Vous êtes sur la page 1sur 16

Opinião Pública e

Propaganda
Professor mestre Artur Araujo
(artur.araujo@puc-campinas.edu.br)

Questionamento da
Opinião Pública

Site do professor:
http://docentes.puc-campinas.edu.br/clc/arturaraujo/
Opinião pública é
survey?

 A idéia de opinião
pública ficou
muito contaminada
com o surgimento
das pesquisas George Gallup (1901-1984)
de opinião, na
década de 1930 nos EUA.
Opinião pública é
survey?

 Como o conceito
de opinião
pública é anterior
às pesquisas e
George Gallup (1901-1984)
como as pesquisas
retratam os aspectos mais
visíveis, interessantes e
discutidos da opinião pública...
Opinião pública é
survey?

 ...é natural que


a associação
pesquisa-opinião
pública seja feita,
ainda que essa George Gallup (1901-1984)
associação certamente não ajude
no esforço de se conceituar algo
que, afinal, existe
independentemente das
pesquisas.
A crítica de Bourdieu

 Pierre Bourdieu
defende a
tese de que a Pierre Bourdieu
(1930-2002)
opinião pública,
simplesmente, não existe.
 Ele critica tanto a banalização
das sondagens quanto o
pouco rigor com o qual elas
são muitas vezes aplicadas.
A crítica de Bourdieu

 Associando
opinião pública Pierre Bourdieu
às pesquisas, (1930-2002)

Bourdieu se apóia
basicamente em
três argumentos
contestatórios.
A crítica de Bourdieu:
“acessibilidade”
 Os pesquisadores
partem da errônea
premissa de que a Pierre Bourdieu
(1930-2002)
produção de opinião
esteja ao alcance de
qualquer indivíduo.
A crítica de Bourdieu:
“democratismo”
 Segundo, nós
também Pierre Bourdieu
partiríamos do (1930-2002)

falso pressuposto de que


todas as opiniões têm o
mesmo valor.
A crítica de Bourdieu:
interesse
 Bourdieuduvida
que os temas Pierre Bourdieu
pesquisados (1930-2002)

sejam de real interesse


de todos os
respondentes.
Vamos ler agora Pierre
Bourdieu
O experimento Ash
O experimento Milgram
(cenas do filme “Como Ícaro”)
A força das
pesquisas
 A força social dos
institutos de
Patrick Champagne
sondagem reside no
fato de que, situando-se sua
atividade entre a ciência e a
políticas podem trocar à
vontade de terreno.
A força das
pesquisas
 Realizadas
atualmente a toda
Patrick Champagne
hora e sem serem
contestáveis do ponto de vista
técnico, as sondagens de
intenção de voto tendem, no
entanto, a colocar em questão
de forma parcial os resultados
obtidos nas urnas.
Reféns de uma falsa
democracia
 Tendo sido eleitos
para elaborar com
Patrick Champagne
conhecimento de
causa o que deve ser a
“vontade popular”, os políticos
sofrem a concorrência dos
institutos de sondagem que
parecem tornar possível uma
espécie de “democracia direta”.
Sondagem não é
democracia
 A política deve ser uma
coisa diferente desse
universo no qual o Patrick Champagne
povo só existiria sob a
forma de sondagens (de preferência,
telefônicas) e assistiria na televisão
às lutas que, “em seu nome”, seriam
travadas pelos diferentes clãs de um
mundo político que, de fato,
obedeceria exclusivamente à lógica
de suas lutas intestinas.