Vous êtes sur la page 1sur 6

TRILHANDO PELOS SOLOS – APRENDIZAGEM E CONSERVAÇÃO DO SOLO.

Isabela Saldella Hatum, Marcus Vinicius Zecchini, Melina Fushimi, João Osvaldo

Rodrigues Nunes. UNESP – Faculdade de Ciências e Tecnologia, Campus de

Presidente Prudente.

RESUMO

O projeto de extensão “TRILHANDO PELOS SOLOS”, desde fevereiro de 2004 vem

sendo desenvolvido junto ao Laboratório de Sedimentologia e Análise de Solos da

FCT/UNESP, campus de Presidente Prudente, sob coordenação do Prof. Dr. João

Osvaldo Rodrigues Nunes. O intuito principal é a elaboração de materiais didáticos

que são expostos no laboratório, como maquetes, cartilhas, macropedolitos, kits,

painéis, que ajudam a ilustrar conteúdos e conceitos referentes ao processo de

formação dos solos, suas características físicas, conservação e os processos erosivos

inerentes. Além da elaboração de materiais, o projeto tem no seu escopo o

recebimento de visitas de estudantes. O projeto se estende aos alunos do ensino

infantil, fundamental, médio, superior e técnico, oferecendo oportunidades de reflexões

sobre a problemática ambiental local. Como resultados parciais, em três anos de

trabalho, o projeto foi prestigiado com a visita de mais de 9.500 alunos.

Palavras-chave: Geografia – Ensino – Solos – Conservação/Degradação – Meio Ambiente

Introdução

O Laboratório de Sedimentologia e Análise de Solos da FCT/UNESP, campus de

Presidente Prudente/SP vem realizando desde fevereiro de 2004, o projeto de ensino

de solos denominado “Trilhando pelos Solos”, sob a coordenação do Prof. Dr. João

Osvaldo Rodrigues Nunes.

Ensinar o conteúdo “solos” nem sempre é fácil, requer uma gama de recursos

didáticos para que sua compreensão se torne possível. O projeto vem desenvolvendo

uma série de materiais didáticos sobre ensino de solos, como a elaboração de

maquetes, cartilhas sobre uso e conservação de solos, kits didáticos, cartazes

ilustrativos, representação de depósitos tecnogênicos (depósitos e sedimentos

originados pela ação humana), elaboração de macropedolitos dos principais tipos de

solos da região de Presidente Prudente e das principais Formações Geológicas do

Grupo Bauru (Formações Caiuá, Santo Anastácio, Adamantina e Marília), os quais são

expostos no laboratório. Para a elaboração dos materiais didáticos utilizados no

projeto têm sido usados materiais recicláveis, como garrafas “pet”, vidrarias e canos

do tipo PVC. A elaboração desses “kits” didáticos serve de auxílio na compreensão teórica dos processos de formação, degradação e conservação dos solos. Além disso, o Laboratório recebe visitas, previamente agendadas, monitoradas por alunos graduandos em Geografia, tendo a duração de aproximadamente 30 minutos. Os visitantes provêm do ensino infantil, fundamental, médio, superior e técnico de escolas públicas e privadas, além de grupos de professores (Teia do Saber). Somente

no 1º semestre de 2007, mais de 1000 alunos prestigiaram o projeto Trilhando pelos Solos e foram atendidos pelos estagiários do Laboratório, sendo eles: Alex Henrique Jacinto (bolsista PROEX), Alex Paulo de Araújo (bolsista Ciência na UNESP), Isabela Saldella Hatum (bolsista Núcleo de Ensino), Kleber Leandro Nascimento Pires (bolsista Ciência na UNESP), Marcus Vinicius Zecchini (bolsista Núcleo de Ensino), Melina Fushimi (bolsista Núcleo de Ensino), Tiago Médici Vinha (bolsista FAPESP) e Vanessa de Souza Palomo (bolsista CNPq).

O visitante tem a possibilidade de entrar em contato com diferentes tipos de materiais

didáticos, que ajudam a compreender os conteúdos sobre solos, estando esses materiais disponíveis para empréstimos de pesquisa e outras atividades. A partir das atividades práticas realizadas no projeto Trilhando Pelos Solos, foi possível melhorar algumas metodologias utilizadas no ensino de solos, nos níveis fundamental e médio, pois existem poucos materiais didáticos que auxiliem na compreensão dos conceitos que envolvem o universo de ensino sobre solo. Desta forma, o projeto Trilhando Pelos Solos, tem tido a finalidade de além da elaboração de recursos didáticos necessários à compreensão da formação dos solos, também auxiliar no desenvolvimento de proposta de educação ambiental.

