Vous êtes sur la page 1sur 5

Manual de Bobinagem – Motor Trifásico

Cálculo dos dados de bobinagem:


Método prático e simples de cálculo da bitola do fio e quantidade de espira de motores
cujos originais sejam desconhecidos.
Sempre que possível, prefira copiar a bobinagem original, se esta ainda existir, pois os
cálculos e medições de fábrica são mais precisos.
Os dados que devem ser copiados são:
-dados da placa de identificação
-numero de ranhuras,
-número de bobinas,
-tipo de ligação,
-número de espiras de cada bobina,
-forma e dimensões de cada bobina,
-Passo do enrolamento,
-Seção do condutor

Determinação do número de espiras:


Dados necessários:
Di – Diâmetro interno do estator (cm)
L – Comprimento do pacote (cm)
P – Numero de pólos
N – Numero de ranhuras do estator
B – Indução estimada do entreferro(Considerar 5000Gauss)
f – Freqüência da rede
V – Tensão da rede (V)

Procedimento:
-Localizar o esquema a ser utilizado, conforme instrução do capítulo 4, determinando o
passo médio do enrolamento(p),
-A partir do passo médio, determinar o fator de enrolamento(ξ),pela tabela de dados
técnicos para escolher ou modificar o passo do enrolamento(anexo 2)
Cálculo do passo polar (tp):
Tp = (3,14 x Di)/P (cm)
Fluxo magnético estimado (Ф):
Ф = (B x tp x L)/1000 (M Maxuel)
Numero de espiras por fase (ZF):
ZF = (50 x V)/2,22 x Ф x f x ξ x (k x k1)/k2
Onde:
K=1, para enrolamento em camada dupla,
K=2, para enrolamento em camada única,
K1= numero de ligações em paralelo para tensão especificada,
K2= 1 para ligação em triângulo
K2= 1,73 para ligação em estrela
Numero de espiras pó bobina (Z):
Z = (3 x ZF)/N ; O valor adotado deve ser o numero inteiro mais próximo.
Para valores muito pequenos de Z, quando este arredondamento for superior a 5%, é
necessária a escolha de esquema com maior numero de ligações em paralelo,
aumentando-se assim o numero de espiras e minimizando o erro.
Determinação da bitola do fio:
A seção do fio a ser usado, pode ser determinada pela formula:
S = ( I x k2)/((d x 1,73 x k1)
Onde:
S=seção do fio em mm²
I=Corrente nominal do motor (obtida da placa de identificação ou catálogo)
d= densidade de corrente, escolhida em função da potência do motor, conforme abaixo:
- Menores ou iguais a 10CV, 7 A/mm²
- de 10 a 50CV, no máximo 5,5 A/mm²
K1 e k2 conforme definido anteriormente.
A bobina do fio é obtida através da tabela do fio de cobre esmaltado (anexo 1) onde
escolhe-se aquela correspondente à seção normalizada imediatamente superior a
calculada. No anexo 3 está a tabela comparativa entre bitolas no sistema AWG e
Métrico e a respectiva variação percentual da área da seção transversal.

Ajuste final – Fator de enchimento:


A relação entre a seção de cobre dos fios e a área da ranhura é chamada fator de
enchimento, cujos valores ideais são apresentados a seguir para vários tamanhos de
ranhuras.
Área ran.(mm²) 30 50 75 100 150
Fator enchim. 0,28 0,32 0,37 0,40 0,43

Valores muito abaixo deixarão os fios muito soltos dentro das ranhuras. Muito acima
aumentarão consideravelmente o tempo de inserção das bobinas.
No campo a determinação da área da ranhura é pouco prática, porem por experiência ou
tentativas, poderá ser obtido o ajuste final do número do fio, caso o enchimento fique
muito alto ou muito baixo.
OBS:
O ajuste na fábrica é feito a partir de ensaios e cálculos precisos sempre tomando-se em
conta a elevação de temperatura do motor e buscando valores ótimos das demais
características.
Por isso deve se desconfiar se o ajuste resultar em valores de densidade de corrente em
completa discordância dos valores apresentados como típicos.
O máximo fator de enchimento executável, para fios de seção circular, está em torno de
0,45.
P = Passo médio do enrolamento

Z = % de espiras a mais por passo do enrolamento encurtado

ξ = Fator de enrolamento

Exemplo: Se encurtarmos o passo do enrolamento de um motor de 36 ranhuras, 4 polos


de 1:10 para passo 1:8, deveremos aumentar as espiras 6,4%.

Esta tabela informa a equivalência entre o padrão Americano A.W.G. e o


sistema métrico internacional.

A medida refere-se a bitola do fio ou a sua área da seção reta:


Fontes:

MANUAL DE BOBINAGEM WEG – CAT:541.17/022003

http://www.ufrgs.br/lmeae/arquivos_manuais/fios/fios.pdf

http://www.elbest.eng.br/tabelas/awgmm.htm

Se este texto te agradou, ou te ajudou de alguma forma, e você deseja me


gratificar, basta clicar no botão abaixo.
Uma doação de qualquer valor, me ajuda com os custos de manutenção do Blog, e
remuneração de alguns autores.

Você poderá gostar de:

• Especificação de Motores.
• Considerações sobre numeração de bobinas
• Considerações sobre interligações de bobinas
• Considerações sobre o K1 na bobinagem
• Categorias de Motores
• Powered by Contextual Related Posts