Vous êtes sur la page 1sur 45
Computação em nuvem – a perspectiva da VMware Bogomil Balkansky Marketing de produtos
Computação em nuvem –
a perspectiva da VMware
Bogomil Balkansky
Marketing de produtos
Computação em nuvem - as principais perguntas O que é? Por que você precisa dela?
Computação em nuvem - as principais perguntas
O que é?
Por que você precisa dela?
Como criar (ou utilizar) uma (ou muitas)?
Como operá-la?
2
Certamente há muitos hype… Google Trends: Computação em nuvem Mas o que é isso? 3
Certamente há muitos hype…
Google Trends:
Computação em nuvem
Mas o que é isso?
3
Definição de nuvem - novo estilo de computação Exatamente como… TI como um serviço compartilhado
Definição de nuvem - novo estilo de computação
Exatamente como…
TI
como um
serviço
compartilhado
Barato, pague à medida que usar
Disponível em todos os lugares
Confiável
Escolha de provedores
4
Implantando um novo serviço comercial… Disponibilidade Disponibilidade Segurança APL. Nuvem Segurança
Implantando um novo serviço comercial…
Disponibilidade Disponibilidade
Segurança
APL.
Nuvem
Segurança
Desempenho
Desempenho
… é uma questão de especificar SLAs
5
Implantando novas ofertas de TI… Disponibilidade APL.APL.APL.APL. APL.APL.APL.APL. APL.APL.APL.APL. Segurança
Implantando novas ofertas de TI…
Disponibilidade
APL.APL.APL.APL.
APL.APL.APL.APL.
APL.APL.APL.APL.
Segurança
Desempenho
Nuvem
O menor TCO
… é sempre eficiente
6
Utilizando a nuvem externa… Nuvem interna Nuvem externa APL. APL. Gerenciamento Gerenciamento SO em nuvem
Utilizando a nuvem externa…
Nuvem interna
Nuvem externa
APL.
APL.
Gerenciamento
Gerenciamento
SO em nuvem
SO em nuvem
Nuvem
Nuvens
interna
externas
… não exige abrir mão da
segurança, do controle ou da QoS
7
Diferentes tipos de computação em nuvem Três tipos principais de personalidade Aplicativo/informações – algumas
Diferentes tipos de computação em nuvem
Três tipos principais
de personalidade
Aplicativo/informações – algumas vezes
chamado de software como serviço,
aplicativos ou informações fornecidas
como serviço
Desenvolvimento – algumas vezes
chamada de plataforma como serviço,
plataformas de desenvolvimento de
aplicativos que permitem ambientes
de criação e tempo de execução
Infra-estrutura – algumas vezes
chamada de infra-estrutura como serviço,
computação, armazenamento e rede
disponibilizados como serviço de nuvem.
Computação em nuvem - as principais perguntas O que é? Por que você precisa dela?
Computação em nuvem - as principais perguntas
O que é?
Por que você precisa dela?
Como criar (ou utilizar) uma (ou muitas)?
Como operá-la?
9
Principais propriedades/métricas de negócios • Eficiência – a taxa de saída da organização comparada à
Principais propriedades/métricas de negócios
• Eficiência – a taxa de saída da organização comparada à entrada
desse sistema/organização
• Flexibilidade e agilidade – a capacidade de reagir ou realinhar
rapidamente os ativos para aproveitar as oportunidades de
negócios e/ou do mercado.
• Confiabilidade – a capacidade de recuperação de uma
organização de algo que afeta o ciclo normal dos negócios
• Previsibilidade – a capacidade de reduzir a variação da qualidade
do serviço fornecido
• Escolha – flexibilidade para escolher a ferramenta/plataforma
de negócios que proporcione o melhor valor.
10
Também são propriedades de nuvem importantes Exatamente como… Eficiência, baixo custo TI como um serviço
Também são propriedades de nuvem importantes
Exatamente como…
Eficiência, baixo custo
TI
como um
serviço
compartilhado
Facilidade de uso,
flexibilidade, agilidade
Confiabilidade,
previsibilidade
Barato, pague à medida que usar
Disponível em todos os lugares
Escolha
Confiável
Escolha de provedores
11
Também são propriedades de nuvem importantes • Eficiência – transforme o investimento substancial em CapEx
Também são propriedades de nuvem importantes
• Eficiência – transforme o investimento substancial em CapEx
em OpEx contínuo.
• Flexibilidade e agilidade – serviço de TI “disponível”;
reconfiguração dinâmica de recursos
• Confiabilidade – Todos os aplicativos de negócios herdam
recursos de alta disponibilidade e continuidade de negócios
fornecidos pela abstração e pelos sistemas físicos subjacentes.
