Vous êtes sur la page 1sur 19

PRODUTOS NOTÁVEIS

E FATORAÇÃO

FORTIUM – Grupo Educacional


Faculdade Fortium
Docente: Jeferson de Arruda
E-mail: profjeferson_df@hotmail.com
3.1 - PROPRIEDADE DISTRIBUTIVA
O estudo da propriedade distributiva pode ser resumido no estudo de três propriedades básicas. Para
tanto, sejam a, b, c, d ∈ R . Assim, temos que:

Propriedade 1: a.(b + c) = a.b + a.c


Propriedade 2: (b + c).a = a.b + a.c
Propriedade 3: (a + b).(c + d ) = a.c + a.d + b.c + b.d

Logo abaixo, apresentaremos não a demonstração, mas a explicação de como utilizar corretamente
cada uma dessas propriedades.

Considerando as propriedades 1 e 2, para multiplicarmos um número pela diferença (ou soma) de


outros dois, ou seja, calcularmos alguma coisa do tipo 7.(2 − 5) , podemos utilizar a propriedade
distributiva. Note que, neste exemplo poderíamos também resolver a multiplicação utilizando as
regras de precedência como aprendemos nos primeiros capítulos. Para aplicarmos a propriedade
distributiva, podemos utilizar como “apoio” para a solução às “famosas setinhas”, para tanto,
devemos proceder da seguinte maneira:

1º passo: Devemos colocar setas “saindo” do número que se encontra multiplicando os parênteses
(colchetes ou chaves) e “chegando” em cada um dos números que se encontram dentro dos
parênteses, ou seja:
7.(2 − 5)
2º passo: Devemos multiplicar os números que se encontram no começo e no final de cada seta,
respectivamente. Como toda multiplicação, devemos fazer o jogo de sinal.
Assim,
7.(2 − 5) =7.2+7.(-5)=14-35=-21
Como exemplo, vamos desenvolver o produto − 2.( x − 3) .
Seguindo os dois passos iniciais, temos:

− 2.( x − 3) = − 2.x − 2.(−3) = −2 x + 6

Considerando a propriedade 3, para multiplicarmos uma diferença (ou soma) de dois números pela
soma (ou diferença) de outros dois números, ou seja, calcularmos alguma coisa do tipo
(3 − 2).(4 + 5) , podemos utilizar a propriedade distributiva. Observe que este exemplo, também
poderia ser resolvido pelas regras de precedência. Para aplicarmos a propriedade distributiva,
podemos utilizar como “apoio” para a solução às “famosas setinhas”, para tanto, devemos proceder
da seguinte maneira:

1º passo: Devemos colocar setas “saindo” de cada um dos números que se encontram no primeiro
parentes (colchetes ou chaves) e “chegando” em todos os números que se encontram dentro do
segundo parênteses, ou seja:

(3 − 2).(4 + 5)

2º passo: Devemos multiplicar os números que se encontram no começo e no final de cada seta,
respectivamente. Assim,
(3 − 2).(4 + 5) = 3.4 + 3.5 − 2.4 − 2.5 = 12 + 15 − 8 − 10 = 9

1
Como outro exemplo, vamos desenvolver o produto (2 + x).( x − 3) .

(2 + x).( x − 3) = 2.x + 2.(−3) + x.x + x.(−3) = 2 x − 6 + x 2 − 3x = x 2 − x − 6

Se utilizada corretamente, várias multiplicações podem ser simplificadas através da aplicação da


propriedade distributiva. Como exemplo, vamos multiplicar 1279 por 7.
Observe que, 1279 = (1000 + 200 + 70 + 9) , assim,
1279.7 = (1000 + 200 + 70 + 9).7
Logo, aplicando a propriedade 2, temos:
1279.7 = 1000.7 + 200.7 + 70.7 + 9.7 = 7000 + 1400 + 490 + 63 = 8953
Outro fato interessante é que sempre que desejamos realizar a multiplicação de um número par por
5, basta realizar uma divisão desse número por 2 e a seguir acrescentar zero no resultado. Por
exemplo, vamos multiplicar 1278 por 5. Note que 1278 dividido por 2 é igual a 639, assim,
1278.5 = 6390
Por outro lado, caso o número a ser multiplicado por 5 seja um número ímpar, basta escrevê-lo
como um número par somado com uma unidade(o número par acrescentado de uma unidade deverá
ser igual ao número original). A seguir, realizar a multiplicação. Como exemplo, vamos multiplicar
1279 por 5. Observe que 1279=1278+1, assim, 1279.5 = 1278.5 + 1.5 = 6390 + 5 = 6395 .

3.2 - OS PRODUTOS NOTÁVEIS

Os produtos notáveis que mais se destacam na álgebra são: (a + b) 2 , (a − b) 2 , (a + b).(a − b) ,


( a + b) 3 e ( a − b) 3 .

Note que, aplicando a propriedade distributiva, temos:


I) (a + b) 2 = (a + b).(a + b) = a 2 + ab + ab + b 2 = a 2 + 2ab + b 2 , ou seja, (a + b) 2 = a 2 + 2ab + b 2 .
Assim, dizemos que o quadrado da soma de dois números é igual ao quadrado do primeiro número,
mais duas vezes o primeiro número vezes o segundo número, mais o quadrado do segundo número.

II) (a − b) 2 = (a − b).(a − b) = a 2 − ab − ab + b 2 = a 2 − 2ab + b 2 , ou seja, (a − b) 2 = a 2 − 2ab + b 2 .


Assim, dizemos que o quadrado da diferença de dois números é igual ao quadrado do primeiro
número, mais duas vezes o primeiro número (com o sinal desse número) vezes o segundo
número(com o sinal desse número), mais o quadrado do segundo número.

III) (a + b).(a − b) = a 2 + ab − ab − b 2 = a 2 − b 2 , ou seja, (a + b).(a − b) = a 2 − b 2 . Assim, dizemos


que o produto da soma pela diferença de dois números é igual ao quadrado do primeiro número
menos o quadrado do segundo número.

IV) (a + b) 3 = (a + b) 2 .(a + b) = (a 2 + 2ab + b 2 ).(a + b) = a 3 + a 2 b + 2a 2 b + 2ab 2 + ab 2 + b 3 =


= a 3 + 3a 2b + 3ab 2 + b 3 , ou seja, (a + b) 3 = a 3 + 3a 2b + 3ab 2 + b 3 . Assim, dizemos que o cubo da
soma de dois números é igual ao cubo do primeiro número, mais três vezes o quadrado do primeiro
número vezes o segundo, mais três vezes o primeiro número vezes o quadrado do segundo, mais o
cubo do segundo número.

