Vous êtes sur la page 1sur 12

OROZCO E SIQUEIROS: DUAS REPRESENTAÇÕES DE PARTICIPAÇÃO POPULAR NA

REVOLUÇÃO MEXICANA

Maria Eunice da Silva Sousa (História)

Prof. Ms. Ival de Assis Cripa (Orientador)

Resumo:
Este artigo é resultado de pesquisa de Iniciação Científica em que o objeto de estudo foram as representações da
Revolução Mexicana criadas pelos pintores muralistas David Alfaro de Siqueiros e José Clemente Orozco.
Precisamente, aqui, nos ativemos à discussão das representações da participação popular na revolução tentando
demonstrar que os pintores embora vivendo num mesmo momento histórico: a Revolução Mexicana, os
movimentos de vanguarda na América Latina, o crescimento das idéias comunistas; fruto da influência da
Revolução Russa e a crise do capitalismo que caracterizaram a primeira metade do século XX criaram
representações em perspectivas opostas no que diz respeito à participação popular nos eventos políticos e sociais
daquele período.

Abstract:
This article is result of search in Scientific Initiation in that the object of study were the Mexican Revolution
representation in the painters of David Alfaro de Siqueiros and José Clemente Orozco. Specifyly, here, we
discussed the representations of the popular participation in revolution, trying to demonstrate what although
living in the same historical moment: the Mexican Revolution, the Vanguard Movements in Latin America, the
increase of the communists ideas; Russian Revolution’s influence and the crisis of Capitalism what
characterized the half first of the Twenty Century XX they created representations in opposite perspectives about
of the popular participation in the politics and social events of that period.

Palavras-chave:
Revolução Mexicana, representação, ideologia

Key-words:
Mexican Revolution, representation, ideology

A cultura mexicana após os dez anos da Revolução Mexicana, que abrangeu toda a segunda década

do século XX, dentro dos movimentos de Vanguarda na América e dos projetos de modernização econômica, foi

a responsável por uma grande produção de imagens com conteúdos históricos. Toda a História do México foi

transformada em imagens pelos pintores que pertenceram ao Movimento Muralista Mexicano, principalmente

nas figuras de David Alfaro de Siqueiros, José Clemente Orozco e Diego Rivera. Porque, segundo Camilo de

Melo Vasconcelos (2003, 176):

a Revolução Mexicana, em oposição ao velho regime e às aristocracias no poder,


engendrou uma nova ordem política que se refletiu também na questão cultural. A
cultura teria que se reconstituir, se renovar, assumir uma nova orientação, mais
condizente com os princípios e os objetivos revolucionários, levando

1
consequentemente a um processo de nacionalização da cultura na qual a pintura
mural mexicana encontrou seu proeminente lugar.

O objetivo deste artigo é analisar a representação do povo na Revolução Mexicana na obra dos pintores David

Alfaro de Siqueiros e José Clemente Orozco. Estes pintores foram contemporâneos da revolução, e ambos

tiveram contato direto com os acontecimentos políticos e militares daquele momento. Siqueiros, além de

propagandista da revolução e correspondente militar no jornal “La Vanguardia Revolucionária”, um jornal

criado com o propósito de fazer propaganda para a facção burguesa da revolução e sua aliança com os operários

da COM (Casa del Obrero Mundial), também participou da luta armada, se alistando no Exército

Constitucionalista. Orozco não participou da luta armada, mas foi caricaturista e redator do jornal “La

Vanguardia”, enquanto esteve na cidade de Orizaba com as tropas dos Batalhões Vermelhos, formados pelos

operários da COM.

