Vous êtes sur la page 1sur 46

Aula de Direito Administrativo

1ª Aula – Dia 14/10/2009

I. ORIGEM

a) França
b) Americana

II. CONCEITO

O direito administrativo é um conjunto harmônico de princípios e normas com
fim de organizar e estruturar os órgãos, entidades e agentes tendentes a alcançar a
finalidade do Estado.

III. FONTES

a) Lei: tem que ser entendida em seu sentido amplo, tem que ser considerado todo e
qualquer ato normativo, ex.: leis, decretos, portarias, etc.
b) Doutrina: são as teses emitidas por estudiosos do Direito.
c) Jurisprudencia: é a reiteração das decisões tomadas pelos tribunais superiores.
d) Costumes: é a conduta que a população (agente público, administração), pensa
ser de aplicação obrigatória, ex.: ceder lugar no ônibus para uma mulher grávida. O
costume tem forte influência na vida prática da Administração Pública.
e) Principios Gerais do Direito: é a base do ordenamento jurídico. Os princípios
gerais do Direito são bases universais que norteiam a elaboração de normas.

IV. SISTEMAS ADMINISTRATIVOS

a) Contencioso: também conhecido como sistema francês, entende que os atos da
Administração Pública não podem ser apreciados pelo Poder Judiciário, pois existem
tribunais administrativos onde as decisões administrativas transitam em julgado.
b) Jurisdição Única: também conhecido com sistema inglês, entende que os atos da
Administração Pública podem ser apreciados pelo Poder Judiciário, desde que este seja
provocado.
No Brasil adotamos o sistema da jurisdição única.
Obs.: Quando o processo administrativo termina e quem ganha a causa é o
administrado não cabe recurso. A administração não pode recorrer ao Poder Judiciário.

V. ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

a) Estado: é um território ocupado por um povo, dotado de soberania.
Elementos do Estado:
 Território:
 Povo: pessoas que residem no território.
 Soberania: o Estado pode-se impor a outros e tem o poder de elaborar suas
próprias leis.
b) Função do Estado
O Estado tem três poderes que exercem funções típicas e atípicas.
Função Atípica Poder Função Típica
Julgar e administrar Legislativo Elaboração de leis
Administrar e legislar Judiciário Aplicação das leis ao caso
concreto
Legislar e julgar Executivo Administração da aplicação
das leis

Obs.: no Judiciário tem que haver provocação, no Executivo não.

VI. REGIME JURÍDICO ADMINISTRATIVO

INTERESSE PÚBLICO
Supremacia do interesse público sobre o Indisponibilidade do interesse público
particular
Privilégios agindo como poder de polícia Restrições que a Administração Pública
(prerrogativas). têm para contratar, pois exige-se licitação
ou/e concurso público.
Quando a Administração Pública atuar como particular estará submetida as
regras do direito privado. Quando ela atua como particular: quando atua na locação de
imóveis/moveis; sistema financeiro.
Normas de Direito Público é diferente de Normas de Ordem Pública. Normas de
Ordem Pública só vai existir dentro do direito público, enquanto as normas de direito
público vai ter também quando aplicável ao direito privado(casamento, direito
trabalhista).
O Direito Administrativo se submete as normas de ordem pública.

VII. PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS (LIMPE)

Os princípios constitucionais são considerados princípios expressos.
a) Legalidade: a Administração Pública deve estar adstrita a Lei (sentido amplo). O
escalonamento de princípios legais que devem ser considerados pela Administração
Pública sob pena de nulidade do ato.
b) Impessoalidade: o administrador não pode ter como sua coisa pública. O
administrador é somente um gestor e como tal não pode atuar com subjetividade. Tem
que cumprir a Lei de forma impessoal. A discricionariedade não fere o principio da
impessoalidade.
c) Moralidade: traduz conduta ética, honesta, leal na Administração Pública. A
moralidade será apreciada com relação a aplicação da lei.
d) Publicidade: o princípio da publicidade esta diretamente relacionado com a
publicação dos atos administrativos para surtir efeito em relação a terceiros e com o
contratado. Não se permite atos secretos, em regra. Entretanto, existem atos sigilosos
que são uma exceção ao principio da publicidade.
e) Eficiência: a Administração Pública deverá fazer o máximo com o mínimo de
recursos disponíveis, por isso que se investe muito no servidor.

O princípio da supremacia do interesse público e da indisponibilidade do
interesse são princípios reconhecidos.

VIII. PRINCÍPIOS RECONHECIDOS

a) Finalidade: para H.L.M. é a mesma coisa do principio da impessoalidade. Para
C.A.B.M. o princípio da finalidade é diferente do princípio da impessoalidade, pois no
primeiro os atos do administrador devem estar de acordo com a Lei. Tal princípio está
previsto na Lei nº. 9784/99, em seu art. 2ª, que traz dois entendimentos:
1º entendimento: interpretação da norma que melhor garanta o atendimento
do fim público.
2º entendimento: vedação a promoção pessoal de agentes ou autoridade.
b) Ampla Defesa (CESPE): ao acusado/interessado devem ser fornecidas todas as
possibilidades de acompanhar o processo ou procedimento administrativo e produzir
provas para analise.
c) Contraditório (CESPE): é a possibilidade do acusado/interessado tem que
apresentar sua defesa, contraditando os argumentos e provas que foram produzidas
contra ele.
d) Razoabilidade: está ligada ao bom senso do administrador público, onde ele vai
fazer a adequação dos fins com os meios disponíveis para atender o interesse público.
e) Proporcionalidade: esta ligada a aplicação de sanções administrativas, que
devem ser proporcionais entre a conduta e a pena a ser aplicada.
f) Motivação: (C.A.B.M.) é a exposição do fato e do direito para a prática de um
ato pela Administração. Os atos administrativos só serão motivados, quando a lei exigir
sua motivação, o art. 50, da Lei nº. 9784/99 traz o rol dos atos que devem ser
motivados, vejamos:
Art. 50. Os atos administrativos deverão ser motivados, com
indicação dos fatos e dos fundamentos jurídicos, quando:
I - neguem, limitem ou afetem direitos ou interesses;
II - imponham ou agravem deveres, encargos ou sanções;
III - decidam processos administrativos de concurso ou seleção
pública;
IV - dispensem ou declarem a inexigibilidade de processo
licitatório;

VIII . Na revogação a administração PODE.deixem de aplicar jurisprudência firmada sobre a questão ou discrepem de pareceres. g) Segurança Jurídica: imposição a Administração Pública de que as alterações de interpretação administrativa da norma não sejam aplicadas retroativamente. Ex. 8666): os serviços públicos considerados essenciais devem ser continuamente prestados. não gerando direitos adquiridos (se não gera direito adquirido. i) Isonomia: o administrador público deve tratar de maneira igual os iguais. significa dizer que não será aplicada de forma imediata. sem interrupções. há exceção: fornecimento de energia elétrica (pode ser cortado. a segunda corrente na permite o corte. suspensão ou convalidação de ato administrativo. A desconcentração não se origina do princípio da especialidade. laudos. propostas e relatórios oficiais. V . A Administração Pública também deve anular seus atos ilegais com efeito ex tunc. e de maneira desigual os desiguais. com efeitos ex nunc preservando os direitos adquiridos. importem anulação. Quando o serviço for de necessidade pública (ex. VI . que não sejam consideradas de atuação/aplicação plena e que necessitem de certa especialidade/especificidade. desde que tenham sido avisados). l) Continuidade (Lei nº. Não significa dizer que não vai aplicar nova interpretação. 53 a 55 da Lei nº. 200. a primeira corrente permite o corte.: hospital) não pode haver o corte. A Administração Pública pode revogar seus atos legais considerados inoportunos ou inconvenientes. VII . . porém devem ser avisados 30 dias antes.: IBAMA – Dec.decidam recursos administrativos. revogação. na anulação a administração DEVE. 9784): é garantido por 2 súmulas do STJ (346 e 473). j) Especialidade: a Administração Pública deve descentralizar as atividades. verdadeiros e são praticados por agentes capazes. ou seja. que possuem competência.decorram de reexame de ofício. h) Legitimidade: os atos praticados pela Administração Pública são legais. Porém. não se pode falar em indenização). k) Autotutela (arts.

