Vous êtes sur la page 1sur 20

Modulo – 01

Informática para concursos


Hardware / Software
Informática para Concurso – Módulo 01

Marco Guimarães
Introdução
O que é computador?
Qual a diferença entre uma máquina de calcular, uma catraca de ônibus e um
COMPUTADOR?
De acordo com este conceito, até poderíamos confundir estes três artefatos
eletros-mecânico, não fosse uma característica marcante, que realmente faz a
diferença: A máquina de calcular, a catraca de ônibus, bem como centenas de
outras ferramentas, foram fabricadas para um único fim.
E o computador! Para que ele foi fabricado?
Ele foi desenvolvido para processar informações. O computador não pensa nem tem vontade própria, tudo o que
ele faz é seguir rigorosamente instruções de programas pré-elaborados.
Uma de suas inúmeras vantagens está no fato de que ele é capaz de fazer o que lhe foi instruído de uma forma
rápida e precisa.
A idéia e a necessidade de uma máquina com essas características não é nova. Antes do incrível progresso da
eletrônica já houve tentativas de desenvolvimento de computadores, o que poderemos verificar mais adiante.

Sistemas de Processamento de Dados?


O termo "Processamento de Dados" designa uma grande variedade de atividades que ocorre tanto nas
organizações industriais e comerciais, quanto na vida diária de cada um de nós.
Por exemplo, as seguintes atividades, bastante corriqueiras, podem ser consideradas como casos particulares de
processamento de dados:
1) Classificar contas a pagar em ordem cronológica de vencimento.
2) Fazer uma relação destas contas e somar para ver quanto vai pagar no total.
3) Dar baixa em nosso talão de cheques, de um cheque emitido.
4) Procurar um número de telefone na lista telefônica e anotar este número em uma agenda.

Para tentarmos definir o que seja processamento de dados temos de ver o


que existe em comum em todas estas atividades. Ao analisarmos, podemos
perceber que em todas elas são dadas certas informações iniciais (as contas
a pagar, as datas de vencimento, o saldo anterior, o valor do cheque emitido,
a lista telefônica), as quais chamam de dados.
E que estes dados foram sujeitos a certas transformações, com as quais foram obtidas as informações.
O processamento de dados sempre envolve três fases essenciais: Entrada de Dados, Processamento, e Saída da
Informação.

Dados e Informação?
Podemos diferenciar dados de informações da seguinte forma:

"Informação é um conjunto de dados capaz de modificar o


estado do conhecimento humano sobre algum fato."

O dado, por si só, não modifica o estado do conhecimento. Por exemplo, se citarmos o número 80 apenas, ele
poderá estar representando qualquer coisa. Mas, se citarmos Rua da Hora, No. 80, teremos a informação
completa, sendo o número 80 apenas um dado desta informação.

Programa
Marco Guimarães – 1º Módulo Página 2
Informática para Concurso – Módulo 01

Marco Guimarães
Nossas vidas são regidas por milhares de pequenos e complexos programas, que conseguem
processar informações e atuar sobre o nosso corpo na realização de trabalhos.
De modo análogo, um computador precisa receber algumas sequências de instruções para que, quando
executadas, realizem certa tarefa.
Conclusão

Programa é um conjunto de instruções ordenadas logicamente, escrito em uma linguagem que o


computador entende e é capaz de obedecer.

Hardware, Software, Peopleware.


Para que um sistema de processamento de dados funcione ao contento, faz-se necessário que três elementos
funcionem em perfeita harmonia.

Hardware
Hardware é toda a parte física (eletromecânica) que compõe o sistema de processamento de dados:
equipamentos e suprimentos tais como CPU, Teclado, Gabinete, impressoras, e tudo aquilo que se relacionar
com o veículo da informação.

Software (Parte inteligível do sistema)


São conjuntos de procedimentos básicos que fazem que o computador seja útil executando alguma função. A
essas “ordens” preestabelecidas chamamos também de programas. É toda a parte inteligível (virtual) do sistema
de processamento de dados. Desde os dados que armazenamos no hardware, até os programas que os
processam.
É a combinação de Hardware e Software que faz nosso computador funcionar como conhecemos, tomando forma
e fazendo as coisas acontecerem, como se tivesse vida. Sem um ou outro componente o computador não
funciona.

Peopleware
Esta é a parte humana do sistema: usuários (aqueles que usam a informática como um meio para a sua atividade
fim), programadores e analistas de sistemas (aqueles que usam a informática como uma atividade fim).
Embora não pareça, a parte mais complexa de um sistema de processamento de dados é sem dúvida o
Peopleware, pois por mais moderna que sejam os equipamentos, por mais fartos que sejam os suprimentos, e por
mais inteligente que se apresente o software, de nada adiantará se as pessoas (peopleware) não estiverem
devidamente treinadas a fazer e usar a informática.

O alto e acelerado crescimento tecnológico vem aprimorando o hardware, seguido de perto pelo software.
Equipamentos que cabem na palma da mão, softwares que transformam fantasia em realidade virtual não são
mais novidades. Entretanto ainda temos em nossas empresas, pessoas que sequer tocaram algum dia em um
teclado de computador.
Mesmo nas mais arrojadas organizações, o relacionamento entre as pessoas dificulta o trâmite e conseqüente
processamento da informação, sucateando e subutilizando equipamentos e softwares. Isto pode ser vislumbrado,
sobretudo nas instituições públicas.

Entendendo O Hardware
Agora que tivemos uma noção genérica sobre computadores, vamos nos aprofundar no que diz respeito a sua
composição interna e funcional. Vamos estudar o hardware básico de um microcomputador.

O Computador

Marco Guimarães – 1º Módulo Página 3


Informática para Concurso – Módulo 01

Marco Guimarães
Dispositivo Eletrônico que recebe informações, processa os dados e fornece saídas com
rapidez e segurança (resultados).

O termo “Computador” é utilizado hoje em dia para nos referirmos a um conjunto de componentes que, juntos,
formam a “máquina” que conhecemos.
Esses componentes se dividem em duas partes principais: Hardware e Software.

