Vous êtes sur la page 1sur 4

DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO

Conceito:

Direito Internacional Privado é, para Irineu Strenger;


“Um complexo de normas e princípios de regulação que, atuando nos diversos
ordenamentos legais ou convencionais, estabelece qual o direito aplicável para
resolver conflitos de leis ou sistemas, envolvendo relações jurídicas de natureza
privada ou pública, com referências, internacionais ou interlocais”.
O objeto do Direito Internacional Privado é o estudo e a solução dos
conflitos de leis no espaço. Havendo mais de uma norma a ser aplicada, irá
estabelecer critérios para verificar qual vai ser observada.

Fundamentos:

Os principais fundamentos do Direito Internacional Privado são: (a) a


multiplicidade do fator estrangeiro, em que se passa a verificar o elemento
estrangeiro, (b) o ordenamento jurídico autônomos. Em Roma, havia hegemonia
dos cidadãos romanos, não se reconhecia poder de outros grupos. Agora, passa-
se a observar as nações-estado, que são soberanas, (c) a benevolência em
relação ao estrangeiro.
Mussolini, entretanto, era nacionalista, deixando de haver desenvolvimento
do Direito Internacional Privado nesse período.

Elementos de Conexão:

No Brasil, utiliza-se a denominação elementos de conexão. Na Alemanha,


usa-se a expressão Anknüpfungspunkt, que tem o significado de vínculo ativo. Na
Itália, punto de collegamento, momenti di collegamento, critério di collegamento.
Na França, poit de rattachement ou circonstances. Na Espanha, circunstancia de
conexión ou puntos de conexión. Na Inglaterra, localizer. Em outros países de
língua inglesa, também são utilizadas as expressões: connecting factors ou points
of contact.
Haroldo Valladão menciona que os elementos de conexão “são as
diretrizes, as chaves, as cabeças-de=ponte para a solução dos conflitos de leis,
em linguagem atual são os mísseis que põem em órbita a regra de DIP”. Visam os
elementos de conexão à aplicabilidade da lei mais justa.
Define Giuseppe Barile elemento de conexão como a circunstância da
relação jurídica a qual a norma de direito internacional privado atribui relevância
na solução de conflito de leis.
Irineu Strenger esclarece que elemento de conexão é o “fator de
vinculação, de ligação a determinado sistema jurídico, porque através dele que
sabemos qual o direito aplicável. È o vinculo que relaciona um fato qualquer a
determinado sistema jurídico”. Em outra obra, o autor explica que “elementos de
conexão são expressões legais de conteúdo variável, de efeito indicativo, capazes
de permitir a determinação do direito que deve tutelar a relação jurídica em
questão”.
Os elementos de conexão serão a chave para a resolução do conflito de
leis no espaço. Indicarão o direito que será aplicável ao caso em tela.
Poderão os elementos de conexão variar de acordo com cada ordenamento
jurídico. Não há, muitas vezes, uma solução uniforme e universal para resolver o
conflito de leis no espaço.
A Lei de Introdução ao Código Civil (LICC) prevê, em alguns de seus
artigos, critérios para a solução dos conflitos de leis no espaço.
Em matéria de capacidade da pessoa física, há três sistemas: o da
territorialidade, o da nacionalidade e o do domicilio.
A territorialidade ou lex fori implica que a lei do Estado sobre capacidade é
a que será aplicada a todas as pessoas que se encontrem em seu território.
Pouco importa se são nacionais, estrangeiros, ou se as pessoas estão de
passagem pela localidade.
Na nacionalidade (lex patriae), verifica-se a pessoalidade, como em matéria
de divórcio. O Código Civil francês de 1804 determina a capacidade pela
nacionalidade. Em alguns países, a nacionalidade é elemento fundamental, pois a
mulher adquire sempre a nacionalidade do marido. O Brasil não adota, porém,
esse critério. A nacionalidade pode fundamentar-se no nascimento, na
naturalização ou no casamento. O nascimento pode dizer respeito ao sangue ou
ao solo. A nacionalidade do filho corresponderia à nacionalidade do país (ius
sanguinis). No segundo caso, a nacionalidade depende do local em que a pessoa
nasce (ius soli). O Brasil adota um critério misto, pois a letra a do inciso I do artigo
12 da Constituição consagra o critério do ius soli, ao fazer referência que os
nascidos no Brasil, ainda que de pais estrangeiro, terão nacionalidade brasileira, e
as alíneas b e c do inciso I do mesmo artigo tratam do ius sanguinis, ao preverem
que são brasileiros natos nascidos no estrangeiro, de pai brasileiro ou os nascidos
no estrangeiro, de pai brasileiro ou mãe brasileira, desde que venham a residir na
República Federativa do Brasil e optem, em qualquer tempo, pela nacionalidade
brasileira. O artigo 8º da LICC dispõe que a lei nacional da pessoa determina a
capacidade civil, os direitos de família, as relações pessoais dos cônjuges e o
regime dos bens no casamento, sendo lícito quanto a este a opção pela lei
