Vous êtes sur la page 1sur 6



mais autoridades. Ambos têm como finalidade o tratamento de


Redação de assuntos oficiais pelos órgãos da Administração Pública entre

Correspondências Oficiais si e, no caso do ofício, também com particulares.


Quanto a sua forma, aviso e ofício seguem integralmente
W Conceito o modelo do “padrão ofício”, com acréscimo do destinatário.
Pode-se observar mínima diferença de estrutura, sobretudo
Redação oficial é o meio pelo qual se procura estabelecer nos parágrafos do desenvolvimento, entre expedientes que
relações de serviço na administração pública. Para que tais apenas encaminhem documentos e outros que informem ou
relações obtenham efetividade, traçam normas de linguagem tratem substantivamente de determinado assunto.
e padronização no uso de fórmulas e estética para as comuni-
cações escritas. (Medeiros, João Bosco, Correspondência -S Técnicas de Forma e estrutura do aviso e ofício
Comunicação Criativa - pág. 248- Ed. Atlas - 13ª edição-2000)

W Modelos de Correspondência oficial Quanto a sua forma, aviso e ofício seguem o modelo
do padrão ofício, com acréscimo do vocativo, que invoca o
 AVISO E OFÍCIO destinatário, seguido de vírgula.
Exemplos:
Aviso e ofício são modalidades de comunicação oficial Excelentíssimo Senhor Presidente da República
praticamente idênticas. A única diferença entre eles é que o Senhora Ministra
aviso é expedido exclusivamente por Ministros de Estado, Se- Senhor Chefe de Gabinete
cretário-Geral da Presidência da República, Consultor-Geral da Devem constar do cabeçalho ou do rodapé do ofício as
República, Chefe do Estado-Maior das Forças Armadas, Chefe seguintes informações do remetente:
do Gabinete Militar da Presidência da República e pelos Secre- - nome do órgão ou setor;
tários da Presidência da República, para autoridades de mesma - endereço postal;
hierarquia, ao passo que o ofício é expedido para e pelas de- - telefone e endereço de correio eletrônico.

Exemplos de ofício e aviso

[Ministério] 3,5 cm
[Secretaria/Departamento/Setor/Entidade]
5 cm [Endereço para correspondência]. 6. Como Vossa Excelência pode verificar, o procedimento estabelecido
[Endereço - continuação] assegura que a decisão a ser baixada pelo Ministro de Estado da Justiça sobre os limites
[Telefone e Endereço de Correio Eletrônico] e a demarcação de terras indígenas seja informada de todos os elementos necessários,
inclusive daqueles assinalados em sua carta, com a necessária transparência e agilidade.
Ofício nº 524/1991/SG-PR
Brasília, 27 de maio de 1991.
Atenciosamente,

[Nome]
A Sua Excelência o Senhor [cargo]
Deputado [Nome]
Câmara dos Deputados
70.160-900 – Brasília – DF

Assunto: Demarcação de terras indígenas

Senhor Deputado,
2,5 cm
1. Em complemento às observações transmitidas pelo telegrama nº 154,
de 24 de abril último, informo Vossa Excelência de que as medidas mencionadas em
3 cm sua carta no 6708, dirigida ao Senhor Presidente da República, estão amparadas pelo
procedimento administrativo de demarcação de terras indígenas instituído pelo Decreto
no 22, de 4 de fevereiro de 1991 (cópia anexa).
2. Em sua comunicação, Vossa Excelência ressalva a necessidade de que
– na definição e demarcação das terras indígenas – fossem levadas em consideração
as características sócio-econômicas regionais.
3. Nos termos do Decreto no 22, a demarcação de terras indígenas
deverá ser precedida de estudos e levantamentos técnicos que atendam ao disposto
no art. 231, § 1º, da Constituição Federal. Os estudos deverão incluir os aspectos
1,5 cm

etno-históricos, sociológicos, cartográficos e fundiários. O exame deste último aspecto


deverá ser feito conjuntamente com o órgão federal ou estadual competente.
4. Os órgãos públicos federais, estaduais e municipais deverão encamin-
har as informações que julgarem pertinentes sobre a área em estudo. É igualmente
assegurada a manifestação de entidades representativas da sociedade civil.
5. Os estudos técnicos elaborados pelo órgão federal de proteção ao índio
serão publicados juntamente com as informações recebidas dos órgãos públicos e
das entidades civis acima mencionadas.