V) (a − b) 3 = (a − b) 2 .(a − b) = (a 2 − 2ab + b 2 ).(a − b) = a 3 − a 2 b − 2a 2b + 2ab 2 + ab 2 − b 3 =


= a 3 − 3a 2 b + 3ab 2 − b 3 , ou seja, (a − b) 3 = a 3 − 3a 2 b + 3ab 2 − b 3 . Assim, dizemos que o cubo da
diferença de dois números é igual ao cubo do primeiro número, menos três vezes o quadrado do

2
primeiro número vezes o segundo, mais três vezes o primeiro número vezes o quadrado do segundo,
mais o cubo do segundo número.

Em resumo:
I) (a + b) 2 = a 2 + 2ab + b 2
II) (a − b) 2 = a 2 − 2ab + b 2
III) (a + b).(a − b) = a 2 − b 2
IV) (a + b) 3 = a 3 + 3a 2b + 3ab 2 + b 3
V) (a − b) 3 = a 3 − 3a 2 b + 3ab 2 − b 3

INTERESSANTE!

Para desenvolvermos (a + b) 4 , devemos:


1º passo: Colocar a e b elevado ao expoente 4 nas extremidades, assim:
a 4 ........................................... b 4

2º passo: Entre a 4 e b 4 , coloque os produtos ab n-1 vezes(n é número que está sobre o o
parênteses), no nosso caso, 4-1=3 vezes.
a 4 +ab+ab+ab+ b 4

3º passo: Decrescer os expoentes de a 4 até a1 e crescer os expoentes de b1 até b 4 .


a 4 + a 3b + a 2b 2 + ab 3 + b 4

4º passo: Coloque o expoente (no nosso caso 4) como coeficiente do segundo termo. Para
encontrarmos o valor do coeficiente do terceiro termo, devemos multiplicar o coeficiente do termo
anterior àquele que estamos procurando o coeficiente (no nosso caso, o segundo termo, ou seja, 4)
pelo valor pelo expoente do a do termo anterior àquele que estamos procurando e dividir o resultado
desta multiplicação pelo número de termos anterior àquele que estamos buscando o coeficiente.
Assim, a 4 + 4a 3b + ? a 2 b 2 + ? ab 3 + b 4 . Dessa forma, o valor do coeficiente do terceiro termo é
4.3
obtido, fazendo = 6 . Dessa maneira, a 4 + 4a 3b + 6a 2b 2 + ? ab 3 + b 4 . Para encontrar o valor do
2
6.2
coeficiente do quarto termo, basta fazermos = 4 , onde 6 é o coeficiente do termo anterior
3
(terceiro termo) àquele que estamos procurando (quarto termo), 2 é o expoente do a do termo
anterior (terceiro termo) àquele que estamos procurando (quarto termo) e 3 é o número de termos
anterior ao termo para o qual estamos buscando o valor do seu coeficiente. Logo,
(a + b )4 = a 4 + 4a 3b + 6a 2b 2 + 4ab 3 + b 4 .

Para desenvolvermos (a + b ) , devemos:


5

1º passo: a 5 ..................................... b 5
2º passo: a 4 +ab+ab+ab+ab+ b 4
3º passo: a 5 + a 4 b + a 3b 2 + a 2 b 3 + ab 4 + b 5
5.4 10.3 10.2
4º passo: a 5 + 5a 4 b + 10a 3b 2 + 10a 2 b 3 + 5ab 4 + b 5 , onde 10 = , 10 = e 5= .
2 3 4
Logo, (a + b ) = a 5 + 5a 4b + 10a 3b 2 + 10a 2b 3 + 5ab 4 + b 5 .
5

3
Quando ocorrer um sinal negativo entre os termos, para o desenvolvimento do binômio, basta
considerar o sinal como parte do termo, conservando o sinal positivo no segundo passo. Como
exemplo, vamos desenvolver (x − y ) . Inicialmente, note que (x − y ) = ( x + (− y )) , assim:
5 5 5

1º passo: x 5 ..................................... (− y )
5

2º passo: x 4 +x (− y ) +x (− y ) +x (− y ) +x (− y ) + (− y )
4

3º passo: x 5 + x 4 (− y ) + x 3 (− y ) + x 2 (− y ) + x(− y ) + (− y )
2 3 4 5

4º passo: x 5 + 5 x 4 (− y ) + 10 x 3 (− y ) + 10 x 2 (− y ) + 5 x(− y ) + (− y ) , onde 10 =


5.4 10.3
, 10 =
2 3 4 5
e
2 3
10.2
5= .
4
Logo, (x − y ) = x 5 − 5 x 4 y + 10 x 3 y 2 − 10 x 2 y 3 + 5 xy 4 − y 5 .
5

Outra maneira de desenvolvermos a potência de uma soma (ou diferença) é utilizando o teorema
conhecido como teorema binomial, freqüentemente atribuído a Newton. Tal teorema diz que:

(a + b )n = ∑ ⎛⎜⎜
n n ⎞ n−k k
⎟⎟.a .b
k =0 ⎝ k ⎠

⎛n⎞
e n!= n.(n − 1)(
. n − 2 )(
. n − 3)(
. n − 4 )...2.1 .
n!
Onde, a, b ∈ R , n ∈ N , ⎜⎜ ⎟⎟ =
⎝ k ⎠ k!(n − k )!

⎛n⎞
Os coeficientes ⎜⎜ ⎟⎟ são chamados coeficientes binomiais.
⎝k ⎠

Como exemplo, vamos, novamente, desenvolver (x − y )5 . Inicialmente, note que

(x − y )5 = (x + (− y ))5 , assim, conforme a fórmula (a + b )n = ∑ ⎛⎜⎜


n n ⎞ n −k k
⎟⎟.a .b , temos:
k =0 ⎝ k ⎠

(x + (− y ))5 = ∑ ⎛⎜⎜
5 5 ⎞ 5− k
⎟⎟.x .(− y )k =
k =0 ⎝ k ⎠

⎛ 5⎞ ⎛ 5⎞ ⎛ 5⎞ ⎛ 5⎞ ⎛5⎞ ⎛ 5⎞
= ⎜⎜ ⎟⎟ x 5−0 . y 0 + ⎜⎜ ⎟⎟ x 5−1.(− y ) + ⎜⎜ ⎟⎟ x 5−2 .(− y ) + ⎜⎜ ⎟⎟ x 5−3 .(− y ) + ⎜⎜ ⎟⎟ x 5−4 .(− y ) + ⎜⎜ ⎟⎟ x 5−5 .(− y )
1 2 3 4 5

