Vous êtes sur la page 1sur 28

Carta aberta

Olá, amigos,

Espero que estejam todos bem trimestre estudaremos

quando receberem esta revista. Neste

a pequena, mas profunda

Carta de Tiago. O

fato

de ter apenas cinco capítulos faz

com que seja

possível ler a carta várias

vezes durante esses três meses. Sugiro que você leia sempre com um lápis ou marca-texto junto para sublinhar e destacar aquilo que lhe chamar a

atenção. Uma outra dica é ter um caderno para anotações também.

Sabemos que toda a Bíblia é um manual para nossa vida e os textos

nos ensinam como uma pessoa temente a

Deus precisa viver.

A Carta de

Tiago deixa bem claro

o dever de todo cristão

de praticar aquilo que prega.

Espero que você e eu possamos

aprender muitas coisas com Tiago.

Na segunda parte da revista – vontade de Deus”, “A doutrina das

DCC – discutiremos três temas: “A

últimas coisas” e “Reflexões para

o final

de ano”. Aproveite esses estudos em sua

União de adolescente ou

grupo

de

estudos semanais.

um Atendendo passatempo ao baseado pedido na de Carta uma carta, de Tiago. nesta Na revista seção disponibilizamos Letras e Músicas

sugerimos uma banda de rock cristão para desse estilo musical.

atender aqueles que gostam

Se você tem alguma sugestão para

a revista, que é a sua revista, escreva Nossa intenção é que a revista seja

para nós. Pode

ser por carta ou e-mail.

feita para você e por você.

Que Jesus, que mostrou por esse trimestre.

na prática tudo aquilo que ensinou,

nos guie

Abração.

Carlos Daniel

e ação

Diálogo

Revista do adolescente cristão 4T11 ISSN 1984-8595

a adolescentes (12 a 17

revista destinada

Esta é uma

anos), contendo lições para a Escola Bíblica Dominical

e estudos para a União de adolescentes (Divisão de

Crescimento Cristão), passatempos bíblicos e outras

favorecem o crescimento do adolescente

matérias que

nas mais diferentes áreas

JUERP

da

trimestral

Publicação

79 – e Publicações

– Religiosa

de Educação

Junta

Brasileira

Batista

Convenção

da

Santos

Mancebo Reis, Gilton M. Vieira, Ivone Boechat

de Oliveira, João Reinaldo Purim, José A. S. Bittencourt, Lael d’Almeida, Margarida Lemos

Pedro Moura, Roberto A. Souza e

Cardoso A. dAlmeida (RP/16897)

Distribuição

e Consultoria Editorial Ltda.

Marketing

EBD–1

Caixa Postal 28.506 CEP 21832-970

Fax: 0800 21 6768

Tel.: (21) 2104-0044

distribuidora@ebd-1.com.br

E-mail: pedidos@ebd-1.com.br

Expediente

Francisco

CGC (MF) 33.531.732/0001-67 Out.Nov.Dez. 2011 Ano N° 320 Endereços Caixa Postal 320 – Rio de
CGC
(MF)
33.531.732/0001-67
Out.Nov.Dez.
2011
Ano
320
Endereços
Caixa Postal 320 – Rio de Janeiro,
RJ
200001-970 – Tel.: (21) 2298-0960 e
Telegráfico:
BATISTAS
2298-0966 editora@juerp.org.br
Eletrônico:
Site: www.juerp.org.br
Direção Geral
Almir dos
Santos Gonçalves Júnior
Conselho Editorial
Carrie
Lemos Gonçalves,
Celso Aloísio
Barbosa, Ebenézer S. Ferreira,
Gonçalves,
Silvino C. F. Netto
Coordenação Editorial
Solange
Redação
Carlos Daniel
Conselho Geral da CBB
Sócrates Oliveira de Souza
Produção Editorial
Studio Anunciar
Imagens (www.sxc.hu)
“Viabilizar a
Produção Gráfica
Willy Assis Produção Gráfica

Nossa missão:

cooperação entre as igrejas batistas

no cumprimento

da sua missão

como comunidade local”

2 2
2
2

Diálogo Diálogo e e Ação Ação Aluno Aluno

Sumário
Sumário

Sumário

1 Carta aberta 4 Conectando 5 Desenhos da galera Soltando o verbo Estudo Passatempo especial
1
Carta aberta
4
Conectando
5
Desenhos da galera
Soltando o verbo
Estudo Passatempo especial
6
9
10
Abertura do trimestre
– EBD
16
EBD – Tema do trimestre: Fé
e Comportamento – Carta de Tiago
EBD 1 – Conhecendo a Carta de Tiago 17 EBD 2 – O sabor da
EBD 1 – Conhecendo
a
Carta de Tiago
17
EBD 2 – O sabor
da vida
21
EBD 3 – O que
vem de Deus
24
EBD 4 – Chega de
aparências
28
EBD 5 – Sem preconceito
31
EBD 6 – Chega de palavras
34
Meu
mal
EBD 7 – Meu bem
EBD 8 – A ética de
37
Deus
40
EBD 9 – Humanos ou
semideuses?
44
EBD 10 – A hora
da verdade
48
não, não
EBD 11 – Sim, sim;
52
EBD 12 – A vida
em comunidade
56
EBD 13 – Eles também
são humanos
59
Entre as letras 63 Abertura do trimestre – DCC 64
Entre as letras
63
Abertura do trimestre –
DCC
64
Unidade 1 – A vontade de Deus A vontade de Deus é para todos 65
Unidade 1 – A vontade
de Deus
A
vontade de Deus é para todos
65
A
vontade de Deus é a melhor opção
67
Caminho da revolução
69
Unidade 2 – A doutrina Quando será o fim? As promessas do Senhor das últimas
Unidade 2 – A doutrina
Quando será o fim?
As promessas do Senhor
das últimas coisas
71
73
Preparando-se para o fim
75
A nova esfera de vida
77
Unidade 3 – Reflexões de final de ano O Tempo de da novos Bíblia desafios
Unidade 3 – Reflexões
de final de ano
O Tempo
de da novos Bíblia desafios
79
valor
81
As
oportunidades
passam
83
Por que celebrar o Natal
85
Avaliando o tempo que passou
Letra e música
87
89
Cantinho do poeta
Para ser sal
Pra pensar
90
93
96
4 o Trimestre – 2011 3
Conectando
Conectando

Conectando

Conectando
Conectando

Aproveitamos o espaço disponível, nesta edição, para sugerir alguns sites.

