Vous êtes sur la page 1sur 55

SOCIEDADE DE ENSINO SUPERIOR DO PIAUÍ / SESPI

FACULDADE PIAUIENSE - FAP


COORDENAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CONTABILIADE GERENCIAL
PROF. HENRIQUE MELO

APOSTILA

ALUNO: _______________________________________________
TURMA:_______________ BLOCO: ______________

PARNAÍBA / PI

Contabilidade Gerencial 1
SUMÁRIO

A Evolução e o Impacto da Contabilidade Gerencial como ferramenta de gestão nas


organizações ....................................................................................................................... 03
A Integração do processo decisório com os sistemas de informações contábeis e
gerenciais e características das informação contábil útil .............................................. 05
Definições da Contabilidade Gerencial ............................................................................... 07
Características da Contabilidade Gerencial ........................................................................ 08
Objetivos e Finalidades da Contabilidade Gerencial .......................................................... 09
Usuários das Informações Contábil-Gerenciais ...................................................................10
Integração da Contabilidade Gerencial para fins decisoriais .............................................. 11
Métodos de Custeamento .................................................................................................. 12
Objetivo da Contabilidade de Custos .................................................................................. 13
Necessidade da Contabilidade de Custos ............................................................................ 13
Importância da Contabilidade de Custos ............................................................................. 13
Terminologia Contábil ........................................................................................................ 14
Diferenças entre Custos e Despesas ................................................................................ 16
Classificação de Custos ....................................................................................................... 18
Quanto à alocação ao produto ........................................................................................ 18
Quanto ao volume .......................................................................................................... 19
Conceitos e práticas de métodos de apropriação de custos ................................................. 22
Métodos de Custeio ............................................................................................................. 23
Abordagem por Absorção ................................................................................................... 23
Abordagem do Custeio Variável ......................................................................................... 30
Abordagem do Custeio ABC ou Custeamento por Atividades ........................................... 33
Vantagem do Sistema de Custeio ABC ......................................................................... 34
Análise Custo/Volume/Lucro ........................................................................................... 38
Margem de Contribuição .................................................................................................... 39
Ponto de Equilíbrio ............................................................................................................. 42
Estudo de Caso 1 ................................................................................................................ 52
Estudo de Caso 2 ................................................................................................................ 53
Referências ........................................................................................................................ 54

Contabilidade Gerencial 2
A EVOLUÇÃO E O IMPACTO DA CONTABILIDADE GERENCIAL COMO
FERRAMENTA DE GESTÃO NAS ORGANIZAÇÕES

O ambiente nas organizações vem se modificando constantemente ao longo do tempo. A TI


(Tecnologia da Informação), está cada vez mais atuante e presente nas organizações,
deixando de ser um diferencial para passar a ser quase um produto de commodites. A TI
possibilita uma maior ação na logística, no que tange a competição pelo mercado (market
share), proporciona aos gestores uma crescente rapidez, flexibilidade e agilidade nas
tomadas de decisões. As empresas evoluem a todo o momento e por isso a contabilidade
como um sistema de informação (SI), e principal meio de informação econômico e
financeiro que é para os gestores também tende a crescer.

Analisando a contabilidade como ciência e a importância dela no SI, verifica-se que a


mesma pode ser influenciada por vários fatores no ambiente externo acarretando mudanças
no ambiente dos negócios na organização modificando todo o contexto informacional
anterior, tais fatores são: a tecnologia da informação, os capitais investidos na empresa e o
próprio mercado tão volátil hoje em dia. Tais vertentes interferem diretamente na compra
de matérias primas, na cadeia produtiva da empresa, na comercialização entre os clientes,
surgimento de novos produtos, aumento dos riscos na economia, aumento do valor
agregado ao produto/serviços, melhor gerenciamento interno e externo das organizações,
etc. Diante do exposto no que tange ao crescimento do cenário da economia mundial, a
contabilidade principalmente a gerencial, também sofrerá um impacto como uma
ferramenta de gestão nas organizações nas tomadas de decisões.

Para Atkinson (2000), contabilidade gerencial é o processo de produzir informação


operacional e financeira para funcionários e administradores. Segundo Crepaldi (2004), a
contabilidade gerencial é o ramo da contabilidade que tem por objetivo fornecer
instrumentos aos administradores de empresas que os auxiliem em suas funções gerenciais.
A contabilidade gerencial faz parte do rol das ciências da contabilidade e como já foi
mencionado, vem tendo crescimento como ciência e consequentemente alterando e
mudando seu foco, bem como no processo de tomadas de decisões pelos gestores. Em
meados dos anos 50, a contabilidade gerencial funcionava como órgão de staff, ou seja,
efetuava apenas atividades de apoio à gestão, como: preparação dos orçamentos, processo
de elaboração e controle dos custos na produção e elaboração de relatórios gerenciais. Já
por volta dos anos 90, a contabilidade gerencial foi de certa forma “promovida”, passando
de mero órgão de apoio, para ser parte integral do processo de gestão, criando valor através
do uso da TI e disponibilizando informações em tempo real para os gestores. Hoje em dia,
os profissionais da área (contadores gerenciais, controllers), tem como foco principal,
mensurar, analisar, interpretar e gerar pareceres concisos que possam ser usados pelos
gestores em tomadas de decisões mais coerentes com a realidade. Crepaldi apud IFAC
(2004) afirma que o contador gerencial é um profissional que identifica, mede, acumula,
analisa, prepara, interpreta e relata informações (tanto financeira quanto operacionais) para
uso da administração de uma empresa [...].

Contabilidade Gerencial 3
Segundo Padoveze (2004), o atual estágio da Contabilidade Gerencial, que abarca todos os
estágios evolutivos anteriores, centra-se no processo de criação de valor por meio do uso
efetivo dos recursos empresariais.

Diante desse contexto, constata-se quatro estágios no processo evolutivo da Contabilidade


Gerencial, que influencia nas tomadas de decisão do gestor, são elas:

• Estágio 1 – em meados dos anos 50, o foco principal estava vinculado ao controle
do custo de produção e a elaboração do orçamento;
• Estágio 2 – acontece em meados dos anos 60, a contabilidade gerencial passa a
fornecer informações para o controle gerencial;
• Estágio 3 – já em meados dos anos 80, a contabilidade gerencial foi focada mais
como ferramenta para minimizar os custos no processo começou-se a usar mais a
tecnologia para auxiliar tal processo;
• Estágio 4 – e em meados dos anos 90, a contabilidade gerencial passou a fazer parte
integrante no processo de gestão, não só apenas na geração de informações, mas
também na criação de valor, bem como na busca de se usar tal ferramenta como um
diferencial para alcançar vantagem competitiva no mercado.

Figura 1: Estágios Evolutivos da Contabilidade Gerencial


FONTE: Padoveze (2004)

Analisando o gráfico acima, constata-se que cada estágio representa uma evolução da
contabilidade gerencial, bem como o crescimento dos focos e objetivos da organização. A

Contabilidade Gerencial 4
evolução dos estágios não significa que os focos anteriores tenham deixado de ser
trabalhados, cada estágio é uma combinação do antes com o atual. Constata-se também que
os estágios “velhos” estão sempre sendo modificados, isso acontece para facilitar a
integração com o “novo” estágio e contribuir para a solidez e alinhamento estratégico da
organização.

A contabilidade gerencial se bem usada é uma ferramenta impar e indispensável no


processo de gestão. No decorrer de todo processo na organização, a contabilidade gerencial
vai adicionando e criando valor para os stakeholders e gerando informações necessárias
para um crescimento, perpetuidade e obtenção de lucro para a organização.

A INTEGRAÇÃO DO PROCESSO DECISÓRIO COM OS SISTEMAS DE


INFORMAÇÕES CONTÁBEIS E GERENCIAIS E CARACTERÍSTICAS DA
INFORMAÇÃO CONTÁBIL ÚTIL

O momento atual caracteriza-se com uma intensidade de mudanças significativas como o


desenvolvimento tecnológico, o aumento da competitividade, a complexidade do ambiente
econômico e a globalização, colocando as empresas diante de novos desafios.

A administração com pressões competitivas levam as empresas a obtenção de novas formas


de vantagens competitivas, caracterizadas por intensos e contínuos esforços oferecendo
produtos e serviços inovadores com padrão de qualidade, a um custo mais baixo, e
provocando uma maior satisfação dos clientes .

Uma das técnicas utilizadas para auxiliar no avanço competitivo é o uso do sistema de
informações contábeis (SIC), oferecendo as empresas relatórios gerenciais com
informações que auxilie no processo de gestão criando vantagens competitivas no mercado
concorrente.

Segundo Padoveze (2004), para que a informação contábil seja usada no processo de
administração, é necessário que essa informação contábil seja desejável e útil para as
pessoas responsáveis pela administração da entidade. Para os administradores que buscam
a excelência empresarial, uma informação, mesmo que útil, só é desejável se conseguida a
um custo adequado e interessante para a entidade. A informação não pode custar mais do
que ela pode valer para a administração da entidade.

Segundo Figueiredo e Caggiano (1997), desde que a qualidade da informação disponível


seja essencial para a qualidade da decisão, um sistema de informação adequado e eficiente
é pré-requisito do sucesso gerencial.........informação é força integradora que combina os
recursos organizacionais num plano coerentemente direcionado para a realização dos
objetivos organizacionais.

Para Laudon & Laudon (2004), hoje, todos admitem que conhecer sistemas de informação
é essencial para os administradores, porque a maioria das organizações precisa deles para
sobreviver e prosperar. Esses sistemas podem auxiliar as empresas a estender seu alcance a

Contabilidade Gerencial 5
locais distantes, oferecer novos produtos e serviços, reorganizar fluxos de tarefas e trabalho
e, talvez, transformar radicalmente o modo como conduzem os negócios.

Diante desses pressupostos básicos para a informação contábil, fica claro o caminho a ser
adotado para que a contabilidade se transforme em ferramenta de ação administrativa e se
torne um instrumento gerencial. Para se fazer, então, Contabilidade Gerencial, é mister a
construção de um Sistema de Informação Gerencial. Em outras palavras, é possível fazer e
é possível ter Contabilidade Gerencial dentro de uma entidade, desde que se construa um
Sistema de Informação Contábil.

Segundo Laudon & Laudon (2004), definem Sistemas de Informações Gerenciais como o
estudo dos sistemas de informação nas empresas e na administração. O termo Sistemas de
Informações Gerenciais (SIGs) também designa uma categoria especifica de sistemas de
informação que dão suporte às funções do nível gerencial. Os Sistemas de Informações
Gerenciais (SIGs) atendem ao nível gerencial da organização, munindo os gerentes de
relatórios ou de acesso on-line aos registros do desempenho corrente e histórico da
organização.

Com um enfoque especial a contabilidade através da aplicação de varias técnicas e


procedimentos com grau detalhado de informações feitos sob medida para o usuário, ocupa
um lugar preponderante na administração dos negócios, sendo utilizada como ferramenta de
apoio nas atividades de tomada de decisões pelos gestores.

Sob o ponto de vista teórico, evidencia a Contabilidade Gerencial, em contínua evolução


através da elaboração de relatórios que dêem suporte às etapas de planejamento, execução e
controle das atividades empresariais, com elo de comunicação vital e bidirecional das metas
e objetivos da organização para que possam chegar à melhor tomada de decisões, e
colaborar para otimizar os resultados da empresa.

Diante dessa importância, abordaremos a Contabilidade Gerencial a como fonte de dados,


planejamento e relatórios gerenciais, compatibilizando planos e procedimentos,
propiciando, assim, maior agilidade à contabilidade e maiores informações gerenciais para
a tomada de decisão, determinando, então a necessidade da cultura de controle e a utilidade
do planejamento e da Contabilidade Gerencial como sistema de informações dentro das
organizações.

Exercícios:

a) Como você define o momento atual em relação a Tecnologia no nosso ambiente?


b) O que você entende por Sistema de Informação Gerencial (SIG)?
c) O que você entende por Sistema de Informação Contábil (SIC)?
d) Qual a principal necessidade do Sistema de Informação Contábil (SIC)?
e) Como os Sistemas de Informações Gerenciais (SIGs), podem auxiliar o gestor nas
tomadas de decisões?

Contabilidade Gerencial 6
DEFINIÇÕES DA CONTABILIDADE GERENCIAL

Segundo Crepaldi (2004), a Contabilidade Gerencial é uma atividade fundamental na vida


econômica. Mesmo nas economias mais simples, é necessária manter a documentação dos
ativos, das dividas e das negociações com terceiros. O papel da contabilidade torna-se
ainda mais importante nas complexas economias modernas. Uma vez que os recursos são
escassos, temos de escolher entre as melhores alternativas, e para identifica-las são
necessários os dados contábeis.

Em sentido amplo, a Contabilidade trata da coleta, apresentação e interpretação dos fatos


econômicos. Usam-se os termos Contabilidade Gerencial para descrever essa atividade
dentro da organização e Contabilidade Financeira quando a organização presta
informações a terceiros (Crepaldi, 2004).

Entendemos por Contabilidade Gerencial, como conceito básico, formador do método que
orientará o conjunto de conhecimentos contábeis organizado para observar o objeto da
ciência sob o aspecto administrativo, notadamente sob os da tomada de decisões.

A Contabilidade Gerencial é, pois uma organização de conhecimentos científicos para


conseguir efeitos práticos na direção dos empreendimentos, quer sejam eles lucrativos, quer
visem a suprir apenas idéias. Não se constrói, portanto, uma outra contabilidade; utiliza-
se da doutrina e da técnica existente para encaminhá-las na observação de uma finalidade
definida, qual seja a da correta administração do patrimônio.

A Contabilidade Gerencial, através de um sistema de informações, de métodos e


conhecimento da organização e da utilização do planejamento, fornecerá informações para
atender a necessidade de seus usuários, com relatórios que demonstram os resultados por
atividades e global da empresa, comparando-se o planejado com o realizado, para análise
da gestão empresarial e da necessidade de tomada de decisões, visando auxiliar a empresa a
atingir seus objetivos.

