Vous êtes sur la page 1sur 5

Leucemia é o nome dado a cânceres no sangue.

Ocorre quando a medula óssea produz grande quantidade


de células brancas diminuindo assim a produção das células vermelhas e plaquetas. Com a produção
exagerada de células brancas, estas não conseguem atingir a maturidade e adoecem impedindo que suas
funções sejam desempenhadas normalmente.

Tais alterações provocam anemia, infecções, hemorragias e manchas no organismo, pois os glóbulos
vermelhos que levam o oxigênio por todo o corpo, os glóbulos brancos que combatem vírus e bactérias e
as plaquetas que auxiliam na coagulação do sangue não mais desempenham suas funções
adequadamente. Pode ser linfóide, quando as células anormais afetam os linfócitos, e mielóide, quando
as células anormais afetam as células mielóides. Ainda pode ser classificada como aguda, quando há o
crescimento quantitativo de células sanguíneas imaturas, e crônica quando há o crescimento quantitativo
de células sanguíneas maduras e anormais.

Apesar de não se conhecer as causas que originam a leucemia, acredita-se que pode haver ligações
genéticas, radiação, poluição, falhas no sistema imunológico e outros. As células anormais presentes no
sangue podem se impregnar em outros tecidos como nos rins, amígdalas, baço, linfonodos, sistema
nervoso central e outros. Nesse período aparecem algumas manifestações clínicas como palidez, tontura,
anorexia, cansaço, sonolência, hematomas, sangramento nasal, infecções, afta, febre, sudorese, dor nos
ossos e articulações, etc. Tais sintomas aparecem de forma isolada ou não, mas a partir destas
manifestações é que será feito o diagnóstico por meio de hemograma, mielograma, punção lombar ou
citometria de fluxo.

O tratamento é variável de acordo com a classificação da doença, mas independente de como é feito,
busca destruir as células anormais a fim de que a medula óssea consiga produzir novamente células
normais. Podem-se utilizar transfusões e quimioterapia isolada ou associada à terapia ortomolecular ou
naturopática.

Por Gabriela Cabral


Equipe Brasil Escola

Câncer - Doenças - Brasil Escola

O que é leucemia

A palavra leucemia refere-se um grupo de cânceres que afetam as células brancas do


sangue. Leucemia se desenvolve na medula óssea, a qual produz três tipos de células
sanguíneas:
1. Células vermelhas que contêm hemoglobina e são responsáveis por transportar oxigênio
pelo corpo.
2. Células brancas que combatem infecções.
3. Plaquetas que auxiliam a coagulação sanguínea.

Leucemia é caracterizada pela produção excessiva de células brancas anormais,


superpovoando a medula óssea. A infiltração da medula óssea resulta na diminuição da
produção e funcionamento de células sanguíneas normais. Dependendo do tipo, a doença pode
se espalhar para os nódulos linfáticos, baço, fígado, sistema nervoso central e outros órgãos e
tecidos, causando inchaço na área afetada.

Sintomas da leucemia

Danos à medula óssea resultam na falta de plaquetas no sangue, as quais são importantes
para o processo de coagulação. Isso significa que pessoas com leucemia podem sangrar
excessivamente.

As células brancas do sangue, que estão envolvidas no combate a agentes patogênicos,


podem ficar suprimidas ou sem função, colocando o paciente sob risco de infecções.

Já a deficiência de células vermelhas ocasiona anemia, a qual pode causar falta de ar e fadiga.
Pode ocorrer dor nos ossos ou articulações por causa da extensão do câncer a essas áreas.
Dor de cabeça e vômito podem indicar que o câncer disseminou-se até o sistema nervoso
central.

Em alguns tipos de leucemia pode os nódulos linfáticos podem ficar dilatados. Todos esses
sintomas podem também ser atribuídos a outras doenças. Para o diagnóstico é preciso fazer
teste de sangue e biópsia da medula óssea.