Modelo de um ofício com duas páginas. (29,7 x 21,0 cm)




5 cm
5 cm

Aviso no 45/SCT-PR
Brasília, 27 de fevereiro de 1991. Mem. 118/DJ
Em 12 de abril de 1991

A Sua Excelência o Senhor


[Nome e cargo] Ao Sr. Chefe do Departamento de Administração

Assunto: Administração. Instalação de microcomputadores

Assunto: Seminário sobre uso de energia no setor público.


1. Nos termos do Plano Geral de informatização, solicito a Vossa
Senhor Ministro, Senhoria verificar a possibilidade de que sejam instalados três microcomputadores
2,5 cm neste Departamento.
3 cm Convido Vossa Excelência a participar da sessão de abertura do Primeiro
Seminário Regional sobre o Uso Eficiente de Energia no Setor Público, a ser realizado 2 Sem descer a maiores detalhes técnicos, acrescento, apenas, que o
em 5 de março próximo, às 9 horas, no auditório da Escola Nacional de Administração ideal seria que o equipamento fosse dotado de disco rígido e de monitor padrão

1,5 cm
EGA. Quanto a programas, haveria necessidade de dois tipos: um processador de

1,5 cm
Pública – ENAP, localizada no Setor de Áreas Isoladas Sul, nesta capital.
3 cm
textos, e outro gerenciador de banco de dados.
O Seminário mencionado inclui-se nas atividades do Programa
Nacional das Comissões Internas de Conservação de Energia em Órgão Públicos, 3. O treinamento de pessoal para operação dos micros poderia ficar a
instituído pelo Decreto nº 99.656, de 26 de outubro de 1990. cargo da Seção de Treinamento do Departamento de Modernização, cuja chefia já
manifestou seu acordo a respeito.
Atenciosamente,
4. Devo mencionar, por fim, que a informatização dos trabalhos
deste Departamento ensejará racional distribuição de tarefas entre os servidores e,
sobretudo, uma melhoria na qualidade dos serviços prestados.
[nome do signatário] Atenciosamente,
[cargo do signatário]

[nome do signatário]
[cargo do signatário]

Modelo de um aviso
Modelo de um memorando (29,7 x 21,0 cm)

 MEMORANDO
O memorando é uma modalidade de comunicação entre Exemplo:
unidades administrativas de um mesmo órgão, que podem
estar hierarquicamente em mesmo nível ou em nível diferente.
Trata-se, portanto, de uma forma de comunicação eminente-
mente interna a determinado órgão do Governo.
Pode ter caráter meramente administrativo, ou ser em-
pregado para a exposição de projetos, ideias, diretrizes, etc. a
serem adotados por determinado setor do serviço público.
Setores Correlatados
Forma e estrutura SG Administrativa
Quanto a sua forma, o memorando segue o modelo do Projeto nº 112/08. AMS/02
padrão ofício, com a diferença de que o seu destinatário deve
ser mencionado pelo cargo que ocupa.
Exemplos: Informamos-lhes que o projeto n. 112/08. AMS/02, que se encon-
trava em análise, foi aprovado e sua execução deverá ocorrer
Ao Sr. Chefe do Departamento de Administração
em 10 dias.
Ao Sr. Subchefe para Assuntos Jurídicos
Anibal Martins Durães
Setor de Gestão Administrativa
 Correio Eletrônico
Definição e finalidade  
O correio eletrônico (“e-mail”), por seu baixo custo e
celeridade, transformou-se na principal forma de comunicação
para transmissão de documentos.
 Requerimento
Forma e Estrutura
Requerimento é o pedido referente a matéria de expedien-
Um dos atrativos de comunicação por correio eletrônico te ou de ordem, feito por Deputado ou comissão ao Presidente
é sua flexibilidade. Assim, não interessa definir forma rígida da Assembleia Legislativa ou de comissão. Trata-se de uma
para sua estrutura. Entretanto, deve-se evitar o uso de lingua-
proposição sujeita ao processo legislativo, que não deve ser
gem incompatível com uma comunicação oficial.
confundida com o requerimento administrativo, relativo ao
 Sempre que disponível, deve-se utilizar recurso de con-
firmação de leitura. Caso não seja disponível, deve constar servidor e a suas atividades funcionais.
pedido de confirmação de recebimento.