À medida que uma empresa cresce, suas atividades tornam-se mais complexas. Para dirigi-
la, a cúpula administrativa necessita de informações para inteirar-se dos acontecimentos
importantes nas respectivas áreas de atuação. É mediante esse fluxo de informações que ela
consegue administrar sua empresa. A tomada de decisões depende, em grande parte da
quantidade e da qualidade das informações recebidas. A tarefa de coletar dados, selecioná-
los, analisá-los e retratá-los é muito importante para que a empresa alcance seus objetivos.

Em síntese, os relatórios visam fornecer à empresa melhores condições para que possa:

• Calcular o lucro e as vantagens obtidas em relação aos planos estabelecidos;


• Melhor controlar as operações correntes e tomar decisões necessárias;
• Avaliar o desempenho por área e responsabilidade;
• Fornecer base para o planejamento futuro.

Contabilidade Gerencial 7
Portanto, a condição primordial de um bom relatório é a clareza. Um bom relatório indica
claramente a situação passada e a tendência futura do fenômeno observado. Uma
informação clara e objetiva permite a compreensão, a qual conduz à confiança e ao sucesso.
Em um bom relatório as informações são classificadas em função de usa relevância ; as de
pouca importância são relegadas ao final ou eliminadas. Deverá ser evitado um número
exagerado de cifras e tabelas complicadas.

Para Padoveze (2004), a Contabilidade Gerencial é o ramo da Contabilidade que tem por
objetivo fornecer instrumentos aos administradores de empresas que os auxiliem em sua
funções.

A Contabilidade Gerencial é um processo com a finalidade de produzir informações


estratégicas, econômicas e de gestão das operações, de custos e das demais atividades
organizacionais que ocorrem na empresa, para o processo decisório e de controle, com
medidas de desempenho e lucratividade.

A Contabilidade Gerencial utiliza em suas aplicações outros campos de conhecimento,


como os conceitos da administração, da estrutura organizacional, bem como da
administração financeira. Com a utilização de procedimentos e técnicas contábeis, produz
relatórios de informações, desenvolvidos conforme as necessidades dos usuários, para
serem utilizados no processo de avaliação ou nas tomadas de decisões da empresa.

Segundo Crepaldi (2004), o ponto fundamental da Contabilidade Gerencial é o uso da


informação contábil como ferramenta para administração. È o processo de produzir
informação operacional financeira para funcionários e administradores. Deve ser
direcionado pelas necessidades informacionais dos indivíduos internos da empresa e deve
orientar suas decisões operacionais e de investimentos.

O Sistema de Informação Contábil Gerencial só poderá ser executado de forma eficiente,


através de um sistema integrado de informações contábeis que abrangem tanto os recursos
humanos quanto o tecnológico.

Exercícios:

a) O que você entende por Contabilidade Gerencial?


b) Com quais ferramentas a Contabilidade Gerencial, trabalha para auxiliar os
administradores nas tomadas de decisões?
c) Qual a importância dos relatórios gerenciais para o gestor?
d) Os relatórios gerenciais fornecem quais informações aos administradores?
e) Qual a principal característica de um “bom” relatório gerencial?
f) A Contabilidade Gerencial utiliza outros ramos do conhecimento para auxilia-la?
Quais?

CARACTERÍSTICAS DA CONTABILIDADE GERENCIAL

Contabilidade Gerencial 8
Para Iudícibus (1998), a Contabilidade Gerencial pode ser caracterizada superficialmente
como: um enfoque especial, conferido a várias técnicas e procedimentos contábeis já
conhecidos e tratados na contabilidade financeira, na contabilidade de custos, na análise
financeira de balanços etc., colocados numa perspectiva diferente, um grau de detalhe mais
analítico ou numa forma de apresentação e classificação diferenciada, de maneira a auxiliar
os gerentes das entidades em seu processo decisório. A contabilidade gerencial, num
sentido mais profundo, está voltada única e exclusivamente para a administração da
empresa, procurando suprir suas informações que se encaixam de maneira válida e efetiva
no modelo decisório do administrador.

Considera-se que o modelo decisório do administrador leva em conta cursos de ações


futuras, informações sobre situações passadas ou presentes que serão de valor para o
modelo decisório, a mediada que o passado e o presente sejam estimadores daquilo que
poderá acontecer no futuro.

A Contabilidade Gerencial consiste em preparar, de forma simples e objetiva, as


informações financeiras para o processo de gestão da empresa, com conhecimento e
acompanhamento amplo do contador gerencial nos processos de planejamento, execução e
controle, apurando as variações ocorridas e suas possíveis causas.

Para Crepaldi (2004), o contador gerencial é um profissional que: identifica, mede,


acumula, analisa, prepara, interpreta e relata informações (tanto financeiras operacionais)
para uso da administração de uma empresa, nas funções de planejamento, avaliação e
controle de suas atividades e para assegurar o uso apropriado e a responsabilidade
abrangente de seus recursos.

Na aplicação da Contabilidade Gerencial em uma empresa, regras demais poderão


atrapalhar o processo de atendimento das necessidades de informações para os usuários,
porém, não se pode deixá-la solta demais, devendo-se criar parâmetros com aplicações úteis
e confiáveis ao processo de gestão empresarial.

Exercícios:

a) Qual (s) a (s) característica (s) da Contabilidade Gerencial?


b) O que você entende por Contador Gerencial (Controller)?

OBJETIVOS E FINALIDADES DA CONTABILIDADE GERENCIAL

Uma das funções mais importantes da contabilidade gerencial, descrita por Iudícibus
(1998), consiste em “fornecer informações hábeis para a avaliação de desempenho. Este
desempenho pode ser considerado não somente em relação à apuração de resultados por
produto ou por serviços, mas envolve uma apreciação de “quão bem” se houveram os
vários setores da empresa.

Os gestores necessitam de informações de custos e lucratividade de suas linhas de produtos,


segmentos do mercado e de cada produto e cliente. Necessitam de um sistema de controle

Contabilidade Gerencial 9
operacional que acentue a melhoria de custos, de qualidade e de redução de tempo de
processamento das atividades desenvolvidas por seus funcionários.

Segundo Crepaldi (2004), com relação à utilização dos dados da Contabilidade de Custos
para tomada de decisões, estes podem ser muito úteis para o administrador avaliar as
conseqüências de medidas tais como:

1. Se a capacidade de produção da fábrica é insuficiente para atender a todos os


pedidos dos clientes, qual produto ou linha de produtos deve ser cortado?
2. Como fixar o preço de venda de um produto?
3. Deve-se continuar comprando matérias-primas de terceiros ou interessa fabricá-los
na empresa?

O processo da Contabilidade Gerencial deverá ser obtido através do processamento da


coleta de dados e informações que serão armazenadas e processadas no sistema de
informações da empresa.

Para Padoveze (2004), a necessidade da informação é determinada pelos usuários finais


dessa informação, por seus consumidores. Assim, a informação deve ser construída para
atender a esses consumidores e não para atender aos contadores. O contador gerencial é
aquele que sabe perfeitamente que a informação que faz parte de seu sistema foi elaborada
para atender às necessidades de outros. O contador gerencial deve fazer um estudo básico
das necessidades de informações a partir das decisões-chaves que serão tomadas baseadas
no Sistema de Informação Contábil Gerencial.

Com a integração das informações obtidas nos vários departamentos, a Contabilidade


Gerencial, como ferramenta, proporciona aos seus administradores informações que
permitem avaliar o desempenho de atividades, de projetos e de produtos da empresa, bem
como a sua situação econômico-financeira através da apresentação de informações claras e
objetivas de acordo com a necessidade de cada usuário.

Exercícios:

a) De acordo com Iudícibus (1998), qual o principal objetivo da Contabilidade


Gerencial?
b) Qual a importância da Contabilidade de Custos segundo Crepaldi (2004), para o
auxilio na tomada de decisões do gestor?

USUÁRIOS DAS INFORMAÇÕES CONTÁBIL-GERENCIAIS

A necessidade da informação é determinada por seus usuários finais, seus consumidores.


Assim, as informações deve ser gerada para atender a esses usuários e não aos contadores.
O contador gerencial é aquele que sabe perfeitamente que a informação que faz parte de seu
sistema foi elaborada para atender as necessidades de outras pessoas. Portanto, deve-se
fazer um estudo básico das necessidades das informações a partir de decisões que serão
tomadas. Os usuários finais da informação, deverão especificar claramente as necessidades

Contabilidade Gerencial 10
de informações que necessitam para atender adequadamente no processo de decisão que
deverão serem tomadas.

Para a contabilidade gerencial, o fornecimento de relatórios a usuários externos, relaciona-


se a pessoas ou empresas que não participam da organização e que possuem a necessidade
de conhece-la por motivos específicos, assim como as instituições financeiras, órgãos
governamentais, fornecedores e outros. Os usuários internos, referem-se a relatório de
informações relacionadas aos membros envolvidos no processo da empresa, desde o
empresário/administrador, até os operários que necessitam estarem envolvidos no processo
de planejamento e controle do desempenho do objetivo e meta da empresa.

A Contabilidade Gerencial gera informações destinadas ao usuário interno, portanto, deve-


se distinguir três classes de participantes, diretamente envolvidos no processo:

a) Os processadores da informação
b) O público em geral
c) Os estudiosos

Exercícios:

a) Qual a importância das informações contábil-gerenciais para os usuários?


b) Quais os tipos de usuários que usam a informação contábil útil?
c) Como podem ser os usuários internos?

INTEGRAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL PARA FINS DECISORIAIS

A contabilidade gerencial, afirma IUDÍCIBUS (1998, p.22), para ser utilizada como
instrumento no processo de tomada de decisões necessita de integração com: a
contabilidade de custos, e por sua vez, com todos os procedimentos contábeis e financeiros
ligados a orçamento empresarial, a planejamento empresarial, a fornecimento de
informações contábeis e financeiras para decisão entre cursos de ação alternativos recaem,
sem sombra de dúvida, no campo da contabilidade gerencial (...) que requerem informações
contábeis (além das de outras disciplinas) que não são facilmente encontradas nos registros
da contabilidade financeira. Na melhor das hipóteses, requerem um esforço extra de
classificação, agregação e refinamento para poderem ser utilizadas em tais decisões.

Assim, a contabilidade gerencial utiliza em seus procedimentos a contabilidade de custos,


dados financeiros, operacionais, objetivos e metas das empresas, objetivando a todo
momento atender às necessidades de informações aos usuários.

A contabilidade, para apresentar informações sob o enfoque gerencial na gestão e tomada


de decisões da empresa, deverá apresentar um sistema integrado, para facilitar o nível da
informação de forma clara e objetiva na apresentação do resultado da empresa, visualizado
como um todo e detalhado conforme necessidades específicas dos usuários.

Exercícios:

Contabilidade Gerencial 11
a) Comente a afirmação de Iudícibus (1998), sobre a integração da Contabilidade
Gerencial para fins decisoriais.

MÉTODOS DE CUSTEAMENTO

INTRODUÇÃO

Segundo Bruni e Famá (2004), o nascimento da Contabilidade de Custos decorreu da


necessidade de maiores e mais precisas informações, que permitissem uma tomada de
decisão correta após o advento da Revolução Industrial. Com a Revolução Industrial, as
empresas passaram a adquirir matéria-prima para transformar em novos produtos. O novo
bem criado era resultante da agregação de diferentes materiais e esforços de produção,
constituindo o que se convencionou chamar de custo de produção ou fabricação.

Atualmente as empresas enfrentam o dinamismo do mercado globalizado, as informações


são altamente divulgadas em pequenos espaço de tempo, novas ferramentas gerenciais são
desenvolvidas e as preocupações de a empresa conseguir se manter no mercado aumentam.

A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que


cresce a competição entre as empresas.

A atual tendência à globalização dos mercados, que estende essa competição a um nível
internacional, enfatiza, como não poderia deixar de ser, a necessidade da adoção de técnicas
e procedimentos que permitam o adequado gerenciamento desses gastos.

A Contabilidade de Custos – que atende essa necessidade – destina-se à geração de


informações contábeis de interesse dos usuários internos da empresa, servindo de apoio
indispensável a decisões gerenciais das mais diversas naturezas.

Enquanto a Contabilidade Financeira é sintética e regida por regras bem definidas que
atendem o interesse do publico externo à empresa (ao qual se destinam às informações por
ela geradas), a Contabilidade de Custos é analítica e flexível, produzindo dados de receita,
custo e resultado por produto, por departamento, por cliente, etc.

Inicialmente desenvolvida para uma melhor avaliação dos estoques, da qual depende a
apuração do Custo dos Produtos ou Serviços Vendidos e, conseqüentemente, dos
Resultados, as funções da Contabilidade de Custos expandiram-se, à medida que
aumentava a competição dos mercados, de forma a abranger, hoje, todas as áreas e
atividades das empresas, assumindo uma posição de absoluto destaque entre as prioridades
da empresa bem administrada.

Por isso, aumenta, a cada dia, a necessidade de divulgação e aplicação das técnicas de
análise e de controle dos gastos empresariais, das quais se ocupa a Contabilidade de Custos.

Contabilidade Gerencial 12
Segundo Figueiredo e Caggiano (1997), custos são essencialmente medidas monetárias dos
sacrifícios com os quais uma organização tem que arcar a fim de atingir seus objetivos.
Conseqüentemente, são parte muito importante do processo decisorial, e não é surpresa que
os contadores estejam muito envolvidos com a coleta e análise das informações de custos.

Ainda segundo Figueiredo e Caggiano (1997), as informações de custos são necessárias


para quatro propósitos principais:

• Para decisão de planejamento;


• Para decisões de controle;
• Para mensuração de lucros; e
• Para informação aos empregados.

Exercícios:

a) Conceitue Contabilidade de Custos?


b) Qual a importância da Contabilidade de Custos na tomada de decisão do gestor?
c) Diferencie Contabilidade de Custos de Contabilidade Financeira.
d) De acordo com Figueiredo e Caggiano, as informações de custos são necessárias
para quais propósitos?

OBJETIVO DA CONTABILIDADE DE CUSTOS

O objetivo básico da Contabilidade de Custos é de ser utilizado como instrumento que


possibilita à administração da empresa gerenciar suas atividades produtivas, comerciais e
financeiras, através do conhecimento dos custos dos seus produtos para avaliar estoques e
apurar o resultado das indústrias.

