Vous êtes sur la page 1sur 45

FENÔMENO DE MEMBRANA E FUNÇÃO NEUROMUSCULAR

Professor: José Roberto

DIFUSÃO SIMPLES

DIFUSÃO SIMPLES

RANDON – WALK OU MOVIMENTO BROWNIANO

RANDON – WALK OU MOVIMENTO BROWNIANO

EQUAÇÃO DE EINSTEIN

EQUAÇÃO DE EINSTEIN

LEI DE FICK

LEI DE FICK
LEI DE FICK

O QUE É UM GRADIENTE?

LEI DE FICK

LEI DE FICK

Difusão

Movimento molecular aleatório e contínuo de substâncias, molécula a molécula, através dos espaços intramoleculares da membrana ou em combinação com proteína transportadora;

Energia utilizada = energia cinética normal da matéria;

Esse contínuo movimento de moléculas por entre as outras, nos líquidos e nos gases, é chamado difusão.

A BARREIRA LIPÍDICA E AS PROTEÍNAS DE TRANSPORTE DA MEMBRANA CELULAR

A BARREIRA LIPÍDICA E AS PROTEÍNAS DE TRANSPORTE DA MEMBRANA CELULAR

MEMBRANA CELULAR

MEMBRANA CELULAR

PROTEÍNAS DA MEMBRANA CELULAR

Proteínas integrais:

Podem formar canais (poros) para passagem de água e íons;

Propriedades seletivas;

Podem

agir

como

proteínas

carregadoras

para

o

transporte de

substâncias que não penetram a bicamada lipídica, inclusive na direção

oposta à da difusão natural

PROTEÍNAS DA MEMBRANA CELULAR

Proteínas periféricas:

Ancoradas à superfície da membrana, sem penetrá-la;

Frequentemente ligadas às proteínas integrais;

Funcionam como enzimas ou controladoras do transporte de substâncias através da membrana

A BARREIRA LIPÍDICA E AS PROTEÍNAS DE TRANSPORTE DA MEMBRANA CELULAR

As moléculas de proteína apresentam propriedades de transporte inteiramente diferentes.

Estruturas

moleculares

interrompem

a

continuidade

da

bicamada lipídica e, portanto, formam via alternativa

através da membrana celular.

Proteínas de transporte. Proteínas de canal. Proteínas carreadoras

A BARREIRA LIPÍDICA E AS PROTEÍNAS DE TRANSPORTE DA MEMBRANA CELULAR

A maioria das proteínas podem funcionar como transportadoras, seja formando canais ou ligando-se às moléculas a serem transportadas

As proteínas são

seletivas no transporte de

moléculas através da membrana

O

transporte

através

da

membrana

celular

ocorre por difusão ou transporte ativo.

DIFUSÃO ATRAVÉS DA MEMBRANA CELULAR

Dividida em dois subtipos distintos:

Difusão simples - movimento cinético moléculas ou íons - membrana ou dos espaços intermoleculares – sem fixação proteínas carreadoras da membrana.

Difusão facilitada - interação das moléculas ou íons com proteína carreadora que facilita sua passagem através da membrana,

DIFUSÃO SIMPLES ATRAVÉS DA BICAMADA LIPÍDICA

Difusão de substâncias lipossolúveis

Lipossolubilidade da substância – determina a rapidez que uma substância irá atravessar essa bicamada lipídica

Ex.:

Oxigênio Nitrogênio Dióxido de carbono

DIFUSÃO PELOS CANAIS PROTÉICOS E AS “COMPORTAS” DESSES CANAIS

As proteínas canais são distinguidas por 2 características importantes:

1- São seletivamente permeáveis a certas substâncias

2- Muitos dos canais podem ser abertos ou fechados por “comportas”

Transporte

de

água

e

de

outras moléculas

insolúveis em lipídios H 2 O - atravessa facilmente a membrana celular –

passa direto, através da bicamada lipídica ou pelas proteínas de canal.