Estrutura  Parecer
São elementos constitutivos do requerimento: Parecer é o pronunciamento fundamentado, de caráter
a) epígrafe ou título: consiste na palavra “requerimento”, opinativo, de autoria de comissão ou de relator designado em
seguida, quando for o caso, do número de ordem. Deve ser Plenário, sobre matéria sujeita a seu exame.
numerado somente o requerimento que solicitar informações A redação do parecer apresenta peculiaridades, confor-
a autoridades estaduais, inserção de documento ou pronuncia- me o turno de tramitação a que se refere e a comissão que o
mento não oficial nos anais da Casa ou providência a órgão elabora.
da administração pública; Estrutura
b) vocativo: indica a autoridade a quem é dirigido (Pre- O parecer escrito é composto de epígrafe (ou título),
sidente da Assembléia ou Presidente de comissão); relatório, fundamentação, conclusão e fecho.
c) texto: corresponde ao texto da solicitação, que se
Epígrafe
inicia com as palavras de praxe e a referência ao dispositivo
regimental em que se baseia. É usada para identificar a proposição.
Deve ser conciso, de preferência com apenas um parágra- Deve conter a palavra “parecer”, seguida da indicação
da fase de discussão, quando for o caso, e da espécie (com o
fo, exceto para solicitação adicional, referente a envio de cópia número, se houver) de proposição sobre a qual será emitido o
a autoridade ou anexação do requerimento à correspondência. parecer. Na linha imediatamente inferior, aparece o nome da
Não cabe nesta parte nenhuma justificação para o pedido; comissão incumbida de examinar a matéria, a não ser quando
d) fecho: compreende o local (Sala das Reuniões, Sala se tratar de parecer de Plenário.
das Comissões), a data de apresentação e o nome do autor da
MODELO DE PARECER
proposição;
e) justificação: parte constituída dos argumentos que PARECER N.° , DE 200...

demonstram a necessidade ou oportunidade da medida so- DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA, SOBRE O PRO-
licitada. JETO DE LEI N.° ..., DE 200...
O presente parecer tem por objeto o Projeto de Lei nº......, de 2003, de
Padronização autoria do ilustre Deputado.............., que objetiva....... .
A proposta em questão esteve em pauta nos dias correspondentes às......
A padronização do requerimento se faz da seguinte à.........Sessões Ordinárias (de......de......a ......de.......de 2003), nos termos do
item 3, parágrafo único do artigo 148 do Regimento Interno Consolidado
forma:
da Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo, período no qual não
• Epígrafe centralizada e grafada em caracteres maiús- recebeu emendas ou substitutivos.
culos, negritados. Em continuidade ao processo legislativo, uma vez decorrido o prazo regi-
• Vocativo Alinhado à esquerda, sem parágrafo, terminado mental, foi a proposição encaminhada a esta Comissão de Constituição e
em dois-pontos e separado do texto por cinco parágrafos em Justiça, para análise de seus aspectos constitucional, legal e jurídico, nos
termos do disposto pelo artigo 31, § 1º do já citado Regimento Interno.
branco. Constata-se que a medida é de natureza legislativa e de iniciativa con-
• Texto justificado, com parágrafo na primeira linha. corrente, em obediência aos ditames dos artigos 19, 21, inciso III, e
• Fecho local e data de apresentação justificados, com 24, “caput”, da Constituição Estadual, estando ainda de acordo com o
parágrafo. artigo 146, inciso III, do Regimento Interno, estando, desta forma, em
condições de ser aprovado no que diz respeito aos aspectos que cumpre
• Nome do autor centralizado. a esta Comissão analisar.
• Justificação justificada, com parágrafo na primeira linha. Assim sendo, não havendo óbices, manifestamo-nos favoravelmente à
Título negritado, com inicial maiúscula, terminado em dois- aprovação do Projeto de lei n.° ..., de ....
pontos e separado do texto por um espaço em branco. É o nosso parecer.
Sala das Comissões, em
MODELO DE REQUERIMENTO Relator

