Vous êtes sur la page 1sur 101
O Grupo BSI
O Grupo BSI
 

O Grupo BSI

O Grupo BSI
   
 

Fundado em 1901

 

Presente em mais de 110 países

Mais de 2000 funcionários

Fórum Normalizador do Reino Unido (normas BS)

Membro fundador da ISO

Mais de 20 acreditações internacionais

Matriz Londres, Inglaterra

2

2

O Grupo BSI - Brasil

O Grupo BSI - Brasil

Estrutura de Atendimento:

 

Matriz em São Paulo

Escritórios regionais em Curitiba, Porto Alegre, Caxias do Sul, Salvador, Manaus, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Brasília Descentralização de atendimento Estruturas regionais Auditores locais

3

3
BSI en Latin America Panamá Colômbia Manaus Salvador Brasília Belo Horizonte Bolívia Rio de Janeiro São
BSI en Latin America
Panamá
Colômbia
Manaus
Salvador
Brasília
Belo Horizonte
Bolívia
Rio de Janeiro
São Paulo
Curitiba
Chile
Porto Alegre
Caxias do Sul
Argentina
4

O Grupo BSI

O Grupo BSI

Alguns Números

 

Mais de 60.000* certificados emitidos 40.000 empresas no Reino Unido 10.000 empresas na América do Norte 1000 empresas certificadas no Brasil

* Uma das maiores certificadoras no mundo

5

5
O QUE É O SASSMAQ ?
O QUE É O SASSMAQ ?
 
O SASSMAQ possibilita uma avaliação do desempenho nas áreas de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade

O SASSMAQ possibilita uma avaliação do desempenho nas áreas de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade das empresas que prestam serviço à Indústria Química.

O SASSMAQ possibilita uma avaliação do desempenho nas áreas de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade
 
• Sistema baseado em modelo aplicado com sucesso na Europa, pelo CEFIC – Conselho Europeu das

• Sistema baseado em modelo aplicado com sucesso na Europa, pelo CEFIC – Conselho Europeu das Federações das Indústrias Químicas.

• Sistema baseado em modelo aplicado com sucesso na Europa, pelo CEFIC – Conselho Europeu das

MMóódulos dulos

M M ó ó dulos

Rodoviário

 

Terminais de Armazenagem Granéis Líquidos

Ferroviário Navios

• Ferroviário • Navios
 

RODOVIÁÁRIO

RODOVI

RIO

RODOVI Á Á RIO RODOVI RIO

Lançado pela ABIQUIM em Maio de 2001

 

Avaliação desenvolvida por Organismos Certificadores Qualificados

Revisada em Julho de 2005, com aplicação a partir de Janeiro de 2006.

Validade do Certificado por dois anos Reconhecimento no Mercosul

• Validade do Certificado por dois anos Reconhecimento no Mercosul

TERMINAIS

TERMINAIS DE

DE ARMAZENAGEM

ARMAZENAGEM

GRANEIS LLÍÍQUIDOS

GRANEIS

QUIDOS

TERMINAIS TERMINAIS DE DE ARMAZENAGEM ARMAZENAGEM L L Í Í QUIDOS GRANEIS

Lançado em Julho de 2002

 

Avaliação desenvolvida apenas pelo CDI- Terminals (Chemical Distribution Institute) Reconhecimento Internacional

• Avaliação desenvolvida apenas pelo CDI- Terminals (Chemical Distribution Institute) Reconhecimento Internacional
 

FERROVIÁÁRIO

FERROVI

RIO

FERROVI Á Á RIO FERROVI RIO

Sistema em fase de Adequação

   

Lançado em Junho de 2004

Plano Piloto a ser definido

Elaborado em conjunto com a ANTF – Associação Nacional dos Transportes Ferroviários

Sistema terá como base o modelo de Inspeções adotado pelo CEFIC.

• Sistema terá como base o modelo de Inspeções adotado pelo CEFIC.
 

NAVIOS

NAVIOS

NAVIOS NAVIOS

Dois Focos:

 

– Navios de Carga a Granel – Navios de Carga Embalada

Lançado em Julho de 2004

Terá como base o modelo de Inspeções do CDI-M

• Terá como base o modelo de Inspeções do CDI-M
 
MÓDULO RODOVIÁRIO INTRODUÇÃO
MÓDULO RODOVIÁRIO INTRODUÇÃO
 

MÓDULO RODOVIÁRIO INTRODUÇÃO

MÓDULO RODOVIÁRIO INTRODUÇÃO
MÓDULO RODOVIÁRIO INTRODUÇÃO
Atua Atuaççãoão Respons Responsáável vel®® UmUm compromisso compromisso da da ind indúústria stria ququíímica mica
Atua
Atuaççãoão Respons
Responsáável
vel®®
UmUm compromisso
compromisso da
da ind
indúústria
stria ququíímica
mica

