Vous êtes sur la page 1sur 91

PIERO NÁDIO ARÁDIO

TÓPICOS

DE

HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL


TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 2
______________________________________________________________________
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 3
______________________________________________________________________

ÍNDICE

INTRODUÇÃO, 5

CAPÍTULO I – O MUNDO ANTIGO, 7

01 – O Mundo Helênico, 7
02 – O Mundo Romano, 9

LEITURA COMPLEMENTAR – A Economia Primitiva, 11

CAPÍTULO II – DE BIZÂNCIO AO FEUDALISMO, 15

03 – O Início da Idade Média, 15


04 – As Invasões Bárbaras, 15

LEITURA COMPLEMENTAR – A Economia e a Filosofia Escolástica, 19

CAPÍTULO III – O MERCANTILISMO, 21

05 – O Período da Renascença, 22
06 – O Regime Colonial, 24

LEITURA COMPLEMENTAR – As Idéias Econômicas do Mercantilismo, 27

CAPÍTULO IV – AS ESCOLAS ECONÔMICAS, 29

07 – A Escola Fisiocrática, 29
08 – A Escola Clássica, 30
09 – A Doutrina de Malthus, 31
10 – A Teoria da Renda de David Ricardo, 32
11 – A Influência da Escola Clássica, 35
12 – Stuart Mill, 36

CAPÍTULO V – A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E A TESE SOCIALISTA, 37

13 – A Ascensão da Classe Burguesa, 37


14 – O Socialismo Pré-Marxista, 39
15 – O Socialismo de Karl Marx, 40

LEITURA COMPLEMENTAR – A Teoria Econômica de Karl Marx, 43

CAPÍTULO VI – A EXPANSÃO DO CAPITALISMO, 45

16 – Imperialismo: A Nova Face do Capitalismo, 45


TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 4
______________________________________________________________________
17 – Anarquistas e Sindicalistas, 47
18 – O Comunismo Soviético, 48

LEITURA COMPLEMENTAR, Os Neoclássicos, 51

CAPÍTULO VII – A CRISE DO CAPITALISMO, 53

19 – A Grande Depressão, 51
20 – A Economia do Pós-Guerra, 55

LEITURA COMPLEMENTAR – A Teoria Keynesiana, 57

CAPÍTULO VIII – A NOVA REALIDADE ECONÔMICA, 59

21 – Capitalismo versus Comunismo, 60


22 – A Nova Revolução Industrial, 63
23 – Um Novo Mundo Econômico, 66
24 – O Problema dos Países Emergentes, 68
25 – Tecnologia e Desenvolvimento, 71
26 – Haverá Uma Ideologia para a Nova Época? , 72

LEITURA COMPLEMENTAR – A Nova Economia, 73

CAPÍTULO VIII – O PROBLEMA BRASILEIRO, 75

27 – O Brasil e o Cone Sul, 75


28 – Os Problemas da Integração Econômica, 75

APÊNDICE, 77

A MOEDA, 79
A RENDA NACIONAL, 81
A FORMAÇÃO DOS PREÇOS, 83
A POLÍTICA DEMOGRÁFICA, 85

QUESTIONÁRIO, 87

BIBLIOGRAFIA, 91
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 5
______________________________________________________________________
INTRODUÇÃO

A história do pensamento econômico refere-se ao desenvolvimento progressivo, ao


longo da história humana, e retratada em cada um dos povos que surgiram desde a mais
antiga civilização, das atividades humanas que se têm por “econômicas”.
A procura incessante pelos meios de subsistência, o cultivo da terra, o sistema de
trocas, o conceito de propriedade, são fenômenos que se enquadram nestas atividades
econômicas, e que evoluíram, de meios bastante rudimentares, para os modernos e
complexos sistemas econômicos característicos de nosso tempo atual.

Devemos ressaltar a diferença básica que existe entre história do pensamento


econômico, ou história da economia,1 entre história das doutrinas econômicas, e
história econômica geral.
A primeira refere-se, e tem por objetivo, estudar o processo histórico pelo qual
surgiu o fenômeno propriamente econômico, através da análise da evolução deste
sistema de trocas, do surgimento do dinheiro, do conceito de empréstimos, juros,
capitais, bem como da atividade econômica em seu todo. Todo este processo tem um
fundamento social, com base nas necessidades humanas de subsistência, proteção contra
os elementos e as intempéries, e no progressivo acúmulo de bens econômicos através de
trocas mercantis.

A história das doutrinas econômicas visa, especificamente, estudar o pensamento dos


autores e historiadores que se propuseram a explicar este fenômeno, criando teorias,
escolas e sistemas econômicos, cujo exemplo mais claro é a forma como as doutrinas se
dividiram ao longo do século XX, em sistema capitalista e sistema socialista, divisão
esta que atingiu o próprio cerne das sociedades, dividindo o mundo em dois blocos
políticos principais, os países democráticos e os países comunistas.
Quanto à história econômica geral, é uma espécie de síntese entre as duas primeiras,
cuja especificidade coloca a história sob um prisma econômico, ou seja, busca-se
estudar os fatos sociais e históricos dando realce à tessitura econômica sobre a qual eles
se desenvolveram. A história econômica geral difere da história do pensamento
econômico sob vários aspectos. Enquanto esta procura realçar as teorias econômicas que
vão surgindo à medida que as sociedades e a civilização em geral se desenvolvem, a
primeira dá ênfase às razões econômicas (embasadas estas, por sua vez, em teorias
econômicas diversas) pelas quais surgem os fatos sociais capazes de transformar a
própria realidade histórica.

Em nossa abordagem, não nos furtamos a incluir um breve escorço sobre as Escolas
Econômicas (Fisiocrática e Clássica), cujos conceitos teóricos são indispensáveis para a
compreensão mais exata da evolução dos fatos históricos sob o prisma econômico.

1
Mesmo aqui devemos distinguir entre a história dos fatos econômicos (constituídos pelas ações
realizadas pelos indivíduos), e a interpretação intelectual (muitas vezes a posteriori), destes mesmos
fatos, e que constituem propriamente tanto a teoria econômica (proposta para explicá-los) quanto a
história das (várias) teorias econômicas propostas.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 6
______________________________________________________________________
Quase sempre, os fatos concretos ocorrem no bojo de um substrato teórico que lhes dá
causa.
Além disso, o nosso propósito é o de tentar buscar um entendimento acerca da
evolução do pensamento, da história e dos fatos econômicos, apelando eventualmente
para disciplinas autônomas auxiliares, tais como a História, a Antropologia, Ciência
Política, entre outras, mas apenas com o objetivo de elucidar o modo como se deu tal
evolução.

As leitura complementares têm por objetivo dar um suporte teórico maior, que
permita ao leitor entender e interpretar as causas e motivações econômicas que
conduzem o desenvolvimento da história. O Capítulo IV em especial, bem como as
leituras constantes do Apêndice, ainda que tenham um conteúdo não programático, irão
reforçar este suporte teórico, muitas vezes buscado pelo leitor mais exigente.

Aqueles que desejarem expandir seus conhecimentos para além destes modestos
tópicos, encontrarão na bibliografia uma indicação para auxiliar tal intento.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 7
______________________________________________________________________
CAPÍTULO I

O MUNDO ANTIGO

1 – O Mundo Helênico
O estudo dos povos primitivos levou à conclusão de que a sua conduta, sob o aspecto
das relações econômicas, pautava-se por um primitivo sistema de trocas, inexistindo
qualquer tipo de moeda como base de troca, ou usando-se, para tal finalidade, objetos
tidos como valiosos, tais como dentes ou peles de animais, clavas, arcos e flechas, etc.
Em épocas recuadas, supõe-se que os indivíduos não tinham a capacidade de lavrar
ou de semear a terra, com a finalidade de garantir uma provisão constante de alimentos.
É possível que houvesse inicialmente apenas um sistema simples de coleta de vegetais,
a par de um sistema baseado na caça coletiva de animais, como fonte de alimentação,
pela sua carne, e de proteção contra as intempéries, pela sua pele. A subsistência podia
ser suprida também através da pesca e do consumo de frutos silvestres. Talvez os
alimentos fossem consumidos crus, e, com certeza, não havia como armazená-los para
posterior consumo. Isto transformava a atividade de subsistência em um processo
permanente, causando a necessidade de os grupos estarem em constante deslocamento,
sem se fixarem em definitivo em uma localidade qualquer. Os grupos eram, então,
selvagens e errantes, vagando de região a região, entrando eventualmente em conflito
com outros grupos, quando invadiam sua área de caça.
Aos poucos, os grupos foram se fixando em determinados locais mais amenos, onde
puderam desenvolver um sistema de lavratura da terra; foi onde surgiram as primeiras
comunidades. Surgiu assim a atividade pastoril, com a domesticação de certos animais,
principalmente gado e ovelhas. A nutrição aos poucos mudou para o consumo de grãos
e sementes, o que acarretou diversas conseqüências. Entre elas, a necessidade de usar
instrumentos e utensílios, ainda que rudimentares, seja para arar a terra, seja para a
transformação dos alimentos: trituração; moagem; fermentação; etc. A fixação à terra,
ainda que criando grupos comunais, pode ter levado à necessidade de isolar grupos
familiares em terrenos restritos e vivendo em cabanas, o que terminou por levar ao
conceito de “propriedade”. A necessidade de defender esta propriedade também levou
ao desenvolvimento de armas rústicas de defesa.
Evidentemente, nada causou tanto impacto quanto a domesticação do fogo, ou seja, a
capacidade de acender e manter uma fogueira, sem ter que esperar pela queda de um
raio, que o provocasse. O fogo, que podia ser provocado pelo atrito entre galhos secos,
serviu para cozer alimentos, e com o tempo permitiu o nascimento de uma incipiente
“indústria” de forja, pela manipulação de metais dúcteis e de baixo ponto de fusão:
inicialmente criando instrumentos de cobre, e posteriormente desenvolvendo
ferramentas de ferro.

As primeiras comunidades, se viviam em paz, chegaram a organizar vários sistemas


sociais, com a produção de mitos complexos, que normalmente eram memorizados
pelos seus integrantes, e que tornavam possível uma vida em comum, pela aceitação
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 8
______________________________________________________________________
coletiva de uma origem comum, pelo respeito e culto aos ancestrais, e pelo temor aos
fenômenos físicos da natureza.
Com o tempo, estas comunidades puderam desenvolver uma complexa arte
manufatureira, composta de cestaria (produção de cestas) e de artefatos de cerâmica. O
calor do fogo permitiu manipular a argila, produzindo vasos, tijolos e telhas, entre
outras coisas. Também a ouriversaria se desenvolveu, com a produção de jóias em geral.
O contato progressivo entre várias comunidades levou gradativamente à necessidade de
criar métodos de transporte e mecanismos de troca comercial, inicialmente usando
objetos considerados valiosos pelos membros das várias comunidades. Mas os contatos
comerciais muitas vezes redundavam em conflito, o que também podia provocar a
necessidade da comunidade isolar-se e buscar sua auto-suficiência.

A partir de 600 a.C., começou a surgir as civilização que mais iria influenciar a
civilização ocidental: a civilização grega. A época mais recuada, ou época de Homero
(que escreveu a Ilíada e a Odisséia), cada aldeia e cidade era bastante independente, e o
tipo de vida econômica e social era bastante simples. A atividade diária de subsistência
consistia em lavrar a terra, colher no tempo certo e trocar as mercadorias no mercado da
cidade.

Por volta de 800 a.C., as cidades começaram a se integrar em organizações políticas


mais amplas, tanto devido ao comércio crescente quanto à inevitável necessidade de
defesa contra povos invasores. As maiores e mais importantes cidades gregas foram
Atenas e Esparta, que compartilhavam a hegemonia política e econômica. No auge de
seu poderia, cada uma chegou a ter por volta de 400.000 habitantes.
O comércio e a indústria se tornaram as principais atividades, levando ao
crescimento da população urbana e criando uma classe de cidadãos que vivia na
opulência. A escravidão era bastante comum, e os escravos eram prisioneiros de guerra
vencidos em batalhas. O crescimento da riqueza criou uma classe de latifundiários, que
começou a explorar os lavradores.
Na luta pelo poder, a classe média em ascensão uniu-se aos lavradores, e o
descontentamento com o governo despótico levou à fundação de governos
democráticos, quando não de oligarquias liberais.
O auge da história de Atenas ocorreu com o governo de Péricles (461-429 a.C.),
durante o qual as artes foram levadas a um nível extremamente elevado. Foi um período
de expansão econômica e de grande comércio realizado com as outras cidades da região
do Peloponeso.

Em Esparta, entretanto, ao contrário de Atenas, a situação política acabou levando a


um sistema político absolutista; enquanto em Atenas floresciam as artes e o comércio,
nesta outra, o governo oligarca ditatorial optou por criar uma comunidade voltada para o
militarismo e para a conquista. A cidade fechou-se em si mesma, proibindo que seus
cidadãos viajassem ou comerciassem com o exterior. A vida social imposta aos
cidadãos era caracterizada pelo coletivismo e por rígidas normas de disciplina e de
comportamento. Além disso, os cidadãos impunham uma férrea dominação sobre o
grande número de escravos existentes.
A organização econômica da cidade visava os seguintes objetivos: garantir a
eficiência e a supremacia militar contra as cidades vizinhas; garantir a segurança interna
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 9
______________________________________________________________________
e a dominação da classe dos cidadãos.2 As melhores terras pertenciam ao Estado, mas a
maioria acabava nas mãos da classe dominante (esparciatas). O comércio e a indústria
ficavam a cargo dos periecos.

Em épocas posteriores, o crescente fortalecimento das comunidades gregas


transformou-as em cidades-estado, cuja supremacia era marcada por aquela que se
destacava pela sua força guerreira, mas também pela sua hegemonia comercial. O
comércio entre as cidades se dava tanto por via terrestre quanto por vias marítimas, e o
constante contato comercial entre povos diferentes permitiu que várias conquistas
intelectuais se divulgassem entre eles.

2 – O Mundo Romano
Roma foi a mais importante cidade dos tempos antigos, em virtude de sua hegemonia
militar. Aproximadamente em 265 a.C., toda a Itália já estava sob o jugo romano, e
Roma encontrava apenas uma cidade que rivalizava com ela em força militar: Cartago.
Ambas eram cidades ricas, prósperas e com grande força militar, e o embate entre elas
durou muitos anos, antes que Roma a vencesse.
As guerras com Cartago obrigaram a que Roma iniciasse uma expansão militar pelo
Mediterrâneo, vencendo e conquistando povos vizinhos. Tais guerras3 tiveram grandes
conseqüências; além de mudar a vida cultural romana, iniciaram uma grande revolução
social e econômica, cujas características principais foram: um grande aumento da
escravidão, como resultado da captura de enorme contigente de prisioneiros de guerra; o
lento desaparecimento dos pequenos lavradores, que não podiam competir com o trigo
mais barato cultivado nas províncias conquistadas; o aumento explosivo de uma classe
de lavradores e camponeses empobrecidos, cujo trabalho fora substituído pela mão-de-
obra escrava; o surgimento de uma classe média formada de mercadores, usurários e
“publicanos”4 ; o surgimento de uma classe opulenta, que enriquecia com os lucros de
guerra.
Estas transformações levaram a contínuos conflitos de classes, em razão do profundo
abismo que passou a separar ricos e pobres. A situação política degenerou a tal ponto
que provocou diversas revoltas dos escravos, sendo que a mais famosa ocorreu quando
um escravo chamado Espártaco5 liderou, em 73 a.C., uma revolta contra o jugo romano,
à frente de 70.000 revoltosos.
Entre os lavradores sem terra, deu-se a chamada “revolta dos Gracos”, que lutavam
contra a aristocracia senatorial. Tibério Graco fazia parte da elite, mas defendia o
interesse dos lavradores, o que deu motivo a que fosse morto a mando da aristocracia.

2
Havia três classes principais: a classe dos esparciatas, dominante; os periecos, intermediária (que viria a
constituir a classe média); os ilotas, classe composta de servos (que eram desprezados pelos seus amos).
3
As famosas Guerras Púnicas.
4
Que detinham o poder de explorar minas, construir e manter estradas e cobrar impostos.
5
Espártaco não era propriamente um escravo, e sim um gladiador que lutava nas arenas romanas. Ele foi
capturado e morto em batalha, e mil de seus adeptos foram crucificados.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 10
______________________________________________________________________
Nove anos depois, o seu irmão, Caio Graco, também foi morto ao tentar defender os
interesses dos desprotegidos.6

Roma, que era uma república, tornou-se politicamente um império. Foi durante esta
época que começou o seu declínio. A manutenção de um extenso império, a luta
contínua contra os bárbaros, a corrupção interna, eram fatores que corroíam os recursos
do Estado e que acabaram levando à sua queda.
Outro fator, de ordem econômica, era a balança de comércio desfavorável, com as
províncias. Aos poucos, com o contínuo escoamento de metais preciosos para fora, o
governo romano, ao invés de incrementar as manufaturas para exportação, optou por
aviltar a moeda. Isto teve graves e drásticas conseqüências: o desaparecimento do
dinheiro de circulação, e o retorno às trocas de mercadorias; o declínio da indústria e do
comércio; o crescimento da escravidão; o aumento da intervenção governamental sobre
a economia, com resultados em geral catastróficos. Além disso, o aumento exacerbado
da carga tributária sobre a classe média desencorajava qualquer novo empreendimento
econômico.

6
Em ambos os casos, eles queriam fazer passar uma legislação que permitisse o acesso dos pobres a um
trigo mais barato.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 11
______________________________________________________________________
LEITURA COMPLEMENTAR

A Economia Primitiva

Os primeiros povos civilizados, e que deixaram sua marca na história (egípcios;


gregos; romanos), pouco se caracterizaram pelas iniciativas de tentar explicar o
fenômeno econômico; apesar de exercerem uma intensa atividade econômica, houve
raras tentativas explícitas de tentar entendê-lo. Nos diversos escritos filosóficos, existem
apenas idéias esparsas e pouco concatenadas a respeito das idéias econômicas. Os
gregos, de uma maneira geral, externavam muito mais idéias monetárias do que
propriamente idéias econômicas. Até mesmo Platão, um dos maiores dentre os filósofos
gregos, não chegou a compreender a enorme influência da atividade econômica na
evolução das sociedades. No que mais se aproximou de uma exegese deste tipo de
pensamento, em sua obra “A República” ele expõe o que considera o tipo ideal de
Estado. Minimiza e despreza as atividades manuais e de comércio, e não dá valor ao
acúmulo de riqueza. Este ponto de vista extremado tornou-se deletério para qualquer
pensador que quisesse dedicar-se ao fenômeno econômico. Entretanto, Aristóteles
recuperou a importância deste tipo de atividade intelectual, ao voltar-se para alguns
temas considerados polêmicos. Entretanto, em sua obra “A Política”, ao analisar o
surgimento da moeda, suas conclusões viriam a se tornar o fulcro e influenciar
consideravelmente todas as análises sobre doutrinas econômicas que seriam feitas
futuramente, pelos autores medievais. Na verdade, a condenação por Aristóteles de todo
tipo de lucro (seja comercial, industrial e pelo usurário), orientou para o futuro a própria
posição da Igreja Católica no que se refere a este tema, e deu ensejo a perseguições e
lutas religiosas sem fim.

Aristóteles fez uma distinção bastante precisa (e até hoje usada) quanto às funções da
moeda: ela serviria como intermediária de trocas comerciais; como instrumento de
comparação de valores; e como uma reserva de valor. Ele propôs também uma questão
monetária que só se resolveu em tempos modernos. O valor da moeda depende do valor
do metal precioso de que é feita, ou o seu valor depende da autoridade de quem a coloca
em circulação?7 Platão era de opinião que a moeda tinha um valor nominal, constituído
pelo Estado, talvez porque em sua época as moedas eram cunhadas em metal nobre, de
ouro ou prata (mas as havia, também, de chumbo, cobre e bronze). Para Xenofonte, o
valor da moeda estava no valor do metal precioso que a constituía. Já Aristóteles não se
definiu quanto à questão, admitindo uma posição dúbia intermediária. Aristófanes foi o
primeiro a evidenciar o fato de que a moeda de melhor qualidade é expulsa da
circulação pela moeda de pior qualidade8 (a primeira passa a ser entesourada ou

7
Quando percebemos, nos tempos atuais, que a moeda foi sendo gradativamente substituída por sistemas
cada vez mais abstratos de crédito (os vários tipos de títulos de crédito: o papel-moeda; o cheque, o
cartão, etc.; os créditos interbancários nos quais apenas valores eletrônicos mudam de lugar), percebemos
cada vez mais que a moeda é, em princípio, um acordo em comum acerca de um valor atribuído a uma
ficção monetária instituída pelo Estado (vide A MOEDA, pág. 77).
8
Esta é a chamada Lei de Gresham.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 12
______________________________________________________________________
derretida, pelo seu maior valor). Opunham-se, então, as teorias “nominalista”9 e
“metalista”, com debates acirrados sobre a questão.10

Entre os romanos, a orientação especulativa acerca das idéias econômicas provinha


da política, e não mais da filosofia, como era entre os gregos. Vários fatores
contribuíram para que o entendimento romano sobre este assunto se expandisse. A
chamada Pax Romana, ou hegemonia militar sobre os povos circundantes (que
pressupunha um forte espírito guerreiro); o estabelecimento de extensas vias ou estradas
de comunicação interligando Roma com todo o império;11 a navegação segura no
Mediterrâneo; o desenvolvimento de um sistema jurídico eficaz; um espírito público
administrativo; todas estas foram causas que deram ensejo à expansão das transações
comerciais, que levaram à criação de companhias mercantis e de sociedades por ações.

“O romano é consumidor, mas não quer ser produtor. Sem dúvida era
próspera, a princípio, a agricultura romana; mas logo os lavradores
indígenas, pequenos proprietários de suas terras, foram sendo substituídos
por escravos, enquanto a pequena propriedade, de cultura intensiva, cedia
os passos ao latifúndio, de cultura extensiva. Dentro em pouco passaram as
artes e os ofícios industriais e o comércio a ser considerados atividades
indignas de um homem livre. Roma faz com que produzam para ela; as
províncias, conquistadas e escravizadas, abastecem-na do necessário ao
seu consumo.” (HUGON, Paul. Pág. 42).

Mas não foi somente a escravatura que provocou a decadência da agricultura. Os


pensadores romanos que se dedicaram ao assunto dividiam-se basicamente em duas
correntes.12 Uns inclinavam-se pelo intervencionismo do Estado, que seria o único
capaz de regulamentar e controlar os mecanismos econômicos; outros tendiam à
corrente individualista, afirmando que o indivíduo em si era o único capaz de regular e
equilibrar a economia.13 Em duas oportunidades, a tendência intervencionista se
sobrepôs, acabando por se mostrar desastrosa. A Lei Semprônia, de 123 a.C., tornava o
Estado responsável pela distribuição de cereais a preços abaixo do mercado; em 58 a.C.,
a Lei Clódia reservou aos indigentes tal responsabilidade. As conseqüências,

9
No período medieval a teoria nominalista foi retomada pelos chamados regalistas, e ela é hoje uma das
teorias preferidas pelos economistas. A este respeito, é importante considerar a impossibilidade,
atualmente, de qualquer país ou nação conseguir lastrear os seus ativos circulantes. O montante de moeda
em circulação no mundo, considerando-se apenas o dólar dos EUA, ultrapassa consideravelmente a
quantidade de ouro em estoque, seja em Forte Knox, seja nos cofres-fortes dos Bancos Centrais dos
países mais ricos.
10
Os marxistas, para verem justificada a sua teoria do valor-trabalho, aceitavam a teoria metalista.
11
Estas vias romanas começaram a ser edificadas no século IV a.C., continuando até o século IV d.C. (ou
seja, durante oitocentos anos elas se expandiram, sendo mantidas e cuidadas de forma a permitir um fácil
acesso a todo o império).
12
As quais, curiosamente, ainda prevalecem ainda entre os teóricos modernos, que oscilam entre a duas
tendências apontadas no texto.
13
O individualismo veio, mais tarde, a se desenvolver nas chamadas escolas fisiocrata, clássica e no
moderno neo-liberalismo.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 13
______________________________________________________________________
previsivelmente, foram desastrosas, provocando a derrocada da lavoura.14 Além dessas,
outras leis intervencionistas vieram conturbar o sistema econômico romano, provocando
déficit orçamentário e fraudes sem fim. Quanto maiores se tornavam os problemas, mais
o Estado intervinha, tentando por sob controle a economia. O plantio, a colheita e o
transporte dos grãos era todo colocado sob estrito controle monopolista do estado.
A tendência individualista surgiu sob a ótica jurídica, que veio dar ênfase ao sistema
de propriedade privada, do direito das obrigações, dando um contorno visível à
transmissão da propriedade, seja por meio de venda, seja por meio de sucessão. A obra
dos jurisconsultos romanos veio a lançar as bases doutrinárias da economia política que
começou a se desenvolver no Renascimento, vindo a desembocar nas escolas
fisiocrática e clássica, e no chamado Liberalismo Econômico.

14
Alguns cantos ou hinos desta época foram compostos visando levar os romanos de volta à atividade
rural, pela celebração da vida rústica. Como exemplos, temos os poemas “De re rustica”, de Catão, e “As
Geórgicas”, de Virgílio.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 14
______________________________________________________________________
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 15
______________________________________________________________________
CAPÍTULO II

DE BIZÂNCIO AO FEUDALISMO

3 – O Início da Idade Média


A decadência do império romano trouxe por decorrência dois pólos políticos opostos
constituídos pelo Império Romano do Ocidente, com sede em Roma, e o Império
Romano do Oriente, ou Império Bizantino. A rápida derrocada do primeiro trouxe como
conseqüência o afrouxamento dos laços comerciais existentes entre as diversas nações,
pela falta de um poder centralizador. Já não existindo a hegemonia militar romana, as
fronteiras do império foram cedendo às rebeliões e às invasões de povos bárbaros
oriundos do oriente, cujo intuito preponderante era mais o de destruir do que dominar.
Os governos centralizados se enfraqueceram, e as cidades e aldeias que sobreviveram
fecharam-se em si mesmas, ou simplesmente desapareceram, pela dispersão de seus
habitantes, que espalharam-se em centros fortificados (os castelos) para garantir a sua
sobrevivência.
Na primeira fase da Idade Média, as condições sociais presentes no Império
Bizantino eram bastante superiores às do Império do Ocidente. Neste, grandes porções
da Itália e do sul da França já tinham regredido a um ruralismo primitivo, em uma total
decadência da civilização que Roma tinha imposto em seus tempos áureos. Já no
Império do Oriente, mantinha-se ainda o caráter urbano e suntuoso, com uma classe rica
que vivia no luxo e no conforto.
Constantinopla, Tarso, Edessa e Tessalonica eram cidades populosas, com um
comércio ainda florescente. Só em Constantinopla viviam cerca de um milhão de
pessoas, e não havia sinais de decadência cultural ou econômica. Mercadores,
banqueiros, industriais e ricos proprietários de terras absorviam-se em uma atividade
comercial intensa, consumindo artigos de luxo, ricas vestimentas de lã e de seda,
tapeçarias, artefatos de vidro e porcelana. O esplendor das artes do Império Bizantino
foi tal que até os dias de hoje ainda surpreendem os especialistas. A sua arte do
mosaico, por exemplo, influenciou a arte dos vitrais, usados extensamente nas catedrais
góticas.
Apesar da miséria (comum para a época) das classes inferiores, estes ainda assim
estavam em melhores condições econômicas do que a dos cidadãos das partes ocidentais
do Império. Havia uma estabilidade política e econômica, que permitia uma
prosperidade crescente. Foi somente com a ascensão do império sarraceno que teve
início a decadência do Império Bizantino.

4 – As Invasões Bárbaras
No Império do Ocidente, a invasão dos bárbaros ocorrida entre os anos de 395 d.C. e
571 d.C. deixou terras devastadas e povos trucidados por onde eles passaram. Em sua
esteira ficavam apenas ruínas de povoados, de cidades e de terras de cultivo, numa ânsia
inconcebível de destruição. Os bárbaros invadiram a Trácia, a Panônia, as Gálias, a
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 16
______________________________________________________________________
África, a Itália, e finalmente a própria cidade de Roma, jogando abaixo séculos de
refinamento cultural e de civilização. Se é possível situar no tempo o início das trevas
que se abateram sobre o ocidente, dando início à Idade Média, é exatamente no período
destas invasões. O ano de 410 d.C. representa aproximadamente este limite entre idades,
dando fim à idade antiga e iniciando um período que só veio a ter término por volta do
ano de 1300.
Até a época das primeiras cruzadas pouca coisa tinha mudado após mais de
quinhentos anos, no continente europeu. Com o término dos império romanos do
Ocidente e depois do Oriente, um marasmo se instalou por todo lado e a evolução
histórica e cultural dos povos europeus como que estagnou. O feudalismo, regime
estático por excelência, tornou-se dominante. A Idade Média estava começando.

