Vous êtes sur la page 1sur 9

SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO

SERVIÇO SOCIAL

MANOEL VITOR LUZ DOS SANTOS

O ADOLESCENTE E O ATO INFRACIONAL

Jacobina - BA
Maio 2011
MANOEL VITOR LUZ DOS SANTOS

O ADOLESCENTE E O ATO INFRACIONAL

Trabalho apresentado ao curso de serviço social da


Universidade Norte do Paraná – UNOPAR para constar
como atividade interdisciplinar.

Prof. Lisnéia Rampazzo, Geane, Gleiton Lima, Rosane.

Jacobina - BA
2011
SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO...........................................................................................................3
2 DESENVOLVIMENTO...............................................................................................4
3 CONCLUSÃO.............................................................................................................7
REFERÊNCIAS............................................................................................................8
3

1 INTRODUÇÃO

Existem no dia-a-dia de uma sociedade diversos assuntos que nos


faz pensar muitas vezes questionar determinadas atitudes, desde a classe mais
favorecida até a menos favorecida.
Um dos fatos mais marcantes que nos faz parar para refletir é o
crescente índice de infrações cometidas por jovens, adolescentes e crianças.
Ao falarmos em adolescência, surge logo muitas criticas, imagina –
se de imediato rebeldia, falta de responsabilidade, atitudes insensatas mas o que
muitas vezes não é citado é que a adolescência é uma fase conturbada ao qual
todos passam e que traz consigo diversas mudanças, desde as mudanças físicas
até as mudanças emocional e social.
Essa é uma fase importante na vida de muitos, pois, nela acontece a
auto procura por uma identidade, e muitos traçam seu futuro a partir desta etapa da
vida.
Esta é a fase da transição entre as brincadeiras infantis para as
responsabilidades da também complicada vida adulta. Fácil é sair julgando as
atitudes dos adolescentes, porem o que deveria ser entendido é o que realmente se
passa na cabeça deles e o porquê de certas atitudes e comportamento imaturos e
fora do padrão normal.
4

2 DESENVOLVIMENTO

Infelizmente o que temos visto nos noticiários nacionais e mundiais


são as altas estatísticas em relação aos adolescentes, os fatos mostram diversos
delitos cometidos por jovens e adolescentes com faixa etária de 12 à 18 anos.
O Estatuto da Criança e do Adolescente prevê seis medidas sócio –
educativa para quem comete estes delitos chamados de atos infracionais, as
medidas são: Advertência que consiste na admoestação verbal, (art.115 do ECA).
Seu proposito é alertar o adolescente e seus pais ou responsáveis para os riscos do
envolvimento no ato infracional.; Obrigação em reparar o dano no caso de infração
contra patrimônios , medida prevista no art. 115 do ECA, onde determina que o
adolescente restitua a coisa, promovendo o ressarcimento do bem danificado.; A
liberdade assistida possibilita o adolescente de cumpri – la junto à família.; a
inserção em regime de semiliberdade é destinada á adolescentes infratores que
trabalham e estudam durante o dia e a noite se recolhem em um abrigo
especializado.; Prestação de serviço à comunidade durante seis meses junto a
entidades assistências. ; E a mais severa de todas, a internação que são para os
infratores mais graves , de caráter excepcional.
O artigo 101 do Estatuto que diz:
A criança acusada de crime deverá ser conduzida
imediatamente à presença do conselho tutelar ou juiz da
infância e da juventude. Se praticou ato infracional será
aplicada medida especifica de proteção como orientação
apoio e acompanhamento temporário, requisição de
tratamento medico e psicólogo entre outras medidas.

Nesse artigo podemos observar como trabalha o ECA na sociedade


quando se tratando de infrações cometidas por jovens imputáveis como também
podem ser chamados os menores praticantes dos atos de infração.
As medidas sócio – educativas são tomadas quando ocorre infração
da lei por menores. O estatuto prevê para cada medida artigos específico.
Parando refletir o porquê de tantas crianças e adolescentes estarem
cometendo atos de violência deve ser uma atitude tomada não só pela família ou
pelo estado, mas também pela sociedade em geral.
5