Objetivos

O objetivo principal deste projeto tem sido a elaboração de uma estrutura temática, no

Laboratório de Sedimentologia e Análise de Solos da FCT/UNESP – Campus de Presidente Prudente, que possibilite representar os processos responsáveis pela

formação, desenvolvimento e constituição dos solos, além de práticas de degradação

e conservação deste recurso.

Dentro do objetivo principal, têm-se os seguintes objetivos específicos:

- Elaboração de recursos didáticos como ferramentas para ilustrar conceitos e

conteúdos relativos ao tema solos (maquetes, kits didáticos, macropedolitos, cartazes

ilustrativos, representação de depósitos tecnogênicos, e outros);

- Contribuição para a Educação Ambiental, necessária para a produção de novos conceitos para o uso e gestão do ambiente;

- Disseminação de informações sobre o papel do recurso natural solo;

- Disponibilização de materiais que mostrem de forma clara e coerente os

conhecimentos sobre o uso correto e sustentável do solo, sua importância, dinâmica e sua relação com a sociedade;

- Promoção da comunicação entre a universidade e as escolas tanto públicas quanto

privadas, recebendo alunos dos ensinos fundamental, médio, superior e técnico, que tem à sua disposição uma gama de materiais disponíveis para empréstimo, para

pesquisa e outras atividades (cursos e aulas nas escolas), além de tornar o Laboratório de Sedimentologia e Análise de Solos um espaço aberto à visitação.

- Visita as escolas de Presidente Prudente – SP e cidades próximas, para disseminar

informação a respeito do recurso natural solo com o auxílio dos materiais didáticos

elaborados.

Procedimentos metodológicos Para se alcançar os objetivos propostos, o presente projeto segue os seguintes procedimentos:

- Revisão bibliográfica dos conceitos e classes de solos, a qual vem sendo realizada

com base na nova classificação de solos da EMBRAPA (1999), afim de instrumentalizar os alunos que receberão as visitas dos estudantes no Laboratório de Sedimentologia e Análise de Solo;

- Trabalhos de campo para coleta dos materiais acompanhados pelo orientador deste

projeto, onde os alunos aprendem na prática os conteúdos (descrição do perfil de solo

e análise das características morfológicas dos perfis);

- As amostras de solos são coletadas com base em metodologia especificada pela EMBRAPA (1999);

- Descrição e identificação das propriedades morfológicas do solo (cor, textura, estrutura, porosidade, cerosidade, consistência, espessura e arranjamento dos horizontes) em campo e no Laboratório de Sedimentologia e Análise de Solos;

- Realização de mini-cursos sobre a elaboração de macropedolitos de solo, kits

didáticos, maquetes, destinados aos estudantes e professores da rede de ensino público e privado;

- O recebimento das visitas é monitorado pelos orientandos, mediante agendamento

prévio;

- As visitas nas escolas da região de Presidente Prudente são realizadas junto com o

professor coordenador, onde parte do material didático elaborado é transportado para um maior aproveitamento da visita.

Resultados e discussões Tendo em vista a importância que a questão ambiental tem adquirido na atualidade, pode-se afirmar que no Laboratório de Sedimentologia e Análise de Solos da FCT/Unesp de Presidente Prudente há uma diversidade de materiais didáticos relacionados aos processos de origem, formação e evolução dos solos, reforçando a importância do mesmo na vida cotidiana. Essa diversidade de material didático implica em manutenção e criação de novos materiais para que haja dinamismo ao conteúdo temático nele representado, compondo uma seqüência que vai da gênese dos solos à sua consolidação em horizontes, bem como a dinâmica de utilização e conservação.

O Projeto Trilhando pelos Solos é parte de um projeto maior denominado Circuito

Científico Cultural, onde estão inseridos outros grupos de pesquisa, como o Cemaarq-

Museu (Centro de Museologia Antropologia e Arqueologia), o Centro de Ciências, a Sala de Leitura, o Laboratório de Educação Ambiental e Águas e a Estação Meteorológica.

O Projeto tem tido caráter inovador e capaz de suprir uma lacuna deixada no ensino

de solos, principalmente o seu uso adequado, além de praticas de conservação. A partir dele surge a alternativa de oferecer à sociedade o conhecimento até então pouco explorado sobre este recurso, principalmente nas escolas da região do município de Presidente Prudente.

Apesar de o solo ser um importante recurso natural, pode-se perceber uma defasagem

de

conteúdo dedicado aos materiais didáticos, pois muitos estão em desacordo com

os

Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs), sendo ministrado em sala de aula sem

relacioná-los ao cotidiano do aluno, desvinculando sua utilização de uma melhor

forma prática, ou seja, relacionada com a realidade vivenciada. Isso proporciona aos usuários do Laboratório, explorar os conceitos a partir da prática

e afirmar a importância do solo não apenas como recurso agropecuário, mas como elemento passível de cuidados e precauções.