Objetivo

Objetivo da

da Atua

Atuaççãoão Respons

Responsáável

vel

Objetivo Objetivo da da Atua Atua ç ç ão ão Respons Respons á á vel vel

Elevar oo respeito

Elevar

respeito ee aa confian

confianççaa da

da

sociedade

sociedade na

na Ind

Indúústria

stria Qu

Quíímica,

mica,

atravééss de

atrav

de umum processo

processo de

de melhoria

melhoria

contíínua

cont

nua emem Sa

Saúúde,

de, Seguran

Seguranççaa ee

Meio Ambiente.

Meio

Ambiente.

o o respeito Elevar e e a a confian da sociedade sociedade na na Ind

OO ccóódigo

digo de

de transporte

transporte ee distribui

distribuiççãoão

O O c c ó ó digo de transporte e e distribui
 

Objetivo

 

Minimizar os riscos potenciais para os

trabalhadores das indústrias químicas,

transportadores, distribuidores,

contratados e o público em geral,

decorrentes de atividades ligadas ao

transporte e distribuição de produtos

químicos.

químicos.
OO que que éé oo SASSMAQ? SASSMAQ? Sistema de avaliação de prestadores de serviços de logística
OO que
que éé oo SASSMAQ?
SASSMAQ?
Sistema de avaliação de
prestadores de serviços de
logística - módulo transporte
rodoviário, aplicado por
organismos de terceira parte
Avaliação padronizada e focada em
Segurança, Saúde,
Meio Ambiente e Qualidade
Processo Processo para para aa qualifica qualificaççãoão Avaliação Empresa Empresa prestadora prestadora Organismo Organismo de de
Processo
Processo para
para aa qualifica
qualificaççãoão
Avaliação
Empresa
Empresa prestadora
prestadora
Organismo
Organismo
de
de
certificador
certificador
servi
serviçços
os de
de log
logíística
stica
Relatório
Informações
Termo de avaliação
do Termo de
Rela-
avaliação
tório
Requisitos adicionais
Qualifica
Qualificaççãoão
Consulta
Ind
Indúústria
stria
ABIQUIM
ABIQUIM
ququíímica
mica

Prazo de

Prazo

de validade

validade

Prazo de Prazo de validade validade

A avaliação é válida por um período de

   

de 2 (dois) anos.

O SASSMAQ deverá ser aplicado em

todos os seus elementos (central

e

específico)

Avaliações de manutenção poderão ser

requisitadas pelas empresas de serviço

de logística.

de logística.
 

Onde éé realizada?

Onde

realizada?

é é realizada? Onde

Elementos centrais

   

Administração

Operação

Elementos específicos

 

Matriz, Filiais e Pontos de Apoio

Matriz, Filiais e Pontos de Apoio

Elementos centrais

Elementos

centrais ee espec

especííficos

ficos

Elementos centrais Elementos centrais e e espec espec í í ficos ficos

Categorias das questões :

 

-Mandatórias (M)

Questões

que

devem

ser

atendidas

100%

obrigatoriamente .

Requisitos da indústria química (I)

Questões

que

devem

ser

atendidas

70%,

obrigatoriamente, como requisitos da indústria química .

Desejável (D)

Questões que devem ser atendidas, preferencialmente,

para demonstrar melhoria contínua.

para demonstrar melhoria contínua.

MMóódulos

dulos dodo Sistema

Sistema

M M ó ó dulos do do Sistema
Elementos Elementos Centrais Centrais ee Espec Especííficos ficos
Elementos
Elementos Centrais
Centrais ee Espec
Especííficos
ficos

ANTES

ATUAL

 

1ª EDIÇÃO

2ª EDIÇÃO

Sete

Sete requisitos

requisitos

  • 289 289 questões,

questões,

  • 573 573 respostas

respostas (SS,

SS, MA,

MA, Q):

Q):

Seis

Seis requisitos

requisitos

  • 552 552 questões,

questões,

  • 690 690 respostas

respostas (SS,

SS, MA,

MA, Q):

Q):

Gerenciamento e Segurança

Saúde e Meio Ambiente

Qualidade

Equipamento

Operações

Segurança Patrimonial

Gerenciamento Gerenciamento

SS SS MM AA

Equipamento

Equipamento

Planejamento

Planejamento de

de Opera

Operaçções

ões

Seguran

Seguranççaa Patrimonial

Patrimonial

Inspe

Inspeççãoão nono Local

Local

Saúde e Meio Ambiente Qualidade Equipamento Operações Segurança Patrimonial Gerenciamento S S S S M