⎝0⎠ ⎝1⎠ ⎝ 2⎠ ⎝ 3⎠ ⎝ 4⎠ ⎝ 5⎠
ou ainda,
(x + (− y ))5 = ⎛⎜⎜ ⎞⎟⎟ x 5 .1 + ⎛⎜⎜ ⎞⎟⎟ x 4 .(− y )1 + ⎛⎜⎜ ⎞⎟⎟ x 3 .(− y )2 + ⎛⎜⎜ ⎞⎟⎟ x 2 .(− y )3 + ⎛⎜⎜ ⎞⎟⎟ x1.(− y )4 + ⎛⎜⎜ ⎞⎟⎟.1.(− y )5 .
5 5 5 5 5 5
⎝0⎠ ⎝1⎠ ⎝ 2⎠ ⎝ 3⎠ ⎝ 4⎠ ⎝ 5⎠
Por outro lado, sabendo que 0!= 1!= 1 , note que,
⎛ 5⎞ 5! 5! 5!
⎜⎜ ⎟⎟ = = = =1
⎝ 0 ⎠ 0!(5 − 0)! 1.5! 5!
⎛ 5⎞ 5! 5! 5.4!
⎜⎜ ⎟⎟ = = = =5
⎝ 1 ⎠ 1!(5 − 1)! 1.4! 4!
⎛5⎞ 5! 5! 5.4.3! 5.4 5.4 20
⎜⎜ ⎟⎟ = = = = = = = 10
⎝ 2 ⎠ 2!(5 − 2 )! 2!.3! 2!.3! 2! 2.1 2
⎛ 5⎞ 5! 5! 5.4.3! 5.4 5.4 20
⎜⎜ ⎟⎟ = = = = = = = 10
⎝ 3 ⎠ 3!(5 − 3)! 3!.2! 3!2! 2! 2.1 2

4
⎛5⎞ 5! 5! 5.4! 5
⎜⎜ ⎟⎟ = = = = =5
⎝ 4 ⎠ 4!(5 − 4 )! 4!.1! 4!1! 1

⎛ 5⎞ 5! 5! 5! 5!
⎜⎜ ⎟⎟ = = = = =1
⎝ 5 ⎠ 5!(5 − 5)! 5!.0! 5!.1 5!

Como,
(x + (− y ))5 = ⎛⎜⎜
5⎞ 5 ⎛ 5⎞ ⎛ 5⎞ ⎛ 5⎞ ⎛5⎞ ⎛ 5⎞
⎟⎟ x .1 + ⎜⎜ ⎟⎟ x 4 .(− y )1 + ⎜⎜ ⎟⎟ x 3 .(− y )2 + ⎜⎜ ⎟⎟ x 2 .(− y )3 + ⎜⎜ ⎟⎟ x1.(− y )4 + ⎜⎜ ⎟⎟.1.(− y )5 ,
⎝0⎠ ⎝1⎠ ⎝ 2⎠ ⎝ 3⎠ ⎝ 4⎠ ⎝ 5⎠
⎛ 5⎞ ⎛ 5⎞ ⎛5⎞ ⎛ 5⎞ ⎛5⎞ ⎛ 5⎞
⎜⎜ ⎟⎟ = 1 , ⎜⎜ ⎟⎟ = 5 , ⎜⎜ ⎟⎟ = 10 , ⎜⎜ ⎟⎟ = 10 , ⎜⎜ ⎟⎟ = 5 e ⎜⎜ ⎟⎟ = 1 , temos,
⎝ 0⎠ ⎝1⎠ ⎝ 2⎠ ⎝ 3⎠ ⎝ 4⎠ ⎝ 5⎠

(x + (− y ))5 = 1.x 5 .1 + 5.x 4 .(− y )1 + 10.x 3 .(− y )2 + 10.x 2 .(− y )3 + 5.x1.(− y )4 + 1.1.(− y )5 , dessa forma,
calculando as potências e realizando as multiplicações, temos:
(x + (− y ))5 = x 5 − 5 x 4 y + 10 x 3 y 2 − 10 x 2 y 3 + 5 xy 4 − y 5 , ou ainda,
(x − y )5 = x 5 − 5 x 4 y + 10 x 3 y 2 − 10 x 2 y 3 + 5 xy 4 − y 5

3.3 - FATORAÇÃO
A fatoração consiste em transformar uma soma ou diferença em produto. Nesta seção,
apresentaremos seis processos de fatoração, a saber: Evidenciação, Agrupamento, Diferença entre
dois quadrados, Fatoração da soma ou diferença entre dois cubos, Trinômio quadrado perfeito e
Fatoração por artifício.
3.3.1 – Evidenciação (1º caso)

É o processo de separar os termos comuns e de menor expoente.

Como exemplo, vamos fatorar a 2 x 3 + 2a 4 x 5 − 3a 6 x 4 .

Observe que os elementos comuns são “a” e “x”, onde os menores expoentes são 2 e 3,
respectivamente. Assim, basta colocá-los em evidência e a seguir dividir cada termo por a 2 x 3 .
Note que:
a 2 x3 2a 4 x 5 − 3a 6 x 4
= 1 = 2 a 2 2
x = −3a 4 x
a 2 x3 a 2 x3 a 2 x3
Logo,
(
a 2 x 3 + 2a 4 x 5 − 3a 6 x 4 = a 2 x 3 1 + 2a 2 x 2 − 3a 4 x )
Como segundo exemplo, vamos fatorar 12a 2 x 3 + 6a 4 x 5 − 30a 6 x 4

Quando ocorrer a presença de coeficientes inteiros (diferente de 1) nos termos, devemos


inicialmente, fatorar todos os coeficientes. Assim,
12a 2 x 3 + 6a 4 x 5 − 30a 6 x 4 = 2 2.3.a 2 x 3 + 2.3a 4 x 5 − 2.3.5.a 6 x 4
A seguir, devemos encontrar os elementos comuns com os menores coeficientes. Nesse caso, “2”,
“3” “a” e “x”, sendo os menores coeficientes iguais a 1,1,2 e 3, respectivamente. Dessa forma, basta
colocá-los em evidência e a seguir dividir todos os termos por 2.3a 2 x 3 .
Observe que,

5
2 2.3.a 2 x 3 2.3a 4 x 5 − 2.3.5.a 6 x 4
=2 = a2 x2 = −5a 4 x
2.3a 2 x 3 2.3a 2 x 3 2.3a 2 x 3

Logo,
( )
12a 2 x 3 + 6a 4 x 5 − 30a 6 x 4 = 2.3a 2 x 3 2 + a 2 x 2 − 5a 4 x , ou ainda,
12a 2 x 3 + 6a 4 x 5 − 30a 6 x 4 = 6a 2 x 3 (2 + a 2 x 2 − 5a 4 x )

Uma forma alternativa para a utilização do método de fatoração chamado Evidenciação, pode ser
obtida, encontrando inicialmente o Maior Divisor Comum entre os coeficientes. Assim,
considerando como exemplo a expressão 12a 2 x 3 + 6a 4 x 5 − 30a 6 x 4 , devemos encontrar o MDC
entre os valores 12, 6 e 30. O processo de cálculo do MDC é semelhante ao processo utilizado para
calcular o MMC, a diferença é que estaremos procurando valores que dividam ao mesmo tempo
todos os fatores. Desse modo, temos,
12, 6, 30 2
6, 3, 15 3
2, 1, 5 2.3 = 6
Logo, MDC (12,6,30) = 6 .
Depois de encontrarmos o MDC entre os coeficientes da expressão 12a 2 x 3 + 6a 4 x 5 − 30a 6 x 4 ,
devemos observar quais são as “letras” com o menor expoente que aparece em todos os termos.
Como podemos notar, os valores não numéricos comuns são a 2 x 3 . Dessa forma, o valor comum em
todos os termos é o produto do MDC por a 2 x 3 , ou seja, 6a 2 x 3 .
A próxima etapa é semelhante àquela vista anteriormente, ou seja, devemos dividir cada uma dos
termos por 6a 2 x 3 .