• Previsibilidade – a padronização e o catálogo no nível de
serviço reduzem a variação
• Escolha – plataforma de sistema operacional agnóstica.
Funciona com o que existe e existirá.
12
Computação em nuvem - as principais perguntas O que é? Por que você precisa dela?
Computação em nuvem - as principais perguntas
O que é?
Por que você precisa dela?
Como criar (ou utilizar) uma (ou muitas)?
Como operá-la?
13
Como vincular o data center de hoje à nuvem externa? Sólida Eficiente Confiável Flexível Segura
Como vincular o data center de hoje à nuvem
externa?
Sólida
Eficiente
Confiável
Flexível
Segura
Dinâmica
?
Computação
Nuvem
(sem caminho de migração)
em nuvem
externa
11
Nuvem
interna
É possível transferir a nuvem para o data center? Sólida Eficiente Confiável Flexível Segura Dinâmica
É possível transferir a nuvem para o data center?
Sólida
Eficiente
Confiável
Flexível
Segura
Dinâmica
Nuvem
?
Computação
Nuvem
interna
em nuvem
externa
E fazer uma conexão interna e externa? Sólida Eficiente Confiável Flexível Segura Nuvem privada Dinâmica
E fazer uma conexão interna e externa?
Sólida
Eficiente
Confiável
Flexível
Segura
Nuvem privada
Dinâmica
Carregs.
de a
p .
l
Nuvem
interna
Federação
Computação Nuvem
em externa nuvem
A visão da VMware: TI como serviço compartilhado fornecido via nuvem privada Nuvem privada Carregs.
A visão da VMware: TI como serviço compartilhado
fornecido via nuvem privada
Nuvem privada
Carregs.
de apl.
Gerenciamento
Gerenciamento
Federação e escolha
SO em nuvem
SO em nuvem
Nuvens
Nuvens
internas
externas
17
Nuvem privada: a eficiência sem interrupções A eficiência da computação em nuvem… … sem riscos
Nuvem privada: a eficiência sem interrupções
A eficiência da
computação em nuvem…
… sem riscos ou
interrupções
Negócios
Tempos de resposta rápidos
SLAs contratuais e com auditoria
Modelo financeiro “pague à
medida que usar” baseado
no uso
TI
Economias de escala
Alto desempenho, altamente
disponível
Automação orientada por
políticas
Compatível com aplicativos
existentes ou futuros
Segurança reforçada dentro
e fora da instalação
Uso e desenvolvimento de
gerenciamento e habilidades
existentes
Modernização — não está
presa a arquiteturas
específicas
18
Argumento nº 1: A virtualização é a chave para a nuvem “A virtualização desempenhará novamente
Argumento nº 1: A virtualização é a chave para
a nuvem
“A virtualização
desempenhará
novamente um papel
fundamental”
19
Três bases da nuvem privada Gerenciamento Federação baseado em SLA Nuvem privada Carregs. de apl.
Três bases da nuvem privada
Gerenciamento
Federação
baseado em
SLA
Nuvem privada
Carregs.
de apl.
2 Gerenciamento
Gerenciamento
3 Federação e padrões
1 SO em nuvem
SO em nuvem
Nuvens
Mainframe
de software
Nuvens
internas
externas
20
VMware vSphere™ - o primeiro sistema operacional em nuvem do setor Clusters Proteção de dados
VMware vSphere™ - o primeiro sistema operacional
em nuvem do setor
Clusters
Proteção de dados
Firewall
Antivírus
Prevenção contra
intrusões
Detecção de
intrusões
Dimensionamento
dinâmico de
recursos
Serviços de
aplicativos
Disponibilidade
Segurança
Escalabilidade
vSphere 4.0
vCompute
vStorage
vNetwork
Serviços de
infra-estrutura
Auxiliado por
hardware
Compatibilidade
de migração
melhorada em
tempo real
Gerenciamento
e replicação de
armazenamento
Dispositivos de
armazenamento
virtual
Gerenciamento
de rede
21
Os serviços de infra-estrutura permitem economia de CapEx e OpEx As mais altas taxas de
Os serviços de infra-estrutura permitem economia de CapEx e OpEx
As mais altas taxas de consolidação do setor
Uso mais eficiente de recursos de hardware
Baixa sobrecarga operacional
Os serviços de aplicativos oferecem controles de nível de serviço incorporados
Os serviços de aplicativos oferecem controles de nível de serviço
incorporados
Três bases da nuvem privada Gerenciamento Federação baseado em SLA Nuvem privada Carregs. de apl.