Inspeção no Local

MMóódulos

dulos dodo Sistema

Sistema 22ªª Edi

Ediççãoão

   

Questões

   

Questões

   

Gerenciamento

Gerenciamento

114

 

18

 

SSMA

SSMA

57

 

69

 

Equipamentos

Equipamentos

0

 

85

 

Operaçções

Opera

ões

5

 

137

 

Seguranççaa

Seguran

7

 

2

 

Patrimonial

Patrimonial

Inspeççãoão nono

Inspe

0

 

58

 

Local

Local

Elementos

Centrais

Centrais

Específicos (RO) Elementos
Específicos (RO)
Elementos
M M ó ó dulos do do Sistema – – 2 2 ª ª Edi Questões
M M ó ó dulos do do Sistema – – 2 2 ª ª Edi Questões

22ªª Edi

Ediççãoão SASSMAQ

SASSMAQ

2 2 ª ª Edi Edi ç ç ão ão SASSMAQ SASSMAQ

Melhoria contínua

 

Elementos Centrais / Específicos

Indicadores

Idade da Frota (própria e

contratados)

Sub contratados

Interface com a armazenagem

Security

Mandatórios

Mandatórios
 

22ªª Edi

Ediççãoão SASSMAQ

SASSMAQ

2 2 ª ª Edi Edi ç ç ão ão SASSMAQ SASSMAQ
 

PRAZOS

 

2ª Edição SASSMAQ

 

- Divulgação : Julho 2005

- Aplicação a partir de 01 de Janeiro de

2006.

2006.

22ªª Edi

Ediççãoão SASSMAQ

SASSMAQ

2 2 ª ª Edi Edi ç ç ão ão SASSMAQ SASSMAQ

Comissão consultiva / Abiquim

 

PARTICIPANTES DA COMISSÃO

• ABIQUIM

• INDÚSTRIAS QUÍMICAS

• NTC

• ORGANISMOS CERTIFICADORES

• TRANSPORTADORAS

OBJETIVO

• PROPORCIONAR O ENTENDIMENTO

CONSENSUAL SOBRE O PROCESSO E AS

QUESTÕES DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO

QUESTÕES DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO

SASSMAQ.

TREINAMENTO TREINAMENTO PARA PARA AUDITORES AUDITORES SASSMAQ SASSMAQ 2ª Edição Rev 20/04/05
TREINAMENTO
TREINAMENTO PARA
PARA AUDITORES
AUDITORES SASSMAQ
SASSMAQ
2ª Edição Rev 20/04/05
 
LEGISLAÇÃO
LEGISLAÇÃO
 

LEGISLAÇÃO

LEGISLAÇÃO
LEGISLAÇÃO
 

Roteiro

Roteiro

Roteiro Roteiro

Legislação Brasileira para Transporte de Produtos

 

Perigosos

Abordagem de verificação da implementação dos

requisitos legais do transporte.

Itens Mandatórios do SASSMAQ:

- Centrais

- Específicos (Transporte Rodoviário)

- Específicos (Transporte Rodoviário)

LEGISLAÇÇÃOÃO APLIC

LEGISLA

APLICÁÁVEL

VEL

LEGISLA Ç Ç ÃO ÃO APLIC LEGISLA APLIC Á Á VEL VEL

(locais)

 

Transporte (federal)

Trânsito Equipamentos de transporte (federal)

Produtos (federal, estadual, local)

Saúde, Segurança e Higiene Ocupacional

(federal, estadual, municipal)

Meio Ambiente (federal, estadual, local)

Meio Ambiente (federal, estadual, local)

Orange Book

Orange

Book

(Recommendations

(Recommendations onon the

the Transport

Transport of

of Dangerous

Dangerous Goods)

Goods)

Orange Book Orange Book (Recommendations on on the Transport of Dangerous Goods)

Editado desde 1956 pela ONU.

 
14 th Edition / 2003. Revisão bianual.

14 th Edition / 2003.

Revisão bianual.

 

Serve como base normativa

para o desenvolvimento de

normas específicas para cada

modal de transporte.

modal de transporte.
 

