Vous êtes sur la page 1sur 2

Dinamizador Dr. Carlos Alberto Dourado

Local Escola Secundária Leal da Câmara

Calendarização 14 de abril - sábado, das 09:00 às 14:00

Duração 25 horas - 1 crédito

Destinatários

Professores de todos os grupos de ensino

Destinatários Professores de todos os grupos de ensino Inscrições 8 0 Sintra de 579 0 4

Inscrições

80 Sintra

de

579 04 Professores Mem- das

- de

13 C

Associação

Costa,

Ramos

Francisco

Praceta

Mercês

Tapada

93 Martins

2725

36

955

61/

917

21

profsintra@gmail.com

Tel.:

e-mail:

www.profsintra.org
www.profsintra.org

www.profsintra.org

www.profsintra.org
www.profsintra.org
www.profsintra.org
T e l . : e-mail: www.profsintra.org Número mínimo de participantes: 20 Valor: 70 € -

Número mínimo de participantes: 20

Valor: 70- sócios da APS/ 90- não associados

20% no acto da inscrição

Data limite de inscrição: 08 de abril

acto da inscrição Data limite de inscrição: 08 de abril Associação de Professores de Sintra Formação

Associação de Professores de Sintra

Formação de Professores

A Intervenção Educativa com NEE Implementação das Medidas do Regime Educativo Especial em Contexto de Sala de Aula

do Regime Educativo Especial em Contexto de Sala de Aula Associação de Professores de Sintra Entidade

Associação de Professores de Sintra

Entidade Formadora Registo de Acreditação nº CCPFC/ENT-AP-0295/10

Fundamentação

Com a diversidade cada vez maior de crianças e jovens com Necessidades Educativas Especiais de vária ordem, além da escola adaptar a sua maneira de funcionar, tanto de ordem estrutural e arquitetónica como pedagógica, a esses alunos, também é necessá- rio ensinar o que necessitam de saber e fazer para terem um futuro de razoável autonomia.

Quando avaliados, torna-se imperativo conhecer esses alunos, como trabalham, como funcionam, quais as características das suas problemáticas e sobretudo o que faz sentido avaliar nesses alunos. Como refere o Decreto-Lei 3/2008 de 7 de Janeiro, as Adequações no Processo de Avaliação (Artigo 20.º) são uma das medidas mais importantes deste decreto visto abarcar todas as problemáticas quer sejam de ordem cognitiva, emocional ou ainda motora. Essas adequações podem consistir em alterações do tipo de provas, dos instrumentos de avaliação e certificação, ou das condições de avaliação, entre outros. A avaliação é um elemento integrante e regulador das aprendizagens, permitindo uma recolha sistemática de informação sobre as aquisições e necessidades do aluno.

A análise da informação recolhida através deste pro- cesso permite orientar o percurso escolar de cada alu- no e proceder à adequação, sempre que necessário, do currículo (nos seus diferentes níveis) em função das necessidades dos alunos. A avaliação permite, ainda, certificar as aprendizagens realizadas e as competên- cias adquiridas.

Pretende-se, ao nível desta formação, informar, esclarecer, debater e auxiliar os docentes no sentido de darem uma resposta diferenciada e adequada a cada aluno, em trabalho de equipa multidisciplinar, que possa ser o garante de uma melhor qualidade e sucesso escolar destes alunos.

Objetivos

Conheçam o Decreto-Lei nº3/2008, de 7 de

Janeiro e a Classificação Internacional de Funcio-

nalidade;

Estejam sensibilizados e informados sobre

algumas problemáticas, nas diferentes áreas, em

crianças e jovens com Necessidades Educativas

Especiais;

Identifiquem quais as dificuldades sentidas

por eles, no terreno, em relação à avaliação de

crianças e jovens com Necessidades Educativas

Especiais;

Tomem consciência dos desafios da Escola

Inclusiva;

Saibam aplicar a Medida Educativa d) ADE-

QUAÇÕES NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO (ARTIGO

20º) do Decreto-Lei nº3/2008, de 7 de Janeiro, a

alunos com diferentes problemáticas;

Elaborem instrumentos para alunos com dife-

rentes problemáticas nas diferentes áreas;

Partilhem os diferentes instrumentos de tra-

balho elaborados e experiências de modo a poten-

cializar os recursos materiais e conhecimentos de

cada docente assim como promover a reflexão;

Apresentem um trabalho que dê resposta às

dificuldades que identificaram a nível da forma-

ção.

Conteúdos

I – Princípios orientadores da Escola Inclusiva: 4

horas

-

-

A declaração de Salamanca

Integração e Inclusão

II – A avaliação e a legislação: 4horas

- As adequações no Processo de Avaliação

- O Decreto- Lei nº 3/2008, de 7 de Janeiro

III – Construção de instrumentos adequados às várias problemáticas: 5horas

- Algumas problemáticas e suas característi- cas

- Legislação suporte

- Adaptação de instrumentos consoante as diferentes problemáticas abordadas

IV- Estudos-caso: intervenção em Educação

Especial – diferenciação pedagógica inclusi-

va…

- Elaboração de um plano de intervenção a partir das problemáticas dos professores

6horas

V – Avaliação reflexiva: 6horas

- Avaliação dos formandos: apresentação dos trabalhos desenvolvidos

VI- Avaliação da formação