Vamos ver agora os principais componentes físicos do computador:


Os principais componentes
Processador (CPU)
Memória Principal (RAM)

Barramento

Memórias Auxiliares
(Secundária ou de Massa)
Dispositivos (Entrada / Saída)

A CPU ou Processador
O cérebro de um computador é o que chamamos de Processador ou CPU (do inglês,
Unidade Central de Processamento). O Processador nada mais é que um Chip, formado de
silício, onde uma combinação de circuitos controla o fluxo de funcionamento de toda a
máquina.
Quando “mandamos” o computador imprimir uma página de algum documento digitado, por
exemplo, é o Processador que irá receber esta ordem, entendê-la, enviar um comando para que
a impressora funcione e imprima.
No chip do Processador estão às instruções de como ele deve se comunicar com os programas que você estiver
usando e a quem e como ele deve enviar as instruções que você executa no programa.
O Processador principal fica localizado em uma placa denominada Placa-Mãe, junto com os circuitos elétricos
que interligam a placa ao conjunto de componentes do computador.
O Processador principal fica localizado em uma placa denominada Placa-Mãe, junto com os circuitos elétricos
que interligam a placa ao conjunto de componentes do computador.

Dispositivos de Entrada e Saída (E/S)


Permitem a comunicação do computador com o mundo exterior, possibilitando tanto a entrada como a saída de
dados. Também são chamados periféricos.

Marco Guimarães – 1º Módulo Página 4


Informática para Concurso – Módulo 01

Marco Guimarães
Ao comparamos o computador com o Homem, podemos considerar os ouvidos e os olhos como
dispositivos de entrada. As mãos podem ser tanto de entrada quanto de saída. Nossas bocas seriam bons
exemplos de periféricos de saída.
Voltando ao computador, podemos encontrar os seguintes tipos de periféricos:

Periféricos de Entrada
Têm a função de introduzir informações no computador.

Leitoras de cartões magnéticos


As informações são gravadas magneticamente em uma camada de óxido de ferro.

Leitoras ópticas
Muito utilizadas em supermercados (caneta óptica de código de barra) e guaritas de
identificação. Concursos públicos também utilizam leitoras ópticas que, além de
interpretarem códigos de barra, são programáveis quanto ao processamento de
gabaritos-respostas. Estes dispositivos são sensíveis à luz, e são capazes de
interpretar as informações codificadas em contrastes de cores.

Leitoras de cartões perfurados


São dispositivos capazes de ler informações perfuradas em um cartão padrão. Os dados são identificados por
combinações de furos (buracos) através de pinos ou feixes luminosos.
As leitoras de cartões foram bastante utilizadas pelos computadores de segunda e terceira gerações. Há bastante
tempo são consideradas obsoletas no mercado.

Teclado
É o método mais usual de entrada de dados no computador.
É composto por 102 teclas em média, e consegue dar entrada na informação através da
combinação de impulsos elétricos gerados pelo toque do dedo humano (daí a palavra
DIGITação).

Mouse
São dispositivos de entrada de dados capazes de reproduzir na tela do computador movimentos gerados pela
rotação de uma pequena esfera situada em sua base.
O mouse ainda possui de dois a três botões, cuja finalidade é a de optar por uma entre duas
informações localizadas no monitor de vídeo.
Até 1984, antes do lançamento do Windows, o mouse era um dispositivo opcional dentro do
contexto de um sistema de processamento de dados. Apenas aqueles que trabalhavam com
computação gráfica (geoprocessamento, cartografia, arquitetura, etc) necessitavam desses
dispositivos apontadores.
A partir da assimilação do Windows pelo mercado mundial, os mouses passaram a ser tão importantes quanto os
teclados, pois a interface do computador com o homem havia se tornado inteiramente visual.

Mesas Digitalizadoras
São dispositivos semelhantes ao mouse. A diferença é que o mouse transmite referências
(coordenadas) posicionais ao computador através da rolagem de sua esfera sobre qualquer
superfície.

Marco Guimarães – 1º Módulo Página 5


Informática para Concurso – Módulo 01

Marco Guimarães
Já a mesa digitalizadora transfere todos os movimentos através da variação das coordenadas de
uma caneta em relação à mesa.
Muito utilizados em softwares gráficos profissionais na área de CAD (Computer Aidded Desinger) - engenharia,
arquitetura, cartografia, geoprocessamento, etc.

Scanner
O Scanner é um periférico capaz de digitalizar uma fotografia através de um processo de
leitura óptica.
Ele converte cada ponto da fotografia em bytes e transfere essas informações ao computador.

Periféricos de Saída
Têm a função de exteriorizar os resultados obtidos através do processamento das informações lidas na(s)
unidade(s) de entrada.

Monitores de Vídeo
O princípio de funcionamento dos monitores de vídeo é o mesmo dos televisores. A diferença é
que os monitores conseguem representar imagens e textos em pontos digitais, isto é, numa matriz
onde o número de linhas e de colunas é constante.
Isto não ocorre com o monitor de vídeo dos televisores convencionais, onde as imagens são
analogicamente reproduzidas.
Existem diversos tipos e padrões de monitores.
Quanto ao tipo, os monitores podem ser classificados como monocromáticos e policromáticos
(coloridos).
Quanto ao padrão de sua placa controladora, eles podem ser CGA (baixa resolução), EGA (média resolução),
VGA e SuperVGA (alta resolução). Apenas as placas SVGA se encontram disponíveis no mercado atualmente.
Em se tratando de monitores, não devemos nos esquecer dos “datashows”. Trata-se de um monitor de cristal
líquido que, com o auxílio de um retroprojetor, consegue emitir a imagem processada pelo computador em uma
parede branca e lisa.
Os datashows são bastante utilizados em palestras e aulas expositivas. Existem alguns softwares como o
PowerPoint da Microsoft e o StoryBoard da C-A, desenvolvidos especialmente para a criação e reprodução de
apresentações através de datashows.
Além dos datashows, podemos utilizar placas transcoder capazes de converter os sinais emitidos pelo
computador para um televisor convencional, possibilitando com isto a reprodução da imagem de um micro em
um telão ou vídeo-cassete.

Impressoras matriciais (fita)


As impressoras matriciais por fita são as mais robustas e baratas do mercado. Não
apresentam uma boa resolução gráfica, e externam a informação imprimindo-a caracter a
caracter em uma folha de papel.
A resolução dessas impressoras é diretamente proporcional à quantidade de agulhas presentes
em seu cabeçote que pressiona a fita sobre o papel. Esta quantidade varia entre 9 e 24
agulhas.