Quatro principais tipos de leucemia

Leucemia é um termo amplo que cobre um espectro de doenças

Leucemia aguda x crônica

Leucemia é dividida clinicamente e patologicamente nas formas aguda e crônica.

* Leucemia aguda é caracterizada pele crescimento rápido de células sanguíneas imaturas.


Esse apinhamento torna a medula óssea incapaz de produzir células sanguíneas saudáveis. A
forma aguda de leucemia pode ocorrer em crianças e adultos jovens, O tratamento imediato é
necessário na leucemia aguda devido à rápida progressão e acúmulo de células malignas, as
quais entram na corrente sanguínea e se espalham para outras partes do corpo. Se não houver
tratamento, o paciente morrerá em alguns meses ou até semanas.

* Leucemias crônicas são distinguidas pelo acúmulo de células sanguíneas relativamente


maduras porém ainda assim anormais. Geralmente levando meses ou anos para progredir, as
células brancas anormais são produzidas numa taxa bem maior que as normais. Leucemia
crônica geralmente ocorre em pessoas idosas, mas pode afetar qualquer faixa etária. Enquanto
a leucemia aguda deve ser tratada imediatamente, a forma crônica alguma vezes é monitorada
por algum tempo antes do tratamento, para assegurar a eficiência máxima da terapia.

Leucemia linfóide x mielóide

Ainda, as doenças são classificadas de acordo com o tipo de células anormais mais
encontradas no sangue. Quando a leucemia afeta as células linfócitas, é chamada de linfóide.
Já quando as células mielóides são afetadas, a doença é chamada leucemia mielóide.

Prevalência dos quatro tipos de leucemia

* Leucemia linfóide aguda é a mais comum em crianças pequenas. Ela também afeta adultos,
especialmente os de mais de 65 anos.

* Leucemia mielóide aguda ocorre mais em adultos do que em crianças.

* Leucemia linfóide crônica afeta mais adultos acima de 55 anos de idade. Algumas vezes
ocorre em adultos jovens, mas quase nunca em crianças.

* Leucemia mielóide crônica ocorre principalmente em adultos. Um número muito pequeno de


crianças é afetado.

Causas da leucemia

A causa exata da leucemia não é conhecida, mas ela é influenciada por fatores genéticos e
ambientais. Como outros tipos de câncer, as leucemias resultam de mutações somáticas no
DNA, as quais podem ocorrer espontaneamente ou devido à exposição à radiação ou
substâncias cancerígenas, e tem sua probabilidade influenciada por fatores genéticos. Vírus
também têm sido associados a algumas formas de leucemia. Anemia de Fanconi também é um
fator de risco para o desenvolvimento de leucemia mielóide aguda.

Prognóstico e tratamento da leucemia

O prognóstico e tratamento diferem de acordo com o tipo de leucemia. O tratamento deve ser
moldado de acordo com o tipo de leucemia e características do paciente.

POR QUE AS CÉLULAS LEUCÊMICAS SÃO PREJUDICIAIS?


As células leucêmicas não podem combater as enfermidades, já que são imaturas ou simplesmente não
funcionam da maneira como deveriam. Além disso, quando há excesso de células leucêmicas, estas tomam o
lugar das células sangüíneas normais, tanto na medula óssea (onde se formam a maior parte das células
sangüíneas novas), como no sangue e nos órgãos. Um número insuficiente de células sangüíneas normais
pode provocar infecções, anemia, aparecimento de hematomas, hemorragias e finalmente, insuficiência de
alguns órgãos.

LEUCEMIA AGUDA
O QUE É?
As leucemias são cancros das células sanguíneas. Trata-se de um grupo de neoplasias malignas que surgem
a partir de células precursoras dos elementos figurados do sangue (células hematopoiéticas), que proliferam
na medula óssea e que, posteriormente, invadem o sangue periférico e infiltram outros sistemas orgânicos.