NECESSIDADE DA CONTABILIDADE DE CUSTOS

A Contabilidade de Custos é de suma importância para a organização, pois através dela, o


gestor pode traçar estratégias e metas como por exemplo: adequar o preço de venda ao
valor praticado no mercado, pois, para a empresa é condição indispensável saber o valor do
custo de produção do produto para poder fazer esse cálculo. A administração necessita de
elementos e informações rápidas e exatas, tanto quanto possível, a fim de que se possa
tomar, em tempo real, as providências adequadas para manter o equilíbrio
econômico/financeiro e aumentar a eficiência da empresa. Isto não só em tempos normais,
mas, principalmente, em épocas de desequilíbrio econômico, quando existe forte
concorrência ou estão em perspectiva de novos concorrentes, ocasiões como estas é que
obrigam o gestor a fazer revisões de suas estratégias e metas nos âmbitos da política e
fixação de preços.

IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE DE CUSTOS

Dentre as principais importâncias da Contabilidade de Custos, destacam-se:

Contabilidade Gerencial 13
• Permitir avaliar os custos unitários de produção, conseqüentemente fixar os preços
de venda;
• Permite localizar os desperdícios de material, horas máquinas/homens, aproveitar
resíduos, reduzir ou eliminar gastos;
• Permite apuração de custos por elementos, seções, departamentos, produtos,
períodos, etc;
• Oferece elementos para estudo acurado das despesas, bem como o controle e
previsão dos negócios;
• Fornece rapidamente os inventários de materiais; produtos em elaboração e
produtos acabados, facilitando o levantamento de balancetes, balanço e
demonstração de resultados parcial/total;
• Oferece elementos para comparação e interpretação dos custos ocorridos por
departamentos, fases de fabricação, produtos;
• Permite descobrir quais os produtos/serviços mais lucrativos para a empresa.

Exercício:

a) Qual o principal objetivo da Contabilidade de Custos?


b) Qual a necessidade de se usar a Contabilidade de Custos como ferramenta
gerencial?
c) Cite algumas maneiras de como a Contabilidade de Custos possa ser importante nas
decisões gerenciais.

TERMINOLOGIA CONTÁBIL

O ponto inicial da exposição sobre custos está na terminologia. Infelizmente, encontramos


em todas as áreas, principalmente nas sociais (e econômicas em particular) uma profusão de
nomes para um único conceito e também conceitos diferentes para uma única palavra.

GASTOS _ Sacrifício que a entidade arca para obtenção de um bem ou serviço,


representado por entrega ou promessa de entrega de ativos. O gasto se concretiza quando
os serviços ou bens adquiridos são prestados ou passam a ser de propriedade da empresa.

Para Padoveze (2004), gastos são todas as ocorrências de pagamentos ou recebimentos de


ativos, custos ou despesas. Significa receber os serviços e produtos para consumo para
todo o processo operacional, bom como os pagamentos efetuados e recebimentos de ativos.
Como se pode verificar, gastos são ocorrências de grande abrangência e generalização.

Exemplos:
- Gasto com mão-de-obra (salários e encargos sociais) = aquisição de serviços de
mão de obra;
- Gasto com aquisição de mercadorias para revenda;
- Gasto com aquisição de matérias-primas para industrialização;
- Gasto com energia elétrica = aquisição de serviços de fornecimento de energia;

Contabilidade Gerencial 14
- Gasto com aluguel de edifícios;

INVESTIMENTOS _ Gasto com bem ou serviço ativado em função de sua vida útil ou de
benefícios atribuíveis a períodos futuros.

Todos os sacrifícios havidos pela aquisição de bens ou serviços (gastos) que são
“estocados”, nos Ativos da empresa para baixa ou amortização quando de sua venda, de seu
consumo, de seu desaparecimento ou de sua desvalorização são especificamente chamados
de investimentos (Martins, 2003).

Exemplos:
- Aquisição de móveis e utensílios;
- Aquisição de imóveis;
- Despesas pré-operacionais;
- Aquisição de marcas e patentes;
- Aquisição de matéria-prima;
- Aquisição de material de escritório.

CUSTO _ Gasto relativo a bem ou serviço utilizado na produção de outros bens e serviços:
são todos os gastos relativos à atividade de produção.

Segundo Martins (2003), o custo é também um gasto, só que reconhecido como tal, isto é,
como custo, no momento da utilização dos fatores de produção (bens e serviços), para a
fabricação de um produto ou execução de um serviço.

Exemplos:
- Salários do pessoal da produção (MOD);
- Matéria-prima utilizada no processo produtivo;
- Combustíveis e lubrificantes usados nas máquinas da fábrica;
- Alugueis e seguros do prédio da fábrica;
- Depreciação dos equipamentos da fábrica;
- Gastos com manutenção das máquinas da fábrica.

DESPESA _ Gastos com bens e serviços não utilizados nas atividades produtivas e
consumidos com a finalidade de obtenção de receitas.

Para Bruni e Famá (2004), despesas, correspondem a bem ou serviço consumido direta ou
indiretamente para a obtenção de receitas. Não estão associadas à produção de um produto
ou serviço. Como exemplos de despesas poder ser citados gastos com salários de
vendedores, gastos com funcionários administrativos, etc.

Exemplos:
- Salários e encargos sociais do pessoal de vendas;
- Salários e encargos sociais do pessoal administrativo;
- Energia elétrica consumida na sede administrativa;
- Gasto com combustíveis e refeições do pessoal de vendas;

Contabilidade Gerencial 15
- Conta telefônica da administração e de vendas;
- Alugueis e seguros da sede administrativa.

DESEMBOLSO _ Saídas de caixa para atender a aquisição de um bem ou serviço. Pode


ocorrer antes, durante ou após a entrada da utilidade comprada, portanto defasada ou não do
gasto.

PERDA _ É um gasto não intencional decorrente de fatores externos fortuitos ou da


atividade produtiva normal da empresa. No 1º caso, são considerados da mesma natureza
que as Despesas e são jogadas diretamente contra o resultado do período.

Exemplos:
- Incêndio;
- Obsoletismo de estoques;
- Período de greve;
- Enchente;
- Furto/roubo.

No 2º caso, onde se enquadram, por exemplo, as perdas normais de matérias-primas na


produção industrial, integram o custo de produção.
Exemplo:
Uma indústria de estamparia que aproveita apenas 80% da chapa de aço e considera 20%
como perda técnica. Da mesma forma, o camiseiro que considera o preço do pano total
comprado, como custo, não se importando com os retalhos. Em alguns casos admite-se
considerar dias parados por motivo de greve como “ociosidade” e inclui-los nos gastos
gerais de fabricação para rateio na formação do custo de todos os produtos.

Diferença entre Custos e Despesas

Em termos práticos, nem sempre é fácil distinguir Custos e Despesas. Pode-se, entretanto,
propor uma regra simples do ponto de vista didático: todos os gastos realizados com o
produto até que esteja pronto, são Custos; a partir daí, são Despesas. Assim, por exemplo,
gastos com embalagens são Custos se realizados no âmbito do processo produtivo (o
produto é vendido embalado); são Despesas, se realizados após a produção (o produto pode
ser vendido com ou sem embalagem).

Todos os Custos que estão incorporados nos produtos acabados que são fabricados pela
empresa industrial são reconhecidos como Despesas no momento em que os produtos são
vendidos. A matéria-prima industrial que, no momento de sua compra, representava um
Investimento, passa a ser considerada Custo no momento de sua utilização na produção e
torna-se Despesa quando o produto fabricado é vendido. Entretanto, a matéria-prima
incorporada aos produtos acabados em estoque, pelo fato destes serem ativados, volta a ser
Investimento.

Os encargos financeiros incorridos pela empresa, mesmo aqueles decorrentes da aquisição


de insumos para a produção, são sempre considerados Despesas.

Contabilidade Gerencial 16
Exercícios Resolvidos

Exemplo 1:

Classifique os eventos descritos a seguir em investimentos (I), Custo ( C ), Despesa (D) ou


Perda (P):

( I ) compra de matéria-prima;
( C ) consumo de energia elétrica;
( C ) utilização de mão-de-obra;
( C ) consumo de combustível;
( D ) gastos com pessoal do faturamento (salário);
( I ) aquisição de máquinas;
( C ) depreciação de máquinas;
( D ) remuneração do pessoal da contabilidade (salário);
( D ) pagamentos de honorários da administração;
( D ) depreciação do prédio da empresa;
( C ) utilização de matéria-prima (transformação);
( I ) aquisição de embalagens;
( P ) deterioração do estoque de matéria-prima por enchente;
( P ) remuneração do tempo de pessoal em greve;
( I ) geração de sucata no processo produtivo;
( P ) estrago acidental e imprevisível de lote de material;
( D ) imposto de circulação de mercadorias e serviços;
( D ) comissões proporcionais de vendas;

Exemplo 2:

Conforme as informações abaixo preencha os parênteses com C = Custo e D = Despesa


( D ) depreciação de máquinas e outros bens da Administração;
( C ) energia elétrica utilizada na produção;
( C ) salários de vendedores e de demonstradores de produtos;
( C ) aluguel de maquinas e equipamentos da produção;
( C ) salário do chefe do departamento de produção;
( C ) matéria-prima consumida na fábrica;
( C ) mão-de-obra indireta utilizada na produção;
( D ) pró-labore.

Exercícios:

a) O que são gastos?


b) O que são investimentos?
c) O que são custos?
d) O que são despesas?
e) Diferencie custos de despesas.

Contabilidade Gerencial 17
f) O que são perdas? Exemplifique.

Conforme as informações abaixo preencha os parênteses com C = Custo e D = Despesa

( ) encargos e salários do departamento de administração;


( ) manutenção de máquinas e equipamentos da produção;
( ) depreciação de móveis e utensílios do escritório;
( ) aluguel da fábrica;
( ) energia elétrica do setor de produção;
( ) material de embalagem consumido na fábrica;
( ) mão-de-obra direta utilizada na produção;
( ) encargos e salários do departamento de vendas.

CLASSIFICAÇÃO DE CUSTOS

Quanto à alocação ao produto

CUSTO DIRETO _ São aqueles que podem ser apropriados diretamente aos produtos
fabricados, porque há uma medida objetiva de seu consumo nesta fabricação.

Exemplos:
- Matérias-primas – Normalmente a empresa sabe qual a quantidade exata de
matéria-prima que está sendo utilizada para a produção de uma unidade do
produto. Sabe-se o preço da matéria-prima, o custo daí resultante está associado
diretamente ao produto;
- Mão-de-Obra direta – Trata-se dos custos com os trabalhadores utilizados
diretamente na produção. Sabendo-se quanto tempo cada um trabalhou no
produto e o preço da mão-de-obra, é possível apropria-la diretamente ao
produto;
- Material de embalagem;
- Depreciação de equipamento quando é utilizado para produzir apenas um tipo de
produto;
- Energia elétrica das maquinas, quando é possível saber quanto foi consumido na
produção de cada produto;

CUSTO INDIRETO _ São os custos que dependem de cálculos, rateios ou estimativas para
serem apropriados em diferentes produtos, portanto, são os custos que só são apropriados
indiretamente aos produtos. O parâmetro utilizado para as estimativas é chamado de base
ou critério de rateio.

Exemplos:
- Depreciação de equipamentos que são utilizados na fabricação de mais de um
produto;
- Salários dos chefes de supervisão de equipes de produção;
- Aluguel da fábrica;
- Gastos com limpeza da fábrica;

Contabilidade Gerencial 18
- Energia elétrica que não pode ser associada ao produto.

OBSERVAÇÕES:

a) Se a empresa produz apenas um produto, todos os seus custos são diretos;


b) Ás vezes, o custo é direto por natureza, mas é de tão pequeno valor que não
compensaria o trabalho de associá-lo a cada produto, sendo tratado como indireto.
Exemplo: gasto com verniz e cola na fabricação de móveis.

Quanto ao volume

CUSTO FIXO _ Custos fixos são aqueles cujos valores são os mesmos qualquer que seja o
volume e produção da empresa. È o caso, por exemplo, do aluguel da fábrica. Este será
cobrado pelo mesmo valor qualquer que seja o nível de produção, inclusive no caso da
fábrica nada produzir.

Observe que os Custos Fixos são fixos em relação ao volume de produção, mas podem
variar de valor no decorrer do tempo. O aluguel da fábrica, mesmo quando sobre reajuste
em determinado mês, não deixa de ser considerado um Custo Fixo, uma vez que terá o
mesmo valor qualquer que seja a produção do mês. Outros exemplos: imposto predial,
depreciação dos equipamentos, salários de vigias e porteiros da fábrica, prêmios de seguro,
etc.

Segundo Sanvicente (1997), definimos como custo fixo todo aquele item de custo ou
despesas que não varia, em valor total, com o volume de atividade ou operação. Portanto, o
seu valor unitário é que varia com o volume de operação.
Para Braga (1995), são custos que permanecem constantes dentro de certo intervalo de
tempo, independentemente das variações ocorridas no volume de produção e vendas
durante esse período. O referido interalo de tempo não costuma ser superior a alguns
meses. Configurada uma retração mais prolongada nas atividades ou um ciclo de expansão
dos negócios, o valor total desses custos e despesas será ajustado para um novo patamar,
em decorrência de decisões da administração.

GRÁFICO REPRESENTATIVO DOS CUSTOS FIXOS (CF)

custo custo custo


Custo fixo
unitário

Custo fixo
unitário

Unidades produzidas Unidades produzidas Unidades produzidas

Contabilidade Gerencial 19
Fonte: FGV modificada pelo autor

CUSTO VARIÁVEL _ Custos variáveis são aqueles cujos valores se alteram em função do
volume de produção da empresa. Exemplo: matéria-prima consumida. Se não houver
quantidade produzida, o Custo Variável será nulo. Os Custos Variáveis aumentam à
medida em que aumenta a produção.

Segundo Sanvicente (1997), já o custo variável é aquele que se altera em relação direta com
as modificações do volume de atividade. Portanto, o custo variável total (CVT) é
perfeitamente variável, como o próprio termo indica, e o custo variável unitário pe
constante.

