Vous êtes sur la page 1sur 7

Curso de Engenharia Civil

Disciplina de Introdução à Construção - Professor Cláudio Cançado

ARGAMASSAS
CONCEITO
As argamassas são materiais de construção que tem na sua constituição aglomerantes, agregados minerais
e água. Quando recém misturadas, possuem boa plasticidade; enquanto que, quando endurecidas,
possuem rigidez, resistência e aderência.
Ex: cimento + areia + água; cal + areia + água; cimento + cal + areia + água
Aglomerantes são materiais que promovem a união dos grãos do material inerte (agregados). Funcionam
como elementos ativos nas argamassas, sofrendo transformação química. Ex.: cimento (utilizado em
argamassa de revestimento e assentamento), cal (utilizada em revestimento), e gesso (utilizado em
revestimento, decoração e modelagem).
Agregados são materiais pétreos fragmentados que atuam nas argamassas e concretos como elemento
inerte (que não sofre transformação química). Ex.: areia. O material inerte é incorporado para diminuir a
contração e tornar o material mais econômico.
Conforme a necessidade, pode-se adicionar outros componentes para melhorar ou dar outra propriedade ao
material. Um erro freqüente, contudo, é a superdosagem de aglomerantes na argamassa, o que resulta em
custos adicionais. Isso pode ser atribuído à pouca informação e prática tecnológica na orientação e
formação de profissionais. A conseqüência disso é o uso incorreto do material, que por vezes apresenta
características inadequadas para o fim ao qual se destina.
Aditivos para argamassas:
• Plastificantes - aumentam a resistência com menos água no preparo;
• Fluidificantes - mesmo efeito do plastificante, porém mais efetivo;
• Incorporadores de ar - incorporam bolhas de ar, aumentando a impermeabilidade;
• Impermeablizantes - repelem a água;
• Retardadores - retardam a pega;
• Aceleradores - aceleram a pega.
FUNÇÕES
• Unir com solidez elementos de alvenaria e ajudar a resistir aos esforços laterais.
• Distribuir com uniformidade as cargas que atuam na parede por toda a área resistente aos
elementos de alvenaria.
• Absorver as deformações que a alvenaria sofre naturalmente.
• Selar as juntas contra a penetração de água da chuva.
• Dar acabamento como reboco nos tetos, pisos, nos reparos de obras de concreto, etc.
Propriedades mecânicas
A argamassa resiste aos esforços horizontais que ocorrem em uma parede, como flexão e cisalhamento
causado pelo vento, perpendiculares ou paralelos ao plano das paredes. Entretanto, não resiste muito bem
à compressão, papel que cabe aos blocos de alvenaria.
Uma boa argamassa deve ter boa resistência mecânica, impermeabilidade, aderência, durabilidade e
volume constante. Na escolha da argamassa, essas qualidades são valorizadas de acordo com as
exigências da obra.
ARGAMASSA DE ASSENTAMENTO
Propriedades
• Trabalhabilidade: uma argamassa tem boa trabalhabilidade quando distribui-se com facilidade ao
ser assentada, preenchendo todos os vazios. Não separa-se ao ser transportada, agarra a colher do
pedreiro, não endurece quando toca blocos de sucção alta, e permanece plástica por um bom
tempo.
• Retentividade de água: está relacionada com a manutenção da consistência da argamassa. É a
propriedade da argamassa de não perder a água que possui para o elemento onde foi assentada.
• Aderência: não é uma característica própria da argamassa. Depende das condições da mesma, e
da unidade da alvenaria. A aderência é um processo mecânico; a argamassa se ancora na
alvenaria pela penetração nas suas reentrâncias.
