Vous êtes sur la page 1sur 2

Excesso de trabalho pode provocar a síndrome

de "burnout"
MARIANA VIVEIROS da Folha de S.Paulo 04/11/2004 - 09h42

Dizer que o estresse contínuo causado pelo trabalho traz conseqüências sérias à saúde pode
soar como exagero ou, por outro lado, obviedade. Não é nem uma coisa nem outra, segundo
a psiquiatra Maria Cristina De Stefano, 52, com base numa experiência pessoal vivida há três
anos e no diagnóstico dos pacientes que atende em Jundiaí (SP).

Por causa do excesso de atribuições, pressão, preocupações e frustrações -"pacote" que


ganhou a adição de um cargo de diretora numa instituição particular de saúde-, De Stefano
acabou, ao fim de 12 meses, com uma inflamação na tireóide, entre outros problemas, e foi
diagnosticada como depressiva. Não era. Estava, sim, consumida pelo trabalho, ou, como
dizem os especialistas, em "burnout".

O termo, que na gíria inglesa identifica usuários de droga que se acabaram por causa do
vício, significa, ao pé da letra, o esgotamento ocasionado pelo consumo excessivo de
energia. Ganhou espaço na literatura médica a partir de 1974, em estudos feitos nos EUA
com profissionais de saúde, e designa uma resposta emocional e física ao estresse
ocupacional crônico.

Embora a síndrome tenha sido identificada inicialmente em trabalhadores que lidam


diretamente com outras pessoas e têm alguma responsabilidade sobre as vidas delas
(médicos, psicólogos, bombeiros, policiais, enfermeiros e carcereiros, entre outros), ela pode
afetar qualquer um: de executivos a donas-de-casa.

No caso de Maria Cristina De Stefano, a rotina de trabalho de até 14 horas diárias, reuniões
intermináveis, cobranças, dois filhos adolescentes para criar sozinha e a necessidade de
cuidar da mãe recém-operada resultaram num cansaço crônico que evoluiu para insônia,
mau humor permanente, uma crise de herpes e terminaram na tireoidite.

Depois de um ano sofrendo, a psiquiatra descobriu que estava em "burnout" após ler um
livro sobre a síndrome. Hoje, mantém apenas o consultório, deixou de trabalhar nas tardes
de sexta-feira, parou de atender pacientes de convênios, pratica exercícios ao menos duas
vezes por semana, entrou num coral e numa confraria de vinhos e faz trabalhos voluntários,
tudo em busca de mais qualidade de vida. "É preciso buscar ajuda e mudar", receita.

Causas e conseqüências

O estado de "burnout" é causado por uma conjugação de fatores internos e externos, explica
a psicóloga Ana Maria Benevides-Pereira, 54, autora do livro que ajudou no autodiagnóstico
de De Stefano ("Burnout: Quando o Trabalho Ameaça o Bem-Estar do Trabalhador") e de uma
série de artigos sobre o tema.

Profissionais mais idealistas, exigentes consigo mesmos, dedicados e com menos


capacidade de lidar com situações difíceis estão mais propensos a sofrer da síndrome. Assim
como aqueles que estão sujeitos a desorganização, baixos salários, poucas perspectivas de
promoção, assédio moral e competição excessiva no ambiente de trabalho.

Além dos problemas característicos do estresse em si (dores de cabeça, insônia, gastrite,


diarréia, alterações menstruais), o "burnout" se caracteriza sobretudo pelas ausências no
trabalho e pela adoção de uma postura cínica e rude em relação ao outro, sejam colegas,
clientes ou pacientes, o que os estudiosos chamam de despersonalização, diz Benevides-
Pereira, que integra o Gepeb (Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Estresse e Burnout), da
Universidade Estadual de Maringá (PR).
E, apesar de a legislação brasileira permitir o afastamento do trabalho em razão de
"burnout", com direito à retirada do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) e
estabilidade no emprego, o diagnóstico não é mesmo muito simples, afirma a psicóloga.
Segundo ela, ainda falta informação por parte dos médicos e coragem por parte das
empresas para atacar o problema de frente.

"As empresas estão começando a tomar consciência de que têm de fazer mais que oferecer
plano de saúde e ginástica laboral porque, se os funcionários faltam ou não realizam suas
tarefas de forma adequada por causa de "burnout", o prejuízo é grande. Muitas já levam a
questão do estresse a sério nos exames anuais e cuidam do ambiente de trabalho para
evitar casos crônicos", afirma Cecilia Cibella Shibuya, presidente da ABQV (Associação
Brasileira de Qualidade de Vida).

Prova disso é que nomes como Natura, Basf, Accor, Procter&Gamble e Vivo formaram no
mês passado o Gesc (Grupo de Estudo em Saúde Corporativa), coordenado pelo médico
Ricardo De Marchi, ex-presidente da ABQV e que tem o intuito de discutir e buscar saídas
para melhorar a gestão de saúde dos trabalhadores. O tema será alvo de debates no 2º
Global Health Seminar, que ocorre entre 16 e 20 em São Paulo.

As discussões e a realização de estudos nessa área são importantes, na avaliação de


Shibuya, para que as estatísticas convençam de vez os empresários de que cabe a eles
tomar as principais medidas no sentido de combater o "burnout".

Mais informações no site www.psiqweb.med.br/cursos/stress4.html