São aqueles cujo valor total aumenta ou diminui direta e proporcionalmente com as
flutuações ocorridas na produção e vendas (Braga, 1995).

Segundo Hoji (2004), o valor total dos custos e despesas variáveis varia proporcionalmente
à quantidade de produção. Unitariamente, os CDVs são fixos.............a proporcionalidade
dos CDVs não é exata em alguns casos, pois vários fatores (humanos, mecânicos,
ambientais etc.) influenciam o nível de produção. Por exemplo: algumas maquinas
funcionam com maior eficiência algum tempo depois de colocadas em funcionamento; no
final do dia, a produtividade dos operários diminui em função do cansaço etc. Mas, de
modo geral, pode-se considerar que os CDVs variam linearmente.

GRAFICO REPRENSENTATIVO DOS CUSTOS VARIÁVEIS (CV)

custo custo custo


Custo variável total

Custo variável
prática unitário
teória

Unidades produzidas Unidades produzidas Unidades produzidas

Fonte: FGV modificada pelo autor

Segundo Martins (2003), é de grande importância notar que a classificação em Fixos e


Variáveis leva em consideração a unidade de tempo, o valor total de custo com um item
nessa unidade de tempo e o volume de atividade. Não se trata, como no caso da
classificação de Diretos e Indiretos, de um relacionamento com a unidade produzida. Por
exemplo, a matéria-prima é um Custo Variável, já que, por mês, seu valor total consumido
depende da quantidade de bens fabricados. Entretanto, por unidade elaborada a quantidade

Contabilidade Gerencial 20
de matéria-prima é provavelmente a mesma; mas isso não lhe tira a característica de
Variável; pelo contrario, reforça-o

CUSTO SEMI-FIXO _ Custos Semi-Fixos são custos que são fixos numa determinada
faixa de produção, mas que variam se há uma mudança nesta faixa. Considere, por
exemplo, a necessidade de supervisores de produção de uma fábrica expressa na tabela a
seguir:

Volume de Produção Quantidade Necessária de Custo em R$ (Salários +


Supervisores Encargos)
0 – 20.000 1 120.000
20.001 – 40.000 2 240.000
40.001 – 60.000 3 360.000
60.001 – 80.000 4 480.000

CUSTO SEMI-VARIÁVEL _ Custos Semi-Variáveis são custos que variam como o nível
de produção mas que, entretanto, têm uma parcela fixa que existe mesmo que não haja
produção. É o caso, por exemplo, da conta de energia elétrica da fábrica, na qual a
concessionária cobra uma taxa mínima mesmo que nada seja gasto no período, embora o
valor da conta dependa do número de quilowatts consumidos, portanto, do volume de
produção da empresa.

Outros exemplos: aluguel de uma copiadora no qual se cobra uma parcela fixa mesmo que
nenhuma cópia seja tirada; gasto com combustível para aquecimento de uma caldeira, que
varia de acordo com o nível de atividade, mas que existirá, mesmo que seja num valor
mínimo, quando nada se produza, já que a caldeira não pode esfriar.

Exemplo 3:

Classifique os custos a seguir em

Diretos (D) Indiretos (I)


Fixos (F) Variáveis (V)

CUSTOS Diretos / Indiretos Fixos / Variáveis


material de embalagem D V
energia elétrica da fabricação / produção D ou I F ou V
matéria-prima D V
salários e encargos da supervisão produção I F
aluguel da área fabril/fabrica/produção I F
salários e encargos do pessoal da produção D V
depreciação das máquinas da fabricação I F
consumo de água da fabricação D ou I F ou V
refeições e viagens dos supervisores da produção I F

Exercícios:

Contabilidade Gerencial 21
a) O que são custos diretos?
b) Conceitue custos indiretos. Exemplifique.
c) O que são custos fixos e variáveis?

Classifique os custos em Custos Fixos (F), Custos Variáveis (V), Custos Indiretos (I),
Custos Diretos (D).

CUSTOS Diretos / Indiretos Fixos / Variáveis


Matéria-prima consumida na produção
Encargos e salários dos supervisores da produção
Luz e força consumida na produção
MOI do pessoal da produção
MOD do pessoal da produção
Depreciação de máquinas da produção
Aluguel da fábrica
Encargos e salários do gerente de produção
Material de embalagem consumido na produção

CONCEITOS E PRÁTICAS DE MÉTODOS DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS

A Contabilidade de Custos se desenvolve oferecendo às empresas novas ferramentas que


auxiliam na tomada de decisão. A gestão de custos se torna imprescindível e a escolha de
métodos de custeio que irão auxiliar no gerenciamento da empresa deve ser estudada, para
fazer com que o projeto de implementação tenha êxito.

Dentro de um novo mercado tão globalizado e altamente competitivo, em que as


tecnologias (TI), estão cada vez mais rompendo fronteiras e maximizando as negociações
entre organizações, e até entre paises. A preocupação das empresas se voltam, então, em
ter uma gestão eficaz e eficiente, com a finalidade de obter resultados esperados, através de
desempenhos ótimos, para as organizações.

Segundo Laudon & Laudon (2004), administradores não podem ignorar os sistemas de
informação porque estes desempenham um papel fundamental nas organizações atuais. Os
sistemas de hoje afetam diretamente o modo como os administradores decidem, planejam e
gerenciam seus funcionários e cada vez mais determinam quais produtos serão produzidos e
onde, quando e como. Por conseguinte, a responsabilidade pelos sistemas não pode ser
delegada a tomadores de decisões técnicos.

Para tanto é necessário estabelecer estratégias, desenvolver novas ferramentas de análises


que auxiliem na tomada de decisão.

A Contabilidade de Custos apresenta vários sistemas de custeio sendo que determinados


métodos são aplicados apenas para fins gerenciais, pois possuem restrições impostas pela
legislação para fins contábeis. Esse evolução de métodos se deve à necessidade de as
entidades, hoje, buscarem ferramentas que proporcionem melhor visão da organização,

Contabilidade Gerencial 22
fazendo com que as mesmas tenham um papel importante na avaliação de desempenho de
forma que dê sustentação na tomada de decisões.

MÉTODOS DE CUSTEIO

Existem diversos métodos de custeio, cada um com uma metodologia própria, com
vantagens e desvantagens de aplicação. Os métodos mais utilizados no Brasil são: o
Método por Absorção (atende as necessidades societárias e fiscais) e o Método de Custeio
Variável (atende as necessidades gerenciais). Entretanto, outros métodos de custeio são
utilizados para necessidades gerenciais como: Método de Custeio Pleno (RKW) e o Custeio
Baseado em Atividades (ABC).

Entende-se por Métodos, a forma de apuração de custos de um determinado produto.


Dependendo do método de custeio adotado, tem-se diferentes custos para um mesmo
produto.

ABORDAGEM POR ABSORÇÃO

Custeio por Absorção é o método de apropriação de custos derivado da aplicação dos


Princípios da Contabilidade geralmente aceitos, em que consiste na alocação de todos os
custos de produção aos bens produzidos pela empresa, ou seja, todos dos gastos fabris de
produção são distribuídos para todos os produtos fabricados pela empresa. Assim todo o
esforço de fabricação medido em termos de custos é absorvido pela produção. As despesas
relativas aos gastos da administração, comercialização e financeiros são descarregados para
o resultado do exercício (DRE). Outros critérios têm surgido através do tempo, mas o
custeio por absorção é o único adotado pela contabilidade financeira, portanto válido tanto
para fins de elaboração do Balanço Patrimonial como Demonstração de Resultado.

Apesar de sofrer criticas e conter certas falhas como instrumento gerencial é o único
permitido para fins de avaliação de estoque, além de ser admitido pela legislação do
imposto de renda. Os conceitos de investimento, custo direto, custo indireto e despesas
administravas, comerciais e financeiras é de suma importância para aplicação ou
distribuição dos custos de produção aos produtos fabricados pela empresa. O método de
custeio consiste em considerar custos de produção a todos os gastos com a matéria-prima
direta e indireta consumidas, a mão-de-obra direta e indireta aplicadas e os demais custos
indiretos incorridos no processo de produção de bens destinados à venda. Nesse sentido os
custos decorrentes da obtenção ou transportes para colocar a matéria-prima em condições
de produção serão custos. As despesas com a administração da empresa, comercialização
dos produtos e os gastos financeiros decorrentes de empréstimos e, ainda, os gastos fabril
cuja produção não se destina à venda, não são tratados como custos, indo diretamente para
o resultado do período (considerados despesas do período).

Para Crepaldi (2004), o Custeio por Absorção ou Custeio Pleno consiste na apropriação de
todos os custos (sejam eles fixos ou variáveis) à produção do período. Os gastos não fabris
(despesas) são excluídos. È o método derivado da aplicação dos princípios fundamentais
de Contabilidade e é, no Brasil, adotado pela legislação comercial e pela legislação fiscal.

Contabilidade Gerencial 23
Não é um principio contábil em si, mas uma metodologia decorrente da aplicação desses
princípios. Dessa forma, o método é válido para a apresentação de demonstrações
financeiras e para o pagamento do Imposto de Renda. Segundo Padoveze (2004), é o
método de custeamento , onde, para se obter o custo dos produtos, consideram-se todos os
gastos industriais, diretos ou indiretos, fixos ou variáveis. Os gastos industriais indiretos ou
comuns são atribuídos aos produtos por critérios de distribuição.

Custeio por Absorção é o método derivado da aplicação dos princípios da contabilidade


geralmente aceitos, nascido da situação histórica mencionada. Consiste na apropriação de
todos os custos de produção aos bens elaborados, e só os de produção; todos os gastos
relativos ao esforço de produção são distribuídos para todos os produtos ou serviços feitos
(Martins, 2004). Segundo Bernardi (2004), esse sistema, como o nome sugere, direciona
todos os custos de uma fábrica, diretos e indiretos, fixos e variáveis para uma produção
dada, e finalmente aos produtos. As despesas são direcionadas para os resultados da
empresa.

Sua principal finalidade e utilidade é a avaliação de estoque, podendo ser utilizado como
parâmetro para a formação de preços. Quatro aspectos devem ser considerados na adoção
desse custeio, para avaliar o custo de um produto:

• Relacionamento a determinado volume de produção;


• Métodos de rateio dos custos indiretos e fixos que podem gerar distorções nos
custos unitários;
• Capacidade utilizada da fabrica;
• Níveis de eficiência e produtividade.

Gráfico do Sistema de Custeio por Absorção

Custeio por Absorção


Empresa Industrial
Custos fixos e
Despesas Custos indiretos (rateio);
Custos variáveis e
diretos.
Estoque de
produtos

Demonstração de Resultados

Receita Líquida
Venda CPV
Lucro Bruto
Despesas Operacionais
Lucro Líquido

Contabilidade Gerencial 24
Fonte: Martins (2003) modificada pelo Autor

Segundo Crepaldi (2004), o custeio por absorção segue os seguintes passos:

a) separação dos gastos do período em custos e despesas;


b) classificação dos custos em diretos e indiretos;
c) apropriação dos custos diretos aos produtos;
d) apropriação, por rateio, dos custos indiretos de fabricação.

Exercício Resolvido:

Exemplo:
Gastos $ mil
Salários da fábrica (MOD + MOI) 100
Matéria-prima 120
Comissões sobre vendas 10
Depreciação de maquinas e equipamentos 5
Energia elétrica da fabrica 8
Manutenção de maquinas e equipamentos 3
Seguros da fábrica 7
Salários da administração 10
Material de expediente 5
268

Custos $ mil
Salários da fábrica (MOD + MOI) 100
Matéria-prima 120
Depreciação de maquinas e equipamentos 5
Energia elétrica da fabrica 8
Manutenção de maquinas e equipamentos 3
Seguros da fábrica 7
243

Total dos Custos do Período é de: $ 243.000,00

Gastos $ mil
Comissões sobre vendas 10
Salários da administração 10
Material de expediente 5
25

Total das Despesas do Período é de: $ 25.000,00

Os gastos, no valor de $ 268.000,00, ficaram assim distribuídos:

Contabilidade Gerencial 25
Gastos $ mil
Custo de produção 243
Despesas do período 25
268

Como já sabemos, as despesas não compõem o custo dos produtos e, como conseqüência,
serão lançados diretamente no resultado do exercício.

Assim sendo, suponhamos que a empresa trabalhe na produção de dois produtos: A e B,


devemos, então, fazer a apropriação dos custos diretos.

Verificamos que para o consumo da matéria-prima, a empresa possui um sistema de


controle dos materiais, que lhes proporciona a condição de identificar quanto matéria-
prima, cada produto consumiu. Assim sendo, temos:

Custo Direto $ mil


Produto A 80
Produto B 40
120

Com relação aos salários da fábrica, existe a necessidade de se separar a mão-de-obra direta
e a indireta.

Com isso a empresa mantém cálculos que permitem a apuração das horas gastas em cada
produto e as horas de mão-de-obra indireta.

Custo Direto $ mil


Mão-de-obra: Produto A 50
Mão-de-obra: Produto B 30
Total da MOD 80
Mão-de-obra indireta (MOI) 20
100

Dessa forma, os $ 80.000 são apropriados diretamente aos produtos A e B, enquanto $


20.000, serão incorporados aos gastos gerais de fabricação para posterior distribuição:

Diretos

Custos A B Indiretos Total

MOD 50.000 30.000 80.000

Matéria-prima 80.000 40.000 120.000

Depreciação 5.000 5.000

Contabilidade Gerencial 26
Enérgia 8.000 8.000

Manutenção 3.000 3.000

Seguros da fábrica 7.000 7.000

MOI 20.000 20.000

Total 130.000 70.000 43.000 243.000


Como podemos constatar, do total de custos, $ 200.000 já estão apropriados aos produtos
A e B, e os gastos gerais de fabricação, ou custos indiretos de fabricação, no montante de $
43.000, precisam, por algum critério, ser rateados aos produtos A e B.

A seguir, mostraremos algumas formas de alocação desses custos indiretos aos dois
produtos.

Produtos Diretos proporção Indiretos Total

A 130.000 65% 27.950 157.950

B 70.000 35% 15.050 85.050

Total 200.000 100% 43.000 243.000

A ultima coluna indica-nos o custo total de cada produto e a penúltima o montante de


custos indiretos de fabricação distribuídos segundo os custos diretos de cada produto.