Incapacidade de íons de se difundirem através da bicamada lipídica

Íons

-

íons

hidrogênio,

sódio,

potássio

-

penetram na bicamada lipídica com velocidades

cerca

de

1

milhão

de

vezes menores que

a

da

água

A DIFUSÃO SIMPLES ATRAVÉS DOS CANAIS DAS PROTEÍNAS E AS "COMPORTAS" DESSES CANAIS.

Canais

protéicos

importantes:

são

distinguidos

por

duas

características

(1)

muitas

vezes,

eles

determinadas substâncias

são

seletivamente

permeáveis

a

(2)

muitos

desses canais podem ser abertos ou

meio de comportas.

fechados por

PERMEABILIDADE SELETIVA DAS PROTEÍNAS CANAIS

PERMEABILIDADE SELETIVA DAS PROTEÍNAS CANAIS
PERMEABILIDADE SELETIVA DAS PROTEÍNAS CANAIS

PERMEABILIDADE SELETIVA DAS PROTEÍNAS CANAIS

PERMEABILIDADE SELETIVA DAS PROTEÍNAS CANAIS

PERMEABILIDADE SELETIVA DAS PROTEÍNAS CANAIS

PERMEABILIDADE SELETIVA DAS PROTEÍNAS CANAIS
PERMEABILIDADE SELETIVA DAS PROTEÍNAS CANAIS

PERMEABILIDADE SELETIVA DAS PROTEÍNAS CANAIS

PERMEABILIDADE SELETIVA DAS PROTEÍNAS CANAIS

MODELO BIOLOGICO

G – CONDUTÂNCIA V - POTENCIAL

MODELO BIOLOGICO

MODELO ELÉTRICO

MODELO ELÉTRICO

MODELO ELÉTRICO

MODELO HIDRAULICO

AS “COMPORTAS” DAS PROTEÍNAS CANAIS

A abertura

e

o fechamento desses canais podem ser

controlados por 2 modos:

1- Por variações de voltagem: A conformação molecular do canal ou das suas ligações químicas reage ao potencial elétrico através da membrana celular

2- Por controle químico (por ligantes): Algumas comportas das proteínas canais dependem da ligação de substâncias químicas (ligantes) com a proteína. Isso causa alteração conformacional da proteína ou de suas ligações químicas na molécula da proteína que abre o fecha sua comporta

DIFUSÃO FACILITADA

Difusão

mediada

por

transportador

(proteína

transportadora) Velocidade de difusão difere da difusão simples

 A velocidade com que moléculas podem ser transportadas nunca pode ser maior do que a
 A
velocidade
com
que
moléculas
podem
ser
transportadas
nunca
pode
ser
maior
do
que
a
velocidade
com
que
a
molécula
da
proteína
transportadora
pode
se
alterar
entre
suas
2
conformações
 Ex: transporte de glicose e de AA

VELOCIDADE DA DIFUSÃO SIMPLES X DIFUSÃO FACILITADA

VELOCIDADE DA DIFUSÃO SIMPLES X DIFUSÃO FACILITADA

PRESSÃO OSMÓTICA

A quantidade exata de pressão necessária para interromper a osmose é conhecida como pressão osmótica da solução de cloreto de sódio.

A pressão osmótica exercida pelas partículas em solução é determinada pelo nº dessas partículas por unidade de volume de líquido.

TRANSPORTE ATIVO DE SUBSTÂNCIAS ATRAVÉS DAS MEMBRANAS

Quando a membrana celular transporta moléculas ou íons contra um gradiente de concentração (elétrico ou de pressão), o processo é chamado de transporte ativo.

Ex:

íons

(sódio,

potássio,

açúcares, aminoácidos.

cálcio,

ferro,

hidrogênio,

cloreto),

TRANSPORTE ATIVO PRIMÁRIO E SECUNDÁRIO

Primário: energia derivada de ATP ou de qualquer outro composto de fosfato com alta energia. Ex: sódio, potássio, cálcio, hidrogênio

Secundário: Uma substância é transportada contra seu gradiente de potencial eletroquímico porque o processo está acoplado ao transporte de uma outra substância.

