozelo e o joelho e a pessoa, indecisa, veio a
mim. A ferida piorou a esse ponto justamente por causa dos desinfetantes
utilizados após o corte da ferida.

Explicarei agora sobre os desinfetantes, um dos mais temíveis


tóxicos dos remédios. Originalmente, os desinfetantes têm um grande poder
de exterminar micróbios e, por isso, é fácil causar intoxicação; no caso da
cirurgia, como eles penetram diretamente no músculo, a sua influência é
maior ainda. Isso se transforma em diversas causas de doenças e, por isso,
gostaria que os médicos comparassem essa teoria à realidade. Como
exemplo disso tenho algo que ainda me resta na memória. Fui chamado à
casa de uma menina de oito a nove anos, com uma doença muito rara. Só
de vê-la, me assustei. Ela tinha um buraco do tamanho de um ovo de
galinha, no lado direito do rosto, começando nos lábios; enxergava-se até a
sua gengiva. Naturalmente, mesmo que ela comesse, a comida saía toda
para fora, de modo que ela estava vivendo apenas com o leite que faziam
escorrer aos poucos. Ao perguntar a causa do buraco, fiquei duplamente
assustado. Isto porque disseram que no início havia aparecido um sebinho,
do tamanho de um feijão e, ao consultarem o médico, ele disse que, como
aquilo era mioma de caráter maligno, era preciso queimá-lo com um

154
A Criação da Civilização

remédio bem forte. Ao proceder a tal tratamento, em uma semana a ferida


cessou. Pelo que vi, não era um desinfetante, mas um remédio bem forte.
Como nada podia fazer, recusei-me a cuidar da menina e fui embora. Ouvi
dizer que um mês depois ela faleceu. É uma coisa que nos faz refletir
muito.

Entre as injeções ou desinfetantes, existem os do tipo leve e os do


tipo pesado. Os pesados descem e os mais pesados incham entre a parte
inferior do joelho e a sola do pé e endurecem. Quando isso acontece, a sola
do pé dói tanto que não dá nem para pisar. Dependendo do remédio, ele
desce e se acumula na parte inferior do joelho; como o local fica
entorpecido, o sintoma é facilmente confundido com beribéri. A causa da
nevralgia, do reumatismo, etc, é o tóxico do remédio. Por isso, quero, antes
de mais nada, conscientizar os especialistas do terror dos tóxicos dos
remédios. O benefício que esse único fato traz à humanidade é incalculável.

155
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 35

MEDICINA DE BONECOS

Até agora vim apontando os erros da medicina contemporânea. O


ponto mais importante, entre todos eles, é que estão tratando os seres
humanos como bonecos. Na medicina existem diversos campos; medicina
interna, externa, neurocirurgia, dermatologia, doença de mulheres,
ginecologia, pediatria, neurologia, oftalmologia, otorrinolaringologia,
odontologia, etc, dividindo-se em diversos setores de especialização.

Entre os campos acima, na medicina interna há ainda subdivisão de


tuberculose, doenças do estômago e intestino, do coração, etc.

Há ainda um campo chamado medicina básica, e existem pessoas


que entregam a vida inteira às pesquisas e estudos. Utilizando cobaias e
ratos, ficam todos os dias com os olhos enfiados dentro de um microscópio
e não têm tempo para pensar em mais nada. Existem até os “doutores de
cobaias”, como todos sabem. Existem ainda especialistas no atendimento
aos leitos hospitalares, ou seja, pessoas que ficam tirando o pulso dos
doentes o ano inteiro. Existe ainda a medicina preventiva, que cuida
principalmente da prevenção contra as doenças transmissíveis, da higiene
pública e pessoal, etc..

Em se tratando de tratamentos, existem diversos tipos, a começar


pelas injeções, cirurgia, massagens elétricas, tratamentos com raios,
fisioterapia, psicoterapia, etc. Existe ainda a medicina chinesa, que utiliza
plantas, raízes e cascas de árvores, e vários tratamentos populares como
promessas, rezas, abstinências, etc. Em termos gerais, é isso; ficamos
espantados com a variedade, a quantidade e a complexidade.

Isso acontece porque realmente não existia nada que curasse de


verdade. Se existisse um tratamento que realmente curasse, haver-se-ia de
ter solucionado todos os males com ele.

156
A Criação da Civilização

O ponto em que a medicina está mais errada é considerar os seres


humanos como bonecos. Isto porque o corpo humano é uma unidade
completa, e não um corpo que foi formado com a junção de membros e
dorso. Conseqüentemente, o fato de surgir uma doença numa das partes
significa que elas não se relacionam apenas com essa, mas com todas as
partes do corpo. Por exemplo: o fato de a mão ou o pé ficarem ruins,
significa que o que está ruim não é apenas a mão ou o pé, mas as outras
partes também. Ou seja, assim como a causa está em A e ela se transporta
para B e aparece em C, tudo está ligado. Os dentes são fracos, por exemplo,
porque o corpo todo é fraco. Por isso, deixar o corpo fraco e tornar os
dentes fortes é uma coisa completamente inviável. Quando a tuberculose de
uma mulher avança, inevitavelmente ela deixa de ter menstruação, e isso se
deve à anemia causada pela tuberculose. Os que têm os intestinos fracos
sempre têm o estômago fraco; os que têm o estômago fraco têm o pulmão
fraco; os que têm os pulmões fracos têm o coração fraco, e assim por
diante. Há uma infinita e intrínseca relação.

O exemplo mais fácil de se entender é olhar o ser humano como


uma nação. Se a política do governo de uma nação for ruim, toda a
população recebe essa má influência. Da mesma forma, caso o coração, que
é o governo central do corpo humano, seja ruim, o corpo inteiro ficará
ruim. Se, no caso da nação, ela está em depressão, dificuldades financeiras,
escassez de materiais, etc, no caso do corpo humano ele está subnutrido,
em estado anêmico. Assim, uma simples dor incita o cérebro e influencia o
coração. Por isso, influencia também o estômago. A pessoa fica com falta
de apetite, seu intestino enfraquece, ela fica com prisão de ventre, cansaço,
etc, de modo que ela influencia o corpo inteiro. Quando se contrai
pneumonia, caso ela fosse uma doença só do pulmão, a febre deveria
limitar-se a esse órgão e não deveria influenciar as outras partes.
Entretanto, na verdade, devido a essa febre, o incômodo atinge o corpo
inteiro, o que evidencia esse fato muito bem. Vou escrever agora diversos
exemplos.

Uma moça de mais ou menos 20 anos sentia muita dor num dente
do lado direito e, ao lhe ministrar Johrei, logo passou. No dia seguinte, ela
veio dizendo que doía novamente. Se fosse uma dor de dente comum,

157
A Criação da Civilização

sararia com uma única ministração de Johrei. Entretanto, como ainda não
havia sarado, pensei que deveria haver algum motivo. Então fui apalpando
na região inferior do dente, cada vez mais para baixo, até que, na região do
peito, encontrei uma solidificação. Ela disse que sentia dor nesse local;
assim que dissolvi essa solidificação, ela sarou imediatamente. Entretanto,
no dia seguinte ela veio novamente com dores. Achei estranho e novamente
fui apalpando mais para baixo até que ela disse que a região do apêndice
doía muito. Ao lhe ministrar Johrei nesse local, ela sarou completamente;
como eu perguntasse, ela me disse que, anteriormente, havia feito operação
do apêndice. Com isso, entendi que a dor era causada pelo desinfetante
usado nessa ocasião. Ele se solidificara e, com a purificação, passara pelo
peito, até ser expelido pela gengiva. Como foi visto, era realmente
inimaginável que a causa da dor de dente estivesse na região do apêndice.

Um rapaz de vinte e poucos anos estava com tuberculose de terceiro


grau e lhe saía muita tosse e catarro. Como sempre, lhe ministrei Johrei na
cabeça, pescoço, ombros, etc., mas não surtia efeito. Examinando melhor,
inesperadamente vi que ele tinha solidificações nas duas axilas e nas
virilhas, e havia bastante febre nesses locais. Apertando a região, ele sentia
muita dor. “Ah, então é aqui“ – pensei, e ministrei Johrei nesse local. Com
um mês ele melhorou por completo. Naquele momento lhe disse brincando:
“Seu pulmão tinha ido para os dois lados das axilas”. Entretanto, houve
uma coisa engraçada a esse respeito. Falei sobre esse caso com um médico
famoso e ele duvidou. Então lhe falei: “Para experimentar, deixe-me ver
suas axilas”. Ele se deitou e, ao apertar o local, havia uma solidificação e
também um pouco de febre. Assim que passei a ministrar Johrei, ele
começou a tossir e a expelir catarro, e ficou espantado, dizendo apenas que
era muito estranho. Esse médico ainda hoje trabalha como professor de
uma universidade.

Um senhor de meia idade estava sofrendo de cálculo renal. Por isso,


ao ver os seus rins pela parte das costas, vi que ele tinha uma grande
solidificação nesse local. Então, vendo que aquela era a causa, dissolvi-a
ministrando-lhe Johrei algumas vezes, e com isso ele sarou.

158
A Criação da Civilização

Olhando as axilas dos que têm prolapso do ânus e hemorróidas,


sempre encontramos solidificações. Dissolvendo-as, a pessoa é curada.
Então, entendi que a causa dessas doenças está nas axilas. Entretanto, a
hemorragia da hemorróida e a disenteria devem-se à dissolução das toxinas
do sangue da cabeça. Por isso, ministrando Johrei em sua cabeça, ela
melhorará e, após a hemorragia, a cabeça ficará mais leve, o que faz com
que a doença seja identificável.

As pessoas que sentem dor de cabeça ou cabeça pesada e têm falta


de capacidade de concentração têm toxinas na parte direita ou esquerda das
glândulas linfáticas do pescoço ou no bulbo, e nesse local há febre.
Dissolvendo-as, elas melhorarão imediatamente.

Aqueles que têm a vista ruim, têm toxinas solidificadas


principalmente no bulbo e desde a região do pescoço até os ombros. Têm,
ainda, febre na parte frontal da cabeça. Ministrando Johrei nesses locais, se
o caso não for muito grave, sarará só com isso. Digo que, não operando a
vista, geralmente há cura porque, até hoje, curei por completo vários cegos.
A miopia e o astigmatismo também saram por completo dissolvendo-se as
solidificações que existem no bulbo.

No caso de apendicite, sempre há solidificações no rim direito. Seja


o estômago ou o intestino, a causa está na parte das costas; por isso, só de
ministrar Johrei nesse local, há melhora. No caso de úlcera estomacal, na
hora das dores intensas, ministrando Johrei pela frente, não há melhora
completa, mas, ministrando-o pelas costas, melhora-se por completo.

O mais engraçado é a unheira. Mesmo que ministremos Johrei só


nessa região, a dor não cessa por inteiro, mas, olhando o pescoço,
encontraremos solidificações. Ministrando Johrei aí, ela melhora.

Como puderam ver pelo que foi exposto, a doença é um sintoma


que apareceu superficialmente e sua causa está em lugares inesperados.
Desconhecendo isso, a Medicina interpreta que, curando os sintomas, a
doença é curada, e isso não se constitui num tratamento verdadeiro. Isso
acontece justamente porque não têm consciência de que o ser humano é

159
A Criação da Civilização

uma unidade completa. A melhor prova disso é que o tratamento difere de


doença para doença, e o fato de existirem diversos tipos de remédios é o
que evidencia isso muito bem.

Se a medicina realmente curasse, deveria curar todas as doenças


com um único método. Originariamente, a doença é, como já expliquei, a
solidificação de uma determinada toxina que surge em uma região do
corpo. Isto é, o tipo de doença é o tipo do local onde a toxina se solidifica.
Se compreenderem isso, o método de tratamento será um só e não haverá
necessidade de que esse método progrida. Isto porque o progresso é uma
passagem para tornar perfeito algo que é imperfeito. Só através desse único
fato, poderão entender o quanto a medicina contemporânea é ignorante
quanto aos fundamentos da doença. Nesse sentido, o que até agora se
pensava ser o progresso era, na verdade, apenas o progresso da parte
externa e a doença – o principal – não era curada. Só estava indo e
voltando, permanecendo sempre no lugar.

160
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 36

A SAÚDE FALSA E A SAÚDE VERDADEIRA

Como escrevi detalhadamente até agora, a doença é uma ação


purificadora, e creio que puderam entender que a medicina veio cometendo
o engano de acreditar que parar a ação purificadora era o método de curar a
doença. Escreverei melhor a esse respeito agora.

As pessoas em geral parecem saudáveis. De qualquer forma,


embora a maioria das pessoas que estão trabalhando possua toxinas, como
elas estão muito solidificadas, a ação purificadora não ocorre.
Conseqüentemente, estão numa situação em que não se sabe quando
ocorrerá uma repentina purificação. É por esse motivo que sempre há uma
insegurança infundada. É como se estivessem carregando uma bomba.
Preocupam-se se não vão ficar gripadas se forem expostas ao frio e,
quando surgem doenças transmissíveis, se não serão afetadas por elas.
Ficam nervosas pensando se não estão na fase inicial de tuberculose
quando começam a tossir um pouco, sentir mal-estar físico e cansaço. Se a
barriga dói, ficam com medo de que seja o início de apendicite ou
peritonite. Se a gripe se prolonga, preocupam-se se não estão com
tuberculose. Se estão com febre alta e ficam ofegantes, imaginam que estão
com pneumonia. Se perdem o fôlego ou sentem o coração acelerar,
preocupam-se com as doenças do coração; se as pernas lhe parecem
pesadas, pensam se não seria beribéri. Sentem os olhos ficarem inchados e
inflamados; se as cadeiras estão pesadas, indagam se não estão com
problemas nos rins. Se sentem os quadris ou a região inferior da barriga
doer e esfriar, ou se têm corrimentos, as mulheres sofrem pensando se não
estão com doença do útero. Se a criança não tem ânimo, pensam que é
prenúncio de uma grande doença e se preocupam.

Dessa forma, só de escrever por cima, vimos tudo isso. Portanto,


imaginamos o quanto os homens da atualidade temem a doença e estão
apavorados. Uma vez doentes, é senso comum ir a um médico e tomar
remédios. Não posso deixar de ficar admirado ao ver como puderam chegar
a acreditar a esse ponto na medicina. Apesar disso, se pensar como eu era

161
A Criação da Civilização

antes, não estou na posição de falar dos outros. Certa vez, aconteceu o
seguinte fato: creio que foi mais ou menos quando eu tinha 30 anos e fui a
uma região de águas termais num lugar bem afastado. Assim que cheguei à
hospedaria, perguntei à funcionária:

- Nessas termas existem médicos?

- Sim, há um médico – respondeu.

- É um médico comum ou um cientista?

- Ouvi dizer que se formou este ano.

Ao saber disso, fiquei tranqüilo, pensando que poderia ficar


sossegado nesse local. Entretanto, mais tarde, sabendo que existiam muitas
pessoas iguais a mim, vi que não era tão excepcional. Também aconteceu o
seguinte: como ninguém sabe quando irá ficar doente, eu procurava um
médico gentil que me atendesse quando fosse chamado, mesmo durante a
noite, com um simples telefonema. Achei um médico assim e por isso
tratava-o com a maior consideração, até que ficamos como se fôssemos
parentes. Ele foi padrinho de meu casamento com minha atual esposa, e
isso mostra o quanto eu acreditava na medicina, nessa época.

Conseqüentemente, entendo muito bem que as pessoas em geral


depositem total confiança na medicina. Por esse motivo, não é de se
espantar que os homens contemporâneos estejam absortos na superstição da
medicina. Entretanto, quando descobri que a medicina, ao invés de curar as
doenças, faz justamente o contrário, fiquei assustadíssimo. Porém, uma vez
sendo esta a verdade, não há outro meio senão acreditar nela.

Falando francamente, embora a medicina enfraqueça o próprio


físico e diminua a vida, pensam que ela é motivo para gratidão e não
percebem que estão enganados. Conseqüentemente, destruir essa
superstição deve ser a primeira coisa para se salvar o mundo. Entretanto, é
realmente um problema muito grande fazer com que as pessoas entendam
isso. Como já disse, estão totalmente dopados pela superstição da medicina

162
A Criação da Civilização

e, mesmo que vejam ou ouçam com seus próprios olhos e ouvidos, ou


mesmo que elas próprias ou seus familiares se curem de uma grave doença
através do Johrei, existem pessoas que não acreditam. A maioria das
pessoas está tão dopada pela superstição da medicina que, embora não se
curando através dela ou de qualquer outro tratamento médico, e após usar
tanto dinheiro, com a doença piorando cada vez mais, chegando a passar
perigo de vida e chegando a pensar em suicídio, essas pessoas, mesmo que
ouçam sobre o Johrei, não conseguem aceitá-lo. Entretanto, os que já estão
nas últimas, mudando o seu pensamento, recebem Johrei, mesmo
incrédulos e duvidosos. Poderão entender o estado psicológico dessas
pessoas lendo os muitos relatórios que colocarei no final.

Tudo o que escrevi é uma demonstração do quanto o homem


contemporâneo teme a doença e o quanto ele acredita na medicina; teme-se
a doença porque ela não sara com a medicina, fato este muito freqüente.
Quando se pega um pequeno resfriado e se tem um pouco mais de febre,
pensa-se que é o início de uma grave doença e, por outro lado, acha-se que
é um pequeno resfriado e tenta-se eliminá-lo. Mas, no fundo, fica um peso
na cabeça, devido à preocupação com o caso de acontecer algo ruim. Todos
já experimentaram algo assim. Tudo isso acontece porque não conseguem
ter total e absoluta confiança na medicina.

Se a medicina realmente curasse, os resfriados e as dores de cabeça


sarariam sem maiores dificuldades, e até as grandes doenças seriam logo
diagnosticadas e solucionadas. A confiança na medicina aumentaria se
todas as doenças logo tivessem sua causa descoberta, como fazer para curá-
las, se se soubesse em que pontos os tratamentos de até então estavam
errados e, depois do diagnóstico, como ficaria a pessoa, caso se soubesse
claramente se haveria perigo de vida ou não, etc. e se, ao falar tudo isso
para os doentes, realmente acontecesse conforme foi dito; qualquer pessoa
depositaria nela confiança absoluta e, obviamente, a preocupação pelas
doenças não existiria. Se as pessoas entendessem que a doença é uma ação
purificadora e que com ela as impurezas do corpo humano são purificadas,
deixando-as mais saudáveis, ficariam até contentes. Assim deveria ser a
verdadeira medicina.