estamos nos referindo a atividade que está sendo executada. As atividades serão prestadas pelas entidades (unidades de atuação que tem personalidade jurídica). 2) Descentralizada: as atividades são prestadas pela Administração Pública Indireta. aos agentes. Nasce do princípio da especialidade. pois pertence ao ente que se desconcentrou.IX.: embora o órgão não tenha personalidade jurídica. Há vinculação.: ministérios. . OBS. através dos órgãos da Administração Pública Direta. aos órgãos. ex. Sentidos  Subjetivo. pode ser parte num processo desde que para resguardar/proteger suas atribuições/prerrogativas. c) Teorias do Órgão 1) Teoria da Representação: informa que o agente público atua em nome da Administração. sendo que este não tem personalidade jurídica. Material (O que?): quando se escreve administração pública com as iniciais minúsculas.  Objetivo. OBS. mas não há hierarquia.: órgãos são centros ou unidades de atuação. Não há criação de entidades com personalidade jurídica. 3) Desconcentrada: há hierarquia porque o órgão desconcentrado é subordinado ao órgão que permitiu a desconcentração. porque esta não tem capacidade para tanto. Orgânico (Quem?): quando se escreve Administração Pública com as iniciais maiúsculas estamos nos referindo a quem está prestando o serviço. Não é usada no Brasil. Quando o órgão esta lutando por suas prerrogativas/atribuições institucionais este tem legitimidade para atuar no processo somente como AUTOR. b) Formas de Prestação 1) Centralizada: a Administração Pública atuará diretamente. ou seja. Não há vinculação. há hierarquia. DA ORGANIZAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA a) Introdução 1.

instituída por . 3) Colaboração: é a delegação. 3) Teoria do Órgão: os agentes públicos em suas ações não estão agindo em nome do Estado. A principal diferença é a personalidade jurídica. transporte aéreo. que são vinculadas ao Estado em razão da função outorgada. e) Administração Indireta 1) Autarquias: agências reguladoras. d) Formas de Descentralização 1) Territorial: não é adotada no Brasil. 2) Fundações 3) Sociedades de Economia Mista: são as empresas que tem 50% +1 cota com direito a voto. A delegação é feita somente para pessoa jurídica de direito privado. Obs. nem em hierarquia. 4) Empresas Públicas: tem que ter o capital 100% dos entes federativos. 2) Serviço ou Funcional: é a outorga. conselhos de classe (exceto: OAB). pertencentes ao Estado. por isso adota-se a responsabilidade objetiva do Estado. ex. Toda estatal que negocie suas ações na bolsa de valores é uma sociedade de economia mista. os serviços públicos podem ser delegados. a Administração Pública outorga funções a pessoa jurídica de direito público ou privado. consórcios de natureza pública. A OAB é uma entidade constitucional autônoma e independente. 2) Teoria do Mandato: define que a Administração Pública outorga poderes através de uma procuração/mandato. mas é o Estado que está agindo através do agente.: Consorcio público de direito público é uma autarquia. Personalidade Ato Constitutivo Jurídica Autarquia Direito Público Criada por Lei Fundações Direito Público Autorizada por lei.: transporte público terrestre. Também não é aplicada no Brasil. Fundação de direito privado tá fora da administração indireta. Aqui não há que se falar em subordinação. É adotada no Brasil.

2135/DF – STF.  Fiscalizadoras: função principal exercer o poder de policia administrativa.  Controladoras: papel fundamental controlar as atribuições de determinadas categorias profissionais. não precisa de registro.  Regular o Sistema Eletrico ANEEL.:  Fiscalizar o Sistema Financeiro BACEN. . Empresas Públicas Direito Privado Lei autoriza a criação de um Estatuto As fundações. Autarquia: tem que ter finalidade pública especifica. sociedades de economia mistas as empresas públicas precisam de registro dos atos constitutivos. CRO. Para a criação da autarquia basta que a Lei criadora seja publicada.: CRM. o que não se exige da autarquia. ex. um decreto Sociedade de Economia Direito Privado Lei autoriza a criação de um Mista Estatuto. A finalidade da fundação é determinada por lei complementar. Mão de Obra Bens Autarquias Regime Estatutário* Impenhoráveis Fundações Regime Estatutário* Sociedades de Economia CLT Mista® Empresas Públicas® CLT *Em decorrência da liminar da ADI nº. 1. ex. ®Se submetem a licitação e concurso público para a mão de obra. Tipos de Autarquias:  Reguladoras: função principal é normatizar a fim de regular determinado sistema.

O convenio é quem define as metas que deverão ser alcançadas. se a autarquia deixar de cumprir as metas previstas no convênio com o ministério vinculado. Aula 2 – Dia: 17/10/2009 I. Se as metas forem alcançadas serão tituladas como agências executivas. É necessário que tenha convenio entre o ministério e a autarquia/fundação. também pode ser fundação. 2 Aumento do orçamento. que tem como conseqüência: 1 Limites menores para exigibilidade de licitação. TERCEIRO SETOR (ENTES DE COOPERAÇÃO/PARAESTATAIS) .Titulação  Agências Reguladoras: não é só autarquia. Esta titulação poderá ser cassada.

Termo de cas (CLT) serviço público. Apoio ao . RPA(Rede Projeto Incluir . Recebem . âmbito (TCU). cultura. Servidores ao Ministério da Justiça (no parafiscal atuam fora da área especifica. Serviços Sociais Entidades de Organizações Organizações Autônomos Apoio Sociais (OS) da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP) Criação Por lei Por servidores Nasce para Ente privado já específica públicos substituir órgão existe e recebe ou entidade qualificação de pública (através OSCIP de uma qualificação) Natureza Direito Privado Direito Privado Direito Privado Direito Privado Jurídica Atividade Assistência e Prestar apoio a Atua na área da Atua na área da ensino a entidades de educação e saúde. SENAI. fomento de um contrato parceria com o . jornada. profissionais interesse social esporte. federal). Característi . ou com a Secretaria de Segurança Pública (nos âmbitos estaduais e municipais) Exemplos SESI. de gestão junto Ministério da contribuição . FUBRA. Recebem público.Apoio através . categorias ensino e saúde saúde onde haja educação.

: de Matemática Rede do Pública Hospital Sarah). tendo estes seus elementos previstos em lei. Poder Vinculado: a Administração Pública possui para a prática de ato administrativo todos os elementos previstos em lei. Pioneiras IMPA(Instituto Sociais(ex. Aplicada). Poder Discricionário: é o poder que a Administração Pública possui. A lei delimita a discricionariedade. Entes de apoio só podem ser extintas por sentença judicial. As pessoas que trabalham no terceiro setor respondem por improbidade administrativa. SESC. Sarah Os entes de cooperação não tem fins lucrativos. No caso de extinção o patrimônio será entregue a outras entidades com a mesma finalidade. no Serviço Social Autônomo depende da lei que criou e na OS depende do contrato de gestão. para prática de alguns atos administrativos. 3. Poder Hierárquico (EU MANDO): do poder hierárquico advém os institutos da delegação (delegação é passar minha atribuição a outra pessoa) e da avocação (o hierarquicamente superior pega para si uma função de seu subordinado). PODER ADMINISTRATIVO 1. O contrato de gestão e o termo de parceria podem ser cassados A qualificação das OS e das OSCIP vivem em constante renovação. podendo o administrador verificar o mérito (oportunidade e conveniência) de cada caso. II. Nacional de (BA) SEBRAI. ex. Ensino e APEX.: conferir porte de arma. 2. dentro dos estritos limites da lei. Na OSCIP a diretoria é remunerada. limitando tal responsabilidade aos valores recebidos do governo. na Entidade de Apoio não. Pesquisa). FAHUB. .

o Gera a autorização para a Administração Pública realizar fiscalizações. 6. A. 84 da CF). exceto quando a competência for exclusiva. 13. Punição oriunda de poder de policia é diferente do poder disciplinar. Poder de Polícia: vai estar em conflito o interesse público e o interesse privado. Nos órgãos colegiados a delegação pode ser feita do colegiado para o presidente do órgão. o Atos de competência exclusiva (vale também para a avocação). não apenas de servidores. o Autônomos: podem ser emitido para organizar a administração direta. 9784): o Elaboração de atos normativos. o Autoexecutoriedade: o Poder de Polícia não necessita de autorização do poder judiciário. o Apreciação dos recursos administrativos. desde que. O poder de policia: o Gera a possibilidade de editar normas regulamentares. Poder Regulamentar: é privativo dos chefes do Poder Executivo (âmbito federal. Poder Disciplinar (EU PUNO): é a apuração e punição de faltas. estejam vagos. : o Discricionariedade: a Administração Pública vai definir a oportunidade e a conveniência da edição das normas e das fiscalizações. mas também de pessoas físicas ou jurídicas que prestam serviços públicos ao Estado. o Coercibilidade: se impõe aos administrados. ou seja. já a avocação exige. não gere despesa. Para que o Poder de Polícia se realize é necessário o D. 5. Através dos decretos: o Executivos: podem esclarecer e complementar lei. 4. desde que. C. . da Lei nº.art. ou para extinguir cargos. pessoas físicas ou jurídicas que mantenham relação contratual com o Estado. é imprescindível o Poder Hierárquico.A delegação prescinde do Poder Hierárquico. Não é possível delegar (art.

