Vous êtes sur la page 1sur 22

FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA SUL

Incubadora de Empresas
;

São Paulo, 26 de Novembro de 2010


Índice

1. Introdução........................................................................................................................02

2. Conceito: Incubadora de Empresas..............................................................................02

3. Relato Histórico..............................................................................................................04

4. Localização das incubadoras........................................................................................06

5. Objetivos da Incubadora................................................................................................07

6. Apoio oferecido pela Incubadora..................................................................................08

7. Processo de Incubação..................................................................................................09

8. Tipos de Incubadoras.....................................................................................................10

9. Publico Alvo....................................................................................................................12

10. Critérios básicos de seleção........................................................................................12

11. Passo a passo para a incubação de um projeto........................................................12

12. Conclusão......................................................................................................................13

13. Bibliografia....................................................................................................................14

ANEXO 1 - Endereços Importantes para o Empreendedor..........................................................15

ANEXO 2 - Dados técnicos das 20 incubadoras de mais destaque no país...............................16

2
1. Introdução

Este trabalho acadêmico tem como objetivo descrever o que é uma incubadora de empresas assim
como sua finalidade e também demonstrar seu funcionamento e exemplificar seus métodos
proporcionando a quem queira usufruir de seus serviços como uma fonte para consulta.

Figura 01 – Introdução ao conceito de incubadora de empresas

2. Conceito: Incubadora de Empresas

Incubação deve ser entendida como um processo prático educativo de organização e


acompanhamento sistêmico ou assessoria a grupos de pessoas interessadas na formação de
empreendimentos econômicos , tendo em vista o suporte técnico desses Empreendimentos.
Uma incubadora de empresas é um ambiente planejado para a criação e o desenvolvimento
de micro e pequenas empresas (MPEs) interessadas em investir em novos projetos. Ela oferece
suporte técnico, gerencial e formação complementar ao empreendedor.
A incubadora também facilita e agiliza o processo de inovação tecnológica nas MPEs.
As Incubadoras, para dar suporte e orientar suas atividades, procuram se organizar como segue:

 Seleção de demandas ;
 Capacitação permanente dos agentes incubados, abordando temas relativos às transformações
no mundo do trabalho, geração de trabalho e renda, cooperativismo/associativismo de
produção, trabalho e crédito, cadeias produtivas, avanço tecnológico, desenvolvimento
sustentável, redes de comércio, parcerias, processo de incubação, autogestão, planos de
negócios, entre outros;

3
 O procedimento metodológico agrega práticas orientadoras para a geração de trabalho/renda e
acompanhamento/assessoramento técnico e de relações interpessoais nos empreendimentos,
bem como debates esclarecedores da relação capital-trabalho, trabalho cooperativo e de
desenvolvimento da cidadania, como elemento orientador do processo de incubação, visando
a inserção eficiente e ativa do empreendimento no mercado;
 O método pedagógico praticado ocorre por meio de um processo de construção
interativo/dialógico entre a equipe orientadora e os trabalhadores, entre os trabalhadores do
grupo atendido e entre os grupos atendidos, com vistas a:

 união e troca de saberes;


 compreensão do conjunto do funcionamento no empreendimento (visão de totalidade
integrada);
 estímulo a formação da identidade de grupo, democracia interna e sua autonomia
frente aos orientadores(educadores).

Uma incubadora de empresas é uma forma de estimulo ao empreendedorismo na medida em


que fortalece e prepara pequenas empresas para sobreviver no mercado. Segundo dados do Sebrae,
mais da metade da micro, pequenas e médias empresas, (56%), fecham as portas até o terceiro ano
de vida. Uma incubadora de empresas busca oferecer as pequenas empresas apoio estratégico
durante os primeiros anos de existência.

3. Relato Histórico.

O fato que gerou a concepção de incubadoras de empresas foi o êxito que obteve a região hoje
conhecida como Vale do Silício, na Califórnia, a partir das iniciativas da Universidade de Stanford,
que na década de 50 já criava um Parque Industrial e, posteriormente, um Parque Tecnológico
(Standford Research Park), com objetivo de promover a transferência da tecnologia desenvolvida na
Universidade às empresas e a criação de novas empresas intensivas em tecnologia, sobretudo do setor
eletrônico. O êxito obtido com essa experiência estimulou a reprodução de iniciativas semelhantes
em outras localidades, dentro e fora dos Estados Unidos.
É interessante saber que, em 1937, mesmo antes da instalação do Parque, a Universidade
apoiou os fundadores da Hewlett Packard, que eram alunos recém graduados. Receberam auxílio para
abrir uma empresa de equipamento eletrônico,receberam bolsas e tiveram acesso ao laboratório de
Radiocomunicações daUniversidade.
Na Europa, as incubadoras surgiram inicialmente na Inglaterra, a partir do fechamento de uma
subsidiária da British Steel Corporation, que estimulou a criação de pequenas empresas em áreas
relacionadas com a produção do aço, preconizando uma terceirização, e também em decorrência do
reaproveitamento de prédios subutilizados.