Sua velocidade de impressão varia entre 160 e 700 cps (caracteres por segundo).
As impressoras matriciais mais modernas utilizam a tecnologia jato de tinta (ink-jet). Através desta técnica, as
agulhas que impressionam a fita de impressão são substituídas por pequenos injetores que jogam tinta
diretamente no papel.

Marco Guimarães – 1º Módulo Página 6


Informática para Concurso – Módulo 01

Marco Guimarães
A qualidade de impressão de uma impressora matricial jato de tinta se aproxima bastante da off-set,
muito embora o método de impressão ainda é considerado matricial, e é possível se enxergar os pontos que
formam as letras e figuras impressas.
Uma impressora matricial convencional não consegue reproduzir impressões com densidade superior a 100 dpi
(density of points per inche - densidade de pontos por polegada). Já uma impressora ink-jet varia de 300 a 1.200
dpi.
As impressoras matriciais por fita só não saíram de linha ainda porque são as únicas que conseguem imprimir em
vias de papel carbonado.

Impressoras laser
Apresentam um processo de impressão similar ao das máquinas copiadoras (Xerox, Minolta, etc).
Através da queimagem do toner (um pó especial, sensível aos raios laser) as laser-jets
conseguem reproduzir imagens e textos com impecável precisão e qualidade.
Esta qualidade é medida em densidade por polegada, e varia no atual mercado entre 150
e 800 dpi.
Quanto a velocidade depende exclusivamente do modelo. Existem impressoras lasers de
escala industrial que consegue emitir 300 páginas por minuto, usando diversas cores e
até a policromia.
As ink-jet (matriciais a jato de tinta) representam uma alternativa barata para quem não pode adquirir uma laser-
jet que custa de 5 a 30 mil dólares.

"Plotters" (Traçadores Gráficos)


As plotters são verdadeiras máquinas desenhadoras. Eles são apropriados para
reproduzir desenhos tipo plantas, mapas, etc. Funcionam através de canetas ou
estiletes que passeiam por sobre o papel ou tecido.
As plotters são equipamentos caríssimos e conseguem imprimir sobre papeis de
qualquer gramatura ou área. São bastante utilizados por arquitetos, engenheiros,
cartógrafos e pela indústria têxtil.
Uma plotter é capaz de cortar dezenas de tecidos de uma só vez.

Periféricos de Entrada e Saída (E/S)


Tendo função simultânea de entrada e saída de dados, alguns destes periféricos podem ser utilizados como
memória auxiliar do computador, como veremos em detalhes mais adiante.

Monitores de vídeo Touch-Screen


São monitores comuns dotados de um gerador de campo eletromagnético, capaz de
perceber o toque por sobre sua tela. Esta solução é utilizada com freqüência pelos caixas
eletrônicos dos bancos e outros sistemas de acesso público.

Unidades de Leitura e Gravação em Fita Magnética


Considerado um dispositivo ultrapassado, ainda é frequentemente utilizado por centros de
processamento de dados de grande porte no armazenamento de cópias de segurança
(back-ups).

Marco Guimarães – 1º Módulo Página 7


Informática para Concurso – Módulo 01

Marco Guimarães
A dificuldade apresentada pelas fitas magnéticas enquanto dispositivo armazenador de informações
é basicamente a lentidão no acesso à informação, pois a leitura e a gravação são feitas de forma seqüencial.
Hoje em dia, o dispositivo de fita magnética mais utilizado é o cartucho DAT (cartucho compacto utilizado apenas
para cópia de segurança).

Modem
Um equipamento em especial passa a fazer parte do vocabulário desta ciência:
o "Modem". Sem ele, a informação não conseguiria Isto ocorre por um simples
fato: a onda quadrada não consegue chegar quadradinha no computador
receptor.
As interferências eletromagnéticas impostas pelos meios tradicionais de
transmissão (telefonia) distorcem notadamente as ondas quadradas, tornando-as intraduzíveis
pelo computador que a recebe.
Além disto, a velocidade de transmissão de dados por satélite ou pelo sistema de telefonia é bastante sujeito a
variação.

Unidades de Leitura e Gravação em


Disquetes
As unidades leitoras e gravadoras de discos flexíveis, mais
comumente conhecidas como Disk-Drives, conseguem
armazenar em um disco os dados representados em pontos
magnetizados e pontos não magnetizados.
A combinação binária desses pontos representa portanto a unidade de
informação: o byte.
Os disquetes mais comuns medem de 3½ polegadas de diâmetro com capacidade para 1,44 MB
(aproximadamente 1 milhão e meio de bytes).
A janela para o cabeçote de leitura e gravação do drive é automaticamente fechada quando o disco é removido.
Os disquetes de 3½ polegadas são os dispositivos mais populares de uma família grande:

Zip-Drive
Zip-Drive - São pouco maiores que os disquetes de 3 ½ polegadas, porém capazes de
armazenar 50 vezes mais informações. Normalmente, a unidade de leitura e gravação de zip-
drives são externas ao micro.

Disco Rígido (Hard Disk) e a Unidade de Disco Rígido


Ao contrário dos disquetes, o disco rígido é encontrado dentro da unidade de disco rígido, como
seu nome já diz, não é flexível nem tão pouco removível. Seu uso é mais permanente do que
os disquetes (usados em geral para locomoção de dados entre micros ou back-ups). Os
winchesters são infinitamente maiores em capacidade de armazenamento e mais rápidos que
os disk-drives. Gira a uma enorme velocidade dentro de um invólucro hermeticamente
fechado.
Só para termos uma idéia, em um winchester de 2Gb (giga bytes) cabem aproximadamente as informações
contidas em 1000 disquetes.
Veremos estes valores em detalhes mais adiante.

