Vous êtes sur la page 1sur 71

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Pró-reitoria de Gestão de Pessoas – PROGESP


Departamento de Atenção à Saúde
Serviço de Atendimento Ambulatorial

Feridas / Curativos

Enf.ª Gislaine Thompson


2009
Definição de Ferida

Uma ferida é representada pela interrupção


da continuidade de um tecido corpóreo, em
maior ou em menor extensão, causada por
qualquer tipo de trauma físico, químico,
mecânico ou desencadeada por uma
afecção clínica, que aciona as frentes de
defesa orgânica para o contra ataque
(Cesaretti, 1998).
Histórico

Durante séculos, o tratamento de


feridas variou com o objetivo de
melhores resultados cicatriciais em
menor tempo possível (Blanes, 2004).
Histórico
► Pré-história: uso de vários agentes
aplicados sobre as feridas, como
extratos de plantas, água, neve, gelo,
frutas e lama;
► Mesopotâmia – feridas lavadas com
água ou leite, curativos com mel ou
resina. Utilizado lã de carneiro, folhas e
cascas de árvores para cobertura dos
curativos;
Histórico
► Egípcios concluíram que feridas
fechadas cicatrizava mais rápido que
feridas abertas, e passaram a utilizar
fitas para aproximação das margens;
► Avanço da química – permitiu a
utilização de cloro e iodo para limpeza
de materiais e da pele nos séculos 18
e 19;
PELE
Pele
Maior órgão do corpo, indispensável para a
vida humana e fundamental para o
perfeito funcionamento fisiológico do
organismo (Morais, 2008).

Indivíduo adulto tem aprox. 2m² de pele,


com aproximadamente 2mm de
espessura.
Pele
Funções da pele

 Protetora; 
 Absorção; Termorregulatória;
 Sensorial;  Imunológica;
 Produção vit. D;  Circulatória;
 Barreira;  Estética.
Pele
Funções da pele

1 – Protetora:

► barreira entre órgãos internos e


ambiente externo;
► barreira física contra microorganismos,
traumas, raios UV, etc.;
Pele
Funções da pele
2 – Absorção:
► Lipídios, vitaminas A e D, hormônios
esteróides;
► Substâncias lipossolúveis facilmente
absorvidas;

Taxa de absorção comparável àquelas para


substâncias no trato GI ou subcutâneas.
Pele
Funções da pele

3 – Sensorial:

► Terminações nervosas sensoriais –


frio, calor, dor e pressão;
► Densidade dos receptores varia
conforme a localização corporal;
Pele
Funções da pele

4 – Produção de vitamina D:

► A produção endógena de vitamina


D, necessária para a síntese da
vitamina, ocorre na epiderme;
► A produção começa logo após
alguns minutos de exposição ao sol.
Pele
Funções da pele
5 – Barreira:
► Previne a perda de água e eletrólito,
mantendo a umidade do tecido
subcutâneo;
► Evaporação contínua da superfície da
pele com a perspiração insensível –
500ml/dia – adulto;
Pele
Funções da pele

5 – Barreira:

► Imersão em água – acúmulo de 3 a 4


x seu peso;
► Barreira contra microorganismos
hospedeiros da pele.
Pele
Funções da pele

6 – Termorregulatória:

► Dissipação do calor produzido pelo


metabolismo celular;
► Perspiração facilita perda de calor do
corpo, regulada por fatores
neurológicos, temperatura corporal e do
ambiente.
Pele
Estrutura da pele

A pele é composta
por três
camadas:

1. Epiderme;
2. Derme;
3. Tecido adiposo
subcutâneo.
Pele
Epiderme

► Camada mais externa da pele;


► Constituída por 4 camadas organizadas
de epitélio estratificado;
► Espessura de 75 a 150 µm, podendo
chegar de 400 a 600 µm na palma das
mãos e planta dos pés.
Pele
Componentes da Epiderme
Ceratinócitos – constituem a barreira física
(impermeabilização) da epiderme;
Melanócitos – células da crista neural, distribuem
melanina para os ceratinócitos;
Células de Langerhans – macrófagos residentes,
apresentação de antígenos para as células T;
Células de Merkel – receptores sensitivos;
Pele
Considerações sobre Epiderme
► Células duram ± 28 dias;
► Invaginações da epiderme na derme
permitem a regeneração do tecido em
caso de queimaduras;
► A falta de ácidos graxos componentes da
epiderme é responsável pela pele seca e
escamosa e por aumento da
permeabilidade cutânea;
Pele

Considerações sobre Epiderme


► Os pêlos terminais típicos crescem
cerca de 0,5mm/dia na cabeça e
cerca de 0,4mm/dia no corpo;
Pele

Derme

Formada por 2
camadas:

Papilar – adere e nutre


a epiderme;
Reticular – mais
espessa,
relativamente
acelular e avascular;
Pele
Derme