PODCAST DO JV NA ESTRADA

www.jvnaestrada.com

Ligados ao ministério Jovens da Verdade, de SP, o ‘JV na Estrada’ produz um programa de rádio para internet, conhecido como podcast. No site deles você pode ouvir os programas ou fazer o download, em mp3, para ouvir depois.

ADOLECRENTES NO IRMÃOS.COM

www.irmaos.com

O site irmaos.com foi ao ar pela primeira vez em Abril

de 1998 com modestas páginas que visavam apenas

divulgar eventos da igreja onde seu idealizador, Pau- linho Degaspari, se reunia. No entanto ele viu a pos- sibilidade de expandir a visão e, com a aprovação de Deus e a ajuda de muitos colaboradores, transformou

a

“homepage ” num grande portal de artigos, notícias

e

variedades ligados ao universo cristão. O site tam-

e variedades ligados ao universo cristão. O site tam- bém disponibiliza um podcast que pode se
e variedades ligados ao universo cristão. O site tam- bém disponibiliza um podcast que pode se

bém disponibiliza um podcast que pode se ouvir onli - ne ou baixa-lo em mp3. Vale a pena conferir a coluna Adolecrentes do site.

PRAZER DA PALAVRA

www.prazerdapalavra.com.br

Para quem gosta de estudar a Bíblia e ampliar seus conhecimentos das Escrituras, vale a pena freqüentar

o site do pastor Israel Belo de Azevedo, onde ele publi- ca todas suas mensagens e reflexões.

4 4 4
4
4
4

Diálogo e Ação Aluno

Diálogo e Ação Aluno

Diálogo e Ação Aluno

ca todas suas mensagens e reflexões. 4 4 4 Diálogo e Ação Aluno Diálogo e Ação
Desenhos da galera Se você tem algum desenho e gostaria de compartilhar, envie-nos um email:
Desenhos da galera
Se você tem algum desenho e gostaria de compartilhar,
envie-nos um email: editora@juerp.org.br
Este trimestre temos um desenho preparado pelo Marcus,
da Igreja Batista Redenção em Goiânia, GO. Parabéns, Marcus!
da Igreja Batista Redenção em Goiânia, GO. Parabéns, Marcus! 4 4 o Trimestre – 2011 Trimestre
da Igreja Batista Redenção em Goiânia, GO. Parabéns, Marcus! 4 4 o Trimestre – 2011 Trimestre

4

4 o Trimestre – 2011

Trimestre – 2011

o

5 5
5
5

Olá,

meu nome

é Júlia, e tenho 10

anos. Nunca tinha mandado

um e-mail para

vocês,

mas gostaria de

parabenizá-los

pela nova

revista. Li e gostei muito dos conteúdos etc.

Sou júnior. Sei que ain-

da

não posso

participar

dessa classe, mas aconteceu assim:

mãe

minha

era professora de minha

classe e eu estudava

com ela

“Vivendo”, que é

a revista

dos pré-adolescentes. Só que o problema era que

era aluna

eu

dessa classe. Então,

foi decidido que eu poderia ficar na

classe da

revista “Diálogo e

Ação” e,

por isso, faço parte

dessa classe.

Na

próxima revista

“Diálogo e Ação”, se vocês puderem, mandem

também

um passatempo, ok?

Obrigada. Beijos a

toda produção.

Júlia Freitas

Nascimento, 10 anos

Soltando o verbo
Soltando o verbo
Soltando o verbo
Soltando o verbo

Soltando o verbo

Neste espaço, você tem a chance de dizer para o Brasil o que pensa. Adolescentes, como você, irão refletir sobre o que você

diz e emitir, também, a sua opinião.

Gratidão e parabenização
Gratidão e parabenização

PIB de Rio

das Ostras,

RJ

RESPOSTA: Olá,

Júlia, obrigado por nos escrever.

Sua carta nos alegrou porque

todos pertencemos ao reino

de

Deus, independentemente da

nossa idade.

edição atendemos seu pedido

Nesta

e colocamos um passatempo.

Esperamos que goste.

Abração e que a paz de Jesus, que não

olha para a nossa idade, mas

corações, seja

para nossos

com você.

Compartilho as fotos do Ministério de Adolescentes

da Primeira Igreja

Batista de Amelia Rodrigues,

BA. Foram da peça sobre

Missões Mundiais

e do passeio no Parque da Cidade em Feira de Santana,

BA.

Souza Crescencio

Joacy
Joacy
Foram da peça sobre Missões Mundiais e do passeio no Parque da Cidade em Feira de
Foram da peça sobre Missões Mundiais e do passeio no Parque da Cidade em Feira de

RESPOSTA: Olá, Joacy, obrigado por compartilhar

o que Deus

tem feito aí em Feira de

Santana. Desejamos que

Deus continue abençoando

essa turma tão bonita.

Abração.

Sou Grazziela Lanzetti Ayres Faria, tenho 14 anos e sou da classe de

Meus profes-

Iguaba Grande.

Adolescentes da Primeira Igreja Batista em

ela muito boa.

Gosto dessa revista, acho

sores são Josué e Luiz Henrique.

e de Deus. Eu a leio todinha e faço

mais da Bíblia

Com ela eu aprendo

as leituras diárias. Vou ser sempre crente. A paz do Senhor.

Grazziela Igreja Batista em Iguaba Grande, RJ

1a.

obrigado por sua cartinha e pelos elogios feitos à revista.

RESPOSTA: Olá, Grazziela,

Bíblia e de

Nos alegramos que por meio da revista você esteja aprendendo mais da

mais feliz foi a sua afirmação de que será sempre crente.

Deus, mas o que nos deixou

Abração!

esteja com você também.

Que a paz do Senhor

Graça e paz ! Sou Luciani, professora da EBD da classe de Adolescentes da PIE
Graça e paz ! Sou Luciani, professora da EBD da classe de Adolescentes da PIE

Graça e paz ! Sou Luciani, professora da EBD da classe de Adolescentes da PIE

Batista em Pindamonhangaba, SP. Gostaria de compartilhar com os amados minha

alegria em relação aos estudos da revista do 2º Trimestre/2011, Profetas Menores.