CD/ROM (Disco Óptico)


Os mesmos CDs que usamos para ouvir uma boa música, podem ser utilizados para armazenar
informação. Através de pontos luminosos por sobre uma camada de alumínio revestida de teflon, o
CD consegue representar os bits e bytes que o computador interpreta.
Marco Guimarães – 1º Módulo Página 8
Informática para Concurso – Módulo 01

Marco Guimarães
Os CDs representam à última palavra em dispositivo de armazenamento (memória), pois
conseguem superar a velocidade de acesso dos winchesters, garantindo vida longa às informações.
Os CDs não se apagam por efeito de campos magnéticos, e não oferecem qualquer risco de distorção dos dados.
Só não podem ser arranhados.
Ao contrário dos winchesters, os CDs-R normalmente só podem ser gravados uma única vez, ou várias vezes,
mas, não no mesmo local do disco, e sim em outras partes do CD, chamadas de seções. Após a sua gravação,
os dados só podem ser lidos pelo computador. A mídia usada para gravar e regravar informações (armazenar)
são conhecidas como mídias CD-RW, podemos apagar as informações contidas na mídia e gravar outras.
Os dispositivos capazes de gravar em um CD virgem são chamados Unidades CD-RW ou gravadores de CD.

Memórias
Assim como no homem, a memória do computador tem a função de armazenar dados e informações, que lhe
serão solicitados assim que necessários.
Se você já foi a um estádio de futebol, teve a oportunidade de visualizar um placar eletrônico. Pois bem, um
placar eletrônico nada mais é do que uma matriz retangular cujos elementos são lâmpadas, que podem estar
acesas ou apagadas. A disposição de lâmpadas acesas nos transmite informações que podemos processar
apenas dando uma rápida olhada. O computador processa as informações contidas na sua memória de forma
análoga. Cada lâmpada da matriz pode ser comparada a um Bit (BInary DigiTs), que pode assumir unicamente
dois estados: aceso (1) ou apagado (0).

Memórias (Flash)
Em condições ideais as memórias flash podem armazenar informação durante 10 anos.
Memória USB Flash Drive, também designado como Pen Drive, é um dispositivo de armazenamento constituído
por uma memória flash tendo uma fisionomia semelhante à de um isqueiro ou chaveiro e uma ligação USB tipo A
permitindo a sua conexão a uma porta USB de um computador. As capacidades atuais, de armazenamento, são
64 MB, 128 MB, 256 MB, 512 MB, 1 GB a 30 GB. A velocidade de transferência de dados pode variar
dependendo do tipo de entrada:

• USB 1.1: 1,5 a 12 Mbits/s;

• USB 2.0: Apesar do USB 2.0 poder transferir dados até 480 Mbit/s, as flash drives estão limitadas pela
largura de banda da memória nelas contida, com uma velocidade máxima real de, aproximadamente, 100
Mbits/s.

Aparência interna do USB Flash Drive


Os mais conhecidos fabricantes de memórias flash são: Kingston, Corsair, SanDisk,
HP, Sony, Markvision, Extralife , LG e Toshiba.
Uma vez encaixado na porta USB, o Flash Drive aparece como um disco removível,
similar a um disco rígido ou disquete.
Em computadores com sistema operacional Windows XP ou com as versões recentes
do Linux ou MacOS, os flash drives são reconhecidos automaticamente como
dispositivos de armazenamento removível. Em sistemas operacionais mais antigos
(como o Windows 98) é necessário instalar um pacote de software denominado "device
driver", específico para o dispositivo utilizado, que permite ao sistema operacional reconhecê-lo. Há alguns
"device drivers" anunciados como genéricos ou universais para Windows 98, mas nem sempre funcionam
perfeitamente com qualquer dispositivo.

Organização Básica do Computador


Entrada Processamento Saída

Não é difícil entender como os dados são processados dentro de um micro-compoutador.

Marco Guimarães – 1º Módulo Página 9


Informática para Concurso – Módulo 01

Marco Guimarães
As informações são inseridas através de uma unidade de entrada. Esta pode dispor de vários
periféricos instalados, desde um simples teclado até um sofisticado sintetizador de som, ou ainda uma câmera
filmadora digital. Cada um desses periféricos tem por objetivo transformar a informação captada em sinais
eletrônicos. Estes sinais são conhecidos como sinais binários ou digitais. Eles são formados por combinações de
dois estados eletrônicos:

0 (ZERO) - Ausência de corrente elétrica; 1 (UM) - Presença de corrente elétrica.

Sucessivas combinações de sinais binários desta natureza vão sendo interpretadas pelo computador como
informações.
Exemplo: Alguém digita a letra “A” no teclado. Sistematicamente, são injetados 8 sinais no computador que,
juntos, formam a letra “A” para nós.

Um processo análogo ocorre quando o computador tenta mostrar o resultado de um processamento em um


periférico de saída, como uma impressora, por exemplo. Ao imprimir a mesma letra “A”, o computador precisa
injetar na impressora uma combinação de 8 impulsos eletrônicos que serão interpretados como a letra “A”.

A cada impulso eletrônico damos o nome de BIT, que em conjuntos de 8 formam o que chamamos de “BYTE”.
Um byte, portanto, pode representar qualquer símbolo interpretado pelo computador, desde uma letra, um
algarismo, até uma freqüência musical ou um ponto luminoso que constitui uma figura.
Ao ser inserido, o byte será conduzido imediatamente para a “UC - Unidade de Controle”, que direcionará aquele
dado para qualquer parte do computador, dependendo obviamente das instruções comandadas pelo programa
que está carregado na “Memória Real”.

Representação dos dados: Bytes


Como já vimos, um Byte representa um conjunto de 8 bits, formando assim um caractere que pode ser uma letra,
um algarismo, um ponto luminoso de uma imagem, uma freqüência isolada de um som, ou uma combinação de
teclas do teclado.

0 1 0 1 1 0 1 1

Representação dos Dados: Palavras


Os bytes, por sua vez, podem ser agrupados em conjuntos de 1 a N bytes, que denominamos PALAVRA (Word).
O tamanho em bytes adotado para uma palavra varia de acordo com o modelo/série de cada computador.
Ex.: 1 Byte (8 bits), 2 Bytes (16 bits), 4 Bytes (32 bits)
A PALAVRA significa, geralmente, a quantidade de informação que é manipulada pela memória principal de uma
só vez.