Foi com o Papa Urbano II e com Pedro, o Ermitão, que conclamaram à libertação de
Jerusalém e do Santo Sepulcro do jugo muçulmano, que tiveram início as primeiras
cruzadas. Estas foram movimentos militares de inspiração religiosa que lançaram as
bases para uma mudança profunda nas estruturas sociais, políticas e mesmo religiosas
até então vigentes. Seguindo o caminho aberto pelas cruzadas, o comércio intensificou-
se por toda as rotas asiáticas, com o que as cidades portuárias de Pizza, Veneza e
Gênova alcançaram grande poder marítimo. O comércio intensificou-se a tal ponto que
as instituições feudais mostraram-se incapazes de atender a demanda dos territórios
conquistados; esta situação, por fim, conduziu à criação de centros urbanos por todo
lado, sementes das futuras cidades européias, bem como contribuiu decisivamente para
a derrocada do feudalismo e para a ascensão futura de uma nova classe, a burguesia.
O contato dos cruzados com a civilização árabe, bem mais refinada e culta nesta
época, levou por outro lado a mútuos intercâmbios culturais que mais aproveitaram ao
Ocidente. Os árabes tinham traduzido os autores gregos clássicos, os quais chegaram,
via as traduções muçulmanas, às mãos de vários estudiosos ocidentais. Os sistemas de
filosofia, a medicina, a matemática, a geometria, a literatura, a arquitetura, formaram
parte deste legado cultural.

Com o surgimento das cidades e o reinício das trocas comerciais, começaram a


surgir também associações de trabalhadores artífices. O comércio se dava através de
vias de transporte e também de feiras, entre as quais as mais célebres foram as de
Flandres15 e de Champagne.16 O contato cultural proporcionado pelas cruzadas permitiu
o desenvolvimento de novas cidades-Estado, tais como Veneza, Florença, Gênova e
Pizza, com a criação de grandes corporações de comércio. A especialização em ofícios e
a divisão do trabalho se intensificaram, expandindo o mercado; a manutenção das
cidades passou a depender dos produtos agrícolas, aumentando a interação urbano-rural.
Novas profissões surgiram, e as trocas comerciais entre os centros urbanos e as
localidades rurais produtivas se consolidaram.

***

15
Região da Europa localizada ao longo do Mar do Norte. Atualmente, está dividida entre a França,
Bélgica e Holanda
16
Região do nordeste da França; no período medieval, foi um importante condado , tendo atingido o seu
apogeu no século XIII, graças às feiras que realizava.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 17
______________________________________________________________________

A partir do ano 800, já se podia notar, no Ocidente, um lento despertar da letargia da


época medieval. O contato com as civilizações bizantina e sarracena, o embate com os
nórdicos, foram algumas das causas deste ressurgimento. Nos quinhentos ou seiscentos
anos seguintes (principalmente a partir do século XII) houve um surto de progresso, e o
aumento do comércio trouxe prosperidade e estimulou as artes, a ciência e a cultura.

Basicamente, o feudalismo foi uma estrutura descentralizada da sociedade (ou seja,


com um fraco ou inexistente poder central). O poder era dividido entre a nobreza,
através de um sistema de suserania e de vassalagem. A partir do século VII, os reis
merovíngios costumavam recompensar os condes e duques com benefícios e com terras
(que se tornavam condados – no primeiro caso – ou ducados – no segundo caso).
Posteriormente, os reis carolíngios recompensavam os nobres locais quando estes
forneciam tropas de soldados para lutarem contra os mouros. Quem possuía o feudo
tinha o direito de propriedade, e por conseqüência o direito de governar. Entre o
suserano e os seus vassalos havia uma relação contratual, que envolvia obrigações
recíprocas. Os vassalos pagavam tributos aos seus senhores, que se obrigavam a
proporcionar-lhes proteção de assistência econômica.
Aos poucos, aumentou a dependência do governo central com relação às diversas
suseranias. Como a maioria adquiria imunidade (isenção de pagamento de impostos), a
autoridade central foi diminuindo cada vez mais. Apenas nominalmente, o suserano se
submetia à autoridade do rei. Além disso, as constantes invasões de nórdicos, turcos e
muçulmanos levavam a população a se voltar para os senhores feudais em busca de
proteção. Aos poucos, este sistema evoluiu para um tipo de sociedade estratificada; no
segundo período da Idade Média (“Alta Idade Média”), o feudalismo (que já se tornara
hereditário) chegou a constituir um tipo legalmente reconhecido de estrutura social, até
mesmo encarado como um sistema ideal. A lei era produto do costume ou da vontade de
Deus.
No regime feudal, a principal unidade econômica era a chamada “herdade senhorial”,
que era geralmente o domínio de um cavaleiro. Alguns chegavam a possuir várias
herdades (às vezes, centenas ou milhares), em que o tamanho médio de cada uma podia
chegar a 150 hectares. Em cada uma havia uma ou mais aldeias, e as terras cultivadas
pelos camponeses se dividiam em três partes: o terreno de plantio da primavera, o
terreno de plantio do outono e o “pousio”. Todos eram revezados a cada ano (era o
sistema chamado de “três campos”).
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 18
______________________________________________________________________
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 19
______________________________________________________________________
LEITURA COMPLEMENTAR

A Economia e a Filosofia Escolástica

As idéias econômicas predominantes neste período tinham forte influência da Igreja


Católica, através de seus pensadores (teólogos, canonistas e filósofos moralistas), que
procuraram se alicerçar nos escritos sagrados e nas obras aristotélicas, principalmente.
Aristóteles é o pensador de maior influência entre os medievos, e sua noção de
“equilíbrio” foi a base para a concepção de justiça nas trocas (preço justo e justo
salário), e para o princípio de moderação e moralidade como essência do fenômeno
econômico.
A Igreja Católica admitia a propriedade individual, mas regrada por um princípio
social restritivo, que a legitima. O proprietário não deve abusar do seu direito de
propriedade em detrimento da coletividade. O direito de propriedade é reconhecido
como propiciador de ordem e paz social, além de aumentar o rendimento da produção
(essencialmente agrícola). Reconhece, entretanto, que os benefícios da posse da terra
não devem ficar restritos a uma minoria privilegiada, porque isto traz desigualdade de
condições e injustiça social. Entretanto, tal reconhecimento não foi capaz de evitar a
prevalência das condições que exatamente se procurava evitar: a concentração da posse
da terra, com a conseqüente ascensão social daqueles que a detinham. O feudalismo,
como veremos, foi exatamente isso: a posse privilegiada da terra pela nobreza, que tinha
poder total sobre os camponeses que a ocupavam e a faziam produzir.
O princípio moral regulador, a proibição da usura (empréstimo a juros) bem como o
princípio da troca justa eram basicamente a base do sistema econômico deste período.
Os artífices, organizados em corporações, tinham fixado o seu salário como uma
retribuição máxima regulamentada oficialmente (não se fixava um valor mínimo, como
se procede na atualidade). O lucro resultaria do equilíbrio entre o trabalho empregado
(com a perícia envolvida) e a utilidade do serviço. Condenava-se o lucro imoderado, por
ser contrário á “justiça nas trocas”.
Os chamados Padres da Igreja (Tomás de Aquino; Boaventura, entre outros),
acompanhando o raciocínio aristotélico, distinguiam entre bens fungíveis e não
fungíveis. O dinheiro seria um bem fungível, que desaparece com o consumo. O bem
não fungível, por não desaparecer com o uso, pode ser emprestado ou locado por
contrato. O seu detentor, por se privar do uso e gozo da coisa, pode exigir uma
compensação. Mas no empréstimo de coisa fungível, o cedente entrega simultaneamente
o uso e a propriedade da coisa. A justiça e o justo preço se realizariam pela simples
devolução do objeto, sem mais nada (ou seja, sem juros sobre o empréstimo). Desse
modo, o dinheiro não pode ser objeto de empréstimo a juros. Tal era a concepção inicial
da Igreja.
Além da preocupação com o “preço justo”, S. Tomás considerava também a
possibilidade de um vendedor vender um produto defeituoso. Ele afirmava que caso isto
ocorresse, não deveria ser um ato intencional, e que, se descoberto o defeito, o vendedor
deveria compensar o comprador.
Esta concepção veio a se modificar gradativamente, quando novas condições foram
surgindo. Por exemplo, começou-se a se admitir a possibilidade de recebimento de juros
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 20
______________________________________________________________________
pelos empréstimos, nos seguintes casos: se o emprestador sofria danos resultantes do
empréstimo; se havia riscos, ou se havia renúncia a um possível lucro imediato. Razões
religiosas levaram a liberar a usura para os judeus e para os lombardos,17 que se admitia
não estarem submetidos às regras católicas.

Com relação às idéias monetárias, havia grandes debates a respeito do valor e da


circulação da moeda, bem como da conveniência de alterar ou não o seu valor. Nicolau
Orèsme, bispo de Lisieux e conselheiro do Rei Carlos V, e Buridan, reitor da
Universidade de Paris, foram teóricos que estudaram o assunto. Orèsme criticou as
mutações monetárias; para ele, o rei não tem legitimidade para fazer estas mutações de
valor. O valor da moeda é garantido pela autoridade do Rei, que ordena sua cunhagem,
e que teria assim, autoridade para mudar o seu valor. O cunho indicava a qualidade da
peça e o seu peso. Entrando, entretanto, em circulação, o seu valor passa a depender da
comunidade onde ela circula, que decide pela conveniência de lhe alterar o valor.18
Orèsme observou que em sua época praticavam-se cinco diferentes formas de
mutações monetárias: 1) mudanças na efígie, o que acontecia normalmente devido à
mudança de governantes; 2) mudança da proporção, ou mudança do valor entre o metal
nobre (ouro ou prata) e o valor da moeda; 3) mudança nominal, ou modificação dos
preços em moeda corrente (havia uma moeda real, cujas subdivisões em moeda corrente
podiam variar); 4) mudança oficial do peso da moeda (as fraudes se davam, pela
diminuição – ou cerceamento – do peso da moeda, limando suas beiradas circulares); 5)
mudança de sua substância: neste caso, mudava-se a sua liga, substituindo um metal por
outro.
Como já dissemos, a moeda má expulsa a moeda boa do mercado, e se acontecia de
haver muitas mutações, quando a situação econômica se deteriorava, a tentativa de
restaurar a ordem econômica pela introdução de uma nova moeda esbarrava neste
obstáculo: a moeda boa, capaz de trazer estabilidade monetária, era fundida, ou
simplesmente tomava rumo para fora do país.

17
Povo germânico que veio a se fixar na Panônia (atual Hungria).
18
Algumas classes sociais mais elevadas, tais como juizes e eclesiásticos, que costumavam ter uma renda
fixa, ficavam prejudicados por estas mutações de valor na moeda. O povo também via-se despojado,
quando era obrigado a receber moedas de valor nominal muito baixo, em troca de mercadorias de muito
maior valor. Foi o que ocorreu, por exemplo, graças a um edito real de Jaime II, que forçou o
recebimento, sob pena de morte, de moedas de cobre cujo valor aposto era seis vezes maior do que o seu
valor intrínseco.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 21
______________________________________________________________________
CAPÍTULO III

O MERCANTILISMO

Por volta de 1400, aconteceu a chamada “Revolução Comercial”, cujas causas


básicas foram as seguintes: a conquista do monopólio comercial do Mediterrâneo pelas
cidades italianas; 2) o desenvolvimento de um lucrativo comércio entre estas cidades e
os mercadores da Liga Hanseática, no norte da Europa; 3) a introdução de moedas de
circulação geral; 4) a acumulação de capitais excedentes; 5) a procura de materiais
bélicos e o estímulo ao comércio proporcionado pelos novos monarcas; 6) a procura
pelas especiarias do Oriente.
A procura das especiarias era uma preocupação constante das coroas portuguesa e
espanhola, interessadas que estavam em quebrar o monopólio das cidades italianas. A
Península Ibérica, afastada deste comércio, era obrigada a pagar altos preços por sedas,
perfumes, especiarias e tapeçarias provenientes do Oriente. Em busca de uma nova rota
para o Oriente, os navegadores espanhóis e portugueses acabaram encontrando novas
terras. A introdução da bússola e do astrolábio deu também um novo impulso a estas
viagens, cuja motivação, muitas vezes, era apenas o intenso fervor proselitista e um
excesso de zelo religioso, que ardia por converter os pagãos.
As viagens de navegação realizadas por espanhóis e portugueses foram seguidas
posteriormente por inglese e franceses. Também os holandeses participaram desta
corrida por novas terras, com intenções visivelmente colonialistas.
O resultado destas viagens de descobrimento foi uma tremenda expansão do
comércio. Os navios das grandes potências mundiais podiam ser encontrados singrando
quaisquer dos setes mares, e logo o monopólio das cidades italianas chegou ao seu final.
Enquanto Gênova, Pizza e Veneza passavam para segundo plano, cidades como Lisboa,
Liverpool, Bordéus, Bristol e Amsterdã se alçavam a cidades de grande importância.
Em seus portos, um intenso movimento marítimo mostrava a pujança do seu comércio,
e os armazéns custavam a conter a enorme quantidade de mercadorias vindas de toda
parte. Ao lado de tecidos e especiarias do Oriente, juntavam-se agora o tabaco, as
batatas e o milho da América do Norte; o melaço e o rum das Antilhas; o cacau, o
chocolate, a quina e a cochonilha da América do Sul; completando este rol de
mercadorias, achavam-se ainda, vindos da África, penas de avestruz, marfim e até
mesmo escravos.

Outros produtos já conhecidos tiveram também intensificado o seu comércio, tal


como o café, o açúcar, o arroz e o algodão, que em razão do extenso comércio acabaram
deixando de ser mercadorias de luxo.
Entretanto, talvez o maior e mais importante resultado da descoberta e conquista
dessas novas terras foi a espantosa quantidade de metais preciosos, ouro e prata, que
inundaram o continente europeu. Esse ouro e prata provinha tanto das pilhagens
realizadas nos tesouros dos incas e astecas, como também das minas do México, Bolívia
e Peru. A acumulação desta riqueza fabulosa e as extensas especulações que propiciou
em sua esteira iriam forjar as bases para o capitalismo.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 22
______________________________________________________________________
Também durante a época da Revolução Comercial desenvolveu-se o sistema
bancário. No século XVI, surgiu a sociedade por ações, que era formada através da
subscrição de quotas de capital por um considerável número de investidores. O dinheiro,
que tinha ressurgido com força a partir do século XI, mas cujo valor dificilmente era
reconhecido fora de sua região de origem, começou, através das moedas de ducado
veneziano e florim florentino, começaram a ter ampla aceitação por toda a Itália e nos
mercados do norte da Europa. Entretanto, não havia um padrão monetário estável, e os
valores sofriam constantes modificações. Foi como conseqüência do desenvolvimento
da Revolução Comercial que se buscou adotar um sistema monetário mais estável e
uniforme, e de maior eficiência. Esta fase caracterizou-se também por uma maior
especulação teórica, de cujos frutos veio a surgir a doutrina econômica conhecida como
mercantilismo.

***

É provável que o mercantilismo remonte ao reinado de Eduardo I (1272-1307). Este


monarca estabeleceu o comércio de lã com Antuérpia, e tentou por várias formas
regulamentar o comércio interno. Sob Eduardo III, uma guerra prolongada com a França
provocou uma inflação desastrosa. Para mitigar o sofrimento dos trabalhadores, este
monarca fixou preços e salários em uma proporção favorável a eles, exigindo em troca
que se dedicassem a todas as formas de trabalho disponíveis.
Uma das características dos escritores mercantilistas era a de que a de que devia
alcançar o pleno emprego, por todos os meios. Entre as medidas tomadas para fomentar
a indústria, destaca-se a concessão de patentes de monopólio. De um modo geral, davam
maior importância às exportações, relegando o comércio interno a segundo plano.
Para se entender todas as implicações das idéias surgidas sob o prisma do
mercantilismo, necessário se faz estudar o pano de fundo histórico no qual ele se
desenvolveu.

5 – O Período da Renascença
A partir do ano 1300, as características gerais que definiam o feudalismo começaram a
desaparecer. Novas instituições e novos modos de pensar vieram substituir o
pensamento escolástico e as dogmáticas e esclerosadas instituições políticas, sociais,
econômicas e religiosas que tinham dominado por séculos. A noite prolongada do
período medieval foi sucedida por um período de grandes conquistas em todos os
campos do conhecimento. Até cerca de 1650, houve um súbito renascimento do
interesse pela cultura clássica, caraterizada pelas civilizações grega e romana. O século
XVI, principalmente, foi um século marcado por grandes mudanças sociais, geográficas,
religiosas e políticas. Foi o século das grandes descobertas, das grandes invenções, das
grandes navegações de Magalhães e Colombo, os quais descobriram novos continentes.
Entre as grandes invenções do período, encontra-se a da imprensa, que viria a se tornar
um poderoso fator de difusão das novas idéias.

***
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 23
______________________________________________________________________

Com a invenção do livro impresso as idéias difundiam-se rapidamente entre todos os


países. Lutero e Calvino, insurgindo-se contra o Papa, deram origem à reforma religiosa
mais profunda no seio da Igreja Católica. Tiveram seguidores na Alemanha, Suíça,
estados escandinavos e sul da França. Neste país, seus seguidores eram chamados de
huguenotes e de livres-pensadores.

“Lutero, atacando a autoridade, fazendo da palavra evangélica a base de


seus ensinamentos, dirigia-se a essas massas inquietas. Ele seguiu as
massas enquanto elas exigiam pequenas reformas; mas os camponeses
estavam se transformando numa classe que queria uma revolução na ordem
social, que a pequena burguesia tinha interesse vital em conservar”.
(TRAGTENBERG, Maurício. Pág. 24).

A reforma chamada “Protestante” viria a ter enormes conseqüências no


desenvolvimento futuro das relações comerciais entre os países. Os seguidores de
Lutero e Calvino eram mais liberais no tocante às relações econômicas e não se
deixavam tolher pela ética cristã,19 contrária aos juros e sempre temerosa de uma
possível punição divina, em razão de uma prática comercial injusta. Os países que
primeiro se converteram à pregação luterana e calvinista eram mais pragmáticos; além
disso, o crescente fortalecimento do Estado, com o fim das suseranias feudais dava
ensejo a um incremento no comércio entre as nações, bem como à busca de novos
territórios a serem colonizados.

“Assim, precisamente num período em que a expansão dos métodos


burocráticos no comércio e no governo e o desenvolvimento da fabricação
em grande escala estavam transformando todo o curso da atividade prática
numa labuta árdua e cada vez mais destrutiva, o protestantismo desenvolvia
uma habilidade especial de tirar prazer dessa árdua labuta. Esta foi a
contribuição especial do protestantismo para o desenvolvimento do
capitalismo e da indústria mecânica: não iniciá-los, mas torná-los
toleráveis e instilar neles todas as energias da vida moral. Os trabalhos
penosos serviam ao protestante de preciosa mortificação da carne; preciosa
tanto num sentido profano como num sentido espiritual, pois, ao contrário
dos cilícios e da autoflagelação da santo medieval, sua firme e constante
concentração no trabalho fastidioso rendia lucros tangíveis”. (MUMFORD,
Lewis. Pág. 226).

19
O fundamento das concepções religiosas do protestantismo baseava-se na doutrina pela qual os homens
se justificam (ou se “salvam”) não pelas obras, mas pela fé. Enquanto esta última favorecia o poder do
clero católico (única via “salvacionista”), a primeira admitia uma “verdade do coração”, tornando-se o
homem juiz de si próprio. Esta doutrina individualista chamou a atenção da nova classe média de artesãos
e negociantes, porque eliminava a culpa que se admitia ser trazida pelo acúmulo de riqueza. Embora a
ética protestante (o chamado “espírito puritano”) atribuísse grande importância ao ascetismo e à
temperança, por outro lado admitia uma valorização religiosa do trabalho (considerado uma forma de
glorificar a Deus) e o próprio lucro, que seria uma mostra da generosidade divina.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 24
______________________________________________________________________
***

A chamada “revolução puritana” veio a se tornar a bandeira ideológica do


desenvolvimento (em época posterior) do capitalismo inglês, iniciado com a Revolução
Industrial.
A revolução puritana tem cinco períodos delimitados, que podem ser assim
divididos: de 1642 a 1647, período da guerra civil que derrubou o rei; de 1647 a 1649,
período que se caracterizou pela luta entre proprietários e lavradores (vencendo os
primeiros); de 1649 a 1660, em que se consolida a revolução e o domínio de Cromwell,
que se voltava para o interesse dos novos comerciantes e capitalistas.20
O quarto período transcorreu durante o reinado de Carlos II e Jaime II. Caracteriza-se
pelo desaparecimento dos últimos vestígios do feudalismo. O último período vai dos
Stuarts até o estabelecimento da monarquia constitucional em 1689, quando a Coroa
aceitou a Declaração de Direitos (mas já em 1688 o governo inglês submetera-se ao
controle da pequena nobreza e da classe média dos capitalistas).

***

As monarquias absolutistas, sempre com espírito beligerante, exigiam enormes


somas de dinheiro para as guerra necessárias, dinheiro este que devia provir tanto dos
impostos internos quanto da exploração externa de colônias ricas, capazes de fornecer
metais preciosos em grande quantidade. O poder marítimo dividia-se entre Inglaterra,
França, Holanda e Portugal, países colonialistas por natureza. A expressão do poder e da
riqueza de uma nação era compreendido como produto do acúmulo de metais preciosos,
principalmente o ouro e a prata, e eram as colônias que deveriam prover esta riqueza.
Outra fonte de riqueza estava na exportação de artigos de luxo, que recebiam uma alta
taxação para limitar a venda interna. A Inglaterra buscou incrementar largamente o
comércio exterior;21 já a Espanha tendia ao acúmulo irrefreado de ouro, que ia buscar
em suas colônias.

6 – O Regime Colonial
As grandes navegações iniciadas pelos portugueses, espanhóis, ingleses e
holandeses, principalmente, propiciaram o descobrimento de terras desconhecidas fora
do continente europeu, que foram reivindicadas pelas coroas (reinos ou impérios) que as
descobriram (a que se acrescentam a Bélgica e a França). O continente sul-americano,
por exemplo, sofreu colonização espanhola e portuguesa, e foi a fonte de grandes
riquezas minerais, seja de ouro, prata ou pedras preciosas, que enriqueceram o erário
das nações européias.

20
Este interesse tinha por base a necessidade de Cromwell de arregimentar uma nova classe que o
apoiasse contra os interesses da nobreza, que poderia tentar fazer voltar o regime monarquista.
21
Já no século XV a Inglaterra possuía uma grande indústria têxtil, como também a hegemonia do
mercado mundial de produtos têxteis.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 25
______________________________________________________________________
“O início dessa colonização de povoamento no século XVII abre uma etapa
nova na história da América. Em seus primeiros tempos essas colônias
acarretam vultosos prejuízos para as companhias que as organizam.
Particularmente grandes são os prejuízos dados pelas colônias que se
instalam na América do Norte. No êxito da colonização agrícola portuguesa
tivera como base a produção de um artigo cujo mercado se expandira
extraordinariamente. A busca de artigos capazes de criar mercados em
expansão constitui a preocupação dos novos núcleos coloniais.”
(FURTADO, Celso. Pág. 21/22).

Os territórios reivindicados tornaram-se possessões e/ou colônias, e foram


progressivamente ocupados por levas de colonizadores, provindos dos continentes
europeus.22 Durante os séculos XVI a XIX, principalmente, os países europeus
intensificaram o processo de colonização e dominação (período de expansão colonial),
como um meio de conquistar fontes de diversos produtos econômicos (especiarias,
metais e pedras preciosas, açúcar e outros produtos tropicais), necessários ao comércio
que se intensificava entre as nações. América, Ásia e África foram os continentes
colonizados, tornando-se fontes supridoras das matérias-primas ansiadas pelas
metrópoles.
Neste período colonialista (denominado de “acumulação primitiva”), também os
países produtores de especiarias sofreram intervenção militar dos países europeus,
interessados em dominar este monopólio. Mas onde quer que existisse um interesse
econômico (extração de metais e pedras preciosas, por exemplo), as potência européias
colocavam sob o seu jugo militar os países ou nações mais fracos. Um as um, eles
tornavam-se colônias da metrópole.23
A política colonial, ou política comercial imposta às colônias tinha um aspecto
unilateral, favorável unicamente à metrópole (era o chamado “pacto colonial”). Desta
forma, era comum que qualquer manifestação contrária a esta política fosse brutalmente
reprimida, bem como qualquer forma de competição, seja da própria colônia, seja de
outras nações. Havia um monopólio de compra e venda por parte da metrópole (e a ela
favorável), como também de exportação/importação e de transportes de mercadorias.24
Também cabia à metrópole a fixação dos preços das mercadorias. A colônia tinha que
aceitar essas imposições, ou aceitar os riscos de uma rebelião.25

22
Em alguns casos, como a colonização do Brasil, por exemplo, as guerras napoleônicas forçaram a
transferência de toda a corte para o território da colônia, mudando drasticamente o seu status político
(entretanto, deve-se à perspicácia e ao gênio do Visconde de Cairú ter convencido D. João VI a abrir os
portos brasileiros ao comércio internacional, em 1808). Antes disso, a colônia não podia comerciar com o
exterior.
23
A disputa entre estas potências, entre outras coisas, levou à criação do Tratado de Tordesilhas.
24
Foi esta política monopolizadora que provocou a revolta de várias colônias. A política de comércio do
sal, por exemplo, deu ensejo às lutas pela independência por parte dos Estados Unidos da América, bem
como foram o motivo unificador da resistência indiana contra a dominação inglesa.
25
Este foi basicamente um fenômeno político (a formação e exploração de colônias), e apenas a forma
como se desenvolveu a exploração econômica nos interessa realmente, no contexto que estudamos este
assunto. Politicamente, a colonização pressupõe uma relação de dependência entre o colonizado – a
colônia – e a metrópole – o colonizador. É um fenômeno que resultou do Mercantilismo, e predominou
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 26
______________________________________________________________________

A riqueza resultante da exploração colonial nem sempre se mantinha; muitas vezes, o


esforço resultante da colonização esgotava os cofres mais rapidamente do que estes se
enchiam pela exploração. Entretanto, muitas das economias nacionais que vieram a se
desenvolver propiciaram a formação de um capitalismo incipiente no continente
europeu, iniciando uma economia de mercado e um sistema financeiro que permitiram o
enriquecimento e um progresso econômico das nações ocidentais. Além disso, nem
sempre o processo era extremamente desfavorável para a colônia. Muitas vezes ela
sofria um processo civilizatório ou de modernização acentuado, que a tirava de um
estado primitivo no qual sequer possuía uma economia nacional; em alguns casos, a
colonização forçava a um processo político unificador entre tribos ou etnias rivais,
eternos adversários na luta pela hegemonia política e pelo poder.

***

Os mercantilistas, ainda que pecassem pelo excessivo valor dado aos metais
preciosos como fonte de riqueza, ainda assim tiveram o mérito de ter desenvolvido uma
idéia ou noção nova, qual seja a de economia nacional. Além disso, as formas de
comércio que desenvolveram criaram as bases políticas para as florescentes dinastias da
Áustria, de Florença e de Frankfurt, entre outras. Foi daí também que surgiriam os
modernos e poderosos complexos bancários, base de todo sistema capitalista.

até pouco antes da II Guerra Mundial; após esta, as colônias iniciaram um processo irreversível de
emancipação política e de independência.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 27
______________________________________________________________________
LEITURA COMPLEMENTAR

As Idéias Econômicas do Mercantilismo

Não existiu apenas um sistema mercantilista, mas vários, de acordo com o país. A
Espanha, por exemplo, confundia os conceitos de “riqueza” e “metal precioso”, achando
que o mero acúmulo deste levaria àquela. Esta forma rudimentar de mercantilismo era
chamada de “metalista” ou de “bulionista”.26 Criavam-se medidas para impedir ou
restringir a saída ou evasão de metais valiosos; por outro lado, criavam-se mecanismos
para tentar atrair moedas estrangeiras para dentro do país. No comércio entre os países,
regrada pela chamada “balança de contratos”, os navios espanhóis eram obrigados a
levar mercadorias e a voltar com cargas de ouro. Quanto aos navios estrangeiros que
aportavam com suas cargas em portos espanhóis, deveriam voltar com mercadorias, e
não com pagamento em moedas ou em metais preciosos.
Esta concepção mercantilista de “balança de contratos”, devido ao seu caráter
restritivo, veio a evoluir para o sistema denominado “balança de comércio”. Na troca
entre metais preciosos, buscava-se sempre uma condição favorável de superávit, que
assegurasse ao país uma posição de credor. De qualquer modo, concebia-se a riqueza
como resultado do acúmulo incessante de moeda e de metais preciosos.
A França tinha outra posição, denominada mercantilismo “industrialista” ou
“colbertista”.27 Colbert fomentou a indústria, com a finalidade de aumentar a quantidade
de mercadorias exportadas, que seriam trocadas por metais preciosos. Caracterizou-se
pelo intervencionismo de Estado, que outorgava monopólios de produção e
regulamentava a indústria. O preço do trabalho, ou mão-de-obra, era fixado em um
máximo. Também a taxa de juros era determinada pelo Estado. A preocupação
metalista, voltada ao acúmulo de metais pela exportação, além de restringir o consumo
interno, forçou a ingerência do Estado também em outros campos, como a adoção de
uma política demográfica (favorável ao crescimento populacional, que redundaria em
mais gente produzindo) e a organização de um exército poderoso.
A Inglaterra, por sua vez, adotou um sistema mercantilista de moldes
“comercialistas”. Sendo uma grande potência marítima, podia comerciar em grande
escala em todo o mundo conhecido. Para conseguir um saldo favorável na balança de
pagamentos, o Estado regulamentava a produção e controlava as vendas no exterior,
assegurando-se de que a importação de ouro e prata fossem superiores à sua exportação.