O tema da Revolução Mexicana foi objeto de várias obras destes pintores, e por esse motivo

decidimos utilizar essas pinturas como documentos para elaborar um estudo sobre a revolução, levando em

consideração afirmações como as de Bronislaw Baczko, (1985, p. 319) de que as épocas de crise de um poder

são também aquelas em que se intensificam a produção de imaginários sociais concorrentes e antagonistas, e em

que as representações de uma nova legitimidade e de um futuro diferente ganham difusão e agressividade,

exercendo principalmente as funções de designar o inimigo no plano simbólico, mobilizar as energias e

representar as solidariedades, cristalizar e ampliar as esperanças e os temores difusos. Além das observações de

Ulpiano e Baczko, ainda tomamos de empréstimo as afirmações de Jorge Coli (1988), escritas no prefácio do

livro “1789, Os Emblemas da Razão” de Jean Starobinski. Para ele, não existe um método pré-estabelecido para

análise dos objetos da cultura, e que este se constitui no processo de interpretação, pela prática do contato e da

experiência estimulada pela curiosidade, onde se estabelece um diálogo com os produtos da cultura para

entender seu significado.

A Revolução Mexicana representou o auge de uma crise de poder e uma ruptura com uma forma

de poder instituída, portanto acreditamos que o imaginário produzido durante e após este período esteja de

acordo com as definições de imaginários sociais e suas relações com o poder político de Baczko. Entretanto não

podemos deixar de lembrar, que neste caso, os pintores, ou seja, os produtores das imagens são agentes sociais

que tiveram sua própria trajetória, que suas relações com o novo poder político saído da Revolução Mexicana

são permeadas por contradições, e estas relações nem sempre representaram um apoio incondicional e irrestrito

ao poder revolucionário. Devemos pensar na produção artística destes pintores levando em consideração o que

2
escreveu Bordieu1, (apud, Cripa, 2000) que “o real é descontínuo e que as ações humanas são aleatórias,

imprevistas e fora de propósito.” Foi a partir deste corpo teórico -- que não apresenta uma definição

metodológica rígida para estudar os objetos da cultura -- que passamos a observar as obras dos pintores,

relacionando-as ao contexto de sua produção para inferir delas nossas reflexões sobre a representação do povo na

Revolução Mexicana. Segundo Bezerra de Meneses (1995), as representações sempre expressam as ideologias

do momento em que estão sendo produzidas, e por isso ao estudá-las, podemos perceber o posicionamento de

seu produtor em relação à sociedade de sua época, seu ponto de vista em relação aos acontecimentos e fatos

históricos, suas relações com o poder instituído, enfim, como foram pensadas por ele as questões de seu tempo,

qual sua visão de mundo dentro do contexto em que está vivendo.

Orozco e Siqueiros criaram, cada um de acordo com suas convicções, representações da participação

popular na revolução, como poderão ver a seguir. O pintor Siqueiros era comunista, tendo aderido ao Partido em

1923, quando se tornou secretário do Partido e presidente do Sindicato dos Operários, Técnicos e Pintores; e no

qual permaneceu até sua morte, em 1974. Durante toda a sua vida defendeu o que acreditava ser uma arte de

conteúdo social, que representasse o povo e sua luta contra a dominação, uma “arte ativa para um espectador

ativo”. Acrescento as opiniões de Tibol, (1996, p.9) quando ela diz que:

para avaliar a vida e a obra de Siqueiros é preciso levar em conta sua condição de
líder do movimento operário mexicano, justamente quando o México estava dando
passos firmes rumo à sua industrialização. Foi um artista, militante político, teórico
em questões de método para o trabalho artístico e para a crítica da arte; foi um
agitador social, um renovador, um homem de seu tempo. Viveu com seu tempo, para
seu tempo desde seu tempo. Seu credo internacionalista o levou a rechaçar todas as
variantes de um nacionalismo estreito no social e no artístico, ainda que sua
capacidade de análise não o tenha livrado de um dogmatismo sustentado em sua
crença na responsabilidade do artista frente ao seu momento histórico.