Assim,
12a 2 x 3 6a 4 x 5 − 30a 6 x 4
=2 = a2 x2 = −5a 4 x
6a 2 x 3 6a 2 x 3 6a 2 x 3

Logo,
12a 2 x 3 + 6a 4 x 5 − 30a 6 x 4 = 6a 2 x 3 (2 + a 2 x 2 − 5a 4 x )

3.3.2 - Agrupamento (2º Caso)

Este método consiste em colocar os termos comuns em evidência parcialmente, isto é, entre os
termos, localizamos aqueles que possuem termos comuns e então, aplicamos o processo de
fatoração chamado Evidenciação.

Como exemplo, vamos fatorar ax + bx + ay + by .

Note que, os dois primeiros termos, têm um elemento em comum “x”. Já os dois últimos têm em
comum o elemento “y”. Assim, aplicando o primeiro caso de fatoração em blocos (os dois primeiros
termos e os dois últimos termos), temos:
x(a + b ) + y (a + b ) . Note agora, que o termo (a + b ) é comum, assim, colocando-o em evidência,
temos: (x + y )( . a + b) .

6
3.3.3 - Diferença entre dois quadrados (3º Caso)

Como o próprio nome diz, para utilização desse método devemos ter um termo positivo e outro
negativo.

Como exemplo, vamos fatorar a 2 − b 2 .

1º passo: devemos encontrar a raiz quadrada de cada um dos termos(desprezando o sinal), assim:
a2 = a e b2 = b
2º passo: Identificar o termo que possui sinal negativo(no nosso caso o segundo termo, b 2 ) e
escrever um produto da soma pela diferença das duas raízes encontradas, sendo que a variação de
sinal deverá ocorrer na raiz do termo negativo( no nosso caso, b). Assim:
(a + b )(. a − b )
Logo, a 2 − b 2 = (a + b )(
. a − b)

Fatoremos agora, − 25 x 2 + 4 y 2

1º passo: 25 x 2 = 5 x e 4y2 = 2y
2º passo: (5 x + 2 y )(. − 5 x + 2 y )
Logo, − 25 x 2 + 4 y 2 = (5 x + 2 y )(
. − 5x + 2 y )

Como último exemplo, pergunta-se: Qual o valor de 2007 2 − 2006 2 ?


Se observarmos atentamente, podemos notar que temos uma diferença entre dois quadrados, assim:
1º passo: 2007 2 = 2007 e 2006 2 = 2006
2º passo: (2007 + 2006)(. 2007 − 2006) = 4013.1 = 4013
Logo, 2007 − 2006 = (2007 + 2006 )(
2 2
. 2007 − 2006 ) = 4013 , ou seja, 2007 2 − 2006 2 = 4013.

3.3.4 - Fatoração da soma ou diferença entre dois cubos (4º Caso)

Para fatorar uma soma ou diferença entre dois cubos, como por exemplo, a 3 − b 3 ,devemos:

1º passo: Calcular a raiz cúbica de cada um dos termos. Assim, conforme nosso exemplo, 3
a3 = a
e 3
b3 = b .

2º passo: Observar o sinal dos termos, caso os dois sejam positivos devemos considerar o sinal (+),
porém, caso um deles seja negativo, devemos considerar o sinal (-). No exemplo acima, devemos
considerar o sinal negativo (-).

3º passo: Se o sinal obtido no segundo passo for negativo (nosso exemplo), escrever o produto da
diferença (o sinal negativo deve acompanhar a raiz cúbica do termo negativo) entre a raiz cúbica de
cada um dos dois termos pela soma do quadrado da raiz cúbica do primeiro termo com o produto da
raiz cúbica do primeiro termo pela raiz cúbica do segundo com o quadrado da raiz cúbica do
segundo termo, ou seja, considerando uma diferença do tipo, a 3 − b 3 , teremos
(a − b).(a 2 + ab + b 2 ) . Assim, a 3 − b 3 = (a − b).(a 2 + ab + b 2 ) .
Por outro lado, se o sinal obtido no segundo passo for positivo, escrever o produto da soma entre a
raiz cúbica de cada um dos dois termos pelo trinômio constituído pelo valor positivo do quadrado
da raiz cúbica do primeiro termo com o valor negativo do produto da raiz cúbica do primeiro termo

7
pela raiz cúbica do segundo com o valor positivo do quadrado da raiz cúbica do segundo termo, ou
seja, considerando uma soma do tipo, a 3 + b 3 , teremos (a + b).(a 2 − ab + b 2 ) . Assim,
a 3 + b 3 = (a + b).(a 2 − ab + b 2 ) .

Logo, a 3 − b 3 = (a − b).(a 2 + ab + b 2 ) .

Exemplos:

a) Fatorar x 3 + y 3

1º passo: x3 = x e
3 3
y3 = y
2º passo: Os dois termos têm sinal positivo.
3º passo: ( x + y ).( x 2 − xy + y 2 )

Logo, x 3 + y 3 = ( x + y ).( x 2 − xy + y 2 ) .

3 3
x y
B) Fatorar −
8 27
3 3
x x y y
1º passo: 3= e 3 =
8 2 27 3
2º passo: O segundo termo tem sinal negativo e o segundo tem sinal positivo.
⎛ x y ⎞ ⎡⎛ x ⎞ ⎛ x ⎞ ⎛ y ⎞ ⎛ y ⎞ ⎤ ⎛ x y ⎞ ⎛⎜ x xy y ⎞
2 2 2 2
3º passo: ⎜ − +
⎟ ⎢⎜ ⎟ ⎜ ⎟ ⎜ ⎟ ⎜ ⎟ ⎥
. . + , ou ainda, ⎜ − ⎟. + + ⎟
⎝ 2 3 ⎠ ⎢⎣⎝ 2 ⎠ ⎝ 2 ⎠ ⎝ 3 ⎠ ⎝ 3 ⎠ ⎥⎦ ⎝ 2 3 ⎠ ⎜⎝ 4 6 9 ⎟⎠

⎛ x y ⎞ ⎛⎜ x xy y ⎞
3 3 2 2
x y
Logo, − = ⎜ − ⎟. + + ⎟.
8 27 ⎝ 2 3 ⎠ ⎜⎝ 4 6 9 ⎟⎠
Caso os dois termos forem negativos, ou seja, se desejarmos fatorar − x 3 − y 3 , basta, inicialmente,
( )
colocar o sinal negativo em evidência, dessa forma teremos, − x 3 − y 3 = − x 3 + y 3 . A seguir,
aplicar as propriedades aprendidas anteriormente. Logo, − x 3 − y 3 = − ( x + y ).( x 2 − xy + y 2 ) .

