Vous êtes sur la page 1sur 35
PROFILAXIAPROFILAXIA EE TERAPIATERAPIA ANTIMICROBIANAANTIMICROBIANA EMEM PACIENTESPACIENTES DEDE CIRURGIACIRURGIA
PROFILAXIAPROFILAXIA EE TERAPIATERAPIA ANTIMICROBIANAANTIMICROBIANA EMEM PACIENTESPACIENTES DEDE CIRURGIACIRURGIA

PROFILAXIAPROFILAXIA EE TERAPIATERAPIA ANTIMICROBIANAANTIMICROBIANA EMEM PACIENTESPACIENTES DEDE CIRURGIACIRURGIA CARDCARDÍÍACAACA PEDIPEDIÁÁTRICA:TRICA:

UMAUMA ANANÁÁLISELISE DEDE CUSTOSCUSTOS

ReginaRegina ClClááudiaudia FurtadoFurtado MaiaMaia

INTRODUINTRODUÇÇÃOÃO

INTRODUINTRODU ÇÇ ÃOÃO -- EconomiaEconomia dada SaSa úúdede -- OMSOMS -- AntibiAntibi óó ticosticos

-- EconomiaEconomia dada SaSaúúdede -- OMSOMS -- AntibiAntibióóticosticos

INTRODUINTRODU ÇÇ ÃOÃO -- EconomiaEconomia dada SaSa úúdede -- OMSOMS -- AntibiAntibi óó ticosticos
OBJETIVOOBJETIVO AnalisarAnalisar osos custoscustos comcom antimicrobianosantimicrobianos utilizadosutilizados emem

OBJETIVOOBJETIVO

OBJETIVOOBJETIVO AnalisarAnalisar osos custoscustos comcom antimicrobianosantimicrobianos utilizadosutilizados emem

AnalisarAnalisar osos custoscustos comcom antimicrobianosantimicrobianos utilizadosutilizados emem pacientespacientes submetidossubmetidos àà cirurgiacirurgia cardcardííaca,aca, nono ppóóss--operatoperatóório,rio, emem unidadeunidade dede terapiaterapia intensivaintensiva pedipediáátricatrica

METODOLOGIAMETODOLOGIA

METODOLOGIAMETODOLOGIA

TipoTipo dede Estudo:Estudo: Quantitativo, observacional, longitudinal, retrospectivo, do tipo caso-c ontrole pareado

TipoTipo dede Estudo:Estudo:

TipoTipo dede Estudo:Estudo: Quantitativo, observacional, longitudinal, retrospectivo, do tipo caso-c ontrole pareado

Quantitativo, observacional, longitudinal, retrospectivo, do tipo caso-controle pareado (1:1), com abordagem descritiva e inferencial, a partir de dados secundsecundáários.rios.

CampoCampo Hospital infantil de atenção terciária, de grande porte e alta complexidade. • Comissão de
CampoCampo Hospital infantil de atenção terciária, de grande porte e alta complexidade. • Comissão de

CampoCampo

Hospital infantil de atenção terciária, de grande porte e alta complexidade.

• Comissão de Controle de Infecção Hospitalar

• Unidade de Terapia Intensiva

PerPerííodoodo dede Estudo:Estudo:

População e Amostra: Constituída de forma não probabilística por conveniência, de todos os prontuários de

População e Amostra:

População e Amostra: Constituída de forma não probabilística por conveniência, de todos os prontuários de

Constituída de forma não probabilística por conveniência, de todos os prontuários de pacientes que estiveram internados na UTI cirúrgica, submetidos à cirurgia cardíaca (125).