4
A estrutura que as incubadoras apresentam atualmente, no entanto, configurou-se na década
de 70, nos Estados Unidos. A partir do final da década de 70 e no início dos anos 80, nos Estados
Unidos e na Europa Ocidental, governos locais, universidades e instituições financeiras se reuniram
para alavancar o processo de industrialização de regiões pouco desenvolvidas ou em fase de declínio,
decorrente da recessão dos anos 70 e 806. A motivação era de natureza econômica e social, visando a
criação de postos de trabalho, geração de renda e de desenvolvimento econômico. Foram concebidas,
portanto, dentro de um contexto de políticas governamentais que tinham o objetivo de promover o
desenvolvimento regional. Assim, além de focalizarem setores de alta tecnologia, privilegiaram
também setores tradicionais da economia, não intensivos em conhecimento, com o objetivo de
aprimorar processos de produção e de inovar produtos. A criação de incubadoras vinculadas a
universidades e/ou dentro de parques tecnológicos foi, assim, acompanhada do surgimento de
incubadoras sem ligações formais com instituições de ensino e pesquisa.
Atualmente, o Japão também passou a utilizar incubadoras de empresas, assim como muitos
países em desenvolvimento, a exemplo da China, Índia, México, Argentina. Turquia e Polônia, entre
outros.
No Brasil, a primeira incubadora foi instalada em 1985, na cidade de São Carlos, com o
apoio do CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. A seguir,
Florianópolis, Curitiba, Campina Grande e Distrito Federal também estabeleceram incubadoras. Em
1987 foi criada a Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos de Tecnologias
Avançadas – ANPROTEC que iniciou a articulação do movimento de criação de incubadoras de
empresas no Brasil, afiliando incubadoras de empresas ou suas instituições gestoras.
Segundo dados do Anprotec - Associação Nacional de Entidades Promotoras de
Empreendimentos de Tecnologia Avançada, existem hoje no Brasil cerca de 150 incubadoras
espalhadas pelo Brasil, número que mal chegava a 10 em 1991. Estima-se em cerca de 1.100 o
número de empresas residentes nessas incubadoras, o que representa a geração de cerca de 6.100
novos empregos.
Dados sobre as incubadoras nos Estados Unidos indicam que atualmente há mais de 800
empreendimentos deste tipo no país – em 1980 haviam apenas 12. Estimativas da National Business
Incubation Association – NBIA afirmam que incubadoras norte americanas e empresas graduadas
criaram aproximadamente meio milhão de empregos desde 1980.
No Brasil, a exemplo do que ocorre na Europa e nos Estados Unidos, coexistem incubadoras
exclusivamente de base tecnológica, incubadoras tradicionais e incubadoras mistas.
Qualquer instituição interessada em implantar uma incubadora de empresas deve entrar em
contato com a ANPROTEC, conhecer as publicações que lança sobre o tema e, ainda, usufruir da
experiência das incubadoras a ela associadas.

5
4. Localização das incubadoras:

A maioria da incubadoras no Brasil estão concentradas na nas regiões Sul e Sudeste


conforme demonstra o mapa na figura 02 abaixo :

Fig. 02 – Distribuição de Incubadoras – Fonte Amprotec

Segue abaixo alguns fatores que influenciaram na concentração das incubadoras:

 Qualidade do meio ambiente (condições derealização do bem-estar do homem )


 Condições de circulação urbana (inclusão dos aspectos qualitativos)
 Participação de outros parceiros (rede de empresas, instituições ou pessoas empresas
consolidadas)
 Mão-de-obra (custo) Força de trabalho (inclusão dos aspectos qualitativos)
 Perfil empresarial da comunidade local
 Condições de acesso à informação
 Capital
 Relações inter-empresas e entre agentes do meio
 Força de trabalho (inclusão dos aspectos qualitativos)
 Universidades e centros de formação e pesquisa (base científica local)

A lista completa das incubadoras pode ser consultada através da pagina da Amprotec na Internet:
http://www.anprotec.org.br.