Orozco sempre fez questão de deixar claro que não defendia nenhuma ideologia, tinha uma visão

extremamente crítica, quase trágica, dos acontecimentos, e esta foi a sua marca, foi o que predominou em suas

criações artísticas. Segundo Tibol (1996, p.16) o pintor ficou extremamente chocado com a violência e a

brutalidade que envolveu a Revolução Mexicana. A autora analisa a obra pintor dessa forma:

Em sua obra, José Clemente Orozco não vê literalmente a realidade, o visível, mas
sim faz uma interpretação dela por meio de um estilo pictórico forte e direto. A
ênfase dramática de sua pintura não despreza os recursos da caricatura, mas sim os
assume. A deformação caricaturesca reforça a agressividade da imagem com a qual
pretende criticar veementemente a sociedade de seu tempo. Em quase toda sua obra,
Orozco é um expressionista em estado de protesto. (...) Opôs sua arte ao sistema
dominante. Utilizou sua arte como instrumento de ira e acusação.

1Ver Pierre Bordieu. A Ilusão Biográfica. In: Usos e Abusos da História Oral, (organizado por
Marieta de Moraes Ferreira e Janaína Amado), Rio de janeiro, FGV, 1996.

3
Começamos nosso diálogo com a tela “Zapatistas” (fig.1) que representa uma cavalgada de

camponeses armados com baionetas, seguidos pelo grupo das “soldaderas”, as mulheres que acompanhavam as

tropas junto com seus maridos e ajudavam a socorrer os feridos. Um homem idoso tropeça e cai no caminho. Os

líderes vão a cavalo, Zapata à frente, com seus enormes “sombreros”, enquanto ao fundo, imponentes vão

ficando as montanhas de Morelos, ásperas, pedregosas, quase inacessíveis, e que, no entanto, serviam de refúgio

para os zapatistas perseguidos. O que chama mais a atenção é o modo de caminhar. Um caminhar resignado

rumo a um futuro incerto. Não é possível visualizar neles o afã de lutar, nem a perspectiva de vitória. Eles vão

indo, já que não resta alternativa. A paisagem sugere a aridez da caminhada. Esta é uma representação de Orozco

sobre a participação popular na revolução. A sensação é a de que a revolução foi imposta a eles, não há nenhum

entusiasmo, não representa um povo que faz a sua revolução, mas um povo que sofre a revolução.

A perspectiva de Siqueiros é oposta, como podemos observar no mural “O Povo pega em Armas”,

(fig. 2) um dos painéis que compõem o grande mural “Do Porfirismo à Revolução”, no Museu Nacional de

História do México, pintados por Siqueiros entre 1957 e 1966. “O povo pega em armas” representa os vários

Exércitos envolvidos na Revolução Mexicana. Pelos chapéus podemos distinguir à direita o Exército de Madero,

que aparece retratado com o chapéu que caracterizava seu exército revolucionário (chapéu circundado por uma

faixa com a cores vermelha, branca e verde, as cores da bandeira mexicana), o chapéu vermelho é dos nortistas,

os “os jacobinos”. Ao centro, estão os zapatistas e à direita os villistas. Há até a presença das “soldaderas” (as

mulheres que participaram da revolução) no mural, na figura das irmãs Margarita e Rosaura Ortega. Siqueiros

não retrata os líderes dos Exércitos à frente do povo. Eles são retratados no meio do povo. Esta é uma

representação que coloca o povo em evidência, numa atitude de enfrentamento, numa atitude decidida. É o povo

que pega em armas para fazer sua revolução. A visão de Siqueiros sobre a participação popular é bastante

otimista.