Unidade de Medida de Armazenamento dos Dados


Para facilitar a expressão de tamanhos de memória foram designados múltiplos específicos:

MEDIDA: REPRESENTA O MESMO QUE:

Bit (b) 0 ou 1 - menor unidade de dado


Byte (B) Conjunto de 8 bits ou 1 caractere = 08 b

Marco Guimarães – 1º Módulo Página 10


Informática para Concurso – Módulo 01

Marco Guimarães
Kilobyte (KB) 1024 bytes = 1024 B
Megabyte (MB) 1024 Kilobyte = 1024 X 1024 B
Gigabyte (GB) 1024 Megabyte = 1024 X 1024 X 1024 B
Terabyte (TB) 1024 Gigabyte = 1024 X 1024 X1024 X 1024 B

Estes múltiplos são utilizados para memória principal ou memória auxiliar, sem distinção, e servem para
expressar a capacidade de armazenamento das mesmas.
O processo de armazenamento de memória é similar ao dos discos magnéticos e ópticos. A diferença é que, na
memória os dados são representados por sinais eletrônicos (ausência de corrente elétrica=0 e presença=1).

Tipos de Memória

Memórias Voláteis e Não Voláteis


A memória do computador, assim como a nossa, está sujeita os fatores externos, que podem fazer com que não
funcione com eficiência.
No nosso caso, um esquecimento pode ser causado por excesso de trabalho, stress, amnésia acidental, etc.
No caso da memória principal do computador, a causa pode ser a falta ou variação brusca de corrente elétrica, o
que quase sempre acarreta na perda dos dados.
Mas não desanime! Assim como nós podemos recorrer a nossa agenda, por exemplo, o computador dispõe da
memória auxiliar, que retém permanentemente as informações nela armazenadas, sem sofrer alterações
decorrentes da falta de corrente elétrica.
Ao levar em consideração a corrente elétrica, podemos subdividir as memórias em Voláteis e não Voláteis,
como veremos a seguir.
A memória do computador se divide em dois tipos: Memória Principal (Real) e Memória Secundária (Auxiliar)

Memória Real ou Principal


Você já foi ao supermercado e teve necessidade de deixar alguns pertences no porta-
volumes, que geralmente fica na entrada do mesmo?
Podemos fazer uma analogia entre aquela estante onde o funcionário guarda nossos
objetos e a memória do computador.
Cada cubículo reservado para os pacotes de cada cliente pode ser considerado como
uma célula de memória. O endereço de cada cubículo (geralmente gravado em
papel plastificado, que você recebe na hora da entrega), pode ser associado ao endereço de memória.
Este papel plastificado permite ao funcionário ter acesso direto aos pacotes solicitados.
Portanto a memória principal, é um conjunto de células capaz de armazenar dados e instruções durante a
operação do processador. Em geral mantêm dados temporariamente e em pequena quantidade, sendo o seu
tamanho de fundamental importância para uma boa capacidade de processamento de dados.

Características básicas da Memória Principal


• Armazena uma unidade de dados
• Mantém instruções e os itens que são processados
• Possui um endereço determinado
• Contém o mesmo número de bits
• Pequena capacidade de armazenamento (alto custo por Mega-Byte)

Marco Guimarães – 1º Módulo Página 11


Informática para Concurso – Módulo 01

Marco Guimarães
• Tempo curto de armazenamento
• Acesso rápido aos dados
• Volátil (apaga-se com a falta de energia elétrica)
• A memória principal se divide em duas unidades de armazenamento: ROM e RAM.

Memória ROM (Read only Memory)


Apesar de termos dito logo acima que a memória principal é volátil, vale salientar que uma pequena parte dela já
vem gravada de fábrica e não pode ser alterada pelo processador.
Estamos falando da ROM. É uma memória não volátil e só acessada para leitura.
Utilizada para inicialização do sistema: a maioria dos programas existentes na memória ROM é responsável pelo
controle das operações de cada periférico do sistema.
Alguns inconvenientes da ROM são:
• Alto custo para gravação
• Se houver erro de gravação na fabricação, a ROM fica inutilizada.

Variações da Memória ROM


PROM Programable ROM. Dados só podem ser gravados após manufatura da ROM, sendo necessário
equipamento especial para gravação.
EPROM Eraseble Programable ROM. Dados são gravados de modo semelhante à PROM e podem ser
apagados tornando-a reutilizável.
EAROM Electrically Alterable ROM. Dados são gravados sem apagar conteúdo prévio. São necessários
circuitos especiais para gravação. Perde conteúdo lentamente após cada operação de leitura.

Memória RAM - (Random Access Memory)


Tipo de memória que pode ser gravada e lida a qualquer momento. É uma
memória volátil, portanto necessita de corrente elétrica para ser utilizada.
Uma prova concreta de que isto ocorre de fato pode ser observada em fatos
corriqueiros de nossas vidas.
Alguma vez você já perdeu todo ou parte de um texto que estava para ser finalizado, não fosse uma indesejável
queda de corrente elétrica?
Isto poderia ter sido evitado se você tivesse o cuidado de gravar a cada minuto o seu texto. Como a RAM é uma
memória volátil, a cada gravação, uma versão de seu trabalho iria sendo armazenada na memória auxiliar
(winchester), evitando a perda total do seu trabalho.
Ao inicializar o sistema, programas da ROM são carregados na RAM, para que possam ser executados, e em
seguida é solicitado o carregamento do sistema operacional, programa sobre o qual falaremos mais tarde.
A partir do momento em que o sistema operacional está em operação, toda e qualquer informação digitada ou
processada passa necessariamente pela memória RAM.

Memória Auxiliar
Por ser uma memória não volátil, tem como objetivo o armazenamento de dados por tempo indefinido.
Voltando ao exemplo dado, quando falamos de memórias voláteis e não voláteis, a memória auxiliar seria a
nossa agenda, a qual recorreria sempre que nos faltasse memória.
No computador, os meios mais usados como memória auxiliar são os disquetes, fitas magnéticas, discos ópticos,
discos rígidos (winchester), etc. Esses dispositivos já foram estudados anteriormente, lembra?

Marco Guimarães – 1º Módulo Página 12


Informática para Concurso – Módulo 01

Marco Guimarães
Unidade Central de Processamento - CPU
Funciona como o "cérebro eletrônico" do computador, pois ela é a responsável pela execução de todas as
instruções do sistema, consequentemente, pelo processamento das informações.

Unidade de Controle - UC
É responsável pela sincronização e ordenação das etapas a serem executadas. Seu elemento básico é o "clock",
equipamento interno que indica, em MHz, a velocidade de execução do processador.
Processador, no caso de mainframes, e microprocessador, no caso de microcomputadores, é um conjunto de
circuitos eletrônicos capaz de executar seqüencialmente um conjunto de instruções e controlar diversas unidades
auxiliares de comunicação e armazenamento.