Critérios de Inclusão:

Critérios de Inclusão: Pacientes submetidos à cirurgia cardíaca pós-operatório na UTI cirúrgica do hospital com o

Pacientes submetidos à cirurgia cardíaca pós-operatório na UTI cirúrgica do hospital

cardíaca pós-operatório na UTI cirúrgica do hospital com o - Casos: Os que adquiriram infecção hospitalar,

com o

- Casos: Os que adquiriram infecção hospitalar, em qualquer topografia, durante o período de internação na UTI

- Controles: Os que não adquiriram infecção nas mesmas condições

CritCrit éé riosrios dede ExclusãoExclusão PacientesPacientes que:que: - - usaramusaram antibiantibi óó ticotico

CritCritéériosrios dede ExclusãoExclusão

PacientesPacientes que:que:

riosrios dede ExclusãoExclusão PacientesPacientes que:que: - - usaramusaram antibiantibi óó ticotico

-- usaramusaram antibiantibióóticotico terapêuticoterapêutico nono perperííodoodo prpréé-- operatoperatóóriorio (at(atéé umauma semanasemana antesantes dada cirurgia);cirurgia);

dede acordoacordo

-- apresentaramapresentaram sinaissinais clclíínicosnicos dede infecinfecçção,ão, comcom osos critcritéériosrios NNISS,NNISS, nono mesmomesmo perperííodo,odo,

-- nãonão satisfizeramsatisfizeram asas condicondiççõesões dede pareamentopareamento

Pareamento:Pareamento: PesoPeso ASAASA (( AmericanAmerican SocietySociety ofof AnesthesiologistAnesthesiologist ))
Pareamento:Pareamento: PesoPeso ASAASA (( AmericanAmerican SocietySociety ofof AnesthesiologistAnesthesiologist ))

Pareamento:Pareamento:

PesoPeso

ASAASA ((AmericanAmerican SocietySociety ofof AnesthesiologistAnesthesiologist)) TempoTempo cirurgiacirurgia EquipeEquipe circirúúrgicargica

Instrumento de Coleta de Dados: Na coleta de dados foi utilizado como instrumento norteador, o

Instrumento de Coleta de Dados:

Instrumento de Coleta de Dados: Na coleta de dados foi utilizado como instrumento norteador, o formulário

Na coleta de dados foi utilizado como instrumento norteador, o formulário semi-estruturado, apresentado no Apêndice.

APENDICE

Quadro 1. Formulário para o recolhimento de dados para estudo de custo da infecção hospitalar

CASO ( ) CONTROLE ( ) NOME:

 

FICHA Nº

SEXO:

DATA NASC:

IDADE:

(MESES)

DIAGN:

CUSTO/UTI R$:

PESO:
PESO:

PRONTUÁRIO:

PROCEDÊNCIA:

DATA ADM. HIAS:

DATA ADM. UTI:

PERMANÊNCIA UTI:

DATA SAÍDA UTI:

DATA SAÍDA HIAS:

PERMANÊNCIA NO HIAS:

Nº DIAS ANTES CIRURGIA:

CIRURGIA:

TEMPO CIRURGIA:

PROFILAXIA ANTIMICROBIANA:

1)

PROCEDIMENTOS INVASIVOS:

(

INFECÇÃO HOSPITALAR: SIM ( ) NÃO ( )

TOPOGRAFIA DA IH:

Nº HEMOCULTURAS:

MICROORGANISMOS:

ANTIBIOTICO TERAPÊUTICO:

EXTRACORPÓREA : (

TEMPO :

(

) SVD

) SIM

(

MG/DOSE:

) CVC

NºDIAS:

TEMPO SVD

) VM

TEMPO VM:

(

TEMPO CVC

CUSTO/ HEMO R$

) NÃO

1)

MG/DOSE:

TEMPO :

NºDIAS:

2)

MG/DOSE:

TEMPO :

NºDIAS:

3)

MG/DOSE:

TEMPO :

NºDIAS:

4)

MG/DOSE:

TEMPO

NºDIAS:

5)

MG/DOSE:

TEMPO

NºDIAS:

CUSTO/TERAPIA ATB :

- EVOLUÇÃO DA UTI: ( ) ALTA ( )ÓBITO CAUSA ÓBITO:

- EVOLUÇÃO APÓS UTI:

IH: sim (

(DDD)

)

Não (

)

Alta (

)

Óbito ( )

Transferência ( ) Causa do óbito

Etapa Exploratória: Visitas: Farmácia / Custos Tabela: Associação Médica Brasileira/ BRASÍNDICE Custos Dólar

Etapa Exploratória:

Visitas: Farmácia / Custos

Etapa Exploratória: Visitas: Farmácia / Custos Tabela: Associação Médica Brasileira/ BRASÍNDICE Custos Dólar

Tabela: Associação Médica Brasileira/ BRASÍNDICE

Custos Dólar americano. Câmbio de nov/2007.

