Vous êtes sur la page 1sur 7

Criar uma empresa

Montar uma empresa exige algum trabalho. Deve seguir vários passos até colocar em
prática aquela ideia brilhante que teve durante a noite. Saiba como.

Esquema dos empreendedores

Ideias

Já decidiu que quer ter o seu próprio negócio e sabe que tem condições para o fazer. Mas que tipo de empresa
será?
O primeiro passo a tomar é ter ideias de negócio e testá-las!
Se ainda não sabe o que quer realmente fazer, tenha em atenção estes factores:

Experiência Profissional
Se já foi um colaborador, encontrou certamente, nas suas actividades profissionais, alguns erros no
funcionamento da empresa. Como não dar resposta aos problemas ou prestar maus serviços aos clientes são
algumas das hipóteses. Aproveite essa experiência e todos os contactos profissionais para desenvolver melhor
o seu negócio.

Experiência de Consumidor
Como consumidor também tem oportunidade de verificar falhas nos serviços. Às vezes ficamos mesmo sem
resposta para as nossas necessidades. E que tal criar a sua empresa para dar esse serviço ou produto que
falta? Sabe que há mercado e conhece as limitações da concorrência. Tire, mais uma vez, proveito dos erros
dos outros.

Oportunidades
As novidades são muitas e é preciso conhecê-las porque diariamente surgem inúmeros produtos e serviços e
não é só no seu país. Consulte revistas de negócios nacionais e internacionais; visite feiras profissionais, estude
e viaje. No fundo, fique atento a tudo o que se passa e agarre a oportunidade!

Agora que já definiu a sua ideia de negócio, está na altura de saber se ela é viável ou não. Por exemplo, muitas
ideias são demasiado avançadas e os negócios têm sempre o seu timing certo. Teste a sua ideia.

Conheça outros negócios semelhantes


Faça uma pesquisa (nas páginas amarelas, na internet, nos jornais, nos directórios de empresas) para saber se
já existem e como funcionam as empresas parecidas com o seu potencial negócio. Deste modo, terá um
conhecimento da concorrência, das suas fraquezas e pontos fortes.

Siga os passos de quem sabe


Procure acompanhar as experiências de sucesso e de insucesso de outros empresários, através dos livros,
entrevistas ou depoimentos. É sempre vantajoso "ouvir" os conselhos de quem sabe e já percorreu o caminho
que inicia agora. Esteja atento às tendências do futuro e não perca de vista os principais líderes e gurus.

Esteja atento
Olhe à sua volta. As grandes empresas tem a possibilidade de elaborar pesquisas de mercado para conhecer as
necessidades do público alvo e para testar os seus produtos. Se não tem essas condições, opte por passear
pelas zonas comerciais e descobrir o que os consumidores querem e compram. Enquanto dá essas voltas,
esteja também atento ao design dos produtos, às formas de venda, técnicas de promoção e de marketing, etc.

Ouça os conselhos dos outros


Não faça da sua ideia um grande segredo. Antes pelo contrário, partilhe-a com a família, os colegas e os seus
amigos. Receba de bom grado todas as sugestões e críticas que forem feitas ao seu projecto. Deste modo,
pode evitar gastar tempo e dinheiro. E quem sabe se alguém não terá uma outra ideia luminosa e mais viável?

A sua ideia continua de pé? Então está na altura de explicitar e definir com o máximo rigor o seu negócio.
Comece a pensar numa análise de mercado.

Análise de Mercado

Definida a ideia, o aspirante a empresário já sabe exactamente aquilo que quer oferecer ao mercado. Chegou,
então, o momento de analisar o mercado, ou seja, saber se existe uma oportunidade real para o seu negócio.

Neste passo, necessita de conhecer e reflectir sobre os seguintes aspectos:

O produto ou serviço é único?

Qual o perfil dos potenciais clientes (níveis de rendimento, habilitações académicas, idade, localização
geográfica, etc)? É importante conhecer a dimensão do mercado alvo.

Quais os produtos e serviços dos concorrentes (analisar o campo competitivo, conhecendo os pontos forte e
fracos e saber que tipo de estratégia pode usar para criar obstáculos a esses concorrentes )?

O seu negócio tem potencial para crescer? E coloca possibilidades de uma internacionalização?
Desta análise de mercado, é possível chegar a três conclusões possíveis:

1. O mercado oferece procura para o seu produto ou serviço, apesar da concorrência existente;

2. Tem mercado, mas a pesquisa feita levou-o a reconsiderar o projecto e necessita de fazer algumas
alterações;

3. O mercado não oferece procura para o seu produto/serviço. Não desanime e procure tenha outra ideia, desta
vez mais brilhante!