No século XVIII vemos aparecer a forma de mercantilismo denominada fiduciária.


Entres outros teóricos das idéias econômicas e monetárias, temos o nome de John Law,
banqueiro escocês que teve extenso papel na evolução destas idéias.
Para Law, o aumento da riqueza pública podia ser feito unicamente pelo aumento da
quantidade de moeda. Ele não se opunha à exportação de metais ou de moedas; também
achava que não era obrigatório o repatriamento de metal precioso no valor das

26
De bullion, ouro em barras ou em lingotes.
27
De Jean Baptiste Colbert (1619-1683), ministro das Finanças do Rei Luís XIV.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 28
______________________________________________________________________
exportações realizadas. Achava que a simples criação do papel-moeda deveria permitir a
aquisição de mercadorias, por ser o melhor instrumento de trocas.

Ele parte de uma análise simples: enquanto persistir a confiança do cliente de um


banco, ele não irá solicitar a conversão e reembolso de seus “bônus” (os papéis-moeda)
em espécie metálica. A moeda em papel (notas bancárias, ou moeda emitida por bancos)
poderia ser emitida em abundância, na proporção de sua procura, sem por em risco o
desenvolvimento econômico.
Mas Law não se deu conta que o excesso de notas bancárias em circulação tinham
grande influência sobre os preços, que tendiam a elevar-se. Juntando-se a isso o excesso
de emissões, a confiança dos portadores se evaporou, e houve uma correria para pedir
reembolsos. Quando o público percebeu que não havia reservas em metais para cobrir as
notas, o valor destas simplesmente desapareceu, ainda que tivessem curso forçado.
Law, evidentemente, fez uma análise contrária; ele não percebeu que deveria ser a
riqueza que deveria prover o aumento de circulação (por emissão) de moedas, e não o
contrário. Se não havia reserva de valor, o volume monetário, por si só, também não
conseguiria garantir o valor da moeda-papel ou nota bancária em circulação.28 Ainda
que tenha antevisto o sistema de crédito e de trocas comerciais baseado em papel-moeda
(e não em moedas metálicas), Law não conseguiu perceber que o uso desta deveria
apoiar-se em uma prosperidade real.29

28
Este tipo de equívoco repetiu-se em diversas oportunidades históricas. Logo após a Revolução
Francesa, a escassez de moedas levou à emissão de papel-moeda cujo lastro seria formado pelas terras
confiscadas da Igreja. Em pouco tempo, a derrocada inflacionária veio mostrar o erro desta concepção.
Também no início da República, no Brasil, cometeu-se o erro (a que se chamou “encilhamento”) de tentar
fomentar a prosperidade econômica através de largas emissões de notas, além da concessão de crédito
fácil e barato. Em breve, percebeu-se que o valor destas notas emitidas, e das ações das sociedades que se
criaram eram apenas fumo, fumaça e vacuidade.
29
Com o economista David Ricardo, percebeu-se mais tarde que esta prosperidade deveria resultar do
aumento do emprego e do aumento da renda suplementar que resultaria deste fato. Esta renda suplementar
aumentaria o consumo, que por sua vez aumentaria a produção. Keynes, futuramente, voltaria a este tema
da multiplicação real da renda.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 29
______________________________________________________________________
CAPÍTULO IV

AS ESCOLAS ECONÔMICAS

Denomina-se escola “liberal” às concepções que dão ênfase à iniciativa individual,


em detrimento da iniciativa do Estado, para realizar a atividade econômica. Este
movimento individualista caracteriza-se por uma divisa: “laissez-passer; laissez-faire”
(deixe passar; deixe fazer). O liberalismo econômico, expresso neste sistema
individualista, vinha como uma reação aos excessos do mercantilismo, que se
caracterizou pelo exagero de regulamentação e pela ênfase dada à indústria, em
detrimento da atividade agrícola. Esta política, agravada pelos baixos preços pagos
pelos gêneros alimentícios, levou a população rural à miséria, bem como trouxe a
ameaça de fome, pela redução das áreas de cultivo.
O excesso de intervencionismo estatal acabou gerando grande descontentamento e
oposição. Tudo isto veio a provocar uma reação ampla, de índole individualista e
liberal, bem como de caráter científico, ao se procurar a explicação dos fenômenos
econômicos. Esta reação se materializou através das escolas chamadas fisiocrática,
francesa, e clássica, inglesa.

7 – A Escola Fisiocrática
A escola fisiocrática surgiu com a obra do médico François Quesnay, que publicou
suas investigações sobre economia na Enciclopédia dirigida por Diderot, a partir de
1756. Para os fisiocratas, as leis que regem os fatos econômicos são leis naturais, e
assim devem ser compreendidas e estudadas. Há uma ordem natural que tudo rege, e
que dá apoio ao direito de propriedade privada. Este direito exercia-se livremente,
proporcionando progresso social e assegurando um preço justo ao produto agrícola. Por
outro lado, afirma que este preço satisfatório também decorre da concorrência.
Os fisiocratas dividem a sociedade em três classes: a classe produtiva, formada pelos
agricultores; a classe de proprietários de imóveis; uma classe não-produtiva, ou
“estéril”, formada por comerciantes, industriais, bem como por profissionais liberais e
outras pessoas que se dedicam ao serviço doméstico.
O sistema de circulação da riqueza proposto tem por base a descoberta realizada por
William Harvey, em 1628, da circulação do sangue no corpo humano. Quesnay
apresenta um sistema de circulação da riqueza análogo à fisiologia humana. A riqueza
originalmente produzida pela classe “produtiva” circula pelas classes sociais conforme a
sua importância, repartindo os bens produzidos. No fim do ciclo, a riqueza volta às
mãos da classe “produtiva”, que volta a reparti-la (seja por pagamentos, ou por custos
de produção – a classe “produtiva” obtém o seu lucro pela diferença entre a venda dos
produtos agrícolas e o seu custo de produção).
Entretanto, este ciclo mostra-se estacionário, pois não há produção de novas
riquezas. Entretanto, ele já dá uma idéia do equilíbrio econômico, idéia que viria a ser
retomada por Léon Walras em fins do século XIX.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 30
______________________________________________________________________
A riqueza somente poderia ser gerada pela produção agrícola, sempre em maior
volume do que a riqueza consumida. O lucro obtido é chamado pelos fisiocratas de
“produto líquido”. Assim, a idéia de valor está ligada à idéia de produção, confundindo-
se riqueza e valor.30
Este erro de concepção levou os fisiocratas a difundirem uma doutrina de aversão ao
comércio, de um modo geral, porque ele não seria criador de riqueza. Este erro apenas
substituiu o erro cometido pelo mercantilismo, o de não dar importância à agricultura.

***

Como já vimos, aceitava-se a existência de uma ordem natural, que Deus criara para
levar a felicidade aos homens. As leis naturais não deveriam tolher a liberdade do
homem, porque esta seria a base do progresso econômico e social. Além disso, este
progresso baseava-se no direito de propriedade privada.
Uma das preocupações dos fisiocratas era com relação ao “bom preço”. Para
Quesnay, “abundância com preço alto é opulência”. O bom preço aproveitaria a todas as
classes, pois elevaria todos os preços, trazendo abundância geral. Com relação aos
impostos, as taxas deveriam incidir unicamente sobre a terra, por ser ela a riqueza real
(dela provinha o “produto líquido”).31

8 – A Escola Clássica
A partir do século XVII, as teorias mercantilistas já vinham sofrendo grandes
críticas; William Petty (1623-1687), por exemplo, apontava que a riqueza provinha do
trabalho, e não do comércio. Os fisiocratas, como vimos, colocavam os bens materiais
como a fonte das riquezas: estes eram extraídos do solo, mediante o cultivo. Assim,
somente da agricultura poderia provir o excedente que seria distribuído entre as demais
classes da sociedade.
A partir de Adam Smith surgiu a denominada “concepção clássica da economia”,
também chamada de Escola Clássica. Em sua obra mais famosa, “A Riqueza das
Nações”,32 publicada em 1776, Smith aponta que a riqueza é constituída pelos valores
de uso (seguindo Petty, ele distingue entre o valor de uso e o valor de troca das
mercadorias). O que determina a riqueza de uma nação é a sua produção total (que
modernamente diz-se: Produto Nacional Bruto, ou PNB).
Uma das análises mais penetrantes de Smith se dá quando ele distingue qual é,
verdadeiramente, o fundamento do valor de troca.33 Este fundamento não está na
utilidade da mercadoria, ou na sua capacidade de satisfação das necessidades humanas;
está, isto sim, refletido no trabalho gasto em sua produção.

30
Apenas em épocas posteriores viriam os economistas a ligar a idéia de valor à satisfação das
necessidades do homem. Desta forma, a indústria e o comércio, além de gerarem utilidade, aumentariam a
utilidade das coisas já existentes.
31
As constantes sugestões modernas a respeito de imposto único têm nos fisiocratas a sua origem
conceitual.
32
Cujo nome correto era: Investigação sobre a Natureza e as Causas da Riqueza das Nações.
33
Valor de troca é a quantidade de mercadorias que se pode obter em troca da mesma.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 31
______________________________________________________________________
Com base nesta concepção, Smith afirma que a riqueza, para crescer, depende
diretamente da produtividade do trabalho. Esta produtividade, por sua vez, depende do
grau de especialização, ou seja, do grau de divisão do trabalho atingido. Esta divisão
depende ainda da extensão do mercado, o qual é normalmente limitado por todo tipo de
obstáculos que se opõem ao comércio interno e externo da nação. A divisão do trabalho,
para acontecer, devia resultar também de uma contínua acumulação de capital.34 Este
aumento de capital deveria se processar em um regime de liberdade (principalmente
sem intervencionismo estatal), e a sua causa imediata seria a poupança.
Para Smith, quando o comércio provoca a expansão da divisão do trabalho, todos
ganham, porque se beneficiam do aumento da produtividade. Ele via, na divisão do
trabalho, a melhor cooperação entre os indivíduos, com vista a um bem comum. Propôs
o câmbio livre, pois que somente este poderia conduzir ao desenvolvimento das forças
produtivas. Era, igualmente, a favor de remover todas as limitações ao comércio
interno.35
A ordem natural defendida pelos fisiocratas é entendida por ele de um modo
racionalista; para ele, o equilíbrio do mercado é regulado por uma “mão invisível”,
capaz de impedir os excessos de exploração econômica por parte das classes mais
favorecidas, ciosas de seus privilégios e voltadas aos seus próprios interesses. Esta “mão
invisível” faria com que a luta pelos interesses de cada um traria, ao final, benefícios a
todos.
Smith mostrou que havia um excedente, ou parte do produto do trabalho. Este
excedente tomaria a forma de lucro e renda da terra. Antecipando-se de certa maneira a
Karl Marx, ele chegou a demonstrar como ocorria uma apropriação deste excedente. Em
oposição aos fisiocratas, afirma que todas as atividades capazes de produzir mercadoria,
também produziam valor. Este valor pertencia, originalmente, ao trabalhador, quando
este possuía os meios de subsistência e de produção (inclusive a terra). Quando
perderam esta propriedade para os capitalistas e para os proprietários fundiários,
puderam ter acesso a estes meios apenas em troca de uma parte do produto do trabalho
(o qual seria exatamente o lucro). Entretanto, por lhe faltar uma melhor perspectiva
histórica, Smith não desenvolveu a idéia, o que viria a ser feito futuramente por Marx. A
renda da terra, por sua vez, decorria da diferença de custos de produção provocados
pelas diferenças de fertilidade e de localização da mesma (terras férteis davam maior
lucro do que terras menos férteis).

9 – A doutrina de Malthus

Robert Malthus foi outro teórico da escola clássica. Basicamente, ele preocupava-se
com a possibilidade de o crescimento populacional atingir um patamar de crescimento
superior à capacidade de produção de alimentos. Em um estudo que realizou, chamado
“Ensaio sobre a População”, ele reflete sobre alguns conceitos demográficos e suas
conseqüências sobre a população.

34
Smith distinguia entre capitais circulantes (que hoje se chamam capital de giro), e capitais fixos, ou
aquele usado para a aquisição de instrumental e maquinaria.
35
Que em sua época caracterizavam-se por regulamentações corporativas; vedação ao exercício de vários
ofícios; proibição de migrações internas; etc.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 32
______________________________________________________________________
Malthus percebera que existia um descompasso entre o crescimento da população e o
aumento dos meios de subsistência. Fazendo uma análise científica, ele demonstrou que,
enquanto o crescimento populacional se dava em proporção geométrica, o crescimento
da produção de alimentos se dava apenas em proporção aritmética. Sendo assim, podia-
se prever uma catástrofe, a qualquer momento.36
Entretanto, ele mostrou ainda que existiam dois tipos de óbices ao crescimento
ilimitado da população: os repressivos e os preventivos. Os primeiros resultavam de
fatos naturais (epidemias, doenças, etc.) ou provocados (guerras, conflitos, etc.). Os
segundos resultariam de um controle espontâneo da natalidade, que entretanto se dava
em menor escala, e que, para Malthus, deveria não somente ser colocado em prática,
como também recomendado enfaticamente.37

10 – A Teoria da Renda de David Ricardo

David Ricardo foi outro pensador vinculado à Escola Clássica. Foi bastante
influenciado pela leitura da obra de Adam Smith,38 que dirigiu sua atenção para a
economia política. Mas, ao contrário deste e de outros pensadores, Ricardo é menos
acadêmico do que um filósofo prático, com extraordinário talento para os negócios, e
com uma visão bastante abrangente a respeito do fenômeno econômico.
Suas primeiras especulações dirigem-se para a moeda, e ele demonstra que o valor
da moeda metálica deriva do trabalho para produzi-la; quanto à moeda fiduciária, ou
moeda sem lastro, o seu valor depende da quantidade em circulação. Apontou a relação
entre o comércio exterior e o valor desta moeda: se há excesso de moeda, os preços
internos sobem, o que leva ao aumento de importação, que por sua vez acarreta déficit
na balança comercial. Este déficit deverá ser coberto pela saída de ouro, que ao sair do
país, elimina o excesso. Por outro lado, se os preços internos baixam, há um incremento
na exportação, trazendo superávit na balança de pagamentos, e portanto haverá entrada
de ouro país (este equilíbrio somente irá ocorrer se a moeda possuir lastro, ou ouro
bastante que sustente o seu valor de conversão).

36
Chama-se “transição demográfica”, a relação entre mortalidade e fecundidade. No Ocidente, a partir do
século XIX, os índices de mortalidade começaram a declinar lentamente. Mas existe também o chamado
“índice de mortalidade infantil”, que indica a quantidade de óbitos infantis por cada mil nascimentos.
Enquanto o primeiro diminui em função de medidas adequadas de higiene e da melhoria da alimentação,
o último (geralmente endêmico em países do Terceiro Mundo) pode ter causas bem mais complexas.
37
Em países de alta densidade populacional, tais como a Índia e a China, o Estado intervém
vigorosamente com uma política drástica de limitação da natalidade (ou de planejamento familiar). Com
relação aos temores de Malthus, estes não se concretizaram em virtude da criação de métodos de
produção agrícola cada vez mais eficientes (o uso de adubos; técnicas mais eficientes de uso da terra; o
uso de defensivos agrícolas; etc.).
38
Contemporâneo de Ricardo, Jean Baptiste Say também sofreu esta influência; na verdade, ele levou as
idéias de Smith para a França. Deve-se a Say a famosa lei dos mercados, bastante citada nos livros de
texto, até a atualidade. Para ele, da produção de bens provém uma demanda global efetiva, que é capaz de
adquirir a oferta global destes bens. Em outra palavras, jamais pode haver uma escassez de demanda, que
é a contrapartida da superprodução (esta lei, como veremos oportunamente, foi refutada por John
Maynard Keynes, quando ocorreu a Grande Depressão).
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 33
______________________________________________________________________
Ricardo elaborou uma teoria geral da renda, que ele baseou em hipóteses
econômicas. Ele considera que em um primeiro momento, haverá um acesso em comum
a terras férteis, que serão cultivadas com o mesmo custo, e vendidas ao mesmo preço;
não há, pois, renda, pois que o lucro é igual para todos.
Com o aumento da população, novas terras deverão ser cultivadas, para suprir a
alimentação dos novos contigentes populacionais. Entretanto, só estarão disponíveis,
nesse instante, terras menos férteis, cujo cultivo terá maior custo. Assim, eleva-se o
preço de venda (admite-se que a produção feita em terras mais férteis terá seu preço
ajustado aos das terras menos férteis; assim, o lucro das primeiras será maior, porque
terão um lucro suplementar, independente do capital e do trabalho dedicado à
produção). O que não se pode admitir, seria vender abaixo do preço de custo.
Em um processo crescente, provocado pelo aumento populacional, novos contigentes
de produtores entram no esquema, em uma escala decrescente de lucros. Haverá sempre
uma diferença de custos entre os primeiros e os últimos produtores, acarretando o que se
denomina renda diferencial.
Levando mais longe o seu raciocínio, Ricardo chega ao momento em que já não
haverá mais terras disponíveis. Mas como a população continua crescendo, os preços
também sofrem aumentos constantes. Esta alta de preços traz uma renda suplementar
àqueles que detêm as menos férteis das terras (terras marginais). Neste caso, não se
chama de renda diferencial, mas de renda de monopólio.
Os proprietários das terras mais férteis, em todos os casos, estarão sempre
aumentado os seus preços (e incrementando a sua produção), para aproveitar o preço
ditado pelo custo de produção das terras menos férteis. Entretanto, esta produção
suplementar exige, por sua vez, quantidades cada vez maiores de trabalho e de capital,
os quais deverão ser remunerados.39
A necessidade progressiva de explorar terras sempre menos férteis altera esta
repartição. Enquanto a renda aumenta sem limite, o salário e o lucro tendem a
diminuir.40 O primeiro, pela crescente oferta de mão-de-obra; quanto ao lucro, tende a
uma margem cada vez menor, devido aos custos crescentes de produção. Mas, ainda que
a renda aumente, haverá uma queda nas taxas de juros, e com isto uma queda na
poupança, o que por fim levaria a uma estagnação na indústria.
Analisando os detalhes práticos da política econômica inglesa, Ricardo se opôs às
restrições legais à importação de trigo, que só poderia ser feita caso o preço
ultrapassasse um determinado patamar. Para ele, o alto preço do produto impunha altos
salários nominais, que traziam redução nos lucros. O acúmulo de capital que se daria a
partir dos lucros vê-se impedido, e até ameaçada a expansão da atividade econômica,
porque a elevação dos preços limitava a acumulação.

“Ricardo era contemporâneo do início da Revolução Industrial e


identificava-se com a burguesia industrial, cujos interesses supunha que
coincidiam com os de toda a sociedade. Verificava que o excedente se
repartia lucros e renda da terra e defendia abertamente uma política

39
A remuneração pela venda dos produtos agrícolas tinha três destinatários: a renda, para os proprietários
da terra; o salário, para remuneração do trabalho; o juro (na verdade, o lucro), ou remuneração do
capitalista empreendedor (esta é a teoria da repartição, de Ricardo).
40
O salário nominal, que acompanha a alta de preços, poderia aumentar; não, entretanto, o salário real.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 34
______________________________________________________________________
favorável ao lucro em detrimento da renda. Ricardo tomava, dessa maneira,
posição no conflito de classes a favor da burguesia, o que o levou a entrar
em polêmica contra o seu amigo Malthus, que era partidário dos
proprietários fundiários.” (4)

***

Numerosas críticas surgiram a respeito da explicação generalista que Ricardo tentou


estender a todos os casos de renda fundiária (mas não da sua teoria, do modo como ele a
expôs). Por exemplo, o economista Charles Henry Carey (1793-1879), que também
estudou a renda, contestou a idéia de que a exploração da terra passava forçosamente
por estas etapas, como se fosse uma lei histórica imutável.41
Analisando a forma como se deu a exploração de vários países, mesmo na Europa,
Carey observa que muitas vezes, o início da exploração agrícola se dá a partir de terras
menos férteis, principalmente se se encontram em território a salvo de invasões, ou
mesmo se são de maior facilidade de cultivo. Em seguida, podia-se se passar (o cultivo)
para terras mais férteis. Essa ordem de cultivo, para Carey, daria origem a uma possível
baixa progressiva do preço dos produtos, e com isso, do valor da terra (Carey chegou a
negar a possibilidade de existência da renda).42
Para Ricardo, o valor baseia-se estritamente no trabalho;43 ele rejeita a utilidade44
como causa e medida do valor. Para ele, havia duas espécies de bens: aqueles não
suscetíveis de reprodução, cujo valor depende de sua raridade e da relação entre oferta e
procura; e aqueles suscetíveis de reprodução indefinida, sempre a um mesmo preço de
custo.

***
Ricardo também fez interessantes estudos a respeito de moeda, crédito e comércio
internacional. Para ele, cada país está, em um determinado instante, em equilíbrio

41
Segundo John Kenneth Galbraith, nos Estados Unidos a civilização e o aumento populacional
pressionaram a que o plantio se deslocasse não para solos mais pobres, mas sim para solos muito mais
férteis (a colonização do território americano deslocou-se progressivamente de leste para o oeste, que
tinha terras mais ricas para o plantio. Estas terras a oeste, posteriormente, devido ao aumento
populacional e às ferrovias, viriam a sofrer extensa valorização, com a conseqüente especulação sobre
elas).
42
A chamada lei do rendimento decrescente proposta por Ricardo, apesar de exata, vem-se se mostrando
inoperante pela força dos fatos históricos mais recentes. O progresso técnico, o aumento do rendimento
ocasionado por novas técnicas de cultivo, o desenvolvimento dos meios de transporte, tem mostrado que
esta lei só tem eficácia em determinados momentos históricos de sistema econômico mais simplificado,
voltado principalmente para a agricultura. Além do mais, a teoria da renda proposta por ele não leva em
conta o fator procura, mas sim a oferta. Stuart Mill, em oposição a este fato, apontou para o fato de que
era perfeitamente possível toda a terra de uma nação ser cultivada (qualquer que fosse a sua qualidade), e
ainda assim proporcionar uma renda.
43
Esta teoria do valor-trabalho, entretanto, carecia de uma maior fundamentação, e mesmo Ricardo tinha
dúvidas a seu respeito. Por exemplo, como explicar o valor de um diamante frente ao trabalho de
extração, ou como explicar que alguns produtos tinham variação de preço de um ano para outro, ainda
que o trabalho não variasse? (era o caso, por exemplo, das safras desiguais de uvas, que alteravam o preço
do vinho).
44
Capacidade inerente a uma coisa, de satisfazer nossas necessidades.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 35
______________________________________________________________________
monetário resultante de sua atividade econômica, do sistema monetário e do sistema
bancário. Este equilíbrio não está relacionado com a quantidade total de moedas e de
metais preciosos que existe em todo o mundo. Admite-se que os metais preciosos
possuem a mesma capacidade de aquisição de mercadorias, em cada país.
Em sua análise, ele afirma que o equilíbrio decorre da relação entre um superávit
inicial, que: 1) provoca a entrada de ouro em função do excedente exportado; 2)
provoca uma alta de preços; 3) provoca um aumento das importações (com a saída de
ouro correspondente); e que, 4) acaba por levar a um déficit na balança na pagamentos,
até que, 5) se atinja o equilíbrio entre os preços e a distribuição do ouro.45
Ricardo notou também que os países de economia mais desenvolvida (e de preços
mais baixos) atraíam moedas e metais de países menos desenvolvidos.46 Ao identificar a
moeda metálica com a moeda bancária (papel-moeda), ele fez várias ilações, das quais
extraiu várias propostas: a criação de um sistema monetário de papel-moeda em
circulação e de conversibilidade em ouro; criação de bancos nacionais; políticas de
deflação; etc.

11 – A Influência da Escola Clássica


As idéias econômicas clássicas tiveram extrema influência no comportamento
prático das nações, seja na política fiscal, seja nas idéias monetárias e nos fatos
econômicos. As idéias defendidas por Ricardo fizeram-se sentir, por exemplo, quando
da promulgação do “Bullion Report”, de 1810, como no “Act” (Lei) de Peel, de 1844,
que procedeu à reforma do Banco da Inglaterra.
No século XIX procedeu-se à revogação, na Inglaterra, de uma série de leis
protecionistas (até criando-se leis antiprotecionistas), e tomaram-se medidas a favor do
câmbio livre, bem como outras medidas de forte influência clássica, principalmente
ricardiana. No continente (na França), as idéias pessimistas de Malthus não encontraram
eco; ao contrário, a maioria dos autores que escreviam acerca de economia tinham
propensão ao otimismo. E enquanto a escola inglesa dava ênfase à propriedade rural e à
renda, a escola francesa privilegiava o empreendedor e o lucro. Colocou também a
indústria como o centro da produção, e a produção como o centro da economia.

As idéias econômicas clássicas continuaram a influenciar a próxima geração de


economistas de fins do século XIX e início do século XX.47 O economista Mac-Leod
45
Esta análise, por se basear unicamente quantidade do ouro, sem levar em consideração a quantidade de
moeda, acabou por ser abandonada. Ricardo acreditava que somente o ouro bastava para fazer variar os
preços. Por outro lado, ele também acreditava que a oferta da moeda bastava para regular a procura; mas,
por confundir a moeda-ouro com a moeda-papel, não foi capaz de perceber que a primeira tinha função de
instrumento de reserva de valor, enquanto que a segunda era apenas um título jurídico, sem valor real e
nem sempre conversível ou procurada internacionalmente (modernamente, apenas as moedas “fortes”
costuma ser entesouradas).
46
Atualmente, esta relação decorre da relação cambial entre as moedas dos vários países, e de sua
produção industrial. Países como China e Japão, de moeda desvalorizada, mas de grande produção
industrial, possuem superávits em suas balanças de pagamento em razão da proporção entre os volumes
de exportação e de importação. Países deficitários serão aqueles que exportam menos e importam mais (o
que provoca desequilíbrio na balança de pagamentos).
47
E continuam a influenciar até os tempos modernos.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 36
______________________________________________________________________
fez um amplo estudo a respeito da natureza do crédito, e do papel exercido pelos
bancos, em sua criação. Ele apontou a semelhança existente entre a nota de banco e os
créditos bancários utilizáveis através de cheques. Achava que se devia substituir a noção
de criação de riqueza pela de criação de utilidade. Mostrou, entre outras coisas, que as
dívidas e os créditos também são bens econômicos a se levarem em conta. Sendo assim,
concluía-se (como ele o fez) que poderiam existir utilidades econômicas em potencial,
ou futuras.48

***

No século XX, surgiram novas tendências no pensamento do classicismo. Registra-


se o aparecimento das escolas históricas, hedonista e intervencionista moderada. Deve-
se às primeiras a metodologia de análise e de dedução; às segundas, a noção de
utilidade, produtividade marginal e de equilíbrio econômico; às terceiras, a concepção
de intervencionismo de Estado, permeado por um liberalismo moderado.

