Vous êtes sur la page 1sur 21

UNIVERSIDADE DO ALGARVE

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA


Área Departamental Engª Alimentar

Guia dos trabalhos práticos de


Análise Sensorial

Eduardo Esteves
ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA ALIMENTAR

 E. ESTEVES (Faro, Fevereiro de 2008)


Análise Sensorial – Curso de Engenharia Alimentar

Índice

1. DETERMINAÇÃO DOS LIMIARES DE DETECÇÃO ........................................3

2. TESTE DE COMPARAÇÃO-PAR (DIFERENCIAÇÃO SIMPLES)....................5

3. TESTE DE COMPARAÇÃO-PAR (DIFERENCIAÇÃO DIRECCIONAL)...........7

4. TESTE DO DUO-TRIO.......................................................................................9

5. TESTE TRIANGULAR .....................................................................................11

6. TESTE DE CLASSIFICAÇÃO ORDINAL ........................................................13

7 – 9. TESTE DE ESCALAS CATEGORIZADAS................................................15

10. PERFIL SENSORIAL.....................................................................................19

11. INSTRUÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS DAS AULAS


PRÁTICAS ...........................................................................................................21

© E. Esteves, Área Departamental de Engenharia Alimentar, EST – U. Algarve, Faro (2008) 2


Análise Sensorial – Curso de Engenharia Alimentar

1. Determinação dos limiares de detecção

1) Aplicação
Este teste sensorial é útil no processo de selecção e treino de provadores.

2) Princípio do teste sensorial


Apresentam-se amostras/soluções com concentrações crescentes de
produto/soluto e o provador indica quando detecta diferença relativamente à água
mineral.

3) Procedimento
Limiar de detecção pessoal
a) Sem repetir nenhuma solução e sem lavar a boca entre soluções, prove da
solução menos concentrada para a mais concentrada (espalhe bem a solução por
toda a cavidade bucal antes de registar a sensação mas não engula a solução);
b) Se a solução não deu origem a nenhuma sensação, registe um o na tabela.
Pelo contrário, se a solução originou uma sensação indique esse resultado na
tabela com um sinal +;
c) Se pretender usar o “método intermédio” para determinação dos limiares,
repita 3 a 4 vezes a mesma prova (proceda como descrito nas alíneas a) e b)
descritas anteriormente) mas fazendo intervalos de 15 a 20 minutos entre cada
série.

Limiar de detecção do grupo


Utilize o “método rápido” ou o “método intermédio” de acordo o procedimento
anterior.

4) Análise e interpretação dos resultados


Depois de compilar os resultados utilize um dos métodos seguintes, “método
rápido” ou para calcular os limites pretendidos.

(v.s.f.f.)

© E. Esteves, Área Departamental de Engenharia Alimentar, EST – U. Algarve, Faro (2008) 3


Análise Sensorial – Curso de Engenharia Alimentar

Limiar de detecção dos gostos doce e ácido

Nº: ________________ Data: ______________ Hora:_______________

Instruções
a) Sem repetir nenhuma solução e sem lavar a boca entre soluções, prove da
solução menos concentrada para a mais concentrada (espalhe bem a solução por
toda a cavidade bucal antes de registar a sensação mas não engula a solução);
b) Se a solução não deu origem a nenhuma sensação, registe um o na tabela.
Pelo contrário, se a solução originou uma sensação indique esse resultado na
tabela com um sinal +.

Gosto Doce
Concentração de sacarose (%) Resultado
0,00
0,25
0,50
0,75
1,00
1,25
1,50

Gosto Ácido
Concentração de ácido cítrico (%) Resultado
0,000
0,005
0,010
0,015
0,020
0,025
0,030

© E. Esteves, Área Departamental de Engenharia Alimentar, EST – U. Algarve, Faro (2008) 4


Análise Sensorial – Curso de Engenharia Alimentar

2. Teste de Comparação-Par (diferenciação simples)

1) Aplicação
Utilizam-se para determinar se existem diferenças entre duas amostras, nos
casos em que não se podem usar os testes Duo-trio ou Triangular (por exemplo,
quando as amostras provocam estímulos muito fortes ou estímulos muito
complexos que provoquem confusão na escolha).
São eficazes para testar diferenças entre produtos resultantes de alterações: de
ingredientes nas receitas; de modos de processar; de tipos de embalagens; ou de
formas de armazenamento.