6
5. Objetivos da Incubadora

Basicamente o objetivo de uma incubadora é reduzir a taxa de mortalidade das pequenas


empresas. Para isso, as incubadoras oferecem um ambiente flexível e encorajador onde são
oferecidas uma série de facilidades para o surgimento e crescimento de novos empreendimentos a
um custo bem menor do que no mercado, na medida em que esses custos são rateados e as vezes
subsidiados. Outra razão para a maior chance de sucesso de empresas instaladas em uma incubadora,
é que o processo de seleção capta os melhores projetos e seleciona os empreendedores mais aptos, o
que naturalmente amplia as possibilidades de sucesso dessas empresas.
Com a globalização da economia mundial, as inovações tecnológicas passaram a caracterizar
o aumento da competitividade do setor produtivo em diversos países. A partir desse panorama, as
incubadoras ganharam espaço como promotoras do desenvolvimento (especialmente entre as MPEs),
incentivando a transformação de idéias em realidade.

Uma incubadora neste aspecto deve ser:

 Um "Lócus de referência de inovação", apoiando o desenvolvimento e consolidação de


empresas inovadoras;
 Transformar idéias em produtos, processos ou serviços, que resultem em
empreendimentos competitivos;
 Desenvolver novos produtos e processos;
 Atualizar os empreendimentos, através da aplicação de conhecimentos tecnológicos.
 Agregar valor aos produtos e serviços das MPE's
 Criar, desenvolver e consolidar empresas competitivas que venham a contribuir para o
fortalecimento da tecnologia brasileira e o desenvolvimento sócio-econômico nacional;
 Promover um salto quantitativo na geração de postos de trabalho e renda;

7
6. Apoio oferecido pela Incubadora

As incubadoras oferecem infra-estrutura física necessária para a instalação da empresa (sala


individual, laboratórios, espaços para reunião e treinamento compartilhados etc.) e serviços de
consultoria, assessoria e capacitação.
O mais significativo serviço prestado pelas incubadoras é a consultoria gerencial e
tecnológica, que abordam as seguintes áreas:

 Gestão empresarial;
 Gestão tecnológica;
 Comercialização de produtos e serviços;
 Contabilidade;
 Marketing;
 Assistência jurídica;
 Captação de recursos;
 Contratos com financiadores;
 Engenharia de produção;
 Propriedade intelectual.

Em um espaço físico especialmente construído (ou adaptado) para alojar temporariamente os


participantes, as empresas incubadas têm acesso a serviços que dificilmente encontrariam agindo
sozinhas. Além de espaço físico individualizado para a instalação de escritórios ou laboratórios, as
incubadoras oferecem sala de reunião, auditórios, área para demonstração dos produtos, secretária,
bibliotecas e de uma série de outros benefícios por meio de instituições de ensino e pesquisa, órgãos
governamentais e iniciativas privada.

8
7. Processo de Incubação

O processo de incubação de empresas tem divide-se em:

Pré-incubação: período de tempo determinado, onde o empreendedor poderá estar


finalizando sua idéia utilizando todos os serviços da Incubadora (estágio também conhecido como
Hotel de Projetos), para definição do empreendimento, estudo da viabilidade técnica-econômica e
financeira ou elaboração do protótipo/processo, necessários para o efetivo início do negócio.

Incubação: Processo de apoio ao desenvolvimento de pequenos empreendimentos nascentes


(empresas já constituídas ou em fase de constituição), que já tenham um plano de negócios
estruturado, que tenham dominado a tecnologia, o processo de produção; que disponham de capital
mínimo assegurado que permita o início de suas operações e faturamento. Neste processo, as
empresas normalmente já iniciam com uma figura jurídica e com produtos e serviços disponíveis
para comercialização (objetivo nesta fase é ter, pelo menos, um protótipo do produto e/ou serviço a
ser oferecido).

Na pagina oficial do governo :http://www.brasil.gov.br/para/empreendedor/economia/credito-


para-micro-e-pequenas-empresas é possível consultar uma cartilha com linhas de crédito disponíveis
nos bancos oficiais.

Pós-incubação: processo de apoio da incubadora à fase de consolidação da empresa em seu


mercado de atuação, com a ampliação do número de clientes. Os empreendimentos recebem sua
graduação na incubadora, porém continuam associadas a mesma, recebendo suporte da incubadora
através de seus serviços de assessoria na gestão técnica e empresarial.

Uma incubadora de empresas poderá apoiar/abrigar empreendimentos nos estágios de pré-


incubação, incubação e pós-incubação. É possível que em uma única instituição (incubadora) possa
ter as duas ou três fases ocorrendo simultaneamente para empreendimentos distintos (pré-incubação,
incubação, pós-incubação).

9
8. Tipos de Incubadoras

Quanto a ocupação do espaço físico as incubadoras podem ser divididas em abertas e


fechadas.

