Vous êtes sur la page 1sur 2

Programa Doutoral em História, Filosofia e Património da Ciência e da Tecnologia Seminário: Historiografia das Ciências Docente: Professora Doutora Ana Carneiro Discente: David Rodrigues dos Santos

1. Ficha de Leitura n.º 5:

F. R. Ankersmit, “Historiography and Postmodernism,” History and Theory, 28 (1989),

137-153

2. Objectivo

- Informar sobre as metodologias do pós-modernismo na historiografia;

3. Tema

- O pós-modernismo;

4. Tese do Artigo

- A substituição de métodos herdados do modernismo por novas soluções – pós- modernas;

5. Estratégias Metodológicas/Comentários

Uma das características da vida contemporânea está relacionada, segundo o autor, Frank Ankersmit, com o excesso de produção. Uma enorme quantidade de literatura histórica que parece infiltrar-se em todas as áreas e disciplinas, que transporta consigo a sensação

de desalento e pouco civilizadora. Como tal, uma das soluções apontadas neste artigo,

relaciona-se com a constituição de uma ligação com o passado baseada no reconhecimento honesto da posição que ocupamos no presente enquanto historiadores.

Aponta para o facto da historiografia necessitar de novas roupagens, de novas metodologias nas suas abordagens. Fala-nos da era informação enquanto um objecto que tem sido em conta como algo físico, que se move, que se espalha e se pode organizar e armazenar. Refere, simultaneamente, a forma como o Estado, enquanto entidade, controla e regula essa mesma informação e como essa informação nos pode afectar 1 .

O pós-modernismo, quiçá como todos os ismos da avant-garde, tem como ponto de

partida a contraposição do moderno e, neste caso em particular, do papel de destaque

que a ciência ocupa – o alfa e o ómega. A atenção dos pós-modernistas não se focará tanto nos resultados dessa investigação científica nem na forma como a sociedade assimila essa investigação. Focar-se-á, contudo, no funcionamento interno da ciência e

da informação cientifica per se.

Segundo Ankersmit, para os pós-modernistas quanto mais autoritária e poderosa uma interpretação for, mais escritos ela gerará no futuro, enquanto que para os modernistas, a informação mais importante é a o ponto de chegada dos escritos. Não se tratará do pós- modernismo ser um movimento anti-ciência, mas sim aciência. O objectivo dos pós- modernistas será desestabilizar as verdades absolutas dos cientistas e do modernismo e, segundo o próprio autor, a historiografia será o melhor exemplo de o demonstrar.

Esta

atitude,

este

movimento,

tem

como

ponto

de

partida

uma

visão

estética

compartilhada

pelos

mais

diversos

autores,

como

por

exemplo

Jacques

Derrida,

1 Sobre este tema ver J.F Lyotard, A Condição Pós-Moderna, Gradiva (2003), p. 17.

Friedrich Wilhelm Nietzsche, Hans Josef Gombrich e Artur C. Danto, e na comparação de que uma obra de arte não é uma reprodução mimética da realidade mas um substituto da realidade.

Assim, a linguagem e a arte não estão dispostas no lado oposto da realidade, mas numa pseudorealidade e, consequentemente, dentro da realidade. Um segundo ponto importante na abordagem do lado estético está relacionado o papel que o estilo deve

desempenhar, isto é, para os modernistas não teria qualquer papel de destaque, dado que

o estilo implica uma decisão sobre forma em vez do conteúdo. Por outro lado, os pós- modernistas reconhecerão a importância do carácter estético da natureza da historiografia através do estilo e da linguagem.

Estes autores reconhecem aquilo que a literatura compartilha com a historiografia, dado que a sua natureza deste ofício (apresentar o passado), depende da sua definição de linguagem. Neste seguimento, a historiografia possuiria o mesmo grau de opacidade e dimensão intencional que a arte (ao contrario da linguagem cientifica que tende a ser o mais clara e transparente quanto possível). Se para os modernistas uma prova é uma revelação daquilo que aconteceu no passado, seguindo uma linha de raciocínio desde as provas passadas até uma realidade histórica oculta nas fontes. Para os pós-modernistas, as provas representarão apenas possíveis interpretações do passado.

Outra ponte que Ankersmit apresenta, está relacionada com a ligação entre a historiografia e a psicanálise. Em ambos os casos lidamos com interpretações do sentido do mundo, onde a psicanálise representa um reportório de estratégias de interpretação dos traços. Enquanto o modernismo terá procurado, segundo o autor, a essência do passado o pós-modernismo procuraria focar-se na história das mentalidades. Nesta continuidade seremos alertados para estas novas tendências e não para uma quebra radical com práticas antigas (sendo esta passagem uma característica pós-modernista). Nesta nova visão o objectivo nunca será a integração, a síntese ou a totalidade, como vimos com outros autores, mas sim focar a atenção em porções da história, num movimento de abertura ao mundo.

Será, segundo o autor, a partir de Johann Goethe que se desenvolve um novo género de escrita desapegado da história intelectual, filosófica, epistemológica, ou social, e ligado, essencialmente, à interdisciplinaridade, abandonando qualquer contextualização exacerbada. Tratar-se-á da entrada da Bildung na historiografia, num movimento de aprendizagem com o passado, em vez de adequação. Desta forma, a historia deixará de ser uma reconstrução de acontecimentos passados, e mais um jogo contínuo de memórias.

«The time as come that we should think about the past, rather than investigate it» 2

Em suma, o autor reiterará que nada do afirmado durante este artigo tem como objectivo

que a procura da verdade histórica seja abandonada. Tentará edificar um discurso onde a dimensão metafórica e estética da historiografia se situa num campo mais vigoroso do que a dimensão literal tida até ao momento. O pós-modernismo não rejeita por completo

a historiografia científica, apenas chama a nossa atenção para novas abordagens e novos territórios que podem ser interpretados.

11 de Novembro de 2009

2 F. R. Ankersmit, “Historiography and Postmodernism,” History and Theory, 28 (1989), p. 152.