brasileira.
A pessoa estabelece hábitos no local do domicilio. Assim, deve ser
observado a lei desse local. O artigo 7º da LICC menciona que lei do pais em que
for domiciliada a pessoa determina as regras sobre o começo e o fim da
personalidade, o nome, a capacidade e os direitos de família. O artigo 9º da
mesma norma esclarece que será aplicada subsidiariamente a lei do domícilio e,
na falta desta, a da residência: (a) quando a pessoa não tiver nacionalidade, (b)
quando se lhe atribuírem duas nacionalidades, por conflito, não resolvido, entre as
leis do país do nascimento a as do país de origem, caso em que prevalecerá, se
um deles for o Brasil, a lei brasileira.
Na lei do local do ato (lócus regit actum ou lex loci regit actum), vale a
norma do local em que foi praticado o ato. Para Wilson de Souza Campos Batalha,
a LICC consagrou a regra do lócus regit actum no § 1º do artigo 9º que
estabelece: “destinando-se a obrigação a ser executada no Brasil e dependendo
deforma essencial, será observada, admitidas as peculiaridades da lei estrangeira
quanto as requisitos extrínsecos do ato”. Admite Batalha que, caso a obrigação a
ser executada no Brasil dependa de forma especial, esta deverá ser observada,
admitidas as peculiaridades da lei estrangeira relativamente aos requisitos
extrínsecos do ato. O STF, julgando testamento ológrafo de uma pessoa, feito na
Itália, de acordo com a lei Italiana, que era nesse país domiciliada, entendeu que
deveria ser observada a lei Italiana. No direito internacional privado inglês, o
consentimento dos pais dos nubentes para a celebração do casamento está ligado
à lex loci actus.
A Lei do local da execução (lex loci executtionis) indica o local da obrigação
onde deve ser executada. Exemplo é a nossa lei cambial, que permite que as
operações cambiais sejam pagas no lugar designado. Não é possível cobrar a
dívida em moeda estrangeira, salvo nas hipóteses previstas em lei. A regra a ser
observada no contrato de trabalho é a lei do local da prestação de serviços (lex
loci laboris) ou da execução do contrato. O TST adota esta orientação no Em. 207:
“a relação jurídica trabalhista é regida pelas leis vigentes no país de representação
do serviço e não por aqueles do local da contratação”.
Pode também ser usada a lei do lugar da execução do pagamento (lex loci
solutionis).
Lex loci contractus é a lei do lugar do contrato ou lei onde foi celebrado ou
concluído o contrato (lex loci celebrationis). Devem, porém, ser observado como
limites a ordem pública internacional e a capacidade das partes. O artigo 9º da
LICC prevê que, para qualificar e reger as obrigações, aplicar-se-á a lei do país
em que se constituírem. O § 2º do mesmo artigo menciona que a obrigação
resultante do contrato reputa-se constituída no lugar em que residir o proponente.
Os bens são regidos pela lei do local em que estão situados. È o lugar da
situação da coisa (lex loci resi sitae). O artigo 8º da LICC reza que, para qualificar
os bens e regular as relações a eles concernentes, aplicar-se-á a lei do país em
que estiverem situados. Os direitos reais (sobre coisa) ou o direito de propriedade
terão como elemento de conexão o lugar da situação da coisa. Aplicar-se-á a lei
do país em que for domiciliado o proprietário, quanto aos bens móveis que ele
trouxer, ou se destinarem a transporte para outros lugares. O penhor regula-se
pela lei do domicilio que tiver a pessoa, em cuja posse se encontre a coisa
apenhada.
A autonomia da vontade pode indicar o critério a ser aplicado para a
solução do conflito, inclusive a lei respectiva para esse fim. É a lei escolhida pelas
partes (lex voluntatis). As leis obrigatórias, imperativas ou de ordem pública,
limitam, porém, o critério da autonomia, pois basta a norma dizer em contrario ao
que foi pactuado, para que haja a incidência da norma de ordem pública, que não
pode ser modificada pela vontade das partes. A atual Lei de Introdução ao Código
Civil já não trata da referida regra.
Muitas vezes, as partes inserem uma clausula no contrato, determinando
onde o conflito deve ser dirimido. É a aplicação da lei do foro (lex fori). Talvez seja
o mais antigo elemento de conexão, que era observado desde a Summa codicis.
O foro é o lugar em que se move a ação. Todos os atos processuais de
disciplinam pela lei do foro. O artigo 15 da LICC menciona que será executada no
Brasil a sentença proferida no estrangeiro, desde que entendidas certos requisitos.
Há necessidade, muitas vezes, de verificar se a vontade das pessoas não está
validade de tal determinação.
Na devolução ou reenvio, a norma estrangeira faz remissão a outra lei para
ser aplicada. O artigo 16 da LICC não admite a devolução: quando se houver de
aplicar a lei estrangeira, ter-se-á em vista a disposição desta, sem considerar-se
qualquer remissão por ela feita a outra lei.