Normalmente, no que se costuma chamar de incubadoras fechadas, cada empresa possui o


seu módulo, ou espaço privativo de trabalho, constituído de uma ou mais salas pequenas, mais os
espaços coletivos a serem utilizados por todos. Nas chamadas incubadoras abertas, as empresas
incubadas não precisam estar instaladas no mesmo local. Elas contam com os serviços de apoio e
usam circunstancialmente a estrutura compartilhada, como é o caso das incubadoras de cooperativas.

Quanto a área de atuação podem ser divididas em:

 Incubadoras de Base Tecnológica: Organização que abriga empresas cujos produtos,


processos ou serviços são gerados a partir de resultados de pesquisas aplicadas e nos quais a
tecnologia representa alto valor agregado.
 Incubadoras de Setores Tradicionais: Organização que abriga empresas dos setores
tradicionais da economia, as quais detêm tecnologia largamente difundida e queiram agregar
valor aos produtos, processos ou serviços por meio de um incremento no nível tecnológico
que empregam. Devem estar comprometidas com a absorção ou o desenvolvimento de novas
tecnologias.
 Incubadoras Mistas: Organização que abriga tanto empreendimentos de Base Tecnológica
como de Setores Tradicionais.
 Incubadoras de Empresas de Agronegócios: Apóiam empresas atuantes em cadeias
produtivas de agronegócios, que possuem unidades de produção externas à incubadora e
utilizam os módulos da incubadora para atividades voltadas ao desenvolvimento tecnológico e
ao aprimoramento da gestão empresarial.
 Incubadoras de Cooperativas: Abrigam, por período médio de dois anos, empreendimentos
associativos em processo de formação e/ou consolidação instalados dentro ou fora do
município. Representam uma das modalidades de incubadoras de setores tradicionais.
 Incubadoras de Empresas Culturais: Incubadora de Empresas que tenham a arte e a
cultura como valor agregado aos seus produtos. Essas incubadoras desenvolvem negócios
relacionados à arte e a cultura regional, gerando trabalho e renda alternativas.
 Incubadoras de Design: Organização que abriga empreendedores e/ou empreendimentos
ligados diretamente ao segmento de design. Esses empreendimentos devem estar
comprometidos com a absorção e o desenvolvimento de novas tecnologias.
 Incubadora Social: são incubadoras que apóiam "empreendimentos oriundos de projetos
sociais, ligados aos setores tradicionais, cujo conhecimento é de domínio público e que
atendam à demanda de emprego e renda e de melhoria da qualidade de vida da comunidade".
Pereira e Pereira (2002)

10
A maioria das incubadoras tecnológicas são do tipo fechada. A CELTA, sediada em
Florianópolis e ligada à fundação CERTI, por exemplo, funciona no campus da Universidade de
Santa Catarina (UFSC) possui 36 empresas incubadas instaladas num prédio de 11,1mil metros
quadrados. As empresas estão instaladas em módulos que variam de 30 a 40 metros quadrados e
dispõe de bibliotecas, sala de reunião, auditório, laboratórios, e afins. A CELTA obteve destaque
nacional ao desenvolver a urna eletrônica, aprovada pelo tribunal Superior Eleitoral. Outras
incubadoras deste tipo são a GÊNESIS, sediada na PUC-RJ e COPPE, sediada na UFRJ. Podemos
destacar também as incubadoras tecnológicas do tipo mista, como o CIETEC, localizado no campus
da USP, que utiliza tanto a modalidade fechada, quanto aberta para incubadoras. Incubadoras
tradicionais do tipo fechada são aquelas que atuam nos setores ditos tradicionais como indústrias de
confecção, embalagens, eletro-eletrônicos, plásticos. Um exemplo é o programa de incubadoras de
empresas desenvolvido pela FIESP/CIESP/SP, conhecido como Núcleo de Desenvolvimento
Empresarial, que teve seu início com a instalação da Incubadora na cidade de Itu, em maio de 1991,
hoje possui 13 núcleos em funcionamento distribuídos pela capital e o interior do Estado de São
Paulo. Esses núcleos abrigam cerca de 82 empresas, gerando 482 empregos diretos.
As Cooperativas Populares tiveram sua vez nas incubadoras tradicionais do tipo aberta. A
idéia nasceu na Universidade de Santa Maria, no Rio Grande do Sul, e teve sua consolidação através
do INTECCOPPE/UFRJ – Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares – que, em três anos de
existência incubou cerca de 25 cooperativas populares no estado do Rio de Janeiro. A partir da
experiência do INTECCOPPE, o FINEP está desenvolvendo um programa para levar esta tecnologia
a todas Universidades Federais do Brasil. Este modelo de incubadora presta os serviços necessários à
montagem e acompanhamento do desenvolvimento de cooperativas.
Qualquer pessoa que tenha um projeto inovador e que deseje abrir sua própria empresa pode
apresentar propostas para análise da incubadora.
Empresas já existentes também podem candidatar-se a receber o apoio da incubadora.Neste
caso é preciso ter um projeto para melhoria ou desenvolvimento de novos produtos e serviços.Para
participar basta entrar em contato com a incubadora e apresentar sua proposta.
Ela será analisada de acordo com os critérios de seleção definidos pela incubadora.
Segue no Anexo 2 (pg. 16) desempenho e critério das 20 incubadoras com melhor
desempenho e seus critérios.