Durante o estudo da mesma tentei, de forma lúdica e didática, contextualizar as

profundas lições deste trimestre . A cada domingo, como fruto do estudo, fizemos

maquetes, carta à igreja (livro de Ageu) , letra de um rap (Injustiça social ) e,

como resultado disso tudo , montamos uma exposição no hall de nossa igreja a

fim de compartilhar com os membros essas preciosas lições. Desta forma quero

agradecer a Deus e aos amados irmãos pelas inspirações, cuidado e criatividade

no preparo da revista. Que nosso Deus continue abençoando a cada um de vocês

que dedicam suas vidas na obra do Senhor. Fraternalmente em Cristo.

Luciani Macca Alves Rodrigues/Andressa Alves Marinho/Olívia Borim

(professoras da classe de adolescentes)

Resposta: Olá, Luciani, obrigado por compartilhar a inspiração que Deus tem lhe dado aí com sua classe de adolescentes. Temos certeza que cada esforço valeu a pena e os adolescentes puderam melhor assimilar os estudos. Publicamos duas fotos aqui na revista do aluno e mais duas na revista do professor. Deus abençoe você, sua equipe e seus alunos.

Querido adolescente

Envie sua carta para Caixa Postal 320 – Rio de Janeiro, RJ CEP 20001-970 ou seu e-mail para editora@juerp.org.br

8 8
8
8

Diálogo Diálogo e e Ação Ação Aluno Aluno

Encontre as palavras em negrito:
Encontre as
palavras em negrito:

Passatempo

“Está alguém entre vós aflito? Ore. Está alguém CONTENTE? can- te louvores.

Está alguém entre vós DOENTE? chame os PRESBÍTEROS da igreja, e orem sobre ele, ungindo-o com ÓLEO em nome do Senhor.

E a oração da fé salvará o doente; o Senhor o levantará; e se houver

cometido pecados, ser-lhe-ão perdoados. Portanto confessai os vossos pecados uns aos outros, e ORAI uns pelos

outros, para serdes curados. A oração de um justo é poderosa e eficaz. Elias era homem sujeito às mesmas paixões que nós, e orou com fervor para que não CHOVESSE, e durante três anos e seis meses não choveu sobre a terra.

E orou outra vez, e o céu deu chuva, e a terra produziu o seu fruto. Meus

irmãos, se alguém dentre vós se desviar da verdade, e alguém o CONVERTER, sabei que aquele que fizer converter um pecador do erro do seu caminho, salvará da morte uma ALMA, e cobrirá uma MULTIDÃO de pecados”. Tiago 5.13-20

O

B

O

D

B

I

L

O

U

V

R

E

S

O

H

C

P

L

X

W

N

L

J

F

P

A

T

S

S

O

Z

E

N A

G

A

C

O

N

T

E

N

T

E

N

E

T

N

O

C

K

L

R

O

H

E

S

A

E

L

E

G

V

E

E

R

L

I

B

U

J

E

D

S

E

S

O

U

E

R

H

N

R

V

Y

P

E

G

O

H

J

E

M

D

P

O

U

O

A

P

W

Y

P

K

T

E

X

T

S

O

P

O

Q

T

O

H

J

T

W

D

E

O

X

O

A

P

W

K

O

Y

R

T

Y

E

N

B V

O

Q

L

N

D

O

E

N

T

E

B

Ã

K

A

L

M

A

R

H

E

I

P

E

S

S

E V

O

H

C

E

A

E

O

G

A

H

O

D

T

K

S

D

O

E

V

B

O

D

A

U

V

Q

O

G

U

O

T

V

W

E

D

K

W X

I

V

M

U

W

R

N

S

U

N

C

R

S

R

O

L

N

P

T

N

B

Y

O

R

A

I

N

T

S

J

T

R

O

E

I

O

C

E

A

H

I

N

L

Y

S

O

O

A

S

X

O

M

Y

Z

L

U

P

H

C

R

H

Z

P

I

A

Ã

E

O

I

W

N

C

A

C

Y

P

N

D

Q

X

O

U

W

K

C

P

N

C

O

N

T

E

N

T

E

O

H

C

Ç

E

N

Q

O

L

E

O

N

P

M

Y

4 o Trimestre – 2011 9

4

9
9

o

Trimestre – 2011

Imagem: www.sxc.hu (939607_39674404)

Estudo especial
Estudo especial

Estudo especial

Estudo especial

Equipe de música

Guitarra, instrumentos e culto

Quando era adolescente conheci um instrumento que me encantou: a guitarra elétrica. Se este sentimento, pela guitarra, também é o seu, gostaria de conversar um pouco sobre este singular instrumento no contexto da igreja, porque quando assistimos o Juninho Afram (Oficina G3) fazer seus solos nas canções, já pensamos logo em fazê-los também na igreja, mas será que é possível isso?

Muitos têm discutido e, muitas vezes, abolido o uso da guitarra elétrica no contexto da equipe de louvor. Tal situação é um reflexo da falta de conhecimento por parte dos instrumentistas, bem como do preconceito que os líderes formaram durante anos a respeito deste instrumento.

10 10
10
10

Diálogo e Ação Aluno Diálogo e Ação Aluno

A banda

Antes de comentarmos sobre o uso da guitarra elétrica vamos observar al- guns pontos importantes (no contexto da equipe de louvor):

O violão é um instrumento har- mônico (possibilita acompanhamen- to com harmonia, acordes), melódico (pode se fazer solo com ele, melodias) e percussivo (suas levadas, o uso de batidas percussivas, rasgueados etc.).

A guitarra (de corpo sólido) pos- sui a mesma funcionalidade do violão, mas possui menos recursos percussivos por se tratar de um instrumento de captação magnética.

O baixo funciona como um ins- trumento de base e proporciona gran- de sustentação. Ele dá corpo à música.

Há o uso de acordes no baixo, embora na maioria das vezes, esses acordes são arpejados a fim de não embolar o som. Também pode ser usado como instru- mento melódico.

A bateria funciona como um

instrumento percussivo, ela é respon- sável pela principal sustentação rítmica das músicas, entretanto, vários outros fatores contribuem para a rítmica da canção.