Outras alternativas de rateio,


Produtos Matéria-prima proporção Indiretos sub-total MOD Total

A 80.000 67% 28.667 108.667 50.000 158.667

B 40.000 33% 14.333 54.333 30.000 84.333

Total 120.000 100% 43.000 163.000 80.000 243.000

Produtos MOD proporção Indiretos sub-total Matéria-prima Total

A 50.000 63% 26.875 76.875 80.000 156.875

B 30.000 38% 16.125 46.125 40.000 86.125

Total 80.000 100% 43.000 123.000 120.000 243.000

Para Crepaldi (2004), existem vários critérios de rateio, alguns descendo a detalhes como
distribuição do aluguel (ou depreciação do prédio, se for próprio), por metros quadrados,
materiais auxiliares de acordo com o consumo de matéria-prima, depreciação de maquinas

Contabilidade Gerencial 27
de acordo com horas trabalhadas etc. O nível de detalhamento a ser usado depende de
relevância dos valores envolvidos e do bom-senso de cada um, visando eliminar as
arbitrariedades. É impossível determinar uma regra de rateio.

Exercícios:

a) Quais os métodos de custeio usados na contabilidade?


b) O que você entende por Custeio por Absorção?
c) Segundo Crepaldi (2004), quais são os passos que o Custeio por Absorção segue
para calculo do mesmo?

Exercício 1

A empresa Fabricante S.A produz os itens Alfa, Beta e Delta. O custo a ratear entre
os três produtos totaliza $ 36.000,00. O rateio é baseado nas horas/máquina (h/m)
trabalhadas para cada um deles.

Com o consumo de 120, 240 e 360 h/m para cada tipo de produto, respectivamente, foi
concluída a produção de 300 unidades, em quantidades rigorosamente iguais de Alfa, Beta
e Delta.

O custo direto unitários também foi o mesmo para cada tipo de produto, ou seja, $ 250,00.
Com base nessas informações, pode-se afirmar que:

a) ( ) O custo unitário de Alfa foi de $ 250,00;


b) ( ) O custo unitário de Delta foi de $ 310,00;
c) ( ) O custo unitário de cada um dos três produtos foi de $ 370,00;
d) ( ) O custo unitário de Beta foi de $ 430,00;
e) ( ) O custo total do período foi de $ 36.000,00.

Exercício 2

A Canecão S.A fabrica canecas decoradas com personagens famosos de desenhos


animados. No ultimo ano 200.000 canecas foram fabricadas e 207.000 foram vendidas a $
5,00 cada uma. O custo unitário real para uma caneca é o seguinte:

Materiais diretos $ 0,50


MOD $ 1,20
CIF variáveis $ 0,75
CIF fixos $ 1,60
Total do custo unitário $ 4,05

As despesas de vendas consistiam de uma comissão de $ 0,25 por unidade vendida e os


pagamentos de propaganda totalizando $ 25.000. As despesas administrativas, todas fixas,
totalizaram $ 50.000. Não havia estoques iniciais ou finais de produtos em processo. O
estoque inicial de produtos acabados era de $ 40,500 por 10.000 canecas.

Contabilidade Gerencial 28
Pede-se:

a) Calcule o número de canecas e o valor do estoque final de produtos acabados;


b) Prepare uma demonstração do custo de produtos vendidos;
c) Prepare uma demonstração de resultado de custeio por absorção.

Exercício 3

A indústria Ceras do Nordeste S.A produz cera em pó e cera em barra, ambas usadas para
diversos fins. Em determinado período produziu 80.000 kg de cera em pó e 70.000 kg de
cera em barra, incorrendo nos seguintes gastos:

em Pó em Barra
Matéria-prima $ 2/kg 12.000 kg 8.500 kg
MOD $ 6/hora 6.700 h 4.000 h
Material de embalagem $ 0,5/kg 12.000 kg 8.500 kg

Custos Indiretos de Fabricação _ CIF

Supervisores da produção 5.000,00


Depreciação de móveis e utensílios (produção) 9.000,00
Depreciação de máquinas e equipamentos (produção) 9.500,00
Seguro da Fábrica 3.000,00
Energia elétrica consumida na produção 8.500,00
A matéria-prima consumida, a MOD e o material de embalagem são comuns aos dois
produtos.

A empresa não possui medidores de energia, assim sendo, todo o gasto com energia elétrica
é fixo.

Os CIF são incorporados aos produtos de acordo com o tempo usado na produção, sabendo-
se que são necessários 10 minutos para produzir um kg de cera em pó e 8 minutos para
produzir um kg de cera em barra.

Pede-se:

a) elaborar um quadro de apropriação de custos aos produtos;


b) calcular o custo unitário de cada produto.

Exercício 4

Devem ser classificados como custos de produção os itens:

a) Matéria-prima, MOD, honorários da diretoria;


b) Pro labore, seguros da Fábrica, MOD;
c) Aluguel de galpão (produção), fretes de venda, matéria-prima;

Contabilidade Gerencial 29
d) Salários da Administração, MOD, matéria-prima;
e) Energia elétrica direta, MOD, insumos de acabamento.

Exercício 5
A empresa Diamante produz dois produtos, A e B, cujo volume de produção é de 20.000
unidades do produto A e 16.000 unidades do produto B por período. As vendas em média
são: 90% e 95% dos produtos A e B respectivamente. Sabe-se que os CIF totalizam $
500.000,00 por período.

Em determinado período, foram registrados os seguintes custos diretos por unidade ($):
A B
Material-direto 20 25
Mão-de-obra direta 15 8
Pede-se calcular o valor dos CIF de cada produto utilizando o custos de MOD como base
de rateio.

ABORDAGEM DO CUSTEIO VARIÁVEL

Em oposição ao método por absorção, o custeio variável ou direto toma em consideração,


somente os gastos variáveis, para alocação dos custos aos produtos da empresa. Assim
sendo, não há necessidade de rateios, pois trabalharemos apenas com os gastos variáveis,
ou seja, poderão ser apropriados diretamente aos produtos, fazendo com que as distorções
que ocorrem no método por absorção (em referencia aos rateios), não existam.

Assim sendo, essa modalidade de custeio apresenta, sobre o método anterior (custeio por
absorção), algumas vantagens no que tange à apuração dos resultados financeiros gerados
pelos diferentes produtos da empresa e conseqüentemente as decisões gerenciais.
Entretanto, a grande falha deste sistema, é que não é aceito pela Legislação do Imposto de
Renda. Portanto a empresa que desejar adota-lo, deverá fazê-lo mediante controles e
relatórios distintos, em complemento á informação contábil. Método de custeio que atribui
apenas custos de manufatura variáveis aos produtos, estes custos incluem materiais diretos,
mão-de-obra e CIF variáveis. Os CIF fixos são tratados como um custo do período e são
alocados no resultado no período incorrido (Iudícibus, 2001).

É um tipo de custeamento que consiste em considerar como custo de produção do período


apenas os custos variáveis incorridos: os custos fixos, pelo fato de existirem mesmo que
não haja produção, não são considerados como custos de produção e sim como despesas,
sendo encerrados diretamente contra o resultado do período. Desse modo, o custo dos
produtos vendidos e os estoques finais de produtos em elaboração e acabados só conterão
custos variáveis (Viceconti, 2000). O sistema de custeio direto ou variável prevê uma
apropriação de caráter gerencial, considerando apenas os custos variáveis aos produtos
vendidos; os custos fixos ficam separados e considerados como despesas do período, indo
diretamente para os resultados; dessa forma, possibilita a apuração da margem de
contribuição, quando confrontados os custos variáveis aos valores de receita liquida ao
período objeto de analise (CFC, p. 37, 1995).

Contabilidade Gerencial 30
Para Crepaldi (2004), custeio variável (também conhecido como Custeio Direto) é um tipo
de custeamento que consiste em considerar como custo de produção do período apenas os
Custos Variáveis incorridos. Os Custos Fixos, pelo fato de existirem mesmo que não haja
produção, não são considerados como custo de produção e sim como despesas, sendo
encerrados diretamente contra o resultado do período. Assim sendo, o Custeio Variável é
um método que trabalha na separação dos gastos em custos variáveis e custos fixos, em
suma, com os gastos que oscilam proporcionalmente ao volume de produção/venda e os
gastos que mantêm sua estabilidade (estáveis) perante as produções e vendas dentro de
certos limites de produção.

Exercício Resolvido:
Exemplo:
Para deixar claro o método de custeio variável, vamos exemplificar, fazendo com que os
produtos fabricados sejam incorporados a eles, somente os gastos variáveis do período.

Estoques
Meses / ano produção Vendas Final
jan/06 10.000 7.000 3.000
fev/06 10.000 8.000 5.000
mar/06 13.000 10.000 8.000
abr/06 3.000 11.000 0

Custos variáveis por mês:


Custo Unitário por mês
Mês / ano Material Direto MOD Embalagens TOTAL
Jan/06 R$ 10,00 R$ 8,00 R$ 6,00 R$ 24,00
Fev/06 R$ 11,00 R$ 10,00 R$ 7,00 R$ 28,00
Mar/06 R$ 12,00 R$ 7,00 R$ 6,00 R$ 25,00
Abr/06 R$ 13,00 R$ 8,00 R$ 8,00 R$ 29,00

Preço de Venda = R$ 65,00 / unidade


Custos Fixos
Aluguel da fabrica = R$ 50.000,00
Energia = R$ 60.000,00
MOI = R$ 30.000,00
Manutenção = R$ 5.000,00
Depreciação = R$ 5.000,00
Total = R$ 150.000,00

Pede-se:
a) Aproprie os custos variáveis as quantidades vendidas por período;
b) Faça a DRE, confrontando as vendas com os custos e despesas.

Contabilidade Gerencial 31
Resolução:
janeiro fevereiro março abril Total
(+)Vendas Líquidas =7000*65 =8000*65 =10000*65 =11000*65 =455000+520000+650000+715000
(-) CPV – custos variáveis =7000*24 =8000*28 =10000*25 =11000*29 =168000+224000+250000+319000
(=) Margem de Contribuição - MC =455000-168000 =520000-224000 =650000-250000 =715000-319000 =2340000-961000
(-) Custos Fixos - CF =150000 =150000 =150000 =150000 =150000*4

(=) Lucro Líquido =287000-150000 =296000-150000 =400000-150000 =396000-150000 =1379000-600000

jan/06 fev/06 mar/06 abr/06 Total


(+)Vendas Líquidas 455.000 520.000 650.000 715.000 2.340.000
(-) CPV - custos variáveis 168.000 224.000 250.000 319.000 961.000
(=) Margem de Contribuição – MC 287.000 296.000 400.000 396.000 1.379.000
(-) Custos Fixos – CF 150.000 150.000 150.000 150.000 600.000
(=) Lucro Líquido 137.000 146.000 250.000 246.000 779.000

Para Crepaldi (2004), o sistema de custeio variável ou direto é útil para a tomada de
decisões administrativas ligadas a fixação de preços, decisão do compra ou fabricação,
determinação do mix de produtos, e ainda, para possibilitar a determinação imediata do
comportamento dos lucros em face das oscilações de vendas.

Gráfico do Sistema de Custeio Variável

Custeio Variável
Empresa Industrial

CUSTOS

Despesas Custos Variáveis Custos Fixos

Estoque de
produtos

Demonstração de Resultados

Receita Líquida
Venda CPV
Lucro Bruto
Despesas Operacionais
Lucro Líquido

Contabilidade Gerencial 32
Fonte: Martins (2003) modificado pelo Autor

Exercícios:

a) Conceitue Custeio Variável.

De acordo com os dados abaixo, calcule usando o critério do Custeio Variável.

Estoques
Meses / ano produção Vendas Final
jan/06 20.000 17.000 3.000
fev/06 5.000 4.000 4.000
mar/06 15.000 9.000 10.000
abr/06 3.000 13.000 0

Custos variáveis por mês:


Custo Unitário por mês
Mês / ano Material Direto MOD Embalagens TOTAL
jan/06 R$ 11,00 R$ 7,00 R$ 2,00 R$ 20,00
fev/06 R$ 12,00 R$ 8,00 R$ 1,00 R$ 21,00
mar/06 R$ 13,00 R$ 7,00 R$ 2,00 R$ 22,00
abr/06 R$ 13,00 R$ 6,00 R$ 4,00 R$ 23,00

Preço de Venda = R$ 70,00 / unidade

Custos Fixos
Aluguel da fabrica = R$ 30.000,00
Energia = R$ 40.000,00
MOI = R$ 20.000,00
Manutenção = R$ 10.000,00
Depreciação = R$ 10.000,00
Total = R$ 110.000,00

Pede-se:
a) Aproprie os custos variáveis as quantidades vendidas por período;
b) Faça a DRE, confrontando as vendas com os custos e despesas.

ABORDAGEM DO CUSTEIO ABC OU CUSTEAMENTO POR ATIVIDADES

O custeio ABC ( Activity-Based Costing ), ou Custeio Baseado em Atividades, é um


método que procura minimizar as distorções acarretadas pelos critérios de rateio dos custos

Contabilidade Gerencial 33
indiretos. Assim sendo, o custeio ABC, se torna uma poderosa ferramenta a ser utilizada
nas estratégias da gestão de custos.

Custeamento Baseado em Atividades – método de aplicar os CIF aos produtos que


consideram atividades não relacionadas ao volume que criam CIF, assim como as
atividades relacionadas ao volume. Atribui custos para o objeto de custos ao primeiramente
rastrear os custos para as atividades e depois rastrear os custos para os objetos de custos.
Método de custeio voltado para as atividades como objetos fundamentais de custos.
Emprega o custo dessas atividades como base de apropriação de custos a outros objetos de
custos, como produtos, serviços e clientes. Sistema de custeio de produtos e serviços que
procura reduzir sensivelmente as distorções provocadas pelo rateio arbitrário aos custos
indiretos (Iudícibus, 2001).

O ABC é uma ferramenta de custeio mais voltada à gestão de negócios, uma vez que, a
partir do histórico de custos ou orçamento de determinado período, proporciona uma visão
diferenciada do consumo de recursos das organizações (CFC, p.17, 1995).