no exercício de prerrogativas públicas. CBM). TEORIA GERAL DO ATO ADMINISTRATIVO A. O Poder de Polícia Administrativa é diferente do Poder de Polícia da Segurança Pública. ATO ADMINISTRATIVO ATO DA ADMINISTRAÇÃO Sempre vai gerar efeito jurídico Nem todo ato gera efeito jurídico. D. Pois esta pode ser ostensiva (PC) e preventiva (PM. ATO ADMINISTRATIVO FATO ADMINISTRATIVO É a declaração de vontade do Estado É a execução da declaração de vontade 1º vem a Ordem de Demolição 2º a demolição vai ser fato superveniente 2º declaração de vacância do cargo 1º falecimento do servidor vai ser fato antecedente. sujeito a controle de legitimidade pelo Poder Judiciário (Hely Lopes). o ato não. de ato que não gera efeito: mudança de sede. O Poder de Polícia é indelegável ao particular. C. Ex. Os fatos administrativos que decorrem do ato da administrativo podem ser considerados atos da administração. B. Atributos do ato administrativo (PAI) . manifestada mediante providências jurídicas complementares da Lei. a título de lhe dar cumprimento. é considerado ato de gestão. Regime jurídico administrativo Quando gerar efeitos jurídicos estará sob a égide do regime jurídico do direito privado. III. Ato Administrativo: é a declaração do Estado. Ex. de ato que gera efeito: contrato de locação. O fato administrativo pode ser delegado. O ato da administração é um ato de execução.

o Autoexecutoriedade: a administração pode executar suas ações. Elementos do Ato Administrativo CoFiFoMOb . Tem presunção relativa (iuris tantum). sem que seja necessária a autorização judicial. Aula 3 – Dia: 19/10/2009 E. o Presunção de Veracidade dos Atos Administrativos: é a idéia de que os atos administrativos são verdadeiros. exceto cobrança de multas porque estas só podem ser feitas através do executivo fiscal. legítimos e legais. o Imperatividade: os atos administrativos não dependem da vontade dos administrados.

Ex. 9784/99. Finalidade. entidade ou agente (este tem que ser capaz). o Motivo: está relacionado com um fato imediato. Município e/ou Território). que deve ser lícito. é o interesse público que deve ser atendido através do ato. datados. Se ocorrer vício. ou a finalidade diversa da desejada pela. o Objeto: é a finalização do ato administrativo. Objeto: dispensar a multidão. Em regra os atos se regem pelo princípio da forma. Ex. é como o ato deve ser feito. 2. Funcional: é a atribuição do agente. são vícios insanáveis. a desídia do funcionário é o motivo de sua demissão. sinais.: num tumulto onde os bombeiros para dispensar a multidão jogam água. 3. Só há exceção ao princípio da forma quando a lei dizer qual será a forma. sendo indelegáveis os atos de competência exclusiva. Ocorrendo vício o ato pode ser convalidado pelo agente hierarquicamente superior. não podendo. Motivo: tumulto. este será insanável. 3. Territorial: qual ente da Federação será capaz para praticar o ato (União. Finalidade: manter a ordem pública. que deve ser lícito. o Finalidade: é o objetivo do ato.: motivo da multa de trânsito é a velocidade alta. o Forma: é o modo. Tá no art. o desvio de finalidade. e assinados. certo e moral. sons (ex. . pois são vícios sanáveis. é uma espécie de abuso de poder. motivo e objeto não se convalidam. de acordo com a vontade da lei. Competência e forma se convalidam. Há 03 critérios: 1. portanto ser convalidado. o Competência: é a atribuição legal outorgada a um órgão. 22 da Lei nº. DF. qual a especificação para encontrar o órgão ou ente competente.: desenho em faixa de cadeirante). 2. Estado. o motivo que leva a prática do ato. os atos devem ser: • Escritos em vernáculo. Material: qual a matéria de especialização do ato. 1. • Símbolos.

contrato administrativo. Ex. F.: ato normativo que regulamente o horário de expediente.: licença. deliberações regimentos. São os atos normativos praticados pela Administração. portarias. circulares. Quanto ao Grau de Liberdade a) Discricionário: tem maior liberdade de atuação. ex. várias pessoas que estão em uma determinada situação são atingidas pelo ato. (Di Pietro) b) Individuais: são os atos que produzem efeitos jurídicos a somente uma pessoa. Quanto ao Alcance a) Externos: tem alcance a todos os administrados. como regulamento. sendo somente da Administração. III. Quanto aos Destinatários a) Gerais ou Regulamentares: não existe uma pessoa específica. contudo. Classificação dos Atos Administrativos I. instruções. quando o superior supre a falha do seu subordinado. Na competência só pode convalidar um ato quando a convalidação decorrer do poder hierárquico (competência funcional). este ato tem destinação específica. ex. b) Internos: são os atos que atingem somente a Administração Pública. Existe margem de atuação do administrador para a prática .: nomeação.: fiscalização.Convalidação dos Atos Administrativos Convalidar é tornar válido um ato que tenha vício sanável. ex. resoluções. Quanto a Manifestação de Vontade a) Bilateral: envolve as duas partes: Administração e administrado. atinge os administrados. b) Unilateral: a vontade é única. seus limites têm previsão em lei. ex. II.: autorização. IV. ou ato expropriatório.

2. no caso em concreto. entretanto. ao passo que nos discricionários é a própria lei que permite ao administrador. V. de maior ou menor liberdade deliberativa do administrador.do ato. c) Mero Expediente: são os atos de mera movimentação processual.: art. 4. Apostila Fortium: são os atos praticados pela Administração Pública quando esta se “despe” de suas prerrogativas e pratica os atos em pé de igualdade com os particulares.: contrato de locação (aqui a administração não tem prerrogativas). já na Administração Pública.: agente de trânsito na blitz. a lei prevê todos os elementos do ato. a uma subordinação é restrita. todos os elementos estão previstos em Lei.: fiscalização. Não se permite ato arbitrário. Os atos políticos de Governo tendem à discricionariedade. nos atos vinculados. . ex. § único. Não existe liberdade para o administrador agir. aplicar a melhor solução. Não há atos inteiramente vinculados ou inteiramente discricionários. 2º.: concessão da aposentadoria. que é aquele ato exercido fora da lei. ex. serão impulsionados de oficio ou pelo interessado. b) Gestão: ocorre quando o administrador está em pé de igualdade com o administrado. porém. regras para concurso público. trata-se de uma questão de preponderância. esta margem está na Lei. Apostila Fortium: são os atos praticados pela Administração Pública quando esta se vale das prerrogativas e privilégios de autoridade. ex. b) Vinculado (ou regrado): este ato está vinculado à Lei. OBSERVAÇÕES: 1. Quanto ao Objeto (ou Quanto às Prerrogativas com que a Administração atua) a) Império: são os atos praticados pela Administração Pública em que ela se utiliza da supremacia da administração pública sobre o particular. ex. VIII da Lei 9784/99. ex. predominam os vinculados. 3. concessão das férias. Notamos que a Administração Pública está subordinada à lei tanto nos atos “vinculados” como nos “discricionários”. sendo mínima a vinculação.

ex. Quanto à estrutura do ato a) Concreto (único caso. Quanto aos resultados . b) Composto: este ato é realizado por mais de uma autoridade. Quanto a formação da vontade (está diretamente com a decisão) a) Simples: neste ato é utilizado uma única autoridade ou órgão. ex. Quanto aos efeitos a) Constitutivos: criam. determinado): é o ato que somente se aplica a um único caso.: nomeação para ministro do STF (o presidente da República indica. só que todas dentro do mesmo órgão. exoneração de um servidor. Apostila Fortium: resultam da manifestação de vontade de mais de um órgão. ex.: horário de expediente em um órgão público. ex.: nomeação de servidor público. Diferem dos atos complexos porque aqui existe uma hierarquia entre as vontades manifestadas.: nomeação (ato praticado para nomear só aquela pessoa). mas o Senado tem que aprovar). As duas têm a mesma importância. atinge os servidores e usuários do órgão. outra é acessória e apenas complementa a vontade já manifestada.: concessão de alvará (cria o direito para o empresário iniciar suas atividades).: certidão (o servidor que pede declaração que conste que ele não cometeu infrações disciplinares nem respondeu a processo administrativo disciplinar) IX.: autorização para viajar com criança. c) Complexo: mais de uma autoridade. extinguem e/ou modificam situações. Apostila Fortium: os atos compostos resultam da manifestação da vontade de um órgão (ato principal). VII. ex. b) Declaratórios: apenas informar direitos. O ato só surge com a fusão das duas vontades. ex. dependendo. no entanto de órgãos diferentes. Uma é a principal e faz nascer o ato. VIII. ex. b) Abstratos (situações indefinidas): não sabe quantas pessoas serão atingidas. porém. da verificação de outro órgão (ato complementar). VI.