Se chegou à primeira ou segunda conclusão, está no bom caminho, mas previna-se porque tem ainda muito
trabalho pela frente, como por exemplo, definir uma estratégia de marketing.

Agora a prioridade é determinar a forma como vai introduzir e vender o seu produto ou serviço no mercado
alvo.
Na estratégia de marketing, para além da divulgação e/ou comunicação, considere outros aspectos como:

nome e características do produto/serviço;

escolha dos canais de distribuição;

política de preços, etc.

Faça um orçamento e lembre-se de que este passo deve ser encarado como um investimento. Mas, assegure-
se de que o benefício obtido é superior ao investimento realizado.
Para uma boa estratégia de marketing não necessita de fazer um investimento elevado em publicidade. Há
outras estratégias que resultam, por vezes, melhor e são menos dispendiosas.

Agora, deve saber o que dizem as leis...

Legislação e fiscalidade

O projecto está quase finalizado, mas há um aspecto muito importante a ser considerado nesta fase: a
existência de barreiras legais ou não à ideia do seu negócio.
Faça uma análise para saber que tipo de enquadramento legal e fiscal tem a actividade da empresa, como pode
contornar os obstáculos e gerir da melhor forma o negócio.

Conheça as leis
Identifique toda a regulamentação (geral ou específica) que se relacione para o desenvolvimento do seu
negócio. Podem ser aspectos como:

obrigação de registo da sociedade em cartório;

licenças de exploração e/ou de exercício de actividade;

imposições ambientais, etc.

Registe a sua ideia


Antes de fazer qualquer tipo de registo, como registo legal de marcas, para o seu conceito de negócio, tenha a
certeza de que:

o conceito está disponível (ainda não houve nenhum registo);

consegue protegê-lo eficazmente;

o investimento compensa os custos de registo.

Conheça a fiscalidade
Faça um levantamento das questões fiscais e lembre-se que, à partida, tem duas responsabilidades
concorrentes:
obrigação perante o Estado em cumprir os seus compromissos fiscais;

obrigação perante os investidores em gerir da melhor forma possível as finanças da empresa. Talvez seja
melhor consultar um contabilista.

Saiba se existem benefícios fiscais ou outros incentivos para a sua empresa. Estes podem ajudar-lhe a realizar
a sua ideia.

Conheça os vários tipos de sociedade e o que implica a sua constituição para saber qual será a mais adequada
para o seu negócio.

Orçamento

Está por dentro da legislação e não vê nenhum impedimento à sua empresa. O projecto está quase definido. É
altura de fazer uma estimativa dos custos.

Atenção aos custos


Para efectuar um orçamento adequado, tenha em conta todos os custos. Tem de ter a certeza que consegue
assegurar o capital suficiente e necessário para cobrir as despesas e qualquer tipo de imprevistos que possam
surgir.
O sucesso da empresa está em fazer mais dinheiro do que aquele que investiu e, de preferência, a curto prazo.

Faça uma estimativa financeira para três ou quatro anos, considerando a evolução do mercado, os custos
inerentes à empresa e ao seu arranque. Uma estimativa para mais anos não é viável.
Se possível recorra a especialistas porque há certos conhecimentos que podem não estar ao seu alcance.

Alguns ajustamentos
Com essa estimativa poderá verificar as condições do seu negócio e fazer alguns ajustamentos. Tenha o
cuidado de evidenciar:

os resultados (relação entre os proveitos e custos ocorridos durante um período de tempo específico);

o balanço (evidencie as dívidas, os activos e capital - num determinado período de tempo);

os fluxos de tesouraria (o dinheiro que sai e entra na empresa).

Com uma projecção financeira rigorosa, o futuro empresário será capaz de saber que financiamento é
necessário para o sucesso da empresa e quanto tempo levará até que o negócio seja auto-sustentável.

Uma vez estabelecidos estes critérios com viabilidade, o empreendedor deve dar início à elaboração do seu
Plano de Negócio.

Plano de Negócios

Já tem os dados qualitativos e quantitativos para a sua nova empresa. O passo seguinte é a sua recolha e
organização para o papel, ou seja, elaborar em suporte escrito o Plano de Negócios.

No fundo, o Plano de Negócios é analisar a viabilidade do projecto da empresa, expondo resultados. É também
um óptimo instrumento de apresentação do negócio para o empreendedor que procura um financiamento
externo.

O Plano de Negócios deve ser curto, conciso e usar muitos gráficos e esquemas.