O piano é um instrumento mui-

to completo. Principalmente por sua grande tessitura, ele se torna muito versátil e muito útil. Pode funcionar como instrumento harmônico, me- lódico e podemos usar seus baixos para sustentação. O piano também

é considerado percussivo devido aos martelos que batem nas suas cordas para produzir o som.

aos martelos que batem nas suas cordas para produzir o som. Imagem: www.sxc.hu (1188156_47970163) 4 o

Imagem: www.sxc.hu (1188156_47970163)

que batem nas suas cordas para produzir o som. Imagem: www.sxc.hu (1188156_47970163) 4 o Trimestre –
que batem nas suas cordas para produzir o som. Imagem: www.sxc.hu (1188156_47970163) 4 o Trimestre –

4 o Trimestre – 2011 11

Junto e misturado

Dentro do contexto de equipe de louvor é necessária uma consciência básica de arranjo e bom senso na men- te de cada instrumentista. Com essa configuração de instrumentos (baixo, piano, bateria, violão, guitarra), que é a mais comum, vamos fazer algumas considerações importantes:

1) O piano é muito completo. Se tocado sozinho pode “dar conta do re- cado” no sentido de conduzir a música utilizando harmonia, melodia e ritmo.

2) Se tivermos um contrabaixo + piano já descartamos a necessidade

do uso dos baixos do piano, princi- palmente por poder embolar com os baixos do contrabaixo. 3) Se tivermos um contrabaixo + piano + bateria pode se afirmar que o pianista não precisa se preocupar tanto em segurar a base rítmica, portanto, fica mais livre pra fazer outras formas criati- vas de comping (acompanhamento).

4) Se tivermos um contrabaixo + piano + bateria + violão podemos dizer que a sustentação de baixos, a sustentação harmônica, rítmica e, dependendo da situação, a parte me- lódica já esta suprida. Com base nessas considerações, por que a guitarra é interessante na

considerações, por que a guitarra é interessante na Imagem: www.sxc.hu (654359_18902093) 12 12 Diálogo
considerações, por que a guitarra é interessante na Imagem: www.sxc.hu (654359_18902093) 12 12 Diálogo
considerações, por que a guitarra é interessante na Imagem: www.sxc.hu (654359_18902093) 12 12 Diálogo
Imagem: www.sxc.hu (654359_18902093) 12 12 Diálogo Diálogo e e Ação Ação Aluno Aluno
Imagem: www.sxc.hu (654359_18902093)
12
12
Diálogo Diálogo e e Ação Ação Aluno Aluno

equipe? Onde ela se encaixa? Como posso inserir a guitarra elétrica sem agredir a música? Precisamos inseri-la de forma coerente, consciente de seus recursos e com muito bom senso. A guitarra elétrica surgiu da necessi- dade de se amplificar o som dos violões. Essa evolução se deu de forma mais inci- siva no século passado. Mais tarde, Léo Fender desenvolveu a guitarra de corpo sólido (até então tínhamos as acústicas/ semi-acústicas) e a tecnologia nos pro- porcionoumuitosrecursoseincontáveis possibilidades “timbrísticas”. Então, dentre vários motivos, po- demos destacar o uso da guitarra por sua infinidade de timbres, e pela sua grande capacidade de ajudar na dinâ- mica musical. Observemos a equipe de louvor do Hillsong Church ou Vi- neyard – UK, por exemplo.

Na prática

Agora desejo propor algumas so- luções práticas no uso da guitarra em equipe de louvor:

Considerando que a equipe tenha baixo + piano + bateria + violão, o gui- tarrista deve fazer o acompanhamento numa região do braço diferente da que o violonista esteja usando. Exemplo de como esse acompanha- mento pode ser feito: uso de tensões dis- poníveis, inversões de tríades, inversão de tétrades, uso de fragmentos de escala junto com acordes, variações rítmicas etc.

Imagem: www.sxc.hu (954397_56844808)

Trimestre – 2011

4

o

4 o Trimestre – 2011

13 13
13
13

A guitarra é, muitas das vezes, usada pra fazer a ASSINATURA. Assinatura é uma pequena melodia que caracteriza a música. É pela assi- natura que muitas vezes conseguimos identificar a peça. A assinatura é com- posta de fragmentos melódicos que ornamentam e proporcionam uma MARCA à música. O uso de efeitos é muito desejável, mas deve-se ter sempre muito BOM SENSO. Geralmente, os efeitos são usados em PEQUENAS QUANTI- DADES.

O uso de distorção e overdrive são aceitáveis, mas deve-se ter bom senso sempre. Algumas perguntas precisam ser feitas: Qual é a proposta da música? Onde a dinâmica cresce? O volume está alto? Destaco aqui que o overdri- ve é uma distorção de pouco ganho e bem suave. Exemplos nas músicas de bandas como Vineyard, Hillsong (em algumas músicas), U2. Já as distorções são mais pesadas em canções de Satria- ni, Steve Vai, André Valadão, Oficina G3. Aconselho o uso de overdrive em músicas congregacionais.

"A guitarra elétrica surgiu da necessidade de se amplificar o som dos violões. Essa evolução se deu de forma mais incisiva no século passado. Mais tarde, Léo Fender desenvolveu a guitarra de corpo sólido (até então tínhamos as acústicas/semi-acústicas) e a tecnologia nos proporcionou muitos recursos e incontáveis possibilidades “timbrísticas”.

muitos recursos e incontáveis possibilidades “timbrísticas”. 14 14 Diálogo Diálogo e e Ação Ação Aluno Aluno
14 14
14
14

Diálogo Diálogo e e Ação Ação Aluno Aluno

"Qual é a proposta da música? Onde a dinâmica cresce? O volume está alto? Destaco aqui que o overdrive é uma distorção de pouco ganho e bem suave. Exemplos nas músicas de bandas como Vineyard, Hillsong (em algumas músicas), U2. Já as distorções são mais pesadas em canções de Satriani, Steve Vai, André Valadão, Oficina G3. Aconselho o uso de overdrive em músicas congregacionais"

Imagem: www.sxc.hu (1062448_13879663)

Concluímos que a guitarra, no contexto de equipe de louvor, é muito eficaz para proporcionar variedade de timbre, dinâmica e brilho, mas exige conhecimento do braço do instrumen- to, de inversões, de superposição de acordes, arpejos, harmonia funcional, escalas e técnicas. Ressalto que devemos pensar sem- pre: “a técnica em favor da música e nunca a música em favor da técnica.” Que a igreja de Cristo venha a ser mais abençoada por nossos instru- mentistas.