Legisla Legislaççãoão

 
Legisla Legisla ç ç ão ão
 
Legisla Legisla ç ç ão ão Resolução Decreto 420/04 1797/96 Orange Book (Mercado interno) (Mercosul) DGR
 

Resolução

 

Decreto

420/04

 

1797/96

Orange Book
Orange
Book

(Mercado

interno)

(Mercosul)

(Mercosul) DGR -

DGR -

 

IMO

ONU

13 a edição

Legisla Legisla ç ç ão ão Resolução Decreto 420/04 1797/96 Orange Book (Mercado interno) (Mercosul) DGR

2001

2001
 

2002

Transporte de

Transporte

de Produtos

Produtos

Perigosos

Perigosos

Transporte de Transporte de Produtos Produtos Perigosos Perigosos

Dec. 1797 de 25/01/96

 

Decreto no. 96.044

18.05.1988

Acordo para a

Facilitação do

Transporte de Produtos

Normas

ABNT

Normas ABNT no Mercosul Resolução 420 / 04 e 701 / 04

no Mercosul

Resolução 420 / 04 e 701 / 04

(Ministério dos Transportes)

12.02 e 25/08 de 2004

12.02 e 25/08 de 2004

Transporte de

Transporte

de Produtos

Produtos Perigosos

Perigosos

Transporte de Transporte de Produtos Produtos Perigosos Perigosos

Decreto

Decreto

nº 96.044

96.044 -- 18.05.1988

18.05.1988

Aprova o Regulamento para o Transporte Rodoviário de

 

Produtos Perigosos.

Veículos e equipamentos

Carga e seu acondicionamento

Itinerário

Estacionamento

Pessoal envolvido na operação

Documentação

Procedimentos em casos de emergência

Deveres, obrigações e responsabilidades

Fiscalização

• Fiscalização

Infrações e penalidades

Transporte de

Transporte

de Produtos

Produtos

Perigosos

Perigosos

Transporte de Transporte de Produtos Produtos Perigosos Perigosos

Resolução

Resolução 420

420 ANTT

ANTT dede 12/02/04

12/02/04

Aprova as Instruções Complementares aos Regulamentos

 

dos Transportes Rodoviário e Ferroviário de Produtos

Perigosos.

Baseada nas

Recomendações do

Comitê de Peritos da ONU

para o transporte de

produtos perigosos.

Baseada nas Recomendações do Comitê de Peritos da ONU para o transporte de produtos perigosos.
Transporte de Transporte de Produtos Produtos Perigosos Perigosos Resolução 420 – – ANTT de de 12/02/04

Transporte de

Transporte

de Produtos

Produtos Perigosos

Perigosos

Transporte de Transporte de Produtos Produtos Perigosos Perigosos

Resolução

Resolução 420

420 ANTT

ANTT 12/02/04

12/02/04

Número ONU

 

Nome Apropriado para Embarque

Classe de risco

Grupo de Embalagem

Painel de Segurança

Ficha de Emergência

...

• Grupo de Embalagem • Painel de Segurança • Ficha de Emergência • ...
Transporte de Transporte de Produtos Produtos Perigosos Perigosos Resolução 420 ANTT – – 12/02/04 • Número

Transporte de

Transporte

de Produtos

Produtos Perigosos

Perigosos

Transporte de Transporte de Produtos Produtos Perigosos Perigosos
 

Acordo para a Facilitação do Transporte de

Acordo para a Facilitação do Transporte de

 

Produtos Perigosos no Mercosul - 1996

Produtos Perigosos no Mercosul - 1996

 

Divulgação das medidas de segurança

   

aplicáveis ao transporte rodoviário e

ferroviário de produtos perigosos no

âmbito do Mercosul.

Base: Recomendações da

Organização das Nações Unidas para

o Transporte de Produtos Perigosos.

Baseado na 7a. edição do Orange Book

 

Processo de atualização em andamento

Processo de atualização em andamento

de 03.2003

Normas ABNT – Vigentes a partir

de 03.2003

Normas ABNT – Vigentes a partir

* Normas que sofreram revisão em 11. 2004

NBR 7500

Identificação para o transporte terrestre, manuseio, movimentação e armazenamento de produtos

NBR 7501*

Transportes Terrestre de produtos perigosos - Terminologia

NBR 7503*

Ficha de Emergência e envelope para o transporte de produtos perigosos – Características, dimensões e preenchimento

NBR 9735*

Conjunto de equipamentos para emergências no transporte terrestre de produtos perigosos

NBR 10271

Conjunto de equipamentos para emergências no transporte rodoviário de ácido fluorídrico

NBR 12982

Desvaporização de tanque para transporte terrestre de produtos perigosos – Classe de Risco 3 – Líquidos Inflamáveis.