a) Ampliativo: ampliam direitos ou obrigações. Alcance Internos Os destinatários são os órgãos Circulares Portarias e agentes da Administração.: expedição de alvará dizendo que um comércio não poderá funcionar depois da 0h. SEM USAR SUA SUPREMACIA Expediente Aqueles praticados por Protocolo agentes subalternos. Instruções não se dirigem a terceiros Externos Alcançam os administrados Admissão Licença de modo geral (só entram em vigor depois de publicados). para o agente. Objeto Império Aquele que a administração Desapropriação Interdição pratica no gozo de suas Requisição prerrogativas. Licença . Individuais Destina-se a uma pessoa em Demissão Exoneração particular ou a um grupo de Outorga de licença pessoas determinadas . ex.: funcionamento de repartição pública que era até as 12h e passa a ser até as 18h. b) Restritivos: restringem direitos ou obrigações. QUANTO ATOS CONCEITO EXEMPLO AOS Destinatários Gerais Destinam-se a uma parcela Edital Regulamento grande de sujeitos Instruções indeterminados e todos aqueles que se vêem abrangidos pelos seus preceitos. ex. em posição de supremacia perante o administrado. atos de rotina interna Vinculado Quando não há. Gestão São os praticados pela Alienação e Aquisição de bens Administração em situação de Certidões igualdade com os particulares.

da lei. Não tríplice deve ser confundido com procedimento administrativo (Concorrência Pública). mas Dispensa de dependente da ratificação de licitação outro órgão para se tornar exeqüível Complexo Resultam da soma de vontade Escolha em lista de 2 ou mais órgãos. Composto Produzido por um órgão. Regramento liberdade de escolha. Decretos Ato normativo de competência privativa do chefe do Poder . no que diz respeito ao mérito ( CONVENIÊNCIA e OPORTUNIDADE ). Formação do ato Simples Produzido por um único Despacho órgão. Tabela tirada da apostila do Prof. Denis G. Modalidades dos atos administrativos ou espécies Atos Conceito Exemplos Conceito São os que contem Regulamentos Ato normativo de comando geral e abstrato caráter explicativo ou visando à correta aplicação supletivo. podem ser simples singulares ou simples colegiais. devendo Pedido de se sujeitar às determinações aposentadoria da Lei. Discricionário Quando há liberdade de Autorização escolha (na LEI) para o agente. Detalham a lei.

Instruções normativas São atos normativos expedidos pelos Ministros de Estado. a . servidores secundários. Podem ser coletivos ou individuais. visa a transmitir ordens uniformes a funcionários subordinados. Ordem de Serviço Instrumento utilizado para transmitir determinação aos subordinados. podendo ser utilizados por outros órgãos. ORDINATÓRIOS São os que disciplinam o Portaria Determinações gerais funcionamento da dos chefes de órgãos Administração e a conduta ou repartições aos funcional de seus agentes. representando a vontade majoritária de seus membros. Regimentos São atos normativos de atuação interna destinando-se a reger funcionamento de órgãos colegiados. Aviso Visa a dar conhecimento de assuntos afetos à atividade administrativa. Deliberações São os atos normativos oriundos de órgãos colegiados. Circular De caráter concreto. Resoluções São atos normativos de atuação interna destinando-se a reger funcionamento de órgãos colegiados. Instrução Determinações específicas dos chefes a fim de prescrever o modo pelo qual seus subordinados deverão dar andamento a seus serviços.NORMATIVOS Executivo.

NEGOCIAIS Ato administrativo que Alvará Consentimento dado contém uma declaração da pelo Estado para que o Administração. Concessão Atos administrativos que implicam na ampliação de direitos. discricionário. discricionário e precário em que é facultado ao particular . atividade. submetido à sua apreciação. Autorização Ato administrativo unilateral. Oficio É o ato pelo qual os agentes administrativos se comunicam. coincidente particular possa com a pretensão do desenvolver certa particular. sobre assunto de interesse individual ou coletivo. respeito da condução de determinado serviço. como a concessão de serviços públicos ou a concessão de cidadania. Permissão Ato administrativo unilateral. gratuito ou oneroso. Despacho É o ato administrativo que contém decisão não final. das autoridades administrativas. Licença Ato unilateral e vinculado pelo qual a Administração faculta ao que preencha os requisitos legais o exercício de uma atividade. pelo qual a Administração faculta ao particular a execução de um serviço público ou uso privativo de bem público.

Homologação E o ato unilateral e vinculado pelo qual a Administração reconhece a legalidade de um ato jurídico. pelo qual se exerce o controle do ato administrativo. Não há manifestação da vontade do Estado nessa emissão. Certidão São cópias ou fotocópias fiéis e autênticas de atos ou fatos constantes de processo livro ou documentos que se encontrem na repartição. ENUNCIATIVOS São todos os atos em que a Parecer Ato praticado por Administração Pública se órgãos consultivos que limita a certificar ou atestar emitem opinião sobre determinado fato ou a assuntos técnicos ou emitir uma opinião a cerca jurídicos de sua de um tema definido competência. Podem ser facultativos ou obrigatórios. Presta-se à comprovação de fatos ou situações passíveis . Admissão Ato unilateral e vinculado em que o particular é admitido para o gozo de um serviço público Aprovação Ato unilateral e discricionário. o uso privativo de bem público ou a prática de um ato que sem esse consentimento seria ilegal. vinculantes ou não vinculantes. Atestado São atos pelos quais a Administração comprova um fato ou situação de que tenha conhecimento por seus órgãos competentes.

pela retirada do ato pelo Poder Público. da execução material ou pelo implemento de condição ou termo. Formas de extinção: A extinção do ato administrativo poderá ocorrer nas hipóteses de cumprimento de seus efeitos. cassação. . é a natureza objetiva e se torna devida independentemente da ocorrência de culpa ou dolo do infrator Interdição de Atividade É o ato pelo qual a Administração veda a alguém a prática de atos sujeitos ao seu controle ou que incidam sobre seus bens. substâncias. caducidade ou contraposição. Destruição de Coisas É o ato sumário da Administração pelo qual se inutilizam alimentos. Denis. objetos ou instrumentos imprestáveis ou nocivos ao consumo ou de uso proibido por lei. que possibilite a defesa do interessado. em face do desaparecimento do sujeito ou do objeto. ou ainda pela renúncia. PUNITIVOS Atos que contém uma Multa É toda imposição sanção imposta pela pecuniária que sujeita Administração àqueles que a título de infringem disposições compensação do dano legais presumido de infração. de modificação freqüente. mediante o esgotamento do conteúdo jurídico. Tabela retirada da apostila do Prof. anulação. H. deve ser precedida de processo regular e do respectivo auto. pela revogação.

Estados. Distrito Federal. 8112). d. b. 2.). Há uma divergência em relação aos membros do Ministério Público e do Poder Judiciário. Sofreu influência norte-americana. Ou seja. e. são os que decidem a vontade soberana do Estado com atribuições constitucionais sem subordinação hierárquica. b. Municípios. magistrados. Membros do Ministério Público. empregados públicos). Empregados Público (regidos pela CLT). Apostila Fortium: são os agentes públicos ocupantes dos mais altos escalões. Autarquias e Fundações Públicas. etc. Membros do Poder Judiciário. em comissão. Presidente e vice. Servidores Públicos (Lei nº. c. Senador. Servidores Públicos: são os agentes públicos que atuam nas pessoas jurídicas de direito público: União. Empregados Públicos: são os agentes públicos que atuam nas pessoas jurídicas de direito privado (Empresas Públicas e Sociedades de Economia Mista) e . Servidores Temporários. são os titulares dos Poderes do Estado. a. Agentes Políticos: são aqueles em que a vontade do povo é demonstrada na ocupação desses cargos. Servidores em Comissão. Agentes Administrativos: são aqueles que têm vínculo remunerado. Deputados seja federal. c. Apostila Fortium: são os que têm vínculo profissional (servidores efetivos. governador. são os que têm regime jurídico de base constitucional (presidente. Governador e vice. c. Agentes Públicos 1. os integrantes. São eles: a. estadual ou distrital. Executivo e Judiciário. do Poder Legislativo. membros do Ministério Público. membros do Tribunal de Contas. senador. Pode ser classificado em: a. b. IV. Exercem as funções comuns da Administração. f. deputado.