2) Princípio do teste sensorial


Apresentam-se duas amostras codificadas e o provador indica se encontra
diferenças entre as duas amostras.

3) Procedimento
De um modo geral, devem ser obtidos 20 a 50 resultados de cada uma das
combinações possíveis dos dois produtos, A e B, em apreciação (A/A, A/B, B/B e
B/A). O número de provadores depende do tipo de amostras (por exemplo, se os
estímulos são fracos e simples então é possível que cada provador analise as
quatro combinações na mesma sessão, diminuindo o tamanho do painel de
provadores; caso contrário, terá de se aumentar o número de provadores e
“complica-se” a análise estatística dos resultados). O painel de provadores pode
ser formado por provadores com treino especial ou por pessoas não-treinadas,
mas não se pode utilizar no mesmo painel de provadores os dois tipos de
pessoas.

a) Separe os dois produtos em dois recipientes e codifique com A e B;


b) Prepare um tabuleiro para o provador com uma das quatro combinações
possíveis (A/A, A/B, B/B e B/A) e codifique cada amostra com um código de três
dígitos escolhidos aleatoriamente;
c) Logo que o provador entregue a resposta, assinale na ficha se a resposta
estava correcta ou incorrecta;
d) Repita os passos a) a c) com outras combinações.
Atenção: O número total de provadores por combinação deve ser igual.

4) Análise e interpretação dos resultados


Depois de compilar os resultados, utilize o teste do qui-quadrado (ou as tabelas
existentes para o efeito) para analisar os resultados.

(v.s.f.f.)

© E. Esteves, Área Departamental de Engenharia Alimentar, EST – U. Algarve, Faro (2008) 5


Análise Sensorial – Curso de Engenharia Alimentar

Teste de Comparação-Par simples

Nº: ________________ Data: ______________ Hora:_______________

Tipo de amostra: ______________________________________________

Instruções
1) Prove as amostras da esquerda para a direita;
2) Determine se, em cada par, as amostras são idênticas ou diferentes;
3) Assinale a resposta com a marca X na tabela seguinte:

Existem Não
Par Diferenças? existem
diferenças?

Resultados
C I
Par 1  
Par 2  
Par 3  
Par 4  

© E. Esteves, Área Departamental de Engenharia Alimentar, EST – U. Algarve, Faro (2008) 6


Análise Sensorial – Curso de Engenharia Alimentar

3. Teste de Comparação-Par (diferenciação direccional)

1) Aplicação
Utilizam-se para determinar se é detectável a diferença entre duas amostras que
diferem numa característica específica (por exemplo, amostra A mais doce do
que a amostra B). O número de pares de amostras a apresentar por sessão deve
ser limitado (2 a 4 pares) para evitar a fadiga ou adaptação susceptível de
invalidar o teste.

2) Princípio do teste sensorial


Apresentam-se duas amostras codificadas e o provador escolhe a amostra,
dentro de cada par, pela maior qualidade duma característica específica. Os
provadores devem ser “forçados” a dar uma resposta (“adivinhar”), mesmo que
não consigam claramente identificar a amostra com a maior qualidade.

3) Procedimento
O número de resultados deve ser, tanto quanto possível, elevado. Contudo, como
cada provador pode, usualmente, provar até 4 pares por sessão, não é
necessário um número muito elevado de provadores para atingir um número
suficiente de resultados. O teste pode ser feito com pessoas não-treinadas. No
entanto, é necessário que todos os provadores estejam familiarizados com o
atributo que se pretende testar.

a) Separe os dois produtos em dois recipientes e codifique com A e B;


b) Prepare um tabuleiro para o provador com uma das duas combinações
possíveis (A/B e B/A) e codifique cada amostra com um código de três dígitos
escolhidos aleatoriamente;
c) Logo que o provador entregue a resposta, assinale na ficha se a resposta
estava correcta ou incorrecta;
d) Repita os passos a) a c) com outras combinações.
Atenção: O número total de provadores por combinação deve ser igual.