Hoje a falta de conscientização e informação, acarreta uma grande perda em todos os sentidos, tais como:

- o mau uso do solo gera processos de erosão (hídrica e eólica causadas

respectivamente pela chuva e pelo vento), o que gera assoreamento nos corpos

d’água;

- a erosão ocasiona a lavagem do solo, tornando-o impróprio para o uso, pela perda

de sua matéria orgânica e nutriente mineral (potássio, fósforo, nitrogênio, etc);

- a contaminação do solo por resíduos urbanos e industriais;

- o desmatamento deixando grande parte do solo desprotegido, gerando ravinas e

voçorocas. Todos estes processos de mau uso do solo trazem como conseqüência local o desequilíbrio ambiental, degradando todo ecossistema. Conclui-se então que para um ambiente saudável, é importante um estudo e divulgação dos meios necessários à preservação não só do solo, mas de todos os bens naturais.

É importante ressaltar o solo como um bem indispensável para desenvolvimento da

vida humana. Este bem natural é o resultado da interação entre os seguintes fatores:

- material de origem (rochas magmáticas, sedimentares e metamórficas);

- clima;

- relevo;

- organismos (macrofauna, homem e vegetação);

- e tempo.

Neste contexto o projeto não se limitará a informar ao visitante apenas a importância

do mesmo como bem natural, mas também complementa sua existência

correlacionando-o aos fatores imprescindíveis à sua origem, formação e desenvolvimento.

O desenvolvimento dos conteúdos está relacionado a várias disciplinas tais como:

Cartografia, Biologia, Geomorfologia, Geologia, Pedologia, Agronomia, contextualizando o projeto numa perspectiva global e integrada, não excluindo a escala local. Além disto, este projeto vislumbra também contribuir para conservação da Terra através da conscientização, desenvolvimento de hábitos, habilidades e cidadania inclusive ambiental através da discussão de problemas ocorridos no dia a dia. É na

prática do ensino de solos que pretendemos estimular comportamentos e ações que justifiquem a questão ambiental, pela dinâmica social à realidade nos quais os

visitantes do projeto estão inseridos, reforçando a idéia de que o solo é um bem finito e passível de cuidados específicos.

A Geografia neste contexto serve como elemento chave objetivando a proposta do

projeto já que a mesma abrange amplamente o conhecimento e o faz correlacionando

a várias disciplinas importantes no ensino de solo, tais como: a Cartografia, a

Geomorfologia, a Geologia, a Biogeografia, o Trabalho de Campo, a Geografia Rural e

Urbana, dentre outras. Assim pode-se entender então, a grande contribuição social que o Projeto Trilhando

Pelos Solos tendo tido, principalmente para os estudantes das redes, pública e privada

de ensino, bem como para a preservação do meio ambiente.

Bibliografia Consultada

AB’SABER, A.N. – (Re)conceituando Educação Ambiental. Rio de Janeiro: CNPq; MAST, Foulder, 1991.

BRANCO, S. M.; CAVINATTO, V. M. Solos a base da vida terrestre.1ed. São Paulo:

Moderna. 1999. 79p.

FREIRE, O. Solos das Regiões Tropicais. 1ed. Botucatu: FEPAF, 2006. 271p.

GUERRA, A. J. T.;SILVA, A. S.;BOTELHO, R. G. M. Erosão e conservação dos solos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. 1999. 340p.

KIEHL,

1979.262p.

E.

J.

Manual

de

edafologia:

relações

solo-planta.

São

Paulo:

Ceres,

LEPSCH, I. F. Formação e conservação dos solos. São Paulo: Oficina de Texto, 2002, 178p.

LUCHESE, B. M.; FAVERO, L. O. B.; LENZI, E. Fundamentos da Química do Solo. 2ed. Rio de Janeiro: Freitas Bastos. 2002. 159p.

MELLO, F. A.F.;SOBRINHO, M. O.C.B.;ARZOLLA, S; SILVEIRA, R. I.; NETTO,A. C.;KIEHL, J. C. Fertilidade do solo. 3ed. São Paulo: Nobel. 1983. 400p.

OLIVEIRA, J. B.; JACOMINE, P. K. T.; CAMARGO, M. N.

do Brasil: guia auxiliar para seu reconhecimento.

201p.

2.ed.

Classes gerais de solos Jaboticabal: FUNEP, 1992.

TAGIMA, N.; KADOZAWA, P. Metodologia para montagem de perfis pedológicos. Londrina: UEL, 2001, 93 p.

TEIXEIRA, Wilson et al. (orgs.). Decifrando a Terra. São Paulo:USP/Oficina de Textos, 2000. 557 p.