Ex. Servidor é a pessoa legalmente investida em cargo público (art. recebe título. 19/98. transitoriamente determinados serviços ao Estado (múnus público).: mesário. conscritos etc. Único: uma liminar na ADI 2135/DF tornou sem efeito o art. SERVIDOR PÚBLICO A) Regência: Lei nº 8112/90. não tem vinculo) ou . mas. 4. V. Unilateralidade: Não existe direito adquirido em face a alterações sofridas após a investidura b. C) Características: a. 3º): conjunto de atribuições e responsabilidades previstas na estrutura organizacional que devem ser cometidas a um servidor. ex. Agentes Delegados: em regra. O servidor pode ser comissionado (é aquele de livre nomeação e exoneração. sem remuneração e sem vínculo com a Administração (jurados. não são remunerados pelos cofres públicos. ou seja. Autárquica e Fundacional. 3. 2º). Agentes Honoríficos: atuam em função pública não remunerada. jurado. Agentes Permissionários e Concessionários: exercem atividade pública de serviços. 5. Tem como vantagem desempate em concursos públicos.). Indireta.: cartórios extrajudiciais. mesários eleitorais. B) Aplicação: para as pessoas que prestam serviços na Administração Direta. são remunerados por custas e emolumentos. ex. Apostila Fortium: são cidadão convocados ou designados para prestar.: permissão de transporte.também aqueles que no período onde não havia obrigatoriedade de um regime jurídico único foram contratados pelas pessoas jurídicas de direito público. pode ser ocupado por servidor efetivo. D) Forma de Ocupação  Cargo Público (art. 39 da Emenda Constitucional nº. que tenha vinculo ou por nomeado.

F) Nomeação: é o provimento originário do cargo público. 12 da Lei o Concurso tem validade de 02 anos.  Idade mínima de 18 anos. Requisitos para a Posse (investidura):  Ser brasileiro nato ou naturalizado. de acordo com o art. conforme § 2º do art.  Se na hora do cálculo de vagas. o número for fracionário este deve ser arredondado para o próximo número inteiro.  Tem prioridade na nomeação.  Capacidade física e mental. 37 do citado decreto.  Estar em gozo dos direitos políticos. que se dá pela posse (investidura em cargo público).  Deve concorrer com seus pares. 37 do Decreto nº. conforme o § 1º do art. 3298/99. pois deve ser publicado em diário oficial e jornal de grande circulação. de acordo com o § 2º do art. E) Edital e Concurso: o Edital é a convocação e se submete ao princípio da legalidade.efetivo (aquele que foi aprovado em concurso público) que pode ser de carreira (permite a promoção) ou isolado (não permite a promoção). podendo ser prorrogável por igual período.  Nível escolar exigido para o cargo. De acordo com a jurisprudência do STF e STJ a aprovação do candidato dentro do número de vagas gera direito líquido e certo à nomeação. O candidato tem o prazo improrrogável de 30 dias para aceitar ou não a nomeação. 5º da Lei. 11 da Lei. O portador de necessidade especial tem que ter a compatibilidade entre sua função e a deficiência. podendo mandar procurador com poderes especiais. Conforme o art. O concurso público deve ser de provas ou de provas e títulos. Para estes o edital deve reservar:  Mínimo de 5% das vagas (Decreto nº 3298/99).  Estar em dia com as obrigações eleitorais e militares. A nomeação necessita de confirmação do candidato. se nada fizer a nomeação tornar-se-à sem efeito .  Máximo de 20% das vagas.

ocorre quando um servidor sofre uma limitação física ou mental. que deverá conter as atribuições. ele será readaptado em cargo compatível. e não são utilizadas para os cargos comissionados: a. 8112. No ato da posse o candidato. 13 da Lei 8112. É a progressão funcional. A posse deverá ocorrer no máximo 30 dias após a nomeação. a aposentadoria seja voluntária. Não poderá ser revertido o aposentado que tenha idade superior a 70 anos. O servidor aposentado é obrigado a voltar quando é aposentado por invalidez. Se dá de uma classe pra outra é a movimentação vertical de uma classe para outra. H) Exercício: é o efetivo cumprimento das atribuições do cargo. somente começarão a contar após o fim do impedimento (§ 2º. responsabilidades e direitos do cargo a ser ocupado. Promoção: É a ascensão de cargo. tenha feito o pedido de reversão. Podendo voltar a atividade também por interesse da Administração Pública. 25 e 27 da Lei 8112/90): é o retorno do servidor aposentado à atividade. se o cargo estiver ocupado ou não existir. É o exercício que gera os efeitos financeiros. este cargo tem que pertencer a mesma carreira. É nesse momento que o candidato se torna funcionário público. o servidor vai ficar como excedente. Readaptação (art. G) Posse: é a investidura em cargo público. 8112/90): são formas derivadas. A posse se dará por meio da assinatura de um termo. A posse poderá ser efetuada através de procuração. 13 da Lei 8112). conforme o art. 13 da Lei 8112. desde que. cargo ou função ele ocupa ou se não ocupa. d. Neste caso. entretanto. Se o candidato estiver de licença ou afastado os 30 dias. 9º e 10 da Lei 8112/90): provimento originário. § 5º do art. é a movimento de padrão para outro. 24 da Lei 8112/90): é a limitação. b. c. na primeira deve constar os bens e valores que fazem parte de seu patrimônio até a presente data e na segunda deve declarar qual exercício. 13 da Lei nº. 8º. do art. 13 da Lei 8112. . da Lei nº. deveres. No caso da reversão do aposentado por invalidez. entretanto se ocorrer fora deste prazo a posse será tido como sem efeito. § 3º do art. quando a aposentadoria tenha ocorrido 5 anos antes do pedido. §§ 1º e 6º do art. Nomeação (arts. agora servidor. Reversão (arts. deverá apresentará duas declarações. I) Formas de Provimento (art.

Este processo pode resultar na habilitação ou na inabilitação do servidor. a Administração é obrigada a aproveitar o servidor. neste caso. Tem direito o servidor estável inabilitado. J) Formas de Vacância (art. Aproveitado (arts. . através da Emenda Constitucional nº. f. 6. O servidor for reintegrado. g. Promoção. Reintegrado (art. Reconduzido (art. Demissão. quando: i. 34 e 35). 28. 19 art. 30 a 32): Só pode ser aproveitado o servidor estável que foi posto em disponibilidade. Readaptação. Neste caso. A lei. Recondução. O estágio probatório tem processo homologatório. 4. readaptação e recondução são tidas pela doutrina como formas simultâneas de provimento e vacância. Entretanto. Estiver em estágio probatório de outro cargo. 5. Posse em cargo inacumulável. Exoneração (arts. 33) 1. 3. a capacidade de iniciativa e a disciplina do servidor. tem que levar em consideração 5 fatores: a responsabilidade. 28): ocorre quando um servidor demitido tem sua demissão anulada ou revogada. a assiduidade. 8. Falecimento. e. a produtividade. ou iii. o STF e o STJ entendem ser de 36 meses. Aposentadoria. À pedido do servidor que estiver em estágio probatório. será ressarcido em todas as vantagens que teria se não tivesse sido demitido. A remuneração é proporcional ao tempo de serviço. que se inicia 4 meses antes do fim do prazo. que verifica a aptidão e a capacidade do servidor para o exercício do cargo. 2. A promoção. ii. 7. O servidor. K) Estágio Probatório X Estabilidade O estágio probatório é uma avaliação subjetiva. 29): é o retorno do servidor estável ao cargo que ocupava. diz que o estágio probatório tem duração de 24 meses.