Segundo Atkinson (2000), evitam alocações arbitrárias e distorções subseqüentes nos


custos por atribuir primeiro os custos dos recursos às atividades que os utilizam. A seguir,
os custos das atividades são atribuídos aos produtos, serviços e clientes que criaram
demanda pelas atividades executadas ou foram por elas beneficiadas. Isso significa que os
custos das compras é atribuídos aos itens comprados; os custos de projetar produto são
atribuídos aos novos produtos projetados; e o custo do atendimento do cliente é atribuído a
cada um deles.

Vantagens do Sistema de Custeio ABC

O CFC enumera os benefícios que a utilização do ABC pode trazer para a organização:

1. Identifica as reais fontes geradoras de custos em função dos geradores de custos,


podendo, desta forma, identificar exatamente quais e onde os recursos vêm sendo
consumidos;
2. Identifica o grau de valor agregado que cada atividade atribui ao negocio;
3. Identifica o custo efetivo dos produtos e processos em função da eliminação das
distorções propiciadas pelos atuais sistemas de rateio, atribuindo aos objetos de
custeio os custos efetivamente incorridos;
4. Permite a gestão do portifólio de produtos, analisando a rentabilidade individual de
cada produto e sua contribuição para o negócio. É a base de remuneração, preços e
tarifas;
5. Incentiva a integração entre as áreas envolvidas nos processos e atividades,
maximizando os esforços para a resolução de problemas e aumento de qualidade;
6. Permite realizar benchmarking com outras empresas do mesmo setor, comparando
os custos unitários dos geradores de custos, permitindo uma análise comparativa
com as melhores práticas do mercado;

Contabilidade Gerencial 34
7. Permite estabelecimento de cost target (custo meta) para cada atividade,
possibilitando a gestão desses custos na fonte, eliminando arbitrariedade nos
processos de redução de custos;

Para Crepaldi (2004), no Sistema ABC, as atividades são o foco do processo de custeio. Os
custos são investigados, relacionando-se as atividades aos produtos, com base na demanda
por tais atividades pelo produto durante o processo de produção. Portanto, as bases de
alocação usadas no custeio baseado na atividade são medições das atividades executadas
que podem incluir horas do tempo de ajuste de máquina ou número de vezes em que isso
foi feito.

Ainda segundo Crepaldi (2004), é o método que mede o custo e o desempenho de processos
e produtos. Mais especificamente, que:

• Atribui custos às atividades combase no consumo de recursos;


• Atribui custos a produtos ou serviços com base no consumo de atividades;
• Reconhece os fatores que determinam (explicam) os custos das atividades, e o
consumo destas pelos produtos ou outras atividades.

CLIENTES
demandam
PRODUTOS
demandam
ATIVIDADES
demandam
RECURSOS
demandam
GASTOS
demandam
CUSTOS

Figura 2. Custeio ABC


Fonte: Crepaldi (2004)

Exercícios:

a) Conceitue Custeio por Atividades (ABC).


b) Cite algumas vantagens no uso do Custeio ABC.

Exercício 1

A empresa Enchuta produz dois produtos, A e B cujos preços de venda líquidos de tributos
são, em média, $ 80 e $ 95, respectivamente, e o volume de produção e de vendas é de
12.000 unidades do produto A e 4.490 unidades do produto B, por período.

Contabilidade Gerencial 35
Em determinado período, foram registrados os seguintes custos diretos por unidade (em $):

Produto A Produto B
Material Direto 20 27,95
Mão-de-obra Direta 10 5

Os custos indiretos de Produção (CIP) totalizam $ 500.000 no referido período.

Por meio de entrevistas, análise de dados na contabilidade etc., verificou-se que esses
custos indiretos referem-se às seguintes atividades mais relevantes:

Atividade $
Inspecionar material 60.000
Armazenar material 50.000
Controlar estoques 40.000
Processar produtos (máquinas) 150.000
Controlar processos (Engenharia) 200.000
Total 500.000

Uma análise de regressão e de correlação identificou os direcionadores de custos dessas e


de outras atividades, e sua distribuição entre os produtos, a saber:

Produto A Produto B
Número de lotes inspecionados e armazenados 3 7
Numero de horas-máquina de processamento de produtos 4.000 6.000
Dedicação do tempo dos engenheiros 25% 75%
Pede-se para calcular:

a) O valor dos Custos Indiretos de Produção (CIP) de cada produto, utilizando o


custos de MOD como base de rateio;
b) Idem, rateando com base no custo de material direto;
c) Idem, pelo Custeio Baseado em Atividades (ABC); e
d) O valor e o percentual de lucro bruto de cada produto, segundo cada uma das
três abordagens.

Exercício 2

A empresa Pharma, produtora de laticínios da cidade de Parma, dedica-se à produção de


dois produtos: Requeijão Cremoso (unidades) e Queijo Parmesão (unidades).

Em determinado período, foram registrados os seguintes custos diretos por unidade (em $):

Requeijão Queijo
Matéria-prima 12 18

Contabilidade Gerencial 36
Mão-de-obra 6 3

Os Custos Indiretos de Fabricação (CIF) totalizaram $ 54.000,00 no referido período. Por


meio de entrevistas, análises de dados na contabilidade etc., verificou-se que esses custos
referiam-se às seguintes atividades mais relevantes:

Atividade $
Inspecionar matéria-prima 8.000
Armazenar matéria-prima 6.000
Controlar estoques 5.000
Processar produtos (máquinas) 15.000
Controlar processos (Engenharia) 20.000
Total 54.000

Uma análise de regressão e de correlação identificou os direcionadores de custos dessas e


de outras atividades e sua distribuição entre os produtos, a saber:
Requeijão Queijo
Número de lotes inspecionados e armazenados 15 60
Numero de pedidos de entrega de produtos aos clientes 120 140
Número de horas-máquina de processamento de produtos 4.000 6.000
Numero de horas de transporte 210 295
Dedicação do tempo dos engenheiros (em horas) 50 150

Os dados relativos à produção e vendas do período são:


Requeijão Queijo
Quantidade produzida e vendida 6.000 3.000
Preço médio de venda unitário (liquido) $ 30 $ 41

Pede-se:

a) O valor dos Custos Indiretos de Fabricação (CIF) de cada produto, utilizando o


custo de mão-de-obra direta como base de rateio;
b) Idem, rateando com base no custo de matéria-prima;
c) Idem, pelo Custeio Baseado em Atividades (ABC);
d) O valor e o percentual de lucro bruto de cada produto, em relação à receita,
segundo cada uma das três abordagens.

Exercício 3

A empresa de telecomunicações Telefonic dedica-se à prestação de dois serviços principais:

• Chamadas locais (A): Receita Liquida no período = $ 790.715,00;


• Chamadas em domicilio (B): Receita Líquida no período = $ 994.620,00.

Em determinado período foram constatados os seguintes custos diretos:

Contabilidade Gerencial 37
A B
Depreciação de veículos 0 80.000
Salários e encargos sociais do pessoal 200.000 120.000
Depreciação da planta básica 100.000 0
Material para reparos (fios de cobre, ferramentas etc.) 0 45.000
Energia elétrica 155.000 0

Os Custos Indiretos, comuns aos dois serviços, foram de $ 500.000 para o mesmo período.

Por meio de entrevistas, análises de dados na contabilidade etc., verificou-se que os custos
indiretos referiam-se às seguintes atividades:

Atividade $
Realizar manutenção preventiva de equipamentos 150.000
Realizar manutenção corretiva de equipamentos 180.000
Supervisionar serviços 70.000
Controlar a qualidade dos serviços 100.000
Total 500.000

Lista de Direcionadores de Custos (selecionar apenas os mais adequados às atividades):

A B
Numero de horas de manutenção preventiva 1.000 5.000
Numero de pedidos de manutenção corretiva 5 20
Tempo dedicado pelos Supervisores 25% 75%
Numero de defeitos detectados e corrigidos 10 40
Numero de pontos de inspeção de controle de qualidade 20 80
Quantidade de consertos realizados em domicílio 0 300
Quantidade de minutos de uso 30.000 0

Pede-se calcular:

a) O valor dos custos indiretos, por tipo de Serviço, segundo o rateio com base no
custo direto;
b) Idem, rateando com base no custo de mão-de-obra direta;
c) Idem, segundo o Custeio Baseado em Atividades (ABC);
d) \A margem bruta de lucro, em porcentagem da receita, por tipo de Serviço, segundo
cada uma das três abordagens.

ANÁLISE CUSTO/VOLUME/LUCRO

Uma das análises mais relevante nas estratégias da gestão no negócio é a de


custo/volume/lucro. Conhecendo-se o comportamento dos custos do produto, essa análise
permite estudar o efeito no lucro se ocorrer variação no volume de vendas? Ou qual o

Contabilidade Gerencial 38
volume de vendas será necessário para que o lucro do negócio seja $X?, ou que preço deve
ter o produto, dado que o volume de operação será de Y unidades e o lucro desejado deverá
ser de $Z?. As relações entre receita, despesas e lucro são estudadas a fim de responderem
perguntas similares as apresentas.

A análise CustoxVolumexLucro é uma ferramenta importante no planejamento de curto


prazo, porque explora o relacionamento existente entre as suas quatro principais variáveis –
custo, receita, volume de saídas e lucro (Figueiredo e Caggiano, 1997).

Segundo Hoji (2004), a análise da relação custo/volume/lucro tem a finalidade de calcular o


ponto de equilíbrio (breakeven point), isto é, o ponto em que as receitas de vendas se
igualam com a soma dos custos e despesas e o lucro é nulo.

Para utilizar essa análise é importante que os custos da empresa sejam divididos em fixos e
variáveis.

A análise de custo/volume/lucro evidencia a dois importantes conceitos: margem de


contribuição e ponto de equilíbrio.

Margem de Contribuição

Para Hoji (2004), Margem de Contribuição (MC) é o valor resultante das vendas (liquidas
de impostos) deduzidos dos CDVs.

Os gestores usam a análise da Margem de Contribuição como ferramenta de decisão


gerencial. Em suma, usam para tomar decisões estratégicas para a organização no mercado
em que atua. Assim sendo, a análise da Margem de Contribuição, pelo gestor, auxilia-o nas
seguintes informações:

1 Decidir se maximiza ou diminui a produção de certo produto em sua linha de produção;


2 Verifica possibilidades vindas da produção, de propagandas para melhorar suas vendas;
3 Toma decisões em relação às estratégias de minimizar custos;
4 Decidi sobre estratégias de preços;
5 Avalia o desempenho da produção e vendas dos produtos.

Em suma, com a analise da Margem de Contribuição, o gestor tem como visualizar


alternativas para melhorar a utilização da capacidade de produção da empresa; como
calcular o melhor preço de venda em relação a concorrência; como conseguir o mix de
produção.

Formulas:
A Margem de Contribuição Unitária (MCu) é dada pela formula:

Mcu = PV – (CVu + DVu)

Mcu = Margem de Contribuição Unitária

Contabilidade Gerencial 39
PV = Preço de Venda
CVu = Custo Variável Unitário
DVu = Despesa Variável Unitária

A Margem de Contribuição Total (MC) é dada pela formula:

MC = Rec – (CV + DV)

MC = Margem de Contribuição Total


Rec = Receita de Vendas
CV = Custo Variável
DV = Despesa Variável

Para Crepaldi (2004), Margem de Contribuição é um conceito de extrema importância para


o custeio variável e para a tomada de decisões gerenciais. Em termos de produto, a
margem de contribuição é a diferença entre o preço de venda e a coma dos custos e
despesas variáveis.

Segundo Padoveze (2004), representa o lucro variável. É a diferença entre o preço de


venda unitário do produto e os custos e despesas variáveis por unidade de produto.
Significa que em cada unidade vendida a empresa lucrará determinado valor. Multiplicado
pelo total vendido, teremos a contribuição marginal total do produto para a empresa.

Para Martins (2003), margem de contribuição é a diferença entre o preço de venda e o


Custo Variável de cada produto; é o valor que cada unidade efetivamente traz à empresa de
sobra entre sua receita e o custo que de fato provocou e que lhe pode ser imputados sem
erro.

Segundo Hoji (2004), uma vez apurada a Margem de Contribuição Unitária (MCU), que é a
margem de contribuição relativa a uma unidade do produto, basta multiplica-la pela
quantidade total de vendas para se conhecer a Margem de Contribuição Total (MCT), pois
ela varia proporcionalmente ao volume produzido e vendido.

EXEMPLO:
( + ) Preço unitário de venda (liquido de impostos): $ 10,00
( - ) Custos variáveis unitários: $ 4,30
( - ) Despesas variáveis unitárias: $ 0,90
( = ) Margem de contribuição unitária (MCU) $ 4,80

Com base na estrutura de custos e despesas apresentadas os cálculos da Margem de


Contribuição Total (MCT) para 1.000, 5.000, 7.500 e 10.000 unidades seriam feitos como
segue:

Quadro 1 Cálculo de MCT para diferentes quantidades de vendas.

Contabilidade Gerencial 40
Quantidade de vendas 1.000 5.000 7.500 10.000
( + ) Vendas líquidas $ 10.000 $ 50.000 $ 75.000 $ 100.000
( - ) Custos variáveis $ 4.300 $ 21.500 $ 32.250 $ 43.000
( - ) Despesas variáveis $ 900 $ 4.500 $ 6.750 $ 9.000
( = ) MCT $ 4.800 $ 24.000 $ 36.000 $ 48.000

Em vez de calcular item por item,para obter a MCT, basta multiplicar a MCU pela
quantidade de vendas. Por exemplo:

1.000 unidades x $ 4,80 = $ 4.800,00


5.000 unidades x $ 4,80 = $ 24.000,00

EXERCICIOS RESPONDIDOS

1º Suponhamos que uma empresa trabalhe na produção do produto X com preço de venda
unitário de $ 10,00 e cujo os custos variáveis são de $ 4,00, e suas despesas variáveis são
de: $3,00. Qual sua Margem de Contribuição unitária?