Passos seguidos (algoritmo) pela Unidade de Controle:


• Pegar instruções da memória
• Identificar a operação desejada pela instrução
• Se necessário, pegar dados na memória;
• Efetuar a operação desejada usando os componentes apropriados
• Verificar se a operação foi bem sucedida;
• Armazenar o resultado na memória, se necessário.

Unidade Lógica e Aritmética - ULA


Componente da CPU que efetua operações aritméticas e lógicas sobre dados, segundo as instruções enviadas
pela unidade de controle.
Exemplo:
INSTRUÇÕES TIPO Responsável
"Leia" dados do teclado Fluxo de Dados UC
Multiplique "A" por "B" Aritmética ULA
Se valor "X" maior que "Y" Lógica ULA
Enquanto A<B faça instruções 4, 5, 6, 7, e 9 Desvio Lógico UC + ULA

Registradores
Memória temporária e interna da CPU, utilizada como auxílio às operações executadas na mesma. É uma
memória cara e muito veloz. Podemos comparar registradores com pequenas memórias RAM de apoio às

Marco Guimarães – 1º Módulo Página 13


Informática para Concurso – Módulo 01

Marco Guimarães
operações inerentes à UC e a ULA, entretanto é importante salientar que a memória RAM não utiliza
registradores para armazenar dados dos usuários.
Apenas as operações básicas (transparentes aos usuários e programadores) são executadas em registradores.
Os registradores podem ser:
• Acumuladores
• Apontadores de Programas
• Apontadores de Pilha
• Registradores auxiliares e de índices.

Ciclos do Processador

Busca Tempo gasto pela UC para buscar e decodificar uma instrução.


Execução Tempo gasto pela UC e ULA para executarem uma determinada instrução
Acesso à memória Tempo gasto em copiar dados da memória para o computador ou vice-versa.

Barramentos - ("BUS")

Estrutura externa da CPU, que funciona como via de conexão entre os diversos componentes do sistema de
computação.

Entendendo o Software

Para que servem os Programas?


O computador não passa de uma máquina, que sem programas não é capaz de fazer absolutamente nada.
Funcionaria como um ser humano numa vida vegetativa.
Nós, seres humanos, vivemos programando e reprogramando nossas mentes desde que nascemos. Quando
somos crianças aprendemos nosso idioma. Quando crescemos aprendemos a fazer contas, pelo menos para
lidarmos com dinheiro, e ao longo da vida estamos sempre aprendendo alguma coisa nova. Sem isso, nós
seríamos uns meros objetos.
Todo processo de aprendizado corresponde a um conjunto de programas que nos deixam capacitado a executar
uma enorme gama de atividades físicas e mentais.
Da mesma forma, o computador precisa ser programado para realizar tarefas, instruído passo a passo quanto ao
que deve ser feito para atingir um determinado objetivo.

Tipos de Softwares
Assim com o Microsoft Word, todos os programas carregados na memória RAM sempre processam os dados que
digitalizamos para dentro do computador. A única diferença está no tipo de dado que entra (texto, número, som,

Marco Guimarães – 1º Módulo Página 14


Informática para Concurso – Módulo 01

Marco Guimarães
imagem...) e no tipo de processamento que é realizado sobre esses dados. Isto varia de acordo com
o objetivo de cada software.

Software Básico
Constitui o conjunto de programas que executa as instruções básicas de cada máquina, tornando sua utilização
muito menos complexa: os sistemas e ambientes operacionais, por exemplo.

Software Utilitário
Dirigido a aplicações genéricas como por exemplo: gerenciadores de arquivos, processadores de textos, planilhas
eletrônicas, linguagens de programação (compiladores e interpretadores), etc.

Software Aplicativo
Dirigido às aplicações específicas, como: contabilidade, recursos humanos, estoque, etc.

Dados
São os produtos da geração dos programas (demais softwares). Como exemplos de dados, podemos citar:
textos gerados por um software processador de textos, tabelas geradas por um software de planilha eletrônica,
bancos de dados tratados por um gerenciador de bancos de dados, projetos arquitetônicos gerados por um
software de CAD (Computer Aidded Designer), entre muitos outros.

Sistemas Operacionais (S.O.)


Sistema Operacional é um programa, ou conjunto de programas, com o objetivo de agir como interface entre o
usuário e o hardware, e entre o hardware e outros softwares.
O sistema operacional - SO gerencia os recursos de hardware e software, criando uma interface de alto nível
entre o homem e a máquina. O SO começa a entrar em execução assim que o computador é ligado, e só sai do
ar quando o computador é desligado.

Marco Guimarães – 1º Módulo Página 15


Informática para Concurso – Módulo 01

Marco Guimarães
Barramentos ISA, PCI, AGP
Barramentos são, basicamente, um conjunto de sinais digitais com os quais o processador comunica-se com o
seu exterior, ou seja, com a memória, chips da placa-mãe, periféricos, etc.
ISA, que apesar de não ser mais utilizado com freqüência, esteve presente na maior parte dos computadores, o
barramento PCI e o AGP, que é usado exclusivamente para vídeo. Para que os periféricos (placas em geral)
possam usar esses barramentos, é necessário que cada placa (de vídeo, de som, modem, etc) seja compatível
com um determinado tipo de barramento. Sendo assim, para que haja o uso do mesmo, é necessário encaixar a
placa num conector presente na placa-mãe, conhecido por slot. Cada barramento, possui um forma de slot
diferente, que será conhecida adiante.
Barramento ISA
O Barramento ISA (Industry Standard Architecture) é formato por slots que trabalham com 8 e 16 bits por vez.
Além disso, em placas-mãe antigas, o barramento ISA era usado internamente para a comunicação entre o
processador e alguns chips presentes na placa-mãe.

Barramento PCI
Criado pela Intel na época do desenvolvimento do processador Pentium, o barramento PCI (Peripheral
Component Interconnect) é utilizado até hoje. O motivo de tanto sucesso se deve à capacidade do barramento de
trabalhar a 32 ou 64 bits, o que oferecia altas taxas de transferência de dados. Só para dar uma noção, um slot
PCI de 32 bits pode transferir até 132 MB por segundo. O PCI também foi considerado "revolucionário" por
suportar, até então, o poderoso recurso Plug and Play (PnP), que permitia que a placa instalada num slot PCI
fosse automaticamente reconhecida pelo computador. Hoje em dia, os slots PCIs são usados por vários tipos de
periféricos, como placas de vídeo, de som, de rede, modem, adaptadores USB, enfim.