Ramon Chrystian de Almeida Lima www.letrasonora.com.br

4 o Trimestre – 2011 15

4 o Trimestre – 2011

15
15

Abertura do trimestre

Fé e comportamento Objetivos: Os estudos deste trimestre têm o objetivo de levar os adolescen-
Fé e comportamento
Objetivos: Os estudos deste trimestre têm o objetivo de levar os adolescen-
tes a conhecerem melhor a Carta de Tiago e os ensinamentos que ela contém.
Sobretudo, será um trimestre voltado para a prática do discurso cristão, pois a

prática do que se fala é algo bem abordado por Tiago.

Estudos da EBD

EBD 1 – Conhecendo a Carta de Tiago (Tiago 1.2-4,12) EBD 2 – O sabor da vida (Tiago 1.5-8) EBD 3 – O que vem de Deus (Tiago 1.13-18) EBD 4 – Chega de aparências (Tiago 1.19-27) EBD 5 – Sem preconceito (Tiago 2.1-13) EBD 6 – Chega de palavras (Tiago 2.14-26)

EBD 7 – Meu bem

EBD 8 – A ética de Deus (Tiago 4.1-12) EBD 9 – Humanos ou semideuses? (Tiago 4.13-17) EBD 10 – A hora da verdade (Tiago 1.9-11; 5.6-16 ) EBD 11 – Sim, sim; não, não (Tiago 5.7-12) EBD 12 – A vida em comunidade (Tiago 5.13-16) EBD 13 – Eles também são humanos (Tiago 5.17-20)

Meu mal (Tiago 3.1-12)

Autor das lições As lições da EBD deste trimestre foram escritas por Carlos Daniel de
Autor das lições
As lições da EBD deste trimestre foram escritas por Carlos Daniel de Campos,
casado com Vânia Bucco. O autor possui formação em Teologia pelo Seminário
Teológico Batista do Sul do Brasil, bacharel em Ciências Contábeis pela UFMT e
especialização em Contabilidade e Finanças pela Faculdades Cândido Rondon
(MT). Atualmente é pastor de adolescentes na Igreja Batista Itacuruçá na Tijuca,
no Rio de Janeiro e redator da revista Diálogo e Ação, da JUERP.
Itacuruçá na Tijuca, no Rio de Janeiro e redator da revista Diálogo e Ação, da JUERP.
Itacuruçá na Tijuca, no Rio de Janeiro e redator da revista Diálogo e Ação, da JUERP.

16

Diálogo e Ação Aluno

EBD 1 2 de outubro
EBD 1
2 de outubro

Conhecendo a Carta de Tiago

Tiago

1.2-4,12

"Temos muito para aprender com Tiago. Como é um livro pequeno, com apenas cinco capítulos,
"Temos muito para aprender
com
Tiago. Como é um livro pequeno,
com apenas cinco capítulos,
é
possível ler com calma, fazendo
anotações e meditando sobre os
ensinamentos. Sugiro que você
compre um caderno para essas
anotações. Que Deus nos abençoe
nessa jornada chamada
4º trimestre de 2011"
Imagem: www.sxc.hu (432896_93353233)
Você já deve ter percebi- do que neste trimestre estu- daremos a Carta de Tiago.
Você já
deve ter
percebi-
do que
neste trimestre
estu-
daremos
a Carta
de
Tiago.
primeiro
Como hoje é o nosso
encontro,
é interessante
que
façamos
um
panorama
da
Carta
de Tiago
para
conhe-
cer um
pouco mais sobre
os
“bastidores”
da carta.
E aqui
vale um lembrete para todo o
trimestre:
a Carta de Tiago
é
muito prática, então, será fácil
colocar seus ensinamentos no
nosso cotidiano.

Leituras diárias

Segunda – Tiago 1 Terça – Tiago 2.1-13 Quarta – Tiago 2.14-26 Quinta – Tiago
Segunda – Tiago 1
Terça – Tiago 2.1-13
Quarta – Tiago 2.14-26
Quinta – Tiago 3
Sexta – Tiago 4
Sábado – Tiago 5.1-11
Domingo – Tiago 5.12-14
– Tiago 3 Sexta – Tiago 4 Sábado – Tiago 5.1-11 Domingo – Tiago 5.12-14 4
– Tiago 3 Sexta – Tiago 4 Sábado – Tiago 5.1-11 Domingo – Tiago 5.12-14 4

4 o Trimestre – 2011 17

Autor

A resposta mais óbvia à pergunta "quem escreveu a carta de Tiago” é Tia- go, lógico. Porém, se você acha que Tia-

go é um nome comum hoje, imagine naquela época. Havia muitos Tiagos. Por isso, só o nome não basta como res- posta. Vamos lembrar de alguns Tiagos que aparecem no Novo Testamento:

• O filho de Zebedeu e irmão de João (Mc 1.19); • O filho de
• O filho de Zebedeu e irmão de João (Mc 1.19);
• O filho de Alfeu (Mc 3.18);
• O pai de Judas, não o Iscariotes (Lc 6.16);
• O irmão de Jesus (Gl 1.19).
Quem será, então, o autor da carta? Vejamos os argumentos:
• Tiago, filho de Zebedeu, não o é, pois por volta de 41 e 44 d.C., Herodes Agripa I
“mandou matar à espada Tiago, irmão de João” (At 12.1,2), logo, não é provável
que ele tenha vivido tanto tempo para poder escrever a epístola (carta).
• Contra Tiago, filho de Alfeu, pesa o fato dele ser um “desconhecido”. Se fosse
ele o autor, ele provavelmente teria escrito mais a respeito de si mesmo na
introdução de sua carta.
• O outro Tiago é citado apenas como o pai de Judas, portanto, provavelmente
não tenha participado tão ativamente do ministério de Jesus a ponto de es-
crever uma carta.
• Resta-nos Tiago, irmão de Jesus. Na verdade, meio-irmão, visto que este Tiago
era filho de Maria e José, e Jesus era apenas filho de Maria, biologicamente fa-
lando.
"Temos muito para aprender com Tiago. Como é um livro pequeno, com apenas cinco capítulos,
"Temos muito para aprender com Tiago.
Como é um livro pequeno, com apenas cinco
capítulos, é possível ler com calma,
fazendo anotações e meditando
sobre os ensinamentos"

Imagem: www.sxc.hu (1328513_39534155)

18
18

Diálogo e Ação Aluno

Imagem: www.sxc.hu (660144_20355097)

Se lermos Atos 1.14, vemos este Tiago reunido com os discípulos de Jesus, orando. Se lermos Gálatas 2.9, vemos este Tiago aprovando a missão de Paulo. Em Gálatas 2.12, ele apare- ce enviando delegados eclesiásticos. Tiago aparece presidindo o concílio apostólico em Atos 15. Ou seja, este Tiago, irmão de Jesus é, certamente, a pessoa mais indicada para escrever o primeiro versículo da carta, o versícu- lo da abertura.