Outro mural de Orozco no qual é representado o povo numa perspectiva pessimista é “Hidalgo: a

primeira batalha da revolução” (fig.3) pintado no Palácio do governo do Estado de Jalisco, Guadalajara, em

1937. O afresco fica no teto que cobre uma grande escadaria e Hidalgo é representado com o punho direito em

riste, segurando uma grande tocha, abaixo dele encontra-se uma multidão de corpos. O tema é heróico: por entre

cadáveres, baionetas eriçadas, serpentes sibilantes e nesgas de céu vermelho, a figura do rebelde afronta o

destino. Segundo Raquel Tibol (1996), em torno ao núcleo fundamental do nacionalismo econômico

impulsionado por Cárdenas, a intelectualidade progressista desenvolvia, com entusiasmo revolucionário,

múltiplas ações em prol dos oprimidos e explorados no campo e na indústria, e de solidariedade com outros

4
povos que lutavam pela liberdade e pela democracia, enquanto os intelectuais considerados reacionários

desenvolviam muitas atividades de oposição às orientações progressistas do regime. Segundo Ival de Assis Cripa

(2000), a gestão cardenista toma os rumos do corporativismo nas relações entre Estado e sociedade. A

incorporação dos camponeses, operários, intelectuais, classes médias e outros segmentos sociais em torno do

PRI (Partido Revolucionário Institucional). Há que se considerar também a chegada de Leon Trotski ao México,

por intermédio de Diego Rivera junto ao presidente Cárdenas, causando divergência entre a esquerda mexicana,

pois alguns, como Lombardo Toledano, secretário geral da Confederação dos Trabalhadores do México se

posicionaram contra a acolhida a Trotski, alegando que sua linha ideológica ia contra a tática da Frente Popular,

que era a união de operários, camponeses, elementos da classe média e ainda a pequena burguesia, com o

governo; como Trotski era comunista leninista defendia a idéia de que o proletariado era o motor da revolução e

se bastaria a si mesmo, e não deveria fazer aliança de nenhuma espécie com nenhum governo, pois isso seria

colaboracionismo e só serviria para aumentar o poder da burguesia. Orozco tinha plena consciência dos conflitos

internos e os observava com ceticismo. Segundo Tibol (1996) Orozco via como responsáveis pelos

desentendimentos as forças reacionárias: o clero obscurantista e o militarismo ditatorial. Quando foi pintar

palácio do governo de Guadalajara, Orozco expressou estas idéias elegendo Hidalgo, um rebelde, um herói,

como aquele que acendeu a chama definitiva da revolução de independência contra toda opressão interna ou

externa. Maria Lígia Prado (2004) faz uma análise da atuação e das idéias do padre Hidalgo durante o processo

de independência do México. Hidalgo era um padre nada ortodoxo, que vivia na vila de Dolores, onde além de

ser o pároco era também fazendeiro e tinha duas filhas ilegítimas. Suas idéias inconformistas chamavam a

atenção da inquisição sobre ele, que era acusado de heresias para com os símbolos da igreja católica e também

de querer implantar as liberdades proclamadas pela Revolução Francesa para os mexicanos. O padre Hidalgo

durante sua formação teve contato com o pensamento ilustrado lendo autores franceses, ingleses e até mexicanos

que sustentaram o seu desejo de lutar pela libertação do México e dos mexicanos. Em 1810, Hidalgo estava entre

o grupo de conspiradores que intentavam a independência. A conspiração foi descoberta e eles decidiram partir

para o viver ou morrer pela independência. O exército de Hidalgo era formado pelas pessoas simples,

camponeses e artesãos pobres, sem nenhuma qualificação para guerra e que tinha que caminhar a pé e usar como

armas pistolas, espadas, lanças, arcos e flechas e até pedras, pois não possuíam um armamento mais poderoso já

que era um exército de pessoas pobres que chegou a ter até 90 mil homens. Com este exército Hidalgo ganhou

várias batalhas até cair numa emboscada em março de 1811, quando foi preso e fuzilado pelas costas junto com

outros líderes do movimento em 30 de julho do mesmo ano. Entretanto, antes de ser pego pela reação ele