A leucemia aguda é uma doença potencialmente mortal, em que os mieloblastos (células precursoras dos
granulócitos) ou os linfoblastos (células precursoras dos linfócitos) imaturos/pouco diferenciados, se tornam
cancerosos e rapidamente substituem as células normais da medula óssea, impedindo a sua função normal.

Quais as causas
Não existe uma causa única identificável que explique a génese da doença. Sabe-se que a leucemia aguda
ocorre com maior frequência nos indivíduos do sexo masculino e de raça caucasiana.

Constituem factores de risco:


Exposição a radiações e a campos electromagnéticos de elevada tensão. Exposição prolongada a certas
substâncias químicas(ex. benzeno). Perturbações genéticas (ex., síndrome de Down, síndrome de Fanconi).
Tratamento prévio com certos medicamentos anti-cancerosos. Certos vírus (ex. vírus HTLV-1).

Quais os sintomas
O aparecimento dos sintomas, que traduzem um quadro de insuficiência medular, faz-se de forma súbita:

Anemia – palidez, fadiga, fraqueza, mal estar, palpitações. Dores osteoarticulares (por vezes confundidas com
“dores de crescimento”). Infecções bacterianas e fúngicas recorrentes. Hemorragias espontâneas (epistáxes,
petéquias, equimoses, hemorragias gengivais, hemorragias conjuntivais, etc.).

Como se diagnostica
As diferentes formas de leucemia aguda podem ser diagnosticadas através de análises de sangue comuns,
com recurso à contagem completa de células sanguíneas. As células leucémicas em circulação são
identificadas ao microscópio a partir de um esfregaço de sangue. Dado que, normalmente, não se observam
células precursoras medulares em circulação a sua presença é suficiente para diagnosticar a leucemia. A
realização de uma biópsia de medula óssea (mielograma) é igualmente necessária para determinar o tipo de
leucemia, o que vai determinar a abordagem terapêutica.

Depois, pode-se ainda recorrer a estudos citoquímicos e imunológicos para uma caracterização mais
detalhada das células envolvidas.

Como se desenvolve
As diferentes formas de leucemia aguda, se não tratadas, podem complicar-se com hemorragias
intracraneanas e síndromes de hiperviscosidade sanguínea, podendo conduzir à morte.

Formas de tratamento
A abordagem terapêutica da leucemia aguda implica o recurso a cuidados diferenciados prestados por
médicos especialistas em hematologia.

A terapêutica consiste em:


Ciclos de quimioterapia. Tratamento de suporte (transfusões de sangue). Prevenção e tratamento de
infecções. Transplante de medula óssea. O tratamento da leucemia aguda é agressivo, pelo que é
imprescindível o apoio de uma equipa multidisciplinar de técnicos de saúde, bem treinada, sempre disponível
para ajudar e apoiar o doente leucémico.

Formas de prevenção
A melhor forma de prevenção da leucemia aguda é a sua detecção precoce.

Outras designações
Leucemia mielóide aguda, Leucemia linfocítica aguda.

Quando consultar o médico especialista

Deve procurar assistência médica na presença dos sintomas da doença. A maioria dos pais têm receios
compreensíveis em relação à leucemia, porém, na maioria dos casos pode-se excluir o seu diagnóstico, na
medida em que muitas outras patologias mais benignas apresentam sintomas semelhantes.

Pessoas mais predispostas


Os indivíduos alvo dos factores de risco.

Outros Aspectos
Podemos considerar quatro tipos principais de leucemia, denominados em função da velocidade de
progressão (leucemia aguda vs. leucemia crónica) e do tipo de glóbulo branco que afectam (leucemia mielóde
vs. leucemia linfocítica). As leucemias agudas progridem rapidamente; as leucemias crónicas desenvolvem-se
de forma lenta.
As leucemias linfocíticas afectam os linfócitos; as leucemias mielóides afectam os granulócitos/neutrófilos.

Fonte: www.vivasaudavel.pt