São Paulo, __ de __________ de _________  Ata


Excelentíssimo Senhor A ata é o documento que tem por finalidade o registro
___________________ (nome do Prefeito) escrito dos fatos transcorridos em uma reunião.
Digníssimo Prefeito do Município de São Paulo São dois os tipos de ata adotados na Casa: a minuciosa e
a sucinta. Cada reunião de Plenário é registrada em duas atas:
_______________(nome da requerente), CNJP nº ________________ a minuciosa, publicada no “Diário do Legislativo”, conhecida
situada ________________( endereço completo), CEP___________, como ata de imprensa; e a sucinta, lida, aprovada e assinada
telefone________, FAX ______________, e-mail _________________, na reunião seguinte.
vem por meio deste, solicitar a Vossa Excelência a concessão do Título Estrutura
de Utilidade Pública Municipal, por se tratar de entidade dedicada à
Formalmente, a ata inicia-se com os elementos essenciais à
_______________ (indicar a finalidade da entidade), para o que apresenta
identificação da reunião a que se refere, como o tipo e o número
a documentação anexa. de ordem da reunião, a data e o horário de realização; passa, em
Nestes Termos
seguida, à lista dos presentes e ao relato dos fatos transcorridos;
P. Deferimento finaliza com a convocação para a reunião seguinte.

______________________________ A descrição da reunião apresenta sempre a mesma sequên-


Assinatura do Presidente da Entidade cia de procedimentos, definida no Regimento Interno.