O Plano de Negócios deve conter a seguinte informação:

Análise do mercado
Neste ponto é importante fazer uma descrição do produto ou serviço prestado pela empresa e focar a análise
de mercado. Com os resultados obtidos, opte por apresentar dados estatísticos que funcionem como
indicadores para a viabilidade do seu negócio, de acordo com a actuação do mercado.
É importante:

conhecer o cliente (público alvo);

definir o âmbito geográfico de actuação da empresa;

identificar os concorrentes - enunciar os pontos fracos e vantagens em relação a eles;

estabelecer os fornecedores para dar resposta a todas as necessidades do negócio;

delinear a estratégia de marketing.

Plano de investimento
Se concluir que o seu negócio tem espaço e aceitação no mercado, deve calcular, agora, o investimento
necessário à sua concretização. É altura de explicitar que tipo de necessidades são importantes e prioritárias
para implementar a sua empresa para saber qual o investimento que terá de fazer.
Por exemplo:

Instalações - a escolha das instalações é muito importante porque elas serão a "cara" da empresa. Para além
do aspecto estético, preocupe-se com três questões práticas:

o valor do investimento

a funcionalidade

a localização

Equipamento - é mais um investimento sem o qual não pode passar. Pondere o custo e produtividade dos
equipamentos, assim como a duração e a forma de os disponibilizar (aquisição ou leasing).

Selecção e Recrutamento de pessoal - do trabalho da sua equipa depende o sucesso da empresa. Por isso,
aposte numa equipa competente, com a experiência necessária e com o perfil adequado. Além disso, deve
investir nos seus colaboradores e dar-lhes formação.

Consultoria e serviços de apoio - é um outro tipo de recrutamento de pessoal. Existem áreas relacionadas
com a sua empresa com as quais poderá não se sentir muito confortável. Sem problemas e para o bem da sua
empresa recorra a especialistas dessas áreas como consultores, advogados, contabilistas, etc.

Outras despesas - são despesas relacionadas com a própria constituição da empresa, com os estudos de
mercado elaborados, etc. São despesas, mas outra forma de investimento.

Depois de ter somado todas as despesas, pode saber qual será o capital a investir e se vale a pena ou não em
concretizá-lo. Se o investimento a realizar for extremamente elevado, o melhor será desistir da ideia da sua
empresa.
Caso contrário, prossiga o seu plano de negócios agora na fase do financiamento.

Plano de exploração
Nesta parte do Plano de Negócio, o empreendedor tem de analisar com rigor os proveitos e os custos. Ou seja,
saber como vai ser produzido o seu produto/serviço, quanto vai gastar e que rendimento irá obter.
O plano de exploração permite-lhe conhecer o processo produtivo e os custos que a ele estão relacionados.
Assim, terá de analisar a nível dos:

Proveitos (com as vendas do produto/serviço)

Custos (fixos e variáveis)

Fontes de financiamento
Para saber como vai financiar a sua empresa, informe-se primeiro sobre todos os meios de financiamento
existentes, desde créditos bancários, leasings, capital de risco, etc.
É importante que conheça cada uma das modalidades de financiamento para saber o cálculo da rentabilidade
do seu negócio, pois parte das receitas têm como destino remunerar os capitais alheios.
A elaboração de um plano de negócios bem estruturado e capaz de transmitir o potencial da empresa é um
passo para conseguir boas condições de financiamento do capital.

Plano de tesouraria
Se já definiu o modo de financiamento, necessita agora de calcular os fluxos financeiros que a sua empresa irá
ter. Este cálculo é fundamental porque os investidores dependem dos fluxos para obterem o investimento
realizado.
Neste mapa de tesouraria provisório tem de estabelecer o "ciclo de tesouraria" do negócio que depende de três
variáveis e que compõem o fluxo de tesouraria:

Prazo médio de recebimentos

Prazo médio de pagamentos

Stock médio

O "ciclo de tesouraria" será favorável se o prazo de recebimentos for curto, o prazo para os pagamentos for
alargado e o stock médio for em poucos dias.

Rentabilidade do projecto
Finalmente, poderá calcular a rentabilidade do seu negócio, utilizando um dos seguintes métodos:

TIR (Taxa Interna de Rentabilidade)


Se a taxa de rentabilidade do projecto for maior do que a TIR, então terá um VAL positivo e será aconselhável
avançar com o negócio;

VAL (Valor Actualizado Líquido)


Se o VAL for positivo, o empreendedor, está no caminho certo, pois já terá mais dinheiro no bolso do que antes
do nascimento da sua empresa; se for negativo deve ser rejeitado;

Pay-Back Period
Indica ao investidor o tempo necessário para ter de novo o investimento que fez.

Concluído o Plano de Negócios, fique contente e lembre-se que ele não evita riscos, mas ajuda a preveni-los e a
optar pelo caminho mais seguro, tendo sempre a possibilidade de fazer as correcções que forem necessárias.