Barramento AGP
Visando obter uma maior taxa de transferência entre a placa-mãe e as placas de vídeo (principalmente para uma
melhor performance nas aplicações 3D), a Intel desenvolveu um barramento especialmente desenvolvido para a
comunicação com o vídeo: o barramento AGP (Accelerated Graphics Port).

Cartão de PC ou cartão de PCMCIA


Personal Computer Memory Card International Association. Padrão de dispositivos de informática do tamanho
médio de um cartão de crédito e utilizado para conectar ou substituir outros dispositivos em Computadores
Portáteis (notebooks).

Marco Guimarães – 1º Módulo Página 16


Informática para Concurso – Módulo 01

Marco Guimarães
Exercício
1. O que é Modem? a) Limpeza do Drive de CD-Rom
b) Armazenar e transportar dados
a) Dispositivo permite ao microcomputador c) Guardar informações enquanto o computador
comunicar-se com outros computadores está ligado
através de linhas telefônicas ou cabos. d) Armazenar dados durante uma operação
b) Dispositivo que permite a cópia de arquivos e e) N.D.A.
programas que estão na Internet para o
computador. 7. Qual a alternativa correta?
c) Dispositivo que permite a cópia de arquivos
de segurança automaticamente. a) O Fax-modem é um periférico apenas de
d) Dispositivo que controla o acesso aos entrada
recursos de uma rede, como diretórios e b) A Impressora é um periférico de Entrada e
impressora. Saída
e) Nenhuma das alternativas anteriores. c) O mouse é um periférico de saída
d) O Drive de 3,5” é um periférico de entrada e
saída
2. O que se entende por hardware? e) N.D.A

a) Instruções que permitem que o computador 8. Qual a menor Informação que um computador
execute determinada tarefa pode armazenar?
b) É a parte mecânica e física do computador,
com seus componentes eletrônicos. a) 01 Byte
c) Resultado da transformação dos dados em b) 01 Gigabyte
algo útil para o usuário c) 01 bit
d) É o conjunto de programas operado por d) 01 Megabyte
usuário devidamente treinado e) N.D.A
e) Nenhuma das alternativas anteriores
9. Quais as etapas do processamento de dados
(PD)?
3. Como é denominado o periférico de entrada
destinado a converter imagens e textos em um a) Processamento – saída – armazenamento
formato digital? b) Processamento – entrada – armazenamento
c) Saída – Processamento – impressão
a) Scanner d) Entrada – Processamento – saída
b) Keyboard e) N.D.A
c) Impressora
d) Modem 10. Programa é:
e) Nenhuma das alternativas anteriores
a) Um conjunto de dados classificados em
ordem Alfabética.
4. Como é formado o Sistema Computacional? b) Um conjunto de Bytes formando uma frase
c) Um conjunto de dados ordenados
a) Hardware, Software e Bios. numericamente
b) Hardware, Bios e Periféricos. d) Um conjunto de bits formando um Byte
c) Hardware, Software e Peopleware. e) Um conjunto de comandos ordenados
d) Memória RAM e ROM. logicamente
e) N.D.A.
11. Complete:
5. Qual a Memória Principal do Computador?
A memória _______ é um tipo de memória que
a) Bios pode ser _________ e ___________ a qualquer
b) A Memória ROM momento.
c) Memória Cache É uma memória _______, portanto ______ seu
d) Memória RAM e ROM conteúdo com ausência de corrente elétrica.
e) N.D.A.

6. Qual a finalidade do Disquete? a) PROM, LIDA, GRAVADA, VOLÁTIL, NÃO


PERDE.

Marco Guimarães – 1º Módulo Página 17


Informática para Concurso – Módulo 01

Marco Guimarães
b) ROM, LIDA, NÃO GRAVÁVEL, a) Monitor de Vídeo
VOLÁTIL, PERDE. b) Impressora laser
c) RAM, LIDA, GRAVADA, VOLÁTIL, PERDE. c) Impressora Jato de Tinta
d) SECUNDÁRIA, LIDA, GRAVADA, VOLÁTIL, d) Mouse
PERDE. e) Drive de CD-ROM
e) RAM, LIDA, GRAVADA, NÃO VOLÁTIL, NÃO
PERDE.
18. Você está querendo enviar uma velha fotografia já
12. Bytes são: impressa, para um parente que está distante, qual
periférico será necessário para colocar esta foto
a) Conjunto de microships destinados ao
dentro do computador:
armazenamento de dados óticos.
b) Conjunto de sinais binários que formam os a) Impressora colorida
caracteres para o computador. b) Mouse
c) Elementos conectores de cabos coaxiais para c) Teclado
redes padrão ethernet. d) Scanner
d) Conjunto de 13 bits e) Drive de Disquete
e) É o mesmo que bit

13. Quantos Bits são necessários para formar 01 19. Qual a finalidade do Windows:
byte?
a) Editar textos
a) 16 bits b) Servir de plataforma para aplicativos
b) 12 bits c) Editar Planilhas Eletrônicas
c) 32 bits d) Desenvolver Projetos Empresariais
d) 64 bits e) N.D.A
e) 08 bits
20. Qual o tipo de leitura das fitas magnéticas:
14. O dispositivo que permite a conecção de
a) Acesso Direto
computadores em longas distancia através de
b) Acesso Único
uma linha telefônica é o (a):
c) Acesso Randômico
d) Acesso Seqüencial
a) Placa de Rede e) N.D.A
b) Modem
c) Porta serial 21. Após o usuário ter formatado o seu disco flexível
d) Porta paralela 3,5” (Disquete) através do Windows XP, qual a
e) Placa de Som sua capacidade de armazenamento.