5
ordenou em 5 de dezembro de 1810, na cidade de Guadalajara, a restituição das terras indígenas que haviam sido

usurpadas pelos ‘hacendados”, aboliu o pagamento de tributos pelos indígenas e decretou o fim da escravidão. O

padre Hidalgo, como podemos perceber, preferiu colocar-se ao lado dos oprimidos e abandonar as idéias

conservadoras da igreja para lutar por justiça e contra a exploração. Hidalgo foi até as últimas conseqüências

lutando pelo que acreditava: justiça e liberdade, mas segundo Lígia Prado ele também padeceu de enormes de

dramas de consciência por ter que usar da violência para lutar pelo que deveria ser direito nato de todo ser

humano. Octavio Paz (1985) diz que a independência mexicana começou como uma revolta das classes

despossuídas contra a opressão e exploração dos grandes latifundiários nativos, mais do que contra a metrópole

propriamente, foi uma Aguerra de classes@ e uma “revolução agrária em gestação”. Isso ajuda a esclarecer a

posição de Hidalgo dentro do movimento de independência. Orozco certamente tinha essa mesma visão a

respeito do processo histórico mexicano, contudo também acreditava que o heroísmo de Hidalgo não fora

suficiente para resolver os problemas do México. Segundo Raquel Tibol (1996) a reflexão sobre o passado e o

presente do México recorre como um sistema circulatório toda a obra de Orozco. Hidalgo foi derrotado, depois

veio Zapata que também foi derrotado embora a sua luta tenha conseguido que a Constituição de 1917

contemplasse leis de reforma Agrária que, se aplicadas, reduziriam as injustiças no campo. Agora o governo

Cárdenas tentava aplicar essas leis: lei de reforma agrária, leis trabalhistas que beneficiariam as massas; e os

setores reacionários novamente vinham à carga para não deixar que nada mudasse. Orozco tinha uma visão

pessimista dos processos políticos. O mural com Hidalgo, que representa as lutas políticas internas do México na

década de 30, no período do governo Cárdenas, cabe também para o período da Revolução Mexicana quando o

contexto interno também era de luta e divergências de idéias, guerras, traições, divisões, às quais o fim da

revolução não conseguiu por termo, pois passados mais de 10 anos, o México continuava dividido. Segundo

Tibol (1996, p. 176), “o pintor parecia não acreditar na capacidade das ideologias e dos partidos políticos

formados por elas para ajudar ao povo a sair da prostração e do caos.” Para o pintor parece que, nas disputas

entre direita e esquerda, as "massas" sempre levam a pior, sendo enganadas e manipuladas, não há saída pacífica.

A visão do pintor é paradoxal, ele acreditava e defendia o papel do revolucionário e representou isso pintando

várias obras com o tema do revolucionário, do rebelde. Pintou Hidalgo por duas vezes, e também Zapata por

duas vezes. Orozco acreditava que o sangue do mártir é necessário, porém era totalmente contra a violência e

sofrimento causados pela guerra demonstrando isso em várias obras onde retrata o sofrimento das pessoas mais

simples durante a Revolução Mexicana. Nessa perspectiva dá para fazer uma aproximação entre as idéias do

pintor e as idéias defendidas pelo padre Hidalgo. Este mural é um conjunto: ao lado esquerdo Orozco pintou “Os

6
Fantasmas da Religião em Aliança com os Militares”, numa referência ao papel dessas forças na História

mexicana, segundo Rochfort. Ainda segundo Rochfort (1993), a bandeira que cobre o rosto do militar, um

recurso que o pintor utilizou também no mural “A Trindade Revolucionária”, simboliza a perda da direção na

luta revolucionária. À direita um “Carnaval de Ideologias”, que mistura nazismo, fascismo, comunismo numa

alusão às disputas de ideologias políticas entre direita e esquerda no México e também no mundo; e abaixo de