Vencimento é a retribuição pecuniária pelo exercício de cargo público. 58 e 59): é devida ao servidor que vai prestar serviço fora de sua sede. 49. vier a ter exercício na mesma sede. 41 da Constituição Federal. sem prejuízo da avaliação a que se refere o § 4º do art. no caso de o cônjuge ou companheiro que detenha também a condição de servidor. E tem previsão constitucional. 40 da Lei 8112). no interesse do serviço. Os vencimentos que integram a remuneração são irredutíveis. A diária serve para custear a hospedagem. Aos servidores que estavam em estágio probatório antes de editada a EC nº. 41 ao 48 da Lei 8112): é o conjunto de parcelas (vencimentos + parcelas permanentes do cargo). vedado o duplo pagamento de indenização. o servidor só vai receber 50% quando não tiver que dormir no local. Indenização (arts.1 L) Direitos e Vantagens I. O vencimento pode ser inferior ao salário mínimo. . É assegurado o prazo de dois anos de efetivo exercício para aquisição da estabilidade aos atuais servidores em estágio probatório. A remuneração tem que ser superior ao salário mínimo e inferior ao teto do STF. 19/98 o estágio probatório foi de 2 anos. A ajuda de custo não pode ser superior a 3 meses de remuneração do servidor. acrescido de vantagem pessoal. se a Administração oferecer algum dos serviços. a qualquer tempo. Se for maior terá que devolver em 30 dias. Subsidio é uma parcela única. se não for estável será exonerado. II.No caso da inabilitação se o servidor for estável será reconduzido. 53 ao 57): é a compensação de despesas advindas da instalação do servidor que. Não tem limitação cada órgão vai regulamentar. Se tiver que devolver o prazo é de 5 dias. com mudança de domicílio em caráter permanente. 1 Art. 1 Ajuda de Custo (arts. passar a ter exercício em nova sede. seria a remuneração mensal. alimentação e transporte do servidor. I e 51). A estabilidade só é adquirida após 3 anos de efetivo exercício e aprovação em avaliação especifica (está avaliação é o estágio probatório). com valor fixado em lei (art. Entretanto. 2 Diária (arts. 28. Remuneração ou Subsídio Remuneração (arts.

.A. Gratificações e Vantagens (art. 5 ou 6). periculosidade e penosidade (são calculados em cima do vencimento e não da remuneração). 6 Férias. 5 Adicional por serviço Noturno (calculado em cima do vencimento): considera-se trabalho noturno o trabalho realizado das 22h as 5h. Periculosidade é o risco à vida. Os adicionais de insalubridade e periculosidade não podem se acumular. ou em região metropolitana. 1 Garantia (é calculada em cima da remuneração): é dada a quem ocupa cargo de direção. família.: PRF. Não tem direito o servidor que for dono de imóvel no lugar onde trabalha. (4. chefia ou assessoramento. Não tem direito o servidor que vai residir com colega de trabalho. 2 Gratificação Natalina ou Décimo Terceiro Salário (é calculado em cima da remuneração): é devido aos servidores aposentados ou não.60-A ao 60-E): tem direito o servidor ocupante de D. Insalubridade é o risco à saúde.S. 5 e 6. 10% ou 20%. O valor não pode ultrapassar 25% do DAS do Ministro de Estado. mais 1/3 da remuneração: é tido como férias o período de 30 dias corridos. 60): é devido ao servidor que utiliza meio próprio de locomoção. Tem que ser pago até o dia 20 de dezembro. 3. 4 Adicional por Serviço Extraordinário (calculado em cima do vencimento): pode ser no máximo 2 horas por dia. Não tem direito a diária ex. Penosidade é em decorrência do local. III.A. 4. O valor é de 25% em cima da hora normal. cada hora dura 52m30s. O valor é de 50% em cima da hora normal. Tem como base a ultima remuneração recebida. 3 Adicional por insalubridade.S.800. É o D. pode ser de 5%. é de 10%. cônjuge. 61).00. 3 Indenização de Transporte (art. mas a Administração garante até R$ 1. Não tem direito quem reside em imóvel funcional. Pode ser pago de forma proporcional ou integral. 4 Auxílio Moradia (arts.

Capacitação (art.: As licenças estudadas até agora podem ser concedidas ao servidor em estágio probatório.  Sem Remuneração: se o cônjuge ou companheiro não for servidor. e se tenha sido removido de oficio. OBS. M) Licenças (art. Acabando o serviço militar o servidor tem até 30 dias para retornar sem remuneração. prorrogável por igual período. 86): quando é candidato. Licença para prestar serviço militar (art. 7 Gratificação por encargo de curso ou concurso: é devida ao servidor que temporariamente trabalhar como: a. . 85): é remunerada. a Administração tem que pagar. Fiscal ou Apoio: a gratificação é de 1. 83): Esta licença poderá ser concedido a cada período de doze meses.  Sem Remuneração:por até 90 dias 2. Licença para exercer atividade política (art. como é por hora o limite é de 120 horas por ano.  Com remuneração: por até 60 dias. Instrutor ou Examinador: a gratificação é de 2. 81) 1. 5. 3. 87): pode ser concedida a cada 5 anos a critério da Administração Pública. Tratar da Saúde de Familiar (art. Acompanhar cônjuge ou companheiro (art.2% da maior remuneração do serviço público.3 meses).2%.  Com remuneração: servidor removido de oficio é o chamado exercício provisório – quando o cônjuge é servidor publico.  Com remuneração: desde o registro da candidatura até 10 dias depois da eleição (+/. 4. 84): não pode ser união homoafetiva: não tem prazo.  Sem remuneração: no período das convenções partidárias. b. É remunerado quando durar até 3 meses.

6.000: 2 são liberados. 3. para o nascituro. prorrogável uma única vez na hipótese de reeleição. . mais 60 para amamentação.000: 3 são liberados. Se o servidor for portador de necessidade especial até 2 horas por dia sem compensação. 92): é sem remuneração. Licença Maternidade: pode ser concedido a partir do 1º dia do 9º mês de gestação. 2.  Até 5.000 servidores: 1 é liberado. 5.  Acima de 30. É de 120 dias. 4. sem remuneração. 1.  De 5. Tratar de Interesse Particular (art. Quando tratar-se de nascimorto decorridos 30 dias do evento a servidora deverá se submeter a perícia para saber se estar apta para voltar a sua atividade. Dura enquanto o mandato eletivo durar. No caso de adoção será de 30 dias se a criança tiver mais de 1 anos e de 90 dias de tiver menos de 1 ano. • Doar sangue: 1 dia. tem que compensar. Tratar da Saúde em decorrência de acidente em serviço: se durar mais de 24 meses o servidor poderá ser readaptado ou aposentado por invalidez. mais de 24 meses de licença começa a abater na aposentadoria. Exercício de Mandato Classista – Sindicato (art. • Servidor que tenha filho ou enteado que seja portador de necessidade especial: até 2 horas por dia. Licença Paternidade: em qualquer caso terá duração de 5 dias consecutivos. Mais de 15 precisa de perícia.000 até 30. Limite de 24 meses. Concessões • Estudar: vai ter que compensar o horário. Tratar da Própria saúde: Durante o ano até 15 não precisa de perícia. 7. 91): poderá a critério da Administração Pública ser concedido até 3 anos consecutivos. M-A) Licenças Previdenciárias: sempre são remuneradas. No caso de abortos lícitos a licença é de 30 dias.

II. senador deputado estadual. Mesário  Cargo Eletivo são afastados sem escolha: presidente. • Parentes falecidos: 8 dias. Se não permanecer vai dever ao erário. doutorado ou pós-doutorado não fala o prazo  Só será afastado se não tiver como fazer uma concessão. Legais  Cessão para outro órgão  Jurado.  No Brasil: mestrado. Afastamentos I. pois podem acumular cargos públicos desde que o horário seja compatível. Mestrado Doutorado Pós-Doutorado 1º Afastamento 3 anos em exercício 4 anos em exercício 4 anos em exercício Novo Afastamento Espera mais 3 anos Espera mais 4 anos Espera mais 4 anos Aula 4 – Dia 30/10/2009 I. vice. Em razão de Estudo  Missão ou Estudo no Exterior: até 4 anos com remuneração. Pode optar o prefeito. vice. . o tempo que permaneceu fora tem que permanecer no serviço. 6. o nome será inscrito na dívida ativa e terá que pagar em 60 dias. Quando voltar. estes podem optar. governador. • Casamento: 8 dias. é que será reintegrado na seara administrativa. c) Administrativa. Responsabilidade dos Servidores Públicos a) Civil b) Penal: a absolvição na esfera penal em virtude da inexistência do fato ou negativa de autoria irá repercutir na seara civil e administrativa. o deputado distrital e o vereador. • Alistamento eleitoral e fazer atualizações: 2 dias. Somente se for absolvido nestes dois casos.