NBR 13221*

Transporte de Resíduos

NBR 14064

Atendimento a emergências no transporte terrestre de produtos perigosos

NBR 14095

Área de estacionamento para veículos rodoviários de transporte de produtos perigosos

NBR 14619*

Transporte terrestre de produtos perigosos – Incompatibilidade química.

de 03.2003 Normas ABNT – Vigentes a partir de 03.2003 Normas ABNT – Vigentes a partir
de 03.2003 Normas ABNT – Vigentes a partir de 03.2003 Normas ABNT – Vigentes a partir
 
MÓDULO RODOVIÁRIO SSMA
MÓDULO RODOVIÁRIO SSMA
 

MÓDULO RODOVIÁRIO SSMA

MÓDULO RODOVIÁRIO SSMA
MÓDULO RODOVIÁRIO SSMA

2.1. Avalia

2.1.

Avaliaççãoão ee Gestão

Gestão de

de Riscos

Riscos

2.1. Avalia 2.1. Avalia ç ç ão ão e e Gestão Gestão de de Riscos Riscos

2.1.1 -- Sistema

2.1.1

Sistema dede Gerenciamento

Gerenciamento dede Riscos

Riscos :: possibilita

possibilita aa identifica

identificaçção,

ão,

avaliaççãoão ee redu

avalia

reduççãoão dos

dos riscos

riscos potenciais

potenciais associados

associados ààss opera

operaçções.

ões.

(avaliaççãoão mmíínima

(avalia

nima anual)

anual)

Sistema

Sistema documentado

documentado para

para aa gestão

gestão dede riscos

riscos

As

As avalia

avaliaçções

ões realizadas

realizadas por

por pessoal

pessoal capacitado.

capacitado.

Implementa

Implementaççãoão dede medidas

medidas para

para mitigar

mitigar os

os riscos

riscos ::

procedimentos operacionais

procedimentos

operacionais

 

seleççãoão dede equipamentos

sele

equipamentos adequados

adequados

seleççãoão dede rotas

sele

rotas

treinamento apropriado

treinamento

apropriado

medidas dede precau

medidas

precauççãoão ee resposta

resposta aa emergências

emergências

treinamento apropriado treinamento apropriado de de precau medidas e e resposta a a emergências

2.2. Seguran

2.2.

Seguranççaa

2.2. Seguran 2.2. Seguran ç ç a a

2.2.1 Procedimentos

2.2.1

Procedimentos ee instru

instruçções

ões operacionais

operacionais escritos

escritos com

com

responsabilidades ee padrões

responsabilidades

padrões dede desempenho

desempenho (procedimentos

(procedimentos chaves

chaves

disponííveis

dispon

veis ee entendidos

entendidos pelos

pelos usu

usuáários)

rios)

Carga

Carga && descarga

descarga dede produtos

produtos

Equipamentos

Equipamentos ee veveíículos

culos (uso,

(uso, relatar

relatar ee retificar

retificar falhas)

falhas)

Manuten

Manutenççãoão (inspe

(inspeçção&reparos),

ão&reparos), manuten

manutenççãoão preventiva

preventiva dos

dos

veveíículos

culos ee equipamentos

equipamentos (testes

(testes dede mangotes

mangotes ee vváálvulas

lvulas dede

bloqueio

bloqueio -- pr

próóprios

prios ee dede subcontratados).

subcontratados).

2.2.1 Procedimentos 2.2.1 Procedimentos e e instru instru ç ç ões ões operacionais operacionais escritos escritos

2.2. Seguran

2.2.

Seguranççaa

2.2. Seguran 2.2. Seguran ç ç a a

Atendimento

Atendimento de

de Emergências

Emergências ::

contemplando

contemplando

os

os

cenáários

cen

rios

possííveis,

poss

veis,

tais

tais

como

como

vazamento,

vazamento,

derramamento,

derramamento,

avaria dede embalagem,

avaria

embalagem, libera

liberaççãoão dede gases,

gases, fogo,

fogo,

explosão

explosão ouou rea

reaçções

ões indevidas,

indevidas, materiais

materiais dede limpeza

limpeza ee conten

contençção,

ão,

disposi disposiççãoão dede res resííduos. duos.

Limpeza Limpeza ee descontamina

descontaminaççãoão de

de equipamentos:

equipamentos:

diretrizes e/ou

diretrizes

e/ou metodologia

metodologia por

por veveíículo

culo // produto.

produto.

estabelecendo

estabelecendo

Permissão

Permissão de

de Trabalho

Trabalho abrangendo:

abrangendo:

trabalhos trabalhos emem espa espaççoo confinado,

confinado, equipamentos

equipamentos el

eléétricos,

tricos, altura,

altura, aa

quente ee aa frio,

quente

frio, etc.

etc.

