Vous êtes sur la page 1sur 3

Prof.

Josele da R ocha M onteiro


professorjosele@hotmail.com

ESTRUTURA DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE


CURSO – TCC

ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS
Capa
Folha de rosto
Folha de aprovação
Dedicatória agradecimentos
Epígrafe
Resumo
Listas
Sumário

ELEMENTOS TEXTUAIS

Desenvolvimento do trabalho, compreendido como sendo:


Introdução
Desenvolvimento
Conclusão

ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS
Referencias
Bibliografia
Anexos
Índices
Folha de guarda
Prof. Josele da R ocha M onteiro
professorjosele@hotmail.com

O TEXTO MONOGRÁFICO

INTRODUÇÃO
Elementos a serem destacados na introdução:

• Tema: é apresentado de forma sucinta e objetiva o objeto de estudo, sua


localização no universo acadêmico, bem como a informação dos conceitos
fundamentais para a compreensão do mesmo e sua contextualização.

• Justificativa: deve ser apresentada a motivação para a delimitação


temática. A motivação para escolha pode ser de ordem pessoal ou profissional.
Deve ser também demonstrada a relevância de se estudar esta temática e as
contribuições que este estudo pode trazer para a comunidade em geral e
acadêmica/ científica.

• Objetivos: podem ser divididos em geral e específicos. O objetivo geral tem


por finalidade alcançar em termos amplos a resposta ao problema de pesquisa
e a resolução temática. Os objetivos específicos representam todos os
caminhos ou comportamentos necessários para se chegar ao objetivo geral da
investigação científica.

• Problema: corresponde a questão motivadora da pesquisa, ou seja, é o


questionamento que se faz e que necessita de uma resposta. É considerada a
mola propulsora da pesquisa, é o que motiva o pesquisador a iniciar uma
investigação. O Problema poderá ser elaborado em forma de pergunta e
deverá ser especifico e possível. O pesquisador deve evitar problemas que
fogem de sua possibilidade de investigação, como exemplo: quais as causas
das desigualdades sociais no mundo ou ainda o judiciário faz justiça? Um
problema abrangente não sugere contribuição para a sociedade e o sentido da
pesquisa é apontar para sua contribuição mínima e relevância científico-
jurídica. Na formulação do problema, o pesquisador deverá contextualizar a
pergunta nuclear, e não apenas citá-la.

• Metodologia: Neste ponto o pesquisador deverá anunciar o tipo de


pesquisa (formulador, descritivo ou exploratório) que empreenderá e as
ferramentas que mobilizará para tal (Cf. Moraes, 1998, p. 8-10 ). A pergunta
chave que deve ser respondida aqui é "como será realizada a
pesquisa?""Trata-se de explicitar aqui se se trata de pesquisa empírica, com
trabalho de campo ou de laboratório, de pesquisa teórica ou de pesquisa
histórica ou se de um trabalho que combinará, e até que ponto, as varias
formas de pesquisa. Diretamente relacionados com o tipo de pesquisa serão os
métodos e técnicas a serem adotados." (Severino, 1996, p. 130).O pesquisador
deverá esboçar a trajetória que seguirá ao longo de sua atividade de pesquisa.

• Disposição: nesta parte final da introdução o pesquisador deverá informar


o esboço da estrutura da narrativa, ou seja, quantos capítulos constituem o
artigo e qual o ponto central de cada um destes.
Prof. Josele da R ocha M onteiro
professorjosele@hotmail.com

DESENVOLVIMENTO: corresponde aos capítulos do artigo. É importante


destacar que os mesmos devem ser fundamentos com teóricos que constituirão a
referencia ou marco de estudo, ou seja, tudo é construído ou afirmado a partir dos
estudos de algum autor, mesmo que se trate de uma novidade a mesma sempre parte
de um estudo análogo.

CONCLUSÃO: nesta etapa final deve ser feito um apanhado do artigo e ser
informado se os objetivos foram alcançados, bem como oferecer uma resposta ao
problema de pesquisa proposto na introdução do artigo.

REFERÊNCIAS:
Serão listados aqui todos os autores citados, bem como referencias legislativas e
outros documentos mencionados no texto.

BIBLIOGRAFIA:
Serão listados aqui tudo o que foi objeto de leitura indispensável para a compreensão
do estudo a ser realizado, mas não foi mencionado expressamente no corpo do artigo

OBS:
Algumas instituições não distinguem referencias e bibliografia, oferecendo o mesmo
tratamento a ambos.