163
A Criação da Civilização

O problema é ver se esse método de cura das doenças, equivalente a


um sonho, existe. Para espanto geral, ele se concretizou através da minha
pessoa e, atualmente, está evidenciando grandiosos efeitos. Nós não
falamos em doença, chamamos isso de purificação. Não é uma palavra
agradável? E, como na realidade ela também é agradável, posso afirmar
esse fato.

Escreverei agora sobre a saúde falsa e a saúde verdadeira, conforme


diz o título deste texto. A saúde falsa, como já disse, é a condição em que
mesmo tendo toxinas solidificadas, ainda não surgiu a purificação. A saúde
verdadeira é a condição em que não surgem doenças porque não há
nenhuma toxina. Porém, certamente não haverá nenhuma pessoa com saúde
verdadeira, e o sistema de higiene e saúde também devem ter surgido por
causa dessa insegurança. Conforme o exposto, quase todos os homens
contemporâneos são “falso-saudáveis” – a maioria tem algum tipo de
doença. Se trabalham um pouco mais que o normal, sentem imediatamente
dor de cabeça e endurecimento no pescoço e ombros; se fazem um
exercício um pouco mais forte, sentem falta de ar e ficam com um pouco de
febre. Pegam resfriados com facilidade e qualquer comida lhes causa
intoxicação, ficam com dor de barriga e disenteria. Sempre ficam de cama
por determinado número de vezes ao ano, faltam ao serviço e precisam ser
internados algumas vezes por ano. Por esse motivo, nunca se sentem
seguros quanto à própria saúde, e sempre estão apavorados. Os mais
assustados se submetem à cirurgia por qualquer motivo. As senhoras um
pouco mais ricas extraem o apêndice, fazem operação de câncer no seio,
extraem os ovários e não são poucas as que são iguais a doentes. As
pessoas, em geral, até amputam os dedos devido à unheira, extraem um dos
rins, cortam o nervo do diafragma devido à asma, abrem o cérebro,
amputam pernas e braços e ultimamente a moda é fazer operação de
tuberculose. Dessa forma, fazem com a maior normalidade uma coisa
terrível. Entretanto, isso não tem jeito, pois a medicina não tem outro meio
senão esse, de modo que não existem pessoas tão dignas de pena como os
homens da atualidade.

Por conseguinte, apesar de todo esse progresso da cultura, as


pessoas não podem ao menos desfrutar de seus benefícios e muitos são os

164
A Criação da Civilização

que sofrem acamados. Conforme foi visto, se pudermos fazer com que os
falsos saudáveis – que possuem a semente da doença – tornem-se
desprovidos de toxinas, e se criarmos verdadeiros homens saudáveis,
exerceremos a verdadeira medicina, e isso será uma grande e inédita boa-
nova para a humanidade.

165
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 37

VACINA
A vacina foi descoberta em 1798 pelo médico inglês Edward
Jenner. Esse evento é mundialmente célebre, mas na verdade não se trata
de uma descoberta original de Jenner. Muito tempo antes dele, as moças da
Grécia costumavam introduzir uma agulha nas erupções purulentas dos
pacientes de varíola, para depois inocular o líquido purulento sob a pele.
Isso causava-lhes um ataque leve de varíola que as preservava das marcas
bexiguentas de um ataque mais grave. O que Jenner fez foi descobrir um
preparado imunizador a partir da varíola do boi. É claro que isso se
constituiu numa ação meritória extraordinária. Devemos lembrar ainda a
firme consciência de cientista que caracterizava Jenner, capaz de realizar,
sem arrependimento, qualquer sacrifício pelo bem da humanidade, que o
levou corajosamente a executar sua primeira experiência em seu próprio
filho bem-amado. Felizmente essa experiência foi coroada de êxito, o que
contribuiu ainda mais para que Jenner fosse reverenciado, até hoje, como
um verdadeiro salvador, como todos sabem.

A varíola

A pessoa atacada de varíola, além de correr perigo de vida, fica,


quando consegue curar-se, com uma porção de marcas de bexigas
desagradáveis à vista, espalhadas pelo rosto. Isso torna a doença ainda mais
temível. O fato de ter sido possível escapar à essa ameaça com grande
facilidade deve ter enchido de alegria os contemporâneos da descoberta.
Entretanto, eu descobri que essa inovação, celebrada como uma grande
descoberta, converter-se-á, no futuro, em causa de muitas doenças. Se me
perguntarem se os resultados da vacina são positivos ou negativos, sou
obrigado a responder que são negativos. Explicarei agora detalhadamente
as razões.

Trata-se de uma teoria que eu venho proclamando há mais de dez


anos, resultante de uma descoberta nada inferior àquela de Jenner. Em
primeiro lugar, temos de considerar as verdadeiras causas da varíola. Nem
é preciso dizer que elas estão nas drogas. A ingestão de drogas por muitas

166
A Criação da Civilização

gerações sucessivas acarreta a formação de um tipo especial de toxina,


transmitida por hereditariedade. Assim, concluímos que nunca existiu
nenhuma época em que a humanidade não tenha usado nenhum tipo de
remédio. Os casos de maior densidade dessas toxinas hereditárias são
interpretados erradamente pela medicina como sendo sífilis hereditária.
Essas toxinas hereditárias congênitas estão sujeitas a um processo
purificatório durante o qual elas tentam ser expelidas através de erupções
cutâneas. Esse processo é a varíola. Daí concluímos que a vacina nada mais
é do que um expediente para interromper esse processo purificatório. Isso
ainda poderia ser tolerável, mas acontece que dessa forma as toxinas da
varíola permanecem no interior do organismo, convertendo-se em causas
de diferentes doenças. O que nós temos é a conversão de um sofrimento
que ocorre uma vez só durante um prazo muito curto em inúmeras formas
de sofrimento que ocorrerão a longo prazo. É necessário, pois, tomar
consciência desse equívoco. A tuberculose é a mais maléfica das doenças
que podem sobrevir em conseqüência disso. Não há quem não deixe de
assustar-se ao compreender esse fato. Li num livro que um médico francês
constatou o aumento da incidência da tuberculose depois da difusão da
vacinação. Achei que ele teve uma excelente compreensão. Entretanto,
temos de considerar o problema das feias marcas deixadas pela varíola. O
sofrimento causado pela doença dura pouco tempo, mas as marcas das
bexigas permanecem por toda a vida, causando muito sofrimento. Esse fato
deve ter dificultado a rejeição da vacina, fazendo com que essa constatação
do médico francês tenha sido relegada ao esquecimento. Além disso, creio
que ninguém terá imaginado que as toxinas da varíola possam converter-se
em causa de tuberculose e outras doenças, conforme minha descoberta.

O ideal seria descobrir um método capaz de curar a varíola em


pouco tempo, sem deixar marcas de bexigas. Isso resolveria
definitivamente o problema. O caso é que isso é perfeitamente possível
através da ministração do Johrei de nossa religião. Como essa declaração,
por si mesma, dificilmente seria objeto de confiança, apresentarei um
exemplo concreto que a reforce. Trata-se da Sra. Akiku Mizuno, de 23
anos, residente em Nagoya, Naka-Ku, Shitamae-tsu, no.135. O jornal Eikô
Shimbum no 103 registrou sua alegria em ter sido curada da varíola quatro
meses depois de ingressar em nossa religião.

167
A Criação da Civilização

A constatação desse fato real não deixará margem para a menor


dúvida. Porém, a aplicação desse método de cura restringe-se aos
japoneses. Os estrangeiros, mesmo que venham a conhecê-lo, não poderão
recorrer a ele, por impossibilidade geográfica. Assim, até que surja uma
ocasião adequada para sua difusão, não é possível abolir a vacina e a
situação atual terá de ser mantida. Ainda que as pessoas se abstivessem da
ingestão das drogas causadoras da varíola, a eliminação completa levaria
duas ou três gerações, já que a abstenção imediata das mesmas seria
também impossível.

As conseqüências da suspensão, através da vacina, da eliminação


das toxinas da varíola, podem ser divididas em duas categorias. A primeira
é a que foi exposta acima: essas toxinas convertem-se em causas de
tuberculose e outras doenças. A segunda conseqüência é a sarna. Ela
consiste em um processo perfeito de purificação através do qual as toxinas,
detidas pela vacina, procuram sair pela pele. Basta observar os sintomas da
sarna para compreender facilmente este fato. Eles são semelhantes aos de
uma varíola crônica e nos casos mais graves ocorrem erupções típicas de
varíola, com uma porção de caroços arroxeados, que provocam intensa
coceira e dor. O processo é bastante longo, levando cerca de um ano nos
casos comuns e vários anos, nos casos mais graves. Eu próprio levei cinco
ou seis anos até alcançar a cura completa.

168
A Criação da Civilização

VOLUME III

169
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 38

JUÍZO FINAL

Vim, até agora, escrevendo da forma mais minuciosa possível sobre


os erros da medicina contemporânea e sobre como deve ser a verdadeira
medicina. Por isso, creio que puderam entender, de um modo geral.
Entretanto, isso não corresponde à totalidade, pois o que vim explicando
até agora correspondia, principalmente, à parte física, ou seja, material.
Portanto, podemos dizer que é a metade. Por conseguinte, se não
compreenderam fundamentalmente a outra metade, não entenderão a
verdadeira medicina, em sua totalidade.

Dentro daquilo que já expliquei, presumo ter escrito bastante sobre


a existência do espírito, sobre a sua natureza e sobre a influência que ele
exerce, mas foram explicações diretas sobre a doença em si. O que
explicarei agora constitui tudo o que se refere ao espírito, a parte interna do
homem. Conseqüentemente, uma vez que diz respeito ao espírito que é
relacionado intrinsecamente à religião, o assunto se estende à própria
religião e atinge também a natureza do Espírito Divino. No final, essa
teoria transformar-se-á em religião, mas muito diferente das religiões
tradicionais do tipo de fé farisaica. Nem é preciso dizer que é diferente
também da forma explicativa esotérica e misteriosa, como o são os sutras, a
bíblia, o ofudessaki (livro de ensinamentos da religião Oomoto), etc. Minha
teoria é sempre lógica e positivista, e podemos dizer que, ao contrário
daquelas, é também científica e filosófica. Por isso, os homens
contemporâneos, lendo-a compenetradamente, não deixarão de
compreendê-la e sentir ressonância. Em outras palavras, podemos dizer que
ela é a natureza do profundo e delicado Mistério, o qual, sendo elevado e
inatingível, as pessoas temiam tocar.

Vou explicá-lo integralmente, porque, até o presente, a maioria das


coisas religiosas e metafísicas estava coberta pela cortina do mistério, e a
sua natureza não estava esclarecida. Por isso, como não se sabia a natureza
do ente que chamamos Deus, quase ninguém, exceto algumas pessoas,
acreditava, por exemplo, na Sua existência. Como resultado, a ciência

170
A Criação da Civilização

material tornou-se alvo de crença absoluta, até que todos se enganaram,


pensando ser Verdade o que não era, e passaram a não saber sequer
distinguir o que serviria para dar felicidade à humanidade; foi utilizada por
Satanás, acabando por se transformar em instrumento que deu origem à
infelicidade, ao contrário do seu objetivo primeiro. Como resultado, ela
manifestou o mundo de doenças, deu origem ao sofrimento econômico e
criou a causa da guerra; por isso, através desses fatos, podemos ver que,
para salvar esse mundo cheio de sofrimentos, é preciso, antes de mais nada,
desvelar a Verdade Pura e fazer com que a humanidade e, principalmente,
os povos civilizados e os intelectuais, conscientizem-se dela. Esse é o
elemento fundamental, que fará nascer a verdadeira cultura. Afirmo que
não existe absolutamente outro além desse.

Nesse sentido, para primeiramente esclarecer os erros da medicina,


escreverei a Verdade tal qual se revela, através do espelho da verdade. Por
isso, não há absolutamente nenhum erro no que digo. Eu, pessoalmente,
nada tenho contra a medicina, mas, perante a necessidade de salvar a
humanidade, é inevitável que o faça. Conseqüentemente, se por um acaso
eu não o fizer, é claro que alguma outra pessoa o fará, por ordem divina.
Isto porque, como sempre digo, além da chegada do tempo, a ação da
vontade Divina de Deus (Jeová) é não permitir nenhum adiamento, e, por
isso, o Juízo Final já está prestes a chegar. Então, Deus começou, em
primeiro lugar, a fazer o Juízo sobre a medicina, e essa é a missão que me
foi confiada. Isto porque, como já disse, a solução da vida humana é a
condição fundamental da cultura. Conseqüentemente, para fazer com que o
problema seja compreendido, é preciso que ele seja explicado de forma
adequada à época, de forma que os homens modernos possam compreendê-
lo. Uma vez que ela é uma Verdade inédita, isso se faz ainda mais
necessário.
Por tudo isso, este livro é uma grande contribuição cultural nunca
vista em toda a história. Na posição de quem recebeu essa grande
incumbência, não consigo expressar, nem por palavras e nem pela escrita, o
peso de minha responsabilidade.

171
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 39

DOENÇAS ESPIRITUAIS

Agora, escreverei sobre as doenças espirituais. Elas são, em suma,


doenças causadas por encosto. Os encostos possuem os mais diversos
sintomas. Por isso, escreverei um a um, pela ordem.

1) Câncer

Entre os tipos de câncer, o mais freqüente e problemático é, sem


dúvida, o câncer do estômago. Como já expliquei detalhadamente sobre o
câncer estomacal autêntico, a maioria é encosto de espírito de cobra. Por
uma cobra ter sido morta por essa pessoa em uma vida anterior, ou por um
ancestral seu, o espírito de ódio dela encosta para fazer a pessoa sofrer.
Esse sintoma aparece em toda a região abdominal. Seu tamanho é pequeno,
mas, tal como a cobra, algumas vezes é redondo, outras, comprida, e se
movimenta igual à cobra quando nada. Nesse momento, causa dor violenta,
mal-estar, falta de apetite, etc., e, com um pouco de atenção, pode-se
perceber a sua mudança de um local para outro. De qualquer forma, como é
espírito, mesmo que se faça a cirurgia, aquilo que na hora do diagnóstico
existia, não é encontrado. Isto acontece porque, sendo o espírito de uma
cobra invisível, mesmo que ela se transfira para outro lugar, não é
percebida.

A natureza original da cobra é ter um forte apego e, como já foi


dito, ela persegue a pessoa até outras vidas, para se vingar. Esse tipo de
câncer até que é facilmente curável, mas mesmo em se tratando de espírito
de cobra existem umas que são de caráter extremamente maléfico. É o caso
em que um ser humano, devido ao pecado do apego à vida, degradou-se
caindo no mundo das bestas e renasce como cobra. Os espíritos
enraivecidos desses seres vingam-se fazendo com que haja sofrimento
naqueles que os engoliram. Por isso, é realmente problemático. Esse
sintoma dificilmente aparece até a meia-idade, mas a partir dessa época
começa a mostrar toda a fúria. No início, em forma de falta de apetite,
dores, mal-estar, etc., e, à medida que avança, surgem uma ou várias
solidificações, perceptíveis só de se tocar a região, e passa-se a ter ânsia de

172
A Criação da Civilização

vômito. Avançando mais ainda, surgem gosmas no estômago inteiro.


Quando isso acontece, perde-se o apetite e, sem outra alternativa, coloca-se
o dedo na garganta para forçar o vômito. Com isso, o tanto que diminui de
gosma, o estômago fica vazio e, por isso, entra um pouco de alimento
líquido. Por isso, a pessoa vai ficando cada vez mais impossibilitada de
comer, até que morre de fraqueza. Essa gosma é materialização daqueles
espíritos e, por isso, quando há bastante gosma, significa que a cobra
engoliu muitos seres.

Por esse fato, não haverá erro se julgarmos que o sintoma de


vomitar é câncer estomacal autêntico. Entretanto, embora seja raro, pode
não ser câncer estomacal. Há casos em que se vomita gosma, mas esta é
bem rala e clara, o que dá logo para se ver. Em princípio, quando há o
sintoma de expelir gosma espessa, pode-se pensar, sem erro, que é câncer
estomacal autêntico.

Em seguida, vejamos o câncer do reto. Ele surge na região do reto e


não é de caráter móvel, mas sim, fixo. O reto é canal de passagem das fezes
e, por isso, a sua passagem é impedida. O tratamento que se faz para isso é
extrair a parte cancerosa, através da operação; como não se tem mais a
passagem das fezes, coloca-se, do lado da barriga, um dreno; não há nada
pior que isso. De qualquer forma, como ele está constantemente aberto, as
fezes vão saindo ininterruptamente por esse orifício. Por isso é preciso
sempre colocar fraldas, como se faz com os bebês. Dependendo do
movimento, há perigo de que o intestino saia por ele, e o sofrimento
causado por isso não é nada pequeno.

A maioria das pessoas se lastima, dizendo que é melhor morrer,


mas às vezes existem pessoas que, embora reclamando, vivem bastante. A
causa desse câncer está na vida anterior, por tomar atitudes que impedissem
a purificação dos pecados de outras pessoas, ou seja, por praticar crimes,
como perdoar uma pessoa ou tornar sua pena mais leve, tirando vantagens
para si; ou, então, por, movidos pela ambição, fazer com que outros
cometessem atos condenáveis ou passassem ilesos.

173
A Criação da Civilização

Outro câncer muito freqüente é do útero. Sua causa é o pecado do


aborto, provocado em vidas anteriores ou na atual. Isto é, o espírito
encolerizado dessa criança, que foi arrastada das trevas para as trevas,
encosta no útero. Raramente vê-se câncer vaginal. Este se deve ao pecado
de um relacionamento imoral entre homem e mulher.

Vejamos, agora, o câncer da garganta. Isso acontece com aqueles


que, nessa ou em vidas anteriores, sendo avicultores, mataram muitas
galinhas, torcendo-lhes o pescoço. Em sua maioria, é causado pelo encosto
do espírito enraivecido delas. O câncer na língua deve-se ao pecado feito
através da língua, em vidas anteriores; deve-se ao encosto de espíritos aos
quais, por causa da língua, fizemos sofrer ou causamos danos.