MODELO DE ATA ser conciso é empregar o mínimo de palavras para informar o
máximo. Não se deve de forma alguma entendê-la como eco-
ATA DE REUNIÃO DA DIRETORIA
nomia de pensamento, isto é, não se devem eliminar passagens
(razão social) substanciais do texto no afã de reduzi-lo em tamanho. Trata-
CNPJ nº (informar)
se exclusivamente de cortar palavras inúteis, redundâncias,
Em (dia) de (mês) de (ano), na sede da empresa (razão social), inscrita no passagens que nada acrescentem ao que já foi dito.
CNPJ sob o nº (informar) e com IE nº (informar), localizada à (informar
endereço), foi realizada a Reunião da Diretoria, que foi presidida pelo
A clareza deve ser a qualidade básica de todo texto ofi-
presidente (nome), (nacionalidade), (estado Civil), (profissão), inscrito no cial. Assim, clareza é a imediata compreensão do texto pelo
CPF sob o nº (informar) e no RG nº (informar), residente e domiciliado à leitor. A clareza depende estritamente das demais caracterís-
(informar endereço), que indicou como secretário o Sr. (nome), (naciona- ticas da redação oficial. Para ela concorrem:
lidade), (estado Civil), (profissão), inscrito no CPF sob o nº (informar) e 1. a impessoalidade, que evita a duplicidade de interpre-
no RG nº (informar), residente e domiciliado à (informar endereço).
tações que poderia decorrer de um tratamento personalista
W Características da Correspondência dado ao texto;
Oficial 2. o uso do padrão culto de linguagem, em princípio, de
entendimento geral e por definição avesso a vocábulos de
A redação oficial deve caracterizar-se pela impessoali- circulação restrita, como a gíria e o jargão;
dade, uso do padrão culto de linguagem, clareza, concisão, 3. a formalidade e a padronização, que possibilitam a
formalidade e uniformidade. Não se concebe que um ato imprescindível uniformidade dos textos;
normativo de qualquer natureza seja redigido de forma obs- 4. a concisão, que faz desaparecer do texto os excessos
cura, que dificulte ou impossibilite sua compreensão. Esses linguísticos que nada lhe acrescentam.
princípios - impessoalidade, clareza, uniformidade, conci- É pela correta observação dessas características que se
são e uso de linguagem formal - aplicam-se às comunicações redige com clareza. Contribuirá, ainda, a indispensável relei-
oficiais: elas devem sempre permitir uma única interpretação tura de todo texto redigido. A ocorrência, em textos oficiais, de
e ser estritamente impessoais e uniformes, o que exige o uso trechos obscuros e de erros gramaticais provém principalmente
de certo nível de linguagem. da falta da releitura que torna possível sua correção.
Nesse quadro, fica claro também que as comunicações
oficiais são necessariamente uniformes, pois há sempre um  Padrão culto
único comunicador (o Serviço Público) e o receptor dessas
comunicações ou é o próprio Serviço Público (no caso de Por seu caráter impessoal, por sua finalidade de infor-
expedientes dirigidos por um órgão a outro) - ou o conjunto mar com o máximo de clareza e concisão, os textos oficiais
dos cidadãos ou instituições tratados de forma homogênea requerem o uso do padrão culto da língua. Há consenso de
(o público). que o padrão culto é aquele em que se observam as regras
A redação oficial não é, portanto, necessariamente árida da gramática formal, e se emprega um vocabulário comum
e infensa à evolução da língua. É que sua finalidade básica ao conjunto dos usuários do idioma. É importante ressaltar
- comunicar com impessoalidade e máxima clareza - impõe que a obrigatoriedade do uso do padrão culto na redação
certos parâmetros ao uso que se faz da língua, de maneira oficial decorre do fato de que ele está acima das diferenças
diversa daquele da literatura, do texto jornalístico, da corres- lexicais, morfológicas ou sintáticas regionais, dos modismos
pondência particular, etc. vocabulares, das idiossincrasias linguísticas, permitindo, por
essa razão, que se atinja a pretendida compreensão por todos
os cidadãos.
 A impessoalidade
A finalidade da língua é comunicar e para que haja co-  Formalidade e padronização
municação, são necessários: As comunicações oficiais devem ser sempre formais,
1. ausência de impressões individuais de quem comunica; isto é, obedecem a certas regras de forma: além das já men-
2. impessoalidade de quem recebe a comunicação, com duas cionadas exigências de impessoalidade e uso do padrão culto
possibilidades: ela pode ser dirigida a um cidadão, sempre concebi- de linguagem, é imperativo, ainda, certa formalidade de tra-
do como público, ou a outro órgão público. Nos dois casos, temos tamento: além do correto emprego deste ou daquele pronome
um destinatário concebido de forma homogênea e impessoal; de tratamento para uma autoridade de certo nível, é mister que
3. caráter impessoal do próprio assunto tratado: se o haja polidez e civilidade no próprio enfoque dado ao assunto
universo temático das comunicações oficiais se restringe a do qual cuida a comunicação.
questões que dizem respeito ao interesse público, é natural
que não cabe qualquer tom particular ou pessoal. Referências Bibliográficas
Desta forma, não há lugar na redação oficial para im-
pressões pessoais, como as que, por exemplo, constam de Manual de Redação da Presidência da República. 2ª ed. 2002.
uma carta a um amigo, ou de um artigo assinado de jornal, ou Disponível em: http://www.planalto.gov.br/Ccivil_03/Manual/
mesmo de um texto literário. A redação oficial deve ser isenta ManualRedPR2aEd.PDF
da interferência da individualidade que a elabora. Manual de Redação Parlamentar. Assembleia Legislativa
A concisão, a clareza, a objetividade e a formalidade de de Minas Gerais. 2ª ed. Disponível em: http://www.almg.
que se valem para elaborar os expedientes oficiais contribuem, gov.br/index.asp?grupo=servicos&diretorio=publicacoes
ainda, para que seja alcançada a necessária impessoalidade.
&arq-uivo=manual_redacaoparlamentar
 A concisão e a clareza Instrução Normativa nº 4, de 6 de março de 1992. Disponível
A concisão é antes uma qualidade do que uma carac- em www.fiscosoftonline.com.br
terística do texto oficial. Concisão é a transmissão de um Medeiros, João Bosco. Correspondência: técnica de comu-
máximo de informações com um mínimo de palavras. Para nicação criativa. 13ª ed. Editora Atlas. 2000, pág. 248
que se redija com essa qualidade, é fundamental que se tenha,
além de conhecimento do assunto sobre o qual se escreve, o Nogueira, Júlio. A linguagem usual e a composição. 14ª
necessário tempo para revisar o texto depois de pronto. Assim, ed. São Paulo: Editora Freitas Bastos, 1982.