12 – Stuart Mill
John Stuart Mill (1806-1873) é o filósofo da “justiça social”, e, ainda que de
tendência liberal, inicialmente, voltou-se posteriormente para uma corrente de
pensamento de molde socialista e intervencionista. Mill preocupou-se, e fez uma
distinção radical entre os fenômenos da produção e da repartição. Para ele, os primeiros
eram fixos e rígidos, e não podiam sofrer intervenção humana para modificá-los. Já os
segundos, dependiam da vontade humana.
Mill achava que a distribuição da riqueza podia ser submetida a regras da sociedade,
e ele mesmo propôs algumas medidas de organização social, para melhor repartição
desta riqueza. Ele é, a um só tempo, individualista e intervencionista; enquanto defende
a expansão da pequena propriedade agrícola, por outro lado volta-se para medidas
arbitrárias de restrição da prole (neste caso, mostra-se um neomalthusiano convicto).
Propôs o desenvolvimento de cooperativas de produção, pois achava que isto
transformaria a classe obreira em capitalista. Mas não deixa também de ansiar por uma
ordem futura, baseada no comunismo, como ele a definia.
Era, claramente, um reformista social, devido às suas preocupações humanitárias,
mas suas idéias sofrem de freqüente contradição, quando buscava conciliar pontos de
vista opostos, sobre os quais não tinha uma posição definida; nestes casos, seu
pensamento se mostrava nebuloso. 49 Mas suas idéias, principalmente o conceito de
dinâmica econômica (ou transformação econômica) viriam a permitir que se fizesse
posteriormente, em épocas posteriores, uma distinção entre “Economia Pura” (que
lançava mão do método matemático para pesquisar a relação entre os fatos econômicos)
e “Economia Aplicada” (os conceitos e ferramentas teóricas utilizados pelas autoridades
que podem decidir sobre os fatos econômicos).

48
Muito do atual comércio mundial se faz em compra e venda de bens futuros (é o chamado mercado de
futuros).
49
A crítica moderna sobre Mill aponta o fato de que ele separou arbitrariamente dois fenômenos
econômicos que são estritamente solidários e interdependentes, e que não podem ser divididos do modo
como ele o fez.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 37
______________________________________________________________________
CAPÍTULO V

A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E A TESE SOCIALISTA

13 – A Ascensão da Classe Burguesa


A Revolução Industrial teve início, basicamente, na Inglaterra, nas primeira três
décadas do século XVIII (teve seu auge entre 1750 e 1830). Foi uma transição de uma
economia de moldes agrícolas e artesanais, para outra predominantemente urbano-
industrial. O acúmulo de capital decorrente do extenso comércio com as colônias deu
ensejo a um grande crescimento econômico, que por sua vez deu ensejo ao surgimento
de novas técnicas de produção. Aliado ao acesso a grandes reservas de recursos
naturais, tudo isto permitiu a criação de grandes fábricas equipadas com máquinas que
tinham sido inventadas recentemente, graças aos progressos paralelos da ciência e das
técnicas.50 Na Inglaterra, a Revolução Industrial provocou dramáticas e repentinas
transformações na repartição da demografia nacional, com afluxo em massa de mão-de-
obra para as cidades, a partir dos campos. O ritmo de urbanização corria a par de uma
intensificação do crescimento demográfico. Se antes de 1840 havia apenas duas cidades
na Inglaterra com mais de 100.000 habitantes, depois de 1910 já existiam quarenta e
oito. Nos últimos trinta anos do século XIX, cerca de um terço da população rural já
havia migrado para as cidades, engrossando o contigente de trabalhadores na indústria e
tendo uma vida miserável.

A Revolução Industrial teve uma multiplicidade de causas. A Revolução Comercial


já propiciara fazer surgir novas invenções, tais como o relógio de pêndulo, o
termômetro, a roda de fiar e o tear, bem como novas técnicas metalúrgicas. Progressos
paralelos ocorreram em outras indústrias, tais como a vidraria, a relojoaria, a construção
naval e a carpintaria. A imensa disponibilidade de capitais que surgira a partir do
intenso acúmulo de metais preciosos provocou um surto de novos negociantes que
buscavam incessantemente novas formas de lucrar; entretanto, com o correr do tempo
havia cada vez menos atividades lucrativas. A procura intensa por produtos
“industrializados” (de início, apenas manufaturados, em escala doméstica) provocou a
necessidade de aumentar a produção destes produtos, o que se podia fazer unicamente
adotando melhoramentos mecânicos. O crescente povoamento das novas colônias
obrigava a aumentar constantemente a quantidade de produtos para exportação. A
produção de ferro, que exigia inicialmente um grande consumo de carvão, ao passar a
usar o coque (cujas minas estavam normalmente inundadas) levou à necessidade de
encontrar bombas eficientes capazes de fazer a sucção desta água das minas; isto acabou
levando à invenção da máquina a vapor, que se tornou verdadeiramente o ícone da
revolução industrial em progresso. Também a necessidade premente de mecanização da

50
Foi a época das grandes máquinas a vapor, que vieram substituir extensamente o trabalho humano. Na
verdade, há um paralelo possível entre a industrialização desta época, e a robotização, que é uma
característica crescente das fábricas do final do século XX e início do século XXI.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 38
______________________________________________________________________
indústria têxtil levou ao desenvolvimento da máquina de fiar e do tear hidráulico, e não
tardou a que novas máquinas fossem inventadas para os outros tipos de manufatura.
A Revolução Industrial acelerou a divisão da sociedade em duas novas classes: a
burguesia industrial e o proletariado. A revolução política representada pela Revolução
Francesa já tinha mostrado o abismo existente entre as classes sociais, e os anseios
populares de justiça e de inclusão social. A distribuição (ou repartição) da riqueza se
dava principalmente entre as classes favorecidas, entre as quais a nobreza e os
representantes do clero. A grande massa do povo vivia na miséria, contemplando
impotentes a opulência e o luxo das outras classes. Agora, a emergência desta nova
classe social (a burguesia) mostrava uma dinâmica social cuja causa só poderia estar nos
fenômenos econômicos. Se o fim do feudalismo permitiu maior mobilidade social, o
mercantilismo permitia por sua vez que, através do comércio, novos contigentes sociais
pudessem ascender economicamente, com o conseqüente aumento de status político.
Entretanto, esta ascensão social era privilégio de poucos; o novo liberalismo econômico,
bem como o sistema capitalista que teve início com a Revolução Industrial, apesar de
propiciarem esta ascensão social, por outro lado escancaravam novos abismos entre as
classes, e já em 1848 ocorriam convulsões sociais provocadas pela situação de miséria
das populações, miséria esta basicamente provocada pela exploração dos pobres pelos
novos ricos.

***

A inexistência total de uma política oficial de proteção ao trabalhador permitiu aos


capitalistas que exercessem uma exploração da mão-de-obra trabalhadora, que se
submetia a extensas jornadas de trabalho, sem contrapartidas de salário justo, descanso
ou mesmo proteção no caso de doença. As condições de vida para os trabalhadores
urbanos eram terríveis, e os salários permitiam apenas um mínimo de subsistência,
próximo à miséria. Por outro lado, mesmo entre os capitalistas as condições da
economia eram desfavoráveis, porque a competição acirrada muita vezes trazia como
conseqüência a falência ou a absorção pelos mais fortes (o que acarretava, cada vez
mais, a formação de monopólios).

“A experiência histórica demonstra que sempre que as sociedades


precisaram obrigar parte de seus membros a apertar os cintos e a viver ao
nível da subsistência, foram os de menor poder econômico e político que
tiveram que arcar com os sacrifícios. Foi o que aconteceu na Inglaterra, à
época da Revolução Industrial. Em 1750, a classe operária vivia em
condições extremamente precárias, próximas ao nível de subsistência, e seu
nível de vida (avaliado em termos do poder aquisitivo dos salários)
deteriorou-se durante a segunda metade do século XVII.” (ADAM
SMITH/RICARDO. Pág. 246).

***

Como vimos, o liberalismo dos clássicos decorria de uma visão de mundo no qual
pensavam existir uma ordem natural. Este liberalismo batia-se pela liberdade
econômica, pela livre concorrência e pelo individualismo, opondo-se a qualquer
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 39
______________________________________________________________________
restrição legislativa ou regulamentação estatal, somente aceitando a regulamentação do
mercado. Mas contra esta concepção viria a formar-se, no início do século XIX, uma
reação geral provinda principalmente dos pensadores socialistas. Em 1867, Karl Marx
editou a sua obra máxima, “O Capital”, na qual fez uma extensa análise das
conseqüências da adoção deste tipo de concepção econômica (o capitalismo) e suas
conseqüências deletérias sobre o campesinato e sobre o operariado. Antes, contudo,
veremos o que veio antes.

14 – O Socialismo Pré-Marxista
A injustiça flagrante desta nova sociedade fez com que vários filósofos e pensadores
se levantassem contra ela. Os socialistas, por exemplo, que se batiam pela igualdade
entre os indivíduos, 51 vieram propor formas de repartição, tanto da riqueza, quanto dos
meios de produção (que podiam produzi-la). Idéias como participacionismo,
apropriacionismo e coletivismo eram bastante comuns, sempre com a idéia de
compartilhamento da propriedade como fundo comum. Outro ponto característico do
socialismo era a restrição à propriedade; o socialismo não admitia senão um mínimo de
propriedade privada. Mas também a liberdade se restringia (e com ela a livre iniciativa,
característica do capitalismo). Como substituto à livre concorrência, propunha-se a
planificação ou planejamento.52 Os socialistas se dividiam entre voluntaristas (que
acreditavam que as medidas econômicas seriam aceitas pelos interessados) e em
autoritários (que pensavam que se devia lançar mão da coerção, para obrigar a esta
aceitação).53
Contra a ordem natural defendida pelos economistas clássicos, que viam a natureza
como um reflexo das leis divinas, o socialismo propôs o materialismo, segundo o qual a
vida orgânica seria a principal finalidade da vida humana (e que a matéria determinava a
formação da consciência, por ser anterior a ela); contra o livre-arbítrio (que dava
fundamento à liberdade econômica), propôs o determinismo (filosofia coerente com o
ceticismo, para a qual os fatos humanos são determinados pela história ou pelas
correntes sociais preponderantes).

51
A indefinição deste conceito de igualdade provocou extensas polêmicas, tanto entre socialistas quanto
entre os seus críticos. Na verdade, jamais se chegou a um consenso sobre ele, e os regimes políticos que
se diziam “socialistas” mostraram que sua sociedade ideal podia se mostrar extremamente desigual (foi o
caso, por exemplo, da classe burocrática soviética, denominada Nomenklatura, que detinha privilégios
não alcançados pela população em geral).
52
A extinção da União Soviética e a abertura política e econômica decorrente puseram a nu os excessos
do planejamento oficial, que controlava de modo avassalador todos os aspectos da vida econômica.
53
O socialismo marxista sempre teve esta tendência, e os países que adotaram o socialismo tornaram-se
regimes fechados, exatamente para impor suas idéias e reprimir pela força os dissidentes. O Camboja, em
época bem recente, sofreu um mortícinio que eliminou mais de três milhões de pessoas, em nome do
“purismo” marxista. A própria Rússia sofreu tanto nas mãos de Stálin que Khruschev se viu obrigado a
denunciar o “stalinismo”, quando se tornou Primeiro Ministro.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 40
______________________________________________________________________
15 – O Socialismo de Karl Marx
O socialismo pré-marxista era voltado a ideais de uma sociedade onde fossem
abolidas as diferenças sociais, como também a propriedade privada e o princípio do
lucro. Nesta época, tornou-se comum a tentativa de criar comunidades ideais, em que se
voltaria ao “comunismo primitivo”. Cooperativas (ou falanstérios, como foram
denominadas) eram incentivadas, mas todas as iniciativas neste sentido acabaram
redundando em fracasso.54 Mesmo os socialistas mais moderados eram a favor de que o
Estado se apropriasse da administração da produção e da distribuição.
Marx classificava as idéias socialistas anteriores a ele “socialismo utópico”;55 ele
propôs uma nova interpretação tanto das leis econômicas quanto das leis históricas, à
qual deu o nome de “socialismo científico”. Para ele, os socialistas anteriores eram
apenas filantropos, que se indignavam com a exploração desumana que foi uma
característica do início do capitalismo. Muitos pertenciam à própria classe que
abominavam, e os verdadeiros revolucionários seriam poucos.

Marx tinha uma formação filosófica, e foi bastante influenciado por Hegel, um dos
maiores filósofos alemães. Ele aderiu ao materialismo histórico, e usou o processo
chamado de “análise dialética” de Hegel para explicar a História, os sistemas e as
instituições sociais. Para Marx (e seguindo o pensamento de Hegel), a História move-se
dialeticamente, devidos às forças sociais antagônicas que se criam em seu seio: a vida
econômica, social e política estão em constante transformação. Marx dedicou a sua vida
a tentar descobrir quais eram as forças sociais subjacentes a este processo, cujo
resultado era a História. De acordo com a lógica dialética de Hegel (ou dialética dos
opostos), há três elementos da realidade: a tese; a antítese; a síntese.56 Tais elementos
foram apropriados por Marx para a sua explicação da História, que se dava por
movimentos sociais que criavam antagonismos internos (que ele chamava de
contradições); tais contradições resultavam das relações de produção e das forças
produtivas materiais.

Em outras palavras, Marx disse que o que movia a História era a economia. A base
econômica da sociedade (modo de produção) influenciava todas as demais instituições
sociais. Ele a chamou de infra-estrutura. As demais instituições (religião, sistemas
políticos, leis, costumes, etc.), ele chamou de superestrutura. Assim, sobre uma infra-
estrutura econômica erguia-se uma superestrutura jurídica e política.

54
Talvez uma das poucas iniciativas de vida comunal que deram certo foram as comunidades criadas em
Israel, os denominados kibutzim. Kibutz é uma fazenda coletiva, que se baseia no regime de propriedade
comunal e na cooperação voluntária. Tiveram início bem antes da formação do Estado de Israel (que se
deu em 1948), a partir do início do século XX, em terras palestinas (à época). Os moldes pelas quais
foram criados tiveram inspiração nos ideais socialistas dos imigrantes sionistas russos.
55
Entre os nomes mais famosos, representantes de várias tendências do socialismo, temos: Robert Owen;
Charles Fourier; Louis Blanc; Gracchus Babeuf; Michael Bakunin; Eugen Dühring; Auguste Blanqui;
Peter Kropotkin; William Godwin; Henri de Saint Simon; Pierre Proudhon; Thorstein Veblen.
56
De acordo com Hegel, a história se desenvolve assim: em um primeiro momento surge a tese, um
momento da realidade que se impõe; em seguida, surge uma reação, chamada antítese. Posteriormente,
surge uma conciliação entre os contrários, chamada antítese (e que se torna uma nova tese, para
movimentos futuros).
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 41
______________________________________________________________________

O modo de produção seria formado por dois elementos: as forças de produção; as


relações de produção. As primeiras são constituídas por fábricas, ferramentas,
equipamentos em geral; as segundas são formadas pelas relações sociais que os homens
mantêm entre si. Ele destacava, entre elas, a relação de propriedade que cada classe
estabelecia com os meios de produção. O modo de produção da vida material
determinava o desenvolvimento da vida social, política, intelectual, etc. Após um certo
estágio de desenvolvimento, as forças de produção entram em contradição com as
relações de produção existentes (ou relações de propriedade). Deste choque surge uma
época de revolução social, que busca transformar a base econômica, pela mudança das
relações de produção.
Para Marx, houve quatro sistemas econômicos (modos de produção distintos), ao
longo da evolução da civilização européia: o comunismo primitivo; o escravismo; o
feudalismo; o capitalismo. Cada um destes sistemas era dominado por um modo de
produção, caracterizado por determinadas forças produtivas e relações de produção,
com uma estrutura particular de classes.

Marx vê com olhos bastante críticos a fase do capitalismo, que ele coloca como uma
característica da classe “burguesa”,57 classe dominante que detinha o modo de produção
e explorava economicamente a classe de trabalhadores (proletários, operários e
camponeses), que se opunham dialeticamente entre si, dando ensejo a uma interminável
“luta de classes”.58 Este conceito de luta de classes59 foi aproveitado por ele (juntamente
com a análise dialética de Hegel) para definir a História como uma sucessão de
movimentos sociais de oposição entre si, compostos por várias fases: a formação de
uma classe social; o avanço desta classe em direção a novas estruturas sociais, num
movimento contrário às classes já existentes, que buscam o seu status quo; revoluções
sociais como forma de transformar os modos de produção em propriedade social (a
síntese dialética histórica).

Para Marx, o comunismo seria a última forma de sociedade, na qual o proletariado


seria a última classe.60 Suprimidas todas as classes, o próprio Estado já não teria razão
de existir.61 Entre a sociedade capitalista e a comunista, haveria um período de
transformação revolucionária, caracterizado pelo que chamou de “ditadura do
proletariado”. Como socialista autoritário, e também em razão de sua análise histórica,
Marx acreditava que as classes dominantes não entregariam facilmente o poder (os

57
Que começara a surgir a partir da Revolução Francesa.
58
No Manifesto Comunista, Marx afirma que “a história de todas as sociedades até hoje existentes é a
história das lutas de classes”. Curiosamente, Marx, que era contra a exploração dos trabalhadores pelos
capitalistas, não tinha uma posição clara contra a escravidão negra, ainda imperante em sua época (os
últimos países a aboli-la foram Cuba, em 1880, e Brasil, em 1888).
59
Já conhecido por outros autores anteriores, tais como Maquiavel, Sismondi, Thierry, Thiers, Carlyle, e
muitos outros historiadores e economistas.
60
Dialeticamente, seria a síntese histórica final de todos os movimentos sociais passados, cujas teses e
antíteses (ou contradições internas, como Marx as chamava) redundavam em sínteses insatisfatórias, por
não trazerem o final das lutas de classes.
61
A maioria dos marxistas acreditava que esta fase estaria em um futuro muito distante.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 42
______________________________________________________________________
modos de produção), e que portanto deveriam ser desalojadas (pela força da
revolução).62

Engels, parceiro teórico das idéias de Marx, afirmava por sua vez que o proletariado
deveria se apoderar da força do Estado e começar a transformar e transferir para este os
meios de produção. Somente assim ele iria se destruir como proletariado, pela abolição
de todas as distinções e antagonismos de classe. E somente assim o próprio Estado
poderia ser abolido.
Para Engels, a classe antiga, que se move através dos antagonismos de classe, tem
necessidade do Estado, pois somente através dele pode manter a sua força exploradora e
sua força de opressão contra as classes trabalhadoras.

62
Lênin, a este respeito, manifestou-se assim: “Por dois motivos e em dois sentidos diferentes, a ditadura
é necessária na transição do capitalismo para o socialismo. Em primeiro lugar, a vitória do proletariado é
impossível sem a opressão mais absoluta exercida sobre as classes dominantes, que não querem renunciar
a seus privilégios e que durante muito tempo colocarão todas as forças em movimento para derrubar o
governo proletário que odeiam. Por outro lado, nenhuma grande revolução, sobretudo socialista, é
possível sem guerra civil, mesmo se reina a paz com as potências estrangeiras” (CASTRO, Paulo. Pág.
155.).
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 43
______________________________________________________________________
LEITURA COMPLEMENTAR

A Teoria Econômica de Marx

Marx foi um escritor extremamente prolixo, e sobre economia, suas obras são
inúmeras.63 Para ele, toda mercadoria deveria satisfazer uma necessidade (deveria ter
um valor de uso). Ele identificou o valor de troca da mercadoria, e afirmou que toda
mercadoria acabada (produzida) tinha um valor maior do que o valor dos seus
componentes. Assim, um casaco teria um valor maior do que o valor do tecido utilizado
em sua confecção. Ele explicava este acréscimo de valor como resultante da quantidade
de trabalho. Mas havia o trabalho médio simples, e o trabalho complexo. O primeiro
varia conforme o país, enquanto que o segundo seria uma espécie de múltiplo do
primeiro, com custos mais altos e de maior duração.
A troca de mercadorias se daria através de um equivalente geral, o dinheiro. Este
seria a medida padrão para todas as mercadorias, com “consistência objetiva e validade
social universal”. Produtos diversos de trabalho são equiparados, e o valor da
mercadoria, normalmente, tem o seu valor de troca determinado através do tempo de
trabalho. Este valor da mercadoria não é o seu preço, mas está intrinsecamente ligado a
ele (na troca de mercadorias simples, predomina o valor de uso). Por fim, preços
diferentes podem representar quantidades iguais de trabalho social.

Marx afirma que os meios de produção transferem valor ao produto pela perda do
valor próprio, durante o processo de trabalho. A diferença excedente entre o valor total
do produto e a soma dos elementos que o formam tem origem na força de trabalho
humana, que expende mais esforço do que aquele necessário à própria subsistência.
Quanto ao capital, uma parte se mantém constante (é o chamado capital constante),
quando convertida em instrumentos de produção; já aquela convertida em força de
trabalho muda de valor no processo de produção. Além do próprio valor (que ela
reproduz), há um valor excedente, que Marx chama de mais-valia.64 Esta parte do
capital pode ser maior ou menor; ele a chama de capital variável.
Esta parte do capital (a mais-valia) torna-se objeto de litígio entre o capitalista e o
trabalhador, principalmente pelo que ela representa de diferença entre o tempo de
trabalho excedente e o tempo de trabalho necessário ao sustento da força de trabalho
(materializada na jornada de trabalho. Marx afirma que, na história da produção
capitalista, a regulamentação da jornada de trabalho é um embate incansável entre a
classe capitalista e a classe trabalhadora.65

63
Dos seus vários textos, podemos citar: O Capital; Introdução à Crítica da Economia Política;
Contribuição à Crítica da Economia Política; Salário, Preço e Lucro; Teorias sobre a Mais-Valia; etc.
64
O conceito de mais-valia tem sofrido extensas críticas de vários economistas. Ele não surgiu com Marx;
na verdade, os fisiocratas já utilizavam um conceito semelhante quando acreditavam que somente a
agricultura produzia riqueza, e portanto somente ela produzia um excedente que podia ser tributado.
Muitos economistas criticam a noção de que a produção, de algum modo, possa criar um excedente de
receita, que é acumulado por determinadas classes.
65
Marx previu que o conceito de mais-valia deveria sofrer revisão em uma época de automatização (como
é o caso cada vez mais comum na atualidade). Para ele, o tempo de trabalho poderia deixar de ser a
medida da riqueza, se a própria forma de trabalho se modificar (vide nota 130).
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 44
______________________________________________________________________

Para Marx, o trabalhador sentia-se alienado de seu trabalho, do seu meio cultural e
até de seus próprios companheiros. Alienação, no contexto em que ele emprega o termo,
significava que o trabalhado era externo ao trabalhador, não lhe pertencia. O seu
trabalho não era voluntário, e sim forçado; quando trabalhava, não o fazia para si, mas
para outrem. Por isso, por não poder desenvolver livremente a sua energia física e
espiritual, o trabalhador era infeliz, e sentia-se degradado e desumanizado. Por ter sido
transformada em mercadoria a sua atividade necessária de subsistência, ele sofria uma
deformação no desenvolvimento da sua personalidade. A única forma de eliminar a
alienação seria fazendo a propriedade dos meios de produção mudar de mãos.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 45
______________________________________________________________________
CAPÍTULO VI

A EXPANSÃO DO CAPITALISMO

Entre 1840 e 1873 houve uma rápida expansão econômica em toda a Europa. O
processo de industrialização iniciado na Inglaterra teve prosseguimento nos países do
continente, que importavam os bens de capital deste país. Entre 1840 e 1860 as
exportações inglesas atingiram níveis incríveis, que levaram a um tremendo progresso
interno. A produção de ferro, aço e carvão aumentou consideravelmente, e extensas
linhas ferroviárias foram construídas.
Este período, caracterizado pela livre concorrência,66 levou também a uma grande
concentração de capital, e em pouco tempo as empresas menores sucumbiram às mais
poderosas, que se fundiam em cartéis e trustes monopolistas. O mercado se expandiu
ainda mais, e surgiram grandes sociedades anônimas e corporações, que controlavam
um grande volume de capital. Ao final do século XIX, o excesso de concorrência em
um mundo dominado por estas gigantescas corporações forçou a uma maior associação
entre elas, como forma a eliminar a concorrência predatória. Companhias ainda maiores
começaram a surgir como resultado das concentrações e fusões, e com isto surgiram
enormes monopólios e oligopólios, que controlavam instituições financeiras, bancos e
grupos industriais.

16 – O Imperialismo – A Nova Face do Capitalismo


O antigo colonialismo das grandes potências foi substituído pelo imperialismo, uma
nova forma de dominação econômica.67 Um dos primeiros países a sofrer as
conseqüências da expansão imperialista foi a Índia. Desde 1757, ano em que Bengala
foi conquistada, a Companhia das Índias Orientais manteve intensas relações comerciais
com a região. Nesta época, a Índia já era economicamente avançada, com métodos
organizados de produção industrial. A partir da conquista de Bengala, a Companhia das
Índias iniciou um longo e metódico processo de dominação e de exploração de uma
grande parte do território indiano. A exploração foi brutal e gigantesca, arrancando
grandes somas de dinheiro deste país.68

66
O capitalismo, como doutrina econômica, sempre pressupôs a existência de alguns princípios: o direito
à propriedade individual; a livre-iniciativa; a concorrência livre; a busca do lucro. Caberia ao Estado
normatizar alguns parâmetros, tais como, entre outros: o câmbio; as taxas de juros; a emissão e o controle
de moedas; o exercício do fisco. Somente em épocas posteriores o Estado preocupou-se em criar uma
legislação voltada à proteção do trabalhador (assistência médica, previdência, aposentadoria, etc.). O
controle fiscal e financeiro da economia pelo Estado é, também, característica das modernas economias
capitalistas
67
O nome imperialismo, que obteve uma conotação depreciativa graças às invectivas marxistas, na
realidade tem sua origem no fato de que uma grande parte das ricas nações européias do início do século
XX ainda eram estados imperiais, no sentido de que eram governados por um imperador (como era o
próprio caso do Brasil).
68
Ainda que o capital das sociedades anônimas que operavam no país não ultrapassasse 36 milhões de
libras, calcula-se que entre 1757 e 1815 os ingleses tenham retirado do país entre 500 e 1000 milhões de
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 46
______________________________________________________________________
A partir de 1857, para poder atingir e explorar o restante do território, os ingleses
começaram a construir uma extensa malha ferroviária.69 O governo assegurava aos
investidores ingleses um retorno mínimo de 5% para o dinheiro investido nas estradas
de ferro, prometendo que, se os lucros caíssem abaixo deste limite, a diferença seria
coberta por meio de impostos lançados sobre o povo indiano.

Entre 1875 e 1900, Grã-Bretanha, Bélgica, França, Alemanha, Rússia e Estados


Unidos incorporaram imensas áreas aos seus impérios, submetendo ao seu domínio
cerca de um quarto da população mundial. No continente africano, 93% das terras
estavam sob dominação estrangeira, na busca frenética de seus recursos minerais
(necessários à constante expansão industrial) e agrícolas.70 A Inglaterra apoderou-se das
mais ricas regiões do território africano, entrando em choque com outra potência
colonialista, a Holanda. Após a Guerra dos Boeres (1899 a 1902), a Inglaterra adquiriu
o controle da África do Sul, em substituição àquela (o império colonial britânico chegou
a abranger uma área de 33,5 milhões de quilômetros quadrados, com cerca de 500
milhões de habitantes, um quarto do total da população mundial, à época).
Também o continente asiático sofreu a invasão colonial. Em 1878 o Afeganistão foi
conquistado pelos ingleses; em 1858, a França conquistou o território da Indochina.71
Os Estados Unidos, por sua vez, conquistou possessões no Pacífico, tais como as Ilhas
Samoa, Pago-Pago e o Havaí. Em 1898 foram anexados Porto Rico, Guam e as Ilhas
Filipinas. Em 1903, ao forçar a separação do Panamá da Colômbia, adquiriu direitos
sobre a chamada “Zona do Canal do Panamá”. Mas o embate entre as potências
colonialistas era constante, e viria a ter enormes conseqüências.72
As potências que emergiram vitoriosas da Primeira Guerra Mundial impuseram às
derrotadas as humilhações econômicas inscritas no famoso Tratado de Versalhes, que
limitava grandemente o desempenho econômico e militar destes países. A Liga das
Nações, organismo criado para reunir em um foro único os países do mundo, teve vida
curta, e foi inoperante enquanto existiu. Houve grandes esforços pelo desarmamento
mundial, mas tais esforços esbarravam na desconfiança mútua e na indiferença, quando
não na rivalidade militar patente. Aos poucos, as potências entraram em uma corrida
armamentista irrefreável. No período entre guerras, além da anarquia econômica trazida
pelas dívidas de guerra, pelo nacionalismo econômico e pela diminuição do comércio
mundial, o espectro da depressão econômica rondava, e veio a fazer a sua aparição em
1929 (como veremos no item 16).

libras (em especiarias, jóias, ouro e pedras preciosas). A corrupção interna dentro desta empresa atingiu
níveis inauditos, com os funcionários lutando entre si para explorar a miséria dos nativos indianos.
69
Que viria a se tornar uma das maiores do mundo.
70
O Congo, uma das mais lucrativas possessões, fornecia diamantes, urânio, cobre, algodão e derivados
do coco.
71
Atual Vietnã. Obrigada a retirar-se em 1957, a França cedeu o seu lugar aos Estados Unidos, que tinha
uma política asiática de aconselhamento militar, visando rechaçar o comunismo. Aos poucos, este
envolvimento transformou-se em uma guerra não declarada (em 1964), na qual os Estados Unidos
chegaram a enviar cerca de um milhão de soldados para esta região. Em 1975, a tomada da capital sul-
vietnamita, Saigon, pelas forças comunistas levou ao fim da guerra e à retirada americana.
72
A Primeira Guerra Mundial (1914) surgiu dos embates e oposições políticas que ocorriam
constantemente entre os impérios austro-húngaro e prussiano-alemão, que disputavam a hegemonia
imperialista.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 47
______________________________________________________________________
***

Já no início do século XX os Estados Unidos haviam se tornado o maior país


industrial do mundo, bem à frente do segundo colocado (a Alemanha). O seu parque
industrial, no entanto, era dominado por um pequeno número de empresas. O ramo
petrolífero, do aço, do tabaco, as ferrovias e os bancos, principalmente, estavam nas
mãos de um reduzido grupo de pessoas. A concentração de renda chegou a atingir níveis
alarmantes.73
Naturalmente, este estado de coisas fazia pressupor que havia algo errado com a
ideologia liberal clássica ou mesmo neoclássica, que supostamente era a doutrina
econômica em voga. Para esta, a economia deveria ser composta de uma infinidade de
pequenas empresas. Assim, nenhuma seria capaz de exercer influência significativa
sobre os preços, ou sobre o total de mercadorias que seriam vendidas no mercado. Cada
decisão econômica dependeria da preferência do consumidor e da concorrência
oferecida pelo mercado.74 Ao contratarem ou adquirirem fatores de produção, as
empresas os utilizavam de forma a maximizar os seus lucros. Entretanto, os preços dos
produtos finais e dos fatores de produção estavam fora de seu controle.