Quadro 1 : Grupo terapêutico, apresentação e valores em reais dos antimicrobianos utilizados pela amostra.

Quadro 1 : Grupo terapêutico, apresentação e valores em reais dos antimicrobianos utilizados pela amostra.

ANTIMICROBIANOS

ATC-CODE

APRESENTAÇÃO

VALOR

(frasco)

(R$)

Cefazolina

J01DB04

1g

1,49

Oxacilina

J01CF04

500mg

0,73

Ceftriaxona

J01DD04

1g

1,25

Vancomicina

J01XA01

500mg

6,20

Cefepime

J01DE01

1g

26,9

Imipenem

J01DH51

500mg

20,75

Fluconazol

J02AC01

200mg

3,09

Anfotericina

J02AA01

50mg

10,42

Piperacilina/tazobactan

J01CR05

1g

30,78

Amicacina

J01GB06

100mg

0,27

Fonte: Farmácia do HIAS

Piperacilina/tazobactan J01CR05 1g 30,78 Amicacina J01GB06 100mg 0,27 Fonte: Farmácia do HIAS
Indicadores de Custos: Dose Diária Definida de antibióticos (DDD) Custos com antibióticos

Indicadores de Custos:

Indicadores de Custos: Dose Diária Definida de antibióticos (DDD) Custos com antibióticos

Dose Diária Definida de antibióticos (DDD) Custos com antibióticos

Dose Diária Definida - DDD É uma unidade técnica de medida de comparação e representa

Dose Diária Definida - DDD

Dose Diária Definida - DDD É uma unidade técnica de medida de comparação e representa a

É uma unidade técnica de medida de comparação e representa a dose diária média de cada fármaco na sua indicação principal para adultos.

Permite estudos comparativos intra e interinstituições, em distintos períodos de tempo, independentemente de variações no preço e conteúdo ponderal das especialidades.

O valor da DDD é estabelecido para cada medicamento pelo Nordic Council on Medicine e é recomendado pela Organização Mundial de Saúde, podendo ser encontrado em tabelas.

Cálculo para DDD :

Cálculo para DDD : DDD/100 leitos-dia = A 100 C E B T , onde: E

DDD/100 leitos-dia = A

100

Cálculo para DDD : DDD/100 leitos-dia = A 100 C E B T , onde: E

C

Cálculo para DDD : DDD/100 leitos-dia = A 100 C E B T , onde: E

E

Cálculo para DDD : DDD/100 leitos-dia = A 100 C E B T , onde: E

B T

Cálculo para DDD : DDD/100 leitos-dia = A 100 C E B T , onde: E
Cálculo para DDD : DDD/100 leitos-dia = A 100 C E B T , onde: E

, onde:

E

=

P

T C
T
C

A = Quantidade total de medicamento consumido (grama)

B = DDD estabelecida para o medicamento (grama)

T = Período de tempo observado (dias)

C = Total de leitos disponíveis no hospital

E = Índice de ocupação no período observado

CÁLCULO PARA DDD

CÁLCULO PARA DDD Fórmula Simplificada DDD/100 leitos//dia= A/B x 100/P, onde P = paciente/dia no período

Fórmula Simplificada

CÁLCULO PARA DDD Fórmula Simplificada DDD/100 leitos//dia= A/B x 100/P, onde P = paciente/dia no período

DDD/100 leitos//dia= A/B x 100/P, onde

P = paciente/dia no período observado.