Hidalgo, o grupo de figuras macilentas que se esfaqueiam numa luta sem sentido em meio a bandeiras

vermelhas, representa as massas, que, na visão do pintor, parecem não ter condições de traçar seu próprio

caminho, aspecto reforçado pela simbologia que significa irracionalidade, atraso espiritual. A simbologia é forte:

uma imagem fúnebre e facas, muitas facas. Em nossa opinião isto é proposital. Orozco fez uma crítica pesada

àquele momento histórico, no qual Cárdenas subia ao poder. O mural revela que, no imaginário do pintor, e na

cultura mexicana, o padre Hidalgo, herói da independência, representa o ideal nobre da revolução. Ele é o

verdadeiro revolucionário, num sentido que transcende as fronteiras do México. Para Orozco a atitude de mudar

é iniciativa de um líder que conduz o povo, um rebelde que se levanta contra a tirania em nome de uma causa

humana e social.

Podemos comparar o mural com a imagem de Hidalgo com o mural no qual Siqueiros representa a

“Greve de Cananea” (fig.4). Esta greve, ocorrida em 1906, é considerada de grande importância no movimento

revolucionário, pois a partir dessa greve dos mineiros, de caráter nacionalista, revelou-se a degradação do

sistema paternalista de Díaz em relação aos operários. Segundo Américo Nunes (1975), a importância desta

greve não reside apenas no fato de ela abrir a luta em prol da “mexicanização” dos setores industriais, e de

evidenciar a ruptura de fato entre o governo e a classe operária. Revela, também, uma das constantes, não só do

movimento operário, mas também da Revolução Mexicana: o nacionalismo “antiimperialista”, que se traduzia

num repúdio ao que era de fora, principalmente norte-americano. Siqueiros representa a greve como um embate

entre os operários (os mexicanos) e o patrão (o americano). De um lado, estão os operários que, na greve de

Cananea, lutavam por igualdade em relação aos operários americanos que trabalhavam no México e recebiam

salários muito maiores pela mesma jornada de trabalho e tarefa. Do outro, está o dono da companhia

Consolitaded Copper Company of América, apoiado pelos rurales, a polícia repressora do governo de Díaz. A

disputa pela bandeira do México, entre o operário e o dono da companhia, representa a dominação do capital

estrangeiro no México e a oposição dos mexicanos a esse fato. Segundo Desmond Rochfort Siqueiros eleva essa

disputa ao tema central do mural. Os personagens que disputam a bandeira são representações de pessoas reais.

O operário é Fernando Palomares, membro do Partido Liberal Mexicano e o patrão é William C. Green, dono da

7
companhia extratora de cobre, que ficava em Cananea, estado de Sonora. Siqueiros utilizou estas duas figuras,

para descrever a greve industrial de Cananea e o descontentamento dos trabalhadores mexicanos contra seus

patrões opressores. Ainda segundo Rochfort (1993), essa representação quer demonstrar também que no

momento em que Siqueiros pintou o mural, a década de 60, a bandeira mexicana ainda estava em disputa, ou

seja, a Revolução não conseguira seu objetivo. Como Siqueiros mesmo disse, neste mural ele retratou ainda

outros personagens reais. Estão presentes, também, aí, personagens conhecidos que comandaram a repressão à

greve, tais como o governador de Sonora, Rafael Izcábal, e o vice presidente da República, Ramon Corral. Não

posso deixar de mencionar que para combater os grevistas de Cananea, foram trazidos os rangers americanos e

muitos voluntários do estado norte-americano do Arizona. No mural, as forças repressoras da greve estão

retratadas entre a “corte porfiriana” e os operários, numa alusão à proteção oferecida por essas forças para

manter o sistema dominante. Três operários carregam um operário morto, vítima da repressão. Na perspectiva

deste mural, a Revolução Mexicana foi uma “rebelião” contra o domínio econômico do capital estrangeiro no