3.3.5 - Trinômio do quadrado perfeito (5º Caso)

O que caracteriza um trinômio do quadrado perfeito é que ele possui três termos e os termos extremos
possuem raízes e o termo do meio é igual(com exceção do sinal) ao dobro do produto das duas raízes
encontradas. A seguir, basta escrever o trinômio como quadrado da soma ou diferença (o que irá decidir
entre a soma e a diferença será o sinal do termo do meio)

Exemplos:

a) x 2 + 6 x + 9 =
Solução:
1º passo: x2 = x e 9 =3
2º passo: (CONFERINDO) 2. x.3 = 6 x
3º passo: (temo do meio positivo) (x + 3)2
Logo, x 2 + 6 x + 9 = ( x + 3)
2

8
b) 4 x 2 − 8 x + 4 =
Solução:
1º passo: 4x2 = 2x e 4=2
2º passo: (CONFERINDO) 2. 2 x.2 = 8 x
3º passo: (temo do meio negaitivo) (2 x − 2)2
Logo, 4 x 2 − 8 x + 4 = (2 x − 2 )
2

1 2 4
c) a b − 5ab3 + 25b 2 =
4
Solução:
1 2 4 1 2
1º passo: a b = ab e 25b 2 = 5b
4 2
1
2º passo: (CONFERINDO) 2. ab 2 .5b = 5ab 3
2
2
⎛1 2 ⎞
3º passo: (temo do meio negaitivo) ⎜ ab − 5b ⎟
⎝2 ⎠
2
1 ⎛1 ⎞
Logo, a 2b 4 − 5ab3 + 25b 2 = ⎜ ab 2 − 5b ⎟
4 ⎝2 ⎠

3.4.6 – Fatoração por artifício(6º Caso)

A Fatoração por artifício consiste em somarmos e subtrairmos um mesmo valor à expressão inicial
de modo que possamos conseguir termos que possam ser fatorados por algum dos métodos
conhecidos. Como exemplo, vamos fatorar a expressão x 2 − 5 x + 6 .
Inicialmente, devemos verificar se o trinômio x 2 − 5 x + 6 não é um Trinômio Quadrado Perfeito, o
que, conforme a seção 3.4.5, poder ser feito facilmente. Lembrando que, (x − 3) = x 2 − 6 x + 9 , nós
2

iremos reescrever o trinômio x 2 − 5 x + 6 .


Observe que,
x 2 − 5 x + 6 = x 2 − 5 x + 6 − x + x − 3 + 3 , por outro lado,
x 2 − 5x + 6 − x + x − 3 + 3 = x 2 − 6 x + 9 + x − 3 .
Como (x − 3) = x 2 − 6 x + 9 e x 2 − 5 x + 6 = x 2 − 6 x + 9 + x − 3 , temos que,
2

x 2 − 5 x + 6 = (x − 3) + ( x − 3)
2

Conforme a seção 3.3.2, sabemos que (x − 3) + (x − 3) = (x − 3).[( x − 3) + 1] , ou ainda,


2

(x − 3)2 + (x − 3) = (x − 3)(. x − 2) .
Assim, sendo x 2 − 5 x + 6 = (x − 3) + ( x − 3) e (x − 3) + ( x − 3) = (x − 3)(
. x − 2) , temos que,
2 2

x 2 − 5 x + 6 = (x − 3)(
. x − 2) .

Como segundo exemplo, vamos fatorar x 3 − x + 6 . Para a fatoração deste trinômio, devemos utilizar
o artifício de somar e subtrair 2. Assim,
x 3 − x + 6 = x 3 − x + 6 + 2 − 2 , ou ainda,
x 3 − x + 6 = x 3 + 8 − x − 2 , ou mesmo,
x 3 − x + 6 = x 3 + 2 3 − ( x + 2) .
Conforme a seção 3.3.4, sabemos que x 3 + 2 3 = ( x + 2).( x 2 − 2 x + 4) .
Como x 3 − x + 6 = x 3 + 2 3 − ( x + 2) e x 3 + 2 3 = ( x + 2).( x 2 − 2 x + 4) , temos que,

9
x 3 − x + 6 = ( x + 2).( x 2 − 2 x + 4) − ( x + 2) , ou ainda,
[ ]
x 3 − x + 6 = ( x + 2). ( x 2 − 2 x + 4) − 1 , ou mesmo,
x 3 − x + 6 = ( x + 2).( x 2 − 2 x + 3)

Para aplicação deste método de fatoração não temos uma regra, contudo, sua utilização pode ser
muito útil em diversas situações.

3.4.7 – Aplicação simultânea de vários métodos de fatoração

Muitas vezes precisamos utilizar mais de um caso de fatoração, para que assim, possamos obter
sucesso na fatoração de alguns polinômios.

Vejamos alguns exemplos:

a) ax 2 − ay 2 =
Aplicando evidenciação, temos:
ax 2 − ay 2 = a x 2 − y 2 . ( )
Aplicando a diferença entre dois quadrados, temos:
( )
ax 2 − ay 2 = a x 2 − y 2 = a.( x + y )(
. x − y)
Assim, ax − ay = a.( x + y )(
2 2
. x − y) .

b) x 2 + 2ax + a 2 − 9 =
Aplicando trinômio do quadrado perfeito nos três primeiros termos, temos:
x 2 + 2ax + a 2 − 9 = (x + a ) − 9
2

Aplicando a diferença entre dois quadrados, temos:


x 2 + 2ax + a 2 − 9 = (x + a ) − 9 = [( x + a ) + 3].[( x + a ) − 3]
2

Assim, x 2 + 2ax + a 2 − 9 = (x + a + 3)(. x + a − 3)

( )
c) 5 xy a 2 + 2ab + b 2 − 4 x(a + b ) =
3

Aplicando trinômio do quadrado perfeito dentro do primeiro parênteses, temos:


( )
5 xy a 2 + 2ab + b 2 − 4 x(a + b ) = 5 xy (a + b ) − 4 x(a + b )
3 2 3

Aplicando evidenciação, temos:


( )
5 xy a 2 + 2ab + b 2 − 4 x(a + b ) = 5 xy(a + b ) − 4 x(a + b ) = x(a + b ) [5 y − 4(a + b )]
3 2 3 2

( 2 2
)
Assim, 5 xy a + 2ab + b − 4 x(a + b ) = x(a + b ) (5 y − 4a − 4b )
3 2

d) y 2 − b 2 − y + b =
Aplicando a diferença entre dois quadrados nos dois primeiros termos, temos:
y 2 − b 2 − y + b = ( y + b )( . y − b) − y + b
Colocando em evidência o sinal negativo dos últimos dois termos, temos:
y 2 − b 2 − y + b = ( y + b )(
. y − b ) − y + b = ( y + b )( . y − b) − ( y − b)
Aplicando evidenciação, temos:
y 2 − b 2 − y + b = ( y + b )(. y − b ) − ( y − b ) = ( y − b ).[( y + b ) − 1]
Assim, y − b − y + b = = ( y − b )(
2 2
. y + b − 1) .