Fonte: Silva, LC et all. Benchmarking aplicado ao controle do uso de antimicrobianos no hospital de aeronáutica de São Paulo. Jan/Dez 2002

TÉCNICA DE ANÁLISE DE DADOS Análise exploratória dos dados, em relação ao estudo frequencial e

TÉCNICA DE ANÁLISE DE DADOS

TÉCNICA DE ANÁLISE DE DADOS Análise exploratória dos dados, em relação ao estudo frequencial e paramétrico.

Análise exploratória dos dados, em relação ao estudo frequencial e paramétrico.

Estudo analítico, a fim de identificar a possível existência de associação entre variáveis, utilizando-se o teste não-paramétrico (Qui-quadrado).

Comparação de custos de casos e controles através do teste de Fisher e do Odds Ratio.

Os dados foram processados através do programa SPSS (Statistical Program of Social Science), versão 16.0. e da planilha eletrônica EXCELL.

ASPECTOSASPECTOS ÉÉ TICOSTICOS Resolução 196/96 – MS: Diretrizes e Normas Regulamentadoras de Pesquisas envolvendo

ASPECTOSASPECTOS ÉÉTICOSTICOS

Resolução 196/96 – MS:

ASPECTOSASPECTOS ÉÉ TICOSTICOS Resolução 196/96 – MS: Diretrizes e Normas Regulamentadoras de Pesquisas envolvendo

Diretrizes e Normas Regulamentadoras de Pesquisas envolvendo seres humanos , Conselho Nacional de Saúde.

RESULTADOSRESULTADOS

RESULTADOSRESULTADOS

Tabela 1: Distribuição de casos e controles, segundo sexo, idade, peso e procedência. UTI pediátrica

Tabela 1: Distribuição de casos e controles, segundo sexo, idade, peso e procedência. UTI pediátrica de hospital público, Fortaleza-CE, 2006/2007

Caso

SEXO
SEXO

VARIÁVEL

Controle

N = 31

%

N = 31

%

16

51,6

17

54,8

15

48,4

14

45,2

18

58,1

11

35,5

5

16,1

12

38,7

8

25,8

8

25,8

9

29,0

8

25,8

14

45,2

13

41,9

2

6,5

6

19,4

6

16,4

4

12,9

17

54,8

17

54,8

14

45,2

14

45,2

Masculino

Feminino

IDADE (Anos) < 1

1 a 5

> 5

PESO (Kg)

1 – 5 5 – 12 12 – 25
1
5
5
12
12 –
25

> 25

PROCEDÊNCIA Área metropolitana Interior

Tabela 2: Custo médio e total de antibióticos, de casos e controles, em hospital público
Tabela 2: Custo médio e total de antibióticos, de casos e controles, em hospital público

Tabela 2: Custo médio e total de antibióticos, de casos e controles, em hospital público de Fortaleza, 2006/2007

Custos com

Antibióticos

Caso

Controle

Excesso

Custo médio(US$)

Custo total (US$)

121.76

3,774.32

2.41 119,35

74.41 3,699.91

93,26 87,53 93,26 87,53 79,45 74,00 6,43 4,33 DDD Grama Frasco US $ CASO CONTROLE
93,26 87,53 93,26 87,53 79,45 74,00 6,43 4,33 DDD Grama Frasco US $ CASO CONTROLE
93,26
87,53
93,26
87,53
79,45
74,00
6,43 4,33
DDD
Grama
Frasco
US $
CASO
CONTROLE
74,00 6,43 4,33 DDD Grama Frasco US $ CASO CONTROLE Gráfico 1: Gastos de cefazolina nos

Gráfico 1: Gastos de cefazolina nos casos e controles em UTI pediátrica de hospital público.Fortaleza-CE, 2006/2007

Gráfico 2: Distribuição das freqüências (absoluta e relativa) dos antimicrobianos terapêut icos utilizados, em da
Gráfico 2: Distribuição das freqüências (absoluta e relativa) dos antimicrobianos terapêut icos utilizados, em da
Gráfico 2: Distribuição das freqüências (absoluta e relativa) dos antimicrobianos terapêut icos utilizados, em da