Destinatários

Para descobrir a quem se destina a carta, basta ler o versículo 1: “Às doze tribos que se encontram na dispersão”. Às doze tribos é uma referência bíblica a Isra- el, que deve ser entendida de forma figu- rada e não literal. Ou seja, Tiago se dirige aos representantes dessas doze tribos.

"Para descobrir a quem se destina a carta, basta ler o versículo 1: “Às doze tribos que se encontram na dispersão”. Às doze tribos é uma referência bíblica a Israel, que deve ser entendida de forma figurada e não literal. Ou seja, Tiago se dirige aos representantes dessas doze tribos"

É, sem dúvida, uma carta pastoral

destinadaacristãosjudeus.Podemosava-

liar, também, que eram pobres, devido às denúncias de discriminação que aparece ao longo da carta (1.9-11; 2.1-6; 5.1-6); eram imaturos espiritualmente porque não praticavam o que ouviam (1.22- 25). Havia entre eles disputas amargas (4.1-4; 3.14-15); diante das provações, eram impacientes e, por isso, tentados a murmurar e falar mal dos outros (3.9; 4.11; 5.7,8); e, estavam compreendendo de forma equivocada o conceito de fé e obras, por isso, Tiago diz que as duas an- dam juntas (2.14-26).

Data
Data

É consenso que Tiago escreveu sua epístola depois de se tornar líder da igreja de Jerusalém, ano 44 d.C., e an- tes de morrer, em 62 d.C.

de se tornar líder da igreja de Jerusalém, ano 44 d.C., e an- tes de morrer,
de se tornar líder da igreja de Jerusalém, ano 44 d.C., e an- tes de morrer,

4 o Trimestre – 2011 19

Ênfase da carta

Durante a leitura de Tiago, você perceberá que ele apresenta uma série de exortações e admoestações que es- tão mais para a questão ética que para a doutrinária. Perceberá, também, que o discurso de Tiago é muito semelhante ao de Je- sus, talvez pelo fato de serem irmãos e terem convivido mais de perto. Confi- ra isto em:

• Mateus 5.7 e Tiago 2.13;

• Mateus 5.19 e Tiago 2.10.

O fato é que Tiago aborda diversos pontos teológicos sem ficar no discur- so, mas sempre partindo para a práti- ca. Alguns assuntos sobre os quais ele fala:

Cristo – ele usa o termo Senhor 11 vezes (1.1; 2.1);

Oração – ele nos orienta a orar pe- dindo sabedoria (1.5-7) e não pedindo bens para usar em prazeres pessoais

(4.2,3) e orar por cura e perdão de pe- cados (5.14-16);

Sofrimento – diz-nos que a tribu- lação, o sofrimento, é um teste que so- brevém ao cristão (1.2-4), é um desafio

à fé do cristão;

Fé e obras – como Paulo, Tiago também discorre sobre estes assuntos

(2.17-26);

Escatologia (últimas coisas) –

Tiago afirma que “o juiz está às por- tas” (5.9) e isto é um meio de motivar

o cristão a um viver santo e agradável ao Senhor.

Conclusão
Conclusão

Temos muito para aprender com Tiago. Como é um livro pequeno, com apenas cinco capítulos, é possí-

vel ler com calma, fazendo anotações

e meditando sobre os ensinamentos.

Sugiro que você compre um caderno para essas anotações. Que Deus nos abençoe nessa jornada chamada 4º

trimestre de 2011!

VERSÍCULO PARA MEMORIZAR E USAR NAS REDES SOCIAIS “Quando alguém for tentado, jamais deverá dizer:
VERSÍCULO PARA MEMORIZAR E USAR NAS REDES SOCIAIS
“Quando alguém for tentado, jamais deverá dizer: estou sendo
tentado por Deus. Pois Deus não pode ser tentado pelo mal, e a
ninguém tenta” (Tiago 1.13)
20
Diálogo e Ação Aluno
EBD 2 9 de outubro
EBD 2
9 de outubro

O sabor da vida

Tiago 1.1-8

EBD 2 9 de outubro O sabor da vida Tiago 1.1-8 "Quem não precisa de sabedoria?

"Quem não precisa de sabedoria? Eu preciso e você também. Em que você acha que precisa de sabedoria? Eu pensei em algumas situações de minha adolescência e juventude"

No domingo passado tivemos um panorama da Carta de Tiago e, a partir de hoje,
No domingo passado tivemos um panorama
da Carta de Tiago e, a partir de
hoje, refletiremos sobre assuntos específicos. Hoje, vamos até o versículo 8. Se
ainda não leu, pegue sua Bíblia e
leia esses oito versículos, isto mesmo,
apenas
oito versículos.