17 – Anarquistas e Sindicalistas
Ao tempo em que a agitação marxista-leninista tomava conta da Europa, já existiam
outros movimento paralelos que os combatiam, geralmente radicais de outras
tendências. Entre 1860 e 1870, o movimento anarquista (membros da Associação
Internacional dos Trabalhadores, ou Primeira Internacional)75 lutava por um ideal que se
expressava por um tipo de coletivismo não submetido a qualquer controle
governamental; eles se batiam pelo fim do Estado e do Capital.76 Na esteira do
anarquismo surgiu outro movimento trabalhista que viria a redundar, em 1895, na
criação do chamado “sindicalismo revolucionário”,77 por Fernand Pelloutier. Pela sua
fórmula, o sindicato operário devia ser utilizado como instrumento da luta de classes por
melhores condições de vida, entre cujas armas ele apontou a greve geral e a violência.
Nos Estados Unidos, o sindicalismo floresceu entre 1905 e 1920 através da IWW
(Industrial Workers of the World). Este sindicato organizava os trabalhadores por

73 Em 1929, apenas 5% da população controlava 34% das rendas. Isso, apesar de o Estado ter feito
aprovar uma legislação anti-truste já desde o final do século XIX (a Lei Sherman). Outras se seguiram,
tais como a Lei Clayton, e a lei que criou o Federal Trade Commission.
74
Esta concepção se devia basicamente às obras de três economistas de final do século XIX: William
Stanley Jevons; Karl Menger; Léon Walras.
75
Foram, entretanto, expulsos em 1872.
76
Os anarquistas mais radicais foram os primeiros a usarem bombas para criar o terror e para matar
governantes e autoridades (foi um ato terrorista anarquista executado na região dos Bálcãs que levou à
deflagração da Primeira Guerra Mundial).
77
No início do século XIX, punia-se, na Inglaterra, com prisão e deportação, para a Austrália, quem
procurasse criar sindicatos trabalhistas. A Revolução Industrial recente tinha provocado desemprego, pela
introdução de máquinas; entre 1811 e 1818, os inconformados com esta situação chegaram mesmo a
iniciar uma campanha de destruição destas máquinas, no movimento que ficou conhecido como ludita
(Luddites, devido ao seu inciador, Ned Ludd). A partir de 1824, a persistência dos trabalhadores levou à
revogação dos Combination Acts, que eram leis que proibiam a organização sindical.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 48
______________________________________________________________________
indústrias, e não por profissão. Em 1935 foi fundado o Congresso das Organizações
Industriais (CIO), que viria a fundir-se futuramente (em 1955) com a Federação
Americana do Trabalho, AFL, que já existia desde 1886,78 criando a AFL-CIO.
Chegaram a congregar 125 sindicatos, representando 15 milhões de trabalhadores.
No final do século XIX e início do século XX as lutas sindicais estiveram
principalmente sob a égide do movimento anarquista internacional. Aos poucos,
contudo, este movimento foi desaparecendo (muitos de seus membros foram se
convertendo ao socialismo), e a condução do movimento trabalhista mundial passou a
ser regido pelos vários partidos comunistas dos vários países, que seguiam a orientação
central de Moscou.

18 – O Comunismo Soviético
A Rússia, que desde o início da Primeira Guerra Mundial estivera em grande
agitação interna, viu uma revolução acabar (em 1917) com o império czarista e alçar em
seu lugar um governo que tomaria tendência socialista. Os mencheviques (que também
lutavam pelo poder) deram lugar aos bolchevistas, que, com Lênin à frente, iriam
adaptar as idéias de Marx para eliminar os resquícios da burguesia e do feudalismo que
caracterizavam a sociedade russa.
Nos anos subseqüentes, a Rússia bolchevista começou a formar um novo império ao
espalhar a agitação política pelos países asiáticos vizinhos. Logo conseguiram o
controle dos governos da Ucrânia, Azerbaijão, Armênia e Geórgia. A partir de 1923,
este bloco de países formou a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS).
Cada república, dominada basicamente pelo partido comunista, era formada tendo à
frente um Comissariado do Povo, que respondia ao Comitê Executivo Central.

A revolução bolchevista produziu profundas reformas no sistema econômico,


político e social da Rússia e países satélites, abolindo quase que por completo a
manufatura e o comércio privado. Foram estatizadas fábricas, minas, ferrovias e
serviços de utilidade pública, bem como armazéns e cooperativas de produtores e
consumidores. A agricultura também foi socializada, e foram organizadas fazendas
coletivas sob base cooperativa. Até o final de 1918, a luta contra os ricos latifundiários
estava concluída, tendo-se efetuado a nacionalização e a distribuição das suas terras. O
monopólio estatal do comércio do trigo foi implantado, visando-se, com tal medida,
evitar intermediários na distribuição deste cereal.

Entretanto, vários fatores imprevistos começaram a afetar a economia soviética já em


seu início. Primeiro, a excessiva politização imposta aos camponeses. Somente em 1918
já existiam 70.000 comitês políticos no campo. Era mais importante tornar-se comunista
(oficialmente) do que dedicar-se à produção de grãos. Segundo: nesta época, ainda
havia lutas internas contra os “Brancos”, que se opunham aos bolchevistas. Assim, o
meio rural era constantemente devastado e saqueado por forças opostas. Os próprios
meios de transporte, tais como estradas de ferro e vias fluviais estavam em estado de
total anarquia, interrompendo a atividade comercial. Em terceiro lugar, a inflação fora
78
Antes de 1886 existia a organização sindical chamada Ordem dos Cavaleiros do Trabalho.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 49
______________________________________________________________________
de controle levou à completa desvalorização do dinheiro, que já não era mais aceito, e
forçando a economia a regredir a um estágio de trocas.79 Por último, a excessiva ênfase
dada à planificação, com a instituição de Planos Qüinqüenais priorizando a indústria
pesada e a fabricação de armamentos levou a escassez de produtos e bens de consumo
geral, cujo qualidade também sempre deixava a desejar. Em alguns períodos (por volta
de 1925, principalmente), houve fome generalizada em virtude dos métodos ineficazes
de agricultura que foram impostos.

Durante a Segunda Guerra Mundial a Rússia passou por fortes privações


econômicas, ao transformar todas as suas fábricas para que produzissem equipamento
bélico para o Exército Vermelho, em luta contra os exércitos nazistas. O parque
industrial montado na Sibéria (com forte ajuda dos norte-americanos, que eram aliados
contra Hitler), seria levado após a guerra para as estepes russas, e seriam utilizadas
posteriormente para manter uma produção militar de armas que seriam usadas contra
alguns países europeus.
No final da guerra, a pretexto de “libertar” os povos das repúblicas da Europa
Oriental do jugo nazista, os russos começaram a ocupar militarmente estes países,80
impondo governos fantoches em todos. Em 1956, a tentativa de criar um governo
democrático na Hungria levou a que seu território fosse invadido pelas forças militares
do Pacto de Varsóvia, reprimindo brutalmente o movimento popular. Em 1967, foi a vez
da Tcheco-Eslováquia, que ao tentar criar uma versão mais amena de socialismo,
também foi invadida e ocupada, sofrendo forte repressão. Em ambos os casos, os líderes
foram punidos ou executados.

Antigos aliados, os Estados Unidos e Rússia iriam passar os próximos quarenta anos
em uma corrida armamentista que teria fortes reflexos na economia mundial como um
todo.81

79
De um modo ingênuo, muitos dirigentes bolchevistas acreditavam que a abolição do dinheiro estava
dentro da política marxista mais ortodoxa, e nada fizeram, de início, para controlar a inflação.
80
Polônia, Hungria, Bulgária, Tcheco-Eslováquia, Alemanha Oriental, Romênia, Iugoslávia, (estes dois
últimos foram os únicos países que conseguiram manter uma certa autonomia frente ao intervencionismo
soviético). A Ucrânia, Bielo-Rússia, Azerbaijão e outros países asiáticos já estavam sob o domínio da
União Soviética de Stálin.
81
Os negócios mundiais que movimentaram maior quantidade de dinheiro nas quatro últimas décadas do
século XX foram: petróleo, armas e fretes marítimos (o comércio mundial de armas sempre esteve por
trás das principais revoluções políticas em todo o mundo). Na década de 1960, os Estados Unidos
gastaram cerca de vinte bilhões de dólares (em valores da época) em seu programa espacial de conquista
da Lua, mas quando saíram do Vietnã em 1973, já tinham gasto cerca de dez vezes este valor, em
equipamento bélico e com suas forças de ocupação.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 50
______________________________________________________________________
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 51
______________________________________________________________________
LEITURA COMPLEMENTAR

Os Neoclássicos

Para os neoclássicos, o consumidor distribuiria a sua renda entre as várias


mercadorias que desejavam adquirir, de forma a maximizar a utilidade extraída dessas
mesmas mercadorias. Estas constituíam uma fonte de prazer ou de utilidade, que eles
criam que podia ser quantificada. Através de uma medida-padrão, poder-se-ia avaliar a
intensidade de necessidades ou a utilidade intensiva, seja em unidades similares ou em
unidades diversas, de um mesmo tipo ou de vários tipos de riqueza. Esta avaliação podia
ser quantificada através do uso de fórmulas matemáticas gerais.82
Para os neoclássicos, em razão da distribuição de riqueza e rendas, quando os
consumidores adquiriam mercadorias, eles estavam distribuindo a sua renda, de forma a
maximizar o bem-estar de todos. Eles também tinham a firme convicção, derivada das
idéias de Adam Smith, de que a mão invisível da concorrência regia o mercado, e
defendiam ferrenhamente a política do laissez-faire. A interferência do governo no
mercado devia se restringir ao mínimo indispensável.
Em épocas posteriores, alguns economistas buscaram modificar esta teoria, por
perceberem que não existia a chamada “concorrência perfeita”. Existiam vários e
ponderados fatores que influíam nos preços; em certos casos, os custos de produção
diferiam enormemente dos custos sociais,83 ainda que o produtor se beneficiasse com a
venda da mercadoria, e tivesse bons lucros. Uma das soluções que estes economistas
neoclássicos apontaram foi a admissão de uma intervenção governamental limitada.

Como sistema econômico, o capitalismo, principalmente aquele praticado nos países


europeus e nos Estados Unidos, evoluiu segundo as linhas teóricas da livre
concorrência; na prática, a concorrência desleal e o excesso de concentração econômica
levaram à falência grande parte dos participantes do mercado.84 Mas a concorrência foi
feroz também em várias outras áreas da economia, que se tornaram cada vez mais
concentradas. Em alguns casos, a concorrência foi tão destruidora que os próprios
participantes solicitaram uma intervenção federal. Entretanto, as empresas monopolistas
que sobraram buscaram fazer acordos de preços entre elas, elevando-os de forma a
maximizar os lucros. O clamor público em razão do descontentamento se elevou tanto,
que forçou o governo a promulgar a Lei Anti-Truste, ou Lei Sherman, em dezembro de
1889. Esta lei forçava ao desmembramento das corporações em partes menores, não
sujeitas ao controle acionário dos acionistas originais. Tinha por objetivo principal
evitar a formação de monopólios, na economia.
Tanto a escola clássica quanto a neoclássica propuseram diversas leis para
explicarem os fatos econômicos. As principais delas são: 1) a lei do interesse pessoal.
Segundo esta lei, cada indivíduo tem uma tendência natural a buscar o máximo de bem-

82
Estas técnicas deram origem à economia matemática, ou econometria.
83
Na atualidade, a preocupação com o meio-ambiente levou à criação de uma legislação para proteção
ecológica, que restringe ou penaliza fortemente as indústrias poluidoras.
84
Através de práticas extremamente desleais, John D. Rockefeller chegou a dominar ente 90 a 95% da
produção de petróleo refinado. A maioria de seus concorrentes foi simplesmente esmagada.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 52
______________________________________________________________________
estar e prosperidade, com o mínimo de esforço. 2) lei da livre concorrência. Em um
regime de liberdade individual, cada indivíduo é livre para escolher o que mais lhe
agrade.85 3) lei da oferta e da procura. Talvez a mais famosa e mais popular, estabelece
que o valor de troca de uma mercadoria varia na razão direta da procura, e na razão
inversa da oferta. Já Stuart Mill tinha compreendido que esta relação não tinha um
caráter matemático rigoroso; entretanto, alguns neoclássicos procuram submetê-la a
uma forma matemática, representando de forma gráfica a evolução entre os dois fatores
(a oferta e a procura).86
A questão da estabilidade da moeda e dos preços também foi uma fonte de perenes
discussões entre os economistas clássicos e neoclássicos. O desenvolvimento das
operações a crédito e os contratos a prazo levaram a se estabelecer medidas de previsão
de preços mais seguras; na Inglaterra, usava-se um sistema no qual tomava-se a média
de preços das mercadorias de maior consumo (no atacado), em um determinado ano, e
os anos subseqüentes eram referidos a este ano base (este sistema era chamado de
“números índices”).87
Quanto à moeda em si, havia a mentalidade predominante pela qual ela deveria ter
um lastro de metal precioso, de ouro ou de prata, e o seu valor deveria ser tomado em
relação a um deste metais.88 O montante de moeda (papel-moeda) em circulação jamais
deveria ultrapassar o lastro disponível, se se quisesse manter a estabilidade da moeda e
da economia como um todo. Antes da Segunda Guerra Mundial, existia uma constante
drenagem de ouro (em razão dos sistemas de comércio mundial): ora esta se fazia para a
Inglaterra, ora para os Estados Unidos,89 ora para a França. Até mesmo quando em 1931
a Inglaterra abandonou o padrão ouro, houve uma grande afluência deste metal para os
seus depósitos.
Alguns economistas temiam que este excesso de ouro pudesse provocar uma alta
excessiva de preços, levando a uma especulação exagerada e a um estado de otimismo
infundado. Na verdade, foi o que aconteceu em outubro de 1929, com a quebra da Bolsa
de Nova Iorque, que levou os Estados Unidos, e todo o mundo junto, à Grande
Depressão.

85
Este princípio aplica-se a todos os aspectos práticos da vida diária, como a procura do melhor trabalho
ou o estabelecimento da livre concorrência. Insurge-se contra o intervencionismo de Estado e contra todas
as medidas de tutela e de proteção por parte do governo.
86
Outros conceitos também foram desenvolvidos ou melhor teorizados, tais como as noções de riqueza,
utilidade, necessidade, valor; renda; moeda; crédito; circulação; consumo. Estes e outros conceitos
formam o substrato teórico da moderna teoria econômica.
87
Entre 1845 e 1850 tomaram-se os preços de 45 mercadorias (depois reduzidas a 22).
88
Modernamente, usa-se o chamado deflator implícito, que é um método matemático para calcular o
valor real da moeda. Esta medida costuma ser o mais preciso indicador da inflação, em um período
determinado (o ano-base tomado para essas medidas, no Brasil, é 1949).
89
Em 1937, os estoques de ouro do Tesouro americano representavam a metade dos estoques mundiais.
Isto se devia à pujança do parque industrial dos Estados Unidos, que fornecia mercadorias para o mundo
todo.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 53
______________________________________________________________________
CAPÍTULO VII

A CRISE DO CAPITALISMO

19 – A Grande Depressão

A Grande Depressão econômica surgida a partir de 192990 podia fazer supor o fim do
capitalismo.91 Esta crise econômica afetou todo o mundo, pondo fim à crescente pujança
econômica característica dos anos 1920 e 1930.92 Nenhum país escapou desta crise, e o
comércio mundial caiu enormemente.93 Internamente, o desemprego em massa, as
falências sucessivas e as perdas de fortuna da noite para o dia trouxeram uma dramática
mudança de cenário na vida econômica.94

Não existe uma razão ou motivo único que tenha causado esta crise. Uma série de
fatores foi se acumulando e criando o cenário para que ela acontecesse. Em 1929, havia
pouco conhecimento econômico teórico sobre mercados de capitais, e sobre a
necessidade de regulação governamental sobre este mercado. A euforia da expansão
econômica na década de 192095 deixou mais ousadas as pessoas, que arriscavam suas
economias em quaisquer papéis que prometessem um enriquecimento rápido. O
consumo em massa veio acompanhar este cenário de fartura, através do crédito fácil e
rápido. Entretanto, quando em 24 de outubro de 1929 o valor dos títulos negociados na
Bolsa de Nova Iorque iniciou uma trajetória descendente, isto veio abalar a confiança
nos negócios, e o otimismo foi substituído rapidamente pelo pessimismo. Os

90 A Grande Depressão americana não foi nem de longe semelhante à crise econômica ocorrida na
Alemanha na década de 1920. Enquanto que nesta a inflação atingiu níveis estratosféricos, numa rápida
deterioração da moeda, a depressão nos Estados Unidos provocou uma deflação, ou queda de preços, que
solapou a indústria e a agricultura. Em certos momentos, apesar de os juros estarem praticamente a níveis
nominais, quem possuía alguma poupança não desejava consumir, o que fazia retrair ainda mais a
economia.
91
Uma das manias mais freqüentes de Marx era a de prever a derrocada do sistema capitalista (ele
afirmava constantemente que “a economia capitalista contém em si o germe de sua própria destruição”).
A crise de 1929 não foi a primeira das crises do capitalismo (houve crises em 1825, 1836, 1847, 1857 e
1866), mas talvez tenha sido a mais importante, pelas suas conseqüências políticas e sociais (deve-se a
ela o surgimento dos regimes fascistas da década de 1930). Em 1937, uma nova crise foi chamada de
recessão.
92
O sistema capitalista nos Estados Unidos, em razão de sua extensa base industrial, permitiu o
progressivo crescimento do poder aquisitivo dos operários da indústria. O advento das linhas de
montagem, com o aumento explosivo da produção em massa, trouxe a necessidade de aumentar os
salários, para que os produtos pudessem ser consumidos (foi o caso, por exemplo, da indústria
automobilística; Henry Ford aumentou os salários de seus trabalhadores para que estes pudessem comprar
os carros que fabricavam).
93
Entre 1929 e 1932 o comércio exterior dos Estados Unidos caiu em mais de dois terços.
94
Era comum encontrar pessoas bem vestidas (ricos que tinham perdido tudo) nas filas de instituições
caritativas, à espera de uma sopa.
95
De 1914 a 1929, o produto nacional bruto americano (índice que avalia todos os bens e serviços
produzidos no país) crescera 62%. Em 1929, o desemprego estava em 3,2% da população ativa, e o
número de veículos vendidos já atingira a cifra recorde de 26 milhões de unidades.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 54
______________________________________________________________________
empresários começaram a fazer cortes na produção e nos investimentos, o que por sua
vez acarretou novo declínio da renda nacional e do nível de emprego. A corrida aos
bancos, por sua vez, provocou uma “quebra” generalizada no sistema financeiro e
bancário.
De 1929 a 1932, o cenário econômico americano virou um verdadeiro pandemônio;
85.000 empresas foram à falência e mais de 5.000 bancos fecharam, levando ao
desemprego cerca de 12 milhões de pessoas. A renda agrícola reduziu-se a menos da
metade, e o produto industrial reduziu-se em cerca de 50%. A crise atingiu
indistintamente ricos e pobres; enquanto que muitos dos primeiros foram levados ao
suicídio pelo desespero de terem perdido suas fortunas, não coube outra solução aos
últimos senão conformar-se com a própria miséria. As minoria raciais sofreram ainda
mais, sendo mais intenso o desemprego entre elas. A cadeia de inadimplência estendeu-
se por todos os segmentos econômicos e afetou um grande contingente de pessoas, e o
espectro da fome levou à necessidade de que entidades assistenciais providenciassem
uma ajuda humanitária em massa.
A pior parte deste cenário é que ele não tinha solução pela economia ortodoxa,
representada pelos economistas clássicos e neoclássicos. Nos Estados Unidos, esta
ortodoxia, que aceitava em todos os seus termos a famosa Lei de Say (vide nota 38),
queria que o governo se mantivesse ao largo dessa crise, esperando que ela
desaparecesse por si só.96 O governo de Herbert Hoover caracterizou-se pela inércia,
pois amparava a sua política econômica nos conceitos ortodoxos do esquema clássico, e
com isso nada fez para intervir na economia. Foi somente com a posse de Franklin
Roosevelt que novos conceitos econômicos vieram a ser adotados no combate à
depressão; tais conceitos surgiram basicamente a partir dos estudos econômicos de John
Maynard Keynes.

***

Já em 1932, alguns economistas à margem da ortodoxia tinham alertado para alguns


fatos pouco levados em consideração. Rex Tugwell e Adolf Berle, em um estudo que
realizaram abordando a administração e o controle da empresa moderna, tinham

96
Até esta época, não existiam estudo consistentes sobre ciclos econômicos, matéria considerada
excessivamente “esotérica”, para ser estudada seriamente nos centros acadêmicos. Apenas o economista
Wesley C. Mitchell (1874-1948) chegou a realizar um estudo sobre o assunto (Marx acreditava que o
capitalismo estava sujeito a crises cíclicas, cuja causa, ele acreditava, decorreria basicamente da
introdução de maquinaria pelos capitalistas, propensos a compensar qualquer diminuição de seus lucros).
Atualmente, aceita-se a realidade dos ciclos econômicos. Um ciclo econômico é definido como a
sucessão de períodos de auge e depressão sofridos pelo sistema econômico. Entende-se por depressão um
período de baixa de preços, escassez de negócios e desemprego generalizado. O auge se caracteriza por
alta de preços, grande produção, grande consumo, pequeno ou nenhum desemprego. Não há uma
explicação plausível para a existência destes ciclos, mas há várias teorias que tentam fazer isso. Algumas
delas referem-se a ciclos climáticos; outras, a diferenças entre a demanda de bens de capital (que é
indireta) e bens de consumo (que é direta). Outras ainda apelam à flutuação periódica dos preços,
suscetíveis de variar em função de vários fatores: inovações tecnológicas; mudanças políticas; erros na
política fiscal; políticas recessivas propositais; gastos governamentais excessivos; desequilíbrios
cambiais; desequilíbrios da balança de pagamentos; desequilíbrios do mercado resultante de fatores
exógenos (por exemplo, se o mercado interno não for protegido, o excesso de importações de mercadorias
mais baratas pode destruí-lo).
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 55
______________________________________________________________________
percebido que, na maioria das grandes empresas americanas (da época), os acionistas já
não exerciam qualquer função prática e significativa. Isto significava que quem
realmente tomava as decisões eram os administradores (que não eram proprietários das
empresas que administravam), e que respondiam unicamente a uma diretoria (conselho
diretor) que eles próprios escolhiam.97 Isto conduzia naturalmente ao oligopólio, mais
do que à livre concorrência. Este estudo foi ignorado pelos economistas da época, pelo
seu conteúdo heterodoxo.
A crença predominante na Lei de Say e nas teorias clássicas, juntamente com a
ausência de estudos ou teorias a respeito de crises econômicas fazia acreditar que a crise
realmente terminaria por si própria. De acordo com a ortodoxia clássica, a economia iria
encontrar o seu equilíbrio no pleno emprego, do qual viria o fluxo de demanda capaz de
sustentá-lo. Keynes refutou esta crença, quando afirmou que a economia moderna não
encontra o seu equilíbrio, necessariamente, no pleno emprego. Ela pode também
encontrar este equilíbrio no desemprego. Mas Keynes tinha outras afirmações
revolucionárias. Além de mostrar o equilíbrio do desemprego, a teoria keynesiana
apelava a que o governo empreendesse gastos sem ter as receitas necessárias para cobri-
los, a fim de manter o nível de demanda.

20 – A Economia do Pós-Guerra
No cenário do pós-guerra, após 1946, as economias européias estavam
completamente destruídas.98 A Inglaterra, em razão do esforço de guerra, estava
praticamente falida, e os Estados Unidos emergiu deste período como a principal
potência econômica do mundo. O fato da antiga aliada, a União Soviética, ter se
expandido politicamente pela Europa oriental, na esteira do Exército Vermelho, que
vinha ocupando sistematicamente os países a propósito de “libertá-los” do jugo nazista,
alertou os americanos para a necessidade de uma reconstrução econômica da Europa e
do Japão.99

97
Posteriormente, os gerentes receberam um respaldo oficial dos empresários. Em 1956, por iniciativa da
Universidade de Colúmbia, promoveu-se um ciclo de conferências no qual se abordava em profundidade
a ideologia gerencial. Os empresários, em geral, viam o gerente como um “profissional”, que se
preocupava “com os consumidores, os empregados, os acionistas, os fornecedores, as instituições
educacionais, as instituições de caridade, o governo e o público em geral, tanto quanto com as vendas e
com os lucros”. (HUNT & SHERMAN, pág. 188).
98
Também os países da América Latina, Oriente Médio e Extremo Oriente tiveram as suas economias
arrasadas em virtude da guerra. Nem todos, entretanto, chegaram a receber a ajuda americana para a sua
reconstrução. A ameaça comunista tornou prioritária a ajuda a aliados (Inglaterra e França,
principalmente), mas também a ex-inimigos (Alemanha, Itália e Japão).
99
Durante a guerra (a Segunda Guerra Mundial), os Estados Unidos foram os grandes fornecedores de
material bélico para os países que lutavam contra o Eixo (formado pela aliança entre Alemanha, Japão e
Itália). O ataque japonês a Pearl Harbor levou os Estados Unidos a entrarem na guerra, e a invasão, por
Hitler, da Rússia (tomando completamente de surpresa Stálin, que não acreditava nesta possibilidade),
colocou esta última entre os chamados “Aliados”. As perdas em equipamento militar da Inglaterra, Rússia
e China foram repostas maciçamente graças à enorme produção industrial americana (que Roosevelt
chamava de “o Arsenal de Democracia”), que desviou todo o seu parque industrial para a produção de
armas.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 56
______________________________________________________________________
Para reerguer estas economias, os Estados Unidos criaram um plano econômico
chamado de “Plano Marshall”100 Este plano de auxílio econômico destinava cerca de 22
bilhões de dólares (entre 200 a 250 bilhões de dólares, a preços atuais) para a
reconstrução econômica e política dos países europeus. A recém formada Organização
das Nações Unidas (ONU), criada em 1945, tornou-se o fórum de debates econômicos;
a chamada “Carta de Havana” (com todas as suas deficiências e cláusulas duvidosas)
tornou-se, na prática, o código de comércio internacional para o pós-guerra.

