Vous êtes sur la page 1sur 2

Só da valor a educação quem tem……….

Com esta simples frase podemos dizer que estamos em uma encruzilhada e que esta pode ser uma das maiores decisões que devemos tomar em nossas vidas. Mas, antes dessa tomada de decisão vamos entender um pouco mais o que vem a ser educação.

O processo completo de educação engloba os processos de ensinar e aprender. É um fenômeno observado em qualquer sociedade e nos grupos que às compõem, responsável pela sua manutenção e perpetuação a partir da transposição, às gerações que se seguem, dos modos culturais de ser, estar e agir necessários à convivência e ao ajustamento de um membro no seu grupo ou sociedade.

Tendo como fator primordial de sucesso nas organizações, o fator humano é o de maior complexidade dentro de todos os fatores que compõem o sucesso destas organizações na complexa tarefa da gestão do conhecimento.

Isso acontece, por que, para que possamos produzir novos conhecimentos temos que deixar para traz antigos paradigmas, assim a mudança não só é inevitável, mas necessária à sobrevivência. Cada vez mais vemos as notícias e ou informações chegarem com uma maior velocidade e isso nos conduz à beira do precipício do não conhecimento. A grande maioria das novas tecnologias são produtos evoluídos das tecnologias atuais, e o que impulsiona todo este desenvolvimento é o surgimento de novas necessidades. O ser humano cada vez mais rápido torna os produtos e serviços descartáveis ou ultrapassados. Vejam que à alguns anos atrás um novo modelo de celular se mantinha atual pelo menos por um ano mas hoje com evolução do conceito de qualidade e a valorização de novos atributos para os mesmos um produto não continua satisfazendo as necessidades dos clientes por muito tempo.

E de uma forma ou de outra os conhecimentos têm de acompanhar tais mudanças e em primeira análise isso parece ser impossível, na mesma velocidade. Para que a transformação do conhecimento acompanhe na mesma velocidade que as necessidades dos clientes, o principal fator de transformação de todo este processo que é o ser humano precisa estar apto e consciente de sua importância como agente transformador. O estar apto significa que o mesmo deve ter condições com relação à educação de qualidade recebida para toda esta transformação necessária.

Para que este fator de transformação saia da inércia o mesmo tem que ser motivado, ou melhor, temos que criar situações que os motivem a estarem sempre em carga plena de criação. Para Vianna (1999 - Motivação, Liderança e Lucro), motivar significa colocar o combustível mais poderoso dentro do cérebro de seres humanos que fazem parte de uma equipe. Motivar significa introduzir entusiasmo para modificar o ritmo físico das pessoas. e muito mais na cadeia emocional estar motivada e estar com os neurônios a plena carga e com isto desenvolver o estímulo da criação.

Considerando todos estes fatores podemos evidenciar que o principal agente de evolução da função manutenção se baseia na ação do ser humano.

Para que possamos compreender um pouco melhor quais necessidades são básicas, deste agente de mudança na manutenção, temos que compreender quais são as necessidade humanas básicas que é muito bem exemplificada com a teoria das necessidades de Maslow

Para que possamos compreender um pouco melhor quais necessidades são básicas, deste agente de mudança na

Quando ouvimos dizer que está existindo um apagão de mão de obra no mercado temos que interpretar esta informação e ir além, assim sendo constatamos que o mercado nem está exigindo mais mão de obra “pronta” por assim dizer mas sim, de mão de obra que esteja no mínimo apta a ser desenvolvida e para isso esta mão de obra tem que tido uma educação de qualidade. Outro ponto que tem que ser observado é que esta mesma mão de obra tem que estar apta a aceitar novos desafios e se auto motivar.

Este diferencial em aceitar novos desafios como motivação deve começar quando tais indivíduos iniciam sua vida na escola ou seja a muito tempo atrás desta triste constatação de hoje. Significa que levaremos alguns anos para que possamos novamente suprir o mercado com um indivíduo que possa ser motivado através de novos desafios.

Considerando que cada vez mais aumenta o número de escolas que primam pela quantidade em detrimento da qualidade de ensino ficamos reféns deste círculo vicioso.

Sendo assim cabe a todos os envolvidos no processo de geração e socialização do conhecimento que a cada dia exijam que tenhamos novos patamares e que estes sejam sempre superiores aos níveis de exigência anteriores. Só assim teremos apenas um caminho a ser seguido e não mais uma encruzilhada.

Prof. Gerson Ap. Arcos