Resolução:
MCu = PV – (CVu + DVu)
MCu = 10 – (4 + 3) = MCu = 10 – 7 = 3

2º Certa empresa trabalha no ramo na produção do produto B. Seu preço de venda unitário
é de $ 15,00, seus custos variáveis são $ 4,00 a matéria-prima e $ 2 a MOD, suas despesas
variáveis são $ 2,00 a unidade. Calcule sua Margem de Contribuição unitária.

Resolução:
MCu = PV – (CVu + DVu)
MCu = 15 – (6 + 2) = MCu = 15 – 8 = 7

3º Suponhamos um produto X, cujo preço de venda unitário seja $ 20,00 e seus custos
variáveis sejam $ 5,00 de matéria-prima e $ 3,00 de MOD. Além desses custos variáveis, a
empresa, por ocasião da venda, incorre em despesas com comissões s/ venda, em 20% do
preço de venda, e de imposto no valor de 30% do preço de venda. Calcule a Margem de
Contribuição unitária do produto.

Resolução:
MCu = PV – (CVu + DVu)

CVu = 8
DVu = comissões s/ vendas e impostos
Comissões s/ vendas = 2% do PV = 20%x20 = 4
Impostos = 3% do PV = 30%x20 = 6

Então,

Contabilidade Gerencial 41
MCu = PV – (CVu + DVu)
MCu = 20 – (8 + 10) = 20 – 18 = 2

4º Em relação a questão anterior, suponhamos que a empresa tenha produzido e vendido


1.000 unidades. Calcule a Margem de Contribuição Total do produto X.

MC = Rec – (CV + DV)

Rec = PV x Q = 20 x 1.000 = 20.000


CV = CVu x Q = 8 x 1.000 = 8.000
DV = DVu x Q = 10 x 1.000 = 10.000

MC = 20.000 – (8.000 + 10.000) = 20.000 – 18.000 = 2.000

Ponto de Equilíbrio

Podemos dizer que Ponto de Equilíbrio é o ponto em que o total da Margem de


Contribuição se equipara aos custos e despesas fixas do período. Em suma, o Ponto de
Equilíbrio faz o calculo do montante e mostrando assim a capacidade mínima em que a
empresa deve operar (produzir) para que no final do período, não tenha prejuízo, mesmo
que para isso, ocorra o valor ao custo de um lucro zero. Denominamos o Ponto de
Equilíbrio também com ponto de ruptura (break-even point). O ponto de equilíbrio
expressa o volume a ser comercializado a fim de que o Lucro seja 0 (zero), isso é, que os
custos e despesas totais sejam iguais a receita.

Segundo Sanvicente (1997), ponto de equilíbrio de uma empresa é aquele nível ou volume
de produção (ou atividade, em caso de empresa não-industrial) em que o resultado
operacional é nulo, ou seja, as receitas operacionais são exatamente iguais ao valor total das
despesas operacionais.

Para Figueiredo e Caggiano (1997), a análise do Ponto de Equilíbrio tem como finalidade o
cálculo desse ponto. Antes que sejam feitos quaisquer cálculos, é necessário que sejam
estabelecidas algumas premissas a respeito do comportamento dos custos e das receitas.
Assim assumimos que os padrões de custos e receitas foram criteriosamente determinados e
que possuem um comportamento linear, no intervalo do nível de atividade que esta sendo
analisado.

Segundo Martins (2003), o Ponto de Equilíbrio (também denominado Ponto de Ruptura –


Break-even Point) nasce da conjugação dos Custos e Despesas Totais com as Receitas
Totais.

Para Padoveze (2004), evidencia, em termos quantitativos, qual é o volume que a empresa
precisa produzir ou vender, para que consiga pagar todos os custos e despesas fixas, além
dos custos e despesas variáveis que ela tem necessariamente que incorrer para
fabricar/vender o produto. No ponto de equilíbrio, não há lucro ou prejuízo. A partir de
volumes adicionais de produção ou venda, a empresa passa a ter lucros.

Contabilidade Gerencial 42
Segundo Crepaldi (2004), Antes que seu negócio possa gerar lucro, devemos entender o
conceito de equilíbrio. Para alcançar o equilíbrio nas linhas de produção e/ou serviço do
departamento, deveremos calcular o volume de vendas necessário para cobrir os custos e
como usar essa informação. Devemos também entender como os custos reagem com
mudanças de volume............a expressão ponto de equilíbrio, tradução de break-even-point,
refere-se ao nível de venda em que não há lucro nem prejuízo, ou seja, onde os custos totais
são iguais às receitas totais.

Para Braga (1995), sob a ótica contábil, o ponto de equilíbrio corresponde a certo nível de
atividades onde o lucro será nulo. À medida que o volume de operações se deslocar acima
do ponto de equilíbrio surgirão lucros crescentes; abaixo desse ponto ocorrerão prejuízos
cada vez maiores. A análise distingue dois pontos de equilíbrio contábeis relacionados com
o lucro operacional e com o lucro liquido. Também é possível calcular um ponto de
equilíbrio econômico onde o lucro liquido corresponderia à remuneração esperada pelos
acionistas sobre o capital próprio.

Segundo Martins (2003), O Ponto de Equilíbrio não pode ser calculado como um todo para
empresas com diversos produtos, a não ser que eles tenham mesma MC por produto ou
mesma porcentagem de MC, sobre o preço de venda. O máximo que se pode fazer é
calcular o PE especifico de cada produto, quando há custos e despesas fixos identificados
com cada um. Mesmo assim, persiste o problema sem solução de um único PE para a
cobertura dos CDF comuns. Haverá sempre um número infinitamente grande de diferentes
hipóteses para esse PE global e final.

Para Hoji (2004), no Ponto de Equilíbrio (PE), a empresa está produzindo (e vendendo) a
quantidade de produtos suficiente para cobrir além dos CDVs, os CDFs, ou seja, os Custos
e Despesas Totais (CDTs). Acima do PE, a empresa obtém um lucro liquido de X valor
para cada unidade vendida.

EXEMPLO:
Sabendo-se que a MCU é $ 4,80, e CDF é $ 36.000, a quantidade de venda necessária para
cobrir todos os custos e despesas é calculada como segue:

PE = 36.000 = 7.500 unidades


4,80
A MCT é $ 36.000 (7.500 unidades x $ 4,80 = $ 36.000). Vamos verificar a veracidade
desse cálculo, passo a passo.

( + ) Receita liquida total (7.500 unidades x $ 10,00) $ 75.000


( - ) Custos variáveis totais (7.500 unidades x $ 4,30) $ 32.250
( - ) Despesas variáveis totais (7.500 unidades x $ 0,90) $ 6.750
( = ) Margem de contribuição total $ 36.000
( - ) Custos e despesas fixas totais $ 36.000
( = ) Lucro líquido $ 0

Contabilidade Gerencial 43
A empresa precisa vender 7.500 unidades do produto para ter o “lucro zero”. Portanto, uma
vez que os CDFs são cobertos pela MCT gerada pelas 7.500 unidades vendidas, cada
unidade vendida acima do ponto de equilíbrio gerará lucro de $ 4,80 (Figura 1.3).

Figura 3 Ponto de equilíbrio contábil.


Fonte: Hoji (2004)
Podem ser observados os seguintes aspectos na Figura 3:

a) os CDFs não se alteram com a variação do volume de atividade;


b) os CDTs são soma dos CDFs e CDVs, sendo que os CDVs acompanham
linearmente a variação do nível de atividade;
c) a diferença entre as RLTs e os CDTs representa o resultado econômico, sendo
prejuízo abaixo do PE, e lucro acima desse ponto;
d) no PE, o lucro é nulo;
e) pela inclinação das retas correspondentes a RLTs e CDTs, abaixo do PE as RLTs
não são suficientes para cobrir os CDTs, o que gera prejuízo;
f) acima do PE as RLTs superam os CDTs, gerando lucro.

O ponto de equilíbrio, conforme calculou-se, é chamado Ponto de Equilíbrio Contábil


(PEC). Pode-se calcular também o Ponto de Equilíbrio Econômico (PEE) e o Ponto de
Equilíbrio Financeiro (PEF).

O PEE é a quantidade de produção e venda em que a Receita total anula os Custos e


despesas totais acrescidos dos custos econômicos. Suponha-se que o custo econômico seja
de $ 15.000, além dos custos fixos de $ 36.000.

O PEE é calculado como segue:

Contabilidade Gerencial 44
PEE = 36.000 + 15.000 = 10.625 unidades
4,80

O PEF é a quantidade de produção e venda (venda a vista) que produz Receita total que
anula os Custos e despesas totais (também pagos a vista) deduzidos das depreciações e
amortizações. Suponha-se que as depreciações e amortizações sejam de $ 6.000 no período.

O PEF é calculado como segue:

PEF = 36.000 – 6.000 = 6.250 unidades


4,80

EXERCICIOS RESOLVIDOS

Exemplos:

1º Um produto em custo fixo de $ 50.000,00 suas despesas fixas foram de $ 10.000,00, sua
MCu foi de $10,00. Calcule seu Ponto de Equilíbrio em unidades.

Resolução:

PE = (CF + DF) = (50.000 + 10.000) = PE = 6.000 unidades


MCu 10

2º O preço de venda do produto X é de $ 20,00 a unidade, seus custos e despesas fixas


totalizam $ 20.000,00, seus custos e despesas variáveis são de $ 10,00 a unidade. Calcule o
Ponto de Equilíbrio em unidades e em valor.

Resolução:

PE = (CF + DF) = 20.000 = PE = 2.000 unidades


PV-(cv+dv)u 20-10

PE em valor = PV x Q = 20 x 2.000 = $ 40.000,00

3º Suponhamos que o preço de venda de um produto seja $ 30,00 a unidade, seus custos
variáveis unitários sejam de $ 17,00 e suas despesas variáveis unitárias sejam de 10% sobre
o PV. Sabendo que seus custos e despesas fixas são de $ 50.000,00. Calcule o Ponto de
Equilíbrio em unidades e em valor.

Resolução:

PE = (CF + DF) = 50.000 = PE = 5.000 unidades


PV-(cv+dv)u 30-20

Contabilidade Gerencial 45
PE em valor = PV x Q = 30 x 5.000 = $ 150.000,00

DVu = 10%xPV = 10%x30,00 = 3,00

4º Uma empresa estima seus custos e despesas fixas em $ 30.000,00 por período.
Determinar o Ponto de Equilíbrio da empresa, em valor, sabendo que a Margem de
Contribuição é de 40%.

Resolução:

PE = (CF+DF) = 30.000,00 = $ 75.000,00


%MC 40%

5º Uma empresa pretende vender e produzir no próximo ano 1.000 unidades de seu
produto. Os valores orçados são:

Total das receitas esperadas = $ 7.200,00


Total dos custos variáveis = $ 2.800,00
Total das despesas variáveis =$ 1.800,00
Total dos custos fixos = $10.000,00
Total das despesas fixas = $ 2.000,00

Pede-se:

a) calcular o preço médio unitário do produto;


b) calcular a margem de contribuição média do produto;
c) calcular a margem de contribuição percentual;
d) calcular o ponto de equilíbrio em quantidade e em valor.

Resolução:

a) Preço médio unitário = PV = Receitas = 7.200,00 = $ 7,2


Quantid 1.000,00

b) MC = Rec – (CV+DV) = 7.200,00 – (2.800,00 + 1.800,00) = 7.200,00 – 4.600,00 =


MC = $ 2.600,00, então Margem de Contribuição média = MC = 2.600,00 = $ 2,6
Q 1.000

c) MC percentual = Margem de Contribuição = 2.600,00 = 0,36 x 100 = 36%


Receita de Venda 7.200,00

d)

PE em quantidade = (CF+DF) = (10.000,00 + 2.000,00) = 12.000,00 = 4.615,38


MCu 2,6 2,6

Contabilidade Gerencial 46
PE em valor = (CF+DF) = (10.000,00 + 2.000,00) = 12.000,00 = $ 33.333,33
% MC 36% 36%

6º) A empresa Produtos Quimicos S.A, trabalha com produtos corrosivos. Na sua linha de
produção se destacam dois produtos: Produto A e Produto B. No mês corrente a empresa
obteve um total de custos e despesas fixas no valor de $ 50.000,00.

Seus custos e despesas variáveis foram:


Produto A Produto B
Material Direto 40.000,00 45.000,00
MOD 15.000,00 12.000,00
Embalagem 6.000,00 7.000,00
Comissões s/ vendas 5.000,00 6.000,00
Fretes s/ vendas 1.000,00 2.000,00

A empresa no mês corrente produziu e vendeu:

Produto A: 8.000,00 kg
Produto B: 10.000,00 kg

Seus preços de venda são:

Produto A: $ 13,00 / kg
Produto B: $ 15,00 / kg

Obs: seus custos e despesas fixas são rateadas de acordo com o total das receitas de
venda de cada produto.

Pede-se:
a) o lucro de cada produto;
b) a margem de contribuição total (MCT), de cada produto;
c) a margem de contribuição unitária (MCU) de cada produto;
d) o ponto de equilíbrio de cada produto;
e) se a empresa aumenta seus custos e despesas fixas em 20%, qual será seu novo
ponto de equilíbrio de cada produto;

Resolução:

a)
Produto A Produto B
percentuais rateio 41% 59% 100%
(+) Receita de Venda 104.000 150.000 254.000
(-) Custo Variável (61.000) (64.000)

Contabilidade Gerencial 47
(-) Despesa Variável (6.000) (8.000)
= Margem de Contribuição 37.000 78.000
(-) Custo e Despesa Fixa (20.472) (29.528) (50.000)
= Lucro Líquido 16.528 48.472

b) Margem de Contribuição Total (MCT)

Produto A Produto B
MCT = Rec – (CV + DV)total MCT = Rec – (CV + DV)total
MCT = 104.000 – (61.000 + 6.000) MCT = 150.000 – (64.000 + 8.000)
MCT = 104.000 – 67.000 MCT = 150.000 – 72.000
MCT = $ 37.000 produto A MCT = $ 78.000 produto B

c) Margem de Contribuição unitária (MCu)

Produto A Produto B
MCu = MCT = 37.000 = $ 4,63 MCu = MCT = 78.000 = $ 7,80
Q 8.000 Q 10.000

d) Ponto de Equilíbrio (PE)

Produto A Produto B
PE = CDF = 20.472 = 4.426,47 PE = CDF = 29.528 = 3.785,58
MCu 4,63 MCu 7,80

e) Ponto de Equilíbrio (PE) + 20%

Produto A Produto B
PE = CDF + 20% = 20.472 + 20% = $ 5.311,65 PE = CDF + 20% = 29.528 + 20% = $ 4.542,77
MCu 4,63 MCu 7,80

Exercícios:

Exercício 1

A Empresa Renzen fabrica dicionários digitais de bolso. Os custos variáveis são de $ 30 por
dicionário, o preço é de $ 45, e os custos e despesas fixos são de $ 90.000.