c) em seu corpo, os seus elementos estão posicionados
Exercícios incorretamente.
d) a instrução que nela aparece confunde o principal
01) (UFMG/Téc./2008) Assinale a alternativa em que não
objetivo exposto.
há característica obrigatória da correspondência oficial:
a) Concisão. 16
b) Impessoalidade. 05) (UFMG/Téc./2008) A alternativa em que há um exemplo
c) Informalidade. de Epígrafe é:
d) Padronização. a) LEI Nº 8.078, DE 11 DE SETEMBRO DE 1990.
b) Dispõe sobre a proteção do consumidor e dá outras
02) (UFMG/Téc./2008) Sobre a correspondência oficial, é providências.
incorreto afirmar que c) Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu
a) os pronomes de tratamento apresentam certas pe- sanciono a seguinte lei (...).
culiaridades quanto à concordância verbal, nominal d) O Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte
e pronominal. Embora se refiram à segunda pessoa
lei:
gramatical, levam a concordância para a terceira
pessoa.
b) quanto aos adjetivos referidos aos pronomes de trata- 06) (UFMG/Téc./2008) São elementos constituintes do
mento, o gênero gramatical deve coincidir com o sexo documento no padrão Ofício, exceto:
da pessoa a que se refere, e não com o substantivo que a) Destinatário e texto.
compõe a locução. b) Exortação e apelação.
c) incluídas as comunicações assinadas pelo Presidente
c) Nome da localidade e data.
da República, todas as demais comunicações oficiais
devem trazer o nome e o cargo da autoridade que as d) Tipo e número do expediente.
expede, abaixo do local de sua assinatura.
d) na escrita dos documentos do Padrão Ofício deve ser 07) (UFMG/Téc./2008) Assinale a alternativa incorreta.
obedecida a seguinte forma de apresentação: fonte do a) A correspondência oficial provém de instituições pú-
tipo Times New Roman de corpo 12 no texto em geral, blicas e abrange atos dos poderes legislativo, executivo
11 nas citações, e 10 nas notas de rodapé.
e judiciário.
14 b) Dependendo do tipo de correspondência oficial e da
03) (UFMG/Téc./2008) As pessoas autorizadas a emitir posição social do destinatário, as chamadas formas de
Portarias são tratamento são fixas.
a) servidores das Forças Armadas.
c) Na correspondência oficial, com as formas de tra-
b) os servidores restritos à esfera civil.
c) quaisquer funcionários do Serviço Público. tamento mais cerimoniosas, V. Sa., S. Exa., usa-se
d) todas as autoridades do Serviço Público. sempre o pronome possessivo na segunda pessoa.
d) Na redação de uma correspondência oficial, adquirem
proeminência clareza, concisão, correção, harmonia e
04) (UFMG/Téc./2008) Leia este texto:
polidez.
PORTARIA Nº 5, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2002. 17
08) (UFMG/Téc./2008) Em relação à Ata, é correto afirmar
Aprova o Regimento Interno do que ela
Conselho Nacional de Arquivos - a) contém, em sua conclusão, protestos de estima e con-
CONARQ. sideração ou agradecimentos aos membros de uma
reunião.
O CHEFE DA CASA CIVIL DA PRESIDÊNCIA DA b) pode ser assinada por todos os membros que partici-
REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. param da reunião, antes mesmo de ser lida e aprovada
9º do Decreto no 4.073, de 3 de janeiro de 2002, pelos presentes.
RESOLVE: c) possui uma forma fixa, que não admite abertura de
parágrafo, senão na primeira linha, e é assinada logo
Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento
após a última linha.
Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ.
d) relata os assuntos tratados numa reunião com o máxi-
mo de fidelidade, sem nomear as pessoas que nela se
Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua
manifestaram.
publicação.

PEDRO PEDREIRO 09) Quanto ao tratamento Vossa Excelência dado aos desti-
natários abaixo, marque a opção incorreta.
Em relação ao formato e estrutura desta Portaria, é cor- a) Presidente da República.
reto afirmar que b) Presidentes de Tribunais.
a) esse documento cumpre as normas que o definem e o c) Presidentes e Membros da Câmara dos Deputados e
constituem. do Senado Federal.
b) falta nela preâmbulo que a sintetize, de forma a facilitar d) Diretores de Empresas Estatais.
sua leitura.