4) Análise e interpretação dos resultados


Depois de compilar os resultados, utilize o teste do qui-quadrado (ou as tabelas
existentes para o efeito) para analisar os resultados considerando que o teste é
unilateral.

(v.s.f.f.)

© E. Esteves, Área Departamental de Engenharia Alimentar, EST – U. Algarve, Faro (2008) 7


Análise Sensorial – Curso de Engenharia Alimentar

Teste de Comparação-Par direccional

Nº: ________________ Data: ______________ Hora:_______________

Tipo de amostra: ______________________________________________

Instruções
1) Prove cada par de amostras da esquerda para a direita;
2) Escolha, em cada par, qual é a amostra mais amarga (se não consegue sentir
qual é a amostra mais amarga, adivinhe!; e
3) Assinale a resposta com o código respectivo na tabela seguinte:

Qual é a amostra mais


Par amarga?

Resultados
C I
Par 1  
Par 2  
Par 3  
Par 4  

© E. Esteves, Área Departamental de Engenharia Alimentar, EST – U. Algarve, Faro (2008) 8


Análise Sensorial – Curso de Engenharia Alimentar

4. Teste do Duo-Trio

1) Aplicação
Aplica-se em situações semelhantes às dos testes de Comparação-Par e
Triangular. É um teste menos eficiente estatisticamente do que o teste Triangular,
mas tem a vantagem de ser simples e fácil de aprender. Por outro lado,
relativamente aos testes de Comparação-Par tem a vantagem de permitir a
utilização duma amostra-padrão.

2) Princípio do teste sensorial


O teste inicia-se com a apresentação, ao provador, duma amostra-padrão.
Seguem-se duas amostras, codificadas, uma das quais é idêntica ao padrão, que
terá de ser identificada pelo provador.

3) Procedimento
No mínimo devem usar-se 15 provadores, mas para menos de 30 resultados a
probabilidade β do erro de tipo II é muito elevada. O resultado é bastante bom se
forem utilizados 30, 40 ou mais provadores. Os provadores não necessitam de
treino especial. As combinações possíveis de testar são: AAB e ABA, em que é A
o padrão.

a) Separe os dois produtos e codifique com A e B;


b) Prepare um nº suficiente de amostras A e B;
c) Prepare um tabuleiro para o provador com uma das duas combinações
possíveis (AAB e ABA) e codifique cada amostra com um código de três dígitos
escolhidos aleatoriamente;
d) Logo que o provador entregue a resposta, assinale na ficha se a resposta
estava correcta ou incorrecta;
e) Repita os passos a) a d) com outras combinações.
Atenção: O número total de resultados por combinação deve ser igual.

4) Análise e interpretação dos resultados


Depois de compilar os resultados, utilize o teste do qui-quadrado (ou as tabelas
existentes para o efeito) para analisar os resultados.

(v.s.f.f.)

© E. Esteves, Área Departamental de Engenharia Alimentar, EST – U. Algarve, Faro (2008) 9


Análise Sensorial – Curso de Engenharia Alimentar

Teste de Duo-Trio

Nº: ________________ Data: ______________ Hora:_______________

Tipo de amostra: ______________________________________________

Instruções
1) Saboreie com atenção a amostra-padrão;
2) Prove, da esquerda para a direita, as outras amostras;
3) Identifique a amostra igual ao padrão (se não consegue detectar qual das
amostras é igual ao padrão, adivinhe!) e assinale a resposta com o código
respectivo na tabela seguinte:

Qual é a amostra igual


Amostras ao padrão?

Resultados
C I
Par 1  
Par 2  
Par 3  
Par 4  

© E. Esteves, Área Departamental de Engenharia Alimentar, EST – U. Algarve, Faro (2008) 10


Análise Sensorial – Curso de Engenharia Alimentar

5. Teste Triangular

1) Aplicação
Particularmente útil nos casos em que a alteração dos ingredientes, do processo,
da embalagem ou do tipo de armazenamento produzem mudanças no produto
que não podem ser simplesmente caracterizadas por um ou dois atributos. Uso é
limitado nos casos que os produtos originam fadiga sensorial, adaptação ou em
que para os provadores é confuso comparar três amostras.