A partir de 1945, novos organismos internacionais entraram em cena, visando


regulamentar o comércio mundial. Em 1947 criou-se o Acordo Geral de Tarifas e
Comércio (GATT), um tratado sobre comércio internacional. Este órgão criou e
regulamentou as regras a serem seguidas neste comércio entre nações, estipulando, entre
outras coisas, cotas de importação e exportação e os limites a serem seguidos na
proteção tarifária aos produtos internos.101 Em 1954 foi criada a Conferência das
Nações Unidas para o Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD), instituição destinada a
estimular o comércio internacional.
No bloco soviético, foi criado o Conselho de Mútua Assistência Econômica
(COMECON), órgão que centralizava o comércio e os planos de desenvolvimento
econômico. O COMECON, contrariando sua feição marxista, adotou critérios da
economia clássica, atribuindo funções especializadas a cada economia do leste
europeu.102

O Plano Marshall cumpriu o seu intento, e a economia européia (e por extensão, o


comércio mundial) se expandiu, atingindo níveis de prosperidade cada vez maiores. O
Japão, que emergira da Segunda Guerra Mundial totalmente aniquilado
economicamente, sofreu ocupação militar por parte dos Estados Unidos. O general
Douglas MacArthur, responsável pela ocupação, procedeu à implantação de reformas
econômicas no país, extinguindo o sistema feudal que ainda prevalecia. Esta reforma se
deu basicamente através de uma reforma agrária que distribuiu terras entre colonos, mas
também através da criação dos primeiros sindicatos japoneses, e da introdução do
sistema de governo democrático (escolha de representantes através do voto). Mas a
figura do imperador não foi tocada, mantendo-se como símbolo de união do povo
japonês.

100
George Catlett Marshall foi chefe do Estado-Maior do exército americano entre 1939 e 1945. Era
altamente respeitado, tanto como militar quanto estadista. Como Secretário de Estado do governo
Truman, deu início ao Programa de Recuperação Européia, também chamado Plano Marshall. Participou
da criação da Organização do Tratado Militar do Atlântico Norte (OTAN), uma aliança militar ocidental
criada em oposição ao Pacto de Varsóvia.
101
Estes pactos comerciais nem sempre ajudavam aos participantes, principalmente os de economia
menos desenvolvida. O Brasil, que tem uma participação mínima no comércio internacional (menos de
3% do total), ainda assim sofre constantemente a retaliação por parte dos Estados Unidos, que o acusam
de dumping (exportação de mercadorias com preços artificialmente baixos). Por outro lado, este país do
norte, além de abusar da proteção alfandegária, recusa-se a admitir que o Brasil crie barreiras
alfandegárias contra os seus produtos.
102
Na única, o único país que resistiu a esta tentativa de desenvolvimento segmentado foi a Romênia.
Resistindo às pressões soviéticas, optou pelo que chamou de desenvolvimento multilateral, ou
industrialização completa.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 57
______________________________________________________________________
LEITURA COMPLEMENTAR

A Teoria Keynesiana

Em 1936 Keynes publicou um livro chamado “Teoria Geral do Emprego, do Juro e


da Moeda”. Esta obra é considerada como um marco na evolução da ciência econômica,
e determinou uma virada conceitual profunda e abrangente nas doutrinas econômicas
em geral. Keynes contrapõe a sua teoria à teoria clássica, da qual aponta várias
contradições. Aponta principalmente a ausência de hipóteses ou teorias sobre a moeda;
a desconsideração do desemprego; o tratamento fragmentário da realidade econômica.
Contra a crença dos clássicos, a de que o mercado em geral (de trabalho, de capital e de
mercadorias) funciona através da lei da oferta e da procura, ele apresenta novos
princípios sistematizadores.
Para ele, cabe à procura o papel de agente motor de todo o sistema econômico. O
emprego varia no mesmo sentido que o rendimento global (que gera a procura global).
Afirma que este rendimento pode ser empregado de três modos: entesourado; investido;
consumido. Quanto à procura efetiva, depende de três fatores psicológicos e
independentes entre si: a preferência pela liquidez; o estímulo para investir; a propensão
a consumir. A primeira se traduz pela preferência pelo dinheiro líquido (papel-moeda ou
títulos de crédito a vista); tal se dá porque, como a moeda é uma reserva de valor, as
pessoas tendem a conservar as suas economias para o fim de transação (trocas
comerciais), por precaução ou para especulação.
Através da taxa de juros, a moeda transforma-se em um elemento ativo capaz de
modificar as condições de equilíbrio econômico. O juro representa a renúncia à liquidez,
e a sua taxa representa a diferença entre o volume de moeda em circulação e a sua
procura para entesouramento.
Para Keynes, é necessária a intervenção do governo na economia, porque nem
sempre funcionam os mecanismos auto-reguladores previstos pela economia clássica;
situações de desemprego podem prolongar-se no tempo, enfraquecendo a economia. Por
outro lado, esta intervenção, feita através de uma política fiscal e monetária adequada,
não deve induzir a um entesouramento estéril, e sim estimular despesas (consumo e
investimento) capazes de aumentar o emprego. A política tributária deve tornar-se um
elemento ativo na distribuição dos rendimentos, bem como na orientação geral da
política econômica. A expansão do crédito deve basear-se na redução da taxa de juros
(tornando “barato” o dinheiro); na verdade, a política de juros constitui o fulcro do
sistema de Keynes.
Além de incentivar o mercado livre, o governo deve estimular os investimentos;
Keynes recomenda uma política de grandes obras públicas. Também recomenda uma
balança econômica favorável.103

103
As idéias de Keynes, apresentadas na Conferência de Bretton-Woods, em 1944 (que iria definir o
futuro econômico do pós-guerra) serviram de base à criação do Fundo Monetário Internacional (FMI) e
do Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento Econômico (BIRD – mais conhecido como
Banco Mundial).
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 58
______________________________________________________________________
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 59
______________________________________________________________________
CAPÍTULO VIII

A NOVA REALIDADE ECONÔMICA

O Japão, apesar de se submeter à ocupação militar, não se submeteu a uma ocupação


econômica. Ainda que totalmente devastado, o parque industrial japonês continuou sob
controle nacional, e o gênio e a capacidade de trabalho deste povo logo deu início à sua
recuperação. Programas econômicos governamentais em paralelo com a ajuda externa
propiciaram a recuperação econômica, e já na década de 1960 o Japão era um dos países
de mais rápido crescimento da economia, em todo o mundo, com um crescimento
bastante veloz da renda nacional.104 Uma florescente indústria automobilística e
eletrônica logo colocou de novo o país como um dos maiores exportadores do mundo.105

A formação de uma comunidade econômica européia na década de 1960 evoluiu


para a formação de um bloco político e econômico, a União Européia, com uma moeda
única (o Euro)106 e que caminha para um governo unificado (o Parlamento Europeu
ainda não tem total autonomia sobre todos os assuntos dos países membros).107 A
Alemanha, apesar de ter gasto uma soma fabulosa em sua reunificação, não tem dado
mostras de esgotamento econômico.

104
Apesar de uma recessão quase endêmica que o assolou, a economia do Japão ainda é a segunda do
mundo, com uma produção nacional de cerca de 10 trilhões de dólares por ano. A renda per capita
japonesa, atualmente, é uma das maiores do mundo.
105
O comércio do Japão com o resto do mundo, extremamente favorável para a sua balança de
pagamentos (constantemente superavitário), tem permitido a que este país acumule uma grande
quantidade de moedas fortes (as reservas monetárias). Este fenômeno, ainda que aparentemente benéfico,
talvez explique a paralisia econômica que assolou o país. Com um excesso de poupança, os
consumidores, ainda que com dinheiro nas mãos, recusavam-se (tal como na época da Grande Depressão
americana) a consumir, agravando o problema e causando desemprego crescente (o Japão sempre se
orgulhou de seus níveis de emprego, pois é – ou era – uma característica, da maioria das empresas
japonesas, a de jamais demitir).
106
A União Européia é formada por vinte e sete países: Alemanha, Áustria, Bélgica, Bulgária. Chipre,
Dinamarca, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Estônia, Finlândia, França, Grécia, Hungria, Irlanda, Itália,
Letônia, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Países Baixos (Holanda), Polônia, Portugal, Reino Unido,
República, Romênia e Suécia Inicialmente, doze países se uniram economicamente (Alemanha, Áustria,
Bélgica, Espanha, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Irlanda, Itália, Luxemburgo e Portugal), com a
condução da economia sendo feita por um banco central europeu. Macedônia, Croácia e Turquia
caminham para esta integração econômica. Os tratados que definem a União Européia são: Tratado da
Comunidade Econômica Européia (CEE); Tratado da Comunidade Européia do Carvão e do Aço
(CECA); Tratado da Comunidade Européia da Energia Atômica (EURATOM); Tratado da União
Européia (UE), o Tratado de Maastricht, que estabeleceu os fundamentos da futura integração política.
Neste último tratado, fizeram-se acordos mútuos de segurança e política exterior, bem como a
confirmação de um Constituição Política para a União Européia. A integração monetária foi realizada
através de uma moeda única, o Euro.
107
A produção de riqueza deste bloco europeu é calculada em cerca de mais de 10 trilhões de dólares por
ano.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 60
______________________________________________________________________
No continente americano, os projetos de unificação comercial (ALCA e Nafta)
esbarram na exagerada desproporção econômica dos países centro e sul-americanos
frente ao gigante do norte. Problemas políticos e econômicos sempre foram a regra no
chamado Cone Sul, e o crescimento econômico sempre foi descontínuo (o México,
ainda que tenha passado recentemente por graves problemas, apresenta atualmente uma
economia em franco progresso).

As décadas de 1980 e 1990 foram marcadas pelo início do processo de


regionalização das relações comerciais mundiais. Este processo, contudo, apenas
continuava aquele processo iniciado a partir da década de 1950, quando se iniciou o
processo de integração econômica européia. Em 1957, com a assinatura do Tratado de
Roma, foi criada a CEE – Comunidade Econômica Européia (ou Mercado Comum
Europeu – MCE), na esteira do Plano Marshall, inicialmente com os seguintes países:
Alemanha Ocidental, França, Itália, Holanda, Bélgica e Luxemburgo. Em 1973,
incorporaram-se à organização a Irlanda, Inglaterra e Dinamarca, que antes
participavam da Associação Européia de Livre Comércio. Em 1967, surgiu a Asean, ou
Associação das Nações do Sudeste, que atualmente compreende a Indonésia, Filipinas,
Malásia, Tailândia, Singapura, Brunei, Vietnã, Mianmar (antigo Ceilão), Laos e
Camboja. Em 1969, surgiu o Pacto Andino, ou Comunidade dos Países Andinos, que
compreende os seguintes países: Venezuela, Colômbia, Equador, Peru e Bolívia. Em
1973, foi formado o Mercado Comum e Comunidade do Caribe (Caricom), integrado
por Suriname, Guiana, Honduras, Belize e as Ilhas do Caribe. Em 1988, surgiu o Nafta,
reunindo Estados Unidos da América, Canadá e México. Em 1989 veio a Apec, ou
Cooperação Econômica da Ásia e do Pacífico, composta por Austrália, Brunei, Canadá,
Indonésia, Japão, Malásia, Nova Zelândia, Filipinas, Singapura, Coréia do Sul,
Tailândia, Estados Unidos, China, Hong Kong, Formosa (Taiwan), México, Papua,
Nova Guiné, Chile, Peru, Federação Russa e Vietnã. A CEE, ou Comunidade dos
Estados Independentes, foi criada em 1991, tendo como participantes a Armênia,
Belarus (Bielo-Rússia), Cazaquistão, Federação Russa, Moldávia, Quirguistão,
Tadjiquistão, Turcomenistão, Uzbequistão, Ucrânia, Geórgia e Azerbaijão. Em 1991
criou-se o Mercosul, ou Mercado Comum do Cone Sul, formado por Brasil, Argentina,
Paraguai e Uruguai. Em 1992, surgiu a Comunidade da África Meridional para o
Desenvolvimento (SADC), integrado por Angola, África do Sul, Botswana, Lesopo,
Malauí, Ilhas Maurício, Moçambique, Namíbia, República Democrática do Congo, Ilhas
Seicheles, Suazilândia, Tanzânia, Zâmbia, Zimbábue.

Este processo de regionalização econômica marcou o modo como se tem se


desenvolvido a economia mundial, nas últimas décadas. O Mercado Comum Europeu
evoluiu para a integração política do continente europeu (a União Européia), unificando
moedas e abrindo fronteiras internas. Ainda hoje estão em processo embrionário de
formação outras comunidades; o grande debate hoje em dia, no Brasil, é decidir se o
país fará parte da ALCA (Área de Livre Comércio das Américas), que irá integrar todo
o continente americano (com a exceção prevista de Cuba) em um único bloco
econômico.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 61
______________________________________________________________________
21 – Capitalismo versus Comunismo
A constante expansão econômica que se deu no período do após guerra veio
desmentir em toda a linha as críticas que sempre se fizera contra o sistema capitalista.
No confronto econômico entre os blocos dos países capitalistas e dos países ditos
socialistas, a realidade acabou por mostrar a diferença crônica entre os dois sistemas.
A derrocada do socialismo e o fim da União Soviética se deu exatamente por
motivos econômicos. O planejamento econômico centralizado sucumbiu ante a pujança
da economia baseada na propriedade individual e na livre concorrência.108 A economia
soviética não pôde suportar os sucessivos aumentos de gastos militares, e acabou
ruindo. Mesmo um país como a China, que se declara politicamente marxista, aderiu
completamente ao sistema econômico capitalista, admitindo a propriedade privada e a
livre iniciativa.

A preocupação com o bem-estar do trabalhador, ainda que nebulosamente fizesse


parte das considerações teóricas de Karl Marx em sua revolta furibunda contra o
capitalismo de sua época,109 realmente jamais fez parte da sua ou das demais
preocupações dos marxistas. Assim, quando Lênin subiu ao poder na Rússia, ele estava
mais preocupado em fortalecer o Estado contra os inimigos internos ou externos; jamais
houve nenhuma iniciativa no sentido de criar uma legislação trabalhista adequada, por
exemplo. Qualquer sinal de comportamento “anti-revolucionário” (que incluía a busca
do conforto ou da prosperidade pessoal) era severamente punido. 110
Não se pode citar uma só conquista trabalhista que se tenha dado em função da
pretensa “proteção” socialista ao trabalhador, constantemente apregoada pelo regime.
Na verdade, a regra sempre foi a repressão a qualquer anseio de melhoria, qualquer que
fosse ele.111 Durante o período stalinista, faltar ou chegar atrasado ao trabalho era

108
Os países socialistas sempre se caracterizaram por uma agricultura extremamente pobre, incapaz de
produzir para as próprias necessidades. Desde os tempos de Stálin, a Rússia sempre foi um grande
importador de grãos e cereais do ocidente, por não poder produzi-los em quantidade suficiente. Em 1958,
na sessão plenária do Comitê Central, foi lida a seguinte declaração de Khruschev: “o principal objetivo
da União Soviética consiste em desenvolver, por todos os meios, o caráter mercantil da economia
agrícola, o progresso de relações mercantis, conduzindo à abundância de produtos agrícolas para o
mercado (...)”. Isto ocorreu depois de 41 anos de sucessivas planificações econômicas. Apesar da retórica
marxista, os sucessivos planos econômicos sempre redundaram em fracasso. O sucesso conseguido na
indústria militar e espacial, por sua vez, se deu à custa de um limitado atendimento às necessidades do
mercado interno (produzia-se “mais canhões, e menos manteiga”).
109
Revolta esta que se justificava, tendo em vista unicamente a perspectiva histórica que a criou. Mas
Marx jamais foi capaz de aceitar que o capitalismo seria capaz de propiciar um bem-estar aos
trabalhadores, como realmente acabou acontecendo. Ele não poderia prever que os novos acionistas das
grandes corporações seriam exatamente os trabalhadores, cuja riqueza cresceria na proporção do
crescimento da empresa (pela distribuição dos dividendos dos lucros acionários).
110
Que se faz normalmente pela elevação do poder aquisitivo. Isto pressupõe a existência de outros
fatores, como pleno (ou quase pleno) emprego, bons salários, boa educação, sistemas adequados de
previdência e de aposentadoria, etc.
111
Nos pretensos “paraísos” socialistas, era considerado como dissidência política achar que o sistema era
menos que perfeito, e o infrator era geralmente punido com o exílio para a Sibéria. A falsificação dos
fatos históricos tomou tais rumos na União Soviética, que a sua historiografia, mesmo nos dias de hoje em
que se tem acesso aos arquivos oficiais, já não é mais possível distinguir entre a falsificação e a verdade.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 62
______________________________________________________________________
considerado falta gravíssima, punida com o exílio na Sibéria. Além disso, o Estado
soviético não tinha nenhum respeito pelo trabalhador. Em vários momentos, cogitou-se
da substituição do salário por bens “úteis”.

“Na Rússia, o Estado combina as formas mais evoluídas de controle e


dominação burocrática com o que de mais baixo e atrasado existe no que se
refere ao desenvolvimento econômico. Daí a consideração da
personalidade humana como mero índice de produção, podendo a
burocracia dirigente dispor como bem quiser do homem, transferindo-o do
Kirkiz à Sibéria ou de Vladivostok a Moscou”. (TRAGTENBERG, Maurício.
Pág. 112).

A situação do trabalhador soviético só começou a melhorar com a ascensão de


Khruschev ao poder, após a morte de Stálin.112 E no entanto, este estado de coisas
apenas representava a paranóia que tomava conta dos dirigentes, sempre vendo a
ameaça capitalista em tudo. Lênin, assim que tomou o poder na Rússia, procedeu a um
verdadeiro expurgo nas próprias fileiras marxistas, exterminando antigos companheiros
a pretexto de seu (deles) vezo burguês.113

***

O sistema capitalista, por sua vez, após ter passado pela fase “selvagem” (que foi a
que Marx conheceu), começou gradativamente a mudar. Não foi uma mudança rápida;
entretanto, já em 1880 o cenário social alemão viu surgir uma nova mentalidade, que
viria a se traduzir no moderno Estado do Bem-Estar. O chanceler Bismarck, temeroso
que a ordem do Estado fosse afetada por revoluções sociais,114 começou a exortar para
que se atenuasse a face mais cruel do capitalismo. Seu poder de convencimento levou o
Reichstag alemão a aprovar, em 1884 e 1887, leis que, ainda que de forma rudimentar,
viriam a prover aos trabalhadores proteção e assistência nos casos de doença, acidentes,
incapacidade, bem como ampará-los na velhice. Medidas similares foram adotadas na
Áustria, na Hungria e no resto da Europa. Na Inglaterra, por volta do final do século

A historiografia “oficial” mudou tantas vezes (naquele estilo descrito no romance de George Orwell,
1984), que é quase impossível encontrar documentos idôneos nos arquivos russos.
112
Não se pode afirmar, contudo, que o socialismo tenha morrido (exceto o socialismo “marxista”). Antes
de Marx já existiam outros socialistas (que foram menosprezados por ele), cujas teorias sociais ainda
continuam válidas, em sua maioria (não é o caso da prática social, que na maioria dos casos redundou em
fracasso).
113
Também Stálin procedeu a grandes expurgos entre as suas próprias fileiras: “As primeiras vítimas da
repressão stalinista foram todas as organizações populares de caráter esquerdista que não se dobraram
ante os fundadores das ‘democracias populares’ ”. Citação extraída de: Planificação – Desafio do Século
XX, por Maurício Tragtenberg. Pág. 128.
114
Em vista das agitações promovidas pelas internacionais socialistas, dominadas por Marx e seus
seguidores.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 63
______________________________________________________________________
XIX e início do século XX, homens e mulheres115 socialmente engajados, bem como os
sindicatos (que já eram poderosos e bem organizados), fizeram aprovar leis (em 1911)
que instituíam proteção contra doença e invalidez, e mais tarde, contra o desemprego (o
seguro-desemprego). Para sustentar todas estas medidas, novos impostos foram criados,
que agora alcançavam uma classe que jamais os pagara: os ricos.116
Quando o presidente Roosevelt subiu ao poder em 1933, e tendo como tarefa vencer
a Grande Depressão, ele tomou medidas econômicas117 visando combater o marasmo
econômico e a queda de produção e de renda nacional. Apesar de que tenha ocorrido
outra crise (uma recessão) em 1937, suas medidas118 levaram pouco a pouco o país a
recuperar-se, e lançaram as bases da prosperidade que se seguiria à Segunda Guerra
Mundial.

22 – A Nova Revolução Industrial


Com a derrocada do sistema socialista da União Soviética, e com o predomínio da
mentalidade capitalista, o mundo entrou em uma nova era econômica. Se antes se
dividia em pólos opostos pela ideologia, agora o mundo se divide em áreas econômicas
de influência. A civilização atual, seja ela formada nos moldes capitalista ou provinda
dos escombros do socialismo, caracteriza-se por uma forte tendência ao consumismo.

“A Revolução Industrial elevou a produtividade do trabalho a níveis sem


precedentes na história do homem. A multiplicação das fábricas e a ampla
utilização de máquinas constituíram a base mecânica dos ganhos de

115
Que já se batiam pelos seus próprios direitos (eram as chamadas sufragistas, que defendiam o direito
de voto da mulher, proibida de manifestar seu direito de escolha política).
116
A legislação social aprovada sofreu forte oposição das classes mais privilegiadas, que se opunham a
ser taxados. Conflitos políticos e tumultos criaram uma crise sem precedentes, e em 1910, a Câmara dos
Lordes somente aprovou a lei a contragosto. A instituição destes impostos não tinha uma sustentação
teórica de fundo clássico; na verdade, a ortodoxia clássica se opunha à redistribuição de renda, porque
acreditava que a utilidade marginal do dinheiro para o indivíduo que o adquire não diminui (sua
satisfação não é reduzida com cada unidade adicional). Afirmava também que não era possível comparar
utilidades interpessoais (não se podia dizer que alguém com mais bens obtinha menor satisfação dos
incrementos do que alguém com menos bens). Assim, não havia uma justificativa econômica para a
transferência de renda de ricos para pobres. Em 1920 o economista Arthur Pigou demonstrou que desde
que a produção global não diminuísse devido às medidas tomadas, o bem estar econômico aumentava,
com a transferência de recursos de ricos para pobres. Mas a adoção de uma legislação que assegure
proteção aos pobres, seguro-desemprego e pensões de aposentadoria continua sendo condenada por
economistas aferrados às concepções clássicas (por exemplo: Ludwig von Mises e Friedrich Hayek). Para
eles, a única coisa que se conseguiria com isto seria a destruição do capitalismo. Ainda que radicais, suas
idéias são válidas até um certo ponto. Os países escandinavos, por exemplo, foram obrigados a limitar a
sua política pública social devido ao esgotamento atingido (crescentes benefícios sociais que já não
podiam ser cobertos por novos impostos, que já estavam em um patamar altíssimo).
117
Com base nas teorias de Keynes. As características mais perversas da Depressão (a deflação, o
desemprego e a privação trazida aos desfavorecidos) foram combatidas com medidas amplas, algumas de
alcance restrito, outras de alcance a longo prazo. As medidas adotadas para amenizar o sofrimento dos
grupos mais vulneráveis do sistema econômico lançaram a gênese do Estado do Bem Estar (welfare).
118
Entre as várias medidas econômicas adotadas, criou-se uma política de preços mínimos para os
principais produtos agrícolas, políticas de limitação (se necessário) da produção, e a criação de estoques
de regulação do mercado. Tais medidas acabaram sendo adotadas pela maioria dos países industriais.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 64
______________________________________________________________________
produtividade. Contudo, a canalização do potencial produtivo para a
criação de bens de capital exigiu que uma parte relativamente menor deste
potencial fosse dedicada à produção de bens de consumo. A aquisição de
bens de capital fez-se, portanto, a um custo social elevado, resultando em
grandes privações para as massas”. (HUNT & SHERMAN. Pág. 71).

Nos países mais avançados economicamente, o aumento crescente da produtividade,


trazendo mais altos salários que propiciassem ao consumo, levou à criação de um forte
mercado interno de consumo.119 O bem estar e a aparente tranqüilidade proporcionada
pela pujança material, por outro lado, possuem um lado menos racional; a prosperidade
pagou o seu preço.

“Os direitos e liberdades que foram fatores assaz vitais nas origens e fases
iniciais da sociedade industrial renderam-se a uma etapa mais avançada
desta sociedade: estão perdendo o seu sentido lógico e conteúdo
tradicionais. Liberdade de pensamento, liberdade de palavra e liberdade de
consciência foram – assim como o livre empreendimento, que elas
ajudaram a promover e proteger – idéias essencialmente críticas destinadas
a substituir uma cultura material e intelectual obsoleta por outra mais
produtiva e racional. Uma vez institucionalizados, esses direitos e
liberdades compartilharam do destino da sociedade da qual se haviam
tornado parte integral. A realização cancela as premissas”. (MARCUSE,
Herbert. Pág. 23).

Entretanto, uma nova consciência vem surgindo por entre os benefieiários desta
sociedade de opulência, representada por uma atitude crítica frente ao preço a pagar por
ela. Cada vez mais se levantam críticas, oposições e movimentos organizados contra a
ação predatória e poluidora120 característica do sistema industrial. Atualmente, aumenta
cada vez mais a preocupação pelo equilíbrio ecológico do planeta, ameaçado pela
exploração desenfreada de seus recursos. Por todo o mundo, grupos se organizam
visando defender não apenas o futuro, mas o próprio presente ameaçado.

119
O grosso da produção industrial de países tais como EUA, Japão, Inglaterra, França e Alemanha, entre
os de economia mais desenvolvida, volta-se principalmente para o mercado interno. Apenas o excedente
da produção (que por si já é bastante elevado) é exportado. Tal política não é seguida pelos países
periféricos (ditos em desenvolvimento), que privilegiam a exportação, em detrimento do seu mercado
interno. Ao mesmo tempo, a dificuldade econômica crônica destes países leva-os a ter que seguir as
determinações do FMI, cuja orientação econômica volta-se claramente para uma ortodoxia clássica.
120
A poluição trazida por empresas de alta tecnologia não atinge a atmosfera, mas sim a terra e os lençóis
freáticos. O chamado “Vale do Silício”, região de tecnologia de ponta localizada na Califórnia, é
atualmente o lugar onde o meio-ambiente está mais exposto. Para produzir os chips e outros componentes
usados intensivamente em computadores, são necessárias substâncias extremamente tóxicas. Estas
substâncias, de acordo com a Enviroment Protection Agency, são: xilênio (que pode causar defeitos em
fetos); compostos de chumbo (cancerígeno); ácido nítrico e compostos do nitrato (envenena os pulmões e
corrói a carne); éter glicólico (afeta o sistema nervoso e pode interromper a gravidez); ácido
hidroclorídrico (corrói a pele e provoca choque anafilático). As empresas que industrializam a celulose
(base para a produção do papel, indispensável por formar o substrato físico da civilização intelectual) são
as maiores poluidoras dos rios.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 65
______________________________________________________________________

“A questão política mais básica, ( ... ) não é quem controla os últimos dias da
sociedade industrial, mas quem modela a nova civilização que surgirá
rapidamente para substituí-la. Enquanto as escaramuças políticas de curto
alcance esgotam a nossa energia e atenção, uma batalha muito mais profunda já
está tomando lugar sob a superfície. De um lado estão os guerrilheiros do
passado industrial; do outro, crescentes milhões que reconhecem que os
problemas mais urgentes do mundo – a comida, a energia, o controle da armas, a
população, a pobreza, os recursos, a ecologia, o clima, os problemas da idade, o
colapso da comunidade urbana, a necessidade de trabalho produtivo e
compensador – não mais podem ser resolvidos dentro da estrutura da ordem
industrial”. (TOFFLER, Alvin. Págs. 30/31).

A obra de Toffler que citamos acima tem uma penetrante visão sobre o modo como
se desenvolveu a nossa civilização. Para este autor, este desenvolvimento pode ser
dividido em três fases: a Primeira Onda, de características essencialmente agrícolas; a
Segunda Onda, especificamente industrial; e a Terceira Onda, que apenas iniciamos, e
que se caracteriza pela desurbanização, des-industrialização e por formas de produção
econômicas totalmente novas.121 Para Toffler, a atual revolução está se processando em
um eixo cujo motor é a tecnologia, transportes aperfeiçoados e as comunicações.