11
9. Publico Alvo.

As incubadoras geralmente aceitam projetos apresentados por:

 Pessoa Física: oportunidade ao pesquisador/profissional que tem uma tecnologia e quer


constituir sua própria empresa com um produto/processo inovador.
 Empresa existente: empresa consolidada que pretende desenvolver um produto dentro da
incubadora.
 Empresa transferida: empresa de base tecnológica que busca trabalho mais adequado a seus
pesquisadores, aproximando-se dos centros tecnológicos.
 Nova empresa instituída por Pessoa Jurídica: Empresa ou grupo empresarial que deseja
criar nova empresa de base tecnológica.

10. Critérios básicos de seleção.

Cada incubadora de empresas tem seus próprios critérios para seleção de novos
empreendimentos. Todavia, pode-se dizer que, em geral, elas analisam os seguintes pontos:

 Grau de inovação do produto ou serviço;


 Viabilidade econômico-financeira e mercadológica
 Perfil empreendedor e qualificação técnica do proponente e da equipe envolvida no projeto;
 Interação do empreendimento com os objetivos e missão da incubadora;
 Produtos/processos que gerem empregos especializados
 Contribuição com o avanço tecnológico
 Condições de sobrevivência da empresa (recursos financeiros para iniciar o projeto)

11. Passo a passo para a incubação de um projeto.

1º Passo: Verificar se há uma incubadora que tenha por missão apoiar o seu tipo de projeto
(enquadramento nas áreas de atuação da incubadora);

2º Passo: Entrar em contato com a gerência da incubadora e verificar se há vagas para novos
projetos;

3º Passo: Submeter-se ao processo de seleção da incubadora. Geralmente este processo se divide nas
seguintes fases:
 Apresentação de um formulário de identificação do empreendedor/projeto.
 Apresentação de um plano de negócios (documento que apresenta a viabilidade técnica e
comercial do projeto).
 Avaliação, por parte da direção da incubadora, e seleção dos projetos.
 Entrada para a Incubadora.

4º Passo: O tempo de permanência varia de acordo com os critérios estabelecidos por cada
incubadora (o tempo médio é de dois anos, prorrogável por mais um).

12
12. Conclusão

As incubadoras de empresas podem contribuir principalmente para a solução de duas dessas


dificuldades: capacitação gerencial dos empresários e incorporação de tecnologia aos produtos e
processos da empresa. O ambiente de uma incubadora é um habitat mais que desejável para as
empresas nascentes, considerando que, além do apoio técnico-econômico, há a sinergia criada pela
concentração de empreendedores que têm como meta o sucesso empresarial. Para uma cidade ou
região, os benefícios decorrentes da instalação de uma incubadora são muitos. Ocorre a mobilização
e a coordenação de recursos locais já disponíveis e o surgimento de novos negócios. A longo prazo,
caso sejam bem sucedidas, acabam por gerar empregos diretos e indiretos. Também, a longo prazo,
será observado um aumento gradual na arrecadação local de impostos, na medida em que as
empresas consolidarem-se e deixarem a incubadora, passando a participar agressivamente do
mercado. Pequenas indústrias regionais em declínio, mas que apresentem algum potencial de
recuperação poderão ser revitalizadas e aumentar a chance de se manterem competitivas se suas
empresas tiverem a oportunidade de se instalar em uma incubadora. Dados do SEBRAE apontam que
as micro, pequenas e médias empresas constituem cerca de 98% das empresas existentes, empregam
60% da população economicamente ativa e geram 42% da renda produzida no setor industrial. Como
consequência, participam com 21% do Produto Interno Bruto - PIB. Entre as principais razões da
falência de empresas - que chega a 80% no primeiro ano de atividade entre aquelas que não passaram
por incubadoras e a 20% entre as que passaram. De acordo com levantamento feito pelo SEBRAE
essas empresas estão com problemas gerenciais e dificuldades burocráticas, que incluem uma
legislação complexa, exigente e que acarreta altos custos burocráticos, tributários, de produtos e
comercialização Além das dificuldades concorrenciais para os micro e pequenos empresários que
atuam em mercados oligopolizados, onde grandes empresas ditam prazos e condições de pagamentos
para a aquisição de produtos e fornecimento de insumos.
Além disso, sabe-se que as elevadas taxas de juros sobre os empréstimos, superiores às que pagam as
grandes empresas, e as exigências dos emprestadores por garantias reais, que geralmente o micro e
pequeno empresário não pode oferecer, deixam-no sem acesso ao crédito. Completa esse quadro de
entraves o difícil acesso a tecnologias para a inovação em produtos e em processos de produção.