2) Princípio do teste sensorial


O teste consiste na apresentação simultânea de três amostras codificadas, duas
iguais e uma diferente, nenhuma identificada como padrão. Pretende-se que o
provador identifique a amostra diferente.

3) Procedimento
As provas devem envolver um painel de 20 – 40 provadores, mas podem ser
utilizados menos provadores (12) nos casos em que as diferenças são grandes e
portanto fáceis de detectar. Os provadores não necessitam de treino especial.

a) Separe os dois produtos e codifique com A e B;


b) Prepare um número igual das seis combinações possíveis (ABB, BAA, AAB,
BBA, ABA e BAB) que devem ser apresentadas aleatoriamente aos provadores
(os provadores devem ser informados que duas amostras são idênticas e uma é
diferente);
c) Prepare um tabuleiro para o provador com três amostras numa das
combinações possíveis e codifique cada amostra com um código de três dígitos
escolhidos aleatoriamente (se as três amostras deixam sabor residual ou têm
ligeiras diferenças no aspecto, podem ser apresentadas sequencialmente);
d) Logo que o provador entregue a resposta, assinale na ficha se a resposta
estava correcta ou incorrecta;
e) Repita os passos a) a d) com outras combinações.
Atenção: O número total de resultados por combinação deve ser igual.

4) Análise e interpretação dos resultados


Depois de compilar os resultados, utilize o teste do qui-quadrado (ou as tabelas
existentes para o efeito) para analisar os resultados.

(v.s.f.f.)

© E. Esteves, Área Departamental de Engenharia Alimentar, EST – U. Algarve, Faro (2008) 11


Análise Sensorial – Curso de Engenharia Alimentar

Teste Triangular

Nº: ________________ Data: ______________ Hora:_______________

Tipo de amostra: ______________________________________________

Instruções
1) Prove, da esquerda para a direita, as três amostras em cada tríade;
2) Indique, em cada tríade, a amostra diferente (se não consegue detectar qual
das amostras é diferente, adivinhe!) e assinale a resposta com o código
respectivo na tabela seguinte:

Qual é a amostra
Tríade diferente?

Resultados
C I
Tríade 1  
Tríade 2  
Tríade 3  
Tríade 4  

© E. Esteves, Área Departamental de Engenharia Alimentar, EST – U. Algarve, Faro (2008) 12


Análise Sensorial – Curso de Engenharia Alimentar

6. Teste de Classificação Ordinal

1) Aplicação
Tal como os testes de Comparação-Par, Duo-Trio e Triangular é aplicável quando
se pretende fazer um estudo da influência da variação: da matéria-prima, do
processo, de ingredientes, e das condições de armazenamento. Mas podem ser
utilizadas várias amostras (3 a 7) com o objectivo de as comparar em relação a
um único atributo, por exemplo, a acidez ou a preferência.
Este teste é mais rápido de realizar do que os estudados anteriormente, pelo que
é muitas vezes usado para fazer a pré-selecção de amostras que se pretendem
analisar posteriormente com maior detalhe.

2) Princípio do teste sensorial


Neste teste sensorial, a cada provador são apresentadas aleatoriamente todas as
amostras e pretende-se que o provador as ordene de acordo com a intensidade
duma característica específica.

3) Procedimento
Para resultados fidedignos só devem ser utilizados provadores treinados. Os
provadores devem ser seleccionados com base na sua capacidade para detectar
pequenas diferenças na intensidade do atributo que se pretende estudar. Não
devem ser usados menos de 8 provadores, mas a utilização de 16 ou mais
provadores melhora a classificação e, por conseguinte, os resultados.

a) Separe os quatro produtos e codifique com A, B, C e D (não faça nenhuma


correspondência entre as letras e a intensidade do atributo que pretende
estudar);
b) Prepare um tabuleiro para o provador com as quatro amostras diferentes e
codifique cada amostra com um código de três dígitos escolhidos aleatoriamente;
c) Depois de provar as amostras, o provador deve indicar a ordem das amostras
pela intensidade da característica (de 1, “menos intenso”, a 4, “mais intenso”);

4) Análise e interpretação dos resultados


Depois de compilar os resultados, utilize o teste de Friedman e LSDrank para
analisar os resultados.