II. 130 da Lei nº 8112). Suspensão especifica aplicada apenas pelo chefe imediato. quando o servidor deixa de ir ao médico. Penalidades Processo Autoridade Prescrição2 Cancelamento Competente do Registro Advertência Sindicancia Chefe 180 dias 3 anos (simples imediatamente anotação) superior Suspensão de Até 30 dias: O Chefe 2 anos 5 anos até 90 dias Sindicância imediato (não vai Mais de 30 dias Autoridade receber pelos até 90: imediatamente dias que estiver Processo inferior ao suspenso) Administrativo Chefe do Poder Disciplinar Demissão Só através do Chefe do 5 anos Não tem como (servidor ativo) PAD. Cassação de haver porque Aposentadoria nomeação. extingue o ou vínculo do Disponibilidade servidor com a (servidor Administração. art. 2 começa a contar do dia do conhecimento do fato pela Administração Pública. . 130 da Lei 8112). pode cancelar. inativo) Destituição do PAD Nomeante 5 anos X Cargo em comissão Destituição de Pena acessória Função de Confiança A critério da Administração a suspensão pode ser convertida em multa (§ 2º. As esferas são independentes e acumuláveis. Poder. dura no máximo 15 dias e acaba quando o servidor vai ao médico (§ 1º. do art.

Processo Administrativo Disciplinar SINDICÂNCIA PAD PAD SUMÁRIO Dura até 80 dias Dura até 140 dias Dura até 50 dias Instauração por portaria Instauração por portaria Instauração por portaria Comissão: mínimo 3 Comissão: mínimo 3 Comissão: mínimo 2 servidores estáveis. prorrogado por mais 30. Sobre a Sindicância: Sindicância não é devido processo legal. O acusado tem vista e não carga do processo. mais 15. 140 no PAD ou 50 dias no PAD Sumário e não tiver sido proferida decisão. . mais 60. volta a contar a prescrição. e terá prazo para defesa. Decisão deverá ser tomada Decisão: 20 dias. Citação é o ato que antecede a defesa que deve ser escrita. servidores estáveis. OBS. A partir da citação o acusado vira indiciado. termo. A defesa tem que ser apresentação de defesa do escrita. Está incluso o prazo para que é de 10 dias. Passado os 80 dias na sindicância. Incluso o prazo de defesa Defesa: 5 dias. em 20 dias. não tá resumida a servidor. servidores estáveis. III. A destituição do cargo ou de função de confiança para o servidor efetivo será penalidade acessória. O acusado será intimado. para o servidor não efetivo sofrerá tais penalidades se a falta que cometeu for punida com suspensão ou demissão. No PAD não é obrigatório a presença de advogado. Na sindicância não precisa garantir a ampla defesa e o contraditório. O presidente deve ser O presidente deve ser O presidente deve ser ocupante de cargo efetivo ocupante de cargo efetivo ocupante de cargo efetivo ou nível escolar igual ou ou nível escolar igual ou ou nível escolar igual ou superior ao do acusado. superior ao do acusado. O último ato do processo é o relatório. superior ao do acusado. O último ato da instrução sempre será o interrogatório do acusado. Só é citado depois de interrogado. Decisão: 5 dias. podendo ser Prazo: 60 dias. Prazo: 30 dias. Prazo: 30 dias.

somente na hipótese de ter que instaurar um PAD. Todo mundo que ouvir na sindicância tem que ouvir no PAD. é remunerado. Inassiduidade habitual por mais de 60 dias interpolados no período de 12 meses (art. OBS. 138 da Lei 8112/90). terá que se instaurar um PAD. Quando assina optando por um. poderá faze-lo no prazo para defesa. Esse afastamento é uma proteção para garantia do processo. IV. II. do PAD: Tem a possibilidade de se aplicar o afastamento preventivo (não é punição). . Abandono de cargo injustificado por mais de 30 dias (art. prorrogável por mais 60 dias. Se não assinar nesse prazo. Se a pena for mais gravosa. E não precisa garantir a ampla defesa e o contraditório. Em todas as hipóteses a pena é a demissão. no outro órgão será aceito o pedido de exoneração. Sobre PAD Sumário: É aplicado em 3 situações: I. de cumulação ilegal: TCU (chefia) STF (chefia) analista analista 22h às 5h 7h às 13h As chefias dão 10 dias para assinar termo de opção. probidade. Acumulação ilegal de cargos (art. III. XII da Lei 8112). Ao assinar o termo de opção é identificada/autorizada a boa-fé. Improbidade Administrativa a) Conceito de Probidade: condutas relacionadas com a ética. é somente peça informativa. Pode arquivar. O afastamento inicial é de 60 dias. honestidade e a lealdade às instituições públicas. Penas aplicáveis na sindicância: advertência e suspensão de até 30 dias. 132. 139 da Lei 8112). Ex. OBS. A sindicância é uma fase inquisitória.

Proibição de contratar com a Administração Pública. b) Lei de aplicação nacional c) Só pode sofrer ação de improbidade administrativa. Se houver prejuízo. Perda do cargo. Ressarcir. majoritário por 10 anos. 3. Proibição de contratar 5. a honestidade “o agente se deu bem” “Alguém se deu bem” “Zé Mané” Alguém que não é o Ninguém se deu bem agente. direitos políticos (3 a 5 3. 3º): qualquer pessoa que tenha se beneficiado do ato de improbidade administrativa. deixar. Penas: Penas: Penas: 1. Multa 100x o valor da Pública. 9º. majoritário por 5 anos. Tem que ter ação ou omissão. segundo o STF só o prefeito. 2. 5. Perda do cargo. Suspensão dos direitos 2. facilitar Violar a lealdade. 1. 3. . 10 e 11 da Lei 8429/92. Sujeito ativo (art. Suspensão dos direitos 2. d) Natureza Jurídica do Ato de Improbidade: civil. aceitar. dolo ou culpa. Multa 3x. Se o sócio remuneração ou subsídio. anos). servidores (funcionários). f) Agente público (conceito amplo): políticos. dirigentes (não tem vinculo). pois a ação é civil pública. políticos (5 a 8 anos). 4. 1. pois as demais autoridades respondem por crime de responsabilidade. Se o sócio Pública. benefício direto ou imediato. Os arts. Perda do cargo. Suspensão dos políticos (8 a 10 anos). com a Administração com a Administração 4. Proibição de contratar tem o ressarcimento. Indireta e as empresas/órgãos que recebam incentivos. g) Repercussão à Família: limite à herança recebida. Multa 2x. h) São 3 Tipos de Atos de Improbidade Administrativa Enriquecimento Ilícito Prejuízo ao Erário Violação de Princípios Receber. utilizar Permitir. 4. e) Sujeitos Passivos do Ato de Improbidade: a Administração Direta. Perda dos valores. benefícios e/ou orçamento em qualquer esfera. Se o sócio majoritário por 3 anos. 5.

sequestro 2. Quando de uma ação praticar os 3 atos de improbidade o juiz vai considerar o ato mais grave. k) Procedimentos 1. O fato de qualquer pessoa poder representar. j) Sujeito Processual Ativo  MP. rol exemplificativo. não dá legitimidade ativa. Administrativo Processo administrativo disciplinar. por isso não pode demitir. A partir da concessão da liminar tem 30 dias para interpor a ação civil pública. Quando a infração administrativa for equivalente a ato de improbidade a Administração não pode demitir o servidor. As penas da Lei 8429/99 são aplicadas somente pelo Poder Judiciario. podendo acumular as penas. Se houver indícios de enriquecimento ilícito deve requerer ao MP e a Procuradoria o bloqueio dos bens (art. Se for constatado ato de improbidade tem que comunicar ao MP e ao TC. . e  Entidade Lesada (neste caso o MP deverá agir como fiscal da Lei). 16 da Lei 8429/92). 16 da Lei 8429/92). pois se a denúncia for falsa comete crime de falsa representação de ato de improbidade. i) Representação: qualquer pessoa pode representar perante o MP ou perante a entidade lesada. mais reparação civil. A representação não pode ser anônima. Perda do cargo e suspensão: somente contra servidor e depois do trânsito em julgado. a Administração não pode. Judiciário Bloqueio=> seqüestro (§ 1º. art. pena 6 a 10 meses e multa.

art. determinados  Pessoas ou associações com relação a interesses difusos. O estagiário não comete/pratica ato de improbidade.  Terceiros que podem sofrer os efeitos da decisão.  Organização ou associações com relação a interesses coletivos. 9º da Lei 9784/99):  Interessado. art. Se não tiver liminar esquecer do prazo de 30 dias. 17 da Lei 8429/92). manda citar e segue o rito ordinário (§ 9º. art. são determináveis As partes são aptas para interpor recurso. PROCESSO ADMINISTRATIVO LEI 9784/99 I. 17 da Lei 8429/92). Se o servidor for efetivo a Lei que vai dizer. O juiz ao receber a inicial vai notificar o requerido para oferecer manifestação no prazo de 15 dias. Não tem como determinar. Partes (art. 17 da Lei 8429/92). Recebida a manifestação o juiz vai decidir:  Se entender que não é ato ou que a via eleita não é adequada. . sob pena de demissão a bem do serviço público (§ 2º. Manda arquivar (§ 8º. m) Prescrição (prazos prescricionais) Vai variar de acordo com a situação do agente. art. O estagiário não é sujeito processual passivo para ato de improbidade. l) Declaração de Bens: deverá ser anual.  Se entender que é ato de improbidade. 13 da Lei 8429/92). Não é permitido transação ou acordo (§ 1º. Se for servidor de mandato eletivo ou cargo comissionado => 5 anos.