13
13. Bibliografia

http://www.e-commerce.org.br/incubadoras.php
Acesso: 02/10/2010 às 15h35min

http://www.cefetse.edu.br/index.php?option=com_content&task=view&id=263&Itemid=17
Acesso: 02/10/2010 às 15h52min

http://www.sucessonews.com.br/o-que-e-uma-incubadora-de-empresas/
Acesso: 03/10/2010 às 11h25min

http://www.ciaem.org.br/ciaem.qps/Ref/QUIS-76Q5SH
Acesso: 03/10/2010 às 11h41min

http://www2.portodigital.org/portodigital/imprensa/entrevistas/40023;44216;0802;3482;15200.asp
Acesso: 03/10/2010 às 11h41min

http://revistapegn.globo.com/Revista/Pegn/0,,17181,00.html

Acesso: 20/11/2010 ás 8h 32min.

www.sebrae.com.br/customizado/.../incubadora-de-empresas

Acesso: 20/11/2010 ás 10h 15min.

http://www.brasil.gov.br/para/empreendedor/economia/credito-para-micro-e-pequenas-empresas

Acesso: 20/11/2010 ás 12:32min.

14
ANEXO 1 – Endereços Importantes para Empreendedor

1. SEBRAE
http://www.sebrae.com.br

2. FINEP – Financiamento de Estudos e Projetos


http://www.finep.gov.br/

3. PADCT - Componente de Desenvolvimento Tecnológico


http://reaact.cesar.org.br/cdt

4. CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

http://www.cnpq.br

5. ANPROTEC - Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos de


Tecnologias Avançadas
www.anprotec.org.br

6. Banco do Nordeste
http://www.bnb.gov.br

7. SENAI - Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial


http://www.dn.senai.br

8. IEL - Instituto Euvaldo Lodi


http://iel.cni.org.br

9. MDIC - Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio


http://www.mdic.gov.br

10. BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento


http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/bndes/bndes_pt/Navegacao_Suplementar/Perfil/Micro_Pequen
a_e_Media_Empresa_e_Pessoa_Fisica/

11. BANCO DO BRASIL


http://www.bb.com.br
http://www.portaldoempreendedor.gov.br/modulos/inicio/index.php

12. Portal do Governo Federal da Republica Federativa do Brasil


http://www.brasil.gov.br/para/empreendedor/economia/credito-para-micro-e-pequenas-empresas

15
ANEXO 2 - Dados técnicos das 20 incubadoras de mais destaque no país

Veja mais sobre as incubadoras que foram destaque :

Incubadora Bio- Rio


Ano de fundação 1988
Sede Rio de Janeiro
Área de atuação Biotecnologia
Empresas incubadas 17
Empresas graduadas 16
Empresas associadas 1.583 (18 do parque tecnológico, 65 empresas Prime, 1.500 farmácias
associadas a projetos de inteligências competitivas)
Taxa de ocupação (em %) 100
Relação candidato/vaga Processo de seleção contínuo
3 critérios de seleção
- Ter um projeto de pesquisa e desenvolvimento além do plano de negócio
- Não poluir o meio ambiente
- Não revelar fins bélicos

Incubadora Centro Empresarial para Laboração de Tecnologias Avançadas - CELTA


Ano de fundação 1986
Sede Florianópolis (SC)
Área de atuação Mecânica, eletrônica, tecnologia da informação, engenharia biomédica e óptica
Empresas incubadas 38
Empresas graduadas 64
Empresas associadas Não tem
Taxa de ocupação (em %) 100
Relação candidato/vaga 30 candidatos para cada vaga
3 critérios de seleção
- Grau de tecnologia e inovação
- Viabilidade de mercado
- O quanto será capaz de gerar recursos