México, causado pela política colonial permitida pelo governo de Díaz, que sacrificava o povo mexicano para

favorecer o capital estrangeiro e se manter no poder. Segundo Rochfort, (1993, p.207 e segtes.) para Siqueiros, a

disputa e a greve subsequente resumiam o espírito infinitamente complexo da Revolução Mexicana. A greve dos

trabalhadores mexicanos contra seus patrões estrangeiros, que como resposta trouxeram forças de seu próprio

contingente policial para acabar com o movimento, resumia o alcance da dominação e da opressão econômica e

política do México. Mas a dimensão nacionalista da representação de Siqueiros não se prende a imagens de

antepassados ou a origens raciais e culturais. Ela se expressa na descrição dos dois protagonistas principais dessa

passagem da luta pela posse da bandeira nacional do México. Os dois protagonistas dividem o cenário em dois:

atrás de William C. Green está o regime do ditador Díaz, e atrás do operário Fernando Palomares está o povo

mexicano em resoluta atitude de enfrentamento aos seus opressores. O pintor criou uma imagem que pode ser

interpretada não somente como uma referência histórica, mas como uma metáfora da natureza inconclusa da

Revolução Mexicana e da dominação contínua pelos interesses econômicos dos estrangeiros, particularmente

dos EUA. Siqueiros representa a revolução como fruto do descontentamento popular. O povo é a parte principal

da representação: homens, mulheres e até crianças aparecem. O povo, as massas são vistos de forma positiva por

Siqueiros, em atitude determinada para arrancar das mãos do estrangeiro sua soberania. Contudo tal

representação também significa que nos anos 60, quando o mural foi pintado, o México ainda não se livrara da

influência americana. A bandeira ainda estava em disputa. O detalhe das mãos é siginificativo, são mãos grandes

e fortes, mãos que representam o trabalho. Mas esta representação deixa de fora o papel das classes médias na

8
revolução, que segundo Américo Nunes (1975, p. 171) A... é obra da classe média, sobretudo dos seus

intelectuais liberais jacobinos, aliada ao proletariado das cidades saído do mutualismo e do cooperativismo, sob

a direção daqueles. A originalidade desta revolução é a tentativa do movimento agrário, do Norte (Villa) e do sul

(Zapata), de dispor de uma direção política autônoma.

Como podemos perceber os acontecimentos são percebidos de formas diferentes pelos vários

agentes envolvidos no processo. No caso de Orozco e Siqueiros, cada um percebeu a revolução sob uma

perspectiva, que, no que diz respeito à participação popular, foi quase antagônica. Enquanto Siqueiros viu de

forma otimista e positiva a participação popular, Orozco a percebeu de forma pessimista e trágica representando

“as massas” sempre oprimidas e incapazes de tomar as rédeas de seu destino. Essas formas de perceber os fatos

estão relacionadas com as convicções políticas e intelectuais de cada um. Siqueiros era comunista, e, portanto, na

sua perspectiva, o povo, os operários são os responsáveis por fazerem a revolução. O que predomina nas

representações de Siqueiros é uma visão otimista da participação popular na revolução. Em nossa perspectiva, as

criações de Siqueiros podem favorecer a mitificação da revolução como uma revolução social. O povo mexicano

ao olhar os murais de Siqueiros pode se ver como um povo que fez uma revolução. Apesar do tom comunista

destas representações, o que poderia causar apreensão nas elites capitalistas do México, seu apelo ao imaginário

social funciona ao avesso. O povo, se vendo como realizador da revolução estaria vivendo sua revolução, e não

sendo vítima de uma burguesia que construiu sua hegemonia atrás de uma retórica revolucionária.

Orozco preferiu não aderir a nenhuma bandeira ideológica, tinha uma visão mais crítica do

processo, mas talvez, pelo fato de acreditar na importância da intelectualidade como promotora do

desenvolvimento social, ele tirava das “massas” qualquer poder de iniciativa autônoma de participação nos

processos políticos. Como afirmou à escritora americana Alma Reed (1955) o pintor acreditava que o

desenvolvimento da humanidade deveria partir da iniciativa dos intelectuais, a verdadeira elite da terra, que

deveria se unir com esse objetivo, pois “os cumes das montanhas se vêem uns aos outros enquanto os vales não”.