“... vem, mui respeitosamente, requerer de V. ...... se digne c) Para o Reitor da Universidade Federal de Minas Gerais
conceder-lhe a inclusão ..........” utilizamos a forma de endereçamento Exmo. Sr.
d) Para o Juiz do Trabalho de Minas Gerais usamos a
10) O trecho acima, início de um requerimento, apresenta forma de endereçamento Ilmo. Sr.
expressões em desuso atualmente. Com relação à pa-
dronização de forma e adequação às normas gramaticais
18) (COSEAC/Agente/MDA/2009) O servidor público
vigentes, marque a opção correta.
Y estava com a incumbência de se comunicar com o
a) vem, muito respeitosamente, requerer a V. ........a
Chefe do Departamento de Administração para verificar
inclusão ...........
a possibilidade de instalar três microcomputadores no
b) vem requerer de V. ........se digne conceder a ele a
inclusão ........... seu Departamento. A modalidade de comunicação entre
c) requer a V. ............. a inclusão .......... unidades administrativas de um mesmo órgão para a
d) vem requerer a V. .............. que se digne conceder-lhe situação em tela é:
a inclusão ......... a) Exposição de motivos.
b) Mensagem.
11) Quanto ao emprego do pronome pessoal de tratamento, c) Memorando.
marque a opção incorreta. d) Aviso.
a) Vossa Senhoria trouxe os seus documentos?
b) Vossa Excelência recebeu todos os documentos neces- 19) (FEPESE/Agente/Pref. Palhoça/2009) Assinale a alter-
sários. nativa correta.
c) Vossa Majestade chegará atrasado ao encontro. a) O memorando é o documento em que alguém, sob res-
d) Vossa Eminência irá visitar a Sua Santidade? ponsabilidade, consigna um fato ou manifesta opinião
ou conceito.
12) Marque a opção que contém afirmativa incorreta. b) O memorando é a modalidade de comunicação entre
a) Correspondência oficial é a comunicação escrita entre unidades administrativas de um mesmo órgão, que
os órgãos do serviço público ou autárquico. podem estar hierarquicamente em mesmo nível ou em
b) A linguagem da correspondência oficial difere da níveis diferentes.
linguagem da correspondência empresarial. c) O correio eletrônico, pelo seu alto custo, ainda não se
c) O serviço público federal traça, para a redação dos pa- transformou na principal forma de comunicação para
péis oficiais, normas que são adotadas pelos serviços transmissão de documentos.
públicos dos Estados e dos Municípios. d) O memorando é o documento em que alguém, sob res-
d) A redação oficial deve manter longos fechos de corte- ponsabilidade, consigna um fato ou manifesta opinião
sia, em comunicações internas, para possibilitar clareza resultando num documento de comunicação externa.
e objetividade.
13) Com relação às partes do requerimento, marque a opção 20) (FEPESE/Agente/Pref. Palhoça/2009) Assinale a alter-
incorreta. nativa correta.
a) vocativo. c) endereço. a) Carta é a modalidade de comunicação entre unidades
b) texto. d) fecho e data. administrativas de um mesmo órgão, que podem estar
14) Assinale a afirmativa que contém alguma incorreção. hierarquicamente em mesmo nível ou em níveis dife-
a) Solicitamos a Vossa Excelência opinião sobre o assunto. rentes.
b) Aguardamos uma resposta de Vossa Senhoria. b) Ofício é o instrumento por meio do qual o cidadão
c) Exmo. Sr. Deputado, solicitamos-lhe seu compareci- dirige-se à autoridade administrativa para solicitar um
mento nesta Seção. direito ou a concessão de pedido, sob o amparo de lei
d) Maria Celeste Pereira requer a V. Sª. se digne conce- ou norma reguladora.
der-lhe Auxílio-doença nos termos do artigo 143 do c) Contrato é o documento em que alguém, sob respon-
Estatuto dos Funcionários Públicos Civis da União. sabilidade, consigna um fato ou manifesta opinião,
resultando num documento de comunicação externa.
15) “Na correspondência oficial é o resumo do assunto. Geral- d) Requerimento é o instrumento por meio do qual o
mente, omite-se no ofício. Na lei é obrigatório.” Quanto cidadão dirige-se à autoridade administrativa para
ao que se afirmou, marque o opção correta. solicitar um direito ou a concessão de pedido, sob o
a) Invocação. c) Identificação. amparo de lei ou norma reguladora.
b) Contexto. d) Ementa.

16) O tratamento Excelência só não se aplica a


a) Consultor-Geral da República.
Gabarito
b) Secretários da Presidência da República.
01) C 02) C 03) D 04) A 05) A
c) Auditores da Justiça Militar.
d) Auditores Fiscais do Tesouro Nacional. 06) B 07) C 08) C 09) D 10) C
11) D 12) D 13) C 14) D 15) D
17) Só está correta a afirmativa 16) D 17) A 18) C 19) B 20) D
a) Para o senhor Presidente da República utilizamos a
forma de endereçamento Excelentíssimo Senhor.
b) Para Secretários municipais usamos a forma de ende-
reçamento Excelentíssimo Senhor.
Estudo Real Edições - ER-5_0415_01_10