Além desses, existe um pecado que geralmente não é percebido. É o


pecado da transmissão de teorias erradas, maus ideais, ensinamentos falsos,
etc., fazendo com que muitas pessoas errassem, ou o pecado de espalhar
males pela sociedade. Como isso prejudica grande número de pessoas,
torna-se pecado grave.

Existem, ainda, o câncer da face, de hemorróidas, etc, mas são


muito raros. O câncer da face deve-se ao pecado de ter batido na face alheia
e, como conseqüência dos danos, receber a ira da pessoa. O câncer de
hemorróida deve-se ao pecado de receber o sentimento de ira, por ter
causado danos ao ânus.

2) Tuberculose e encosto

Dentre as causas da tuberculose, muitos são os casos de encosto.


Isto porque, na realidade, freqüentemente, quando um dos cônjuges falece,
pouco tempo depois o outro contrai tuberculose e morre. Quando um dos
irmãos morre de tuberculose, logo os outros contraem-na seguidamente, e
os sintomas também são quase iguais aos do falecido. Em casos piores,
acontece de cinco ou seis irmãos morrerem seguidamente. Vendo essas
coisas, só se pode pensar que tenha sido transmissão. Por isso, não é para
menos que a medicina considere a tuberculose transmissível.

174
A Criação da Civilização

Não afirmo que não há perigo de transmissão através de germes


(bactérias), mas é muito pouco e tenho de dizer que a maioria é causada
pelo encosto. A seguir, escreverei detalhadamente a respeito.

Normalmente, quando uma pessoa que morre de tuberculose torna-


se habitante do Mundo Espiritual, mesmo sendo espírito, ainda é
tuberculosa e o estado da doença também não muda nada em comparação
ao estado de quando ela era viva; por isso, a pessoa sofre. Nem é preciso
dizer que, como os espíritos das pessoas que morrem doentes vão para o
Inferno, eles continuam a passar pelos sofrimentos do Inferno, além do
sofrimento pela doença; existe a solidão e tristeza de não se ter com quem
conversar. Por isso, como ele deseja alguém para conversar, tenta atrair um
de seus irmãos para perto de si. Então, como saque que se nele encostar ele
também contrairá tuberculose e morrerá, assim faz. Que coisa terrível!

Além desses, existem ainda estes casos: quando os serviços


religiosos ou Assentamento e Sagração dos Antepassados, em prol do
falecido por tuberculose, são feitos de maneira incorreta ou quando, depois
da morte, o falecido tem algum pedido a fazer. Nesse casos, para poder
fazer esses pedidos, o espírito encosta na pessoa em quem confia. A pessoa
que recebe o encosto, naturalmente, fica como se estivesse tuberculosa.
Como as pessoas em geral não percebem isso, pensam que pegaram o vírus
da doença e os médicos também afirmam isso. Eles recebem tratamentos e
mais tratamentos, até morrer. Citarei um bom exemplo que aconteceu.
Há mais de dez anos, quando eu ainda estava na fase de
aprimoramento, minha esposa ficou gripada e, logo em seguida, começou a
ter tosses violentas e muito catarro, que expelia sem fim. Às vezes, chegava
a sair catarro misturado com sangue. Por isso, vi que eram sintomas de
tuberculose. Só que achei que, para ser uma tuberculose comum, não
deveria ter acontecido tão repentinamente assim, e que deveria haver algum
motivo. Por isso, fiz um exame espiritual. Mais tarde, escreverei de forma
detalhada sobre isso, mas o que pude saber através desse exame foi que, há
mais ou menos um ano, eu havia curado um jovem de vinte e poucos anos
que estava gravemente enfermo com tuberculose de terceiro grau. Só que
uma ou duas semanas depois, ele acabou falecendo e o encosto era de seu
espírito. Perguntando o desejo do espírito, ele disse que, enquanto vivia,

175
A Criação da Civilização

seu pai cuidava dele, mas como ele era muito pobre, depois de sua morte,
nem sequer fez o Ofício Religioso de Assentamento e Sagração dos
Antepassados. Por isso, ele não tinha onde ficar, e o seu sofrimento era
insuportável. Então, queria que alguém fizesse ofício por ele. Eu aceitei de
bom grado e lhe disse: “Hoje está muito tarde e, por isso, farei isso por
você amanhã à noite: mas com você encostado neste corpo, ela fica
sofrendo. Por isso vou lhe fazer uma oração. Assim que terminar, afaste-se
imediatamente dela”. Ele concordou, e, terminada a oração, minha esposa,
sem saber de nada, ficou normal, como se nada estivesse acontecido. Esse é
um exemplo bem claro, e por isso eu também fiquei admirado.

3) Doenças psíquicas

Dentre as doenças espirituais, as que ocupam o primeiro lugar


certamente são as doenças psíquicas e a epilepsia. Escreverei
primeiramente sobre as doenças psíquicas.

Elas são perfeitas doenças espirituais, e é claro que nada têm a ver
com o corpo físico, pois pessoas saudáveis ficam com essa doença. Como
todos sabem, ela faz com que uma pessoa saia de seu estado mental
normal; sua consciência fica completamente desregulada. Esse estado
também difere de pessoa para pessoa. Uma única pessoa não só se
transforma de diversas formas como também, durante um dia, ou melhor,
em uma hora, sofre transformações incríveis. A medicina também tem feito
pesquisas e mais pesquisas a respeito dessa doença, mas ainda não a
compreende. Eis porque não se vê nenhum progresso nos efeitos dos
tratamentos empregados. Só houve progresso nas instalações, e nos
diversos planos para lidar com pacientes. Embora não seja um caso de vida
ou morte, é preciso colocar a pessoa num hospital, pois é necessária muita
mão de obra; é uma doença muito trabalhosa. Atualmente, as instalações
públicas estão todas lotadas e as particulares acarretam grandes gastos. É
uma tristeza. Ultimamente, têm-se feito operações do cérebro para curar
doenças psíquicas ou a epilepsia, mas parece que isso não surte nenhum
efeito.

176
A Criação da Civilização

Como a medicina é uma ciência material, não é para menos que ela
tenha se utilizado da operação. Essa doença tem uma relação muito
pequena com o corpo físico; a ação do espírito, invisível, é a principal, de
modo que não há outra maneira senão curá-la espiritualmente. Escreverei
mais detalhadamente.

Conforme já escrevi acima, ela é uma doença espiritual e é causada


pelo encosto; mesmo nesse caso, o local do encosto limita-se à parte frontal
da cabeça, e isso acontece porque a energia espiritual desse local torna-se
fraca, ou seja, é uma anemia parcial. A causa dessa anemia pode ser, como
já disse, a facilidade de ajuntar toxinas na região do pescoço, as quais se
solidificam perto da medula e das glândulas linfáticas. Essa solidificação
pressiona as veias e, por isso, a quantidade de sangue que é enviada para o
cérebro diminui. O problema agora é saber porque o espírito encosta.
Antes, porém, é necessário conhecer muito bem o Mundo Espiritual.

O Mundo Espiritual é o mundo de terceira dimensão, que existe


além do Mundo Material e do Mundo Atmosférico. Ou seja, como ele é um
mundo mais imaterial que o atmosférico, até hoje era considerado
inexistente. Conseqüentemente, a maioria das pessoas – com exceção de
uma parte – não acreditava nesse mundo. Isso porque a ciência material não
atingiu um nível de progresso suficiente para conseguir apreendê-lo.
Entretanto, na realidade, ele é muito mais importante que o Mundo
Material e o Atmosférico. Ou melhor, ele é o mundo da força geradora de
todas as coisas existentes no Universo. Tudo que existe neste mundo é
criado e desenvolvido por essa força.

Em outros termos, a parte frontal deste mundo é o Mundo Material


e a parte de trás é o Mundo Espiritual. Em termos de homem, o corpo físico
pertence ao Mundo Material e o espírito, ao Mundo Espiritual. Por isso,
com a morte – sejam homens ou animais – o corpo físico é abandonado no
Mundo Material e o espírito volta a viver no Mundo Espiritual. Ou seja, a
morte do ser humano é a destruição do corpo. O espírito é preservado pela
eternidade.

177
A Criação da Civilização

Dentre todos os animais que se tornaram entes do Mundo


Espiritual, a raposa, o texugo, o dragão, cobra, etc, encostam no espírito
dos seres humanos vivos. Isto porque, como já falei, uma parte do cérebro
do espírito do ser humano está tênue, enfraquecida. Caso ele estivesse
íntegro, perfeito, seria impossível nele encostar. Explicarei melhor; por
exemplo: se o espírito íntegro fosse 100% e estivesse enfraquecido 10%, a
sua integridade seria de 90%. Por isso, o encosto é de 10%. Quando o
enfraquecimento vai para 20 ou 30%, e ultrapassa mais da metade, ou seja,
os 50%, o espírito encostado ganha esse tanto de força e o espírito humano
perde. Por isso, ele fica à mercê do espírito encostado. Essa é a verdadeira
causa das doenças psíquicas.

Assim sendo, a causa das doenças psíquicas é a anemia cerebral. E


ela se deve à pressão feita pela solidificação das toxinas no cérebro.
Entretanto, se fosse só anemia, ainda não haveria problema. A anemia
causada pela pressão na medula é a causa da insônia. Isso é o que há de
mais temível. Dessa forma, sem exceção, o homem fica com insônia
durante dias seguidos, antes de ficar débil mental. Isto porque, na realidade,
a anemia cerebral é um sintoma material, físico, mas espiritualmente, o
espírito desse local está tênue, ou seja, há um enfraquecimento do espírito.
Os espíritos satânicos encostam de acordo com a insuficiência da energia
espiritual, ou seja, de acordo com a quantidade de máculas do espírito.
Assim que encosta, o caráter diferente deles age livremente, à mercê da
vontade animal. Esse é, em suma, o sintoma das doenças mentais. A
porcentagem desses animais é a seguinte; o espírito de raposa, 80%; o
espírito de texugo, 10%; o restante é de outros espíritos. O exposto refere-
se à doença psíquica pura. Só que existe algo espantador, que ninguém
percebe: quase todos os seres humanos estão com uma leve debilidade.

Obviamente, isso acontece porque todos os seres humanos possuem


um pouco de deficiência no cérebro. Até os melhores têm 10% a 20% de
insuficiência, e as pessoas comuns, mais ou menos 30% ou 40%. Até os
40% ainda não há problema, mas, ultrapassando os 50%, é perigoso. Isso
porque a pessoa se transforma em débil mental genuíno. Entretanto, o grau
de encosto nunca é sempre igual. Está sempre oscilando, pois ele depende
da insuficiência do cérebro, porque a espessura do espírito está sempre

178
A Criação da Civilização

variando. Além disso, existem dois tipos de encostos. O espírito de animal


que encosta permanentemente na pessoa, desde o nascimento, e o espírito
que encosta uma vez por outra, a posteriori.

Explicarei detalhadamente a esse respeito, agora.

Quando o homem vem ao mundo, como já disse, inicialmente nele


habita uma alma espiritual. Essa alma espiritual é uma partícula divina e ela
é o centro e também o personagem principal do ser humano. Chama-se
Espírito Primordial. Em seguida, há um espírito que sempre protege o
homem durante toda a sua vida. Chama-se Espírito Guardião. É o espírito
escolhido entre os ancestrais que receberam qualificação, e a ele é dada a
função de proteger a pessoa durante toda a sua vida terrena. O outro é
chamado Espírito Secundário, e é de um animal. É animal, mas na verdade
ele exerce uma função imprescindível na vida humana. Explicarei então a
respeito desses três espíritos.

Todos eles são os espíritos que qualquer ser humano possui,


regularmente. O primeiro, o Espírito Primordial, é uma partícula de Deus.
Por isso, sua natureza é o próprio bem. Afirmações que são feitas desde os
tempos antigos, como: “O caráter do homem é bom”, indicam isso. O
segundo, o Espírito Guardião, se esforça para, nos casos em que o ser
humano encontra-se em perigo, fazer com que se livre dele, pois fica
sabendo do acontecimento previamente, porque ele ocorre primeiramente
no Mundo Espiritual. Muito se fala que às vezes parecemos receber avisos
ou que, em certo momento, não havia disposição para se fazer determinada
coisa. São os avisos do Espírito Guardião. Ele faz também com que o ser
humano não cometa um crime que intenciona, e adverte-o constantemente
para que não seja influenciado pelo Mal, tentando torná-lo um homem de
bem. Como melhor meio para isso, tenta encaminhá-lo para a fé.
Entretanto, por mais que ele se esforce, quando se depara com um dos
demônios fortes, às vezes ele sai perdendo, o que traz resultados infelizes.
É esse o problema. Por isso, o Espírito Primordial está sempre em busca de
forças para vencer os demônios. Para tanto, é preciso que o ser humano
ingresse numa religião excelente. É por isso que, a cada dia, aumentam as
conversões para a nossa Igreja.

179
A Criação da Civilização

O terceiro, o Espírito Secundário, é um espírito de animal. Por isso,


como caráter originário do Mal, sem um minuto de descanso, tenta fazer
com que o homem pense no Mal e pratique o Mal. O Mal, em suma, é a
raiz dos desejos materiais. Qualquer pessoa deseja dinheiro, mulheres, luxo
e conforto, honrarias, mostrar-se importante, ganhar em apostas e
competições, fazer sucesso, conseguir tudo o que deseja e assim por diante.
Surgem-lhe desejos sem fim. Então, desde os tempos antigos, através da fé,
são feitos aprimoramentos, com a intenção de reprimir esses desejos
ilimitados, ou seja, as paixões mundanas. De qualquer forma, até hoje, a
sociedade humana veio salvando-se da destruição. Por isso deve sentir
muita gratidão.

Entretanto, na realidade, se o homem não tivesse esses desejos


materiais, também seria catastrófico. Isto porque ele perderia a importante
capacidade de ação. Por isso, este é um ponto muito difícil. Então, o que se
deve fazer? Não é nada difícil saber. Em outras palavras, basta que o
homem manifeste ao máximo o seu bom sentimento, atribuído por Deus, e
vença o Mal que recebe do animal.

Entretanto, isso tem um limite próprio. Isto é, o Bem e o Mal não


podem terminar a disputa definitivamente. Entendemos o sentido disso
quando interpretamos a letra – homem, pessoa; é a forma que desce
do céu; é a partícula de Deus ( ). é o formato dos animais que estão
na superfície terrestre.

Assim sendo, o pressiona de cima e o sustenta. Por isso,


fica no meio ( 間 )de e , o que mostra que a letra 間 – ser
humano, está bem adequada. Isto é, o ser humano possui tanto o Bem como
o Mal. Se, por natureza, o bem estiver ganhando, mesmo que pouco, não
haverá erro. Conseqüentemente, o homem, quando se eleva, torna-se divino
e, quando se corrompe, equipara-se ao animal.

Através dessa teoria, é possível controlar, até um certo limite, os


desejos ilimitados. E, se essa é a Verdade, ultrapassando esse limite não

180
A Criação da Civilização

será mais , ou seja, tomará o formato de . Como isso significa


eliminação, advém a destruição.

Pela razão acima, a verdadeira maneira de ser do homem é ter


forças suficientes para controlar o Mal. Caso contrário, não se poderá ter
tranqüilidade. Entretanto, para isso ele necessita de forças. E, como essa
força deve ser atribuída por Deus, a fé torna-se necessária. Com ela,
estejamos onde estivermos, conseguiremos, sem nenhuma preocupação,
tornarmo-nos felizes para sempre.

O Espírito Guardião, que durante o seu aprimoramento no Mundo


Espiritual tomou conhecimento da verdade que expus acima, tenta com
todas as forças encaminhar seus descendentes para o Bem. Entretanto, o
Espírito Secundário age exatamente ao contrário. Por isso, tenta atrapalhar
ao máximo, tentando-o para o Mal, de modo que eles estão sempre lutando
no interior do ser humano. Isso é o que todos experimentam. E não é só
isso. É preciso saber outra coisa também. Cada ser humano possui caráter e
capacidades diferentes. Isso porque Deus assim fez, devido à necessidade
de constituir o Mundo. Para ajudar, o Espírito Guardião, tentando
manifestar ao máximo a natureza da pessoa, esforça-se dedicadamente
segundo as ordens divinas. Como meios para se conseguir isso, em
primeiro lugar, o Espírito Guardião, para polir o espírito da pessoa, lhe dá
um grande sofrimento. Ele é um aprimoramento para a elevação. O
sofrimento varia de acordo com a missão da pessoa, podendo ser grande,
médio ou pequeno. Por exemplo, quanto maior for a missão de uma pessoa,
maior será o seu sofrimento. Por isso, deve-se até sentir alegria. Eu, por
exemplo, sou assim. A mudança de destino acontece porque a ordem divina
de mudar o trabalho da pessoa é dada ao Espírito Guardião.

Também as divindades estão divididas hierarquicamente e, da


mesma forma que ocorre no mundo humano, possuem diversos tipos de
função. Mesmo no caso de se dar ordens ao homem, isso é feito por uma
divindade que corresponde ao seu nível. Nesse sentido, escreverei sobre a
constituição do mundo humano.

181
A Criação da Civilização

Falando de forma compreensível, vendo a humanidade


horizontalmente, cada pessoa tem um potencial diferente. Olhando, porém,
verticalmente, só há diferença entre superior, médio e inferior. Como prova
disso, o governante de um povo, de um país ou de uma religião, possui uma
capacidade adequada para sê-lo. O fato de os que estão na posição máxima
serem apenas alguns, mesmo no mundo inteiro, e à medida que se desce, a
quantidade ir aumentando – quanto mais inferior maior é o número –
possui esse significado. E Deus, em Sua Providência, dispôs tudo sem
nenhum exagero ou insuficiência, de forma adequada e sábia.

Essa Sua profunda e minuciosa vontade é completamente


insondável pelos seres humanos. Aplicando isso aos minerais, entendemos
melhor. A começar pelo melhor, temos o diamante, a platina, o ouro, a
prata, o bronze, o chumbo, o ferro e assim por diante. Quanto melhor,
menos é a sua existência. No caso do ferro, um dos inferiores, sua
existência é maior, o que deixa muito claro o fato exposto. Só de saber
dessa realidade, creio que entenderam o verdadeiro aspecto da sociedade
humana.