• Resistividade mecânica: o principal esforço que a argamassa de assentamento sofre é o de
compressão. Também sofre flexão e cisalhamento por esforços laterais nas paredes, porém em
menor quantidade.
Em relação aos seus aglomerantes, as argamassas de assentamento podem ser:
• Argamassa de cal: é uma mistura de areia e cal que preenche os vazios entre os blocos ou tijolos,
cimentando-os . A cal pode ser de dois tipos: a cal virgem e a cal hidratada. A primeira, para ser
usada, deve passar por um processo de hidratação; enquanto que a segunda pode ser comprada
pronta. A cal pode se apresentar em 3 estados para a mistura com o agregado na formação da
argamassa: pasta, leite de cal ou pó. A cal dá à argamassa uma boa trabalhabilidade e capacidade
de reter água, entretanto, quando está endurecida, apresenta baixa resistência.
• Argamassa de cimento: as argamassas de cimento e areia são indicadas para suportar maiores
cargas, pois possuem alta resistência. Argamassas ricas em cimento têm boa trabalhabilidade,
porém são pouco econômicas. Para ter-se o máximo de qualidade deve-se observar os cuidados
com a estocagem e o prazo de utilização.
• Argamassa mista de cimento e cal: tem proporções adequadas de cada componente, cada qual
contribuindo com suas características, formando uma mistura mais completa . A função da cal é
plastificante, por sua capacidade de reter água e ter trabalhabilidade . A função do cimento é dar
resistência e aumentar a velocidade de endurecimento. Esse tipo de argamassa se adapta e é
indicada para vários usos em alvenaria (seja ela estrutural ou não).
• Argamassa mista de cimento e saibro (muito utilizado em Santa Catarina): é uma argamassa de
cimento em que o saibro atua como plastificante, aumentando o volume da mistura e melhorando
sua trabalhabilidade. Não se sabe muito sobre o emprego do saibro nas argamassas, mas seu uso
vem de uma tradição herdada dos antigos mestres de obra. Vale também por sua economia.
ARGAMASSA DE REVESTIMENTO
Revestimento é o recobrimento de uma superfície lisa ou áspera com uma ou mais camadas superpostas
de argamassa em espessura, via de regra, uniforme, apta a receber, sem danos, uma decoração final.
Aderência é a propriedade do revestimento de resistir a tensões normais ou tangenciais nas superfícies de
interface com o substrato.
Nas edificações, uma das maiores razões de falha das argamassas de revestimento está relacionada com a
perda ou falta de aderência ao substrato. Assim, a capacidade da argamassa de atingir uma completa,
resistente e durável aderência com a base talvez seja a mais importante propriedade concernente ao
comportamento de um revestimento.
Funções
Ao longo do tempo, independente do tipo do material ou do uso à que se destina, devem-se exigir sempre
as mesmas funções básicas dos revestimentos argamassados:
• unir;
• vedar;
• regularizar;
• proteger.
As camadas de constituição dos revestimentos são denominadas de emboço e reboco, podendo-se, caso
necessário, aplicar previamente um suporte de revestimento (tela metálica, por exemplo) ou uma camada
de chapisco. A função unir é básica nas argamassas de assentamento, entretanto pode ser estendida às
argamassas de revestimento quando utilizamos o chapisco, responsável pela boa união entre os substratos
de concreto e as camadas posteriores do revestimento.
Usos Funções
chapisco unir camadas de revestimento ao substrato
emboço vedar a alvenaria, regularizar a superfície, e proteger a base

