Vous êtes sur la page 1sur 23

1. INTRODUÇÃO

Órgãos de múltiplos sistemas contidos em uma localização compacta

1. INTRODUÇÃO Órgãos de múltiplos sistemas contidos em uma localização compacta Uma injúria isolada pode produzir

Uma injúria isolada pode produzir múltiplos efeitos potencialmente letais

1. INTRODUÇÃO Órgãos de múltiplos sistemas contidos em uma localização compacta Uma injúria isolada pode produzir

Os traumatismos cervicais representam de 5 a 10% de todas as injúrias traumáticas, sendo mais comuns no sexo masculino.

Atualmente, em países desenvolvidos, a tendência tem sido:

• Os traumatismos cervicais representam de 5 a 10% de todas as injúrias traumáticas, sendo mais

Incidência

• Os traumatismos cervicais representam de 5 a 10% de todas as injúrias traumáticas, sendo mais

Mortalidade

ZONA ZONA 11

8% dos traumas cervicais. Estruturas vulneráveis:

Aa. Carótidas comuns proximais Aa. Vertebrais e subclávias Vv. Subclávias e jugulares. Traqueia Nn. Laríngeo recorrente e vago Esôfago Ducto torácico

ZONA 1 1 • 8% dos traumas cervicais. • Estruturas vulneráveis: • Aa. Carótidas comuns proximais

Dificuldade

manejo

Mortalidade

Acesso cirúrgico: esternotomia ou tocacotomia

ZONA ZONA 22

77% dos traumas cervicais. Estruturas vulneráveis:

Aa. Carótidas Vv. vertebrais e jugulares. Traqueia proximal Nn. Laríngeo recorrente e vago Faringe e laringe Medula espinhal

Acesso cirúrgico: direto (vertical ou horizontal)

ZONA ZONA 33

15% dos traumas cervicais. Estruturas vulneráveis:

ZONA 3 3 • 15% dos traumas cervicais. • Estruturas vulneráveis: • Aa. Carótidas e vertebrais

Aa. Carótidas e vertebrais extracranianas Vv. jugulares.

Medula espinhal Tronco simpático Pares cranianos IX- XII

Dificuldade manejo cirúrgico

Mortalidade

Acesso cirúrgico: craniotomia, mandibulotomia ou manobras de deslocamento mandibular.

TRAUMA NÃO-PENETRANTE

TRAUMA

NÃO-PENETRANTE

TRAUMA NÃO-PENETRANTE TRAUMA NÃO-PENETRANTE

TRAUMA NÃO-PENETRANTE

TRAUMA

NÃO-PENETRANTE

TRAUMA NÃO-PENETRANTE TRAUMA NÃO-PENETRANTE
TRAUMA NÃO-PENETRANTE TRAUMA NÃO-PENETRANTE

TRATAMENTO

TRATAMENTO

Manejo inicial:

“Airways, breathing, circulation”

Prioridade: estabelecer via aérea com proteção cervical

Traqueostomia é preferível à intubação; de preferência que seja feita por profissionais experientes

TRAUMA PENETRANTE

TRAUMA

PENETRANTE

TRAUMA PENETRANTE TRAUMA PENETRANTE

TRATAMENTO

TRATAMENTO

De imediato: Conduzir a vítima ao PS mais próximo!

Objetos inseridos no pescoço NÃO devem ser retirados no local.

Durante o transporte, monitorar sons respiratórios e sinais vitais

Deve-se tentar iniciar reposição volêmica durante o transporte em caso de hemorragia intensa

Pacientes com sangramento ativo: Posição de Trendelenburg (reduz risco de embolia aérea)

TRATAMENTO TRATAMENTO • De imediato: Conduzir a vítima ao PS mais próximo! • Objetos inseridos no

A via aérea difícil:

Preparo para lidar com complicações

Cautela no uso da ventilação com máscara em TCP (somente o necessário)

• A via aérea difícil: • Preparo para lidar com complicações • Cautela no uso da

QUANDO USAR

QUANDO

USAR OO COLAR

COLAR CERVICAL?

CERVICAL?

Em caso de evidência ou forte suspeita de lesão medular.

USAR QUANDO O O COLAR CERVICAL? • Em caso de evidência ou forte suspeita de
USAR QUANDO O O COLAR CERVICAL? • Em caso de evidência ou forte suspeita de

QUANDO OPERAR?

QUANDO

OPERAR?

Perfuração do m. platisma Lesões transcervicais por arma de fogo

Sangramento ativo que não cessa com uso de manobras/catéter

Enfisema subcutâneo

Outras indicações, de acordo com resultado de exames complementares (Rx, arteriografia, TC)