De acordo com essa teoria, deverão entender o quanto está errada a


luta de classes. Retrocedendo um pouco o assunto, voltarei a explicar sobre
as doenças psíquicas, mas agora sob um outro aspecto.

Na sociedade, até as pessoas muito eminentes, vez por outra,


vacilam, pensam coisas erradas ou praticam ações descabidas, com o que
todos pensam: “Uma pessoa como ela não deveria fazer uma coisa dessas;
que fato inesperado ele ter cometido um erro daquele tipo!” Também pela
História, vemos diversos heróis que, levados pelo charme de uma mulher,
estragaram, de uma só vez, milhões de excelentes feitos. Isso acontece
porque, como já disse, a insuficiência de 10% ou 20% comumente não é
perigosa, mas, quando se tem sucesso e se consegue o que se quer, a
insuficiência do cérebro aumenta devido à presunção e ao ego. Um espírito
animal com poder correspondente encosta, ou o Espírito Secundário
domina e começa a agir como bem entende; com isso, ela aumenta para
mais de 30%, de modo que a inteligência também obscurece. Por isso, o

182
A Criação da Civilização

que a pessoa faz pensando ser um bem traz resultados contrários, e ela sai
perdendo. Os heróis são exemplos muito freqüentes.

Conforme o exposto, por mais eminente que seja uma pessoa, se ela
não tem fé, quando o espírito de animal ou espírito do mal encosta, faz com
que a pessoa ache que um determinado método é o melhor que existe. E,
como a inteligência do Mal é muito ardilosa, a pessoa nada percebe. Por
esse motivo, acaba falhando, o que é terrível. Uma coisa de que precisamos
tomar especial conhecimento é que, quanto mais esse método for utilizado
para atingir vantagens egoístas, maior será a falha. Em contraposição, se
for utilizado para o amor altruísta, para o bem do mundo e de todos, mesmo
que haja falhas, será possível se recuperar dela. Isso porque o primeiro não
tem a proteção de Deus, mas o segundo tem.

No Mundo Espiritual, existem infinitos espíritos maus que


transitam fazendo diabices. Por isso, é só acharem uma brecha que logo
encostam. Fazem com que a pessoa se engane, vacile e pratique o mal, para
que caia na infelicidade. E, como esse é o instinto deles, não podemos nos
descuidar nem um segundo. Entretanto, o Espírito Guardião é quem, ao
contrário destes, tenta fazer com que eles não consigam dominar a pessoa.
Portanto, é preciso fazer com que o Espírito Guardião adquira bastante
força e, para tanto, devemos ingressar numa excelente fé e ser abençoados
com o Poder de Deus.

4) Epilepsia

A seguir, vamos para a epilepsia. Ela parece ser uma doença


psíquica, mas não é. Essa doença se deve, em sua totalidade, ao encosto de
espírito de pessoa morta. A melhor prova é que, assim que a pessoa tem um
ataque epilético, mostra os sintomas de uma pessoa que morreu afogada: a
pessoa espuma e se debate sofrendo.

Aqueles que têm ataques epiléticos só de ver água têm encosto de


espíritos de pessoas que, sem querer, caíram na água ou nela foram jogadas
e lhes resta o pavor desses momentos. Os que têm ataques ao ver o fogo
são encosto de espíritos de pessoas que morreram queimadas. Além desses,

183
A Criação da Civilização

os que têm medo e sofrem ataques só de ver animais, cobras e diversos


tipos de insetos, é porque morreram por causa deles.

Existe ainda o caso de pessoas que têm ataques quando ficam no


meio da multidão. Isso se deve ao encosto do espírito de pessoa que morreu
pisoteada. O mesmo se aplica àqueles que temem entrar em trens ou bondes
ou quando alguém se aproxima por trás.

Há algum tempo, aconteceu este fato muito diferente: uma pessoa


não conseguia conter o medo de ficar sozinha dentro de casa e por isso saía
para o portão e ficava esperando que alguém chegasse. Isso também é
causado pelo temor que resta, pelo fato de ter morrido de alguma doença
repentina, quando se estava sozinha em casa, em uma vida anterior.
Através do que foi exposto, creio que poderão ter uma idéia geral da
questão.

5) Paralisia infantil

Como estou na introdução, escreverei agora sobre a paralisia


infantil autêntica. Em sua maioria, ela é causada pelo encosto do espírito do
avô ou avó, que morreu de anemia cerebral. A cauda disso é que quando
uma pessoa que, enquanto viva, era descrente e não acreditava na
existência do Mundo Espiritual morre repentinamente de anemia cerebral,
mesmo que vá para lá, não tem consciência de que morreu e pensa que está
viva. Como esse espírito não tem o corpo físico, procura desesperadamente
um corpo para si. Nesse caso, pela lei do Mundo Espiritual, ele não pode
encostar em qualquer pessoa, e por isso procura alguém de sua linhagem
espiritual. Naturalmente, a linhagem está ligada pelo elo espiritual e, por
ser fácil encostar em crianças, a maioria visa os netos ou netas, e neles
encosta. Nesse caso, durante alguns dias a criança tem febre e fica com
sintomas de debilidade e imobilidade na metade do corpo. Ela fica como se
tivesse sido acometida de apoplexia, devido à causa que escrevi acima.

184
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 40

OS TRÊS ESPÍRITOS DO HOMEM

Todo homem tem, no Mundo Espiritual, um Espírito Guardião que


constantemente o protege. É comum ouvirmos dizer que o homem é filho
ou templo de Deus: isso significa que ele possui a partícula Divina que lhe
foi outorgada pelo Criador e que constitui seu Espírito Primordial. O
espírito animal agregado após o nascimento é o Espírito Secundário; pode
ser de raposa, texugo, cão, gato, cavalo, boi, macaco, doninha, dragão,
tengu31, aves, etc. Em geral, há uma espécie para cada pessoa, mas em
casos menos freqüentes há mais de uma. Dificilmente os homens da
atualidade acreditam nisso; creio mesmo que chegam a escarnecer.
Contudo, através de inúmeras experiências, eu compreendi que se trata de
uma realidade incontestável.

O Espírito Primordial é o Bem, é a consciência; o Espírito


Secundário é o Mal, são os pensamentos vis. No budismo, dá-se à
consciência o nome de Bodaishim (espírito do Bem) ou Bushim
(sentimento de misericórdia búdica), e os maus pensamentos são chamados
de Bonno (desejos mundanos).

Além desses dois espíritos - Primordial e Secundário - existe o


Espírito Guardião. É o espírito de um ancestral. Quando uma pessoa nasce,
é escolhido entre seus ancestrais um espírito que recebe a missão de
guardá-la. Via de regra, é espírito humano, mas também podem ser
espíritos híbridos de homem com dragão, raposa, tengu etc. Meu Espírito
Secundário, por exemplo, é Karassu-tengu32 , e meu Espírito Guardião é
dragão.

É muito freqüente, diante de um perigo, o homem se salvar


miraculosamente, sendo avisado em sonho ou tendo um pressentimento.
Isso é trabalho do Espírito Guardião. O mesmo se pode dizer em relação à
inspiração recebida por artistas e inventores, no momento em que,
31
Tengu: ser misterioso que, segundo a crença popular, habita as montanhas. Tem forma
humana, asas, rosto vermelho e nariz comprido, sendo possuidor de poderes extraordinários.
Porta sempre um grande leque. É orgulhoso e amante de discussão e jogo
32
Karassu-tengu: variedade de tengu com cabeça de corvo

185
A Criação da Civilização

compenetrados, estão criando alguma obra. No caso de querer satisfazer os


desejos corretos do homem ou fazê-lo receber graças através da Fé, Deus
atua por intermédio do Espírito Guardião. Os antigos provérbios "A
verdadeira sinceridade se transmite ao Céu", ou "A sinceridade se
transmite a Deus", significam a concessão das graças Divinas através do
Espírito Guardião.

186
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 41

MEDICINA MATERIAL E MEDICINA RELIGIOSA

Até agora, vim escrevendo sobre os erros da Medicina


contemporânea, ou seja, da Medicina Material, e os princípios patentes da
Medicina Religiosa. Aqueles que os lerem, se não estiverem presos à
Medicina tradicional, certamente haverão de compreendê-los.

O objetivo verdadeiro da medicina é curar por completo a doença


do ser humano, e formar físicos verdadeiramente saudáveis. Sendo assim,
isso deveria aparecer na realidade. Nem é preciso dizer, a essas alturas, que
o verdadeiro físico saudável é aquele que, pela vida inteira, não precisa se
preocupar com a doença. Se pessoas assim aumentassem, realizar-se-ia o
ideal da humanidade: o mundo sem doenças. Conseqüentemente, a
verdadeira medicina é aquela capaz de se aproximar gradativamente desse
ideal.

De acordo com o que foi escrito acima, ao ler compenetradamente a


teoria baseada na verdade, qualquer pessoa haverá de concordar com ela.
Por isso, se essa medicina religiosa não for a verdadeira medicina, qual
poderá sê-la? Nesse sentido, não se deveria levar essa medicina, o quanto
antes, ao conhecimento de toda a humanidade e fazer com que ela receba
seus benefícios? Além do mais, essa medicina religiosa não só torna o
corpo físico do homem saudável como também torna a sua mente íntegra.
Assim sendo, a pobreza, considerada o maior sofrimento humano, e a
guerra, motivo de terror, serão solucionados. Conseqüentemente, nem é
preciso dizer que essa é uma boa-nova tão grandiosa, que não há palavras
para expressá-la.

Um dos maiores obstáculos que existe a esse respeito é a medicina


material da época contemporânea, que durante longos séculos veio se
consolidando, e pela qual toda a humanidade estava obcecada; desde os
especialistas até à mentalidade das pessoas em geral, todos vieram
depositando nela quase que religiosamente uma fé absoluta. Por isso, com
um método simples é impossível fazer com que eles despertem.

187
A Criação da Civilização

Esse é o grande empreendimento a nós atribuído e, em termos


comuns, podemos dizer que é quase impossível. No entanto, se deixarmos a
situação como está, o sofrimento da humanidade aumentará ainda mais, até
que poderá chegar à destruição dos povos civilizados. Assim sendo,
aconteça o que acontecer, é preciso levar a medicina religiosa ao
conhecimento de todo o mundo, o quanto antes. Como conseqüência, se as
pessoas em geral a compreenderem, causar-se-á um grande alarde mundial
e, naturalmente, uma grande revolução na medicina material. Realmente,
não haveria uma revolução tão grande como essa em toda a história da
humanidade, e esse é um problema incomparável, maior que o da guerra.
Isso porque, caso ocorra a Terceira Guerra Mundial, ela se limitaria a um
tempo e local limitados. Entretanto, a questão da medicina é um problema
eterno, que se relaciona com toda a humanidade. Pelo que foi visto, caso se
concretize o mundo sem doenças que ninguém conseguia imaginar nem em
sonhos, como ficará a longevidade do ser humano? Nem é preciso dizer
que tornar-se-á possível viver mais de cem anos e, com isso, o ideal da
humanidade será concretizado. Não há meios para se saber qual era a
longevidade do homem, antes dos primeiros registros históricos, mas, pelo
que a história mostra, nunca se viu as pessoas, em geral, viverem mais de
cem anos. Isso porque, excetuando-se as calamidades, a maioria morre pela
doença. O fato de o ser humano morrer pela doença não é, jamais, normal.
É anormal. Naturalmente, morrer doente não é morte natural, é anti-natural.
Caso os seres humanos não tivessem doença, todos deveriam morrer de
morte natural e, por isso, não seria nada estranho que se vivesse mais de
cem anos.

Ainda há uma coisa que resta falar. Como já disse, a causa da


doença tem seu fundamento nas máculas do espírito. A origem do
aparecimento das máculas se deve não apenas aos pecados do homem e aos
tóxicos dos remédios; ainda existe uma outra causa muito importante. São
os fertilizantes usados nos produtos agrícolas. Não se sabe como era na
época primitiva, mas podemos imaginar que eles são usados desde tempos
bem remotos. No Japão, existe o estrume e os fertilizantes químicos que
começaram a ser usados recentemente. No exterior, temos os fertilizantes
químicos e, antes deles, não há dúvidas de que utilizavam algum outro tipo

188
A Criação da Civilização

de fertilizante. Originariamente, o estrume humano é bastante prejudicial,


mas isso era ignorado completamente, até agora. Isso porque, até agora,
pensou-se que o fertilizante, uma vez sendo absorvido pelo produto
agrícola, age de forma eficaz e não causa nenhum efeito secundário.
Pensavam exatamente que ele, tal como a verdura no corpo humano, só
tinha efeitos positivos e os resíduos de tóxicos não sobrariam. Entretanto,
pela revelação divina, descobri que, de fato, até que surja o fruto, a
quantidade tóxica diminui bastante, mas não é eliminada completamente.

A esse respeito, recentemente o presidente de uma grande


companhia de laticínio dos Estados Unidos apresentou os resultados de sua
longa experiência; de acordo com eles, o gado alimentado com grama
cultivada com fertilizantes químicos tinha má saúde e o leite também era de
má qualidade. Ao contrário, criando-o apenas com gramas cultivadas à
base de compostos orgânicos, o gado ficava saudável e a qualidade do leite
também era excelente. Por ele ter feito uma intensa propaganda dessa
descoberta, ultimamente, ela tem sido reconhecida em todas as regiões, e o
governo americano também prometeu apoiá-lo. Além disso, como as
pesquisas de escolásticos e experiências reais confirmaram esse fato, ele
está se tornando, pouco a pouco, consenso geral. É o que estava escrito
recentemente numa revista especializada dos Estados Unidos. Esse senhor
diz também que, no que se refere à doença dos seres humanos, também
aumentaram as de caráter maligno, depois que se começou a usar os
fertilizantes químicos. Entretanto, já falei há dez anos sobre ambos os fatos,
mas os intelectuais do Japão, diferentemente daqueles dos Estados Unidos,
têm a tendência de nem ligarem para novas teorias. Além disso, justamente
por eu ser um religioso, ele não deram a mínima atenção e vieram
encarando minha teoria supersticiosamente. É bem claro o quanto esse
ponto de vista atrapalha o progresso da cultura. Creio que puderam
entender pelo que foi exposto, mas, de qualquer forma, se o pecado, o
remédio e os fertilizantes artificiais forem os fundamentos da doença,
eliminar esses três males deve ser o primeiro dos objetivos para a salvação
da humanidade. Entretanto, o remédio e o fertilizante podem ser eliminados
a partir deste momento, imediatamente, mas o maior problema é o pecado.
Este, é claro, não tem outro meio de solução a não ser através da religião.
Mesmo assim, podemos dizer que não existe uma religião capaz de realizar

189
A Criação da Civilização

isso. E, se a religião que preenche essas condições é a nossa Igreja


Messiânica Mundial, a minha responsabilidade é enorme. Nesse sentido,
estou a tocar o sino da advertência aos intelectuais do mundo inteiro,
através deste livro.

A esse respeito, tenho um fato muito importante a comunicar de


antemão. Escreverei em seguida.

190
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 42

A TRANSIÇÃO DA NOITE PARA O DIA NO MUNDO ESPIRITUAL

Um fato importantíssimo é a grande Transição da Noite para o Dia,


que ocorre no Mundo Espiritual. Ou seja, a troca da Noite pelo Dia. Todos
poderão retrucar que isso é muito estranho, argumentando que a noite e o
dia existem no período de vinte e quatro horas. De fato, não há a menor
dúvida quanto a isso, mas a noite a que me refiro é a do grande universo.
Se conseguirem entender isso, conseguirão apreender um grande Mistério,
inimaginável pela inteligência humana. Com isso, entenderão também a
direção do mundo daqui para frente, e poderão ter idéia de como será o
futuro.

Como disse há pouco, o mundo é constituído de três elementos: o


Mundo Material, o Mundo Atmosférico e o Mundo Espiritual. Enquanto
que o dia e a noite são perceptíveis no Mundo Material e no Mundo
Atmosférico, ou seja, aos cinco sentidos do homem e podem ser
apreendidos por aparelhos, o Dia e a Noite do Mundo Espiritual são como
o nada, impossíveis de serem apreendidos. Por isso, mesmo que as pessoas
leiam este texto, será difícil que nele acreditem de imediato. Eu também,
caso não houvesse tomado conhecimento da existência de Deus, seria como
as pessoas comuns. Mas uma vez que eu tenho essa grande missão, estou
numa relação íntima e inseparável com Deus. Por isso, consigo
compreender com exatidão.

De acordo com isso, tal como acontecem a noite e o dia no período


de vinte e quatro horas, também no Mundo Espiritual eles existem no
período de dez, cem, mil ou dez mil anos. Por conseguinte, cada transição
reflete-se na humanidade e, embora isso aconteça com absoluta exatidão no
Mundo Espiritual, a sua transposição para o Mundo Material tem um certo
atraso inevitável. Tendo isso em mente e observando a longa história,
vemos diversas modificações, pequenas, médias e grandes. Elas ocorrem
devido à transição. Com isso, quero mostrar o ponto principal, relacionado
à grande Transição do Mundo.

191
A Criação da Civilização

Antes de mais nada, qual é a época da grande Transição? Ela


iniciou-se em 15 de junho de 1931 e vai até o dia 15 de junho de 1961. A
primeira fase corresponde a esses trinta anos. Pensando em termos da
mentalidade humana, trinta anos é um período muito longo. Entretanto, em
se tratando da Providência Divina no Universo, eles representam um breve
instante. Esses trinta anos não têm, no Mundo Material, uma mudança
súbita. Ela vai avançando pouco a pouco e, somando-se aos períodos
anterior e posterior que entremeiam esses trinta anos, significa que são
usados mais de sessenta anos. Isso acontece porque se necessita de um
tempo de preparação e de organização da pós-transição.

Conforme o exposto, o sentido dessa transição é: até hoje,


estávamos no Mundo da Noite, ou seja, o mundo era dominado pela Lua.
Entretanto, ele está tomando o aspecto profetizado pelos dois grandes
religiosos, Sakyamuni e Jesus Cristo, de que o Mundo se tornaria Dia.