reboco vedar o emboço e dar um acabamento estético


Usos
Entre outros usos importantes dos revestimentos argamassados, podemos citar:
• estanqueidade à água;
• conforto térmico;
• isolamento acústico;
• resistência ao fogo;
• regularização da base;
• aparência e decoração;
• proteção da base.
Os revestimentos externos servem principalmente para aumentar a durabilidade da obra, reduzir a
penetração da água da chuva e em certos casos, melhorar a aparência das bases de alvenaria.
Propriedades da argamassa de revestimento
Quando fresca
• Adesão inicial: é a propriedade que a argamassa fresca de revestimento possui de permanecer
adequadamente unida à base de aplicação, após o seu lançamento manual ou mecânico, auxiliada
pela sua plasticidade - traduzida pela coesão entre as partículas sólidas - e dificultada pela
influência da força da gravidade. Adesão inicial é uma das principais propriedades tecnológicas para
a determinação de trabalhabilidade requerida às argamassas.
• Consistência e plasticidade: são os principais fatores condicionantes da trabalhabilidade das
argamassas, a qual pode garantir que o revestimento fique adequadamente aderido ao substrato e
dar o acabamento superficial conforme prescrito, caso essa propriedade não seja muito alterada
pelas características do substrato. A consistência e a plasticidade podem alterar-se completamente
em função da relação água/aglomerante, da relação aglomerante/areia, e da natureza e qualidade
do aglomerante. São vários os métodos empregados para a medida da consistência. Os métodos
que impõem à argamassa uma deformação através de vibração ou choque medem ao mesmo
tempo a consistência e a plasticidade.
• Retenção de água de consistência: define-se retenção de água de uma argamassa como a
propriedade que a mesma possui de reter mais ou menos água de amassamento ao entrar em
contato com uma superfície de maior nível de absorção. Nas argamassas mistas de cimento e cal,
os aglomerantes são os principais responsáveis pela capacidade de retenção de água. No entanto
as partículas de agregado também são responsáveis por essa propriedade.
Quando endurecida
• Resistência mecânica (capacidade de absorver deformações): É a propriedade das argamassas
endurecidas de acompanhar a deformação gerada por esforços internos ou externos de diversas
origens e de retornar à dimensão original quando cessam esse esforços sem se romperem, ou
através do surgimento de fissuras microscópicas que não comprometam o desempenho do
revestimento no que diz respeito à aderência, estanqueidade e durabilidade. A resistência mecânica
é uma das principais propriedades responsáveis pelo êxito das argamassas nas diversas funções
do revestimento, para tanto devem apresentar módulo de deformação compatível com cada função.
As solicitações às quais encontram-se submetidas as argamassas de revestimento são:
a. Movimentação volumétrica da base - a variação dimensional por umedecimento e secagem é a
mais comum, que ocorre por ação dos agentes externos, como temperatura e umidade;
b. Deformação da base - devido a deformação lenta do concreto da estrutura e recalques das funções;
c. Movimentação do revestimento - ligadas às condições climáticas, as variações de temperatura
provocam o fenômeno de dilatação e contração do revestimento;
d. Retração do revestimento - tensões internas são provocadas pelo movimento de retração em
conseqüência de uma diminuição de volume devido à perda de água para a base, por evaporação,
e ainda devido às reações de hidratação do cimento. Quando as tensões internas atuantes no
revestimento superam a sua resistência à tração, surge a fissura. A retração pode ocorrer após a
secagem do revestimento, por variações no ambiente.

Caracteristícas de algumas argamassas


As argamassas de cal aéreas possuem mais coesão do que as de cimento, por esse motivo precisam de
menor quantidade de aglomerantes para se obter uma massa com trabalhabilidade adequada para
rejuntamentos e revestimentos.
Já argamassas magras de cimento, com acréscimo de cal, ficam mais trabalháveis.
As argamassas de cal retêm a água de amassamento por mais tempo. Quando estão secos, as pedras, os
tijolos e os blocos de alvenaria absorvem com maior rapidez a água das argamassas de cimento do que das
argamassas de cal.
Quando a argamassa de cal seca e endurece, geralmente ocorre uma diminuição de volume do material.
Essa diminuição do volume será maior proporcionalmente à quantidade de cal e água usadas na mistura.
Pode ocorrer o aparecimento de fissuras nesse tipo de argamassa quando o processo de secagem torna-se
demasiadamente rápido devido à ação do sol e do vento ou quando a sua retração ( quando endurecido) for
impedida.
Também pode haver danificação dos revestimentos externos de argamassa cal em locais atingidos pela
água.
Uma argamassa com qualidade deve ter todos os grãos do material inerte (o agregado miúdo) envolvidos e
aderidos pelo material ativo (a pasta) e os espaços entre os grãos do agregado miúdo devem ser
preenchidos pela pasta. Para uma boa aderência entre o agregado e o aglomerante, é necessário que o
primeiro esteja limpo e molhado pela água.
No caso das argamassas mistas o cimento é o aglomerado que tem maior resistência.
O desempenho das argamassas de revestimento
O desempenho de um produto é definido pelo grau de satisfação das necessidades do usuário. No caso dos
revestimentos, a principal exigência de desempenho é a durabilidade, deve ser entendida como a aptidão
de um produto em atender às necessidades de seus usuários, ao longo do tempo, no ambiente específico
em que é empregado. Para a utilização de revestimentos com bom desempenho é preciso compreender as
funções e propriedades das argamassas que os constituem e dos substratos que lhes servem de base. A
avaliação de desempenho deve abranger a fase de construção e de uso do edifício.
Fatores que afetam o desempenho na fase de construção
O desempenho durante a fase de construção está ligado à facilidade de aplicação das argamassas, a qual
está relacionada com os seguintes fatores:
• Grau de umedecimento da base
• Adesão inicial
• Espessura final do revestimento
• Facilidade de produção
• Facilidade de acabamento
• Método de aplicação
• Tempo disponível entre a mistura e a aplicação
• Tempo disponível entre a aplicação e o desempenamento
• Risco de fissuração
• Desperdícios
• Adequação à estrutura produtiva da obra