Daniel Bell, um outro teórico da nova civilização, a chama de “sociedade pós-


industrial”. Ele diz que esta sociedade se caracteriza por três componentes principais:
em economia, pela mudança da manufatura para os serviços; em tecnologia, pela
centralização destas nos ramos de computadores, eletrônica, ótica e polímeros;
sociologicamente, pela ascensão de novas elites técnicas e novas estratificações de
classes sociais122.
Para este autor, as mudanças na indústria e na economia irão se caracterizar pela
automação em massa, impondo novos ritmos à vida cotidiana, ao modo de vida e ao
lazer, pela diminuição dramática do número de horas trabalhadas por semana. A

121
É o caso do surgimento de empresas “virtuais” na Internet, cujo valor não pode ser avaliado por um
patrimônio “visível”, como é o caso das empresas tradicionais. Isto não impede que elas atinjam um valor
de mercado impressionante.
122
Alguns autores, por sua vez, criticam esta nova sociedade tecnológica. De um modo geral, esta crítica
aponta para o fato de que, nas nações industrializadas, o homem moderno tornou-se escravo desta
tecnologia, e o vício do conforto material apenas esconde as profundas deficiências e a injustiça social
desta sociedade. Além disso, a tecnologia trouxe poluição, envenenamento do solo por defensivos
agrícolas e o perigo nuclear. Para Robin Clarke, autor inglês, esta análise é injusta, por não levar em
consideração que a tecnologia traz mais benefícios reais do que malefícios. Para ele, a tecnologia pode
evoluir para formas não poluentes e menos perigosas para o meio-ambiente. O erro está no modo como se
trata a tecnologia. A própria forma de ajuda dos países ricos aos mais pobres mediante o fornecimento de
tecnologia avançada, além de ser extremamente dispendiosa, nem sempre resolve os problemas
econômicos dos últimos. Além disso, para Clarke, sempre se encontram, integrados na tecnologia, os
valores e os ideais da sociedade que a criou. Em contato com outras culturas, esta tecnologia geralmente
tem um efeito perverso, capaz de deformar o seu sistema de valores (inclusive a sua atitude frente à
natureza e à sociedade). O mau uso da tecnologia poderia decorrer destes equívocos culturais e da
assimilação deturpada do conhecimento tecnológico (por exemplo, os conhecimento tecnológicos
relativos à pesquisa de defensivos agrícolas podem ser desviados para a pesquisa de armas químicas e
biológicas).
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 66
______________________________________________________________________
composição básica da força de trabalho se altera, à medida que os processos
automáticos reduzem o número de operários industriais necessários à produção. Como
conseqüência mais importante, Bell aponta o fato de que as indústrias passariam a se
localizar distantes das grandes cidades, mais perto das fontes de matéria-prima e
combustíveis.
A descentralização industrial, além de revolucionar a topografia social, tornaria
indistinta as orlas radiais das metrópoles e das fronteiras entre urbano e suburbano. Sob
o domínio da automação, a depreciação do maquinário representaria um custo maior do
que o dos salários da mão-de-obra; assim, para neutralizar o alto investimento de
capital, cada vez mais as fábricas automatizadas passariam a funcionar 24 horas por dia.
Como conseqüência, ficariam alteradas todas as formas conhecidas de “turnos de
trabalho”, trazendo como conseqüência novas relações trabalhistas, nova legislação e
novas formas sociais e jurídicas de interpretação do trabalho.123

Um aspecto que causa calafrios é o gigantismo da nova economia. Fusões sucessivas


estão criando corporações tão gigantescas, que fazem parecer insignificantes as
corporações de fim do século XIX. O advento da tecnologia da informática e do mundo
virtual criado pela rede de computadores (a Internet) propiciou o surgimento de novas
corporações cujo valor de mercado ascende a centenas de bilhões de dólares.
Atualmente, já não se pode definir uma empresa como sendo de capital intensivo ou de
mão-de-obra intensiva. A pesquisa, a engenharia e o design levaram à criação de um
novo termo, a inteligência intensiva. No custo final de um chip, por exemplo, apenas
15% referem-se à matéria prima, energia, maquinário e mão-de-obra. Os restantes 85%
são gastos com a pesquisa e o design.124 A maioria das gigantescas corporações está
migrando o seu pessoal para a produção de softwares e projetos de sistemas; outra parte
está ligada ao marketing de vendas. Apenas 5% do pessoal se ocupa com a fabricação
propriamente dita.

23 – Um Novo Mundo Econômico


A característica mais marcante da nova economia mundial, a globalização, tem
efeitos favoráveis e efeitos perversos. As gigantes empresas transnacionais, ao perderem
a sua identidade, já não possuem um centro definido; elas procuram se instalar
preferencialmente em países de mão-de-obra barata, e buscam também unificar a sua
produção, fabricando produtos “mundiais” que se possam rapidamente adaptar para
outros perfis de consumo. Globalização, então, é o processo de descentralização
industrial, processo este que força a que as economias mundiais (ou seja, que os países

123
Esta análise de Bell foi feita na década de 1970, e mostrou-se extremamente profética quanto às atuais
formas de trabalho nos Estados Unidos e no Japão, principalmente.
124
Marx já havia previsto que, no futuro, o advento de instrumentais criados pela ciência e pela técnica
iria modificar a relação entre o tempo de trabalho (e da quantidade de trabalho) e a criação da riqueza
real. Desta forma, o trabalho humano já não estaria incluído no processo de produção; o homem apenas se
relacionaria com este processo como supervisor e regulador. Na verdade, é isto que vem acontecendo nas
empresas de alta tecnologia e elevada robotização, onde o trabalho humano está exatamente neste nível
previsto por Marx (entretanto, mesmo assim ele condenou esta forma de trabalho, porque, dizia, se
apropriava da produtividade universal do homem).
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 67
______________________________________________________________________
participantes deste processo tenham uma economia aberta, permitindo um maior fluxo
tanto de capital quanto de mercadorias e serviços – seja na exportação, seja na
importação). Isto implica na necessidade de limitar o controle alfandegário, diminuindo
(ou mesmo abolindo) tarifas protecionistas sobre mercadorias.
O próprio fato de que a maioria das mercadorias atualmente fabricadas em qualquer
país surge da montagem de peças provindas dos mais variados pontos do globo obriga a
esta abertura. A característica mais marcante da globalização é o surgimento do
chamado “produto mundial”, uma mercadoria que tem basicamente as mesmas
características em qualquer dos mercados nacionais onde seja fabricada e vendida. O
produto mundial (que surgiu da necessidade de diminuir custos de produção, e da
concorrência enorme no mercado) decorre da padronização das linhas de montagem e
da unificação e diminuição das peças básicas usadas no produto (ou seja, diminuição do
número de fornecedores).125

Novas técnicas de administração, tais com o Controle de Qualidade Total ou de


reengenharia vem assolando os manuais de economia e de administração, e em seu
nome, crescem as demissões. Neste processo capitalista acelerado, as mercadorias são
vendidas em todo o mundo, num processo de competição sem paralelo.
Este fenômeno é acompanhado por uma maior circulação de capitais (via
empréstimo), que entretanto já não deseja seguir as regras tradicionais de maturação
(tempo médio estimado para retorno dos investimentos); em um único dia, uma
quantidade inacreditável de dinheiro (chamado “dinheiro volátil”) gira pelos vários
mercados financeiros mundiais, sem se fixar por muito tempo em uma ou outra
economia nacional.126 Frente a estas quantias astronômicas,127 o dinheiro público
disponível para investimentos, na maioria dos países, é simplesmente insignificante.
Esta situação, agravada pela contenção orçamentária, obrigou muitos países a
desestatizarem a sua economia, pela privatização de empresas públicas, apenas porque
não tinham outro meio para conseguir dinheiro para investimentos.
Esta movimentação econômica mundial sem precedentes mudou todos os parâmetros
e teorias econômicas, incapazes de abarcar todo o processo. Mais do que a Revolução
Industrial, que deslocou o foco da sociedade do campo para as cidades,128 a nova
125
A produtividade industrial também decorre desta padronização. Da década de 1980 para cá, o tempo
de produção de um carro “mundial” no Brasil baixou de, entre 5 a 10 dias, para 24 horas. O número de
fornecedores baixou em média, de 1000, para menos de 100 (Revista Veja, edição 1749, 1º de maio de
2002. Pág. 108).
126
Entre 1971 e 1995, o volume de empréstimos internacionais aumentou em 130 vezes, de um total de
10 bilhões de dólares, para 1,3 trilhão. Este capital volátil, nas duas últimas décadas do século passado,
foi o terror das economias nacionais, arrasando economias tão díspares como a mexicana, coreana ou
brasileira.
127
Apenas para comparação, as dez maiores corporações mundiais (e tomando-se apenas aquelas da
economia tradicional) chegaram a faturar 1,4 trilhão de dólares em 1995, superando o PIB de muitos
países. E a maior parte do seu faturamento é feito a nível mundial. Em geral, estas corporações possuem
as suas unidades fabris espalhadas pelo mundo. Um único produto tecnológico pode ser composto por
componentes físicos fabricados em lugares tão diversos quanto Formosa, Coréia do Sul, Cingapura ou
Vietnã.
128
Galbraith chama a atenção para um fato a que se dá pouca atenção, o de que a escravidão é um
fenômeno tipicamente agrícola. Assim, é possível que o advento da Revolução Industrial tenha permitido
a abolição da escravidão, em todos os países. Não é uma surpresa que a Inglaterra, berço desta revolução,
foi a primeira a aboli-la.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 68
______________________________________________________________________
economia está lançando as bases para um mundo totalmente diferente, que mal pode ser
imaginado.129
Sob um ponto de vista, parece que uma característica marcante desta nova economia
seria o desemprego maciço, mesmo em países economicamente avançados. Segundo
alguns especialistas, os índices de desemprego na Europa, ao final do século XX eram
os mais elevados desde a época da Grande Depressão. Visto sob outra ótica, parece estar
havendo, na verdade, uma migração em massa de empregos, originalmente das
empresas tradicionais, para empresas de serviços e até mesmo empresas automatizadas.
Os países que mais avançaram nestas áreas (Estados Unidos e Japão) atravessaram o
período sem graves crises de desemprego (mesmo em recessão, o Japão manteve os seus
índices tradicionais de emprego).

A globalização, apesar da grande oposição que tem levantado, tem mostrado ser um
fenômeno irreversível. Os países que tentaram fechar a sua economia ao comércio
mundial regrediram a um nível vegetativo de crescimento, com fome e miséria interna
(é o caso da Coréia do Norte e da Albânia).

Se a globalização tem uma faceta ruim, ela pode estar no fato de que os governos
nacionais vêm perdendo sua autonomia interna (e, em certos casos, até mesmo uma
parte de sua soberania), pelo fato de terem de se submeter aos ditames do capital
internacional.130 A quebradeira generalizada de vários países deu-se em função,
basicamente, da sua incapacidade de controlar os capitais voláteis.131
Reservas de mercado, legislação reguladora, controle de preços, proteção
alfandegária, são medidas inócuas e até mesmo deletérias, em uma economia
globalizada.132 E se o país tenta simplesmente fechar suas fronteiras, fatalmente deixará
de ter acesso aos capitais externos e a novas tecnologias. Caminhando para trás, seus
produtos acabam por perder competitividade, a indústria sucateia, e a inflação acaba
vindo como corolário deste estado de coisas.

24 – O Problemas dos Países Emergentes

129
Para Kenichi Ohmae, autor do livro “O Fim do Estado Nação”, “trata-se de uma nova espécie de
processo social, uma civilização genuinamente transnacional, alimentada pela exposição à tecnologia e
pelas mesmas fontes de informação”.
130
Marx afirmava que a concorrência entre os capitalistas levando ao esmagamento dos menores pelos
maiores, bem como o aperfeiçoamento da tecnologia (que levaria, segundo ele, a que as empresas
precisassem ampliar a produtividade do trabalho, com aumento da escala de produção) levavam
inexoravelmente à concentração da riqueza e do poder econômico em um número cada vez mais restrito
de capitalistas. A par desta concentração cresceria a miséria e a exploração econômica. Como corolário de
sua análise, Marx exortava a que as massas se unissem e se organizassem contra o sistema capitalista.
131
Se o país desvaloriza a moeda tentando proteger a sua economia, estes capitais se volatizam da noite
para o dia, pulverizando as suas reservas internacionais.
132
Não significa que a economia não possa ter segmentos protegidos, principalmente nos países de
economia mais vulnerável. E no entanto, esta também é uma prática comum nos países mais fortes
economicamente. O aço, por exemplo, é um produto que volta e meia entra na pauta de produtos
protegidos pelos Estados Unidos (como proteção, é claro, à sua siderurgia). No entanto, sempre que isto
ocorre, algum outro segmento da economia americana sofre as conseqüências (quase sempre, a indústria
automobilística).
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 69
______________________________________________________________________

Com a progressiva descolonização que ocorreu após o fim da Segunda Guerra


Mundial, um novo problema surgiu. A maioria dos países recém-independentes era
muito pobre e subdesenvolvido, sendo a sua pobreza caracterizada por desemprego,
baixos salários, analfabetismo, doenças, fome, etc. Enfim, a má qualidade de vida era a
principal característica desses países.
Mas não eram apenas as ex-colônias que estavam nesta situação. Países há muito
independentes politicamente, por seu lado, mostravam-se extremamente dependentes
economicamente, apresentando uma economia fraca e incapaz de trazer prosperidade e
bem-estar aos seus cidadãos.
A solução buscada, adotada ou imposta, na maioria dos casos, voltava-se para um
desenvolvimento urbano-industrial, como o único capaz de eliminar o atraso crônico
destes países.
Vários preceitos foram postulados para se proceder a este desenvolvimento forçado:
industrialização urbana maciça; mecanização intensiva da agricultura; desenvolvimento
das áreas urbanas; controle demográfico; adoção de uma política de redistribuição de
renda; adoção de reformas políticas e administrativas, visando basicamente coibir a
corrupção; incremento das exportações. Por outro lado, nada disto funcionaria se não
houvesse uma contrapartida externa, materializada na forma de ajuda, investimento
direto, transferência de tecnologia e importação.

Analisando-se os resultados gerais desta política de desenvolvimento, podemos notar


que pouca coisa mudou desde que ela foi adotada. Em geral, e com poucas exceções, os
países do Terceiro Mundo que conseguiram sair do “círculo vicioso” da pobreza o
fizeram às próprias custas, através de investimento maciço em educação e pesquisa
tecnológica.133 De um modo geral, as condições econômicas e sociais bastante instáveis
que prevaleceram nas décadas de 1960 a 1980 impediram que diversos países pudessem
proceder a um desenvolvimento auto-sustentável. A tentativa de industrialização a
qualquer custo redundou em fracasso, em muitos países, principalmente devido ao fato
de que eles careciam de know-how tecnológico. A falta de uma estrutura educacional
abrangente impede o aproveitamento integral da ajuda tecnológica.134
Por outro lado, a maioria das indústrias tecnológicas estão em mãos de empresas
estrangeiras, que repassam apenas uma tecnologia ultrapassada para suas filiais. Alia-se
a este fato a relutância dos países avançados em passar para os menos desenvolvidos o
que consideram “tecnologia sensível”, principalmente nos campos da mecânica fina,
robótica, nanotecnologia, ótica, microprocessadores, polímeros, energia nuclear,135
exploração espacial, etc.

133
Os exemplos mais flagrantes são a Índia e a China, que adotaram uma via própria de desenvolvimento,
pressionados pelo seu gigantismo demográfico.
134
No Brasil, é comum encontrarmos equipamentos tecnológicos, que foram fornecidos (e muitas vezes,
comprados), ainda encaixotados, enferrujando e tornando-se obsoletos, simplesmente porque não há
quem possa montá-los e operá-los.
135
Na década de 1970 o Brasil assinou contratos de ajuda para a implantação de usinas nucleares com a
Alemanha Ocidental que vieram a se mostrar extremamente prejudiciais ao país. Paralelamente, e em
segredo, havia um projeto secreto de pesquisas que foi capaz de, realmente, fazer o Brasil adquirir know-
how neste campo de pesquisas. Infelizmente, no Governo Collor, o excesso de demagogia fez interromper
estas pesquisas, as quais tornavam o país autônomo, nesta área. No campo da exploração espacial, o
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 70
______________________________________________________________________

Os problemas relativos ao desenvolvimento levaram várias pessoas a repensar esta


questão. Acreditar, por exemplo, que o desenvolvimento deva ter como parâmetro único
o crescimento econômico, é perigosamente enganoso. Expandir, simplesmente, a
produção de bens e serviços, talvez seja uma condição necessária, mas não é suficiente
para garantir o desenvolvimento. Distribuir riqueza não é o mesmo que criar um
mercado de consumo (que, quase sempre, baseia-se na obsolescência planejada como
forma para continuamente criar novos anseios de consumo, em uma espiral
interminável).

Os países em desenvolvimento, ou países “emergentes”, geralmente buscam


transplantar um ou vários tipos de indústria a partir de países avançados, sem no entanto
buscar paralelamente usar os recursos técnicos e culturais disponíveis internamente para
complementar a tecnologia estrangeira. Além disso, muitas vezes esquecem que os
países avançados dão grande ênfase à sua produção primária, alocando recursos baratos
e proporcionando constantes estímulos (via subsídios) à classe de agricultores. Isto quer
dizer que os países industrializados o são tanto na parte urbana quanto na parte rural,
característica esta facilmente esquecida pelos países do Terceiro Mundo, que dão pouco
apoio à agricultura.
Em alguns países menos desenvolvidos, a experiência provou que algumas
iniciativas simples de mistura de política doméstica e internacional eram capazes de
acelerar o desenvolvimento, reduzir disparidades de renda e colocar sob controle o
crescimento populacional. Estas iniciativas passam pela oferta generalizada de
educação, crédito, tecnologia barata e serviços de saúde a pequenos produtores rurais e
urbanos, bem como a trabalhadores sub-empregados. De um modo surpreendente,
notou-se que estas iniciativas eram capazes de, por si só, tornar altamente produtivos
estes segmentos sociais, que também adquiriam capacidade de poupança e de
investimento positivo.

Outro fator comumente desconsiderado é o fato de que, nos países avançados, a


maioria dos empregos oferecidos geralmente estão no setor de serviços; a indústria e a
agricultura, excessivamente mecanizadas, ocupam pouca mão-de-obra. Entretanto, na
maioria dos países do Terceiro Mundo, o Estado (o setor público) vem assumindo este
mister. O que se nota é que o setor público vem se expandindo e absorvendo áreas do
setor privado (indústrias nacionalizadas, bancos, etc.) ou simplesmente aumentando o
quadro de pessoal da administração direta e indireta. Na maioria dos países menos
desenvolvidos, o excesso de burocracia, a voracidade fiscal e um excesso de leis,
regulamentos e decretos, em vários níveis governamentais, aliado a um excesso de
impostos, vem onerando a produção de riqueza nacional via o comércio. A soma destes
fatores maléficos tem como conseqüência a redução da oferta de empregos e o aumento
da sonegação, como forma de sobrevivência econômica.

***

Brasil tem um projeto completo, inclusive com veículos lançadores de satélites (na base de Alcântara),
que sofrem a mesma miopia demagógica, pois restringem-se cada vez mais as verbas, o que provoca a
dissolução de sofisticados grupos de pesquisa, graças aos baixos salários e à falta de motivação.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 71
______________________________________________________________________

Há um último e importante parâmetro a ser considerado, no que tange às


necessidades econômicos de um país. Normalmente, considera-se a necessidade de uma
poupança interna elevada, como meio de suprir as elevadas demandas de capital
necessário para os investimentos. Historicamente, os países menos desenvolvidos tem
mostrado uma menor capacidade de poupança. Entretanto, um fator importante
normalmente é desconsiderado, aqui. A poupança existente nos países mais ricos
somente surgiu após ser satisfeita a demanda de consumo interno. Um país como o
Japão, por exemplo, que apresenta índices atuais altíssimos de poupança, criou um
mercado interno vigoroso, de intensa demanda, e nele baseou o seu crescimento
econômico. A exportação jamais foi a mola-mestre do crescimento econômico japonês
(dizendo de outro modo: o Japão jamais necessitou priorizar as exportações, como o
fazem os países menos desenvolvidos, que praticam uma política equivocada de
desenvolvimento).

***

Todos os fatores apontados mostram claramente a necessidade de mudanças


culturais, antes que se proponham mudanças econômicas. O desenvolvimento deve
começar pela reorientação das metas, apoiando e estimulando todas as iniciativas que
levem à formação de uma verdadeira e coerente base material e tecnológica interna,
bem como a uma reforma coerente do sistema produtivo de riqueza.

25 – Tecnologia e Desenvolvimento

Na atualidade, pode-se dizer que a tecnologia é sinônimo de desenvolvimento e


importante fator para a prosperidade dos países avançados. O alto grau de dependência
da ciência em relação à tecnologia força a que as nações lancem cada vez mais mão dos
recursos disponíveis com o fim de possibilitar a pesquisa científica, pesquisa esta que,
aplicada praticamente, contribui para que estas nações mantenham os seus altos índices
de progresso e crescimento econômico.
Nenhuma nação que esteja em vias de desenvolvimento deve desdenhar este esforço,
ou jamais alcançará a sua emancipação. No entanto, ainda assim parece existir, nestas
nações, uma dicotomia entre esta necessidade e o esforço que despende para tal.
Um equívoco, contudo, parece imperar entre os responsáveis por este esforço.
Quando se trata de adquirir tecnologia, sustentam a tese de que esta deve ser adquirida
no exterior, justificando que assim se pode “queimar etapas” inúteis. Agindo assim, ou
demonstram má-fé ou parecem ignorar que isso só faz dar continuidade à dependência
cultural, científica e econômica do país que age assim. O pior é que, além da tecnologia,
o país absorve uma infra-estrutura cultural que não lhe é própria, na forma
aparentemente inocente de métodos educacionais (acompanhados por livros didáticos,
manuais, técnicas pedagógicas, etc.) estranhos, que apenas fazem tumultuar o esforço
nacional.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 72
______________________________________________________________________
A dependência tecnológica que se cria é perpetuada pelo fato de que qualquer
atualização, além de dispendiosa, não acompanha o desenvolvimento tecnológico
interno, porque este fica amarrado à produção de ciência feita no exterior.
Este monopólio da tecnologia cria aspectos inusitados de dominação econômica,
porque a carência de pesquisa interna não cria os benefícios que se poderia esperar dos
avanços científicos. O próprio sistema internacional de patentes cria obstáculos à
pesquisa, além de criar monopólios de comercialização em diversas áreas sensíveis, tais
como defensivos agrícolas e remédios. Além do mais, a tecnologia transferida sempre
constitui, para quem a recebe, autêntica “caixa preta” da qual não tem idéia do
conteúdo.
Em várias ocasiões, a ONU posicionou-se quanto a este assunto, manifestando uma
preocupação neste sentido. Para este órgão internacional, os seguintes fatores devem ser
considerados: 1) o custo real da tecnologia é superior ao que se poderia desejar; 2) os
modos atuais de transmissão de tecnologia tendem a perpetuar a dependência
tecnológica dos países que a recebem, e impedem o incremento de uma tecnologia
nacional; 3) a tecnologia estrangeira, ainda que possa fortalecer a capacidade produtiva
nacional, freqüentemente se converte em fator de elevação dos custos de produção; 4) a
tecnologia transferida nem sempre contribui para a expansão das exportações de
produtos manufaturados; 5) muitas vezes, a tecnologia importada é incompatível com as
condições locais.

A implantação de uma tecnologia genuinamente nacional choca-se muitas vezes com


diversos obstáculos. O núcleo natural do qual ela deveria provir, universidade e centros
de pesquisa avançadas, muitas vezes sofre de alta de recursos, pela falta de apoio
governamental, ausência de uma educação de alto nível, baixos salários, etc. Este último
fator tem levado a uma intensa evasão de talentos, que agrava ainda mais o problema.
Outras vezes a pesquisa é mal orientada, dando prioridade a setores não tão
importantes. Com isso, recursos preciosos são mal gastos, piorando o problema.
Também falta de planejamento ou até mesmo planejamentos errôneos, bem como a falta
de técnicos de nível médio capazes de dar suporte (montagem, conserto e manutenção)
aos equipamentos de alta complexidade tecnológica acaba por tornar-se um obstáculo
absolutamente intransponível.

26 – Haverá Uma Ideologia para a Nova Época?


Finalmente, neste mundo novo que se avizinha, a antiga pregação ideológica perde o
seu matiz. A “queda” do Muro de Berlim em 1989 foi um marco referencial para uma
mudança de paradigma, a passagem para uma nova época na qual perde o sentido
qualquer discussão ou separação entre “esquerda” e “direita”, ambos órfãos de uma
filosofia social capaz de dar sentido e finalidade a qualquer discussão, debate ou
confronto entre ideologias.
Doravante, apenas um discurso de novo tipo, voltado para a conservação
ecológica,136 para a tentativa de realização de um ideal social baseado em premissas

136
“Calcula-se que, atualmente, os negócios são responsáveis por mais de 25 bilhões de toneladas de
poluentes, dispersos no ar e lançados na água e na terra; cerca de 125 toneladas de dejetos, anualmente,
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 73
______________________________________________________________________
possíveis, pode conseguir a atenção do habitante deste mundo novo, e será capaz de
lançar os modelos para uma nova sociedade, modelos estes calcado em novas teorias
sociais e econômicas capazes não só de trazer prosperidade e eliminar o fosso existente
entre as classes privilegiadas e as classes desfavorecidas, mas principalmente trazer
condições não apenas para que este mundo novo seja, além de próspero e feliz, também
mais equilibrado e mais racional.

LEITURA COMPLEMENTAR

A Nova Economia

A chamada economia “globalizada” não se baseia em premissas econômicas


recentes. O “neo-liberalismo”, que é o fulcro teórico que sistematiza esta onda
econômica atual já existe desde 1938; surgiu pois, às vésperas da Segunda Guerra
Mundial. Como doutrina, foi balizada por diversos teóricos da economia, tais como
Hayek, Mises, Robbins, Baudin, etc.137

O neoliberalismo procurou examinar os resultados das numerosas intervenções do


Estado na economia. Este estudo, além de focalizar o mecanismo dos preços, tentava
também avaliar todas as conseqüências de uma economia planificada (cuja característica
principal é o controle de preços).

Para o neoliberalismo, este controle é daninho para a economia, porque eles não
podem ser usados para aferir o mecanismo da oferta e procura. Assim, a única
intervenção que aceitam é no sentido de o Estado intervir com uma função reguladora
(impedindo cartéis) ou mesmo reformando instituições ineficientes. Aceitam também a
possibilidade de vir o Estado a exercer de uma forma permanente uma atuação em
certos setores da economia, tomando medidas econômicas que visem reduzir ao mínimo
as injustiças sociais, aceitando mesmo uma legislação social para isso.
Os neoliberais mais radicais, por seu lado, acreditam que o Estado é perdulário,
incompetente e corrupto, e por isto incapaz de intervir de forma eficiente na economia e
no sistema econômica; sua tese é a de que os indivíduos deste sistema econômico são
capazes de encontrar suas próprias soluções para sanar todos os problemas.138

***

para cada homem, mulher e criança nos Estados Unidos. Incluídos nessa quantidade estão cerca de 150
milhões de toneladas de fumaça que escurece o céu e envenena o ar, 22 milhões de toneladas de produtos
de papel jogados fora, 3 milhões de toneladas de sobras de fábricas, e 50 trilhões de galões de líquidos
aquecidos e poluídos que são despejados em rios, cursos d’água e lagos, todos os anos”. (HUNT &
SHERMAN. Pág. 216).
137
Especificamente, foi com Jacques Rueff, economista francês, que surgiu inicialmente a fundamentação
teórica do neoliberalismo.
138
Enquanto os socialistas acreditam que a intervenção do Estado visa tão somente garantir sua
sobrevivência, pela manutenção das formas de produção e das relações tradicionais de dominação, os
neoliberais mais radicais possuem as suas próprias razões para não quererem esta intervenção.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 74
______________________________________________________________________
Com relação à doutrina econômica neoclássica, a crítica que se faz a ela não ataca os
problemas práticos enfrentados pelo Estado e pela sociedade moderna. Não enfrenta
desigualdade de crescimento, ou defasagem de crescimento entre segmentos diversos;
não ataca a crescente desigualdade na distribuição da renda; não explica porque o
abismo entre ricos e pobres aumenta cada vez mais, ainda que aumente a produção geral
de riqueza; não explica, nem apresenta alternativas aos problemas de decadência urbana
e de poluição ambiental.

O atual cenário apresentado pela economia internacional faz crer que as atuais
teorias econômicas, apresentadas nos manuais acadêmicos, são apenas adaptações das
antigas teorias. Na verdade, desde Keynes não surgiu uma teoria abrangente capaz de
explicar o atual panorama econômico, em toda a sua complexidade. As modernas
teorias matemáticas que procuram explicar o comportamento econômico apresentam o
ranço histórico de sua origem. Nenhuma nova teoria tem ousado ir além dos moldes
capitalistas e socialistas tradicionais, em busca de um novo mundo econômico.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 75
______________________________________________________________________
CAPÍTULO VIII

O PROBLEMA BRASILEIRO

27 – O Brasil e o Cone Sul

O Brasil possui atualmente uma economia estabilizada, com uma inflação sob
controle, situação esta surgida após um dramático período caracterizado por índices
elevadíssimos de inflação.
Entretanto, de um modo paradoxal, os remédios econômicos adotados à época, ainda
que pouco ortodoxos (correção monetária; câmbio fixo; etc.) permitiram um
crescimento relativamente alto durante este período.
Por outro lado, a situação atual caracteriza-se por índices nominais de juros
altíssimos; elevada distorção na distribuição de renda; um apetite fiscal insaciável e um
nível ainda baixo de crescimento econômico.
Ainda assim, a economia brasileira apresenta um potencial de crescimento geral,
com segmentos da economia apresentando bom desempenho (safra regular e produção
industrial estável, por exemplo).