De acordo com o Livro Sagrado Budista, Sakyamuni disse: “Atingi


o supremo estado de elevação espiritual aos setenta e dois anos”. Certo
dia, logo após esse acontecimento, ele estava muito diferente do que
sempre era, com um desânimo muito grande. Então, um de seus discípulos
lhe perguntou: “Senhor, vejo que hoje estais muito tristonho, o que nunca
acontece. Por acaso algo lhe preocupa? Ele respondeu de imediato: “Até
agora, como trabalho de toda a minha vida, criei o budismo e vim me
esforçando incansavelmente para salvar todo o povo. Mas hoje tive uma
revelação inesperada do Grande Buda. De acordo com ela, à chegada de
um determinado tempo, o nosso budismo se extinguirá. Por isso, fiquei
muito decepcionado”. Ele disse ainda: “Descobri, através do supremo
estado de elevação espiritual, que no grande número de sutras que vim
divulgando até agora, há muitos erros. De agora em diante eu pregarei a
verdade. Por isso, adquiram sabedoria através dela.” É certeza que os
sutras escritos a partir dessa época, constituem a essência do budismo. São
eles: vinte e oito volumes de hoke-kyo (o sutra de Lótus), Hoometsujin-kyo
(o sutra sobre a extinção do budismo) e Miroku Shutsuguen Jooju-Kyo (o
sutra sobre o advento de Maitreya). Quem descobriu esse fato foi Nitiren
Shonin. Ele disse que todas as outras doutrinas religiosas eram pregadas
anteriormente ao Supremo Estado de Elevação Espiritual (kenshinjitsu) de

192
A Criação da Civilização

Sakyamuni, e por isso não eram a Verdade. Afirmou que só o Hoke-Kyo


constituía a Verdade do Budismo; negou todas as outras religiões e, com
grande ímpeto, pregou essa doutrina. Não podemos censurar
impensadamente essa declaração desrespeitosa e negligente.

Analisarei, agora, o significado dos vinte e oito volumes do Hoke-


Kyo. O vigésimo quinto volume deste sutra, o Kannon Fumon, contém um
grande mistério. Isso porque o Hoke-Kyo é a flor da lei e, no final, é preciso
fazê-la desabrochar. O local do florescimento é o Japão e a pessoa que o
fez é Nitiren Shonin. Por isso, ele desfraldou o Hoke-Kyo e, enfrentando
incontáveis dificuldades, divulgou-o a todo o Japão. Ele conseguiu isso por
ter essa forte convicção.

Originariamente, como já disse, o budismo é o Ensinamento da


Luz. É a sombra, é feminino. Deve ser por esse motivo que Sakyamuni
disse: “Na verdade, sou do sexo feminino”. Shonin utilizava um método
totalmente inédito. Assim que terminou o seu aprimoramento, ele entoou,
em voz alta, as palavras de cinco letras: Myo-ho-ren-gue-kyo em direção ao
Sol nascente, no topo do monte Kiyossumisan, de Awa, sua terra natal; a
partir desse momento, empenhou-se na divulgação do Hoke-Kyo. Essa
história famosa tem um significado, pois, até então, todas as seitas do
budismo entoavam as seis letras da palavra sagrada: Na-mu-a-mi-da-butsu.
Ora, cinco é o número do Sol e seis o número da Lua. Até então, como
todos sabem, o budismo era de caráter negativo e, de repente, com o
nascimento da religião Nitiren, manifestou ao máximo o caráter positivo.
Passou-se a tocar tambores, enfeitar flores, entoar os sutras em voz alta,
etc. Tudo era alegre. Floresceu de verdade a flor do budismo. A sociedade
dizia que essa religião era a Flor do Budismo de uma só geração, porque a
flor desabrocha, mas suas pétalas caem. O que significa que é favorável por
uns tempos, mas não perdura muito.

Ainda há um outro mistério. É o número de 28 volumes do Hoke-


Kyo. Ele expressa os 28 dias (no calendário lunar) da Lua. No vigésimo
quinto há o Fumon-Bun, porque 25 vem de 5 x 5 = 25. 5 é Sol, é surgir. Por
isso, significa o nascer do Sol. É, portanto, o símbolo de que no mundo
budista da Lua nasceu o Sol. Ou seja, já nessa época, bem nas profundezas

193
A Criação da Civilização

da Noite no Mundo Espiritual, começara a despontar uma leve luz no


alvorecer.

É interessante que, em contrapartida a todas as seitas budistas que


nasceram do oeste, só a religião Nitiren surgiu do leste. Além disso, o
Monte Kiyossumisan do Estado de Tiba é, no Japão, a parte do extremo
leste. Já falei que esse ponto contém um grande mistério no livro História
dos Milagres, que escrevi há algum tempo, o qual gostaria que lessem
como referência. Isto é, esse local é o primeiro ponto de origem do Mundo
do Dia na Segunda dimensão do Mundo Espiritual.

Por que é preciso fazer desabrochar a flor do budismo no Japão?


Isso também contém um profundo significado. Isto é, se a flor não
desabrochar, o fruto não nasce. Esse fruto é o Mundo em seu estado
verdadeiro, e a semente desse fruto é também a ação de Nyoirin Kannon.
Como sempre digo, Kanzeon é Miroku do Sol; Amida é Miroku da Lua e
Sakyamuni, Miroku da Terra. Esses três Budas são San son no Mida, os
Três Sagrados Mirokus.

Assim sendo, os ensinamentos de Amida e Sakyamuni (Buda) são


do período do Mundo da Noite, e Kanzeon manifesta o poder de Kannon
bem no limite em que o Mundo está para se tornar Dia. Essa providência
foi prometida na antiga Índia, no momento em que nasceu o budismo. A
nossa Igreja iniciou a sua jornada como Nipon Kannon Kyodan, e eu
também desenhei as imagens de Kannon; fiz com que elas fossem
utilizadas como Imagem da Luz Divina e eu também estava
constantemente acompanhado pelo espírito de Kannon, devido àquela
afinidade.

Como Sakyamuni e Amida eram Nyorai, ficando presos ao nome de


Bossatsu de Kanzeon, algumas religiões consideram Kannon
hierarquicamente abaixo de Amida e Sakyamuni (Buda). Sabendo do
motivo acima exposto, entenderão que isso é errado. Entretanto, depois,
Sua posição se elevou e Ele se tornou Komyo Nyorai. Atualmente, como os
fiéis sabem, a atuação é de Komyo Nyorai.

194
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 43

A EXTINÇÃO DO BUDISMO E O MUNDO DE MIROKU

Mais tarde, Sakyamuni fez uma profecia maravilhosa: “Daqui a


5.670.000.000 (cinco bilhões e seiscentos e setenta milhões) de anos, o
Mundo do Budismo se extinguirá e nascerá Miroku Bossatsu, que
construirá o Mundo de Miroku”. O Mundo de Miroku é aquele onde a
pessoa pode se transportar para milhas de distância sem lá estar; ouvir uma
voz a milhas de distância sem estar nesse local e conseguir algo que se
deseja, que está a muitas milhas de distância, sem ir até lá. Era um mundo
de sonhos, inconcebível para aquela época. Entretanto, o mundo atual já
não está se tornando conforme essa profecia? Assim sendo, materialmente,
ele já se transformou no Mundo de Miroku.

No entanto, o engano dos budistas, até agora, foi esse número:


5.670.000.000. Só de se pensar um pouco, logo se vê. Isto porque, mesmo
em se tratando de Sakyamuni, não haveria motivos para que ele
profetizasse, em realidade, um mundo que estivesse numa época
infinitamente longe, como 5.670.000.000 anos. Mesmo que ele profetizasse
um mundo tão distante como esse, não teria nenhum valor. Nem é preciso
dizer que não temos sequer idéia de como ficará o globo terrestre nessa
época. Essa profecia serviu para nos dar conhecimento dos números 5, 6 e
7. Isto porque o Mundo de Miroku é o Mundo de 5, 6 e 7 a que me refiro. E
interpretando o 5, 6 e 7, 5 é o Sol, 6 é a Lua e 7 é a Terra. Isto significa que
ele é um mundo de ordem correta. Escreverei ainda mais profundamente
sobre o seu significado.

O Mundo da Noite, até agora referido, é a escuridão em que o Sol


não subiu ao Céu. Naturalmente, é um fenômeno do Mundo Espiritual e, se
o exemplificarmos de forma reduzida com o que acontece na Terra,
entenderemos melhor. À noite, a lua está no céu e ilumina o mundo.
Entretanto, ela aos poucos vai dando uma volta na Terra e desce no oeste,
escondendo-se nas sombras da Terra. Então, o Sol sobe do leste e, quando
ele brilhar bem no centro, será o Mundo do Dia. Assim sendo, o Céu é o
fogo, o Mundo Intermediário é o Mundo do elemento água e a Terra é ela

195
A Criação da Civilização

própria. Essa é a ordem de 5, 6 e 7. Resumindo, o Mundo do Dia é o


fenômeno em que o Sol, que, até então, não se avistava, brilha no centro do
Céu. Esse é o Mundo de Miroku (5.6.7).

Certo dia, Sakyamuni foi indagado por um de seus discípulos sobre


qual era a essência do budismo. Ele disse: “Em poucas palavras, é o Shin-
nyo (verdade aparente)”. Shin-nyo é, obviamente, a Luz da Lua. Nessa
época ele já mostrava que o budismo é o ensinamento da Lua. E a palavra
Shinnyo é escrita: “verdade aparente”. Por isso, não é a Verdade. É preciso
pensar muito bem a esse respeito. Nos livros sagrados do budismo, chama-
se Jisso Shin-nyo (estado verdadeiro e verdade aparente), mas é o contrário,
pois Jisso significa a Verdade, ou seja, o Mundo do Dia. Shin-nyo é o
Mundo da Noite. Por isso, pela ordem, Shin-nyo vem primeiro e, em
seguida, nasce o mundo do estado verdadeiro (Jisso). Existe outra
semelhança. No sutra está escrito Sanzen Daissen Sekai. Isso também está
ao contrário. Na oração Zenguen Sanji, escrita por mim, corrigi-o para
“Daisen Sanzen Sekai”. Isto porque Sanzen Sekai são os três mundos –
Mundo de Deus, Mundo Espiritual e Mundo Material – os quais,
englobados num só, denominam-se Daisen Sekai ( ). Grande

escreve-se ; é um e é homem, e isso significa que Deus,


Senhor do Universo, governará o mundo. Sakyamuni disse também que
este mundo é cheio de infortúnios e pecados, é um inferno de fogo, é um
mundo de desgraças e sofrimentos. Disse, ainda, que existem quatro
sofrimentos: o nascimento, a doença, a velhice e a morte; que tudo é
transitório, que todos os males serão destruídos, e essas palavras dizem
que, no mundo, todas as coisas são meras formas. Disse também: “tudo é
nada”.

Em termos gerais, o significado do que foi dito é que o Mundo é só


de sofrimentos e é impossível fugir deles. O homem, por natureza, carrega
sofrimentos. Por mais que nos debatamos, não há jeito. Por isso, o
importante é adquirir sabedoria. Isto é, a resignação. Por maiores que sejam
as esperanças do homem, isso é inútil, pois estamos no Mundo das Trevas,
onde não se sabe como será o minuto seguinte. E, como este mundo não é
definitivo, por mais que construamos coisas com suor e sacrifício, no final

196
A Criação da Civilização

das contas, tudo se reduzirá ao nada. Será o vazio. Nada tem caráter eterno.
Por isso, como todos os desejos não passam de insatisfações momentâneas,
é preciso resignar-se. Se conseguirem se resignar, poderão adquirir a
verdadeira Paz espiritual. Assim ele ensinou. Essa é a essência do
Budismo.

Se assim for, mostra muito bem o Mundo da Noite. Nesse sentido,


indica claramente que todas as coisas têm sua existência até o Mundo do
Dia. Conseqüentemente, o homem não tem outra alternativa senão esperar
até que exista o Mundo Verdadeiro. Esse era o pensamento esclarecido de
até agora.

197
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 44

AS ORIGENS DO BUDISMO

Por muitas vezes, eu já tenho explicado que a deidade Kanzeon


Bossatsu não é outra senão o deus Izunome-no-Kami. A respeito desse
problema, é necessária a compreensão da natureza fundamental do Corpo
Búdico. Falamos comumente em Buda, mas, na verdade, essa palavra
designa duas realidades diferentes: o Corpo Búdico original e as emanações
do mesmo em forma de deuses.

O Buda se originou há mais de 2.600 anos atrás, nos tempos de


Sakyamuni. Até aquela época, a Índia de hoje era chamada País de Yueh-
che, ou Gueshi-koku ( - País do Senhor da Lua). Nesse país, desde
uma época bastante remota, prosperava o chamado Bramanismo. Esse
Bramanismo não propunha nenhuma doutrina especial, apenas procurava
captar a Verdade Cósmica através da prática de penosas austeridades
físicas. Ainda nos dias de hoje, temos uma série de representações de
Arahats (Rakan), na pintura e na escultura, que mostram essas austeridades.
Como mostram essas representações, temos casos como o do famoso
Mestre Zen Torissu (Ninho de Pássaro), que por muitos anos viveu
meditando no alto de uma árvore, sentado numa armação semelhante a um
ninho de pássaro. Também temos exemplos de ascetas que passavam anos
imóveis, segurando na mão uma miniatura de pagode, em posição de Zazen
(meditação profunda, na posição sentada com as pernas cruzadas). Assim,
todos eles apresentam um aspecto estranho, mesmo quando de mãos postas
em postura de oração ou praticando Zazen. Não há quem não sinta uma
sensação de estranheza ao dar uma olhada nessas representações. Há casos
terríveis de ascetas que espetam uma porção de pregos numa tábua e
sentam-se sobre os mesmos em postura de meditação. As pontas dos pregos
abrem furos nas nádegas, provocando corrimento de sangue e uma dor
além de qualquer definição. Entretanto, suportá-la era considerado uma
prática ascética, coisa que hoje em dia está além da imaginação.

O famoso Mestre Daruma Daishi (Bodhidarma, ou Dharma)


também passou nove anos praticando o Zazen diante de uma parede. Trata-

198
A Criação da Civilização

se de uma austeridade ascética realmente extraordinária. Quero apresentar


aqui uma teoria a respeito desse mestre Dharma. Além do mestre indiano
acima citado, viveu, na China, há 1.200 ou 1.300 anos atrás, um mestre
com o mesmo nome. É freqüente a confusão entre essas duas
personalidades. O Dharma chinês esteve no Japão na época do Príncipe
Regente Shôtoku (574 - 622 d.C.) e eu tive ocasião de ouvir relatos, dignos
de fé, que atestam que ele foi recebido numa audiência pelo Príncipe.

Voltemos ao nosso assunto. Por que os ascetas do bramanismo


entregavam-se a tamanhas austeridades? Nessa época, os que buscavam a
realização espiritual consideravam essas penosas austeridades como um
método para se conhecer a Verdade Cósmica. É algo semelhante ao esforço
com que certas pessoas dedicam-se hoje ao treinamento no campo da
ciência para conseguir o grau de doutor e determinados postos honrosos. A
respeito de Daruma Daishi, temos mais uma história interessante. Durante
uma noite do nono ano de suas meditações diante da parede, ele olhou para
o céu e viu a lua cheia. A luz da lua pareceu iluminar profundamente o
interior de seu peito e, no instante em que ele assim sentiu, alcançou o
Insuperável e a Suprema Iluminação. Sua alegria atingiu então o limite
máximo. Depois disso, o Mestre Daruma, agindo à altura de quem
conseguiu a Contemplação do Real, dava respostas sábias às mais difíceis
questões, e diz a tradição que ele se destacou como o maior asceta do seu
tempo, sendo alvo da veneração de muitas pessoas.

Na Índia dessa época, o deus que era mais venerado peIo povo,
assim como no Japão se venera a Deusa Amaterassu Ookami, era o deus
Daijizai-ten-shin. Além desse, temos outros, como Daikoomoku-ten e
Taishaku-ten. Podemos ver que a maior parte deles aparece na mandala da
Escola de Nichiren. O importante é que realmente a influência do
bramanismo era dominante na sociedade. Entretanto, nessa época surgiu
subitamente a figura do Tathagata Sakyamuni. Explicarei mais adiante
todas as circunstâncias, limitando-me agora a dizer que ele era um Príncipe
Herdeiro de nome Siddharta e que, depois de um período de ascese, tornou-
se um Grande Iluminado. O Príncipe compreendeu toda a verdade a
respeito do mundo fenomênico e seu coração foi tomado por uma grande
compaixão ardente que o levou a formular o voto original de dedicar-se à

199
A Criação da Civilização

salvação de todos os seres viventes. O método que ele divulgou ao mundo


consiste na leitura de Escrituras Sagradas (sutras) com o objetivo de
alcançar a Iluminação Espiritual. Ele pregou isso amplamente às multidões,
provocando naturalmente uma grande sensação na sociedade de seu tempo.
Não é de se estranhar que todos tenham se alegrado, já que, até aquele
momento, as penosas austeridades bramânicas eram o único caminho de
realização disponível. Surgia agora a leitura das Escrituras como uma
prática ascética suave, que vinha para substituir aquelas penosas
austeridades. Isso fez com que as multidões celebrassem as virtudes do
Senhor Buda e que a cada dia crescesse o número de devotos que
ingressavam no Budismo. Não é de se estranhar, então, que o Senhor Buda
acabasse sendo celebrizado como o Grande Salvador do povo da Índia.
Assim, converteu ele toda a Índia à Lei de Buda. Tal é a origem do
budismo. É claro que depois de seu tempo a influência do bramanismo foi
progressivamente declinando na Índia. Isso não significa, porém, que ele
tenha desaparecido completamente. Ainda hoje subsiste uma parte do
mesmo e seus ascetas alegam poder manifestar os milagres dos deuses.
Dentre os sábios ingleses, muitos são os que se dirigem à Índia para
pesquisar esse assunto, e tive ocasião de ler alguns relatos anos atrás. Ainda
me lembro de que deles constava a descrição de milagres maravilhosos.

200
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 45

O DEUS IZUNOME-NO-KAMI

No capítulo anterior expliquei que Daijizai-ten (Mahésvara) era o


Deus Supremo na época em que o bramanismo era a religião predominante.
Nessa época, como já expliquei anteriormente, os deuses originários do
Japão dirigiram-se para a Índia e tornaram-se emanações búdicas. A
principal dessas emanações búdicas é o deus Izunome-no-Kami, que na
época ocupava o grau supremo na hierarquia do panteão japonês.
Entretanto, nessa época chegaram ao Japão os deuses coreanos
capitaneados por Susanoo-no-Mi-koto, que almejava derrubar Izunome-no-
Kami de Seu posto. Como Este não Se deixou derrubar facilmente,
redobraram as pressões e as perseguições, que culminaram por ameaçar
Sua própria vida.