Imagem: www.sxc.hu (1236180_73550683)

Leituras diárias

Segunda – Tiago 1.1 Terça – Tiago 1.2 Quarta – Tiago 1.3,4 Quinta – Tiago
Segunda – Tiago 1.1
Terça – Tiago 1.2
Quarta – Tiago 1.3,4
Quinta – Tiago 1.5
Sexta – Tiago 1.6
Sábado – Tiago 1.7,8
Domingo – Efésios 4.14
– Tiago 1.5 Sexta – Tiago 1.6 Sábado – Tiago 1.7,8 Domingo – Efésios 4.14 4
– Tiago 1.5 Sexta – Tiago 1.6 Sábado – Tiago 1.7,8 Domingo – Efésios 4.14 4

4 o Trimestre – 2011 21

Desdobramentos

Em um passado distante, quando as pessoas não investiam seu tempo livre na frente do computador tendo conversas virtuais ou jogando online, havia uma brincadeira de amigos cha- mada “verdade ou consequência” em que, diante das perguntas não respon- didas, o questionado precisaria aceitar as consequências de seu silêncio, que poderia ser beber um copo de água, fazer flexões ou “pagar uma prenda”. Disse isso porque lendo os primeiros versículos de Tiago, fico pensando que tudo tem uma consequência, até uma brincadeira como esta. Claro que o início do parágrafo foi uma provoca- ção, pois nem todo mundo fica todo o tempo livre na frente do computador, mas os que ficam devem estar cientes que isso terá uma consequência. Pode ser precisar usar óculos, ter dores na coluna, ter dores no braço que usa o mouse, déficit de concentração ou, até mesmo, dificuldade de esperar, já que a internet é muito mais instantânea que a vida real. Pode ser que Tiago não tenha ou- vido falar da brincadeira que citamos, mas nos lembra da consequência da provação, que é a perseverança.

Provação?

Alguns nem suportam ouvir a pa- lavra prova, pois lembram logo do co-

22
22

Diálogo e Ação Aluno

légio, mas, no texto, Tiago se refere às provações da vida. No texto (v. 2), pro- vação está se referindo a aflições exter- nas como, por exemplo, a perseguição que os judeus estavam sofrendo naquele tempo. Como Tiago também utiliza-se da palavra “várias”, podemos entender que poderiam ser dificuldades que todo cristão ou ser humano passa como do- enças ou dificuldades financeiras.

Alegria nas dificuldades?

Parece brincadeira, mas não é. Tiago está dizendo que nós devemos ficar contentes quando passarmos por provações. Fico imaginando uma pes- soa nervosinha lendo isso e dizendo:

“Como é que é? Para ficar alegre com a dificuldade?” Tiago era um visionário. É como aquela dinâmica do copo de água. O copo tem água até a metade. Alguns olharão e dirão que o copo está quase vazio, porém, outros olharão e dirão que o copo está quase cheio. Tiago era o segundo tipo de pessoa. Ele sabia que todo mundo na vida passa por dificul- dade, não há como fugir delas. Somos humanos e sujeitos a isso, no entan- to, Tiago sabia que quando alguém “sobrevive” à provação, essa pessoa se fortalece. Passa a ter perseverança, ou seja, a qualidade de não desistir, mas perseverar e, sobretudo, uma perseve- rança completa (v. 4), que gera cristãos maduros, autônomos e íntegros.

Conheço algumas pessoas que um dia já frequentaram uma igreja cristã, mas que, após um momento de tribu- lação, desistiram, procurando o jeito mais fácil. Somente perseveram os que estão dispostos a lutar.

Sabedoria

Continuando a leitura, entramos em outro assunto: sabedoria. Eu, particular- mente, sempre gostei deste versículo 5 de Tiago 1, porque ele é a dica pra nós:

“Gente, não dá mole não. Tá precisando de sabedoria? Peça a Deus que a todos dá liberalmente e ela será concedida. Agora, fica esperto: peça com fé, sem duvidar”. Quem não precisa de sabedoria? Eu preciso e você também. Em que você acha que precisa de sabedoria? Eu pensei em algumas situações de minha adolescência e juventude:

• para escolher o curso da faculdade;

• para decidir qual trabalho aceitar;

• para saber com quem e quando casar;

• para saber se deve ou não continuar an- dando com aquele grupo de amigos;

• para não ser facilmente influenciado.

Faça a sua lista aí e ore, se possível, agoramesmopedindosabedoriaaDeus para essas situações que você listou.

Dúvida

Fico impressionado como Tiago é direto em suas palavras. Ele diz que devemos pedir sabedoria a Deus, mas logo afirma para não duvidarmos, pois “não pense tal pessoa (a que du- vida) que receberá do Senhor alguma coisa” (v. 7). O que dúvida é “semelhante à onda do mar, levada e agitada pelo vento” (v. 6). O teólogo Douglas J. Moo escre- veu algo interessante sobre esta frase. Ele afirma que a ideia não é da onda indo em direção à praia, mas de uma ondulação de água agitada e incons- tante. Assim como a superfície do mar, que nunca apresenta a mesma aparência, vive sempre mudando, a pessoa dividida, ou que duvida, não tem crenças fixas, nem direção. É uma pessoa que muda conforme o vento de doutrina. Para não duvidar, é preciso lançar nossa âncora da alma nas águas vivas do Senhor Jesus. Eu já lancei a mi- nha, e você? Espero que sua resposta seja sim.

VERSÍCULO PARA MEMORIZAR E USAR NAS REDES SOCIAIS “Se algum de vocês tem falta de
VERSÍCULO PARA MEMORIZAR E USAR NAS REDES SOCIAIS
“Se algum de vocês tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá
livremente, de boa vontade; e lhe será concedida” (Tiago 1.5)
4 o Trimestre – 2011 23

Imagem: www.sxc.hu (909064_59906845)

Imagem: www.sxc.hu (985257_20556014)

EBD 3 16 de outubro
EBD 3
16 de outubro

O que vem de Deus

Tiago 1.13-18

leu o texto

bíblico do encontro de

hoje? Leia antes

de prosseguir para ajudar

em nossa reflexão.

Conforme já afirmamos, Tiago via sem-

pre adiante, pensava

nas consequências

e, preocupado, procurou passar essa visão

para os leitores

de sua carta. Nos versícu-

los que lemos

(1.13-18),

somos alertados

que a tentação gerada pela cobiça produz

o pecado e o pecado gera

a morte.

pela cobiça produz o pecado e o pecado gera a morte. Leituras diárias Segunda – Tiago

Leituras diárias

Segunda – Tiago 1.13-18 Terça – Salmo 119.11 Quarta – Gênesis 4.1-16

Quinta – 1Coríntios 10.1-12 Sexta – João 10.1-18 Sábado – Mateus 5.1-24 Domingo – Mateus 5.25-48

24
24

Diálogo e Ação Aluno

Tentação

Morte

 

Todas as pessoas sofrem tentações

Em João 10.10, Jesus afirma que “o

diariamente. Não é pecado ser tentado.