(v.s.f.f.)

© E. Esteves, Área Departamental de Engenharia Alimentar, EST – U. Algarve, Faro (2008) 13


Análise Sensorial – Curso de Engenharia Alimentar

Teste de Classificação Ordinal

Nº: ________________ Data: ______________ Hora:_______________

Tipo de amostra: ______________________________________________

Característica estudada: ________________________________________

Instruções
1) Anote, no fim da ficha, os códigos das amostras que recebeu de acordo com a
posição no tabuleiro;
2) Prove, da esquerda para a direita, as amostras (aguarde 30 segundos entre
amostras e bocheche com água tépida ou outro neutralizador de sabor que lhe
seja indicado);
3) Indique a ordem das amostras (de 1 a 4) de acordo com a intensidade do
gosto doce, escrevendo “1” no quadrado da amostra que lhe pareceu menos
doce e “4” na amostra que lhe pareceu mais doce);
4) Pode ordenar as amostras provisoriamente e determinar com maior certeza as
“posições” de duas amostras adjacentes provando novamente essas duas
amostras (sempre que duas amostras lhe pareçam iguais, deve “adivinhar” a
ordem).

Código

Classificação

© E. Esteves, Área Departamental de Engenharia Alimentar, EST – U. Algarve, Faro (2008) 14


Análise Sensorial – Curso de Engenharia Alimentar

7 – 9. Teste de Escalas Categorizadas

1) Aplicação
Utilizam-se estes testes quando o objectivo é descrever quantitativamente uma
determinada característica num conjunto de várias amostras. O número de
amostras pode variar (de 3 a 8, no máximo). Também se podem usar para: definir
as propriedades sensoriais-alvo ou especificações dum novo produto;
documentar atributos com interesse para testes/estudos de mercado (de forma a
saber o que questionar nesses estudos); ou monitorizar alterações no produto
(por exemplo, tempo de armazenamento, alterações na receita, etc.).

2) Princípio do teste sensorial


A cada provador são apresentadas aleatoriamente as amostras (a apresentação
pode ser simultânea ou sequencial). Ao mesmo tempo, são fornecidas escalas
para a classificação quantitativa das amostras. Pretende-se que a característica
sensorial em cada amostra seja classificada utilizando uma escala não-
estruturada (como, por exemplo, as escalas lineares) ou uma escala (numérica)
estruturada.

3) Procedimento
Para resultados fidedignos só devem ser utilizados provadores treinados. Os
provadores devem ser seleccionados com base na sua capacidade para detectar
pequenas diferenças na intensidade do atributo que se pretende estudar. Não
devem ser usados menos de 8 provadores, mas a utilização de 16 ou mais
provadores melhora a classificação e, por conseguinte, os resultados.

a) Separe os quatro produtos e codifique com letras de código (não faça


nenhuma correspondência entre as letras e a intensidade do atributo que
pretende estudar);
b) Prepare um tabuleiro para o provador com as diferentes amostras e codifique
cada amostra com um código de três dígitos escolhidos aleatoriamente;
c) Entregue, simultaneamente, a escala a utilizar para a classificação das
amostras;
d) Após provar cada amostra, o provador deve indicar a classificação atribuída
em função da intensidade da característica.

4) Análise e interpretação dos resultados


Depois de compilar os resultados, utilize testes de t para casos com dois produtos
ou então a ANOVA e os testes LSD de Fisher para analisar os resultados de
comparações de mais de dois produtos.

(v.s.f.f.)