Renunciou Ele finalmente à Sua posição e, iludindo Seus


perseguidores através de uma mudança de forma, deixou secretamente o
Japão, atravessou a China e refugiou-Se na Índia. Tomou então o nome de
Kanjizai Bossatsu e construiu um palácio cristalino numa montanha não
muito alta de nome Potalaka, numa praia do sul da Índia, para lá Se
estabelecer. Esse fato está relatado no sutra da Flor da Compaixão (Higue-
kyoo), onde se lê o seguinte: "Kanjizai Bossatsu está sentado em postura
de meditação num assento inquebrantável de ervas macias no alto do
Monte Potalaka, cercado peIas vinte e oito deidades de Sua falange,
pregando a Lei". Nessa época, o Senhor Buda ainda era um menino
chamado Zenzai Dooji.

Teve ele a ocasião de ouvir essa pregação, que abalou


profundamente seu coração, provocando uma transmutação; abandonou ele,
então, sua posição de Príncipe Herdeiro, deixando de ser o Príncipe
Siddharta. Tomado por uma grande e firme resolução, afastou-se ele do
mundo profano que se mostrava bastante corrupto na época, embrenhou-se
sozinho no Monte Dandaka (Dantoku-zan) e sentou-se em meditação sobre
uma pedra, debaixo da Arvore Bo (também chamada tília), mergulhando
em profunda contemplação, com o objetivo de alcançar a Iluminação

201
A Criação da Civilização

Suprema (anuttara-samyak-sambodhi). Há muitas versões a propósito


desse período de ascese, mas foi-me revelado que ele se estendeu por sete
anos.

Alcançado seu objetivo, deixou ele a montanha e, proclamando-se o


Tathagata Sakyamuni (Shakyamuni Nyorai), passou a pregar a Lei de
Buda. Vemos, assim, que o verdadeiro fundador do budismo foi o deus
japonês Izunome-no-Kami.

Temos mais uma prova que não pode ser ignorada do fato do
budismo ter se originado no Japão. Trata-se da Doutrina das Emanações da
Deidade Original (Honji Suijaku), freqüentemente mencionada no budismo.
Segundo minha interpretação, a expressão Honji (Sede da Deidade
Original) refere-se ao País de Origem, isto é, ao Japão. A expressão
Suijaku, por sua vez, significa espalhar o rastro (das emanações), ou
pregar ensinamentos. Assim, a expressão tem o sentido oculto de que, nos
tempos finais, o ensinamento budista deve ser espalhado por todo o Japão,
sua pátria original, onde as Flores Búdicas florescerão e produzirão seus
frutos.

Temos de considerar agora o aspecto de Kanzeon Bossatsu. Seu


ponto mais característico está nos cabelos retos, brilhantes e totalmente
negros, que são um atributo próprio dos japoneses. Contrastando com Ele,
Sakyamuni e Amida apresentam uma carapinha ruiva totalmente diferente,
o que atesta claramente que ambos os Budas eram hindus. Além disso, a
coroa, os colares e demais adereços de Kanzeon Bossatsu atestam Sua
origem nobre e o véu que cobre Sua cabeça mostra que Ele está Se
ocultando.

Além disso, dentre os discípulos de Buda, destacava-se um de nome


Hozoo Bossatsu. Ele se afastou do Senhor Buda por uns tempos e praticou
um tipo diferente de ascese. Quando esta produziu seus frutos, ele visitou o
senhor Buda e disse-lhe o seguinte: "Escolhi um lugar sagrado no Oeste da
Índia onde construí o Mosteiro de Jetavana, dando-lhe o nome de Terra
Pura da Suprema Alegria (Gokuraku Joodo, ou Paraíso Purificado). Meu
objetivo é receber ali todos aqueles que, graças ao ensinamento do Senhor

202
A Criação da Civilização

Buda, alcancem o Grau Búdico, isto é, a condição de Iluminados. Eles se


instalarão tranqüilamente na Terra Pura da Suprema Alegria, também
chamada a Terra Pura da Luz Serena (Jakko-joodo), passando toda a sua
vida imersos no êxtase da Alegria da Suprema Lei". Tal foi a promessa
feita por ele. A expressão Luz Serena refere-se à uma luz pálida e triste, ou
seja, à luz da Lua. Entretanto, quando Hozoo Bossatsu passou para o outro
plano de existência, assumiu o nome búdico de Amida Nyorai,
proporcionando a salvação a todos os seres viventes, no Mundo Espiritual.
Isso quer dizer que neste mundo os seres são salvos por Sakyamuni, mas,
no Mundo Espiritual, são eles salvos por Amida.

Finalmente, Kanjizai Bossatsu mudou Seu nome para Kanzeon


Bossatsu, que corresponde ao nome sânscrito Avalokitesvara, que mais
tarde foi traduzido, na China, pelo sábio Kumarajyuu, por Kanzeon.
Entretanto, nesse nome de Kanzeon se oculta um profundo mistério, que
passarei a explicar agora.

203
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 46

O DEUS KANZEON BOSSATSU

Referi-me anteriormente à afinidade de Kanzeon sob vários


aspectos. Como já afirmei, a razão pela qual Ele se tornou Kanzeon
Bossatsu foi, sem dúvida, a violência e a pressão do deus Sussanoo-no-
Mikoto.

Mas como ficou o trono do imperador depois da partida do deus


Izunome-no-Kami? O imperador Amaterassu, irmão mais novo de
Izunome-no-Kami, infelizmente, sem qualquer motivo, veio a falecer
repentinamente. Assim, sem outra alternativa, a imperatriz Amaterassu foi
indicada para ocupar o trono. É por esse motivo que, ainda hoje, o deus
Amaterassu Ookami, apesar de ser deus do Sol, é venerado como deusa.

Como já me reportei antes, Sussanoo-no-Mikoto ambicionava


usurpar o poder e governar o Japão. Todavia, pela sua excessiva
precipitação, não escolheu os meios para alcançar seus objetivos e
implantou uma política de força. Em conseqüência, o povo ficou numa
situação caótica, chegando a uma situação de total ingovernabilidade. Isso
desagradou ao deus Izanagui-no-Mikoto, pai de Sussanoo-no-Mikoto, e a
repreensão que este recebeu foi inevitável. O comportamento de Sussanoo-
no-Mikoto deveu-se igualmente ao fato de ser ele um deus de linhagem
coreana. Como posteriormente ele não se arrependeu, continuando com o
mesmo comportamento, sem outra alternativa, foi decidido que seria
expulso do Japão. No Kojiki (registros de histórias antigas do Japão) consta
o seguinte:

"Devido ao seu mau comportamento e à sua desastrosa


administração, o deus Sussanoo-no-Mikoto foi repreendido pelo deus
Izanagui-no-Mikoto e mandado para o Mundo Espiritual. Como sua mãe,
a deusa Izanami-no-Mikoto, encontrava-se lá, ele planejou ficar com ela,
em reclusão, até ser perdoado. Antes de partir para o Mundo Espiritual,
foi ao Céu despedir-se de sua irmã mais velha, a deusa Amaterassu
Ookami."

204
A Criação da Civilização

Sobre isso, o Kojiki registra:

“O deus Sussanoo-no-Mikoto, fazendo estremecer as montanhas e


rios, tentou subir ao Céu. Ao saber disso, a deusa Amaterassu Ookami
ficou deveras assustada, desconfiando que seu irmão mais novo vinha para
atacá-la. Quando ele chegou ao Céu e se encontrou com a irmã, sentiu
algo de anormal no comportamento dela. Disse-lhe então: 'Parece que
você, minha irmã, está suspeitando de mim, mas não tenho nenhum
pensamento vil. Sou inocente e vou-lhe apresentar uma prova'. Assim
dizendo, desembainhou a espada e mergulhou-a na água do poço Manai.
Nesse momento nasceram três deusas: Itikishima-Hime-no-Mikoto, Okitsu-
Hime-no-Mikoto e Taguiri-Hime-no-Mikoto. Amaterassu Ookami
retrucou: 'Eu também vou lhe mostrar a pureza do meu sentimento'.
Dizendo isso, tirou o colar pendurado ao peito, sacudiu-o igualmente na
água. Aí nasceram cinco deuses masculinos: Ameno-Oshihomimi-no-
Mikoto, Ameno-Hohi-no-Mikoto, Amatsu-Hikone-no-Mikoto, Ikutsu-
Hikone-no-Mikoto e Kumano-Kussubi-no-Mikoto."

Naturalmente, isso é uma metáfora. Na realidade, Sussanoo-no-


Mikoto chamou suas três filhas e Amaterassu Ookami, seus cinco vassalos.
Os dois, tendo cinco homens e três mulheres como testemunhas, tentaram
firmar um compromisso. Esse compromisso tinha como ponto de referência
o lago Biwa-ko, situado em Oomi, na atual província de Shiga-ken, também
denominado lago Shiga-no-ko ou, como me referi acima, Ama-no-Manai.
A parte leste ficaria sob o domínio da deusa Amaterassu Ookami, e a parte
oeste, sob o domínio do deus Sussanoo-no-Mikoto. Foi firmado, assim, o
compromisso que, nos termos atuais, seria um tratado de paz. Esse
compromisso é conhecido pelo nome de Compromisso de Yassuga-Hara.
Ainda hoje existe uma vila chamada Yassuga-hara, à margem direita do
lago Biwa, o que me leva a crer que o compromisso foi firmado nesse
local.

Durante um curto período, houve momentos de tranqüilidade.


Contudo, o deus Sussanoo-no-Mikoto, como sempre, não conseguia
manter-se em reclusão e, por esse motivo, teve sua expulsão consumada.

205
A Criação da Civilização

Vou referir-me agora à deusa Ryuuguu-no-Otohime (Princesa do


Som do Palácio do Dragão), conhecida há muito por todos. Para isso,
torna-se necessário retroceder um pouco no tempo.

Havia cinco irmãos, de sexo masculino e feminino, nascidos dos


deuses Izanagui-no-Mikoto e Izanami-no-Mikoto. O primogênito chamava-
se Izunome-Tennoo; o segundo filho, Amaterassu-Tenno; o terceiro filho,
Kan-Susanoo-no-Mikoto; a primogênita, Wakahimeguimi-no-Mikoto, e a
segunda filha, Hatsuwakahime-no-Mikoto.

O deus Izanagui-no-Mikoto fez primeiro Izunome-Tenno governar


o Japão. Depois, deu essa incumbência ao imperador Amaterassu-Tenno e,
a seguir, à esposa deste, a imperatriz Amaterassu-Koogoo. Sussanoo-no-
Mikoto, desde o início, foi incumbido de governar a Coréia. Destinaram-
lhe, como esposa, naturalmente, uma princesa coreana. Como ela se tornou
esposa do irmão, os irmãos dele começaram a chamá-la de Otooto-Hime
(Princesa do Irmão Mais Novo). Abreviando ainda mais, passaram a
chamá-la de Oto-Hime (Princesa do Som). Antes, ela era chamada de
Otome-Hime, talvez porque, no tempo de solteira, no nome coreano incluía,
também, o ideograma arroz.

Como foi exposto anteriormente, desde que seu marido saiu numa
viagem sem destino, Otooto-Hime (Princesa do Irmão Mais Novo) ou Oto-
Hime (Princesa do Som) teve, naturalmente, uma vida solitária. Assim, ela
retornou logo à Coréia, sua pátria, e ali construiu um palácio magnífico,
onde vivia com inúmeras criadas.

Nessa época, um jovem chamado Tarô, nascido no Japão na região


de Shinshu, que gostava muito de pescar, sempre ia para o alto-mar, saindo
da praia situada nas imediações de Hokuriku. Certo dia ele defrontou-se
com uma grande tempestade e, com muito esforço, conseguiu se salvar,
chegando a uma praia da Coréia. Neste país, os japoneses eram alvo da
curiosidade de todos. Por esse motivo, é lógico que Oto-Hime não podia
deixar de convidá-lo para ir ao seu palácio, onde a entrada de homens era
vedada.

206
A Criação da Civilização

Talvez por não suportar a solidão, Oto-Hime, que na época era


como se fosse rainha, quando se encontrou com Tarô, apaixonou-se à
primeira vista, por ele ser muito bonito. Não conseguindo resistir, arranjou
um pretexto para que o jovem pudesse permanecer no palácio. Sua paixão
por Tarô foi-se tornando cada vez mais ardente e, assim, ela ficava junto
dele dia e noite. Um dia o povo tomou conhecimento disso. Como as
críticas foram aumentando, a princesa viu-se forçada a romper o romance.
Enchendo uma caixa com maravilhosos tesouros, Oto-Hime deu-a de
presente a Tarô e providenciou que ele retornasse ao seu país. Esta é a
famosa Tamate-bako (arca do tesouro). Dizem que quando Tarô abriu essa
caixa, seus cabelos ficaram brancos, mas essa história deve ser invenção de
alguém.

O sobrenome de Tarô, Ura-shima (ilha de trás), talvez seja uma


referência à Coréia, pelo fato de ela estar situada "atrás" do Japão. Creio
que esse sobrenome lhe foi colocado por um escritor de uma época
posterior. Quando Oto-Hime era como se fosse a rainha da Coréia, tanto o
Japão como a China foram dominados por esse país e pode-se dizer que até
a parte leste da Índia estava sob influência coreana. Naturalmente, isso
aconteceu porque Sussanoo-no-Mikoto, durante certo tempo, teve um
poder grandioso, que se expressa pela frase "capaz de derrubar até mesmo
uma ave voando". Além do mais, a deusa Oto-Hime era uma mulher de
personalidade forte, que suplantava até mesmo os homens.

Justamente na época em que encerrava Sua Providência na Índia e


pretendia voltar ao Japão, Kanjizai Bossatsu chegou até ao sul da China.
Sabendo que no Japão ainda pairava uma atmosfera de perigo, resolveu
ficar naquela região por algum tempo. Desde então, passou a ser chamado
de Kanzeon. Durante Sua estada na Índia, Ele ficara contemplando o
mundo de Jizai-Ten, e por isso atribuiu a Si mesmo o nome Kanjizai. Desta
vez ficou contemplando o mundo de Oto-Hime, razão pela qual
denominou-Se Kanzeon. Lendo-se de trás para a frente, o termo Kanzeon
significa “contemplar o mundo de Oto-Hime”.

207
A Criação da Civilização

Quando Kanzeon propagou os Seus Ensinamentos aos povos do sul


da China, como era a atuação de um Bossatsu de elevada virtude, os povos
vizinhos, sentindo uma espécie de amor filial por Ele, procuravam-No e
reuniam-se à Sua volta. Desde então, a Fé Kannon finalmente se estendeu
por toda a China. Entretanto, com idade avançada e tendo concluído Sua
providência, Kanzeon acabou falecendo naquele país. O fato de, ainda hoje,
toda a China, isto é, a Manchúria, a Mongólia e até a região do Tibete
terem uma fé inabalável em Kannon, encerra um profundo significado,
sobre o qual falarei gradativamente.

É lamentável não ter restado no sul da China nenhum vestígio da


passagem de Kannon. A razão disso é que aquela região foi assolada pela
guerra várias vezes, o que, inevitavelmente, fez desaparecerem esses
vestígios.

208
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 47

A TRÍPLICE REVELAÇÃO DE MIROKU

Desde antigamente, existe no budismo o termo "Miroku-San-E".


Como até aos dias de hoje esse termo permanecia envolto em mistério, era
impossível compreender o seu significado. Assim, gostaria de esclarecer a
questão.

De acordo com os ideogramas que compõem o termo, Miroku-San-


E significa o encontro simultâneo dos três Miroku. Esses três Miroku são,
sem dúvida, Buda, Amida e Kannon. Buda é Miroku da recompensa;
Amida é Miroku da Lei; Kannon é Miroku da Concordância. Shaku-son é
também Miroku da Terra; Amida é Miroku da Lua; Kannon é Miroku do
Sol.

Como venho sempre dizendo, esses três santos deveriam, na


verdade, estar dispostos na seguinte ordem: Sol, Lua e Terra, ou Fogo,
Água e Solo, ou, ainda 5, 6 e 7. Somando-se esses números, o resultado é
18. A respeito do número 18, nos Ensinamentos da Igreja Oomoto está
escrito: "Até agora o Céu era 6; o Mundo Intermediário, 6 e a Terra, 6.
Mas o espírito de 1% desceu do Céu para a Terra, e o Céu se tornou 5, e a
Terra 7". Trata-se, pois, da Providência de Deus, de profundo significado.
Esse espírito de 1% vem a ser o Poti (ponto central), o Mani-no-Tama e o
Nyoi-Hooshu. Por esse motivo é que surgirá a sagrada época de 5.6.7
(Miroku).

Também se diz que 3,6,9 é Miroku, mas pretendo referir-me a este


assunto no último capítulo, que versa sobre o Reino dos Céus, e por isso
vou me omitir agora. Todavia o número juhati ( =18) é de suma
importância. Ao analisá-lo baseado nos ideogramas que o compõem, ju (
=10), tem o formato de cruzamento dos traços vertical e horizontal, é
símbolo de Deus e também a forma da perfeição; hati ( =8), tem o
formato de abertura, além de significar infinito. Desde antigamente, o
budismo tem empregado com freqüência o número 18. O Templo Kannon
de Assakussa, em Tóquio, e o Templo Zenko-ji, da província de Nagano,

209
A Criação da Civilização

têm o formato de um quadrilátero cujos lados medem 18 ken (medida


japonesa equivalente a cerca de 1,8 m x 18 = 32,4 metros). A visitação
desses templos para oração está fixada para o dia 18 de cada mês. O dobro
de 18 é 36, que pode ser lido, em japonês, como "Miroku". Os sinos dos
templos budistas, na passagem do Ano Novo, são tocados 108 vezes. O
juzu (terço budista) é feito com 108 contas. Existem referências aos 108
desejos mundanos, mas, nos casos citados acima, a centena do número 108
significa: dez vezes dez é cem (10 x 10 = 100). Observando esses fatos,
nota-se que em tudo está implícito o significado de Miroku.