10
3.3 – EQUAÇÕES ALGÉBRICAS
Muitas vezes, para resolvermos algumas equações algébricas será necessário utilizarmos todas as
teorias apresentadas neste capítulo e, às vezes, dependendo da equação, será necessário acrescentar
novas teorias.
Iniciaremos o nosso estudo sobre as Equações Algébricas resolvendo uma equação, ou seja,
buscando os valores para variável x que é satisfazem a equação. Para tanto, considere a equação,
x 3 − 3x 2 − 4 x + 12
=3
x 2 − 5x + 6

Inicialmente, uma das alternativas de solução é tentar fatorar os polinômios. Assim, aplicando o
Agrupamento (no polinômio que está sendo dividido) e a Fatoração por artifício (no polinômio que
está dividindo), temos:
x 2 ( x − 3) − 4( x − 3)
= 3 , ou ainda,
x 2 − 5x + 6 − x + x − 3 + 3
( x 2 − 4).( x − 3)
= 3 , ou mesmo,
x 2 − 6 x + 9 + ( x − 3)
( x 2 − 4).( x − 3)
= 3 , assim, temos
( x − 3) 2 + ( x − 3)
( x 2 − 4).( x − 3)
=3
( x − 3).( x − 2)
Neste momento, é possível simplificarmos a equação, donde teremos:
x2 − 4
=3
x−2
Observe que, x 2 − 4 pode ser fatorado através da Diferença entre dois quadrados, assim, temos
( x − 2)( x + 2)
= 3 , ou ainda,
x−2
x + 2 = 3 , donde,
x = 1.
x − 3 x − 4 x + 12
3 2
Portanto, a solução da equação = 3 , ou, em outras palavras, o valor de x que
x 2 − 5x + 6
satisfaz (que torna a equação verdadeira) é igual a 1.
x 3 − 3x 2 − 4 x + 12
Outro caminho para resolvermos a equação = 3 é utilizarmos a Divisão de
x 2 − 5x + 6
Polinômios.
P( x)
Para realizarmos a Divisão de Polinômios, ou seja, a divisão onde P(x) e S (x) são
S ( x)
polinômios e S (x) é um polinômio não-nulo, devemos, inicialmente, encontrarmos valores que são,
ao mesmo tempo, raízes de P(x) e S (x) , ou seja, valores r, tais que, P(r ) = 0 e S (r ) = 0 .
Considerando P ( x) = x 3 − 3 x 2 − 4 x + 12 e S ( x) = x 2 − 5 x + 6 , podemos notar que os valores 2 e 3
são raízes dos polinômios P(x) e S (x) , pois P(2) = 0 , S (2) = 0 , P(3) = 0 e S (3) = 0 .
Dessa maneira, o polinômio D( x) = ( x − 2).( x − 3) , ou ainda, D( x) = x 2 − 5 x + 6 é divisor dos
polinômios P(x) e S (x) . Uma vez identificado um divisor comum entre os dois polinômios,
podemos realizar tal divisão. Como D( x) = S ( x) , podemos realizar a divisão direta entre P(x) e
S (x) .

11
Inicialmente, devemos colocar os polinômios que serão divididos em uma chave de divisão, onde
P(x) é o dividendo, D(x) é o divisor, Q(x) será o quociente da divisão e R(x) será o resto. Assim,
P ( x) D( x)
R ( x) Q( x)
Colocando os valores na chave, temos
x 3 − 3 x 2 − 4 x + 12 x2 − 5x + 6
Uma vez que os valores encontram-se na chave, devemos, inicialmente, procurar um valor que
multiplicado por x 2 seja igual do termo com maior expoente (no nosso caso, x 3 ) que se encontra
no polinômio que é o dividendo. Como podemos notar, ao multiplicarmos x por x 2 , teremos como
resposta x 3 . Logo, o primeiro termo do polinômio que representará o quociente da divisão é x .
Assim,
x 3 − 3 x 2 − 4 x + 12 x 2 − 5 x + 6
x
A seguir, devemos multiplicar o valor que colocamos como um dos termos do quociente da divisão
por todos os termos presentes no divisor, subtraindo a resposta do dividendo. Dessa forma,
x 3 − 3x 2 − 4 x + 12 x 2 − 5 x + 6
− x 3 + 5x 2 − 6 x x
2 x 2 − 10 x + 12
Observando a divisão, podemos notar que o resto, até o momento, é igual a 2 x 2 − 10 x + 12 . Dessa
maneira, de modo semelhante, devemos procurar um valor que, multiplicado por x 2 , seja igual a
2x 2 , subtraindo a resposta do resto 2 x 2 − 10 x + 12 . Como valor procurado é 2, temos
x 3 − 3x 2 − 4 x + 12 x 2 − 5 x + 6
− x 3 + 5x 2 − 6 x
x+2
2 x 2 − 10 x + 12
− 2 x 2 + 10 x − 12
0
Como o resto é zero, o resultado da divisão de P(x) por S (x) é igual ao quociente da divisão, ou
seja, x + 2 .
x 3 − 3 x 2 − 4 x + 12 P ( x) P( x) x 3 − 3x 2 − 4 x + 12
Como = e = Q ( x ) = x + 2 , temos que = x + 2 . Por
x 2 − 5x + 6 S ( x) S ( x) x 2 − 5x + 6
x 3 − 3x 2 − 4 x + 12 x 3 − 3x 2 − 4 x + 12
outro lado, como = x + 2 , para resolver a equação = 3 , basta
x 2 − 5x + 6 x 2 − 5x + 6
resolver x + 2 = 3 , donde x = 1 .
x 3 − 3x 2 − 4 x + 12
Portanto, a solução da equação = 3 é x = 1.
x 2 − 5x + 6
Como segundo exemplo, vamos resolver a equação no conjunto dos números racionais, ou em
outras palavras, vamos encontrar as raízes racionais da equação 6 x 3 + x 2 − 4 x + 1 = 0 . Sabemos que,
para uma equação do terceiro grau não há uma fórmula única para a solução, porém, em equações
do primeiro e segundo grau há formulas para solução das equações. Assim, nosso objetivo aqui,
será fatorar o polinômio 6 x 3 + x 2 − 4 x + 1 = 0 até que este se transforme no produto de um
polinômio do primeiro grau por um polinômio do segundo grau.
Se nós encontrarmos uma das raízes do polinômio, podemos utilizar a divisão de polinômios para
obtermos a fatoração.
Para tanto, utilizaremos uma definição e um teorema que serão enunciados abaixo.