Fatores que afetam o desempenho da fase de uso


Como exposto acima, a durabilidade é o principal requisito de desempenho exigido das argamassas de
revestimento, que depende dos seguintes fatores:
• Exposição a intempéries
• Efeitos da poluição atmosférica
• Especificações de acabamentos
• Detalhes arquitetônicos
• Características da base
• Propriedades da argamassa fresca e endurecida
• Características e proporção dos materiais constituintes
• Danos causados por abrasão ou impacto
• Manutenção periódica
Em cada um desses itens há um grande número de variáveis que não devem ser estudas em um único
programa de testes. As manifestações patológicas dos edifícios tem mostrado que a aderência, em
particular, tem efeito marcante na durabilidade dos revestimentos argamassados. E Os fatores que afetam a
aderência podem ser divididos em três grupos:
• Fatores ligados ao projeto
• Fatores inerentes aos materiais
• Fatores que dependem da mão-de-obra
Fatores que influem na resistência dos revestimentos e na sua evolução:
• Quantidade de cimento - a resistência mecânica das argamassas (tração, compressão, abrasão e
aderência) são melhoradas com o aumento do consumo de cimento.
• Teor de cal - a resistência mecânica aumenta com pequenos volumes de cal na argamassa e
decresce significativamente com teores mais elevados. Um teor equilibrado de Cal (0,25 a 1,0),
confere ao revestimento um ganho de aderência, pois esse aglomerante aumenta a capacidade dos
revestimentos de resistir a deformações. Há contudo que se ter cuidado com a cura pois a cal tem
um endurecimento lento em presença o gás carbônico contido no ar. Somente após 30 dias ocorre
a recarbonatação superficial completa do hidróxido de cálcio.
• Incorporação de ar - esta propriedade diminui a massa volumétrica aparente da argamassa, tendo
por conseqüência menor resistência mecânica.
• Relação água/cimento - é um fator determinante de resistência mecânica. No entanto deve ser
interpretado com reserva quando se trata de revestimentos. Nas argamassas ricas em aglomerante,
maiores valores de aderência poderão ser conseguidos com um aumento de plasticidade (maior
teor de água). Em revestimentos com argamassa pobre em aglomerante, só um ponto ótimo no
fator água/cimento poderá incrementar a resistência mecânica sem prejuízo da trabalhabilidade,
resultando na otimização da aderência.
Exemplos de argamassas de revestimento para fins decorativos
Atualmente dispõe-se de uma infinidade de opções de argamassas texturizadas. Muitas são encontradas
prontas para a aplicação, algumas necessitam de preparo.
A aplicação das argamassas decorativas geralmente é feita sobre a parede já rebocada, geralmente
seguem uma composição básica:
• Resina Acrílica: Assemelha-se às massas corridas, seu uso é indispensável. É diluída em água.
• Hidrorrepelente: Tem função de repelir a água, funcionando como uma espécie de
impermeabilizante.
• Biocida: Usados em misturas onde não há cal. Evitam o surgimento de fungos e bactérias que
causam mofo.
• Minerais: São os agregados da argamassa, as texturas são formadas conforme as dimensões dos
grânulos.
• Pigmento: É o que confere cor à argamassa, conforme a resina acrílica utilizada, dispõe-se de um
certo número de cores oferecidas pelo fabricante.
Algumas argamassas texturizadas podem receber pintura posterior à aplicação, qualidade esta que
varia conforme a composição. A maioria dessas argamassas pode ser aplicada tanto em interiores
como em exteriores.
Os efeitos texturizados são dados durante a aplicação da massa, com o auxílio de ferramentas
como: rolos texturizados, rolos comuns, luvas, espátulas, rodos, desempenadeiras, etc...
Proporções