© E. Esteves, Área Departamental de Engenharia Alimentar, EST – U. Algarve, Faro (2008) 15


Análise Sensorial – Curso de Engenharia Alimentar

Teste de Escala Categorizada (escala linear)

Nº: ________________ Data: ______________ Hora:_______________

Tipo de amostra: ______________________________________________

Característica estudada: ________________________________________

Instruções
1) Avalie a sensação provocada, entre os lábios, pela água mineral e por um
pedaço de bolacha de água-e-sal (que representam os limites da escala linear a
utilizar, respectivamente “muito húmido” e “muito seco”);
2) Prove, colocando entre os lábios, as duas superfícies de corte da fatia de
queijo e avalie a intensidade do estímulo (quantidade de humidade) e marque na
escala correspondente;
3) Meça a distância entre o extremo “bolacha de água-e-sal” e a marca (ao mm
inferior), e anote no fim da ficha.

Código

bolacha água

bolacha água

Resultados:
Código Avaliação (em mm)

© E. Esteves, Área Departamental de Engenharia Alimentar, EST – U. Algarve, Faro (2008) 16


Análise Sensorial – Curso de Engenharia Alimentar

Teste de Escala Categorizada (escala de referência)

Nº: ________________ Data: ______________ Hora:_______________

Tipo de amostra: ______________________________________________

Característica estudada: ________________________________________

Instruções
1) Avalie quantitativamente a dureza (força necessária para cortar o alimento,
quando a amostras é comprimida entre os dentes incisivos) de cada dos produtos
da escala de referência fornecida;
2) Prove, colocando entre os dentes incisivos, as duas superfícies de corte da
fatia de queijo e avalie a dureza por referência à escala fornecida.

Escala de referência da dureza


Valor Produto Comentários
0 Pudim de caramelo Yoplait, refrigerado em gelo
1 Queijo tipo-Philadelphia Kraft, idem
2 Queijo gordo (triângulos) Caserio, idem
3,5 Clara de ovo (10 min. cozedura após fervura) ---, idem
6 Salsichas tipo-Frankfurter (crua) Ramazzotti, tempª amb.
8 Amendoim torrado Galvão, idem
9 Amêndoa torrada com pele Superm. Horta, idem
12 Rebuçado de fruta Cristal/Trefin, idem

Resultados:
Código Dureza

© E. Esteves, Área Departamental de Engenharia Alimentar, EST – U. Algarve, Faro (2008) 17


Análise Sensorial – Curso de Engenharia Alimentar

Teste Escala Categorizada (escala de estruturada)

Nº: ________________ Data: ______________ Hora:_______________

Tipo de amostra: ______________________________________________

Característica estudada: ________________________________________

Instruções
1) Anote, no fim da ficha, os códigos das amostras que recebeu de acordo com a
posição no tabuleiro;
2) Prove, da esquerda para a direita, as amostras (aguarde 30 segundos entre
amostras e bocheche com água tépida ou outro neutralizador de sabor que lhe
seja indicado);
3) Classifique cada amostra segundo a intensidade do gosto doce com um dos
valores da seguinte escala:

0 Imperceptível
1 Levemente perceptível
2 Moderadamente perceptível
3 Perceptível
4 Levemente pronunciado
5 Moderadamente pronunciado
6 Muito pronunciado

Resultados:

Código

Classificação

© E. Esteves, Área Departamental de Engenharia Alimentar, EST – U. Algarve, Faro (2008) 18


Análise Sensorial – Curso de Engenharia Alimentar

10. Perfil sensorial

1) Aplicação
Utilizam-se quando se pretende caracterizar quantitativamente várias
características sensoriais de um ou mais produtos.

2) Princípio do teste sensorial


A cada provador são apresentadas aleatoriamente três ou mais amostras de cada
produto a ser avaliado (a apresentação pode ser simultânea ou sequencial). Ao
mesmo tempo, são fornecidas escalas não-estruturadas, estruturadas ou
hedonísticas (neste caso para a avaliação do nível de aceitação/agrado do
produto), para a classificação quantitativa das várias características sensoriais
nas distintas amostras.