12
Definição 1: Chamaremos de equação polinomial com coeficientes inteiros na variável x, a toda
equação que possa ser escrita da forma,
an x n + an −1 x n −1 + an−2 x n−2 + K + a3 x 3 + a2 x 2 + a1 x + a0 = 0 ,
Onde, an , an−1 , an−2 , K , a3 , a2 , a1 , a0 são números inteiros. Os valores an , an−1 , an−2 , K , a3 , a2 , a1 , a0
são os coeficientes de tal polinômio.
p
Teorema 1: (Teorema das raízes racionais) Se o número racional , com p e q, primos entre si
q
( mmc( p, q) = 1 ) é uma raiz da equação polinomial de coeficientes inteiros,
an x n + an −1 x n −1 + an−2 x n−2 + K + a3 x 3 + a2 x 2 + a1 x + a0 = 0
então p é divisor de a0 e q é divisor de an .

Como o nosso objetivo é encontrar pelo menos uma das raízes racionais da equação
6 x 3 + x 2 − 4 x + 1 = 0 , o Teorema 1 é de grande valor, pois o teorema, apesar de não garantir a
existência de raízes racionais, nos diz que, se houver raízes racionais tais raízes satisfazem o
teorema. Assim, para verificar se há raízes racionais basta encontrarmos todos os divisores de an
(no nosso caso, an = a3 = 6 ) e a0 ( no nosso caos, a0 = 1 ) e analisarmos todas as possibilidades de
formar números racionais onde p ∈ D(a0 ) = D(1) = {1,−1} e
q ∈ D(an ) = D(a3 ) = D(6) = {1,−1,2,−2,3,−3,6,−6} .
p ⎧ 1 1 1 1 1 1⎫
Analisando todas as possibilidades, temos que ∈ ⎨1,−1, ,− , ,− , ,− ⎬ , ou seja, se o
q ⎩ 2 2 3 3 6 6⎭
polinômio 6 x + x − 4 x + 1 = 0 possuir raízes racionais, tais raízes pertencem ao conjunto
3 2

⎧ 1 1 1 1 1 1⎫
⎨1,−1, ,− , ,− , ,− ⎬ .
⎩ 2 2 3 3 6 6⎭
Para identificarmos as raízes racionais, devemos substituir x da equação 6 x 3 + x 2 − 4 x + 1 = 0 por
⎧ 1 1 1 1 1 1⎫
cada um dos valores do conjunto ⎨1,−1, ,− , ,− , ,− ⎬ e verificarmos a resposta.
⎩ 2 2 3 3 6 6⎭
Note que, x = −1 satisfaz a equação, pois,
6x3 + x 2 − 4x + 1 = 0
6.(− 1) + (− 1) − 4.(− 1) + 1 = 0 , ou ainda,
3 2

− 6 + 1 + 4 + 1 = 0 , ou seja,
0=0
Se o leitor desejar, verificar quais dos valores do conjunto acima satisfaz a equação
6x3 + x 2 − 4x +1 = 0 .
Por outro lado, considerando a proposta feita antes de enunciarmos a Definição 1 e o Teorema 1
para a solução da equação 6 x 3 + x 2 − 4 x + 1 = 0 , iremos utilizar a divisão de polinômios para fatorar
a equação. Como -1 é uma raiz da equação 6 x 3 + x 2 − 4 x + 1 = 0 , o binômio x + 1 , divide o
polinômio 6 x 3 + x 2 − 4 x + 1 .
Vejamos:
6 x3 + x 2 − 4 x + 1 x +1
− 6x3 − 6x2
6 x 2 − 5x + 1
− 5x − 4x + 1
2

5x 2 + 5x
x +1
− x −1
0

13
( )
Assim, 6 x 3 + x 2 − 4 x + 1 = ( x + 1). 6 x 2 − 5 x + 1 . Neste momento, utilizando a fórmula de Bákara,
1 1
podemos encontrar as duas raízes da equação 6 x 2 − 5 x + 1 = 0 , ou seja, e . Desse modo,
3 2
( ) ⎛ 1⎞⎛ 1⎞
6 x 3 + x 2 − 4 x + 1 = ( x + 1). 6 x 2 − 5 x + 1 = ( x + 1).⎜ x − ⎟.⎜ x − ⎟ , ou seja,
⎝ 3⎠⎝ 2⎠
⎛ 1⎞⎛ 1⎞
6 x 3 + x 2 − 4 x + 1 = ( x + 1).⎜ x − ⎟.⎜ x − ⎟ .
⎝ 3⎠⎝ 2⎠
⎛ 1⎞⎛ 1⎞
Como 6 x 3 + x 2 − 4 x + 1 = ( x + 1).⎜ x − ⎟.⎜ x − ⎟ e procuramos a solução da equação
⎝ 3⎠⎝ 2⎠
6x + x − 4x +1 = 0 ,
3 2
basta encontrar os valores que satisfazem a equação
(x + 1).⎛⎜ x − 1 ⎞⎟.⎛⎜ x − 1 ⎞⎟ = 0 , ou seja, 1, 1 e 1 .
⎝ 3⎠⎝ 2⎠ 3 2
1 1
Portanto, as raízes racionais da equação 6 x 3 + x 2 − 4 x + 1 = 0 são 1, e .
3 2

“Todos nós queremos e até sonhamos com a vida melhor, mas


são poucos que acordam cedo para conquistá-la.”
Autor desconhecido

14
EXERCÍCIOS
1) Desenvolva:
a) 3.(4 − 5) = g) ( x − 1).( x + 1) = ⎛m ⎞⎛ x ⎞
l) ⎜ − x ⎟.⎜ + y − z ⎟ =
b) (−2 + 3).5 = h) ( x + 3).( x + 3) = ⎝2 ⎠⎝ 3 ⎠
c) − 2.(−2 + 3) = i) [( x + 2).( x + 2)].( x + 2) = m) ( x + 2) =
2

d) 2.( x + 3) = j) ( x − 1).( x − 1)( x − 1) =


n) (x − 3) =
3

e) (−2 + 3).(5 − 7) = ⎛ x y ⎞⎛1 x⎞


k) ⎜ − ⎟.⎜ + ⎟ =
f) (−2 + x).(5 − x) = ⎝ 2 4 ⎠⎝3 5⎠

2) Fatorar:
a) x + 2 x = k) − 12 x − 32 x 2 = t) x 2 − 6 x + 9 =
b) 2x + 2 = l) ax + 2a + 3 x + 6 = u) 4 x 2 − 12 x + 9 =
c) 5x + 25 = m) ax − 3a + 3 x − 9 = v) 9 x 2 − 6 x + 1 =
d) ax − 2a = n) ax − a + 2x − 2 = x) x 2 − 2 x + 1 =
e) 10 x + 2a = o) x 2 − 4 = y1) x 3 − 8 =
f) 25 x 2 + 5 x = p) 9 − x 2 = y2) x 3 + a 3 =
g) 12 x − 20 x 2 = q) 4 x 2 − 25 =
h) 10x + 15 = w) x 3 − 3x 2 − 4 x − 12 =
r) 100 − 36 x 2 = z) x 2 − 3x + 2 =
i) 8 x 2 + 10 x = s) x 2 + 2 x + 1 =
j) − 3 x − 2 x =