Formada por três componentes:

► Fibroblastos
► Fibras (elásticas e de colágeno)
► Substância fundamental
Pele
Envelhecimento

► Papilas dérmicas - ↓ 55% entre 30 e 90 anos;


► Diminuição da umidade – pele escamosa;
► Diminuição elasticidade – flacidez e rugas;
► Acúmulo neoplasias benignas;
► Melanócitos diminuem 10 a 20% por década,
aumentando a suscetibilidade aos raios UV;
► Derme sobre redução expressiva na espessura –
pele transparente do idoso.
CICATRIZAÇÃO
Cicatrização

Fase Inflamatória
Apresenta um período
de duração de 1 a 4
dias, com formação de
coágulos sanguíneos, a
ferida torna-se
edemaciada e os restos
do tecido danificados e
coágulos de sangue são
fagocitados.
Cicatrização

Fase Proliferativa
Período de 5-20 dias,
com produção de
colágeno, formação
de tecido de
granulação e aumento
de tensão da ferida.
Cicatrização

Fase Proliferativa

Formação de tecido de
granulação, função de
preenchimento tecidual
para posterior depósito
de matriz do tecido
conjuntivo.
Cicatrização

Fase Reparadora

Dura em torno de 21 dias a meses, ou


até anos, sendo caracterizada pela
reorganização das fibras de colágeno,
que se comprimem para reduzir o
tamanho da cicatriz.
Cicatrização
Fatores de interferência
► Idade
► Etnia
► Doenças prévias
► Má nutrição
► Técnica inadequada de curativo
► Infecção local, corpos estranhos
► Imunossupressão
► Medicamentos
FERIDAS
Classificação das lesões
Pelo comprometimento tecidual
Ferida superficial (I)
comprometimento apenas da
epiderme

Causas: estiramento, fricção


ou queimadura 1.º grau;
Cicatrização: regeneração de
células epiteliais;
Características: não há
cicatriz, preservação estruturas
acessórias;
Classificação das lesões
Pelo comprometimento tecidual

Ferida parcial (II)


comprometimento da
epiderme e parte da
derme

Causas: estiramento,
fricção ou queimadura 1.º
grau;

Cicatrização:
semelhante à superficial
+ formação de crosta;
Classificação das lesões
Pelo comprometimento tecidual
Ferida total (III)
comprometimento da
epiderme, derme e
tecido subcutâneo

Característica:
presença de úlcera
profunda,
comprometimento total
da pele, porém não
atinge fáscia muscular.
Classificação das lesões
Pelo comprometimento tecidual

Ferida profunda
(IV)

comprometimento da
epiderme, derme,
tecido subcutâneo e
músculo e/ou
estruturas ósseas
Classificação das lesões
Quanto ao agente causador

1. Incisa ou cortante

2. Lacerante
Classificação das lesões
Quanto ao agente causador

3. Perfurante

4. Penetrante (armas de fogo)


Classificação das lesões
Quanto ao agente causador
Classificação das lesões
Quanto ao agente causador
Classificação das lesões
Quanto ao conteúdo microbiano

Limpa – lesão feita em condições


assépticas e livre de microorganismos;

Limpa contaminada – lesão com tempo


inferior a 6h entre o trauma e o
atendimento, sem grandes
contaminações;
Classificação das lesões
Quanto ao conteúdo microbiano

Contaminada – lesão com tempo


superior a 6h para o atendimento, com
presença de contaminantes mas sem
processo infeccioso;

Infectada – lesão com presença de


agente infeccioso local e intensa reação
inflamatória.
AVALIAÇÃO DE
ENFERMAGEM
A realização de um curativo compete
à enfermagem e sua execução não
se restringe apenas a uma questão
técnica, mas a todo um processo de
avaliação que antecede o início do
tratamento e perpassa o transcurso
do mesmo.
Anamnese
1. Causa da ferida
2. Aguda ou crônica
3. Idade/Etnia
4. Profissão
5. Doenças pregressas/Doenças atuais
6. AVD
7. Estado nutricional
Exame Físico
Aspecto geral:

1. Forma;
2. Localização;
3. Coloração;
4. Odor;
5. Temperatura;
6. Secreções.
Estado da Ferida

Mensuração

Medida linear
comprimento x largura
= área em cm²

Profundidade
em cm
Estado da Ferida

Tipo de tecidos

Viáveis
Epitelização
Tecido de granulação

Inviáveis
Fibrina desvitalizada
Tecidos necróticos
Estado da Ferida
Cor
Vermelho
Inflamação
Granulação
Amarelo
Fibrina
Pus
Cinza, Marrom, Negro
Necrose
Estado da Ferida
Exsudato

1. Volume;
2. Odor;
3. Cor;
4. Consistência.
Estado da Ferida

Bordas

1. Epitelização;
2. Necrose;
3. Laceração;
4. Regular/irregular;
5. Infecção;
6. Contaminação.
CURATIVO
Objetivo do Curativo