Em ambos os casos há participação de proteínas transportadoras, capazes de transferir energia para a substância transportada para movê-la contra o gradiente eletroquímico.

TRANSPORTE ATIVO PRIMÁRIO

Bomba de Cálcio

2 bombas: uma na membrana celular, que transporta Ca ++ para o exterior e outra que transporta Ca ++ para o interior de organelas como o retículo sarcoplasmático das células musculares e as mitocôndrias de todas as células.

Proteína carreadora com função ATPase

TRANSPORTE ATIVO SECUNDÁRIO:

CO-TRANSPORTE E CONTRATRANSPORTE

Co-transporte: Proteína transportadora tem sítio de

ligação para

Na +

(por exemplo) e para outra

o

substância a ser transportada, do meio externo para o interno. Ex: glicose + sódio ou AA + sódio

Contratransporte:

O

Na +

liga

à

proteína

se

transportadora do lado externo da célula e a substância a ser contratransportada se liga à proteína do lado interno da célula. A energia liberada pelo sódio em sua difusão para dentro da célula faz com que a outra substância seja transportada para o exterior. Ex:

sódio-cálcio e sódio-hidrogênio

Função

neuromuscular

Conceitos

Junção neuromuscular ou junção mioneural - é

a

junção

entre

um axônio motor

a

parte

com

terminal

de

uma placa

motora (ou sinapse neuromuscular)

Região da membrana plasmática de uma fibra muscular (o sarcolema) onde se dá o encontro entre o nervo e o músculo permitindo desencadear a contração muscular.

Na

junção

neuromuscular

o neurotransmissor utilizado é a acetilcolina.

A

fibra

nervosa

ramifica-se

no

final,

para

formar a placa terminal que se invagina para dentro da fibra muscular, mas repousa inteiramente na parte externa da membrana

Junção neuromuscular

As

fibras musculares esqueléticas são inervadas por fibras

nervosas mielinizadas originadas nos grandes neurônios motores, nos cornos anteriores da medula espinhal.

Cada fibra nervosa se ramifica e estimula de 3 a várias centenas de fibras musculares esqueléticas

Junção neuromuscular

Cada terminação nervosa faz uma junção com a fibra muscular: a junção neuromuscular

O potencial de ação viaja em ambas as direções, do centro às extremidades da fibra muscular

Anatomia fisiológica da junção neuromuscular- A placa motora

A fibra nervosa forma um complexo de terminais nervosos ramificados que se invaginam na superfície extracelular da fibra muscular: a placa motora

A placa motora é recoberta por 1 ou mais células de Schwann, que a isolam dos líquidos circunjacentes

Anatomia fisiológica da junção neuromuscular- A placa motora  A fibra nervosa forma um complexo de

Anatomia Fisiológica da Junção neuromuscular

Goteira invaginada

sináptica

(canaleta

sináptica):

membrana

Espaço sináptico (fenda sináptica): espaço entre terminal do axônio e membrana da fibra

Fendas subneurais: dobras da membrana muscular no fundo da goteira

Vesículas sinápticas: encontradas nos terminais de uma placa motora; captam a acetilcolina produzida no citoplasma do terminal

Acetilcolinesterase: enzima presente no espaço sináptico

Junção Neuromuscular

Estudo Dirigido

Descreva os tipos de tecido muscular e as características estruturais que os definem. Descreva a estrutura e função da menor unidade contrátil do músculo estriado, o sarcômero. Descreva como ocorre e quais as bases moleculares do mecanismo de excitação-contração do músculo estriado esquelético. Descreva os tipos de músculo liso, e diferencie sua estrutura e função. Diga a importância do Ca 2+ e do ATP para o ciclo de contração muscular. Diga qual a fonte dos íons Ca 2+ usados para promover a contração nos diferentes tecidos musculares

Muito Obrigado!

jrcunhalima@gmail.com
jrcunhalima@gmail.com