15. Em um computador, o local onde os dados são


a) 2.30 Mb
manipulados é denominado:
b) 3.5 Mb
a) BIOS c) 1.38 Mb
b) Barramentos d) 1.55 Mb
c) Memória e) 1.20 Mb
d) CPU
e) Periférico 22. Qual o aparelho ligado ao computador que evita
uma queda direta de energia, podendo causar a
perca de dados e até queimar o computador.
16. Nos microcomputadores atuais, normalmente, o
a) No-break
microprocessador é:
b) Estabilizador
a) A própria placa-mãe c) Filtro de Linha
b) Um componente fixo da placa mãe d) Aterramento Eletrônico
c) Montado numa placa de escansão e) N.D.A
d) Montado direto num barramento da placa-mãe
e) Montado num soquete da placa-mãe

23. Qual dos itens abaixo não se enquadra na


17. Um exemplo de periférico de entrada para categoria de Software (programas)?
Ambiente Gráfico é o (a): a) Sistemas operacionais.

Marco Guimarães – 1º Módulo Página 18


Informática para Concurso – Módulo 01

Marco Guimarães
b) Aplicativos. c) 700 Mb e 4.7 Gb
c) Utilitários. d) 700 Mb e 7.2 Gb
d) Adaptadores de rede. e) 750 Mb e 4.5 Gb

24. O tipo de memória que perde o seu conteúdo 31. A principal diferença entre dois processadores, um
quando o computador é desligado é: deles equipado com memória cache e o outro
não, consiste na:
a) BIOS;
b) BOOT;
c) EPROM; a) Capacidade de armazenamento na memória
d) RAM; RAM.
e) ROM. b) Velocidade final de processamento.
c) Velocidade de acesso à memória RAM.
25. Medida pela qual os bits de dados são d) Velocidade de acesso ao disco rígido.
transmitidos através de um meio de comunicação. e) Capacidade de solução de operações
matemáticas.
a) Bit
b) Byte
32. Um componente de hardware do
c) Vps
microcomputador classificado como periférico é:
d) Bps
e) Nenhuma das alternativas anteriores.
O processador.
26. Qual das alternativas abaixo não é um sistema O disco rígido.
operacional? A placa de rede.
A memória RAM.
a) PageMaker. A impressora.
b) DOS
c) Windows XP
33. A guarda permanente e adequada das
d) UNIX
informações, rotineiramente trabalhadas em um
e) Nenhuma das alternativas anteriores
microcomputador, deve ser feita gravando os
dados:
27. Qual dos softwares abaixo se refere a banco de
dados? Na CPU.
Na memória RAM.
a. Word Na memória EPROM.
b. Excel Em uma mídia rígida ou removível.
c. Access Na memória ROM.
d. PowerPoint
e. Nenhuma das alternativas anteriores.
34. As placas de rede normalmente utilizadas em
Notebooks e Handleds denominam-se:
28. A capacidade de armazenamento de um CD é
equivalente à capacidade de cerca de: a) PCI
b) PCMCIA
c) AGP
a) 40 disquetes. d) ISA
b) 500 disquetes. e) COMBO
c) 230 disquetes.
d) 20 disquetes.
e) 3000 disquetes.
35. Entre as partes mais importantes de um sistema
computacional estão os dispositivos que permitem
29. Em um disquete de 1,44 MB, é possível ao usuário salvar os seus trabalhos. Dispositivos
armazenar: desse tipo são chamados de meios de
a) 01 arquivo de 0,5 GB armazenamento. Considerando os meios de
b) 06 arquivos de 300 KB armazenamento existentes, analise as seguintes
c) 10 arquivos de 2MB afirmações:
d) 30 arquivos de 15 KB
e) 40 arquivos de 1MB
1. Podemos descrever o disco rígido como uma
30. Qual a capacidade do CD-ROM e do DVD câmara selada contendo uma pilha de pratos
respectivamente: de metal que gira sobre um eixo.
a) 700 Mb e 1400 Mb 2. Os discos Rígidos e o CD-ROM são
b) 750 Mb e 7000 Mb dispositivos ópticos que possuem
Marco Guimarães – 1º Módulo Página 19
Informática para Concurso – Módulo 01

Marco Guimarães
capacidades de armazenamento instalação de dispositivos, tais como:
superiores aos disquetes. placas de memória, placas de periféricos,
etc.
3. Podemos comparar a capacidade de
armazenamento de dois dispositivos II. Memória existente nos
diferentes através de suas dimensões físicas. microcomputadores que não perde as
O dispositivo que tiver a maior dimensão informações quando este é desligado,
possuirá a maior capacidade de sendo, portanto, utilizada para guardar os
armazenamento. códigos básicos de operação do
4. De forma similar ao disco fonográfico, existe equipamento e suas rotinas de
no disco óptico uma trilha contínua onde os inicialização e auto-teste, que não podem
dados são armazenados. Essa trilha é muito ser alteradas.
longa e na forma de aspiral, ocupando desde
as proximidades do centro do disco até a sua III. Dispositivo de entrada que captura
margem. imagens, fotos ou desenhos, transferindo-
os para arquivos gráficos armazenáveis
Assinale a alternativa correta: no computador.

a) Apenas as afirmações 1 e 2 estão corretas.


b) Apenas as afirmações 2 e 3 estão corretas. Essas definições correspondem, correta e
c) Apenas as afirmações 2 e 4 estão corretas. respectivamente, a:
d) Apenas as afirmações 1 e 4 estão corretas.
e) Apenas as afirmações 3 e 4 estão corretas. a) Slot, BIOS e OCR.
b) Sparc, RAM e digitalizar.
c) PCC, ROM e OCR.
36. O hardware dos sistemas computacionais é d) Slot, ROM e scanner.
composto por um conjunto bem definido de e) BIOS, RAM e scanner.
dispositivos e unidades. Qual das alternativas
abaixo NÃO é exemplo de dispositivos de entrada
ou de saída de um computador?

a) teclado
b) mouse
c) impressora
d) modem
e) CPU

37. O termo Barramento refere-se aos contatos


físicos que transportam sinais entre o processador
e qualquer dispositivo periférico. Atualmente,
existe um padrão de barramento de dados que
permite a conexão de vários periféricos externos
ao computador, através de uma única interface e
um único protocolo, eliminando a necessidade de
instalação e configuração de placas extras. Trata-
se do barramento

a) PCI.
b) USB.
c) SCSI.
d) DDR.
e) ISA. "Somos a soma de tudo o que fazemos, mas somos, acima de tudo,
o que fazemos para mudar o que somos"
– Eduardo Galeano, Historiador.
38. Analise as três definições abaixo:

I. Conector acoplado à placa-mãe de um


microcomputador, disponível para
Marco Guimarães – 1º Módulo Página 20