Vous êtes sur la page 1sur 22
UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA OPERAÇÕES UNITÁRIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA

OPERAÇÕES UNITÁRIAS I

FILTRAÇÃO

Consiste na separação de partículas sólidas de uma suspensão líquida mediante o escoamento desta suspensão em um meio poroso estacionário, denominado de meio filtrante, no qual o sólido permanece retido sobre este meio, forma um depósito que se denomina torta de filtração, cuja espessura cresce e se deforma continuamente e passa a desempenhar um papel fundamental no decorrer da operação de separação.

A fase fluida que atravessa o meio poroso é denominada de filtrado. A Figura 1 ilustra uma suspensão submetida a operação de filtragem

Meio Filtrante

Meio Filtrante Suspensão Filtrado FIGURA 1 – Suspensão sólido-líquido escoando através de um meio filtrante
Meio Filtrante Suspensão Filtrado FIGURA 1 – Suspensão sólido-líquido escoando através de um meio filtrante

Suspensão

Filtrado
Filtrado

Filtrado

Filtrado
Filtrado

FIGURA 1 – Suspensão sólido-líquido escoando através de um meio filtrante

CLASSIFICAÇÃO E TIPOS DE FILTROS

 

Para

se

especificar

um

filtro

adequado

a

determinada

aplicação deve-se considerar

 

fatores

associados

às

características da torta resultante e da suspensão filtrada.

a

ser

As características relevantes da torta são:

 

Quantidade de torta Compressibilidade

 

Propriedades

físico-químico

(pH,

precipitação,

reação

química). Uniformidade (rugosidade, porosidade).

Pureza dos sólidos (contaminação com o meio filtrante)

As características relevantes da suspensão são:

Vazão da alimentação

Temperatura

Propriedades do fluido (densidade, viscosidade e corrosão)

Natureza do sólido (heterogeneidade, esfericidade, distribuição

granulométrica ) Concentração de sólidos

Na seleção do equipamento além da adequação e eficiência do processo, o custo total de operação deste equipamento deve ser considerado, discutindo também a relação custo - beneficio ou preço - desempenho.

Para classificar os diversos modelos de filtros, os seguintes critérios deverão ser observados.

Força Motriz: - Ex: gravidade, pressão, vácuo, vácuo-pressão e força centrífuga.

Material do Meio Filtrante: - Ex: areia, asbestos, tecido, meio poroso rígido, papel

Função: - Ex: clarificadores, filtros para torta ou espessadores.

Detalhes Construtivos: - Ex; Filtros de areia, placas e quadros, lâminas ou rotativos.

Seguindo os critérios definidos acima, classifica-se os principais filtros da industria química como:

Filtros de leitos porosos granulares Filtro prensa de câmaras Filtro prensa de placas e quadros Filtros de laminas Filtros contínuos Rotativos Discos horizontais Filtros Especiais.

Fatores de Projeto

Quantidade de matéria a ser operado.

Concentração da suspensão da alimentação

Grau de separação que se deseja efetuar.

Propriedades do fluido

Regime de escoamento

Custos

REGIMES DE FILTRAÇÃO

À PRESSÃO CONSTANTE

À VAZÃO CONSTANTE

EM REGIME MIXTO

FILTRAÇÃO À PRESSÃO CONSTANTE.

Mantem-se uma queda de pressão constante com auxilio da bomba que força o fluido, sendo que a vazão vai sendo reduzida a medida que cresce a espessura da torta. Aplicada para precipitados poucos compressíveis.

FILTRAÇÃO À VAZÃO CONSTANTE

Utilizada para precipitados compressíveis ,deve-se iniciar a filtração com pressões reduzidas para não torná-lo pouco permeável e ir aumentando gradativamente a medida que cresce a espessura da torta (aumentando a resistência a filtração), mantendo-se constante a vazão de filtrado.

FILTRAÇÃO EM REGIME MIXTO.

Na realidade, nem sempre se mantém rigorosamente as condições de filtração, dificultando as previsões teóricas., porque as condições de operação estão associadas ao funcionamento da bomba que força a suspensão

Bomba centrífuga - Predomina pressão constante

Deslocamento positivo – Predomina vazão constante.

PROJETO DE FILTROS.

Para o projeto de filtro procura-se relacionar:

Propriedades da torta Espessura da torta e área de filtração. Queda de pressão na torta Volume de filtrado na unidade de tempo.

TRATAMENTO MATEMÁTICO E EQUAÇÕES DE BALANÇO

Para ocaso de filtração plana unidirecional de suspensões, onde o fluido é incompressível e ocorre formação de torta a lei de DARCY, pode ser aplicada, para a determinação das quedas de pressão na torta (-ΔP t ) e no meio filtrante (-ΔP m ) em função da velocidade superficial (q), conforme ilustra a Figura 2

Torta de Filtração ΔP t

Meio Filtrante ΔP m

TRATAMENTO MATEMÁTICO E EQUAÇÕES DE BALANÇO Para ocaso de filtração plana unidirecional de suspensões, onde o
q A Filtrado Suspensão L(t) Lm X
q
A
Filtrado
Suspensão
L(t)
Lm
X

FIGURA 2 – Queda de Pressão na Torta de Filtração e no Meio Filtrante

Lm – Espessura do meio filtrante L(t) – Espessura da torta (varia com o tempo)

BALANÇO DE MASSA NA TORTA

Admitindo que todo o sólido existente na

suspensão da alimentação fica retido na torta, ou seja, a quantidade de sólido no filtrado é desprezível, e o balanço de massa pode ser definido como::

BALANÇO DE MASSA NA TORTA Admitindo que todo o sólido existente na suspensão da alimentação fica

MASSA DE SÓLIDOS NA TORTA

BALANÇO DE MASSA NA TORTA Admitindo que todo o sólido existente na suspensão da alimentação fica

MASSA DE SÓLIDOS NA SUSPENSÃO

MASSA DE SÓLIDOS NA SUSPENSÃO

RESISTÊNCIA ESPECÍFICA DA TORTA. – (α)

RESISTÊNCIA ESPECÍFICA DA TORTA. – (α)