A seguir vou examinar o sentido da palavra Izunome.


Numericamente, Izunome é 5 e 3. Isto é, 5 é izu (surgir) e ka (fogo); 3 é mi
e mizu (água). Ka + mi = kami, que quer dizer Deus. Por outro lado, é fogo
e água, é izu e mizu e formam o Izunome. A fusão do fogo e da água é a
Luz. Assim, o ideograma (hikari = luz) é formado pela colocação de um
traço horizontal no meio do ideograma (hi = fogo). O traço horizontal
representa a água, e por isso, o ideograma (hikari) está realmente bem
constituído. Com base nisso, poderão entender muito bem que os
ideogramas foram criados por Deus. Entretanto, tratando-se apenas de luz,
esta é constituída de fogo e água; portanto, de duas forças. Aqui se deve
apresentar mais uma força: a da terra. Dessa maneira, quando a luz passa
pelo corpo físico, que é terra, gera a força da trilogia. Se pensarem nesse
sentido, deverão compreender melhor o JOHREI.

Já falei anteriormente que Buda e Amida eram hindus, mas eu disse


isso tão somente em relação a Kannon. Em sua origem, eles são deuses do
Japão; apenas os seus corpos espirituais é que foram para a Índia. O
espírito de Buda é a deusa Wakahimeguimi-no-Mikoto, e o de Amida é o
deus Kan-Sussanoo-no-Mikoto. Devemos pois saber que o povo que tinha
Daijizai-Ten como deus principal da Índia eram os verdadeiros hindus.

A seguir, vou mostrar algo interessante. Pelo fato de Kannon ter


nascido do budismo, este é o Seu progenitor. Buda, fundador do budismo,
vem a ser o pai do pai. Portanto, o deus Izunome-no-Kami, que gerou
Buda, é pai e antepassado de Kannon. E ainda: esse deus torna-se Kanzeon.

210
A Criação da Civilização

Portanto, também a partir desse ponto, poderão compreender que Buda é a


personificação de Deus. Uma vez que Buda é o elemento Terra, ele realiza
o trabalho de pai-genitor. Amida é Lua e mulher; logo, pode-se dizer que é
a mãe de Kannon. Ou seja, tanto a Terra como a Lua possuem o sentido de
gerar o Sol. Essa é, também, a Verdade-Real do Universo.

Há, na China, uma lenda antiga sobre a deusa Seioobo. Ela era a
personificação da Deusa da Lua. No seu jardim, havia um pessegueiro que
dava frutos a cada três mil anos; esses frutos eram considerados um tesouro
precioso e, como tal, eram oferecidos ao Grande Deus do Céu. Uma lenda
hindu diz que, dali a três mil anos, surgiria o deus Tenrin-Bossatsu. Assim
que Ele surgisse, toda a humanidade seria salva, e o mundo se
transformaria em Reino dos Céus, em mundo paradisíaco. Pode-se dizer
que essa lenda se refere à profecia dos fatos que estão acontecendo agora.
Creio que Tenrin-Bossatsu é uma outra denominação de Kannon. E não
posso afirmar que Tenrioo-no-Mikoto, o deus da igreja Tenrikyo, não tenha
relação com esse Bossatsu.

Amida é chamado também de Guekkoo-Bossatsu, e Kannon, de


Daihi-Nyorai. Uma vez que os dois deuses são Lua e Sol respectivamente,
significa que eles formam um casal. E isso está representado
freqüentemente nos templos budistas do Japão. Onde Kannon está
entronizado, sempre está Daibutsu (Grande Buda). E Daibutsu é Amida.
Kannon está entronizado dentro do templo, e sua imagem é pequena. Isso
porque Kannon é o Buda próprio do Japão, e Amida é o Buda do exterior.
A imagem de Kanzeon deve ser de ouro, e o seu tamanho certo é issum
hatibu (1,8 sun - medida japonesa que equivale a 3,3 cm), isto é, cerca de
15 cm. Em relação à imagem de Amida, a fundida em bronze ou talhada
em madeira e folheada a ouro, de tamanho maior, é considerada a melhor.

Creio que assim puderam ter uma noção mais completa sobre o
assunto.

211
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 48

DAIJO E SHOJO NO BUDISMO

Já escrevi que o budismo, em sua essência, é shojo. Entretanto, é


preciso dizer que, mesmo no budismo, que é shojo, existem daijo e shojo.
Falando mais claramente, enquanto shojo se centraliza na sua própria força,
daijo se apóia na força alheia.

Entre as seitas budistas, a Zen-shuu e a Nitiren-shuu são shojo;


todas as demais são daijo. Em primeiro lugar darei explicações sobre shojo.
Como este se baseia na sua própria força, tem nas práticas ascéticas o
elemento principal para o seu aprimoramento. Isso porque esse raciocínio é
originário do bramanismo. Especialmente no caso da Zen-shuu, tal
procedimento se apresenta de forma bem nítida.

Como já escrevi anteriormente, de forma minuciosa, o espírito


budista pregado por Shakuson considera as práticas ascéticas brâmanes um
erro e afirma que é através da recitação dos sutras que se atinge a
Iluminação. Pode-se dizer que o budismo é uma religião que dá grande
importância aos sutras, e é do conhecimento de todos que, por um certo
período, ele dominou toda a Índia. Apesar de toda a sua influência, houve
um grupo que não aderiu a ele e continuou professando o bramanismo.
Naturalmente, suas convicções religiosas eram fortes, e é óbvio que
continuaram trilhando o invariável caminho do ascetismo e da abstinência.
O alvo da fé era Dharma, cuja ideologia tinha como essência, além do
ascetismo, o estudo. O aprimoramento para alcançar a Iluminação era feito
através desses dois caminhos.

Entretanto, dezenas de anos após a morte de Shakuson, surgiu uma


figura proeminente no bramanismo. Foi o famoso bonzo Yuima. Ele criou a
seita Zen-Shuu, cuja principal corrente é a Rinzai-Zen. Terminado o seu
aprimoramento, mudou-se da Índia para o interior da China e percorreu
diversas regiões, com o objetivo de difundir seus ensinamentos. No final,
Yuima subiu ao famoso monte Godai-san e abriu uma academia, tornando-
se o criador do taoísmo. Por conseguinte, para ser fiel à Verdade, a seita

212
A Criação da Civilização

Zen-Shuu não surgiu do budismo. Ela deve ter assumido características


búdicas após ser introduzida no Japão, pois, se não fosse assim, certamente
haveria dificuldades para a sua difusão. Poderemos compreender tudo isso
ao observar que, nos templos da Zen-Shuu, os métodos de aprimoramento e
a vida diária dos monges são bastante diferentes em comparação com as
demais seitas budistas. A prática da postura Zen (Zazen), baseia-se no
aprimoramento de Dharma, fundador da seita. É igualmente considerado
primordial, no aprimoramento, o método de perguntas e respostas, uma
prática distinta de outras seitas, originária, provavelmente, das sessões de
estudos. Desde antigamente, entre os monges Zen da China e do Japão, os
mais estudiosos escreveram kanshi (poemas em chinês), que incluem
expressões iluminadas da seita Zen-Shuu. Esses poemas que, segundo
consta, eram compostos constantemente, poderiam ser chamados de
kanshi-zen (poemas zen em chinês). Ainda restam muitos kanshi e
caligrafias, bastante valorizados pelos apreciadores, e de preços elevados.
Contemplando esses escritos em silêncio, as pessoas têm a nítida sensação
de serem transportadas para outro mundo que não seja este onde vivemos, e
isso lhes toca o coração, expressando bem a personalidade do autor. É algo
realmente digno de profunda admiração. Entre esses monges, o mestre
Engo, autor do famoso Hekiganroku, é considerado o melhor da China.

O introdutor da seita Zen-Shuu no Japão foi Kanzan Daitookokushi,


monge do templo Daitoku-ji de Quioto, que sempre se destacou desde o
início. Seus poemas e caligrafias são tão expressivos que podem ser
considerados os melhores do Japão. Em seguida vem o monge Mugaku-
Zenji, do templo Enkaku-ji, de Kamakura, cujos escritos eu aprecio
especialmente. Analisando por esse ângulo, poder-se-ia dizer que esses
eminentes monges da seita Zen-Shuu, ao invés de monges, são cientistas
religiosos.

No Japão existem três facções da seita Zen-Shuu: Soodoo-Shuu,


Rinzai-Shuu e Oobaku-Shuu. A Oobaku-Shuu é pequena, mas dizem que é
a mais difundida na China.

Agora vou falar sobre a seita Nitiren-Shuu. A Nitiren-Shuu é


obviamente uma seita budista shojo. Baseando-se na força própria das

213
A Criação da Civilização

práticas ascéticas, assim como outras seitas shojo, não dá muita


importância à Buda ou Amida, centralizando sua adoração em Nitiren
Shoonin, fundador da seita. Seus adeptos se aprimoram, procurando
incrementar sua própria força através das práticas ascéticas - fato
conhecido por todos. Portanto, sobre esses aspectos, pode-se dizer que a
Nitiren-Shuu extravasou o budismo pregado por Shakuson e recebeu
influência do bramanismo. Nitiren disse: "Eu sou praticante do sutra
Hokke-kyoo", mas a palavra "praticante" também é do bramanismo.
Entretanto, Nitiren dá grande importância aos sutras de Shakuson.
Compreende-se isso perfeitamente ao ver que ele fez dos 28 sutras que
formam o Hokke-kyoo o alicerce de sua seita. Pode-se dizer que Nitiren
acatou o espírito do bramanismo e aprendeu a forma com Shakuson. Além
disso, a Nitiren-Shuu incentiva a mediunidade, fazendo dela um ponto
importante do seu aprimoramento. Esta prática não é budista, e sim
brâmane.

214
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 49

O CRISTIANISMO

Muitos já escreveram minuciosamente sobre o cristianismo, desde o


nascimento de Cristo, passando por sua vida terrena, até sua crucificação.
Assim, não é necessário que eu escreva novamente. Por isso, vou resumir
os pontos de vista sobre fatos que ninguém abordou até hoje e peço a
compreensão dos leitores. Como sempre digo, com o objetivo de formar a
civilização do Reino dos Céus, Deus vem realizando, há milhares de anos,
Sua Providência vertical e horizontal. A religião representativa de Deus, no
vertical, é o budismo; no horizontal, é o cristianismo. Já falei sobre o
budismo; falarei agora sobre o cristianismo.

A Providência de Deus, no horizontal, é a base do progresso e


desenvolvimento da cultura material, ou seja, da ciência. Não é preciso
dizer que o assombroso progresso da cultura que hoje vemos decorre
inteiramente da Providência de Deus após o advento do cristianismo.

Explicarei detalhadamente o porquê do nascimento de Cristo e


outros pontos.

1) O Cristianismo e o nascimento do Bem e do Mal

Para esclarecer o significado do título acima, é preciso saber que a


essência do budismo é o espírito e a essência do cristianismo é a matéria.
Supondo-se uma divisão entre o Bem e o Mal, poder-se-ia dizer que o
espírito pertence ao Bem, e a matéria, ao Mal. O Bem e o Mal, neste caso,
não são definitivos. Ficaria assim se forçássemos a definição. Caso se dê
primazia ao espírito, ver-se-á que o espírito precede a matéria; caso se tome
a matéria como aspecto mais importante, ter-se-á a matéria precede o
espírito.

É bastante difícil aprofundar a questão do Bem e o Mal, e posso


adiantar que até hoje quase não houve ninguém que tenha conseguido
explicá-la verdadeiramente, uma vez que o assunto pertence a Deus,
Senhor e Dirigente do Grande Universo. Usando-se uma expressão

215
A Criação da Civilização

filosófica, seria a Vontade do Cosmos. Portanto, a não ser Deus, Senhor do


Universo, é natural que essa compreensão fuja a quaisquer outros deuses,
quanto mais a um simples ser humano. Se alguém tentar resolver a questão,
essa pessoa o fará com base na inteligência humana, assim mesmo dentro
dos limites da imaginação, sem dar um passo a mais. Para mim, explicar
esse assunto é algo difícil, mas como não se trata de fruto da minha
imaginação, e sim da revelação de Deus, não será uma tarefa tão árdua.
Com a chegada do tempo, fui encarregado da construção do Reino dos
Céus na Terra e, como tal, consigo captar a Vontade de Deus, Senhor do
Universo, até certo ponto. Por esse motivo, gostaria que os leitores
procedessem à leitura deste capítulo levando em conta esse aspecto.

A teoria que vou explicar agora situa-se além do daijo que sempre
prego, podendo-se até dizer que ela é mais daijo ainda. Obviamente, é uma
teoria inédita, muito difícil de ser expressa oralmente ou por escrito. Por
conseguinte, ao mesmo tempo que vou explicá-la de modo que o homem da
atualidade possa entender, faço-o apenas dentro dos limites em que me foi
permitido por Deus.

O objetivo de Deus, Senhor do Universo, ao qual sempre me refiro,


é a construção do mundo ideal, pleno de Verdade, Virtude e Beleza. Para a
concretização desse objetivo, bastava fazer a cultura material progredir e
evoluir até o nível necessário. Pode-se pensar que essa é a história do
mundo até hoje. Analisando-se a cultura atual sobre essa ótica, já se pode
sentir que é chegado o tempo. Numa observação atenta dos processos
ocorridos desde a Antigüidade até à cultura material de hoje, o que é que se
percebe? Como essa percepção é difícil por meio da inteligência humana,
vou dar uma explicação. Desejo levar toda a humanidade à plena
conscientização de que tudo neste mundo ocorre pela Providência de Deus.
2) O atrito entre o Bem e o Mal

Falarei inicialmente sobre o atrito entre o Bem e o Mal, isto é, o


conflito que é o maior sofrimento da humanidade. Como a origem desse
conflito é o próprio Mal, porque Deus, que é a encarnação do Bem, o
criou? Este é um enigma que todos sempre quiseram conhecer, e agora vou
desvendá-lo. Para isso devem observar atentamente os passos da história e

216
A Criação da Civilização

do progresso da cultura. E o que descobrirão? Com surpresa, descobrirão


que os conflitos criados pelo homem fizeram a cultura progredir além do
que se poderia supor. Se, desde o princípio, a humanidade detestasse o
conflito e amasse a paz, mesmo que tivesse havido progresso da cultura
material, o seu progresso seria muito lento e, certamente, ela não teria
alcançado o surpreendente desenvolvimento que hoje se constata.
Analisando-se sob este prisma, compreenderão o quanto o Mal foi
necessário.

Mas existe aqui um problema. Por mais imprescindível que fosse a


luta entre o Bem e o Mal em prol da cultura, o Mal não tem permissão
infinita; sua atuação está fadada a parar um dia. Essa hora chegou. Poderão
compreender isso perfeitamente ao ver a estruturação cultural da
atualidade, ou seja, o assustador progresso de armamentos como método de
guerra. Nem é preciso dizer que a descoberta da desintegração do átomo é
o indício de um destino catastrófico para a humanidade. Também é um
nítido sinal da chegada do tempo em que a guerra já se torna impossível.
Com isso o homem deve perceber que o fim do Mal, que é a origem do
conflito, está próximo, na frente dos seus olhos. Naturalmente, trata-se
também da projeção da Transição da Era da Noite para a Era do Dia, que
sempre venho pregando. Analisando a questão sob o ponto de vista
histórico, poderão compreender bem. O que teria acontecido à sociedade se
fosse permitido ao Mal agir de maneira irrestrita? Os homens não poderiam
trabalhar tranqüilamente e levar uma vida pacífica, o mundo estaria
dominado por Satanás e tudo seria destruído.

3) Cristo, o protagonista principal do controle sobre o Mal

O controle e o equilíbrio do Mal se tornaram necessários por um


determinado tempo, e as religiões surgiram com essa finalidade. Cristo foi
o protagonista principal dessa tarefa. O fato da doutrina cristã estar
fundamentada no amor à humanidade mostra isso muito bem. Foi graças ao
cristianismo que a sociedade dos povos de raça branca não se tornou um
mundo dominado por Satanás e conseguiu alcançar o maravilhoso
progresso que se vê nos dias de hoje. Trata-se, pois, de um legado do amor

217
A Criação da Civilização

cristão. Pelo exposto, creio que os leitores puderam compreender o


significado do aparecimento do cristianismo.

Mas uma coisa que não devemos esquecer é o teísmo e o ateísmo,


que encerram um profundo significado do ponto de vista da Providência de
Deus. Caso a humanidade fosse teísta desde o início, o Mal não surgiria,
não haveria conflito, todos viveriam satisfeitos, e estaria concretizado um
magnífico Vale da Paz. Assim, mesmo que as ciências materiais surgissem,
não se desenvolveriam a ponto de concluir os preparativos que são as bases
do Reino dos Céus na Terra.

Como resultado do domínio do pensamento ateísta, deu-se


prioridade a tudo que possuía forma, promovendo-se, assim, a exuberante
cultura material de hoje. E o que vem a ser isso, portanto, senão uma
manifestação do maravilhoso e profundo desígnio de Deus? Os
materialistas, que só enxergam superficialmente, jamais poderão captar o
verdadeiro sentido desses fatos, mas, conforme já expus, o ateísmo, que é a
fonte do Mal, finalmente se configurou como algo prejudicial e
desnecessário. Assim, a vocês, ateístas, que existem em grande número, eu
digo que devem despertar o quanto antes. Infelizmente, caso não consigam
se despojar das teorias que vêm conservando até hoje, o destino que os
espera é a destruição. Isto porque a hora da mudança do Bem e do Mal está
decisivamente próxima, e aqueles que atrapalham e obstruem a Obra de
Deus terão sua existência negada pelo Poder Absoluto. Deus, entretanto,
utilizou um meio para salvar os ateístas e fazê-los conhecer a Sua
existência. Esse meio é o Johrei. Vejam! Doentes graves que vêm buscar a
salvação na nossa Igreja são banhados pela graça da cura total. Todos eles,
conscientizando-se da existência de Deus, despertam imediatamente,
arrependem-se do erro do ateísmo que até então professavam e,
imediatamente, convertem-se ao teísmo. Prova incontestável disso são os
relatos de graças publicados no jornal e na revista editados pela nossa
Igreja.