Três bases da nuvem privada
Gerenciamento
Federação
baseado em
SLA
Nuvem privada
Carregs.
de apl.
2 Gerenciamento
Gerenciamento
3 Federação e padrões
1 SO em nuvem
SO em nuvem
Nuvens
Mainframe
de software
Nuvens
internas
externas
24
vApp – novo modelo para descrição e implantação de aplicativos Permite o gerenciamento de aplicativos
vApp – novo modelo para descrição e
implantação de aplicativos
Permite o gerenciamento de aplicativos
de vários níveis como uma entidade
única
Disponibilidade =
99,99%
Utiliza o padrão OVF do setor para
fornecer instruções sobre como implantar
Segurança = Alta
Apl.
Apl.
Apl.
Modelos, clone e outras operações
executadas no nível do vService
SO
SO
SO
Desempenho = 500
milissegundos
vApp
Visão de gerenciamento mais simples,
centrado em aplicativos
Definições de SLA
Portabilidade de aplicativos mais fácil
Agora os aplicativos podem ser
gravados para automonitoramento
e autodimensionamento
Aplicativo
Disponibilidade
Segurança
Escalabilidade
vServices
SO em nuvem
25
OVF da DMTF - formato de virtualização aberto Vantagens Desenvolver Melhora a experiência do usuário
OVF da DMTF - formato de virtualização aberto
Vantagens
Desenvolver
Melhora a experiência do usuário com
instalações simplificadas
Compactar
Oferece aos clientes flexibilidade e
independência de plataforma de virtualização
Implantação
Distribuir
Cria serviços pré-configurados complexos
de várias camadas com mais facilidade
Instalar
Oferece software corporativo de maneira
eficiente por meio de máquinas virtuais
portáteis
Gerenciar
Oferece aprimoramentos específicos de
plataforma e adoção mais fácil de avanços
em virtualização por meio de extensibilidade
Dar baixa
Os apresentadores originais incluem as empresas
a seguir
26
Modelo de gerenciamento para fornecimento de TI como serviço Consumidores de TI Auto- atendimento Data
Modelo de gerenciamento para fornecimento de TI
como serviço
Consumidores
de TI
Auto-
atendimento
Data center
Ative o auto-atendimento,
pague à medida que usar
Serviços de TI
Configuração, capacidade e operações
Automação
à distância
Automação, escalabilidade e integração
Infra-estrutura
de TI
Equipe de TI
Gerenciamento de nuvem Data center/ nuvem Gerenciamento de nuvem Gerenciamento de prestação de serviços Ative
Gerenciamento de nuvem
Data center/
nuvem
Gerenciamento de nuvem
Gerenciamento de
prestação de serviços
Ative o auto-atendimento, pague à medida que usar
Gerenciamento de infra-estrutura
Configuração, capacidade e operações
Plataforma de gerenciamento
Automação, escalabilidade e extensibilidade
SO em nuvem
vCenter Management Suite Gerenciamento de nuvem privada Recursos do vCenter Management Imposição de SLA
vCenter Management Suite
Gerenciamento de nuvem
privada
Recursos do vCenter
Management
Imposição de SLA
Gerenciamento de infra-estrutura
Gerenciamento de infra-estrutura
Fornecimento
Gerenciamento
Auto-
Auto-atendimento delegado
Provisionamento
Chargeback
de SLA
atendimento
Serviços de TI medidos
Catálogo de serviços
de serviços
Gerenciamento de infra-estrutura
Auto-otimização
Características
de gerenciamento
da nuvem privada
Autogerenciamento
Gerenciamento
de infra-estrutura
Configuração
Operações
Capacidade
Plug-n-Play
Autorregulamentação
Autodescrição
Orquestração de fluxo de trabalho
Gerenciamento baseado em políticas
Aberto e extensível
Arquitetura de dimensionamento
Plataforma de
Arquitetura
Automação
Extensibilidade
gerenciamento
Três bases da nuvem privada Gerenciamento Federação baseado em SLA Nuvem privada Carregs. de apl.
Três bases da nuvem privada
Gerenciamento
Federação
baseado em
SLA
Nuvem privada
Carregs.
de apl.
2 Gerenciamento
Gerenciamento
3 Federação e padrões
1 SO em nuvem
SO em nuvem
Nuvens
Mainframe
de software
Nuvens
internas
externas
30
Manifesto de nuvem aberta Princípios da nuvem aberta 1. Os provedores de nuvem precisam trabalhar
Manifesto de nuvem aberta
Princípios da nuvem aberta
1.
Os provedores de nuvem precisam trabalhar em conjunto para garantir que os desafios
à adoção da nuvem (segurança, integração, portabilidade, interoperabilidade,
controle/gerenciamento, medição/monitoramento) sejam enfrentados por meio de uma
colaboração aberta e do uso apropriado de padrões.