Gráfico 2: Distribuição das freqüências (absoluta e relativa) dos antimicrobianos terapêuticos utilizados, em da UTI pediátrica de hospital público. Fortaleza-CE, 2007/2008

Gráfico 3: Antimicrobianos utiliz ados em UTI pediátrica e seus valores em dólar. Fortaleza-CE, 2006/2007

Gráfico 3: Antimicrobianos utilizados em UTI pediátrica e seus valores em dólar. Fortaleza-CE, 2006/2007

Gráfico 4: Distribuição de Dose Diária Definida por antimicrobiano utilizados no grupo caso. UTI pediá

Gráfico 4: Distribuição de Dose Diária Definida por antimicrobiano utilizados no grupo caso. UTI pediátrica, Fortaleza-CE, 2006/2007

Gráfico 5: Distribuição de antimicrobianos por grama consumida, em UTI pediátri ca. Fortaleza-CE, 2006/2007

Gráfico 5: Distribuição de antimicrobianos por grama consumida, em UTI pediátrica. Fortaleza-CE, 2006/2007

- -
-
-

Excesso de custo com antimicrobiano por caso:

ROCHA(2003) US$ 119.00 GRAZIOSO (2001) US$ 123.00 SUÁREZ (2003) US$ 185.00

US$ 119.35

(2001) US$ 123.00 SUÁREZ (2003) US$ 185.00 US$ 119.35 - Principais fatores de custo: Tempo de

- Principais fatores de custo: Tempo de permanência e antibioticoterapia

COLEONI (2001) E CARRERA (2001)

-- DDD/100DDD/100 leitosleitos dia:dia: 91,13 91,13 EstudosEstudos Europeus:Europeus: 34,134,1 aa 75,7775,77 --

-- DDD/100DDD/100 leitosleitos dia:dia:

91,1391,13

EstudosEstudos Europeus:Europeus: 34,134,1 aa 75,7775,77

EstudosEstudos Europeus:Europeus: 34,134,1 aa 75,7775,77 -- AntimicrobianosAntimicrobianos maismais

-- AntimicrobianosAntimicrobianos maismais prescritos:prescritos:

ceftriaxonaceftriaxona ee cefepimecefepime

MinistMinistéériorio dada SaSaúúde,de, hospitaishospitais dodo SUSSUS

Quadro 1: Densidade de incidênci a de consumo dos antimicrobianos (DDD/1000 paciente/dia) em UTI pediÁtrica.

Quadro 1: Densidade de incidência de consumo dos antimicrobianos (DDD/1000 paciente/dia) em UTI pediÁtrica. Fortaleza-CE, 2006/2007

Antimicrobiano

DDD/1000

Classificação ATC

J01CF04

J01XA01

J01DD04

J01DE01

J01DH51

J01CR05

J01GB06

J02AA01

J02AC01

Oxacilina Vancomicina Ceftriaxona Cefepime Imipenem Piperacilina tazobactan Amicacina Anfotericina Fluconazol

46,5

2,96

20,53

5,54

5,33

0,23

0,93

9,6

2,40

CONCLUSÃOCONCLUSÃO

CONCLUSÃOCONCLUSÃO

ExcessoExcesso mm éé diodio dede custoscustos comcom ATM:ATM: US$ US$ 108.70 108.70 CarbapenensCarbapenens :: ATM
ExcessoExcesso mm éé diodio dede custoscustos comcom ATM:ATM: US$ US$ 108.70 108.70 CarbapenensCarbapenens :: ATM

ExcessoExcesso mméédiodio dede custoscustos comcom ATM:ATM: US$US$ 108.70108.70 CarbapenensCarbapenens :: ATMATM dede maismais altoalto custocusto MMéédiadia dede tempotempo dede ATMATM profilaxia:profilaxia: 22 diasdias DDDDDD profilprofilááticotico ee terapêutico:terapêutico: 101,89 (100 leitos-dia) ClasseClasse dede antimicrobianoantimicrobiano maismais prescrito:prescrito: cefalosporina CustosCustos comcom ATMATM :: casoscasos 5050 vezesvezes maiormaior

Obrigada

Obrigada