• • Atendimento de Emergências : : contemplando contemplando os os cen á á rios cen

2.2. Seguran

2.2.

Seguranççaa

2.2. Seguran 2.2. Seguran ç ç a a

Tratamento

Tratamento dede efluentes

efluentes && destina

destinaççãoão dede

resííduos

res

duos dede limpeza

limpeza

--

(Políítica

(Pol

tica ambiental)

ambiental)

Acidentes Acidentes Incidentes Incidentes

 

-- Procedimento Procedimento dede investiga investigaççãoão ((incluindo incluindo

resultados resultados dede ananáálise lise peri perióódica) dica)

FISPQ FISPQ para para os os pprodutos rodutos ququíímicos micos

manuseados manuseados && FEFE para para os os produtos produtos

perigosos perigosos transportados transportados

perigosos perigosos transportados transportados

2.2. Seguran

2.2.

Seguranççaa

2.2. Seguran 2.2. Seguran ç ç a a

2.2.2. Equipamentos

2.2.2.

Equipamentos dede Prote

Frota

Frota pr

próópria

Proteççãoão Individual

Individual

pria ee subcontratados

subcontratados

deve haver

deve

haver documentos

documentos que

que relatem

relatem quais

quais EPIs

EPIs são

são utilizados

utilizados para

para cada

cada

atividade // produto.

atividade

produto.

 

Procedimento descrevendo quais EPIs devem ser utilizados para cada

circunstância/FISPQs.

• Inspeções regulares dos equipamentos e Certificado de Aprovação – CA;

• Equipamentos e procedimentos para o transporte e manuseio de

produtos críticos.

• EPIs específicos para produtos químicos (transbordo, contenção, etc);

• Evidência de que os equipamentos são usados.

• Evidência de que os equipamentos são usados.
 

ELEMENTOS CENTRAIS

ELEMENTOS

CENTRAIS

ELEMENTOS CENTRAIS ELEMENTOS CENTRAIS

2. Segurança, Saúde e Meio Ambiente

 
 

2.2 Segurança

2.2.2 e 2.2.2.2 Equipamento de Proteção Individual (EPI) –Frota própria

e subcontratados

 

2.2.2.1c e 2.2.2.2e

Há equipament os específicos e instruções

para

seu

uso durante o manuseio

e transporte de produtos

críticos?

(

I

)

2.2.2.1d e 2.2.2.2d Há evidência clara de que os equipamentos

são usados? (M)

 

Fundamentação legal:

NR6 – Equipamento de Proteção Individual

NR7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional

(PCMSO)

NR9 – Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA)

NR9 – Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA)

CLT – Seção IV – arts. 166 e 167

 

2.2. Seguran

2.2.

Seguranççaa

2.2. Seguran 2.2. Seguran ç ç a a

Equipamentos dede seguran

Equipamentos

seguranççaa

NBR

NBR 9735

9735 Devem

ONU ee EPI

Devem existir

existir nono transporte

transporte EPI

EPIss espec

especííficos

ficos por

por

produto/ONU

produto/

sinalizaçção,

sinaliza

EPIss para

para uma

uma situa

situaççãoão emergencial

avarias

emergencial permitindo

permitindo

ão, isolamento

isolamento ,, avalia

avaliaççãoão dede

avarias ee dede fuga

fuga

Existem EPIs

Existem

EPIs bbáásicos

sicos para

para motoristas?

motoristas?

Kit dede Emergência

Kit

Emergência bbáásico

sico emem conformidade

conformidade com

com aa legisla

legislaçção?

ão?

Equipamentos de de seguran Equipamentos seguran ç ç a a • • NBR 9735 – –
 

2.2. Seguran

2.2.

Seguranççaa

2.2. Seguran 2.2. Seguran ç ç a a

2.2.3 – Estacionamento de Veículos

   

Avaliação

da

política

da

empresa

com

relação

ao

estacionamento,

definição

de

rotas

e

monitoramento

com

o

objetivo de minimizar riscos em casos de emergência.

 

• Procedimento descrevendo instruções especiais sobre o

estacionamento dos veículos e sobre a segregação de veículos

carregados.

carregados.

ESPECÍÍFICOS

FICOS

ELEMENTOS ESPEC

ELEMENTOS

ESPEC Í Í FICOS FICOS ELEMENTOS ESPEC ELEMENTOS

2.2.3 – Estacionamento de Veículos

 

2.2.3.1

e

2.2.3.2

Os

condutores

(próprios

e

subcontratados)

recebem

instruções

especiais

relativas

ao

estacionamento

de

veículos? (M)

Fundamentação legal:

Decreto 96.044/88 – RTPP

NBR 14095 - Área de estacionamento para veículos

rodoviários de transporte de produtos perigosos .

rodoviários de transporte de produtos perigosos
 

2.2. Seguran

2.2.