Como expus, também o Mal foi grandemente necessário até hoje.


Devem ter compreendido que, a partir de agora, ele passa a ser uma
existência controlada, secundária. Sobre esse ponto, gostaria de dar outro

218
A Criação da Civilização

exemplo. Refiro-me a animais gigantescos como os mamutes e os


dinossauros, que certamente devem ter existido, dados os fósseis que são
descobertos, vez por outra, em vários países. Não é difícil imaginar que
existiam outros animais monstruosos como esses, mas que hoje não são
mais vistos. Eles devem ter sofrido uma seleção natural. O motivo, nem é
preciso dizer, é que eles se tornaram desnecessários.

4) Formação da Terra

Em decorrência do assunto, devo igualmente me referir ao


endurecimento da crosta terrestre, a qual, desde a formação da Terra,
manteve-se frágil por determinado período. Deus criou então animais
gigantescos e usou-os para endurecê-la. Com o posterior endurecimento da
crosta terrestre, eles foram selecionados naturalmente. Como o solo se
tornou ideal, Deus criou e plantou as sementes, a flora estendeu-se por toda
a Terra, surgindo, dessa forma, condições de vida para os seres vivos. Aí
foi criado o homem e todas as demais criaturas.

No início do mundo, em todos os lugares, viviam animais ferozes e


cobras venenosas, causando sofrimento aos homens primitivos, que
passavam grande parte de sua vida lutando contra eles. Pode-se imaginar as
várias espécies desses animais com base nas ossadas encontradas
eventualmente. É lógico que grande parte deles deve ter passado por uma
seleção natural. Se até no Japão se conta que Yamato-Takeru-no-Mikoto foi
morto pelo hálito venenoso de um animal selvagem, pode-se imaginar que
deveriam existir animais selvagens em todos os lugares, fazendo homens e
animais domésticos sofrer e, certamente, causando danos. Entretanto, esses
animais nocivos foram extintos ou tiveram sua espécie diminuída com o
passar do tempo. Parece que não são poucos os animais que representaram
um perigo para os homens e se extinguiram. Dessa forma, é fácil imaginar
que só irão restar animais domésticos.

5) Seleção natural

Com o progresso da cultura, como explanei acima, os elementos


que eram necessários e se tornaram desnecessários sofreram uma seleção

219
A Criação da Civilização

natural. Neste sentido, é óbvio que nem mesmo o homem pode escapar às
leis naturais quando chegar o fim. Mas qual será o alvo da seleção natural
em relação ao homem? Obviamente, é o mal que existe em seu interior.
Como já explanei, o Mal será uma existência nociva e inútil, na era que se
aproxima; portanto, a seleção natural do homem mau é uma conseqüência
natural.

Em poucas palavras, podemos dizer que o homem, na sua etapa


evolutiva, era semelhante ao animal; depois ele evoluiu e tornou-se meio
animal e meio humano, isto é, superficialmente é um ser humano, mas, no
seu interior, ainda animal. Extirpar essa natureza animal e torná-lo homem
do bem é a vontade de Deus, que agora se manifesta. Os que não
conseguirem submeter-se a Ela serão eliminados através da seleção natural.
Dessa forma, haverá um Juízo, e o mundo, cujos habitantes, em sua grande
maioria, são homens do Bem, é a realidade do Reino dos Céus na Terra,
apregoado pela nossa Igreja.

De tudo o que foi exposto, pode-se depreender que a missão da


nossa Igreja é dar conhecimento de que os homens do Mal, que se
encontram a um passo da destruição, estão sendo salvos pelo grande amor
de Deus, O qual, fazendo-os arrepender-se, está diminuindo o número das
vítimas.

220
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 50

VERTICAL E HORIZONTAL

Para conhecer a Verdade do Céu e da Terra, é importante saber o


significado do vertical e do horizontal. Em diversas ocasiões referi-me a
este assunto e, mais uma vez, vou falar sobre ele detalhadamente. Em
primeiro lugar é importante ter um conhecimento fundamental: o Sol é
fogo, e o fogo arde verticalmente; a Lua é o seu oposto e, sendo água,
movimenta-se horizontalmente. Portanto, a característica principal do Sol é
a altura, e a da Lua é a largura.

Explicando a Terra com base nesse princípio, no Mundo


Atmosférico, que está sobre a superfície da Terra, o elemento água
movimenta-se horizontalmente, e o elemento fogo, verticalmente. Os
espíritos do vertical e do horizontal formam uma espécie de trama, algo
como um tecido. A densidade desses espíritos é tal, que foge à imaginação.
Como prova disso, temos um exemplo bem próximo de nós. Quando o
homem se deita, ficando, pois, na posição horizontal, ele sente frio, devido
à absorção do espírito da água, que corre horizontalmente. Ao se levantar,
sente calor, em decorrência da absorção do espírito do fogo, que desce e
sobe verticalmente.

O fogo é espiritual, mental e yang; a água é material, física e yin.


Pode-se compreender isso muito bem observando-se as culturas oriental e
ocidental. O Oriente é vertical e, portanto, espiritual e mental. Já o
Ocidente é físico, material, tendo desenvolvido a cultura científica hoje
existente.

Nas religiões, o budismo é vertical e utiliza a letra kyoo (vertical) na


composição da palavra kyoo-bun (sutra). Seus seguidores veneram os
antepassados, prezam os descendentes e são isolacionistas. Ao contrário, o
cristianismo não cultua os antepassados, está baseado no amor conjugal e
no princípio do amor ao próximo, e sua característica é o horizontal em
expansão internacional.

221
A Criação da Civilização

O mundo é ao mesmo tempo formado por um pensamento tendente


para a cultura oriental espiritualista e por um pensamento baseado na
cultura ocidental. Pelo fato de ambas as culturas caírem no extremismo,
nada ocorreu a contento. Conseqüentemente, os problemas da humanidade
nunca foram resolvidos, e não se sabe onde há de parar a desordem
mundial. Assim, torna-se, portanto, necessário que o vertical e o horizontal
se cruzem para fazer surgir a cultura perfeita. A questão é saber quando
isso vai acontecer. É deveras surpreendente, mas o tempo é o presente, e a
missão de nossa Igreja - bem definida em seu emblema - é aplicar a força
do cruzamento dessas duas culturas.

Conforme já me referi anteriormente, a atuação da força de Kannon


é idêntica, ou seja, não é vertical e não é horizontal; é vertical e é
horizontal. Não tende para nenhum dos dois, sendo livre e desimpedida.
Ooshin-jizai dá ensejo às expressões senpen banka (mil mudanças e
transformações) e jiyuu mugue (livre e desimpedida). Com base nesse
princípio, a consciência do homem também precisa ser assim. Isto é, como
regra geral, deve-se colocar a consciência sempre no centro do cruzamento
do vertical e do horizontal. Em poucas palavras, é o bom senso. O fato de
nossa Igreja dar importância ao bom senso deve-se ao que acabei de
explicar. Entretanto, como as pessoas de bom senso na sociedade são vistas
como pessoas comuns, e as tendenciosas são tidas como importantes, é
preciso tomar muito cuidado com esse ponto. De fato, os possuidores de
espírito tendencioso são vistos temporariamente como importantes, mas
não conseguem sucesso para sempre. A História registra muito bem que um
dia, infalivelmente, eles acabam fracassando.

Pelo exposto, o vertical é alto, porém, pequeno, e o horizontal é


baixo, mas grande; essa é a Verdade. Conseqüentemente, no desenvolver
dos meus trabalhos, eu ajo baseado nessa diretriz. Hakone e Atami, por
exemplo. O Solo Sagrado de Hakone é alto e pequeno, ao passo que o de
Atami é baixo e grande. Como o vertical é espírito, construí Hakone em
primeiro lugar; como Atami é matéria, foi construída depois. Isso foi feito
com base na Lei do Espírito Precede a Matéria. Agindo assim, tudo corre
bem. Se a ordem for distorcida, mesmo que pouco, pode-se dizer
categoricamente que ocorrerão tropeços.

222
A Criação da Civilização

A Providência de Deus é realmente conduzida de forma muito bem


ordenada.

223
A Criação da Civilização

VOLUME IV

224
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 51

REINO DOS CÉUS

Como chegamos ao final desta obra, após ter escrito o capítulo de


ciência e o capítulo de religião, eu quero dizer algo a respeito do Paraíso
vindouro, o Reino dos Céus. Entretanto, essa minha tese é, no seu
verdadeiro sentido, sem precedentes, e como também será a raiz e o tronco
do plano da construção da civilização mundial, quero que leiam com essa
intenção. O que se segue é a configuração básica da Nova Era, a
Verdadeira Civilização. Pode parecer muito distante de qualquer coisa
próxima à realidade, mas é um fato, estabelecido pelos planos de Deus.
Porém, a pessoa que lê pela primeira vez vai pensar que é uma tese ideal
muito distante da realidade, mas não é nada disso. À medida que vão lendo,
irão compreender que possui possibilidade de concretização esplêndida.

Originariamente, a condição básica para construir o Reino dos Céus


na Terra, que é o objetivo do Deus, Senhor do Universo, é, antes de tudo,
manifestar o verdadeiro aspecto da Grande Natureza tal como ela é. Isso
porque, como sempre digo, a constituição de tudo no Universo tem como
base o Sol, a Lua e a Terra. As energias emanadas da essência desses três
elementos – Fogo, Água e Terra – mantêm toda a criação e crescimento no
infinito desenvolvimento do mundo. Entretanto, o Mundo Espiritual de até
agora se encontrava na escuridão da Era da Noite, e o Sol foi encoberto
pela Lua e pela Terra, ou seja, ficou escondido. A Era da Noite distorceu a
ordem natural do Sol sobre a Lua e a Terra, de modo que o Sol foi
dominado pela Lua e pela Terra. Essa distorção produziu caos no mundo e
perda da harmonia. Isto tornou o lugar que habitamos verdadeiramente um
inferno mundano. Mas o caos surgido do conflito entre o Bem e o Mal foi
necessário para se perceber a profunda lei incompreensível da Divina
Providência. Durante a Era da Noite, grandes religiões surgiram para
desencorajar o Mal e aliviar o sofrimento humano neste mundo. A idéia
budista de “deste mundo de dor” e os conceitos cristãos de compensação e
“ame teu próximo” são todos grandes ensinamentos guiados pelo desejo de
trazer a salvação do homem na Era da Noite.

225
A Criação da Civilização

Será, brevemente, Era do Dia. A distorcida ordem universal será


corrigida, e o Sol ganhará seu lugar de ordem sobre a Lua e a Terra. O
mundo passará por uma transformação cuja escala e essência não podem
ser imaginadas. Toda a configuração cultural da sociedade humana também
mudará, para refletir a verdadeira forma da Natureza. Toda organização de
qualquer tipo será composta de três níveis, cada um dos quais será dividido
em dois, perfazendo um total de seis em três pares. De cada par será gerado
um, o qual, juntamente com seus “pais”, perfazerão um total de nove. O
paraíso vindouro na Terra terá a configuração dos números 3-6-9, ou seja,
de Miroku.

O Reino dos Céus na Terra, ou, em outra expressão, Mundo de


Miroku, refere-se a isso. Então, o que é o Mundo de Miroku? A seguir
escreverei como é esse mundo em termos concretos.

226
A Criação da Civilização

CAPÍTULO 52

O VERDADEIRO ASPECTO DO MUNDO DE MIROKU

Primeiramente explicarei em termos internacionais. Relações


internacionais entrarão em um estágio completamente novo. Fronteiras
internacionais permanecerão mais ou menos como estão, mas perderão
todo o significado prático, já que as discrepâncias de poder entre os países
desaparecerão. Têm havido dois tipos de invasão na história – aquelas
inevitáveis, se não justificáveis, e aquelas cometidas por questões
territoriais ou outras ambições. De vez em quando, um país é compelido a
procurar saídas para sua excessiva população, recorrendo à força militar,
caso não consegue encontrar outro meio. Isto produziu guerras de agressão.
Na Era do Dia, ou Mundo de Miroku, nenhum país ocasionará guerras de
agressão contra outro, já que não haverá nem necessidade nem razão para
invasão. No paraíso vindouro, nenhum conflito ocorrerá por causa de
superpopulação. Por um lado, o ajuste pacífico na distribuição da
população resolverá os problemas de países pequenos e povoados como o
Japão. Uma Assembléia Mundial usará os mais justos e racionais meios
para realocar o excesso de população para áreas menos povoadas. A
Assembléia também encontrará soluções para outros problemas que
poderão surgir. Seus representantes serão impassíveis frente a interesses
nacionais ou particulares restritos, mas serão guiados exclusivamente por
um perfeito senso de justiça. À parte da Assembléia Mundial, cada país
continuará a ter algum tipo de Parlamento Nacional, cujos membros
atuarão não na base de interesses pessoais ou partidários, mas no princípio
do universalismo e amor pela humanidade. Ao invés de gastarem seu
tempo com politicagem ou discussões sem sentido, ou, como vemos às
vezes nos dias de hoje, lutando, eles trabalharão na eficiência e harmonia
dos interesses que são importantes. O tempo que eles gastam em um debate
será reduzido a uma fração do que é em muitos países atualmente. Um
Parlamento Nacional na Era do Dia se reunirá somente uma vez a cada três
meses para 3 sessões de meio dia. Menos tempo de reunião será necessário,
já que haverá menos problemas políticos para resolver e menos leis para
serem decretadas. Leis são necessárias apenas para restringir a conduta dos
homens maus, mas em um mundo livre do Mal e repleto de boas pessoas, a

227
A Criação da Civilização

necessidade de um sistema de leis será mínima. Conflitos de interesse


também serão muito menos intensos do que hoje. Um Parlamento, então,
terá a função apenas de tomar decisões nacionais em interesses que são
essenciais para o funcionamento da sociedade. A idéia de um governo
mundial, tal como de vez em quando ouvimos falar hoje em dia, é, em si
mesma, um passo à frente em direção ao Paraíso Terrestre. A Assembléia
Mundial escolherá o presidente do governo mundial, cujo tempo de
mandato será de 3 anos. Representantes para a Assembléia serão
selecionados entre os membros de cada Assembléia Nacional na proporção
da população do país.

Finalmente, o segundo tipo de invasão – como serão resolvidos os


problemas das violentas guerras por ambições territoriais? Elas serão
categoricamente finalizadas. Nenhum país terá nada parecido com forças
armadas ou armamentos com os quais invadirá outro. Disputas
internacionais, caso haja alguma, serão resolvidas pacificamente, bem
como desequilíbrios populacionais, distribuição desigual de recursos ou
riquezas e outras iniqüidades serão resolvidas com imparcialidade e justiça.
Assim, não há mais necessidade de escrever sobre essa questão.

228
A Criação da Civilização

ADENDO

229
A Criação da Civilização

KOBUKURIN (0,99) E ITCHIRIN (0,01)

Meishu Sama costumava empregar o símbolo para explicar

kobukurin (0,99) e itchirin (0,01).

Todas as coisas na Natureza têm uma forma circular: o Sol, a Lua e


a Terra, evidentemente, mas também os espíritos quando se locomovem e
as próprias divindades, que se movimentam como bolas de luz. Contudo,
somente quando surge um ponto dentro do círculo é que este adquire alma
e vida. Esse pontinho místico é o itchirin (0,01). Um é Deus, poder
absoluto, totalidade, perfeição. A fração 0,01 também é manifestação direta
de Deus. Até agora, a nossa civilização não tinha o pontinho místico, isto é,
não tinha alma. Era apenas um círculo vazio colorido de negro. Mas agora
que o lado do Mal avançou até dominar 0,99 (kobukurin) de sua totalidade,
haverá uma inversão. Deus, mediante o poder do itchirin (0,01),
transformará tudo. Ao descer e penetrar no círculo, o itchirin, aos poucos, o
colorirá inteiramente de branco.

Esta é a origem do Johrei. O mundo está negro porque 99% da


humanidade acreditam na medicina feita pelo homem que, ao combater os
sintomas, solidifica as toxinas, impedindo a sua expulsão. Os remédios
aliviam temporariamente os sofrimentos mas não curam radicalmente, pois
não atingem o ponto central. Por isso, a doença infalivelmente ressurge,
depois de algum tempo. O Johrei, ao contrário, dissolve as impurezas e
elimina as toxinas. Quando a humanidade deixar de tomar remédios e todas
as toxinas tiverem sido eliminadas, não haverá mais doentes.
Conseqüentemente, também serão eliminados a pobreza e os conflitos.
Porque, num mundo habitado por pessoas física e mentalmente sãs, todos
agirão de modo altruísta, abominando os conflitos e ajudando-se
mutuamente. Esta é a essência da luta entre kobukurin e itchirin. O ponto-
chave, portanto, para a construção do Paraíso na Terra, é a revolução na
medicina.

O objetivo do livro A Criação da Civilização é explicar a relação


entre Deus e esses erros. Deus Supremo criou o Bem e o Mal e os fez

230
A Criação da Civilização

lutarem entre si para desenvolver a cultura. Até agora, todas as religiões


condenaram o Mal porque o encararam sob o ponto de vista do Bem, isto é,
das divindades justas. Não obstante, o Mal teve poder para oprimir o Bem,
trazendo infelicidade, e tornando o mundo infernal. Mas sob o ponto de
vista de Deus Supremo, o lado do Mal também foi necessário e até agora
realizou um excelente trabalho. Se o Mal, porém, continuar predominando,
não poderá surgir o Mundo de Miroku. Na Nova Era, o lado do Mal não
será totalmente eliminado. Isto só se dará num futuro muito distante. O
importante é que o Bem predominará sobre o Mal. Até agora o Mal
predominou sobre o Bem e, por isso, a humanidade tem sofrido tanto. Mas
quando o Bem predominar sobre o Mal, surgirá o Mundo de Miroku.

Quando, no interior do ser humano, o espírito secundário vence o


primário, o indivíduo é impelido a praticar o Mal, tornando-se infeliz. Mas
quando o espírito primário vence o secundário, o indivíduo fica protegido
contra os infortúnios. De modo análogo, quando, no globo terrestre, o lado
do Bem subjugar o lado do Mal, por pouco que seja, o mundo será melhor.
As guerras e os conflitos também serão eliminados, porque são provocados
pelo lado do Mal.

231

Centres d'intérêt liés