Sobre a importância do muralismo o pintor acreditava que “os bons murais são como Bíblias pintadas e o povo

precisa delas tanto quanto das Bíblias faladas (sic)”. Sua obra dentro do muralismo, entretanto, quando se trata

da Revolução Mexicana, é carregada de crítica. Não há nenhum lirismo, nenhuma apologia à revolução, mas

uma crítica contundente ao que foi a revolução enquanto guerra, e ao que se tornou enquanto discurso político e

ideológico.

9
Bibliografia

AGUILLAR CAMIN, Hector e MEYER, Lorenzo. À Sombra da Revolução Mexicana. São Paulo: EDUSP,
2000.485p.

BACZKO, Bronislaw. Imaginário Social. In: Enciclopédia Einaudi, volume 5: Anthropos/Homem. Coordenada
por Fernando Gil, tradução de Irene Gil...[et al], Portugal: Porto, Imprensa nacional, 1985, p. 296 -332.

BEZERRA DE MENEZES, Ulpiano Toledo [et al]. Pintura Histórica: Documento Histórico? In: Como Explorar
um Museu Histórico.São Paulo: Museu Paulista, USP, 1995. p.22-25

CARDOZA Y ARAGON, Luis. La nube e el Reloj: pintura mexicana contemporanea. México, UNAM, 1974.
232p

CHEVALIER, Jean & GHEERBANT, Alan. Dicionário de Símbolos. Rio de Janeiro: José Olímpio, 1996.

CIRLOT, Juan Eduardo. Dicionário de Símbolos. Tradução de Rubens Eduardo Ferreira Frias. São Paulo:
Moraes, 1984.

CRIPA, Ival de Assis. O vento das reformas: Lázaro Cárdenas e a Revolução Mexicana

NUNES, Américo. As Revoluções do México. São Paulo, Perspectiva, 1975, 173p.

PAZ, Octavio. O Labirinto da Solidão e Post-Scriptum. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1984, 287 p.

PRADO, Maria Lígia Coelho. América Latina no século XIX: Tramas, Telas e Textos. São Paulo: EDUSP,
2004, 227 p.

REED, Alma. Orozco. México, Fondo de Cultura Econômico, 1983. 333 p.

ROCHFORT, Desmond. Mexican Muralists: Orozco, Rivera e Siqueiros. San Francisco: Chronicle Books, 1998.
239p.

SILVA, Marcos Antonio da. Uma perda de avessos B o povo na parede: ciência trabalho e revolução no
Muralismo Mexicano. In: Projeto História, v:21, nov.2000, p. 67 – 105

TIBOL, Raquel. Palabras de Siqueiros. Seleção de Artigos do pintor com prólogo e notas de Raquel Tibol,
México, Fondo de Cultura Economico, 1996. 537 p.

____________. José Clemente Orozco: una vida para el arte, história documental. Fondo de Cultura Economico,
1996. 227 p.

VASCONCELOS, Camilo de Mello. A Representação da Revolução Mexicana no Museu Nacional de História


do México. Tese de Doutorado. USP: 2003, xérox, 250 p. mais anexos.

10
ARTIGO: OROZCO E SIQUEIROS: DUAS
REPRESENTAÇÕES DE PARTICIPAÇÃO
POPULAR NA REVOLUÇAO MEXICANA

ÍNDICE DAS IMAGENS

Figura 1 – Orozco – Zapatistas – 1931

Figura 3-Hidalgo – a primeira batalha da Revolução, 1937

11
Figura 4 – Siqueiros – Greve de Cananea 1957-65

Figura 2 – Siqueiros – O povo pega em armas 1957-65

12