3) Simplifique:
7x
= x2 + 2x + 1 x5 − x3 − 8x 2 + 8
a) f) = k) =
21 x +1 x 4 + x3 − 8x − 8
4x 2 x −1 x 4 − 3x 3 − 8 x + 24
b) = g) 2 = l)(*) 3 =
2x x − 2x +1 x − x 2 − 2 x − 12
12.3x 3 ax − 3a + 3 x − 9 x3 − x 2 − 5x + 2
c) = h) = m)(*)
9x2 2x − 6 2x2 − 6x + 2
d)
10 x + 2a
= i)
(x − 2)4 =
2 (x − 2)2
9 − x2 (2 x − 3)4
e) = j) =
3+ x (2 x − 3)2 .(2 x − 3)
4) Determine o quociente e o resto da divisão do polinômio P(x) pelo polinômio S (x) no seguintes
casos:

a) P ( x) = x 3 + 3 x 2 + 3 x + 1 e S ( x) = x + 1 ;
b) P( x) = x 3 − 3 x 2 + 3 x − 1 e S ( x) = x − 1 ;
c) P( x) = x 5 − x 3 + 3 x 2 + 3 x + 2 e S ( x) = x − 1 ;
d) P( x) = x 5 − 4 x 3 + 3 x 2 + 4 x + 8 e S ( x) = x 2 − 3 x − 1 ;
e) P ( x) = 5 x 5 − 3x 4 + 3 x 2 + 8 e S ( x) = x 3 + 3 x 2 − 1 ;

15
5) Resolva:

( x + 1) 8 + 7( x + 1)8 − 5.( x + 1) 8 ( 2 x + 2) 5 − ( 2 x + 2) 4
a) = c) =
2( x + 1) 8 ( 2 x + 2) 3
( x − 3) 5 + 5 x( x − 3) 5 ( y − 2 x) 4 − ( y − 2 x) 3
b) = d) =
2(5 x + 1)( x − 3) 5 ( y − 2 x) 3

6) Determine, quando possível, as soluções racionais das seguintes equações algébricas:


x 3 − 3 x 2 − 4 x + 12
a) =3
x 2 − 5x + 6
b) x 3 − 5 x 2 + 3 x + 9 = 0
c) x 5 + 10 x 3 + 15 x − 5 =0
d) x 4 − x 3 − 5 x + 5 = 0
e) x 3 − 4 x 2 + 6 x − 24 = 0
f) x 6 + 2 x 5 − x 4 − 10 x 3 − 16 x 2 + 8 x + 16 = 0
1 3 2x 5x − 2 x 2
g) − − + =0
x ( x − 1)2 ( x − 1).x x( x − 1) 2

h)
( x − 3)
4
.
( x − 2)
3
=
( x + 3)(
. 3x − 2)
3

(x − 3)4 .(x − 2)3 (x − 2)2 (3x − 2)3


3

i)
(x − 3)4 + 3 + (x − 2)3 − 4 = 2 x.(x − 2)3
(x − 3)4 .(x − 2)3 (x − 2)3 (x − 2)3 (x − 2)3
7) Dado o polinômio P( x) = ( x 2 − 4).( x − 10).( x + 1) 2 .x , as raízes desse polinômio são:
a) 2,-2,10 e -1
b) 2,-2,-10 e 1
c) 3,-3,4 e -1
d) 3,-3,-4 e 1

16
GABARITO
Exercício 1:

a) -3 h) x 2 + 6 x + 9 l)
b) 5 i) x 3 + 6 x 2 + 12 x + 8 mx my mz x 3
c) -2 + − − − xy + xz
j) x 3 − 3x 2 + 3 x − 1 6 2 2 3
d) 2 x + 3
x x 2 y xy m) x + 4 x + 4
2
e) -2 k) + − −
6 10 12 20 n) x 3 − 9 x 2 + 27 x − 27
f) − x 2 + 7 x − 10
g) x 2 − 1

Exercício 2:

a) x(1 + 2) = x.3 = 3 x k) − 4 x(3 + 8 x) u) (2 x − 3) 2


b) 2( x + 1) l) (a + 3)( x + 2) v) (3x − 1) 2
c) 5( x + 5) m) (a + 3)( x − 3) x) ( x − 1) 2
d) a( x − 2)
e) 2(5 x + a)
n) (a + 2)( x − 1)
o) ( x + 2)( x − 2)
(
y1) ( x − 2). x 2 + 2 x + 4)
f) 5 x(5 x + 1) p) (3 − x)(3 + x)
(
y2) ( x + a). x 2 − ax + a 2)
w) ( x − 2).( x + 2).( x + 3)
g) 4 x(3 − 5 x) q) (2 x − 5)(2 x + 5)
z) ( x − 2).( x − 1)
h) 5(2 x + 3) r) (10 − 6 x)(10 + 6 x)
i) 2 x(4 x + 5) s) ( x + 1) 2
j) x(−3 − 2) = x(−5) = −5 x t) ( x − 3) 2

Exercício 3:

x ( x + 1)( x + 1) j) 2 x − 3
a) f) = x +1
3 x +1 k) x − 1
b) 2x x −1 1 l) x − 2
g) = x+2
c) 4x ( x − 1) 2
x −1 m)
2(5 x + a) (a + 3)( x − 3) a + 3 2
d) = 5x + a h) =
2 2( x − 3) 2
(3 + x).(3 − x)
e) = 3− x i) ( x − 2) 2

3+ x

Exercício 4:
a) Q( x) = x 2 + 2 x + 1 e R ( x) = 0 d) Q( x) = x 3 + 3 x 2 + 6 x + 24 e
b) Q( x) = x 2 − 2 x + 1 e R ( x) = 0 R( x) = 82 x + 32
c) Q( x) = x 4 + x 3 + 3 x + 6 e R( x) = 8 e) Q( x) = 5 x 2 − 18 x + 54 e
R( x) = −154 x 2 + 18 x − 46

Exercício 5:
a)
3
b)
1 c) 4 x 2 + 6 x + 2
2 2 d) y − 2 x − 1

17
Exercício 6:
a) S = {1}
b) S = {− 1, 3}
c) Não admite soluções racionais.
d) A única raiz racional é igual a 1. (é importante ressaltar que, existem outras raízes, como por
exemplo, 3 5 , porém não são racionais).
e) S = {− 2 , 2 , − 6}
f) S = {− 2 , 2 , − 1,1}
g) S = {1}
h) S = {− 2}
⎧1 ⎫
i) S = ⎨ ⎬
⎩2⎭

Exercício 7: a

18