Pede-se:

a) Qual a margem de contribuição para um dicionário?


b) Quantos dicionários a Renzen precisa vender para atingir o ponto de equilíbrio?

Contabilidade Gerencial 48
c) Se a empresa Renzen vender 6.300 dicionários, qual será o resultado operacional?

Exercício 2

Uma empresa tem a seguinte estrutura de receita, custos e despesas:

Receita liquida total: $ 1.000.000,00


Quantidade de vendas: 200.000 unidades
Custos variáveis: $ 500.000,00
Custos fixos: $ 220.000,00
Despesas variáveis: $ 200.000,00
Despesas fixas: $ 150.000,00
Lucro (prejuízo) liquido: ($ 70.000,00)

Calcule a quantidade de vendas necessária para atingir o ponto de equilíbrio.

Exercício 3

Com a mesma estrutura de custos e despesas do exercício anterior, a empresa planeja obter
lucro liquido de $ 120.000,00. Quantas unidades do produto ela precisaria vender para
atingir seu objetivo?

Exercício 4

A empresa Camomila produz apenas dois produtos (A e B) cujos preços de venda –


líquidos dos tributos – são $ 120 e $ 80, respectivamente; sobre esses preços ela paga
comissões de 5% aos vendedores. Os custos e despesas fixos totalizam $ 4.000 por mês, e
são rateados à base de horas de MOD (2,5 h/un. para o produto botas e 2 h/un. para
sapatos).

Os custos variáveis são os seguintes:

A B
Matéria-prima 4 kg/un. 2 kg/un.
$ 4/kg $ 4/kg
MOD 2,5 h/un. 2 h/un.
$ 20/h $ 20/h

Segundo o Diretor de Marketing, o mercado consome, no máximo, 100 unidades de cada


produto da empresa por período.

Pede-se:

a) O valor do resultado de cada produto pela óptica da Margem de Contribuição,


considerando a demanda máxima;
b) O valor do resultado operacional máximo da empresa por período;

Contabilidade Gerencial 49
c) O Ponto de Equilíbrio de cada produto ao mês;

Exercício 5

A indústria de calçados Corezzo fabrica dois produtos: botas e sapatos. Para atender
ao mercado, a empresa produz, normalmente, 5.000 unidades do primeiro e 4.000 unidades
do segundo, por mês:

Os preços de venda são aproximadamente os das empresas concorrentes ($ 100/un. E $


80/un., respectivamente).

Sua estrutura de custos variáveis é a seguinte:


Botas Sapatos
Material direto $ 40/un. $ 30/um.
Mão-de-obra direta $ 5,5/h $ 5,5/h
Demais custos variáveis $ 21,5/un. $ 21,5/un.

Os custos e despesas fixos totalizam $ 33.000 por mês, e são rateados à base de horas de
MOD (2,1 h/un. para o produto botas e 1,5 h/un. para sapatos).

Pede-se calcular:

a) A Margem de Contribuição unitária (MC/un.) de cada produto;


b) A Margem de Contribuição Total (MCT) de cada produto;
c) O Ponto de Equilíbrio de cada produto ao mês.
d) O valor do lucro bruto unitário (LB/un.) de cada produto;

Exercício 6

O lucro projetado da Empresa Cutlass para o ano vindouro é o seguinte:

Total Por Unidade


Vendas $ 200.000,00 $ 20,00
Menos: Despesas variáveis 120.000,00 12,00
Margem de contribuição $ 80.000,00 $ 8,00
Menos: Despesas fixas 64.000,00
Resultado operacional $ 16.000,00

Pede-se:

a) Compute o ponto de equilíbrio em unidades;


b) Quantas unidades devem ser vendidas para se obter um lucro de $ 30.000,00?
c) Compute o percentual de margem de contribuição em relação as vendas. Usando
esse percentual, compute o lucro adicional que a Curtlass teria ganhado se as vendas
fossem $ 25.000,00 a mais do que o esperado;

Contabilidade Gerencial 50
d) Suponha que a Curtlass queira obter um resultado operacional igual a 20% da
receita de vendas. Quantas unidades devem ser vendidas para esses objetivos serem
realizados? Prepare uma demonstração de resultado para evidenciar sua resposta;

Exercício 7

A empresa PI Ltda, trabalha com produtos quimicos. Na sua linha de produção se destacam
dois produtos: Produto A e Produto B. No mês corrente a empresa obteve um total de
custos e despesas fixas no valor de $ 60.000,00.

Seus custos e despesas variáveis foram:


Produto A Produto B
Material Direto 30.000,00 35.000,00
MOD 10.000,00 9.000,00
Embalagem 7.000,00 8.000,00
Comissões s/ vendas 4.000,00 5.000,00
Fretes s/ vendas 1.000,00 2.000,00

A empresa no mês corrente produziu e vendeu:


Produto A: 9.000,00 kg
Produto B: 11.000,00 kg

Seus preços de venda são:


Produto A: $ 14,00 / kg
Produto B: $ 16,00 / kg

Obs: seus custos e despesas fixas são rateadas de acordo com o total das receitas de
venda de cada produto.

Pede-se:
a) o lucro de cada produto;
b) a margem de contribuição total (MCT), de cada produto;
c) a margem de contribuição unitária (MCU) de cada produto;
d) o ponto de equilíbrio de cada produto;
e) se a empresa aumenta seus custos e despesas fixas em 20%, qual será seu novo
ponto de equilíbrio de cada produto;

Exercício 8

A Demonstração de Resultado da Cia. SP Ltda., do último ano é mostrada abaixo. Espera-


se que o relacionamento dos Custos e das Receitas de Vendas, para o próximo ano, siga os
mesmos padrões do ano anterior.

Contabilidade Gerencial 51
DRE
Vendas (2.000.000 garrafas a $ 0,25) 500.000
Custo Variável (300.000)
Custos Fixos (100.000)
Custo Total (400.000)
Lucro 100.000

Pede-se:

a) Qual o Ponto de Equilíbrio das vendas? (Em Valor e Unidades.)


b) Está prevista uma ampliação na fábrica que adicionará um custo fixo de $ 50.000,00
e aumentará a capacidade produtiva em 60% (capacidade máxima). Quantas
unidades terão de ser produzidas até que seja alcançado o Ponto de Equilíbrio?
c) O Diretor da Companhia acha que se deve ganhar pelo menos $ 10.000,00 no novo
investimento. Qual o volume de vendas necessário para possibilitar à companhia
manter o lucro atual e ganhar o mínimo exigido para o novo investimento?
d) Se a fábrica operasse em sua capacidade total, depois da ampliação, qual o lucro que
seria possível ganhar?

Estudo de Caso 1

Uma empresa produz e vende, normalmente, cerca de 30.000 unidades de seus produtos por
mês. Os artigos são classificado como de luxo e destinados a populações de alta renda; a
matéria-prima principal (lã) é importada, e a mão-de-obra direta é qualificada.

Tabela 1 Preços médios praticados pela empresa e demanda máxima do mercado

Produtos Preço de venda bruto Demanda


(por un.) (em unidades / mês)
Cobertores de casal $ 150 15.000
Cobertores de solteiro $ 125 10.000
Mantas de casal $ 130 8.000
Mantas de solteiro $ 100 5.000

Tabela 2 Padrões físicos de Mão-de-oba direta (MOD) e de Matéria-Prima (MP) por


unidade de produto.

Produtos Quantidade de lã Tempo de MOD


Cobertores de casal 2,6 kg 2,5 h
Cobertores de solteiro 1,5 kg 1,5 h
Mantas de casal 2,5 kg 1,8 h
Mantas de solteiro 1,2 kg 1,0 h

Tabela 3 Estrutura básica-padrão de custos e despesas.

Matéria-prima $ 20 por kg de lã

Contabilidade Gerencial 52
Mão-de-obra direta (MOD): salário dos operários $ 6 por hora
Comissões sobre a receita liquida 10%
Despesas administrativas gerais da empresa (fixas) $ 100.000 por mês
Despesas comerciais e de marketing (fixas) $ 75.000 por mês
Custos fixos $ 615.000 por mês

Outros dados:

• Sobre a receita bruta incidem 25% de tributos;


• O ônus de encargos sociais sobre a MOD é de 100%;
• Os custos e despesas fixas serão rateados à base de horas de MOD.

Pede-se:

a) Pela produção e venda totais:


a. O resultado máximo da empresa por produto;
b. O Ponto de Equilíbrio de cada produto;
b) Pela produção e venda normais:
a. O resultado normal da empresa;
b. O Ponto de Equilíbrio de cada produto;

Estudo de Caso 2

Uma empresa produz e vende, normalmente, cerca de 4.000 unidades de seus produtos por
mês. As informações mais relevantes sobre as atividades da organização são apresentadas
nas tabelas a seguir:

Tabela 1 Preços e volumes normais de produção e vendas.

Produtos Preço de venda bruto Volume


(por un.) (em unidades / mês)
Fogões $ 300 1.500
Fornos de Microondas $ 400 1.250
Lavadoras de Roupa $ 800 750
Refrigeradores $ 1.200 500

Tabela 2 Padrões físicos de matéria-prima (MP) e de Mão-de-obra direta (MOD) por


unidade de produto.

Produtos Quantidade de MP Tempo de MOD


Fogões 4,5 kg 6h
Fornos de Microondas 2,5 kg 5h
Lavadoras de Roupa 12,5 kg 12 h
Refrigeradores 10,5 kg 20 h

Contabilidade Gerencial 53
Tabela 3 Estrutura básica-padrão de custos e despesas.

Matéria-prima $ 25 por kg de MP
Mão-de-obra direta (MOD): salário dos operários $ 8 por hora
Despesas administrativas gerais da empresa (fixas) $ 20.000 por mês
Despesas comerciais e de marketing (fixas) $ 10.000 por mês
Custos Fixos Comuns a todos os produtos $ 45.000 por mês
Custos Fixos Diretos dos produtos:
Fogões $ 20.000 por mês
Forno de Microondas $ 170.000 por mês
Lavadoras de Roupa $ 70.000 por mês
Refrigeradores $ 160.000 por mês

Outros dados:

• Sobre a receita bruta incidem 15% de tributos;


• Sobre a receita liquida incidem 10% de comissões;
• O ônus de encargos sociais sobre a MOD é de 100%;
• Os custos e despesas fixos são rateados pelo tempo de MOD de cada produto.

Com base nas informações apresentadas, pede-se calcular:

a) A margem de contribuição de cada produto;


b) O Ponto de Equilíbrio de cada produto;
c) O resultado mensal global da empresa;

REFERÊNCIAIS

ASSEF, Roberto. Guia Prático de Formação de Preços: aspectos mercadológicos,


tributários e financeiros para pequenas e médias empresas. Rio de Janeiro: Campus, 2003.
ATKINSON, Anthony A.; BANKER, Rajid D.; KAPLAN, Robert, S.; YOUNG, S. Mark.
Contabilidade Gerencial. São Paulo: Atlas, 2000.
BERNARDI, Luiz Antonio. Manual de Formação de Preços: políticas, estratégias e
fundamentos. São Paulo: Atlas, 2004.
BRAGA, Roberto. Fundamentos e Técnicas de Administração Financeira. São Paulo:
Atlas, 1995.
BRUNI, Adriano Leal; FAMÁ Rubens. Gestão de Custos e Formação de Preços. São
Paulo: Atlas, 2004.
Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo. Custos como ferramenta
gerencial – 8. São Paulo: Atlas, 1995.
CREPALDI, Silvio Aparecido. Contabilidade Gerencial: teoria e pratica, São Paulo: Atlas,
2004.
FIGUEIREDO, Sandra; CAGGIANO, Paulo César. Controladoria: teoria e pratica. São
Paulo: Atlas, 1997.

Contabilidade Gerencial 54
Fundação Getúlio Vargas. Preço e Gestão Estratégica de Custos. São Paulo: FGV
management.
HANSEN, Don R.; MOWEN Maryanne M. Gestão de custos: contabilidade e controle. São
Paulo: Pioneira Thomson, 2003.
HOJI, Masakazu. Administração Financeira: uma abordagem prática. São Paulo: Atlas,
2004.
IUDÍCIBUS, Sérgio de. Contabilidade Gerencial. São Paulo: Atlas, 2001.
IUDÍCIBUS, Sérgio de. Contabilidade Gerencial. São Paulo: Atlas, 1998.
LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane P. Sistema de Informação Gerenciais:
administrando a empresa digital. São Paulo: Prenhall, 2004.
MARTINS, Eliseu. Contabilidade de Custos. São Paulo: Atlas, 2003.
MARTINS, Eliseu. Contabilidade de Custos. São Paulo: Atlas, 2001.
MARTINS, Eliseu. Contabilidade de custos: livro de exercícios. São Paulo: Atlas, 2006.
MELO, Henrique. A evolução e o impacto da Contabilidade Gerencial como ferramenta de
gestão nas organizações. Net. Cobertura on-line. Disponível em:
http://www.phb.fap.com.br Acesso em: 07.jan.2008.
PADOVEZE, Clóvis Luís. Contabilidade Gerencial: um enfoque em sistema de informação
contábil. São Paulo: Atlas, 2004.
SANVICENTE, Antonio Zoratto. Administração Financeira. São Paulo: Atlas, 1997.
VICECONTI, Paulo Eduardo Vilchez; NEVES, Silvério das. Contabilidade de Custos: um
enfoque direto e objetivo. São Paulo: Frase, 2000.

Contabilidade Gerencial 55