ladrão vem apenas para roubar, matar e

O

próprio Jesus o foi. O alerta de Tia-

destruir” e este ladrão é Satanás. O dia-

go

é para a origem dessas tentações.

bo, sabendo de nossos pontos fracos,

Percebo que, muitas vezes, tenta- mos justificar nossos erros encontran- do desculpas do tipo “não tinha como

nos tenta exatamente neles. Ele não iria tentar alguém, por exemplo, que não se importa com dinheiro, com uma opor-

não fazer aquilo, era impossível supor- tar” ou “a culpa foi do outro” ou “Deus é que me deixou cair em tentação”. Co- locar a culpa em Deus é sempre mais fácil, porém o texto é bem claro: “Pois

tunidade de furto, por exemplo. Veja que neste versículo, Tiago não enfatiza a figura do diabo, porque quer lembrar ao leitor que existe uma responsabilidade individual. Porque,

Deus (

)

a ninguém tenta”.

se um extremo é colocar a culpa em

Tiago argumenta com duas razões para não se colocar a culpa em Deus:

Deus, o outro extremo é colocar toda a culpa no diabo. Mas, e o ser huma- no? Não tem culpa alguma? Tem.

 
1
1

“Elenãopodesertentadopelomal”

Você deve se lembrar da história de

Deus é incapaz de ser tentado. Algu- mas versões de Bíblias até preferem a ex-

Caim e Abel. Deus disse para Caim tomar cuidado porque o pecado es-

pressão “Deus não é tocado pelo mal”.

tava próximo, mas cabia a ele (Caim) dominá-lo (Gn 4).

 
2
2

“Ele a ninguém tenta” – Deus

Existe um desejo, uma cobiça den-

não é suscetível a desejar o mal, assim,

tro de cada um de nós, que pode se tor-

ele não pode ser visto como desejan- do que este venha sobre o homem.

nar pecado. Por isso, é bom refletir so- bre o que e como temos desejado algo.

 

Agora que já sabemos que Deus

Ter bons desejos não é algo ruim. Tiago está falando dos maus desejos. Alme-

a

ninguém tenta, o que pensar das

jar um bom emprego no futuro ou ter

nossas tentações diárias? Aliás, você poderia pensar um pouco aí nas suas tentações e perceber em qual área você é mais fraco ou em qual você é mais forte. Dizem que as principais áreas que alguém pode cair são di- nheiro, poder e sexo.

uma melhor situação financeira não é algo errado, mas esse desejo, se não for bem direcionado, pode gerar o pecado. Imagine que alguém para conseguir um cargo mais alto na empresa precise mentir ou humilhar alguém, isso seria um erro. Ou então, a pessoa deseja ter

precise mentir ou humilhar alguém, isso seria um erro. Ou então, a pessoa deseja ter 4
precise mentir ou humilhar alguém, isso seria um erro. Ou então, a pessoa deseja ter 4

4 o Trimestre – 2011 25

mais dinheiro apenas para se satisfazer e nunca ajudar alguém. Isto também não é certo. Biblicamente falando, sempre que alguém é abençoado materialmen- te é para abençoar outros também.

A inevitável pergunta é: “Qual é a

intenção do seu coração?” Jesus, no Sermão do Monte (Mt 5,6,7), diz que não é errado um homem olhar para um mulher, mas é pecado ele

olhar e cobiçá-la. Interpretando o man- damento (Ex 20.17), Jesus diz que só este olhar já é considerado adultério.

A cobiça gera o pecado que gera a

morte. Porém, no mesmo versículo de João 10.10, o nosso Rei Jesus nos lem- bra que “EU vim para que vocês tenham vida, e a tenham plenamente”.

Faça a sua tabela de atividades

Minhas atividades semanais:

Atividade

Leitura da Bíblia Oração Internet SMS de celular Colégio Cursos extras Trabalho Tempo com amigos Tempo com a família

26
26

Diálogo e Ação Aluno

Tempo investido

Imutável Senhor
Imutável Senhor

“Toda boa dádiva e todo dom per- feito vêm do alto, descendo do Pai das luzes, que não muda como sombras in-

constantes” (v. 17). Duas afirmações neste versículo:

Deus é o Pai das luzes e Deus não muda. No estudo anterior, vimos que a pessoa que duvida é semelhante à onda do mar, que é agitada pelo ven- to, ou seja, muda constantemente, porém, Deus não é assim. Deus é imutável. Seu amor é imutá- vel. Sua santidade é imutável. Sua gran- deza é imutável. Seu poder é imutável. Sabe aqueles acampamentos ou reti- ros em que muita gente se compromete

Imagem: www.sxc.hu (1346003_90136638)

a ser fiel a Deus a todo custo, a buscar

a santidade, a ler a Bíblia todos os dias,

a orar sempre? Pois é

promessas continuam até hoje? É possível que muitos cristãos in- vistam mais tempo no facebook, orkut

quantas dessas

ou twitter do que lendo e meditando na Bíblia. Proponho um desafio a você: mon- te uma tabela com suas atividades se- manais e analise em que você está in- vestindo mais. Veja o exemplo:

Atividade Tempo de investimento Leitura da Bíblia 5 minutos Oração 2 minutos Internet 3 horas
Atividade
Tempo de investimento
Leitura da Bíblia
5 minutos
Oração
2 minutos
Internet
3 horas
SMS de celular
30 minutos
Colégio
6 horas
Cursos extras
2 horas
Trabalho
Não trabalho
Tempo com amigos
2 horas
Tempo com a família
30 minutos

Cabe a cada um de nós contro- lar nossos maus desejos. É certo que isso será mais fácil quando estiver- mos mais próximos de Deus. O sal- mista já sabia disso: “Escondi a tua

Palavra em meu coração, para eu não pecar contra ti” (Sl 119.11). E você,

sabia?

"Você deve se lembrar da história de Caim e Abel. Deus disse para Caim tomar cuidado porque o pecado estava próximo, mas cabia a ele (Caim) dominá-lo (Gn 4)"

VERSÍCULO PARA MEMORIZAR E USAR NAS REDES SOCIAIS “Assim, aquele que julga estar em pé,
VERSÍCULO PARA MEMORIZAR E USAR NAS REDES SOCIAIS
“Assim, aquele que julga estar em pé, cuide-se para que não caia”
(1Coríntios 10.12)
4 o Trimestre – 2011 27