16
Incubadora Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial - CIDE
Ano de fundação 2000
Sede Manaus (AM)
Área de atuação Multidisciplinar (alimentos, bebidas, cosméticos com ativos da Amazônia e
biojoias)
Empresas incubadas 44
Empresas graduadas 13
Empresas associadas Não tem
Taxa de ocupação (em %) 100
Relação candidato/vaga 17 candidatos para cada vaga
3 critérios de seleção
- Ser um negócio inovador
- Preenchimento do formulário de pré-seleção
- Apresentação e aprovação do plano de negócios pelo conselho de administração e técnicos

Incubadora Cietec
Ano de fundação 1998
Sede São Paulo (SP)
Área de atuação Biotecnologia, eletrônica, medicina, saúde, meio ambiente e tecnologia da
informação
Empresas incubadas 139
Empresas graduadas 91
Empresas associadas 87
Taxa de ocupação (em %) 92
Relação candidato/vaga 10 candidatos para cada vaga
3 critérios de seleção
- Análise do plano de negócios
- Grau de inovação
- Possibilidade de crescimento e desenvolvimento no mercado

Incubadora COPPE-RJ
Ano de fundação 1994
Sede Rio de Janeiro (RJ)
Área de atuação Base tecnológica
Empresas incubadas 16
Empresas graduadas 43
Empresas associadas Não tem
Taxa de ocupação (em %) 100
Relação candidato/vaga 5 candidatos para cada vaga
3 critérios de seleção
- Grau de inovação do produto/serviço
- Possibilidade de integração com a universidade
- Perfil do empreendedor

17
Incubadora Incamp
Ano de fundação 2002
Sede Campinas (SP)
Área de atuação Multidisciplinar de base tecnológica
Empresas incubadas 10
Empresas graduadas 22
Empresas associadas 8
Taxa de ocupação (em %) 100
Relação candidato/vaga 4 candidatos por vaga
3 critérios de seleção
- Ser de base tecnológica
- Aprovação na avaliação técnica
- Ter mercado

Incubadora Incubadora de Empresas Habitat


Ano de fundação 1997
Sede Belo Horizonte (MG)
Área de atuação Biociências
Empresas incubadas 18
Empresas graduadas 17
Empresas associadas Não tem
Taxa de ocupação (em %) 100
Relação candidato/vaga Processo contínuo
3 critérios de seleção
- Viabilidade econômica e financeira do projeto
- Sinergia com outros projetos instalados na incubadora
- Grau de inovação e viabilidade de atendimento das exigências regulatórias

Incubadora Incubadora de Empresas Padetec


Ano de fundação 1991
Sede Fortaleza (CE)
Área de atuação Multidisciplinar (alimentos, químicos, energia alternativa e produtos naturais)
Empresas incubadas 17
Empresas graduadas 28
Empresas associadas 6
Taxa de ocupação (em %) 90
Relação candidato/vaga 4 candidatos por vaga
3 critérios de seleção
- Caráter inovador
- Viabilidade de implantação
- Retorno econômico

18
Incubadora Incubadora de Empresas e Projetos do Inatel
Ano de fundação 1985
Sede Santa Rita do Sapucaí (MG)
Área de atuação Tecnologia da informação, informática, eletrônica e telecomunicações
Empresas incubadas 9
Empresas graduadas 43
Empresas associadas Não tem
Taxa de ocupação (em %) 80
Relação candidato/vaga 6 candidatos para cada vaga
3 critérios de seleção
- Ser aluno ou ex-aluno do Inatel
- Apresentar um serviço ou produto inovador de base tecnológica
- Viabilidade de mercado

Incubadora Incubadora de Empresas Uniderp/Interp


Ano de fundação 2001
Sede Campo Grande (MS)
Área de atuação Multisetorial com ênfase em eletrônica e automação, serviços, artesanato e
tecnologia da informação
Empresas incubadas 8
Empresas graduadas 8
Empresas associadas 4
Taxa de ocupação (em %) 100
Relação candidato/vaga 8 candidatos para cada vaga
3 critérios de seleção
- Viabilidade técnica e econômica
- Análise do perfil do empreendedor
- Grau de inovação

Incubadora Incubadora Multisetorial de Base Tecnológica e Inovação Raiar


Ano de fundação 2003
Sede Porto Alegre (RS)
Área de atuação Base tecnológica e tecnologia da informação
Empresas incubadas 28
Empresas graduadas 27
Empresas associadas 4
Taxa de ocupação (em %) 100
Relação candidato/vaga Edital de fluxo contínuo
3 critérios de seleção
- Viabilidade técnica e econômica do empreendimento
- Diferencial de mercado e competitividade do produto ou serviço da empresa
- Qualificação dos empreendedores