Proporções adequadas às argamassas e seus usos

Tipo/uso cimento cal Areia

Alvenarias 1 2 8
Tijolo Comum/Alicerce

Laminado(1 tijolo de espessura) 1 1 6

Tijolo Furado 1 2 8

Bloco de Concreto de Enchimento-19cm 1 0,5 8

6,5cm 1 0,5 6

Blocos de Vidro 1 0,5 5

Pedras Irregulares 1 - 4

Chapisco 1 - 3
Sobre Concreto

Para Impermeabilização 1 - 2

Sobre Alvenaria 1 - 4

Emboço(Massa Grossa) 1 2 9
Uso Externo

Uso Interno - 1 4

Assentamento de Cerâmica ou Pastilhas 1 2 8

Assentamento de Azulejos ou Ladrilhos - 1 4

Emboço de Forros 1 2 9

Reboco(Massa Fina) - 1 2
Reboco de Forros

Reboco para Pintura/Colagem - 1 4

Reboco Externo para Pintura - 1 3

Reboco para Cimento Alisado 1 - 1,5

Assentamento Interno de Azulejos e Ladrilhos 1 1 5

Assentamento Externo de Pastilhas 1 1 6

Assentamento Externo 1 0,5 5


Litocerâmica

Pisos 1 - 3
Piso Cimentado

Piso para receber Tacos 1 - 4

Piso/Base Niveladora para Ladrilhos 1 - 5

Piso/Colocação de Ladrilhos 1 0,5 5


o
Fonte: A&C, Ano7 - N 6, Ed. Abril São Paulo. 1991
ARGAMASSA COLANTE
Existem 4 tipos de argamassa colante – rígida, flexível, flexível aditivada e bicomponente -, classificadas em
dois grupos conforme o uso: interno e externo. O cuidado com esse material, contudo, não se restringe à
escolha. Também pede atenção na hora de ser aplicado – quando esticada no piso ou na parede de
ambientes fechados, a argamassa fica no ponto (com liga de fixação) para receber as placas por no máximo
15 minutos. Em espaços abertos, bem ventilados ou ensolarados, a secagem é ainda mais rápida. E, como
não se pode trabalhar com material seco, é importante assentar pequenas superfícies de cada vez.
ARGAMASSA
CARACTERÍSTICA PRÓPRIA PARA
COLANTE
ACI Rígida Ambientes internos e secos
Flexível, com capacidade de acomodar Ambientes internos úmidos ou revestimento de porcelanato e
ACII
deformações áreas externas (cozinha, box de banheiro e piscina)
No uso residencial, é necessário apenas no porcelanato
ACIII Flexível e aditivada, mais flexível que a anterior
assentado ao ar livre
ACIIIe Bicomponente (seca mais devagar) Destinado ao uso em áreas industriais

Como Assentar
Pisos
• Verifique se o contrapiso está nivelado, aprumado, curado (seco) e, nas áreas úmidas e externas,
se tem caimento para o ralo.
• Alguns profissionais preferem iniciar o assentamento das placas do fundo do ambiente em direção à
porta de saída. Eles argumentam que, durante o trabalho, não precisarão atravessar o piso recém
assentado. Outros dizem que começar pela porta de entrada é melhor porque esta parte do
revestimento fica muito exposta e, portanto, merece peças inteiras, sem recortes. A solução para
não pisotear a parte já revestida, nesse caso, é ir assentando as placas no contorno das paredes e
deixar a área de passagem para o final. Sempre lembrar de seguir a paginação proposta pelo
profissinal.
• Se o piso cerâmico for escolhido para vários ambientes internos da casa, o ideal é iniciar pelo
assentamento do cômodo mais interno.
Paredes
• O assentamento deve ser feito de baixo para cima, deixando-se os eventuais cortes para as placas
junto ao teto – jamais deve-se cortar as que estão próximas ao piso (fiada inferior da parede), que
ficam mais aparentes.
• É recomendável prever uma junta entre a parede e o piso por causa das possíveis variações das
peças.
• Caso não esteja previsto um rodapé, as placas da fiada inferior da parede devem ser assentadas
depois do piso. Assim, ficarão acima daquelas que revestem o piso, impedindo infiltrações no
rejuntamento, caso escorra água pela parede. Isso vale para áreas internas e externas.