Estatísticas mostram que os atos infracionais cometidos por crianças


e adolescentes estão a cada dia mais frequentes e com uma rapidez surpreendente,
consta se também que na maior parte das vezes os atos cometidos por
adolescentes são contra indivíduos da mesma faixa etária, que por estarem
interessados em fazerem parte de determinado grupo ou no trafico acabam por se
enfrentarem uns com os outros.
Sabe se bem que atitudes violentas entre jovens existem à muito
tempo porem, o que nos chama atenção agora é que, a forma de envolvimento e os
delitos cometidos por eles vem sendo cada vez mais graves, enquanto a tempos
atrás jovens roubavam para comer ou ate para sustentar suas famílias, hoje são
presenciadas cenas abusadas de roubos e ate homicídios para conseguir dinheiro
fácil para sustentar o vicio das drogas.
Na maioria das vezes ou em todas às vezes acontece por falta de
recursos e de prestação de serviços voltados para esses indivíduos menos
favorecidos, que, por não conseguirem um emprego ou uma boa educação acabam
por optar pelo terrível mundo do crime e com isso destroem toda sua vida sem ao
menos conhecer o que o mundo tem de bom para oferecer.
Vivemos em um país de múltiplas riquezas, mas infelizmente
constata – se altos números de jovens infratores, cometendo diversos crimes, dentre
eles homicídios contra os próprios menores, estudos apontam que mortes por
variadas causas têm como alvos jovens de 15 a 24 anos moradores de áreas de
periféricas, sem escolaridade ou com nível escolar incompleto, e sem estrutura
familiar.
Pensava – se antes que a violência só acontecia em grandes
centros urbanos, mis o que pode ser observado hoje é que a realidade não é bem
essa. Estamos vendo todos os dias jornais de áreas rurais e de pequenas cidades
de interior, taxas assustadoras do crescimento da violência, e em muitos desses
casos, jovens estão envolvidos ou são os principais autores.

As questões ao qual fazemos a respeito destes atos infracionais


devem ser buscadas e cobradas por todos, pois sabe se bem que toda criança e
adolescente tem direitos, à educação, à saúde, lazer, convívio familiar, entre muitos
outros, porem muitos desses direitos efetivados por lei não são respeitados e pode
sim ser essa a razão pela qual o jovem procure a vida do crime cada vez mais cedo.
6

Observa – se que de uma forma critica, podem-se dizer como


principais causadores do aumento de jovens infratores são a falta de orientação, a
falta de estrutura e de interesse partidos do estado e da sociedade, pois esses
pensam que por não acontecerem atos de infração em seus meios, não precisam se
envolver. Constantemente escuta – se de uma maioria da sociedade e até por
políticos, que o dever de educar é único e exclusivo da família, com certeza a família
é a base de tudo, porem o que essas deveria perceber – se que cada um de nós
temos deveres a cumprir e que não só a família mais todo meio social têm sua
parcela de culpa por o ato violento cometido por adolescentes estar crescendo
constantemente.
Vivemos em um mundo capitalista e individualista e atualmente é
quase impossível reverter a situação em que muitos jovens e adolescentes se
encontram.
7

3 CONCLUSÃO

Conclui – se que devemos refletir mais no que diz respeito aos atos
infracionais dos adolescentes principalmente quando é associado a crimes
hediondos. O governo junto com a sociedade devem realizar medidas disciplinares
para que possa ser resolvido este terrível mal do nosso século.
A família com o papel de orientar, de apoiar desde cedo, mostrando
o caminho certo.
O estado buscando sempre mais recursos de auxilio e amparo aos
menos favorecidos, criando projetos eficazes para combater o problema.
A sociedade dando ajudando e não descriminando os adolescentes
que já cometeram infração.
E a lei agindo sempre de forma correta, e eficaz para mostrar o
modo certo de agir sem favorecer uns mais que outros.

.
8

REFERÊNCIAS

SANTOS, Evandro Edi dos. SILVEIRA, Carine Araújo. O adolescente no Brasil e o


ato infracional. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, 53, 31/05/2008 [Internet].
Disponível em: http://www.ambito-juridico.com.br/site/index.php?
n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=2832. Acesso em 09/05/2011.

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Adolescencia. Disponivel em :


http://pt.wikipedia.org/wiki/Adolesc%C3%AAncia . Acessado em: 05/05/2011.

ANTONIO Luiz Miguel Ferreira


Promotor de Justiça da Infância e da Juventude. A indisciplina e o ato ifracional.
Disponível em: http://www.gmvarginha.com.br/legislacao/ato_infracional.htm
Acessado em: 05/05/2011

BERNARDES Júlio. Índice de crimes cometidos por jovens cresceu mais que a
população de são Paulo em 52 anos. 2006. Disponível em:
http://www.usp.br/agen/bols/2006/rede1886.htm#primdestaq acessado em:
09/05/2011.

COLLOR Fernando. Estatuto da Criança e do adolescente. Brasília, em 13 de


julho de 1990; 169° da Independência e 102° da República. Disponível em:
http://www.amperj.org.br/store/legislacao/codigos/eca_L8069.pdf
Acessado em: 04/05/2011