2.
Os provedores de nuvem não devem se valer de sua posição no mercado para prender
os clientes às suas plataformas particulares e limitar a escolha de provedores por parte
desses clientes.
3.
Os provedores de nuvem devem usar e adotar padrões existentes sempre que for apropriado.
O
setor de TI investiu pesadamente nos padrões e nas organizações de padrões existentes;
n
ã
o
necess
id
a
d
e
d
e
d
up c
li
á l
- os ou re nven
i
tá l
- os.
4.
Quando forem necessários novos padrões (ou ajustes nos padrões existentes), deveremos
ser criteriosos e pragmáticos para evitar a criação de muitos padrões. Precisamos garantir
que os padrões promovam a inovação e não inibi-la.
5.
Qualquer esforço da comunidade em relação à nuvem aberta deve ser orientado pelas
necessidades do cliente, não simplesmente pelas necessidades técnicas de provedores
de nuvem, e deve ser testado ou verificado com base nas necessidades reais do cliente.
6.
Organizações de padrões de computação em nuvem, grupos de defesa e comunidades
devem trabalhar em conjunto e permanecer coordenados, certificando-se de que não haja
conflito nem sobreposição.
7.
Atualmente conta com o suporte de mais de 150 empresas e esse número está aumentando
8.
www.opencloudmanifesto.org
31
O OVF é o idioma comum entre nuvens Gerenciamento Gerenciamento Federação e escolha SO em
O OVF é o idioma comum entre nuvens
Gerenciamento
Gerenciamento
Federação e escolha
SO em nuvem
SO em nuvem
Nuvens
Nuvens
internas
externas
API vCloud Ativador de interoperabilidade entre nuvens Atualmente em lançamento privado SO em nuvem SO
API vCloud
Ativador de interoperabilidade entre nuvens
Atualmente em lançamento privado
SO em nuvem
SO em nuvem
33
Plug-in do vSphere Client Permite interoperabilidade, mobilidade e gerenciamento centralizado de ambientes em nuvens
Plug-in do vSphere Client
Permite interoperabilidade, mobilidade e gerenciamento centralizado
de ambientes em nuvens internas e externas.
Nuvem privada
Carregs.
de apl.
Gerenciamento
Gerenciamento
Federação e escolha
SO em nuvem
SO em nuvem
Nuvens
Nuvens
internas
externas
34
Interfaces de nuvem para padronização vApp OVF OVF OVF Data center secundário Provedor de hospedagem
Interfaces de nuvem para padronização
vApp
OVF
OVF
OVF
Data center
secundário
Provedor de
hospedagem
API de
API de
nuvem
nuvem
Data center principal
35
Ecossistema do vCloud MaisMais dede 500500 provedoresprovedores dede serviçosserviços Nuvem privada Carregs. de apl.
Ecossistema do vCloud
MaisMais dede 500500 provedoresprovedores dede serviçosserviços
Nuvem privada
Carregs.
de apl.
Gerenciamento
Gerenciamento
Federação e escolha
SO em nuvem
SO em nuvem
Nuvens
Nuvens
internas
externas
36
Virtual Appliance Marketplace (VAM) A maior biblioteca de aplicativos para a nuvem Abril de 2009
Virtual Appliance Marketplace (VAM)
A maior biblioteca de aplicativos para a nuvem
Abril de 2009
Mais de 1.000 VAs
Clientes
100 mil visitantes
por semana
finais
Páginas de listagem
dos mais ricos
ISVs
Portal de auto-
atendimento
Mercado “orientado
pela comunidade”
Foco nos ISVs e
desenvolvedores
Provedores
de serviços
37
Computação em nuvem - as principais perguntas O que é? Por que você precisa dela?
Computação em nuvem - as principais perguntas
O que é?
Por que você precisa dela?
Como criar/ad uirir/utilizar uma (ou muitas)?
q
Como operá-la?