Seguranççaa

2.2. Seguran 2.2. Seguran ç ç a a

2.2.4

2

Prontidão e Resposta a Emergências

 

Definição do Plano de Emergência cobrindo atividades dentro e fora da

empresa, com as responsabilidades definidas e conhecidas, prevendo

a realização de simulados.

 

• Ações para cada tipo de emergência, contemplando os cenários

possíveis , tais como vazamentos ou liberações , fogos, explosões ou

reações indevidas, materiais de limpeza e contenção, disposição de

resíduos;

• Responsabilidades individuais – treinamentos;

• Acordos para emergências externas;

• Cobertura 24 horas.

 
• Cobertura 24 horas.

2.2. Seguran

2.2.

Seguranççaa

2.2. Seguran 2.2. Seguran ç ç a a

OO plano

plano dede atendimento

atendimento dede emergência

emergência

deve

deve ser

especíífico

ser espec

fico para

para aa empresa

empresa

 

Acordos

Acordos espec

especííficos

ficos exigidos

exigidos por

por clientes;

clientes;

Lista

Lista dede pessoas

pessoas que

que devem

devem ser

ser contatadas;

contatadas;

Pronta

Pronta informa

informaççãoão dede acidentes/incidentes

acidentes/incidentes aa clientes

clientes ee autoridades

autoridades

envolvidas;

envolvidas;

FISPQs

FISPQs acess

acessííveis

veis emem situa

situaçções

ões dede emergência;

emergência;

Simulado

Simulado para

para testar

testar oo Plano

Plano dede Emergência

Emergência para

para acidente

acidente

rodoviááriorio ((úúltimos

rodovi

ltimos 1212 meses).

meses).

• Acordos Acordos espec espec í í ficos ficos exigidos exigidos por por clientes; clientes; •

2.2. Seguran

2.2.

Seguranççaa

2.2. Seguran 2.2. Seguran ç ç a a

2.2.5. -- Limpeza

2.2.5.

Limpeza dede veveíículos

culos tanque

tanque

Procedimentos definidos para a limpeza , uso de equipamentos e

 

tratamento de resíduos gerados. Requisitos específicos para terceiros

envolvidos nas atividades.

• Licença instalação, operação e destinação dos resíduos para as

estações de limpeza–própria ou de terceiros;

• Atendimento as exigências de SSMA–própria ou em terceiros;

• Procedimentos de limpeza para os produtos envolvidos;

• Local adequado para segregação de resíduos– disposição dos

mesmos –própria ou em terceiros.

mesmos –própria ou em terceiros.

2.2. Seguran

2.2.

Seguranççaa

2.2. Seguran 2.2. Seguran ç ç a a

2.2.5. -- Limpeza

2.2.5.

Limpeza de

de veveíículos

culos tanque

tanque

•Instruções aos motoristas quando a operação é executada em

 

terceiros.

• Auditorias regulares em instalações de terceiros quanto:

• SSMA

• Licenças & e documentos obrigatórios

• Quais as empresas estão autorizada

• Destinação dos resíduos

Fundamentação legal:

Legislações ambientais estaduais – Emissão de Licenças

de Instalação e/ou Operação.

de Instalação e/ou Operação.
 

ESPECÍÍFICOS

FICOS

ELEMENTOS ESPEC

ELEMENTOS

ESPEC Í Í FICOS FICOS ELEMENTOS ESPEC ELEMENTOS

2.2.5.2 e 2.2.5.3 Limpeza de veículos

   

tanque – Frota própria e subcontratados

2.2.5.2.a e 2.2.5.3.a As estações possuem licença de

 

instalação, de operação e de destinação de resíduos para

os produtos envolvidos?

(M)

 

Fundamentação legal:

Legislações ambientais estaduais – Emissão de Licenças

de Instalação e/ou Operação.

 
 

Alerta:

Utilizando serviços de terceiros, as instalações

devem ser qualificadas pelo contratante

devem ser qualificadas pelo contratante
 

2.3. SASAÚÚDE

2.3.