Acompanhando a tendência mundial de integração econômica, o país vem tentando


consolidar um grupo econômico regional no Cone Sul (o MERCOSUL) através de
negociações de alto nível para diminuir barreiras tarifárias e legislações protecionistas.
Este esforço, contudo, tem esbarrado no nacionalismo crescente dos países sul-
americanos. Por outro lado, o Brasil vem sendo solicitado a se integrar a um mercado
econômico mais vasto (ALCA), que abrangeria todo o continente americano.

28 – Os Problemas da Integração Econômica


As negociações a nível diplomático e comercial conduzidas no processo da
integração econômica (e também na integração à economia globalizada) envolvem
grandes e complexos temas. Não está descartado totalmente o uso de barreiras
alfandegárias139 para proteção de certos produtos, principalmente devido ao fato (que
constitui uma tendência histórica) de que certos segmentos da economia estão sempre
defasados das áreas tecnologicamente mais adiantadas, e que sucumbem facilmente ante
a exposição à importação de produtos mais baratos.140

139
Uma forma de protecionismo é feita através de barreiras não tarifárias, como por exemplo a criação de
subsídios agrícolas. Políticas locais de lobby também são responsáveis pela adoção de medidas
antidumping, geralmente através de legislação específica. Medidas compensatórias também costumam ser
tomadas pelo país que se julga prejudicado por medidas tais como a desvalorização da moeda.
140
Os Estados Unidos costumam criar barreirar alfandegárias contra determinados produtos brasileiros,
tais como suco de laranja, aço, produtos siderúrgicos, calçados e fumo. Até bem pouco tempo, o Brasil
costumava proteger o seu mercado de eletrônica e de informática. A importação de produtos chineses
tem afetado bastante certos setores industriais brasileiros.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 76
______________________________________________________________________
Talvez um dos grandes problemas relativos à integração (ou não) do Brasil e de
outros países latinos ao ALCA seja a tremenda diferença que separa estes países da
dinâmica economia americana (incluindo a economia do Canadá). Enquanto que a
integração econômica na Ásia e Europa se deu entre países de mesmo nível
(relativamente) econômico, a integração a ser realizada pela ALCA poderia levar a um
desequilíbrio econômico insuportável pelos países latino-americanos, que poderia vir a
favorecer a economia norte-americana (e inclusive provocar uma ênfase indesejável na
produção de produtos primários, pelos países abaixo do Equador), pelo aumento da
dependência dos países mais fracos economicamente.

Outras considerações a serem levadas em conta incluem o problema relativo a


patentes (de informática, fármacos, bio-químicos, eletrônica, etc.), que é fonte perene de
discussões acirradas. A falta de uma política nacional voltada para a pesquisa e
desenvolvimento, aliado ao (ainda) porte reduzido do mercado interno no Brasil
(derivado, por outro lado, da desigual distribuição de renda e dos baixos salários), são,
basicamente, a causa do pequeno número de patentes registradas aqui. A defasagem
tecnológica atual já faz o país depender completamente das corporações multinacionais,
para adequar o seu parque interno de informática, eletrônica, comunicações, telefonia. O
Brasil não possui sequer um segmento nacional, no que tange à produção de veículos
automotores, fazendo o seu mercado depender exclusivamente das decisões tomadas
fora do país.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 77
______________________________________________________________________

APÊNDICE
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 78
______________________________________________________________________
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 79
______________________________________________________________________
A MOEDA

Não há notícia acerca do surgimento efetivo da moeda, como meio de pagamento de


mercadorias. Na antigüidade, a partir dos “tempos históricos”, inicialmente usavam-se
bastões em metais ou fios, como forma de pagamento. Acredita-se que a cunhagem de
moedas surgiu a partir de Pheidon, Rei da Ilha de Egina, em 750 a.C. No início, havia
moedas redondas, quadradas e com outras formas. No Japão, por exemplo, usavam-se
pedaços chatos e oblongos de prata, chamados itbizus. Ao tempo do império romano, a
moeda era fundida, e não cunhada.
Modernamente, não há distinção básica entre “moeda” e “dinheiro”; entretanto, o
costume tem levado a entender por “moeda” apenas os objetos metálicos assim
rotulados.

A moeda é um objeto que possui um valor intrínseco ou apenas nominal, que é


utilizado como meio intermediário de troca, seja como medida, seja como reserva de
valor. Há dois tipos de moeda: a moeda-mercadoria, que é este objeto dotado de valor
de troca; a moeda-escritural, formada de papel-moeda e recibos de depósitos bancários
(esta última concepção surge em uma etapa posterior de civilização, por ser um meio
mais abstrato de medida de valor).
Intrinsecamente ligados ao conceito de moeda, e derivados de seu uso, surgiram o
conceito de crédito, o conceito de câmbio (pela consideração do valor relativo de uma
moeda em relação a outra) e a necessidade prática de criar estabelecimentos de troca: os
bancos. Ordens de pagamento bancário, por exemplo, já eram utilizados desde o tempo
dos egípcios antigos (impostos já eram cobrados, há tempos, pela apropriação de parte
da produção agrícola).
Atualmente, a “moeda” (seja ela constituída de moeda metálica, papel-moeda, letras
de câmbio, ações, recibos de compra de mercadoria, que constituem a quantidade total
de dinheiro em circulação) tem um valor intrínseco de mercado superior ao custo de sua
manufatura (impressão ou cunhagem). Se em virtude da inflação este valor se iguala ou
se torna inferior, a autoridade encarregada do controle de circulação monetária troca-a
por outra, de maior valor de mercado, ou procede à troca do meio de circulação,
trocando a “moeda” por outra (basicamente, o que se faz é apenas dar outro nome a uma
moeda com outra efígie: é que acontece, por exemplo, quando ocorre uma inflação
descontrolada).

Até por volta do início da segunda metade do século XX, a maioria dos países
procurava ter um lastro para a sua moeda, lastro esse baseado no ouro ou na prata. Isto
significava que a moeda era conversível, ou seja, que o Banco Central trocaria aquele
papel (o papel- moeda) por ouro (foi o que fez a França de De Gaulle, que levou
grandes quantidades de ouro dos EUA, em troca do dólar em papel. Isto mudou quando
os EUA tornou a sua moeda inconversível. Sendo, entretanto, um país de enorme
quantidade de riqueza produzida anualmente (o PNB, ou Produto Nacional Bruto) e
com uma gigantesca participação no comércio mundial, isto não teve qualquer
conseqüência na aceitação e circulação do dólar-papel em todo o mundo. Atualmente,
na verdade, costuma-se basear a quantidade de moeda em circulação já não mais no
ouro, e sim nesta riqueza nacional produzida anualmente. Dentro de uma economia em
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 80
______________________________________________________________________
crescimento, procura-se medir a produtividade do trabalho, que se considera um índice
seguro da relação entre produto social, renda distribuída, uso de mão-de-obra, know-
how e capacidade de aproveitamento dos recursos naturais.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 81
______________________________________________________________________
A RENDA NACIONAL

A renda nacional costuma ser calculada pelo valor líquido das mercadorias e serviços
produzidos, e a sua flutuação normalmente141 se reflete na quantidade de moeda
existente. Quanto ao poder aquisitivo do indivíduo, este aumenta na relação direta da
produção de bens (desde, é claro, que estes bens sejam destinados ao consumo interno).
O dinheiro é a expressão material desse maior ou menor poder aquisitivo.
Todas as tentativas feitas por diversos governos para aumentar artificialmente esta
renda redundaram em total fracasso. Durante o governo Blum, na França, em 1936, e
posteriormente no governo de Roosevelt, foram feitas experiências cujo escopo era dar
dinheiro a certas classes sociais para que pudessem gastá-lo (e que, achavam os
governantes, provocaria um aumento de produção). 142 Todas estas experiências
redundaram em retumbante fracasso.143

A teoria quantitativa da moeda144 visa explicar as variações do valor do dinheiro em


função da quantidade de dinheiro existente. Os partidários desta teoria acreditam que o
valor da moeda está ligado a esta quantidade: tendo-se um determinado volume de
comércio, os preços irão variar em proporção direta com a oferta de moeda.

“Como o valor da moeda é expresso pela comparação desta com o valor


das utilidades mediante o índice dos preços, conclui-se que qualquer
alteração na quantidade da moeda acarretará correlativa variação nos
preços das mercadorias, estabelecendo-se assim rígida dependência entre o
valor do dinheiro e a sua quantidade. Eis a teoria de que participaram os
economistas da Idade Média, na quadra sintética dos fenômenos
econômicos. Sofrendo a evolução peculiar às teorias econômicas, chegou
ela até nossos dias desdobrada em novos elementos fornecidos pela análise,
que, tornando-se mais percuciente à medida que avançam os conhecimentos
da ciência, desagregou o bloco inteiriço de certas noções”. (GOMES, Luiz
Souza. Pág. 112).

Mas a renda nacional é, também, o total do valor monetário de gastos em todos os


bens e serviços que, por sua vez, geram rendas dentro do país. Este valor não é obtido
pelo somatório de todos os gastos em todos os bens e serviços, por três motivos: 1) os
gastos em compras de matérias-primas e outros insumos se reflete nos preços de venda
dos bens produzidos; alguns dos gastos realizados no exterior não revertem em criação
de renda interna; enquanto alguns gastos são subsidiados, outros são (menos ou mais)
tributados.

141
Entre 1933 e 1934 a quantidade de moeda em circulação na Inglaterra diminuiu um pouco, apesar do
aumento sensível da renda nacional, no mesmo período.
142
No Canadá, chegou-se, inacreditavelmente, a distribuir somas de dinheiro entre os cidadãos, para
compensar o dinheiro que estes entesouravam.
143
A experiência histórica não impede que novas iniciativas neste sentido sejam tomadas, seja por
governos clientelistas, seja por socialistas que vêm propor renda mínima, como se isso resolvesse os
problemas econômicos.
144
Esta teoria é atribuída a John Locke (1632-1704).
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 82
______________________________________________________________________

Uma parte da renda nacional surge através dos chamados “pagamentos de


transferência”, ou “rendas de transferência” (por exemplo: pensões de aposentadoria;
benefícios da previdência; juros sobre a dívida nacional). Esta renda transferida sempre
aumenta o poder aquisitivo de quem os recebe às expensas de outros participantes do
processo econômico, que foram tributados para isso.145

145
Alguns economistas dizem jocosamente sobre isso que “não existe lanche grátis” (alguém sempre
paga por ele).
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 83
______________________________________________________________________
A FORMAÇÃO DOS PREÇOS

Define-se “preço” como a relação numérica existente entre a moeda (a moeda


corrente) e o valor subjetivo de uma coisa, produto ou serviço. Em geral, o preço
decorre de várias circunstâncias, entre as quais podemos citar: o montante ou volume de
moeda em circulação; o montante de produção industrial e agrícola; a facilidade ou
dificuldade de crédito, em função dos juros (que reflete a política fiscal do governo); o
maior ou menor valor intrínseco de um objeto, pela sua raridade, valorização (é o caso
das ações, p. ex.), ou da menor ou maior oferta no mercado. A relação cambial da
moeda em comparação com outras também se reflete nos preços, devido ao comércio
exterior (é o caso, por exemplo, do preço da gasolina, que reflete o preço internacional
do petróleo). Evidentemente, o preço também reflete o custo total de produção, o
pagamento das taxas de juros envolvidas e a margem de lucro do capitalista.

Em uma economia livre (livre de qualquer forma de monopólio), geralmente é o


mercado que define os preços, em função da oferta e procura de produtos e serviços, e
em função da concorrência (mercado é o conjunto de todos os bens e serviços que são
oferecidos aos consumidores que manifestem interesse em adquirí-los; concorrência é a
oferta do produto no mercado, a preços iguais ou menores do que os de outros produtos
semelhantes, oferecidos por aqueles que estão no mercado).
Costuma-se distinguir entre preço de mercado e preço natural (tomando-se o valor
intrínseco da mercadoria). Há também o preço de monopólio, que é o preço da
mercadoria sem concorrência. O preço normal de mercado é também chamado de preço
corrente. O preço corrente pode flutuar, em razão de vários parâmetros: estoque;
velocidade de venda; demanda; perecibilidade da mercadoria; encolhimento do mercado
(por exemplo, no início de uma feira livre, há bastante gente, e os preços são maiores; à
medida que passam as horas, há menos gente comprando, e como ainda há estoque
perecível, o feirante diminui o seu preço de venda).
O preço das coisas e serviços não se mantém estável; o próprio aumento da renda
(tanto individual quanto nacional) tende a aumentá-los, ano após ano. Quando a
economia se descontrola ou se desequilibra, este fato pode dar início a um aumento
descontrolado de preços, fenômeno este denominado inflação (a inflação muitas vezes
resulta do excesso de emissão de papel-moeda). No processo de inflação, o valor de
aquisição de uma moeda se deteriora, e os preços aumentam continuamente (quando o
ritmo é muito rápido, estamos diante de uma hiper-inflação). Por outro lado, se os
preços diminuem, o processo é chamado de deflação. A deflação pode trazer recessão
(que é fenômeno da diminuição ou parada da produção de renda e riqueza nacional);
mas se estão juntas a recessão e a inflação, temos o terrível fenômeno da estagflação.
Em geral, os Bancos Centrais costumam estipular uma taxa de juros anual, que, ainda
que baixa, não permite que a economia se torne estática (ou que venha a ocorrer a
deflação, tão prejudicial quanto a inflação).

Em geral, os preços estão relacionados a vários índices oficiais de medida


econômica, que medem o desempenho da economia como um todo: são, por exemplo,
os índices (medidos em vários períodos) da variação do preço (seja para o consumidor,
seja para os diversos segmentos produtores de riqueza – agricultura, indústria, serviços,
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 84
______________________________________________________________________
construção civil, etc.); os índices de inflação; as taxas de juros; a variação cambial; etc.
Tais índices podem ser medidos ou avaliados tanto por órgãos oficiais quanto por
entidades civis, e servem (os primeiros) de referência para outras decisões econômicas,
tais como a estipulação do salário mínimo; as tabelas e taxas de impostos; o orçamento
fiscal da União; estipulação de preços controlados e de preços públicos; etc.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 85
______________________________________________________________________
A POLÍTICA DEMOGRÁFICA

Uma das grandes preocupações modernas é o aumento dramático da população


mundial. As intensas medidas de saúde pública, de saneamento e de higiene, de combate
às doenças, a par do progresso da medicina preventiva levaram a uma queda progressiva
do índice de mortalidade em todos os países. Os antibióticos, as vacinas contra doenças
endêmicas, medidas sanitárias diversas (como o tratamento da água) podem ter
contribuído para o aumento da população. A fome endêmica também foi vencida pela
chamada “revolução verde”, que, com o uso intensivo de fertilizantes químicos e usando
sementes de trigo e arroz de alto rendimento, proporcionou a colheita de enormes safras
agrícolas nos países menos avançados, reduzindo a morte por esta causa.
Ainda que a taxa de natalidade tenha decrescido, principalmente devido a políticas
deliberadas de anticoncepção, o crescimento populacional ainda ameaça a maioria das
políticas econômicas dos países, que nem sempre conseguem incorporar as constantes
levas de novos indivíduos em idade de trabalhar.
Esta preocupação geral levou alguns especialistas a se voltarem para as idéias de
Thomas Malthus, que analisara no século XVIII quais seriam as conseqüências de um
crescimento populacional desenfreado. Para Malthus, a terra (a produção agrícola)
jamais seria capaz de acompanhar o crescimento da população.
Estas idéias de Malthus foram atualizadas e aperfeiçoadas; atualmente, os
neomalthusianos apontam para o fato de que os recursos naturais do planeta (metais,
petróleo, água potável) estarão em breve exauridos, devido à exploração em alta escala.
A poluição e a decadência do meio-ambiente146 acabarão por tornar inabitável grandes
porções de território, aumentando terrivelmente, por outro lado, os custos para a
sobrevivência.
Ainda que a expectativa geral de vida tenha aumentado, nem sempre a oferta de
alimentos acompanhou este crescimento. Além disso, ocorre um fenômeno perverso por
trás desta estatística. Em certos casos, ainda que a produção total de alimentos tenha
registrado aumento, ocorreu um declínio per capita, anunciando uma deficiente
distribuição desta produção (e até o desperdício).

Se Malthus acertou em sua previsão, seu acerto somente se dá quando se considera a


expansão do índice de consumo per capita, quando confrontado com a produção total de
alimentos. A renda per capita (tomando-se aqui a renda econômica), ainda que tenha
subido na maioria dos países do Terceiro Mundo, nas três últimas décadas do século
XX, ainda assim sobem mais lentamente do que do produto nacional bruto, porque sobe
muito rapidamente o número de bocas a serem alimentadas.147 Além do mais, o índice
de crescimento desta renda entre habitantes do Primeiro Mundo é bem maior do que o

146
O surgimento dos buracos na camada ionizada da atmosfera terrestre são um terrível alerta neste
sentido.
147
Atualmente (2008), cresce o espectro da fome. Na disputa entre bio-combustíveis e alimentos, a
produção agrícola tende gradativamente para os primeiros, diminuindo a produção de alimentos (em área
plantada e colheita). Além disso, o aumento da renda per-capita em países como China e Índia, de enorme
contingente populacional, tem pressionado o consumo geral de bens e insumos não-renováveis e de
alimentos, aumentando ainda mais o problema.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 86
______________________________________________________________________
mesmo índice entre os habitantes dos países mais pobres.148 Desta forma, o rápido
crescimento demográfico entre estes últimos os afasta cada vez mais de uma
prosperidade econômica.149
De qualquer forma, os neomalthusianos afirmam que, seja como for, qualquer
aspiração de riqueza dos países pobres é irrealizável, devido à insuficiência de recursos
naturais capazes de sustentar uma industrialização em grande escala. Para alcançar o
patamar de prosperidade e o padrão de vida apresentado pelos europeus, por exemplo,
estes países iriam consumir um volume de recursos que levaria rapidamente ao
esgotamento todas as reservas mundiais.150

148
O pequeno índice de crescimento demográfico entre países ricos traz, por outro lado, conseqüências
imprevistas. O aumento da idade média da população tem reflexos na política previdenciária, de
aposentadoria e de bem-estar social. De um modo geral, a política interna desses países oscila entre a
necessidade de abrirem-se para a imigração de mão-de-obra, e a rejeição à invasão (via esta mesma
imigração) de culturas indesejáveis. Atualmente, a maioria dos países europeus que fechar os seus países
a esta imigração (o Canadá tem uma política voltada para admitir novos imigrantes – preferencialmente,
altamente qualificados).
149
De 1970 para cá, os índices de natalidade tem caído com rapidez em vários países. O declínio da
fecundidade tem se apresentado em países tão diversos quanto a China, Coréia do Sul, Formosa,
Singapura, Malásia, Chile, Costa Rica, Brasil, Porto Rico, Jamaica, e um longo número de pequenos
países. Política de controle demográfico apenas tinham se iniciado nesta época em países de alta
densidade demográfica, tais como Índia, Bangladesh, Paquistão, Indonésia, Nigéria e México.
150
A própria crise de energia que assola atualmente todos os países decorre desta exploração. A demanda
incessante por petróleo e por gás natural levaram ao encarecimento destes recursos, utilizados como
armas estratégicos pelos países produtores. As sucessivas crises no Oriente Médio levaram os preços do
barril de petróleo a preços cada vez mais altos (cerca de 114 dólares o barril, em 2008). Por outro lado, a
opção da energia atômica traz os seus próprios problemas, tais como contaminação ambiental e ausência
de lugares seguros para depositar os resíduos tóxicos provenientes deste tipo de energia.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 87
______________________________________________________________________
QUESTIONÁRIO

1. Como se pode descrever os mais simples sistemas de trocas comerciais?


2. Quais as diferenças básicas entre as sociedades ateniense e espartana, sob o aspecto
econômico?
3. Qual a orientação seguida pelos filósofos gregos, no tocante às idéias econômicas?
4. A intervenção do Estado foi benéfica para a economia de Roma? Por que?
5. Quais as conseqüências do confronto entre Roma e Cartago?
6. O que se entende por “revolta dos Gracos”?
7. Quais as possíveis causas para a decadência econômica do império romano?
8. Qual a diferença entre as teorias “nominalista” e “metalista”?
9. Como justificava S. Tomás de Aquino a sua oposição à cobrança de juros nos
empréstimos?
10. Como era a situação econômica geral durante o império bizantino?
11. Qual a época aproximada do surgimento do feudalismo?
12. Qual a influência comercial propiciada pelas cruzadas?
13. O que significa a noção medieval de “equilíbrio”?
14. Quais são as formas de mutação monetária?
15. Por que a moeda má expulsa a moeda boa do mercado?
16. Por que os protestantes e o luteranos eram mais voltados à produção de riqueza, do
que os católicos?
17. Quais os fatos econômicos que caracterizam a fase colonialista?
18. Que artigo econômico chegou a provocar várias guerras pela independência?
19. O que se entende por “bullionismo”?
20. Quais as características da Revolução Comercial?
21. Quais as moedas que mais se impuseram, na época da Revolução Comercial?
22. O que se entende por mercantilismo “fiduciário”?
23. O que foi o “encilhamento”?
24. Cite duas escolas econômicas liberais.
25. Segundo os fisiocratas, qual era a única classe que produzia riqueza?
26. Qual é a origem da riqueza, para Adam Smith?
27. O que é a “mão invisível” de Adam Smith?
28. Para Adam Smith, de onde decorre a renda da terra?
29. Qual é o fundamento do valor de troca, para Smith?
30. Explique sucintamente a doutrina de Malthus.
31. O que significa “transição demográfica”?
32. O que é a Lei de Say?
33. Qual é a causa e a medida do valor, para Ricardo?
34. Explique a relação entre o comércio exterior e o valor da moeda, conforme Ricardo.
35. Explique como, para Ricardo, se dá o equilíbrio monetário de um país.
36. Explique a teoria geral da renda, de Ricardo.
37. Como Carey analisou a renda fundiária?
38. Explique as idéias de Mac-Leod.
39. Qual a principal contribuição de Stuart Mill ao pensamento econômico?
40. Cite algumas causas que provocaram a Revolução Industrial.
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 88
______________________________________________________________________
41. Quais as características da Revolução Industrial?
42. Quais as principais idéias dos socialistas anteriores a Marx?
43. Quais os elementos filosóficos de Hegel utilizados por Marx em sua explicação da
evolução da história?
44. O que se entende por mais-valia?
45. O que Marx queria dizer por “alienação”?
46. Fale sobre a fase do capitalismo chamada “imperialismo”.
47. O que se entende por “anarquismo”?
48. O que significa “ludita”?
49. Em que época surgiram os primeiros sindicatos ingleses?
50. Quando foram criados os primeiros sindicatos nos Estados Unidos?
51. O que significa “econometria”?
52. Qual a concepção econômica do neoclassicismo?
53. Para que servia a “Lei Anti-Truste”?
54. Onde, e com quem, surgiram inicialmente as linhas de montagem na indústria?
55. Quais foram as conseqüências da introdução das linhas de montagem?
56. Quais as principais leis das escolas clássica e neoclássica?
57. O que significa “números-índices”?
58. O que quer dizer “Grande Depressão”?
59. Quais foram as características mais perversas da Grande Depressão?
60. Quais as principais medidas econômicas adotadas contra a Grande Depressão?
61. O que se entende por ciclo econômico?
62. Qual a diferença entre as idéias de Keynes e dos clássicos, a respeito de crises
econômicas?
63. Quais as idéias de Keynes a respeito do sistema econômico?
64. O que Keynes achava da intervenção governamental na economia?
65. Qual foi a influência de Keynes, na definição de uma política econômica mundial?
66. O que foi o Plano Marshall?
67. Quais os principais órgãos de comércio internacional que surgiram após a Segunda
Guerra Mundial?
68. Quais os atuais órgãos econômicos regionais no mundo?
69. O que significa “Euro”?
70. Quais os principais projetos de unificação comercial das Américas?
71. Onde, quando e com quem surgiu inicialmente a concepção do Estado do Bem Estar
Social?
72. Por que a ortodoxia clássica se opõe à redistribuição de renda?
73. Quais as conseqüências, para o meio-ambiente, das tecnologias voltadas para a
informática?
74. Qual a concepção de Alvin Toffler sobre o desenvolvimento da civilização?
75. O que se entende por sociedade “pós-industrial”, e quem criou este termo?
76. Quais os benefícios e malefícios provindos do uso da tecnologia?
77. O que pode provir da absorção irrefletida de tecnologia estrangeira por um país
economicamente menos desenvolvido?
78. Quando surgiu, e quais as concepções do neo-liberalismo?
79. Qual o significado do termo: “empresa de inteligência intensiva”?
80. Quais as idéias de Marx a respeito do advento da tecnologia?
81. O que significa “globalização”?
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 89
______________________________________________________________________
82. O que quer dizer “produto mundial”?
83. Quais os países integrantes da União Européia?
84. O que dizem os “neomalthusianos” sobre os recursos naturais mundiais?
85. Em sua opinião, a tecnologia traz benefícios ou malefícios?
86. Quais os fatores que a ONU aponta, no que tange à absorção de tecnologia
estrangeira?
87. Cite alguns dos problemas acarretados pela dependência tecnológica.
88. Quais os problemas atuais que impedem uma maior integração econômica no Cone
Sul?
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 90
______________________________________________________________________
TÓPICOS DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL 91
______________________________________________________________________
BIBLIOGRAFIA

ADAM SMITH/RICARDO. Coleção Os Pensadores. Abril Cultural. 2. ed. São Paulo. 1979.
AMIN, S. O Desenvolvimento Desigual. Forense-Universitária. Rio de Janeiro. 1976.
BREAUD, Michel. História do Capitalismo de 1500 aos nossos dias. Brasiliense. São Paulo.
1987.
CASTRO, Paulo de. Rosa Luxemburgo – Socialismo e Liberdade. Forum Editora. Rio de
Janeiro. 1968.
DOBB, M. A. A Evolução do Capitalismo. 5ª edição. Zahar. Rio de Janeiro. 1987.
FISCHER, Ernst. O Que Marx Realmente Disse. Editora Civilização Brasileira. Rio de Janeiro.
1970.
FURTADO, Celso. Formação Econômica do Brasil. Companhia Editora Nacional. 11 ª edição.
São Paulo. 1971.
GALBRAITH, John Kenneth. O Pensamento Econômico em Perspectiva. Uma História Crítica.
Pioneira/Editora da Universidade de São Paulo. São Paulo. 1987.
GOLGHER, Isaías. Leninismo. Uma Análise Marxista. Editora Saga. Volume Primeiro. Rio de
Janeiro. 1967.
GOMES, Luiz Souza. O que devemos conhecer da Economia Política e das Finanças. Livraria
Tupã Editora. 5ª edição. Rio de Janeiro. S/d.
GOMES, Luiz Souza. O que devemos conhecer de Moeda e Crédito, Preços e Bancos.
Biblioteca Universal Popular. Rio de Janeiro. 1964.
HOBSBAWN, E. Da revolução industrial inglesa ao imperialismo. Forense-Universitária. Rio
de Janeiro. 1986.
HUBERMAN, Leo. História da riqueza do homem. 21ª edição. Guanabara. Rio de Janeiro.
1996.
HUGON, Paul. História das Doutrinas Econômicas. Editora Atlas. 10ª edição. São Paulo. 1969.
HUNT & SHERMAN. História do Pensamento Econômico. Ed. Vozes. Petrópolis. 1977.
MAGALHÃES FILHO, Francisco de B. B. História Econômica. 9ª edição. Saraiva. São Paulo.
1987.
MARCUSE, Herbert. Ideologia da Sociedade Industrial. Zahar Editores. Rio de Janeiro. 1969.
MARX, Karl. O Capital. Coleção Os Economistas. 2ª edição. São Paulo. 1969.
MEYERS, A. Elementos de Economia Moderna. Livro Ibero-Americano Ltda. Rio de Janeiro.
1962.
MUMFORD, Lewis. A Condição de Homem. Editora Globo. Porto Alegre. 1958.
NOMAD, Max. Heréticos da Política. Editora Fundo de Cultura. Rio de Janeiro. 1965.
SANTOS, Mário Ferreira dos. Análise Dialética do Marxismo. Logos. São Paulo. 1953.
SELDON, Arthur & PENNANCE, F. G. Dicionário de Economia. 2ª edição. Bloch Editores
S.A. Rio de Janeiro. 1975.
TOFFLER, Alvin. A Terceira Onda. A Morte do Industrialismo e o Nascimento de uma Nova
Civilização. Editora Record. Rio de Janeiro. 1980.
TRAGTENBERG, Maurício. Planificação – Desafio do Século XX. Editora Senzala. S/l. S/d.