38
Etapa 1: virtualização total… Os avanços de hardware, hypervisor e SO garantem ambientes totalmente virtualizados
Etapa 1: virtualização total…
Os avanços de hardware, hypervisor e SO garantem
ambientes totalmente virtualizados
O vSphere 4 elimina as últimas barreiras
Plataformas de virtualização
Data center
Infra-estrutura
39
Etapa 2: disposição da infra-estrutura em camadas nos pools de recursos de QoS O agrupamento
Etapa 2: disposição da infra-estrutura em camadas
nos pools de recursos de QoS
O agrupamento lógico de recursos abstraídos permite a
incorporação ou remoção de capacidade sem interrupção
O fornecimento do serviço certo/na hora certa proporcionado
pelos pools permite também que a infra-estrutura seja tratada
como um custo variável
Mais profundamente, mesmo em ambientes mistos, permite uma
disposição consistente dos recursos em níveis, o que constitui
a base para um novo contrato de vinculação entre os aplicativos
e a infra-estrutura
CPU/pools de recursos de memória Pools de recursos de armazenamento
Outros pools de recursos
1
2
3
N
1
2
3
N
Plataformas de virtualização
40
Etapa 2: disposição da infra-estrutura em camadas nos pools de recursos de QoS O agrupamento
Etapa 2: disposição da infra-estrutura em camadas
nos pools de recursos de QoS
O agrupamento lógico de recursos abstraídos permite a
incorporação ou remoção de capacidade sem interrupção
Os grupos de pools entre os tipos de recursos criam data centers
virtuais com desempenho, disponibilidade e outras características
definidas pelo recurso físico subjacente e pelas camadas virtuais
VDC 1
VDC 2
VDC N
QoS do Virtual DC
QoS do Virtual DC
QoS do Virtual DC
Infra-estrutura do Virtual DC
Infra-estrutura do Virtual DC
Infra-estrutura do Virtual DC
41
Etapa 3: criação de um catálogo de serviços padronizados As VMUs são publicadas como ofertas
Etapa 3: criação de um catálogo de serviços
padronizados
As VMUs são publicadas como ofertas de serviços, acessadas
por meio de programação
Conceitualmente, as VMUs representam uma etapa fundamental
na direção da simplificação e padronização da TI que permite
operação à distância
Definição de serviço
Catálogo de serviços
vApp
VDC 1
VDC 2
VDC N
QoS do Virtual DC
QoS do Virtual DC
QoS do Virtual DC
Infra-estrutura do Virtual DC
Infra-estrutura do Virtual DC
Infra-estrutura do Virtual DC
Etapa 4: disponibilização por meio de auto-atendimento As VMUs são publicadas como ofertas de serviços,
Etapa 4: disponibilização por meio de
auto-atendimento
As VMUs são publicadas como ofertas de serviços, acessadas
por meio de programação
Conceitualmente, as VMUs representam uma etapa fundamental
na direção da simplificação e padronização da TI que permite
operação à distância
Definição de serviço
Catálogo de serviços
vApp
VDC 1
VDC 2
VDC N
QoS do Virtual DC
QoS do Virtual DC
QoS do Virtual DC
Infra-estrutura do Virtual DC
Infra-estrutura do Virtual DC
Infra-estrutura do Virtual DC
Etapa 5: hospedagem de aplicativos totalmente automatizada Provisionamento, monitoramento e imposição específicos de
Etapa 5: hospedagem de aplicativos totalmente
automatizada
Provisionamento, monitoramento e imposição específicos de aplicativo
Imposição e mapeamento de recursos
Zona 1
Zona 2
Zona N
QoS do Virtual DC
QoS do Virtual DC
QoS do Virtual DC
Com o tempo, as ofertas de serviços serão específicas de aplicativos
Eventualmente, isso abre caminho para o aplicativo automatizado no
provisionamento, na imposição e no monitoramento da infra-estrutura
Fecha o loop no desempenho do aplicativo, concluindo, dessa forma,
o data center à distância
Produdos da VMware: Studio, vApp, vProbes, AppSpeed e outros
Exemplo: Provedor de serviços do vCloud versus Amazon EC2 AWS Recurso vCloud AWS EC2 Recurso
Exemplo: Provedor de serviços do vCloud versus Amazon EC2
AWS
Recurso
vCloud
AWS
EC2
Recurso
vCloud
EC2
Suporte a Linux
✔✔✔✔
✔✔✔✔
MV compatível com TI
interna
✔✔✔✔
✖✖✖✖
Suporte a Windows 2003
✔✔✔✔
✔✔✔✔
Persistência da imagem
da MV
✔✔✔✔
✖✖✖✖
Suporte a Windows 2008
✔✔✔✔
✖✖✖✖
Auto-atendimento
baseado na Web
LAN-a-LAN ou VPN
privada-a-virtual disponível
✔✔✔✔
✖✖✖✖
✔✔✔✔
Mínimo
✔✔✔✔
✖✖✖✖
Provisionamento
Equipe de suporte
dedicada
✔✔✔✔
✔✔✔✔
dinâmico
Serviços gerenciados
✔✔✔✔
✖✖✖✖
Endereço IP público
✔✔✔✔
✔✔✔✔
Serviços profissionais
✔✔✔✔
✖✖✖✖
45