19
Incubadora Incubadora Tecnológica de Campina Grande
Ano de fundação 1984
Sede Campina Grande (PB)
Área de atuação Tecnologia da informação, biodísel e meio ambiente
Empresas incubadas 46
Empresas graduadas 70
Empresas associadas 90
Taxa de ocupação (em %) 100
Relação candidato/vaga 4 candidatos para cada vaga
3 critérios de seleção
- Apresentar viabilidade técnica e econômica
- Alto grau de inovação
- Ter potencial de mercado

Incubadora Incubadora Tecnológica de Curitiba


Ano de fundação 1989
Sede Curitiba (PR)
Área de atuação Base tecnológica
Empresas incubadas 11
Empresas graduadas 41
Empresas associadas 5
Taxa de ocupação (em %) 70
Relação candidato/vaga 4 candidatos para cada vaga
3 critérios de seleção
- Ser um negócio inovador do ponto de vista tecnológico
- Apresentar um plano de negócios viável
- Grau de empreendedorismo da equipe

Incubadora Inova- UFMG


Ano de fundação 2003
Sede Belo Horizonte (MG)
Área de atuação Multidisciplinar (tecnologia da informação, biotecnologia e química)
Empresas incubadas 8
Empresas graduadas 46
Empresas associadas Não tem
Taxa de ocupação (em %) 100
Relação candidato/vaga 4 candidatos para cada vaga
3 critérios de seleção
- Ser um projeto inovador com impacto no mercado
- Ter uma tecnologia inovadora capaz de gerar patentes
- Grau de empreendedorismo dos sócios

20
Incubadora Instituto Gene Blumenau
Ano de fundação 1996
Sede Blumenau (SC)
Área de atuação Tecnologia da informação
Empresas incubadas 28
Empresas graduadas 25
Empresas associadas Não tem
Taxa de ocupação (em %) 100
Relação candidato/vaga 5 candidatos para cada vaga
3 critérios de seleção
- Inovação
- Capacidade empreendedora dos sócios
- Disponibilidade de tempo para desenvolver o projeto

Incubadora Instituto Gênesis/PUC-RJ


Ano de fundação 1997
Sede Rio de Janeiro (RJ)
Área de atuação Áreas tecnológica, cultural e social
Empresas incubadas 13
Empresas graduadas 53
Empresas associadas Não tem
Taxa de ocupação (em %) 100
Relação candidato/vaga 10 candidatos a cada projeto de seleção
3 critérios de seleção
- Viabilidade técnica e econômica do negócio
- Grau de inovação e competitividade
- Qualificação da equipe

Incubadora Midi Tecnológico


Ano de fundação 1998
Sede Florianópolis (SC)
Área de atuação Base tecnológica
Empresas incubadas 22
Empresas graduadas 43
Empresas associadas Não tem
Taxa de ocupação (em %) 100
Relação candidato/vaga 40 planos de negócios a cada processo seletivo
3 critérios de seleção
- Projeto inovador
- Atender às necessidades do mercado
- Ser viável economicamente

21
Incubadora Multi-incubadora do CDT/UNB
Ano de fundação 1989
Sede Brasília (DF)
Área de atuação Biotecnologia e tecnologia da informação
Empresas incubadas 10
Empresas graduadas 117
Empresas associadas 1
Taxa de ocupação (em %) 100
Relação candidato/vaga 3 candidatos para cada vaga
3 critérios de seleção
- Capacidade de inovar ou agregar inovação
- Viabilidade técnica, social, econômica e mercadológica
- Estar o produto ou serviço em fase final de trabalho, com prazo máximo de um ano para ser
concluído

Incubadora Núcleo de Empreendimento em Ciência, Tecnologia e Arte - Nectar


Ano de fundação 2001
Sede Recife (PE)
Área de atuação Tecnologia, arte, cultura, ciência
Empresas incubadas 30
Empresas graduadas 3
Empresas associadas 10
Taxa de ocupação (em %) 100
Relação candidato/vaga Processo contínuo
3 critérios de seleção
- Nível de inovação
- Capacidade de absorção do produto/serviço
- Preparação do empreendedor

Incubadora Programa de Incubação de Empresas de Base Tecnológica da UFPA


Ano de fundação 1995
Sede Belém (PA)
Área de atuação Tecnologia da informação, energia, química de produtos naturais e deseign de
produto
Empresas incubadas 8
Empresas graduadas 22
Empresas associadas Não tem
Taxa de ocupação (em %) 90
Relação candidato/vaga 3 candidatos para cada vaga
3 critérios de seleção
- Grau de inovação
- Viabilidade financeira do projeto
- Área de atuação correspondente aos grupos de pesquisa da universidade

Fonte: Anprotec e incubadoras

22