6º caput). IV.  Apresentar documentos até a decisão. III. salvo se a Lei autorizar. 3º da Lei 9784/99):  Ser bem tratado. Direitos das Partes (art.  Tem que ser verdadeiro. Inicio do Processo Administrativo  De ofício (art.  Ser representado por advogado.  Tem que apresentar documentos ou informações quando solicitado. II. Princípios  Legalidade  Finalidade  Motivação  Razoabilidade  Proporcionalidade  Moralidade  Ampla Defesa  Contraditório  Interesse Público  Segurança Jurídica. 4º da Lei):  Tratar com urbanidade os servidores. 5º) ou a requerimento. mas é possível o verbal se reduzido a termo. As partes devem ter no mínimo 18 anos. O pedido não pode ser anônimo. O requerimento deve obedecer aos mesmos moldes de uma petição inicial.  Tomar conhecimento de todos os termos do processo. Deveres das Partes (art. .  Não pode agir de modo temerário. O pedido deve ser escrito.  A pedido (art. V.

Conceito: toda atividade prevista em Lei. sob o regime jurídico total ou parcial de direito público. o foco é a administração. Teorias 1. prestada direta ou indiretamente pelo Estado ou seus delegados. É a teoria adotada no Brasil. não é adotada no Brasil. Subjetividade: para esta teoria o que importa é quem presta o serviço. B. ou seja. 3. . Serviços Públicos A. Formalista: a lei define o que é e qual é o serviço público. 2.Aula 5 – Dia 04/11/2009 I. Materialista: a atividade coletiva de interesse público.

Tornarem acessível a coletividade suas planilhas. • Eficiência: se traduz pela satisfação do usuário. b) Serviços Públicos Impróprios: podem ser delegados. • Modicidade: as tarifas do serviço público devem ser acessíveis ao usuário diferente de irrisório. vai fazer referencia a execução da atividade. • Atualidade: a modernização deve ocorrer constantemente.: transporte público. • Continuidade: não pode ser interrompido. energia elétrica. • Mutabilidade: esta relacionado com o contrato. deve ser prestado de forma continua. o serviço público tem que ser acessível a todos. ex. 2. telefonia. Princípios Expressos (Lei 8987/95) • Regularidade: o serviço deverá ser prestado na mesma qualidade e mesma quantidade. E. forças armadas. • Cortesia:o atendente e o usuário tem que se tratar com urbanidade. A Administração Pública está obrigada a prestar o serviço de natureza pública determinado por Lei. Quanto a Delegação (transferência da execução do serviço) a) Serviços Próprios: são indelegáveis. Quanto ao Sujeito . C. • Transparência: impõe a Administração Pública e/ou ao delegado de tornarem públicos suas planilhas. Princípios Doutrinários • Dever Inescusável: quando a Lei determina que uma atividade é serviço público a Administração Pública não pode deixar de prestar por si ou por delegado o serviço que a Lei determina ser público. D. ex. Este princípio autoriza a modificação contratual em face da execução da atividade. Classificação 1. • Controle: impõe a Administração Pública a regulação e a fiscalização dos serviços públicos.: segurança pública. o preço não deve ser irrisório. • Universalidade: deve ser destinado a todos. podendo prestar direta ou indiretamente.

: telefonia. ex. iluminação pública. ex. não vai ter contrato Mem licitação. ex. ex. Quanto ao Objeto a) Serviço Público Administrativo: aquele serviço exercido pela própria Administração Pública. ex. b) Uti Singuli: é o serviço prestado de maneira singular/pessoal.: coleta de lixo.: transporte público. 3.: educação. ex. O interesse maior é o interesse privado.: serviços próprios. que tem por objetivo atingir sua finalidade. 4.: serviço impróprio. Quanto ao Destinatário a) Uti Universi: é o serviço prestado a todos. A Administração Pública poderá revogar o ato a qualquer tempo sem necessidade de indenização. de serviço público facultativo: telefonia. 2. Permissão . ex. independente se vai usar ou não. b) Facultativo: é remunerado através de tarifa e só utiliza quem quer. ex. Autorização A autorização será concedida mediante ato administrativo.: imprensa nacional. c) Serviço Público Social: é aquele que visa o interesse coletivo.: autorização para taxista. saúde. Formas de Delegação 1. energia elétrica. ex. de serviço compulsório: coleta de lixo. telefonia. 5. A autorização pode ser instituída de duas formas: decreto ou portaria. O serviço será remunerado mediante tarifa. b) Serviço Público Comercial: aquele que gera lucro para o prestador do serviço. Quanto a Obrigatoriedade a) Compulsório: remuneração é mediante o pagamento de taxa. ex. a) Direto: a própria Administração Pública Direta ou Indireta que presta o serviço diretamente. b) Indireto: é prestado através de delegados do serviço público. F.

que obrigatoriamente vai ser na modalidade concorrência. O interesse levado em consideração é o público. pode se dá por: • Encampação: retomada do serviço público por interesse público. III. A decisão é discricionária. que vai ser previsto no edital. Responsabilidade O STF entende que a responsabilidade do concessionário é objetiva com relação aos usuários e terceiros.Se ocorrer prejuízo por causa da revogação. O contrato é por prazo determinado. portaria ou contrato. A encampação se dá mediante um ato administrativo. A responsabilidade do Estado é subsidiária. Concessão por: decreto. Remuneração mediante tarifa. É por prazo indeterminado.Revogação indenizável (1ª corrente). . o prejuízo tem que ser indenizável (3ª corrente) A remuneração é por tarifa. . Rescisão a) Administrativa ou pelo Poder Público. • Caducidade: espécie de retomada do serviço prestado.Não cabe indenização (2ª corrente). precisa de Lei autorizativa. aqui ocorre a inadimplência das clausulas contratuais. tem que ter a indenização prévia. Concessão A concessão se dá mediante contrato administrativo. O poder judiciário na sua atividade típica jamais poderá declarar a caducidade de um contrato administrativo.2. III. 3. que será averiguada mediante processo administrativo onde será garantido o contraditório e a ampla defesa. A permissão pode ser concedida através de ato administrativo (1ª corrente) ou através de contrato de adesão (2ª corrente). É revogável . 2ª. Necessita de licitação. Extinção da Concessão 1ª. .1. Necessita de licitação. decreto ou portaria. Por termo contratual: fim do prazo estipulado no contrato administrativo celebrado entre o poder público e o concessionário.

Não pode ter PPP cujo o valor do contrato for inferior a 20 milhões de reais. Parceria Público Privado (PPP) a) Parceria Público Privado Patrocinada: institui um consórcio. Quando o investimento público for superior a 70% do valor do contrato deverá. O risco da atividade deve ser dividido entre o governo e a empresa. obrigatoriamente. • Anulação: é a retomada do serviço em virtude de ilegalidade no processo licitatório feito pela concessionária. 3ª. O serviço público não pode ser interrompido. ou apenas execução da obra ou equipamento. haver autorização legislativa. ex. A iniciativa privada vai fazer um investimento. O prazo é determinado.: apenas mão de obra. A empresa só pode deixar de prestar o serviço quando a decisão que concedeu a rescisão transitar em julgado. b) Rescisão Contratual: é a promovida pelo poder judiciário. c) Acordo. . ex. b) Parceria Público Privado Administrativa: a Lei diz que a Administração Pública vai usar direta ou indiretamente o serviço. o que só poderá ocorrer com a sentença transitada em julgado. Falência: ocorrendo a falência não há possibilidade de permanecer com o contrato.: hospitais. e o governo vai fazer repasses para repor o investimento. A PPP surgiu em virtude da necessidade de infra-estrutura que o Estado precisa. grupo de empresa ou investidores para explorar determinada atividade. para a utilização do serviço será cobrado tarifa. quando não há o cumprimento das clausulas contratuais pela Administração Pública. A rescisão judicial é mais utilizada pela empresa concessionária. Não pode ter PPP quando o objeto do contrato for único. Formas de pagamento: mediante tarifa ou mediante destinação orçamentária. presídios. 4. Não pode ter PPP se o contrato tiver menos de 5 anos. O contrarisco é do poder público e da empresa privada que junto com o poder público vai fazer uma parceria.