3) Procedimento
No mínimo, devem utilizar-se 6 a 8 provadores treinados. A prova é conduzida de
forma a obter repetidos julgamentos de cada provador, para cada atributo a ser
estudado no produto, utilizando três ou mais amostras. Neste tipo de teste
sensorial, é fundamental que a classificação dum atributo seja reprodutível, ou
seja, em relação a cada provador as classificações dadas para cada atributo não
devem ser muito diferentes. Os provadores devem estar concentrados e não
devem interagir.

a) Separe os quatro produtos e codifique com letras de código;


b) Prepare um tabuleiro para o provador com as diferentes amostras e codifique
cada amostra com um código de três dígitos escolhidos aleatoriamente;
c) Entregue, simultaneamente, a escala a utilizar para a classificação das várias
características nas distintas amostras;
d) Após provar cada amostra, o provador deve indicar as classificações atribuídas
às várias características sensoriais em apreciação em função da intensidade da
característica.

4) Análise e interpretação dos resultados


Depois de compilar os resultados, utilize métodos gráficos para analisar os
resultados designadamente usando as médias das classificações atribuídas às
várias características.

(v.s.f.f.)

© E. Esteves, Área Departamental de Engenharia Alimentar, EST – U. Algarve, Faro (2008) 19


Análise Sensorial – Curso de Engenharia Alimentar

Perfil sensorial

Nº: ________________ Data: ______________ Hora:_______________

Tipo de amostra: ______________________________________________

Característica estudada: ________________________________________

Instruções
1) Avalie as duas amostras relativamente ao grau de doçura, aroma a canela e
rum, à intensidade da cor castanha, à viscosidade (neste caso, utilize a colher
fornecida) e à sua apreciação global da receita utilizando as escalas lineares
providenciadas;
2) Marque o produto A com  e o produto B com x;
3) Meça (ao mm inferior) as distâncias desde o extremo esquerdo da escala até
às marcas e anote os resultados na tabela do fim da ficha.

Doçura
Imperceptível Muito doce
Canela
Imperceptível Muito forte
Aguardente
Imperceptível Muito forte
Cor
Clara Escura
Viscosidade
Fácil de espalhar Difícil de espalhar
Apreciação
global
Não gosto nada Gosto muito

Resultados:
Característica Amostra A Amostra B
Doçura
Canela
Aguardente
Cor
Viscosidade
Apreciação

© E. Esteves, Área Departamental de Engenharia Alimentar, EST – U. Algarve, Faro (2008) 20


Análise Sensorial – Curso de Engenharia Alimentar

11. Instruções para a elaboração de relatórios das aulas práticas

1) Características gerais:

- No máximo 2 páginas A4 (com margens e espaçamento razoáveis, ≥2 cm e


≥1,5 espaços, respectivamente);

- Texto objectivo, sucinto, e ortograficamente e gramaticalmente correcto;

- Letra com dimensão de 12 pontos (com o mesmo tipo, Times New Roman, Arial,
Courier, Tahoma, Verdana, etc., ao longo de todo o texto);

- Formatação final "discreta"; e

- Organização do texto como se apresenta a seguir.

2) Organização-tipo dum relatório:

O título deve reflectir o teor do trabalho e indicar muito resumidamente sobre o


que se trata o relatório

Maria Fulano, nº 11111 Manuel Sicrano, nº 22222

Introdução
Pequeno texto, com 1 – 2 frases, em que se indica o teste sensorial e se resume o
princípio do teste sensorial utilizado. Geralmente, o princípio do teste já faz parte do
protocolo de trabalho.

Objectivo
Com 1 frase definir o objectivo específico do teste sensorial em questão.

Material e métodos
Em 3 – 4 frases indicar as características principais do teste sensorial realizado
[designadamente o número de provadores envolvidos, pormenores do procedimento e
os produtos testados] e da análise estatística dos resultados (por exemplo, referir o teste
estatístico, as equações ou as tabelas apropriadas, e o nível de significância usado).

Resultados
Indicar apenas os resultados (directos) do teste sensorial [eventualmente recorrendo a
quadros] e da análise estatística (indicando, se for o caso, as "tabelas estatísticas"
consultadas).

Conclusões
Texto, com 2 – 3 frases, em que se relacionam os resultados com o objectivo inicial do
teste sensorial e se referem eventuais particularidades do teste sensorial realizado ou
comentários dos provadores.

© E. Esteves, Área Departamental de Engenharia Alimentar, EST – U. Algarve, Faro (2008) 21