DE OCUPACIONAL

OCUPACIONAL

SA SA Ú Ú DE 2.3. OCUPACIONAL

Objetivo

Objetivo

 

PProteger

roteger

os

os

funcionáários

funcion

rios

das

das

doen

doençças

as

ocupacionais

ocupacionais

atendimento imediato

atendimento

imediato diante

diante dede situa

situaçções

ões dede emergências.

emergências.

ee

oferecer

oferecer

2.3.1 Informa

2.3.1

Informaçções

ões sobre

sobre Produtos

Produtos Qu

Quíímicos

micos

Perigosos Perigosos

Deve existir

Deve

existir acesso

acesso as

as regulamenta

regulamentaçções

ões atualizadas,

atualizadas, bem

bem como

como as

as

informa

informaçções

ões atualizadas

atualizadas dede seguran

seguranççaa dos

dos produtos

produtos antes

antes dodo

manuseio.

manuseio.

manuseio. manuseio.

2.3. SASAÚÚDE

2.3.

DE OCUPACIONAL

OCUPACIONAL

SA SA Ú Ú DE 2.3. OCUPACIONAL

2.3.2 Avalia

2.3.2

Avaliaççãoão de

de Riscos

Riscos àà Sa

Saúúde

de

Executada por profissional capacitado deve

 

contemplar as operações e produtos, e ser

revisada quando da entrada de um novo

produto/risco.

Avaliação dos dados dos produtos manuseados / transportados, bem

como os riscos das atividades;

•Riscos ambientais decorrentes de agentes químicos , físicos ou

biológicos conforme aplicável;

•Avaliação e revisão antes do aceite de um novo produto;

•Execução por profissional capacitado

•Execução por profissional capacitado

ELEMENTOS CENTRAIS

ELEMENTOS

CENTRAIS

ELEMENTOS CENTRAIS ELEMENTOS CENTRAIS

2. Segurança, Saúde e Meio Ambiente

 

2.3 Saúde Ocupacional

2.3.2 Avaliação de riscos à saúde

2.3.2.1

Todos

os

produtos

químicos

transportados ou

manuseados são examinados para avaliar os riscos à saúde

ocupacional? (M)

Fundamentação legal:

NR 9- Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA)

NR 4 – SESMT

NR 17- Ergonomia

NR 17- Ergonomia

2.3. SASAÚÚDE

2.3.

DE OCUPACIONAL

OCUPACIONAL

SA SA Ú Ú DE 2.3. OCUPACIONAL

2.3.3 Controle

2.3.3

Controle de

de Riscos

Riscos àà Sa

Saúúde

de

Definir para cada risco identificado, os métodos de avaliação de

 

exposição, monitoramento, procedimentos e equipamentos de proteção

adequados.

Procedimentos

Procedimentos para

para quando

quando dada ocorrência

ocorrência dede exposi

exposiçção;

ão;

Materiais

Materiais dede limpeza

limpeza para

para lidar

lidar com

com libera

liberaççãoão // derramamento

derramamento dede

produto;

produto;

produto; produto;

ELEMENTOS CENTRAIS

ELEMENTOS

CENTRAIS

ELEMENTOS CENTRAIS ELEMENTOS CENTRAIS

2.3.4 Exames

2.3.4

Exames ee Monitoramento

Monitoramento MMéédico

dico --

Funcionáários

Funcion

rios -- realiza

realizaçção,

ão, registro

registro ee

monitoramento dos

monitoramento

dos exames

exames previstos

previstos nono

PCMSO. PCMSO.

• Exames

Exames mméédicos

dicos admissionais

admissionais // demissionais;

demissionais;

Exames

Exames peri

perióódicos

dicos conforme

conforme PCMSO;

PCMSO;

Exames

Exames admissionais

admissionais // peri

perióódicos

dicos psicol

psicolóógicos

gicos para

para os

os motoristas.

motoristas

– – Exames 2.3.4 e e Monitoramento M M é é dico - - Funcion
 

ELEMENTOS CENTRAIS

ELEMENTOS

CENTRAIS

ELEMENTOS CENTRAIS ELEMENTOS CENTRAIS

2.3.4 e 2.3.5 Exames e monitoramento

 

médicos – Funcionários e subcontratados

  • 2.3.4.1 e 2.3.5.1 Os colaboradores são submetidos a

exames médicos de admissão e de demissão conforme

estabelecido pela legislação? (M)

 
  • 2.3.4.2 e 2.3.5.2 Todos os colaboradores passam

pelos exames médicos periódicos conforme os riscos a que

são expostos, segundo o descrito no PCMSO ? (M)

Fundamentação legal:

 

NR7 – Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional

(PCMSO)

(PCMSO)

2.3. SASAÚÚDE

2.3.

DE OCUPACIONAL

OCUPACIONAL

SA SA Ú Ú DE 2.3. OCUPACIONAL

2.3.6 Primeiros

2.3.6

Primeiros Socorros

Socorros

Procedimento

Procedimento para

para obten

obtenççãoão de

de primeiro

primeiro socorros,