Financiamento

Toda a pesquisa está feita e o planeamento também. Agora, com o Plano de Negócios na mão, só lhe falta
dinheiro para o concretizar e passar da teoria à prática.

De uma forma geral, existem três tipos de financiamento:

Capital próprio
É vantajoso recorrer ao seu próprio dinheiro porque, dificilmente, terá pressões de outros lados. Por outro, é
sempre um risco para o seu património pessoal e o capital pode revelar-se insuficiente.

Crédito Bancário
Possibilita-lhe o controlo sobre o seu negócio e tem a vantagem de poder alargar os fundos disponíveis. Ficam
aqui algumas dicas para lidar com os bancos:

Conheça os critérios de concessão de créditos para negócios parecidos ao seu, antes de pedir o crédito;

Não tenha receios sem fundamento por pedir um crédito bancário. A maior parte dos bancos lida com casos
semelhantes ao seu e a verdade é que também lhes dá dinheiro a ganhar;

Não se dirija ao banco apenas para pedir dinheiro. Tenha o cuidado de se apresentar e dê a conhecer a sua
empresa.

Opte por bancos com os quais já trabalhou e estabeleceu uma relação de confiança. Essa pode ser a sua
melhor arma para o financiamento do projecto. Se não estabeleceu essa relação com nenhum banco, procure
criá-la (abra conta, contraia pequenos empréstimos, etc);

Saiba exactamente quanto vai precisar, para quê e quando poderá efectuar o pagamento. Uma proposta clara
e firme é um meio para a credibilizar.

Capital de risco
Se não tem fundos próprios e teve problemas para adquirir um crédito bancário: pode optar por investidores
privados como a família ou os amigos que têm ou não uma participação na gestão da empresa. Dentro deste
financiamento por capital, existe o capital de risco.
Neste caso, as sociedades ou fundos de capital de risco têm participações minoritárias e temporárias, de 3 a 7
anos, no capital da empresa. Estas forma de financiamento assegura-lhe todos os fundos necessários e garante
um parceiro de capital que, sem assumir o controlo da empresa, irá dividir o risco com o empresário, esperando
no final uma saída agradável.

Para lidar com os investidores de capital de risco:

Apresente um plano de negócios com qualidade e que seja atractivo, tendo em conta as dezenas de propostas
que os investidores recebem;

Revele as hipóteses de crescimento do negócio - o seu projecto torna-se bastante apelativo se, num curto
prazo, tiver retornos elevados;

Lembre-se que, no capital de risco, as participações fazem-se por um período limitado. Por isso, é essencial
que mostre ao investidor uma "saída em grande";

Seja sincero e não procure enganar um investidor experiente. Essa postura ajuda-o a tornar credível a sua
imagem;

Sem medos, peça o valor justo para a participação no seu negócio. Se eles não aceitarem e você acreditar
realmente no seu projecto, terá sempre outros candidatos para investidores;

Não se preocupe apenas com a proposta financeira para o investidor. Como vai ser seu parceiro durante algum
tempo, também é importante que desenvolva uma boa relação de trabalho.

Se conseguir o financiamento, está na altura de dar início à sua empresa. Considere apenas mais alguns
aspectos na abertura do negócio...

Abertura do negócio

Se conseguiu percorrer todos os passos neste caminho difícil, parabéns! O percurso até aqui não foi fácil e
agora só tem uns pequenos aspectos a considerar. A partir daqui está por conta própria e esperemos que seja
rumo ao sucesso.

Para o arranque final da sua empresa há, pelo menos, três factores relevantes para que entre com o
pé direito:

Inicie a promoção da sua empresa


Tenha em conta que a data do arranque oficial do negócio pode ser um factor decisivo para um bom começo
(sobretudo em actividades com alguma componente sazonal).

Defina políticas de gestão de recursos humanos


O recrutamento e selecção do pessoal é uma fase muito importante para a empresa. Da equipa de trabalho vai
depender em grande medida o sucesso. Dê treino e formação aos seus colaboradores, de preferência antes do
início da actividade.

Estabeleça os principais sistemas de gestão


Defina áreas de contabilidade, logística, controlo de qualidade e outras que sejam relevantes para o bom
funcionamento da sua nova empresa.

Agora é apostar tudo e dar tudo. A fase mais complicada ainda está para vir. Nunca deixe de estar atento às
novidades e às mudanças, desde concorrentes, novas tecnologias, regulamentações, etc.
Procure dar resposta com a máxima eficácia e rapidez, sempre à espreita de oportunidades de crescimento e
melhorias na qualidade do produto ou serviço prestados.