 Manutenção da umidade;
 Absorver excesso de exsudato;
 Isolante térmico;
 Barreira microbiana;
 Permitir troca gasosa;
 Proporcionar retirada atraumática.
Limpeza da ferida

Limpeza da ferida é a remoção do


tecido necrótico, da matéria estranha,
do excesso de exsudato, dos resíduos
de agentes tópicos e dos
microorganismos existentes nas lesões,
com objetivo de promoção e
preservação do tecido de granulação.
Limpeza da ferida
Técnica de limpeza

A melhor técnica de limpeza para


feridas em geral é a irrigação com jatos
de soro fisiológico a 0,9% morno.
Técnica de limpeza de feridas.doc
Curativos
Quatro categorias básicas de produtos:

 Curativos;
 Produtos p/ preenchimento de espaços;
 Produtos p/ proteger pele circundante;
 Curativos secundários para manter curativo
no lugar.
Curativos
Gaze
Tipos: compressa de gaze não aderente,
compressas de gaze e rolos de atadura.
Indicação:
 Curativo úmido-seco;
 Feridas fechadas por 1.ª intenção;
 Feridas infeccionadas;
 Feridas com muita secreção ou sangramento.
Curativos
Curativos Oclusivos
Tipos: com hidrogel, alginato ou
hidrofibras.
 Fornecem um ambiente propício ao
desbridamento autolítico;
 Podem ser deixados no lugar por vários
dias;
 Servem como suavizantes ao tecido –
indicado para queimaduras;
Curativos
Curativos Filme Semipermeável
 Oclusivos;
 Permitem evaporação mas incapaz de
absorver secreção;
 Pode lesar a pele circundante;

Indicação:
 Feridas superficiais ou de espessura
parcial com secreção mínima.
Curativos
Hidrogel
Tipos: em folhas ou amorfo
Indicações:
 Absorção de secreções;
 Hidratação de feridas secas;
 Queimaduras por calor ou radiação;
Curativos
Hidrocolóides
Tipos: vários
Indicações:
 Mais oclusivo dos curativos;
 Absorve quantidades moderadas de secreção;
 Apenas para feridas sem infecção;
 Permite desbridamento autolítico;
 Pode ser utilizado para preenchimento de
feridas;
Curativos
Sulfadiazina de Prata
Tipos: antibiótico em forma de pomada.
Indicações:
 Queimaduras;
 Pode ser aplicado com ou sem gaze;
 Trocada a cada 24h.
Contra-indicações:
Gestação;
Bebês prematuros ou com menos de 2 meses.
Curativos Secundários

Ataduras
 Grossas – imobilização de partes do corpo;
 Leves – manutenção ou estímulo ao
movimento de partes do corpo;
 Devem ser enroladas a partir da parte
inferior;
 Ancoragem quando em pés e mãos;
Curativos Secundários
Fitas adesivas
Fita de seda – mais adesiva, indicada para pele
jovem e saudável, não indicada para curativo
de feridas;
Fita plástica – para fixação de curativos
secundários, não usar sobre a pele;
Fita de papel – pouca aderência e
hipoalergênicas, uso em curativos primários
sobre a pele;
Fita de espuma plástica – adequada para pele
com risco, resistente à água.
Orientações
Nutrição
Necessidade de ingesta de vitaminas e
minerais:
A (retinol) – regula o desenvolvimento
epidérmico e atua na imunidade;
B6 (piridoxina) – falta pode deixar a pele
escamosa;
C – essencial para o desenvolvimento do
colágeno;
E – propriedade antioxidante
Alimentos ricos em Vitaminas e Sais Minerais.
Minerais
OBRIGADA!!!!
!

..\..\..\VidaEf_mera.pps
Referências Bibliográficas
BLANES, Leila. Tratamento de feridas. Baptista-Silva JCC, editor. Cirurgia
vascular: guia ilustrado. São Paulo: 2004. Disponível em: URL:
http://www.bapbaptista.com
CESARETTI, IUR. Processo fisiológico de cicatrização da ferida. Pelle Sana,
1998.
DEALEY, C. Cuidando de feridas: um guia para enfermeiras. São Paulo:
Atheneu; 1996. GLENN, Irion. Feridas: novas abordagens, manejo clínico
e atlas em cores. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005.
HARGROVE-HUTTEL, Ray. Enfermagem Médico Cirúrgica. Série de Estudos
em Enfermagem. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1998.
MORAIS, GFC; OLIVEIRA, SHS; SOARES, MJG. Avaliação de feridas pelos
enfermeiros de instituições hospitalares da rede pública. Texto e
Contexto Enfermagem. Florianópolis, 2008. PREFEITURA MUNICIPAL DE
BELO HORIZONTE. Protocolo de Assistência aos Portadores de Feridas.
Belo Horizonte, 2003.